SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
18 de fevereiro de 2024
Lição 7
O Ministério da Igreja
TEXTO ÁUREO
“E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros
para profetas, e outros para evangelistas, e
outros para pastores e doutores.” (Ef 4.11)
VERDADE PRÁTICA
Os dons ministeriais foram dados com o
objetivo de edificar a Igreja e promover a
maturidade de seus membros.
LEITURA DIÁRIA
Segunda - 1 Tm 3.1 A excelência do chamado ministerial
Terça - 1 Pe 2.9 O sacerdócio universal de todos os
crentes
Quarta - Ef 4.11 O ministério quíntuplo da Igreja
Quinta - At 6.1-7 A instituição do diaconato
Sexta - 1 Tm 3.2-7 As qualificações morais do ministério
Sábado - Tt 1.7 Qualificações de natureza social do
ministério
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Efésios 4.11-16
11 - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para
profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e
doutores,
12 - querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do
ministério, para edificação do corpo de Cristo,
13 - até que todos cheguemos à unidade da fé e ao
conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da
estatura completa de Cristo,
14 - para que não sejamos mais meninos inconstantes,
levados em roda por todo vento de doutrina, pelo
engano dos homens que, com astúcia, enganam
fraudulosamente.
15 - Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos
em tudo naquele que é a cabeça, Cristo,
16 - do qual todo o corpo, bem-ajustado e ligado pelo
auxílio de todas as juntas, segundo ajusta operação de
cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação
em amor.
INTRODUÇÃO
Nesta lição, veremos o ministério em suas diferentes funções e
ofícios, bem como as qualificações que, biblicamente, são exigidas
para o seu exercício. Primeiramente, mostraremos que, de modo
bíblico, todo cristão exerce um ministério sacerdotal que o habilita
a ministrar diante de Deus. Nesse sentido, não há diferença entre
o membro e a liderança. Todos são sacerdotes de Deus. Por outro
lado, as Escrituras mostram claramente que Deus escolheu
determinadas pessoas para funções e ofícios específicos. Esses
ministros chamados por Deus têm a função de servir à Igreja de
Cristo e trabalhar no aperfeiçoamento dos santos.
PALAVRA-CHAVE: Ministério
I - O MINISTÉRIO SACERDOTAL DE TODO
CRENTE
1. O Sacerdócio no Antigo Testamento. A prática do sacerdócio
é bem antiga entre os hebreus. Ela saiu da esfera familiar para se
tornar uma complexa prática cerimonialista. Dessa forma, a
evolução do sacerdócio na Antiga Aliança é como segue: (1) no
princípio, quando surgiu a necessidade de se oferecer sacrifícios, os
cabeças das famílias eram seus próprios sacerdotes (Gn 4.3; Jó
1.5); (2) Assim, na era dos patriarcas, encontramos o chefe da
família exercendo essa função (Gn 12.8); (3) Israel, como nação,
foi posta como sacerdote para outros povos (Êx 19.6); (4) no
Monte Sinai, O Senhor limitou a prática sacerdotal à família de
Arão e à tribo de Levi (Êx 28.1; Nm 3-5-9).
2. Uma doutrina bíblica confirmada no Novo
Testamento. O Novo Testamento apresenta o
sacerdócio da Antiga Aliança como um tipo de
Cristo (Hb 8.1) que operou o derradeiro sacrifício
pelos pecados do povo. Assim, não mais uma
família, tribo ou nação é detentora do sistema
sacerdotal. Agora, é a Igreja que constitui o
sacerdócio universal de todos os crentes (1 Pe 2.5;
Ap 5.10; cf. Jr 31.34).
Logo, se debaixo da Antiga Aliança o sacerdote era
um ministro do culto, agora, sob a Nova Aliança,
como sacerdotes, oferecemos o próprio corpo em
sacrifício vivo (Rm 12.1,2); ministramos o louvor
como fruto de nossos lábios (Hb 13.15);
intercedemos pelos outros (1 Tm 2.1; Hb 10.19,20);
proclamamos as virtudes daquele que nos chamou
das trevas para a sua maravilhosa luz (1 Pe 2.9); e
