SlideShare uma empresa Scribd logo
IMERSÃO EM ELABORAÇÃO
DE PROJETOS PARA
EDITAIS EMPRESARIAIS E
PÚBLICOS – aula 2
SERVIÇOS
CRIANDO
CONSULTORIA
Terceiro Setor
Desenvolvimento
Institucional
Técnica
Jurídica
Gestão
Planejamento
Estratégico
Marketing e
Comunicação
Empresas
Responsabilidade
Social
Desenvolvimento
Sustentável
PALESTRAS
ASSESSORIA
Horários Segunda Terça Quarta Quinta
Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4
9:00 / 12:00 Abertura - / apresentações
Cenários / identificação de
causas / metodologia /
justificativas e publico alvo
Incentivos fiscais Trabalho em grupo
12:00 / 13:00
13:00 / 15:30
As diferenças entre fonte,
estratégia e ferramentas/
modelo trevo / o que é
projeto e suas partes / a
função do captador
apresentação institucional /
diferencial de impacto /
objetivos e metas
Fontes internaiconais e
Siconv e exercios em
grupo
15:30/ 16:00
16:00 / 18:00
divisão de grupos exercicio
de definição de problema
/ desafio
Trabalho em grupo -
exercicio de objetivos /
Cronograma e aspectos
financeiros - e Indicadores
exercicios
Trabalho em grupo
Noite livre / preparações em grupo Happy hour
ALMOÇO
COFFEE BREAK
Apresentação dos
trabalhos
NÃO DEPENDA DA INTUIÇÃO
Para Daniel Kahneman,
“Nobel de Economia”,
é um grande risco
tomar decisões usando
a área preguiçosa e
irracional do cérebro.
A mente é
comandada
por 2 sistemas
(rápido e devagar).
Editais im 0215_aula_2_sha
ROTEIRO
1. Apresentação
Institucional
2. Identificação do Projeto
– Resumo
3. Cenário / Contexto
4. Justificativa do Projeto:
(O porquê.)
5. Público Alvo (quem? –
perfil das pessoas
atendidas)
6. Objetivos (o quê?)
8. Metodologia (como?)
9. Estratégia (opcional)
10. Indicadores e avaliaçã
11. Cronograma
12. Orçamento
13. Equipe
14. Plano de mídia e
contrapartidas
15. Riscos
Editais im 0215_aula_2_sha
Consciente ou
inconscientemente, os
doadores fazem os seguintes
questionamentos:
Qual o objetivo desse
projeto? Isso é possível?
Quais são os serviços
oferecidos? Qual a qualidade
desses serviços? Qual o
impacto desse trabalho na vida
das pessoas?
Qual a estrutura do projeto
ou organização?
Captação de Recursos
Questionamentos de um
financiador
Os financiadores fazem os
seguintes questionamentos:
Quem são as pessoas que
estão à frente desse projeto?
Essas pessoas têm
capacidade para oferecer o
que propõe?
Quais são os planos para o
futuro do proponente? Como
eu me enxergo, como
doador, nesses planos?
A idéia é sustentável?
Captação de Recursos
Questionamentos de um
financiador
O Cenário
Modelo Trevo
(Antonio Luiz de Paula e Silva)
Modelo Trevo
O Gestor deve lidar
com quatro
“campos
essenciais” e suas
relações
Modelo Trevo
Sociedade
Público Alvo:
quem são, como
vivem, quais
são seus
problemas, qual
o contexto
social
O DESAFIO
• O contexto político, social,
cultural, etc.
• Situações Internas ou Externas
que motivam o grupo
• A legislação e políticas públicas
A ELABORAÇÃO DO PROJETO/PROGRAMA é o um dos
instrumentos para se concretizar uma ação de boa-
vontade.
Esta ação é uma RESPOSTA da sociedade civil organizada a
um DESAFIO localizado.
O motivo da existência do
cenário
Aquilo que faz com que a
ação exista
Situação que produz um
efeito
Causas e áreas
Modelo Trevo
Serviços
O que o projeto
faz:
Ações, Atividades,
eventos
Modelo Trevo
Recursos
Prédio, carros, dinheiro,
equipamentos, material
didático, infra-estrutura,
etc.
Modelo Trevo
Pessoas
— Talentos e capacidades
— Voluntários e profissionais
—Potenciais e conflitos
Características gerais
• Ideal coletivo
• Mobilização de pessoas em torno
desse ideal
• Quando nos dispomos a lutar por
ele, enfrentando resistências,
estamos adotando uma causa
Motivo, razão de existir de um
projeto social
A CAUSA
Características gerais
• Está em condição mais ou menos
crítica (necessidades)
• É o coração do projeto
• A comunidade deve ser ouvida a
respeito do assunto
O PÚBLICO-ALVO
Aspectos importantes
• Perfil geográfico: Identificar o
local da ação (estado, região,
cidade, bairro, comunidade) e
sua área de influência (estado,
região, cidade, bairro,
comunidade).
• Nº de pessoas atendidas:
Informar quantos atendimentos
diretos o projeto realizará
O PÚBLICO-ALVO
Aspectos importantes
• Perfil da população
atendida: apenas os públicos
com os quais o projeto irá
trabalhar
• Critérios para seleção das
pessoas atendidas: explicar
os critérios e como será o
processo de seleção dos
atendidos
O PÚBLICO-ALVO
• Utilizar fatos para apoiar os argumentos
• Estatísticas, histórias verídicas, depoimentos, dados
comparativos, fotos ou documentários da imprensa
• Não se baseie em impressões, em opiniões, em premissas não
documentadas (“achismos”)
O PÚBLICO-ALVO
Necessidades
Técnica dos Fatos para "declaração de necessidades" do
público-alvo
Questões
• Que fatos acontecem na sociedade que nos incomodam?
• Que problemas são identificados? Quem sofre esses
problemas? Onde moram essas pessoas?
• Que necessidades se originam desses problemas?
• Quais são aquelas necessidades que a instituição pode
satisfazer?
• De todos os envolvidos nos problemas, quais são as pessoas
que se terá como alvo do projeto?
• Ao final, que efeito se quer ver no público-alvo?
O PÚBLICO-ALVO
• Análise do conjunto de coisas e pessoas que cercam e
influenciam o alvo
• Ideal para o planejamento de estratégias que incluam este ou
aquele segmento
O PÚBLICO-ALVO
Avaliação do Contexto
Caráter sistêmico da realidade
Uma estrutura está organizada de tal forma que, mexendo
numa parte, você mexe no todo, afetando um pedaço, você
consegue reflexos no outro.
Exemplo: criança
• Para conseguir resultados na criança, muitas vezes há que se
realizar ações:
– Nas suas famílias
– Na estrutura de atendimento à saúde da criança
– Na comunidade local
– Influenciando políticas públicas, etc.
O PÚBLICO-ALVO
Avaliação do Contexto
Exemplo: criança
• É importante articular os
agentes e criar relações em
todas as direções
• Mas nunca esquecer: a criança
é o foco, é a identidade do
projeto
• O que vem em torno da criança
é apenas estratégico para o
trabalho
O PÚBLICO-ALVO
Avaliação do Contexto
O PÚBLICO-ALVO
Avaliação do Contexto
Níveis: criança
• Núcleo família: pai, mãe, avó, avô
• Estruturas de apoio: escola, creche, hospital, posto de saúde,
delegacia, abrigo, outros projetos
• Comunidade: igrejas, vizinhos, lazer, clubes, escolas de
samba, gangs, amigos
• Contexto histórico: cultural, econômico, político
Editais im 0215_aula_2_sha
Modelo Trevo
Serviços Sociedade
Direcionamento
— Função Primária
— Define a direção, o
rumo, o foco, o papel
da organização
— Missão e Visão
— Buscar equilíbrio
entre as necessidades
sociais e as aptidões
da organização
— Motivo do
investimento social
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
Fase do Direcionamento
Conceito de Visão
Quadro concreto, descritível
Elemento de futuro que busca-se
alcançar a longo prazo
Deve ser de possível avaliação
PLANEJAMENTO
Fase do Direcionamento
Vantagens de uma
Visão Clara
Motiva, inspira e ajuda
a suportar períodos sem
resultados
Facilita a entrega com
afinco e
comprometimento ao
trabalho
O sucesso se baseia
na seleção das pessoas
certas
PLANEJAMENTO
Fase do Direcionamento
Exemplos
“Ser referência nacional em apoio à escolarização” (interna
– como será a organização)
“Ter em cada mesa de trabalho em casa e nos escritórios
um computador rodando um software Microsoft” (interna –
extensão dos serviços)
“Eliminar a pólio no mundo” (externa – os resultados da
ação da organização no mundo)
PLANEJAMENTO
Fase do Direcionamento
Composição básica da missão
PLANEJAMENTO
Fase do Direcionamento
Missão
Razão de ser e existir da
entidade: papel no mundo
O que a organização faz e
compromete-se a fazer no seu
trabalho diário
É preciso permitir que o público
compreenda claramente a missão
da organização para que possa
participar e investir
PLANEJAMENTO
Fase do Direcionamento
Doutores da Alegria
“Levar alegria a crianças
hospitalizadas, seus pais
e profissionais de saúde,
por meio da arte do
palhaço, nutrindo esta
forma de expressão como
meio de enriquecimento
da experiência humana”.
PLANEJAMENTO
Fase do Direcionamento
Instituto de Estudos
Filosóficos
“Estimular o estudo, a pesquisa
e a reflexão filosófica, por meio
de linguagens acessíveis e
desafiadoras, facilitando a ação
consciente e íntegra”.
PLANEJAMENTO
Fase do Direcionamento
Vantagens de uma missão
clara
Manter a ligação com o
público
Ajuda a organização a não
se distanciar das REAIS
necessidades (finalidade
estatutária)
Dá suporte quando é
preciso dizer não
PLANEJAMENTO
Fase do Direcionamento
Visão
Vocação
Missão
Visão de Mundo e Valores
PLANEJAMENTO
Fase do Direcionamento
Visão
Vocação
Missão
Visão de Mundo e Valores
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
Fase do Direcionamento
FOCO
Modelo Trevo
Pessoas
Recursos
É preciso ter equilíbrio
entre:
— Talentos e materiais
— conhecimentos e infra-
estrutura
Não adianta ter somente
boas intenções...
Modelo Trevo
Serviços
Pessoas
— Capacitação
— Pessoas nos
lugares adequados
— Processos bem
desenhados
— Sintonia da equipe
Modelo Trevo
Sociedade
Pessoas
— Engajamento
— Comprometimento
com a causa
Modelo Trevo
Serviços
Recursos
Serviços prestados
— Eficiência
— Qualidade
— Quantidade
Adequação entre os
recursos que tem e
os serviços que
presta
Modelo Trevo
Sociedade
Recursos
— Diversificar as Fontes de
Financiamentos
— Transparência
— Doação: reconhecimento
social
Modelo Trevo
Serviços Sociedade
Pessoas
Recursos
Direcionamento
A arte e desafio do gestor é
manter sempre as relações
equilibradas e harmoniosas
Capacidade
Qualidade
Motivação
Viabilidade
Legitimidade
Grupo
Gestor
1 - Apresentação Institucional:
Dados Institucionais (razão social, data de fundação, CNPJ,
endereço, telefone, fax, e.mail, site, responsáveis pela entidade
e projeto)
Breve Histórico (qual foi o desafio que provocou o nascimento
da entidade - missão, como nasceu, localidade, escolha do
público alvo, principais ações, premiações e rede de
solidariedade e parcerias/apoios);
Dados Institucionais
• Dados Institucionais
• Razão social: Associação xxxxxx - Anawin
• Data de fundação: xx de xxxxxxxxxx de xxxx.
• CNPJ: xx.xxx.xxx/xxxx-xx
• Endereço: Av. xxxxxxxxx, nº 25, cj, 9, sala 03 –
Bairro: xxxxx – São Paulo – SP – Brasil
• Telefone: (55.11) 5555.5555
• Fax: (55.11) 5555.5555
• E.Mail: (do responsável) xxxxxx@anawin.org.br
• Site: www.anawin.org.br
• Responsáveis pela organização: nomes e funções
• Responsáveis pelo projeto: nomes e funções
Exemplo
Breve Histórico
Em xx de xxxxxxxxxxx de xxxx, a Associação xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx-
Anawin surgiu da iniciativa de um grupo de pessoas sensibilizadas com a
necessidade de implantar no bairro xxxxxxxxxxx um espaço social-gratuito,
destinado a capacitar pessoas carentes em ações de sustentabilidade
sócio-ambientais. Assim, procurou a xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, para
conhecer o trabalho que a desenvolvia na área de xxxxxxxxxxxxxxxxxx.
Nessa época, a associação foi informada da atividade
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx existentes em sua área regional. O
grupo sentindo entrosamento entre os objetivos daxxxxxxxxxxxxxxx e os
próprios, constituiu-se em entidade social.
Para execução de suas atividades junto a população local, a associação
xxxxxxxxxxxxx, procura desenvolver ações transparentes, qualificadas e
criativas no atendimento, através de oficinas de capacitação.
Atendendo jovens entre 12 a 24 anos, provenientes de famílias de baixa renda,
na sua maioria desestruturada e em risco social, freqüentam a entidade 5
dias por semana no período das xxxxx.
Educadores e oficineiros constroem, juntamente com os xxxx jovens atendidos
atualmente (2006), espaços de capacitação sócio-ambiental para geração
de ocupação e renda.
Exemplo
2 - Identificação do Projeto - Resumo:
A) Título do Projeto: traduzir, de forma sintética, o tema central do projeto
proposto.
Exemplo: “Cooperativa dos Agentes Autônomos de Reciclagem”
B) Duração Prevista: indicar a duração prevista do projeto, (geralmente) em
meses.
Exemplo: 12 meses
C) Custo Estimado: indicar os recursos necessários estimados e os recursos
de contrapartida, originários da entidade executora e outros apoios, na
moeda designada pelo financiador.
Exemplo: Valor total do projeto no período de 12 meses = R$ 100.000,00.
Valor da contrapartida institucional = R$ 20.000,00. Valor de outras
parcerias (informar em nota de rodapé) = R$ 20.000,00. Valor solicitado à
entidade financiadora = R$ 60.000,00.
3 - Referencial teórico / Cenário
• A Associação xxxxxxxxxxxxx foi criada diante do impasse de ter à sua frente
dois grandes embates: a degradação social e a degradação ambiental.
Podemos analisar os dados mais recentes da Organização das Nações
Unidas, que miram a enorme distância entre as nações e, apontam os
gritantes indicadores das desigualdades sociais. O atual modelo econômico
só faz acirrar os problemas detectados, pautando-se no individualismo, no
excesso de competitividade e na concorrência predatória.
• Vemos hoje uma insofismável realidade de pobreza, famintos, falta de
acesso à educação, água, moradia, meios para se aquecer, trabalho -
contrariando o artigo 1º da carta dos direitos humanos , que diz: "Todas as
pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de
razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito
de fraternidade". A Agenda 21, documento resultante da Conferência das
Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento - ECO-92,
reforçou a atenção mundial sobre os impactos ambientais e traçou
parâmetros com o intuito de diminuir tanta disparidade e desperdício entre
as nações, promovendo a qualidade de vida e, evidenciando a necessidade
da formação da consciência cidadã.
• 3 - Referencial Teórico
 Qual foi o material básico (pedagógico,
social, cultural, de políticas públicas) que
fomentou o desenvolvimento das ações, e
se esta replicando experiências positivas.
4 - Justificativa do Projeto: (O porquê.)
A partir das características sociais, culturais, econômicas e políticas do
público-alvo com o qual o projeto irá trabalhar, já descritas no cenário.
a) Descreva as ações que pretende desenvolver e como poderão
transformar a situação, enumere as alterações esperadas, incluindo
tanto mudanças qualitativas como quantitativas.
b) Enumere qualidades ou características da realidade local e das pessoas
atendidas que poderão contribuir para que as ações planejadas
alcancem os resultados esperados, melhorando a qualidade de vida das
pessoas atendidas.
JUSTIFICATIVA
DO PROJETO
