SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA SECUNDÁRIA CAMPOS MELO
                                         RELATÓRIO DA ACTIVIDADE Nr.2                       DATA: 26/01/2010

                                           O que não é ácido
                                     ASSUNTO: Identificação do que é ácido

                                    Grupo 5 – Alimentação: Verdades e Mitos.

1: Objectivos:

  Verificar a acidez de certos elementos alimentares, que apresentam valores de pH diferentes entre si, de
forma a poder perceber como o seu grau de acidez pode afectar o nosso organismo, quando ingerido em
quantidades significativas (diferentes consoante a acidez do elemento em causa).

2: Fundamentação teórica:
 O equilíbrio alcalino/ácido ocorre no sistema fluído dos seres vivos, o que abrange por volta de 70% do
peso do nosso corpo.
 O pH (a acidez) é representado numa escala de 0 a 14, onde de 0 a 6,99 representa pH ácido, 7 é neutro e
acima de 7 até 14 é alcalino.
 O pH do sangue é 7,4, sendo assim, precisa ser mantido para preservar a vida do organismo. Se o pH
abaixar a 6,95, podemos entrar em coma e morrer, uma vez que, o coração relaxa e deixa de bombear. Se
o pH sobe a 7,7, pode provocar espasmos e convulsões, e tornam também o organismo mais susceptível a
doenças que envolvem vírus e bactérias.
 Portanto necessitamos manter um equilíbrio correcto relativamente a acidez do que ingerimos,
recorrendo a uma boa alimentação.



3. Procedimento experimental
3.1Material:                           Método:

- 4 Tubos de ensaio;                   1. Em 4 tubos de ensaio colocar cerca de 1ml de: Sumo natural de fruta, Sumo

- Diversos elementos alimentares:      comercial de fruta, Vinagre, Bicarbonato de sódio;

Sumo natural de fruta, Sumo comercial 2. Adicionar umas gotas de azul de tornessol a cada um dos 4 tubos de
de fruta, Vinagre, Bicarbonato de sódio; ensaio;
                                       3. Verificar se há mudança de cor;
- Azul de tornessol (liq.);
                                       4. Registar os resultados
- Espátula;
                                       5. Qual é o resultado se adicionar-mos um pouco de bicarbonato de sódio a
- Conta gotas;
                                       um ácido, neste caso, utilizado no vinagre.
- Copos de plástico;
- Medidor de pH em fita.
4. Resultados:




            Fig.1 – Nesta figura estão evidenciados os materiais utilizados dentro da experiência
                                                laboratorial.

                           Nota: Falta apenas um elemento, o medidor de pH em fita.




                 Fig.2 – Esta figura representa o diversos sumos ( Natural e Compal * ) e o
                                          vinagre respectivamente.

                                * O Compal assume o papel do sumo comercial
Fig.3- Tubos de ensaio com os diversos sumos (natural e Compal), vinagre e com
           bicarbonato de sódio em água destilada, respectivamente.

Após a adição de algumas gotas de azul de tornessol (liq.), em cada um dos
                               tubos de ensaio.




       Fig4: Verificação dos indícios de pH, com o medidor de pH de fita.

                    Sumo natural: aproximadamente pH 4;
                    Sumo Compal: aproximadamente pH 4;
                      Vinagre: aproximadamente pH 3.
Fig5: Resultado obtido (ultimo tubo de ensaio, a direita), após a adição de um ácido
(vinagre) a uma base (bicarbonato de sódio), formando espuma.

Este ensaio é semelhante a adicionar bicarbonato de sódio a um ácido (como era
previsto no procedimento), que foi realizado simetricamente por apresentar-se
mais conveniente.
5. Discussão:

  O azul de tornessol é um indicador de pH (5,0 – 8,0) que apresenta uma cor vermelha quando em presença de um
ácido e cor azul quando em presença de uma base.
  Embora não se revelou muito eficaz, apesar de ter havido reacção no último tubo de ensaio onde estava presente
uma base (bicarbonato de sódio), que se tornou azul provando deste modo a presença da base; Para a detecção dos
ácidos como seria de esperar não ocorreu mudanças significativas, devido a vários factores (pouca quantidade do
químico; solução coloidal que dificulta a interpretação; ou ainda a presença de substâncias contaminantes devido a
lavagem dos tubos de ensaio imprópria, pois não foram desinfectados com os devidos cuidados por não haver o
material adequado para o efeito.)

 Para contornar este obstáculo, recorremos ao uso de medidores de pH de fita para podermos verificar o que
pretendíamos.

  Os sumos de fruta e o vinagre contém ácidos (no sumo de laranja ácido cítrico e no vinagre ácido acético) enquanto
que o bicarbonato de sódio é tradicionalmente usado para combater a “azia” pois sendo uma base reage com o
excesso de acidez do estômago, podendo assim ajudar a digestão aquando estamos afectados por diarreia, assim
como outros problemas inconvenientes.




6. Conclusão:

 O pH desempenha um papel fundamental nos sistemas biológicos pois as funções vitais das proteínas dependem
da sua estrutura, e esta depende do pH.

  Os grupos funcionais das proteínas têm cargas que se modificam por perda ou captura de protões, modificando a
sua estrutura e disposição espacial, daí que as diversas funções metabólicas necessitarem cada uma de um
determinado valor de pH para que a proteína interveniente mantenha uma dada forma particular.

   Exemplos:

   O sangue humano mantém um pH entre 7,35-7,45.
   O pH das lágrimas é de 7,4.
   Na digestão as enzimas necessitam de um pH entre 1,5 e 1,8.




7. Bibliografia:
 http://www.spq.pt/boletim/docs/boletimSPQ_100_085_24.pdf
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Indicador_qu%C3%ADmico
 http://pt.wikipedia.org/wiki/PH
 http://www.cienciaviva.pt/divulgacao/cozinha/
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Bicarbonato_de_s%C3%B3dio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Centro universitário campos de andrade (1)
Centro universitário campos de andrade (1)Centro universitário campos de andrade (1)
Centro universitário campos de andrade (1)
Vera Figueredo Figueredo
 
Carácter Químico das Substâncias
Carácter Químico das SubstânciasCarácter Químico das Substâncias
Carácter Químico das Substâncias
Flow, Inc.
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Messias Miranda
 
Investigação Aplicada Susana Priyanka e Micaela
Investigação Aplicada Susana  Priyanka e MicaelaInvestigação Aplicada Susana  Priyanka e Micaela
Investigação Aplicada Susana Priyanka e Micaela
Priyanka Queshil
 
Agua – determinação de compostos fosforados (1)
Agua – determinação de compostos fosforados (1)Agua – determinação de compostos fosforados (1)
Agua – determinação de compostos fosforados (1)
Etec Parque Belém
 
Acidos e bases
Acidos e basesAcidos e bases
Acidos e bases
Guilherme Gasparetto
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
Ilana Moura
 
Projeto indicador
Projeto indicadorProjeto indicador
Projeto indicador
Tiago Augusto
 
2 exercicios físico química
2 exercicios físico química2 exercicios físico química
2 exercicios físico química
Biomedicina_
 
Prática repolho roxo.
Prática repolho roxo.Prática repolho roxo.
Prática repolho roxo.
Sílvia Rubert
 
Roteiro
RoteiroRoteiro
Roteiro
Letícia Agra
 
Apostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativaApostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativa
Sayonara Silva
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Dhion Meyg Fernandes
 
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e ProteinasRoteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Dharma Initiative
 
Retomada Pedagógica 2ºano - Professorea Elaine Cristina
Retomada Pedagógica   2ºano - Professorea Elaine CristinaRetomada Pedagógica   2ºano - Professorea Elaine Cristina
Retomada Pedagógica 2ºano - Professorea Elaine Cristina
Edson Marcos Silva
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
Adriana Mesquita
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
Adrianne Mendonça
 
Cc35047294811
Cc35047294811Cc35047294811
Cc35047294811
Felipe Avelino
 

Mais procurados (20)

Centro universitário campos de andrade (1)
Centro universitário campos de andrade (1)Centro universitário campos de andrade (1)
Centro universitário campos de andrade (1)
 
Carácter Químico das Substâncias
Carácter Químico das SubstânciasCarácter Químico das Substâncias
Carácter Químico das Substâncias
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
 
Investigação Aplicada Susana Priyanka e Micaela
Investigação Aplicada Susana  Priyanka e MicaelaInvestigação Aplicada Susana  Priyanka e Micaela
Investigação Aplicada Susana Priyanka e Micaela
 
Agua – determinação de compostos fosforados (1)
Agua – determinação de compostos fosforados (1)Agua – determinação de compostos fosforados (1)
Agua – determinação de compostos fosforados (1)
 
Acidos e bases
Acidos e basesAcidos e bases
Acidos e bases
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
 
Projeto indicador
Projeto indicadorProjeto indicador
Projeto indicador
 
2 exercicios físico química
2 exercicios físico química2 exercicios físico química
2 exercicios físico química
 
Prática repolho roxo.
Prática repolho roxo.Prática repolho roxo.
Prática repolho roxo.
 
Roteiro
RoteiroRoteiro
Roteiro
 
Apostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativaApostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativa
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e ProteinasRoteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
 
Retomada Pedagógica 2ºano - Professorea Elaine Cristina
Retomada Pedagógica   2ºano - Professorea Elaine CristinaRetomada Pedagógica   2ºano - Professorea Elaine Cristina
Retomada Pedagógica 2ºano - Professorea Elaine Cristina
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
Cc35047294811
Cc35047294811Cc35047294811
Cc35047294811
 

Destaque

Passo a passo paralimpeza do fígado e da vesícula
Passo a passo paralimpeza do fígado e da vesículaPasso a passo paralimpeza do fígado e da vesícula
Passo a passo paralimpeza do fígado e da vesícula
Salvino Silva Jr
 
Desintoxicação hepatica
Desintoxicação hepaticaDesintoxicação hepatica
Desintoxicação hepatica
oluaplisarb1
 
Os segredos-da-desintoxicação grátis
Os segredos-da-desintoxicação grátisOs segredos-da-desintoxicação grátis
Os segredos-da-desintoxicação grátis
giavonirgb
 
PH e pOH
  PH  e pOH  PH  e pOH
Sistemas tampão
Sistemas tampãoSistemas tampão
Sistemas tampão
Rafael Carvalho Lott
 
pH de soluções
pH de soluçõespH de soluções
pH de soluções
Antonio Almeida
 
Aula 04 fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Aula 04   fisiologia da nutrição - sistema cardiovascularAula 04   fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Aula 04 fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Hamilton Nobrega
 
Sistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismoSistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismo
Emmanuel Souza
 
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ AÁcidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
adelinoqueiroz
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Bioquimica. agua
Bioquimica. aguaBioquimica. agua
Bioquimica. agua
Naisa Leal
 
Reacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºanoReacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºano
adelinoqueiroz
 

Destaque (12)

Passo a passo paralimpeza do fígado e da vesícula
Passo a passo paralimpeza do fígado e da vesículaPasso a passo paralimpeza do fígado e da vesícula
Passo a passo paralimpeza do fígado e da vesícula
 
Desintoxicação hepatica
Desintoxicação hepaticaDesintoxicação hepatica
Desintoxicação hepatica
 
Os segredos-da-desintoxicação grátis
Os segredos-da-desintoxicação grátisOs segredos-da-desintoxicação grátis
Os segredos-da-desintoxicação grátis
 
PH e pOH
  PH  e pOH  PH  e pOH
PH e pOH
 
Sistemas tampão
Sistemas tampãoSistemas tampão
Sistemas tampão
 
pH de soluções
pH de soluçõespH de soluções
pH de soluções
 
Aula 04 fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Aula 04   fisiologia da nutrição - sistema cardiovascularAula 04   fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Aula 04 fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
 
Sistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismoSistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismo
 
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ AÁcidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Bioquimica. agua
Bioquimica. aguaBioquimica. agua
Bioquimica. agua
 
Reacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºanoReacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºano
 

Semelhante a Experiência laboratorial importância do ácido

Determinação de Ácido Ascórbico
Determinação de Ácido AscórbicoDeterminação de Ácido Ascórbico
Determinação de Ácido Ascórbico
Lucas Wallace Sousa Alves
 
DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ASCÓRBICO
DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ASCÓRBICO DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ASCÓRBICO
DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ASCÓRBICO
Lucas Wallace Sousa Alves
 
Relatório3
Relatório3Relatório3
Relatório3
Vivianne Bispo
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
Paulo George
 
Lipídeos
LipídeosLipídeos
Lipídeos
Hugo Fialho
 
ácidos e bases
ácidos e bases ácidos e bases
ácidos e bases
Elisabete Rosa
 
indicador-c3a1cido-base-de-repolho-roxo.pdf
indicador-c3a1cido-base-de-repolho-roxo.pdfindicador-c3a1cido-base-de-repolho-roxo.pdf
indicador-c3a1cido-base-de-repolho-roxo.pdf
Lídia Beatriz
 
Revisão Química - enem 2009
Revisão Química - enem 2009Revisão Química - enem 2009
Revisão Química - enem 2009
Vestibular Seriado
 
Modelo de..[1]
Modelo de..[1]Modelo de..[1]
Modelo de..[1]
Abraão Matos
 
Acidulantes
Acidulantes Acidulantes
Acidulantes
Juan Ramos
 
Medindo o potencial hidrogeniônico
Medindo o potencial hidrogeniônicoMedindo o potencial hidrogeniônico
Medindo o potencial hidrogeniônico
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Trabalho bioquímica (o líquido que muda de cor)
Trabalho bioquímica (o líquido que muda de cor)Trabalho bioquímica (o líquido que muda de cor)
Trabalho bioquímica (o líquido que muda de cor)
guiribeiro0210
 
Protocolo de atividades experimentais1 resultados e fotos
Protocolo de atividades experimentais1   resultados e fotosProtocolo de atividades experimentais1   resultados e fotos
Protocolo de atividades experimentais1 resultados e fotos
EMPRETIC
 
áCidos e bases
áCidos e basesáCidos e bases
áCidos e bases
Sara Gonçalves
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
AlexRodrigues954286
 
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptxComo distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
Marta Gonçalves
 
Actividade experimental digestão
Actividade experimental digestãoActividade experimental digestão
Actividade experimental digestão
Tânia Reis
 
Cap22
Cap22Cap22
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
CotucaAmbiental
 
Identificação sistematica de compostos orgânicos
Identificação sistematica de compostos orgânicosIdentificação sistematica de compostos orgânicos
Identificação sistematica de compostos orgânicos
Sayonara Caribé
 

Semelhante a Experiência laboratorial importância do ácido (20)

Determinação de Ácido Ascórbico
Determinação de Ácido AscórbicoDeterminação de Ácido Ascórbico
Determinação de Ácido Ascórbico
 
DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ASCÓRBICO
DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ASCÓRBICO DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ASCÓRBICO
DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ASCÓRBICO
 
Relatório3
Relatório3Relatório3
Relatório3
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
 
Lipídeos
LipídeosLipídeos
Lipídeos
 
ácidos e bases
ácidos e bases ácidos e bases
ácidos e bases
 
indicador-c3a1cido-base-de-repolho-roxo.pdf
indicador-c3a1cido-base-de-repolho-roxo.pdfindicador-c3a1cido-base-de-repolho-roxo.pdf
indicador-c3a1cido-base-de-repolho-roxo.pdf
 
Revisão Química - enem 2009
Revisão Química - enem 2009Revisão Química - enem 2009
Revisão Química - enem 2009
 
Modelo de..[1]
Modelo de..[1]Modelo de..[1]
Modelo de..[1]
 
Acidulantes
Acidulantes Acidulantes
Acidulantes
 
Medindo o potencial hidrogeniônico
Medindo o potencial hidrogeniônicoMedindo o potencial hidrogeniônico
Medindo o potencial hidrogeniônico
 
Trabalho bioquímica (o líquido que muda de cor)
Trabalho bioquímica (o líquido que muda de cor)Trabalho bioquímica (o líquido que muda de cor)
Trabalho bioquímica (o líquido que muda de cor)
 
Protocolo de atividades experimentais1 resultados e fotos
Protocolo de atividades experimentais1   resultados e fotosProtocolo de atividades experimentais1   resultados e fotos
Protocolo de atividades experimentais1 resultados e fotos
 
áCidos e bases
áCidos e basesáCidos e bases
áCidos e bases
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptxComo distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
 
Actividade experimental digestão
Actividade experimental digestãoActividade experimental digestão
Actividade experimental digestão
 
Cap22
Cap22Cap22
Cap22
 
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
 
Identificação sistematica de compostos orgânicos
Identificação sistematica de compostos orgânicosIdentificação sistematica de compostos orgânicos
Identificação sistematica de compostos orgânicos
 

Experiência laboratorial importância do ácido

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA CAMPOS MELO RELATÓRIO DA ACTIVIDADE Nr.2 DATA: 26/01/2010 O que não é ácido ASSUNTO: Identificação do que é ácido Grupo 5 – Alimentação: Verdades e Mitos. 1: Objectivos: Verificar a acidez de certos elementos alimentares, que apresentam valores de pH diferentes entre si, de forma a poder perceber como o seu grau de acidez pode afectar o nosso organismo, quando ingerido em quantidades significativas (diferentes consoante a acidez do elemento em causa). 2: Fundamentação teórica: O equilíbrio alcalino/ácido ocorre no sistema fluído dos seres vivos, o que abrange por volta de 70% do peso do nosso corpo. O pH (a acidez) é representado numa escala de 0 a 14, onde de 0 a 6,99 representa pH ácido, 7 é neutro e acima de 7 até 14 é alcalino. O pH do sangue é 7,4, sendo assim, precisa ser mantido para preservar a vida do organismo. Se o pH abaixar a 6,95, podemos entrar em coma e morrer, uma vez que, o coração relaxa e deixa de bombear. Se o pH sobe a 7,7, pode provocar espasmos e convulsões, e tornam também o organismo mais susceptível a doenças que envolvem vírus e bactérias. Portanto necessitamos manter um equilíbrio correcto relativamente a acidez do que ingerimos, recorrendo a uma boa alimentação. 3. Procedimento experimental 3.1Material: Método: - 4 Tubos de ensaio; 1. Em 4 tubos de ensaio colocar cerca de 1ml de: Sumo natural de fruta, Sumo - Diversos elementos alimentares: comercial de fruta, Vinagre, Bicarbonato de sódio; Sumo natural de fruta, Sumo comercial 2. Adicionar umas gotas de azul de tornessol a cada um dos 4 tubos de de fruta, Vinagre, Bicarbonato de sódio; ensaio; 3. Verificar se há mudança de cor; - Azul de tornessol (liq.); 4. Registar os resultados - Espátula; 5. Qual é o resultado se adicionar-mos um pouco de bicarbonato de sódio a - Conta gotas; um ácido, neste caso, utilizado no vinagre. - Copos de plástico; - Medidor de pH em fita.
  • 2. 4. Resultados: Fig.1 – Nesta figura estão evidenciados os materiais utilizados dentro da experiência laboratorial. Nota: Falta apenas um elemento, o medidor de pH em fita. Fig.2 – Esta figura representa o diversos sumos ( Natural e Compal * ) e o vinagre respectivamente. * O Compal assume o papel do sumo comercial
  • 3. Fig.3- Tubos de ensaio com os diversos sumos (natural e Compal), vinagre e com bicarbonato de sódio em água destilada, respectivamente. Após a adição de algumas gotas de azul de tornessol (liq.), em cada um dos tubos de ensaio. Fig4: Verificação dos indícios de pH, com o medidor de pH de fita. Sumo natural: aproximadamente pH 4; Sumo Compal: aproximadamente pH 4; Vinagre: aproximadamente pH 3.
  • 4. Fig5: Resultado obtido (ultimo tubo de ensaio, a direita), após a adição de um ácido (vinagre) a uma base (bicarbonato de sódio), formando espuma. Este ensaio é semelhante a adicionar bicarbonato de sódio a um ácido (como era previsto no procedimento), que foi realizado simetricamente por apresentar-se mais conveniente.
  • 5. 5. Discussão: O azul de tornessol é um indicador de pH (5,0 – 8,0) que apresenta uma cor vermelha quando em presença de um ácido e cor azul quando em presença de uma base. Embora não se revelou muito eficaz, apesar de ter havido reacção no último tubo de ensaio onde estava presente uma base (bicarbonato de sódio), que se tornou azul provando deste modo a presença da base; Para a detecção dos ácidos como seria de esperar não ocorreu mudanças significativas, devido a vários factores (pouca quantidade do químico; solução coloidal que dificulta a interpretação; ou ainda a presença de substâncias contaminantes devido a lavagem dos tubos de ensaio imprópria, pois não foram desinfectados com os devidos cuidados por não haver o material adequado para o efeito.) Para contornar este obstáculo, recorremos ao uso de medidores de pH de fita para podermos verificar o que pretendíamos. Os sumos de fruta e o vinagre contém ácidos (no sumo de laranja ácido cítrico e no vinagre ácido acético) enquanto que o bicarbonato de sódio é tradicionalmente usado para combater a “azia” pois sendo uma base reage com o excesso de acidez do estômago, podendo assim ajudar a digestão aquando estamos afectados por diarreia, assim como outros problemas inconvenientes. 6. Conclusão: O pH desempenha um papel fundamental nos sistemas biológicos pois as funções vitais das proteínas dependem da sua estrutura, e esta depende do pH. Os grupos funcionais das proteínas têm cargas que se modificam por perda ou captura de protões, modificando a sua estrutura e disposição espacial, daí que as diversas funções metabólicas necessitarem cada uma de um determinado valor de pH para que a proteína interveniente mantenha uma dada forma particular. Exemplos: O sangue humano mantém um pH entre 7,35-7,45. O pH das lágrimas é de 7,4. Na digestão as enzimas necessitam de um pH entre 1,5 e 1,8. 7. Bibliografia: http://www.spq.pt/boletim/docs/boletimSPQ_100_085_24.pdf http://pt.wikipedia.org/wiki/Indicador_qu%C3%ADmico http://pt.wikipedia.org/wiki/PH http://www.cienciaviva.pt/divulgacao/cozinha/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Bicarbonato_de_s%C3%B3dio