SlideShare uma empresa Scribd logo
Evolução dos modelos atômicos
Os modelos atômicos surgiram a partir da necessidade de explicar a estrutura dos
átomos. Quando novas evidências sobre a constituição dos átomos eram apresentadas
um novo modelo atômico tentava esclarecer as descobertas.
Embora o conceito de átomo seja antigo, o desenvolvimento das teorias atômicas são
datadas entre o século XIX e XX. Sendo assim, os principais modelos atômicos
desenvolvidos para entender a natureza da matéria foram:
 Modelo atômico de Dalton (1803) — “Modelo bola de bilhar”
 Modelo atômico de Thomson (1898) — “Modelo pudim de passas”
 Modelo atômico de Rutherford (1911) — “Modelo nuclear”
 Modelo atômico de Bohr (1913) — “Modelo planetário”
 Modelo atômico quântico (1926) — “Modelo nuvem eletrônica"
Modelo atômico de Dalton
A primeira tentativa reconhecida de descrever os átomos partiu do cientista inglês
John Dalton (1766-1844) em um modelo que ficou popularmente conhecido como
“bola de bilhar”.
Dalton se baseou em importantes experimentos, sendo um deles as Leis
Ponderais de Proust, além dos estudos sobre os gases proposto lei de Lavoisier.
Todos esses processos e teorias iniciais permitem explicar fenômenos discutidos nos
dias atuais. Embora seja um conceito com muitas restrições e críticas dos
pesquisadores contemporâneos, por suas limitações, o modelo atômico de Dalton
satisfazia alguns comportamentos da matéria que a ciência não conseguiria esclarecer
naquele período.
Átomo de Dalton (1803): esfera maciça, indivisível e indestrutível.
Representação do modelo atômico de Dalton, que ficou conhecido como "bola de bilhar"
Segundo Dalton:
 "Os átomos são maciços e apresentam forma esférica (semelhantes a uma bola
de bilhar);
 Os átomos são indivisíveis;
 Os átomos são indestrutíveis;
 Um elemento químico é um conjunto de átomos com as mesmas propriedades
(tamanho e massa);
 Os átomos de diferentes elementos químicos apresentam propriedades
diferentes uns dos outros;
 O peso relativo de dois átomos pode ser utilizado para diferenciá-los;
 Uma substância química composta é formada pela mesma combinação de
diferentes tipos de átomos;
 Substâncias químicas diferentes são formadas pela combinação de átomos
diferentes."
Pontos negativos: O modelo atômico de Dalton foi refutado porque não previa a
existência de subdivisões atômicas, como os prótons e elétrons, elementos
constituintes da sua estrutura. Um outro problema é que tal modelo também não
conseguiu explicar alguns fenômenos como a condução elétrica de metais e soluções
salinas e a eletrólise.
Modelo atômico de Thomson
Joseph John Thomson (1856-1940) foi o responsável por descobrir a existência dos
elétrons, partículas dotadas de carga negativa e que fazem parte dos átomos. Essa
descoberta derrubou a teoria atômica de Dalton, que o átomo é indivisível, mas sim
formado por partículas ainda menores e, por isso, ficou conhecido como “pudim de
passas”.
Átomo de Thomson (1898): esfera de carga positiva com elétrons fixados.
Representação do modelo atômico de Thomson, que ficou conhecido como "pudim de
passas"
Segundo Thomson:
 O átomo é eletricamente neutro;
 Os elétrons fixam-se em uma superfície carregada positivamente;
 Existe uma repulsão entre os elétrons distribuídos nos átomos.
Pontos negativos: A forma de distribuição dos elétrons foi uma questão que deixou de
ser observada pelo modelo de Thomson. As partículas negativas não estão fixas no
átomos, mas têm a capacidade de se descolar de maneira acelerada apenas
pela eletrosfera. Diante dessas e outras dúvidas, o trabalho de Thomson acabou sendo
ultrapassado pelo modelo atômico de Rutherford.
Modelo atômico de Rutherford
Através de seus experimentos Ernest Rutherford (1871-1937) conseguiu demonstrar
que o átomo não era uma partícula indivisível como se acreditava, mas sim que ele
era formado por partículas menores.
Átomo de Rutherford (1911): núcleo com carga positiva e os elétrons situam-se ao
redor dele na eletrosfera.
Representação do modelo atômico de Rutherford, que ficou conhecido como "modelo nuclear"
Segundo Rutherford:
 O átomo apresenta uma região central com alta concentração de carga positiva;
 A massa de um átomo se concentra na sua região central;
 Os elétrons são mais leves e se localizam ao redor do núcleo, região que contém
muitos espaços vazios.
Pontos negativos: O núcleo atômico não possui apenas partículas de carga positiva,
mas existem também outras partículas subatômicas, os nêutrons, descobertos por
James Chadwick em 1932. Além disso, o modelo proposto por Rutherford não
explicava a emissão de luz pelos átomos e possuia falhas quando observada a teoria
do eletromagnetismo.
Modelo atômico de Bohr
Buscando explicar o porquê dos elementos emitirem cores características quando
expostos a algumas condições e baseado no modelo atômico de Rutherford, Niels
Bohr (1885-1962) propôs uma teoria atômica que explicava a emissão de luz em
certas frequências.
Átomo de Bohr (1913): os elétrons se movimentam em camadas circulares fixas ao
redor do núcleo.
Representação do modelo atômico de Bohr, que ficou conhecido como "modelo
planetário"
Segundo Bohr:
 Os elétrons movimentam-se nas camadas ao redor do núcleo;
 As camadas ao redor do núcleo apresentam valores de energia específicos;
 Para ir para um nível mais externo o elétron deve absorver energia. Ao retornar
para uma camada mais próxima do núcleo, o elétron libera energia.
Pontos negativos: Não pode-se afirmar que os elétrons realizam uma trajetória ao redor
do núcleo em posições fixas como os planetas ao redor do Sol.
Modelo atômico quântico
Muitos cientistas contribuíram para o desenvolvimento da mecânica quântica, que
tenta explicar a "mais real" estrutura de um átomo pela combinação de diversos
estudos e, por isso, é o mais complexo.
Átomo quântico (1926): o núcleo é formado por prótons (carga positiva) e nêutrons
(carga nula), e os elétrons (carga negativa) formam uma nuvem eletrônica ao redor
do núcleo.
Representação do modelo atômico quântico, o mais atual modelo do átomo
Segundo o modelo atômico quântico:
 O núcleo é formado por prótons e nêutrons. Como apenas os prótons possuem
carga, o núcleo é carregado positivamente;
 Os elétrons formam uma nuvem eletrônica ao redor do núcleo;
 Os elétrons se movimentam em orbitais, num espaço tridimensional;
 A posição exata de um elétron não pode ser definida. O que é feito são cálculos
que determinam a probabilidade da região que um elétron estará em dado
tempo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Carlos Priante
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
Josenildo Vasconcelos
 
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Evolução dos modelos atômicos
Evolução dos modelos atômicosEvolução dos modelos atômicos
Evolução dos modelos atômicos
Marivane Biazus
 
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumAula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Leonardo Kaplan
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
crisbassanimedeiros
 
Jogo 1 trilha do átomo
Jogo 1  trilha do átomoJogo 1  trilha do átomo
Jogo 1 trilha do átomo
E.E.Deputado Jamil Gadia
 
Química distribuição eletronica
Química   distribuição eletronicaQuímica   distribuição eletronica
Química distribuição eletronica
Rubao1E
 
Termoquímica 2015 exercicios ii unidade
Termoquímica 2015 exercicios ii unidadeTermoquímica 2015 exercicios ii unidade
Termoquímica 2015 exercicios ii unidade
Junior Dou
 
Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º ano
V
 
Matéria 9° ano
Matéria   9° anoMatéria   9° ano
Matéria 9° ano
adriana
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Termoquímica 2o ano
Termoquímica  2o anoTermoquímica  2o ano
Termoquímica 2o ano
Karol Maia
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
Atami Santos
 
Atividade tabela periódica
Atividade   tabela periódicaAtividade   tabela periódica
Atividade tabela periódica
Escola Pública/Particular
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
Profª Alda Ernestina
 
Geometria e polaridade molecular
Geometria e polaridade molecularGeometria e polaridade molecular
Geometria e polaridade molecular
Isabella Silva
 
Matéria, constituição, propriedades e transformações
Matéria, constituição, propriedades e transformaçõesMatéria, constituição, propriedades e transformações
Matéria, constituição, propriedades e transformações
SMEdeItabaianinha
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
Karol Maia
 

Mais procurados (20)

Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
 
Evolução dos modelos atômicos
Evolução dos modelos atômicosEvolução dos modelos atômicos
Evolução dos modelos atômicos
 
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumAula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
 
Jogo 1 trilha do átomo
Jogo 1  trilha do átomoJogo 1  trilha do átomo
Jogo 1 trilha do átomo
 
Química distribuição eletronica
Química   distribuição eletronicaQuímica   distribuição eletronica
Química distribuição eletronica
 
Termoquímica 2015 exercicios ii unidade
Termoquímica 2015 exercicios ii unidadeTermoquímica 2015 exercicios ii unidade
Termoquímica 2015 exercicios ii unidade
 
Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º ano
 
Matéria 9° ano
Matéria   9° anoMatéria   9° ano
Matéria 9° ano
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Termoquímica 2o ano
Termoquímica  2o anoTermoquímica  2o ano
Termoquímica 2o ano
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
 
Atividade tabela periódica
Atividade   tabela periódicaAtividade   tabela periódica
Atividade tabela periódica
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
 
Geometria e polaridade molecular
Geometria e polaridade molecularGeometria e polaridade molecular
Geometria e polaridade molecular
 
Matéria, constituição, propriedades e transformações
Matéria, constituição, propriedades e transformaçõesMatéria, constituição, propriedades e transformações
Matéria, constituição, propriedades e transformações
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 

Semelhante a Evolução dos modelos atômicos.docx

Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Modelos atomicos
Modelos atomicos Modelos atomicos
Modelos atomicos
Laguat
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
Patrícia Morais
 
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
1 - Evolução do modelo atómico .ppt
1 - Evolução do modelo atómico .ppt1 - Evolução do modelo atómico .ppt
1 - Evolução do modelo atómico .ppt
lauramarques60
 
Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010
Coc2010
 
O átomo
O átomoO átomo
Trabalho de quimica
Trabalho de quimicaTrabalho de quimica
Trabalho de quimica
Andre020203
 
ModelosAtomicos.ppt.pptx
ModelosAtomicos.ppt.pptxModelosAtomicos.ppt.pptx
ModelosAtomicos.ppt.pptx
PriscylaLacerda2
 
Resumo conceitos fundamentais e teorias atomicas
Resumo   conceitos fundamentais e teorias atomicasResumo   conceitos fundamentais e teorias atomicas
Resumo conceitos fundamentais e teorias atomicas
Profª Alda Ernestina
 
Evolução do átomo
Evolução do átomoEvolução do átomo
Evolução do átomo
Erlenmeyer
 
2. a constituição da matéria átomo
2. a constituição da matéria   átomo2. a constituição da matéria   átomo
2. a constituição da matéria átomo
karlinha soares
 
Aula atomistica
Aula atomisticaAula atomistica
Aula atomistica
Aula atomisticaAula atomistica
Aula atomistica
MrciodePaula2
 
Estrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntaçãoEstrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntação
simone1444
 
Apresentação1.pptx fisica das radiaçõesss
Apresentação1.pptx fisica das radiaçõesssApresentação1.pptx fisica das radiaçõesss
Apresentação1.pptx fisica das radiaçõesss
marioaraujorosas1
 
Apresentação modelos atômicos elenice
Apresentação modelos atômicos  eleniceApresentação modelos atômicos  elenice
Apresentação modelos atômicos elenice
EEB Paulo Bauer
 
132
132132
Principais Características dos Modelos Atômicos
Principais Características dos Modelos AtômicosPrincipais Características dos Modelos Atômicos
Principais Características dos Modelos Atômicos
Guilherme Max
 
Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012
Matheus Oliveira Santana
 

Semelhante a Evolução dos modelos atômicos.docx (20)

Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Modelos atomicos
Modelos atomicos Modelos atomicos
Modelos atomicos
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
 
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
 
1 - Evolução do modelo atómico .ppt
1 - Evolução do modelo atómico .ppt1 - Evolução do modelo atómico .ppt
1 - Evolução do modelo atómico .ppt
 
Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
 
Trabalho de quimica
Trabalho de quimicaTrabalho de quimica
Trabalho de quimica
 
ModelosAtomicos.ppt.pptx
ModelosAtomicos.ppt.pptxModelosAtomicos.ppt.pptx
ModelosAtomicos.ppt.pptx
 
Resumo conceitos fundamentais e teorias atomicas
Resumo   conceitos fundamentais e teorias atomicasResumo   conceitos fundamentais e teorias atomicas
Resumo conceitos fundamentais e teorias atomicas
 
Evolução do átomo
Evolução do átomoEvolução do átomo
Evolução do átomo
 
2. a constituição da matéria átomo
2. a constituição da matéria   átomo2. a constituição da matéria   átomo
2. a constituição da matéria átomo
 
Aula atomistica
Aula atomisticaAula atomistica
Aula atomistica
 
Aula atomistica
Aula atomisticaAula atomistica
Aula atomistica
 
Estrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntaçãoEstrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntação
 
Apresentação1.pptx fisica das radiaçõesss
Apresentação1.pptx fisica das radiaçõesssApresentação1.pptx fisica das radiaçõesss
Apresentação1.pptx fisica das radiaçõesss
 
Apresentação modelos atômicos elenice
Apresentação modelos atômicos  eleniceApresentação modelos atômicos  elenice
Apresentação modelos atômicos elenice
 
132
132132
132
 
Principais Características dos Modelos Atômicos
Principais Características dos Modelos AtômicosPrincipais Características dos Modelos Atômicos
Principais Características dos Modelos Atômicos
 
Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Evolução dos modelos atômicos.docx

  • 1. Evolução dos modelos atômicos Os modelos atômicos surgiram a partir da necessidade de explicar a estrutura dos átomos. Quando novas evidências sobre a constituição dos átomos eram apresentadas um novo modelo atômico tentava esclarecer as descobertas. Embora o conceito de átomo seja antigo, o desenvolvimento das teorias atômicas são datadas entre o século XIX e XX. Sendo assim, os principais modelos atômicos desenvolvidos para entender a natureza da matéria foram:  Modelo atômico de Dalton (1803) — “Modelo bola de bilhar”  Modelo atômico de Thomson (1898) — “Modelo pudim de passas”  Modelo atômico de Rutherford (1911) — “Modelo nuclear”  Modelo atômico de Bohr (1913) — “Modelo planetário”  Modelo atômico quântico (1926) — “Modelo nuvem eletrônica" Modelo atômico de Dalton A primeira tentativa reconhecida de descrever os átomos partiu do cientista inglês John Dalton (1766-1844) em um modelo que ficou popularmente conhecido como “bola de bilhar”. Dalton se baseou em importantes experimentos, sendo um deles as Leis Ponderais de Proust, além dos estudos sobre os gases proposto lei de Lavoisier. Todos esses processos e teorias iniciais permitem explicar fenômenos discutidos nos dias atuais. Embora seja um conceito com muitas restrições e críticas dos pesquisadores contemporâneos, por suas limitações, o modelo atômico de Dalton satisfazia alguns comportamentos da matéria que a ciência não conseguiria esclarecer naquele período.
  • 2. Átomo de Dalton (1803): esfera maciça, indivisível e indestrutível. Representação do modelo atômico de Dalton, que ficou conhecido como "bola de bilhar" Segundo Dalton:  "Os átomos são maciços e apresentam forma esférica (semelhantes a uma bola de bilhar);  Os átomos são indivisíveis;  Os átomos são indestrutíveis;  Um elemento químico é um conjunto de átomos com as mesmas propriedades (tamanho e massa);  Os átomos de diferentes elementos químicos apresentam propriedades diferentes uns dos outros;  O peso relativo de dois átomos pode ser utilizado para diferenciá-los;  Uma substância química composta é formada pela mesma combinação de diferentes tipos de átomos;  Substâncias químicas diferentes são formadas pela combinação de átomos diferentes." Pontos negativos: O modelo atômico de Dalton foi refutado porque não previa a existência de subdivisões atômicas, como os prótons e elétrons, elementos constituintes da sua estrutura. Um outro problema é que tal modelo também não conseguiu explicar alguns fenômenos como a condução elétrica de metais e soluções salinas e a eletrólise. Modelo atômico de Thomson Joseph John Thomson (1856-1940) foi o responsável por descobrir a existência dos elétrons, partículas dotadas de carga negativa e que fazem parte dos átomos. Essa descoberta derrubou a teoria atômica de Dalton, que o átomo é indivisível, mas sim formado por partículas ainda menores e, por isso, ficou conhecido como “pudim de passas”. Átomo de Thomson (1898): esfera de carga positiva com elétrons fixados.
  • 3. Representação do modelo atômico de Thomson, que ficou conhecido como "pudim de passas" Segundo Thomson:  O átomo é eletricamente neutro;  Os elétrons fixam-se em uma superfície carregada positivamente;  Existe uma repulsão entre os elétrons distribuídos nos átomos. Pontos negativos: A forma de distribuição dos elétrons foi uma questão que deixou de ser observada pelo modelo de Thomson. As partículas negativas não estão fixas no átomos, mas têm a capacidade de se descolar de maneira acelerada apenas pela eletrosfera. Diante dessas e outras dúvidas, o trabalho de Thomson acabou sendo ultrapassado pelo modelo atômico de Rutherford. Modelo atômico de Rutherford Através de seus experimentos Ernest Rutherford (1871-1937) conseguiu demonstrar que o átomo não era uma partícula indivisível como se acreditava, mas sim que ele era formado por partículas menores. Átomo de Rutherford (1911): núcleo com carga positiva e os elétrons situam-se ao redor dele na eletrosfera. Representação do modelo atômico de Rutherford, que ficou conhecido como "modelo nuclear" Segundo Rutherford:  O átomo apresenta uma região central com alta concentração de carga positiva;  A massa de um átomo se concentra na sua região central;
  • 4.  Os elétrons são mais leves e se localizam ao redor do núcleo, região que contém muitos espaços vazios. Pontos negativos: O núcleo atômico não possui apenas partículas de carga positiva, mas existem também outras partículas subatômicas, os nêutrons, descobertos por James Chadwick em 1932. Além disso, o modelo proposto por Rutherford não explicava a emissão de luz pelos átomos e possuia falhas quando observada a teoria do eletromagnetismo. Modelo atômico de Bohr Buscando explicar o porquê dos elementos emitirem cores características quando expostos a algumas condições e baseado no modelo atômico de Rutherford, Niels Bohr (1885-1962) propôs uma teoria atômica que explicava a emissão de luz em certas frequências. Átomo de Bohr (1913): os elétrons se movimentam em camadas circulares fixas ao redor do núcleo. Representação do modelo atômico de Bohr, que ficou conhecido como "modelo planetário" Segundo Bohr:  Os elétrons movimentam-se nas camadas ao redor do núcleo;  As camadas ao redor do núcleo apresentam valores de energia específicos;  Para ir para um nível mais externo o elétron deve absorver energia. Ao retornar para uma camada mais próxima do núcleo, o elétron libera energia. Pontos negativos: Não pode-se afirmar que os elétrons realizam uma trajetória ao redor do núcleo em posições fixas como os planetas ao redor do Sol. Modelo atômico quântico Muitos cientistas contribuíram para o desenvolvimento da mecânica quântica, que tenta explicar a "mais real" estrutura de um átomo pela combinação de diversos estudos e, por isso, é o mais complexo. Átomo quântico (1926): o núcleo é formado por prótons (carga positiva) e nêutrons (carga nula), e os elétrons (carga negativa) formam uma nuvem eletrônica ao redor do núcleo.
  • 5. Representação do modelo atômico quântico, o mais atual modelo do átomo Segundo o modelo atômico quântico:  O núcleo é formado por prótons e nêutrons. Como apenas os prótons possuem carga, o núcleo é carregado positivamente;  Os elétrons formam uma nuvem eletrônica ao redor do núcleo;  Os elétrons se movimentam em orbitais, num espaço tridimensional;  A posição exata de um elétron não pode ser definida. O que é feito são cálculos que determinam a probabilidade da região que um elétron estará em dado tempo.