SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Elísio Estanque*
Jornal PÚBLICO, 18.05.2017
Juventude bloqueada? Velhas causas e novos desafios (I)
Se é verdade que “rebeldia” e “precariedade” rimam com a condição juvenil
talvez seja oportuno propor uma reflexão onde se questiona qual desses termos
se mostra, hoje em dia, mais pertinente para definir a atual juventude. Por outras
palavras, será pela irreverência e rebeldia ou antes pela capacidade adaptativa
que o chamado “precariado” pode deixar a sua marca na sociedade? É essa a
questão que procuro discutir neste e num próximo artigo.
No plano substantivo, a juventude emergiu como sujeito quando começou a
participar na definição do seu próprio futuro. Até meados do século passado,
pode dizer-se que as gerações se sucediam sob a tutela dos mais velhos e
submetidas à moral dominante, em geral sob a pressão normativa (ou repressiva)
das instituições e do Estado, como foi o caso do período salazarista. Na geração
dos meus pais – que foram adolescentes e “jovens” nos anos 1920-1930 –, os
filhos da classe trabalhadora tornavam-se trabalhadores mal saíam da escola
primária, e até antes disso. Em idade precoce assumiam as tarefas domésticas
(raparigas) ou eram mandados atrás do gado e a tratar da terra (rapazes), que
para isso não era preciso saber ler nem escrever. Só muito mais tarde a
«juventude» portuguesa ganhou expressão enquanto tal, justamente quando o
sistema de ensino começou a expandir-se e a guerra colonial surgiu como um
espectro ameaçador. Até então, pode dizer-se que não existia juventude, mas
antes adultos em estado embrionário (mesmo na infância e adolescência).
Por cá ou lá fora, a juventude nasceu, pois, em tempos convulsivos, tempos
de viragem, e só foi reconhecida como força social quando protagonizou ruturas
marcantes na história moderna. Seja como for, os jovens do século XXI merecem
a atenção das ciências sociais, tal como as gerações dos anos sessenta e setenta
do século passado inspiraram estudos incontornáveis da sociedade
contemporânea. Os jovens são o barómetro das tendências futuras. É verdade que
“juventude não é senão uma palavra” (como afirmou P. Bourdieu), mas na sua
diversidade construiu «Culturas juvenis» e tornou-se um veículo de novas
formas de assalariamento, tais como os «Ganchos, Tachos e Biscates» (títulos
conhecidos de J. Machado Pais).
Dizer que a «juventude» é uma construção social significa assumir que as
linhas-limite da condição juvenil se tornaram cada vez mais porosas e
indefinidas. Por outras palavras, o critério “idade” não é suficiente para definir a
juventude. E mesmo que o fosse, as próprias balizas etárias têm sido
progressivamente ampliadas e mostram-se hoje em dia cada vez mais instáveis.
Em geral, atribuímos ao «jovem» uma posição ambivalente, meio-dependente
meio-autónoma, um ser humano que já não é criança e que acaba de deixar para
trás a curta fase da adolescência; alguém que ainda não é independente, que está
a consolidar qualificações e em busca de uma posição no campo profissional; no
seu estatuto “transitório”, o jovem não constituiu ainda uma família nem possui
uma independência financeira, mas apesar disso pode usufruir de meios para
gerir a sua relativa autonomia.
Para as estatísticas oficiais, o critério etário continua a ser o mais importante,
mas isso só tem sentido se atendermos a que o nível mínimo de escolaridade
obrigatória está hoje no 12º ano e que só a partir dos 15 anos de idade é permitido
ter um trabalho assalariado. Isto sem esquecer o caso dos “nem-nem” (os que não
trabalham nem estudam), que em Portugal rodam os 300 mil e cujo número se
agravou na última década. Atualmente, é-se jovem entre os 15 e os 34 anos e o
que é ainda mais preocupante é que mesmo aos 40, muitos continuam com
empregos precários (ou desempregados de longa duração) e nessa altura torna-
