SlideShare uma empresa Scribd logo
Manual de identificação 
das doenças da soja 
Autor: Paulo Edimar Saran
Manual de identificação 
das doenças da soja 
Paulo Edimar Saran
Manual de identificacao das doencas da soja
Agradecimentos 
Aos familiares de Paulo E. Saran 
Alzira Catarina B. Saran (mãe) 
João Saran (pai) 
João Saran (filho) 
Mauro Edson Saran (irmão) (in memorian) 
Selma F. dos Santos Saran (esposa) 
“Os ventos que às vezes tiram algo que amamos são os mesmos que trazem 
algo que aprendemos a amar... 
Por isso, não devemos chorar pelo que nos foi tirado e, sim, aprender a amar 
o que nos foi dado. Pois tudo aquilo que é realmente nosso nunca se vai para sempre...” 
Bob Marley 
Dedico este trabalho à memória de meu eterno amigo e amado irmão, Mauro, 
a quem sempre tive profundo respeito, admiração e carinho. 
Agradeço a Deus pelos momentos de convivência que tive ao seu lado.
Manual de identificacao das doencas da soja
Sumário 
Introdução ........................................................................................................................9 
Períodos de ocorrência das doenças da soja .............................................................10 
Variação dos períodos reprodutivos em relação aos ciclos de cultivares de soja ...... 11 
Descrição dos estádios vegetativos da soja ...............................................................12 
Descrição dos estádios reprodutivos da soja ............................................................13 
Descrição das subdivisões da fase R5 em cinco subestádios ..................................14 
Observações ................................................................................................................... 15 
Tombamento ..................................................................................................................28 
Mancha olho de rã ........................................................................................................33 
Mancha-parda da folha ................................................................................................39 
Míldio da soja ................................................................................................................ 51 
Oídio da soja ..................................................................................................................61 
Antracnose .....................................................................................................................69 
Mancha-alvo .................................................................................................................. 85 
Ferrugem da soja ...........................................................................................................99 
Mofo branco ................................................................................................................. 110 
Crestamento foliar de cercóspora .............................................................................133 
Mela da folha ...............................................................................................................139 
Podridão-parda da haste ........................................................................................... 154 
Podridão por Phytophthora ...................................................................................... 159 
Mancha de mirotécio ..................................................................................................162 
Seca da haste e da vagem ..........................................................................................166 
Crestamento bacteriano .............................................................................................172 
Virose (mosqueado do feijão) ....................................................................................177 
Virose (mosaico comum da soja)...............................................................................181 
Doenças de final de ciclo ............................................................................................186 
Bibliografia ...................................................................................................................196
9 
Introdução 
Nas últimas safras, a cultura da soja tem exigido, de maneira crescente, um nível maior de conhecimento técnico e 
acompanhamento prático das lavouras. 
A necessidade de rotações entre as culturas, a constante evolução nas opções dos períodos de plantio, as diferentes opções 
de manejo adotadas, as características das variedades plantadas e as imprevisíveis variações climáticas, associadas ao tipo 
de solo, sistema de plantio adotado ou o preparo de solo optado, fazem com que novas ocorrências sejam identificadas 
ou com que as ocorrências já identificadas ou problemas já conhecidos se agravem a cada safra. 
Para uma estratégia eficaz de acompanhamento das lavouras e controle das doenças, é necessária a adoção de práticas 
de MID (Manejo Integrado de Doenças). 
A opção pela prática do MID visa integrar, de forma harmoniosa, as várias ferramentas ou táticas existentes para proteção 
das plantas, utilizando o manejo ou as regras que consideram as condições econômicas, sociais e ambientais para a tomada 
de decisão de utilizar ou não um fungicida. 
O sucesso no controle das doenças está intimamente ligado ao período da interferência realizada, seja ela por meio de 
medidas legislativas e tratos culturais que visam prevenir ou retardar a ocorrência de doenças para a safra seguinte ou 
por meio do controle por intervenções químicas aplicadas de forma preventiva ou curativa durante a safra. 
Nas intervenções químicas, independentemente do método de controle ou dos produtos optados, antes do uso é preciso 
diagnosticar a verdadeira causa dos sintomas existentes ou antecipar sua ocorrência, tendo como base alguns procedimentos 
como a sanidade das sementes, o conhecimento das características das variedades optadas, o histórico de ocorrência nas 
lavouras e as condições favoráveis para a evolução das doenças. 
Este manual visa, de maneira simples e objetiva, colaborar com os amostradores técnicos de campo, responsáveis pelos 
monitoramentos, ajudando-os a identificar possíveis falhas no processo de amostragens, e com os profissionais responsáveis 
pelas recomendações em identificar os sintomas iniciais ou comparar os vários níveis de infecção, identificando a evolução 
da doença e auxiliando na tomada de decisão quanto à melhor estratégia de controle a ser tomada.
10 
DFCs 
Viroses 
Crestamento 
Seca da haste e da vagem 
Mancha do mirotécio 
Podridão por Phytophthora 
Podridão-parda da haste 
Mela da folha 
Crestamento foliar de cercóspora 
Mofo branco 
Ferrugem da soja 
Mancha-alvo 
Antracnose 
Oídio da soja 
Míldio da soja 
Períodos de ocorrência 
das doenças da soja 
Mancha-parda da folha Mancha-parda da folha 
Tombamento Mancha olho de rã 
VC V1 V2 V3 VN V9 R1 R2 R3 R4 R5.1 R5.2 R5.3 R5.4 R5.5 R6 R7 R8 R9
11 
Variação dos períodos reprodutivos em relação aos ciclos de cultivares de soja 
Ciclo 
Cultivar de ciclo precoce 
Fase reprodutiva 
50 - 65 dias 
N° de dias 
120 
Cultivar de ciclo médio 30 - 50 dias 120 a 130 
Cultivar de ciclo tardio 25 - 35 dias > 130 
Vegetativo Reprodutivo 
VC V1 V2 V3 VN V9 R1 R2 R3 R4 R5.1 R5.2 R5.3 R5.4 R5.5 R6 R7 R8 R9
12 
Descrição dos estádios vegetativos da soja 
Estádio denominação DESCRIÇÃO 
VE Emergência Cotilédones acima da superfície do solo 
VC Cotilédone Cotilédones completamente abertos 
V1 Primeiro nó Folhas unifoliadas completamente abertas 
V2 Segundo nó Primeira folha trifoliada completamente desenvolvida 
V3 Terceiro nó Segunda folha trifoliada completamente desenvolvida 
V4 Quarto nó Terceira folha trifoliada completamente desenvolvida 
V5 Quinto nó Quarta folha trifoliada completamente desenvolvida 
V6 Sexto nó Quinta folha trifoliada completamente desenvolvida 
Vn Enésimo nó Enésima folha trifoliada completamente desenvolvida
13 
Descrição dos estádios reprodutivos da soja 
Estádio denominação DESCRIÇÃO 
R1 Início do florescimento Uma flor aberta em qualquer nó da haste principal 
R2 Florescimento pleno Uma flor aberta num dos dois últimos nós da haste principal, com folha 
completamente desenvolvida 
R3 Início da formação de vagens Vagem com 5 mm de comprimento num dos quatro últimos nós da 
haste principal, com folha completamente desenvolvida 
R4 Vagem completamente 
desenvolvida 
Vagem com 2 cm de comprimento num dos quatro últimos nós da 
haste principal, com folha completamente desenvolvida 
R5 Início do enchimento de grãos Grão com 3 mm de comprimento em vagem num dos quatro últimos 
nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida 
R6 Grão verde ou vagem cheia 
Uma vagem contendo grãos verdes preenchendo as cavidades da 
vagem de um dos quatro últimos nós da haste principal, com folha 
completamente desenvolvida 
R7 Início da maturidade Uma vagem normal na haste principal com coloração de madura 
R8 Desfolha natural Plantas com vagens amarelas e 50% de desfolha 
R9 Maturidade plena 95% das vagens com coloração de madura
14 
Descrição das subdivisões da fase R5 em cinco subestádios 
Estádio deSCRIÇÃO 
R5.1 Grãos perceptíveis ao tato (o equivalente a 10% da granação) 
R5.2 Granação de 11% a 25% 
R5.3 Granação de 26% a 50% 
R5.4 Granação de 51% a 75% 
R5.5 Granação de 76% a 100%
15 
Observações 
Durante o processo de vistoria das lavouras, alguns encontros podem induzir ao erro de interpretação de sintomas ou de ocorrências 
que poderão provocar a demora na intervenção, ou o controle do inóculo primário de uma infecção, ou o uso desnecessário de 
ações ou produtos. 
Além de conhecer os sintomas das doenças nocivas à cultura nos seus vários níveis de infecção, os amostradores técnicos de 
campo devem conhecer também as situações que podem provocar injúrias ou lesões semelhantes a essas infecções. 
Embora seja aconselhável o controle preventivo ou, no máximo, nos sintomas iniciais das infecções para um maior sucesso no 
controle das doenças, é necessário ter a certeza da origem da lesão para a rápida tomada de decisão. É bastante comum a presença 
de injúrias nas lavouras que, quando confundidas com sintomas de doenças, provocam erros de interpretação e acabam onerando 
ainda mais os custos das mesmas. 
As condições do ambiente podem favorecer ou dificultar as identificações de lesões nas plantas. Embora, geralmente, as piores 
condições para as vistorias sejam as melhores condições para a evolução da maioria das doenças, as vistorias deverão ser realizadas 
mesmo em condições desfavoráveis, principalmente quando essas forem persistentes por longos períodos. A demora no intervalo 
entre as vistorias poderá provocar uma identificação tardia dos primeiros sintomas na lavoura, elevando os custos para o tratamento, 
diminuindo a eficiência no resultado das aplicações e diminuindo o período de controle esperado, além de possíveis perdas já 
ocorrerem. Sendo assim, mesmo as condições do ambiente não sendo propícias para as amostragens, elas deverão obedecer a um 
intervalo frequente (respeitando os intervalos de carência ou períodos de reentrada de pessoas na área tratada). 
As condições consideradas boas para as vistorias são aquelas em que se permite visualizar com clareza a panorâmica da lavoura, 
a superfície das folhas (faces superiores e inferiores) e o terço inferior da lavoura. 
Os sintomas iniciais das doenças foliares podem ser mais bem identificados quando a folha é posicionada contra a luz solar. 
Como condições desfavoráveis para as vistorias, consideram-se basicamente aquelas que apresentam molhamento foliar (por 
chuva, orvalho ou irrigação) ou pouca luminosidade 
Alguns sintomas que ocorrem nas plantas ou eventos que ocorrem no ambiente das lavouras podem ser citados como erros de 
interpretação comuns pelos amostradores técnicos de campo menos experientes. 
Os atritos entre plantas, os sintomas e danos de pragas, as injúrias de óleo mineral, as injúrias provocadas por herbicidas e os 
“falsos” apotécios estão entre os erros mais comuns de interpretação. 
Outros sintomas identificados a campo, como folhas carijós ou “soja louca”, poderão ter causas variadas e, algumas vezes, orientam 
a necessidade de coletas para análise ou de investigação para identificar a real origem dos sintomas.
16 
Observação (Fig. 1). Exemplo de condição desfavorável para avaliação foliar (baixa luminosidade).
17 
Observação (Fig. 2). Exemplo de condição desfavorável para avaliação foliar (molhamento foliar).
18 
Observação (Fig. 3). Exemplo de avaliação foliar (procurando por sintomas iniciais).
19 
Observação (Fig. 4). Sintoma de atrito nos ramos.
20 
Observação (Fig. 5). Sintoma de ataque de ácaro rajado (confundido com pústulas de ferrugem da soja).
21 
Observação (Fig. 6). Sintoma de injúria por óleo mineral (em folha).
22 
Observação (Fig. 7.) Sintoma de injúria por óleo mineral (efeito lupa na página superior).
23 
Observação (Fig. 8). Sintoma de injúria por óleo mineral (efeito lupa na página superior).
24 
Observação (Fig. 9). Sintoma de injúria por herbicida latifolicida pós-emergente (confundido com mancha-parda da folha).
25 
Observação (Fig. 10). Alguns exemplos de “falsos apotécios”.
26 
Observação (Fig. 11). Sintoma “carijó” evoluindo de clorose a necrose.
27 
Observação (Fig. 12). Soja louca.
28 
Tombamento (damping-off, morte em reboleira) 
Agente causal 
Rhizoctonia solani Kühn. 
Disseminação 
O fungo ocorre pelo solo contaminado por escleródios e por restos de cultura. 
A disseminação ocorre pela semente, e a distribuição na lavoura é observada na forma de reboleiras ou manchas ao acaso. 
Condições favoráveis 
Ocorre sob condições de temperatura e umidade elevadas. 
Descrição 
O sintoma se inicia com uma podridão castanha e de aspecto aquoso na haste, próximo ao solo. Com a evolução dos sintomas, 
as lesões evoluem para cima e para baixo da lesão inicial. 
Posteriormente, as raízes se escurecem e o tecido cortical fica mole e solta-se com facilidade. 
É bastante frequente a ocorrência de estrangulamento do colo no nível do solo, o que resulta na murcha, tombamento ou 
sobrevivência temporária das plântulas que emitem raízes adventícias acima da região afetada, mas tombam antes do 
florescimento.
29 
TB (Rs) (Fig. 1). Plântula morta.
30 
TB (Rs) (Fig. 2). Plântula morta (detalhe do “anelamento” no coleto).
31 
TB (Rs) (Fig. 3). Plântula com “anelamento” no coleto.
32 
TB (Rs) (Fig. 4). Morte em reboleira.
33 
Mancha olho de rã (cercosporiose) 
Agente causal 
Cercospora sojina Hara. 
Disseminação 
O inóculo primário e importante agente de disseminação é a semente, mas os restos culturais e o vento associado à chuva 
também contribuem para a disseminação da doença. 
Condições favoráveis 
Períodos chuvosos e quentes favorecem a produção de esporos. 
Descrição 
O agente causal da mancha olho de rã é a Cercospora sojina Hara. 
Pode ocorrer em praticamente qualquer estádio da cultura; porém, geralmente são observadas as maiores incidências a partir 
do estádio R1. 
São observados sintomas em praticamente toda a parte aérea da planta, como hastes, vagens, sementes e principalmente folhas. 
Inicialmente, as lesões aparecem na forma de pequenas manchas encharcadas na face superior, que evoluem para lesões de 
formato arredondado. 
As lesões, quando evoluídas e na face superior, apresentam o centro castanho-claro, com as bordas castanho-avermelhadas. 
Na face inferior, as lesões apresentam uma coloração cinza e a presença de estruturas reprodutivas do fungo. 
O sintoma das lesões nas folhas são manchas circulares, com halo escuro e o centro marrom-claro.
34 
MOR (Cs) (Fig. 1). Folhas com lesões isoladas.
35 
MOR (Cs) (Fig. 2). Folha com múltiplas lesões.
36 
MOR (Cs) (Fig. 3). Folha com múltiplas lesões.
37 
MOR (Cs) (Fig. 4). Folhas com múltiplas lesões.
38 
MOR (Cs) (Fig. 5). Detalhe de lesão na folha.
39 
Mancha-parda da folha (septoriose) 
Agente causal 
Septoria glycines Hemmi. 
Disseminação 
A primeira ocorrência se origina de sementes infectadas. 
A disseminação é favorecida por períodos secos, pelo vento e pela chuva. 
Sob alta umidade, conídios são liberados por meio da ação da chuva, que os suspende em gotículas que são levadas pelo 
vento até a deposição sobre o hospedeiro. 
Condições favoráveis 
A esporulação é favorecida por períodos de alta umidade e temperaturas amenas, desenvolvendo os sintomas entre 15 ºC e 
30 °C, sendo ótima a 25 °C. A incidência da doença aumenta quando o período de molhamento é de 6 a 36 horas. 
Descrição 
Os primeiros sintomas são lesões pequenas na forma de pontuações ou manchas angulares de cor parda, podem aparecer aos 
15 dias após o surgimento das folhas unifolioladas e são provenientes de infecções nas sementes. 
Nas folhas verdes, surgem pequenas pontuações, menores que 1 mm, de cor parda que, ao se desenvolverem, formam manchas 
maiores que apresentam halos amarelados e centro de contornos angulares de coloração parda na face superior e rosada na 
face inferior da folha. 
Quando ocorrem infecções severas, as manchas podem apresentar tamanho suficiente para cobrir as superfícies superior e 
inferior das folhas, provocando desfolha e maturação prematura e consequente redução da produtividade.
40 
MPF (Sg) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha.
41 
MPF (Sg) (Fig. 2). Lesões iniciais na folha.
42 
MPF (Sg) (Fig. 3). Lesões iniciais na folha.
43 
MPF (Sg) (Fig. 4). Evolução das lesões na folha.
44 
MPF (Sg) (Fig. 5). Evolução das lesões na folha.
45 
MPF (Sg) (Fig. 6). Evolução das lesões na folha.
46 
MPF (Sg) (Fig. 7). Evolução das lesões na folha.
47 
MPF (Sg) (Fig. 8). Evolução das lesões na folha.
48 
MPF (Sg) (Fig. 9). Evolução das lesões na folha.
49 
MPF (Sg) (Fig. 10). Evolução das lesões nas folhas.
50 
MPF (Sg) (Fig. 11). Sintomas evoluídos (desfolha).
51 
Míldio da soja 
Agente causal 
Peronospora manshurica (Naum.) Syd. Ex Gäum. 
Disseminação 
O fungo é introduzido na lavoura por meio de sementes infectadas e disseminado pela ação dos ventos. 
Condições favoráveis 
A esporulação é favorecida por períodos de alta umidade e temperaturas amenas, entre 10 ºC e 25 °C. A infecção sistêmica 
é favorecida entre 20 ºC e 22 °C na fase vegetativa, paralisando seu desenvolvimento na fase reprodutiva do hospedeiro. A 
esporulação é inibida quando a temperatura é inferior a 10 °C e superior a 30 °C. 
Descrição 
O início do desenvolvimento da doença ocorre nas folhas unifolioladas e pode atingir toda a parte aérea das plantas. 
Os primeiros sintomas ocorrem na forma de pontuações amarelas, que se desenvolvem até atingirem um diâmetro aproximado 
de 5 mm, posteriormente necrosam, ficando similares às manchas da doença “mancha olho de rã”. 
Na página superior das folhas, os sintomas evoluem de manchas claras para amarelo-brilhantes com o centro necrosado, 
e na página inferior são observadas estruturas reprodutivas de aspecto cotonoso, de coloração levemente rosada ou cinza 
(esporangióforo e esporângio). 
Em ataques severos, as folhas tornam-se amarelas e marrons, e as bordas ficam enroladas, o que provoca a desfolha prematura. 
Nas vagens atacadas, as sementes apresentam deterioração ou infecção parcial. No tegumento, desenvolve uma crosta 
pulverulenta de coloração bege ou castanho-clara, formada de micélio e esporos.
52 
MS (Pm) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página superior).
53 
MS (Pm) (Fig. 2). Detalhe de lesões na folha (página inferior).
54 
MS (Pm) (Fig. 3). Lesão inicial na folha.
55 
MS (Pm) (Fig. 4). Evolução das lesões na folha.
56 
MS (Pm) (Fig. 5). Evolução das lesões na folha.
57 
MS (Pm) (Fig. 6). Evolução das lesões na folha.
58 
MS (Pm) (Fig. 7). Evolução das lesões na folha.
59 
MS (Pm) (Fig. 8). Sintomas evoluídos na folha.
60 
MS (Pm) (Fig. 9). Sintomas evoluídos na folha.
61 
Oídio da soja 
Agente causal 
Microsphaera diffusa Cke. & Pk. (sin. Erysiphe poligoni DC., E. glycines). 
Disseminação 
O fungo é disseminado pelo vento a longas distâncias e se espalha por toda a lavoura de forma generalizada. 
Condições favoráveis 
A ocorrência do oídio é mais favorecida em condições de temperaturas entre 18 ºC e 24 °C. Temperaturas superiores a 30 °C 
inibem o desenvolvimento da doença. 
Precipitações intensas e frequentes podem constituir um fator inibidor ao desenvolvimento do oídio. 
Descrição 
Os sintomas observados são uma massa de micélios e esporos (conídios) na forma de fina camada de cor esbranquiçada e de 
aspecto cotonoso, formados na superfície das folhas, dos ramos e das vagens.
62 
OS (Md) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página inferior).
63 
OS (Md) (Fig. 2). Lesões iniciais na folha.
64 
OS (Md) (Fig. 3). Sintomas evoluídos nas folhas do terço inferior das plantas.
65 
OS (Md) (Fig. 4). Sintomas evoluídos na folha.
66 
OS (Md) (Fig. 5). Sintomas evoluídos nas folhas do terço inferior das plantas.
67 
OS (Md) (Fig. 6). Sintomas evoluídos nas folhas do terço médio das plantas.
68 
OS (Md) (Fig. 7). Sintomas evoluídos nas folhas do terço superior das plantas.
69 
Antracnose 
Agente causal 
Colletotrichum truncatum (Schwein) Andrus & W. D. Moore. 
Disseminação 
Ocorre por meio de sementes infectadas, restos de cultura, pelo vento e pela chuva. 
Condições favoráveis 
Altas densidades populacionais, associadas ao molhamento foliar por orvalho prolongado, precipitações frequentes ou alta 
umidade relativa (mínimo de 12 horas) e temperaturas entre 18 ºC e 25 °C favorecem a ocorrência do fungo. 
Descrição 
Os sintomas podem ser observados em praticamente todos os estádios de desenvolvimento da cultura, desde o estádio 
vegetativo até o estádio reprodutivo, em toda a parte aérea das plantas, como cotilédones, pecíolos, folhas, hastes e vagens. 
Quando semeadas em condições de alta umidade, as sementes infectadas podem causar tombamento tanto em pré-emergência 
quanto em pós-emergência das plântulas. 
Nas plântulas, os sintomas são observados na forma de necrose nos cotilédones. 
Em lavouras desenvolvidas e na fase de “fechamento”, ocorre o estrangulamento dos pecíolos e ramos tenros sombreados, 
necrose de pecíolos, cancro nas nervuras e pedúnculo das folhas, cancro nas hastes, cancro nas vagens e desfolha precoce. 
Quando a infecção ocorre em vagens na fase R3-R4, estas adquirem uma coloração castanho-escura ou negra, ficando retorcidas 
e sem formação de grãos. 
Nas vagens, as lesões inicialmente apresentam estrias ou manchas claras de formato arredondado, que evoluem para manchas 
negras. As vagens infectadas podem cair.
70 
AT (Ct) (Fig. 1). Sintomas no cotilédone.
71 
AT (Ct) (Fig. 2). Sintoma no pecíolo.
72 
AT (Ct) (Fig. 3). Sintoma no pecíolo.
73 
AT (Ct) (Fig. 4). Sintoma em ramo tenro.
74 
AT (Ct) (Fig. 5). Sintoma e morte do pecíolo.
75 
AT (Ct) (Fig. 6). Sintoma na haste.
76 
AT (Ct) (Fig. 7). Sintoma no canivete.
77 
AT (Ct) (Fig. 8). Sintomas de estrias nas vagens.
78 
AT (Ct) (Fig. 9). Sintoma inicial na vagem (lesão clara).
79 
AT (Ct) (Fig. 10). Sintoma em evolução na vagem.
80 
AT (Ct) (Fig. 11). Sintoma no grão.
81 
AT (Ct) (Fig. 12). Sintomas evoluídos nas vagens (mancha negra).
82 
AT (Ct) (Fig. 13). Sintomas evoluídos nas vagens.
83 
AT (Ct) (Fig. 14). Sintoma de abertura da vagem.
84 
AT (Ct) (Fig. 15). Sintoma de abertura das vagens.
85 
Mancha-alvo (podridão radicular de Corynespora) 
Agente causal 
Corynespora cassiicola (Berk. & Curt.) Wei. 
Disseminação 
Ocorre por meio do solo contaminado, pelo vento e pela chuva. 
Condições favoráveis 
Altas densidades populacionais, associadas a alta umidade e altas temperaturas. As infecções foliares ocorrem quando a 
umidade atinge índices superiores a 80%. Períodos secos inibem as infecções foliares e radiculares. No solo, a temperatura 
ótima situa-se entre 15 ºC e 18 °C, e as plântulas que se desenvolvem à temperatura de 15 °C apresentam lesões nas raízes 
primárias e crescimento retardado das raízes secundárias. 
Descrição 
Embora a doença possa ocorrer em qualquer fase da cultura, é na fase R1 em que a ocorrência é mais frequente. 
Os sintomas da mancha-alvo são observados em folhas, ramos, vagens, sementes, hipocótilo e raízes. 
Nas folhas, os sintomas se iniciam na forma de pequenas lesões circulares, rodeadas por halos cloróticos de cor esverdeada 
que, à medida que evoluem, tornam-se pequenas pontuações de cor castanho-avermelhada, com halos amarelos; quando 
evoluídas, tornam-se grandes lesões de forma arredondada de cor castanho-clara, que podem medir até 2 cm de diâmetro, e 
apresentam anéis concêntricos. 
Em casos de alta severidade e períodos de intensa precipitação ou umidade, as lesões podem coalescer. 
No final do ciclo da cultura, são observadas lesões nas folhas do terço inferior.
86 
MA (Cc) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página superior).
87 
MA (Cc) (Fig. 2). Lesão inicial na folha.
88 
MA (Cc) (Fig. 3). Evolução das lesões na folha.
89 
MA (Cc) (Fig. 4). Sintomas evoluídos na folha.
90 
MA (Cc) (Fig. 5). Sintomas evoluídos na folha.
91 
MA (Cc) (Fig. 6). Sintomas evoluídos na folha.
92 
MA (Cc) (Fig. 7). Sintomas evoluídos na folha.
93 
MA (Cc) (Fig. 8). Sintomas evoluídos nas folhas.
94 
MA (Cc) (Fig. 9). Sintomas evoluídos nas folhas.
95 
MA (Cc) (Fig. 10). Sintomas evoluídos nas folhas.
96 
MA (Cc) (Fig. 11). Sintomas no terço inferior das plantas.
97 
MA (Cc) (Fig. 12). Sintomas nos terços médio e superior das plantas.
98 
MA (Cc) (Fig. 13). Sintomas nas plantas.
99 
Ferrugem da soja 
Agente causal 
Phakopsora pachyrhizi Sydow. 
Disseminação 
A disseminação ocorre pela ação dos ventos e pela chuva. Não ocorre por meio das sementes. 
Condições favoráveis 
As maiores severidades da ferrugem são observadas nos períodos de molhamento foliar prolongado, associado a temperatura 
média diária menor do que 28 °C. 
Para a formação da urédia, é necessário um período de incubação de nove a dez dias, e a formação dos uredósporos ocorre 
após três semanas. 
Descrição 
Os sintomas da ferrugem são mais visíveis a partir da fase de florescimento pleno (fase R2) até o final de ciclo da cultura ou 
de desfolha natural (fase R8), devido ao longo período de molhamento foliar e temperaturas amenas, que são necessárias à 
infecção e esporulação do fungo. 
Inicialmente, as lesões apresentam uma cor verde-acinzentada, que evolui para uma cor marrom-escura ou marrom-avermelhada. 
A variação da cor das lesões está relacionada com a sua idade e a interação entre o genótipo da soja e a raça 
do patógeno. 
No início de desenvolvimento da esporulação, as lesões podem ser confundidas com pústulas bacterianas. 
As pústulas ocorrem principalmente na face inferior dos folíolos e são visíveis. 
As lesões são angulares, delimitadas pelas nervuras foliares. 
O estádio de télia ocorre subepidermicamente e próximo às urédias, apresentando cor marrom-escura ou preta, mostrando 
maturidade.
100 
FS (Pp) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página superior).
101 
FS (Pp) (Fig. 2). Detalhe de lesões na folha (página inferior).
102 
FS (Pp) (Fig. 3). Sintomas em evolução na folha (página superior).
103 
FS (Pp) (Fig. 4). Sintomas em evolução na folha (página inferior).
104 
FS (Pp) (Fig. 5). Sintomas evoluídos na folha (página superior).
105 
FS (Pp) (Fig. 6). Sintomas evoluídos na folha (página inferior).
106 
FS (Pp) (Fig. 7). Sintomas evoluídos nas folhas.
107 
FS (Pp) (Fig. 8). Sintomas nas plantas.
108 
FS (Pp) (Fig. 9). Sintomas nas plantas.
109 
FS (Pp) (Fig. 10). Sintomas nas plantas.
110 
Mofo branco (podridão-branca da haste) 
Agente causal 
Sclerotinia sclerotiorum. 
Disseminação 
Ocorre por meio das sementes, por escleródios aderidos ou misturados, por restos culturais infectados por escleródios, que 
produzirão apotécios. Localmente, a disseminação ocorre pela ação de ascósporos e a dispersão, pela ação dos ventos e pela 
chuva. 
Condições favoráveis 
A Sclerotinia sclerotiorum pode sobreviver por vários anos na forma de escleródios no solo. 
Tanto a liberação dos ascósporos pelos apotécios quanto a infecção da planta são estimuladas com o fechamento do dossel 
da cultura. 
Os ascósporos originados dos apotécios são ejetados sob condições ambientais favoráveis, como abundância de luz e 
temperaturas entre 10 ºC e 25 °C, e disseminados pelo vento. 
As temperaturas amenas, em torno de 20 °C, associadas a condições de alta umidade relativa do ar são favoráveis ao 
desenvolvimento da doença. 
Descrição 
A podridão-branca da haste pode ocorrer tanto no estádio vegetativo quanto no estádio reprodutivo das plantas, principalmente 
após a polinização das flores. 
Os sintomas iniciais são observados na forma de podridão úmida de cor parda e consistência mole, com micélio branco de 
aspecto cotonoso cobrindo o tecido infectado. 
Com a evolução dos sintomas, as folhas ou caules infectados tornam-se marrons, permanecendo eretos, mesmo com a morte 
das plantas. 
Durante a fase vegetativa (VE e VC), as plantas infectadas apresentam folhas amarelas e posteriormente morrem. 
Nas infecções em plantas adultas, os sintomas são observados na forma de murchamento das plantas, crestamento e 
amarelamento das folhas.
111 
MB (Ss) (Fig. 1). Escleródios no solo.
112 
MB (Ss) (Fig. 2). Apotécios.
113 
MB (Ss) (Fig. 3). Apotécio.
114 
MB (Ss) (Fig. 4). Apotécio e escleródio.
115 
MB (Ss) (Fig. 5). Flor em senescência.
116 
MB (Ss) (Fig. 6). Planta em pleno florescimento.
117 
MB (Ss) (Fig. 7). Micélio cotonoso na haste.
118 
MB (Ss) (Fig. 8). Micélio cotonoso na planta.
119 
MB (Ss) (Fig. 9). Escleródios na haste.
120 
MB (Ss) (Fig. 10). Escleródios nas hastes das plantas.
121 
MB (Ss) (Fig. 11). Reboleira de plantas infectadas.
122 
MB (Ss) (Fig. 12). Planta morta pelo mofo branco.
123 
MB (Ss) (Fig. 13). Escleródios no interior da haste de planta morta.
124 
MB (Ss) (Fig. 14). Sintoma na vagem.
125 
MB (Ss) (Fig. 15). Micélio cotonoso na vagem.
126 
MB (Ss) (Fig. 16). Escleródios aderidos às sementes.
127 
MB (Ss) (Fig. 17). Sintoma avermelhado na haste.
128 
MB (Ss) (Fig. 18). Planta com sintoma carijó indicando infecção na haste.
129 
MB (Ss) (Fig. 19). Planta murcha indicando infecção na haste.
130 
MB (Ss) (Fig. 20). Planta foco indicando infecção.
131 
MB (Ss) (Fig. 21). Reboleira de plantas foco indicando infecção.
132 
MB (Ss) (Fig. 22). Planta com e planta sem infecção na haste (observar número de vagens).
133 
Crestamento foliar de cercóspora (mancha-púrpura) 
Agente causal 
Cercospora kikuchii (Matsu & Tomoyasu) Gardner. 
Disseminação 
Ocorre por meio das sementes infectadas, por restos culturais infectados e pela chuva associada ao vento. 
Condições favoráveis 
Temperaturas variando de 22 ºC a 30 °C são favoráveis à evolução da doença. 
A esporulação ocorre de três a cinco dias após a penetração do fungo na planta. 
Períodos longos de molhamento foliar aumentam a severidade da doença. 
Descrição 
O fungo ataca todas as partes da planta, pode ser responsável por severa redução no rendimento e qualidade das sementes. 
No início, os sintomas são pontuações castanho-avermelhadas. As folhas infectadas apresentam uma cor púrpura escura que 
pode se estender por toda a superfície da folha. 
Nas infecções severas, ocorre um desfolhamento prematuro, confundido com senescência precoce.
134 
CF (Ck) (Fig. 1). Sintoma de manchas avermelhadas nos ramos.
135 
CF (Ck) (Fig. 2). Sintoma de manchas avermelhadas nas vagens.
136 
CF (Ck) (Fig. 3). Sintoma de manchas avermelhadas nas vagens.
137 
CF (Ck) (Fig. 4). Sintoma de mancha-púrpura no grão.
138 
CF (Ck) (Fig. 5). Sintoma de mancha-púrpura nos grãos.
139 
Mela da folha (murcha da teia micélica) 
Agente causal 
Rhizoctonia solani Kühn. 
Disseminação 
O fungo ocorre pelo solo contaminado por escleródios e por restos de cultura. 
A disseminação ocorre a partir do inóculo primário, pela água, por meio de respingos de chuva, carregando fragmentos de 
micélio ou escleródios para as folhas e pecíolos das plantas jovens, antes do fechamento entre linhas na lavoura. 
O inóculo secundário é formado pelo crescimento micelial e formação de microescleródios, com disseminação por contato 
de folha ou planta para planta, que ocorre pela ação do vento, respingos de água (chuva ou irrigação e movimentação de 
pessoas e máquinas). 
Condições favoráveis 
Temperaturas variando de 25 °C a 30 °C e alta umidade relativa do ar (acima de 80%). 
Descrição 
Pode ocorrer afetando toda a parte aérea da planta, principalmente as folhas do baixeiro. 
Inicialmente, surgem lesões com aspecto de encharcamento, de cor pardo-avermelhada, que evoluem para lesões maiores de 
cor marrom-escura ou preta. 
As lesões, quando evoluídas, apresentam aspecto de podridão mole e poderão tomar todo o limbo foliar. 
As folhas infectadas aderem-se a outras partes da planta, disseminando a doença para os tecidos sadios.
140 
MF (Rs) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página superior).
141 
MF (Rs) (Fig. 2). Detalhe de lesões na folha (página inferior).
142 
MF (Rs) (Fig. 3). Evolução das lesões na folha.
143 
MF (Rs) (Fig. 4). Evolução das lesões na folha.
144 
MF (Rs) (Fig. 5). Evolução das lesões nas folhas.
145 
MF (Rs) (Fig. 6). Folhas infectadas e podridão mole.
146 
MF (Rs) (Fig. 7). Evolução das lesões nas folhas.
147 
MF (Rs) (Fig. 8). Evolução das lesões nas folhas.
148 
MF (Rs) (Fig. 9). Evolução das lesões nas folhas.
149 
MF (Rs) (Fig. 10). Detalhe do micélio e formação de teia entre as hastes.
150 
MF (Rs) (Fig. 11). Detalhe do micélio e escleródio nas vagens.
151 
MF (Rs) (Fig. 12). Detalhe de escleródio nas vagens.
152 
MF (Rs) (Fig. 13). Detalhe de lesão avermelhada na haste.
153 
MF (Rs) (Fig. 14). Detalhe da teia e escleródio na haste.
154 
Podridão-parda da haste 
Agente causal 
Phialophora gregata. 
Disseminação 
O fungo ocorre pelo solo contaminado e por restos de cultura. 
Existem vários hospedeiros do fungo; a disseminação ocorre pela ação dos ventos e a distribuição na lavoura é observada na 
forma de reboleiras ou manchas ao acaso. 
Condições favoráveis 
Alta umidade e frio durante o período de enchimento de vagens, seguidos de condições de temperaturas elevadas e baixa 
umidade. 
Temperaturas entre 15 ºC e 27 °C promovem o maior desenvolvimento da doença. 
Temperaturas superiores a 27 °C reduzem a descoloração vascular e superiores a 32 °C cessam. 
Descrição 
Os sintomas são uma descoloração de cor marrom-escura do tecido vascular a partir das raízes ou do colo da planta. 
Nas folhas, as plantas infectadas manifestam uma necrose internerval ou “folha carijó”.
155 
PPH (Pg) (Fig. 1). Planta com folhas amareladas indicando infecção na haste.
156 
PPH (Pg) (Fig. 2). Planta com folhas amareladas indicando infecção na haste.
157 
PPH (Pg) (Fig. 3). Haste de planta infectada.
158 
PPH (Pg) (Fig. 4). Detalhe de haste de planta infectada.
159 
Podridão por Phytophthora (podridão da raiz e da haste) 
Agente causal 
Phytophthora megasperma f.sp. glycinea. 
Disseminação 
O fungo ocorre pelo solo contaminado e por restos de cultura. 
Condições favoráveis 
Temperaturas iguais ou superiores a 25 °C e água livre disponível no solo, provocada por compactação ou períodos prolongados 
de saturação de umidade, pelo excesso de chuvas. 
Descrição 
Os sintomas podem ser observados desde a emergência, em que provocam a morte das plântulas, até em plantas adultas, na 
forma de uma podridão aquosa que se inicia na base do caule, evoluindo para os ramos que se encontram até o terço médio 
da haste principal.
160 
PP (Pm) (Fig. 1). Haste de planta infectada.
161 
PP (Pm) (Fig. 2). Haste de planta infectada.
162 
Mancha de mirotécio 
Agente causal 
Myrothecium roridum. 
Disseminação 
A disseminação do fungo ocorre a curta e a longa distâncias, e pela ação do vento e de respingos de água (chuva, irrigação 
e orvalho). 
Condições favoráveis 
As condições favoráveis à ocorrência e evolução são as altas temperaturas, entre 21 °C e 27 °C, a alta umidade do ar (acima 
de 90% de UR) e a alta pluviometria. 
Descrição 
O fungo pode infectar toda a parte aérea da planta, mas os sintomas são mais observados nas folhas. Inicialmente, as lesões 
apresentam-se na forma de manchas verde-claras, que evoluem para manchas arredondadas de cor castanho-clara, e margem 
castanho-escura, tornando-se irregulares e medindo de 3 a 5 mm de diâmetro. Geralmente, no centro da lesão, observam-se 
pequenos pontos brancos, como pequenos tufos de algodão, que são o micélio do fungo, onde se formam massas negras.
163 
MM (Mr) (Fig. 1). Detalhe de lesão na folha (página inferior).
164 
MM (Mr) (Fig. 2). Detalhe da presença de massa negra e micélio na folha.
165 
MM (Mr) (Fig. 3). Detalhe da presença de massa negra e micélio na vagem.
166 
Seca da haste e da vagem 
Agente causal 
Diaporthe phaseolorum var. sojae. 
Disseminação 
Ocorre pelas sementes infectadas. Os respingos de chuva carregam o inóculo a partir dos restos culturais e dão início à 
infecção, que evolui de forma sistêmica. 
É disseminado pelo vento a longas distâncias e ocorre em reboleiras ou manchas ao acaso nas lavouras. 
Condições favoráveis 
As condições favoráveis para o estabelecimento e a ocorrência da doença são a alta umidade e altas temperaturas durante a 
maturação das sementes. 
Períodos de intensa precipitação, altas densidades populacionais e acamamentos favorecem o surgimento precoce e severo 
da doença, mas normalmente os sintomas e danos só são visualizados na senescência das plantas. 
Descrição 
Os sintomas são vagens que ficam chochas ou apodrecem. As vagens infectadas adquirem uma cor esbranquiçada a castanho-clara. 
Quando o fungo se desenvolve, ocorre a frutificação negra, disposta de forma linear. 
As sementes apresentam enrugamento e rachaduras no tegumento, ficam sem brilho e cobertas com micélio de coloração 
esbranquiçada a bege.
167 
SHV (Dp) (Fig. 1). Planta infectada.
168 
SHV (Dp) (Fig. 2). Detalhe da haste infectada.
169 
SHV (Dp) (Fig. 3). Detalhe da vagem infectada.
170 
SHV (Dp) (Fig. 4). Detalhe da vagem infectada.
171 
SHV (Dp) (Fig. 5). Detalhe da vagem infectada.
172 
Crestamento bacteriano 
Agente causal 
Pseudomonas savastanoi p.v. glycinea. 
Disseminação 
Ocorre sob condições de alta umidade e temperaturas amenas. 
Condições favoráveis 
O patógeno se dissemina a partir dos restos culturais, das sementes infectadas e pela chuva. 
Descrição 
Os sintomas podem ocorrer de forma menos evidente nos pecíolos, hastes e vagens, mas são mais observados nas folhas, 
iniciando-se com pequenas lesões de aspecto encharcado, circundadas por um halo amarelado e de aparência translúcida. 
Ao evoluírem, tornam-se necróticas e de contorno angular limitado pelas nervuras secundárias. 
As lesões próximas coalescem e formam grandes manchas, que podem sofrer rasgaduras.
173 
CB (Ps) (Fig. 1). Lesões iniciais na folha (face superior).
174 
CB (Ps) (Fig. 2). Lesões iniciais na folha (face inferior).
175 
CB (Ps) (Fig. 3). Coalescência de lesões (face superior).
176 
CB (Ps) (Fig. 4). Coalescência de lesões (face inferior).
177 
Virose (mosqueado do feijão) 
Agente causal 
Bean Pod Mottle Virus – BPMV. 
Disseminação 
A disseminação ocorre pelas sementes infectadas, sendo transmitida por besouros da espécie Cerotoma facialis maculata. 
Condições favoráveis 
Temperaturas iguais ou superiores a 25 °C e água livre disponível no solo, provocada por compactação ou períodos prolongados 
de saturação de umidade, pelo excesso de chuvas. 
Descrição 
Os sintomas são caracterizados por um mosqueado clorótico e bolhas em folhas jovens. Os sintomas diminuem de intensidade 
à medida que as folhas envelhecem e, em associação com o vírus do mosaico comum da soja, causa severa distorção foliar, 
nanismo e necrose do topo das plantas.
178 
VMF (BPMV) (Fig. 1). Detalhe da virose na folha (sintoma inicial).
179 
VMF (BPMV) (Fig. 2). Detalhe da virose na folha (sintoma evoluído).
180 
VMF (BPMV) (Fig. 3). Detalhe da virose na planta (sintoma evoluído).
181 
Virose (mosaico comum da soja) 
Agente causal 
Soybean Mosaic Virus – SMV. 
Disseminação 
A disseminação ocorre pelas sementes infectadas e diversas espécies de pulgões podem transmitir o vírus de forma não 
persistente. 
Condições favoráveis 
As condições favoráveis para o estabelecimento e a ocorrência da doença são a alta umidade e altas temperaturas durante a 
maturação das sementes. 
Períodos de intensa precipitação, altas densidades populacionais e acamamentos favorecem o surgimento precoce e severo 
da doença, mas normalmente os sintomas e danos só são visualizados na senescência das plantas. 
Descrição 
Alguns genótipos suscetíveis produzem sementes com manchas de cor marrom ou preta, de acordo com a cor do hilo, e podem 
originar plântulas infectadas; entretanto, alguns genótipos suscetíveis não produzem sementes manchadas. Essas sementes 
sem mancha podem transmitir o vírus, originando plântula infectada.
182 
VMCS (SMV) (Fig. 1). Detalhe da virose na planta (sintoma evoluído).
183 
VMCS (SMV) (Fig. 2). Detalhe da virose na planta (sintoma evoluído).
184 
VMCS (SMV) (Fig. 3). Planta com virose (sintoma evoluído).
185 
VMCS (SMV) (Fig. 4). Sementes com manchas no tegumento.
186 
Doenças de final de ciclo (DFCs) 
Agente causal 
Cercospora kikuchii ....................... Crestamento foliar de cercóspora 
Septoria glycines ........................... Mancha-parda da folha 
Colletotrichum truncatum ............ Antracnose 
Cercospora sojina .......................... Mancha olho de rã 
Disseminação 
Ocorrem por meio das sementes infectadas, por restos culturais infectados e pela chuva, associada ao vento. 
Condições favoráveis 
Cercospora kikuchii – temperaturas entre 22 °C e 30 °C e longos períodos de molhamento foliar. 
Septoria glycines – alta umidade, temperaturas amenas e molhamento foliar de 6 a 36 horas. 
Descrição 
A ocorrência simultânea dos patógenos de Cercospora kikuchii (crestamento foliar de cercóspora) e Septoria glycines (mancha-parda 
da folha) e a semelhança dos sintomas dificultam a identificação isolada e são denominadas DFCs (doenças de final 
de ciclo). Outras doenças podem ter a ocorrência associada ao complexo de doenças de final de ciclo, como o Colletotrichum 
truncatum (antracnose) e a Cercospora sojina (mancha olho de rã). 
Cercospora kikuchii 
No início, os sintomas são pontuações castanho-avermelhadas. As folhas infectadas apresentam uma cor púrpura-escura, 
que pode se estender por toda a superfície da folha. 
Nas infecções severas, ocorre um desfolhamento prematuro, confundido com senescência precoce. 
Septoria glycines 
Nas folhas verdes, surgem pequenas pontuações, menores de 1 mm, de cor parda, que, ao se desenvolverem, formam 
manchas maiores, que apresentam halos amarelados e centro de contornos angulares, de coloração parda na face superior 
e rosada na face inferior da folha. 
Quando ocorrem infecções severas, as manchas podem apresentar tamanho suficiente para cobrir as superfícies superior 
e inferior das folhas, provocando desfolha e maturação prematura e consequente redução da produtividade.
187 
DFCs (Fig. 1). Sintoma inicial.
188 
DFCs (Fig. 2). Sintomas em evolução.
189 
DFCs (Fig. 3). Sintomas em evolução (página superior).
190 
DFCs (Fig. 4). Sintomas em evolução (página inferior).
191 
DFCs (Fig. 5). Sintomas evoluídos.
192 
DFCs (Fig. 6). Sintomas evoluídos (folha em senescência).
193 
DFCs (Fig. 7). Sintomas evoluídos (plantas em senescência).
194 
DFCs (Fig. 8). Sintomas evoluídos (lavoura em senescência).
195
196 
Bibliografia 
Manual de identificação de doenças de soja /Ademir Assis Henning (...) [et al.] – 4ª ed., Londrina: Embrapa Soja, 2010. 74 p.: 
il. color.; 18 cm. (Documentos / Embrapa Soja, ISSN 1516-781X; n. 256). 
Alves, R. C., Del Ponte, E. M. Requeima da batata. In: Del Ponte, E. M. (Ed.) Fitopatologia.net – herbário virtual. Departamento 
de Fitossanidade. Agronomia, UFRGS. Disponível em: http://www.ufrgs.br/agronomia/fitossan/herbariovirtual/ficha. 
php?id=101. Acesso em: 2/ago/2007. 
Balardin, Ricardo Silveiro. Doenças da soja / Ricardo Silveiro Balardin – Santa Maria: Ed. Autor, 2002. 100 p.: il., tabs. 1. Soja 
2. Doenças da soja 3. Fitossanidade 4. Controle de doenças 5. Fitopatologia l. Título CDU: 635.655 632.3/.4 632.3/.4:635.655 
635.655.632.3/.4 ISBN 85-902885-1X. 
Manual de fitopatologia / editado por Hiroshi Kimati (...) [et al.]. – 3ª ed. – São Paulo: Agronômica Ceres, 1995 – 1997. 2 v.: 
il. Conteúdo: v.1 Princípios e conceitos – v.2 Doenças das plantas cultivadas 1. Cultura agrícola – Doenças 2. Planta – Doença 
l. Kimati, Hiroshi, ed. CDD 581.2
Fazendo Mais pelo Campo 
Mais saúde para a soja, 
mais resultado para você. 
fmcagricola.com.br 
ATENÇÃO 
Este produto é perigoso à saúde humana, animal e ao meio ambiente. Leia 
atentamente e siga rigorosamente as instruções contidas no rótulo, na bula e receita. 
Utilize sempre os equipamentos de proteção individual. Nunca permita a utilização 
do produto por menores de idade. Faça o Manejo Integrado de Pragas. Descarte 
corretamente as embalagens e restos de produtos. Uso exclusivamente agrícola. 
CONSULTE SEMPRE UM ENGENHEIRO AGRÔNOMO. VENDA SOB RECEITUÁRIO AGRONÔMICO. 
• Fungicida com fórmula exclusiva FMC 
e 3 modos de ação 
• Eficiente contra a ferrugem asiática, 
mancha-alvo, oídio, antracnose 
e doenças de final de ciclo 
• Balanço ideal de ingredientes ativos 
SOMENTE LOCKER TRATA A SOJA POR INTEIRO. 
Produto em fase de Cadastro Estadual nos Estados do Paraná e Espírito Santo.
Ao constatar sintomas dessas doenças, consulte um médico. 
Ou melhor, a equipe FMC: 
FERRUGEM ASIÁTICA: a principal doença que ataca a cultura da soja, pode atingir níveis de severidade entre 30% e 90%, 
causando sérios danos à lavoura e grandes perdas de produtividade. 
MANCHA-ALVO: doença foliar que tem como sintoma uma lesão com um ponto escuro no centro. 
A mancha-alvo está se espalhando ao longo das safras por todo o território nacional. Seu poder de destruição pode 
chegar a 20% de perdas na produtividade. 
OÍDIO: os sintomas são expressos pela presença do fungo nas partes atacadas e por uma cobertura representada por 
uma fina camada de esporos micélios na cor branca ou castanho-acinzentada. 
Em altas infestações, as folhas secam e caem prematuramente. 
Antracnose: uma das principais doenças da soja que, sob condições de alta umidade, causa apodrecimento e queda 
das vagens, abertura das vagens imaturas e germinação dos grãos em formação. Com frequência, sua infecção gera alta 
redução do número de vagens e induz a planta à retenção foliar e haste verde. Além das vagens, a antracnose infecta 
outras partes da planta, causando manchas castanho-escuras. 
DOENÇAS DE FINAL DE CICLO: sob condições favoráveis, as doenças de final de ciclo (mancha-parda e crestamento foliar 
de cercóspora) podem reduzir o rendimento da soja em mais de 20%. Podem também reduzir a qualidade e germinação 
das sementes (mancha-púrpura da semente). 
Produto em fase de Cadastro Estadual nos Estados do Paraná e Espírito Santo.
Vazio 
sanitário 
Rotação de 
culturas 
Adubação 
equilibrada 
Sementes de 
boa qualidade 
Tratamento 
de sementes 
Espaçamento 
e população 
de plantas 
adequados 
Manejo de 
plantas 
daninhas 
Rotação de 
cultivares 
Manejo 
Integrado 
de Doenças 
Aplicação de 
fungicidas
Coletânea FMC: 
cada dia mais completa. 
Prático e completo, o Manual de identificação das 
doenças da soja é mais uma obra da Coletânea 
FMC. Todas as publicações deste acervo podem ser 
acessadas pelo fmcagricola.com.br e visualizadas 
em seu tablet ou celular. 
Baixe agora mesmo no App Store ou no Android Market. 
A Coletânea é composta pelos seguintes manuais: 
Manual de Identificação de Plantas Infestantes (Cultivos de Verão) 
Manual de Identificação de Plantas Infestantes (Cultivos de Inverno) 
Manual de Identificação de Plantas Infestantes (Arroz) 
Manual de Identificação de Plantas Infestantes (Hortifrúti) 
Manual de Doenças do Algodoeiro 
Manual de Pragas do Algodoeiro 
Manual de Insetos Benéficos do Algodoeiro 
Manual de Pragas do Milho 
Manual de Pragas da Soja
Manual de identificacao das doencas da soja
Projeto gráfico: M51 Criatividade Estratégica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Geagra UFG
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Geagra UFG
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
Geagra UFG
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
Geagra UFG
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
Geagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da MangueiraAntracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Anderson Santos
 
MANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESMANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDES
Geagra UFG
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da MangueiraAntracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
 
MANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESMANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDES
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
 

Destaque

Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Origem da mandioca
Origem da mandiocaOrigem da mandioca
Origem da mandioca
Dani Freitas
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
jovemagricultor
 
Mip- mandioca
Mip- mandiocaMip- mandioca
Mip- mandioca
Paula Borges
 
Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandioca
Dufrrj
 
Manual mandioca no_cerrado.pdf usado
Manual mandioca no_cerrado.pdf usadoManual mandioca no_cerrado.pdf usado
Manual mandioca no_cerrado.pdf usado
Yasmin Haluan Porto Moura
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Gustavo Avila
 

Destaque (7)

Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Origem da mandioca
Origem da mandiocaOrigem da mandioca
Origem da mandioca
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
 
Mip- mandioca
Mip- mandiocaMip- mandioca
Mip- mandioca
 
Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandioca
 
Manual mandioca no_cerrado.pdf usado
Manual mandioca no_cerrado.pdf usadoManual mandioca no_cerrado.pdf usado
Manual mandioca no_cerrado.pdf usado
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
 

Semelhante a Manual de identificacao das doencas da soja

Manual combate a broca rcm
Manual combate a broca rcmManual combate a broca rcm
Manual combate a broca rcm
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado MineiroManual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Revista Cafeicultura
 
Técnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do materialTécnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do material
Luís Filipe Marinho
 
Relatório da Terminalia sericea
Relatório da Terminalia sericeaRelatório da Terminalia sericea
Relatório da Terminalia sericea
Falguni Homesh
 
Monitoramento de pragas e doênças em pdf.
Monitoramento de pragas e doênças em pdf.Monitoramento de pragas e doênças em pdf.
Monitoramento de pragas e doênças em pdf.
AntnioPauloRibeiro
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
Luciano Marques
 
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
mnmaill
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Salinizaçao X Cobertura
Salinizaçao X CoberturaSalinizaçao X Cobertura
Salinizaçao X Cobertura
Wilgner Landemberger
 
Guia-Pratico-de-Diagnose fitopatologia.pdf
Guia-Pratico-de-Diagnose fitopatologia.pdfGuia-Pratico-de-Diagnose fitopatologia.pdf
Guia-Pratico-de-Diagnose fitopatologia.pdf
wkaremsousa
 
Circulartecnica 73
Circulartecnica 73Circulartecnica 73
Circulartecnica 73
Flavia Fernandes de Miranda
 
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantasABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
Lenildo Araujo
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
João Siqueira da Mata
 
Pragas em-hortas
Pragas em-hortasPragas em-hortas
Pragas em-hortas
IPVC.ESTG
 
Abc controle de pragas
Abc controle de pragasAbc controle de pragas
Abc controle de pragas
pauloweimann
 
Abc melancia
Abc melanciaAbc melancia
Abc melancia
pauloweimann
 
Fungos identificação cogumelo
Fungos  identificação cogumeloFungos  identificação cogumelo
Fungos identificação cogumelo
Cimá Ferreira
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
pauloweimann
 
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Revista Cafeicultura
 
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
TarkinTarkin
 

Semelhante a Manual de identificacao das doencas da soja (20)

Manual combate a broca rcm
Manual combate a broca rcmManual combate a broca rcm
Manual combate a broca rcm
 
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado MineiroManual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
 
Técnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do materialTécnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do material
 
Relatório da Terminalia sericea
Relatório da Terminalia sericeaRelatório da Terminalia sericea
Relatório da Terminalia sericea
 
Monitoramento de pragas e doênças em pdf.
Monitoramento de pragas e doênças em pdf.Monitoramento de pragas e doênças em pdf.
Monitoramento de pragas e doênças em pdf.
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
 
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Salinizaçao X Cobertura
Salinizaçao X CoberturaSalinizaçao X Cobertura
Salinizaçao X Cobertura
 
Guia-Pratico-de-Diagnose fitopatologia.pdf
Guia-Pratico-de-Diagnose fitopatologia.pdfGuia-Pratico-de-Diagnose fitopatologia.pdf
Guia-Pratico-de-Diagnose fitopatologia.pdf
 
Circulartecnica 73
Circulartecnica 73Circulartecnica 73
Circulartecnica 73
 
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantasABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
 
Pragas em-hortas
Pragas em-hortasPragas em-hortas
Pragas em-hortas
 
Abc controle de pragas
Abc controle de pragasAbc controle de pragas
Abc controle de pragas
 
Abc melancia
Abc melanciaAbc melancia
Abc melancia
 
Fungos identificação cogumelo
Fungos  identificação cogumeloFungos  identificação cogumelo
Fungos identificação cogumelo
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
 
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
 
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
 

Mais de Luciano Marques

Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacaoAndef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Luciano Marques
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Luciano Marques
 
Greening do Citros
Greening do CitrosGreening do Citros
Greening do Citros
Luciano Marques
 
Fitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungosFitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungos
Luciano Marques
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
Luciano Marques
 
Melhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrusMelhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrus
Luciano Marques
 
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São PauloConsiderações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo
Luciano Marques
 
seja doutor do seu citros
seja doutor do seu citrosseja doutor do seu citros
seja doutor do seu citros
Luciano Marques
 
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucarFisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Luciano Marques
 
Olericultura basica2006
Olericultura basica2006Olericultura basica2006
Olericultura basica2006
Luciano Marques
 

Mais de Luciano Marques (10)

Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacaoAndef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacao
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
 
Greening do Citros
Greening do CitrosGreening do Citros
Greening do Citros
 
Fitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungosFitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungos
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
 
Melhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrusMelhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrus
 
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São PauloConsiderações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo
 
seja doutor do seu citros
seja doutor do seu citrosseja doutor do seu citros
seja doutor do seu citros
 
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucarFisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
 
Olericultura basica2006
Olericultura basica2006Olericultura basica2006
Olericultura basica2006
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Manual de identificacao das doencas da soja

