SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Elísio Estanque*
Jornal PÚBLICO, 14.04.2014
Ambivalências da sociologia portuguesa
Na altura em que se reúne em Évora o VIII Congresso da Sociologia Portuguesa,
pode justificar-se um breve balanço em torno da disciplina, das suas promessas e
dilemas. A sociologia nasceu no século XIX quando a “questão social” e a miséria da
classe operária ameaçavam o capitalismo emergente no mundo ocidental: com Marx,
ela quis ser uma ferramenta para “mudar” a sociedade; com Durkheim, um instrumento
“terapêutico” para curá-la da “anomia” social; e com Weber um meio de compreender a
racionalidade das instituições, da economia e dos indivíduos.
A explicação do social através do social é a vocação principal da sociologia, mas
como o social tende a insinuar-se nas zonas mais recônditas da estrutura da
sociedade, a tarefa de lhe dar visibilidade obriga a romper com as aparências, ou seja,
com as ideologias “oficiais” e os estereótipos do senso comum. Mais do que a rutura
bachelardiana ou a descoberta da “verdade”, a sua missão é a de fazer com que certos
fenómenos da vida social tidos como “naturais” sejam vistos como fruto da própria
sociedade e, desse modo, passem a ser questionáveis. A sociedade está em nós e ao
mesmo tempo constrói-se e reproduz-se a partir da dinâmica intersubjetiva, o que dá
razão a Marcel Proust quando afirmou que “o social é a criação do pensamento dos
outros”. Porém, mais do que a simples interação, importa olhar as estruturas. É
fundamental entende-las não enquanto forças deterministas mas enquanto processos
com poder de resiliência cuja inércia tende a impor-se aos indivíduos, condicionando a
sua consciência e muitas vezes anulando a sua capacidade de ação. É por isso que,
olhando as atuais sociedades, cujas relações sociais são estruturadas sob assimetrias
de poder e desigualdades tão flagrantes, a objetividade e o rigor teórico e metodológico
da sociologia não podem confundir-se com “neutralidade”.
Em Portugal, foi o prof. Adérito Sedas Nunes que fundou a sociologia portuguesa, a
partir do ex-GIS/ Gabinete de Investigações Sociais (fundado em 1962) e, logo depois,
a Revista Análise Social (1963), a primeira publicação periódica da nossa sociologia,
seguindo-se-lhe, já em 1978, a Revista Crítica de Ciências Sociais, em Coimbra e mais
tarde a Sociologia – Problemas e Práticas (1986 – ligada ao ISCTE), ainda hoje
consideradas as mais importantes revistas desta área. Só após o período agitado da
Revolução dos Cravos, este campo académico se consolidou e desenvolveu. Depois
de ter sido uma ciência “maldita”, tornou-se para alguns sinónimo de “socialismo”.
Curiosamente, a primeira geração de sociólogos portugueses não foi licenciada em
sociologia. Em muitos casos, a sua formação foi obtida em áreas afins nas
universidades europeias na década de 1960, quando Portugal estava ainda
mergulhado no obscurantismo e a Europa despertava para as primeiras rebeliões da
juventude. Entre as convulsões sociais e a sociologia como ciência sempre existiu uma
relação ambivalente: no maio de 68 em Paris a sociologia foi acusada de ter “uma
prática racionalista ao serviço de fins burgueses” (Daniel Cohn-Bendit e outros
«Pourquoi des sociologues?»), mas muitos dos que viriam a engrossar a geração
seguinte da sociologia também passaram pelos campi de Nanterre e da Sorbonne.
Estima-se que existam, hoje em dia, cerca de 30 mil sociólogos em Portugal,
saídos dos cursos que entretanto floresceram no país (Lisboa, Porto, Coimbra, Évora,
Braga, Covilhã, Faro), a maioria deles licenciados na última década. Segundo um
inquérito recente realizado pela APS – Associação Portuguesa de Sociologia, 86,6%
dos licenciados estão empregados e 63,8% deles consideram que a sua formação é
adequada às tarefas que desempenham. No entanto, os setores que mais absorvem
sociólogos inserem-se na área das políticas públicas (educação, investigação,
administração pública e segurança social) enquanto a componente de mercado é ainda
praticamente residual, o que é bem revelador da fraca sensibilidade do tecido
empresarial para contratar sociólogos. Os municípios, o ensino e formação, e o campo
associativo e do desenvolvimento local absorvem o que resta da atividade da
sociologia portuguesa, na vertente “técnica” ou profissional.
Talvez a própria sociologia pudesse ter feito mais pelo seu reconhecimento no
plano profissional, mas aí reside outra das suas ambivalências, ou seja, o facto dela
continuar, quase duzentos anos depois, a querer, por um lado, agir no seio das
instituições para “olear” o sistema e, por outro lado, a participar da dinâmica da
sociedade civil e a acompanhar os movimentos e as forças que denunciam os poderes
e as iniquidades da estrutura social no seu conjunto. Sempre que as rebeliões sociais e
a conflitualidade “aquecem” a sociedade, a sociologia debate-se com o dilema entre
“aperfeiçoar” a “ordem” ou estimular a mudança radical. O conhecimento do social
pode, portanto, ser mais instrumental ou mais reflexivo; e, dependendo do cruzamento
entre eles e os tipos de público a que se dirigem (académico ou extra-académico),
assim a sociologia será mais funcionalista ou mais crítica, mais virada para as
instituições, para si própria ou para uma sociologia pública dirigida aos cidadãos e aos
grupos subalternos.
Num momento em que as instituições voltaram a bloquear e a sociedade volta a
dar sinais de “anomia”, quando o sistema capitalista exibe de novo a sua vocação mais
desumana – cujo efeito é uma nova barbárie que está a esgaçar o tecido social e a
arruinar a coesão, construída, a custo, na segunda metade do século passado –,
precisamos decidir, enquanto sociólogos, se ainda há espaço para a “reforma” deste
sistema, ou se devemos reinventar uma teoria crítica que promova novas utopias e
ajude a abrir caminhos alternativos ao atual modelo de “sociedade ocidental”.
__
* Professor da Faculdade de Economia e investigador do Centro de Estudos Sociais
da Universidade de Coimbra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Elisio Estanque
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Elisio Estanque
 
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014Elisio Estanque
 
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14Elisio Estanque
 
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014Elisio Estanque
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Elisio Estanque
 
Elites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElisio Estanque
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Elisio Estanque
 
Sonhos de civilização
Sonhos de civilizaçãoSonhos de civilização
Sonhos de civilizaçãoAldenei Barros
 
Rosa luxemburgo versao-web
Rosa luxemburgo versao-webRosa luxemburgo versao-web
Rosa luxemburgo versao-webCláudio Rennó
 
Uma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoUma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoElisio Estanque
 
Sociologia aplicada à ADM - introdutório
Sociologia aplicada à ADM - introdutórioSociologia aplicada à ADM - introdutório
Sociologia aplicada à ADM - introdutórioCamila Tribess
 
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Rogerio Silva
 
Precariado e luta de classes 15.07.2012
Precariado e luta de classes 15.07.2012Precariado e luta de classes 15.07.2012
Precariado e luta de classes 15.07.2012Elisio Estanque
 
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...Anderson Silva
 
Anthony giddens as consequencias da modernidade
Anthony giddens   as consequencias da modernidadeAnthony giddens   as consequencias da modernidade
Anthony giddens as consequencias da modernidadeMarcelo Henrique Bastos
 

Mais procurados (20)

Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
 
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
 
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
 
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
 
Elites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluções
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
 
Sonhos de civilização
Sonhos de civilizaçãoSonhos de civilização
Sonhos de civilização
 
Sociologia metodo sistemico
Sociologia metodo sistemicoSociologia metodo sistemico
Sociologia metodo sistemico
 
Rosa luxemburgo versao-web
Rosa luxemburgo versao-webRosa luxemburgo versao-web
Rosa luxemburgo versao-web
 
Uma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoUma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismo
 
Aula intr sociologia
Aula intr sociologiaAula intr sociologia
Aula intr sociologia
 
Sociologia aplicada à ADM - introdutório
Sociologia aplicada à ADM - introdutórioSociologia aplicada à ADM - introdutório
Sociologia aplicada à ADM - introdutório
 
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
 
Presentation7
Presentation7Presentation7
Presentation7
 
Precariado e luta de classes 15.07.2012
Precariado e luta de classes 15.07.2012Precariado e luta de classes 15.07.2012
Precariado e luta de classes 15.07.2012
 
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
 
978 613-9-60525-5
978 613-9-60525-5978 613-9-60525-5
978 613-9-60525-5
 
Anthony giddens as consequencias da modernidade
Anthony giddens   as consequencias da modernidadeAnthony giddens   as consequencias da modernidade
Anthony giddens as consequencias da modernidade
 

Destaque

Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Elisio Estanque
 
As praxes e o poder ee jan2014
As praxes e o poder ee jan2014As praxes e o poder ee jan2014
As praxes e o poder ee jan2014Elisio Estanque
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Elisio Estanque
 
A ucrania e o maniqueísmo neo sovietico ee-nn
A ucrania e o maniqueísmo neo sovietico ee-nnA ucrania e o maniqueísmo neo sovietico ee-nn
A ucrania e o maniqueísmo neo sovietico ee-nnElisio Estanque
 
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014Elisio Estanque
 
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012Elisio Estanque
 
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_eePortugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_eeElisio Estanque
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20Elisio Estanque
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Elisio Estanque
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1Elisio Estanque
 
Público 14 rebeliao e resistência organizada 30.09.2012
Público 14 rebeliao e resistência organizada 30.09.2012Público 14 rebeliao e resistência organizada 30.09.2012
Público 14 rebeliao e resistência organizada 30.09.2012Elisio Estanque
 
Público 13 realismo utopico ee_29.09.2012
Público 13 realismo utopico ee_29.09.2012Público 13 realismo utopico ee_29.09.2012
Público 13 realismo utopico ee_29.09.2012Elisio Estanque
 

Destaque (13)

Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
 
As praxes e o poder ee jan2014
As praxes e o poder ee jan2014As praxes e o poder ee jan2014
As praxes e o poder ee jan2014
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
 
A ucrania e o maniqueísmo neo sovietico ee-nn
A ucrania e o maniqueísmo neo sovietico ee-nnA ucrania e o maniqueísmo neo sovietico ee-nn
A ucrania e o maniqueísmo neo sovietico ee-nn
 
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
 
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
 
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_eePortugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1
 
Público 14 rebeliao e resistência organizada 30.09.2012
Público 14 rebeliao e resistência organizada 30.09.2012Público 14 rebeliao e resistência organizada 30.09.2012
Público 14 rebeliao e resistência organizada 30.09.2012
 
Fugas ee 3.11.2012
Fugas ee 3.11.2012Fugas ee 3.11.2012
Fugas ee 3.11.2012
 
Público 13 realismo utopico ee_29.09.2012
Público 13 realismo utopico ee_29.09.2012Público 13 realismo utopico ee_29.09.2012
Público 13 realismo utopico ee_29.09.2012
 

Semelhante a O papel da sociologia portuguesa e seus desafios atuais

Definição de sociologia
Definição de sociologia Definição de sociologia
Definição de sociologia Matheus Bolzan
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Over Lane
 
214448576 vestibular-impacto-sociologia
214448576 vestibular-impacto-sociologia214448576 vestibular-impacto-sociologia
214448576 vestibular-impacto-sociologiaJunior Sales
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?guest6a86aa
 
201 sociologia
201 sociologia201 sociologia
201 sociologiarosilane32
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdfLilianeBA
 
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdfLallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdfCarinaSilva626903
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)e neto
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia Maira Conde
 
Sociologia e engajamento, crh 2009
Sociologia e engajamento, crh 2009Sociologia e engajamento, crh 2009
Sociologia e engajamento, crh 2009Elisio Estanque
 
Sociologia e engajamento, crh 2009
Sociologia e engajamento, crh 2009Sociologia e engajamento, crh 2009
Sociologia e engajamento, crh 2009Elisio Estanque
 
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)GabrielaMansur
 

Semelhante a O papel da sociologia portuguesa e seus desafios atuais (20)

A importancia da sociologia na sociedade
A importancia da sociologia na sociedadeA importancia da sociologia na sociedade
A importancia da sociologia na sociedade
 
Definição de sociologia
Definição de sociologia Definição de sociologia
Definição de sociologia
 
6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
214448576 vestibular-impacto-sociologia
214448576 vestibular-impacto-sociologia214448576 vestibular-impacto-sociologia
214448576 vestibular-impacto-sociologia
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
O cenário histórico do surgimento da sociologia
O cenário histórico do surgimento da sociologiaO cenário histórico do surgimento da sociologia
O cenário histórico do surgimento da sociologia
 
201 sociologia
201 sociologia201 sociologia
201 sociologia
 
Sociologia - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - Prof.Altair Aguilar.Sociologia - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - Prof.Altair Aguilar.
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
 
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdfLallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
 
Mam 251
Mam 251 Mam 251
Mam 251
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
 
Sociologia e engajamento, crh 2009
Sociologia e engajamento, crh 2009Sociologia e engajamento, crh 2009
Sociologia e engajamento, crh 2009
 
Sociologia e engajamento, crh 2009
Sociologia e engajamento, crh 2009Sociologia e engajamento, crh 2009
Sociologia e engajamento, crh 2009
 
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
 

Mais de Elisio Estanque

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215Elisio Estanque
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214Elisio Estanque
 
Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Elisio Estanque
 
Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo Elisio Estanque
 
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05Elisio Estanque
 
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Elisio Estanque
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeElisio Estanque
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Elisio Estanque
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2Elisio Estanque
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Elisio Estanque
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Elisio Estanque
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisElisio Estanque
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Elisio Estanque
 
Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Elisio Estanque
 
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaPortugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaElisio Estanque
 

Mais de Elisio Estanque (20)

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
 
Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?
 
Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo
 
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
 
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho ee
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015
 
GLU column
GLU column  GLU column
GLU column
 
Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015
 
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaPortugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
 

O papel da sociologia portuguesa e seus desafios atuais

  • 1. Elísio Estanque* Jornal PÚBLICO, 14.04.2014 Ambivalências da sociologia portuguesa Na altura em que se reúne em Évora o VIII Congresso da Sociologia Portuguesa, pode justificar-se um breve balanço em torno da disciplina, das suas promessas e dilemas. A sociologia nasceu no século XIX quando a “questão social” e a miséria da classe operária ameaçavam o capitalismo emergente no mundo ocidental: com Marx, ela quis ser uma ferramenta para “mudar” a sociedade; com Durkheim, um instrumento “terapêutico” para curá-la da “anomia” social; e com Weber um meio de compreender a racionalidade das instituições, da economia e dos indivíduos. A explicação do social através do social é a vocação principal da sociologia, mas como o social tende a insinuar-se nas zonas mais recônditas da estrutura da sociedade, a tarefa de lhe dar visibilidade obriga a romper com as aparências, ou seja, com as ideologias “oficiais” e os estereótipos do senso comum. Mais do que a rutura bachelardiana ou a descoberta da “verdade”, a sua missão é a de fazer com que certos fenómenos da vida social tidos como “naturais” sejam vistos como fruto da própria sociedade e, desse modo, passem a ser questionáveis. A sociedade está em nós e ao mesmo tempo constrói-se e reproduz-se a partir da dinâmica intersubjetiva, o que dá razão a Marcel Proust quando afirmou que “o social é a criação do pensamento dos outros”. Porém, mais do que a simples interação, importa olhar as estruturas. É fundamental entende-las não enquanto forças deterministas mas enquanto processos com poder de resiliência cuja inércia tende a impor-se aos indivíduos, condicionando a sua consciência e muitas vezes anulando a sua capacidade de ação. É por isso que, olhando as atuais sociedades, cujas relações sociais são estruturadas sob assimetrias de poder e desigualdades tão flagrantes, a objetividade e o rigor teórico e metodológico da sociologia não podem confundir-se com “neutralidade”. Em Portugal, foi o prof. Adérito Sedas Nunes que fundou a sociologia portuguesa, a partir do ex-GIS/ Gabinete de Investigações Sociais (fundado em 1962) e, logo depois, a Revista Análise Social (1963), a primeira publicação periódica da nossa sociologia, seguindo-se-lhe, já em 1978, a Revista Crítica de Ciências Sociais, em Coimbra e mais
  • 2. tarde a Sociologia – Problemas e Práticas (1986 – ligada ao ISCTE), ainda hoje consideradas as mais importantes revistas desta área. Só após o período agitado da Revolução dos Cravos, este campo académico se consolidou e desenvolveu. Depois de ter sido uma ciência “maldita”, tornou-se para alguns sinónimo de “socialismo”. Curiosamente, a primeira geração de sociólogos portugueses não foi licenciada em sociologia. Em muitos casos, a sua formação foi obtida em áreas afins nas universidades europeias na década de 1960, quando Portugal estava ainda mergulhado no obscurantismo e a Europa despertava para as primeiras rebeliões da juventude. Entre as convulsões sociais e a sociologia como ciência sempre existiu uma relação ambivalente: no maio de 68 em Paris a sociologia foi acusada de ter “uma prática racionalista ao serviço de fins burgueses” (Daniel Cohn-Bendit e outros «Pourquoi des sociologues?»), mas muitos dos que viriam a engrossar a geração seguinte da sociologia também passaram pelos campi de Nanterre e da Sorbonne. Estima-se que existam, hoje em dia, cerca de 30 mil sociólogos em Portugal, saídos dos cursos que entretanto floresceram no país (Lisboa, Porto, Coimbra, Évora, Braga, Covilhã, Faro), a maioria deles licenciados na última década. Segundo um inquérito recente realizado pela APS – Associação Portuguesa de Sociologia, 86,6% dos licenciados estão empregados e 63,8% deles consideram que a sua formação é adequada às tarefas que desempenham. No entanto, os setores que mais absorvem sociólogos inserem-se na área das políticas públicas (educação, investigação, administração pública e segurança social) enquanto a componente de mercado é ainda praticamente residual, o que é bem revelador da fraca sensibilidade do tecido empresarial para contratar sociólogos. Os municípios, o ensino e formação, e o campo associativo e do desenvolvimento local absorvem o que resta da atividade da sociologia portuguesa, na vertente “técnica” ou profissional. Talvez a própria sociologia pudesse ter feito mais pelo seu reconhecimento no plano profissional, mas aí reside outra das suas ambivalências, ou seja, o facto dela continuar, quase duzentos anos depois, a querer, por um lado, agir no seio das instituições para “olear” o sistema e, por outro lado, a participar da dinâmica da sociedade civil e a acompanhar os movimentos e as forças que denunciam os poderes e as iniquidades da estrutura social no seu conjunto. Sempre que as rebeliões sociais e a conflitualidade “aquecem” a sociedade, a sociologia debate-se com o dilema entre “aperfeiçoar” a “ordem” ou estimular a mudança radical. O conhecimento do social pode, portanto, ser mais instrumental ou mais reflexivo; e, dependendo do cruzamento entre eles e os tipos de público a que se dirigem (académico ou extra-académico), assim a sociologia será mais funcionalista ou mais crítica, mais virada para as instituições, para si própria ou para uma sociologia pública dirigida aos cidadãos e aos grupos subalternos. Num momento em que as instituições voltaram a bloquear e a sociedade volta a dar sinais de “anomia”, quando o sistema capitalista exibe de novo a sua vocação mais
  • 3. desumana – cujo efeito é uma nova barbárie que está a esgaçar o tecido social e a arruinar a coesão, construída, a custo, na segunda metade do século passado –, precisamos decidir, enquanto sociólogos, se ainda há espaço para a “reforma” deste sistema, ou se devemos reinventar uma teoria crítica que promova novas utopias e ajude a abrir caminhos alternativos ao atual modelo de “sociedade ocidental”. __ * Professor da Faculdade de Economia e investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.