se demasiado tarde para conquistarem um emprego decente e iniciar uma
carreira profissional. Esse, aliás, é talvez o fator de maior angústia da atual
geração que tem sido chamada de «Millennials» ou «Geração Y».
Desde os tempos dos baby boomers, nascidos no pós-II Guerra, lado a lado
com as novas correntes culturais e estilos musicais, a estética de irreverência, o
sentido de evasão (os “Rebeldes sem causa” que James Dean representou), a
rejeição do velho modelo de família, etc., tiveram lugar múltiplas ruturas
geracionais que se acentuaram nos sixties, enfrentando velhos tabus. Com a
ostentação do corpo no espaço público, a liberdade sexual e a exibição da
sensualidade (feminina em particular), floresceram novos padrões de gosto,
expressões de “contracultura” e estilos de vida alternativos que atingiram amplos
segmentos juvenis da classe média e daí irradiaram para os setores populares. No
terreno do radicalismo político, multiplicaram-se os grupos armados e as
brigadas revolucionárias de diversos tipos, e em vários continentes, da Europa
central e do Leste à guerrilha da América Latina. Numa linha diferente, podemos
ainda exaltar a coragem dos protestos massivos contra os tanques soviéticos em
Budapeste e em Praga, as ocupações nas universidades americanas e francesas,
culminando com o Maio de 68 em Paris (sem esquecer as lutas estudantis de 62
e 69 em Portugal). Poucos anos depois, o 25 de Abril português ainda atraiu,
como sabemos, milhares de revolucionários europeus de 68. Antes e depois disso,
as lutas contra a ameaça nuclear e a corrida ao armamento das superpotências;
os movimentos pacifistas, ecologistas e feministas; a violência dos grupos
autonomistas e a guerrilha urbana do IRA e da ETA, etc. tornaram-se ícones
incontornáveis na linguagem de sucessivas gerações.
Talvez o sentido de aventura, a atração pelo risco e a busca de adrenalina,
ajudem a explicar a facilidade com que os comportamentos juvenis podem cair
no extremismo. Na esfera da política identitária, muitos jovens entregam-se a
militâncias radicais, de natureza diversa, movidos por ideologias, endoutrinados
por líderes fanáticos ou atraídos por rituais poderosos e ideias esotéricas. Os mais
radicalizados tanto podem abraçar a extrema-esquerda como a extrema-direita.
Os Black Bloc, de um lado, e o Daesh, de outro, são exemplos desse extremar de
opções: os seus ativistas são predominantemente jovens ou “adultos-jovens” e,
apesar de serem ínfimas minorias, uns e outros já fizeram sentir a sua presença
com imenso aparato.
Já no terreno da política partidária, diga-se que a grande maioria dos jovens
se coloca de fora, seja por falta de consciência social e formação cívica, seja por
um excesso de lucidez quanto às características da atual “classe política”. Entre
os que se posicionam nesse campo, muitos iniciam-se nos núcleos estudantis,
prosseguem a carreira ao encontro de uma “Jota” e, com sorte, atingem o
Parlamento ou alguma assessoria num ministério; depois podem alcançar, ou
não, o sucesso individual. Em geral, adaptam-se ao mainstream e incorporam
plenamente a atitude seguidista que impera nos partidos políticos e nas
instituições. Quer pela formatação e adesão ao status quo, quer pela indiferença
e individualismo generalizados vive-se neste domínio um clima de pacificação. A
grande massa dos jovens portugueses evidencia uma ampla capacidade
adaptativa e isso, lado a lado com o gosto pela vida, o conhecimento técnico
avançado (sobretudo entre os mais qualificados) ou a aposta num projeto
empreendedor, leva-os a aceitar trabalhar com dedicação, mesmo em condições
de grande precariedade e de desrespeito pelos seus direitos. Mas para muitos
milhares a emigração é a alternativa. (continua…)
__
* Sociólogo, professor da Faculdade de Economia e investigador do Centro de Estudos Sociais da
Universidade de Coimbra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14Elisio Estanque
 