mantemos comunhão direta com Deus (2 Co 13.13).
3. Uma doutrina bíblica resgatada na Reforma Protestante.
No catolicismo romano, o sacerdócio é limitado à figura dos
padres. Não há a função sacerdotal para os membros da igreja.
Nesse caso, o Papa é considerado o vigário de Cristo na Terra. Por
isso, cabe destacar aqui que o resgate da doutrina bíblica do
sacerdócio universal dos crentes, tal qual se encontra no Novo
Testamento, foi uma obra da Reforma Luterana do século 16.
Para o reformador alemão, “qualquer cristão verdadeiro participa
dos benefícios de Cristo e da Igreja”. A Reforma pregou um
retorno radical às Escrituras, como bem definiu seu slogan no
Sola Scriptura (somente a Escritura). Nas páginas das Escrituras
Sagradas, podemos ver a grandeza dessa preciosa doutrina.
SINOPSE I
A doutrina bíblica do sacerdócio
universal do crente é um fato na Nova
Aliança. A Igreja constitui o sacerdócio
universal de todos os crentes.
II - A ESTRUTURA MINISTERIAL DO
NOVO TESTAMENTO
1. O ministério quíntuplo. O texto de Efésios 4.11 diz que Deus
pôs na Igreja apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres.
Essa relação é descrita comumente como “ministério quíntuplo” da
Igreja. a) Apóstolo. Alguém enviado em uma missão (Mt 10.2; Lc
22.14; At 13.2). Alguns requisitos podem ser destacados para alguém
ser um apóstolo: Ter estado com o Senhor Jesus (At 1.21,22); ter sido
uma testemunha da ressurreição de Jesus (At 1.22); ter visto o Senhor
(At 9.1-5); ter operado sinais e maravilhas (2 Co 12.1-5). Assim, no
Novo Testamento, o apostolado pode ser visto mais como uma
função do que um ofício.
b) Profeta. O profeta era alguém inspirado e autorizado para
falar em nome de Deus. Nesse aspecto, ele era um porta-voz de
Deus. No Novo Testamento, o profeta exortava e consolava (At
15.32) e trazia revelação do futuro (At 11.27-29). Contudo, a
Escritura distingue o ministério de profeta do dom da profecia.
Assim, somente alguns eram chamados para ser profetas (Ef
4.11) enquanto todos poderiam exercer o dom da profecia (1
Co 14.5,31).
c) Evangelista. É alguém cujo ministério é centrado na
salvação de almas (At 8.5; 21.8).
d) Pastores e mestres. O pastor possui a função de apascentar
(Jo 21.16) enquanto o mestre, a de ensinar (Rm 12.7).
2. O serviço de diáconos e presbíteros. O Novo Testamento
mostra como o diaconato foi instituído (At 6.1-7). O sentido do
verbo grego diakoneo é “servir” e ocorre 37 vezes ao longo do
Novo Testamento. Esse significado aparece em Atos 6.2. Da
mesma forma, o substantivo grego diakonia, ocorre 34 vezes no
texto neotestamentário. Ele também aparece com esse sentido de
“servir” em Atos 6.1. À luz do contexto de Atos 6, observamos que
o diaconato era um serviço dedicado mais à esfera social da igreja.
Por outro lado, o presbyteros, traduzido como “presbíteros”, ocorre
66 vezes no texto grego do Novo Testamento. Em Atos 14.23, o
termo é usado para se referir aos anciãos que presidiam as igrejas.
Esse mesmo sentido é usado por Lucas em Atos 20.17, quando
Paulo se encontra com os presbíteros de Éfeso. Dessa forma, o
presbítero era alguém que supervisionava, presidia ou ainda exercia
alguma função pastoral.
SINOPSE II
Deus pôs na Igreja apóstolos, profetas,
evangelistas, pastores e mestres.
III - AS QUALIFICAÇÕES PARA O
MINISTÉRIO
1. Qualificações de natureza moral. O apóstolo Paulo
expõe as qualificações para o exercício ministerial nas suas
cartas pastorais (1 Tm 3-1-15; Tt 1.5-9). Aqui listamos
apenas algumas delas: Não apegado ao dinheiro, ou seja,
não avarento (1 Tm 3.3); ser irrepreensível (1 Tm 3.2; Tt
1.6), ou seja, alguém que não possua nenhuma acusação
válida (1 Tm 3.10), o que não significa ausência de pecado,
mas uma vida pessoal ilibada, acima de qualquer acusação
legítima e de algum escândalo público.
2. Qualificações de natureza social. Ao longo das
cartas pastorais, verificamos também a necessidade de
qualificações de natureza social, tais como: o aspirante ao
ministério não pode ser soberbo, isto é, arrogante e
orgulhoso (Tt 1.7), uma pessoa de difícil convívio social,
alguém que, devido a sua soberba, mantém-se obstinado
em sua própria opinião, age com teimosia e arrogância; o
aspirante também não pode ser irascível (Tt 1.7),
truculento, violento, aquele que possui um temperamento
mais colérico, uma pessoa que não pensa duas vezes antes
de agir de forma descontrolada contra outro,
desqualificando-o para ser ministro do Senhor.
3. Qualificados para o ministério. De acordo com
as cartas pastorais, podemos afirmar que há
qualificações claras para o exercício do ministério da
Igreja de Cristo. Nesse sentido, os ministros do
Corpo de Cristo têm como requisitos inegociáveis
para o exercício do ministério as qualificações morais
e sociais conforme estudados aqui.
SINOPSE III
Há qualificações claras para o exercício
do ministério na Igreja de Cristo.
CONCLUSÃO
Nesta lição, vimos o ministério sob diferentes aspectos.
Vimos que a doutrina do sacerdócio universal dos crentes é
inteiramente bíblica. Todo crente tem o privilégio de
apresentar a si mesmo e a outros diante de Deus, sem a
necessidade de mediadores terrenos. Vimos também que
Deus pôs na Igreja alguns para o exercício de determinadas
funções específicas. Esses ministérios devem ser vistos
como dons de Deus à Igreja.
REVISANDO O CONTEÚDO
1. Como o Novo Testamento apresenta o sacerdócio da
Antiga Aliança?
O Novo Testamento apresenta o sacerdócio da Antiga
Aliança como um tipo de Cristo (Hb 8.1) que operou o
derradeiro sacrifício pelos pecados do povo.
2. Qual movimento histórico fez o resgate da doutrina
bíblica do sacerdócio universal de todos os crentes?
Foi uma obra da Reforma Luterana do século 16.
3. Cite os cinco ministérios de Efésios 4.11.
O texto de Efésios 4.11 diz que Deus pôs na Igreja
apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres.
4. Segundo a lição, qual é a distinção entre o ministério de
Profeta e o dom da profecia?
A Escritura distingue o ministério de profeta do dom da
profecia. Assim, somente alguns eram chamados para ser
profetas (Ef 4.11) enquanto todos poderiam exercer O dom
da profecia (1 Co 14.5,31).
5. Quais as naturezas da qualificação ministerial?
São duas: qualificação de natureza moral e qualificação de
natureza social.
REFERÊNCIAS
CPAD. O CORPO DE CRISTO - Origem, Natureza e Missão da Igreja
no Mundo. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus
(CPAD), 2024. (Lições Bíblicas, Adultos CPAD).
SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL (org.). Bíblia De Estudo Plenitude
Revista E Atualizada. Barueri, SP: SBB, 2005.
Slides elaborados por Celso Napoleon
EBD | 1° Trimestre De 2024 | CPAD Adultos | Tema: O
CORPO DE CRISTO - Origem, Natureza e Missão da Igreja
no Mundo | Escola Bíblica Dominical | Lição 7 - O Ministério
da Igreja
LIÇÕES:
Lição 1- A Origem da igreja
Lição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja
Lição 3 - A Natureza da Igreja
Lição 4 - A Igreja e o Reino de Deus
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização
Lição 7 - O Ministério da Igreja
Lição 8 - A Disciplina na Igreja
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptxLição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptxLição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptxCelso Napoleon
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Lição 11 Missões e a Igreja Perseguida.pptx
Lição 11 Missões e a Igreja Perseguida.pptxLição 11 Missões e a Igreja Perseguida.pptx
Lição 11 Missões e a Igreja Perseguida.pptxCelso Napoleon
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoÉder Tomé
 
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptxLição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptxCelso Napoleon
 
Lição 12 – Sendo Igreja do Deus Vivo.pptx
Lição 12 – Sendo Igreja do Deus Vivo.pptxLição 12 – Sendo Igreja do Deus Vivo.pptx
Lição 12 – Sendo Igreja do Deus Vivo.pptxCelso Napoleon
 
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptxSlides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Lição 07: O Relacionamento Entre Nora e Sogra.pptx
Lição 07: O Relacionamento Entre Nora e Sogra.pptxLição 07: O Relacionamento Entre Nora e Sogra.pptx
Lição 07: O Relacionamento Entre Nora e Sogra.pptxCelso Napoleon
 
Slides Lição 14, CPAD, Missões e a Volta do Senhor JESUS, 4Tr23.pptx
Slides Lição 14, CPAD, Missões e a Volta do Senhor JESUS, 4Tr23.pptxSlides Lição 14, CPAD, Missões e a Volta do Senhor JESUS, 4Tr23.pptx
Slides Lição 14, CPAD, Missões e a Volta do Senhor JESUS, 4Tr23.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptxLição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptxCelso Napoleon
 

Mais procurados (20)

Slides Lição 13, CPAD, O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
Slides Lição 13, CPAD, O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptxSlides Lição 13, CPAD, O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
Slides Lição 13, CPAD, O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
 
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptxLição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
 
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptxLição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
Lição 3 – Missões Transculturais no Antigo Testamento.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, Sendo a Igreja do Deus Vivo, 3Tr23.pptx
Slides Lição 12, CPAD, Sendo a Igreja do Deus Vivo, 3Tr23.pptxSlides Lição 12, CPAD, Sendo a Igreja do Deus Vivo, 3Tr23.pptx
Slides Lição 12, CPAD, Sendo a Igreja do Deus Vivo, 3Tr23.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
Lição 11 Missões e a Igreja Perseguida.pptx
Lição 11 Missões e a Igreja Perseguida.pptxLição 11 Missões e a Igreja Perseguida.pptx
Lição 11 Missões e a Igreja Perseguida.pptx
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
 
Slides Lição 7, CPAD, A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Slides Lição 7, CPAD, A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptxSlides Lição 7, CPAD, A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Slides Lição 7, CPAD, A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
 
Slides Lição 4, Quando a Criatura vale mais que o Criador, 3Tr23.pptx
Slides Lição 4, Quando a Criatura vale mais que o Criador, 3Tr23.pptxSlides Lição 4, Quando a Criatura vale mais que o Criador, 3Tr23.pptx
Slides Lição 4, Quando a Criatura vale mais que o Criador, 3Tr23.pptx
 
Slides Licao 11, Betel, O Fruto do ESPIRITO em Relacao a DEUS e ao Proximo, 4...
Slides Licao 11, Betel, O Fruto do ESPIRITO em Relacao a DEUS e ao Proximo, 4...Slides Licao 11, Betel, O Fruto do ESPIRITO em Relacao a DEUS e ao Proximo, 4...
Slides Licao 11, Betel, O Fruto do ESPIRITO em Relacao a DEUS e ao Proximo, 4...
 
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptxLição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
Lição 7 – A Desconstrução da Feminilidade Bíblica.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptx
Slides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptxSlides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptx
Slides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptx
 
Lição 12 – Sendo Igreja do Deus Vivo.pptx
Lição 12 – Sendo Igreja do Deus Vivo.pptxLição 12 – Sendo Igreja do Deus Vivo.pptx
Lição 12 – Sendo Igreja do Deus Vivo.pptx
 
Slides Licao 3, CPAD, O Avivamento no Novo Testamento, 1Tr23, Pr Henrique.pptx
Slides Licao 3, CPAD, O Avivamento no Novo Testamento, 1Tr23, Pr Henrique.pptxSlides Licao 3, CPAD, O Avivamento no Novo Testamento, 1Tr23, Pr Henrique.pptx
Slides Licao 3, CPAD, O Avivamento no Novo Testamento, 1Tr23, Pr Henrique.pptx
 
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptxSlides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A ORIGEM DA IGREJA, 1Tr24.pptx
 
Lição 07: O Relacionamento Entre Nora e Sogra.pptx
Lição 07: O Relacionamento Entre Nora e Sogra.pptxLição 07: O Relacionamento Entre Nora e Sogra.pptx
Lição 07: O Relacionamento Entre Nora e Sogra.pptx
 
Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...
Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...
Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...
 
Slides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptx
Slides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptxSlides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptx
Slides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptx
 
Slides Lição 14, CPAD, Missões e a Volta do Senhor JESUS, 4Tr23.pptx
Slides Lição 14, CPAD, Missões e a Volta do Senhor JESUS, 4Tr23.pptxSlides Lição 14, CPAD, Missões e a Volta do Senhor JESUS, 4Tr23.pptx
Slides Lição 14, CPAD, Missões e a Volta do Senhor JESUS, 4Tr23.pptx
 
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptxLição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
 

Semelhante a Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx

Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxjoseciceroroberto197
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxjoseciceroroberto197
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxCelso Napoleon
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Diaconia e Profecia
Diaconia e  ProfeciaDiaconia e  Profecia
Diaconia e Profeciadaliberdade
 
Licao 11 presbitero, bispo ou anciao
Licao 11 presbitero, bispo ou anciaoLicao 11 presbitero, bispo ou anciao
Licao 11 presbitero, bispo ou anciaopralucianaevangelista
 
O Ministério e Função do Bispo na Igreja
O Ministério e Função do Bispo na IgrejaO Ministério e Função do Bispo na Igreja
O Ministério e Função do Bispo na IgrejaMINISTERIO IPCA.
 
Curso para presbitero
Curso para presbiteroCurso para presbitero
Curso para presbiteroHeron20
 
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEAPOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEjonasecj
 
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docxA função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docxJoelmaLucioDoCarmo
 
Doutrina da igreja
Doutrina da igrejaDoutrina da igreja
Doutrina da igrejaugleybson
 
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014Pr. Andre Luiz
 
Realizando uma integração eficaz
Realizando uma integração eficazRealizando uma integração eficaz
Realizando uma integração eficazPedro Júnior
 
2014 2 tri lição 6 - O ministério de apóstolo
2014 2 tri lição 6 - O  ministério de apóstolo2014 2 tri lição 6 - O  ministério de apóstolo
2014 2 tri lição 6 - O ministério de apóstoloNatalino das Neves Neves
 
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docxESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docxssusere38a4a
 
teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologiaalexandrepsantos
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIACoop. Fabio Silva
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
 [EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e... [EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...José Carlos Polozi
 

Semelhante a Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx (20)

Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
 
Diaconia e Profecia
Diaconia e  ProfeciaDiaconia e  Profecia
Diaconia e Profecia
 
Licao 11 presbitero, bispo ou anciao
Licao 11 presbitero, bispo ou anciaoLicao 11 presbitero, bispo ou anciao
Licao 11 presbitero, bispo ou anciao
 
O Ministério e Função do Bispo na Igreja
O Ministério e Função do Bispo na IgrejaO Ministério e Função do Bispo na Igreja
O Ministério e Função do Bispo na Igreja
 
Curso para presbitero
Curso para presbiteroCurso para presbitero
Curso para presbitero
 
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEAPOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
 
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docxA função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
 
Doutrina da igreja
Doutrina da igrejaDoutrina da igreja
Doutrina da igreja
 
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
O ministério de profeta 7 lição 2º 2014
 
Realizando uma integração eficaz
Realizando uma integração eficazRealizando uma integração eficaz
Realizando uma integração eficaz
 
01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem
01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem
01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem
 
2014 2 tri lição 6 - O ministério de apóstolo
2014 2 tri lição 6 - O  ministério de apóstolo2014 2 tri lição 6 - O  ministério de apóstolo
2014 2 tri lição 6 - O ministério de apóstolo
 
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docxESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
 
7° lição o ministerio de profeta
7° lição o ministerio de profeta7° lição o ministerio de profeta
7° lição o ministerio de profeta
 
teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologia
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
 [EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e... [EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 11 - O dom ministerial de profeta e...
 

Mais de Celso Napoleon

Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxLesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxCelso Napoleon
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxLesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxCelso Napoleon
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxLesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxCelso Napoleon
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxLesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxLesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxCelso Napoleon
 
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxLição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxLição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptxLesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptxLesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptxCelso Napoleon
 
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxLição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxCelso Napoleon
 
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptxLesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptxCelso Napoleon
 
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxLição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptxLesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptxCelso Napoleon
 
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxLição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 4 - The Church and the Kingdom of God.pptx
Lesson 4 - The Church and the Kingdom of God.pptxLesson 4 - The Church and the Kingdom of God.pptx
Lesson 4 - The Church and the Kingdom of God.pptxCelso Napoleon
 
Lição 4 - A Igreja e o Reino de Deus.pptx
Lição 4 - A Igreja e o Reino de Deus.pptxLição 4 - A Igreja e o Reino de Deus.pptx
Lição 4 - A Igreja e o Reino de Deus.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 3 - The Nature of the Church.pptx
Lesson 3 - The Nature of the Church.pptxLesson 3 - The Nature of the Church.pptx
Lesson 3 - The Nature of the Church.pptxCelso Napoleon
 

Mais de Celso Napoleon (20)

Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxLesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxLesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxLesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
 
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxLesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
 
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxLesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
 
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxLição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
 
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxLição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
 
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptxLesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptx
 
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptxLesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
 
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxLição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
 
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptxLesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
 
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxLição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
 
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptxLesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
 
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxLição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
 
Lesson 4 - The Church and the Kingdom of God.pptx
Lesson 4 - The Church and the Kingdom of God.pptxLesson 4 - The Church and the Kingdom of God.pptx
Lesson 4 - The Church and the Kingdom of God.pptx
 
Lição 4 - A Igreja e o Reino de Deus.pptx
Lição 4 - A Igreja e o Reino de Deus.pptxLição 4 - A Igreja e o Reino de Deus.pptx
Lição 4 - A Igreja e o Reino de Deus.pptx
 
Lesson 3 - The Nature of the Church.pptx
Lesson 3 - The Nature of the Church.pptxLesson 3 - The Nature of the Church.pptx
Lesson 3 - The Nature of the Church.pptx
 

Último (9)

Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De Cristo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 

Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx

  • 1. 18 de fevereiro de 2024 Lição 7 O Ministério da Igreja
  • 2. TEXTO ÁUREO “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores.” (Ef 4.11)
  • 3. VERDADE PRÁTICA Os dons ministeriais foram dados com o objetivo de edificar a Igreja e promover a maturidade de seus membros.
  • 4. LEITURA DIÁRIA Segunda - 1 Tm 3.1 A excelência do chamado ministerial Terça - 1 Pe 2.9 O sacerdócio universal de todos os crentes Quarta - Ef 4.11 O ministério quíntuplo da Igreja Quinta - At 6.1-7 A instituição do diaconato Sexta - 1 Tm 3.2-7 As qualificações morais do ministério Sábado - Tt 1.7 Qualificações de natureza social do ministério
  • 5. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Efésios 4.11-16 11 - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, 12 - querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo, 13 - até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo,
  • 6. 14 - para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente. 15 - Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, 16 - do qual todo o corpo, bem-ajustado e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo ajusta operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor.
  • 7. INTRODUÇÃO Nesta lição, veremos o ministério em suas diferentes funções e ofícios, bem como as qualificações que, biblicamente, são exigidas para o seu exercício. Primeiramente, mostraremos que, de modo bíblico, todo cristão exerce um ministério sacerdotal que o habilita a ministrar diante de Deus. Nesse sentido, não há diferença entre o membro e a liderança. Todos são sacerdotes de Deus. Por outro lado, as Escrituras mostram claramente que Deus escolheu determinadas pessoas para funções e ofícios específicos. Esses ministros chamados por Deus têm a função de servir à Igreja de Cristo e trabalhar no aperfeiçoamento dos santos. PALAVRA-CHAVE: Ministério
  • 8. I - O MINISTÉRIO SACERDOTAL DE TODO CRENTE 1. O Sacerdócio no Antigo Testamento. A prática do sacerdócio é bem antiga entre os hebreus. Ela saiu da esfera familiar para se tornar uma complexa prática cerimonialista. Dessa forma, a evolução do sacerdócio na Antiga Aliança é como segue: (1) no princípio, quando surgiu a necessidade de se oferecer sacrifícios, os cabeças das famílias eram seus próprios sacerdotes (Gn 4.3; Jó 1.5); (2) Assim, na era dos patriarcas, encontramos o chefe da família exercendo essa função (Gn 12.8); (3) Israel, como nação, foi posta como sacerdote para outros povos (Êx 19.6); (4) no Monte Sinai, O Senhor limitou a prática sacerdotal à família de Arão e à tribo de Levi (Êx 28.1; Nm 3-5-9).
  • 9. 2. Uma doutrina bíblica confirmada no Novo Testamento. O Novo Testamento apresenta o sacerdócio da Antiga Aliança como um tipo de Cristo (Hb 8.1) que operou o derradeiro sacrifício pelos pecados do povo. Assim, não mais uma família, tribo ou nação é detentora do sistema sacerdotal. Agora, é a Igreja que constitui o sacerdócio universal de todos os crentes (1 Pe 2.5; Ap 5.10; cf. Jr 31.34).
  • 10. Logo, se debaixo da Antiga Aliança o sacerdote era um ministro do culto, agora, sob a Nova Aliança, como sacerdotes, oferecemos o próprio corpo em sacrifício vivo (Rm 12.1,2); ministramos o louvor como fruto de nossos lábios (Hb 13.15); intercedemos pelos outros (1 Tm 2.1; Hb 10.19,20); proclamamos as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (1 Pe 2.9); e mantemos comunhão direta com Deus (2 Co 13.13).
  • 11. 3. Uma doutrina bíblica resgatada na Reforma Protestante. No catolicismo romano, o sacerdócio é limitado à figura dos padres. Não há a função sacerdotal para os membros da igreja. Nesse caso, o Papa é considerado o vigário de Cristo na Terra. Por isso, cabe destacar aqui que o resgate da doutrina bíblica do sacerdócio universal dos crentes, tal qual se encontra no Novo Testamento, foi uma obra da Reforma Luterana do século 16. Para o reformador alemão, “qualquer cristão verdadeiro participa dos benefícios de Cristo e da Igreja”. A Reforma pregou um retorno radical às Escrituras, como bem definiu seu slogan no Sola Scriptura (somente a Escritura). Nas páginas das Escrituras Sagradas, podemos ver a grandeza dessa preciosa doutrina.
  • 12. SINOPSE I A doutrina bíblica do sacerdócio universal do crente é um fato na Nova Aliança. A Igreja constitui o sacerdócio universal de todos os crentes.
  • 13. II - A ESTRUTURA MINISTERIAL DO NOVO TESTAMENTO 1. O ministério quíntuplo. O texto de Efésios 4.11 diz que Deus pôs na Igreja apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres. Essa relação é descrita comumente como “ministério quíntuplo” da Igreja. a) Apóstolo. Alguém enviado em uma missão (Mt 10.2; Lc 22.14; At 13.2). Alguns requisitos podem ser destacados para alguém ser um apóstolo: Ter estado com o Senhor Jesus (At 1.21,22); ter sido uma testemunha da ressurreição de Jesus (At 1.22); ter visto o Senhor (At 9.1-5); ter operado sinais e maravilhas (2 Co 12.1-5). Assim, no Novo Testamento, o apostolado pode ser visto mais como uma função do que um ofício.
  • 14. b) Profeta. O profeta era alguém inspirado e autorizado para falar em nome de Deus. Nesse aspecto, ele era um porta-voz de Deus. No Novo Testamento, o profeta exortava e consolava (At 15.32) e trazia revelação do futuro (At 11.27-29). Contudo, a Escritura distingue o ministério de profeta do dom da profecia. Assim, somente alguns eram chamados para ser profetas (Ef 4.11) enquanto todos poderiam exercer o dom da profecia (1 Co 14.5,31). c) Evangelista. É alguém cujo ministério é centrado na salvação de almas (At 8.5; 21.8). d) Pastores e mestres. O pastor possui a função de apascentar (Jo 21.16) enquanto o mestre, a de ensinar (Rm 12.7).
  • 15. 2. O serviço de diáconos e presbíteros. O Novo Testamento mostra como o diaconato foi instituído (At 6.1-7). O sentido do verbo grego diakoneo é “servir” e ocorre 37 vezes ao longo do Novo Testamento. Esse significado aparece em Atos 6.2. Da mesma forma, o substantivo grego diakonia, ocorre 34 vezes no texto neotestamentário. Ele também aparece com esse sentido de “servir” em Atos 6.1. À luz do contexto de Atos 6, observamos que o diaconato era um serviço dedicado mais à esfera social da igreja. Por outro lado, o presbyteros, traduzido como “presbíteros”, ocorre 66 vezes no texto grego do Novo Testamento. Em Atos 14.23, o termo é usado para se referir aos anciãos que presidiam as igrejas. Esse mesmo sentido é usado por Lucas em Atos 20.17, quando Paulo se encontra com os presbíteros de Éfeso. Dessa forma, o presbítero era alguém que supervisionava, presidia ou ainda exercia alguma função pastoral.
  • 16. SINOPSE II Deus pôs na Igreja apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres.
  • 17. III - AS QUALIFICAÇÕES PARA O MINISTÉRIO 1. Qualificações de natureza moral. O apóstolo Paulo expõe as qualificações para o exercício ministerial nas suas cartas pastorais (1 Tm 3-1-15; Tt 1.5-9). Aqui listamos apenas algumas delas: Não apegado ao dinheiro, ou seja, não avarento (1 Tm 3.3); ser irrepreensível (1 Tm 3.2; Tt 1.6), ou seja, alguém que não possua nenhuma acusação válida (1 Tm 3.10), o que não significa ausência de pecado, mas uma vida pessoal ilibada, acima de qualquer acusação legítima e de algum escândalo público.
  • 18. 2. Qualificações de natureza social. Ao longo das cartas pastorais, verificamos também a necessidade de qualificações de natureza social, tais como: o aspirante ao ministério não pode ser soberbo, isto é, arrogante e orgulhoso (Tt 1.7), uma pessoa de difícil convívio social, alguém que, devido a sua soberba, mantém-se obstinado em sua própria opinião, age com teimosia e arrogância; o aspirante também não pode ser irascível (Tt 1.7), truculento, violento, aquele que possui um temperamento mais colérico, uma pessoa que não pensa duas vezes antes de agir de forma descontrolada contra outro, desqualificando-o para ser ministro do Senhor.
  • 19. 3. Qualificados para o ministério. De acordo com as cartas pastorais, podemos afirmar que há qualificações claras para o exercício do ministério da Igreja de Cristo. Nesse sentido, os ministros do Corpo de Cristo têm como requisitos inegociáveis para o exercício do ministério as qualificações morais e sociais conforme estudados aqui.
  • 20. SINOPSE III Há qualificações claras para o exercício do ministério na Igreja de Cristo.
  • 21. CONCLUSÃO Nesta lição, vimos o ministério sob diferentes aspectos. Vimos que a doutrina do sacerdócio universal dos crentes é inteiramente bíblica. Todo crente tem o privilégio de apresentar a si mesmo e a outros diante de Deus, sem a necessidade de mediadores terrenos. Vimos também que Deus pôs na Igreja alguns para o exercício de determinadas funções específicas. Esses ministérios devem ser vistos como dons de Deus à Igreja.
  • 22. REVISANDO O CONTEÚDO 1. Como o Novo Testamento apresenta o sacerdócio da Antiga Aliança? O Novo Testamento apresenta o sacerdócio da Antiga Aliança como um tipo de Cristo (Hb 8.1) que operou o derradeiro sacrifício pelos pecados do povo. 2. Qual movimento histórico fez o resgate da doutrina bíblica do sacerdócio universal de todos os crentes? Foi uma obra da Reforma Luterana do século 16.
  • 23. 3. Cite os cinco ministérios de Efésios 4.11. O texto de Efésios 4.11 diz que Deus pôs na Igreja apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres. 4. Segundo a lição, qual é a distinção entre o ministério de Profeta e o dom da profecia? A Escritura distingue o ministério de profeta do dom da profecia. Assim, somente alguns eram chamados para ser profetas (Ef 4.11) enquanto todos poderiam exercer O dom da profecia (1 Co 14.5,31). 5. Quais as naturezas da qualificação ministerial? São duas: qualificação de natureza moral e qualificação de natureza social.
  • 24. REFERÊNCIAS CPAD. O CORPO DE CRISTO - Origem, Natureza e Missão da Igreja no Mundo. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), 2024. (Lições Bíblicas, Adultos CPAD). SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL (org.). Bíblia De Estudo Plenitude Revista E Atualizada. Barueri, SP: SBB, 2005.
  • 25. Slides elaborados por Celso Napoleon EBD | 1° Trimestre De 2024 | CPAD Adultos | Tema: O CORPO DE CRISTO - Origem, Natureza e Missão da Igreja no Mundo | Escola Bíblica Dominical | Lição 7 - O Ministério da Igreja
  • 26. LIÇÕES: Lição 1- A Origem da igreja Lição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja Lição 3 - A Natureza da Igreja Lição 4 - A Igreja e o Reino de Deus Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização Lição 7 - O Ministério da Igreja Lição 8 - A Disciplina na Igreja Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja