SlideShare uma empresa Scribd logo
58 | PÚBLICO,SEX11MAR2016
NUNO FERREIRA SANTOS
Com o Alentejo
na alma
E
stamos em 1960 (ou talvez
1962), no verão tórrido de um
Alentejo desprezado pelo poder
salazarista. Abril estava ainda
fora daquele horizonte, aberto
e amplo mas a vários títulos
asfixiante. Uma calma que
apenas estremecia à passagem
esporádica de um ou outro
automóvel com os pneus a
guinchar na curva apertada após uma
longa reta. Os sons das cigarras rompiam
o silêncio e a monotonia daquele território
árido, onde o amarelado da paisagem, o
restolho seco, era apenas rasgado pelo
tapete negro de alcatrão cintilante quase
a derreter-se ao sol abrasador. Mas na
berma da estrada começava a vislumbrar-
se, ao longe, uma poeira anormal em redor
de duas silhuetas que se erguiam lado a
lado com alguma coisa por trás. No início
poderiam confundir-se com miragens
em pleno “deserto” alentejano. Mas
não. Eram bem reais. No seu movimento
compassado percebi pouco depois que
eram cavalos, trazendo atrás de si um
homem acorrentado. Cavalos montados por
aquela guarda, de farda cinzenta e botas
altas, que aterrorizava crianças e ainda mais
os adultos, pelo menos os mais conscientes
das razões da sua miséria e do sufoco da sua
liberdade. Do alto dos seus cavalos brancos,
estas figuras altivas eram a personificação
do poder, em absoluto contraste com o
ser miserável, com as mãos acorrentadas,
curvado e maltrapilho, a desfalecer de sede.
Deram-lhe água, mas só depois de saciar os
cavalos no fontanário à beira da estrada.
Estes mesmos guardas, ou outros seus
comparsas, eram aqueles que regularmente
frequentavam o café-restaurante da família.
Vinham por vezes em grupos de quatro,
recordo-os, grandes e gordos, com ar
carrancudo. Creio agora que percebiam
a raiva silenciosa que causavam à sua
passagem. Sentavam-se num espaço
interior, mais resguardado da casa, e a
mesa, devidamente preparada, com toalhas
de tecido branco, em breve ficava recheada
de iguarias, com vinho, presunto, queijo
e às vezes outros petiscos. Ficavam horas
a comer, mas falavam pouco; e depois de
empanturrados saíam como se fosse da
casa deles. Já se sabia que não pagavam a
despesa, mas pelo menos era de esperar
que tivessem um gesto, ainda que fingido,
de pedir a conta. Assim pensavam as
vítimas daquele saque (os meus pais).
Porém, na maioria das vezes nem isso
acontecia. Entravam e saíam atravessando
o espaço público da taberna, espalhando
um temor respeitoso entre os clientes
domingueiros da Casa de Pasto — o 15
(era esse o nome), um espaço nos fins de
semana sempre
animado por grupos
de homens, na sua
maioria mineiros
que, entre cada
rodada, exprimiam
em coro a sua
amargura, mas
também a força
coletiva através do
agora celebrado
“cante alentejano”.
Aquele
acorrentado atrás
dos cavalos da GNR
poderia ser um
“maltês”, o nome
dado a quem, sem
emprego certo
nem inserção
na comunidade,
procurava o
precário sustento
andando de
monte em monte,
à míngua de uns
dias de trabalho “a
comedias”, como
se dizia, ou seja, em
troca de umas sopas e pouco mais (“come
a dias”, porque havia muitos sem nenhuma
comida, presume-se). Mas como se esse não
fosse já um castigo suficiente, tratava-se de
uma condição considerada não só “ilegal”
como aparentemente ameaçadora para a
ordem vigente. Por isso, o mínimo descuido
era suficiente para que o desgraçado fosse
parar à “pildra”. Pior ainda, para além da
prisão, era a exibição pública da punição
exercida sobre quem fugia de uma suposta
“norma social”, na verdade artificial e só
mantida por um regime ditatorial. Esses
eram os malteses, um nome que na época
carregava um sentido pejorativo que até as
Umalentejano
assumido
podeficarou
partir,mas
mesmoquando
partenunca
sesepara.
Caminhapelo
mundocom
oAlentejo
naalma
crianças temiam. Ser diferente já era uma
ameaça que, não apenas o regime mas a
própria comunidade olhava com suspeição.
Mas os outros, aqueles que não andavam
na mina, iam diariamente “à praça”, um
“mercado” de força de trabalho, em sentido
literal, que decorria no largo principal da
aldeia, onde, com alguma sorte, se poderia
ser um dos escolhidos para trabalhar
naquele dia. Trabalhos de sol a sol,
enquanto os da mina, embora produzindo
na escuridão e à luz do gasómetro, tinham
pelo menos um emprego certo.
Estas memórias não se apagam. Nesse
período ocorreram algumas greves nas
minas. Recordo que numa delas a aldeia
inteira andou em alvoroço quando se
soube que a guarda tinha carregado sobre
os mineiros. Umas dezenas foram presos.
Alguns eram de Rio de Moinhos (a aldeia
de que falo) e até um tio meu, soube
depois, tinha sido levado para Lisboa, pela
PIDE. Não ficou muito tempo na prisão,
mas para um homem honrado e por
todos respeitado — um assalariado para
quem a única “subversão” cometida era
trabalhar no duro para alimentar os filhos,
ingerindo aquele pó durante décadas,
que lhe provocaria o cancro que o matou
anos depois —, as “duas chapadas na cara”
que lhe foram dadas por um qualquer
esbirro do regime, para que confessasse os
nomes dos cabecilhas da greve, já foram
um preço inconcebível. A dureza da vida
no Alentejo nesses anos de penúria e
repressão, para quem nasceu e vive como
alentejano, não é uma mera “recordação”,
é sim um elemento que se inscreve na
própria identidade alentejana, pois a sua
força é indissociável da resistência (em
geral silenciada pela ameaça, nos anos de
chumbo do salazarismo). O ressentimento
cultivado por comunidades inteiras, por
terem sido pisadas décadas a fio pelos
DebateAlentejoeidentidade
ElísioEstanque
protegidos do regime, não apagou o afeto,
mas, para um alentejano, este não se
mede pelo palavreado fácil. Pessoalmente
sinto-o no acolhimento, no sorriso largo,
na oferta de guarida ou do almoço, de
braços abertos, em cada viagem às origens.
Cada regresso é como um aconchego no
seio de uma grande família cujos gestos
protetores se perpetuam através das
gerações. As caras de hoje, umas mais
jovens, talvez de terceira geração, outras
mais enrugadas — as que ainda reconheço
—, foram transmutadas pelo tempo, mas é
a mesma família. Felizmente, as conquistas
democráticas devolveram alguma dignidade
ao Alentejo, mas apesar do envelhecimento
demográfico, não apagaram essa força
cultural que hoje é reconhecida em diversos
domínios patrimoniais, com destaque para
os grupos corais ou a viola campaniça.
Os fluxos migratórios dos anos 1960
também marcaram a região e até aqueles
que, como eu, não tiveram de atravessar
fronteiras “a salto” para fugir da miséria (ou
da guerra) foram reinventar a identidade
do Alentejo para outras paragens, menos
rurais mas ainda assim com um agudo
sentido comunitário. Por exemplo, o bairro
de Moscavide, onde vivi na década de 1970,
forneceu-me o contexto suburbano onde
as referências alentejanas se misturavam
com outras origens. A chamada “cintura
industrial de Lisboa” tem uma forte ligação
ao Alentejo, como atestam os diversos
movimentos de solidariedade com as lutas
de mineiros (nomeadamente os de Aljustrel)
e assalariados agrícolas alentejanos. E na
margem sul do Tejo, na CUF, na Lisnave,
na Setenave ou nas povoações de Almada,
Barreiro ou Baixa da Banheira e, de um
modo geral, nos municípios do distrito de
Setúbal, a “marca Alentejo” permanece
bem visível, incluindo nos nomes e noutros
traços culturais reinventados a partir dos
vínculos com a região. A riqueza artesanal,
musical e gastronómica recria-se nas
segundas e terceiras gerações que não
perderam a memória e tudo isso se soma
aos muitos milhares de portugueses que,
não tendo nascido no Alentejo, sentem uma
profunda identificação com a sua cultura e
até com a própria geografia.
Mas a profundidade afetiva e identitária
a que me refiro, apesar de se manifestar no
sentido coletivista e na solidariedade, não
dilui, muito menos apaga, as diferenças
individuais, pelo que, independentemente
dos percursos de cada um, as raízes e as
origens sociais não se escondem nem se
desprezam, nem pelo mais bem-sucedido
cosmopolita ali nascido. Um alentejano
assumido pode ficar ou partir, mas mesmo
quando parte nunca se separa. Caminha
pelo mundo com o Alentejo na alma.
Sociólogo, investigador do Centro de
Estudos Sociais e professor da Faculdade
de Economia da Universidade de Coimbra

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Cidade E As Serras
A Cidade E As SerrasA Cidade E As Serras
A Cidade E As Serras
KatitaKatita
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
A Cidade e as Serras
A Cidade e as SerrasA Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras
vpaganatto
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
MariaVerde1995
 
A Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras A Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras
Cristina Porini
 
A cidade e as serras anglo sj final 2
A cidade e as serras   anglo  sj final 2A cidade e as serras   anglo  sj final 2
A cidade e as serras anglo sj final 2
Octávio Da Matta
 
Amor de perdicao camilo castelo branco
Amor de perdicao   camilo castelo brancoAmor de perdicao   camilo castelo branco
Amor de perdicao camilo castelo branco
AnaRibeiro968038
 
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
Leandro Montino
 
A cidade e as serras- personagens principais
A cidade e as serras- personagens principais A cidade e as serras- personagens principais
A cidade e as serras- personagens principais
biamoreira__
 
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os MaiasEvolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
A cidade e as serras
A cidade e as serrasA cidade e as serras
A cidade e as serras
Cláudia Heloísa
 
A morte e a morte de quincas berro d água
A morte e a morte de quincas berro d águaA morte e a morte de quincas berro d água
A morte e a morte de quincas berro d água
Ana Paula Medeiros
 
Possíveis exercícios de a cidade e as serras
Possíveis exercícios de a cidade e as serrasPossíveis exercícios de a cidade e as serras
Possíveis exercícios de a cidade e as serras
BriefCase
 
Cronicas futuro
Cronicas futuroCronicas futuro
Cronicas futuro
Deborah Kash
 
A viuva do enforcado camilo castelo branco
A viuva do enforcado   camilo castelo brancoA viuva do enforcado   camilo castelo branco
A viuva do enforcado camilo castelo branco
AnaRibeiro968038
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Neizy Mandinga
 
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-daguaA morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
Melyssa Queiroz
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 125-126
luisprista
 
Natal brasileiro
Natal brasileiroNatal brasileiro
Natal brasileiro
Fatima de Luzie Cavalcante
 
Typewriter
TypewriterTypewriter
Typewriter
Milene Cristina
 

Mais procurados (20)

A Cidade E As Serras
A Cidade E As SerrasA Cidade E As Serras
A Cidade E As Serras
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
A Cidade e as Serras
A Cidade e as SerrasA Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
A Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras A Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras
 
A cidade e as serras anglo sj final 2
A cidade e as serras   anglo  sj final 2A cidade e as serras   anglo  sj final 2
A cidade e as serras anglo sj final 2
 
Amor de perdicao camilo castelo branco
Amor de perdicao   camilo castelo brancoAmor de perdicao   camilo castelo branco
Amor de perdicao camilo castelo branco
 
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
 
A cidade e as serras- personagens principais
A cidade e as serras- personagens principais A cidade e as serras- personagens principais
A cidade e as serras- personagens principais
 
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os MaiasEvolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
 
A cidade e as serras
A cidade e as serrasA cidade e as serras
A cidade e as serras
 
A morte e a morte de quincas berro d água
A morte e a morte de quincas berro d águaA morte e a morte de quincas berro d água
A morte e a morte de quincas berro d água
 
Possíveis exercícios de a cidade e as serras
Possíveis exercícios de a cidade e as serrasPossíveis exercícios de a cidade e as serras
Possíveis exercícios de a cidade e as serras
 
Cronicas futuro
Cronicas futuroCronicas futuro
Cronicas futuro
 
A viuva do enforcado camilo castelo branco
A viuva do enforcado   camilo castelo brancoA viuva do enforcado   camilo castelo branco
A viuva do enforcado camilo castelo branco
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
 
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-daguaA morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 125-126
 
Natal brasileiro
Natal brasileiroNatal brasileiro
Natal brasileiro
 
Typewriter
TypewriterTypewriter
Typewriter
 

Destaque

Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Elisio Estanque
 
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
Elisio Estanque
 
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_eeRccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Elisio Estanque
 
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Elisio Estanque
 
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Elisio Estanque
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Elisio Estanque
 
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeVisto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Elisio Estanque
 
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Elisio Estanque
 
Elites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluções
Elisio Estanque
 
As praxes e o poder ee jan2014
As praxes e o poder ee jan2014As praxes e o poder ee jan2014
As praxes e o poder ee jan2014
Elisio Estanque
 
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_eePortugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Elisio Estanque
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Elisio Estanque
 
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezJuventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Elisio Estanque
 
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Elisio Estanque
 
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
Elisio Estanque
 
àS portas do trabalho escravo ee 6.08.2012
àS portas do trabalho escravo ee 6.08.2012àS portas do trabalho escravo ee 6.08.2012
àS portas do trabalho escravo ee 6.08.2012
Elisio Estanque
 
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
Elisio Estanque
 
Os sentidos do trabalho a ee
Os sentidos do trabalho a eeOs sentidos do trabalho a ee
Os sentidos do trabalho a ee
Elisio Estanque
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Elisio Estanque
 
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Elisio Estanque
 

Destaque (20)

Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
Ps, pc e a esquerda desavinda publico 01.10-2014
 
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
De Kiev a Odessa_EE_7.01.2015
 
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_eeRccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
Rccs 103 rebeliao de classe media_pp53-80_ee
 
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
 
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
Ambivalências da sociologia ee 14.04.14
 
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
Classes e rebeliões sociais no brasil publico 09.06.2014
 
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas eeVisto do brasil greves, manifs e passeatas ee
Visto do brasil greves, manifs e passeatas ee
 
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
Para redefinir a classe média ee 16.08.2013
 
Elites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluçõesElites, lideres e revoluções
Elites, lideres e revoluções
 
As praxes e o poder ee jan2014
As praxes e o poder ee jan2014As praxes e o poder ee jan2014
As praxes e o poder ee jan2014
 
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_eePortugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
 
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
Público 12 passos troikados ee_16.09.2012
 
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezJuventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
 
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
Ee .carta aberta de um ex militante-jun_2014
 
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
 
àS portas do trabalho escravo ee 6.08.2012
àS portas do trabalho escravo ee 6.08.2012àS portas do trabalho escravo ee 6.08.2012
àS portas do trabalho escravo ee 6.08.2012
 
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014O partidismo ufano de francisco assis set_2014
O partidismo ufano de francisco assis set_2014
 
Os sentidos do trabalho a ee
Os sentidos do trabalho a eeOs sentidos do trabalho a ee
Os sentidos do trabalho a ee
 
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
Público 16 o regresso do povo 3.11.2012
 
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
Público 1 autarquicas democracia 07.01.2013
 

Semelhante a Alentejo ee público_11.03.2016

Fragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistasFragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistas
Karin Cristine
 
Novelas do Minho
Novelas do MinhoNovelas do Minho
Novelas do Minho
bibliotecacampo
 
Jb news informativo nr. 1179
Jb news   informativo nr. 1179Jb news   informativo nr. 1179
Jb news informativo nr. 1179
JBNews
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
Bocage 250 anos, de 1765 ao séc xxi (3)
Bocage   250 anos, de 1765 ao séc xxi (3)Bocage   250 anos, de 1765 ao séc xxi (3)
Bocage 250 anos, de 1765 ao séc xxi (3)
Biblioteca Esbocage
 
Aluísio azevedo o mulato
Aluísio azevedo   o mulatoAluísio azevedo   o mulato
Aluísio azevedo o mulato
thiagofm
 
Adolfo caminha no país dos ianques
Adolfo caminha   no país dos ianquesAdolfo caminha   no país dos ianques
Adolfo caminha no país dos ianques
Tulipa Zoá
 
Adao antunes
Adao antunesAdao antunes
Adao antunes
José Mezzalira
 
José de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
José de Alencar - Alfarrábios - O garatujaJosé de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
José de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
Francis Monteiro da Rocha
 
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella StoriaSinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
babibalbis
 
O bom crioulo
O bom criouloO bom crioulo
O bom crioulo
thiagofm
 
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella StoriaSinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
babibalbis
 
Salto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de Tavares
Salto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de TavaresSalto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de Tavares
Salto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de Tavares
Elton Zanoni
 
Guiao de-leitura-arroz-do-ceu
Guiao de-leitura-arroz-do-ceuGuiao de-leitura-arroz-do-ceu
Guiao de-leitura-arroz-do-ceu
Graça Viais
 
Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdfTeste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
CarlosBatista883613
 
92
9292
ARRIES_Philippe_Uma crianca descobre a Historia.pdf
ARRIES_Philippe_Uma crianca descobre a Historia.pdfARRIES_Philippe_Uma crianca descobre a Historia.pdf
ARRIES_Philippe_Uma crianca descobre a Historia.pdf
Rafaella Florencio
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
O alterense 28
O alterense 28O alterense 28
O alterense 28
Francisco Martins
 
Gente da terceira_classe[1]
Gente da terceira_classe[1]Gente da terceira_classe[1]
Gente da terceira_classe[1]
bibjcm
 

Semelhante a Alentejo ee público_11.03.2016 (20)

Fragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistasFragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistas
 
Novelas do Minho
Novelas do MinhoNovelas do Minho
Novelas do Minho
 
Jb news informativo nr. 1179
Jb news   informativo nr. 1179Jb news   informativo nr. 1179
Jb news informativo nr. 1179
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
Bocage 250 anos, de 1765 ao séc xxi (3)
Bocage   250 anos, de 1765 ao séc xxi (3)Bocage   250 anos, de 1765 ao séc xxi (3)
Bocage 250 anos, de 1765 ao séc xxi (3)
 
Aluísio azevedo o mulato
Aluísio azevedo   o mulatoAluísio azevedo   o mulato
Aluísio azevedo o mulato
 
Adolfo caminha no país dos ianques
Adolfo caminha   no país dos ianquesAdolfo caminha   no país dos ianques
Adolfo caminha no país dos ianques
 
Adao antunes
Adao antunesAdao antunes
Adao antunes
 
José de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
José de Alencar - Alfarrábios - O garatujaJosé de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
José de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
 
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella StoriaSinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
 
O bom crioulo
O bom criouloO bom crioulo
O bom crioulo
 
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella StoriaSinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
 
Salto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de Tavares
Salto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de TavaresSalto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de Tavares
Salto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de Tavares
 
Guiao de-leitura-arroz-do-ceu
Guiao de-leitura-arroz-do-ceuGuiao de-leitura-arroz-do-ceu
Guiao de-leitura-arroz-do-ceu
 
Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdfTeste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
 
92
9292
92
 
ARRIES_Philippe_Uma crianca descobre a Historia.pdf
ARRIES_Philippe_Uma crianca descobre a Historia.pdfARRIES_Philippe_Uma crianca descobre a Historia.pdf
ARRIES_Philippe_Uma crianca descobre a Historia.pdf
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
O alterense 28
O alterense 28O alterense 28
O alterense 28
 
Gente da terceira_classe[1]
Gente da terceira_classe[1]Gente da terceira_classe[1]
Gente da terceira_classe[1]
 

Mais de Elisio Estanque

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215
Elisio Estanque
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
Elisio Estanque
 
Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?
Elisio Estanque
 
Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo
Elisio Estanque
 
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Elisio Estanque
 
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)
Elisio Estanque
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)
Elisio Estanque
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Elisio Estanque
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1
Elisio Estanque
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Elisio Estanque
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho ee
Elisio Estanque
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
Elisio Estanque
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
Elisio Estanque
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
Elisio Estanque
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Elisio Estanque
 
Uma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoUma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismo
Elisio Estanque
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Elisio Estanque
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015
Elisio Estanque
 

Mais de Elisio Estanque (20)

O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215
 
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214O outro lado da reovol (i) publico 20180214
O outro lado da reovol (i) publico 20180214
 
Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?
 
Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo Entre o populismo e o euroceticismo
Entre o populismo e o euroceticismo
 
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
Ee juventude bloqueada (ii) publico_2017.05
 
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
 
Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)Passado e futuro do trabalho (II)
Passado e futuro do trabalho (II)
 
Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)Passado e futuro do trabalho (I)
Passado e futuro do trabalho (I)
 
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016Os 'lambe cus', público_27.10.2016
Os 'lambe cus', público_27.10.2016
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1
 
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20  Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
Praxe vs comandos_publico_2016.09.20
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
Des globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho eeDes globalização do trabalho ee
Des globalização do trabalho ee
 
Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016Alentejo ee público_11.03.2016
Alentejo ee público_11.03.2016
 
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2  03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
03_english_rccs annual review_e_estanque_rev2
 
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
(Des)globalização do trabalho publico 2016.07.14
 
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
Queima das fitas alcoolizada publico 14.05.2016
 
Uma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismoUma critica construtiva ao sindicalismo
Uma critica construtiva ao sindicalismo
 
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociaisRebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
Rebeliao de classe media_precariedade de movimentos sociais
 
Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015Middle class rebellions_2015
Middle class rebellions_2015
 

Alentejo ee público_11.03.2016

  • 1. 58 | PÚBLICO,SEX11MAR2016 NUNO FERREIRA SANTOS Com o Alentejo na alma E stamos em 1960 (ou talvez 1962), no verão tórrido de um Alentejo desprezado pelo poder salazarista. Abril estava ainda fora daquele horizonte, aberto e amplo mas a vários títulos asfixiante. Uma calma que apenas estremecia à passagem esporádica de um ou outro automóvel com os pneus a guinchar na curva apertada após uma longa reta. Os sons das cigarras rompiam o silêncio e a monotonia daquele território árido, onde o amarelado da paisagem, o restolho seco, era apenas rasgado pelo tapete negro de alcatrão cintilante quase a derreter-se ao sol abrasador. Mas na berma da estrada começava a vislumbrar- se, ao longe, uma poeira anormal em redor de duas silhuetas que se erguiam lado a lado com alguma coisa por trás. No início poderiam confundir-se com miragens em pleno “deserto” alentejano. Mas não. Eram bem reais. No seu movimento compassado percebi pouco depois que eram cavalos, trazendo atrás de si um homem acorrentado. Cavalos montados por aquela guarda, de farda cinzenta e botas altas, que aterrorizava crianças e ainda mais os adultos, pelo menos os mais conscientes das razões da sua miséria e do sufoco da sua liberdade. Do alto dos seus cavalos brancos, estas figuras altivas eram a personificação do poder, em absoluto contraste com o ser miserável, com as mãos acorrentadas, curvado e maltrapilho, a desfalecer de sede. Deram-lhe água, mas só depois de saciar os cavalos no fontanário à beira da estrada. Estes mesmos guardas, ou outros seus comparsas, eram aqueles que regularmente frequentavam o café-restaurante da família. Vinham por vezes em grupos de quatro, recordo-os, grandes e gordos, com ar carrancudo. Creio agora que percebiam a raiva silenciosa que causavam à sua passagem. Sentavam-se num espaço interior, mais resguardado da casa, e a mesa, devidamente preparada, com toalhas de tecido branco, em breve ficava recheada de iguarias, com vinho, presunto, queijo e às vezes outros petiscos. Ficavam horas a comer, mas falavam pouco; e depois de empanturrados saíam como se fosse da casa deles. Já se sabia que não pagavam a despesa, mas pelo menos era de esperar que tivessem um gesto, ainda que fingido, de pedir a conta. Assim pensavam as vítimas daquele saque (os meus pais). Porém, na maioria das vezes nem isso acontecia. Entravam e saíam atravessando o espaço público da taberna, espalhando um temor respeitoso entre os clientes domingueiros da Casa de Pasto — o 15 (era esse o nome), um espaço nos fins de semana sempre animado por grupos de homens, na sua maioria mineiros que, entre cada rodada, exprimiam em coro a sua amargura, mas também a força coletiva através do agora celebrado “cante alentejano”. Aquele acorrentado atrás dos cavalos da GNR poderia ser um “maltês”, o nome dado a quem, sem emprego certo nem inserção na comunidade, procurava o precário sustento andando de monte em monte, à míngua de uns dias de trabalho “a comedias”, como se dizia, ou seja, em troca de umas sopas e pouco mais (“come a dias”, porque havia muitos sem nenhuma comida, presume-se). Mas como se esse não fosse já um castigo suficiente, tratava-se de uma condição considerada não só “ilegal” como aparentemente ameaçadora para a ordem vigente. Por isso, o mínimo descuido era suficiente para que o desgraçado fosse parar à “pildra”. Pior ainda, para além da prisão, era a exibição pública da punição exercida sobre quem fugia de uma suposta “norma social”, na verdade artificial e só mantida por um regime ditatorial. Esses eram os malteses, um nome que na época carregava um sentido pejorativo que até as Umalentejano assumido podeficarou partir,mas mesmoquando partenunca sesepara. Caminhapelo mundocom oAlentejo naalma crianças temiam. Ser diferente já era uma ameaça que, não apenas o regime mas a própria comunidade olhava com suspeição. Mas os outros, aqueles que não andavam na mina, iam diariamente “à praça”, um “mercado” de força de trabalho, em sentido literal, que decorria no largo principal da aldeia, onde, com alguma sorte, se poderia ser um dos escolhidos para trabalhar naquele dia. Trabalhos de sol a sol, enquanto os da mina, embora produzindo na escuridão e à luz do gasómetro, tinham pelo menos um emprego certo. Estas memórias não se apagam. Nesse período ocorreram algumas greves nas minas. Recordo que numa delas a aldeia inteira andou em alvoroço quando se soube que a guarda tinha carregado sobre os mineiros. Umas dezenas foram presos. Alguns eram de Rio de Moinhos (a aldeia de que falo) e até um tio meu, soube depois, tinha sido levado para Lisboa, pela PIDE. Não ficou muito tempo na prisão, mas para um homem honrado e por todos respeitado — um assalariado para quem a única “subversão” cometida era trabalhar no duro para alimentar os filhos, ingerindo aquele pó durante décadas, que lhe provocaria o cancro que o matou anos depois —, as “duas chapadas na cara” que lhe foram dadas por um qualquer esbirro do regime, para que confessasse os nomes dos cabecilhas da greve, já foram um preço inconcebível. A dureza da vida no Alentejo nesses anos de penúria e repressão, para quem nasceu e vive como alentejano, não é uma mera “recordação”, é sim um elemento que se inscreve na própria identidade alentejana, pois a sua força é indissociável da resistência (em geral silenciada pela ameaça, nos anos de chumbo do salazarismo). O ressentimento cultivado por comunidades inteiras, por terem sido pisadas décadas a fio pelos DebateAlentejoeidentidade ElísioEstanque protegidos do regime, não apagou o afeto, mas, para um alentejano, este não se mede pelo palavreado fácil. Pessoalmente sinto-o no acolhimento, no sorriso largo, na oferta de guarida ou do almoço, de braços abertos, em cada viagem às origens. Cada regresso é como um aconchego no seio de uma grande família cujos gestos protetores se perpetuam através das gerações. As caras de hoje, umas mais jovens, talvez de terceira geração, outras mais enrugadas — as que ainda reconheço —, foram transmutadas pelo tempo, mas é a mesma família. Felizmente, as conquistas democráticas devolveram alguma dignidade ao Alentejo, mas apesar do envelhecimento demográfico, não apagaram essa força cultural que hoje é reconhecida em diversos domínios patrimoniais, com destaque para os grupos corais ou a viola campaniça. Os fluxos migratórios dos anos 1960 também marcaram a região e até aqueles que, como eu, não tiveram de atravessar fronteiras “a salto” para fugir da miséria (ou da guerra) foram reinventar a identidade do Alentejo para outras paragens, menos rurais mas ainda assim com um agudo sentido comunitário. Por exemplo, o bairro de Moscavide, onde vivi na década de 1970, forneceu-me o contexto suburbano onde as referências alentejanas se misturavam com outras origens. A chamada “cintura industrial de Lisboa” tem uma forte ligação ao Alentejo, como atestam os diversos movimentos de solidariedade com as lutas de mineiros (nomeadamente os de Aljustrel) e assalariados agrícolas alentejanos. E na margem sul do Tejo, na CUF, na Lisnave, na Setenave ou nas povoações de Almada, Barreiro ou Baixa da Banheira e, de um modo geral, nos municípios do distrito de Setúbal, a “marca Alentejo” permanece bem visível, incluindo nos nomes e noutros traços culturais reinventados a partir dos vínculos com a região. A riqueza artesanal, musical e gastronómica recria-se nas segundas e terceiras gerações que não perderam a memória e tudo isso se soma aos muitos milhares de portugueses que, não tendo nascido no Alentejo, sentem uma profunda identificação com a sua cultura e até com a própria geografia. Mas a profundidade afetiva e identitária a que me refiro, apesar de se manifestar no sentido coletivista e na solidariedade, não dilui, muito menos apaga, as diferenças individuais, pelo que, independentemente dos percursos de cada um, as raízes e as origens sociais não se escondem nem se desprezam, nem pelo mais bem-sucedido cosmopolita ali nascido. Um alentejano assumido pode ficar ou partir, mas mesmo quando parte nunca se separa. Caminha pelo mundo com o Alentejo na alma. Sociólogo, investigador do Centro de Estudos Sociais e professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra