SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
211Vária Palavra
Esquerda, direita,
esquerda, direita: sentido?
Alessandro Gagnor Galvão*
“Dê seta para a esquerda, mas vire para a direita!”
(Juan Domingo Perón)
Roubar bancos ou a Petrobras para financiar a revolução justifica-se, para al-
guns, pela suposta superioridade moral da “esquerda”. O debate é empobrecido
ao utilizar como categoria principal a distinção imprecisa direita / esquerda, que no
Brasil opôs direitistas e esquerdistas similarmente militaristas, estatistas, nacionalis-
tas e antidemocráticos.
No Ocidente, as ditaduras, até a década de 1950, foram exclusivamente de
“direita”.Assim, o esquerdismo associava-se ao novo, ao progresso, à destruição da
ordem antiga.A afiliação à esquerda poderia ser assim justificada:
1. O homem é naturalmente bom, a sociedade o torna mau (Rousseau);
2. O capitalismo é inerentemente mau (Marx);
3. O socialismo é a superação da maldade capitalista (marxistas).
Conclusão: a esquerda é boa. O encadeamento de livres-associações levaria a
pensar, na pior das hipóteses, no estalinismo, menos estigmatizado como negativo
do que o nazismo, apesar de objetivamente ter matado muito mais gente, e em
tempos de paz.
Embora Rousseau, Marx e os marxistas tenham uma reflexão muito mais apro-
fundada e matizada, para efeitos de reforço da afiliação ideológica a regra acaba
sendo a simplificação: 1+2+3 = esquerda é o bem. Ou A+B+C = o Botafogo é
melhor do que o Flamengo. Ou X+Y+Z = meu país, bairro, Estado, religião ou cidade
é incomparavelmente melhor do que qualquer rival. “Lógico”.
Ou seja: o conteúdo concreto da realidade subordina-se ao esquema que a ex-
plica. Grande parte dos esquerdistas defende um controle maior do Estado sobre o
mercado, indivíduos e moral; portanto, classificar a esquerda como “libertária” pode
ser um vício equivocado.Ainda assim, mesmo estalinistas proclamam-se libertários.
O socialista Mussolini adotou como símbolo o fascio, feixe de gravetos amarra-
dos em torno de um machado: a união faz a força. Símbolo de poder dos magistra-
dos da Roma Antiga: união do povo em torno da justiça estatal. “Tudo no Estado,
212 Cadernos ASLEGIS | 50 • Setembro/Dezembro • 2014
nada fora do Estado, nada contra o Estado” – lema fascista, seguidor do comunismo
ao rejeitar o individualismo – associado, por ambos os totalitarismos, aos valores e
liberdades burguesas, antagonistas da igualdade e da fraternidade.
Louis Dumont, no livro “Homo Hierarchicus”, aponta o individualismo como ide-
ologia das sociedades modernas, em oposição às sociedades tradicionais, holistas,
onde o indivíduo considera primeiro seu lugar na sociedade, e só depois sua indivi-
dualidade. Nas sociedades tradicionais o destino individual vê-se como subordinado,
e não superior, à classe, sexo, “raça” ou faixa etária a que pertence.
No comunismo, assim como no nazifascismo ou nas teocracias, a fraternidade
de classe, raça, corporação, religião ou pátria é mais importante, ideologicamente, do
que o julgamento ou aspirações individuais. Segundo Dumont, numa sociedade indi-
vidualista, uma proposta holista (como o comunismo, o nazifacismo ou as teocracias)
só pode ser imposta por vias autoritárias.
O comunismo “utópico” continua a ter uma força de novidade e positividade
que é negada, porém, ao nazifascismo “utópico”. Embora a utopia sindical-corpo-
rativa peronista ou getulista não difira muito, na origem e na prática, das utopias
nazifascistas, esses trabalhistas geralmente se classificam como “esquerdistas”.
O comunismo é mais aceito do que o nazifascismo. Provavelmente, o quadro se
inverte em países vindos de ditaduras “esquerdistas”. Os EUA, que nunca tiveram
uma ditadura caracterizada como de esquerda ou direita, permitem marginalmente
tanto os partidos comunistas quanto os nazifascistas.
O antagonismo simplista e pré-consciente entre direita e esquerda não resiste a
um pouco de raciocínio. O antissemitismo nazista apresentou-se como combate aos
financistas parasitários, apoiado pelo conceito marxista de luta de classes. “Esquer-
distas” apoiaram a teocracia iraniana. O respeito à ecologia, ou aos direitos civis,
revelou-se muito menor nos países socialistas. O General “direitista” que tomou
o poder no Peru no contexto da Guerra Fria instaurou o voto feminino, e reformas
educacionais e sociais “progressistas”. Similarmente, o fascismo nasceu pregando o
voto feminino e a redução da jornada laboral, e o programa nazista previa a reforma
agrária, a educação dos mais pobres e a proteção aos mais idosos.
Em nome dos ideais de esquerda / direita, ou da proteção contra esses ideais,
países trocaram a democracia e o liberalismo de mercado pelo autoritarismo. Os
argumentos, à esquerda e à direita, são a proteção da democracia e da economia,
mas levam ao sentido oposto – ao qual já se ia, se acreditarmos no determinismo de
forças superiores às marolas ideológicas: a geopolítica e a macroeconomia global.
Exemplo: quando há baixa demanda por commodities, pioram os termos de troca
e o poder aquisitivo da população brasileira, independentemente de se o Governo
é autoritário ou democrata, esquerdista ou direitista. Da mesma forma, fenômenos
213Vária Palavra
demográficos (como a redução da natalidade ou a migração em massa do interior
para as cidades) causam bônus ou déficits nas contas de um país.
Governos frequentemente trocam a racionalidade impopular pela irracionalida-
de populista: distribuir, para ricos e pobres, em forma de corrupção ou benesses
insustentáveis, parte da liquidez, crédito ou potencialidade pública. Esses favores
resultam em fuga ou entesouramento de capital. Ou no “rentismo”: financiar Go-
vernos deficitários, cobrando juros altíssimos. Resultado: queda dos investimentos
produtivos, gerando escassez, inflação e aumento da pobreza em médio prazo. A
solução, sem os bons ventos macroeconômicos, tende a ser o economicismo (“neoli-
beralismo”), ou o rompimento da ordem institucional, pela esquerda ou pela direita.
Segundo Norberto Bobbio, a esquerda tenderia a valorizar a igualdade, e a di-
reita, a liberdade. Bobbio crê que o autoritarismo independa dessas variáveis, mas
teóricos liberais apontam a falta de liberdade econômica como indicador da falta de
outras liberdades burguesas: imprensa, reunião e opinião, reguladas pelo Estado em
nome de uma utópica trajetória em direção à igualdade. Esse, o modelo comunista.
Fato: as liberdades burguesas confundem-se com as liberdades civis. A democracia
e a justiça burguesas são mais democráticas do que suas congêneres “proletárias”,
“nacionalistas” ou “revolucionárias”. Dizer que a ditadura do proletariado é um tipo
mais avançado de democracia é “novilíngua”, denunciada por Huxley.
Lênin propôs um partido único como vanguarda do proletariado, fórmula adota-
da pelo ex-socialista Mussolini e pelo Partido dos Trabalhadores alemão, que ganhou
de Hitler os adjetivos “socialista” e “nacionalista”. Comunistas e nazifascistas de-
nunciam as liberdades burguesas, e cultuam “líderes populares”.A diferença funda-
mental entre essas ideologias, se existe, deveria ser buscada, em termos marxistas,
nos meios de produção, que no nazifascismo permaneceriam particulares, como no
capitalismo.
Ocorre que nos regimes autoritários dificilmente há empreendimento indepen-
dente da interferência do Estado. Ou seja, a diferença essencial entre comunismo e
nazismo, do ponto de vista do modo de produção, não é relevante.
As democracias liberais diferem mais do fascismo do que o fascismo difere do
comunismo, inclusive no quesito supostamente essencial à esquerda, a maior igual-
dade na distribuição de renda ou poder.
A diferença no acesso aos bens e serviços entre a elite e a base da sociedade é
maior em Cuba, ou naVenezuela, do que na Suécia, ou no Chile. Em Cuba, o oligarca
tem poderes judiciários, inclusive de condenação à morte, que o rei sueco não tem.
Na Venezuela, as filhas do fundador do Estado Bolivariano continuaram a morar no
palacete oficial após a morte dele, algo inimaginável no Chile.
214 Cadernos ASLEGIS | 50 • Setembro/Dezembro • 2014
Vargas e Perón: de admiradores do fascismo a ícones da esquerda, e seus suces-
sores, neoliberais de esquerda e neotrabalhistas de direita
O peronismo, nacionalista, é “bolchevique”, do ponto de vista de sua democra-
cia centralizada e desconfiada das liberdades burguesas. Getúlio e Perón apoiaram
e copiaram estados nazifascistas. Mas Guevara nomeava “oásis” a Argentina pe-
ronista, assim como o México do PRI, basicamente por causa do antiamericanismo
compartilhado.
Marianne Le Pen, da extrema direita francesa, admira Perón e a extrema esquer-
da grega, unidos pelo antiliberalismo. Le Pen descreve-se como porta voz dos “es-
quecidos”. A defesa dos “descamisados”, inclusive usando essa mesma palavra do
vocabulário mobilizador peronista, foi feita pelo “direitista” Fernando Collor, suposto
inimigo das elites, tal como seu aliado, Lula. Le Pen pretende reunir o povo contra a
“oligarquia” de Bruxelas e da “Europa dos Bancos”. Fundadores dos Montoneros,
milícia peronista, dividiram-se em extremistas de esquerda e direita, nos anos 1960.
D. Helder Câmara, depois chamado de “bispo vermelho”, havia sido membro do
movimento integralista, de inspiração fascista.
O patrimonialismo e cartorialismo brasileiros flertaram com o liberalismo antes
de Getúlio, e se tornaram francamente antiliberais sob sua ditadura Liberalizaram-
-se novamente na democracia seguinte, voltando ao antiliberalismo em 1964. O
estatismo atingiu seu ápice com Geisel, levando à crise da dívida dos anos 1980,
e à redemocratização. Movimento semelhante ocorreu em vários países vindos de
ditaduras direitistas, e de ditaduras esquerdistas ainda mais antiliberais.
O Chile tornou-se neoliberal na década de 1970, com Pinochet. Nos anos 1990,
quase toda América Latina passou a seguir essa tendência, simplesmente por não ter
mais a opção de adiar as reformas. Nem a posterior eleição dos socialistas chilenos
mudou isso: eles privatizaram o sistema previdenciário. Mesmo o peronismo dos
anos 1990 surpreendeu ao abrir e privatizar ferozmente a economia. O peronismo,
sempre categorizado por seu nacionalismo, vinculou o peso ao dólar, e ofereceu
enviar tropas argentinas para o Iraque, para ajudar, ao lado da Inglaterra, um tradi-
cional inimigo das esquerdas: os Estados Unidos. Sob a direção de Bush.
Argentina e Brasil mantiveram suas moedas ancoradas ao dólar por tempo de-
mais. O controle inflacionário degenerou em inviabilização das exportações. A in-
sustentabilidade desse modelo evidenciou-se bruscamente com maxidesvalorizações
cambiais, abrindo caminho para a... “esquerda”.
Néstor Kirchner propôs, messianicamente, numa terminologia similar ao evo-
lucionismo marxista, “uma etapa superior do peronismo”. Continuou favorecendo
empresários amigos e perseguindo opositores, apoiando-se no sindicalismo. Sua
herdeira “controlou” ainda mais a economia, definindo metas de produção e inves-
215Vária Palavra
timento, bem como países de onde as matérias primas serão importadas, e os preços
a serem cobrados. Tenta dirigir a estratégia das empresas, e troca cargos públicos e
subsídios por apoio político.
A igualdade é antiliberal?
Antes da Revolução, os indicadores de saúde e educação em Cuba já eram me-
lhores do que no resto da América Latina. A taxa de mortalidade infantil era a ter-
ceira menor do mundo, o que indica acesso dos mais pobres ao sistema de saúde.
Embora o liberalismo pré-Castro tenha contribuído para o progresso, ao estimular
investimentos espanhóis e americanos, ele por si só não garantiu a igualdade econô-