  • 1. Manual de identificação das doenças da soja Autor: Paulo Edimar Saran
  • 2. Manual de identificação das doenças da soja Paulo Edimar Saran
  • 4. Agradecimentos Aos familiares de Paulo E. Saran Alzira Catarina B. Saran (mãe) João Saran (pai) João Saran (filho) Mauro Edson Saran (irmão) (in memorian) Selma F. dos Santos Saran (esposa) “Os ventos que às vezes tiram algo que amamos são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar... Por isso, não devemos chorar pelo que nos foi tirado e, sim, aprender a amar o que nos foi dado. Pois tudo aquilo que é realmente nosso nunca se vai para sempre...” Bob Marley Dedico este trabalho à memória de meu eterno amigo e amado irmão, Mauro, a quem sempre tive profundo respeito, admiração e carinho. Agradeço a Deus pelos momentos de convivência que tive ao seu lado.
  • 6. Sumário Introdução ........................................................................................................................9 Períodos de ocorrência das doenças da soja .............................................................10 Variação dos períodos reprodutivos em relação aos ciclos de cultivares de soja ...... 11 Descrição dos estádios vegetativos da soja ...............................................................12 Descrição dos estádios reprodutivos da soja ............................................................13 Descrição das subdivisões da fase R5 em cinco subestádios ..................................14 Observações ................................................................................................................... 15 Tombamento ..................................................................................................................28 Mancha olho de rã ........................................................................................................33 Mancha-parda da folha ................................................................................................39 Míldio da soja ................................................................................................................ 51 Oídio da soja ..................................................................................................................61 Antracnose .....................................................................................................................69 Mancha-alvo .................................................................................................................. 85 Ferrugem da soja ...........................................................................................................99 Mofo branco ................................................................................................................. 110 Crestamento foliar de cercóspora .............................................................................133 Mela da folha ...............................................................................................................139 Podridão-parda da haste ........................................................................................... 154 Podridão por Phytophthora ...................................................................................... 159 Mancha de mirotécio ..................................................................................................162 Seca da haste e da vagem ..........................................................................................166 Crestamento bacteriano .............................................................................................172 Virose (mosqueado do feijão) ....................................................................................177 Virose (mosaico comum da soja)...............................................................................181 Doenças de final de ciclo ............................................................................................186 Bibliografia ...................................................................................................................196
  • 7. 9 Introdução Nas últimas safras, a cultura da soja tem exigido, de maneira crescente, um nível maior de conhecimento técnico e acompanhamento prático das lavouras. A necessidade de rotações entre as culturas, a constante evolução nas opções dos períodos de plantio, as diferentes opções de manejo adotadas, as características das variedades plantadas e as imprevisíveis variações climáticas, associadas ao tipo de solo, sistema de plantio adotado ou o preparo de solo optado, fazem com que novas ocorrências sejam identificadas ou com que as ocorrências já identificadas ou problemas já conhecidos se agravem a cada safra. Para uma estratégia eficaz de acompanhamento das lavouras e controle das doenças, é necessária a adoção de práticas de MID (Manejo Integrado de Doenças). A opção pela prática do MID visa integrar, de forma harmoniosa, as várias ferramentas ou táticas existentes para proteção das plantas, utilizando o manejo ou as regras que consideram as condições econômicas, sociais e ambientais para a tomada de decisão de utilizar ou não um fungicida. O sucesso no controle das doenças está intimamente ligado ao período da interferência realizada, seja ela por meio de medidas legislativas e tratos culturais que visam prevenir ou retardar a ocorrência de doenças para a safra seguinte ou por meio do controle por intervenções químicas aplicadas de forma preventiva ou curativa durante a safra. Nas intervenções químicas, independentemente do método de controle ou dos produtos optados, antes do uso é preciso diagnosticar a verdadeira causa dos sintomas existentes ou antecipar sua ocorrência, tendo como base alguns procedimentos como a sanidade das sementes, o conhecimento das características das variedades optadas, o histórico de ocorrência nas lavouras e as condições favoráveis para a evolução das doenças. Este manual visa, de maneira simples e objetiva, colaborar com os amostradores técnicos de campo, responsáveis pelos monitoramentos, ajudando-os a identificar possíveis falhas no processo de amostragens, e com os profissionais responsáveis pelas recomendações em identificar os sintomas iniciais ou comparar os vários níveis de infecção, identificando a evolução da doença e auxiliando na tomada de decisão quanto à melhor estratégia de controle a ser tomada.
  • 8. 10 DFCs Viroses Crestamento Seca da haste e da vagem Mancha do mirotécio Podridão por Phytophthora Podridão-parda da haste Mela da folha Crestamento foliar de cercóspora Mofo branco Ferrugem da soja Mancha-alvo Antracnose Oídio da soja Míldio da soja Períodos de ocorrência das doenças da soja Mancha-parda da folha Mancha-parda da folha Tombamento Mancha olho de rã VC V1 V2 V3 VN V9 R1 R2 R3 R4 R5.1 R5.2 R5.3 R5.4 R5.5 R6 R7 R8 R9
  • 9. 11 Variação dos períodos reprodutivos em relação aos ciclos de cultivares de soja Ciclo Cultivar de ciclo precoce Fase reprodutiva 50 - 65 dias N° de dias 120 Cultivar de ciclo médio 30 - 50 dias 120 a 130 Cultivar de ciclo tardio 25 - 35 dias > 130 Vegetativo Reprodutivo VC V1 V2 V3 VN V9 R1 R2 R3 R4 R5.1 R5.2 R5.3 R5.4 R5.5 R6 R7 R8 R9
  • 10. 12 Descrição dos estádios vegetativos da soja Estádio denominação DESCRIÇÃO VE Emergência Cotilédones acima da superfície do solo VC Cotilédone Cotilédones completamente abertos V1 Primeiro nó Folhas unifoliadas completamente abertas V2 Segundo nó Primeira folha trifoliada completamente desenvolvida V3 Terceiro nó Segunda folha trifoliada completamente desenvolvida V4 Quarto nó Terceira folha trifoliada completamente desenvolvida V5 Quinto nó Quarta folha trifoliada completamente desenvolvida V6 Sexto nó Quinta folha trifoliada completamente desenvolvida Vn Enésimo nó Enésima folha trifoliada completamente desenvolvida
  • 11. 13 Descrição dos estádios reprodutivos da soja Estádio denominação DESCRIÇÃO R1 Início do florescimento Uma flor aberta em qualquer nó da haste principal R2 Florescimento pleno Uma flor aberta num dos dois últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida R3 Início da formação de vagens Vagem com 5 mm de comprimento num dos quatro últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida R4 Vagem completamente desenvolvida Vagem com 2 cm de comprimento num dos quatro últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida R5 Início do enchimento de grãos Grão com 3 mm de comprimento em vagem num dos quatro últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida R6 Grão verde ou vagem cheia Uma vagem contendo grãos verdes preenchendo as cavidades da vagem de um dos quatro últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida R7 Início da maturidade Uma vagem normal na haste principal com coloração de madura R8 Desfolha natural Plantas com vagens amarelas e 50% de desfolha R9 Maturidade plena 95% das vagens com coloração de madura
  • 12. 14 Descrição das subdivisões da fase R5 em cinco subestádios Estádio deSCRIÇÃO R5.1 Grãos perceptíveis ao tato (o equivalente a 10% da granação) R5.2 Granação de 11% a 25% R5.3 Granação de 26% a 50% R5.4 Granação de 51% a 75% R5.5 Granação de 76% a 100%
  • 13. 15 Observações Durante o processo de vistoria das lavouras, alguns encontros podem induzir ao erro de interpretação de sintomas ou de ocorrências que poderão provocar a demora na intervenção, ou o controle do inóculo primário de uma infecção, ou o uso desnecessário de ações ou produtos. Além de conhecer os sintomas das doenças nocivas à cultura nos seus vários níveis de infecção, os amostradores técnicos de campo devem conhecer também as situações que podem provocar injúrias ou lesões semelhantes a essas infecções. Embora seja aconselhável o controle preventivo ou, no máximo, nos sintomas iniciais das infecções para um maior sucesso no controle das doenças, é necessário ter a certeza da origem da lesão para a rápida tomada de decisão. É bastante comum a presença de injúrias nas lavouras que, quando confundidas com sintomas de doenças, provocam erros de interpretação e acabam onerando ainda mais os custos das mesmas. As condições do ambiente podem favorecer ou dificultar as identificações de lesões nas plantas. Embora, geralmente, as piores condições para as vistorias sejam as melhores condições para a evolução da maioria das doenças, as vistorias deverão ser realizadas mesmo em condições desfavoráveis, principalmente quando essas forem persistentes por longos períodos. A demora no intervalo entre as vistorias poderá provocar uma identificação tardia dos primeiros sintomas na lavoura, elevando os custos para o tratamento, diminuindo a eficiência no resultado das aplicações e diminuindo o período de controle esperado, além de possíveis perdas já ocorrerem. Sendo assim, mesmo as condições do ambiente não sendo propícias para as amostragens, elas deverão obedecer a um intervalo frequente (respeitando os intervalos de carência ou períodos de reentrada de pessoas na área tratada). As condições consideradas boas para as vistorias são aquelas em que se permite visualizar com clareza a panorâmica da lavoura, a superfície das folhas (faces superiores e inferiores) e o terço inferior da lavoura. Os sintomas iniciais das doenças foliares podem ser mais bem identificados quando a folha é posicionada contra a luz solar. Como condições desfavoráveis para as vistorias, consideram-se basicamente aquelas que apresentam molhamento foliar (por chuva, orvalho ou irrigação) ou pouca luminosidade Alguns sintomas que ocorrem nas plantas ou eventos que ocorrem no ambiente das lavouras podem ser citados como erros de interpretação comuns pelos amostradores técnicos de campo menos experientes. Os atritos entre plantas, os sintomas e danos de pragas, as injúrias de óleo mineral, as injúrias provocadas por herbicidas e os “falsos” apotécios estão entre os erros mais comuns de interpretação. Outros sintomas identificados a campo, como folhas carijós ou “soja louca”, poderão ter causas variadas e, algumas vezes, orientam a necessidade de coletas para análise ou de investigação para identificar a real origem dos sintomas.
  • 14. 16 Observação (Fig. 1). Exemplo de condição desfavorável para avaliação foliar (baixa luminosidade).
  • 15. 17 Observação (Fig. 2). Exemplo de condição desfavorável para avaliação foliar (molhamento foliar).
  • 16. 18 Observação (Fig. 3). Exemplo de avaliação foliar (procurando por sintomas iniciais).
  • 17. 19 Observação (Fig. 4). Sintoma de atrito nos ramos.
  • 18. 20 Observação (Fig. 5). Sintoma de ataque de ácaro rajado (confundido com pústulas de ferrugem da soja).
  • 19. 21 Observação (Fig. 6). Sintoma de injúria por óleo mineral (em folha).
  • 20. 22 Observação (Fig. 7.) Sintoma de injúria por óleo mineral (efeito lupa na página superior).
  • 21. 23 Observação (Fig. 8). Sintoma de injúria por óleo mineral (efeito lupa na página superior).
  • 22. 24 Observação (Fig. 9). Sintoma de injúria por herbicida latifolicida pós-emergente (confundido com mancha-parda da folha).
  • 23. 25 Observação (Fig. 10). Alguns exemplos de “falsos apotécios”.
  • 24. 26 Observação (Fig. 11). Sintoma “carijó” evoluindo de clorose a necrose.
  • 25. 27 Observação (Fig. 12). Soja louca.
  • 26. 28 Tombamento (damping-off, morte em reboleira) Agente causal Rhizoctonia solani Kühn. Disseminação O fungo ocorre pelo solo contaminado por escleródios e por restos de cultura. A disseminação ocorre pela semente, e a distribuição na lavoura é observada na forma de reboleiras ou manchas ao acaso. Condições favoráveis Ocorre sob condições de temperatura e umidade elevadas. Descrição O sintoma se inicia com uma podridão castanha e de aspecto aquoso na haste, próximo ao solo. Com a evolução dos sintomas, as lesões evoluem para cima e para baixo da lesão inicial. Posteriormente, as raízes se escurecem e o tecido cortical fica mole e solta-se com facilidade. É bastante frequente a ocorrência de estrangulamento do colo no nível do solo, o que resulta na murcha, tombamento ou sobrevivência temporária das plântulas que emitem raízes adventícias acima da região afetada, mas tombam antes do florescimento.
  • 27. 29 TB (Rs) (Fig. 1). Plântula morta.
  • 28. 30 TB (Rs) (Fig. 2). Plântula morta (detalhe do “anelamento” no coleto).
  • 29. 31 TB (Rs) (Fig. 3). Plântula com “anelamento” no coleto.
  • 30. 32 TB (Rs) (Fig. 4). Morte em reboleira.
  • 31. 33 Mancha olho de rã (cercosporiose) Agente causal Cercospora sojina Hara. Disseminação O inóculo primário e importante agente de disseminação é a semente, mas os restos culturais e o vento associado à chuva também contribuem para a disseminação da doença. Condições favoráveis Períodos chuvosos e quentes favorecem a produção de esporos. Descrição O agente causal da mancha olho de rã é a Cercospora sojina Hara. Pode ocorrer em praticamente qualquer estádio da cultura; porém, geralmente são observadas as maiores incidências a partir do estádio R1. São observados sintomas em praticamente toda a parte aérea da planta, como hastes, vagens, sementes e principalmente folhas. Inicialmente, as lesões aparecem na forma de pequenas manchas encharcadas na face superior, que evoluem para lesões de formato arredondado. As lesões, quando evoluídas e na face superior, apresentam o centro castanho-claro, com as bordas castanho-avermelhadas. Na face inferior, as lesões apresentam uma coloração cinza e a presença de estruturas reprodutivas do fungo. O sintoma das lesões nas folhas são manchas circulares, com halo escuro e o centro marrom-claro.
  • 32. 34 MOR (Cs) (Fig. 1). Folhas com lesões isoladas.
  • 33. 35 MOR (Cs) (Fig. 2). Folha com múltiplas lesões.
  • 34. 36 MOR (Cs) (Fig. 3). Folha com múltiplas lesões.
  • 35. 37 MOR (Cs) (Fig. 4). Folhas com múltiplas lesões.
  • 36. 38 MOR (Cs) (Fig. 5). Detalhe de lesão na folha.
  • 37. 39 Mancha-parda da folha (septoriose) Agente causal Septoria glycines Hemmi. Disseminação A primeira ocorrência se origina de sementes infectadas. A disseminação é favorecida por períodos secos, pelo vento e pela chuva. Sob alta umidade, conídios são liberados por meio da ação da chuva, que os suspende em gotículas que são levadas pelo vento até a deposição sobre o hospedeiro. Condições favoráveis A esporulação é favorecida por períodos de alta umidade e temperaturas amenas, desenvolvendo os sintomas entre 15 ºC e 30 °C, sendo ótima a 25 °C. A incidência da doença aumenta quando o período de molhamento é de 6 a 36 horas. Descrição Os primeiros sintomas são lesões pequenas na forma de pontuações ou manchas angulares de cor parda, podem aparecer aos 15 dias após o surgimento das folhas unifolioladas e são provenientes de infecções nas sementes. Nas folhas verdes, surgem pequenas pontuações, menores que 1 mm, de cor parda que, ao se desenvolverem, formam manchas maiores que apresentam halos amarelados e centro de contornos angulares de coloração parda na face superior e rosada na face inferior da folha. Quando ocorrem infecções severas, as manchas podem apresentar tamanho suficiente para cobrir as superfícies superior e inferior das folhas, provocando desfolha e maturação prematura e consequente redução da produtividade.
  • 38. 40 MPF (Sg) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha.
  • 39. 41 MPF (Sg) (Fig. 2). Lesões iniciais na folha.
  • 40. 42 MPF (Sg) (Fig. 3). Lesões iniciais na folha.
  • 41. 43 MPF (Sg) (Fig. 4). Evolução das lesões na folha.
  • 42. 44 MPF (Sg) (Fig. 5). Evolução das lesões na folha.
  • 43. 45 MPF (Sg) (Fig. 6). Evolução das lesões na folha.
  • 44. 46 MPF (Sg) (Fig. 7). Evolução das lesões na folha.
  • 45. 47 MPF (Sg) (Fig. 8). Evolução das lesões na folha.
  • 46. 48 MPF (Sg) (Fig. 9). Evolução das lesões na folha.
  • 47. 49 MPF (Sg) (Fig. 10). Evolução das lesões nas folhas.
  • 48. 50 MPF (Sg) (Fig. 11). Sintomas evoluídos (desfolha).
  • 49. 51 Míldio da soja Agente causal Peronospora manshurica (Naum.) Syd. Ex Gäum. Disseminação O fungo é introduzido na lavoura por meio de sementes infectadas e disseminado pela ação dos ventos. Condições favoráveis A esporulação é favorecida por períodos de alta umidade e temperaturas amenas, entre 10 ºC e 25 °C. A infecção sistêmica é favorecida entre 20 ºC e 22 °C na fase vegetativa, paralisando seu desenvolvimento na fase reprodutiva do hospedeiro. A esporulação é inibida quando a temperatura é inferior a 10 °C e superior a 30 °C. Descrição O início do desenvolvimento da doença ocorre nas folhas unifolioladas e pode atingir toda a parte aérea das plantas. Os primeiros sintomas ocorrem na forma de pontuações amarelas, que se desenvolvem até atingirem um diâmetro aproximado de 5 mm, posteriormente necrosam, ficando similares às manchas da doença “mancha olho de rã”. Na página superior das folhas, os sintomas evoluem de manchas claras para amarelo-brilhantes com o centro necrosado, e na página inferior são observadas estruturas reprodutivas de aspecto cotonoso, de coloração levemente rosada ou cinza (esporangióforo e esporângio). Em ataques severos, as folhas tornam-se amarelas e marrons, e as bordas ficam enroladas, o que provoca a desfolha prematura. Nas vagens atacadas, as sementes apresentam deterioração ou infecção parcial. No tegumento, desenvolve uma crosta pulverulenta de coloração bege ou castanho-clara, formada de micélio e esporos.
  • 50. 52 MS (Pm) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página superior).
  • 51. 53 MS (Pm) (Fig. 2). Detalhe de lesões na folha (página inferior).
  • 52. 54 MS (Pm) (Fig. 3). Lesão inicial na folha.
  • 53. 55 MS (Pm) (Fig. 4). Evolução das lesões na folha.
  • 54. 56 MS (Pm) (Fig. 5). Evolução das lesões na folha.
  • 55. 57 MS (Pm) (Fig. 6). Evolução das lesões na folha.
  • 56. 58 MS (Pm) (Fig. 7). Evolução das lesões na folha.
  • 57. 59 MS (Pm) (Fig. 8). Sintomas evoluídos na folha.
  • 58. 60 MS (Pm) (Fig. 9). Sintomas evoluídos na folha.
  • 59. 61 Oídio da soja Agente causal Microsphaera diffusa Cke. & Pk. (sin. Erysiphe poligoni DC., E. glycines). Disseminação O fungo é disseminado pelo vento a longas distâncias e se espalha por toda a lavoura de forma generalizada. Condições favoráveis A ocorrência do oídio é mais favorecida em condições de temperaturas entre 18 ºC e 24 °C. Temperaturas superiores a 30 °C inibem o desenvolvimento da doença. Precipitações intensas e frequentes podem constituir um fator inibidor ao desenvolvimento do oídio. Descrição Os sintomas observados são uma massa de micélios e esporos (conídios) na forma de fina camada de cor esbranquiçada e de aspecto cotonoso, formados na superfície das folhas, dos ramos e das vagens.
  • 60. 62 OS (Md) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página inferior).
  • 61. 63 OS (Md) (Fig. 2). Lesões iniciais na folha.
  • 62. 64 OS (Md) (Fig. 3). Sintomas evoluídos nas folhas do terço inferior das plantas.
  • 63. 65 OS (Md) (Fig. 4). Sintomas evoluídos na folha.
  • 64. 66 OS (Md) (Fig. 5). Sintomas evoluídos nas folhas do terço inferior das plantas.
  • 65. 67 OS (Md) (Fig. 6). Sintomas evoluídos nas folhas do terço médio das plantas.
  • 66. 68 OS (Md) (Fig. 7). Sintomas evoluídos nas folhas do terço superior das plantas.
  • 67. 69 Antracnose Agente causal Colletotrichum truncatum (Schwein) Andrus & W. D. Moore. Disseminação Ocorre por meio de sementes infectadas, restos de cultura, pelo vento e pela chuva. Condições favoráveis Altas densidades populacionais, associadas ao molhamento foliar por orvalho prolongado, precipitações frequentes ou alta umidade relativa (mínimo de 12 horas) e temperaturas entre 18 ºC e 25 °C favorecem a ocorrência do fungo. Descrição Os sintomas podem ser observados em praticamente todos os estádios de desenvolvimento da cultura, desde o estádio vegetativo até o estádio reprodutivo, em toda a parte aérea das plantas, como cotilédones, pecíolos, folhas, hastes e vagens. Quando semeadas em condições de alta umidade, as sementes infectadas podem causar tombamento tanto em pré-emergência quanto em pós-emergência das plântulas. Nas plântulas, os sintomas são observados na forma de necrose nos cotilédones. Em lavouras desenvolvidas e na fase de “fechamento”, ocorre o estrangulamento dos pecíolos e ramos tenros sombreados, necrose de pecíolos, cancro nas nervuras e pedúnculo das folhas, cancro nas hastes, cancro nas vagens e desfolha precoce. Quando a infecção ocorre em vagens na fase R3-R4, estas adquirem uma coloração castanho-escura ou negra, ficando retorcidas e sem formação de grãos. Nas vagens, as lesões inicialmente apresentam estrias ou manchas claras de formato arredondado, que evoluem para manchas negras. As vagens infectadas podem cair.
  • 68. 70 AT (Ct) (Fig. 1). Sintomas no cotilédone.
  • 69. 71 AT (Ct) (Fig. 2). Sintoma no pecíolo.
  • 70. 72 AT (Ct) (Fig. 3). Sintoma no pecíolo.
  • 71. 73 AT (Ct) (Fig. 4). Sintoma em ramo tenro.
  • 72. 74 AT (Ct) (Fig. 5). Sintoma e morte do pecíolo.
  • 73. 75 AT (Ct) (Fig. 6). Sintoma na haste.
  • 74. 76 AT (Ct) (Fig. 7). Sintoma no canivete.
  • 75. 77 AT (Ct) (Fig. 8). Sintomas de estrias nas vagens.
  • 76. 78 AT (Ct) (Fig. 9). Sintoma inicial na vagem (lesão clara).
  • 77. 79 AT (Ct) (Fig. 10). Sintoma em evolução na vagem.
  • 78. 80 AT (Ct) (Fig. 11). Sintoma no grão.
  • 79. 81 AT (Ct) (Fig. 12). Sintomas evoluídos nas vagens (mancha negra).
  • 80. 82 AT (Ct) (Fig. 13). Sintomas evoluídos nas vagens.
  • 81. 83 AT (Ct) (Fig. 14). Sintoma de abertura da vagem.
  • 82. 84 AT (Ct) (Fig. 15). Sintoma de abertura das vagens.
  • 83. 85 Mancha-alvo (podridão radicular de Corynespora) Agente causal Corynespora cassiicola (Berk. & Curt.) Wei. Disseminação Ocorre por meio do solo contaminado, pelo vento e pela chuva. Condições favoráveis Altas densidades populacionais, associadas a alta umidade e altas temperaturas. As infecções foliares ocorrem quando a umidade atinge índices superiores a 80%. Períodos secos inibem as infecções foliares e radiculares. No solo, a temperatura ótima situa-se entre 15 ºC e 18 °C, e as plântulas que se desenvolvem à temperatura de 15 °C apresentam lesões nas raízes primárias e crescimento retardado das raízes secundárias. Descrição Embora a doença possa ocorrer em qualquer fase da cultura, é na fase R1 em que a ocorrência é mais frequente. Os sintomas da mancha-alvo são observados em folhas, ramos, vagens, sementes, hipocótilo e raízes. Nas folhas, os sintomas se iniciam na forma de pequenas lesões circulares, rodeadas por halos cloróticos de cor esverdeada que, à medida que evoluem, tornam-se pequenas pontuações de cor castanho-avermelhada, com halos amarelos; quando evoluídas, tornam-se grandes lesões de forma arredondada de cor castanho-clara, que podem medir até 2 cm de diâmetro, e apresentam anéis concêntricos. Em casos de alta severidade e períodos de intensa precipitação ou umidade, as lesões podem coalescer. No final do ciclo da cultura, são observadas lesões nas folhas do terço inferior.
  • 84. 86 MA (Cc) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página superior).
  • 85. 87 MA (Cc) (Fig. 2). Lesão inicial na folha.
  • 86. 88 MA (Cc) (Fig. 3). Evolução das lesões na folha.
  • 87. 89 MA (Cc) (Fig. 4). Sintomas evoluídos na folha.
  • 88. 90 MA (Cc) (Fig. 5). Sintomas evoluídos na folha.
  • 89. 91 MA (Cc) (Fig. 6). Sintomas evoluídos na folha.
  • 90. 92 MA (Cc) (Fig. 7). Sintomas evoluídos na folha.
  • 91. 93 MA (Cc) (Fig. 8). Sintomas evoluídos nas folhas.
  • 92. 94 MA (Cc) (Fig. 9). Sintomas evoluídos nas folhas.
  • 93. 95 MA (Cc) (Fig. 10). Sintomas evoluídos nas folhas.
  • 94. 96 MA (Cc) (Fig. 11). Sintomas no terço inferior das plantas.
  • 95. 97 MA (Cc) (Fig. 12). Sintomas nos terços médio e superior das plantas.
  • 96. 98 MA (Cc) (Fig. 13). Sintomas nas plantas.
  • 97. 99 Ferrugem da soja Agente causal Phakopsora pachyrhizi Sydow. Disseminação A disseminação ocorre pela ação dos ventos e pela chuva. Não ocorre por meio das sementes. Condições favoráveis As maiores severidades da ferrugem são observadas nos períodos de molhamento foliar prolongado, associado a temperatura média diária menor do que 28 °C. Para a formação da urédia, é necessário um período de incubação de nove a dez dias, e a formação dos uredósporos ocorre após três semanas. Descrição Os sintomas da ferrugem são mais visíveis a partir da fase de florescimento pleno (fase R2) até o final de ciclo da cultura ou de desfolha natural (fase R8), devido ao longo período de molhamento foliar e temperaturas amenas, que são necessárias à infecção e esporulação do fungo. Inicialmente, as lesões apresentam uma cor verde-acinzentada, que evolui para uma cor marrom-escura ou marrom-avermelhada. A variação da cor das lesões está relacionada com a sua idade e a interação entre o genótipo da soja e a raça do patógeno. No início de desenvolvimento da esporulação, as lesões podem ser confundidas com pústulas bacterianas. As pústulas ocorrem principalmente na face inferior dos folíolos e são visíveis. As lesões são angulares, delimitadas pelas nervuras foliares. O estádio de télia ocorre subepidermicamente e próximo às urédias, apresentando cor marrom-escura ou preta, mostrando maturidade.
  • 98. 100 FS (Pp) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página superior).
  • 99. 101 FS (Pp) (Fig. 2). Detalhe de lesões na folha (página inferior).
  • 100. 102 FS (Pp) (Fig. 3). Sintomas em evolução na folha (página superior).
  • 101. 103 FS (Pp) (Fig. 4). Sintomas em evolução na folha (página inferior).
  • 102. 104 FS (Pp) (Fig. 5). Sintomas evoluídos na folha (página superior).
  • 103. 105 FS (Pp) (Fig. 6). Sintomas evoluídos na folha (página inferior).
  • 104. 106 FS (Pp) (Fig. 7). Sintomas evoluídos nas folhas.
  • 105. 107 FS (Pp) (Fig. 8). Sintomas nas plantas.
  • 106. 108 FS (Pp) (Fig. 9). Sintomas nas plantas.
  • 107. 109 FS (Pp) (Fig. 10). Sintomas nas plantas.
  • 108. 110 Mofo branco (podridão-branca da haste) Agente causal Sclerotinia sclerotiorum. Disseminação Ocorre por meio das sementes, por escleródios aderidos ou misturados, por restos culturais infectados por escleródios, que produzirão apotécios. Localmente, a disseminação ocorre pela ação de ascósporos e a dispersão, pela ação dos ventos e pela chuva. Condições favoráveis A Sclerotinia sclerotiorum pode sobreviver por vários anos na forma de escleródios no solo. Tanto a liberação dos ascósporos pelos apotécios quanto a infecção da planta são estimuladas com o fechamento do dossel da cultura. Os ascósporos originados dos apotécios são ejetados sob condições ambientais favoráveis, como abundância de luz e temperaturas entre 10 ºC e 25 °C, e disseminados pelo vento. As temperaturas amenas, em torno de 20 °C, associadas a condições de alta umidade relativa do ar são favoráveis ao desenvolvimento da doença. Descrição A podridão-branca da haste pode ocorrer tanto no estádio vegetativo quanto no estádio reprodutivo das plantas, principalmente após a polinização das flores. Os sintomas iniciais são observados na forma de podridão úmida de cor parda e consistência mole, com micélio branco de aspecto cotonoso cobrindo o tecido infectado. Com a evolução dos sintomas, as folhas ou caules infectados tornam-se marrons, permanecendo eretos, mesmo com a morte das plantas. Durante a fase vegetativa (VE e VC), as plantas infectadas apresentam folhas amarelas e posteriormente morrem. Nas infecções em plantas adultas, os sintomas são observados na forma de murchamento das plantas, crestamento e amarelamento das folhas.
  • 109. 111 MB (Ss) (Fig. 1). Escleródios no solo.
  • 110. 112 MB (Ss) (Fig. 2). Apotécios.
  • 111. 113 MB (Ss) (Fig. 3). Apotécio.
  • 112. 114 MB (Ss) (Fig. 4). Apotécio e escleródio.
  • 113. 115 MB (Ss) (Fig. 5). Flor em senescência.
  • 114. 116 MB (Ss) (Fig. 6). Planta em pleno florescimento.
  • 115. 117 MB (Ss) (Fig. 7). Micélio cotonoso na haste.
  • 116. 118 MB (Ss) (Fig. 8). Micélio cotonoso na planta.
  • 117. 119 MB (Ss) (Fig. 9). Escleródios na haste.
  • 118. 120 MB (Ss) (Fig. 10). Escleródios nas hastes das plantas.
  • 119. 121 MB (Ss) (Fig. 11). Reboleira de plantas infectadas.
  • 120. 122 MB (Ss) (Fig. 12). Planta morta pelo mofo branco.
  • 121. 123 MB (Ss) (Fig. 13). Escleródios no interior da haste de planta morta.
  • 122. 124 MB (Ss) (Fig. 14). Sintoma na vagem.
  • 123. 125 MB (Ss) (Fig. 15). Micélio cotonoso na vagem.
  • 124. 126 MB (Ss) (Fig. 16). Escleródios aderidos às sementes.
  • 125. 127 MB (Ss) (Fig. 17). Sintoma avermelhado na haste.
  • 126. 128 MB (Ss) (Fig. 18). Planta com sintoma carijó indicando infecção na haste.
  • 127. 129 MB (Ss) (Fig. 19). Planta murcha indicando infecção na haste.
  • 128. 130 MB (Ss) (Fig. 20). Planta foco indicando infecção.
  • 129. 131 MB (Ss) (Fig. 21). Reboleira de plantas foco indicando infecção.
  • 130. 132 MB (Ss) (Fig. 22). Planta com e planta sem infecção na haste (observar número de vagens).
  • 131. 133 Crestamento foliar de cercóspora (mancha-púrpura) Agente causal Cercospora kikuchii (Matsu & Tomoyasu) Gardner. Disseminação Ocorre por meio das sementes infectadas, por restos culturais infectados e pela chuva associada ao vento. Condições favoráveis Temperaturas variando de 22 ºC a 30 °C são favoráveis à evolução da doença. A esporulação ocorre de três a cinco dias após a penetração do fungo na planta. Períodos longos de molhamento foliar aumentam a severidade da doença. Descrição O fungo ataca todas as partes da planta, pode ser responsável por severa redução no rendimento e qualidade das sementes. No início, os sintomas são pontuações castanho-avermelhadas. As folhas infectadas apresentam uma cor púrpura escura que pode se estender por toda a superfície da folha. Nas infecções severas, ocorre um desfolhamento prematuro, confundido com senescência precoce.
  • 132. 134 CF (Ck) (Fig. 1). Sintoma de manchas avermelhadas nos ramos.
  • 133. 135 CF (Ck) (Fig. 2). Sintoma de manchas avermelhadas nas vagens.
  • 134. 136 CF (Ck) (Fig. 3). Sintoma de manchas avermelhadas nas vagens.
  • 135. 137 CF (Ck) (Fig. 4). Sintoma de mancha-púrpura no grão.
  • 136. 138 CF (Ck) (Fig. 5). Sintoma de mancha-púrpura nos grãos.
