SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
46 | PÚBLICO, QUA 1 OUT 2014 
O PS, o PC e a esquerda desavinda 
Elísio Estanque 
Vencedores e vencidos do 
PREC não esqueceram nem 
perdoaram. Mas alguns 
foram ficando mais iguais 
Após a conclusão de um processo 
inédito de Primárias no seio 
do PS, vale a pena ensaiar uma 
breve “genealogia” da esquerda. 
Sem esquecer a sua matriz 
ideológica comum, para uma 
refl exão sobre as difi culdades 
de entendimento entre as 
esquerdas, importa conjugar 
a questão programática com o 
problema interno das lideranças e do poder, 
que ao longo de quase dois séculos tantas 
desavenças provocou. 
O Partido Comunista, o Partido Socialista 
e o Bloco de Esquerda têm no seu “código 
genético” importantes pontos de contacto 
com o campo comunista e social-democrata, 
cuja génese reside no pensamento 
marxista. Como se sabe, correntes políticas 
personifi cadas por Lenine, Trotsky, Estaline, 
Rosa Luxemburgo ou Bakunin, com todos os 
seus desdobramentos, cisões e rivalidades, 
deram lugar a múltiplas controvérsias 
onde, ao lado do “debate de ideias”, as 
disputas, traições e vaidades pessoais 
deixaram pelo caminho milhares de vítimas. 
Com a denúncia do “gulag” (por via de 
testemunhos dramáticos de dissidentes da 
ex-URSS como Kravchenko e Soljenitsin) e 
a sua disseminação no Ocidente, surgiram 
novas ruturas no seio dos movimentos 
socialista e comunista, numa altura em que o 
reformismo social-democrata, o “socialismo 
democrático” e a democracia liberal 
ganhavam adeptos à custa do combate 
ao estalinismo e do triunfo do Estado 
providência na Europa. 
Também em Portugal essas divisões se 
acentuaram na década de 1960 e ganharam 
expressão nos inúmeros grupos que vieram 
à luz do dia em 1974 (PCs M-Ls, MRPP, 
LCI, MES, etc.). Nesse contexto, o PS de 
Mário Soares ganhou a batalha decisiva da 
democracia e ocupou um lugar-charneira 
na sua relação com a restante esquerda, 
demarcando-se da esquerda radical (ou 
ortodoxa) com base na defesa do pluralismo 
de opinião, e fazendo da “dissensão” e da 
“democracia interna” a sua própria força-motriz. 
Mas o atual PS cortou com isso em 
benefício de uma unidade corporativista 
fundada nos interesses instalados, mais do 
que nos princípios éticos e republicanos 
do passado. A dissidência Soares-Cunhal, 
que começou ainda no seio do PCP nos 
anos sessenta, reverteu-se no pós-25 de 
Abril numa clivagem brutal, forjada no 
radicalismo do PREC. Com as paixões 
políticas ao rubro 
– o PS, de um lado, 
o PCP e a extrema-esquerda, 
do outro 
–, dirigentes e 
militantes faziam 
uso da linguagem 
vanguardista e 
das experiências 
de solidariedade 
e democracia 
participativa, 
para camufl ar 
múltiplas vinganças, 
oportunismos e 
ódios pessoais. 
Vencedores e 
vencidos do PREC 
não esqueceram 
nem perdoaram. 
Mas alguns foram 
fi cando mais 
iguais. Apesar das suas inegáveis diferenças 
no plano programático e das conceções 
de democracia, entre PS e PCP há cada 
vez mais semelhanças no seu modo de 
funcionamento interno. Há quarenta anos, 
o campo sindical materializou a divisão 
PS-PC de modo especialmente dramático, 
agudizando ressentimentos recíprocos à 
medida que o terreno do sindicalismo se 
foi tornando o último bastião de infl uência 
política dos “derrotados” do 25 de 
novembro. Não nos esqueçamos que a UGT 
foi criada para travar a CGTP e a infl uência 
do PC. É claro que na vida prática, dentro 
ou fora das instituições (no Parlamento, nas 
autarquias, nas empresas ou nos sindicatos, 
onde militantes destes dois partidos 
convivem diariamente), essas clivagens 
são muitas vezes ultrapassadas pela força 
das coisas e pelos interesses imediatos 
que estão em jogo. Mas, mesmo quando 
é contrariada pontualmente, por razões 
pragmáticas, a rivalidade política cavou 
muros intransponíveis. O discurso perdeu 
conteúdo ideológico mas reforçou os seus 
efeitos de plasticidade junto aos “fi éis”, ou 
seja, a diabolização do outro é o principal 
condimento de fi delização de cada “facção” 
(ou base eleitoral). 
Sabemos bem que a sociedade mudou 
e passou o tempo das grandes ideologias 
políticas. Porém, partidos e movimentos 
precisam de ideologia como de pão 
para a boca, sobretudo se por ideologia 
entendermos um novo pensamento que abra 
caminho a novos projetos emancipatórios 
e desenvolvimentistas. Nos últimos anos, 
houve no nosso país iniciativas pontuais 
indiciadoras de vontade renovadora, 
se bem que, até agora, com resultados 
pífi os. A candidatura de Manuel Alegre 
(em 2006) à revelia do PS, o crescimento 
do BE e alguns sinais de abertura, mais 
recentemente o Congresso Democrático 
das Alternativas, o Fórum das Esquerdas, o 
Movimento 3D, a criação do Partido Livre, 
o resultado obtido nas eleições europeias 
pelo Partido da Terra (sob a infl uência de 
Marinho e Pinto), e mesmo a recente rutura 
do Fórum Manifesto, que saiu do Bloco, 
são indicadores de insatisfação e um desejo 
difuso de revitalização das esquerdas, 
na linha aliás de iniciativas recentes 
noutros países europeus 
Mais do que de 
pensamento, 
a esquerda 
precisa de bons 
exemplos de 
liderança e 
transparência 
RUI GAUDÊNCIO 
(como em Espanha e na Grécia). 
Os legados ideológicos do passado 
continuam a ser importantes, mas a sua 
renovação é urgente. Precisamos de algum 
modelo de referência que nos ajude a 
romper com o statu quo a nível nacional e 
europeu. Social-democracia, eco-socialismo 
ou socialismo democrático e mesmo a 
ideia de comunismo continuam a ser 
campos de refl exão a considerar para uma 
reatualização do pensamento de esquerda. 
Mas mais do que de pensamento, a esquerda 
precisa de bons exemplos de liderança, 
transparência e formas comunicacionais 
inovadoras. As atuais ou futuras plataformas 
político-partidárias terão de “retirar do 
armário” as velhas referências doutrinárias 
e reatualizá-las à luz da nova realidade 
sociopolítica. Sem esquecer que hoje 
as gerações mais jovens – e os cidadãos 
em geral – exigem novos modelos de 
organização, de representação e de 
participação (onde a cidadania e o ativismo 
virtual-real tende a ocupar um lugar de 
relevo). Não se espera, naturalmente, 
qualquer aproximação de posições entre PS, 
PC e BE, mas se continuarem “blindados” 
face a essa exigência poderão vir a ocorrer 
novos arranjos internos, ruturas e canais 
de diálogo que abram caminho aos atores 
políticos do futuro. Enquanto isso não 
acontece, o provável regresso do PS ao 
poder poderá abrir-se a um novo projeto de 
esquerda ou será apenas um dejà vu? 
Investigador do Centro de Estudos Sociais 
e professor da Faculdade de Economia da 
Universidade de Coimbra

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_eeRccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_eeElisio Estanque
 
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezJuventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezElisio Estanque
 
Elites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElisio Estanque
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Elisio Estanque
 
Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo Elisio Estanque
 
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Elisio Estanque
 
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05Elisio Estanque
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Elisio Estanque
 
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014Elisio Estanque
 
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Elisio Estanque
 
Ee onde pára o socialismo e para onde vai o ps 2.jun_2014
Ee onde pára o socialismo e para onde vai o ps 2.jun_2014Ee onde pára o socialismo e para onde vai o ps 2.jun_2014
Ee onde pára o socialismo e para onde vai o ps 2.jun_2014Elisio Estanque
 
Soltar as ideias, libertar a esquerda
Soltar as ideias, libertar a esquerdaSoltar as ideias, libertar a esquerda
Soltar as ideias, libertar a esquerdaElisio Estanque
 
Democracia e socialismo
Democracia e socialismoDemocracia e socialismo
Democracia e socialismoDaylson Lima
 
Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Elisio Estanque
 
Cadernos Opção Socialista - Edição 1
Cadernos Opção Socialista - Edição 1Cadernos Opção Socialista - Edição 1
Cadernos Opção Socialista - Edição 1Sofia Cavedon
 
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentar
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentarComo Costa vai engolir a esquerda parlamentar
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentarGRAZIA TANTA
 