mica. Perfil demográfico, sistema tributário e investimentos em educação são mais
importantes para diminuir as diferenças de renda entre os cidadãos.
No Brasil do vintênio 1960-1980, o estatismo cresceu paralelamente ao aumen-
to de desigualdade. Havia a proibição das reivindicações populares, mas o que expli-
ca o fenômeno, segundo Carlos Langoni, foram fatores demográficos e educacionais.
A urbanização promovera um desenvolvimento acelerado, mas o Brasil, ao contrário
da Ásia de vinte anos depois, não investiu na educação, causando demanda por mão
de obra qualificada sem contrapartida de oferta. Resultado: aumento desproporcio-
nal dos salários dos escolarizados.
Em 1960, a média de filhos por brasileira era 6, causando excesso de traba-
lhadores, remuneráveis com salários baixíssimos. A desigualdade atingiu seu pon-
to máximo no final da década de 80. A pobreza, até então decrescente apesar da
desigualdade, passou a aumentar com a crise do modelo antiliberal. Programas de
combate à pobreza começaram a ser concebidos, e implantados nos anos seguintes,
paralelamente à continuidade do processo de diminuição do Estado, concluído em
1999, com a adoção do câmbio flutuante.A partir daí, sob FHC, as curvas de aumen-
to do PIB e de melhora do índice da desigualdade têm seu ritmo estabelecido.
O esquerdismo ainda é entendido como distribuidor de renda por meio de res-
trições à livre iniciativa e ao livre mercado. O bolivarianismo é antiliberal. Chávez
considerava-se marxista e peronista, elegendo, como Perón fez inicialmente, o im-
perialismo estadunidense como inimigo externo. Mas o filofascista Perón criticava a
Revolução Cubana, e com o tempo afastou-se da retórica antiliberal, atraindo nacio-
nalistas, conservadores e “direitistas”. Ignorou, como Chávez, reformas tributárias
ou educacionais. Na Argentina, Chile e Uruguai, a universalização do ensino público
foi feita no início do século XX, sob governos “direitistas”, de forma consciente,
como no caso argentino. Essa foi uma conquista estrutural para o enriquecimento e
diminuição das desigualdades nesses países. O peronismo coincide com o início da
decadência argentina.
216 Cadernos ASLEGIS | 50 • Setembro/Dezembro • 2014
O conservadoríssimo Bismark implantou a aposentadoria no século XIX, a China
comunista ainda não a tinha no século XXI. Kirchnerismo e lulismo apostaram, como
Perón, basicamente em políticas equívocas dirigidas ao clientelismo sindical e em-
presarial. Desprezaram reformas tributárias distributivas, ou educacionais, consumin-
do irresponsável e criminalmente os capitais gerados pelo boom das commodities.
Enquanto Lula criticava o oligopólio das empresas de mídia, patrocinava uma lei
favorecendo o oligopólio no setor telefônico, ao mesmo tempo em que a imprensa
denunciava que seu filho estaria ganhando milhões do principal beneficiado por
esse oligopólio. Outros oligopólios foram favorecidos por empréstimos do BNDES (os
“campeões nacionais”).
De 1990 a 2002, a década “neoliberal”, a pobreza brasileira diminuiu de 48,4
para 43,9%, e a indigência, de 22,6 para 19,3%. Na década seguinte, a abertura
do mercado chinês e indiano criou renda e a distribuiu nos países subdesenvolvidos,
independentemente de seus governos serem de direita ou de esquerda. No Brasil,
a pobreza e a indigência diminuíram ainda mais expressivamente do que antes: de
43,9 para 28,1%, e de 19,3 para 11,3%, respectivamente . As matérias primas
que exportávamos foram sobrevalorizadas: entre 2000 e 2011 a China aumentou
em 400% suas compras do Brasil. Simultaneamente, houve deflação no preço dos
manufaturados que importávamos. As reformas liberais que na década anterior de-
sorganizaram temporariamente a economia maturaram positivamente no primeiro
mandato do Lula (embora sua retórica populista apontasse uma “herança maldita”).
O fluxo de dólares derivado do boom de commodities e da abertura de mercados
financiou programas sociais. O Chile neoliberal reduziu sua pobreza de maneira mais
expressiva do que o Brasil, entre 1990 e 2008. Chilenos foram os primeiros a lograr
os objetivos do milênio, da ONU. Sua primeira presidente socialista promoveu refor-
mas “neoliberais”, como a previdenciária.
No fim da década de 1990, frente à escassez de recursos, debatia-se, contra a
“universalização” dos benefícios, a “focalização” nos mais necessitados, economi-
zando-se 75% dos gastos sociais. A “esquerda” via essa ênfase na eficiência e na
restrição como neoliberalismo.
Em 2001, o PMDB, vice na chapa do PSDB à Presidência, encomendou propostas
econômicas para estudiosos considerados “direitistas” por Serra. Outros economis-
tas juntaram-se aos anteriores numa proposta apartidária chamada “Agenda Perdi-
da”, buscando a eficiência das políticas sociais por meio do cadastro, monitoração e
unificação dos programas de combate à pobreza.
A “Carta ao Povo Brasileiro”, compromisso petista de não romper contratos,
apelidada de “Carta aos Banqueiros”, não conteve a crise de liquidez causada pela
perspectiva de eleição de Lula. O causador da crise foi eleito, e o Bolsa Família idea-
217Vária Palavra
lizado pelos economistas liberais foi implantado, em lugar do mercadológico “Fome
Zero”. Nos primeiros anos de PT, não se altera o modelo macroeconômico herdado,
e garantido, no Banco Central, por um ex-banqueiro internacional peessedebista:
Henrique Meirelles. Simultaneamente, intensificava-se o boom das commodities, e o
excesso de crédito internacional facilitava as políticas assistencialistas antes vistas
como direitistas, agora como esquerdistas. O PT pôde aumentar ou consolidar polí-
ticas originadas no Governo Sarney, e aliar-se “direitistas” como o próprio Sarney,
Collor e Maluf.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Laboratório de História
 
Manifesto do Partido Comunista de 1848 - Marx e Engels (Resenha)
Manifesto do Partido Comunista de 1848 - Marx e Engels (Resenha)Manifesto do Partido Comunista de 1848 - Marx e Engels (Resenha)
Manifesto do Partido Comunista de 1848 - Marx e Engels (Resenha)Kary Subieta Campos
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaaugustodefranco .
 
O GENOCÍDIO DO POVO PRETO COMO REFLEXO DA FORMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA SOCIABIL...
O GENOCÍDIO DO POVO PRETO COMO REFLEXO DA FORMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA SOCIABIL...O GENOCÍDIO DO POVO PRETO COMO REFLEXO DA FORMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA SOCIABIL...
O GENOCÍDIO DO POVO PRETO COMO REFLEXO DA FORMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA SOCIABIL...RAPPER PIRATA
 
Mario bunge o socialismo existiu alguma vez e tem futuro
Mario bunge   o socialismo existiu alguma vez e tem futuroMario bunge   o socialismo existiu alguma vez e tem futuro
Mario bunge o socialismo existiu alguma vez e tem futurorochamendess82
 
Populismo na américa latina plínio teodoro
Populismo na américa latina plínio teodoroPopulismo na américa latina plínio teodoro
Populismo na américa latina plínio teodoroPlínio Teodoro
 
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDFA revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDFELIAS OMEGA
 
A crise brasileira
A crise brasileiraA crise brasileira
A crise brasileirapaulorbt
 
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistasBlack bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistasFernando Alcoforado
 
O Indivíduo na Sociedade - Emma Goldman
O Indivíduo na Sociedade - Emma GoldmanO Indivíduo na Sociedade - Emma Goldman
O Indivíduo na Sociedade - Emma GoldmanBlackBlocRJ
 
Defender a democracia para barrar o fascismo no brasil
Defender a democracia para barrar o fascismo no brasilDefender a democracia para barrar o fascismo no brasil
Defender a democracia para barrar o fascismo no brasilFernando Alcoforado
 
Marxismo e feminismo: encontros e desencontros
Marxismo e feminismo: encontros e desencontrosMarxismo e feminismo: encontros e desencontros
Marxismo e feminismo: encontros e desencontrosisameucci
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilaugustodefranco .
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialaugustodefranco .
 
A arte da_guerra_pol_tica_
A arte da_guerra_pol_tica_A arte da_guerra_pol_tica_
A arte da_guerra_pol_tica_Francisco Amado
 
A afinidade do liberalismo com o fascismo
A afinidade do liberalismo com o fascismo A afinidade do liberalismo com o fascismo
A afinidade do liberalismo com o fascismo Fernando Alcoforado
 

Mais procurados (19)

Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Manifesto do Partido Comunista de 1848 - Marx e Engels (Resenha)
Manifesto do Partido Comunista de 1848 - Marx e Engels (Resenha)Manifesto do Partido Comunista de 1848 - Marx e Engels (Resenha)
Manifesto do Partido Comunista de 1848 - Marx e Engels (Resenha)
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
 
O GENOCÍDIO DO POVO PRETO COMO REFLEXO DA FORMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA SOCIABIL...
O GENOCÍDIO DO POVO PRETO COMO REFLEXO DA FORMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA SOCIABIL...O GENOCÍDIO DO POVO PRETO COMO REFLEXO DA FORMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA SOCIABIL...
O GENOCÍDIO DO POVO PRETO COMO REFLEXO DA FORMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA SOCIABIL...
 
Mario bunge o socialismo existiu alguma vez e tem futuro
Mario bunge   o socialismo existiu alguma vez e tem futuroMario bunge   o socialismo existiu alguma vez e tem futuro
Mario bunge o socialismo existiu alguma vez e tem futuro
 
Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia BrasileiraCapítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
 
Populismo na américa latina plínio teodoro
Populismo na américa latina plínio teodoroPopulismo na américa latina plínio teodoro
Populismo na américa latina plínio teodoro
 
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDFA revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDF
 
A crise brasileira
A crise brasileiraA crise brasileira
A crise brasileira
 
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistasBlack bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
 
O Indivíduo na Sociedade - Emma Goldman
O Indivíduo na Sociedade - Emma GoldmanO Indivíduo na Sociedade - Emma Goldman
O Indivíduo na Sociedade - Emma Goldman
 
Defender a democracia para barrar o fascismo no brasil
Defender a democracia para barrar o fascismo no brasilDefender a democracia para barrar o fascismo no brasil
Defender a democracia para barrar o fascismo no brasil
 
Marxismo e feminismo: encontros e desencontros
Marxismo e feminismo: encontros e desencontrosMarxismo e feminismo: encontros e desencontros
Marxismo e feminismo: encontros e desencontros
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Paper de dimas veras e
Paper de dimas veras ePaper de dimas veras e
Paper de dimas veras e
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
 
A arte da_guerra_pol_tica_
A arte da_guerra_pol_tica_A arte da_guerra_pol_tica_
A arte da_guerra_pol_tica_
 
A afinidade do liberalismo com o fascismo
A afinidade do liberalismo com o fascismo A afinidade do liberalismo com o fascismo
A afinidade do liberalismo com o fascismo
 

Semelhante a A falsa dicotomia entre esquerda e direita

Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Laboratório de História
 
Por que bolsonaro considera o nazismo como ideologia de esquerda
Por que bolsonaro considera o nazismo como ideologia de esquerdaPor que bolsonaro considera o nazismo como ideologia de esquerda
Por que bolsonaro considera o nazismo como ideologia de esquerdaFernando Alcoforado
 
A serpente já furou a casca
A serpente já furou a cascaA serpente já furou a casca
A serpente já furou a cascaje1981
 
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)Prof:Carlos Oliveira
 
Sobre o reino passageiro
Sobre o reino passageiroSobre o reino passageiro
Sobre o reino passageirowelingtonjh
 
A esquerda e o crime organizado
A esquerda e o crime organizadoA esquerda e o crime organizado
A esquerda e o crime organizadoGiba Canto
 
Democracia e socialismo
Democracia e socialismoDemocracia e socialismo
Democracia e socialismoDaylson Lima
 
Pilulas democraticas 13 Demagogia
Pilulas democraticas 13  DemagogiaPilulas democraticas 13  Demagogia
Pilulas democraticas 13 Demagogiaaugustodefranco .
 
Propostas de resolução teste 12º
Propostas de resolução teste 12ºPropostas de resolução teste 12º
Propostas de resolução teste 12ºEscoladocs
 
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidosO fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidosFernando Alcoforado
 

Semelhante a A falsa dicotomia entre esquerda e direita (20)

Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Periodo Entre Guerras
Periodo Entre Guerras Periodo Entre Guerras
Periodo Entre Guerras
 
Política
Política  Política
Política
 
Por que bolsonaro considera o nazismo como ideologia de esquerda
Por que bolsonaro considera o nazismo como ideologia de esquerdaPor que bolsonaro considera o nazismo como ideologia de esquerda
Por que bolsonaro considera o nazismo como ideologia de esquerda
 
A serpente já furou a casca
A serpente já furou a cascaA serpente já furou a casca
A serpente já furou a casca
 
10. esquerda . direita e centro
10.  esquerda . direita e centro10.  esquerda . direita e centro
10. esquerda . direita e centro
 
A Crise Brasileira
A Crise BrasileiraA Crise Brasileira
A Crise Brasileira
 
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
 
Sobre o reino passageiro
Sobre o reino passageiroSobre o reino passageiro
Sobre o reino passageiro
 
O Sociocapitalismo
O SociocapitalismoO Sociocapitalismo
O Sociocapitalismo
 
Nazi-fascismo
Nazi-fascismoNazi-fascismo
Nazi-fascismo
 
A esquerda e o crime organizado
A esquerda e o crime organizadoA esquerda e o crime organizado
A esquerda e o crime organizado
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Democracia e socialismo
Democracia e socialismoDemocracia e socialismo
Democracia e socialismo
 
Pilulas democraticas 6 Lado
Pilulas democraticas 6  LadoPilulas democraticas 6  Lado
Pilulas democraticas 6 Lado
 
Artigo de dimas veras sobre o sec ufpe s.d
Artigo de dimas veras sobre o sec ufpe s.dArtigo de dimas veras sobre o sec ufpe s.d
Artigo de dimas veras sobre o sec ufpe s.d
 
Pilulas democraticas 13 Demagogia
Pilulas democraticas 13  DemagogiaPilulas democraticas 13  Demagogia
Pilulas democraticas 13 Demagogia
 
Propostas de resolução teste 12º
Propostas de resolução teste 12ºPropostas de resolução teste 12º
Propostas de resolução teste 12º
 
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidosO fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
 
Sonho
SonhoSonho
Sonho
 

A falsa dicotomia entre esquerda e direita

  • 1. 211Vária Palavra Esquerda, direita, esquerda, direita: sentido? Alessandro Gagnor Galvão* “Dê seta para a esquerda, mas vire para a direita!” (Juan Domingo Perón) Roubar bancos ou a Petrobras para financiar a revolução justifica-se, para al- guns, pela suposta superioridade moral da “esquerda”. O debate é empobrecido ao utilizar como categoria principal a distinção imprecisa direita / esquerda, que no Brasil opôs direitistas e esquerdistas similarmente militaristas, estatistas, nacionalis- tas e antidemocráticos. No Ocidente, as ditaduras, até a década de 1950, foram exclusivamente de “direita”.Assim, o esquerdismo associava-se ao novo, ao progresso, à destruição da ordem antiga.A afiliação à esquerda poderia ser assim justificada: 1. O homem é naturalmente bom, a sociedade o torna mau (Rousseau); 2. O capitalismo é inerentemente mau (Marx); 3. O socialismo é a superação da maldade capitalista (marxistas). Conclusão: a esquerda é boa. O encadeamento de livres-associações levaria a pensar, na pior das hipóteses, no estalinismo, menos estigmatizado como negativo do que o nazismo, apesar de objetivamente ter matado muito mais gente, e em tempos de paz. Embora Rousseau, Marx e os marxistas tenham uma reflexão muito mais apro- fundada e matizada, para efeitos de reforço da afiliação ideológica a regra acaba sendo a simplificação: 1+2+3 = esquerda é o bem. Ou A+B+C = o Botafogo é melhor do que o Flamengo. Ou X+Y+Z = meu país, bairro, Estado, religião ou cidade é incomparavelmente melhor do que qualquer rival. “Lógico”. Ou seja: o conteúdo concreto da realidade subordina-se ao esquema que a ex- plica. Grande parte dos esquerdistas defende um controle maior do Estado sobre o mercado, indivíduos e moral; portanto, classificar a esquerda como “libertária” pode ser um vício equivocado.Ainda assim, mesmo estalinistas proclamam-se libertários. O socialista Mussolini adotou como símbolo o fascio, feixe de gravetos amarra- dos em torno de um machado: a união faz a força. Símbolo de poder dos magistra- dos da Roma Antiga: união do povo em torno da justiça estatal. “Tudo no Estado,
  • 2. 212 Cadernos ASLEGIS | 50 • Setembro/Dezembro • 2014 nada fora do Estado, nada contra o Estado” – lema fascista, seguidor do comunismo ao rejeitar o individualismo – associado, por ambos os totalitarismos, aos valores e liberdades burguesas, antagonistas da igualdade e da fraternidade. Louis Dumont, no livro “Homo Hierarchicus”, aponta o individualismo como ide- ologia das sociedades modernas, em oposição às sociedades tradicionais, holistas, onde o indivíduo considera primeiro seu lugar na sociedade, e só depois sua indivi- dualidade. Nas sociedades tradicionais o destino individual vê-se como subordinado, e não superior, à classe, sexo, “raça” ou faixa etária a que pertence. No comunismo, assim como no nazifascismo ou nas teocracias, a fraternidade de classe, raça, corporação, religião ou pátria é mais importante, ideologicamente, do que o julgamento ou aspirações individuais. Segundo Dumont, numa sociedade indi- vidualista, uma proposta holista (como o comunismo, o nazifacismo ou as teocracias) só pode ser imposta por vias autoritárias. O comunismo “utópico” continua a ter uma força de novidade e positividade que é negada, porém, ao nazifascismo “utópico”. Embora a utopia sindical-corpo- rativa peronista ou getulista não difira muito, na origem e na prática, das utopias nazifascistas, esses trabalhistas geralmente se classificam como “esquerdistas”. O comunismo é mais aceito do que o nazifascismo. Provavelmente, o quadro se inverte em países vindos de ditaduras “esquerdistas”. Os EUA, que nunca tiveram uma ditadura caracterizada como de esquerda ou direita, permitem marginalmente tanto os partidos comunistas quanto os nazifascistas. O antagonismo simplista e pré-consciente entre direita e esquerda não resiste a um pouco de raciocínio. O antissemitismo nazista apresentou-se como combate aos financistas parasitários, apoiado pelo conceito marxista de luta de classes. “Esquer- distas” apoiaram a teocracia iraniana. O respeito à ecologia, ou aos direitos civis, revelou-se muito menor nos países socialistas. O General “direitista” que tomou o poder no Peru no contexto da Guerra Fria instaurou o voto feminino, e reformas educacionais e sociais “progressistas”. Similarmente, o fascismo nasceu pregando o voto feminino e a redução da jornada laboral, e o programa nazista previa a reforma agrária, a educação dos mais pobres e a proteção aos mais idosos. Em nome dos ideais de esquerda / direita, ou da proteção contra esses ideais, países trocaram a democracia e o liberalismo de mercado pelo autoritarismo. Os argumentos, à esquerda e à direita, são a proteção da democracia e da economia, mas levam ao sentido oposto – ao qual já se ia, se acreditarmos no determinismo de forças superiores às marolas ideológicas: a geopolítica e a macroeconomia global. Exemplo: quando há baixa demanda por commodities, pioram os termos de troca e o poder aquisitivo da população brasileira, independentemente de se o Governo é autoritário ou democrata, esquerdista ou direitista. Da mesma forma, fenômenos
  • 3. 213Vária Palavra demográficos (como a redução da natalidade ou a migração em massa do interior para as cidades) causam bônus ou déficits nas contas de um país. Governos frequentemente trocam a racionalidade impopular pela irracionalida- de populista: distribuir, para ricos e pobres, em forma de corrupção ou benesses insustentáveis, parte da liquidez, crédito ou potencialidade pública. Esses favores resultam em fuga ou entesouramento de capital. Ou no “rentismo”: financiar Go- vernos deficitários, cobrando juros altíssimos. Resultado: queda dos investimentos produtivos, gerando escassez, inflação e aumento da pobreza em médio prazo. A solução, sem os bons ventos macroeconômicos, tende a ser o economicismo (“neoli- beralismo”), ou o rompimento da ordem institucional, pela esquerda ou pela direita. Segundo Norberto Bobbio, a esquerda tenderia a valorizar a igualdade, e a di- reita, a liberdade. Bobbio crê que o autoritarismo independa dessas variáveis, mas teóricos liberais apontam a falta de liberdade econômica como indicador da falta de outras liberdades burguesas: imprensa, reunião e opinião, reguladas pelo Estado em nome de uma utópica trajetória em direção à igualdade. Esse, o modelo comunista. Fato: as liberdades burguesas confundem-se com as liberdades civis. A democracia e a justiça burguesas são mais democráticas do que suas congêneres “proletárias”, “nacionalistas” ou “revolucionárias”. Dizer que a ditadura do proletariado é um tipo mais avançado de democracia é “novilíngua”, denunciada por Huxley. Lênin propôs um partido único como vanguarda do proletariado, fórmula adota- da pelo ex-socialista Mussolini e pelo Partido dos Trabalhadores alemão, que ganhou de Hitler os adjetivos “socialista” e “nacionalista”. Comunistas e nazifascistas de- nunciam as liberdades burguesas, e cultuam “líderes populares”.A diferença funda- mental entre essas ideologias, se existe, deveria ser buscada, em termos marxistas, nos meios de produção, que no nazifascismo permaneceriam particulares, como no capitalismo. Ocorre que nos regimes autoritários dificilmente há empreendimento indepen- dente da interferência do Estado. Ou seja, a diferença essencial entre comunismo e nazismo, do ponto de vista do modo de produção, não é relevante. As democracias liberais diferem mais do fascismo do que o fascismo difere do comunismo, inclusive no quesito supostamente essencial à esquerda, a maior igual- dade na distribuição de renda ou poder. A diferença no acesso aos bens e serviços entre a elite e a base da sociedade é maior em Cuba, ou naVenezuela, do que na Suécia, ou no Chile. Em Cuba, o oligarca tem poderes judiciários, inclusive de condenação à morte, que o rei sueco não tem. Na Venezuela, as filhas do fundador do Estado Bolivariano continuaram a morar no palacete oficial após a morte dele, algo inimaginável no Chile.
  • 4. 214 Cadernos ASLEGIS | 50 • Setembro/Dezembro • 2014 Vargas e Perón: de admiradores do fascismo a ícones da esquerda, e seus suces- sores, neoliberais de esquerda e neotrabalhistas de direita O peronismo, nacionalista, é “bolchevique”, do ponto de vista de sua democra- cia centralizada e desconfiada das liberdades burguesas. Getúlio e Perón apoiaram e copiaram estados nazifascistas. Mas Guevara nomeava “oásis” a Argentina pe- ronista, assim como o México do PRI, basicamente por causa do antiamericanismo compartilhado. Marianne Le Pen, da extrema direita francesa, admira Perón e a extrema esquer- da grega, unidos pelo antiliberalismo. Le Pen descreve-se como porta voz dos “es- quecidos”. A defesa dos “descamisados”, inclusive usando essa mesma palavra do vocabulário mobilizador peronista, foi feita pelo “direitista” Fernando Collor, suposto inimigo das elites, tal como seu aliado, Lula. Le Pen pretende reunir o povo contra a “oligarquia” de Bruxelas e da “Europa dos Bancos”. Fundadores dos Montoneros, milícia peronista, dividiram-se em extremistas de esquerda e direita, nos anos 1960. D. Helder Câmara, depois chamado de “bispo vermelho”, havia sido membro do movimento integralista, de inspiração fascista. O patrimonialismo e cartorialismo brasileiros flertaram com o liberalismo antes de Getúlio, e se tornaram francamente antiliberais sob sua ditadura Liberalizaram- -se novamente na democracia seguinte, voltando ao antiliberalismo em 1964. O estatismo atingiu seu ápice com Geisel, levando à crise da dívida dos anos 1980, e à redemocratização. Movimento semelhante ocorreu em vários países vindos de ditaduras direitistas, e de ditaduras esquerdistas ainda mais antiliberais. O Chile tornou-se neoliberal na década de 1970, com Pinochet. Nos anos 1990, quase toda América Latina passou a seguir essa tendência, simplesmente por não ter mais a opção de adiar as reformas. Nem a posterior eleição dos socialistas chilenos mudou isso: eles privatizaram o sistema previdenciário. Mesmo o peronismo dos anos 1990 surpreendeu ao abrir e privatizar ferozmente a economia. O peronismo, sempre categorizado por seu nacionalismo, vinculou o peso ao dólar, e ofereceu enviar tropas argentinas para o Iraque, para ajudar, ao lado da Inglaterra, um tradi- cional inimigo das esquerdas: os Estados Unidos. Sob a direção de Bush. Argentina e Brasil mantiveram suas moedas ancoradas ao dólar por tempo de- mais. O controle inflacionário degenerou em inviabilização das exportações. A in- sustentabilidade desse modelo evidenciou-se bruscamente com maxidesvalorizações cambiais, abrindo caminho para a... “esquerda”. Néstor Kirchner propôs, messianicamente, numa terminologia similar ao evo- lucionismo marxista, “uma etapa superior do peronismo”. Continuou favorecendo empresários amigos e perseguindo opositores, apoiando-se no sindicalismo. Sua herdeira “controlou” ainda mais a economia, definindo metas de produção e inves-
  • 5. 215Vária Palavra timento, bem como países de onde as matérias primas serão importadas, e os preços a serem cobrados. Tenta dirigir a estratégia das empresas, e troca cargos públicos e subsídios por apoio político. A igualdade é antiliberal? Antes da Revolução, os indicadores de saúde e educação em Cuba já eram me- lhores do que no resto da América Latina. A taxa de mortalidade infantil era a ter- ceira menor do mundo, o que indica acesso dos mais pobres ao sistema de saúde. Embora o liberalismo pré-Castro tenha contribuído para o progresso, ao estimular investimentos espanhóis e americanos, ele por si só não garantiu a igualdade econô- mica. Perfil demográfico, sistema tributário e investimentos em educação são mais importantes para diminuir as diferenças de renda entre os cidadãos. No Brasil do vintênio 1960-1980, o estatismo cresceu paralelamente ao aumen- to de desigualdade. Havia a proibição das reivindicações populares, mas o que expli- ca o fenômeno, segundo Carlos Langoni, foram fatores demográficos e educacionais. A urbanização promovera um desenvolvimento acelerado, mas o Brasil, ao contrário da Ásia de vinte anos depois, não investiu na educação, causando demanda por mão de obra qualificada sem contrapartida de oferta. Resultado: aumento desproporcio- nal dos salários dos escolarizados. Em 1960, a média de filhos por brasileira era 6, causando excesso de traba- lhadores, remuneráveis com salários baixíssimos. A desigualdade atingiu seu pon- to máximo no final da década de 80. A pobreza, até então decrescente apesar da desigualdade, passou a aumentar com a crise do modelo antiliberal. Programas de combate à pobreza começaram a ser concebidos, e implantados nos anos seguintes, paralelamente à continuidade do processo de diminuição do Estado, concluído em 1999, com a adoção do câmbio flutuante.A partir daí, sob FHC, as curvas de aumen- to do PIB e de melhora do índice da desigualdade têm seu ritmo estabelecido. O esquerdismo ainda é entendido como distribuidor de renda por meio de res- trições à livre iniciativa e ao livre mercado. O bolivarianismo é antiliberal. Chávez considerava-se marxista e peronista, elegendo, como Perón fez inicialmente, o im- perialismo estadunidense como inimigo externo. Mas o filofascista Perón criticava a Revolução Cubana, e com o tempo afastou-se da retórica antiliberal, atraindo nacio- nalistas, conservadores e “direitistas”. Ignorou, como Chávez, reformas tributárias ou educacionais. Na Argentina, Chile e Uruguai, a universalização do ensino público foi feita no início do século XX, sob governos “direitistas”, de forma consciente, como no caso argentino. Essa foi uma conquista estrutural para o enriquecimento e diminuição das desigualdades nesses países. O peronismo coincide com o início da decadência argentina.
  • 6. 216 Cadernos ASLEGIS | 50 • Setembro/Dezembro • 2014 O conservadoríssimo Bismark implantou a aposentadoria no século XIX, a China comunista ainda não a tinha no século XXI. Kirchnerismo e lulismo apostaram, como Perón, basicamente em políticas equívocas dirigidas ao clientelismo sindical e em- presarial. Desprezaram reformas tributárias distributivas, ou educacionais, consumin- do irresponsável e criminalmente os capitais gerados pelo boom das commodities. Enquanto Lula criticava o oligopólio das empresas de mídia, patrocinava uma lei favorecendo o oligopólio no setor telefônico, ao mesmo tempo em que a imprensa denunciava que seu filho estaria ganhando milhões do principal beneficiado por esse oligopólio. Outros oligopólios foram favorecidos por empréstimos do BNDES (os “campeões nacionais”). De 1990 a 2002, a década “neoliberal”, a pobreza brasileira diminuiu de 48,4 para 43,9%, e a indigência, de 22,6 para 19,3%. Na década seguinte, a abertura do mercado chinês e indiano criou renda e a distribuiu nos países subdesenvolvidos, independentemente de seus governos serem de direita ou de esquerda. No Brasil, a pobreza e a indigência diminuíram ainda mais expressivamente do que antes: de 43,9 para 28,1%, e de 19,3 para 11,3%, respectivamente . As matérias primas que exportávamos foram sobrevalorizadas: entre 2000 e 2011 a China aumentou em 400% suas compras do Brasil. Simultaneamente, houve deflação no preço dos manufaturados que importávamos. As reformas liberais que na década anterior de- sorganizaram temporariamente a economia maturaram positivamente no primeiro mandato do Lula (embora sua retórica populista apontasse uma “herança maldita”). O fluxo de dólares derivado do boom de commodities e da abertura de mercados financiou programas sociais. O Chile neoliberal reduziu sua pobreza de maneira mais expressiva do que o Brasil, entre 1990 e 2008. Chilenos foram os primeiros a lograr os objetivos do milênio, da ONU. Sua primeira presidente socialista promoveu refor- mas “neoliberais”, como a previdenciária. No fim da década de 1990, frente à escassez de recursos, debatia-se, contra a “universalização” dos benefícios, a “focalização” nos mais necessitados, economi- zando-se 75% dos gastos sociais. A “esquerda” via essa ênfase na eficiência e na restrição como neoliberalismo. Em 2001, o PMDB, vice na chapa do PSDB à Presidência, encomendou propostas econômicas para estudiosos considerados “direitistas” por Serra. Outros economis- tas juntaram-se aos anteriores numa proposta apartidária chamada “Agenda Perdi- da”, buscando a eficiência das políticas sociais por meio do cadastro, monitoração e unificação dos programas de combate à pobreza. A “Carta ao Povo Brasileiro”, compromisso petista de não romper contratos, apelidada de “Carta aos Banqueiros”, não conteve a crise de liquidez causada pela perspectiva de eleição de Lula. O causador da crise foi eleito, e o Bolsa Família idea-
  • 7. 217Vária Palavra lizado pelos economistas liberais foi implantado, em lugar do mercadológico “Fome Zero”. Nos primeiros anos de PT, não se altera o modelo macroeconômico herdado, e garantido, no Banco Central, por um ex-banqueiro internacional peessedebista: Henrique Meirelles. Simultaneamente, intensificava-se o boom das commodities, e o excesso de crédito internacional facilitava as políticas assistencialistas antes vistas como direitistas, agora como esquerdistas. O PT pôde aumentar ou consolidar polí- ticas originadas no Governo Sarney, e aliar-se “direitistas” como o próprio Sarney, Collor e Maluf.