  • 137. 139 Mela da folha (murcha da teia micélica) Agente causal Rhizoctonia solani Kühn. Disseminação O fungo ocorre pelo solo contaminado por escleródios e por restos de cultura. A disseminação ocorre a partir do inóculo primário, pela água, por meio de respingos de chuva, carregando fragmentos de micélio ou escleródios para as folhas e pecíolos das plantas jovens, antes do fechamento entre linhas na lavoura. O inóculo secundário é formado pelo crescimento micelial e formação de microescleródios, com disseminação por contato de folha ou planta para planta, que ocorre pela ação do vento, respingos de água (chuva ou irrigação e movimentação de pessoas e máquinas). Condições favoráveis Temperaturas variando de 25 °C a 30 °C e alta umidade relativa do ar (acima de 80%). Descrição Pode ocorrer afetando toda a parte aérea da planta, principalmente as folhas do baixeiro. Inicialmente, surgem lesões com aspecto de encharcamento, de cor pardo-avermelhada, que evoluem para lesões maiores de cor marrom-escura ou preta. As lesões, quando evoluídas, apresentam aspecto de podridão mole e poderão tomar todo o limbo foliar. As folhas infectadas aderem-se a outras partes da planta, disseminando a doença para os tecidos sadios.
  • 138. 140 MF (Rs) (Fig. 1). Detalhe de lesões na folha (página superior).
  • 139. 141 MF (Rs) (Fig. 2). Detalhe de lesões na folha (página inferior).
  • 140. 142 MF (Rs) (Fig. 3). Evolução das lesões na folha.
  • 141. 143 MF (Rs) (Fig. 4). Evolução das lesões na folha.
  • 142. 144 MF (Rs) (Fig. 5). Evolução das lesões nas folhas.
  • 143. 145 MF (Rs) (Fig. 6). Folhas infectadas e podridão mole.
  • 144. 146 MF (Rs) (Fig. 7). Evolução das lesões nas folhas.
  • 145. 147 MF (Rs) (Fig. 8). Evolução das lesões nas folhas.
  • 146. 148 MF (Rs) (Fig. 9). Evolução das lesões nas folhas.
  • 147. 149 MF (Rs) (Fig. 10). Detalhe do micélio e formação de teia entre as hastes.
  • 148. 150 MF (Rs) (Fig. 11). Detalhe do micélio e escleródio nas vagens.
  • 149. 151 MF (Rs) (Fig. 12). Detalhe de escleródio nas vagens.
  • 150. 152 MF (Rs) (Fig. 13). Detalhe de lesão avermelhada na haste.
  • 151. 153 MF (Rs) (Fig. 14). Detalhe da teia e escleródio na haste.
  • 152. 154 Podridão-parda da haste Agente causal Phialophora gregata. Disseminação O fungo ocorre pelo solo contaminado e por restos de cultura. Existem vários hospedeiros do fungo; a disseminação ocorre pela ação dos ventos e a distribuição na lavoura é observada na forma de reboleiras ou manchas ao acaso. Condições favoráveis Alta umidade e frio durante o período de enchimento de vagens, seguidos de condições de temperaturas elevadas e baixa umidade. Temperaturas entre 15 ºC e 27 °C promovem o maior desenvolvimento da doença. Temperaturas superiores a 27 °C reduzem a descoloração vascular e superiores a 32 °C cessam. Descrição Os sintomas são uma descoloração de cor marrom-escura do tecido vascular a partir das raízes ou do colo da planta. Nas folhas, as plantas infectadas manifestam uma necrose internerval ou “folha carijó”.
  • 153. 155 PPH (Pg) (Fig. 1). Planta com folhas amareladas indicando infecção na haste.
  • 154. 156 PPH (Pg) (Fig. 2). Planta com folhas amareladas indicando infecção na haste.
  • 155. 157 PPH (Pg) (Fig. 3). Haste de planta infectada.
  • 156. 158 PPH (Pg) (Fig. 4). Detalhe de haste de planta infectada.
  • 157. 159 Podridão por Phytophthora (podridão da raiz e da haste) Agente causal Phytophthora megasperma f.sp. glycinea. Disseminação O fungo ocorre pelo solo contaminado e por restos de cultura. Condições favoráveis Temperaturas iguais ou superiores a 25 °C e água livre disponível no solo, provocada por compactação ou períodos prolongados de saturação de umidade, pelo excesso de chuvas. Descrição Os sintomas podem ser observados desde a emergência, em que provocam a morte das plântulas, até em plantas adultas, na forma de uma podridão aquosa que se inicia na base do caule, evoluindo para os ramos que se encontram até o terço médio da haste principal.
  • 158. 160 PP (Pm) (Fig. 1). Haste de planta infectada.
  • 159. 161 PP (Pm) (Fig. 2). Haste de planta infectada.
  • 160. 162 Mancha de mirotécio Agente causal Myrothecium roridum. Disseminação A disseminação do fungo ocorre a curta e a longa distâncias, e pela ação do vento e de respingos de água (chuva, irrigação e orvalho). Condições favoráveis As condições favoráveis à ocorrência e evolução são as altas temperaturas, entre 21 °C e 27 °C, a alta umidade do ar (acima de 90% de UR) e a alta pluviometria. Descrição O fungo pode infectar toda a parte aérea da planta, mas os sintomas são mais observados nas folhas. Inicialmente, as lesões apresentam-se na forma de manchas verde-claras, que evoluem para manchas arredondadas de cor castanho-clara, e margem castanho-escura, tornando-se irregulares e medindo de 3 a 5 mm de diâmetro. Geralmente, no centro da lesão, observam-se pequenos pontos brancos, como pequenos tufos de algodão, que são o micélio do fungo, onde se formam massas negras.
  • 161. 163 MM (Mr) (Fig. 1). Detalhe de lesão na folha (página inferior).
  • 162. 164 MM (Mr) (Fig. 2). Detalhe da presença de massa negra e micélio na folha.
  • 163. 165 MM (Mr) (Fig. 3). Detalhe da presença de massa negra e micélio na vagem.
  • 164. 166 Seca da haste e da vagem Agente causal Diaporthe phaseolorum var. sojae. Disseminação Ocorre pelas sementes infectadas. Os respingos de chuva carregam o inóculo a partir dos restos culturais e dão início à infecção, que evolui de forma sistêmica. É disseminado pelo vento a longas distâncias e ocorre em reboleiras ou manchas ao acaso nas lavouras. Condições favoráveis As condições favoráveis para o estabelecimento e a ocorrência da doença são a alta umidade e altas temperaturas durante a maturação das sementes. Períodos de intensa precipitação, altas densidades populacionais e acamamentos favorecem o surgimento precoce e severo da doença, mas normalmente os sintomas e danos só são visualizados na senescência das plantas. Descrição Os sintomas são vagens que ficam chochas ou apodrecem. As vagens infectadas adquirem uma cor esbranquiçada a castanho-clara. Quando o fungo se desenvolve, ocorre a frutificação negra, disposta de forma linear. As sementes apresentam enrugamento e rachaduras no tegumento, ficam sem brilho e cobertas com micélio de coloração esbranquiçada a bege.
  • 165. 167 SHV (Dp) (Fig. 1). Planta infectada.
  • 166. 168 SHV (Dp) (Fig. 2). Detalhe da haste infectada.
  • 167. 169 SHV (Dp) (Fig. 3). Detalhe da vagem infectada.
  • 168. 170 SHV (Dp) (Fig. 4). Detalhe da vagem infectada.
  • 169. 171 SHV (Dp) (Fig. 5). Detalhe da vagem infectada.
  • 170. 172 Crestamento bacteriano Agente causal Pseudomonas savastanoi p.v. glycinea. Disseminação Ocorre sob condições de alta umidade e temperaturas amenas. Condições favoráveis O patógeno se dissemina a partir dos restos culturais, das sementes infectadas e pela chuva. Descrição Os sintomas podem ocorrer de forma menos evidente nos pecíolos, hastes e vagens, mas são mais observados nas folhas, iniciando-se com pequenas lesões de aspecto encharcado, circundadas por um halo amarelado e de aparência translúcida. Ao evoluírem, tornam-se necróticas e de contorno angular limitado pelas nervuras secundárias. As lesões próximas coalescem e formam grandes manchas, que podem sofrer rasgaduras.
  • 171. 173 CB (Ps) (Fig. 1). Lesões iniciais na folha (face superior).
  • 172. 174 CB (Ps) (Fig. 2). Lesões iniciais na folha (face inferior).
  • 173. 175 CB (Ps) (Fig. 3). Coalescência de lesões (face superior).
  • 174. 176 CB (Ps) (Fig. 4). Coalescência de lesões (face inferior).
  • 175. 177 Virose (mosqueado do feijão) Agente causal Bean Pod Mottle Virus – BPMV. Disseminação A disseminação ocorre pelas sementes infectadas, sendo transmitida por besouros da espécie Cerotoma facialis maculata. Condições favoráveis Temperaturas iguais ou superiores a 25 °C e água livre disponível no solo, provocada por compactação ou períodos prolongados de saturação de umidade, pelo excesso de chuvas. Descrição Os sintomas são caracterizados por um mosqueado clorótico e bolhas em folhas jovens. Os sintomas diminuem de intensidade à medida que as folhas envelhecem e, em associação com o vírus do mosaico comum da soja, causa severa distorção foliar, nanismo e necrose do topo das plantas.
  • 176. 178 VMF (BPMV) (Fig. 1). Detalhe da virose na folha (sintoma inicial).
  • 177. 179 VMF (BPMV) (Fig. 2). Detalhe da virose na folha (sintoma evoluído).
  • 178. 180 VMF (BPMV) (Fig. 3). Detalhe da virose na planta (sintoma evoluído).
  • 179. 181 Virose (mosaico comum da soja) Agente causal Soybean Mosaic Virus – SMV. Disseminação A disseminação ocorre pelas sementes infectadas e diversas espécies de pulgões podem transmitir o vírus de forma não persistente. Condições favoráveis As condições favoráveis para o estabelecimento e a ocorrência da doença são a alta umidade e altas temperaturas durante a maturação das sementes. Períodos de intensa precipitação, altas densidades populacionais e acamamentos favorecem o surgimento precoce e severo da doença, mas normalmente os sintomas e danos só são visualizados na senescência das plantas. Descrição Alguns genótipos suscetíveis produzem sementes com manchas de cor marrom ou preta, de acordo com a cor do hilo, e podem originar plântulas infectadas; entretanto, alguns genótipos suscetíveis não produzem sementes manchadas. Essas sementes sem mancha podem transmitir o vírus, originando plântula infectada.
  • 180. 182 VMCS (SMV) (Fig. 1). Detalhe da virose na planta (sintoma evoluído).
  • 181. 183 VMCS (SMV) (Fig. 2). Detalhe da virose na planta (sintoma evoluído).
  • 182. 184 VMCS (SMV) (Fig. 3). Planta com virose (sintoma evoluído).
  • 183. 185 VMCS (SMV) (Fig. 4). Sementes com manchas no tegumento.
  • 184. 186 Doenças de final de ciclo (DFCs) Agente causal Cercospora kikuchii ....................... Crestamento foliar de cercóspora Septoria glycines ........................... Mancha-parda da folha Colletotrichum truncatum ............ Antracnose Cercospora sojina .......................... Mancha olho de rã Disseminação Ocorrem por meio das sementes infectadas, por restos culturais infectados e pela chuva, associada ao vento. Condições favoráveis Cercospora kikuchii – temperaturas entre 22 °C e 30 °C e longos períodos de molhamento foliar. Septoria glycines – alta umidade, temperaturas amenas e molhamento foliar de 6 a 36 horas. Descrição A ocorrência simultânea dos patógenos de Cercospora kikuchii (crestamento foliar de cercóspora) e Septoria glycines (mancha-parda da folha) e a semelhança dos sintomas dificultam a identificação isolada e são denominadas DFCs (doenças de final de ciclo). Outras doenças podem ter a ocorrência associada ao complexo de doenças de final de ciclo, como o Colletotrichum truncatum (antracnose) e a Cercospora sojina (mancha olho de rã). Cercospora kikuchii No início, os sintomas são pontuações castanho-avermelhadas. As folhas infectadas apresentam uma cor púrpura-escura, que pode se estender por toda a superfície da folha. Nas infecções severas, ocorre um desfolhamento prematuro, confundido com senescência precoce. Septoria glycines Nas folhas verdes, surgem pequenas pontuações, menores de 1 mm, de cor parda, que, ao se desenvolverem, formam manchas maiores, que apresentam halos amarelados e centro de contornos angulares, de coloração parda na face superior e rosada na face inferior da folha. Quando ocorrem infecções severas, as manchas podem apresentar tamanho suficiente para cobrir as superfícies superior e inferior das folhas, provocando desfolha e maturação prematura e consequente redução da produtividade.
  • 185. 187 DFCs (Fig. 1). Sintoma inicial.
  • 186. 188 DFCs (Fig. 2). Sintomas em evolução.
  • 187. 189 DFCs (Fig. 3). Sintomas em evolução (página superior).
  • 188. 190 DFCs (Fig. 4). Sintomas em evolução (página inferior).
  • 189. 191 DFCs (Fig. 5). Sintomas evoluídos.
  • 190. 192 DFCs (Fig. 6). Sintomas evoluídos (folha em senescência).
  • 191. 193 DFCs (Fig. 7). Sintomas evoluídos (plantas em senescência).
  • 192. 194 DFCs (Fig. 8). Sintomas evoluídos (lavoura em senescência).
  • 193. 195
  • 194. 196 Bibliografia Manual de identificação de doenças de soja /Ademir Assis Henning (...) [et al.] – 4ª ed., Londrina: Embrapa Soja, 2010. 74 p.: il. color.; 18 cm. (Documentos / Embrapa Soja, ISSN 1516-781X; n. 256). Alves, R. C., Del Ponte, E. M. Requeima da batata. In: Del Ponte, E. M. (Ed.) Fitopatologia.net – herbário virtual. Departamento de Fitossanidade. Agronomia, UFRGS. Disponível em: http://www.ufrgs.br/agronomia/fitossan/herbariovirtual/ficha. php?id=101. Acesso em: 2/ago/2007. Balardin, Ricardo Silveiro. Doenças da soja / Ricardo Silveiro Balardin – Santa Maria: Ed. Autor, 2002. 100 p.: il., tabs. 1. Soja 2. Doenças da soja 3. Fitossanidade 4. Controle de doenças 5. Fitopatologia l. Título CDU: 635.655 632.3/.4 632.3/.4:635.655 635.655.632.3/.4 ISBN 85-902885-1X. Manual de fitopatologia / editado por Hiroshi Kimati (...) [et al.]. – 3ª ed. – São Paulo: Agronômica Ceres, 1995 – 1997. 2 v.: il. Conteúdo: v.1 Princípios e conceitos – v.2 Doenças das plantas cultivadas 1. Cultura agrícola – Doenças 2. Planta – Doença l. Kimati, Hiroshi, ed. CDD 581.2
  • 195. Fazendo Mais pelo Campo Mais saúde para a soja, mais resultado para você. fmcagricola.com.br ATENÇÃO Este produto é perigoso à saúde humana, animal e ao meio ambiente. Leia atentamente e siga rigorosamente as instruções contidas no rótulo, na bula e receita. Utilize sempre os equipamentos de proteção individual. Nunca permita a utilização do produto por menores de idade. Faça o Manejo Integrado de Pragas. Descarte corretamente as embalagens e restos de produtos. Uso exclusivamente agrícola. CONSULTE SEMPRE UM ENGENHEIRO AGRÔNOMO. VENDA SOB RECEITUÁRIO AGRONÔMICO. • Fungicida com fórmula exclusiva FMC e 3 modos de ação • Eficiente contra a ferrugem asiática, mancha-alvo, oídio, antracnose e doenças de final de ciclo • Balanço ideal de ingredientes ativos SOMENTE LOCKER TRATA A SOJA POR INTEIRO. Produto em fase de Cadastro Estadual nos Estados do Paraná e Espírito Santo.
  • 196. Ao constatar sintomas dessas doenças, consulte um médico. Ou melhor, a equipe FMC: FERRUGEM ASIÁTICA: a principal doença que ataca a cultura da soja, pode atingir níveis de severidade entre 30% e 90%, causando sérios danos à lavoura e grandes perdas de produtividade. MANCHA-ALVO: doença foliar que tem como sintoma uma lesão com um ponto escuro no centro. A mancha-alvo está se espalhando ao longo das safras por todo o território nacional. Seu poder de destruição pode chegar a 20% de perdas na produtividade. OÍDIO: os sintomas são expressos pela presença do fungo nas partes atacadas e por uma cobertura representada por uma fina camada de esporos micélios na cor branca ou castanho-acinzentada. Em altas infestações, as folhas secam e caem prematuramente. Antracnose: uma das principais doenças da soja que, sob condições de alta umidade, causa apodrecimento e queda das vagens, abertura das vagens imaturas e germinação dos grãos em formação. Com frequência, sua infecção gera alta redução do número de vagens e induz a planta à retenção foliar e haste verde. Além das vagens, a antracnose infecta outras partes da planta, causando manchas castanho-escuras. DOENÇAS DE FINAL DE CICLO: sob condições favoráveis, as doenças de final de ciclo (mancha-parda e crestamento foliar de cercóspora) podem reduzir o rendimento da soja em mais de 20%. Podem também reduzir a qualidade e germinação das sementes (mancha-púrpura da semente). Produto em fase de Cadastro Estadual nos Estados do Paraná e Espírito Santo.
  • 197. Vazio sanitário Rotação de culturas Adubação equilibrada Sementes de boa qualidade Tratamento de sementes Espaçamento e população de plantas adequados Manejo de plantas daninhas Rotação de cultivares Manejo Integrado de Doenças Aplicação de fungicidas
  • 198. Coletânea FMC: cada dia mais completa. Prático e completo, o Manual de identificação das doenças da soja é mais uma obra da Coletânea FMC. Todas as publicações deste acervo podem ser acessadas pelo fmcagricola.com.br e visualizadas em seu tablet ou celular. Baixe agora mesmo no App Store ou no Android Market. A Coletânea é composta pelos seguintes manuais: Manual de Identificação de Plantas Infestantes (Cultivos de Verão) Manual de Identificação de Plantas Infestantes (Cultivos de Inverno) Manual de Identificação de Plantas Infestantes (Arroz) Manual de Identificação de Plantas Infestantes (Hortifrúti) Manual de Doenças do Algodoeiro Manual de Pragas do Algodoeiro Manual de Insetos Benéficos do Algodoeiro Manual de Pragas do Milho Manual de Pragas da Soja
  • 200. Projeto gráfico: M51 Criatividade Estratégica