SlideShare uma empresa Scribd logo
ÉPOCA DE SEMEADURA VERÃO INVERNOGustavo Pereira AvilaMestrando Agronomia/Fitotecnia
Introdução Época de semeadura                                       Rendimento da soja                                      Instalação da lavouraFatores climáticos limitantesTemperaturaUmidadeFotoperíodo
Duração do cicloSemeaduras anteriores a novembro: ciclo mais longoSemeaduras posteriores: ciclo mais curtoMelhor período para semeaduraMeados de OUTUBRO a meados de DEZEMBROInício de Outubro                                                               PERDASApós meados de DezembroEfeitos de fatores ambientaisTEMPERATURA
Temperaturas altas: florescimento precoce, ciclo curto, plantas com porte baixo
Temperaturas baixas: florescimento tardio, ciclo longo, plantas maiores
Temperatura adequada para a semeadura: 25ºC
Temperaturas inferiores a 18ºC e superiores a 40ºC:     redução nos índices de germinação e emergência                      Semeaduras anteriores ou posteriores às indicadas para cada região
UMIDADE
 Escolha da época de semeaduraEvitar períodos de baixa precipitação durante estádios críticosGerminação – Emergência
Floração – Enchimento de grãos
Semeadura em solos secos: processo de germinação lento, expondo as sementes às pragas e microrganismos do solo                         Redução do número de plantas desejadas
FOTOPERÍODO
Sensibilidade ao fotoperíodo
Regiões com menores latitudes ou semeadura tardia                       maior comprimento do dia, florescimento precoce, plantas de porte baixo, menor índice de área foliar                       Menor produtividadePeríodo juvenil longo: florescimento tardio, plantas mais altasRecomendação de melhor época para cada região Região Centro-Oeste20 de outubro a 10 de dezembro                  Novembro: maiores produtividades e altura de planta adequadaÁreas bem fertilizadas e com alta tecnologia: semeadura até 20 de dezembro                 Cultivares de ciclo médio ou semitardio de porte alto                Rondônia e sul de Tocantins
Regiões Norte e NordesteMaranhão - no sul, novembro a 15 de dezembro; no norte, janeiro.Pará - no sul (Redenção), novembro a 15 de dezembro; no nordeste (Paragominas), 15 de dezembro e janeiro; no noroeste (Santarém), 10 de março a abril.Piauí - no sudoeste (Uruçuí - Bom Jesus), novembro a 15 de dezembro.Tocantins - no norte (Pedro Afonso), novembro a 15 de dezembro.Roraima - na região central (Boa Vista), maio.Bahia – novembro a 15 de dezembro.
Regiões Sul e Sudeste                      Maiores produtividadesSegunda quinzena de outubro e do mês de novembroCentro-norte do Mato Grosso, sul de Goiás e parte das regiões Oeste e Sudoeste do ParanáSolos férteis, condições favoráveis de umidade e temperaturaSemeaduras anteriores a meados de outubro: cultivares precoces e de crescimento indeterminado                Cultura em sucessão: milho safrinha
Efeito sobre a produçãoTABELA 1. Valores médios da produtividade de grãos (kg ha-1) em cinco cultivares de soja, instalados nas épocas de semeadura Ep1 (29/11/2006), Ep2 (14/12/2006), Ep3 (28/12/2006) e Ep4 (12/01/2007), no Oeste da Bahia.
TABELA 2. Rendimento médio das sementes, em kg.ha-1, de cinco cultivares de soja, em cinco épocas de semeadura. Maringá, PR - 1998/99.
TABELA 3: Produção de grãos (kg.ha-1), em função do cultivar e da época de semeadura em Gurupi, TO.
Efeito sobre as características agronômicasAltura de planta
Altura de inserção da primeira vagem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho videira
Trabalho videiraTrabalho videira
Trabalho videira
Luís Filipe Marinho
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
Sabrina Nascimento
 
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do MilhoAplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Geagra UFG
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
Andre Vinicius
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoim
wagcher
 
3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada
Lucas Couto de Oliveira
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
Geagra UFG
 
Apresenta..[1]
Apresenta..[1]Apresenta..[1]
Apresenta..[1]
Isabel Pinheiro
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Geagra UFG
 
2014 setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
2014   setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas2014   setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
2014 setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
Eduardo Abreu
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Geagra UFG
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
CETEP, FTC, FASA..
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
Sabrina Nascimento
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
IFRO
 
Abacate
AbacateAbacate
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 

Mais procurados (19)

Trabalho videira
Trabalho videiraTrabalho videira
Trabalho videira
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do MilhoAplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do Milho
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoim
 
3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
 
Apresenta..[1]
Apresenta..[1]Apresenta..[1]
Apresenta..[1]
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 
2014 setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
2014   setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas2014   setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
2014 setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
 
Abacate
AbacateAbacate
Abacate
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 

Semelhante a Epoca de Semeadura Verão Inverno Apresentação Soja

Circ 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milhoCirc 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milho
Gabrielen Dias
 
Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)
Portal Canal Rural
 
Relatorio aureo
Relatorio aureoRelatorio aureo
Relatorio aureo
Portal Canal Rural
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
Manejo varietal
Manejo varietalManejo varietal
Manejo varietal
Américo Ferraz
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Portal Canal Rural
 
ojkuhn,+Gerente+da+revista,+Revisão+1+-+Processo+6033.pdf
ojkuhn,+Gerente+da+revista,+Revisão+1+-+Processo+6033.pdfojkuhn,+Gerente+da+revista,+Revisão+1+-+Processo+6033.pdf
ojkuhn,+Gerente+da+revista,+Revisão+1+-+Processo+6033.pdf
MarcioSitoe1
 
AULA CENOURA.pptx
AULA CENOURA.pptxAULA CENOURA.pptx
AULA CENOURA.pptx
AlineAndrade145490
 
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Cultura do tomate   alexandre garcia santaellaCultura do tomate   alexandre garcia santaella
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Rodrigo Caetano
 
Instalação das culturas
Instalação das culturasInstalação das culturas
Instalação das culturas
Rui Medeiros
 
DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CEVADA
DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CEVADADIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CEVADA
DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CEVADA
Priscila de Oliveira
 
Ciperaceas.pptx
Ciperaceas.pptxCiperaceas.pptx
Ciperaceas.pptx
GilsonRibeiroNachtig
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
anailsonalves2017
 
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Rikardy Tooge
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
Sabrina Nascimento
 
III WSF, Campinas – Maria Conceição Peres Young - Distribuição geográfica pot...
III WSF, Campinas – Maria Conceição Peres Young - Distribuição geográfica pot...III WSF, Campinas – Maria Conceição Peres Young - Distribuição geográfica pot...
III WSF, Campinas – Maria Conceição Peres Young - Distribuição geográfica pot...
Oxya Agro e Biociências
 

Semelhante a Epoca de Semeadura Verão Inverno Apresentação Soja (16)

Circ 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milhoCirc 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milho
 
Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)
 
Relatorio aureo
Relatorio aureoRelatorio aureo
Relatorio aureo
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Manejo varietal
Manejo varietalManejo varietal
Manejo varietal
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
 
ojkuhn,+Gerente+da+revista,+Revisão+1+-+Processo+6033.pdf
ojkuhn,+Gerente+da+revista,+Revisão+1+-+Processo+6033.pdfojkuhn,+Gerente+da+revista,+Revisão+1+-+Processo+6033.pdf
ojkuhn,+Gerente+da+revista,+Revisão+1+-+Processo+6033.pdf
 
AULA CENOURA.pptx
AULA CENOURA.pptxAULA CENOURA.pptx
AULA CENOURA.pptx
 
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Cultura do tomate   alexandre garcia santaellaCultura do tomate   alexandre garcia santaella
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
 
Instalação das culturas
Instalação das culturasInstalação das culturas
Instalação das culturas
 
DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CEVADA
DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CEVADADIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CEVADA
DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CEVADA
 
Ciperaceas.pptx
Ciperaceas.pptxCiperaceas.pptx
Ciperaceas.pptx
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
 
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
III WSF, Campinas – Maria Conceição Peres Young - Distribuição geográfica pot...
III WSF, Campinas – Maria Conceição Peres Young - Distribuição geográfica pot...III WSF, Campinas – Maria Conceição Peres Young - Distribuição geográfica pot...
III WSF, Campinas – Maria Conceição Peres Young - Distribuição geográfica pot...
 

Último

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
zetec10
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
snerdct
 

Último (6)

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
 

Epoca de Semeadura Verão Inverno Apresentação Soja

  • 1. ÉPOCA DE SEMEADURA VERÃO INVERNOGustavo Pereira AvilaMestrando Agronomia/Fitotecnia
  • 2. Introdução Época de semeadura Rendimento da soja Instalação da lavouraFatores climáticos limitantesTemperaturaUmidadeFotoperíodo
  • 3. Duração do cicloSemeaduras anteriores a novembro: ciclo mais longoSemeaduras posteriores: ciclo mais curtoMelhor período para semeaduraMeados de OUTUBRO a meados de DEZEMBROInício de Outubro PERDASApós meados de DezembroEfeitos de fatores ambientaisTEMPERATURA
  • 4. Temperaturas altas: florescimento precoce, ciclo curto, plantas com porte baixo
  • 5. Temperaturas baixas: florescimento tardio, ciclo longo, plantas maiores
  • 6. Temperatura adequada para a semeadura: 25ºC
  • 7. Temperaturas inferiores a 18ºC e superiores a 40ºC: redução nos índices de germinação e emergência Semeaduras anteriores ou posteriores às indicadas para cada região
  • 9. Escolha da época de semeaduraEvitar períodos de baixa precipitação durante estádios críticosGerminação – Emergência
  • 11. Semeadura em solos secos: processo de germinação lento, expondo as sementes às pragas e microrganismos do solo Redução do número de plantas desejadas
  • 14. Regiões com menores latitudes ou semeadura tardia maior comprimento do dia, florescimento precoce, plantas de porte baixo, menor índice de área foliar Menor produtividadePeríodo juvenil longo: florescimento tardio, plantas mais altasRecomendação de melhor época para cada região Região Centro-Oeste20 de outubro a 10 de dezembro Novembro: maiores produtividades e altura de planta adequadaÁreas bem fertilizadas e com alta tecnologia: semeadura até 20 de dezembro Cultivares de ciclo médio ou semitardio de porte alto Rondônia e sul de Tocantins
  • 15. Regiões Norte e NordesteMaranhão - no sul, novembro a 15 de dezembro; no norte, janeiro.Pará - no sul (Redenção), novembro a 15 de dezembro; no nordeste (Paragominas), 15 de dezembro e janeiro; no noroeste (Santarém), 10 de março a abril.Piauí - no sudoeste (Uruçuí - Bom Jesus), novembro a 15 de dezembro.Tocantins - no norte (Pedro Afonso), novembro a 15 de dezembro.Roraima - na região central (Boa Vista), maio.Bahia – novembro a 15 de dezembro.
  • 16. Regiões Sul e Sudeste Maiores produtividadesSegunda quinzena de outubro e do mês de novembroCentro-norte do Mato Grosso, sul de Goiás e parte das regiões Oeste e Sudoeste do ParanáSolos férteis, condições favoráveis de umidade e temperaturaSemeaduras anteriores a meados de outubro: cultivares precoces e de crescimento indeterminado Cultura em sucessão: milho safrinha
  • 17. Efeito sobre a produçãoTABELA 1. Valores médios da produtividade de grãos (kg ha-1) em cinco cultivares de soja, instalados nas épocas de semeadura Ep1 (29/11/2006), Ep2 (14/12/2006), Ep3 (28/12/2006) e Ep4 (12/01/2007), no Oeste da Bahia.
  • 18. TABELA 2. Rendimento médio das sementes, em kg.ha-1, de cinco cultivares de soja, em cinco épocas de semeadura. Maringá, PR - 1998/99.
  • 19. TABELA 3: Produção de grãos (kg.ha-1), em função do cultivar e da época de semeadura em Gurupi, TO.
  • 20. Efeito sobre as características agronômicasAltura de planta
  • 21. Altura de inserção da primeira vagem
  • 26. Número total de grãosSemeaduras extemporâneas Porte reduzido Diminuição da altura de inserção da primeira vagem Dificulta a colheita e diminui a produtividade Porte alto Acamamento Dificulta a colheita
  • 29. Reduz o ciclo da cultura
  • 30. Redução da altura das plantas
  • 33. Menor produtividadeÉpoca de semeadura de invernoVantagensProdução de sementes com elevado potencial fisiológico; maturação e colheita com temperaturas e umidades menoresObtenção de uma segunda safra no mesmo ano;Cobertura vegetal do solo por um período maior;Redução do tempo de armazenamento entre a colheita e a próxima semeadura;
  • 34. Produtividades baixas compensadas pelo valor agregado às sementes;Renda para o agricultor.DesvantagensO plantio tardio encontra mais esporos do fungo Phakopsorapachyrhizi, causador da ferrugem asiática, no campo, o que torna o controle mais difícil e mais caro;Diminuição do potencial produtivo da soja;
  • 35. Vazio sanitárioLegislação Evitar o surgimento e a propagação da ferrugem asiática da soja nas lavourasPlantio permitido: pesquisas científicas
  • 36. Objetivos: melhoramento genético, avanço das variedades, avaliação de outras doenças da soja e multiplicação de sementes genéticasPeríodos do vazio sanitário no Brasil:MT - 15/06 a 15/09GO - 01/07 a 30/09MS - 01/07 a 30/09TO - 01/07 a 30/09SP - 01/07 a 30/09MG - 01/07 a 30/09MA - 15/08 a 15/10PR - 15/06 a 15/09BA - 15/08 a 15/10RS - não há vazio sanitário (inverno rigoroso)
  • 37. Considerações finaisÉpoca de semeadura é um dos fatores que mais influenciam o rendimento da soja;Semeaduras em épocas inadequadas podem afetar o porte, o ciclo e o rendimento das plantas e aumentar as perdas na colheita;De maneira geral, a melhor época de semeadura se situa entre meados de outubro e meados de dezembro, preferencialmente em novembro;Época de semeadura de inverno possui a principal vantagem de produzir sementes com elevado potencial fisiológico, mas possui o risco de disseminação do fungo causador da ferrugem asiática.