SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.
44 • Público • Quinta-feira, 3 de Agosto de 2017
do Norte é uma democracia (o que gerou
polémica no próprio seio do partido, diga-se
em abono da sua democraticidade interna),
e mais recentemente (fevereiro de 2014) o
PCP votou isolado no Parlamento contra
a condenação dos crimes cometidos por
aquele regime despótico. Na campanha
presidencial de 2016 foi patético o tergiversar
de Edgar Silva (candidato do PCP) no
debate televisivo com Marisa Matias (BE)
a propósito de uma pergunta direta sobre
o mesmo assunto. Já o caso de Angola,
designadamente a mediatização que foi
dada ao protesto pacífico de um grupo
de jovens, cujo principal protagonista, o
músico Luaty Beirão, esteve em greve de
fome durante mais de um mês, revelou
divisões claras entre o PCP e o Bloco, com
o primeiro a ficar inicialmente calado e os
bloquistas a assumirem uma solidariedade
ativa, denunciando o regime cleptocrático de
Eduardo dos Santos.
No Parlamento, o
PC não ficou isolado
nem acompanhou
PS e BE nas suas
propostas de
condenação,
preferindo votar
ao lado da direita
por considerar que
tal voto visava “pôr
em causa o normal
funcionamento
das instituições
angolanas”.
A terrível
situação que
atinge a Venezuela
é mais um caso
emblemático dos
equívocos de alguns
setores da esquerda
portuguesa. Há cerca
de um ano, Mariana
Mortágua, realçando
ESPAÇOPÚBLICO
A situação na Venezuela é
mais um caso emblemático
dos equívocos de setores da
esquerda portuguesa
ElísioEstanque
Entre o populismo
e o euroceticismo
P
ode dizer-se que o populismo se
define como um discurso baseado
em juízos simplistas e dicotomias
fáceis. Diz-se ao povo (às massas)
o que ele espera ouvir, sabendo-
se que o senso comum popular é
fundado no princípio maniqueísta
que divide a sociedade entre os
bons e os maus. Portanto, como
afirmou um dos seus teóricos (Cas
Mudde, 2004), o populismo pretende acima
de tudo “agradar aos eleitores/povo e assim
‘comprar’ o seu apoio em vez de procurar —
racionalmente — a ‘melhor opinião’”. Muito
já foi dito sobre populismo e nacionalismo e
muito está por dizer.
Pode distinguir-se o populismo de direita
do de esquerda, com base sobretudo nos
objetivos enunciados, ou seja, oportunidades
individuais e primazia do mercado (no
caso da direita liberal) e, por outro lado,
mais igualdade e mais políticas sociais
(no caso da esquerda). A defesa do povo
contra as elites e a alusão a uma identidade
“autêntica” (nacional ou local) que emana
da comunidade podem ser, e são, elementos
partilhados pelos populismos de direita
e de esquerda. Entre a esquerda ganhou
visibilidade a posição do Podemos, em
Espanha, quando o seu líder assumiu
(num desafio a E. Laclau, outro teórico do
assunto) que ser ou não populista depende
se se está no poder ou na oposição. Se
estás na oposição e queres construir novos
sujeitos políticos “hay que ser-lo”, diria
Iglesias. Quando se governa, termina o
populismo e pode ter lugar uma espécie de
“compromisso histórico” (à la Berlinguer).
Essa atitude ambivalente exprime-se na
fórmula estar “com um pé dentro e outro
fora” das instituições. Podemos e BE
partilham esse princípio, enquanto o PC
está dentro fingindo estar fora, no seu estilo
esquizofrénico.
Uma outra vertente dos equívocos da
esquerda radical (nomeadamente no
caso de Portugal) é no que se refere aos
alinhamentos internacionais. Quer o PCP
quer o BE têm revelado posições ambíguas,
o que, eventualmente, se liga ao facto de
estarem agora no arco do poder. Quanto ao
primeiro, paira ainda no ar a célebre máxima
de um seu dirigente (Bernardino Soares)
quando, em 2003, afirmou ter “dúvidas”
quanto a considerar se o regime da Coreia
os indicadores positivos conseguidos pelo
chavismo, como a redução significativa da
pobreza e a melhoria na educação e saúde —
dados factuais conhecidos, mas insuficientes
para justificar o resto —, afirmava, no
Esquerda.net, que “o Governo da Venezuela
cometeu erros graves: retirou poderes
ao Parlamento, diminuiu a democracia,
permitiu a corrupção em volta do petróleo
e foi incapaz de construir uma rede de
serviços públicos alicerçada numa economia
diversificada. A Revolução Bolivariana
degrada-se a olhos vistos”. “Erros graves.”