a) Descreva as características sociais, culturais, econômicas e
políticas do público-alvo com o qual o projeto irá trabalhar.
(cenário)
b) Descreva as ações que pretende desenvolver e como
poderão transformar a situação, enumere as alterações
esperadas, incluindo tanto mudanças qualitativas como
quantitativas.
c) Enumere qualidades ou características da realidade local e
das pessoas atendidas que poderão contribuir para que as
ações planejadas alcancem os resultados esperados,
melhorando a qualidade de vida das pessoas atendidas.
JUSTIFICATIVA
DO PROJETO
DICA
• Texto descritivo em 1ª pessoa do plural (nós –
associação) ou 3ª pessoa (ela/ele – instituto/fundação);
• Deve conter informações de rodapé das fontes: os
dados estatísticos da localidade, público alvo, dados
sobre o desafio;
• A proposta deve ser objetiva e referencial de como
articular-se institucionalmente e agir no desafio,
cumprindo a missão.
4 - Justificativa do Projeto: (O porquê.)
5 - Público Alvo
(quem? – perfil das pessoas atendidas)
a) Perfil Geográfico: Identificar o local
da ação (estado, região, cidade, bairro, comunidade)
e sua área de influência (estado, região, cidade, bairro,
comunidade).
b) Nº de pessoas atendidas: Informar quantos
atendimentos diretos o projeto realizará.
Crianças
até 12 anos
incompletos
Adolescentes
12 a 18 anos
Jovens Adultos Idosos
60 anos ou mais
Diretos Indiretos Diretos Indiretos Diretos Indiretos Diretos Indiretos Diretos Indiretos
6 - Objetivos (o quê?)
OBJETIVO GERAL: focaliza e sintetiza a
transformação que se pretende promover na
situação enfrentada pelas ações do projeto.
Exemplo: Capacitar jovens e adultos (homens e
mulheres) visando a qualificação profissional e
a inserção de no mercado de trabalho, da região x
EXERCÍCIOS
OBJETIVO GERAL 1
Apoiar a recuperação da qualidade das águas do Rio São Francisco
na Bahia, com vistas à melhoria da qualidade de vida da população
ribeirinha.
OBJETIVO GERAL 2
Melhorar a saúde bucal das crianças do Município de São
Tomé das Letras.
6 - Objetivos (o quê?)
OBJETIVOS ESPECÍFICOS DO PROJETO: são
relacionados aos diversos elementos que se pretende
trabalhar e cujas transformações individuais contribuirão
para a alteração global da situação enfrentada. Estão
necessariamente articulados e alinhados ao Objetivo
Geral.
Exemplo: 1) Desenvolver ações de capacitação sócio-ambiental de
xxx jovens e adultos (homens e mulheres), através de oficina
de artes plásticas utilizando materiais recicláveis.
2) Gerar uma cooperativa dos formandos da capacitação para
geração de renda e ocupação.
Objetivo
específico 1
Metas 1
Metas 2
Objetivo
específico 2
Metas 1
Metas 2
Objetivogeral
Objetivo
específico 1
Metas 1
Ação 1 atividades
Ação 2 atividades
Ação 3 atividades
Metas 2
Ação 1
Ação 2 atividades
Ação 3
Editais im 0215_aula_2_sha
Objetivo Específico:
SMART
eSpecífica
Mensurável
Atingível
Relevante
Temporal
Editais im 0215_aula_2_sha
7 - Quadro de Metas com
indicadores
Articulação da parte teórica com a parte
prática
Produtos/Resultados Esperados Avaliação
Objetivo
Específico
Ações Responsáveis Cronograma
Quantitativos Qualitativos
Indicadores
de Progresso
Meios de
Verificação
Período de
verificação
1 Desenvolver
ações de
capacitação
sócio-
ambiental de
xxx jovens e
adultos
(homens e
mulheres),
através de
oficina de
artes plásticas
utilizando
materiais
recicláveis.
1.1. Elaborar
material didático;
1.2. Contratar
educadores
especializados;
1.3. Formar rede de
parcerias para
encaminhamentos;
1.4. Ministrar
oficina durante 5
dias por semana,
com 3 horas por
dia.
1.1.
Coordenador
Pedagógico;
1.2.
Coordenador
geral;
1.3.
Coordenador
Geral;
1.4. Educadores
1.1. 1ª mês;
1.2. 1º mês;
1.3. a partir do
2º mês;
1.4. a partir do
2º mês.
- atualização de
conhecimento em
nível do ensino
fundamental e
médio;
- educação para o
empreendedorismo;
- educação para o
conhecimento de
uma cultura de
cidadania (direitos
e deveres)
- realização de
03 módulos de
qualificação
educacional e
desenvolviment
o profissional
- Número
efetivo de
turmas
formadas;
- Número
efetivo de
módulos
realizados;
- Número
efetivo de
alunos por
módulo;
- Índice de
freqüência.
- Quadro de
turmas;
- Diário de
classe;
- Avaliação
por parte
dos alunos.
Trimestral
(o primeiro
módulo
iniciará no
mês 04, o
segundo no
mês 07 e o
terceiro
módulo
iniciará no
mês 10).
2. Gerar uma
cooperativa
dos
formandos da
capacitação
para geração
de renda e
ocupação.
2.1.
2.2.
7 - Quadro de Metas com indicadores
Articulação da parte teórica com a parte prática
Objetivo Geral:
Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Responsável Indicadores
Meios de
verificação
Q
u
a
n
t
Q
u
a
l
i
Q
u
a
n
t
Q
u
a
l
i
8 - Metodologia (como?)
Descrever o “COMO FAZER” do projeto:
 Os conceitos adotados.
 Os principais procedimentos.
 As técnicas e os instrumentos a serem empregados.
 As etapas e a forma com que são articuladas.
 A forma de atração e integração dos públicos atendidos.
 Os locais de abordagem desses grupos e de execução das
atividades.
 A natureza e as principais funções da equipe.
Cite algum método ou técnica que será utilizado ou que já
foi por outra organização: construtivismo, cooperativa,
Piaget, Paulo Freire, etc.
• Descrever de que maneira os
serviços serão implementados
(como?), com procedimentos e
métodos de trabalho (rotinas)
• Deixar claras as ações, atividades,
os prazos e responsáveis
• Procedimentos e métodos
referem-se sempre aos objetivos
específicos
8 - Metodologia (como?)
)
9 - Estratégias
(elementos que qualificam e legitimam as ações)
a) Sustentabilidade: elementos que favorecem a continuidade do
projeto e de seus resultados em longo prazo:
 financeiros: presença de outras fontes de financiamento ou
empreendimento de autofinanciamento;
 técnicos: metodologias, estratégias e planejamento;
 comunitários: apropriação do projeto pela comunidade.
b) Replicabilidade: elementos que favorecem a adaptação e
reprodução do projeto em outras áreas ou contextos:
 financeiros: previsão orçamentária para avaliação, sistematização,
capacitação da equipe e divulgação;
 técnicos: capacidade de formação de equipes e de transferir
competências de gestão e aplicação de produtos ;
 políticos: articulação com políticas públicas, inserção em redes de
formação e de divulgação.
9 - Estratégias
.
c) Participação da Comunidade: a capacidade do
projeto mobilizar a comunidade local, gerar
protagonismo e solidariedade. Itens:
 valores da comunidade local (elementos que
favorecem a identidade, a aderência e o apoio da
comunidade ao projeto).
 a participação comunitária da definição do
problema, da elaboração dos meios de
enfrentamento, da execução e como participará da
avaliação do projeto.
9 - Estratégias
d) Estratégias de Articulação e Promoção de Parcerias:
parcerias do primeiro setor (poder público), segundo setor
(empresariado) e terceiro setor (sociedade civil organizada,
movimentos populares, movimento sindical) e como se
relaciona com essas parcerias.
e) Interação com as Políticas Públicas: a relação do projeto
com alguma Política Pública local, regional estadual ou
federal.
f) Comunicação: formas e meios de comunicação pelos
quais o projeto dará conhecimento de suas ações aos
parceiros, líderes e formadores de opinião do Terceiro Setor,
autoridades governamentais, público interno e sociedade em
geral. Apontar as estratégias e materiais a serem utilizados
para comunicar.
9 - Estratégias
ORÇAMENTO E CRONOGRAMA
77
11 - CRONOGRAMA - Físico
Ação 4 11 18 25 2 9 16 23 30 6 13 20 27
Definições gerais
Identidade do Hospital - escolher um nome Dir
Captar / contratar parceiro de identidade visual Dir e DI
Consolidar e iniciar a disseminação da Missão e
Visão p/ público interno
Dir e DI
Reuniões do DI DI / CR e Dir
Definição dos valores a captar, metas e
prioridades
CR e Dir
Consolidar justificativas e quantificação dos
valores e benefícios
CR
Orçar e Implementação do site a contratar
Elaboração de peça de captação impressa para
pessoas físicas e jurídicas
a contratar
Vídeo Institucional Dir
Coordenação dos elementos terceirizados DI
Responsável
CRONOGRAMA INICIAL Set Out Nov
Comunicação de apoio a captação de recursos
11 - CRONOGRAMA Físico - Financeiro
HOJE 1/10/2006
1
1
1
2
3
4
5
6
7
8
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
C
D
T
TAREFA
SEM
INI
QTD
SEM
1 4 # # # #
4 2 # #
3 3
7 2 # #
25 2 # #
26 2 # #
27 2 # #
29 4 # # # #
33 3 # # #
34 1 #
35 5 # # # # #
37 4 # # # #
12
9
10
11
4
5
7
8
6
1
2
3
RETIRADA DOS DUTOS DE AR VALOR
4.000
INSTALAÇÃO DAS TUBULAÇÕES DE
ELÉTRICA , SOM, LOGICA 15.900
VALOR
DEMOLIÇÃO E RETIRADA DO FORRO E
PISO DE MADEIRA EXISTENTE
VALOR
5.080
RETIRADA PARCIAL DO FORRO
1.750
QUEBRA DO PISO DO PATIO E DA
CANTINA 5.800
INSTALAÇÃO DE HIDRANTE VALOR
3.650
EXECUÇÃO DA NOVA CABINE DE SOM
6.180
DEMOLIÇÃO DAS PAREDES, PISOS,
TUBULAÇÕES E PALCO ANTIGO
- Salão - Orçamento
VALOR 6.180
8.005631.340 10.000 54.618 157.4853.575 41.357
8
8
8
8
8
8
IMPERMEABILIZAÇÃO E EXECUÇÃO DO
NOVO PISO DA PATIO E CANTINA 33.317
ELABORAÇÃO DE PROJETOS
(ARQUITETURA, SOM, ILUMINAÇÃO) 10.000
9
8
10.000
33.317
jan-06 fev-06 set-06 out-06jul-06 ago-06
VALOR
2.240
6.360 9.540
8 1.825 1.825
8 VALOR
8 VALOR 1.750
8 VALOR 5.800
ARREMATES DAS PAREDES VALOR
2.240
VALOR 10.000
5.080
4.000
VALORFIAÇÃO ELÉTRICA , SOM , LOGICA
10.000
12 - Equipe
Com funções,
competências,
atribuições específicas,
formação;
horas de atuação.
• Nomes e funções devem estar bem definidos
• Os papéis ficam mais claros com os métodos de trabalho
escritos
• Uma das maneiras de se colocar cada pessoa em sua função
de responsabilidade é a indicação pelo grupo; outra é a
indicação pelo coordenador
SERVIÇOS PROPOSTOS
As Pessoas
Orçamento são planos de uma organização em termos
financeiros que funciona como uma declaração de
metas para o período seguinte (um ano ou mais).
Conceito
13 - ORÇAMENTO
13 - ORÇAMENTO DA CAMPANHA /
PROJETO
Dimensionamento dos
recursos a captar
Demonstrar acuidade e
transparência
Criar planilhas para
examinar simulações em
condições diferentes
Previsão de resultados
Dois momentos:
— Previsão das
despesas e receitas (do
ano seguinte, da
inauguração, do evento)
— Acompanhamento das
despesas e comparação
com o orçado
ORÇAMENTO
INSTITUCIONAL /
PROJETO
Furo x Desvio
Criar planilhas para
simulações em condições
diferentes
Informar o que será feito,
caso o montante total
necessário não puder ser
captado
ORÇAMENTO
INSTITUCIONAL /
PROJETO
ORÇAMENTO (MODELO DETALHADO)
DESCRIÇÃO QTDE.
M.OBRA em
R$
MATERIAL em
R$
DEMOLIÇÃO 15.000,00 3.810,00
PAREDES 300 M³ 2.500,00 650,00
PISOS 340 M² 4.500,00 780,00
RETIRADA DO FORRO EXISTENTE 340 M² 3.500,00 1.080,00
RETIRADA DO PISO DO PATEO 370 M² 4.500,00 1.300,00
DIVERSOS/ALVENARIA 35.232,00 18.725,00
EXECUÇÃO DE UM CONTRAPISO NO SALÃO 340 M² 5.100,00 3.400,00
EXECUÇÃO DEUM CONTRAPISO PISO NO DEPÓSITO 40 M² 600,00 400,00
EXECUÇÃO DE UM COMPLEMENTO DE ESCADA VB 2.500,00 1.000,00
ABERTURA DE RASGOS NA ALVENARIA P/ELETRICA VB 2.000,00
ARREAMATES DE TUBULAÇÃO DE ELÉTRICA VB 2.400,00 1.000,00
IMPERMEABILIZAÇÃO DO PISO DO PATEO 370 M² 15.996,00
ARREMATES DE MASSA DAS PAREDES VB 1.440,00 800,00
EXECUÇÃO DE PISO ESTAMPADO DO PATEO 370 M² 5.196,00 12.125,00
AR CONDICIONADO 40.000,00 55.000,00
RETIRADA DA TUBULAÇÃO EXISTENTE VB 5.000,00
INSTALAÇÃO DE TUBULAÇÃO E DUTOS VB 15.000,00
INSTALAÇÃO DAS MAQUINAS E PAINÉIS 10 PÇ 15.000,00
INSTALAÇÃO DE GRELHAS E DIFUZORES VB 5.000,00 55.000,00
ACABAMENTO DE PAREDES E TETO 22.300,00 2.700,00
FORRO DE GESSO 150 M² 5.250,00
JUNTAS DE DILATAÇÃO 150 ML 2.250,00
DIVISÓRIAS 100 M² 7.000,00
200 M²
PINTURA DAS PORTAS E PAREDES 8 PÇ 2.500,00 1.200,00
CONSERTOS ,ARREMATES E ABERTURA DE BURACOS VB 1.500,00
TRATAMENTO DE CONCRETO 250 M² 3.800,00 1.500,00
M.OBRA em
R$
MATERIAL em
R$
TOTAL %
F 14.632,00 25.751,00 40.383,00 6,4%
A/D 37.300,00 6.510,00 43.810,00 6,9%
B 35.232,00 18.725,00 53.957,00 8,5%
E 29.650,00 31.000,00 60.650,00 9,6%
G 11.100,00 57.440,00 68.540,00 10,9%
C 40.000,00 55.000,00 95.000,00 15,0%
I - 108.000,00 108.000,00 17,1%
H 20.000,00 141.000,00 161.000,00 25,5%
187.914,00 443.426,00 631.340,00 100,0%
AR CONDICIONADO
CADEIRAS DO AUDITÓRIO
EQUIPAMENTOS DIVERSOS
DESCRIÇÃO
TOTAIS
PISO
DEMOLIÇÃO + ACABEMENTO DE
PAREDES
DIVERSOS/ALVENARIA
ELÉTRICA E HIDRÁULICA
PORTAS E DIVISÓRIAS
ACÚSTICAS
ORÇAMENTO (MODELO RESUMIDO)
TOTAIS 238.006,36 25.826,81 212.179,55
ITEM DESCRIÇÃO
R$
APROVADO
GASTOS SALDO
1 Assessoria Jurídica (Contratos Inclusive) 4.000,00 0,00 4.000,00
2 Combustível 0,00 0,00
3 Contador 9.600,00 0,00 9.600,00
4 Coordenador do Projeto 9.600,00 0,00 9.600,00
5 Cópias 1.080,00 200,00 880,00
6 Correios 1.560,00 0,00 1.560,00
7 Material de escritório 1.080,00 415,90 664,10
8 Elaboração e Agenciamento 21.000,00 1.600,00 19.400,00
9 Aluguel de ônibus 16.320,00 0,00 16.320,00
10 Ator/Atriz 63.817,50 15.462,80 48.354,70
11 Cenografia/material/confecção 6.000,00 0,00 6.000,00
12 Coordenador técnico 5.000,04 0,00 5.000,04
13 ECAD (evento aberto e gratuito) 2.000,00 0,00 2.000,00
14 Figurino 3.000,00 2.235,79 764,21
15 Grupos Circenses 12.000,00 0,00 12.000,00
16 Intérprete de libras 1.000,00 0,00 1.000,00
17 Locação equipamento de som 7.920,00 325,00 7.595,00
18 Material de consumo 10.080,00 0,00 10.080,00
19 Músicos / Intérpretes 11.428,86 0,00 11.428,86
20 Refeição 6.750,00 837,90 5.912,10
21 Transporte Local / Locação de Automóvel 13.449,96 3.251,42 10.198,54
22 Banner/faixa adesiva/faixa de lona 4.800,00 1.498,00 3.302,00
23 Confecção de Convites 9.520,00 0,00 9.520,00
24 Programa 17.000,00 0,00 17.000,00
Recursos Humanos:
consideramos todos os colaboradores independente da forma de contrato de
trabalho.
Formas de contrato de trabalho: CLT, Prestador de Serviço (NF) e Autônomo.
Total de Encargos Sociais 59%
Encargos pagos no mês: 33%
Encargos provisionados no mês para despesas
futuras:
26%
PIS sobre folha de pagamento: 1%
INSS sobre autônomos: 20%
Benefícios: vale transporte/vale refeição/vale alimentação/cesta básica/assistência medica
Substituição do profissional no período de
férias:
não foi previsto.
Abono de férias: não foi previsto.
Para o calculo das verbas rescisórias: o profissional seria demitido no período de 24 meses.
Conceito de receitas vinculadas a despesas:
são valores doados por terceiros com a finalidade de cobrir despesas
especificas da Organização.
Informações: dados foram fornecidos pela Organização e consolidados pela média.
Investimentos :
são valores destinados para aquisições de bens ou serviços com a finalidade de
melhor a operação da Organização. São valores que desembolsamos uma única
vez.
PREMISSAS ORÇAMENTÁRIAS
RECURSOS HUMANOS
Planilha de encargos sociais para
funcionários mensalistas
GRUPO % TOTAL
ACUMUL
ADO
GRUPO I - INSS
PREVIDÊNCIA SOCIAL 20,0%
SESI 1,5%
SENAC 1,0%
INTER 0,4%
SALÁRIO EDUCAÇÃO 2,5%
ACIDENTES DE TRABALHO 1,0%
SEBRAE 0,4%
SUB-TOTAL I 26,80% 26,80%
GRUPO II - FGTS
FGTS 8,0% 34,80%
MULTA 50% S/FGTS (8*0,5) 4,0%
SUB-TOTAL II 12,00% 38,80%
GRUPO III - FÉRIAS
FÉRIAS (1/11*TAXA FIN.) 0,2%
ADICIONAL DE FÉRIAS 33% (1/11)*(1/3) 3,0%
SUB-TOTAL FÉRIAS 3,26% 42,06%
INSS + FGTS S/ FÉRIAS 1,3%
ABONO FÉRIAS 10 DIAS (1/11/3) 3,0%
SUB-TOTAL III 7,55% 46,35%
GRUPO IV - 13.SALÁRIO
13.SALÁRIO (1/12) 8,3%
INSS + FGTS S/ 13 3,2%
SUB-TOTAL IV 11,57% 57,92%
GRUPO V - OUTROS
AUX.ENF.,MAT.FUN.,FERIADOS ( 1/261 ) 0,8%
AVISO PRÉVIO P/ 2 ANOS (1/24) 4,2%
INSS+FGTS S/GRUPO V 1,9%
SUB-TOTAL V 6,85% 64,77%
PREMISSAS:
Oprofissionalnãoserá substituidonasférias 2,50%
Sai20diasdefériaserecebedezdiascomoabono
auxiliosremunerados5diasnoano
Será demitidoapós24meses
TOTAL 64,77%
Encargos Pagos no mês 34,80%
Encargos Provisionados sobre folha ano 29,97%
91
7 - Quadro de Metas com indicadores
Articulação da parte teórica com a parte prática
Objetivo Geral:
Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Responsável Indicadores
Meios de
verificação
Q
u
a
n
t
Q
u
a
l
i
Q
u
a
n
t
Q
u
a
l
i
www.criando.net
11 – 982-083-790
11-2307-4495
michel@criando.net
http://www.slideshare.net/micfre12
Go raibh
maith agat
Thanks
Toda
Hvala
Gracias
Obrigado
MerciArigato
감사합니다Danke
Gracie
BIBLIOGRAFIA
ABONG. Um novo marco legal para as ONGs no Brasil – Fortalecendo a cidadania
e a participação democrática. São Paulo: ABONG, 2007.
ARMANI, Domingos Antônio. Sustentabilidade: desafio democrático. In: Secretaria
de Vigilância em Saúde, Coordenação Nacional de DST e Aids. (Org.).
Sustentabilidade: aids e sociedade civil em debate. Brasília: Ministério da Saúde, p.
9-14, 2004.
______ . O Sentido do planejamento na mobilização de recursos. In: Rogério
Renato Silva; Paula Lubambo. (Org.). Mobilizar a experiência do programa de
formação em mobilização de recursos da Aliança Interage. Recife: Aliança
Interage, p. 71-74, 2008.
ASHOKA EMPREENDEDORES SOCIAIS E MCKINSEY & COMPANY. Negócios
sociais sustentáveis: estratégias inovadoras para o desenvolvimento social. São
Paulo: Peirópolis, 2006.
AZEVEDO, Tasso Rezende. Buscando recursos para seus projetos. Ed. Texto
Novo,1998.
BARBOSA, Maria Nazaré Lins; OLIVEIRA, Carolina Felippe. Manual de ONGs:
Guia Prático de Orientação Jurídica. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001.
BIGLIONE, Ana; WOODS, Marcia K. Guia prático de marketing relacionado a
BIBLIOGRAFIA
BOHÓRQUEZ-HERRERA, Carolina. Negócios Sociais: Um estudo de caso da
empresa Midiacom.net (Aquiraz – CE). São Paulo: PUC-SP, 2013.
BORZAGA, C.; SANTUARI, A. New trends in the non-profit sector in Europe: The
emergence of social entrepreneurship. The Non-profit Sector in a Changing
Economy, p.31-59, 2003.
BRASIL. Demonstrativo dos gastos tributários Estimativas bases efetivas – 2010:
Série 2008 a 2012. Brasilia: Ministério da Fazenda, Receita Federal, 2013.
<www.receita.fazenda.gov.br/publico/estudotributario/BensTributarios/2010/DGTEfe
tivoAC2010Serie2008a2012.pdf> acesso em: 02/01/2014.
BRITO, M.; MELO, M. E. (org). Hábitos de doar e captar recursos no Brasil. São
Paulo: Peirópolis, 2007.
BRUCE, Andy & LANGDON, Ken. Você sabe gerenciar projetos. São Paulo:
Editora SENAC SP, 2008.
BULGARELLI, R. Diversos somos todos: valorização, promoção e gestão da
diversidade nas organizações. São Paulo: Cultura, 2009.
CARTER, Cheryl; QUICK, James Aaron. How to Write a Grant Proposal (Wiley
Nonprofit Law, Finance and Management Series).
www.wiley.com/WileyCDA/Section/id-
300271.html?sort=DATE&sortDirection=DESC&page=3
CESNIK, Fábio de Sá. Guia do Incentivo à Cultura. 3ª Ed., São Paulo: Ed. Manole,
2012.
CICONTE, Barbara K. e JACOB, Jeanne Gerda. FundRaising Basics: a complete
guide. Aspen: Aspen Publication, 1997.
COMINI, Graziella Maria. Negócios Sociais e Inclusivos. São Paulo: Instituto
Walmart, 2011. Disponível em:
<http://www.ruscheleassociados.com.br/pdf/panorama2.pdf> Acesso em: 15 nov.
2013.
COMINI, Graziella Maria; ASSAD, Fernando; FISCHER, Rosa Maria. Social
Business in Brazil, 2013.
CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO. Fundos dos
Direitos da Criança e do Adolescente www.crcsp.org.br
COSTA, Daniela Pais. Prestação de Contas. In Terceiro Setor: temas polêmicos.
São Paulo: Ed. Peirópolis, (p13-44), 2005.
CRUZ, Célia; ESTRAVIZ, Marcelo. Captação de Diferentes Recursos para
Organizações Sem Fins Lucrativos. São Paulo: Ed. Global e Fonte, 2000.
DAW, Jocelyne. Cause marketing for nonprofits. New Jersey, US: John Wiley &
Sons, 2006.
DOWBOR, L. Democracia econômica, São Paulo: Vozes, 2012. Versão atualizada
em 31 de julho de 2012. Disponível em: <http://dowbor.org/2008/01/democracia-
DRUCKER, Peter. Administração de organizações sem fins lucrativos: princípios e
práticas. São Paulo: Ed. Pioneira, 1994.
DUHIGG, Charles. O poder do hábito – Por que fazemos o que fazemos na vida e
nos negócios. Rio de Janeiro: Ed.Objetiva, 2012.
EDLES, L. Peter. Fundraising: Hands-on Tactics for NonProfit Groups. McGraw-Hill,
Inc.
EPPLER, Matin J.; PFISTER, Roland A. Comunicação Visual, Elsevier, 2014.
FERNANDES, Rubem César. Privado porém público: o terceiro setor na América
Latina. 2.ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.
FERRAREZI, Elisabete. OSCIP passo a passo. AED. Agência de Educação para o
desenvolvimento.
FISCHER, Rosa Maria. O desafio da colaboração; práticas de responsabilidade
social entre empresas e terceiro setor. São Paulo: Editora Gente, 2002.
FREUND, Tomas A Relação Entre Voluntários e Profissionais Numa Organização do
Terceiro Setor: Existe Um Duplo Comando?. São Paulo: Revista Integração/ FGV,
2006. http://integracao.fgvsp.br/ano9/10/index.htm
FUNDAÇÃO ABRINQ. Incentivos Fiscais Em Benefício de criança e Adolescente.
GIFE: Grupo de institutos e fundações e empresas. Censo GIFE 2009- 2010.
Disponível em: <http://censo.gife.org.br/bloco3.asp> Acesso em: 14 de julho 2013.
GUIA DO FUNDO PRÓ-INFÂNCIA DE PORTO ALEGRE
GLOBAL REPORTING INITIATIVE – GRI. Diretrizes para relatório de
sustentabilidade – DRS, Versão 3.0, SP, 2006.
HART, T.; GREENFIELD, J.M.; JOHNSTON, M. Nonprofit internet strategies: best
practices for marketing, communications and fundraising. Hoboken, EU: John
Wiley&Sons, 2005.
HAZARD, B. L. Online Fundraising at ARL Libraries. J. Acad. Librarianship, v.29,
n.1, p. 8–15, 2003.
HITT, M.A.; IRELAND, R.D.; HOSKISSON, R.E. Administração estratégica. São
Paulo: Cengage Learning, 2008.
HUDSON, Mike. Administrando Organizações do Terceiro Setor. São Paulo:
Makron Books, 1999.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSITICA (IBGE). As fundações
privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil, 2010. Rio de Janeiro: IBGE,
2012.
INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO INVESTIMENTO SOCIAL (IDIS).
The World Giving Index 2010. Disponível em: <www.idis.org.br/biblioteca/pesquisas
/globalgivingreport_2010.pdf/view>. Acesso em: 14 de julho de 2013.
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). A iniciativa privada e
o espírito público: um retrato da ação social das empresas no Brasil. Brasília: IPEA,
JUNQUEIRA, Luciano Antônio Prates. Gestão Social: Organização, Parceria e
Redes Sociais IN:CANÇADO, A.C.; SILVA Jr, J. T.; SCHOMMER, P. C.; RIGO, A.
S. (orgs) Os desafios da formação em gestão social. Palmas: coleção Enapegs
p.87 -103. 2008.
______. Organizações sem fins lucrativos e redes na gestão de políticas sociais,
Caderno de Administração PUC-SP, nº 3, p 101-126. 2000.
KAHNEMAN, Daniel. Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar. São Paulo: Ed.
Objetiva, 2012.
KANTER, B.; PAINE, K.D. Measuring the networked nonprofit: using data to
change the world. São Francisco: John Wiley&Sons, 2012.
KAPLAN, Allan. Artista do Invisível: O processo social e o profissional de
desenvolvimento. São Paulo: Instituto Fonte e Ed. Peirópolis, 2002.
KANTER, Beth; PAINE, Katie Delahaye. Measuring the networked nonprofit: Using
data to change the world. São Francisco, EUA: John Wiley&Sons INC, 2012.
KELLEY, Daniel Q. Dinheiro para sua Causa. Ed. TextoNovo, 1994.
KISIL, Marcos; FABIANI Paula Jancso; Alvarez, Rodrigo. Fundos patrimoniais:
criação e gestão no Brasil. São Paulo: Zeppelini, 2012.
KOTLER, Phillip; LEE, N.R. Marketing contra a pobreza: as ferramentas para da
mudança social para formuladores de políticas, empreendedores, ONGs,
empresas e governos. Porto Alegre: Bookman, 2010.
LANDIM, leilah; BERES, Neide. Ocupação, despesas e recursos: as organizações
sem fins lucrativos no Brasil. Rio de Janeiro: Nau editora, 1999.
LANDIM, Leilah.CARVALHO, Luiz Antonio. Projeto transparência e prestação de
contas da sociedade civil na América Latina. Caso: Brasil. Rio de Janeiro:
NUPEF/RITS / NASP/UFRJ, (p. 02-26), 2006-2007.
LARROUDÉ, Elisa Rodrigues Alves. Accountability de organizações do espaço
público não-estatal: uma apreciação crítica da regulação brasileira. Dissertação de
mestrado na FGV-EAESP, São Paulo: FGV, 2006.
MENDONÇA, Patricia Maria E. (coord). Pesquisa arquitetura institucional de apoio
às organizações da sociedade civil no Brasil: Apresentação e resumo executivo São
Paulo: Articulação D# - Diálogos, Direitos e Democracia e CEAPG – Centro de
Estudos em Administração Pública e Governo da ESASP – FGV, fevereiro de 2013.
Disponível em:
<http://ceapg.fgv.br/sites/ceapg.fgv.br/files/arquivos/pesquisa_Apoio_OS/rf_apres_r
esumo _executivo.pdf>. Acesso em: 14 de julho de 2013.
MEREGE, Luis Carlos. Terceiro Setor: a arte de administrar sonhos. São Paulo:
Plêiade, 2009.
MINTZBERG, Henry. Ascensão e Queda do Planejamento Estratégico. Porto
Alegre: Bookman, 2004.
MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia: Um roteiro
MISOCZKY, Maria Ceci. Abordagem de redes no estudo de movimentos sociais:
entre o modelo e a metáfora. Rio de Janeiro: RAP v.43 n.5, p.1147-1180, 2009.
NANUS, Burt. Liderança para o Terceiro Setor: Estratégias de sucesso para
organizações sem fins lucrativos, São Paulo, 2000.
NORIEGA, Maria Elena e MURRAY, Milton. Apoio Financeiro: Como Conseguir.
Editora TextoNovo.
NOVAES, Regina. Hábitos de doar: motivações pessoais e as múltiplas versões do
“espírito da dádiva”. In: BRITO, M.; MELO, M.E.(orgs.). Hábitos de doar e captar
recursos no Brasil, São Paulo: Peirópolis, p. 17–56, 2007.
OLIVEIRA, J. A. P. Empresas na Sociedade: sustentabilidade e responsabilidade
social. São Paulo: Ed. Campus, 2008.
OLIVIERI, Cristiane; NATALE, Edson.(Org). Guia brasileiro de produção cultural
2010-2011, São Paulo: SESC SP, 2010.
PAES, José Eduardo Sabo. Fundações e entidades de interesse social: aspectos
jurídicos, administrativos, contábeis e tributários. 5. ed. rev., atual. e ampl. de acordo
com a Lei nº 10.406, de 10.1.2002 (Novo Código Civil brasileiro). Brasília: Brasília
Jurídica, 2004.
PARIZZI, Elaine Thomé. Manual técnico sobre as leis de incentivo à cultura. Cuiabá
MT: Carlini & Caniato editorial, 2011.
PELIANO, A. M. M. (coord). A iniciativa privada e o espírito publico: A evolução da
ação social das empresas privadas no Brasil. Brasilia: IPEA 2006. Disponível em:
<http://www.ipea.gov.br/acaosocial/IMG/pdf/doc-28.pdf>. Acesso em: 14 de julho de
2013.
PEREIRA, Custódio. Captação de recursos: FundRaising. SãoPaulo: Ed.
Mackenzie, 2011.
PEREZ, C.P.; JUNQUEIRA l.P. (orgs.) Voluntariado e a gestão das políticas sociais.
São Paulo: Futura, 2002.
PEREZ, L. Mobilização de indivíduos: é preciso pedir. Filantropia, São Paulo, v. 41,
2009. Disponível em: <www.revistafilantropia.org.br>. Acesso em: 14 de julho 2013.
PEZZULLO, S. Desenvolvendo sua organização; um guia de sustentabilidade para
ONGs. São Paulo: SENAC SP, Fund. Abrinq e International Youth Foundation,
2003.
PRAHALAD, C. K. A riqueza na base da pirâmide. São Paulo: Artmed, 2008.
PRAHALAD, C. K., HART, S.L. The Fortune at the Bottom of the Pyramid. Strategy
+ Business, 2002.
PROCHNOW, M.; SCHAFFER, W.B. Pequeno manual para elaboração de projetos.
Porto Alegre: UFRS, 1999.
RATTNER, Henrique. Sustentabilidade - uma visão humanista. Campinas: Ambiente
soc. no.5, July/Dec. p. 233-. 240.1999.
ROSS, Bernard; SEGAL,Clare. The influential fundraiser: Using the psychology of
persuasion to achieve outstanding results. São Francisco, USA: John Wiley & sons
inc., 2009.
SACHS, Igancy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável: idéias
sustentáveis. 4. Ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.
SALAMON, L. M., et al. Global Civil Society: dimensions of the nonprofit sector.
Baltimore, US: The John Hopkins Center for Civil Society Studies, 1999.
SAUL, Jason. The end of fundraising: Raise more money by selling your impact.
São Francisco, EUA: John Wiley&Sons INC, 2011.
SEKN. Socially inclusive business. Engaiging the poor through market initiatives in
iberoamerica. Social Enterprise Knoledge Network. Cambridge, Massachussets:
Harvard University Publishing, 2010.
SEN, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das
Letras, 2000.
SENAC (SP) / FUNDAÇÃO ABRINQ, Guia de Gestão: para quem dirige entidades
sociais.
SILVA, Antônio Luiz de Paula. Utilizando o planejamento como ferramenta de
aprendizagem. São Paulo: Global e Instituto Fonte, 2001.
SZAZI, Eduardo. (org). Terceiro Setor: temas polêmicos 1. São Paulo: Gife e
Fundação Peirópolis, 2004.
TEODÓSIO, Armindo dos Santos de Sousa, COMINI, Graziella. Inclusive business
and poverty: prospects in the Brazilian context. Revista de Administração da
Universidade de São Paulo, v. 47, n.3, 2012.
TRAVAGLINI, C; BANDINI, F.; MANCINONE, K. Social enterprise across Europe: a
comparative study on legal frameworks and governance structures. Report, 2008.
TIISEL, Danilo. (org) Capatação de recursos para o Terceiro Setor – Aspectos
jurídicos. São Paulo: OAB-SP, 2011. Disponível em:
<www.oabsp.org.br/.../cartilhas/captacao _aspjur21092011%20revisada.pdf>
acesso em: 12 jan. 2014.
TOZZI, José Antônio. Prestação de contas no terceiro setor: a dicotomia do marco
regulatório. São Paulo: PUC-SP. 2010.
WEIL, Pierre TOMPAKOW, Roland. O corpo fala: A linguagem silenciosa da
comunicação não-verbal. 62 edição, Petrópolis, RJ: Ed vozes, 2001.
YUNUS, M. Banker to the poor: Micro-lending and the battle against world poverty.
New York: Founder of the Grameer Bank, 2003.
______. Criando um negócio social, Rio de Janeiro: Campus, 2010.
.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Empresas 0715 sha
Empresas 0715 shaEmpresas 0715 sha
Empresas 0715 sha
Michel Freller
 
Aprenda a Captar Recursos com Empresas
Aprenda a Captar Recursos com EmpresasAprenda a Captar Recursos com Empresas
Aprenda a Captar Recursos com Empresas
Michel Freller
 
Planejamento flac 2013a
Planejamento flac 2013aPlanejamento flac 2013a
Planejamento flac 2013a
Michel Freller
 
Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016
Michel Freller
 
Livro Captação De Recursos
Livro Captação De RecursosLivro Captação De Recursos
Livro Captação De Recursos
Leonardo Leitao
 
Editais im 0215_aula_4_sha
Editais im 0215_aula_4_shaEditais im 0215_aula_4_sha
Editais im 0215_aula_4_sha
Michel Freller
 
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Michel Freller
 
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PFC Internacional
 
Plano de captação de recursos
Plano de captação de recursosPlano de captação de recursos
Plano de captação de recursos
Rodrigo Alvarez
 
Maraba Captação e marco regulatório _ sha
Maraba Captação e marco regulatório _ shaMaraba Captação e marco regulatório _ sha
Maraba Captação e marco regulatório _ sha
Michel Freller
 
CAPTAÇÃO DE RECURSOS
CAPTAÇÃO DE RECURSOSCAPTAÇÃO DE RECURSOS
CAPTAÇÃO DE RECURSOS
Dialogus Consultoria
 
4estratgias0315 sha
4estratgias0315 sha4estratgias0315 sha
4estratgias0315 sha
Michel Freller
 
Aula de Captação de Recursos - parte 2
Aula de Captação de Recursos - parte 2Aula de Captação de Recursos - parte 2
Aula de Captação de Recursos - parte 2
Flavia Amorim
 
Elaboração de projetos Sociais
Elaboração de projetos SociaisElaboração de projetos Sociais
Elaboração de projetos Sociais
Daniel Motta
 
Aula de Captação de Recursos - parte 1
Aula de Captação de Recursos - parte 1Aula de Captação de Recursos - parte 1
Aula de Captação de Recursos - parte 1
Flavia Amorim
 
Captação plano generico 301008
Captação plano generico 301008Captação plano generico 301008
Captação plano generico 301008
Michel Freller
 
Como começar "do zero" um programa de captação de recursos com indivíduos.
Como começar "do zero" um programa de captação de recursos com indivíduos.Como começar "do zero" um programa de captação de recursos com indivíduos.
Como começar "do zero" um programa de captação de recursos com indivíduos.
Mobiliza Consultoria
 
Cananeia 1112 sha1
Cananeia 1112 sha1Cananeia 1112 sha1
Cananeia 1112 sha1
Michel Freller
 
Apresentação do Curso de Elaboração de Projetos e Captação de Recursos no Ter...
Apresentação do Curso de Elaboração de Projetos e Captação de Recursos no Ter...Apresentação do Curso de Elaboração de Projetos e Captação de Recursos no Ter...
Apresentação do Curso de Elaboração de Projetos e Captação de Recursos no Ter...
Marcos Da Cruz
 
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SPCaptação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Jonathan Prateat
 

Mais procurados (20)

Empresas 0715 sha
Empresas 0715 shaEmpresas 0715 sha
Empresas 0715 sha
 
Aprenda a Captar Recursos com Empresas
Aprenda a Captar Recursos com EmpresasAprenda a Captar Recursos com Empresas
Aprenda a Captar Recursos com Empresas
 
Planejamento flac 2013a
Planejamento flac 2013aPlanejamento flac 2013a
Planejamento flac 2013a
 
Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016
 
Livro Captação De Recursos
Livro Captação De RecursosLivro Captação De Recursos
Livro Captação De Recursos
 
Editais im 0215_aula_4_sha
Editais im 0215_aula_4_shaEditais im 0215_aula_4_sha
Editais im 0215_aula_4_sha
 
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
 
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
 
Plano de captação de recursos
Plano de captação de recursosPlano de captação de recursos
Plano de captação de recursos
 
Maraba Captação e marco regulatório _ sha
Maraba Captação e marco regulatório _ shaMaraba Captação e marco regulatório _ sha
Maraba Captação e marco regulatório _ sha
 
CAPTAÇÃO DE RECURSOS
CAPTAÇÃO DE RECURSOSCAPTAÇÃO DE RECURSOS
CAPTAÇÃO DE RECURSOS
 
4estratgias0315 sha
4estratgias0315 sha4estratgias0315 sha
4estratgias0315 sha
 
Aula de Captação de Recursos - parte 2
Aula de Captação de Recursos - parte 2Aula de Captação de Recursos - parte 2
Aula de Captação de Recursos - parte 2
 
Elaboração de projetos Sociais
Elaboração de projetos SociaisElaboração de projetos Sociais
Elaboração de projetos Sociais
 
Aula de Captação de Recursos - parte 1
Aula de Captação de Recursos - parte 1Aula de Captação de Recursos - parte 1
Aula de Captação de Recursos - parte 1
 
Captação plano generico 301008
Captação plano generico 301008Captação plano generico 301008
Captação plano generico 301008
 
Como começar "do zero" um programa de captação de recursos com indivíduos.
Como começar "do zero" um programa de captação de recursos com indivíduos.Como começar "do zero" um programa de captação de recursos com indivíduos.
Como começar "do zero" um programa de captação de recursos com indivíduos.
 
Cananeia 1112 sha1
Cananeia 1112 sha1Cananeia 1112 sha1
Cananeia 1112 sha1
 
Apresentação do Curso de Elaboração de Projetos e Captação de Recursos no Ter...
Apresentação do Curso de Elaboração de Projetos e Captação de Recursos no Ter...Apresentação do Curso de Elaboração de Projetos e Captação de Recursos no Ter...
Apresentação do Curso de Elaboração de Projetos e Captação de Recursos no Ter...
 
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SPCaptação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
 

Destaque

Incentivos fiscais 0915 cult
Incentivos fiscais 0915 cultIncentivos fiscais 0915 cult
Incentivos fiscais 0915 cult
Michel Freller
 
Tese elisa accountability
Tese elisa accountabilityTese elisa accountability
Tese elisa accountability
Michel Freller
 
100 Fontes Internacionais de Recursos
100 Fontes Internacionais de Recursos100 Fontes Internacionais de Recursos
100 Fontes Internacionais de Recursos
Michel Freller
 
Estrategias imp final_1015
Estrategias imp final_1015Estrategias imp final_1015
Estrategias imp final_1015
Michel Freller
 
TOTVS Educacional - Institucional
TOTVS Educacional - InstitucionalTOTVS Educacional - Institucional
TOTVS Educacional - Institucional
Rafael Pinheiro
 
Criar uma apresentação de slide
Criar uma apresentação de slideCriar uma apresentação de slide
Criar uma apresentação de slide
LIVIA L.LAGE
 
Empresas e marketing relação
Empresas e marketing relaçãoEmpresas e marketing relação
Empresas e marketing relação
Michel Freller
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
SlideShare
 

Destaque (9)

Incentivos fiscais 0915 cult
Incentivos fiscais 0915 cultIncentivos fiscais 0915 cult
Incentivos fiscais 0915 cult
 
Tese elisa accountability
Tese elisa accountabilityTese elisa accountability
Tese elisa accountability
 
100 Fontes Internacionais de Recursos
100 Fontes Internacionais de Recursos100 Fontes Internacionais de Recursos
100 Fontes Internacionais de Recursos
 
Estrategias imp final_1015
Estrategias imp final_1015Estrategias imp final_1015
Estrategias imp final_1015
 
TOTVS Educacional - Institucional
TOTVS Educacional - InstitucionalTOTVS Educacional - Institucional
TOTVS Educacional - Institucional
 
Criar uma apresentação de slide
Criar uma apresentação de slideCriar uma apresentação de slide
Criar uma apresentação de slide
 
Empresas e marketing relação
Empresas e marketing relaçãoEmpresas e marketing relação
Empresas e marketing relação
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Editais im 0215_aula_2_sha

Elaboração de Planejamento Estratégico e Ferramentas de Implementação
Elaboração de Planejamento Estratégico e Ferramentas de ImplementaçãoElaboração de Planejamento Estratégico e Ferramentas de Implementação
Elaboração de Planejamento Estratégico e Ferramentas de Implementação
Michel Freller
 
Aprendizagem e Desenvolvimento de Pessoas @Prof.Randes
Aprendizagem e Desenvolvimento de Pessoas @Prof.RandesAprendizagem e Desenvolvimento de Pessoas @Prof.Randes
Aprendizagem e Desenvolvimento de Pessoas @Prof.Randes
Prof. Randes Enes, M.Sc.
 
(ConSePS 2015) Imersão 3
(ConSePS 2015) Imersão 3(ConSePS 2015) Imersão 3
(ConSePS 2015) Imersão 3
Ink_conteudos
 
Como elaborar projetos sociais - Instituto Fonte
Como elaborar projetos sociais - Instituto FonteComo elaborar projetos sociais - Instituto Fonte
Como elaborar projetos sociais - Instituto Fonte
Fundação Abrinq
 
Atividades planejamento unimed_0812_share
Atividades planejamento unimed_0812_shareAtividades planejamento unimed_0812_share
Atividades planejamento unimed_0812_share
Michel Freller
 
Como elaborar projetos sociais_Rafael Bandeira
Como elaborar projetos sociais_Rafael BandeiraComo elaborar projetos sociais_Rafael Bandeira
Como elaborar projetos sociais_Rafael Bandeira
Rafael Bandeira
 
33.pdf
33.pdf33.pdf
33.pdf
xiaowu8637
 
CST EM GESTÃO HOSPITALAR
CST EM GESTÃO HOSPITALARCST EM GESTÃO HOSPITALAR
CST EM GESTÃO HOSPITALAR
xiaowu8637
 
Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Comunicação Interpes...
Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Comunicação Interpes...Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Comunicação Interpes...
Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Comunicação Interpes...
Colaborar Educacional
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - GESTÃO HOSPITALAR
PROJETO DE EXTENSÃO I - GESTÃO HOSPITALARPROJETO DE EXTENSÃO I - GESTÃO HOSPITALAR
PROJETO DE EXTENSÃO I - GESTÃO HOSPITALAR
Colaborar Educacional
 
Atividades2012 2h 1211
Atividades2012 2h 1211Atividades2012 2h 1211
Atividades2012 2h 1211
Michel Freller
 
Apresentação michelle fife 2014
Apresentação michelle fife 2014Apresentação michelle fife 2014
Apresentação michelle fife 2014
FIFE2014
 
Gestão escolar mestrado em educação
Gestão escolar   mestrado em educaçãoGestão escolar   mestrado em educação
Gestão escolar mestrado em educação
unieubra
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
Edilene Aguiar
 
(ConSePS 2015) imersão 1
(ConSePS 2015) imersão 1 (ConSePS 2015) imersão 1
(ConSePS 2015) imersão 1
Ink_conteudos
 
II - Realizar atividades de gestão educacional nos diversos espaços instituci...
II - Realizar atividades de gestão educacional nos diversos espaços instituci...II - Realizar atividades de gestão educacional nos diversos espaços instituci...
II - Realizar atividades de gestão educacional nos diversos espaços instituci...
Colaborar Educacional
 
Apresenta Seminario
Apresenta SeminarioApresenta Seminario
Apresenta Seminario
guest626654
 

Semelhante a Editais im 0215_aula_2_sha (17)

Elaboração de Planejamento Estratégico e Ferramentas de Implementação
Elaboração de Planejamento Estratégico e Ferramentas de ImplementaçãoElaboração de Planejamento Estratégico e Ferramentas de Implementação
Elaboração de Planejamento Estratégico e Ferramentas de Implementação
 
Aprendizagem e Desenvolvimento de Pessoas @Prof.Randes
Aprendizagem e Desenvolvimento de Pessoas @Prof.RandesAprendizagem e Desenvolvimento de Pessoas @Prof.Randes
Aprendizagem e Desenvolvimento de Pessoas @Prof.Randes
 
(ConSePS 2015) Imersão 3
(ConSePS 2015) Imersão 3(ConSePS 2015) Imersão 3
(ConSePS 2015) Imersão 3
 
Como elaborar projetos sociais - Instituto Fonte
Como elaborar projetos sociais - Instituto FonteComo elaborar projetos sociais - Instituto Fonte
Como elaborar projetos sociais - Instituto Fonte
 
Atividades planejamento unimed_0812_share
Atividades planejamento unimed_0812_shareAtividades planejamento unimed_0812_share
Atividades planejamento unimed_0812_share
 
Como elaborar projetos sociais_Rafael Bandeira
Como elaborar projetos sociais_Rafael BandeiraComo elaborar projetos sociais_Rafael Bandeira
Como elaborar projetos sociais_Rafael Bandeira
 
33.pdf
33.pdf33.pdf
33.pdf
 
CST EM GESTÃO HOSPITALAR
CST EM GESTÃO HOSPITALARCST EM GESTÃO HOSPITALAR
CST EM GESTÃO HOSPITALAR
 
Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Comunicação Interpes...
Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Comunicação Interpes...Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Comunicação Interpes...
Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Comunicação Interpes...
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - GESTÃO HOSPITALAR
PROJETO DE EXTENSÃO I - GESTÃO HOSPITALARPROJETO DE EXTENSÃO I - GESTÃO HOSPITALAR
PROJETO DE EXTENSÃO I - GESTÃO HOSPITALAR
 
Atividades2012 2h 1211
Atividades2012 2h 1211Atividades2012 2h 1211
Atividades2012 2h 1211
 
Apresentação michelle fife 2014
Apresentação michelle fife 2014Apresentação michelle fife 2014
Apresentação michelle fife 2014
 
Gestão escolar mestrado em educação
Gestão escolar   mestrado em educaçãoGestão escolar   mestrado em educação
Gestão escolar mestrado em educação
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 
(ConSePS 2015) imersão 1
(ConSePS 2015) imersão 1 (ConSePS 2015) imersão 1
(ConSePS 2015) imersão 1
 
II - Realizar atividades de gestão educacional nos diversos espaços instituci...
II - Realizar atividades de gestão educacional nos diversos espaços instituci...II - Realizar atividades de gestão educacional nos diversos espaços instituci...
II - Realizar atividades de gestão educacional nos diversos espaços instituci...
 
Apresenta Seminario
Apresenta SeminarioApresenta Seminario
Apresenta Seminario
 

Mais de Michel Freller

INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos - UPF ou OSCI...
INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos  - UPF ou OSCI...INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos  - UPF ou OSCI...
INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos - UPF ou OSCI...
Michel Freller
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Michel Freller
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Michel Freller
 
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel FrellerIncentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Michel Freller
 
Masterclass cultura michel&suellen
Masterclass cultura michel&suellenMasterclass cultura michel&suellen
Masterclass cultura michel&suellen
Michel Freller
 
Editais im 0215_aula_3_sha
Editais im 0215_aula_3_shaEditais im 0215_aula_3_sha
Editais im 0215_aula_3_sha
Michel Freller
 
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Michel Freller
 
Como prestar contas para Projetos Incentivados
Como prestar contas para Projetos IncentivadosComo prestar contas para Projetos Incentivados
Como prestar contas para Projetos Incentivados
Michel Freller
 
Aula editais 08 2014 3.0
Aula editais 08 2014 3.0Aula editais 08 2014 3.0
Aula editais 08 2014 3.0
Michel Freller
 
Cem fontes internacionais
Cem fontes internacionaisCem fontes internacionais
Cem fontes internacionais
Michel Freller
 

Mais de Michel Freller (10)

INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos - UPF ou OSCI...
INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos  - UPF ou OSCI...INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos  - UPF ou OSCI...
INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos - UPF ou OSCI...
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
 
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel FrellerIncentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
 
Masterclass cultura michel&suellen
Masterclass cultura michel&suellenMasterclass cultura michel&suellen
Masterclass cultura michel&suellen
 
Editais im 0215_aula_3_sha
Editais im 0215_aula_3_shaEditais im 0215_aula_3_sha
Editais im 0215_aula_3_sha
 
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
 
Como prestar contas para Projetos Incentivados
Como prestar contas para Projetos IncentivadosComo prestar contas para Projetos Incentivados
Como prestar contas para Projetos Incentivados
 
Aula editais 08 2014 3.0
Aula editais 08 2014 3.0Aula editais 08 2014 3.0
Aula editais 08 2014 3.0
 
Cem fontes internacionais
Cem fontes internacionaisCem fontes internacionais
Cem fontes internacionais
 

Último

7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Renan Batista Bitcoin
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 

Último (7)

7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 

Editais im 0215_aula_2_sha

  • 1. IMERSÃO EM ELABORAÇÃO DE PROJETOS PARA EDITAIS EMPRESARIAIS E PÚBLICOS – aula 2
  • 3. Horários Segunda Terça Quarta Quinta Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 9:00 / 12:00 Abertura - / apresentações Cenários / identificação de causas / metodologia / justificativas e publico alvo Incentivos fiscais Trabalho em grupo 12:00 / 13:00 13:00 / 15:30 As diferenças entre fonte, estratégia e ferramentas/ modelo trevo / o que é projeto e suas partes / a função do captador apresentação institucional / diferencial de impacto / objetivos e metas Fontes internaiconais e Siconv e exercios em grupo 15:30/ 16:00 16:00 / 18:00 divisão de grupos exercicio de definição de problema / desafio Trabalho em grupo - exercicio de objetivos / Cronograma e aspectos financeiros - e Indicadores exercicios Trabalho em grupo Noite livre / preparações em grupo Happy hour ALMOÇO COFFEE BREAK Apresentação dos trabalhos
  • 4. NÃO DEPENDA DA INTUIÇÃO Para Daniel Kahneman, “Nobel de Economia”, é um grande risco tomar decisões usando a área preguiçosa e irracional do cérebro. A mente é comandada por 2 sistemas (rápido e devagar).
  • 6. ROTEIRO 1. Apresentação Institucional 2. Identificação do Projeto – Resumo 3. Cenário / Contexto 4. Justificativa do Projeto: (O porquê.) 5. Público Alvo (quem? – perfil das pessoas atendidas) 6. Objetivos (o quê?) 8. Metodologia (como?) 9. Estratégia (opcional) 10. Indicadores e avaliaçã 11. Cronograma 12. Orçamento 13. Equipe 14. Plano de mídia e contrapartidas 15. Riscos
  • 8. Consciente ou inconscientemente, os doadores fazem os seguintes questionamentos: Qual o objetivo desse projeto? Isso é possível? Quais são os serviços oferecidos? Qual a qualidade desses serviços? Qual o impacto desse trabalho na vida das pessoas? Qual a estrutura do projeto ou organização? Captação de Recursos Questionamentos de um financiador
  • 9. Os financiadores fazem os seguintes questionamentos: Quem são as pessoas que estão à frente desse projeto? Essas pessoas têm capacidade para oferecer o que propõe? Quais são os planos para o futuro do proponente? Como eu me enxergo, como doador, nesses planos? A idéia é sustentável? Captação de Recursos Questionamentos de um financiador
  • 11. Modelo Trevo (Antonio Luiz de Paula e Silva)
  • 12. Modelo Trevo O Gestor deve lidar com quatro “campos essenciais” e suas relações
  • 13. Modelo Trevo Sociedade Público Alvo: quem são, como vivem, quais são seus problemas, qual o contexto social
  • 14. O DESAFIO • O contexto político, social, cultural, etc. • Situações Internas ou Externas que motivam o grupo • A legislação e políticas públicas
  • 15. A ELABORAÇÃO DO PROJETO/PROGRAMA é o um dos instrumentos para se concretizar uma ação de boa- vontade. Esta ação é uma RESPOSTA da sociedade civil organizada a um DESAFIO localizado.
  • 16. O motivo da existência do cenário Aquilo que faz com que a ação exista Situação que produz um efeito Causas e áreas
  • 17. Modelo Trevo Serviços O que o projeto faz: Ações, Atividades, eventos
  • 18. Modelo Trevo Recursos Prédio, carros, dinheiro, equipamentos, material didático, infra-estrutura, etc.
  • 19. Modelo Trevo Pessoas — Talentos e capacidades — Voluntários e profissionais —Potenciais e conflitos
  • 20. Características gerais • Ideal coletivo • Mobilização de pessoas em torno desse ideal • Quando nos dispomos a lutar por ele, enfrentando resistências, estamos adotando uma causa Motivo, razão de existir de um projeto social A CAUSA
  • 21. Características gerais • Está em condição mais ou menos crítica (necessidades) • É o coração do projeto • A comunidade deve ser ouvida a respeito do assunto O PÚBLICO-ALVO
  • 22. Aspectos importantes • Perfil geográfico: Identificar o local da ação (estado, região, cidade, bairro, comunidade) e sua área de influência (estado, região, cidade, bairro, comunidade). • Nº de pessoas atendidas: Informar quantos atendimentos diretos o projeto realizará O PÚBLICO-ALVO
  • 23. Aspectos importantes • Perfil da população atendida: apenas os públicos com os quais o projeto irá trabalhar • Critérios para seleção das pessoas atendidas: explicar os critérios e como será o processo de seleção dos atendidos O PÚBLICO-ALVO
  • 24. • Utilizar fatos para apoiar os argumentos • Estatísticas, histórias verídicas, depoimentos, dados comparativos, fotos ou documentários da imprensa • Não se baseie em impressões, em opiniões, em premissas não documentadas (“achismos”) O PÚBLICO-ALVO Necessidades Técnica dos Fatos para "declaração de necessidades" do público-alvo
  • 25. Questões • Que fatos acontecem na sociedade que nos incomodam? • Que problemas são identificados? Quem sofre esses problemas? Onde moram essas pessoas? • Que necessidades se originam desses problemas? • Quais são aquelas necessidades que a instituição pode satisfazer? • De todos os envolvidos nos problemas, quais são as pessoas que se terá como alvo do projeto? • Ao final, que efeito se quer ver no público-alvo? O PÚBLICO-ALVO
  • 26. • Análise do conjunto de coisas e pessoas que cercam e influenciam o alvo • Ideal para o planejamento de estratégias que incluam este ou aquele segmento O PÚBLICO-ALVO Avaliação do Contexto Caráter sistêmico da realidade Uma estrutura está organizada de tal forma que, mexendo numa parte, você mexe no todo, afetando um pedaço, você consegue reflexos no outro.
  • 27. Exemplo: criança • Para conseguir resultados na criança, muitas vezes há que se realizar ações: – Nas suas famílias – Na estrutura de atendimento à saúde da criança – Na comunidade local – Influenciando políticas públicas, etc. O PÚBLICO-ALVO Avaliação do Contexto
  • 28. Exemplo: criança • É importante articular os agentes e criar relações em todas as direções • Mas nunca esquecer: a criança é o foco, é a identidade do projeto • O que vem em torno da criança é apenas estratégico para o trabalho O PÚBLICO-ALVO Avaliação do Contexto
  • 29. O PÚBLICO-ALVO Avaliação do Contexto Níveis: criança • Núcleo família: pai, mãe, avó, avô • Estruturas de apoio: escola, creche, hospital, posto de saúde, delegacia, abrigo, outros projetos • Comunidade: igrejas, vizinhos, lazer, clubes, escolas de samba, gangs, amigos • Contexto histórico: cultural, econômico, político
  • 31. Modelo Trevo Serviços Sociedade Direcionamento — Função Primária — Define a direção, o rumo, o foco, o papel da organização — Missão e Visão — Buscar equilíbrio entre as necessidades sociais e as aptidões da organização — Motivo do investimento social
  • 33. Conceito de Visão Quadro concreto, descritível Elemento de futuro que busca-se alcançar a longo prazo Deve ser de possível avaliação PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento
  • 34. Vantagens de uma Visão Clara Motiva, inspira e ajuda a suportar períodos sem resultados Facilita a entrega com afinco e comprometimento ao trabalho O sucesso se baseia na seleção das pessoas certas PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento
  • 35. Exemplos “Ser referência nacional em apoio à escolarização” (interna – como será a organização) “Ter em cada mesa de trabalho em casa e nos escritórios um computador rodando um software Microsoft” (interna – extensão dos serviços) “Eliminar a pólio no mundo” (externa – os resultados da ação da organização no mundo) PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento
  • 36. Composição básica da missão PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento
  • 37. Missão Razão de ser e existir da entidade: papel no mundo O que a organização faz e compromete-se a fazer no seu trabalho diário É preciso permitir que o público compreenda claramente a missão da organização para que possa participar e investir PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento
  • 38. Doutores da Alegria “Levar alegria a crianças hospitalizadas, seus pais e profissionais de saúde, por meio da arte do palhaço, nutrindo esta forma de expressão como meio de enriquecimento da experiência humana”. PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento
  • 39. Instituto de Estudos Filosóficos “Estimular o estudo, a pesquisa e a reflexão filosófica, por meio de linguagens acessíveis e desafiadoras, facilitando a ação consciente e íntegra”. PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento
  • 40. Vantagens de uma missão clara Manter a ligação com o público Ajuda a organização a não se distanciar das REAIS necessidades (finalidade estatutária) Dá suporte quando é preciso dizer não PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento
  • 41. Visão Vocação Missão Visão de Mundo e Valores PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento
  • 42. Visão Vocação Missão Visão de Mundo e Valores PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento FOCO
  • 43. Modelo Trevo Pessoas Recursos É preciso ter equilíbrio entre: — Talentos e materiais — conhecimentos e infra- estrutura Não adianta ter somente boas intenções...
  • 44. Modelo Trevo Serviços Pessoas — Capacitação — Pessoas nos lugares adequados — Processos bem desenhados — Sintonia da equipe
  • 46. Modelo Trevo Serviços Recursos Serviços prestados — Eficiência — Qualidade — Quantidade Adequação entre os recursos que tem e os serviços que presta
  • 47. Modelo Trevo Sociedade Recursos — Diversificar as Fontes de Financiamentos — Transparência — Doação: reconhecimento social
  • 48. Modelo Trevo Serviços Sociedade Pessoas Recursos Direcionamento A arte e desafio do gestor é manter sempre as relações equilibradas e harmoniosas Capacidade Qualidade Motivação Viabilidade Legitimidade Grupo Gestor
  • 49. 1 - Apresentação Institucional: Dados Institucionais (razão social, data de fundação, CNPJ, endereço, telefone, fax, e.mail, site, responsáveis pela entidade e projeto) Breve Histórico (qual foi o desafio que provocou o nascimento da entidade - missão, como nasceu, localidade, escolha do público alvo, principais ações, premiações e rede de solidariedade e parcerias/apoios);
  • 50. Dados Institucionais • Dados Institucionais • Razão social: Associação xxxxxx - Anawin • Data de fundação: xx de xxxxxxxxxx de xxxx. • CNPJ: xx.xxx.xxx/xxxx-xx • Endereço: Av. xxxxxxxxx, nº 25, cj, 9, sala 03 – Bairro: xxxxx – São Paulo – SP – Brasil • Telefone: (55.11) 5555.5555 • Fax: (55.11) 5555.5555 • E.Mail: (do responsável) xxxxxx@anawin.org.br • Site: www.anawin.org.br • Responsáveis pela organização: nomes e funções • Responsáveis pelo projeto: nomes e funções Exemplo
  • 51. Breve Histórico Em xx de xxxxxxxxxxx de xxxx, a Associação xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx- Anawin surgiu da iniciativa de um grupo de pessoas sensibilizadas com a necessidade de implantar no bairro xxxxxxxxxxx um espaço social-gratuito, destinado a capacitar pessoas carentes em ações de sustentabilidade sócio-ambientais. Assim, procurou a xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, para conhecer o trabalho que a desenvolvia na área de xxxxxxxxxxxxxxxxxx. Nessa época, a associação foi informada da atividade xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx existentes em sua área regional. O grupo sentindo entrosamento entre os objetivos daxxxxxxxxxxxxxxx e os próprios, constituiu-se em entidade social. Para execução de suas atividades junto a população local, a associação xxxxxxxxxxxxx, procura desenvolver ações transparentes, qualificadas e criativas no atendimento, através de oficinas de capacitação. Atendendo jovens entre 12 a 24 anos, provenientes de famílias de baixa renda, na sua maioria desestruturada e em risco social, freqüentam a entidade 5 dias por semana no período das xxxxx. Educadores e oficineiros constroem, juntamente com os xxxx jovens atendidos atualmente (2006), espaços de capacitação sócio-ambiental para geração de ocupação e renda. Exemplo
  • 52. 2 - Identificação do Projeto - Resumo: A) Título do Projeto: traduzir, de forma sintética, o tema central do projeto proposto. Exemplo: “Cooperativa dos Agentes Autônomos de Reciclagem” B) Duração Prevista: indicar a duração prevista do projeto, (geralmente) em meses. Exemplo: 12 meses C) Custo Estimado: indicar os recursos necessários estimados e os recursos de contrapartida, originários da entidade executora e outros apoios, na moeda designada pelo financiador. Exemplo: Valor total do projeto no período de 12 meses = R$ 100.000,00. Valor da contrapartida institucional = R$ 20.000,00. Valor de outras parcerias (informar em nota de rodapé) = R$ 20.000,00. Valor solicitado à entidade financiadora = R$ 60.000,00.
  • 53. 3 - Referencial teórico / Cenário • A Associação xxxxxxxxxxxxx foi criada diante do impasse de ter à sua frente dois grandes embates: a degradação social e a degradação ambiental. Podemos analisar os dados mais recentes da Organização das Nações Unidas, que miram a enorme distância entre as nações e, apontam os gritantes indicadores das desigualdades sociais. O atual modelo econômico só faz acirrar os problemas detectados, pautando-se no individualismo, no excesso de competitividade e na concorrência predatória. • Vemos hoje uma insofismável realidade de pobreza, famintos, falta de acesso à educação, água, moradia, meios para se aquecer, trabalho - contrariando o artigo 1º da carta dos direitos humanos , que diz: "Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade". A Agenda 21, documento resultante da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento - ECO-92, reforçou a atenção mundial sobre os impactos ambientais e traçou parâmetros com o intuito de diminuir tanta disparidade e desperdício entre as nações, promovendo a qualidade de vida e, evidenciando a necessidade da formação da consciência cidadã.
  • 54. • 3 - Referencial Teórico  Qual foi o material básico (pedagógico, social, cultural, de políticas públicas) que fomentou o desenvolvimento das ações, e se esta replicando experiências positivas.
  • 55. 4 - Justificativa do Projeto: (O porquê.) A partir das características sociais, culturais, econômicas e políticas do público-alvo com o qual o projeto irá trabalhar, já descritas no cenário. a) Descreva as ações que pretende desenvolver e como poderão transformar a situação, enumere as alterações esperadas, incluindo tanto mudanças qualitativas como quantitativas. b) Enumere qualidades ou características da realidade local e das pessoas atendidas que poderão contribuir para que as ações planejadas alcancem os resultados esperados, melhorando a qualidade de vida das pessoas atendidas.
  • 56. JUSTIFICATIVA DO PROJETO a) Descreva as características sociais, culturais, econômicas e políticas do público-alvo com o qual o projeto irá trabalhar. (cenário) b) Descreva as ações que pretende desenvolver e como poderão transformar a situação, enumere as alterações esperadas, incluindo tanto mudanças qualitativas como quantitativas. c) Enumere qualidades ou características da realidade local e das pessoas atendidas que poderão contribuir para que as ações planejadas alcancem os resultados esperados, melhorando a qualidade de vida das pessoas atendidas.
  • 57. JUSTIFICATIVA DO PROJETO DICA • Texto descritivo em 1ª pessoa do plural (nós – associação) ou 3ª pessoa (ela/ele – instituto/fundação); • Deve conter informações de rodapé das fontes: os dados estatísticos da localidade, público alvo, dados sobre o desafio; • A proposta deve ser objetiva e referencial de como articular-se institucionalmente e agir no desafio, cumprindo a missão.
  • 58. 4 - Justificativa do Projeto: (O porquê.)
  • 59. 5 - Público Alvo (quem? – perfil das pessoas atendidas) a) Perfil Geográfico: Identificar o local da ação (estado, região, cidade, bairro, comunidade) e sua área de influência (estado, região, cidade, bairro, comunidade). b) Nº de pessoas atendidas: Informar quantos atendimentos diretos o projeto realizará. Crianças até 12 anos incompletos Adolescentes 12 a 18 anos Jovens Adultos Idosos 60 anos ou mais Diretos Indiretos Diretos Indiretos Diretos Indiretos Diretos Indiretos Diretos Indiretos
  • 60. 6 - Objetivos (o quê?) OBJETIVO GERAL: focaliza e sintetiza a transformação que se pretende promover na situação enfrentada pelas ações do projeto. Exemplo: Capacitar jovens e adultos (homens e mulheres) visando a qualificação profissional e a inserção de no mercado de trabalho, da região x
  • 61. EXERCÍCIOS OBJETIVO GERAL 1 Apoiar a recuperação da qualidade das águas do Rio São Francisco na Bahia, com vistas à melhoria da qualidade de vida da população ribeirinha. OBJETIVO GERAL 2 Melhorar a saúde bucal das crianças do Município de São Tomé das Letras.
  • 62. 6 - Objetivos (o quê?) OBJETIVOS ESPECÍFICOS DO PROJETO: são relacionados aos diversos elementos que se pretende trabalhar e cujas transformações individuais contribuirão para a alteração global da situação enfrentada. Estão necessariamente articulados e alinhados ao Objetivo Geral. Exemplo: 1) Desenvolver ações de capacitação sócio-ambiental de xxx jovens e adultos (homens e mulheres), através de oficina de artes plásticas utilizando materiais recicláveis. 2) Gerar uma cooperativa dos formandos da capacitação para geração de renda e ocupação.
  • 63. Objetivo específico 1 Metas 1 Metas 2 Objetivo específico 2 Metas 1 Metas 2 Objetivogeral
  • 64. Objetivo específico 1 Metas 1 Ação 1 atividades Ação 2 atividades Ação 3 atividades Metas 2 Ação 1 Ação 2 atividades Ação 3
  • 68. 7 - Quadro de Metas com indicadores Articulação da parte teórica com a parte prática Produtos/Resultados Esperados Avaliação Objetivo Específico Ações Responsáveis Cronograma Quantitativos Qualitativos Indicadores de Progresso Meios de Verificação Período de verificação 1 Desenvolver ações de capacitação sócio- ambiental de xxx jovens e adultos (homens e mulheres), através de oficina de artes plásticas utilizando materiais recicláveis. 1.1. Elaborar material didático; 1.2. Contratar educadores especializados; 1.3. Formar rede de parcerias para encaminhamentos; 1.4. Ministrar oficina durante 5 dias por semana, com 3 horas por dia. 1.1. Coordenador Pedagógico; 1.2. Coordenador geral; 1.3. Coordenador Geral; 1.4. Educadores 1.1. 1ª mês; 1.2. 1º mês; 1.3. a partir do 2º mês; 1.4. a partir do 2º mês. - atualização de conhecimento em nível do ensino fundamental e médio; - educação para o empreendedorismo; - educação para o conhecimento de uma cultura de cidadania (direitos e deveres) - realização de 03 módulos de qualificação educacional e desenvolviment o profissional - Número efetivo de turmas formadas; - Número efetivo de módulos realizados; - Número efetivo de alunos por módulo; - Índice de freqüência. - Quadro de turmas; - Diário de classe; - Avaliação por parte dos alunos. Trimestral (o primeiro módulo iniciará no mês 04, o segundo no mês 07 e o terceiro módulo iniciará no mês 10). 2. Gerar uma cooperativa dos formandos da capacitação para geração de renda e ocupação. 2.1. 2.2.
  • 69. 7 - Quadro de Metas com indicadores Articulação da parte teórica com a parte prática Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Responsável Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i Q u a n t Q u a l i
  • 70. 8 - Metodologia (como?) Descrever o “COMO FAZER” do projeto:  Os conceitos adotados.  Os principais procedimentos.  As técnicas e os instrumentos a serem empregados.  As etapas e a forma com que são articuladas.  A forma de atração e integração dos públicos atendidos.  Os locais de abordagem desses grupos e de execução das atividades.  A natureza e as principais funções da equipe. Cite algum método ou técnica que será utilizado ou que já foi por outra organização: construtivismo, cooperativa, Piaget, Paulo Freire, etc.
  • 71. • Descrever de que maneira os serviços serão implementados (como?), com procedimentos e métodos de trabalho (rotinas) • Deixar claras as ações, atividades, os prazos e responsáveis • Procedimentos e métodos referem-se sempre aos objetivos específicos 8 - Metodologia (como?) )
  • 73. (elementos que qualificam e legitimam as ações) a) Sustentabilidade: elementos que favorecem a continuidade do projeto e de seus resultados em longo prazo:  financeiros: presença de outras fontes de financiamento ou empreendimento de autofinanciamento;  técnicos: metodologias, estratégias e planejamento;  comunitários: apropriação do projeto pela comunidade. b) Replicabilidade: elementos que favorecem a adaptação e reprodução do projeto em outras áreas ou contextos:  financeiros: previsão orçamentária para avaliação, sistematização, capacitação da equipe e divulgação;  técnicos: capacidade de formação de equipes e de transferir competências de gestão e aplicação de produtos ;  políticos: articulação com políticas públicas, inserção em redes de formação e de divulgação. 9 - Estratégias
  • 74. . c) Participação da Comunidade: a capacidade do projeto mobilizar a comunidade local, gerar protagonismo e solidariedade. Itens:  valores da comunidade local (elementos que favorecem a identidade, a aderência e o apoio da comunidade ao projeto).  a participação comunitária da definição do problema, da elaboração dos meios de enfrentamento, da execução e como participará da avaliação do projeto. 9 - Estratégias
  • 75. d) Estratégias de Articulação e Promoção de Parcerias: parcerias do primeiro setor (poder público), segundo setor (empresariado) e terceiro setor (sociedade civil organizada, movimentos populares, movimento sindical) e como se relaciona com essas parcerias. e) Interação com as Políticas Públicas: a relação do projeto com alguma Política Pública local, regional estadual ou federal. f) Comunicação: formas e meios de comunicação pelos quais o projeto dará conhecimento de suas ações aos parceiros, líderes e formadores de opinião do Terceiro Setor, autoridades governamentais, público interno e sociedade em geral. Apontar as estratégias e materiais a serem utilizados para comunicar. 9 - Estratégias
  • 77. 77 11 - CRONOGRAMA - Físico Ação 4 11 18 25 2 9 16 23 30 6 13 20 27 Definições gerais Identidade do Hospital - escolher um nome Dir Captar / contratar parceiro de identidade visual Dir e DI Consolidar e iniciar a disseminação da Missão e Visão p/ público interno Dir e DI Reuniões do DI DI / CR e Dir Definição dos valores a captar, metas e prioridades CR e Dir Consolidar justificativas e quantificação dos valores e benefícios CR Orçar e Implementação do site a contratar Elaboração de peça de captação impressa para pessoas físicas e jurídicas a contratar Vídeo Institucional Dir Coordenação dos elementos terceirizados DI Responsável CRONOGRAMA INICIAL Set Out Nov Comunicação de apoio a captação de recursos
  • 78. 11 - CRONOGRAMA Físico - Financeiro HOJE 1/10/2006 1 1 1 2 3 4 5 6 7 8 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 C D T TAREFA SEM INI QTD SEM 1 4 # # # # 4 2 # # 3 3 7 2 # # 25 2 # # 26 2 # # 27 2 # # 29 4 # # # # 33 3 # # # 34 1 # 35 5 # # # # # 37 4 # # # # 12 9 10 11 4 5 7 8 6 1 2 3 RETIRADA DOS DUTOS DE AR VALOR 4.000 INSTALAÇÃO DAS TUBULAÇÕES DE ELÉTRICA , SOM, LOGICA 15.900 VALOR DEMOLIÇÃO E RETIRADA DO FORRO E PISO DE MADEIRA EXISTENTE VALOR 5.080 RETIRADA PARCIAL DO FORRO 1.750 QUEBRA DO PISO DO PATIO E DA CANTINA 5.800 INSTALAÇÃO DE HIDRANTE VALOR 3.650 EXECUÇÃO DA NOVA CABINE DE SOM 6.180 DEMOLIÇÃO DAS PAREDES, PISOS, TUBULAÇÕES E PALCO ANTIGO - Salão - Orçamento VALOR 6.180 8.005631.340 10.000 54.618 157.4853.575 41.357 8 8 8 8 8 8 IMPERMEABILIZAÇÃO E EXECUÇÃO DO NOVO PISO DA PATIO E CANTINA 33.317 ELABORAÇÃO DE PROJETOS (ARQUITETURA, SOM, ILUMINAÇÃO) 10.000 9 8 10.000 33.317 jan-06 fev-06 set-06 out-06jul-06 ago-06 VALOR 2.240 6.360 9.540 8 1.825 1.825 8 VALOR 8 VALOR 1.750 8 VALOR 5.800 ARREMATES DAS PAREDES VALOR 2.240 VALOR 10.000 5.080 4.000 VALORFIAÇÃO ELÉTRICA , SOM , LOGICA 10.000
  • 79. 12 - Equipe Com funções, competências, atribuições específicas, formação; horas de atuação.
  • 80. • Nomes e funções devem estar bem definidos • Os papéis ficam mais claros com os métodos de trabalho escritos • Uma das maneiras de se colocar cada pessoa em sua função de responsabilidade é a indicação pelo grupo; outra é a indicação pelo coordenador SERVIÇOS PROPOSTOS As Pessoas
  • 81. Orçamento são planos de uma organização em termos financeiros que funciona como uma declaração de metas para o período seguinte (um ano ou mais). Conceito 13 - ORÇAMENTO
  • 82. 13 - ORÇAMENTO DA CAMPANHA / PROJETO Dimensionamento dos recursos a captar Demonstrar acuidade e transparência Criar planilhas para examinar simulações em condições diferentes Previsão de resultados
  • 83. Dois momentos: — Previsão das despesas e receitas (do ano seguinte, da inauguração, do evento) — Acompanhamento das despesas e comparação com o orçado ORÇAMENTO INSTITUCIONAL / PROJETO
  • 84. Furo x Desvio Criar planilhas para simulações em condições diferentes Informar o que será feito, caso o montante total necessário não puder ser captado ORÇAMENTO INSTITUCIONAL / PROJETO
  • 85. ORÇAMENTO (MODELO DETALHADO) DESCRIÇÃO QTDE. M.OBRA em R$ MATERIAL em R$ DEMOLIÇÃO 15.000,00 3.810,00 PAREDES 300 M³ 2.500,00 650,00 PISOS 340 M² 4.500,00 780,00 RETIRADA DO FORRO EXISTENTE 340 M² 3.500,00 1.080,00 RETIRADA DO PISO DO PATEO 370 M² 4.500,00 1.300,00 DIVERSOS/ALVENARIA 35.232,00 18.725,00 EXECUÇÃO DE UM CONTRAPISO NO SALÃO 340 M² 5.100,00 3.400,00 EXECUÇÃO DEUM CONTRAPISO PISO NO DEPÓSITO 40 M² 600,00 400,00 EXECUÇÃO DE UM COMPLEMENTO DE ESCADA VB 2.500,00 1.000,00 ABERTURA DE RASGOS NA ALVENARIA P/ELETRICA VB 2.000,00 ARREAMATES DE TUBULAÇÃO DE ELÉTRICA VB 2.400,00 1.000,00 IMPERMEABILIZAÇÃO DO PISO DO PATEO 370 M² 15.996,00 ARREMATES DE MASSA DAS PAREDES VB 1.440,00 800,00 EXECUÇÃO DE PISO ESTAMPADO DO PATEO 370 M² 5.196,00 12.125,00 AR CONDICIONADO 40.000,00 55.000,00 RETIRADA DA TUBULAÇÃO EXISTENTE VB 5.000,00 INSTALAÇÃO DE TUBULAÇÃO E DUTOS VB 15.000,00 INSTALAÇÃO DAS MAQUINAS E PAINÉIS 10 PÇ 15.000,00 INSTALAÇÃO DE GRELHAS E DIFUZORES VB 5.000,00 55.000,00 ACABAMENTO DE PAREDES E TETO 22.300,00 2.700,00 FORRO DE GESSO 150 M² 5.250,00 JUNTAS DE DILATAÇÃO 150 ML 2.250,00 DIVISÓRIAS 100 M² 7.000,00 200 M² PINTURA DAS PORTAS E PAREDES 8 PÇ 2.500,00 1.200,00 CONSERTOS ,ARREMATES E ABERTURA DE BURACOS VB 1.500,00 TRATAMENTO DE CONCRETO 250 M² 3.800,00 1.500,00
  • 86. M.OBRA em R$ MATERIAL em R$ TOTAL % F 14.632,00 25.751,00 40.383,00 6,4% A/D 37.300,00 6.510,00 43.810,00 6,9% B 35.232,00 18.725,00 53.957,00 8,5% E 29.650,00 31.000,00 60.650,00 9,6% G 11.100,00 57.440,00 68.540,00 10,9% C 40.000,00 55.000,00 95.000,00 15,0% I - 108.000,00 108.000,00 17,1% H 20.000,00 141.000,00 161.000,00 25,5% 187.914,00 443.426,00 631.340,00 100,0% AR CONDICIONADO CADEIRAS DO AUDITÓRIO EQUIPAMENTOS DIVERSOS DESCRIÇÃO TOTAIS PISO DEMOLIÇÃO + ACABEMENTO DE PAREDES DIVERSOS/ALVENARIA ELÉTRICA E HIDRÁULICA PORTAS E DIVISÓRIAS ACÚSTICAS ORÇAMENTO (MODELO RESUMIDO)
  • 87. TOTAIS 238.006,36 25.826,81 212.179,55 ITEM DESCRIÇÃO R$ APROVADO GASTOS SALDO 1 Assessoria Jurídica (Contratos Inclusive) 4.000,00 0,00 4.000,00 2 Combustível 0,00 0,00 3 Contador 9.600,00 0,00 9.600,00 4 Coordenador do Projeto 9.600,00 0,00 9.600,00 5 Cópias 1.080,00 200,00 880,00 6 Correios 1.560,00 0,00 1.560,00 7 Material de escritório 1.080,00 415,90 664,10 8 Elaboração e Agenciamento 21.000,00 1.600,00 19.400,00 9 Aluguel de ônibus 16.320,00 0,00 16.320,00 10 Ator/Atriz 63.817,50 15.462,80 48.354,70 11 Cenografia/material/confecção 6.000,00 0,00 6.000,00 12 Coordenador técnico 5.000,04 0,00 5.000,04 13 ECAD (evento aberto e gratuito) 2.000,00 0,00 2.000,00 14 Figurino 3.000,00 2.235,79 764,21 15 Grupos Circenses 12.000,00 0,00 12.000,00 16 Intérprete de libras 1.000,00 0,00 1.000,00 17 Locação equipamento de som 7.920,00 325,00 7.595,00 18 Material de consumo 10.080,00 0,00 10.080,00 19 Músicos / Intérpretes 11.428,86 0,00 11.428,86 20 Refeição 6.750,00 837,90 5.912,10 21 Transporte Local / Locação de Automóvel 13.449,96 3.251,42 10.198,54 22 Banner/faixa adesiva/faixa de lona 4.800,00 1.498,00 3.302,00 23 Confecção de Convites 9.520,00 0,00 9.520,00 24 Programa 17.000,00 0,00 17.000,00
  • 88. Recursos Humanos: consideramos todos os colaboradores independente da forma de contrato de trabalho. Formas de contrato de trabalho: CLT, Prestador de Serviço (NF) e Autônomo. Total de Encargos Sociais 59% Encargos pagos no mês: 33% Encargos provisionados no mês para despesas futuras: 26% PIS sobre folha de pagamento: 1% INSS sobre autônomos: 20% Benefícios: vale transporte/vale refeição/vale alimentação/cesta básica/assistência medica Substituição do profissional no período de férias: não foi previsto. Abono de férias: não foi previsto. Para o calculo das verbas rescisórias: o profissional seria demitido no período de 24 meses. Conceito de receitas vinculadas a despesas: são valores doados por terceiros com a finalidade de cobrir despesas especificas da Organização. Informações: dados foram fornecidos pela Organização e consolidados pela média. Investimentos : são valores destinados para aquisições de bens ou serviços com a finalidade de melhor a operação da Organização. São valores que desembolsamos uma única vez. PREMISSAS ORÇAMENTÁRIAS
  • 90. Planilha de encargos sociais para funcionários mensalistas GRUPO % TOTAL ACUMUL ADO GRUPO I - INSS PREVIDÊNCIA SOCIAL 20,0% SESI 1,5% SENAC 1,0% INTER 0,4% SALÁRIO EDUCAÇÃO 2,5% ACIDENTES DE TRABALHO 1,0% SEBRAE 0,4% SUB-TOTAL I 26,80% 26,80% GRUPO II - FGTS FGTS 8,0% 34,80% MULTA 50% S/FGTS (8*0,5) 4,0% SUB-TOTAL II 12,00% 38,80% GRUPO III - FÉRIAS FÉRIAS (1/11*TAXA FIN.) 0,2% ADICIONAL DE FÉRIAS 33% (1/11)*(1/3) 3,0% SUB-TOTAL FÉRIAS 3,26% 42,06% INSS + FGTS S/ FÉRIAS 1,3% ABONO FÉRIAS 10 DIAS (1/11/3) 3,0% SUB-TOTAL III 7,55% 46,35% GRUPO IV - 13.SALÁRIO 13.SALÁRIO (1/12) 8,3% INSS + FGTS S/ 13 3,2% SUB-TOTAL IV 11,57% 57,92% GRUPO V - OUTROS AUX.ENF.,MAT.FUN.,FERIADOS ( 1/261 ) 0,8% AVISO PRÉVIO P/ 2 ANOS (1/24) 4,2% INSS+FGTS S/GRUPO V 1,9% SUB-TOTAL V 6,85% 64,77% PREMISSAS: Oprofissionalnãoserá substituidonasférias 2,50% Sai20diasdefériaserecebedezdiascomoabono auxiliosremunerados5diasnoano Será demitidoapós24meses TOTAL 64,77% Encargos Pagos no mês 34,80% Encargos Provisionados sobre folha ano 29,97%
  • 91. 91
  • 92. 7 - Quadro de Metas com indicadores Articulação da parte teórica com a parte prática Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Responsável Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i Q u a n t Q u a l i
  • 93. www.criando.net 11 – 982-083-790 11-2307-4495 michel@criando.net http://www.slideshare.net/micfre12 Go raibh maith agat Thanks Toda Hvala Gracias Obrigado MerciArigato 감사합니다Danke Gracie
  • 95. ABONG. Um novo marco legal para as ONGs no Brasil – Fortalecendo a cidadania e a participação democrática. São Paulo: ABONG, 2007. ARMANI, Domingos Antônio. Sustentabilidade: desafio democrático. In: Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação Nacional de DST e Aids. (Org.). Sustentabilidade: aids e sociedade civil em debate. Brasília: Ministério da Saúde, p. 9-14, 2004. ______ . O Sentido do planejamento na mobilização de recursos. In: Rogério Renato Silva; Paula Lubambo. (Org.). Mobilizar a experiência do programa de formação em mobilização de recursos da Aliança Interage. Recife: Aliança Interage, p. 71-74, 2008. ASHOKA EMPREENDEDORES SOCIAIS E MCKINSEY & COMPANY. Negócios sociais sustentáveis: estratégias inovadoras para o desenvolvimento social. São Paulo: Peirópolis, 2006. AZEVEDO, Tasso Rezende. Buscando recursos para seus projetos. Ed. Texto Novo,1998. BARBOSA, Maria Nazaré Lins; OLIVEIRA, Carolina Felippe. Manual de ONGs: Guia Prático de Orientação Jurídica. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001. BIGLIONE, Ana; WOODS, Marcia K. Guia prático de marketing relacionado a BIBLIOGRAFIA
  • 96. BOHÓRQUEZ-HERRERA, Carolina. Negócios Sociais: Um estudo de caso da empresa Midiacom.net (Aquiraz – CE). São Paulo: PUC-SP, 2013. BORZAGA, C.; SANTUARI, A. New trends in the non-profit sector in Europe: The emergence of social entrepreneurship. The Non-profit Sector in a Changing Economy, p.31-59, 2003. BRASIL. Demonstrativo dos gastos tributários Estimativas bases efetivas – 2010: Série 2008 a 2012. Brasilia: Ministério da Fazenda, Receita Federal, 2013. <www.receita.fazenda.gov.br/publico/estudotributario/BensTributarios/2010/DGTEfe tivoAC2010Serie2008a2012.pdf> acesso em: 02/01/2014. BRITO, M.; MELO, M. E. (org). Hábitos de doar e captar recursos no Brasil. São Paulo: Peirópolis, 2007. BRUCE, Andy & LANGDON, Ken. Você sabe gerenciar projetos. São Paulo: Editora SENAC SP, 2008. BULGARELLI, R. Diversos somos todos: valorização, promoção e gestão da diversidade nas organizações. São Paulo: Cultura, 2009. CARTER, Cheryl; QUICK, James Aaron. How to Write a Grant Proposal (Wiley Nonprofit Law, Finance and Management Series). www.wiley.com/WileyCDA/Section/id- 300271.html?sort=DATE&sortDirection=DESC&page=3
  • 97. CESNIK, Fábio de Sá. Guia do Incentivo à Cultura. 3ª Ed., São Paulo: Ed. Manole, 2012. CICONTE, Barbara K. e JACOB, Jeanne Gerda. FundRaising Basics: a complete guide. Aspen: Aspen Publication, 1997. COMINI, Graziella Maria. Negócios Sociais e Inclusivos. São Paulo: Instituto Walmart, 2011. Disponível em: <http://www.ruscheleassociados.com.br/pdf/panorama2.pdf> Acesso em: 15 nov. 2013. COMINI, Graziella Maria; ASSAD, Fernando; FISCHER, Rosa Maria. Social Business in Brazil, 2013. CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO. Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente www.crcsp.org.br COSTA, Daniela Pais. Prestação de Contas. In Terceiro Setor: temas polêmicos. São Paulo: Ed. Peirópolis, (p13-44), 2005. CRUZ, Célia; ESTRAVIZ, Marcelo. Captação de Diferentes Recursos para Organizações Sem Fins Lucrativos. São Paulo: Ed. Global e Fonte, 2000. DAW, Jocelyne. Cause marketing for nonprofits. New Jersey, US: John Wiley & Sons, 2006. DOWBOR, L. Democracia econômica, São Paulo: Vozes, 2012. Versão atualizada em 31 de julho de 2012. Disponível em: <http://dowbor.org/2008/01/democracia-
  • 98. DRUCKER, Peter. Administração de organizações sem fins lucrativos: princípios e práticas. São Paulo: Ed. Pioneira, 1994. DUHIGG, Charles. O poder do hábito – Por que fazemos o que fazemos na vida e nos negócios. Rio de Janeiro: Ed.Objetiva, 2012. EDLES, L. Peter. Fundraising: Hands-on Tactics for NonProfit Groups. McGraw-Hill, Inc. EPPLER, Matin J.; PFISTER, Roland A. Comunicação Visual, Elsevier, 2014. FERNANDES, Rubem César. Privado porém público: o terceiro setor na América Latina. 2.ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. FERRAREZI, Elisabete. OSCIP passo a passo. AED. Agência de Educação para o desenvolvimento. FISCHER, Rosa Maria. O desafio da colaboração; práticas de responsabilidade social entre empresas e terceiro setor. São Paulo: Editora Gente, 2002. FREUND, Tomas A Relação Entre Voluntários e Profissionais Numa Organização do Terceiro Setor: Existe Um Duplo Comando?. São Paulo: Revista Integração/ FGV, 2006. http://integracao.fgvsp.br/ano9/10/index.htm FUNDAÇÃO ABRINQ. Incentivos Fiscais Em Benefício de criança e Adolescente. GIFE: Grupo de institutos e fundações e empresas. Censo GIFE 2009- 2010. Disponível em: <http://censo.gife.org.br/bloco3.asp> Acesso em: 14 de julho 2013.
  • 99. GUIA DO FUNDO PRÓ-INFÂNCIA DE PORTO ALEGRE GLOBAL REPORTING INITIATIVE – GRI. Diretrizes para relatório de sustentabilidade – DRS, Versão 3.0, SP, 2006. HART, T.; GREENFIELD, J.M.; JOHNSTON, M. Nonprofit internet strategies: best practices for marketing, communications and fundraising. Hoboken, EU: John Wiley&Sons, 2005. HAZARD, B. L. Online Fundraising at ARL Libraries. J. Acad. Librarianship, v.29, n.1, p. 8–15, 2003. HITT, M.A.; IRELAND, R.D.; HOSKISSON, R.E. Administração estratégica. São Paulo: Cengage Learning, 2008. HUDSON, Mike. Administrando Organizações do Terceiro Setor. São Paulo: Makron Books, 1999. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSITICA (IBGE). As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil, 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO INVESTIMENTO SOCIAL (IDIS). The World Giving Index 2010. Disponível em: <www.idis.org.br/biblioteca/pesquisas /globalgivingreport_2010.pdf/view>. Acesso em: 14 de julho de 2013. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). A iniciativa privada e o espírito público: um retrato da ação social das empresas no Brasil. Brasília: IPEA,
  • 100. JUNQUEIRA, Luciano Antônio Prates. Gestão Social: Organização, Parceria e Redes Sociais IN:CANÇADO, A.C.; SILVA Jr, J. T.; SCHOMMER, P. C.; RIGO, A. S. (orgs) Os desafios da formação em gestão social. Palmas: coleção Enapegs p.87 -103. 2008. ______. Organizações sem fins lucrativos e redes na gestão de políticas sociais, Caderno de Administração PUC-SP, nº 3, p 101-126. 2000. KAHNEMAN, Daniel. Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar. São Paulo: Ed. Objetiva, 2012. KANTER, B.; PAINE, K.D. Measuring the networked nonprofit: using data to change the world. São Francisco: John Wiley&Sons, 2012. KAPLAN, Allan. Artista do Invisível: O processo social e o profissional de desenvolvimento. São Paulo: Instituto Fonte e Ed. Peirópolis, 2002. KANTER, Beth; PAINE, Katie Delahaye. Measuring the networked nonprofit: Using data to change the world. São Francisco, EUA: John Wiley&Sons INC, 2012. KELLEY, Daniel Q. Dinheiro para sua Causa. Ed. TextoNovo, 1994. KISIL, Marcos; FABIANI Paula Jancso; Alvarez, Rodrigo. Fundos patrimoniais: criação e gestão no Brasil. São Paulo: Zeppelini, 2012. KOTLER, Phillip; LEE, N.R. Marketing contra a pobreza: as ferramentas para da mudança social para formuladores de políticas, empreendedores, ONGs, empresas e governos. Porto Alegre: Bookman, 2010.
  • 101. LANDIM, leilah; BERES, Neide. Ocupação, despesas e recursos: as organizações sem fins lucrativos no Brasil. Rio de Janeiro: Nau editora, 1999. LANDIM, Leilah.CARVALHO, Luiz Antonio. Projeto transparência e prestação de contas da sociedade civil na América Latina. Caso: Brasil. Rio de Janeiro: NUPEF/RITS / NASP/UFRJ, (p. 02-26), 2006-2007. LARROUDÉ, Elisa Rodrigues Alves. Accountability de organizações do espaço público não-estatal: uma apreciação crítica da regulação brasileira. Dissertação de mestrado na FGV-EAESP, São Paulo: FGV, 2006. MENDONÇA, Patricia Maria E. (coord). Pesquisa arquitetura institucional de apoio às organizações da sociedade civil no Brasil: Apresentação e resumo executivo São Paulo: Articulação D# - Diálogos, Direitos e Democracia e CEAPG – Centro de Estudos em Administração Pública e Governo da ESASP – FGV, fevereiro de 2013. Disponível em: <http://ceapg.fgv.br/sites/ceapg.fgv.br/files/arquivos/pesquisa_Apoio_OS/rf_apres_r esumo _executivo.pdf>. Acesso em: 14 de julho de 2013. MEREGE, Luis Carlos. Terceiro Setor: a arte de administrar sonhos. São Paulo: Plêiade, 2009. MINTZBERG, Henry. Ascensão e Queda do Planejamento Estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2004. MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia: Um roteiro
  • 102. MISOCZKY, Maria Ceci. Abordagem de redes no estudo de movimentos sociais: entre o modelo e a metáfora. Rio de Janeiro: RAP v.43 n.5, p.1147-1180, 2009. NANUS, Burt. Liderança para o Terceiro Setor: Estratégias de sucesso para organizações sem fins lucrativos, São Paulo, 2000. NORIEGA, Maria Elena e MURRAY, Milton. Apoio Financeiro: Como Conseguir. Editora TextoNovo. NOVAES, Regina. Hábitos de doar: motivações pessoais e as múltiplas versões do “espírito da dádiva”. In: BRITO, M.; MELO, M.E.(orgs.). Hábitos de doar e captar recursos no Brasil, São Paulo: Peirópolis, p. 17–56, 2007. OLIVEIRA, J. A. P. Empresas na Sociedade: sustentabilidade e responsabilidade social. São Paulo: Ed. Campus, 2008. OLIVIERI, Cristiane; NATALE, Edson.(Org). Guia brasileiro de produção cultural 2010-2011, São Paulo: SESC SP, 2010. PAES, José Eduardo Sabo. Fundações e entidades de interesse social: aspectos jurídicos, administrativos, contábeis e tributários. 5. ed. rev., atual. e ampl. de acordo com a Lei nº 10.406, de 10.1.2002 (Novo Código Civil brasileiro). Brasília: Brasília Jurídica, 2004. PARIZZI, Elaine Thomé. Manual técnico sobre as leis de incentivo à cultura. Cuiabá MT: Carlini & Caniato editorial, 2011.
  • 103. PELIANO, A. M. M. (coord). A iniciativa privada e o espírito publico: A evolução da ação social das empresas privadas no Brasil. Brasilia: IPEA 2006. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/acaosocial/IMG/pdf/doc-28.pdf>. Acesso em: 14 de julho de 2013. PEREIRA, Custódio. Captação de recursos: FundRaising. SãoPaulo: Ed. Mackenzie, 2011. PEREZ, C.P.; JUNQUEIRA l.P. (orgs.) Voluntariado e a gestão das políticas sociais. São Paulo: Futura, 2002. PEREZ, L. Mobilização de indivíduos: é preciso pedir. Filantropia, São Paulo, v. 41, 2009. Disponível em: <www.revistafilantropia.org.br>. Acesso em: 14 de julho 2013. PEZZULLO, S. Desenvolvendo sua organização; um guia de sustentabilidade para ONGs. São Paulo: SENAC SP, Fund. Abrinq e International Youth Foundation, 2003. PRAHALAD, C. K. A riqueza na base da pirâmide. São Paulo: Artmed, 2008. PRAHALAD, C. K., HART, S.L. The Fortune at the Bottom of the Pyramid. Strategy + Business, 2002. PROCHNOW, M.; SCHAFFER, W.B. Pequeno manual para elaboração de projetos. Porto Alegre: UFRS, 1999. RATTNER, Henrique. Sustentabilidade - uma visão humanista. Campinas: Ambiente soc. no.5, July/Dec. p. 233-. 240.1999.
  • 104. ROSS, Bernard; SEGAL,Clare. The influential fundraiser: Using the psychology of persuasion to achieve outstanding results. São Francisco, USA: John Wiley & sons inc., 2009. SACHS, Igancy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável: idéias sustentáveis. 4. Ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2002. SALAMON, L. M., et al. Global Civil Society: dimensions of the nonprofit sector. Baltimore, US: The John Hopkins Center for Civil Society Studies, 1999. SAUL, Jason. The end of fundraising: Raise more money by selling your impact. São Francisco, EUA: John Wiley&Sons INC, 2011. SEKN. Socially inclusive business. Engaiging the poor through market initiatives in iberoamerica. Social Enterprise Knoledge Network. Cambridge, Massachussets: Harvard University Publishing, 2010. SEN, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. SENAC (SP) / FUNDAÇÃO ABRINQ, Guia de Gestão: para quem dirige entidades sociais. SILVA, Antônio Luiz de Paula. Utilizando o planejamento como ferramenta de aprendizagem. São Paulo: Global e Instituto Fonte, 2001. SZAZI, Eduardo. (org). Terceiro Setor: temas polêmicos 1. São Paulo: Gife e Fundação Peirópolis, 2004.
  • 105. TEODÓSIO, Armindo dos Santos de Sousa, COMINI, Graziella. Inclusive business and poverty: prospects in the Brazilian context. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 47, n.3, 2012. TRAVAGLINI, C; BANDINI, F.; MANCINONE, K. Social enterprise across Europe: a comparative study on legal frameworks and governance structures. Report, 2008. TIISEL, Danilo. (org) Capatação de recursos para o Terceiro Setor – Aspectos jurídicos. São Paulo: OAB-SP, 2011. Disponível em: <www.oabsp.org.br/.../cartilhas/captacao _aspjur21092011%20revisada.pdf> acesso em: 12 jan. 2014. TOZZI, José Antônio. Prestação de contas no terceiro setor: a dicotomia do marco regulatório. São Paulo: PUC-SP. 2010. WEIL, Pierre TOMPAKOW, Roland. O corpo fala: A linguagem silenciosa da comunicação não-verbal. 62 edição, Petrópolis, RJ: Ed vozes, 2001. YUNUS, M. Banker to the poor: Micro-lending and the battle against world poverty. New York: Founder of the Grameer Bank, 2003. ______. Criando um negócio social, Rio de Janeiro: Campus, 2010. .