SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Cristina Câmara                               Digitado por Rose Viviane


FARMACOLOGIA MOLECULAR
     É a ciência que estuda os mecanismos moleculares dos efeitos dos
fármacos no organismo, tanto o efeito terapêutico quanto indesejado,
colateral.

 I – RECEPTORES FARMACOLÓGICOS – CONCEITO
     A maioria dos fármacos só age no nosso organismo se eles se ligarem a
um componente orgânico e, a partir dessa ligação, começar a promover uma
série de reações químicas. O componente do nosso organismo ao qual o
fármaco se liga é chamado receptor farmacológico, que já existem no
organismo; são os mesmos aos quais se ligam os nossos hormônios,
neurotransmissores...
     Por isso que nem toda substância serve como fármaco, pois ela precisa
ter uma estrutura molecular que permita que ela se ligue com o componente
que ela precisa alterar.

II – NATUREZA DOS RECEPTORES:

                                     ESTRUTURAIS
        1. PROTEÍNAS                 TRANSPORTADORAS
                                     ENZIMAS METABOLIZADORAS
     A maioria.
     Hoje só existe um exemplo de proteína estrutural que serve de
receptor pra fármaco: é a tubulina. O resto trata-se basicamente de
enzimas metabolizadoras.
     Alguns fármacos se ligam a proteínas transportadoras da membrana,
alterando o fluxo de íons(principalmente Na+ e K+) transmembrana. Esse é o
princípio para o tratamento da insuficiência cardíaca, onde se usa fármacos
chamados digitálicos.
     Em relação às enzimas, nós podemos alterar seu funcionamento em
benefício do nosso paciente. Ao se ligarem, os fármacos podem bloquear a
enzima ou fazem que ela trabalhe de forma mais rápida. O tto das
depressões usa fármacos que bloqueiam as enzimas e interferem nos níveis
de noradrenalina. O grupo inibidores da MAO (mono-amino-oxidase-enzima
que, tanto a nível central quanto a periférico, atua para encerrar a atuação
do neurotransmissor noradrenalina, metabolizando-a), impede que a MAO
realize sua função metabolizadora de noradrenalina, melhorando a
performance emocional do paciente.
Prof. Cristina Câmara                                Digitado por Rose Viviane


 2. ÁCIDOS NUCLEICOS

     Importante na ação dos antibióticos, antineoplásicos, quimioterápicos,
malária, parasitoses.
     São drogas de manuseio delicado, pois não mexem apenas com o DNA
da bactéria, podendo ter efeitos colaterais importantes. Por isso são drogas
usadas na menor dose necessária para resultado terapêutico e no tempo
menor necessário para curar o paciente. Há um maior controle da
comercialização de antibióticos hoje devido a isso. O Cloranfenicol é um
exemplo de fármaco que demanda muito cuidado em sua prescrição, com uso
restrito, já que tem como efeito colateral a possibilidade de desenvolver
aplasia medular.


III – TIPOS DE RECEPTORES:

                                      LIGADOS A CANAIS IÔNICOS
        1. SUPERFICIAIS               ACOPLADOS A PROTEÍNA G
                                      SISTEMA DA TIROSINOCINASE
     São as proteínas de transporte, a sódio-potássio-ATPase, hidrogênio-
potássio-ATPase. A NaKATPase é importante no tto da insuficiência
cardíaca, já a HKATPase é importante no tto das úlceras pépticas e das
hipercloridrias, na gastroenterologia.
     São receptores para ação rápida, por isso são os receptores de
neurotransmissores.

        2. CITOPLASMÁTICOS
     A maioria dos nossos receptores de hormônios é citoplasmática. Essas
substâncias se ligam a uma proteína, entram na célula, lá no citoplasma tem
um receptor próprio pra elas, onde se ligam e aí elas vão para o núcleo, onde
vão causar seus efeitos sobre síntese protéica, carboidratos, lipídios
(principalmente os corticosteróides).

        3. NUCLEARES
     Receptores hormonais.



IV – SEGUNDOS MENSAGEIROS CITOPLASMÁTICOS:
     Alguns fármacos agem no fluxo de íons e têm ação rápida, como
aqueles utilizados no tratamento da depressão. Outros, ao se ligarem ao seu
receptor, vão demandar uma síntese de determinadas proteínas e uma
alteração em determinados tecidos, como é o caso dos antibióticos,
antineoplásicos... Alguns fármacos, na hora que se ligam com seu receptor, a
Prof. Cristina Câmara                                Digitado por Rose Viviane


ação ocorre e depois se acaba. Outros não; vão se ligar a seu receptor e a
partir daí há o estímulo de outra substância e ela é que vai agir: são os
segundos mensageiros.
      Em situações de perigo, há grande descarga de adrenalina e
noradrenalina, que agem em receptores α e β. No músculo liso da nossa
árvore respiratória, há receptores β2 para adrenalina ou noradrenalina.
Quando a adrenalina ou noradrenalina se liga a este receptor β2, na parte
interna da membrana, esta proteína β2 é ligada a uma proteína G, chamada
G estimuladora (GS). A proteína GS é ligada então a ma enzima, chamada
adenilato ciclase. A adenilato ciclase estimulada vai catalisar a formação do
AMPc, a partir do ATP. Então o AMPc é o segundo mensageiro, que é quem
vai exercer a ação. Aumentando o AMPc vai haver maior dilatação alveolar
para melhorar a oxigenação tecidual. Tudo isso acontece em milissegundos.
A base do tto da doença obstrutiva crônica é conhecer esse mecanismo. Foi
a partir daí que os laboratórios puderam desenvolver fármacos que
interferem na produção do AMPc que melhora a função respiratória desses
pacientes.
      Depois a mesma adrenalina (ou noradrenalina) vai agir nos receptores
α1, localizado nas paredes dos vasos. Esses quando são estimulados também
desencadeiam a ação de segundos mensageiros. No momento que a
adrenalina se liga ao receptor α1, há ativação da chamada fosfolipase C.
Essa fosfolipase C ativada libera fosfolipídios de membrana para o
citoplasma. Esses fosfolipídios de membrana vão gerar substâncias
chamadas aracdonatos, a partir do qual se dará a formação do ácido
aracdônico. Isso é uma reação de defesa do organismo, que é desencadeada
em situações de estresse em geral. O ácido aracdônico formado vai sofrer a
ação de dois grupos enzimáticos: as cicloxigenages e as lipoxigenases (COX).
Essas reações são essenciais numa série de patologias. Produzem
vasoconstricção para economizar oxigênio para regiões nobres. Em
reumatologia, p.ex., são muito usados fármacos antiinflamatórios, que
interferem nessa cascata de reações inflamatórias.

Alguns exemplos de segundos mensageiros:

       1. IP3                     3. Ca++                  5. GMPc

       2. DAG                     4. AMPc
Prof. Cristina Câmara                               Digitado por Rose Viviane


V – CLASSIF. DOS FÁRMACOS Qt° AO USO DE RECEPTORES:

      1. ESTRUTURALMENTE INESPECÍFICOS (10%)
     Suas ações não decorrem de sua interação com receptores e sim de
suas propriedades físico-químicas.
     Exemplos: Dimeticona. Todos os antiácidos, como o hidróxido de
alumínio, que são substâncias alcalinas, vão neutralizar a acidez estomacal
por sua propriedade alcalina. Porém essa ação é fugaz e pode desencadear
uma reação rebote que vai aumentar ainda mais a produção de ácido. Então
só deve ser usado enquanto se aguarda a ação de um fármaco de ação
prolongada exerça sua função.
     Outro exemplo é o carvão ativado, usado em casos de envenenamento.
Em menos de duas horas do envenenamento, após lavagem estomacal, o
carvão ativado absorve os resíduos da intoxicação. Porém a ação é lenta. É
mais indicado no caso de pessoas idosas, que não precisam de cura rápida,
pois esse não tem efeitos adversos, não é tóxico para os rins(nem caso de
insuficiência renal).

       2. ESTRUTURALMENTE ESPECÍFICOS(90%)
      Seus efeitos resultam da ligação que estabelecem com seus
respectivos receptores.
Exemplos: Antibióticos, medicamentos para dor, etc.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptor
Caio Maximino
 
Farmacodinamia
Farmacodinamia Farmacodinamia
Farmacología del Sistema Nervioso Central UCV 2018-II
Farmacología del Sistema Nervioso Central UCV 2018-IIFarmacología del Sistema Nervioso Central UCV 2018-II
Farmacología del Sistema Nervioso Central UCV 2018-II
JorgeSevillaArmas
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
TunneyGourmets
 
Farmacologia 06 medicamentos antiinflamatórios esteroidais
Farmacologia 06   medicamentos antiinflamatórios esteroidaisFarmacologia 06   medicamentos antiinflamatórios esteroidais
Farmacologia 06 medicamentos antiinflamatórios esteroidais
Jucie Vasconcelos
 
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdfFARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
nilsonmarques9
 
3. PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS_TÉCNICAS 1.pptx
3. PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS_TÉCNICAS 1.pptx3. PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS_TÉCNICAS 1.pptx
3. PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS_TÉCNICAS 1.pptx
DafneRamos10
 
Farmacodinamia
FarmacodinamiaFarmacodinamia
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
Dr.João Calais.:
 
Farmacodinamia
FarmacodinamiaFarmacodinamia
Farmacodinamia
UCASAL
 
Farmacodinamica
FarmacodinamicaFarmacodinamica
Farmacodinamica
malory zuñiga
 
Anestésicos Locais
Anestésicos LocaisAnestésicos Locais
Anestésicos Locais
Samuel Benjamin
 
Farmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMFarmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAM
Leonardo Souza
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
Safia Naser
 
Farmacodinamica.pdf
Farmacodinamica.pdfFarmacodinamica.pdf
Farmacodinamica.pdf
ssuser41441b
 
Benzodiazepinicos
BenzodiazepinicosBenzodiazepinicos
Benzodiazepinicos
Alinebrauna Brauna
 
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicosAula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
Irisdalva Oliveira
 
Aula antiinflamatórios
Aula  antiinflamatóriosAula  antiinflamatórios
Aula antiinflamatórios
Renato Santos
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
1.3. principios de farmacología
1.3. principios de farmacología1.3. principios de farmacología
1.3. principios de farmacología
Miguel Angel Martinez
 

Mais procurados (20)

Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptor
 
Farmacodinamia
Farmacodinamia Farmacodinamia
Farmacodinamia
 
Farmacología del Sistema Nervioso Central UCV 2018-II
Farmacología del Sistema Nervioso Central UCV 2018-IIFarmacología del Sistema Nervioso Central UCV 2018-II
Farmacología del Sistema Nervioso Central UCV 2018-II
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Farmacologia 06 medicamentos antiinflamatórios esteroidais
Farmacologia 06   medicamentos antiinflamatórios esteroidaisFarmacologia 06   medicamentos antiinflamatórios esteroidais
Farmacologia 06 medicamentos antiinflamatórios esteroidais
 
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdfFARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
 
3. PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS_TÉCNICAS 1.pptx
3. PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS_TÉCNICAS 1.pptx3. PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS_TÉCNICAS 1.pptx
3. PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS_TÉCNICAS 1.pptx
 
Farmacodinamia
FarmacodinamiaFarmacodinamia
Farmacodinamia
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
 
Farmacodinamia
FarmacodinamiaFarmacodinamia
Farmacodinamia
 
Farmacodinamica
FarmacodinamicaFarmacodinamica
Farmacodinamica
 
Anestésicos Locais
Anestésicos LocaisAnestésicos Locais
Anestésicos Locais
 
Farmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMFarmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAM
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
 
Farmacodinamica.pdf
Farmacodinamica.pdfFarmacodinamica.pdf
Farmacodinamica.pdf
 
Benzodiazepinicos
BenzodiazepinicosBenzodiazepinicos
Benzodiazepinicos
 
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicosAula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
 
Aula antiinflamatórios
Aula  antiinflamatóriosAula  antiinflamatórios
Aula antiinflamatórios
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
1.3. principios de farmacología
1.3. principios de farmacología1.3. principios de farmacología
1.3. principios de farmacología
 

Destaque

Farmacologia molecular
Farmacologia molecularFarmacologia molecular
Farmacologia molecular
rick jonter
 
FARMACOLOGIA MOLECULAR
FARMACOLOGIA MOLECULARFARMACOLOGIA MOLECULAR
FARMACOLOGIA MOLECULAR
rcruzado41
 
Farmacologia Molecular2
Farmacologia Molecular2Farmacologia Molecular2
Farmacologia Molecular2
rcruzado41
 
Farmacos Cardiovasculares y definicion
Farmacos Cardiovasculares y definicion Farmacos Cardiovasculares y definicion
Farmacos Cardiovasculares y definicion
Carol J. Soto Castro
 
FARMACOLOGÍA CARDIOVASCULAR
FARMACOLOGÍA CARDIOVASCULARFARMACOLOGÍA CARDIOVASCULAR
FARMACOLOGÍA CARDIOVASCULAR
Natalia Andrea Ortiz Díaz
 
Receptores Farmacológicos
Receptores FarmacológicosReceptores Farmacológicos
Receptores Farmacológicos
Sergio Miranda
 
Fármacos cardiovasculares
Fármacos cardiovascularesFármacos cardiovasculares
Fármacos cardiovasculares
Melissa Flores Martin
 
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e MedicinalAula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Milleno Mota
 
Farmacologia Endocrina Completa
Farmacologia Endocrina CompletaFarmacologia Endocrina Completa
Farmacologia Endocrina Completa
hpao
 
Farmacología-Sistema Cardiovascular
Farmacología-Sistema CardiovascularFarmacología-Sistema Cardiovascular
Farmacología-Sistema Cardiovascular
Eloisa Rincon
 
Medicamentos Cardiovasculares
Medicamentos CardiovascularesMedicamentos Cardiovasculares
Medicamentos Cardiovasculares
Vladimir Aybar
 
Tipos de receptores
Tipos de receptoresTipos de receptores
Tipos de receptores
Carlos Garcia
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
Leonardo Souza
 
Etica en farmacologia
Etica en farmacologiaEtica en farmacologia
Farmacologia
Farmacologia Farmacologia
Farmacologia
kkf Ribeiro
 
Quimica farmaceutica
Quimica farmaceuticaQuimica farmaceutica
Quimica farmaceutica
Marcos Rocha
 
Farmacología del Sistema Endocrino
Farmacología del Sistema EndocrinoFarmacología del Sistema Endocrino
Farmacología del Sistema Endocrino
Gaby Zertuche Garcia
 
Farmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascularFarmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascular
Joel Santos Nogueira
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
xavo2411
 
Farmacodinamia antagonismo y agonismo. curvas
Farmacodinamia antagonismo y agonismo. curvasFarmacodinamia antagonismo y agonismo. curvas
Farmacodinamia antagonismo y agonismo. curvas
Monica Gonzalez
 

Destaque (20)

Farmacologia molecular
Farmacologia molecularFarmacologia molecular
Farmacologia molecular
 
FARMACOLOGIA MOLECULAR
FARMACOLOGIA MOLECULARFARMACOLOGIA MOLECULAR
FARMACOLOGIA MOLECULAR
 
Farmacologia Molecular2
Farmacologia Molecular2Farmacologia Molecular2
Farmacologia Molecular2
 
Farmacos Cardiovasculares y definicion
Farmacos Cardiovasculares y definicion Farmacos Cardiovasculares y definicion
Farmacos Cardiovasculares y definicion
 
FARMACOLOGÍA CARDIOVASCULAR
FARMACOLOGÍA CARDIOVASCULARFARMACOLOGÍA CARDIOVASCULAR
FARMACOLOGÍA CARDIOVASCULAR
 
Receptores Farmacológicos
Receptores FarmacológicosReceptores Farmacológicos
Receptores Farmacológicos
 
Fármacos cardiovasculares
Fármacos cardiovascularesFármacos cardiovasculares
Fármacos cardiovasculares
 
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e MedicinalAula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
 
Farmacologia Endocrina Completa
Farmacologia Endocrina CompletaFarmacologia Endocrina Completa
Farmacologia Endocrina Completa
 
Farmacología-Sistema Cardiovascular
Farmacología-Sistema CardiovascularFarmacología-Sistema Cardiovascular
Farmacología-Sistema Cardiovascular
 
Medicamentos Cardiovasculares
Medicamentos CardiovascularesMedicamentos Cardiovasculares
Medicamentos Cardiovasculares
 
Tipos de receptores
Tipos de receptoresTipos de receptores
Tipos de receptores
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
 
Etica en farmacologia
Etica en farmacologiaEtica en farmacologia
Etica en farmacologia
 
Farmacologia
Farmacologia Farmacologia
Farmacologia
 
Quimica farmaceutica
Quimica farmaceuticaQuimica farmaceutica
Quimica farmaceutica
 
Farmacología del Sistema Endocrino
Farmacología del Sistema EndocrinoFarmacología del Sistema Endocrino
Farmacología del Sistema Endocrino
 
Farmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascularFarmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascular
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
 
Farmacodinamia antagonismo y agonismo. curvas
Farmacodinamia antagonismo y agonismo. curvasFarmacodinamia antagonismo y agonismo. curvas
Farmacodinamia antagonismo y agonismo. curvas
 

Semelhante a Farmacologia molecular

Farmacologia!0
Farmacologia!0Farmacologia!0
Farmacologia!0
Dr.João Calais.:
 
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2   noções básicas de psicofarmacologia iiAula 2   noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Educação Ucpel
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Nathalya Brazil
 
farmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
farmacodinamia receptores y segundos mesnajerosfarmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
farmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
LEONCIOVASQUEZMARIN2
 
Farmacodinâmica.pptx
Farmacodinâmica.pptxFarmacodinâmica.pptx
Farmacodinâmica.pptx
Jackesamiacastilho2
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
Nathalia Fuga
 
Magrinho mas triste ch online - Fabricio Pamplona
Magrinho mas triste ch online - Fabricio PamplonaMagrinho mas triste ch online - Fabricio Pamplona
Magrinho mas triste ch online - Fabricio Pamplona
Fabricio Pamplona
 
Uso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em utiUso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em uti
gisa_legal
 
Adenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angelAdenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angel
Valentina Cará
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologiaResumo farmacologia
Resumo farmacologia
Marcelo Junnior
 
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptxTALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TalinaCarladaSilva1
 
Opioides e antagonistas
Opioides e antagonistasOpioides e antagonistas
Opioides e antagonistas
Lucas Almeida Sá
 
Opioides e antagonistas
Opioides e antagonistasOpioides e antagonistas
Opioides e antagonistas
Lucas Almeida Sá
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
André Luiz Ferraz
 
Antibiticos completo
Antibiticos completoAntibiticos completo
Antibiticos completo
Wandervan Lima
 
O uso drogas_vasoativas
O uso drogas_vasoativasO uso drogas_vasoativas
O uso drogas_vasoativas
O uso drogas_vasoativasO uso drogas_vasoativas
O uso drogas_vasoativas
Hagner2
 
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia   antibioticos de uso frequente veterinariaFarmacologia   antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
Juan Carlos Ordóñez Fernández
 
Melatonin in Humans
Melatonin in HumansMelatonin in Humans
Melatonin in Humans
Marina Sousa
 
Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08
bioc126
 

Semelhante a Farmacologia molecular (20)

Farmacologia!0
Farmacologia!0Farmacologia!0
Farmacologia!0
 
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2   noções básicas de psicofarmacologia iiAula 2   noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
 
farmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
farmacodinamia receptores y segundos mesnajerosfarmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
farmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
 
Farmacodinâmica.pptx
Farmacodinâmica.pptxFarmacodinâmica.pptx
Farmacodinâmica.pptx
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
 
Magrinho mas triste ch online - Fabricio Pamplona
Magrinho mas triste ch online - Fabricio PamplonaMagrinho mas triste ch online - Fabricio Pamplona
Magrinho mas triste ch online - Fabricio Pamplona
 
Uso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em utiUso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em uti
 
Adenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angelAdenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angel
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologiaResumo farmacologia
Resumo farmacologia
 
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptxTALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
 
Opioides e antagonistas
Opioides e antagonistasOpioides e antagonistas
Opioides e antagonistas
 
Opioides e antagonistas
Opioides e antagonistasOpioides e antagonistas
Opioides e antagonistas
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 
Antibiticos completo
Antibiticos completoAntibiticos completo
Antibiticos completo
 
O uso drogas_vasoativas
O uso drogas_vasoativasO uso drogas_vasoativas
O uso drogas_vasoativas
 
O uso drogas_vasoativas
O uso drogas_vasoativasO uso drogas_vasoativas
O uso drogas_vasoativas
 
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia   antibioticos de uso frequente veterinariaFarmacologia   antibioticos de uso frequente veterinaria
Farmacologia antibioticos de uso frequente veterinaria
 
Melatonin in Humans
Melatonin in HumansMelatonin in Humans
Melatonin in Humans
 
Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08
 

Mais de Rose Viviane Bezerra

Metabolismo do potássio
Metabolismo do potássioMetabolismo do potássio
Metabolismo do potássio
Rose Viviane Bezerra
 
Avaliação cardiológica anotações de aula
Avaliação cardiológica  anotações de aulaAvaliação cardiológica  anotações de aula
Avaliação cardiológica anotações de aula
Rose Viviane Bezerra
 
Diabetes. observações de aula
Diabetes. observações de aulaDiabetes. observações de aula
Diabetes. observações de aula
Rose Viviane Bezerra
 
Defeitos da diferenciação sexual
Defeitos da diferenciação sexualDefeitos da diferenciação sexual
Defeitos da diferenciação sexual
Rose Viviane Bezerra
 
Hiv/AIDS
Hiv/AIDSHiv/AIDS
Demências alzheimer vs demencia vascular
Demências   alzheimer vs demencia vascularDemências   alzheimer vs demencia vascular
Demências alzheimer vs demencia vascular
Rose Viviane Bezerra
 
Crachá
CracháCrachá
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Rose Viviane Bezerra
 
Fisiologia do sistema respiratório cec cap_04
Fisiologia do sistema respiratório cec cap_04Fisiologia do sistema respiratório cec cap_04
Fisiologia do sistema respiratório cec cap_04
Rose Viviane Bezerra
 

Mais de Rose Viviane Bezerra (9)

Metabolismo do potássio
Metabolismo do potássioMetabolismo do potássio
Metabolismo do potássio
 
Avaliação cardiológica anotações de aula
Avaliação cardiológica  anotações de aulaAvaliação cardiológica  anotações de aula
Avaliação cardiológica anotações de aula
 
Diabetes. observações de aula
Diabetes. observações de aulaDiabetes. observações de aula
Diabetes. observações de aula
 
Defeitos da diferenciação sexual
Defeitos da diferenciação sexualDefeitos da diferenciação sexual
Defeitos da diferenciação sexual
 
Hiv/AIDS
Hiv/AIDSHiv/AIDS
Hiv/AIDS
 
Demências alzheimer vs demencia vascular
Demências   alzheimer vs demencia vascularDemências   alzheimer vs demencia vascular
Demências alzheimer vs demencia vascular
 
Crachá
CracháCrachá
Crachá
 
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
 
Fisiologia do sistema respiratório cec cap_04
Fisiologia do sistema respiratório cec cap_04Fisiologia do sistema respiratório cec cap_04
Fisiologia do sistema respiratório cec cap_04
 

Farmacologia molecular

  • 1. Prof. Cristina Câmara Digitado por Rose Viviane FARMACOLOGIA MOLECULAR É a ciência que estuda os mecanismos moleculares dos efeitos dos fármacos no organismo, tanto o efeito terapêutico quanto indesejado, colateral. I – RECEPTORES FARMACOLÓGICOS – CONCEITO A maioria dos fármacos só age no nosso organismo se eles se ligarem a um componente orgânico e, a partir dessa ligação, começar a promover uma série de reações químicas. O componente do nosso organismo ao qual o fármaco se liga é chamado receptor farmacológico, que já existem no organismo; são os mesmos aos quais se ligam os nossos hormônios, neurotransmissores... Por isso que nem toda substância serve como fármaco, pois ela precisa ter uma estrutura molecular que permita que ela se ligue com o componente que ela precisa alterar. II – NATUREZA DOS RECEPTORES: ESTRUTURAIS 1. PROTEÍNAS TRANSPORTADORAS ENZIMAS METABOLIZADORAS A maioria. Hoje só existe um exemplo de proteína estrutural que serve de receptor pra fármaco: é a tubulina. O resto trata-se basicamente de enzimas metabolizadoras. Alguns fármacos se ligam a proteínas transportadoras da membrana, alterando o fluxo de íons(principalmente Na+ e K+) transmembrana. Esse é o princípio para o tratamento da insuficiência cardíaca, onde se usa fármacos chamados digitálicos. Em relação às enzimas, nós podemos alterar seu funcionamento em benefício do nosso paciente. Ao se ligarem, os fármacos podem bloquear a enzima ou fazem que ela trabalhe de forma mais rápida. O tto das depressões usa fármacos que bloqueiam as enzimas e interferem nos níveis de noradrenalina. O grupo inibidores da MAO (mono-amino-oxidase-enzima que, tanto a nível central quanto a periférico, atua para encerrar a atuação do neurotransmissor noradrenalina, metabolizando-a), impede que a MAO realize sua função metabolizadora de noradrenalina, melhorando a performance emocional do paciente.
  • 2. Prof. Cristina Câmara Digitado por Rose Viviane 2. ÁCIDOS NUCLEICOS Importante na ação dos antibióticos, antineoplásicos, quimioterápicos, malária, parasitoses. São drogas de manuseio delicado, pois não mexem apenas com o DNA da bactéria, podendo ter efeitos colaterais importantes. Por isso são drogas usadas na menor dose necessária para resultado terapêutico e no tempo menor necessário para curar o paciente. Há um maior controle da comercialização de antibióticos hoje devido a isso. O Cloranfenicol é um exemplo de fármaco que demanda muito cuidado em sua prescrição, com uso restrito, já que tem como efeito colateral a possibilidade de desenvolver aplasia medular. III – TIPOS DE RECEPTORES: LIGADOS A CANAIS IÔNICOS 1. SUPERFICIAIS ACOPLADOS A PROTEÍNA G SISTEMA DA TIROSINOCINASE São as proteínas de transporte, a sódio-potássio-ATPase, hidrogênio- potássio-ATPase. A NaKATPase é importante no tto da insuficiência cardíaca, já a HKATPase é importante no tto das úlceras pépticas e das hipercloridrias, na gastroenterologia. São receptores para ação rápida, por isso são os receptores de neurotransmissores. 2. CITOPLASMÁTICOS A maioria dos nossos receptores de hormônios é citoplasmática. Essas substâncias se ligam a uma proteína, entram na célula, lá no citoplasma tem um receptor próprio pra elas, onde se ligam e aí elas vão para o núcleo, onde vão causar seus efeitos sobre síntese protéica, carboidratos, lipídios (principalmente os corticosteróides). 3. NUCLEARES Receptores hormonais. IV – SEGUNDOS MENSAGEIROS CITOPLASMÁTICOS: Alguns fármacos agem no fluxo de íons e têm ação rápida, como aqueles utilizados no tratamento da depressão. Outros, ao se ligarem ao seu receptor, vão demandar uma síntese de determinadas proteínas e uma alteração em determinados tecidos, como é o caso dos antibióticos, antineoplásicos... Alguns fármacos, na hora que se ligam com seu receptor, a
  • 3. Prof. Cristina Câmara Digitado por Rose Viviane ação ocorre e depois se acaba. Outros não; vão se ligar a seu receptor e a partir daí há o estímulo de outra substância e ela é que vai agir: são os segundos mensageiros. Em situações de perigo, há grande descarga de adrenalina e noradrenalina, que agem em receptores α e β. No músculo liso da nossa árvore respiratória, há receptores β2 para adrenalina ou noradrenalina. Quando a adrenalina ou noradrenalina se liga a este receptor β2, na parte interna da membrana, esta proteína β2 é ligada a uma proteína G, chamada G estimuladora (GS). A proteína GS é ligada então a ma enzima, chamada adenilato ciclase. A adenilato ciclase estimulada vai catalisar a formação do AMPc, a partir do ATP. Então o AMPc é o segundo mensageiro, que é quem vai exercer a ação. Aumentando o AMPc vai haver maior dilatação alveolar para melhorar a oxigenação tecidual. Tudo isso acontece em milissegundos. A base do tto da doença obstrutiva crônica é conhecer esse mecanismo. Foi a partir daí que os laboratórios puderam desenvolver fármacos que interferem na produção do AMPc que melhora a função respiratória desses pacientes. Depois a mesma adrenalina (ou noradrenalina) vai agir nos receptores α1, localizado nas paredes dos vasos. Esses quando são estimulados também desencadeiam a ação de segundos mensageiros. No momento que a adrenalina se liga ao receptor α1, há ativação da chamada fosfolipase C. Essa fosfolipase C ativada libera fosfolipídios de membrana para o citoplasma. Esses fosfolipídios de membrana vão gerar substâncias chamadas aracdonatos, a partir do qual se dará a formação do ácido aracdônico. Isso é uma reação de defesa do organismo, que é desencadeada em situações de estresse em geral. O ácido aracdônico formado vai sofrer a ação de dois grupos enzimáticos: as cicloxigenages e as lipoxigenases (COX). Essas reações são essenciais numa série de patologias. Produzem vasoconstricção para economizar oxigênio para regiões nobres. Em reumatologia, p.ex., são muito usados fármacos antiinflamatórios, que interferem nessa cascata de reações inflamatórias. Alguns exemplos de segundos mensageiros: 1. IP3 3. Ca++ 5. GMPc 2. DAG 4. AMPc
  • 4. Prof. Cristina Câmara Digitado por Rose Viviane V – CLASSIF. DOS FÁRMACOS Qt° AO USO DE RECEPTORES: 1. ESTRUTURALMENTE INESPECÍFICOS (10%) Suas ações não decorrem de sua interação com receptores e sim de suas propriedades físico-químicas. Exemplos: Dimeticona. Todos os antiácidos, como o hidróxido de alumínio, que são substâncias alcalinas, vão neutralizar a acidez estomacal por sua propriedade alcalina. Porém essa ação é fugaz e pode desencadear uma reação rebote que vai aumentar ainda mais a produção de ácido. Então só deve ser usado enquanto se aguarda a ação de um fármaco de ação prolongada exerça sua função. Outro exemplo é o carvão ativado, usado em casos de envenenamento. Em menos de duas horas do envenenamento, após lavagem estomacal, o carvão ativado absorve os resíduos da intoxicação. Porém a ação é lenta. É mais indicado no caso de pessoas idosas, que não precisam de cura rápida, pois esse não tem efeitos adversos, não é tóxico para os rins(nem caso de insuficiência renal). 2. ESTRUTURALMENTE ESPECÍFICOS(90%) Seus efeitos resultam da ligação que estabelecem com seus respectivos receptores. Exemplos: Antibióticos, medicamentos para dor, etc.