Jornal insurgência psol
Jornal insurgência psolJornal insurgência psol
Jornal insurgência psolMarcos Silveira
 
Social democracia. afunda-se ou renova-se (1ª parte)
Social democracia. afunda-se ou renova-se (1ª parte)Social democracia. afunda-se ou renova-se (1ª parte)
Social democracia. afunda-se ou renova-se (1ª parte)GRAZIA TANTA
 

Mais procurados (20)

Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_eeRccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
 
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezJuventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
 
Elites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluções
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
 
Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo
 
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
 
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
 
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
 
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
 
Ee onde pára o socialismo e para onde vai o ps 2.jun_2014
Ee onde pára o socialismo e para onde vai o ps 2.jun_2014Ee onde pára o socialismo e para onde vai o ps 2.jun_2014
Ee onde pára o socialismo e para onde vai o ps 2.jun_2014
 
Soltar as ideias, libertar a esquerda
Soltar as ideias, libertar a esquerdaSoltar as ideias, libertar a esquerda
Soltar as ideias, libertar a esquerda
 
O Socialismo Petista
O Socialismo PetistaO Socialismo Petista
O Socialismo Petista
 
Democracia e socialismo
Democracia e socialismoDemocracia e socialismo
Democracia e socialismo
 
Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?
 
Cadernos Opção Socialista - Edição 1
Cadernos Opção Socialista - Edição 1Cadernos Opção Socialista - Edição 1
Cadernos Opção Socialista - Edição 1
 
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentar
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentarComo Costa vai engolir a esquerda parlamentar
Como Costa vai engolir a esquerda parlamentar
 
Texto 1
Texto 1Texto 1
Texto 1
 
Jornal insurgência psol
Jornal insurgência psolJornal insurgência psol
Jornal insurgência psol
 
Social democracia. afunda-se ou renova-se (1ª parte)
Social democracia. afunda-se ou renova-se (1ª parte)Social democracia. afunda-se ou renova-se (1ª parte)
Social democracia. afunda-se ou renova-se (1ª parte)
 

Destaque

Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Elisio Estanque
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeElisio Estanque
 
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015Elisio Estanque
 
Entrevista - Estado de São Paulo Menos valia - estadao.com
Entrevista - Estado de São Paulo Menos valia - estadao.comEntrevista - Estado de São Paulo Menos valia - estadao.com
Entrevista - Estado de São Paulo Menos valia - estadao.comElisio Estanque
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20Elisio Estanque
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Elisio Estanque
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1Elisio Estanque
 

Destaque (7)

Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho ee
 
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
 
Entrevista - Estado de São Paulo Menos valia - estadao.com
Entrevista - Estado de São Paulo Menos valia - estadao.comEntrevista - Estado de São Paulo Menos valia - estadao.com
Entrevista - Estado de São Paulo Menos valia - estadao.com
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1
 

Semelhante a Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014

O sistema partidário português
O sistema partidário  portuguêsO sistema partidário  português
O sistema partidário portuguêsGRAZIA TANTA
 
O que-sao-partidos-politicos-nildo-viana
O que-sao-partidos-politicos-nildo-vianaO que-sao-partidos-politicos-nildo-viana
O que-sao-partidos-politicos-nildo-vianaMariane Lopes
 
CEPÊDA_TRAJETÓRIAS DO CORPORATIVISMO NO BRASIL - Teoria social, problemas eco...
CEPÊDA_TRAJETÓRIAS DO CORPORATIVISMO NO BRASIL - Teoria social, problemas eco...CEPÊDA_TRAJETÓRIAS DO CORPORATIVISMO NO BRASIL - Teoria social, problemas eco...
CEPÊDA_TRAJETÓRIAS DO CORPORATIVISMO NO BRASIL - Teoria social, problemas eco...Jeferson Alexandre Miranda
 
Perguntas óbvias no momento que corre
Perguntas óbvias no momento que correPerguntas óbvias no momento que corre
Perguntas óbvias no momento que correGRAZIA TANTA
 
Clc 5 OpiniãOpublica
Clc 5 OpiniãOpublicaClc 5 OpiniãOpublica
Clc 5 OpiniãOpublicaLuís Costa
 
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte IIPolítica, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte IIUFPB
 
Daniel AarãO 150 Anos Manifesto Comunista
Daniel AarãO   150 Anos Manifesto ComunistaDaniel AarãO   150 Anos Manifesto Comunista
Daniel AarãO 150 Anos Manifesto Comunistacarloslyr
 
Facebook concertação social, caciquismo, partidos...
Facebook concertação social, caciquismo, partidos...Facebook concertação social, caciquismo, partidos...
Facebook concertação social, caciquismo, partidos...Elisio Estanque
 
Aula1oquee Tp Objetivos Importancia
Aula1oquee Tp Objetivos ImportanciaAula1oquee Tp Objetivos Importancia
Aula1oquee Tp Objetivos Importanciapolianna
 
T6 desigualdades de classes 2010
T6 desigualdades de classes 2010T6 desigualdades de classes 2010
T6 desigualdades de classes 2010Elisio Estanque
 
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo pibidsociais
 
Democracia em Colapso.pdf
Democracia em Colapso.pdfDemocracia em Colapso.pdf
Democracia em Colapso.pdfLilianeBA
 
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)GRAZIA TANTA
 
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)GabrielaMansur
 
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Elisio Estanque
 
Unidade 1 a dissolução do poder – sociologia das relações
Unidade 1   a dissolução do poder – sociologia das relaçõesUnidade 1   a dissolução do poder – sociologia das relações
Unidade 1 a dissolução do poder – sociologia das relaçõesDejalma cremonese
 
PERSPECTIVAS-SOCIOLÓGICAS-CONTEMPORÂNEAS.pptx
PERSPECTIVAS-SOCIOLÓGICAS-CONTEMPORÂNEAS.pptxPERSPECTIVAS-SOCIOLÓGICAS-CONTEMPORÂNEAS.pptx
PERSPECTIVAS-SOCIOLÓGICAS-CONTEMPORÂNEAS.pptxssuser47aa16
 

Semelhante a Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014 (20)

O sistema partidário português
O sistema partidário  portuguêsO sistema partidário  português
O sistema partidário português
 
O que-sao-partidos-politicos-nildo-viana
O que-sao-partidos-politicos-nildo-vianaO que-sao-partidos-politicos-nildo-viana
O que-sao-partidos-politicos-nildo-viana
 
CEPÊDA_TRAJETÓRIAS DO CORPORATIVISMO NO BRASIL - Teoria social, problemas eco...
CEPÊDA_TRAJETÓRIAS DO CORPORATIVISMO NO BRASIL - Teoria social, problemas eco...CEPÊDA_TRAJETÓRIAS DO CORPORATIVISMO NO BRASIL - Teoria social, problemas eco...
CEPÊDA_TRAJETÓRIAS DO CORPORATIVISMO NO BRASIL - Teoria social, problemas eco...
 
Pilulas democraticas 6 Lado
Pilulas democraticas 6  LadoPilulas democraticas 6  Lado
Pilulas democraticas 6 Lado
 
Perguntas óbvias no momento que corre
Perguntas óbvias no momento que correPerguntas óbvias no momento que corre
Perguntas óbvias no momento que corre
 
Revista juventude democracia socialista set 18 (1) (1)
Revista juventude democracia socialista set 18 (1) (1)Revista juventude democracia socialista set 18 (1) (1)
Revista juventude democracia socialista set 18 (1) (1)
 
Clc 5 OpiniãOpublica
Clc 5 OpiniãOpublicaClc 5 OpiniãOpublica
Clc 5 OpiniãOpublica
 
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte IIPolítica, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
Política, manifestações e o pensamento conservador no brasil – Parte II
 
Daniel AarãO 150 Anos Manifesto Comunista
Daniel AarãO   150 Anos Manifesto ComunistaDaniel AarãO   150 Anos Manifesto Comunista
Daniel AarãO 150 Anos Manifesto Comunista
 
Facebook concertação social, caciquismo, partidos...
Facebook concertação social, caciquismo, partidos...Facebook concertação social, caciquismo, partidos...
Facebook concertação social, caciquismo, partidos...
 
Aula1oquee Tp Objetivos Importancia
Aula1oquee Tp Objetivos ImportanciaAula1oquee Tp Objetivos Importancia
Aula1oquee Tp Objetivos Importancia
 
T6 desigualdades de classes 2010
T6 desigualdades de classes 2010T6 desigualdades de classes 2010
T6 desigualdades de classes 2010
 
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
 
Democracia em Colapso.pdf
Democracia em Colapso.pdfDemocracia em Colapso.pdf
Democracia em Colapso.pdf
 
Sociologia 8
Sociologia 8Sociologia 8
Sociologia 8
 
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
Um internacionalismo do século xxi, contra o capitalismo e o nacionalismo (2)
 
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
 
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
 
Unidade 1 a dissolução do poder – sociologia das relações
Unidade 1   a dissolução do poder – sociologia das relaçõesUnidade 1   a dissolução do poder – sociologia das relações
Unidade 1 a dissolução do poder – sociologia das relações
 
PERSPECTIVAS-SOCIOLÓGICAS-CONTEMPORÂNEAS.pptx
PERSPECTIVAS-SOCIOLÓGICAS-CONTEMPORÂNEAS.pptxPERSPECTIVAS-SOCIOLÓGICAS-CONTEMPORÂNEAS.pptx
PERSPECTIVAS-SOCIOLÓGICAS-CONTEMPORÂNEAS.pptx
 

Mais de Elisio Estanque

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215Elisio Estanque
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Elisio Estanque
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2Elisio Estanque
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Elisio Estanque
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Elisio Estanque
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisElisio Estanque
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Elisio Estanque
 
Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Elisio Estanque
 
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaPortugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaElisio Estanque
 
Entrevista expresso_Brasil
Entrevista expresso_BrasilEntrevista expresso_Brasil
Entrevista expresso_BrasilElisio Estanque
 
Transformação social, democracia e cultura de empresa
Transformação social, democracia e cultura de empresaTransformação social, democracia e cultura de empresa
Transformação social, democracia e cultura de empresaElisio Estanque
 
Social-democracia e aparelhismo
Social-democracia e aparelhismoSocial-democracia e aparelhismo
Social-democracia e aparelhismoElisio Estanque
 

Mais de Elisio Estanque (19)

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015
 
GLU column
GLU column  GLU column
GLU column
 
Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015
 
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaPortugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
 
Voos de borboleta
Voos de borboletaVoos de borboleta
Voos de borboleta
 
Entrevista expresso_Brasil
Entrevista expresso_BrasilEntrevista expresso_Brasil
Entrevista expresso_Brasil
 
Transformação social, democracia e cultura de empresa
Transformação social, democracia e cultura de empresaTransformação social, democracia e cultura de empresa
Transformação social, democracia e cultura de empresa
 
Duas classes medias
Duas classes mediasDuas classes medias
Duas classes medias
 
Social-democracia e aparelhismo
Social-democracia e aparelhismoSocial-democracia e aparelhismo
Social-democracia e aparelhismo
 

Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014

  • 1. 46 | PÚBLICO, QUA 1 OUT 2014 O PS, o PC e a esquerda desavinda Elísio Estanque Vencedores e vencidos do PREC não esqueceram nem perdoaram. Mas alguns foram ficando mais iguais Após a conclusão de um processo inédito de Primárias no seio do PS, vale a pena ensaiar uma breve “genealogia” da esquerda. Sem esquecer a sua matriz ideológica comum, para uma refl exão sobre as difi culdades de entendimento entre as esquerdas, importa conjugar a questão programática com o problema interno das lideranças e do poder, que ao longo de quase dois séculos tantas desavenças provocou. O Partido Comunista, o Partido Socialista e o Bloco de Esquerda têm no seu “código genético” importantes pontos de contacto com o campo comunista e social-democrata, cuja génese reside no pensamento marxista. Como se sabe, correntes políticas personifi cadas por Lenine, Trotsky, Estaline, Rosa Luxemburgo ou Bakunin, com todos os seus desdobramentos, cisões e rivalidades, deram lugar a múltiplas controvérsias onde, ao lado do “debate de ideias”, as disputas, traições e vaidades pessoais deixaram pelo caminho milhares de vítimas. Com a denúncia do “gulag” (por via de testemunhos dramáticos de dissidentes da ex-URSS como Kravchenko e Soljenitsin) e a sua disseminação no Ocidente, surgiram novas ruturas no seio dos movimentos socialista e comunista, numa altura em que o reformismo social-democrata, o “socialismo democrático” e a democracia liberal ganhavam adeptos à custa do combate ao estalinismo e do triunfo do Estado providência na Europa. Também em Portugal essas divisões se acentuaram na década de 1960 e ganharam expressão nos inúmeros grupos que vieram à luz do dia em 1974 (PCs M-Ls, MRPP, LCI, MES, etc.). Nesse contexto, o PS de Mário Soares ganhou a batalha decisiva da democracia e ocupou um lugar-charneira na sua relação com a restante esquerda, demarcando-se da esquerda radical (ou ortodoxa) com base na defesa do pluralismo de opinião, e fazendo da “dissensão” e da “democracia interna” a sua própria força-motriz. Mas o atual PS cortou com isso em benefício de uma unidade corporativista fundada nos interesses instalados, mais do que nos princípios éticos e republicanos do passado. A dissidência Soares-Cunhal, que começou ainda no seio do PCP nos anos sessenta, reverteu-se no pós-25 de Abril numa clivagem brutal, forjada no radicalismo do PREC. Com as paixões políticas ao rubro – o PS, de um lado, o PCP e a extrema-esquerda, do outro –, dirigentes e militantes faziam uso da linguagem vanguardista e das experiências de solidariedade e democracia participativa, para camufl ar múltiplas vinganças, oportunismos e ódios pessoais. Vencedores e vencidos do PREC não esqueceram nem perdoaram. Mas alguns foram fi cando mais iguais. Apesar das suas inegáveis diferenças no plano programático e das conceções de democracia, entre PS e PCP há cada vez mais semelhanças no seu modo de funcionamento interno. Há quarenta anos, o campo sindical materializou a divisão PS-PC de modo especialmente dramático, agudizando ressentimentos recíprocos à medida que o terreno do sindicalismo se foi tornando o último bastião de infl uência política dos “derrotados” do 25 de novembro. Não nos esqueçamos que a UGT foi criada para travar a CGTP e a infl uência do PC. É claro que na vida prática, dentro ou fora das instituições (no Parlamento, nas autarquias, nas empresas ou nos sindicatos, onde militantes destes dois partidos convivem diariamente), essas clivagens são muitas vezes ultrapassadas pela força das coisas e pelos interesses imediatos que estão em jogo. Mas, mesmo quando é contrariada pontualmente, por razões pragmáticas, a rivalidade política cavou muros intransponíveis. O discurso perdeu conteúdo ideológico mas reforçou os seus efeitos de plasticidade junto aos “fi éis”, ou seja, a diabolização do outro é o principal condimento de fi delização de cada “facção” (ou base eleitoral). Sabemos bem que a sociedade mudou e passou o tempo das grandes ideologias políticas. Porém, partidos e movimentos precisam de ideologia como de pão para a boca, sobretudo se por ideologia entendermos um novo pensamento que abra caminho a novos projetos emancipatórios e desenvolvimentistas. Nos últimos anos, houve no nosso país iniciativas pontuais indiciadoras de vontade renovadora, se bem que, até agora, com resultados pífi os. A candidatura de Manuel Alegre (em 2006) à revelia do PS, o crescimento do BE e alguns sinais de abertura, mais recentemente o Congresso Democrático das Alternativas, o Fórum das Esquerdas, o Movimento 3D, a criação do Partido Livre, o resultado obtido nas eleições europeias pelo Partido da Terra (sob a infl uência de Marinho e Pinto), e mesmo a recente rutura do Fórum Manifesto, que saiu do Bloco, são indicadores de insatisfação e um desejo difuso de revitalização das esquerdas, na linha aliás de iniciativas recentes noutros países europeus Mais do que de pensamento, a esquerda precisa de bons exemplos de liderança e transparência RUI GAUDÊNCIO (como em Espanha e na Grécia). Os legados ideológicos do passado continuam a ser importantes, mas a sua renovação é urgente. Precisamos de algum modelo de referência que nos ajude a romper com o statu quo a nível nacional e europeu. Social-democracia, eco-socialismo ou socialismo democrático e mesmo a ideia de comunismo continuam a ser campos de refl exão a considerar para uma reatualização do pensamento de esquerda. Mas mais do que de pensamento, a esquerda precisa de bons exemplos de liderança, transparência e formas comunicacionais inovadoras. As atuais ou futuras plataformas político-partidárias terão de “retirar do armário” as velhas referências doutrinárias e reatualizá-las à luz da nova realidade sociopolítica. Sem esquecer que hoje as gerações mais jovens – e os cidadãos em geral – exigem novos modelos de organização, de representação e de participação (onde a cidadania e o ativismo virtual-real tende a ocupar um lugar de relevo). Não se espera, naturalmente, qualquer aproximação de posições entre PS, PC e BE, mas se continuarem “blindados” face a essa exigência poderão vir a ocorrer novos arranjos internos, ruturas e canais de diálogo que abram caminho aos atores políticos do futuro. Enquanto isso não acontece, o provável regresso do PS ao poder poderá abrir-se a um novo projeto de esquerda ou será apenas um dejà vu? Investigador do Centro de Estudos Sociais e professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra