SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Brasil, Turquia... rumo ao convivialismo?
por Alain Caillé, Christophe Fourel, Ahmet Insel, Paulo Henrique Martins, Gus Massiah,
Patrick Viveret1
O mais surpreendente e também o mais revelador nas enormes manifestações que sacodem
o Brasil e Turquia atualmente é a perplexidade dos poderes vigentes, sejam eles de direita ou de
esquerda. Como admitiu Gilberto Carvalho, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidenta do
Brasil, Dilma Rousseff, “o governo não entende o que está acontecendo.” Similarmente, na Turquia,
Recep Tayyip Erdoğan não entende ou não quer ver nas revoltas da juventude urbana, algo mais que
o resultado de uma conspiração oriunda do exterior. O que está acontecendo? Para qual direção
apontam esses movimentos? Para esboçar uma resposta a esta questão, é preciso conectá-los com
movimentos similares que lhes precederam, explicar porque eles são pouco compreensíveis no
contexto das categorias políticas herdadas e começar a identificar a perspectiva a partir da qual eles
podem adquirir sentido, não apenas dentro de uma lógica de contestação e desespero, mas também
como precursores de alternativas políticas desejáveis e plausíveis.
Obviamente, ainda que o contexto político, econômico e cultural seja diferente a cada
momento, existe mais do que uma aparência familiar entre os movimentos dos Indignados ou
Occupy Wall-Street, a primavera árabe e aqueles que se tornaram notícia no Brasil e na Turquia. Em
alguns casos, o foco é mais ou menos voltado para a miséria e a degradação das condições materiais
da existência, ou sobre a questão das liberdades. Mas em todos os casos, o que é denunciado e
estigmatizado é a fissura cada vez mais abismal que separa os governantes e os governados, os mais
ricos dos mais pobres. Esta lacuna concede à imensa maioria o sentimento de não ser compreendido
e explica, reciprocamente, que aqueles que se encontram no pináculo do poder e da riqueza não
entendem quase nada sobre o que de fato está acontecendo. Mais especificamente, a paixão
mobilizadora que conduz às ruas, algumas vezes colocando suas vidas em risco, é um profundo
sentimento de injustiça, uma cólera contra a arrogância do poder e a indignação contra uma
corrupção endêmica.
Como tal, estes movimentos multiformes não são nem de direita e nem de esquerda. Eles
não são partidários do liberalismo, do socialismo, do comunismo e nem do anarquismo. Mas um
pouco de cada um de acordo com o momento, com certos ingredientes, igualmente, do Cristianismo
ou do Islamismo, por exemplo. Isso é o que determina a sua força, mas também a sua fraqueza. Esta
sua força advém do fato de que, desde o início, tal politeísmo doutrinal lhe permitiu agregar
amplamente. Já a sua fraqueza, advém do fato de que, a sua indeterminação política e ideológica
parece que os tornam incapazes de se organizar de maneira coerente, de acessar o poder e de se
manter lá. Por isso, torna-se tentador classificar todas essas revoltas sob o rótulo comodista e
supostamente infame do populismo, e assim estimar que as aspirações que elas conduzem vão se
dissolver como neve ao sol, uma vez que terão que se confrontar à realidade.
Há, no entanto, uma outra forma de pensar. E de ter esperança. É apostar que esses
múltiplos movimentos de indignação e fúria não apenas compartilham sentimentos negativos de
frustração, mas eles são, igualmente e potencialmente, portadores, positivos, de um projeto de
sociedade possível. Isso porque é cada vez mais urgente definir se realmente queremos construir
uma alternativa às políticas neoliberais (ou neocomunistas como na China, por exemplo) que
1
Todos signatários do Manifeste convivialiste. Déclaration d’interdépendance (Manifesto convivialista.
Declaração de interdependência), Le Bord de l’eau, juin 2013, 40 p., 5 €. A. Caillé é diretor da Revue du MAUSS,
Ch. Fourel é presidente da Associação Amigos Leitores de Altenativas Econômicas, A. Insel é professor emérito
da Universidade Galatasaray (Istambul), Gus Massiah, é economista, P.H. Martins (Recife, Brasil) é presidente
da ALAS (Associação latino-americana de sociologia)
1
assolam o mundo. O que faz a força do neoliberalismo é principalmente a dispersão de seus
oponentes. E não se trata de projetos relativos a um mundo que ainda não existe. Eles se
apresentam sob nomes e em formas ou escalas infinitamente variadas, mas que remetem ao mundo
atual em que vivemos: a defesa dos direitos humanos, do cidadão, do trabalhador, dos
desempregados, das mulheres ou crianças, a economia social e solidária com todos os seus
componentes: as cooperativas de produção ou de consumo, o mutualismo, o comércio justo, as
moedas alternativas ou complementares, os sistemas locais de troca, as múltiplas associações
comunitárias; a economia de contribuição digital (veja Linux, Wikipédia, etc.); a decadência e o pós-
desenvolvimento, os movimentos slow food, slow town, slow science; a reivindicação pelo “viver
bem”, a afirmação dos direitos da natureza e o louvor da Pachamama (deusa reverenciada pelos
povos indígenas dos Andes), a antiglobalização, a ecologia política e a democracia radical, os
indignados, Occupy Wall Street, a procura de indicadores de riqueza alternativos, os movimentos de
transformação pessoal, de sobriedade voluntária, de abundância frugal, do diálogo de civilizações,
das teorias do cuidado, os novos pensamentos compartilhados, etc.
O que falta em todos esses movimentos é a percepção clara do que eles têm em comum e
sua possível coerência. É a partir de uma tentativa de formular e tornar visível o seu maior
denominador comum que sessenta intelectuais, franceses e estrangeiros, representantes de
diferentes correntes, tomaram a iniciativa de escrever um Manifesto convivialista2
. O simples fato de
que eles foram capazes de chegar a um acordo, apesar das diferenças ideológicas significativas,
revela que a iniciativa, de refletir acerca de uma doutrina de fundo comum que seria compartilhável
por alguns daqueles que tomaram as ruas em Istambul, Rio, Túnis, Madrid, Cairo e em outros
lugares, não está necessariamente fadada ao fracasso.
Não podem ser resumidos em poucas linhas os muitos pontos de concordância, significativos,
que foram encontrados. Talvez ecoando a atualidade turca e mais ainda a brasileira, seguem três
idéias, que consideramos importante destacar em termos mais específicos:
1 - Se as ideologias políticas modernas herdadas - o liberalismo, o socialismo, o comunismo
ou o anarquismo – se revelaram em grande parte incapazes de iluminar o futuro, é porque todas elas
foram baseadas na ideia de que o principal problema da humanidade reside na escassez material e,
portanto, a condição sine qua non do progresso político e da emancipação de todos é o crescimento
ilimitado da prosperidade material. Mas o crescimento do PIB não está mais lá nos países
desenvolvidos (e não voltará mais). Além disso, ele já está se desacelerando nos chamados países
emergentes (incluindo o Brasil) e, em qualquer caso, o forte crescimento seria desastroso para a
sobrevivência ecológica do planeta. Por isso, precisamos, urgentemente, começar a desenhar os
contornos de uma democracia pós-croissantista, “pós-crescimentista”. Almejando uma sociedade de
prosperidade, mesmo que sem crescimento.
2 -. Como vimos, as revoltas contemporâneas são, naturalmente, revoltas contra a pobreza.
Mas também, e talvez principalmente, revoltas contra a injustiça e contra a corrupção. Elas envolvem
e condenam o que os antigos gregos chamavam de insolência, excesso, falta de limites, o desejo de
onipotência, esse desejo louco de superar os limites da cidade/humanidade, da sociabilidade comum
e da decência comum. O desejo por riqueza ou poder infinito. Esta luta, potencialmente global, é
contra a insolência e a esta luta devem ser concedidos meios de expressão política.
3. A expressão mais visível da insolência é a explosão desconcertante da desigualdade ao
longo dos últimos quarenta anos. Dentro dos países e entre os países. De muitas maneiras, a
dramática crise ecológica iminente, é uma resultante desse processo. Muito em breve, não haverá
mais política econômica e social credível e audível, se ela não atacar frontalmente a insolência e não
2
Manifeste convivialiste. Déclaration d’interdépendance (Manifesto convivialista. Declaração de
interdependência), Le Bord de l’eau, juin 2013, 40 p., 5 €. Um resumo do manifesto está disponível em francês,
inglês, espanhol, português e chinês no website www.lesconvivialistes.fr.
2
lutar resolutamente contra a injustiça e a corrupção através da implementação de uma política que
seja, simultaneamente, de renda mínima - contra a abjeção da pobreza - e de riqueza máxima -
contra a abjeção de extrema riqueza. Nesta luta, mesmo os ricos, aqueles que criam e se
comprometem, os não rentistas, podem participar (ver, por exemplo, o recente apelo intitulado "Nós
somos o 1%").
Estes princípios políticos são bastante simples de exprimir, como ficou evidenciado na
redação do Manifesto convivialista e na atenção internacional que ele recebeu após o seu
lançamento. O desafio principal será o de conduzir essas idéias por homens e mulheres que não se
deixem cair na insolência. Mas isso não é necessariamente impossível.
3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sobre a democracia - a democracia e a sua usurpação 1a parte-
Sobre a democracia - a democracia e a sua usurpação  1a parte-Sobre a democracia - a democracia e a sua usurpação  1a parte-
Sobre a democracia - a democracia e a sua usurpação 1a parte-GRAZIA TANTA
 
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1GRAZIA TANTA
 
Economia, capitalismo e revolta (conclusão)
Economia, capitalismo e revolta (conclusão)Economia, capitalismo e revolta (conclusão)
Economia, capitalismo e revolta (conclusão)GRAZIA TANTA
 
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezJuventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezElisio Estanque
 
A caminho de uma ruptura global
A caminho de uma ruptura globalA caminho de uma ruptura global
A caminho de uma ruptura globalEmerson Mathias
 
Elites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElisio Estanque
 
Pensar à esquerda, sem vacas sagradas
Pensar à esquerda, sem vacas sagradasPensar à esquerda, sem vacas sagradas
Pensar à esquerda, sem vacas sagradasGRAZIA TANTA
 
A onda neoconservadora do pos guerra fria
A onda neoconservadora do pos guerra friaA onda neoconservadora do pos guerra fria
A onda neoconservadora do pos guerra friaFernando Colih
 
Esta 'esquerda' é a tranquilidade da direita
Esta 'esquerda' é a tranquilidade da direitaEsta 'esquerda' é a tranquilidade da direita
Esta 'esquerda' é a tranquilidade da direitaGRAZIA TANTA
 
Pilulas democraticas 13 Demagogia
Pilulas democraticas 13  DemagogiaPilulas democraticas 13  Demagogia
Pilulas democraticas 13 Demagogiaaugustodefranco .
 
Pilulas Democráticas Introdução
Pilulas Democráticas IntroduçãoPilulas Democráticas Introdução
Pilulas Democráticas Introduçãoaugustodefranco .
 
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_eeRccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_eeElisio Estanque
 
Discurso de Ódio e Guerra Cultural: A Intelligentzia Tupiniquim
Discurso de Ódio e Guerra Cultural: A Intelligentzia TupiniquimDiscurso de Ódio e Guerra Cultural: A Intelligentzia Tupiniquim
Discurso de Ódio e Guerra Cultural: A Intelligentzia TupiniquimProfessor Belinaso
 
T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000Elisio Estanque
 
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeVisto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeElisio Estanque
 

Mais procurados (20)

Confiança na política e na história
Confiança na política e na históriaConfiança na política e na história
Confiança na política e na história
 
Sobre a democracia - a democracia e a sua usurpação 1a parte-
Sobre a democracia - a democracia e a sua usurpação  1a parte-Sobre a democracia - a democracia e a sua usurpação  1a parte-
Sobre a democracia - a democracia e a sua usurpação 1a parte-
 
Impasse neoliberal na educação pedro demo_79
Impasse neoliberal na educação pedro demo_79Impasse neoliberal na educação pedro demo_79
Impasse neoliberal na educação pedro demo_79
 
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
 
Economia, capitalismo e revolta (conclusão)
Economia, capitalismo e revolta (conclusão)Economia, capitalismo e revolta (conclusão)
Economia, capitalismo e revolta (conclusão)
 
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezJuventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
 
A caminho de uma ruptura global
A caminho de uma ruptura globalA caminho de uma ruptura global
A caminho de uma ruptura global
 
Elites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluções
 
Pensar à esquerda, sem vacas sagradas
Pensar à esquerda, sem vacas sagradasPensar à esquerda, sem vacas sagradas
Pensar à esquerda, sem vacas sagradas
 
A onda neoconservadora do pos guerra fria
A onda neoconservadora do pos guerra friaA onda neoconservadora do pos guerra fria
A onda neoconservadora do pos guerra fria
 
Esta 'esquerda' é a tranquilidade da direita
Esta 'esquerda' é a tranquilidade da direitaEsta 'esquerda' é a tranquilidade da direita
Esta 'esquerda' é a tranquilidade da direita
 
Pilulas democraticas 13 Demagogia
Pilulas democraticas 13  DemagogiaPilulas democraticas 13  Demagogia
Pilulas democraticas 13 Demagogia
 
Hegemonia e cultura
Hegemonia e culturaHegemonia e cultura
Hegemonia e cultura
 
Revista OPINIAS nº 09
Revista OPINIAS   nº 09Revista OPINIAS   nº 09
Revista OPINIAS nº 09
 
Pilulas Democráticas Introdução
Pilulas Democráticas IntroduçãoPilulas Democráticas Introdução
Pilulas Democráticas Introdução
 
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_eeRccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
 
Discurso de Ódio e Guerra Cultural: A Intelligentzia Tupiniquim
Discurso de Ódio e Guerra Cultural: A Intelligentzia TupiniquimDiscurso de Ódio e Guerra Cultural: A Intelligentzia Tupiniquim
Discurso de Ódio e Guerra Cultural: A Intelligentzia Tupiniquim
 
T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000
 
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeVisto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
 
esquerda_direita Cadernos (1)
esquerda_direita Cadernos (1)esquerda_direita Cadernos (1)
esquerda_direita Cadernos (1)
 

Destaque

Musarañas - Programa de intervencion con niños de la calle
Musarañas - Programa de intervencion con niños de la calleMusarañas - Programa de intervencion con niños de la calle
Musarañas - Programa de intervencion con niños de la calleeducacionsinescuela
 
Las tramas de telémaco - Reseña
Las tramas de telémaco - ReseñaLas tramas de telémaco - Reseña
Las tramas de telémaco - Reseñaeducacionsinescuela
 
Parents conceptions on their rol on home education (Ingles)
Parents conceptions on their rol on home education (Ingles)Parents conceptions on their rol on home education (Ingles)
Parents conceptions on their rol on home education (Ingles)educacionsinescuela
 
Socialización de género y enfoques de educación sexual
Socialización de género y enfoques de educación sexualSocialización de género y enfoques de educación sexual
Socialización de género y enfoques de educación sexualeducacionsinescuela
 
Reflexiones y valoraciones comparativas de la educación sin escuela (ese), au...
Reflexiones y valoraciones comparativas de la educación sin escuela (ese), au...Reflexiones y valoraciones comparativas de la educación sin escuela (ese), au...
Reflexiones y valoraciones comparativas de la educación sin escuela (ese), au...educacionsinescuela
 
Intervención de Madalen Goiria ante la comisión de educación y cultura del pa...
Intervención de Madalen Goiria ante la comisión de educación y cultura del pa...Intervención de Madalen Goiria ante la comisión de educación y cultura del pa...
Intervención de Madalen Goiria ante la comisión de educación y cultura del pa...educacionsinescuela
 
Hacia la formación de lectores críticos
Hacia la formación de lectores críticosHacia la formación de lectores críticos
Hacia la formación de lectores críticoseducacionsinescuela
 

Destaque (12)

Ciudad - Nación - Mundo
Ciudad - Nación - MundoCiudad - Nación - Mundo
Ciudad - Nación - Mundo
 
Casos pedagogía proyectos
Casos pedagogía proyectos Casos pedagogía proyectos
Casos pedagogía proyectos
 
Musarañas - Programa de intervencion con niños de la calle
Musarañas - Programa de intervencion con niños de la calleMusarañas - Programa de intervencion con niños de la calle
Musarañas - Programa de intervencion con niños de la calle
 
Las tramas de telémaco - Reseña
Las tramas de telémaco - ReseñaLas tramas de telémaco - Reseña
Las tramas de telémaco - Reseña
 
Parents conceptions on their rol on home education (Ingles)
Parents conceptions on their rol on home education (Ingles)Parents conceptions on their rol on home education (Ingles)
Parents conceptions on their rol on home education (Ingles)
 
La sociedad desescolarizada
La sociedad desescolarizadaLa sociedad desescolarizada
La sociedad desescolarizada
 
Educación fisica y salud
Educación fisica y saludEducación fisica y salud
Educación fisica y salud
 
Socialización de género y enfoques de educación sexual
Socialización de género y enfoques de educación sexualSocialización de género y enfoques de educación sexual
Socialización de género y enfoques de educación sexual
 
Reflexiones y valoraciones comparativas de la educación sin escuela (ese), au...
Reflexiones y valoraciones comparativas de la educación sin escuela (ese), au...Reflexiones y valoraciones comparativas de la educación sin escuela (ese), au...
Reflexiones y valoraciones comparativas de la educación sin escuela (ese), au...
 
Intervención de Madalen Goiria ante la comisión de educación y cultura del pa...
Intervención de Madalen Goiria ante la comisión de educación y cultura del pa...Intervención de Madalen Goiria ante la comisión de educación y cultura del pa...
Intervención de Madalen Goiria ante la comisión de educación y cultura del pa...
 
Flexi-time Schooling
Flexi-time SchoolingFlexi-time Schooling
Flexi-time Schooling
 
Hacia la formación de lectores críticos
Hacia la formación de lectores críticosHacia la formación de lectores críticos
Hacia la formación de lectores críticos
 

Semelhante a Movimentos de indignação no Brasil e Turquia apontam para uma alternativa ao neoliberalismo

Apontamentos em Ciberpolítica: A internet e suas possibilidades democráticas
Apontamentos em Ciberpolítica: A internet e suas possibilidades democráticasApontamentos em Ciberpolítica: A internet e suas possibilidades democráticas
Apontamentos em Ciberpolítica: A internet e suas possibilidades democráticasUniversidade Federal do Paraná
 
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docxNovo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docxEduardoNeto70
 
Devem os adventistas se envolverem nessas Manifestações?
Devem os adventistas se envolverem nessas Manifestações?Devem os adventistas se envolverem nessas Manifestações?
Devem os adventistas se envolverem nessas Manifestações?William Fernandes
 
O tempo das utopias mínimas viáveis
O tempo das utopias mínimas viáveisO tempo das utopias mínimas viáveis
O tempo das utopias mínimas viáveisLucio Borges
 
Lista número 01 para o redação descomplicada
Lista número 01 para o redação descomplicadaLista número 01 para o redação descomplicada
Lista número 01 para o redação descomplicadaFabio Cruz
 
Democracia em Colapso.pdf
Democracia em Colapso.pdfDemocracia em Colapso.pdf
Democracia em Colapso.pdfLilianeBA
 
Resolução do III Congresso do PSOL.
Resolução do III Congresso do PSOL.Resolução do III Congresso do PSOL.
Resolução do III Congresso do PSOL.psolcambui
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeGracy Garcia
 
A crise brasileira
A crise brasileiraA crise brasileira
A crise brasileirapaulorbt
 
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo vianaDa ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo vianaFormancipa Extensão
 
Sociologia - O socialismo e o Homem em cuba
Sociologia - O socialismo e o Homem em cubaSociologia - O socialismo e o Homem em cuba
Sociologia - O socialismo e o Homem em cubaCarson Souza
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeGracy Garcia
 
Palestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJ
Palestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJPalestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJ
Palestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJPaulo Hartung
 
Política e Sociedade no Brasil
Política e Sociedade no BrasilPolítica e Sociedade no Brasil
Política e Sociedade no BrasilPaulo Hartung
 
Bss entrevista istoé
Bss entrevista istoéBss entrevista istoé
Bss entrevista istoéjlexeni
 

Semelhante a Movimentos de indignação no Brasil e Turquia apontam para uma alternativa ao neoliberalismo (20)

Apontamentos em Ciberpolítica: A internet e suas possibilidades democráticas
Apontamentos em Ciberpolítica: A internet e suas possibilidades democráticasApontamentos em Ciberpolítica: A internet e suas possibilidades democráticas
Apontamentos em Ciberpolítica: A internet e suas possibilidades democráticas
 
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docxNovo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
 
O eclipse da razão no brasil
O eclipse da razão no brasilO eclipse da razão no brasil
O eclipse da razão no brasil
 
Multiculturalismo e
Multiculturalismo eMulticulturalismo e
Multiculturalismo e
 
Devem os adventistas se envolverem nessas Manifestações?
Devem os adventistas se envolverem nessas Manifestações?Devem os adventistas se envolverem nessas Manifestações?
Devem os adventistas se envolverem nessas Manifestações?
 
O tempo das utopias mínimas viáveis
O tempo das utopias mínimas viáveisO tempo das utopias mínimas viáveis
O tempo das utopias mínimas viáveis
 
Entrevista_CH306
Entrevista_CH306Entrevista_CH306
Entrevista_CH306
 
Lista número 01 para o redação descomplicada
Lista número 01 para o redação descomplicadaLista número 01 para o redação descomplicada
Lista número 01 para o redação descomplicada
 
Palestra Globalização e Cidadania
Palestra Globalização e CidadaniaPalestra Globalização e Cidadania
Palestra Globalização e Cidadania
 
Democracia em Colapso.pdf
Democracia em Colapso.pdfDemocracia em Colapso.pdf
Democracia em Colapso.pdf
 
Resolução do III Congresso do PSOL.
Resolução do III Congresso do PSOL.Resolução do III Congresso do PSOL.
Resolução do III Congresso do PSOL.
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
 
A Crise Brasileira
A Crise BrasileiraA Crise Brasileira
A Crise Brasileira
 
A crise brasileira
A crise brasileiraA crise brasileira
A crise brasileira
 
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo vianaDa ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
 
Sociologia - O socialismo e o Homem em cuba
Sociologia - O socialismo e o Homem em cubaSociologia - O socialismo e o Homem em cuba
Sociologia - O socialismo e o Homem em cuba
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
 
Palestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJ
Palestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJPalestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJ
Palestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJ
 
Política e Sociedade no Brasil
Política e Sociedade no BrasilPolítica e Sociedade no Brasil
Política e Sociedade no Brasil
 
Bss entrevista istoé
Bss entrevista istoéBss entrevista istoé
Bss entrevista istoé
 

Mais de educacionsinescuela

Maternidades y paternidades respetuosas, procesos fundamentales para la educa...
Maternidades y paternidades respetuosas, procesos fundamentales para la educa...Maternidades y paternidades respetuosas, procesos fundamentales para la educa...
Maternidades y paternidades respetuosas, procesos fundamentales para la educa...educacionsinescuela
 
Casa cultural y ecologica Guchipas - Adriana -Romero Rey
Casa cultural y ecologica Guchipas - Adriana -Romero ReyCasa cultural y ecologica Guchipas - Adriana -Romero Rey
Casa cultural y ecologica Guchipas - Adriana -Romero Reyeducacionsinescuela
 
Desescolarizacion y redes virtuales - Eduardo Cardona
Desescolarizacion y redes virtuales  - Eduardo CardonaDesescolarizacion y redes virtuales  - Eduardo Cardona
Desescolarizacion y redes virtuales - Eduardo Cardonaeducacionsinescuela
 
Educacion sin escuela como forma de desobediencia civil - Carlos Andrés Muño...
Educacion sin escuela como forma de desobediencia civil - Carlos  Andrés Muño...Educacion sin escuela como forma de desobediencia civil - Carlos  Andrés Muño...
Educacion sin escuela como forma de desobediencia civil - Carlos Andrés Muño...educacionsinescuela
 
El arbolito: proceso comunitario de re significación del espacio urbano. - Ju...
El arbolito: proceso comunitario de re significación del espacio urbano. - Ju...El arbolito: proceso comunitario de re significación del espacio urbano. - Ju...
El arbolito: proceso comunitario de re significación del espacio urbano. - Ju...educacionsinescuela
 
El universo nuestro gran maestroeducar: un viaje hacia adentro maria cristina...
El universo nuestro gran maestroeducar: un viaje hacia adentro maria cristina...El universo nuestro gran maestroeducar: un viaje hacia adentro maria cristina...
El universo nuestro gran maestroeducar: un viaje hacia adentro maria cristina...educacionsinescuela
 
Modelo económico actual vs modelos alternativos en comunidades zapatistas: un...
Modelo económico actual vs modelos alternativos en comunidades zapatistas: un...Modelo económico actual vs modelos alternativos en comunidades zapatistas: un...
Modelo económico actual vs modelos alternativos en comunidades zapatistas: un...educacionsinescuela
 
La educacion superior - Judith Rojas y Alexander Barrera
La educacion superior - Judith Rojas y  Alexander BarreraLa educacion superior - Judith Rojas y  Alexander Barrera
La educacion superior - Judith Rojas y Alexander Barreraeducacionsinescuela
 
La educación como repaso del paso a paso - Gabriel Restrepo
La educación como repaso del paso a paso - Gabriel RestrepoLa educación como repaso del paso a paso - Gabriel Restrepo
La educación como repaso del paso a paso - Gabriel Restrepoeducacionsinescuela
 
Mi maestro el humedal de Córdoba - Luz María Gómez
Mi maestro el humedal de Córdoba - Luz María GómezMi maestro el humedal de Córdoba - Luz María Gómez
Mi maestro el humedal de Córdoba - Luz María Gómezeducacionsinescuela
 
Experiencias pedagógicas alternativas al interno de la escuela tradicional - ...
Experiencias pedagógicas alternativas al interno de la escuela tradicional - ...Experiencias pedagógicas alternativas al interno de la escuela tradicional - ...
Experiencias pedagógicas alternativas al interno de la escuela tradicional - ...educacionsinescuela
 
Y colorín colorado, este cuento se ha “suspensado” - Roberto Carlos Santodo...
Y colorín colorado, este cuento se ha “suspensado”   - Roberto Carlos Santodo...Y colorín colorado, este cuento se ha “suspensado”   - Roberto Carlos Santodo...
Y colorín colorado, este cuento se ha “suspensado” - Roberto Carlos Santodo...educacionsinescuela
 
En educación el contexto define texto
En educación el contexto define textoEn educación el contexto define texto
En educación el contexto define textoeducacionsinescuela
 
Educar es una función vital estratégica
Educar es una función vital estratégica Educar es una función vital estratégica
Educar es una función vital estratégica educacionsinescuela
 
Hilando caminos con la infancia trabajadora
Hilando caminos con la infancia trabajadoraHilando caminos con la infancia trabajadora
Hilando caminos con la infancia trabajadoraeducacionsinescuela
 

Mais de educacionsinescuela (20)

Maternidades y paternidades respetuosas, procesos fundamentales para la educa...
Maternidades y paternidades respetuosas, procesos fundamentales para la educa...Maternidades y paternidades respetuosas, procesos fundamentales para la educa...
Maternidades y paternidades respetuosas, procesos fundamentales para la educa...
 
Casa cultural y ecologica Guchipas - Adriana -Romero Rey
Casa cultural y ecologica Guchipas - Adriana -Romero ReyCasa cultural y ecologica Guchipas - Adriana -Romero Rey
Casa cultural y ecologica Guchipas - Adriana -Romero Rey
 
Desescolarizacion y redes virtuales - Eduardo Cardona
Desescolarizacion y redes virtuales  - Eduardo CardonaDesescolarizacion y redes virtuales  - Eduardo Cardona
Desescolarizacion y redes virtuales - Eduardo Cardona
 
Educacion sin escuela como forma de desobediencia civil - Carlos Andrés Muño...
Educacion sin escuela como forma de desobediencia civil - Carlos  Andrés Muño...Educacion sin escuela como forma de desobediencia civil - Carlos  Andrés Muño...
Educacion sin escuela como forma de desobediencia civil - Carlos Andrés Muño...
 
El arbolito: proceso comunitario de re significación del espacio urbano. - Ju...
El arbolito: proceso comunitario de re significación del espacio urbano. - Ju...El arbolito: proceso comunitario de re significación del espacio urbano. - Ju...
El arbolito: proceso comunitario de re significación del espacio urbano. - Ju...
 
El universo nuestro gran maestroeducar: un viaje hacia adentro maria cristina...
El universo nuestro gran maestroeducar: un viaje hacia adentro maria cristina...El universo nuestro gran maestroeducar: un viaje hacia adentro maria cristina...
El universo nuestro gran maestroeducar: un viaje hacia adentro maria cristina...
 
Modelo económico actual vs modelos alternativos en comunidades zapatistas: un...
Modelo económico actual vs modelos alternativos en comunidades zapatistas: un...Modelo económico actual vs modelos alternativos en comunidades zapatistas: un...
Modelo económico actual vs modelos alternativos en comunidades zapatistas: un...
 
La educacion superior - Judith Rojas y Alexander Barrera
La educacion superior - Judith Rojas y  Alexander BarreraLa educacion superior - Judith Rojas y  Alexander Barrera
La educacion superior - Judith Rojas y Alexander Barrera
 
La educación como repaso del paso a paso - Gabriel Restrepo
La educación como repaso del paso a paso - Gabriel RestrepoLa educación como repaso del paso a paso - Gabriel Restrepo
La educación como repaso del paso a paso - Gabriel Restrepo
 
Mi maestro el humedal de Córdoba - Luz María Gómez
Mi maestro el humedal de Córdoba - Luz María GómezMi maestro el humedal de Córdoba - Luz María Gómez
Mi maestro el humedal de Córdoba - Luz María Gómez
 
Experiencias pedagógicas alternativas al interno de la escuela tradicional - ...
Experiencias pedagógicas alternativas al interno de la escuela tradicional - ...Experiencias pedagógicas alternativas al interno de la escuela tradicional - ...
Experiencias pedagógicas alternativas al interno de la escuela tradicional - ...
 
Y colorín colorado, este cuento se ha “suspensado” - Roberto Carlos Santodo...
Y colorín colorado, este cuento se ha “suspensado”   - Roberto Carlos Santodo...Y colorín colorado, este cuento se ha “suspensado”   - Roberto Carlos Santodo...
Y colorín colorado, este cuento se ha “suspensado” - Roberto Carlos Santodo...
 
El colegio puede esperar
El colegio puede esperarEl colegio puede esperar
El colegio puede esperar
 
En educación el contexto define texto
En educación el contexto define textoEn educación el contexto define texto
En educación el contexto define texto
 
Educar es una función vital estratégica
Educar es una función vital estratégica Educar es una función vital estratégica
Educar es una función vital estratégica
 
Autoridad, Familia y Educación
Autoridad, Familia y  EducaciónAutoridad, Familia y  Educación
Autoridad, Familia y Educación
 
Entrevista con Massey
Entrevista con MasseyEntrevista con Massey
Entrevista con Massey
 
Fifteen years later
Fifteen years laterFifteen years later
Fifteen years later
 
Hilando caminos con la infancia trabajadora
Hilando caminos con la infancia trabajadoraHilando caminos con la infancia trabajadora
Hilando caminos con la infancia trabajadora
 
Investigar desde el barrio
Investigar desde el barrioInvestigar desde el barrio
Investigar desde el barrio
 

Último

PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 

Movimentos de indignação no Brasil e Turquia apontam para uma alternativa ao neoliberalismo

  • 1. Brasil, Turquia... rumo ao convivialismo? por Alain Caillé, Christophe Fourel, Ahmet Insel, Paulo Henrique Martins, Gus Massiah, Patrick Viveret1 O mais surpreendente e também o mais revelador nas enormes manifestações que sacodem o Brasil e Turquia atualmente é a perplexidade dos poderes vigentes, sejam eles de direita ou de esquerda. Como admitiu Gilberto Carvalho, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, “o governo não entende o que está acontecendo.” Similarmente, na Turquia, Recep Tayyip Erdoğan não entende ou não quer ver nas revoltas da juventude urbana, algo mais que o resultado de uma conspiração oriunda do exterior. O que está acontecendo? Para qual direção apontam esses movimentos? Para esboçar uma resposta a esta questão, é preciso conectá-los com movimentos similares que lhes precederam, explicar porque eles são pouco compreensíveis no contexto das categorias políticas herdadas e começar a identificar a perspectiva a partir da qual eles podem adquirir sentido, não apenas dentro de uma lógica de contestação e desespero, mas também como precursores de alternativas políticas desejáveis e plausíveis. Obviamente, ainda que o contexto político, econômico e cultural seja diferente a cada momento, existe mais do que uma aparência familiar entre os movimentos dos Indignados ou Occupy Wall-Street, a primavera árabe e aqueles que se tornaram notícia no Brasil e na Turquia. Em alguns casos, o foco é mais ou menos voltado para a miséria e a degradação das condições materiais da existência, ou sobre a questão das liberdades. Mas em todos os casos, o que é denunciado e estigmatizado é a fissura cada vez mais abismal que separa os governantes e os governados, os mais ricos dos mais pobres. Esta lacuna concede à imensa maioria o sentimento de não ser compreendido e explica, reciprocamente, que aqueles que se encontram no pináculo do poder e da riqueza não entendem quase nada sobre o que de fato está acontecendo. Mais especificamente, a paixão mobilizadora que conduz às ruas, algumas vezes colocando suas vidas em risco, é um profundo sentimento de injustiça, uma cólera contra a arrogância do poder e a indignação contra uma corrupção endêmica. Como tal, estes movimentos multiformes não são nem de direita e nem de esquerda. Eles não são partidários do liberalismo, do socialismo, do comunismo e nem do anarquismo. Mas um pouco de cada um de acordo com o momento, com certos ingredientes, igualmente, do Cristianismo ou do Islamismo, por exemplo. Isso é o que determina a sua força, mas também a sua fraqueza. Esta sua força advém do fato de que, desde o início, tal politeísmo doutrinal lhe permitiu agregar amplamente. Já a sua fraqueza, advém do fato de que, a sua indeterminação política e ideológica parece que os tornam incapazes de se organizar de maneira coerente, de acessar o poder e de se manter lá. Por isso, torna-se tentador classificar todas essas revoltas sob o rótulo comodista e supostamente infame do populismo, e assim estimar que as aspirações que elas conduzem vão se dissolver como neve ao sol, uma vez que terão que se confrontar à realidade. Há, no entanto, uma outra forma de pensar. E de ter esperança. É apostar que esses múltiplos movimentos de indignação e fúria não apenas compartilham sentimentos negativos de frustração, mas eles são, igualmente e potencialmente, portadores, positivos, de um projeto de sociedade possível. Isso porque é cada vez mais urgente definir se realmente queremos construir uma alternativa às políticas neoliberais (ou neocomunistas como na China, por exemplo) que 1 Todos signatários do Manifeste convivialiste. Déclaration d’interdépendance (Manifesto convivialista. Declaração de interdependência), Le Bord de l’eau, juin 2013, 40 p., 5 €. A. Caillé é diretor da Revue du MAUSS, Ch. Fourel é presidente da Associação Amigos Leitores de Altenativas Econômicas, A. Insel é professor emérito da Universidade Galatasaray (Istambul), Gus Massiah, é economista, P.H. Martins (Recife, Brasil) é presidente da ALAS (Associação latino-americana de sociologia) 1
  • 2. assolam o mundo. O que faz a força do neoliberalismo é principalmente a dispersão de seus oponentes. E não se trata de projetos relativos a um mundo que ainda não existe. Eles se apresentam sob nomes e em formas ou escalas infinitamente variadas, mas que remetem ao mundo atual em que vivemos: a defesa dos direitos humanos, do cidadão, do trabalhador, dos desempregados, das mulheres ou crianças, a economia social e solidária com todos os seus componentes: as cooperativas de produção ou de consumo, o mutualismo, o comércio justo, as moedas alternativas ou complementares, os sistemas locais de troca, as múltiplas associações comunitárias; a economia de contribuição digital (veja Linux, Wikipédia, etc.); a decadência e o pós- desenvolvimento, os movimentos slow food, slow town, slow science; a reivindicação pelo “viver bem”, a afirmação dos direitos da natureza e o louvor da Pachamama (deusa reverenciada pelos povos indígenas dos Andes), a antiglobalização, a ecologia política e a democracia radical, os indignados, Occupy Wall Street, a procura de indicadores de riqueza alternativos, os movimentos de transformação pessoal, de sobriedade voluntária, de abundância frugal, do diálogo de civilizações, das teorias do cuidado, os novos pensamentos compartilhados, etc. O que falta em todos esses movimentos é a percepção clara do que eles têm em comum e sua possível coerência. É a partir de uma tentativa de formular e tornar visível o seu maior denominador comum que sessenta intelectuais, franceses e estrangeiros, representantes de diferentes correntes, tomaram a iniciativa de escrever um Manifesto convivialista2 . O simples fato de que eles foram capazes de chegar a um acordo, apesar das diferenças ideológicas significativas, revela que a iniciativa, de refletir acerca de uma doutrina de fundo comum que seria compartilhável por alguns daqueles que tomaram as ruas em Istambul, Rio, Túnis, Madrid, Cairo e em outros lugares, não está necessariamente fadada ao fracasso. Não podem ser resumidos em poucas linhas os muitos pontos de concordância, significativos, que foram encontrados. Talvez ecoando a atualidade turca e mais ainda a brasileira, seguem três idéias, que consideramos importante destacar em termos mais específicos: 1 - Se as ideologias políticas modernas herdadas - o liberalismo, o socialismo, o comunismo ou o anarquismo – se revelaram em grande parte incapazes de iluminar o futuro, é porque todas elas foram baseadas na ideia de que o principal problema da humanidade reside na escassez material e, portanto, a condição sine qua non do progresso político e da emancipação de todos é o crescimento ilimitado da prosperidade material. Mas o crescimento do PIB não está mais lá nos países desenvolvidos (e não voltará mais). Além disso, ele já está se desacelerando nos chamados países emergentes (incluindo o Brasil) e, em qualquer caso, o forte crescimento seria desastroso para a sobrevivência ecológica do planeta. Por isso, precisamos, urgentemente, começar a desenhar os contornos de uma democracia pós-croissantista, “pós-crescimentista”. Almejando uma sociedade de prosperidade, mesmo que sem crescimento. 2 -. Como vimos, as revoltas contemporâneas são, naturalmente, revoltas contra a pobreza. Mas também, e talvez principalmente, revoltas contra a injustiça e contra a corrupção. Elas envolvem e condenam o que os antigos gregos chamavam de insolência, excesso, falta de limites, o desejo de onipotência, esse desejo louco de superar os limites da cidade/humanidade, da sociabilidade comum e da decência comum. O desejo por riqueza ou poder infinito. Esta luta, potencialmente global, é contra a insolência e a esta luta devem ser concedidos meios de expressão política. 3. A expressão mais visível da insolência é a explosão desconcertante da desigualdade ao longo dos últimos quarenta anos. Dentro dos países e entre os países. De muitas maneiras, a dramática crise ecológica iminente, é uma resultante desse processo. Muito em breve, não haverá mais política econômica e social credível e audível, se ela não atacar frontalmente a insolência e não 2 Manifeste convivialiste. Déclaration d’interdépendance (Manifesto convivialista. Declaração de interdependência), Le Bord de l’eau, juin 2013, 40 p., 5 €. Um resumo do manifesto está disponível em francês, inglês, espanhol, português e chinês no website www.lesconvivialistes.fr. 2
  • 3. lutar resolutamente contra a injustiça e a corrupção através da implementação de uma política que seja, simultaneamente, de renda mínima - contra a abjeção da pobreza - e de riqueza máxima - contra a abjeção de extrema riqueza. Nesta luta, mesmo os ricos, aqueles que criam e se comprometem, os não rentistas, podem participar (ver, por exemplo, o recente apelo intitulado "Nós somos o 1%"). Estes princípios políticos são bastante simples de exprimir, como ficou evidenciado na redação do Manifesto convivialista e na atenção internacional que ele recebeu após o seu lançamento. O desafio principal será o de conduzir essas idéias por homens e mulheres que não se deixem cair na insolência. Mas isso não é necessariamente impossível. 3