Do Bloco espera-se mais. No momento em
que escrevo acabo de ler o comunicado
do PCP sobre a eleição para uma nova
Assembleia Constituinte na Venezuela. O tom
eufórico é um hino a Maduro, exaltando este
“ato de afirmação democrática” contra “o
ataque ao povo venezuelano pelos Estados
Unidos e União Europeia”. O número oficial
de votantes foi expressivo (41,5%), mas os
observadores internacionais duvidam da
veracidade dos mesmos. Numa afirmação
curiosa de respeito pela democracia eleitoral
(as manifestações boas são só as nossas...)
e de condenação dos protestos de massas
neste país durante meses seguidos, onde já
morreram mais de uma centena de pessoas,
em luta aberta contra a fome e o populismo
chavista do atual governo, o PCP congratula-
se e parece ter sido o primeiro a fazê-lo, o
que diz bem do seu entusiasmo. Tudo culpa
da quebra do preço do petróleo e dos EUA?
Excelente exemplo de uma análise populista.
O curioso é constatar a dualidade de
critérios. E isto não vale apenas para os
comunistas. Quando, na Europa ou nos EUA,
as manifestações de rua são consideradas
progressistas, na Venezuela são tidas
como golpistas, alegadamente a mando
das potências ocidentais e da CIA, que
manipulam milhões de jovens em protesto
dia após dia. Tirando uns quantos inocentes,
todos sabemos que os interesses petrolíferos
são em muitos casos decisivos, tal como o
Algumas
destas
posições
danossa
esquerda,
sãoapenaso
reversodoseu
visceralanti-
europeísmo
Sociólogo;professordaFaculdadede
EconomiadaUniversidadedeCoimbra
são — e foram no passado — os interesses
geoestratégicos das grandes potências. A
conversa de que “é ao povo que cabe decidir
o seu próprio futuro” é uma proclamação
de pura retórica, tão válida hoje como em
Portugal em 1975, tão válida na Venezuela
como na Hungria (Orban fez algo semelhante
a Maduro), no Afeganistão, na Líbia, no Irão
ou na Ucrânia. Ou não será?...
Já agora, convém lembrar o
posicionamento destas correntes no atual
cenário internacional, com a crítica a Trump
pelo meio (foi ele, de resto, quem mais
ajudou a colocar o tema na ordem do dia),
mas em que as suas ligações perigosas com
o amigo Putin ou as iniciativas imperialistas
deste (Ucrânia) e atividades criminosas a
seu mando ou com a anuência do Kremlin
(nos EUA ou na UE) em diversas matérias,
nomeadamente o conhecido apoio a forças
neofascistas (Le Pen), merecem apenas a
condescendência e o silêncio.
Em suma, algumas destas posições da
nossa esquerda (com algumas exceções,
importa sublinhar) no alinhamento com
regimes populistas, como o de Chávez-
Maduro ou outros que vão no mesmo
sentido, são apenas o reverso do seu
visceral antieuropeísmo. No discurso,
porque a prática é diferente. Não falo da
atitude crítica à atual UE e aos poderes
tecnocráticos e forças neoliberais a que se
sujeitou por culpa própria. Apontar a crítica
radical às instituições e promover uma
outra Europa, uma Europa transparente,
democrática, solidária e fundada na
cidadania transnacional é o que pretendem
os europeístas genuínos. Essa é também uma
bandeira da esquerda. De outra esquerda.
Vale a pena referir, por exemplo, nomes
como Yanis Varoufakis ou Rui Tavares, para
exemplificar vozes que são ao mesmo tempo
inequivocamente europeístas e de esquerda.
E no campo da social-democracia muitas
opiniões (incluindo o PS e o próprio António
Costa) vão no mesmo sentido.
Já o alinhamento com Mélenchon e a
diabolização de Macron revelam, de facto, o
poderoso efeito populista no seio daquelas
forças políticas, condimentado com algum
dogmatismo de quem ainda finge acreditar
em “amanhãs que cantam”. Trata-se de
um fingimento cínico porque muitas das
posições mais extremadas vêm, justamente,
de quem se apraz em beneficiar do sistema
democrático “burguês” e retirar vantagens
das instituições europeias. Bastaria
confrontar o discurso das várias lideranças
populistas da América Latina ou do Leste
europeu, por exemplo, com o volume (e
a sede) das suas contas bancárias para se
perceber o que é o populismo.
CARLOS GARCIA RAWLINS/REUTERS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeVisto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeElisio Estanque
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Elisio Estanque
 