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014Elisio Estanque
 
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeVisto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeElisio Estanque
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Elisio Estanque
 
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014Elisio Estanque
 
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Elisio Estanque
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Elisio Estanque
 
Uma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoUma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoElisio Estanque
 
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Elisio Estanque
 
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Elisio Estanque
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Elisio Estanque
 
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14Elisio Estanque
 
Opinião classe média, beja santos
Opinião classe média, beja santosOpinião classe média, beja santos
Opinião classe média, beja santosElisio Estanque
 
Democracia e socialismo
Democracia e socialismoDemocracia e socialismo
Democracia e socialismoDaylson Lima
 
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14Elisio Estanque
 
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJCaderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJseperiodasostrasecasimiro
 

Mais procurados (20)

Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
Onde pára o socialismo ee publico_02.06.14
 
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
 
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeVisto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
 
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
 
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
 
Uma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoUma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismo
 
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
 
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
 
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
 
O Socialismo Petista
O Socialismo PetistaO Socialismo Petista
O Socialismo Petista
 
Opinião classe média, beja santos
Opinião classe média, beja santosOpinião classe média, beja santos
Opinião classe média, beja santos
 
Democracia e socialismo
Democracia e socialismoDemocracia e socialismo
Democracia e socialismo
 
Jlo262 blog20
Jlo262 blog20Jlo262 blog20
Jlo262 blog20
 
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
 
Bauman.pdf 2
Bauman.pdf 2Bauman.pdf 2
Bauman.pdf 2
 
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJCaderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
Caderno de Teses Gerais do XIV Congresso do Sepe/RJ
 
parteIII
parteIIIparteIII
parteIII
 

Semelhante a Juventude bloqueada ou precariedade: desafios da geração atual

Juventudes 1 ano soc.pdf
Juventudes 1 ano soc.pdfJuventudes 1 ano soc.pdf
Juventudes 1 ano soc.pdfAlmirFRANCO4
 
Montaigne símbolo e referencial para uma geração nova
Montaigne  símbolo e referencial para uma geração novaMontaigne  símbolo e referencial para uma geração nova
Montaigne símbolo e referencial para uma geração novaAugusto Rodrigues
 
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventudeNegações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventudeCatia Andressa
 
Artigo de rosicleide araújo de melo no xi conlab luso afro cs em 2011
Artigo de rosicleide araújo de melo no xi conlab luso afro cs em 2011Artigo de rosicleide araújo de melo no xi conlab luso afro cs em 2011
Artigo de rosicleide araújo de melo no xi conlab luso afro cs em 2011citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Educação do Negro na Primeira República-1889 á 1930.
Educação do Negro na Primeira República-1889 á 1930.Educação do Negro na Primeira República-1889 á 1930.
Educação do Negro na Primeira República-1889 á 1930.Emerson Mathias
 
Opiniao 9 elites e desigualdades 2006
Opiniao 9 elites e desigualdades 2006Opiniao 9 elites e desigualdades 2006
Opiniao 9 elites e desigualdades 2006Elisio Estanque
 
Montaigne, símbolo e referencial para uma geração nova
Montaigne, símbolo e referencial para uma geração novaMontaigne, símbolo e referencial para uma geração nova
Montaigne, símbolo e referencial para uma geração novaAugusto Rodrigues
 
Texto j uventudes, democracia e direitos humanos para ram em 2011, de Otávio ...
Texto j uventudes, democracia e direitos humanos para ram em 2011, de Otávio ...Texto j uventudes, democracia e direitos humanos para ram em 2011, de Otávio ...
Texto j uventudes, democracia e direitos humanos para ram em 2011, de Otávio ...Otavio Luiz Machado
 
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...Otavio Luiz Machado
 
Carrano comunicação coloquio luso brasileiro_sociologia_educ (1)
Carrano comunicação coloquio luso brasileiro_sociologia_educ (1)Carrano comunicação coloquio luso brasileiro_sociologia_educ (1)
Carrano comunicação coloquio luso brasileiro_sociologia_educ (1)pcarrano
 

Semelhante a Juventude bloqueada ou precariedade: desafios da geração atual (20)

Juventudes 1 ano soc.pdf
Juventudes 1 ano soc.pdfJuventudes 1 ano soc.pdf
Juventudes 1 ano soc.pdf
 
Montaigne símbolo e referencial para uma geração nova
Montaigne  símbolo e referencial para uma geração novaMontaigne  símbolo e referencial para uma geração nova
Montaigne símbolo e referencial para uma geração nova
 
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
 
Trabalho gerações
Trabalho geraçõesTrabalho gerações
Trabalho gerações
 
Gerações
GeraçõesGerações
Gerações
 
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventudeNegações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
 
Artigo de rosicleide araújo de melo no xi conlab luso afro cs em 2011
Artigo de rosicleide araújo de melo no xi conlab luso afro cs em 2011Artigo de rosicleide araújo de melo no xi conlab luso afro cs em 2011
Artigo de rosicleide araújo de melo no xi conlab luso afro cs em 2011
 
Redações
RedaçõesRedações
Redações
 
Educação do Negro na Primeira República-1889 á 1930.
Educação do Negro na Primeira República-1889 á 1930.Educação do Negro na Primeira República-1889 á 1930.
Educação do Negro na Primeira República-1889 á 1930.
 
Nesa palestra
Nesa palestraNesa palestra
Nesa palestra
 
Exercícios juv
Exercícios juvExercícios juv
Exercícios juv
 
Opiniao 9 elites e desigualdades 2006
Opiniao 9 elites e desigualdades 2006Opiniao 9 elites e desigualdades 2006
Opiniao 9 elites e desigualdades 2006
 
Montaigne, símbolo e referencial para uma geração nova
Montaigne, símbolo e referencial para uma geração novaMontaigne, símbolo e referencial para uma geração nova
Montaigne, símbolo e referencial para uma geração nova
 
Ditadura Militar 1964
Ditadura Militar 1964Ditadura Militar 1964
Ditadura Militar 1964
 
Juventude e cidadania
Juventude e cidadaniaJuventude e cidadania
Juventude e cidadania
 
Texto j uventudes, democracia e direitos humanos para ram em 2011, de Otávio ...
Texto j uventudes, democracia e direitos humanos para ram em 2011, de Otávio ...Texto j uventudes, democracia e direitos humanos para ram em 2011, de Otávio ...
Texto j uventudes, democracia e direitos humanos para ram em 2011, de Otávio ...
 
Livro juventude jovens bandeiras
Livro juventude jovens bandeirasLivro juventude jovens bandeiras
Livro juventude jovens bandeiras
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
 
Carrano comunicação coloquio luso brasileiro_sociologia_educ (1)
Carrano comunicação coloquio luso brasileiro_sociologia_educ (1)Carrano comunicação coloquio luso brasileiro_sociologia_educ (1)
Carrano comunicação coloquio luso brasileiro_sociologia_educ (1)
 

Mais de Elisio Estanque

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215Elisio Estanque
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Elisio Estanque
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Elisio Estanque
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1Elisio Estanque
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Elisio Estanque
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeElisio Estanque
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Elisio Estanque
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2Elisio Estanque
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Elisio Estanque
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Elisio Estanque
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisElisio Estanque
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Elisio Estanque
 
Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Elisio Estanque
 
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaPortugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaElisio Estanque
 

Mais de Elisio Estanque (20)

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho ee
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015
 
GLU column
GLU column  GLU column
GLU column
 
Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015Cromos e cargos_31.12-2015
Cromos e cargos_31.12-2015
 
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardiaPortugal, Alentejo - industrailização tardia
Portugal, Alentejo - industrailização tardia
 
Voos de borboleta
Voos de borboletaVoos de borboleta
Voos de borboleta
 

Último

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 

Juventude bloqueada ou precariedade: desafios da geração atual

  • 1. Elísio Estanque* Jornal PÚBLICO, 18.05.2017 Juventude bloqueada? Velhas causas e novos desafios (I) Se é verdade que “rebeldia” e “precariedade” rimam com a condição juvenil talvez seja oportuno propor uma reflexão onde se questiona qual desses termos se mostra, hoje em dia, mais pertinente para definir a atual juventude. Por outras palavras, será pela irreverência e rebeldia ou antes pela capacidade adaptativa que o chamado “precariado” pode deixar a sua marca na sociedade? É essa a questão que procuro discutir neste e num próximo artigo. No plano substantivo, a juventude emergiu como sujeito quando começou a participar na definição do seu próprio futuro. Até meados do século passado, pode dizer-se que as gerações se sucediam sob a tutela dos mais velhos e submetidas à moral dominante, em geral sob a pressão normativa (ou repressiva) das instituições e do Estado, como foi o caso do período salazarista. Na geração dos meus pais – que foram adolescentes e “jovens” nos anos 1920-1930 –, os filhos da classe trabalhadora tornavam-se trabalhadores mal saíam da escola primária, e até antes disso. Em idade precoce assumiam as tarefas domésticas (raparigas) ou eram mandados atrás do gado e a tratar da terra (rapazes), que para isso não era preciso saber ler nem escrever. Só muito mais tarde a «juventude» portuguesa ganhou expressão enquanto tal, justamente quando o sistema de ensino começou a expandir-se e a guerra colonial surgiu como um espectro ameaçador. Até então, pode dizer-se que não existia juventude, mas antes adultos em estado embrionário (mesmo na infância e adolescência). Por cá ou lá fora, a juventude nasceu, pois, em tempos convulsivos, tempos de viragem, e só foi reconhecida como força social quando protagonizou ruturas marcantes na história moderna. Seja como for, os jovens do século XXI merecem a atenção das ciências sociais, tal como as gerações dos anos sessenta e setenta do século passado inspiraram estudos incontornáveis da sociedade contemporânea. Os jovens são o barómetro das tendências futuras. É verdade que “juventude não é senão uma palavra” (como afirmou P. Bourdieu), mas na sua diversidade construiu «Culturas juvenis» e tornou-se um veículo de novas formas de assalariamento, tais como os «Ganchos, Tachos e Biscates» (títulos conhecidos de J. Machado Pais). Dizer que a «juventude» é uma construção social significa assumir que as linhas-limite da condição juvenil se tornaram cada vez mais porosas e indefinidas. Por outras palavras, o critério “idade” não é suficiente para definir a juventude. E mesmo que o fosse, as próprias balizas etárias têm sido progressivamente ampliadas e mostram-se hoje em dia cada vez mais instáveis. Em geral, atribuímos ao «jovem» uma posição ambivalente, meio-dependente meio-autónoma, um ser humano que já não é criança e que acaba de deixar para
  • 2. trás a curta fase da adolescência; alguém que ainda não é independente, que está a consolidar qualificações e em busca de uma posição no campo profissional; no seu estatuto “transitório”, o jovem não constituiu ainda uma família nem possui uma independência financeira, mas apesar disso pode usufruir de meios para gerir a sua relativa autonomia. Para as estatísticas oficiais, o critério etário continua a ser o mais importante, mas isso só tem sentido se atendermos a que o nível mínimo de escolaridade obrigatória está hoje no 12º ano e que só a partir dos 15 anos de idade é permitido ter um trabalho assalariado. Isto sem esquecer o caso dos “nem-nem” (os que não trabalham nem estudam), que em Portugal rodam os 300 mil e cujo número se agravou na última década. Atualmente, é-se jovem entre os 15 e os 34 anos e o que é ainda mais preocupante é que mesmo aos 40, muitos continuam com empregos precários (ou desempregados de longa duração) e nessa altura torna- se demasiado tarde para conquistarem um emprego decente e iniciar uma carreira profissional. Esse, aliás, é talvez o fator de maior angústia da atual geração que tem sido chamada de «Millennials» ou «Geração Y». Desde os tempos dos baby boomers, nascidos no pós-II Guerra, lado a lado com as novas correntes culturais e estilos musicais, a estética de irreverência, o sentido de evasão (os “Rebeldes sem causa” que James Dean representou), a rejeição do velho modelo de família, etc., tiveram lugar múltiplas ruturas geracionais que se acentuaram nos sixties, enfrentando velhos tabus. Com a ostentação do corpo no espaço público, a liberdade sexual e a exibição da sensualidade (feminina em particular), floresceram novos padrões de gosto, expressões de “contracultura” e estilos de vida alternativos que atingiram amplos segmentos juvenis da classe média e daí irradiaram para os setores populares. No terreno do radicalismo político, multiplicaram-se os grupos armados e as brigadas revolucionárias de diversos tipos, e em vários continentes, da Europa central e do Leste à guerrilha da América Latina. Numa linha diferente, podemos ainda exaltar a coragem dos protestos massivos contra os tanques soviéticos em Budapeste e em Praga, as ocupações nas universidades americanas e francesas, culminando com o Maio de 68 em Paris (sem esquecer as lutas estudantis de 62 e 69 em Portugal). Poucos anos depois, o 25 de Abril português ainda atraiu, como sabemos, milhares de revolucionários europeus de 68. Antes e depois disso, as lutas contra a ameaça nuclear e a corrida ao armamento das superpotências; os movimentos pacifistas, ecologistas e feministas; a violência dos grupos autonomistas e a guerrilha urbana do IRA e da ETA, etc. tornaram-se ícones incontornáveis na linguagem de sucessivas gerações. Talvez o sentido de aventura, a atração pelo risco e a busca de adrenalina, ajudem a explicar a facilidade com que os comportamentos juvenis podem cair no extremismo. Na esfera da política identitária, muitos jovens entregam-se a militâncias radicais, de natureza diversa, movidos por ideologias, endoutrinados por líderes fanáticos ou atraídos por rituais poderosos e ideias esotéricas. Os mais radicalizados tanto podem abraçar a extrema-esquerda como a extrema-direita. Os Black Bloc, de um lado, e o Daesh, de outro, são exemplos desse extremar de opções: os seus ativistas são predominantemente jovens ou “adultos-jovens” e, apesar de serem ínfimas minorias, uns e outros já fizeram sentir a sua presença com imenso aparato. Já no terreno da política partidária, diga-se que a grande maioria dos jovens se coloca de fora, seja por falta de consciência social e formação cívica, seja por um excesso de lucidez quanto às características da atual “classe política”. Entre os que se posicionam nesse campo, muitos iniciam-se nos núcleos estudantis,
  • 3. prosseguem a carreira ao encontro de uma “Jota” e, com sorte, atingem o Parlamento ou alguma assessoria num ministério; depois podem alcançar, ou não, o sucesso individual. Em geral, adaptam-se ao mainstream e incorporam plenamente a atitude seguidista que impera nos partidos políticos e nas instituições. Quer pela formatação e adesão ao status quo, quer pela indiferença e individualismo generalizados vive-se neste domínio um clima de pacificação. A grande massa dos jovens portugueses evidencia uma ampla capacidade adaptativa e isso, lado a lado com o gosto pela vida, o conhecimento técnico avançado (sobretudo entre os mais qualificados) ou a aposta num projeto empreendedor, leva-os a aceitar trabalhar com dedicação, mesmo em condições de grande precariedade e de desrespeito pelos seus direitos. Mas para muitos milhares a emigração é a alternativa. (continua…) __ * Sociólogo, professor da Faculdade de Economia e investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.