SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Camila
ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO
 Emissor – emite, codifica a mensagem
 Receptor – recebe, decodifica a mensagem
 Mensagem - conteúdo transmitido pelo emissor
 Código – conjunto de signos usado na transmissão e
recepção da mensagem
 Referente – contexto relacionado a emissor e receptor
 Canal – meio pelo qual circula a mensagem
Obs.: as atitudes e reações dos comunicantes são também
referentes e exercem influência sobre a comunicação.
Funções da Linguagem
O emissor ao transmitir uma mensagem, sempre tem um
objetivo: informar algo, demonstrar seus sentimentos, ou
convencer alguém a fazer algo, entre outros;
consequentemente, a linguagem passa a ter uma função,
que são as seguintes:
 Função Referencial;
 Função Conativa;
 Função Emotiva;
 Função Metalinguística;
 Função Fática;
 Função Poética.
Obs.: em um mesmo contexto, duas ou mais funções
podem ocorrer simultaneamente: uma poesia em que o
autor discorra sobre o que ele sente ao escrever poesias
tem as linguagens poética, emotiva e metalingüística
ao mesmo tempo.
Função Referencial
 Quando o objetivo do emissor é informar, ocorre a
função referencial, também chamada de denotativa ou
de informativa. São exemplos de função denotativa a
linguagem jornalística e a científica.
Ex.: Numa cesta de vime temos um cacho de uvas, duas
laranjas, dois limões, uma maçã vermelha e uma pêra.
Função Referencial
 Centralizada no referente.
 Quando o emissor procura oferecer informações da
realidade.
 Objetiva.
 Direta.
 Denotativa.
 Prevalecendo a 3ª pessoa do singular.
 Linguagem usada nas notícias de jornal e livros científicos.
Função Conativa
Ocorre a função conativa, ou apelativa, quando o emissor
tenta convencer o recepto a praticar determinada ação. É
comum o uso do verbo no Imperativo, como “Compre aqui
e concorra a este lindo carro”.
“Compre aqui...” é a tentativa do emissor de convencer o
receptor a praticar a ação de comprar ali.
Função Conativa
 Centraliza-se no receptor.
 O emissor procura influenciar o comportamento do
receptor.
 Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de tu
e você, ou nome da pessoa, além dos vocativos e
imperativo.
 Usada nos discursos, sermões e propagandas que se
dirigem diretamente ao consumidor.
Função Emotiva
Quando o emissor demonstra seus sentimentos ou
emite suas opiniões ou sensações a respeito de algum
assunto ou pessoa, acontece a função emotiva,
também chamada de expressiva.
Ex.: Nós o amamos muito, Romário!!
Função Emotiva
 Centralizada no emissor, revelando sua opinião, sua
emoção.
 Nela prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e
exclamações.
 É a linguagem das biografias, memórias, poesias líricas
e cartas de amor.
Ex.: Estou muito feliz.
Função Metalingüística
É a utilização do código para falar dele mesmo: uma
pessoa falando do ato de falar, outra escrevendo sobre
o ato de escrever, palavras que explicam o significado
de outra palavra.
Ex.: Escrevo porque gosto de escrever. Ao passar as idéias
para o papel, sinto-me realizada...
Função Metalingüística
 Centralizada no código, usando linguagem para falar dela
mesma.
 A poesia que fala da poesia, da sua função e do poeta, um
texto que comenta outro texto.
 Principalmente dicionários são repositórios de
metalinguagem.
Obs.: em um mesmo texto podem aparecer várias funções da
linguagem. O importante é saber qual a função
predominante no texto, para então defini-lo.
Função Fática
A função fática ocorre, quando o emissor testa o canal de
comunicação, a fim de observar se o receptor o entendeu.
São perguntas como “não é mesmo?”, “você está
entendendo?”, “cê tá ligado?”, ou frases como “alô!”, “oi”.
Ex.: Alô Houston! A missão foi cumprida, ok? Devo
voltar à nave? Alguém me ouve? Alô!!
• Centralizada no canal, tendo como objetivo prolongar ou
não o contato com o receptor, ou testar a eficiência do
canal.
•Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares.
Função Poética
É a linguagem das obras literárias, principalmente das
poesias, em que as palavras são escolhidas e dispostas
de maneira que se tornem singulares.
Ex:
CLÍMAX
No peito a mata
aperta o pranto
do olhar do louco
pra meia-lua.
(...)
Função Poética
 Centralizada na mensagem, revelando recursos
imaginativos criados pelo emissor.
 Afetiva, sugestiva, conotativa, ela é metafórica. Valorizam-
se as palavras, suas combinações.
 É a linguagem figurada apresentada em obras literárias,
letras de música, em algumas propagandas, etc.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a FUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).ppt

Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercícios
Sônia Sochiarelli
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Valeria Nunes
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Pedro Barros
 
C:\Fakepath\ComunicaçãO
C:\Fakepath\ComunicaçãOC:\Fakepath\ComunicaçãO
C:\Fakepath\ComunicaçãO
Crys Bastos
 

Semelhante a FUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).ppt (20)

Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercícios
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason LimaFunções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason Lima
 
Funções linguísticas
Funções linguísticasFunções linguísticas
Funções linguísticas
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limaFunções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason lima
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
funcoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdffuncoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdf
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
ComunicaçãO
ComunicaçãOComunicaçãO
ComunicaçãO
 
C:\Fakepath\ComunicaçãO
C:\Fakepath\ComunicaçãOC:\Fakepath\ComunicaçãO
C:\Fakepath\ComunicaçãO
 
figuras de linguagem.ppt
figuras de linguagem.pptfiguras de linguagem.ppt
figuras de linguagem.ppt
 
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para EnemRevisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
 
FUNÇÃO DA LINGUAGEM 2.pptx
FUNÇÃO DA LINGUAGEM 2.pptxFUNÇÃO DA LINGUAGEM 2.pptx
FUNÇÃO DA LINGUAGEM 2.pptx
 
funções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdffunções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdf
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
 

Mais de CAMILACRISTINASILVAB

Mais de CAMILACRISTINASILVAB (18)

Livro, leitura, educação, aprendizado...
Livro, leitura, educação, aprendizado...Livro, leitura, educação, aprendizado...
Livro, leitura, educação, aprendizado...
 
Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.
Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.
Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.
 
Concordância verbal.pdf
Concordância verbal.pdfConcordância verbal.pdf
Concordância verbal.pdf
 
Aula intertextualidade.pptx
Aula intertextualidade.pptxAula intertextualidade.pptx
Aula intertextualidade.pptx
 
ENEM-AULÃO- Com tema.pptx
ENEM-AULÃO- Com tema.pptxENEM-AULÃO- Com tema.pptx
ENEM-AULÃO- Com tema.pptx
 
intertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdf
intertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdfintertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdf
intertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdf
 
Passo a Passo ENEM.pptx
Passo a Passo ENEM.pptxPasso a Passo ENEM.pptx
Passo a Passo ENEM.pptx
 
Acentuação - 2.pptx
Acentuação  - 2.pptxAcentuação  - 2.pptx
Acentuação - 2.pptx
 
Modernismo - 1ª Geração.docx
Modernismo - 1ª Geração.docxModernismo - 1ª Geração.docx
Modernismo - 1ª Geração.docx
 
Acentuação - 2.pptx
Acentuação  - 2.pptxAcentuação  - 2.pptx
Acentuação - 2.pptx
 
Revisão de literatura para o ENEM.pptx
Revisão de literatura para o ENEM.pptxRevisão de literatura para o ENEM.pptx
Revisão de literatura para o ENEM.pptx
 
esquentaenem.pptx
esquentaenem.pptxesquentaenem.pptx
esquentaenem.pptx
 
Revisão de redação - ENEM.pptx
Revisão de redação - ENEM.pptxRevisão de redação - ENEM.pptx
Revisão de redação - ENEM.pptx
 
Oxítona, paroxítona e proparoxítona.pptx
Oxítona, paroxítona e proparoxítona.pptxOxítona, paroxítona e proparoxítona.pptx
Oxítona, paroxítona e proparoxítona.pptx
 
ENEM-AULÃO- Com tema.pptx
ENEM-AULÃO- Com tema.pptxENEM-AULÃO- Com tema.pptx
ENEM-AULÃO- Com tema.pptx
 
Redação - Enem.pptx
Redação - Enem.pptxRedação - Enem.pptx
Redação - Enem.pptx
 
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).pptoracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
 
Colocação Pronominal.ppt
Colocação Pronominal.pptColocação Pronominal.ppt
Colocação Pronominal.ppt
 

Último

4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 

FUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).ppt

  • 2. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO  Emissor – emite, codifica a mensagem  Receptor – recebe, decodifica a mensagem  Mensagem - conteúdo transmitido pelo emissor  Código – conjunto de signos usado na transmissão e recepção da mensagem  Referente – contexto relacionado a emissor e receptor  Canal – meio pelo qual circula a mensagem Obs.: as atitudes e reações dos comunicantes são também referentes e exercem influência sobre a comunicação.
  • 3. Funções da Linguagem O emissor ao transmitir uma mensagem, sempre tem um objetivo: informar algo, demonstrar seus sentimentos, ou convencer alguém a fazer algo, entre outros; consequentemente, a linguagem passa a ter uma função, que são as seguintes:  Função Referencial;  Função Conativa;  Função Emotiva;  Função Metalinguística;  Função Fática;  Função Poética.
  • 4. Obs.: em um mesmo contexto, duas ou mais funções podem ocorrer simultaneamente: uma poesia em que o autor discorra sobre o que ele sente ao escrever poesias tem as linguagens poética, emotiva e metalingüística ao mesmo tempo.
  • 5. Função Referencial  Quando o objetivo do emissor é informar, ocorre a função referencial, também chamada de denotativa ou de informativa. São exemplos de função denotativa a linguagem jornalística e a científica. Ex.: Numa cesta de vime temos um cacho de uvas, duas laranjas, dois limões, uma maçã vermelha e uma pêra.
  • 6. Função Referencial  Centralizada no referente.  Quando o emissor procura oferecer informações da realidade.  Objetiva.  Direta.  Denotativa.  Prevalecendo a 3ª pessoa do singular.  Linguagem usada nas notícias de jornal e livros científicos.
  • 7. Função Conativa Ocorre a função conativa, ou apelativa, quando o emissor tenta convencer o recepto a praticar determinada ação. É comum o uso do verbo no Imperativo, como “Compre aqui e concorra a este lindo carro”. “Compre aqui...” é a tentativa do emissor de convencer o receptor a praticar a ação de comprar ali.
  • 8. Função Conativa  Centraliza-se no receptor.  O emissor procura influenciar o comportamento do receptor.  Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de tu e você, ou nome da pessoa, além dos vocativos e imperativo.  Usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao consumidor.
  • 9. Função Emotiva Quando o emissor demonstra seus sentimentos ou emite suas opiniões ou sensações a respeito de algum assunto ou pessoa, acontece a função emotiva, também chamada de expressiva. Ex.: Nós o amamos muito, Romário!!
  • 10. Função Emotiva  Centralizada no emissor, revelando sua opinião, sua emoção.  Nela prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e exclamações.  É a linguagem das biografias, memórias, poesias líricas e cartas de amor. Ex.: Estou muito feliz.
  • 11. Função Metalingüística É a utilização do código para falar dele mesmo: uma pessoa falando do ato de falar, outra escrevendo sobre o ato de escrever, palavras que explicam o significado de outra palavra. Ex.: Escrevo porque gosto de escrever. Ao passar as idéias para o papel, sinto-me realizada...
  • 12. Função Metalingüística  Centralizada no código, usando linguagem para falar dela mesma.  A poesia que fala da poesia, da sua função e do poeta, um texto que comenta outro texto.  Principalmente dicionários são repositórios de metalinguagem. Obs.: em um mesmo texto podem aparecer várias funções da linguagem. O importante é saber qual a função predominante no texto, para então defini-lo.
  • 13. Função Fática A função fática ocorre, quando o emissor testa o canal de comunicação, a fim de observar se o receptor o entendeu. São perguntas como “não é mesmo?”, “você está entendendo?”, “cê tá ligado?”, ou frases como “alô!”, “oi”. Ex.: Alô Houston! A missão foi cumprida, ok? Devo voltar à nave? Alguém me ouve? Alô!! • Centralizada no canal, tendo como objetivo prolongar ou não o contato com o receptor, ou testar a eficiência do canal. •Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares.
  • 14. Função Poética É a linguagem das obras literárias, principalmente das poesias, em que as palavras são escolhidas e dispostas de maneira que se tornem singulares. Ex: CLÍMAX No peito a mata aperta o pranto do olhar do louco pra meia-lua. (...)
  • 15. Função Poética  Centralizada na mensagem, revelando recursos imaginativos criados pelo emissor.  Afetiva, sugestiva, conotativa, ela é metafórica. Valorizam- se as palavras, suas combinações.  É a linguagem figurada apresentada em obras literárias, letras de música, em algumas propagandas, etc.