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Elisio Estanque
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Elisio Estanque
 
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14Elisio Estanque
 
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Elisio Estanque
 
Uma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoUma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoElisio Estanque
 
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Elisio Estanque
 
Manifestações nas ruas, as eleições em 2014 e a política do Bem X Mal
Manifestações nas ruas, as eleições em 2014 e a política do Bem X Mal Manifestações nas ruas, as eleições em 2014 e a política do Bem X Mal
Manifestações nas ruas, as eleições em 2014 e a política do Bem X Mal UFPB
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Elisio Estanque
 
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14Elisio Estanque
 
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJCaderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJseperiodasostrasecasimiro
 
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)GRAZIA TANTA
 
Opinião classe média, beja santos
Opinião classe média, beja santosOpinião classe média, beja santos
Opinião classe média, beja santosElisio Estanque
 
Desigualdade Eleições 2014
Desigualdade Eleições 2014Desigualdade Eleições 2014
Desigualdade Eleições 2014Lucas Bertolo
 
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentar
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentarComo Costa vai engolir a esquerda parlamentar
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentarGRAZIA TANTA
 
Democracia e socialismo
Democracia e socialismoDemocracia e socialismo
Democracia e socialismoDaylson Lima
 

Mais procurados (20)

Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeVisto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
 
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
 
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
 
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
 
Uma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoUma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismo
 
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
 
Jlo262 blog20
Jlo262 blog20Jlo262 blog20
Jlo262 blog20
 
434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok
 
Manifestações nas ruas, as eleições em 2014 e a política do Bem X Mal
Manifestações nas ruas, as eleições em 2014 e a política do Bem X Mal Manifestações nas ruas, as eleições em 2014 e a política do Bem X Mal
Manifestações nas ruas, as eleições em 2014 e a política do Bem X Mal
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
 
O Socialismo Petista
O Socialismo PetistaO Socialismo Petista
O Socialismo Petista
 
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
 
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJCaderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
 
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
 
Opinião classe média, beja santos
Opinião classe média, beja santosOpinião classe média, beja santos
Opinião classe média, beja santos
 
Desigualdade Eleições 2014
Desigualdade Eleições 2014Desigualdade Eleições 2014
Desigualdade Eleições 2014
 
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentar
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentarComo Costa vai engolir a esquerda parlamentar
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentar
 
Democracia e socialismo
Democracia e socialismoDemocracia e socialismo
Democracia e socialismo
 

Semelhante a Entre o populismo e o euroceticismo

A uma democracia de controlo poderá suceder uma democracia de liberdade
A uma democracia de controlo poderá suceder uma democracia de liberdadeA uma democracia de controlo poderá suceder uma democracia de liberdade
A uma democracia de controlo poderá suceder uma democracia de liberdadeGRAZIA TANTA
 
A união europeia diante do avanço da extrema direita e da extrema esquerda
A união europeia diante do avanço da extrema direita e da extrema esquerdaA união europeia diante do avanço da extrema direita e da extrema esquerda
A união europeia diante do avanço da extrema direita e da extrema esquerdaFernando Alcoforado
 
A uniao europeia diante do avanco da extrema direita e da extrema esquerda
A uniao europeia diante do avanco da extrema direita e da extrema esquerdaA uniao europeia diante do avanco da extrema direita e da extrema esquerda
A uniao europeia diante do avanco da extrema direita e da extrema esquerdaRoberto Rabat Chame
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilaugustodefranco .
 
Libelo contra a esquerda no brasil na era contemporânea
Libelo contra a esquerda no brasil na era contemporâneaLibelo contra a esquerda no brasil na era contemporânea
Libelo contra a esquerda no brasil na era contemporâneaFernando Alcoforado
 
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistasBlack bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistasFernando Alcoforado
 
Bss entrevista istoé
Bss entrevista istoéBss entrevista istoé
Bss entrevista istoéjlexeni
 
Brasil, turquia... rumo ao convivialismo? (portugués)
 Brasil, turquia... rumo ao convivialismo? (portugués) Brasil, turquia... rumo ao convivialismo? (portugués)
Brasil, turquia... rumo ao convivialismo? (portugués)educacionsinescuela
 
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo vianaDa ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo vianaFormancipa Extensão
 
Neofascismo e neonazismo no Brasil e no mundo.pptx
Neofascismo e neonazismo no Brasil e no mundo.pptxNeofascismo e neonazismo no Brasil e no mundo.pptx
Neofascismo e neonazismo no Brasil e no mundo.pptxIrisneideMaximo2
 
Análise de conjuntura sintese
Análise de conjuntura sinteseAnálise de conjuntura sintese
Análise de conjuntura sinteseBernadetecebs .
 
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte IIPolítica, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte IIUFPB
 
20160419 O fator Roberto Jefferson
20160419 O fator Roberto Jefferson20160419 O fator Roberto Jefferson
20160419 O fator Roberto JeffersonFrancisco Pinheiro
 
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDFA revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDFELIAS OMEGA
 
A autocrítica que a esquerda precisa fazer
A autocrítica que a esquerda precisa fazerA autocrítica que a esquerda precisa fazer
A autocrítica que a esquerda precisa fazerFernando Alcoforado
 
Esquerda versus direita nas eleicoes presidenciais do brasil
Esquerda versus direita nas eleicoes presidenciais do brasilEsquerda versus direita nas eleicoes presidenciais do brasil
Esquerda versus direita nas eleicoes presidenciais do brasilRoberto Rabat Chame
 

Semelhante a Entre o populismo e o euroceticismo (20)

A uma democracia de controlo poderá suceder uma democracia de liberdade
A uma democracia de controlo poderá suceder uma democracia de liberdadeA uma democracia de controlo poderá suceder uma democracia de liberdade
A uma democracia de controlo poderá suceder uma democracia de liberdade
 
A união europeia diante do avanço da extrema direita e da extrema esquerda
A união europeia diante do avanço da extrema direita e da extrema esquerdaA união europeia diante do avanço da extrema direita e da extrema esquerda
A união europeia diante do avanço da extrema direita e da extrema esquerda
 
A uniao europeia diante do avanco da extrema direita e da extrema esquerda
A uniao europeia diante do avanco da extrema direita e da extrema esquerdaA uniao europeia diante do avanco da extrema direita e da extrema esquerda
A uniao europeia diante do avanco da extrema direita e da extrema esquerda
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
 
Libelo contra a esquerda no brasil na era contemporânea
Libelo contra a esquerda no brasil na era contemporâneaLibelo contra a esquerda no brasil na era contemporânea
Libelo contra a esquerda no brasil na era contemporânea
 
Política
Política  Política
Política
 
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistasBlack bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
 
esquerda_direita Cadernos (1)
esquerda_direita Cadernos (1)esquerda_direita Cadernos (1)
esquerda_direita Cadernos (1)
 
Bss entrevista istoé
Bss entrevista istoéBss entrevista istoé
Bss entrevista istoé
 
Brasil, turquia... rumo ao convivialismo? (portugués)
 Brasil, turquia... rumo ao convivialismo? (portugués) Brasil, turquia... rumo ao convivialismo? (portugués)
Brasil, turquia... rumo ao convivialismo? (portugués)
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo vianaDa ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
 
Neofascismo e neonazismo no Brasil e no mundo.pptx
Neofascismo e neonazismo no Brasil e no mundo.pptxNeofascismo e neonazismo no Brasil e no mundo.pptx
Neofascismo e neonazismo no Brasil e no mundo.pptx
 
Análise de conjuntura sintese
Análise de conjuntura sinteseAnálise de conjuntura sintese
Análise de conjuntura sintese
 
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte IIPolítica, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
 
20160419 O fator Roberto Jefferson
20160419 O fator Roberto Jefferson20160419 O fator Roberto Jefferson
20160419 O fator Roberto Jefferson
 
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDFA revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDF
 
A autocrítica que a esquerda precisa fazer
A autocrítica que a esquerda precisa fazerA autocrítica que a esquerda precisa fazer
A autocrítica que a esquerda precisa fazer
 
Esquerda versus direita nas eleicoes presidenciais do brasil
Esquerda versus direita nas eleicoes presidenciais do brasilEsquerda versus direita nas eleicoes presidenciais do brasil
Esquerda versus direita nas eleicoes presidenciais do brasil
 
O Sociocapitalismo
O SociocapitalismoO Sociocapitalismo
O Sociocapitalismo
 

Mais de Elisio Estanque

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215Elisio Estanque
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Elisio Estanque
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Elisio Estanque
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1Elisio Estanque
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Elisio Estanque
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeElisio Estanque
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Elisio Estanque
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2Elisio Estanque
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Elisio Estanque
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Elisio Estanque
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisElisio Estanque
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Elisio Estanque
 
Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Elisio Estanque
 
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaPortugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaElisio Estanque
 

Mais de Elisio Estanque (20)

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho ee
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015
 
GLU column
GLU column  GLU column
GLU column
 
Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015
 
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaPortugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
 
Voos de borboleta
Voos de borboletaVoos de borboleta
Voos de borboleta
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodriguesfebiris841
 
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...Revista Sociedade Militar
 
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNewsPablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNewsfacir18053
 
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdfDIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdfssuser1dab35
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodriguesfebiris841
 
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdfViagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdfRevista Sociedade Militar
 
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova IguacuQuestionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova IguacuIvesdaSilvaPires
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                         o.pdfrelatorio para alun                         o.pdf
relatorio para alun o.pdfHELLEN CRISTINA
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfdiyij69533
 

Último (12)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
 
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
 
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNewsPablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
 
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdfDIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
 
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdfViagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
 
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova IguacuQuestionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                         o.pdfrelatorio para alun                         o.pdf
relatorio para alun o.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

Entre o populismo e o euroceticismo

  • 1. Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público. Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A. 44 • Público • Quinta-feira, 3 de Agosto de 2017 do Norte é uma democracia (o que gerou polémica no próprio seio do partido, diga-se em abono da sua democraticidade interna), e mais recentemente (fevereiro de 2014) o PCP votou isolado no Parlamento contra a condenação dos crimes cometidos por aquele regime despótico. Na campanha presidencial de 2016 foi patético o tergiversar de Edgar Silva (candidato do PCP) no debate televisivo com Marisa Matias (BE) a propósito de uma pergunta direta sobre o mesmo assunto. Já o caso de Angola, designadamente a mediatização que foi dada ao protesto pacífico de um grupo de jovens, cujo principal protagonista, o músico Luaty Beirão, esteve em greve de fome durante mais de um mês, revelou divisões claras entre o PCP e o Bloco, com o primeiro a ficar inicialmente calado e os bloquistas a assumirem uma solidariedade ativa, denunciando o regime cleptocrático de Eduardo dos Santos. No Parlamento, o PC não ficou isolado nem acompanhou PS e BE nas suas propostas de condenação, preferindo votar ao lado da direita por considerar que tal voto visava “pôr em causa o normal funcionamento das instituições angolanas”. A terrível situação que atinge a Venezuela é mais um caso emblemático dos equívocos de alguns setores da esquerda portuguesa. Há cerca de um ano, Mariana Mortágua, realçando ESPAÇOPÚBLICO A situação na Venezuela é mais um caso emblemático dos equívocos de setores da esquerda portuguesa ElísioEstanque Entre o populismo e o euroceticismo P ode dizer-se que o populismo se define como um discurso baseado em juízos simplistas e dicotomias fáceis. Diz-se ao povo (às massas) o que ele espera ouvir, sabendo- se que o senso comum popular é fundado no princípio maniqueísta que divide a sociedade entre os bons e os maus. Portanto, como afirmou um dos seus teóricos (Cas Mudde, 2004), o populismo pretende acima de tudo “agradar aos eleitores/povo e assim ‘comprar’ o seu apoio em vez de procurar — racionalmente — a ‘melhor opinião’”. Muito já foi dito sobre populismo e nacionalismo e muito está por dizer. Pode distinguir-se o populismo de direita do de esquerda, com base sobretudo nos objetivos enunciados, ou seja, oportunidades individuais e primazia do mercado (no caso da direita liberal) e, por outro lado, mais igualdade e mais políticas sociais (no caso da esquerda). A defesa do povo contra as elites e a alusão a uma identidade “autêntica” (nacional ou local) que emana da comunidade podem ser, e são, elementos partilhados pelos populismos de direita e de esquerda. Entre a esquerda ganhou visibilidade a posição do Podemos, em Espanha, quando o seu líder assumiu (num desafio a E. Laclau, outro teórico do assunto) que ser ou não populista depende se se está no poder ou na oposição. Se estás na oposição e queres construir novos sujeitos políticos “hay que ser-lo”, diria Iglesias. Quando se governa, termina o populismo e pode ter lugar uma espécie de “compromisso histórico” (à la Berlinguer). Essa atitude ambivalente exprime-se na fórmula estar “com um pé dentro e outro fora” das instituições. Podemos e BE partilham esse princípio, enquanto o PC está dentro fingindo estar fora, no seu estilo esquizofrénico. Uma outra vertente dos equívocos da esquerda radical (nomeadamente no caso de Portugal) é no que se refere aos alinhamentos internacionais. Quer o PCP quer o BE têm revelado posições ambíguas, o que, eventualmente, se liga ao facto de estarem agora no arco do poder. Quanto ao primeiro, paira ainda no ar a célebre máxima de um seu dirigente (Bernardino Soares) quando, em 2003, afirmou ter “dúvidas” quanto a considerar se o regime da Coreia os indicadores positivos conseguidos pelo chavismo, como a redução significativa da pobreza e a melhoria na educação e saúde — dados factuais conhecidos, mas insuficientes para justificar o resto —, afirmava, no Esquerda.net, que “o Governo da Venezuela cometeu erros graves: retirou poderes ao Parlamento, diminuiu a democracia, permitiu a corrupção em volta do petróleo e foi incapaz de construir uma rede de serviços públicos alicerçada numa economia diversificada. A Revolução Bolivariana degrada-se a olhos vistos”. “Erros graves.” Do Bloco espera-se mais. No momento em que escrevo acabo de ler o comunicado do PCP sobre a eleição para uma nova Assembleia Constituinte na Venezuela. O tom eufórico é um hino a Maduro, exaltando este “ato de afirmação democrática” contra “o ataque ao povo venezuelano pelos Estados Unidos e União Europeia”. O número oficial de votantes foi expressivo (41,5%), mas os observadores internacionais duvidam da veracidade dos mesmos. Numa afirmação curiosa de respeito pela democracia eleitoral (as manifestações boas são só as nossas...) e de condenação dos protestos de massas neste país durante meses seguidos, onde já morreram mais de uma centena de pessoas, em luta aberta contra a fome e o populismo chavista do atual governo, o PCP congratula- se e parece ter sido o primeiro a fazê-lo, o que diz bem do seu entusiasmo. Tudo culpa da quebra do preço do petróleo e dos EUA? Excelente exemplo de uma análise populista. O curioso é constatar a dualidade de critérios. E isto não vale apenas para os comunistas. Quando, na Europa ou nos EUA, as manifestações de rua são consideradas progressistas, na Venezuela são tidas como golpistas, alegadamente a mando das potências ocidentais e da CIA, que manipulam milhões de jovens em protesto dia após dia. Tirando uns quantos inocentes, todos sabemos que os interesses petrolíferos são em muitos casos decisivos, tal como o Algumas destas posições danossa esquerda, sãoapenaso reversodoseu visceralanti- europeísmo Sociólogo;professordaFaculdadede EconomiadaUniversidadedeCoimbra são — e foram no passado — os interesses geoestratégicos das grandes potências. A conversa de que “é ao povo que cabe decidir o seu próprio futuro” é uma proclamação de pura retórica, tão válida hoje como em Portugal em 1975, tão válida na Venezuela como na Hungria (Orban fez algo semelhante a Maduro), no Afeganistão, na Líbia, no Irão ou na Ucrânia. Ou não será?... Já agora, convém lembrar o posicionamento destas correntes no atual cenário internacional, com a crítica a Trump pelo meio (foi ele, de resto, quem mais ajudou a colocar o tema na ordem do dia), mas em que as suas ligações perigosas com o amigo Putin ou as iniciativas imperialistas deste (Ucrânia) e atividades criminosas a seu mando ou com a anuência do Kremlin (nos EUA ou na UE) em diversas matérias, nomeadamente o conhecido apoio a forças neofascistas (Le Pen), merecem apenas a condescendência e o silêncio. Em suma, algumas destas posições da nossa esquerda (com algumas exceções, importa sublinhar) no alinhamento com regimes populistas, como o de Chávez- Maduro ou outros que vão no mesmo sentido, são apenas o reverso do seu visceral antieuropeísmo. No discurso, porque a prática é diferente. Não falo da atitude crítica à atual UE e aos poderes tecnocráticos e forças neoliberais a que se sujeitou por culpa própria. Apontar a crítica radical às instituições e promover uma outra Europa, uma Europa transparente, democrática, solidária e fundada na cidadania transnacional é o que pretendem os europeístas genuínos. Essa é também uma bandeira da esquerda. De outra esquerda. Vale a pena referir, por exemplo, nomes como Yanis Varoufakis ou Rui Tavares, para exemplificar vozes que são ao mesmo tempo inequivocamente europeístas e de esquerda. E no campo da social-democracia muitas opiniões (incluindo o PS e o próprio António Costa) vão no mesmo sentido. Já o alinhamento com Mélenchon e a diabolização de Macron revelam, de facto, o poderoso efeito populista no seio daquelas forças políticas, condimentado com algum dogmatismo de quem ainda finge acreditar em “amanhãs que cantam”. Trata-se de um fingimento cínico porque muitas das posições mais extremadas vêm, justamente, de quem se apraz em beneficiar do sistema democrático “burguês” e retirar vantagens das instituições europeias. Bastaria confrontar o discurso das várias lideranças populistas da América Latina ou do Leste europeu, por exemplo, com o volume (e a sede) das suas contas bancárias para se perceber o que é o populismo. CARLOS GARCIA RAWLINS/REUTERS