SlideShare uma empresa Scribd logo
EXPERIÊNCIAS
         DE
       1º A N O




PROF. AGAMENON ROBERTO
        < 2007 >
Prof. Agamenon Roberto                1º ANO – EXPERIÊNCIAS                         2




                           1ª e 2ª EXPERIÊNCIAS
             DESTILAÇÃO SIMPLES E DESTILAÇÃO FRACIONADA
OBJETIVO: Mostrar como separar os componentes de uma solução líquida (sólido
               com líquido ou líquido com líquido).
MATERIAL NECESSÁRIO:
       Equipamento de destilação (simples e fracionada).
       Sulfato de cobre (CuSO4 . 5 H2O).
       Acetona.
       Água destilada.
MODO DE FAZER:
       No balão de destilação coloque a solução aquosa (aproximadamente 50 mL)
       de sulfato de cobre e aqueça de modo a entrar em ebulição recolhendo o
       destilado em um copo de béquer.




       No balão de destilação coloque a mistura de acetona com água (em torno de
       50 mL) e aqueça de modo a entrar em ebulição recolhendo o destilado em um
       copo de béquer.
PERGUNTAS:
           1) Qual a diferença entre destilação simples e destilação fracionada?
           2) Qual a cor da solução de sulfato de cobre?
           3) Que cor possui o destilado na solução de sulfato de cobre? Justifique
               sua resposta.




       Na destilação fracionada        devemos     acrescentar   um   termômetro   ao
       equipamento acima.
Prof. Agamenon Roberto                1º ANO – EXPERIÊNCIAS                        3




                                3ª EXPERIÊNCIA
                               QUEM DERRETE PRIMEIRO?

OBJETIVO: Verificar que a adição de um soluto não volátil a um solvente puro
               diminui a sua temperatura fusão e a propagação do calor denominada
               de convecção.
MATERIAIS:
   •   2 recipientes de vidro ou plástico transparentes.
   •   2 pedra de gelo com corante.
   •   Água.
   •   Sal de cozinha.

MODO DE FAZER:
   •   Coloque a mesma quantidade de água em dois recipientes de 250 mL e
       adicione um corante. Leve ao congelador a para formar os blocos de gelo.




   •   Adicione a mesma quantidade de água nos dois recipientes de vidro. Em
       seguida, em um dos recipientes, vá adicionando sal até saturar a solução.




   •   Coloque simultaneamente um bloco de gelo colorido em cada recipiente e
       observe.




O QUE ACONTECE?
   1) Em qual dos recipientes o conteúdo do gelo se espalhou mais? Porque?
   2) A temperatura dos líquidos nos recipientes é a mesma em toda a sua
       extensão? Descreva.
   3) Em qual recipiente o gelo derreteu mais? Porque?
Prof. Agamenon Roberto                   1º ANO – EXPERIÊNCIAS                          4




                                 4ª EXPERIÊNCIA
                                  TESTE DA CHAMA
OBJETIVO: Mostrar que cada elemento químico, quando recebe energia, emite uma
          luz de cor característica.
MATERIAL NECESSÁRIO:
   •   Chama de fogão (ou lamparina a álcool).
   •   Arame (de preferência de resistência de chuveiro).
   •   Pegador de madeira.
   •   Sal de cozinha.
   •   Sulfato de cobre.
   •   Cal.
   •   Cloreto de potássio.
   •   Fita de magnésio.
   •   Cloreto de lítio.
MODO DE FAZER:
               Corte um pedaço de arame de cerca de 10 cm. Faça uma pequena volta na sua
               ponta e fixe a outra ponta em um cabo de madeira ou pegador. Molhe o arame
               com um pouco de água e coloque a sua ponta na chama para limpá-lo. Deixe
               o arame esfriar e coloque agora a sua ponta am uma solução aquosa de sal
               de cozinha. Leve a ponta do arame ao fogo e observe. O que aconteceu?
               Limpe novamente a ponta do arame até que a chama permaneça inalterada ao
               se levar ao fogo. Repita estes procedimentos com as soluções de sulfato de
               cobre e cal, limpando sempre o arame entre um teste e outro. Observe as
               cores em cada situação.
   •   Ao se colocar as soluções na chama, observamos as seguintes cores:
               sal de cozinha: uma intensa luz amarela
               cal: fornece luz de cor vermelha.
               sulfato de cobre: emite uma luz de cor azul-esverdeada.
               cloreto de potássio: luz de cor violeta.
               Fita de magnésio: emite luz branca.
               Cloreto de lítio: emite luz vermelha.
   •   Esta cor é devida à energia recebida pelo elétron, pela chama, que é
       devolvida na forma de luz. Esta luz tem comprimento de onda bem
       característico para cada material.
Prof. Agamenon Roberto                  1º ANO – EXPERIÊNCIAS                           5




                                   5ª EXPERIÊNCIA
           INDICADOR FENOLFTALEÍNA E AZUL DE BROMOTIMOL
OBJETIVO: Produzir os indicadores fenolftaleína e azul de bromotimol.

MATERIAIS: Fenolftaleína, azul de bromotimol, álcool, dois copos e uma colher.

COMO FAZER:

         a)    Dissolver 1g de fenolftaleína em 60 mL de álcool e dilui-se com água
               até 100 mL. Usa-se 1 a 2 gotas para cada 100 mL de solução a titular.
         b)    Dissolve-se 0,1g de azul de bromotimol em 20 mL de álcool quente e
               dilui-se com água até 100 mL. Usa-se 1 a 3 gotas para cada 100 mL a
               ser titulada.

COMENTÁRIOS:
         Você pode utilizar gotas da solução de fenolftaleína (ou azul de bromotimol)
         produzida para testar a acidez ou basicidade de alguns líquidos, tais como:

               Suco de limão.
               Água com sabão.
               Água com pasta dental.
               Vinagre.
               Soluções de produtos de limpeza.




