SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE 
CURSO DE ENFERMAGEM 
EUNICE AP. DOS SANTOS 
GEOMARA AP. CZERNIAK 
LEILIANE MARTINS 
NERI PIRES 
VERA LUCIA FIGUEREDO 
CARACTERIZAÇÃO DE UMA ENZIMA 
CURITIBA 
2014
1. INTRODUÇÃO 
As enzimas são catalizadores protéicos que aumentam a velocidade de 
uma reação química e não são consumidas durante a reação que catalisam 
(CHAMPE et al., 2009). Muitos alimentos contem enzimas, as quais podem 
causar degradação dos componentes e analisar. Por esse motivo, a atividade 
enzimática deve ser eliminada ou controlada antes da analise, através de 
métodos selecionados de acordo com as características do alimento. Um dos 
métodos mais comuns é de agentes redutores no caso das enzimas com 
atividade oxidante ( FIGUEIREDO, 2009). 
A uréase é uma enzima responsável pela catalise da ureia em amônia e 
dióxido de carbono, de acordo com a reação abaixo: 
(NH2)2CO + H2O Co2+2NH3 (NH4)2CO3 
Esta enzima é encontrada em diversos microrganismo os como 
bactérias, fungos e também em seres superiores como algumas plantas. 
(SANTOS, et. al. 2013). 
Como grande parte dos catalisadores biológicos a estrutura bioquímica da 
uréase é protéica, apresentando características compatíveis com esta classe 
de biomoléculas. (SANTOS, et. al. 2013).
2. OBJETIVOS 
2.1 Caracterizar a estrutura da presente amostra; 
2.2 Verificar as reações positivas para atividade, especificidade, 
processo de desnaturação pelo calor e pelos metais pesados.
3. Materiais e Métodos 
3.1 Materiais 
3.1.1 Equipamentos; geladeira, balança analítica, capela, banho 
fervente 100 ºC 
3.1.2 Reativos 
3.1.3 Vidraria: tubos de ensaio e pipetas 
3.1.4 Acessórios: estante para tubos, pipetador, psético com 
água, conta gotas papel toalha.
3.2 Métodos 
3.2.1 Caracterização 
1 Reação de Biureto – Em um tubo pipetar 10 gotas da solução de 
Urease e do reativo de biureto. 
2 Reação de Heller – Em um tubo de ensaio pipetar 10 gotas da 
solução de Urease e de água destilada. Acrescentar, pela parede do 
tubo e sem agitar, 2 ml de acido nitrico concentrado. Notar o 
aparecimento do anel de interfase. 
3.2.2 Reações Enzimáticas 
3 - Atividade enzimática: marcar dois tubos de ensaio com A e B. No 
tubo A pipetar 2 ml de tampão fosfato pH7 com ureia, 1 gota de 
vermelho fenol e 2 gotas da solução de urease. No tubo B pipetar 3 ml 
da solução tampão fosfato pH 7 sem ureia, 1 gota de vermelho fenol e 
2 gotas da solução de urease. 
4 - Processo de desnaturação pelo calor: em um tubo de ensaio pipetar 
5 gotas da solução de urease e 3 ml de agua destilada. Ferver em BM 
por 5 minutos. Em outro tubo de ensaio pipetar 3 ml da solução tampão 
fosfato pH 7 com ureia, 1 gota de vermelho de fenol e 1 ml da solução 
de urease fervida. 
5 - Processo de desnaturação por sais de metais pesados: em um tubo 
de ensaio pipetar 3 ml da solução tampão fosfato pH 7 com ureia, 5 
gotas de cloreto de mercurio, 1 gota de vermellho de fenol e 2 gotas da 
solução de urease. 
6 - Teste da especifidade da enzima: marcar dois tubos de ensaio com 
A e B. No tubo A pipetar 3 ml de tampão fosfato pH7 com ureia, 1 gota 
de vermelho fenol e 2 gotas da solução de urease. No tubo B pipetar 3 
ml da solução tampão fosfato pH 7 sem tioureia, 1 gota de vermelho 
fenol e 2 gotas da solução de urease.
4 Resultados 
4.1 Reação positiva pela mudança da coloração azul por azul violeta, 
determinando as ligações peptídicas 
4.2 Heler – Reação positiva pela presença de um anel entre as fases, 
portanto a amostra é proteica. 
4.3 Atividades Enzimática 
Com Uréia - Maior atividade enzimática com o tampão fosfato da enzima 
urease. 
Sem Uréia - Menor atividade enzimática com o tampão fosfato da enzima 
urease. 
5 – A 
40 
35 
30 
25 
20 
15 
10 
5 
0 
Platô 
Enzima Processo de desnaturação 
Platô
6 Discussão 
O vermelho de fenol não indica positividade e sim diferenciação de intensidade 
de cor. Ele é um indicador de pH que é frequentemente usado em laboratórios 
de biologia celular. 
Por causa da especificidade de cada enzima para catalisar reações apenas 
com substratos adequados ao lugar em que ocorre a reação (sito ativo), 
substratos diferentes não são catalisados pela enzima devido à forma do sitio 
ativo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo slide01 SEED PR
Modelo slide01 SEED PRModelo slide01 SEED PR
Modelo slide01 SEED PR
Luciane Oliveira
 
Anexos portaria-ms-2914
Anexos portaria-ms-2914Anexos portaria-ms-2914
Anexos portaria-ms-2914
Sarah Abreu Moreira Araujo
 
Procedimentos básicos de contagem nmp
Procedimentos básicos de contagem  nmpProcedimentos básicos de contagem  nmp
Procedimentos básicos de contagem nmp
Ivo Gomes
 
Tabela nmp
Tabela nmpTabela nmp
Tabela nmp
Patricia Do Vale
 
Instrucoes vdrl
Instrucoes vdrlInstrucoes vdrl
Instrucoes vdrl
Euler Luiz
 
Relatório3 bioq.i
Relatório3   bioq.iRelatório3   bioq.i
Relatório3 bioq.i
marcelazmarques
 
Apostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativaApostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativa
Sayonara Silva
 
Spe
SpeSpe
Relatório 2 - dosagem de glicose
     Relatório 2 - dosagem de glicose     Relatório 2 - dosagem de glicose
Relatório 2 - dosagem de glicose
CECILIA LOUREIRO
 
Exp 1 identificação de álcoois e fenóis
Exp 1   identificação de álcoois e fenóisExp 1   identificação de álcoois e fenóis
Exp 1 identificação de álcoois e fenóis
Jamilson Garcia
 
Relatório 4 hplc
Relatório 4   hplcRelatório 4   hplc
Relatório 4 hplc
Carla Soares
 
Roteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geralRoteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geral
Édino Farias dos San Santos
 
Inversão de fases
Inversão de fasesInversão de fases
Inversão de fases
Pri Sartori
 
Aula 19 formas farmaceuticas estéreis
Aula 19 formas farmaceuticas estéreisAula 19 formas farmaceuticas estéreis
Aula 19 formas farmaceuticas estéreis
Larissa Martins Gonçalves
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
Ezequias Guimaraes
 
Ap6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de PrecipitaçãoAp6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de Precipitação
LABIMUNO UFBA
 
FixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complementoFixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complemento
LABIMUNO UFBA
 
Química experimental
Química experimentalQuímica experimental
Química experimental
Camila Antunes
 
Relatório de Aulas práticas de Tecnologia Farmacêutica
Relatório de Aulas práticas de Tecnologia FarmacêuticaRelatório de Aulas práticas de Tecnologia Farmacêutica
Relatório de Aulas práticas de Tecnologia Farmacêutica
Karen Zanferrari
 
Tassia
TassiaTassia

Mais procurados (20)

Modelo slide01 SEED PR
Modelo slide01 SEED PRModelo slide01 SEED PR
Modelo slide01 SEED PR
 
Anexos portaria-ms-2914
Anexos portaria-ms-2914Anexos portaria-ms-2914
Anexos portaria-ms-2914
 
Procedimentos básicos de contagem nmp
Procedimentos básicos de contagem  nmpProcedimentos básicos de contagem  nmp
Procedimentos básicos de contagem nmp
 
Tabela nmp
Tabela nmpTabela nmp
Tabela nmp
 
Instrucoes vdrl
Instrucoes vdrlInstrucoes vdrl
Instrucoes vdrl
 
Relatório3 bioq.i
Relatório3   bioq.iRelatório3   bioq.i
Relatório3 bioq.i
 
Apostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativaApostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativa
 
Spe
SpeSpe
Spe
 
Relatório 2 - dosagem de glicose
     Relatório 2 - dosagem de glicose     Relatório 2 - dosagem de glicose
Relatório 2 - dosagem de glicose
 
Exp 1 identificação de álcoois e fenóis
Exp 1   identificação de álcoois e fenóisExp 1   identificação de álcoois e fenóis
Exp 1 identificação de álcoois e fenóis
 
Relatório 4 hplc
Relatório 4   hplcRelatório 4   hplc
Relatório 4 hplc
 
Roteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geralRoteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geral
 
Inversão de fases
Inversão de fasesInversão de fases
Inversão de fases
 
Aula 19 formas farmaceuticas estéreis
Aula 19 formas farmaceuticas estéreisAula 19 formas farmaceuticas estéreis
Aula 19 formas farmaceuticas estéreis
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
 
Ap6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de PrecipitaçãoAp6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de Precipitação
 
FixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complementoFixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complemento
 
Química experimental
Química experimentalQuímica experimental
Química experimental
 
Relatório de Aulas práticas de Tecnologia Farmacêutica
Relatório de Aulas práticas de Tecnologia FarmacêuticaRelatório de Aulas práticas de Tecnologia Farmacêutica
Relatório de Aulas práticas de Tecnologia Farmacêutica
 
Tassia
TassiaTassia
Tassia
 

Semelhante a Centro universitário campos de andrade (1)

1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
Adriana Mesquita
 
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
VictorSamuel64
 
Reações de caracterização de aminoácidos e proteínas
Reações de caracterização de aminoácidos e proteínasReações de caracterização de aminoácidos e proteínas
Reações de caracterização de aminoácidos e proteínas
Daniel Gonçalves dos Santos
 
Aula prática reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Aula prática   reações qualitativa par aminoácidos e proteínasAula prática   reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Aula prática reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Mauro Perez
 
Relatório bioquímica - Piperina
Relatório bioquímica - PiperinaRelatório bioquímica - Piperina
Relatório bioquímica - Piperina
Gilsilene Choplin .
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
Paulo George
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Marcelo Costa
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
Identificação sistematica de compostos orgânicos
Identificação sistematica de compostos orgânicosIdentificação sistematica de compostos orgânicos
Identificação sistematica de compostos orgânicos
Sayonara Caribé
 
2016 01 aula-introdutoriaquali
2016 01 aula-introdutoriaquali2016 01 aula-introdutoriaquali
2016 01 aula-introdutoriaquali
Augusto Tanamati
 
RELATÓRIO EXTRACÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE DNA
RELATÓRIO EXTRACÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE DNARELATÓRIO EXTRACÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE DNA
RELATÓRIO EXTRACÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE DNA
Luís Filipe Marinho
 
Cap21
Cap21Cap21
Relatório de bioquimica
Relatório de bioquimicaRelatório de bioquimica
Relatório de bioquimica
Flavinha da Silva
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
Caio Maximino
 
Enzimas no laboratorio clinico
Enzimas no laboratorio clinicoEnzimas no laboratorio clinico
Enzimas no laboratorio clinico
Tenobio T. Coelho
 
Análises da urina
Análises da urinaAnálises da urina
Análises da urina
giovani
 
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e ProteinasRoteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Dharma Initiative
 
Fisiologia da Prolactina.pptx
Fisiologia da Prolactina.pptxFisiologia da Prolactina.pptx
Fisiologia da Prolactina.pptx
Nilberto Nascimento
 
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Cátia Teixeira
 
Espermoteste
EspermotesteEspermoteste
Espermoteste
puikow
 

Semelhante a Centro universitário campos de andrade (1) (20)

1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
 
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
 
Reações de caracterização de aminoácidos e proteínas
Reações de caracterização de aminoácidos e proteínasReações de caracterização de aminoácidos e proteínas
Reações de caracterização de aminoácidos e proteínas
 
Aula prática reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Aula prática   reações qualitativa par aminoácidos e proteínasAula prática   reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Aula prática reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
 
Relatório bioquímica - Piperina
Relatório bioquímica - PiperinaRelatório bioquímica - Piperina
Relatório bioquímica - Piperina
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
 
Identificação sistematica de compostos orgânicos
Identificação sistematica de compostos orgânicosIdentificação sistematica de compostos orgânicos
Identificação sistematica de compostos orgânicos
 
2016 01 aula-introdutoriaquali
2016 01 aula-introdutoriaquali2016 01 aula-introdutoriaquali
2016 01 aula-introdutoriaquali
 
RELATÓRIO EXTRACÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE DNA
RELATÓRIO EXTRACÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE DNARELATÓRIO EXTRACÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE DNA
RELATÓRIO EXTRACÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE DNA
 
Cap21
Cap21Cap21
Cap21
 
Relatório de bioquimica
Relatório de bioquimicaRelatório de bioquimica
Relatório de bioquimica
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Enzimas no laboratorio clinico
Enzimas no laboratorio clinicoEnzimas no laboratorio clinico
Enzimas no laboratorio clinico
 
Análises da urina
Análises da urinaAnálises da urina
Análises da urina
 
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e ProteinasRoteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
Roteiro da Prática 2 - Aminoacidos e Proteinas
 
Fisiologia da Prolactina.pptx
Fisiologia da Prolactina.pptxFisiologia da Prolactina.pptx
Fisiologia da Prolactina.pptx
 
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
 
Espermoteste
EspermotesteEspermoteste
Espermoteste
 

Centro universitário campos de andrade (1)

  • 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE CURSO DE ENFERMAGEM EUNICE AP. DOS SANTOS GEOMARA AP. CZERNIAK LEILIANE MARTINS NERI PIRES VERA LUCIA FIGUEREDO CARACTERIZAÇÃO DE UMA ENZIMA CURITIBA 2014
  • 2. 1. INTRODUÇÃO As enzimas são catalizadores protéicos que aumentam a velocidade de uma reação química e não são consumidas durante a reação que catalisam (CHAMPE et al., 2009). Muitos alimentos contem enzimas, as quais podem causar degradação dos componentes e analisar. Por esse motivo, a atividade enzimática deve ser eliminada ou controlada antes da analise, através de métodos selecionados de acordo com as características do alimento. Um dos métodos mais comuns é de agentes redutores no caso das enzimas com atividade oxidante ( FIGUEIREDO, 2009). A uréase é uma enzima responsável pela catalise da ureia em amônia e dióxido de carbono, de acordo com a reação abaixo: (NH2)2CO + H2O Co2+2NH3 (NH4)2CO3 Esta enzima é encontrada em diversos microrganismo os como bactérias, fungos e também em seres superiores como algumas plantas. (SANTOS, et. al. 2013). Como grande parte dos catalisadores biológicos a estrutura bioquímica da uréase é protéica, apresentando características compatíveis com esta classe de biomoléculas. (SANTOS, et. al. 2013).
  • 3. 2. OBJETIVOS 2.1 Caracterizar a estrutura da presente amostra; 2.2 Verificar as reações positivas para atividade, especificidade, processo de desnaturação pelo calor e pelos metais pesados.
  • 4. 3. Materiais e Métodos 3.1 Materiais 3.1.1 Equipamentos; geladeira, balança analítica, capela, banho fervente 100 ºC 3.1.2 Reativos 3.1.3 Vidraria: tubos de ensaio e pipetas 3.1.4 Acessórios: estante para tubos, pipetador, psético com água, conta gotas papel toalha.
  • 5. 3.2 Métodos 3.2.1 Caracterização 1 Reação de Biureto – Em um tubo pipetar 10 gotas da solução de Urease e do reativo de biureto. 2 Reação de Heller – Em um tubo de ensaio pipetar 10 gotas da solução de Urease e de água destilada. Acrescentar, pela parede do tubo e sem agitar, 2 ml de acido nitrico concentrado. Notar o aparecimento do anel de interfase. 3.2.2 Reações Enzimáticas 3 - Atividade enzimática: marcar dois tubos de ensaio com A e B. No tubo A pipetar 2 ml de tampão fosfato pH7 com ureia, 1 gota de vermelho fenol e 2 gotas da solução de urease. No tubo B pipetar 3 ml da solução tampão fosfato pH 7 sem ureia, 1 gota de vermelho fenol e 2 gotas da solução de urease. 4 - Processo de desnaturação pelo calor: em um tubo de ensaio pipetar 5 gotas da solução de urease e 3 ml de agua destilada. Ferver em BM por 5 minutos. Em outro tubo de ensaio pipetar 3 ml da solução tampão fosfato pH 7 com ureia, 1 gota de vermelho de fenol e 1 ml da solução de urease fervida. 5 - Processo de desnaturação por sais de metais pesados: em um tubo de ensaio pipetar 3 ml da solução tampão fosfato pH 7 com ureia, 5 gotas de cloreto de mercurio, 1 gota de vermellho de fenol e 2 gotas da solução de urease. 6 - Teste da especifidade da enzima: marcar dois tubos de ensaio com A e B. No tubo A pipetar 3 ml de tampão fosfato pH7 com ureia, 1 gota de vermelho fenol e 2 gotas da solução de urease. No tubo B pipetar 3 ml da solução tampão fosfato pH 7 sem tioureia, 1 gota de vermelho fenol e 2 gotas da solução de urease.
  • 6. 4 Resultados 4.1 Reação positiva pela mudança da coloração azul por azul violeta, determinando as ligações peptídicas 4.2 Heler – Reação positiva pela presença de um anel entre as fases, portanto a amostra é proteica. 4.3 Atividades Enzimática Com Uréia - Maior atividade enzimática com o tampão fosfato da enzima urease. Sem Uréia - Menor atividade enzimática com o tampão fosfato da enzima urease. 5 – A 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Platô Enzima Processo de desnaturação Platô
  • 7. 6 Discussão O vermelho de fenol não indica positividade e sim diferenciação de intensidade de cor. Ele é um indicador de pH que é frequentemente usado em laboratórios de biologia celular. Por causa da especificidade de cada enzima para catalisar reações apenas com substratos adequados ao lugar em que ocorre a reação (sito ativo), substratos diferentes não são catalisados pela enzima devido à forma do sitio ativo.