SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
Agosto de 2011
REGIÕES DE SAÚDE NO
BRASIL
Diretrizes para a sua
organização
CONSTITUIÇÃO FEDERAL
SUS – conjunto de ações e serviços de saúde,
organizado em rede regionalizada e
hierarquizada, de acordo com as seguintes
diretrizes:
I. descentralização, com direção única em cada
esfera de governo;
II. atendimento integral, com prioridade para as
atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços
assistenciais;
III. participação da comunidade.
Região de Saúde
Espaço geográfico contínuo, constituído por
agrupamento de municípios limítrofes, delimitado a
partir de identidades culturais, econômicas e sociais e
de redes de comunicação e infraestrutura de
transportes compartilhados, com a finalidade de
integrar a organização, o planejamento e a execução
de ações e serviços de saúde.
As Regiões de Saúde serão instituídas pelo Estado,
em articulação com os Municípios, respeitadas as
diretrizes gerais pactuadas na Comissão Intergestores
Tripartite - CIT (Art. 4º).
DECRETO 7.508/11
Além das diretrizes gerais sobre a organização das regiões de
saúde no SUS, deverão ser observadas outras de relevância para
a organização das ações e serviços de saúde em Rede de
Atenção à Saúde na Região e, consequentemente, para a
implementação das Políticas de Saúde, conforme o Decreto
7.508/11.
•Diretrizes para o planejamento regional integrado;
•Diretrizes para o Contrato Organizativo da Ação Pública da
Saúde;
•Diretrizes para a Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde
(RENASES);
•Diretrizes para a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais
(RENAME);
•Diretrizes para a conformação do Mapa da Saúde.
bjetivos das Regiões de Saúde
arantir o acesso resolutivo, em tempo oportuno e com qualidade, às
ações e serviços de saúde de promoção, proteção e recuperação,
organizados em rede de atenção à saúde, assegurando um padrão de
integralidade;
fetivar o processo de descentralização de ações e serviços de um
ente da Federação para outro, com responsabilização
compartilhada, favorecendo a ação solidária e cooperativa entre os
gestores, impedindo a duplicação de meios para atingir as mesmas
finalidades;
uscar a conjugação interfederativa de recursos financeiros e outros,
de modo a reduzir as desigualdades locais e regionais, buscando a
1. Instituir um processo de avaliação do funcionamento das
atuais regiões de saúde, pelos estados e municípios, a ser
pactuado pelas Comissões Intergestores Bipartite, para
cumprimento do art. 5º do Decreto 7.508/11, devendo ser
informado à Comissão Intergestores Tripartite;
2. Instituir a Região de Saúde como o espaço geográfico
contínuo constituído por municípios limítrofes, delimitado a
partir de identidades culturais, econômicas e sociais e de
redes de comunicação e infra-estrutura de transportes
compartilhados, de modo a imprimir uma unicidade ao
território regional;
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
3. Constituir a Comissão Intergestores Regional (CIR) na
Região de Saúde, como a instância de pactuação da
organização e funcionamento das ações e serviços de saúde
integrados em redes de atenção à saúde, formada por todos
os gestores municipais da região de saúde e o gestor
estadual ou seu representante;
4. Observar as políticas de saúde, na organização e execução
das ações e serviços de saúde de atenção básica, vigilância
em saúde, atenção psicossocial, urgência-emergência,
atenção ambulatorial especializada e hospitalar, além de
outros que venham a ser pactuados, que garantam o acesso
resolutivo e em tempo oportuno;
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
5. Pactuar os fluxos assistenciais e reconhecer as
necessidades econômicas, sociais e de saúde da
população na região;
6. Reconhecer que a Região de Saúde, no que se
refere à sua composição político-administrativa, é
uma
– Região Intraestadual, quando os municípios que a
compõem são todos de um mesmo estado, ou
– Região Interestadual, quando os municípios que a
compõem são de estados diferentes.
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
Cabe às Comissões Intergestores Regional (CIR):
– Reunir-se regularmente, mediante cronograma
consensuado, para pactuar aspectos operacionais,
financeiros e administrativos da gestão
compartilhada do SUS, objeto do Contrato
Organizativo da Ação Pública da Saúde, elaborando
o seu regimento interno;
– Instituir câmaras técnicas da CIR, para
assessoramento dos gestores que a compõem;
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
Cabe às Comissões Intergestores Regional
(CIR):
– Pactuar o rol de ações e serviços que serão
ofertados, com base na Relação Nacional de Ações
e Serviços de Saúde (RENASES);
– Pactuar o elenco de medicamentos que serão
ofertados, com base na Relação Nacional de
Medicamentos Essenciais (RENAME);
– Pactuar critérios de acessibilidade e escala para a
conformação dos serviços;
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
Cabe às Comissões Intergestores Regional (CIR):
– Planejar regionalmente e de acordo com a definição
da política de saúde de cada ente federativo,
consubstanciada em seus Planos de Saúde, aprovados
pelos respectivos Conselhos de Saúde;
– Pactuar diretrizes, de âmbito regional, a respeito da
organização das redes de atenção à saúde, de acordo
com a Portaria GM/MS nº 4.279, de 30/12/2010,
principalmente no tocante à gestão institucional e à
integração das ações e serviços dos entes federativos,
na região de saúde;
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
Cabe às Comissões Intergestores Regional (CIR):
– Pactuar responsabilidades de cada ente federativo na
região de saúde, a partir da Rede de Atenção à Saúde, de
acordo com o seu porte demográfico e seu
desenvolvimento econômico-financeiro, estabelecendo
as responsabilidades individuais e as solidárias, que
deverão estar expressas no Contrato Organizativo da
Ação Pública da Saúde;
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
Cabe às Comissões Intergestores Regional (CIR):
– Incentivar a participação da comunidade, garantindo o
disposto no art. 37 do Decreto 7.508/2011;
– Pactuar diretrizes complementares às nacionais e
estaduais para o fortalecimento da co-gestão regional;
– Monitorar e avaliar a execução do Contrato Organizativo
da Ação Pública da Saúde e em particular o acesso às
ações e serviços de saúde.
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
Cabe às Comissões Intergestores Bipartite (CIB):
– Pactuar, de acordo com as diretrizes nacionais, as
diretrizes estaduais sobre Regiões de Saúde e demais
aspectos vinculados à integração das ações e serviços de
saúde entre os entes federativos;
– Pactuar a conformação das regiões de saúde no Estado e
informar a Comissão Intergestores Tripartite;
– Pactuar as regras de continuidade do acesso, para o
atendimento da integralidade da assistência, às ações e
aos serviços de saúde integrantes da rede de atenção à
saúde, mediante referenciamento em regiões de saúde
intraestaduais.
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
Cabe à Comissão Intergestores Tripartite (CIT):
– Pactuar as diretrizes nacionais para a organização das
regiões de saúde no SUS;
– Discutir casos específicos da instituição de regiões de
saúde, para além do disposto nestas diretrizes;
– Pactuar as regras de continuidade do acesso, para o
atendimento da integralidade da assistência, às ações e
aos serviços de saúde integrantes da rede de atenção à
saúde, mediante referenciamento em regiões de saúde
interestaduais.
Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
As Políticas Nacionais de Saúde de referência mínima para a
organização das ações e serviços de saúde, que devem, conforme o
Art. 5º do Decreto 7.508/11, estar presentes no território de uma
Região de Saúde são:
•Política Nacional de Atenção Básica;
•Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Infantil e Materna;
•Política Nacional de Redução do Câncer do Colo do Útero e da
Mama;
•Política Nacional de Saúde Bucal;
•Política Nacional de Saúde Mental;
•Política Nacional de Promoção da Saúde;
•Política Nacional de Urgências e Emergências;
•Política Nacional de Assistência Farmacêutica; e
•Programa Nacional de Imunização.
VIGILÂNCIA EM SAÚDE
Informação e Análise de Situação de Saúde
•Alimentação dos sistemas de informação da Vigilância em Saúde;
•Monitoramento e análise da situação de saúde da região.
Vigilância Epidemiológica
•Prevenção de fatores de risco para doenças e agravos prioritários, conforme perfil
epidemiológico da região;
•Notificação e investigação das doenças, agravos e eventos de importância para a saúde
pública e realização de medidas de bloqueio para interrupção das cadeias de transmissão;
•Notificação e investigação de óbitos;
•Criação de comitê de notificação e investigação de óbitos maternos e infantis;
•Controle de vetores, reservatórios e hospedeiros em função do quadro epidemiológico da
região;
•Vacinação: calendário básico;
•Busca ativa de casos de doenças de relevância e de acordo com o perfil epidemiológico da
região;
•Confirmação laboratorial, conforme quadro epidemiológico da região;
•Prevenção de fatores de risco à saúde no ambiente de trabalho;
•Desenvolvimento de ações de promoção de ambientes e processos de trabalho saudáveis.
VIGILÂNCIA EM SAÚDE
Promoção da Saúde
•Desenvolvimento de ações intersetoriais para redução dos fatores de risco à
saúde da população.
Vigilância em Saúde Ambiental
•Controle da qualidade da água para consumo humano;
•Mapeamento das situações de risco ambiental.
Vigilância Sanitária
•Cadastramento dos estabelecimentos sujeitos à vigilância sanitária;
•Alimentação dos Sistemas de Informação de vigilância sanitária;
•Inspeção sanitária dos estabelecimentos sujeitos à vigilância sanitária;
•Monitoramento e controle da infecção hospitalar;
•Realização de coletas para fins de fiscalização, monitoramento e qualidade
de alimentos, medicamentos e água para o consumo humano;
•Manutenção de serviço de atendimento a denúncias e reclamações sobre
alimentos e medicamentos.
ATENÇÃO BÁSICA
A atenção básica, estruturada em todos os municípios da região, a partir de
suas Unidades Básicas de Saúde com as respectivas equipes
multiprofissionais, deverá constituir-se na porta de entrada preferencial do
sistema e ordenadora do cuidado em saúde, e:
•Fazer a adscrição da clientela, identificando as suas necessidades de acordo
com o perfil epidemiológico e fazendo a avaliação do risco individual e
coletivo;
•Realizar ações de promoção e vigilância;
•Promover o acolhimento à demanda espontânea e o atendimento
resolutivo;
•Garantir a continuidade do cuidado, na rede de atenção à saúde;
•Acesso a apoio diagnóstico e terapêutico;
•Ofertar os medicamentos básicos indicados para atendimento de doenças
ou de agravos, com base na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais
(RENAME).
ATENÇÃO PSICOSSOCIAL
•Centro especializado ambulatorial aberto, para atenção às doenças mentais e
seus agravos;
•Unidade de acolhimento terapêutico transitório;
•Leitos psiquiátricos, preferencialmente em hospital geral, para atendimento aos
agravos e doenças mentais.
 
ATENÇÃO AMBULATORIAL ESPECIALIZADA
•Ambulatório de Atenção Especializada nas seguintes especialidades:
– Básicas: clínica médica, clínica cirúrgica, pediatria e
ginecologia/obstetrícia;
– Especializadas: cardiologia, neurologia, oftalmologia e ortopedia;
•Apoio Diagnóstico: radiologia simples, ultrassonografia, mamografia,
endoscopia digestiva alta, eletrocardiografia e laboratório de análises clínicas.
URGÊNCIA-EMERGÊNCIA
•Serviço de Pronto-Atendimento, com funcionamento 24h, em todos os dias
da semana, que garanta o atendimento às demandas de urgência e
emergência, pelo menos nas áreas de clínica médica, pediatria,
ginecologia/obstetrícia, traumatologia, clínica cirúrgica e saúde mental;
•Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU 192;
•Central de Regulação de urgência-emergência.
 
ATENÇÃO HOSPITALAR
•Estabelecimento hospitalar que ofereça atendimento nas seguintes áreas:
clínica médica, cirurgia geral, pediatria, ginecologia/obstetrícia e traumato-
ortopedia;
•Serviços de apoio diagnóstico: radiologia simples, ultrassonografia,
eletrocardiografia  e laboratório de análises clínicas.
As Regiões de Saúde que ainda não apresentem todas
as ações e serviços necessários para se garantir
resolutividade do acesso deverão comprometer-se
formalmente em implementá-los, em prazo
estabelecido, no Contrato Organizativo da Ação
Pública da Saúde, com metas expressas no Mapa da
Saúde, conforme parágrafo único do Art. 5º do Decreto
7.508/11.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (19)

2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
 
Apresentação questoes 7508
Apresentação questoes 7508Apresentação questoes 7508
Apresentação questoes 7508
 
Questionario dec 7508 sus
Questionario dec 7508 susQuestionario dec 7508 sus
Questionario dec 7508 sus
 
01 noas e inovacoes
01 noas e inovacoes01 noas e inovacoes
01 noas e inovacoes
 
O SUS LEGAL
O SUS LEGALO SUS LEGAL
O SUS LEGAL
 
Resumo Decreto 7508
Resumo Decreto 7508Resumo Decreto 7508
Resumo Decreto 7508
 
NOBS 01/96 e NOAS 01/01
NOBS 01/96 e NOAS 01/01NOBS 01/96 e NOAS 01/01
NOBS 01/96 e NOAS 01/01
 
Pacto pela saúde aula seg, dia 25 a noite
Pacto pela saúde  aula seg, dia 25 a noitePacto pela saúde  aula seg, dia 25 a noite
Pacto pela saúde aula seg, dia 25 a noite
 
2 cartilha orgsus_031211280112-2
2 cartilha orgsus_031211280112-22 cartilha orgsus_031211280112-2
2 cartilha orgsus_031211280112-2
 
Pacto pela vida
Pacto pela vidaPacto pela vida
Pacto pela vida
 
Curso completo do sus 10
Curso completo do sus 10Curso completo do sus 10
Curso completo do sus 10
 
Modelo gestaosus
Modelo gestaosusModelo gestaosus
Modelo gestaosus
 
Lei 141 de 2012
Lei 141 de 2012Lei 141 de 2012
Lei 141 de 2012
 
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
 
Normas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saudeNormas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saude
 
O SUS LEGAL
O SUS LEGALO SUS LEGAL
O SUS LEGAL
 
A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUS
 
Pactopela saude
Pactopela saudePactopela saude
Pactopela saude
 
Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8
Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8
Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8
 

Destaque (13)

Saúde do trabalhador em MG
Saúde do trabalhador em MGSaúde do trabalhador em MG
Saúde do trabalhador em MG
 
Como utilizar o orçamento municipal para fomentar o desenvolvimento local
Como utilizar o orçamento municipal para fomentar o desenvolvimento localComo utilizar o orçamento municipal para fomentar o desenvolvimento local
Como utilizar o orçamento municipal para fomentar o desenvolvimento local
 
Rede de atenção
Rede de atençãoRede de atenção
Rede de atenção
 
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
 
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério SaúdeApresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 
Cartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e EmergênciaCartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e Emergência
 
Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 

Semelhante a Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus 2011

7580 - powerpoint 12333333333333333333333
7580 - powerpoint 123333333333333333333337580 - powerpoint 12333333333333333333333
7580 - powerpoint 12333333333333333333333moraesandressadrive2
 
COAP - Silvana Dorneles
COAP - Silvana Dorneles COAP - Silvana Dorneles
COAP - Silvana Dorneles Oncoguia
 
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdfTeoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdfElenirLimadeFreitas
 
Lei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle socialLei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle socialAprova Saúde
 
Termo de Compromisso da Gestão Federal
Termo de Compromisso da Gestão FederalTermo de Compromisso da Gestão Federal
Termo de Compromisso da Gestão FederalHelenice Alexandrino
 
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptxApresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptxfabioclemente
 
Susaula2 100409090926-phpapp01
Susaula2 100409090926-phpapp01Susaula2 100409090926-phpapp01
Susaula2 100409090926-phpapp01Leonardo Lima
 
P399 pacto pela_vida_idoso
P399 pacto pela_vida_idosoP399 pacto pela_vida_idoso
P399 pacto pela_vida_idosoKatia Calandrine
 
Decreto 7508 integra
Decreto 7508   integraDecreto 7508   integra
Decreto 7508 integrafalundile
 
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90José Ripardo
 

Semelhante a Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus 2011 (20)

A regionalização da saúde e perspectivas – a visão dos estados
A regionalização da saúde e perspectivas – a visão dos estadosA regionalização da saúde e perspectivas – a visão dos estados
A regionalização da saúde e perspectivas – a visão dos estados
 
7580 - powerpoint 12333333333333333333333
7580 - powerpoint 123333333333333333333337580 - powerpoint 12333333333333333333333
7580 - powerpoint 12333333333333333333333
 
O SUS LEGAL
O SUS LEGALO SUS LEGAL
O SUS LEGAL
 
COAP - Silvana Dorneles
COAP - Silvana Dorneles COAP - Silvana Dorneles
COAP - Silvana Dorneles
 
Redes de Atenção à Saúde: Planejamento Regional Integrado
Redes de Atenção à Saúde: Planejamento Regional IntegradoRedes de Atenção à Saúde: Planejamento Regional Integrado
Redes de Atenção à Saúde: Planejamento Regional Integrado
 
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdfTeoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
 
Diretrizes de conformação do mapa de saúde 2011
Diretrizes de conformação do mapa de saúde 2011Diretrizes de conformação do mapa de saúde 2011
Diretrizes de conformação do mapa de saúde 2011
 
A gestao-do-sus
A gestao-do-susA gestao-do-sus
A gestao-do-sus
 
Noas
NoasNoas
Noas
 
Lei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle socialLei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle social
 
Apostila sus
Apostila susApostila sus
Apostila sus
 
Termo de Compromisso da Gestão Federal
Termo de Compromisso da Gestão FederalTermo de Compromisso da Gestão Federal
Termo de Compromisso da Gestão Federal
 
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptxApresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
 
Livreto decreto 7508 de 28 06-2011
Livreto decreto 7508 de 28 06-2011Livreto decreto 7508 de 28 06-2011
Livreto decreto 7508 de 28 06-2011
 
Sus Aula2
Sus Aula2Sus Aula2
Sus Aula2
 
Sus Aula2
Sus Aula2Sus Aula2
Sus Aula2
 
Susaula2 100409090926-phpapp01
Susaula2 100409090926-phpapp01Susaula2 100409090926-phpapp01
Susaula2 100409090926-phpapp01
 
P399 pacto pela_vida_idoso
P399 pacto pela_vida_idosoP399 pacto pela_vida_idoso
P399 pacto pela_vida_idoso
 
Decreto 7508 integra
Decreto 7508   integraDecreto 7508   integra
Decreto 7508 integra
 
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
 

Mais de Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas

Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2007 manual de orientações para pacientes e familiares transplantes de fíga...
2007 manual de orientações para pacientes e familiares   transplantes de fíga...2007 manual de orientações para pacientes e familiares   transplantes de fíga...
2007 manual de orientações para pacientes e familiares transplantes de fíga...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 

Mais de Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas (20)

Hepatocarcinoma critérios de milão e barcelona
Hepatocarcinoma  critérios de milão e barcelonaHepatocarcinoma  critérios de milão e barcelona
Hepatocarcinoma critérios de milão e barcelona
 
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
 
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
 
2012 manual do paciente transplante de figado ses pr
2012 manual do paciente   transplante de figado ses pr2012 manual do paciente   transplante de figado ses pr
2012 manual do paciente transplante de figado ses pr
 
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...
 
2007 manual de orientações para pacientes e familiares transplantes de fíga...
2007 manual de orientações para pacientes e familiares   transplantes de fíga...2007 manual de orientações para pacientes e familiares   transplantes de fíga...
2007 manual de orientações para pacientes e familiares transplantes de fíga...
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
 
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
 
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 

Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus 2011

  • 1. Agosto de 2011 REGIÕES DE SAÚDE NO BRASIL Diretrizes para a sua organização
  • 2. CONSTITUIÇÃO FEDERAL SUS – conjunto de ações e serviços de saúde, organizado em rede regionalizada e hierarquizada, de acordo com as seguintes diretrizes: I. descentralização, com direção única em cada esfera de governo; II. atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; III. participação da comunidade.
  • 3. Região de Saúde Espaço geográfico contínuo, constituído por agrupamento de municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades culturais, econômicas e sociais e de redes de comunicação e infraestrutura de transportes compartilhados, com a finalidade de integrar a organização, o planejamento e a execução de ações e serviços de saúde. As Regiões de Saúde serão instituídas pelo Estado, em articulação com os Municípios, respeitadas as diretrizes gerais pactuadas na Comissão Intergestores Tripartite - CIT (Art. 4º). DECRETO 7.508/11
  • 4. Além das diretrizes gerais sobre a organização das regiões de saúde no SUS, deverão ser observadas outras de relevância para a organização das ações e serviços de saúde em Rede de Atenção à Saúde na Região e, consequentemente, para a implementação das Políticas de Saúde, conforme o Decreto 7.508/11. •Diretrizes para o planejamento regional integrado; •Diretrizes para o Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde; •Diretrizes para a Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde (RENASES); •Diretrizes para a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME); •Diretrizes para a conformação do Mapa da Saúde.
  • 5. bjetivos das Regiões de Saúde arantir o acesso resolutivo, em tempo oportuno e com qualidade, às ações e serviços de saúde de promoção, proteção e recuperação, organizados em rede de atenção à saúde, assegurando um padrão de integralidade; fetivar o processo de descentralização de ações e serviços de um ente da Federação para outro, com responsabilização compartilhada, favorecendo a ação solidária e cooperativa entre os gestores, impedindo a duplicação de meios para atingir as mesmas finalidades; uscar a conjugação interfederativa de recursos financeiros e outros, de modo a reduzir as desigualdades locais e regionais, buscando a
  • 6. 1. Instituir um processo de avaliação do funcionamento das atuais regiões de saúde, pelos estados e municípios, a ser pactuado pelas Comissões Intergestores Bipartite, para cumprimento do art. 5º do Decreto 7.508/11, devendo ser informado à Comissão Intergestores Tripartite; 2. Instituir a Região de Saúde como o espaço geográfico contínuo constituído por municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades culturais, econômicas e sociais e de redes de comunicação e infra-estrutura de transportes compartilhados, de modo a imprimir uma unicidade ao território regional; Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 7. 3. Constituir a Comissão Intergestores Regional (CIR) na Região de Saúde, como a instância de pactuação da organização e funcionamento das ações e serviços de saúde integrados em redes de atenção à saúde, formada por todos os gestores municipais da região de saúde e o gestor estadual ou seu representante; 4. Observar as políticas de saúde, na organização e execução das ações e serviços de saúde de atenção básica, vigilância em saúde, atenção psicossocial, urgência-emergência, atenção ambulatorial especializada e hospitalar, além de outros que venham a ser pactuados, que garantam o acesso resolutivo e em tempo oportuno; Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 8. 5. Pactuar os fluxos assistenciais e reconhecer as necessidades econômicas, sociais e de saúde da população na região; 6. Reconhecer que a Região de Saúde, no que se refere à sua composição político-administrativa, é uma – Região Intraestadual, quando os municípios que a compõem são todos de um mesmo estado, ou – Região Interestadual, quando os municípios que a compõem são de estados diferentes. Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 9. Cabe às Comissões Intergestores Regional (CIR): – Reunir-se regularmente, mediante cronograma consensuado, para pactuar aspectos operacionais, financeiros e administrativos da gestão compartilhada do SUS, objeto do Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde, elaborando o seu regimento interno; – Instituir câmaras técnicas da CIR, para assessoramento dos gestores que a compõem; Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 10. Cabe às Comissões Intergestores Regional (CIR): – Pactuar o rol de ações e serviços que serão ofertados, com base na Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde (RENASES); – Pactuar o elenco de medicamentos que serão ofertados, com base na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME); – Pactuar critérios de acessibilidade e escala para a conformação dos serviços; Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 11. Cabe às Comissões Intergestores Regional (CIR): – Planejar regionalmente e de acordo com a definição da política de saúde de cada ente federativo, consubstanciada em seus Planos de Saúde, aprovados pelos respectivos Conselhos de Saúde; – Pactuar diretrizes, de âmbito regional, a respeito da organização das redes de atenção à saúde, de acordo com a Portaria GM/MS nº 4.279, de 30/12/2010, principalmente no tocante à gestão institucional e à integração das ações e serviços dos entes federativos, na região de saúde; Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 12. Cabe às Comissões Intergestores Regional (CIR): – Pactuar responsabilidades de cada ente federativo na região de saúde, a partir da Rede de Atenção à Saúde, de acordo com o seu porte demográfico e seu desenvolvimento econômico-financeiro, estabelecendo as responsabilidades individuais e as solidárias, que deverão estar expressas no Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde; Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 13. Cabe às Comissões Intergestores Regional (CIR): – Incentivar a participação da comunidade, garantindo o disposto no art. 37 do Decreto 7.508/2011; – Pactuar diretrizes complementares às nacionais e estaduais para o fortalecimento da co-gestão regional; – Monitorar e avaliar a execução do Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde e em particular o acesso às ações e serviços de saúde. Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 14. Cabe às Comissões Intergestores Bipartite (CIB): – Pactuar, de acordo com as diretrizes nacionais, as diretrizes estaduais sobre Regiões de Saúde e demais aspectos vinculados à integração das ações e serviços de saúde entre os entes federativos; – Pactuar a conformação das regiões de saúde no Estado e informar a Comissão Intergestores Tripartite; – Pactuar as regras de continuidade do acesso, para o atendimento da integralidade da assistência, às ações e aos serviços de saúde integrantes da rede de atenção à saúde, mediante referenciamento em regiões de saúde intraestaduais. Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 15. Cabe à Comissão Intergestores Tripartite (CIT): – Pactuar as diretrizes nacionais para a organização das regiões de saúde no SUS; – Discutir casos específicos da instituição de regiões de saúde, para além do disposto nestas diretrizes; – Pactuar as regras de continuidade do acesso, para o atendimento da integralidade da assistência, às ações e aos serviços de saúde integrantes da rede de atenção à saúde, mediante referenciamento em regiões de saúde interestaduais. Diretrizes para a organização das Regiões de Saúde no SUS
  • 16. As Políticas Nacionais de Saúde de referência mínima para a organização das ações e serviços de saúde, que devem, conforme o Art. 5º do Decreto 7.508/11, estar presentes no território de uma Região de Saúde são: •Política Nacional de Atenção Básica; •Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Infantil e Materna; •Política Nacional de Redução do Câncer do Colo do Útero e da Mama; •Política Nacional de Saúde Bucal; •Política Nacional de Saúde Mental; •Política Nacional de Promoção da Saúde; •Política Nacional de Urgências e Emergências; •Política Nacional de Assistência Farmacêutica; e •Programa Nacional de Imunização.
  • 17. VIGILÂNCIA EM SAÚDE Informação e Análise de Situação de Saúde •Alimentação dos sistemas de informação da Vigilância em Saúde; •Monitoramento e análise da situação de saúde da região. Vigilância Epidemiológica •Prevenção de fatores de risco para doenças e agravos prioritários, conforme perfil epidemiológico da região; •Notificação e investigação das doenças, agravos e eventos de importância para a saúde pública e realização de medidas de bloqueio para interrupção das cadeias de transmissão; •Notificação e investigação de óbitos; •Criação de comitê de notificação e investigação de óbitos maternos e infantis; •Controle de vetores, reservatórios e hospedeiros em função do quadro epidemiológico da região; •Vacinação: calendário básico; •Busca ativa de casos de doenças de relevância e de acordo com o perfil epidemiológico da região; •Confirmação laboratorial, conforme quadro epidemiológico da região; •Prevenção de fatores de risco à saúde no ambiente de trabalho; •Desenvolvimento de ações de promoção de ambientes e processos de trabalho saudáveis.
  • 18. VIGILÂNCIA EM SAÚDE Promoção da Saúde •Desenvolvimento de ações intersetoriais para redução dos fatores de risco à saúde da população. Vigilância em Saúde Ambiental •Controle da qualidade da água para consumo humano; •Mapeamento das situações de risco ambiental. Vigilância Sanitária •Cadastramento dos estabelecimentos sujeitos à vigilância sanitária; •Alimentação dos Sistemas de Informação de vigilância sanitária; •Inspeção sanitária dos estabelecimentos sujeitos à vigilância sanitária; •Monitoramento e controle da infecção hospitalar; •Realização de coletas para fins de fiscalização, monitoramento e qualidade de alimentos, medicamentos e água para o consumo humano; •Manutenção de serviço de atendimento a denúncias e reclamações sobre alimentos e medicamentos.
  • 19. ATENÇÃO BÁSICA A atenção básica, estruturada em todos os municípios da região, a partir de suas Unidades Básicas de Saúde com as respectivas equipes multiprofissionais, deverá constituir-se na porta de entrada preferencial do sistema e ordenadora do cuidado em saúde, e: •Fazer a adscrição da clientela, identificando as suas necessidades de acordo com o perfil epidemiológico e fazendo a avaliação do risco individual e coletivo; •Realizar ações de promoção e vigilância; •Promover o acolhimento à demanda espontânea e o atendimento resolutivo; •Garantir a continuidade do cuidado, na rede de atenção à saúde; •Acesso a apoio diagnóstico e terapêutico; •Ofertar os medicamentos básicos indicados para atendimento de doenças ou de agravos, com base na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME).
  • 20. ATENÇÃO PSICOSSOCIAL •Centro especializado ambulatorial aberto, para atenção às doenças mentais e seus agravos; •Unidade de acolhimento terapêutico transitório; •Leitos psiquiátricos, preferencialmente em hospital geral, para atendimento aos agravos e doenças mentais.   ATENÇÃO AMBULATORIAL ESPECIALIZADA •Ambulatório de Atenção Especializada nas seguintes especialidades: – Básicas: clínica médica, clínica cirúrgica, pediatria e ginecologia/obstetrícia; – Especializadas: cardiologia, neurologia, oftalmologia e ortopedia; •Apoio Diagnóstico: radiologia simples, ultrassonografia, mamografia, endoscopia digestiva alta, eletrocardiografia e laboratório de análises clínicas.
  • 21. URGÊNCIA-EMERGÊNCIA •Serviço de Pronto-Atendimento, com funcionamento 24h, em todos os dias da semana, que garanta o atendimento às demandas de urgência e emergência, pelo menos nas áreas de clínica médica, pediatria, ginecologia/obstetrícia, traumatologia, clínica cirúrgica e saúde mental; •Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU 192; •Central de Regulação de urgência-emergência.   ATENÇÃO HOSPITALAR •Estabelecimento hospitalar que ofereça atendimento nas seguintes áreas: clínica médica, cirurgia geral, pediatria, ginecologia/obstetrícia e traumato- ortopedia; •Serviços de apoio diagnóstico: radiologia simples, ultrassonografia, eletrocardiografia  e laboratório de análises clínicas.
  • 22. As Regiões de Saúde que ainda não apresentem todas as ações e serviços necessários para se garantir resolutividade do acesso deverão comprometer-se formalmente em implementá-los, em prazo estabelecido, no Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde, com metas expressas no Mapa da Saúde, conforme parágrafo único do Art. 5º do Decreto 7.508/11.