SlideShare uma empresa Scribd logo
Colégio Amorim
Aula de Geografia

Aula 1,2 e 3 - Elementos da
Orientação e da Cartografia
Os pontos de referência
• Localizar-se, estabelecer caminhos e orientar-se para seguir
a direção certa: isso sempre acompanhou a história do
homem na Terra. O que mudou, ao longo do tempo, foram
os recursos (equipamentos, instrumentos), as
características do espaço geográfico e, por conseqüência,
os referenciais para localização e para orientação.
• Pode-se localizar tomando por base referenciais como ruas,
construções, estradas, rios, etc (situação comum à maioria
das pessoas), ou por meio de conhecimentos geográficos,
tais como: interpretação de plantas e mapas; domínio de
noções sobre coordenadas geográficas - latitude e
longitude -, manuseio e leitura de equipamentos, como
GPS, bússola.
Rosa dos ventos
Rosa dos ventos
•A rosa-dos-ventos é uma figura nos quais estão presentes:
•Os pontos cardeais: Norte (N), sul (S), Oeste (O, ou West, em inglês) e Leste
ou Este (L ou E);
•Os pontos colaterais: Noroeste (NO), nordeste (NE), sudoeste (SO) e sudeste
(SE);
•Os pontos subcolaterais, és-nordeste (ENE), nor-nordeste (NNE), su-sudeste
(SSE), és-sudeste (ESE), oés-sudoeste (OSO), su-sudoeste (SSO), nor-noroeste
(NNO), oés-noroeste (ONO);
•Os intermediários.
•Esses são os pontos que facilitam a orientação na superfície terrestre. A
noção a respeito desses pontos de orientação é fundamental para
estabelecer os deslocamentos aéreos e marítimos, por exemplo, ou em locais
onde não há estradas, como regiões desérticas e áreas florestais.
•É fundamental também para manusear e utilizar plantas e mapas,
determinando-se, por exemplo, a localização de cidades, estados, regiões,
países, continentes, oceanos, tomando-se por referência um certo local ou
elemento: ao afirmamos que o estado de Tocantins está ao norte de Goiás,
tomamos como referência este último estado.
Os Paralelos e os Meridianos
•

Paralelos e Meridianos: São as linhas imaginárias que dividem a Terra.

Paralelos e Meridianos: linhas imaginárias que dividem a Terra

•

A fim de facilitar os estudos sobre a Terra, os cientistas a dividiu em linhas
imaginárias que a cortam nas posições vertical e horizontal. Essas linhas
são chamadas de paralelos e meridianos.
Os paralelos sempre na horizontal e os meridianos sempre na vertical

Os paralelos são linhas que passam paralelamente à Linha do
Equador, que “corta” a Terra ao meio, ocasionando a divisão
entre os hemisférios norte e sul. Os paralelos mais conhecidos
são o Trópico de Câncer e o Trópico de Capricórnio.
O único meridiano a receber um nome é o de Greenwic

Os meridianos são linhas traçadas verticalmente com
relação à Linha do Equador. O meridiano mais
conhecido é o Meridiano de Greenwich.
• Os paralelos vão dar origem àquilo que
chamamos de latitudes. Já os meridianos vão dar
origem àquilo que chamamos de longitudes.
• Juntas, as latitudes e longitudes formam as
coordenadas geográficas. A partir das
coordenadas geográficas é possível localizar
qualquer ponto existente na Terra, o que é muito
útil para viajantes, marinheiros, e para quem
gosta de saber exatamente onde está.
Fusos Horários
• A necessidade dos fusos é devido ao movimento de rotação da
Terra, durante o qual ela gira no seu próprio eixo, esse movimento
dá origem a dias e noites.
• Ao realizar o movimento da Terra (rotação), um lado do planeta
recebe luz solar (dia) e o outro lado fica sombreado (noite), o
movimento e a luz do sol que incide criam as variações como
manhã, tarde, noite, madrugada, então sempre há 24 horas
distintas.
• A partir dessas informações verifica-se que a Terra, que é esférica,
possui 360o, e o movimento de rotação que ela realiza gasta 24
horas para ser realizado, se dividirmos 360o por 24
horas, obteremos 15o, então, cada 15o, que é a distância entre dois
meridianos, corresponde a 1 hora, isso é denominado fuso horário.
• O ponto Zero é o meridiano de Greenwich ao leste, a cada 15o
aumenta 1 hora; e a oeste de Greenwich, a cada 15o diminui 1hora.
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
GPS
• O GPS, ou Global Positioning System (Sistema de
Posicionamento Global), é um elaborado sistema de satélites
e outros dispositivos que tem como função básica prestar
informações precisas sobre o posicionamento individual no
globo terrestre. O sistema está plenamente ativo desde 1995
e foi criado pelo Departamento de Defesa Americano para
fins militares, mas também pode ser aproveitado no meio
civil, principalmente na aviação. Uma constelação de 24
satélites é o elemento principal do aparato, enviando
informações para que qualquer dispositivo receptor calcule
sua posição usando um processo chamado de trilateração.
• Neste processo, um mínimo de quatro satélites que estejam
próximos do receptor fica constantemente enviando sinais
de rádio, contendo a posição atual do satélite e o instante
(tempo) em que aquele pulso foi emitido.
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
• O cálculo é feito comparando o tempo em que
o sinal foi enviado com o momento em que
ele foi recebido. Considerando que a
radiofrequência viaja na velocidade da luz e
aplicando algumas correções, é possível
determinar a distância exata entre o receptor
e o satélite.
• Cruzando essa informação com a de três
outros satélites na área, obtêm-se a posição
do receptor. Além da latitude e longitude, o
sistema de trilateração também permite saber
a altura do receptor em relação ao nível do
mar.
Elementos da Cartografia
O que é mapa?
• Mapa é a representação de uma área
geográfica ou parte da superfície da Terra,
desenhada ou impressa em uma superfície
plana.
• Contém uma série de símbolos convencionais
que representam os diferentes elementos
naturais, artificiais ou culturais de uma área
delimitada.
• Mapa topográfico é uma variedade de
mapa que se caracteriza pela detalhada
representação do relevo, principalmente
através das curvas de nível.
• Normalmente define-se mapa topográfico
aquele que mostra tanto os relevos naturais
quanto artificiais, gerados pela ação do
homem, além das fronteiras políticas.
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
• Mapa tematico é uma variedade de mapa em
qualquer escala, que re´presenta os
fenômenos
geográficos,
geológicos,
demográficos, econômicos, agrícolas, etc.,
visando ao estudo, à análise e à pesquisa dos
temas, no seu aspecto especial.
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
• Mapa anamorfose é uma variedade de mapa esquemático
que não possue escala cartográfica. Nessas representações as
áreas sofrem deformações que são matematicamente
calculadas.

• Essa técnica é utilizada para representar temas, como o PIB –
Produto Interno Bruto, Projeções de População, mortalidade,
números de exportação, entre outros dados. Nesse tipo de
mapa, a superfície de cada espaço cartografado vai mudar
proporcionalmente segundo uma variável estabelecida.
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
Escala Cartográfica
• O mapa é uma imagem reduzida de uma determinada
superfície.
• Essa redução é feita com o uso da escala que torna possível a
manutenção da proporção do espaço representado. É fácil
reconhecer um mapa do Brasil, por exemplo, independente
do tamanho em que ele é apresentado, pois a sua confecção
obedeceu a determinada escala, que mantém a sua forma. A
escala cartográfica estabelece, portanto, uma relação de
proporcionalidade entre as distâncias lineares num desenho
(mapa) e as distâncias correspondentes na realidade.
• As escalas podem ser indicadas de duas maneiras, através de
uma representação gráfica ou de uma representação
numérica.
Escala gráfica é representada por um pequeno segmento de
reta graduado, sobre o qual está estabelecida diretamente a
relação entre as distâncias no mapa, indicadas a cada trecho
deste segmento, e a distância real de um território. Observe:

De acordo com este exemplo cada segmento de 1cm é
equivalente a 3 km no terreno, 2 cm a 6 km, e assim
sucessivamente. Caso a distância no mapa, entre duas
localidades seja de 3,5 cm, a distância real entre elas será de 3,5
X 3, ou 10,5 km (dez quilômetros e meio). A escala gráfica
apresenta a vantagem de estabelecer direta e visualmente a
relação de proporção existente entre as distâncias do mapa e do
território.
• Escala numérica é estabelecida através de uma relação
matemática, normalmente representada por uma razão, por
exemplo: 1: 300 000 (1 por 300 000). A primeira informação que
ela fornece é a quantidade de vezes em que o espaço
representado foi reduzido. Neste exemplo, o mapa é 300 000
vezes menor que o tamanho real da superfície que ele representa.

• Na escala numérica as unidades, tanto do numerador como do
denominador, são indicadas em cm. O numerador é sempre 1 e
indica o valor de 1cm no mapa. O denominador é a unidade
variável e indica o valor em cm correspondente no território. No
caso da escala exemplificada (1: 300 000), 1cm no mapa
representa 300 000 cm no terreno, ou 3 km. Trata-se portanto da
representação numérica da mesma escala gráfica apresentada
anteriormente.
Projeções Cartográficas
• A representação da superfície terrestre em mapas,
nunca será isenta de distorções. Nesse sentido, as
projeções cartográficas são desenvolvidas para
minimizarem as imperfeições dos mapas e
proporcionarem maior rigor científico à cartografia.
• No entanto, nenhuma das projeções evitará a
totalidade das deformações, elas irão valorizar alguns
aspectos da superfície representada e fazer com que
essas distorções sejam conhecidas. Entre as
principais projeções cartográficas estão:
• Projeção Cilíndrica: o plano da projeção é um cilindro
envolvendo a esfera terrestre. Depois de realizada a
projeção dos paralelos e meridianos do globo para o
cilindro, este é aberto ao longo de um meridiano,
tornando-se um plano sobre o qual será desenhado o
mapa.

Projeção Cilíndrica
• Projeção Cônica: a superfície terrestre é representada sobre um
cone imaginário envolvendo a esfera terrestre. Os paralelos
formam círculos concêntricos e os meridianos são linhas retas
convergentes para os polos. Nessa projeção, as distorções
aumentam conforme se afasta do paralelo de contato com o
cone. A projeção cônica é muito utilizada para representar
partes da superfície terrestre.

Projeção Cônica
• Projeção Plana ou Azimutal: a superfície terrestre é
representada sobre um plano tangente à esfera terrestre. Os
paralelos são círculos concêntricos e os meridianos, retos que
se irradiam do polo. As deformações aumentam com o
distanciamento do ponto de tangência. É utilizada
principalmente, para representar as regiões polares e na
localização de países na posição central.

Projeção Plana ou Azimutal
• Projeção de Mercator ou Projeção Cilíndrica
Conforme: conserva a forma dos continentes,
direções e os ângulos verdadeiros. Muito
utilizada para navegação marítima e
aeronáutica.
• Projeção de Peters ou Projeção Cilíndrica
Equivalente: não mantém as formas, direções e
ângulos, conserva a proporcionalidade das
áreas,
preservando
as
superfícies
representadas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tópicos 6 geografia redes e circulaçao
Tópicos 6 geografia redes e circulaçaoTópicos 6 geografia redes e circulaçao
Tópicos 6 geografia redes e circulaçao
Atividades Diversas Cláudia
 
Aula 2-matemática-5º-ano-revisão-atividades-para-imprimir
Aula 2-matemática-5º-ano-revisão-atividades-para-imprimirAula 2-matemática-5º-ano-revisão-atividades-para-imprimir
Aula 2-matemática-5º-ano-revisão-atividades-para-imprimir
Maria Brasil
 
Avaliação de geografia
Avaliação de geografia Avaliação de geografia
Avaliação de geografia
Isa ...
 
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 1º BIMESTRE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 1º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Avaliação de geografia
Avaliação de geografiaAvaliação de geografia
Avaliação de geografia
Fábio Leandro Oliveira Santos
 
texto Paisagem
texto Paisagemtexto Paisagem
texto Paisagem
julliana brito
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
Isabelegeografia
 
78070553 avaliacao-de-ciencias
78070553 avaliacao-de-ciencias78070553 avaliacao-de-ciencias
78070553 avaliacao-de-ciencias
Roseli Aparecida Tavares
 
Atividade diagnóstica 8º
Atividade diagnóstica 8ºAtividade diagnóstica 8º
Atividade diagnóstica 8º
flaviocosac
 
Paisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugarPaisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugar
André Luiz Marques
 
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdfHistoria Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
marilei4
 
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Raquel Becker
 
8 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
8 ano revolução industrial e revolução francesa 20188 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
8 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
ingarac
 
Atividades dde geografia relevo, clima
Atividades dde geografia relevo, climaAtividades dde geografia relevo, clima
Atividades dde geografia relevo, clima
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Planeta Terra
Planeta Terra Planeta Terra
Planeta Terra
Mary Alvarenga
 
Avaliação expansão marítima
Avaliação expansão marítimaAvaliação expansão marítima
Avaliação expansão marítima
Acrópole - História & Educação
 
Avaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º anoAvaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º ano
Acrópole - História & Educação
 

Mais procurados (20)

Tópicos 6 geografia redes e circulaçao
Tópicos 6 geografia redes e circulaçaoTópicos 6 geografia redes e circulaçao
Tópicos 6 geografia redes e circulaçao
 
Localização pontos cardeais
Localização pontos cardeaisLocalização pontos cardeais
Localização pontos cardeais
 
Aula 2-matemática-5º-ano-revisão-atividades-para-imprimir
Aula 2-matemática-5º-ano-revisão-atividades-para-imprimirAula 2-matemática-5º-ano-revisão-atividades-para-imprimir
Aula 2-matemática-5º-ano-revisão-atividades-para-imprimir
 
Migrações no brasil
Migrações no brasilMigrações no brasil
Migrações no brasil
 
Avaliação de geografia
Avaliação de geografia Avaliação de geografia
Avaliação de geografia
 
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 1º BIMESTRE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 1º BIMESTRE
 
Avaliação de geografia
Avaliação de geografiaAvaliação de geografia
Avaliação de geografia
 
texto Paisagem
texto Paisagemtexto Paisagem
texto Paisagem
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
78070553 avaliacao-de-ciencias
78070553 avaliacao-de-ciencias78070553 avaliacao-de-ciencias
78070553 avaliacao-de-ciencias
 
Atividade diagnóstica 8º
Atividade diagnóstica 8ºAtividade diagnóstica 8º
Atividade diagnóstica 8º
 
Paisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugarPaisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugar
 
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdfHistoria Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
 
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
 
8 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
8 ano revolução industrial e revolução francesa 20188 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
8 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
 
Atividades dde geografia relevo, clima
Atividades dde geografia relevo, climaAtividades dde geografia relevo, clima
Atividades dde geografia relevo, clima
 
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
 
Planeta Terra
Planeta Terra Planeta Terra
Planeta Terra
 
Avaliação expansão marítima
Avaliação expansão marítimaAvaliação expansão marítima
Avaliação expansão marítima
 
Avaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º anoAvaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º ano
 

Destaque

Aula 01 introdução à cartografia
Aula 01   introdução à cartografiaAula 01   introdução à cartografia
Aula 01 introdução à cartografia
João Carlos Icone Tecnologia
 
Aula coordenadas
Aula coordenadasAula coordenadas
Aula coordenadas
lukrinaldo
 
Localização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoLocalização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º ano
Nilberte Correia
 
Orientação e localização
Orientação e localizaçãoOrientação e localização
Orientação e localização
UFES
 
Coordenadas geográficas
Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas
Coordenadas geográficas
Gilcleia
 
Geo 4ano
Geo 4anoGeo 4ano
Geo 4ano
daniel SOEIRO
 
Ii atividade avaliatíva de geo 4º e 5º ano pdf
Ii atividade avaliatíva de geo 4º e 5º ano pdfIi atividade avaliatíva de geo 4º e 5º ano pdf
Ii atividade avaliatíva de geo 4º e 5º ano pdf
André Moraes
 

Destaque (7)

Aula 01 introdução à cartografia
Aula 01   introdução à cartografiaAula 01   introdução à cartografia
Aula 01 introdução à cartografia
 
Aula coordenadas
Aula coordenadasAula coordenadas
Aula coordenadas
 
Localização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoLocalização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º ano
 
Orientação e localização
Orientação e localizaçãoOrientação e localização
Orientação e localização
 
Coordenadas geográficas
Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas
Coordenadas geográficas
 
Geo 4ano
Geo 4anoGeo 4ano
Geo 4ano
 
Ii atividade avaliatíva de geo 4º e 5º ano pdf
Ii atividade avaliatíva de geo 4º e 5º ano pdfIi atividade avaliatíva de geo 4º e 5º ano pdf
Ii atividade avaliatíva de geo 4º e 5º ano pdf
 

Semelhante a Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano

Geofísica
GeofísicaGeofísica
Geofísica
UFES
 
Slides rivancley
Slides   rivancleySlides   rivancley
Slides rivancley
Gabriel Reis
 
Geofísica
GeofísicaGeofísica
Geofísica
jupereirr
 
Cartografia2.
Cartografia2.Cartografia2.
Cartografia2.
Professor
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia - Prof. Wesley Torres
Cartografia - Prof. Wesley TorresCartografia - Prof. Wesley Torres
Cartografia - Prof. Wesley Torres
Wesley Torres
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Geografia cartografia e geomorfologia
Geografia cartografia e geomorfologiaGeografia cartografia e geomorfologia
Geografia cartografia e geomorfologia
BriefCase
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
Christie Freitas
 
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
CARTOGRAFIA  BÁSICA 1CARTOGRAFIA  BÁSICA 1
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
Gustavo Silva de Souza
 
AULA DE GEOGRAFIA - CIENCIA CARTOGRAFICAptx
AULA DE GEOGRAFIA - CIENCIA CARTOGRAFICAptxAULA DE GEOGRAFIA - CIENCIA CARTOGRAFICAptx
AULA DE GEOGRAFIA - CIENCIA CARTOGRAFICAptx
MateusOliveira564539
 
Cartografia 2011
Cartografia 2011Cartografia 2011
Cartografia 2011
caroline-f
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Geografia cartografia
Geografia cartografiaGeografia cartografia
Geografia cartografia
NAC Informatica
 
Aula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Aula - Projeções Cartográficas.ppt gggggAula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Aula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Centro Educacional Nilton Oliveira Santos -CENOS
 
Cartografia (Localização Cartográfica)
Cartografia (Localização Cartográfica)Cartografia (Localização Cartográfica)
Cartografia (Localização Cartográfica)
Jennifer Helen
 
3 em a01 - cartografia
3 em   a01 - cartografia3 em   a01 - cartografia
3 em a01 - cartografia
GustavoVicentini
 
Unidade 2 6º ano
Unidade 2   6º anoUnidade 2   6º ano
Unidade 2 6º ano
Christie Freitas
 
Geografia suple
Geografia supleGeografia suple
Geografia suple
Allan Almeida de Araújo
 
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxAula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
MrcioHenrique50
 

Semelhante a Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano (20)

Geofísica
GeofísicaGeofísica
Geofísica
 
Slides rivancley
Slides   rivancleySlides   rivancley
Slides rivancley
 
Geofísica
GeofísicaGeofísica
Geofísica
 
Cartografia2.
Cartografia2.Cartografia2.
Cartografia2.
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Cartografia - Prof. Wesley Torres
Cartografia - Prof. Wesley TorresCartografia - Prof. Wesley Torres
Cartografia - Prof. Wesley Torres
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Geografia cartografia e geomorfologia
Geografia cartografia e geomorfologiaGeografia cartografia e geomorfologia
Geografia cartografia e geomorfologia
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
CARTOGRAFIA  BÁSICA 1CARTOGRAFIA  BÁSICA 1
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
 
AULA DE GEOGRAFIA - CIENCIA CARTOGRAFICAptx
AULA DE GEOGRAFIA - CIENCIA CARTOGRAFICAptxAULA DE GEOGRAFIA - CIENCIA CARTOGRAFICAptx
AULA DE GEOGRAFIA - CIENCIA CARTOGRAFICAptx
 
Cartografia 2011
Cartografia 2011Cartografia 2011
Cartografia 2011
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Geografia cartografia
Geografia cartografiaGeografia cartografia
Geografia cartografia
 
Aula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Aula - Projeções Cartográficas.ppt gggggAula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Aula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
 
Cartografia (Localização Cartográfica)
Cartografia (Localização Cartográfica)Cartografia (Localização Cartográfica)
Cartografia (Localização Cartográfica)
 
3 em a01 - cartografia
3 em   a01 - cartografia3 em   a01 - cartografia
3 em a01 - cartografia
 
Unidade 2 6º ano
Unidade 2   6º anoUnidade 2   6º ano
Unidade 2 6º ano
 
Geografia suple
Geografia supleGeografia suple
Geografia suple
 
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxAula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 

Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano

  • 1. Colégio Amorim Aula de Geografia Aula 1,2 e 3 - Elementos da Orientação e da Cartografia
  • 2. Os pontos de referência • Localizar-se, estabelecer caminhos e orientar-se para seguir a direção certa: isso sempre acompanhou a história do homem na Terra. O que mudou, ao longo do tempo, foram os recursos (equipamentos, instrumentos), as características do espaço geográfico e, por conseqüência, os referenciais para localização e para orientação. • Pode-se localizar tomando por base referenciais como ruas, construções, estradas, rios, etc (situação comum à maioria das pessoas), ou por meio de conhecimentos geográficos, tais como: interpretação de plantas e mapas; domínio de noções sobre coordenadas geográficas - latitude e longitude -, manuseio e leitura de equipamentos, como GPS, bússola.
  • 4. Rosa dos ventos •A rosa-dos-ventos é uma figura nos quais estão presentes: •Os pontos cardeais: Norte (N), sul (S), Oeste (O, ou West, em inglês) e Leste ou Este (L ou E); •Os pontos colaterais: Noroeste (NO), nordeste (NE), sudoeste (SO) e sudeste (SE); •Os pontos subcolaterais, és-nordeste (ENE), nor-nordeste (NNE), su-sudeste (SSE), és-sudeste (ESE), oés-sudoeste (OSO), su-sudoeste (SSO), nor-noroeste (NNO), oés-noroeste (ONO); •Os intermediários. •Esses são os pontos que facilitam a orientação na superfície terrestre. A noção a respeito desses pontos de orientação é fundamental para estabelecer os deslocamentos aéreos e marítimos, por exemplo, ou em locais onde não há estradas, como regiões desérticas e áreas florestais. •É fundamental também para manusear e utilizar plantas e mapas, determinando-se, por exemplo, a localização de cidades, estados, regiões, países, continentes, oceanos, tomando-se por referência um certo local ou elemento: ao afirmamos que o estado de Tocantins está ao norte de Goiás, tomamos como referência este último estado.
  • 5. Os Paralelos e os Meridianos • Paralelos e Meridianos: São as linhas imaginárias que dividem a Terra. Paralelos e Meridianos: linhas imaginárias que dividem a Terra • A fim de facilitar os estudos sobre a Terra, os cientistas a dividiu em linhas imaginárias que a cortam nas posições vertical e horizontal. Essas linhas são chamadas de paralelos e meridianos.
  • 6. Os paralelos sempre na horizontal e os meridianos sempre na vertical Os paralelos são linhas que passam paralelamente à Linha do Equador, que “corta” a Terra ao meio, ocasionando a divisão entre os hemisférios norte e sul. Os paralelos mais conhecidos são o Trópico de Câncer e o Trópico de Capricórnio.
  • 7. O único meridiano a receber um nome é o de Greenwic Os meridianos são linhas traçadas verticalmente com relação à Linha do Equador. O meridiano mais conhecido é o Meridiano de Greenwich.
  • 8. • Os paralelos vão dar origem àquilo que chamamos de latitudes. Já os meridianos vão dar origem àquilo que chamamos de longitudes. • Juntas, as latitudes e longitudes formam as coordenadas geográficas. A partir das coordenadas geográficas é possível localizar qualquer ponto existente na Terra, o que é muito útil para viajantes, marinheiros, e para quem gosta de saber exatamente onde está.
  • 9. Fusos Horários • A necessidade dos fusos é devido ao movimento de rotação da Terra, durante o qual ela gira no seu próprio eixo, esse movimento dá origem a dias e noites. • Ao realizar o movimento da Terra (rotação), um lado do planeta recebe luz solar (dia) e o outro lado fica sombreado (noite), o movimento e a luz do sol que incide criam as variações como manhã, tarde, noite, madrugada, então sempre há 24 horas distintas. • A partir dessas informações verifica-se que a Terra, que é esférica, possui 360o, e o movimento de rotação que ela realiza gasta 24 horas para ser realizado, se dividirmos 360o por 24 horas, obteremos 15o, então, cada 15o, que é a distância entre dois meridianos, corresponde a 1 hora, isso é denominado fuso horário. • O ponto Zero é o meridiano de Greenwich ao leste, a cada 15o aumenta 1 hora; e a oeste de Greenwich, a cada 15o diminui 1hora.
  • 11. GPS • O GPS, ou Global Positioning System (Sistema de Posicionamento Global), é um elaborado sistema de satélites e outros dispositivos que tem como função básica prestar informações precisas sobre o posicionamento individual no globo terrestre. O sistema está plenamente ativo desde 1995 e foi criado pelo Departamento de Defesa Americano para fins militares, mas também pode ser aproveitado no meio civil, principalmente na aviação. Uma constelação de 24 satélites é o elemento principal do aparato, enviando informações para que qualquer dispositivo receptor calcule sua posição usando um processo chamado de trilateração. • Neste processo, um mínimo de quatro satélites que estejam próximos do receptor fica constantemente enviando sinais de rádio, contendo a posição atual do satélite e o instante (tempo) em que aquele pulso foi emitido.
  • 13. • O cálculo é feito comparando o tempo em que o sinal foi enviado com o momento em que ele foi recebido. Considerando que a radiofrequência viaja na velocidade da luz e aplicando algumas correções, é possível determinar a distância exata entre o receptor e o satélite. • Cruzando essa informação com a de três outros satélites na área, obtêm-se a posição do receptor. Além da latitude e longitude, o sistema de trilateração também permite saber a altura do receptor em relação ao nível do mar.
  • 14. Elementos da Cartografia O que é mapa? • Mapa é a representação de uma área geográfica ou parte da superfície da Terra, desenhada ou impressa em uma superfície plana. • Contém uma série de símbolos convencionais que representam os diferentes elementos naturais, artificiais ou culturais de uma área delimitada.
  • 15. • Mapa topográfico é uma variedade de mapa que se caracteriza pela detalhada representação do relevo, principalmente através das curvas de nível. • Normalmente define-se mapa topográfico aquele que mostra tanto os relevos naturais quanto artificiais, gerados pela ação do homem, além das fronteiras políticas.
  • 17. • Mapa tematico é uma variedade de mapa em qualquer escala, que re´presenta os fenômenos geográficos, geológicos, demográficos, econômicos, agrícolas, etc., visando ao estudo, à análise e à pesquisa dos temas, no seu aspecto especial.
  • 20. • Mapa anamorfose é uma variedade de mapa esquemático que não possue escala cartográfica. Nessas representações as áreas sofrem deformações que são matematicamente calculadas. • Essa técnica é utilizada para representar temas, como o PIB – Produto Interno Bruto, Projeções de População, mortalidade, números de exportação, entre outros dados. Nesse tipo de mapa, a superfície de cada espaço cartografado vai mudar proporcionalmente segundo uma variável estabelecida.
  • 22. Escala Cartográfica • O mapa é uma imagem reduzida de uma determinada superfície. • Essa redução é feita com o uso da escala que torna possível a manutenção da proporção do espaço representado. É fácil reconhecer um mapa do Brasil, por exemplo, independente do tamanho em que ele é apresentado, pois a sua confecção obedeceu a determinada escala, que mantém a sua forma. A escala cartográfica estabelece, portanto, uma relação de proporcionalidade entre as distâncias lineares num desenho (mapa) e as distâncias correspondentes na realidade. • As escalas podem ser indicadas de duas maneiras, através de uma representação gráfica ou de uma representação numérica.
  • 23. Escala gráfica é representada por um pequeno segmento de reta graduado, sobre o qual está estabelecida diretamente a relação entre as distâncias no mapa, indicadas a cada trecho deste segmento, e a distância real de um território. Observe: De acordo com este exemplo cada segmento de 1cm é equivalente a 3 km no terreno, 2 cm a 6 km, e assim sucessivamente. Caso a distância no mapa, entre duas localidades seja de 3,5 cm, a distância real entre elas será de 3,5 X 3, ou 10,5 km (dez quilômetros e meio). A escala gráfica apresenta a vantagem de estabelecer direta e visualmente a relação de proporção existente entre as distâncias do mapa e do território.
  • 24. • Escala numérica é estabelecida através de uma relação matemática, normalmente representada por uma razão, por exemplo: 1: 300 000 (1 por 300 000). A primeira informação que ela fornece é a quantidade de vezes em que o espaço representado foi reduzido. Neste exemplo, o mapa é 300 000 vezes menor que o tamanho real da superfície que ele representa. • Na escala numérica as unidades, tanto do numerador como do denominador, são indicadas em cm. O numerador é sempre 1 e indica o valor de 1cm no mapa. O denominador é a unidade variável e indica o valor em cm correspondente no território. No caso da escala exemplificada (1: 300 000), 1cm no mapa representa 300 000 cm no terreno, ou 3 km. Trata-se portanto da representação numérica da mesma escala gráfica apresentada anteriormente.
  • 25. Projeções Cartográficas • A representação da superfície terrestre em mapas, nunca será isenta de distorções. Nesse sentido, as projeções cartográficas são desenvolvidas para minimizarem as imperfeições dos mapas e proporcionarem maior rigor científico à cartografia. • No entanto, nenhuma das projeções evitará a totalidade das deformações, elas irão valorizar alguns aspectos da superfície representada e fazer com que essas distorções sejam conhecidas. Entre as principais projeções cartográficas estão:
  • 26. • Projeção Cilíndrica: o plano da projeção é um cilindro envolvendo a esfera terrestre. Depois de realizada a projeção dos paralelos e meridianos do globo para o cilindro, este é aberto ao longo de um meridiano, tornando-se um plano sobre o qual será desenhado o mapa. Projeção Cilíndrica
  • 27. • Projeção Cônica: a superfície terrestre é representada sobre um cone imaginário envolvendo a esfera terrestre. Os paralelos formam círculos concêntricos e os meridianos são linhas retas convergentes para os polos. Nessa projeção, as distorções aumentam conforme se afasta do paralelo de contato com o cone. A projeção cônica é muito utilizada para representar partes da superfície terrestre. Projeção Cônica
  • 28. • Projeção Plana ou Azimutal: a superfície terrestre é representada sobre um plano tangente à esfera terrestre. Os paralelos são círculos concêntricos e os meridianos, retos que se irradiam do polo. As deformações aumentam com o distanciamento do ponto de tangência. É utilizada principalmente, para representar as regiões polares e na localização de países na posição central. Projeção Plana ou Azimutal
  • 29. • Projeção de Mercator ou Projeção Cilíndrica Conforme: conserva a forma dos continentes, direções e os ângulos verdadeiros. Muito utilizada para navegação marítima e aeronáutica. • Projeção de Peters ou Projeção Cilíndrica Equivalente: não mantém as formas, direções e ângulos, conserva a proporcionalidade das áreas, preservando as superfícies representadas.