                     BASE      ÁCIDO                            BASE   ÁCIDO
                     FENOLFTALEÍNA                        AZUL DE BROMOTIMOL
2° MODO:
         a)    Pegue dois copos de béquer.
         b)    Em um deles coloque duas gotas de fenolftaleína.
         c)    Coloque uma solução básica em cada e observe a diferença.
Obs: Simule que o líquido é vinho discuta porque as cores são diferentes.
Prof. Agamenon Roberto                   1º ANO – EXPERIÊNCIAS                   6




                                 6ª EXPERIÊNCIA
                              INDICADORES NATURAIS

OBJETIVO: Fazer indicador com produtos naturais.

MATERIAIS: Soluções de um ácido e de uma base, beterraba e repolho – roxo.

COMO FAZER:
           Corte uma fatia de beterraba, ou uma folha do repolho em pequenos
           pedaços.
           Ferva os pedaços cortados em dois copos de água durante 10 min.

           Filtre o líquido com um coador comum.

COMENTÁRIOS:

      a)     O extrato assim obtido deve ser guardado em geladeira.

      b)     A tabela abaixo mostra as cores dos indicadores em presença de

             soluções de caráter ácido ou básico:


                                            Solução ácida Solução básica


                Extrato de repolho – roxo     Vermelho      Verde – amarelado

                  Extrato de beterraba        Vermelho           Amarela



             Também funcionam como indicadores naturais: suco de amora, vinho

             tinto e extratos alcoólicos de casca de cebola e de pétalas de flores

             coloridas.
Prof. Agamenon Roberto             1º ANO – EXPERIÊNCIAS                      7




                           UMA FORMA DIFERENTE

MATERIAIS: Beterraba, repolho – roxo, rolhas e tubo de vidro transparente.
       Colocar a solução do repolho-roxo dentro do tubo.

       Adicionar em uma das extremidades o HCl (três gotas) e na outra

       extremidade o NaOH (três gotas).

       Vedar as extremidades e observar.




        Repolho Roxo               Repolho Roxo               Repolho Roxo
                                  em meio básico              em meio ácido
Prof. Agamenon Roberto               1º ANO – EXPERIÊNCIAS                     8




                               7ª EXPERIÊNCIA


                                SANGUE DO DIABO


OBJETIVO: Verificar a atividade do indicador.


MATERIAIS: Hidróxido de amônio, 1 comprimido de lactopurga, água destilada,
           recipiente.


COMO FAZER:

              a) Coloque 500 mL de água destilada em um recipiente.

              b) Dissolva o comprimido na água do recipiente.

              c) Adicione 20 mL de NH4OH a este recipiente.

COMENTÁRIOS:

       O comprimido e o hidróxido de amônio podem ser comprados em farmácias

       Coloque a solução em um tecido branco. Observe a cor. O que acontece com

       o tempo? Explique.

       Lave o tecido com sabão. O que acontece? Por quê?



Atenção:
       Não se pode lavar a peça de roupa, após o experimento, com sabão sem
antes lavar (somente) com água. O sabão contém NaOH que é básico mas não é
volátil, e pode manchar a roupa!
Prof. Agamenon Roberto             1º ANO – EXPERIÊNCIAS                   9



                              8ª EXPERIÊNCIA
                         DESIDRATAÇÃO DA SACAROSE
OBJETIVO: Mostrar a desidratação da sacarose, chamando a atenção para a
               variação de temperatura e de volume.
MATERIAIS:
   •   Ácido sulfúrico concentrado.
   •   Açúcar (C12H22O11).
   •   Copo de béquer (100 mL).
   •   Pipeta.
   •   Baqueta.

MODO DE FAZER:
   •   Coloque no béquer aproximadamente um dedo de sacarose.




   •    Adicione cuidadosamente o ácido sulfúrico concentrado, em quantidade
       suficiente para deixar o açúcar molhado.




   •   Agite com a baqueta.




   •   Não toque no béquer, pois a reação é muito exotérmica.
Prof. Agamenon Roberto                           1º ANO – EXPERIÊNCIAS                10


COMENTÁRIOS:
     O açúcar começa a escurecer; inicia-se uma efervescência acompanhada de
uma nuvem de vapor de água; surge uma coluna de carvão, várias vezes maior
que a quantidade de açúcar inicial.




      O ácido sulfúrico é um agente altamente desidratante. Os vapores
liberados causam a expansão do sistema. A reação que ocorre é:

                                               H 2 S O4
                         C 12 H 22 O 11 ( s)                 12 C (s) + 11 H 2O (g)
                                               concentrado
Prof. Agamenon Roberto                 1º ANO – EXPERIÊNCIAS                        11




                                9ª EXPERIÊNCIA


        ELETRÓLISE DO NaCl PARA PRODUÇÃO DO NaOH

OBJETIVO: Verificar uma eletrólise e identificar o NaOH como um dos produtos.

MATERIAIS: Uma bateria com dois fios conectados a ela, dois lápis apontados nas

               duas extremidades, papel cartão, 1 recipiente transparente, água

               destilada, NaCl e fenolftaleína.

COMO FAZER:

           a) Conecte os fios da bateria aos dois lápis e introduza no frasco contento

               a solução aquosa de NaCl. Para manter os lápis na vertical, prepare

               uma tampa com o papel cartão, fazendo nele dois furos. Nesses furos

               você encaixa os eletrodos (lápis).

           b) Observe o que acontece nos eletrodos (não respire os gases formados).

           c) Após certo tempo coloque o indicador (ou comprimido de lactopurga)

COMENTÁRIOS:

       Quais íons são atraídos pelo ânodo? Qual deles tem prioridade de descarga?
       Escreva a semi – reação que representa este fenômeno.
       Quais íons são atraídos pelo cátodo? Qual deles tem prioridade de descarga?
       Escreva a equação que representa esta semi – reação?
       Escreva a equação global da eletrólise aquosa do NaCl.
       Qual a finalidade da fenolftaleína?
       A solução final terá caráter ácido, neutro ou básico?
       Quais os gases liberados?
Prof. Agamenon Roberto                      1º ANO – EXPERIÊNCIAS                      12




                                 10ª EXPERIÊNCIA

                         PRODUÇÃO DE GÁS CARBÔNICO

                           (EXTINTOR DE INCÊNDIO)

OBJETIVO: Mostrar uma reação que produza gás carbônico e este sendo
               aproveitado para a eliminar uma chama; destacando a função química e
               a classificação deste gás.

MATERIAL NECESSÁRIO:
   •   Vela.
   •   Copo de béquer.
   •   Bicarbonato de sódio, ácido clorídrico.

MODO DE FAZER:
   •   Coloque dentro de um copo uma vela e acenda.
   •   No fundo do copo adicione bicarbonato de sódio e coloque sobre o mesmo
       ácido clorídrico (ou vinagre).

   1) Escreva a reação que ocorre?
   2) Qual o gás produzido nesta reação?
   3) O que ocorre com a chama da vela?

ATENÇÃO:
   Colocando-se água oxigenada com permanganato de potássio, veremos uma
reação que produzirá oxigênio e manterá a chama acesa por um tempo maior.
                                                                     permanganato de
                                                                        potássio


                                    água oxigenada




                          FASE INICIAL


                                                          oxigênio
Prof. Agamenon Roberto                1º ANO – EXPERIÊNCIAS                            13




                               11ª EXPERIÊNCIA

                    NEUTRALIZAÇÃO ENTRE ÁCIDOS E BASES


OBJETIVOS: Observar a tendência de neutralização entre ácidos e bases.


MATERIAIS: Amoníaco, limão, indicador de repolho – roxo, conta gotas, tubos de
          ensaio, água e uma colher de chá.


COMO FAZER:
                Preparar a solução ácida e acrescentar o indicador.
                Adicionar   um   produto   básico,    de      preferência   em   pequenas
                quantidades.
                Observar a mudança de cor do indicador.


COMENTÁRIOS:


       Repita a experiência com outras soluções básicas, tais como água com
       sabão ou creme dental.
       Use outros ácidos, tais como vinagre incolor, ácido muriático, etc.
       Troque o indicador e observe a mudança de cores.
Prof. Agamenon Roberto             1º ANO – EXPERIÊNCIAS                   14




                           12ª EXPERIÊNCIA
                     VELOCIDADE DE DIFUSÃO GASOSA

OBJETIVOS: Observar a velocidade de difusão dos gases.


MATERIAL UTILIZADO:
           HCl 1 mol/L.
           Amônia.
           Conexão de vidro transparente (cano de vidro).
PROCEDIMENTO:

   •   Preparar um tubo de vidro de de 70 cm de comprimento por 8 mm de
       diâmetro colocando-o num suporte contendo medidas;
   •   Preparar duas porções de algodão que caibam dentro do tubo e duas
       tampas com tamanho adequado para fechar as extremidades do tubo;
   •   Identificar ou marcar as extremidades (amônia e HCl) com uma caneta
       para retroprojetor;
   •   Embeber uma das porções de algodão com amônia líquida e a outra com
       solução de HCl, ambas de maneira que não formem poças de solução
       quando colocadas no interior dos tubos;
   •   Colocar os algodões dos tubos nas extremidades identificadas no item 3
       e tampar. Acionar imediatamente o cronômetro;
   •   Deixar os gases difundirem ao longo do tubo;
   •   Ao observar a formação de um anel branco, marcar o tempo e o ponto
       que se formou;
   •   Calcular a relação de massa molar das duas substâncias e comparar
       com o valor teórico. Calcular, também, a razão entre velocidades de
       difusão e efusão.
Prof. Agamenon Roberto                    1º ANO – EXPERIÊNCIAS                        15



                                 13ª EXPERIÊNCIA
  O QUE OCORRE COM A MASSA DURANTE UMA REAÇÃO QUÍMICA?
OBJETIVOS: Observar a conservação das massas dos participantes de uma reação química
MATERIAL UTILIZADO:
           Palha de aço.
           Folha de papel.
           Grãos de arroz.
           Fósforo.
           Balança de dois pratos.
PROCEDIMENTO:
           Coloque uma folha de papel embolada em um dos pratos da balança.
           Equilibre os pratos da balança com os grãos de arroz.




           Ponha fogo no papel e observe a combustão anotando o que ocorre com o papel e
           com o equilíbrio da balança. Justifique.




           Coloque um pedaço de palha de aço em um dos pratos da balança.
           Equilibre os pratos da balança com os grãos de arroz.




           Ponha fogo na palha de aço e observe a combustão anotando o que ocorreu com a
           palha de aço e com o equilíbrio da balança. Justifique.




           A lei de Lavoisier foi verificada. Justifique.
Prof. Agamenon Roberto                1º ANO – EXPERIÊNCIAS                       16




                            14ª EXPERIÊNCIA
          ENCHENDO UM BALÃO DE UM JEITO DIFERENTE (1)
OBJETIVOS: Observar uma transformação gasosa isotérmica.
MATERIAL UTILIZADO:
           Bexiga (balão de festa).
           Dois tubos de vidros.
           Um vasilhame com tampa de cortiça.
PROCEDIMENTO:
           Monte o experimento como indicado na figura.




           Faça dois furos na tampa do vasilhame, coloque os dois tubos, num dos
           quais amarrado uma bexiga, e feche-o.
           Aspire a extremidade do tubo (A) e observe o que acontece:




           Por que a bexiga enche? Como isto pode acontecer se não estamos enchendo-
           a diretamente, assoprando-a com a boca?
           O que está acontecendo é mais uma manifestação da pressão do ar!
           Quando você aspira o ar do interior do vasilhame, a pressão interna fica
           menor, e o ar ao seu redor começa a penetrar pelo outro tubo, tomando
           conta do espaço que fica vazio à medida que você aspira o ar interno do
           vasilhame.
           O que a natureza está procurando fazer é equilibrar a pressão externa do
           ar igual à pressão interna dentro do vasilhame.
Prof. Agamenon Roberto                1º ANO – EXPERIÊNCIAS                      17




                            15ª EXPERIÊNCIA
          ENCHENDO UM BALÃO DE UM JEITO DIFERENTE (2)
OBJETIVOS: Observar uma transformação gasosa isobárica.
MATERIAL UTILIZADO:
           Bexiga (balão de festa).
           Duas garrafas descartáveis de água mineral (500 mL) – pode ser balão
           volumétrico pequeno.
           Dois recipientes de tamanho ideal para conter as garrafas mergulhadas em
           água.
           Água quente.
           Água fria.
PROCEDIMENTO:
           Adapte um balão à boca de cada garrafa.
           Mergulhe uma das garrafas em um recipiente com água quente (acima de
           80°C); deixe por um tempo mínimo de 3 minutos. Observe.
           Mergulhe a outra garrafa em um recipiente com água com gelo; deixe por
           um tempo mínimo de 3 minutos. Observe.
Prof. Agamenon Roberto                 1º ANO – EXPERIÊNCIAS                        18




                               ? ª EXPERIÊNCIA
                             REAÇÃO DE DUPLA TROCA
                                      (SAL + BASE)
OBJETIVOS: Observar uma das condições de ocorrência de reação de dupla troca
                 entre um sal e uma base (formação de uma base mais fraca ou mais
                 volátil).
MATERIAL UTILIZADO:
           Balão volumétrico.
           Erlenmeyer.
           Cano de vidro em “U”.
           Cloreto de amônio.
           Hidróxido de sódio.
           Água destilada.
           Indicador (fenolftaleína ou azul de bromotimol)
           Rolhas de vedação.
PROCEDIMENTO:
                                                                   NH4 Cl + NaOH
           Monte o equipamento ao lado.

                                                                    NH4 OH + NaCl


                                               água destilada
                                                     +
                                                fenolftaleina



           No balão coloque o cloreto de amônio e, em seguida, adicione o NaOH.
           Feche o balão e observe.
COMENTÁRIOS:
       O hidróxido de amônio formado na reação é GASOSO e aumenta a pressão
interna no balão, passando pelo tubo, para o erlenmeyer, fazendo com que o nível da
água destilada no cano dentro do erlenmeyer baixe e, como este gás é uma base, a
solução adquire cor vermelha.

       Quando a reação termina, a pressão no balão fica menor que no erlenmeyer e
a solução que se encontra no mesmo passa pelo cano para o balão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕESDIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
Valdeci Correia
 
Avaliação ciências
Avaliação ciências Avaliação ciências
Avaliação ciências
Isa ...
 
Exercícios extras 9ano densidade
Exercícios extras 9ano densidadeExercícios extras 9ano densidade
Exercícios extras 9ano densidade
Professora Raquel
 
Determinação da vit C
Determinação da vit CDeterminação da vit C
Determinação da vit C
Glayson Sombra
 
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir Montenegro 2014
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir  Montenegro 2014Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir  Montenegro 2014
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir Montenegro 2014
Waldir Montenegro
 
Relatorio 3 quimica
Relatorio 3 quimicaRelatorio 3 quimica
Relatorio 3 quimica
Marcelo Pawlowski
 
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° ano
Geo Honório
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
Railane Freitas
 
Lista de exercicios reações de oxidação e redução
Lista de exercicios   reações de oxidação e reduçãoLista de exercicios   reações de oxidação e redução
Lista de exercicios reações de oxidação e redução
Profª Alda Ernestina
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
Mario Monteiro
 
Avaliação Ciências
Avaliação CiênciasAvaliação Ciências
Avaliação Ciências
Isa ...
 
Quim04 livro-propostos
Quim04 livro-propostosQuim04 livro-propostos
Quim04 livro-propostos
Fábio Oisiovici
 
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
André Moraes
 
Arte 8 ano
Arte 8 anoArte 8 ano
As mudanças dos estados físicos da água
As mudanças dos estados físicos da água As mudanças dos estados físicos da água
As mudanças dos estados físicos da água
Mary Alvarenga
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Ivys Antônio
 
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
Queler X. Ferreira
 
Modelo da ficha de avaliacao didatica
Modelo da ficha de avaliacao didaticaModelo da ficha de avaliacao didatica
Modelo da ficha de avaliacao didatica
Oswaldo Oliveira Filho
 

Mais procurados (20)

DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕESDIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
 
Avaliação ciências
Avaliação ciências Avaliação ciências
Avaliação ciências
 
Exercícios extras 9ano densidade
Exercícios extras 9ano densidadeExercícios extras 9ano densidade
Exercícios extras 9ano densidade
 
Determinação da vit C
Determinação da vit CDeterminação da vit C
Determinação da vit C
 
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir Montenegro 2014
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir  Montenegro 2014Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir  Montenegro 2014
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir Montenegro 2014
 
Relatorio 3 quimica
Relatorio 3 quimicaRelatorio 3 quimica
Relatorio 3 quimica
 
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° ano
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
 
Lista de exercicios reações de oxidação e redução
Lista de exercicios   reações de oxidação e reduçãoLista de exercicios   reações de oxidação e redução
Lista de exercicios reações de oxidação e redução
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
 
Avaliação Ciências
Avaliação CiênciasAvaliação Ciências
Avaliação Ciências
 
Quim04 livro-propostos
Quim04 livro-propostosQuim04 livro-propostos
Quim04 livro-propostos
 
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
 
Arte 8 ano
Arte 8 anoArte 8 ano
Arte 8 ano
 
As mudanças dos estados físicos da água
As mudanças dos estados físicos da água As mudanças dos estados físicos da água
As mudanças dos estados físicos da água
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
 
Modelo da ficha de avaliacao didatica
Modelo da ficha de avaliacao didaticaModelo da ficha de avaliacao didatica
Modelo da ficha de avaliacao didatica
 

Semelhante a Experiencias 1ano

Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeoSandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
Profª Cristiana Passinato
 
Actividades[1]
Actividades[1]Actividades[1]
Actividades[1]
carla alves
 
Actividades[1]
Actividades[1]Actividades[1]
Actividades[1]
carla alves
 
Protocolos experimentais
Protocolos experimentaisProtocolos experimentais
Protocolos experimentais
susanapnp
 
Actividade experimental digestão
Actividade experimental digestãoActividade experimental digestão
Actividade experimental digestão
Tânia Reis
 
Sandrogreco ExperiêNcia 1 Eng. PetróLeo
Sandrogreco ExperiêNcia 1   Eng. PetróLeoSandrogreco ExperiêNcia 1   Eng. PetróLeo
Sandrogreco ExperiêNcia 1 Eng. PetróLeo
Profª Cristiana Passinato
 
Cap10
Cap10Cap10
5 coluna de densidade
5 coluna de densidade5 coluna de densidade
5 coluna de densidade
Giselly2
 
3°s orgânica - experimentos iniciais - carcterização dos compostos orgânicos
3°s   orgânica - experimentos iniciais - carcterização dos compostos orgânicos3°s   orgânica - experimentos iniciais - carcterização dos compostos orgânicos
3°s orgânica - experimentos iniciais - carcterização dos compostos orgânicos
samuelr81
 
23286746 experiencias-de-fisico-quimica
23286746 experiencias-de-fisico-quimica23286746 experiencias-de-fisico-quimica
23286746 experiencias-de-fisico-quimica
José Baía Neto
 
propriedades-coligativas.pdf
propriedades-coligativas.pdfpropriedades-coligativas.pdf
propriedades-coligativas.pdf
MaikonOliveira16
 
Módulo vii química em festa
Módulo vii química em festaMódulo vii química em festa
Módulo vii química em festa
bibsintra
 
Club de ciências
Club de ciênciasClub de ciências
Club de ciências
Katia Nunes
 
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 anoExperimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
Abraão Matos
 
Quimica geral pratica
Quimica geral praticaQuimica geral pratica
Quimica geral pratica
Ercio Novaes
 
Proposta para prática em química Ensino Médio - água dura
Proposta para prática em  química Ensino Médio - água duraProposta para prática em  química Ensino Médio - água dura
Proposta para prática em química Ensino Médio - água dura
Cristiane Kanjiscuk
 
2011 apostilaqfl2241
2011 apostilaqfl22412011 apostilaqfl2241
2011 apostilaqfl2241
Rosa0708
 
Relatório nº2
Relatório nº2Relatório nº2
Relatório nº2
joaosantosterrivel
 
Lipídeos
LipídeosLipídeos
Lipídeos
Hugo Fialho
 
Revisão coltec 2016
Revisão coltec 2016Revisão coltec 2016
Revisão coltec 2016
profNICODEMOS
 

Semelhante a Experiencias 1ano (20)

Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeoSandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
 
Actividades[1]
Actividades[1]Actividades[1]
Actividades[1]
 
Actividades[1]
Actividades[1]Actividades[1]
Actividades[1]
 
Protocolos experimentais
Protocolos experimentaisProtocolos experimentais
Protocolos experimentais
 
Actividade experimental digestão
Actividade experimental digestãoActividade experimental digestão
Actividade experimental digestão
 
Sandrogreco ExperiêNcia 1 Eng. PetróLeo
Sandrogreco ExperiêNcia 1   Eng. PetróLeoSandrogreco ExperiêNcia 1   Eng. PetróLeo
Sandrogreco ExperiêNcia 1 Eng. PetróLeo
 
Cap10
Cap10Cap10
Cap10
 
5 coluna de densidade
5 coluna de densidade5 coluna de densidade
5 coluna de densidade
 
3°s orgânica - experimentos iniciais - carcterização dos compostos orgânicos
3°s   orgânica - experimentos iniciais - carcterização dos compostos orgânicos3°s   orgânica - experimentos iniciais - carcterização dos compostos orgânicos
3°s orgânica - experimentos iniciais - carcterização dos compostos orgânicos
 
23286746 experiencias-de-fisico-quimica
23286746 experiencias-de-fisico-quimica23286746 experiencias-de-fisico-quimica
23286746 experiencias-de-fisico-quimica
 
propriedades-coligativas.pdf
propriedades-coligativas.pdfpropriedades-coligativas.pdf
propriedades-coligativas.pdf
 
Módulo vii química em festa
Módulo vii química em festaMódulo vii química em festa
Módulo vii química em festa
 
Club de ciências
Club de ciênciasClub de ciências
Club de ciências
 
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 anoExperimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
 
Quimica geral pratica
Quimica geral praticaQuimica geral pratica
Quimica geral pratica
 
Proposta para prática em química Ensino Médio - água dura
Proposta para prática em  química Ensino Médio - água duraProposta para prática em  química Ensino Médio - água dura
Proposta para prática em química Ensino Médio - água dura
 
2011 apostilaqfl2241
2011 apostilaqfl22412011 apostilaqfl2241
2011 apostilaqfl2241
 
Relatório nº2
Relatório nº2Relatório nº2
Relatório nº2
 
Lipídeos
LipídeosLipídeos
Lipídeos
 
Revisão coltec 2016
Revisão coltec 2016Revisão coltec 2016
Revisão coltec 2016
 

Experiencias 1ano

  • 1. EXPERIÊNCIAS DE 1º A N O PROF. AGAMENON ROBERTO < 2007 >
  • 2. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 2 1ª e 2ª EXPERIÊNCIAS DESTILAÇÃO SIMPLES E DESTILAÇÃO FRACIONADA OBJETIVO: Mostrar como separar os componentes de uma solução líquida (sólido com líquido ou líquido com líquido). MATERIAL NECESSÁRIO: Equipamento de destilação (simples e fracionada). Sulfato de cobre (CuSO4 . 5 H2O). Acetona. Água destilada. MODO DE FAZER: No balão de destilação coloque a solução aquosa (aproximadamente 50 mL) de sulfato de cobre e aqueça de modo a entrar em ebulição recolhendo o destilado em um copo de béquer. No balão de destilação coloque a mistura de acetona com água (em torno de 50 mL) e aqueça de modo a entrar em ebulição recolhendo o destilado em um copo de béquer. PERGUNTAS: 1) Qual a diferença entre destilação simples e destilação fracionada? 2) Qual a cor da solução de sulfato de cobre? 3) Que cor possui o destilado na solução de sulfato de cobre? Justifique sua resposta. Na destilação fracionada devemos acrescentar um termômetro ao equipamento acima.
  • 3. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 3 3ª EXPERIÊNCIA QUEM DERRETE PRIMEIRO? OBJETIVO: Verificar que a adição de um soluto não volátil a um solvente puro diminui a sua temperatura fusão e a propagação do calor denominada de convecção. MATERIAIS: • 2 recipientes de vidro ou plástico transparentes. • 2 pedra de gelo com corante. • Água. • Sal de cozinha. MODO DE FAZER: • Coloque a mesma quantidade de água em dois recipientes de 250 mL e adicione um corante. Leve ao congelador a para formar os blocos de gelo. • Adicione a mesma quantidade de água nos dois recipientes de vidro. Em seguida, em um dos recipientes, vá adicionando sal até saturar a solução. • Coloque simultaneamente um bloco de gelo colorido em cada recipiente e observe. O QUE ACONTECE? 1) Em qual dos recipientes o conteúdo do gelo se espalhou mais? Porque? 2) A temperatura dos líquidos nos recipientes é a mesma em toda a sua extensão? Descreva. 3) Em qual recipiente o gelo derreteu mais? Porque?
  • 4. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 4 4ª EXPERIÊNCIA TESTE DA CHAMA OBJETIVO: Mostrar que cada elemento químico, quando recebe energia, emite uma luz de cor característica. MATERIAL NECESSÁRIO: • Chama de fogão (ou lamparina a álcool). • Arame (de preferência de resistência de chuveiro). • Pegador de madeira. • Sal de cozinha. • Sulfato de cobre. • Cal. • Cloreto de potássio. • Fita de magnésio. • Cloreto de lítio. MODO DE FAZER: Corte um pedaço de arame de cerca de 10 cm. Faça uma pequena volta na sua ponta e fixe a outra ponta em um cabo de madeira ou pegador. Molhe o arame com um pouco de água e coloque a sua ponta na chama para limpá-lo. Deixe o arame esfriar e coloque agora a sua ponta am uma solução aquosa de sal de cozinha. Leve a ponta do arame ao fogo e observe. O que aconteceu? Limpe novamente a ponta do arame até que a chama permaneça inalterada ao se levar ao fogo. Repita estes procedimentos com as soluções de sulfato de cobre e cal, limpando sempre o arame entre um teste e outro. Observe as cores em cada situação. • Ao se colocar as soluções na chama, observamos as seguintes cores: sal de cozinha: uma intensa luz amarela cal: fornece luz de cor vermelha. sulfato de cobre: emite uma luz de cor azul-esverdeada. cloreto de potássio: luz de cor violeta. Fita de magnésio: emite luz branca. Cloreto de lítio: emite luz vermelha. • Esta cor é devida à energia recebida pelo elétron, pela chama, que é devolvida na forma de luz. Esta luz tem comprimento de onda bem característico para cada material.
  • 5. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 5 5ª EXPERIÊNCIA INDICADOR FENOLFTALEÍNA E AZUL DE BROMOTIMOL OBJETIVO: Produzir os indicadores fenolftaleína e azul de bromotimol. MATERIAIS: Fenolftaleína, azul de bromotimol, álcool, dois copos e uma colher. COMO FAZER: a) Dissolver 1g de fenolftaleína em 60 mL de álcool e dilui-se com água até 100 mL. Usa-se 1 a 2 gotas para cada 100 mL de solução a titular. b) Dissolve-se 0,1g de azul de bromotimol em 20 mL de álcool quente e dilui-se com água até 100 mL. Usa-se 1 a 3 gotas para cada 100 mL a ser titulada. COMENTÁRIOS: Você pode utilizar gotas da solução de fenolftaleína (ou azul de bromotimol) produzida para testar a acidez ou basicidade de alguns líquidos, tais como: Suco de limão. Água com sabão. Água com pasta dental. Vinagre. Soluções de produtos de limpeza. BASE ÁCIDO BASE ÁCIDO FENOLFTALEÍNA AZUL DE BROMOTIMOL 2° MODO: a) Pegue dois copos de béquer. b) Em um deles coloque duas gotas de fenolftaleína. c) Coloque uma solução básica em cada e observe a diferença. Obs: Simule que o líquido é vinho discuta porque as cores são diferentes.
  • 6. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 6 6ª EXPERIÊNCIA INDICADORES NATURAIS OBJETIVO: Fazer indicador com produtos naturais. MATERIAIS: Soluções de um ácido e de uma base, beterraba e repolho – roxo. COMO FAZER: Corte uma fatia de beterraba, ou uma folha do repolho em pequenos pedaços. Ferva os pedaços cortados em dois copos de água durante 10 min. Filtre o líquido com um coador comum. COMENTÁRIOS: a) O extrato assim obtido deve ser guardado em geladeira. b) A tabela abaixo mostra as cores dos indicadores em presença de soluções de caráter ácido ou básico: Solução ácida Solução básica Extrato de repolho – roxo Vermelho Verde – amarelado Extrato de beterraba Vermelho Amarela Também funcionam como indicadores naturais: suco de amora, vinho tinto e extratos alcoólicos de casca de cebola e de pétalas de flores coloridas.
  • 7. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 7 UMA FORMA DIFERENTE MATERIAIS: Beterraba, repolho – roxo, rolhas e tubo de vidro transparente. Colocar a solução do repolho-roxo dentro do tubo. Adicionar em uma das extremidades o HCl (três gotas) e na outra extremidade o NaOH (três gotas). Vedar as extremidades e observar. Repolho Roxo Repolho Roxo Repolho Roxo em meio básico em meio ácido
  • 8. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 8 7ª EXPERIÊNCIA SANGUE DO DIABO OBJETIVO: Verificar a atividade do indicador. MATERIAIS: Hidróxido de amônio, 1 comprimido de lactopurga, água destilada, recipiente. COMO FAZER: a) Coloque 500 mL de água destilada em um recipiente. b) Dissolva o comprimido na água do recipiente. c) Adicione 20 mL de NH4OH a este recipiente. COMENTÁRIOS: O comprimido e o hidróxido de amônio podem ser comprados em farmácias Coloque a solução em um tecido branco. Observe a cor. O que acontece com o tempo? Explique. Lave o tecido com sabão. O que acontece? Por quê? Atenção: Não se pode lavar a peça de roupa, após o experimento, com sabão sem antes lavar (somente) com água. O sabão contém NaOH que é básico mas não é volátil, e pode manchar a roupa!
  • 9. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 9 8ª EXPERIÊNCIA DESIDRATAÇÃO DA SACAROSE OBJETIVO: Mostrar a desidratação da sacarose, chamando a atenção para a variação de temperatura e de volume. MATERIAIS: • Ácido sulfúrico concentrado. • Açúcar (C12H22O11). • Copo de béquer (100 mL). • Pipeta. • Baqueta. MODO DE FAZER: • Coloque no béquer aproximadamente um dedo de sacarose. • Adicione cuidadosamente o ácido sulfúrico concentrado, em quantidade suficiente para deixar o açúcar molhado. • Agite com a baqueta. • Não toque no béquer, pois a reação é muito exotérmica.
  • 10. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 10 COMENTÁRIOS: O açúcar começa a escurecer; inicia-se uma efervescência acompanhada de uma nuvem de vapor de água; surge uma coluna de carvão, várias vezes maior que a quantidade de açúcar inicial. O ácido sulfúrico é um agente altamente desidratante. Os vapores liberados causam a expansão do sistema. A reação que ocorre é: H 2 S O4 C 12 H 22 O 11 ( s) 12 C (s) + 11 H 2O (g) concentrado
  • 11. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 11 9ª EXPERIÊNCIA ELETRÓLISE DO NaCl PARA PRODUÇÃO DO NaOH OBJETIVO: Verificar uma eletrólise e identificar o NaOH como um dos produtos. MATERIAIS: Uma bateria com dois fios conectados a ela, dois lápis apontados nas duas extremidades, papel cartão, 1 recipiente transparente, água destilada, NaCl e fenolftaleína. COMO FAZER: a) Conecte os fios da bateria aos dois lápis e introduza no frasco contento a solução aquosa de NaCl. Para manter os lápis na vertical, prepare uma tampa com o papel cartão, fazendo nele dois furos. Nesses furos você encaixa os eletrodos (lápis). b) Observe o que acontece nos eletrodos (não respire os gases formados). c) Após certo tempo coloque o indicador (ou comprimido de lactopurga) COMENTÁRIOS: Quais íons são atraídos pelo ânodo? Qual deles tem prioridade de descarga? Escreva a semi – reação que representa este fenômeno. Quais íons são atraídos pelo cátodo? Qual deles tem prioridade de descarga? Escreva a equação que representa esta semi – reação? Escreva a equação global da eletrólise aquosa do NaCl. Qual a finalidade da fenolftaleína? A solução final terá caráter ácido, neutro ou básico? Quais os gases liberados?
  • 12. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 12 10ª EXPERIÊNCIA PRODUÇÃO DE GÁS CARBÔNICO (EXTINTOR DE INCÊNDIO) OBJETIVO: Mostrar uma reação que produza gás carbônico e este sendo aproveitado para a eliminar uma chama; destacando a função química e a classificação deste gás. MATERIAL NECESSÁRIO: • Vela. • Copo de béquer. • Bicarbonato de sódio, ácido clorídrico. MODO DE FAZER: • Coloque dentro de um copo uma vela e acenda. • No fundo do copo adicione bicarbonato de sódio e coloque sobre o mesmo ácido clorídrico (ou vinagre). 1) Escreva a reação que ocorre? 2) Qual o gás produzido nesta reação? 3) O que ocorre com a chama da vela? ATENÇÃO: Colocando-se água oxigenada com permanganato de potássio, veremos uma reação que produzirá oxigênio e manterá a chama acesa por um tempo maior. permanganato de potássio água oxigenada FASE INICIAL oxigênio
  • 13. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 13 11ª EXPERIÊNCIA NEUTRALIZAÇÃO ENTRE ÁCIDOS E BASES OBJETIVOS: Observar a tendência de neutralização entre ácidos e bases. MATERIAIS: Amoníaco, limão, indicador de repolho – roxo, conta gotas, tubos de ensaio, água e uma colher de chá. COMO FAZER: Preparar a solução ácida e acrescentar o indicador. Adicionar um produto básico, de preferência em pequenas quantidades. Observar a mudança de cor do indicador. COMENTÁRIOS: Repita a experiência com outras soluções básicas, tais como água com sabão ou creme dental. Use outros ácidos, tais como vinagre incolor, ácido muriático, etc. Troque o indicador e observe a mudança de cores.
  • 14. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 14 12ª EXPERIÊNCIA VELOCIDADE DE DIFUSÃO GASOSA OBJETIVOS: Observar a velocidade de difusão dos gases. MATERIAL UTILIZADO: HCl 1 mol/L. Amônia. Conexão de vidro transparente (cano de vidro). PROCEDIMENTO: • Preparar um tubo de vidro de de 70 cm de comprimento por 8 mm de diâmetro colocando-o num suporte contendo medidas; • Preparar duas porções de algodão que caibam dentro do tubo e duas tampas com tamanho adequado para fechar as extremidades do tubo; • Identificar ou marcar as extremidades (amônia e HCl) com uma caneta para retroprojetor; • Embeber uma das porções de algodão com amônia líquida e a outra com solução de HCl, ambas de maneira que não formem poças de solução quando colocadas no interior dos tubos; • Colocar os algodões dos tubos nas extremidades identificadas no item 3 e tampar. Acionar imediatamente o cronômetro; • Deixar os gases difundirem ao longo do tubo; • Ao observar a formação de um anel branco, marcar o tempo e o ponto que se formou; • Calcular a relação de massa molar das duas substâncias e comparar com o valor teórico. Calcular, também, a razão entre velocidades de difusão e efusão.
  • 15. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 15 13ª EXPERIÊNCIA O QUE OCORRE COM A MASSA DURANTE UMA REAÇÃO QUÍMICA? OBJETIVOS: Observar a conservação das massas dos participantes de uma reação química MATERIAL UTILIZADO: Palha de aço. Folha de papel. Grãos de arroz. Fósforo. Balança de dois pratos. PROCEDIMENTO: Coloque uma folha de papel embolada em um dos pratos da balança. Equilibre os pratos da balança com os grãos de arroz. Ponha fogo no papel e observe a combustão anotando o que ocorre com o papel e com o equilíbrio da balança. Justifique. Coloque um pedaço de palha de aço em um dos pratos da balança. Equilibre os pratos da balança com os grãos de arroz. Ponha fogo na palha de aço e observe a combustão anotando o que ocorreu com a palha de aço e com o equilíbrio da balança. Justifique. A lei de Lavoisier foi verificada. Justifique.
  • 16. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 16 14ª EXPERIÊNCIA ENCHENDO UM BALÃO DE UM JEITO DIFERENTE (1) OBJETIVOS: Observar uma transformação gasosa isotérmica. MATERIAL UTILIZADO: Bexiga (balão de festa). Dois tubos de vidros. Um vasilhame com tampa de cortiça. PROCEDIMENTO: Monte o experimento como indicado na figura. Faça dois furos na tampa do vasilhame, coloque os dois tubos, num dos quais amarrado uma bexiga, e feche-o. Aspire a extremidade do tubo (A) e observe o que acontece: Por que a bexiga enche? Como isto pode acontecer se não estamos enchendo- a diretamente, assoprando-a com a boca? O que está acontecendo é mais uma manifestação da pressão do ar! Quando você aspira o ar do interior do vasilhame, a pressão interna fica menor, e o ar ao seu redor começa a penetrar pelo outro tubo, tomando conta do espaço que fica vazio à medida que você aspira o ar interno do vasilhame. O que a natureza está procurando fazer é equilibrar a pressão externa do ar igual à pressão interna dentro do vasilhame.
  • 17. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 17 15ª EXPERIÊNCIA ENCHENDO UM BALÃO DE UM JEITO DIFERENTE (2) OBJETIVOS: Observar uma transformação gasosa isobárica. MATERIAL UTILIZADO: Bexiga (balão de festa). Duas garrafas descartáveis de água mineral (500 mL) – pode ser balão volumétrico pequeno. Dois recipientes de tamanho ideal para conter as garrafas mergulhadas em água. Água quente. Água fria. PROCEDIMENTO: Adapte um balão à boca de cada garrafa. Mergulhe uma das garrafas em um recipiente com água quente (acima de 80°C); deixe por um tempo mínimo de 3 minutos. Observe. Mergulhe a outra garrafa em um recipiente com água com gelo; deixe por um tempo mínimo de 3 minutos. Observe.
  • 18. Prof. Agamenon Roberto 1º ANO – EXPERIÊNCIAS 18 ? ª EXPERIÊNCIA REAÇÃO DE DUPLA TROCA (SAL + BASE) OBJETIVOS: Observar uma das condições de ocorrência de reação de dupla troca entre um sal e uma base (formação de uma base mais fraca ou mais volátil). MATERIAL UTILIZADO: Balão volumétrico. Erlenmeyer. Cano de vidro em “U”. Cloreto de amônio. Hidróxido de sódio. Água destilada. Indicador (fenolftaleína ou azul de bromotimol) Rolhas de vedação. PROCEDIMENTO: NH4 Cl + NaOH Monte o equipamento ao lado. NH4 OH + NaCl água destilada + fenolftaleina No balão coloque o cloreto de amônio e, em seguida, adicione o NaOH. Feche o balão e observe. COMENTÁRIOS: O hidróxido de amônio formado na reação é GASOSO e aumenta a pressão interna no balão, passando pelo tubo, para o erlenmeyer, fazendo com que o nível da água destilada no cano dentro do erlenmeyer baixe e, como este gás é uma base, a solução adquire cor vermelha. Quando a reação termina, a pressão no balão fica menor que no erlenmeyer e a solução que se encontra no mesmo passa pelo cano para o balão.