SlideShare uma empresa Scribd logo
Blog Direito está acessível – Esdras Arthur
CURSO DE DIREITO
Semestre Letivo: 2016.2
LISTA DE EXERCÍCIOS PARAAV1 2016.2
FAVOR CONFERIR COM O SEU APRENDIZADO EM SALA DA AULA OU COM O SEU
PROFESSOR.
1) Defina a responsabilidade extracontratual do estado?
R) A responsabilidade civil, também dita como extracontratual do Estado, tem como pressuposto o
dano e se exaure com a indenização, conforme o art.186 e 187 cc 927 todos do CC02. Também
está expresso na CF88 art.37 § 6º, que impõe ao poder público a obrigação de indenizar a
terceiros em decorrência de danos causados por seus agentes, assegurado o direito de regresso
contra o responsável nos casos de dolo ou culpa, se deve dizer que sem danos inexiste a
responsabilidade civil.
2) Como se tratava a responsabilidade estatal no estado absolutista?
R) Irresponsabilidade do Estado (The King can do not wrong). A teoria da irresponsabilidade foi
adotada na época dos Estados absolutistas e repousava fundamentalmente na ideia de soberania.
O Estado dispõe de autoridade incontestável perante o súdito; ele exerce a tutela do direito, não
podendo, por isso agir contra ele.
R) Nos Estados absolutistas, negava-se a obrigação da administração pública de indenizar os
prejuízos causados por seus agentes aos administrados, com fundamento no entendimento de que
o Estado não podia causar males ou danos a quem quer que fosse (the king can do no wrong).
3) A partir da teoria civilista da culpa como se caracterizam os atos de império e de gestão?
R) Essas teorias surgiram no século XIX e adotavam princípios de direito civil. Numa primeira
fase, distingue atos de império (sem responsabilidade) de atos de gestão (com responsabilidade).
Depois, aparece a teoria da culpa civil ou responsabilidade subjetiva (presença de ação funcional
com dolo ou culpa). Sendo assim aos atos de Império são aqueles atos em que a administração
pública usa de sua supremacia perante ao particular, que o coloca em uma condição de
desigualdade perante o particular. Já os atos de gestão, são aqueles atos praticado pela
administração pública que está em igualdade com o particular, respondendo o Estado
subjetivamente pelos seus atos.
Blog Direito está acessível – Esdras Arthur
4) Discorra sobre a evolução da teoria da culpa Administrativa ou do serviço ou do acidente
administrativo a partir do caso Blanco.
R) O Princípio da Responsabilidade do Estado: Passou a ter aplicação a partir de meados do
século XIX, atribuía ao Estado a responsabilidade pelos danos causados a terceiros por atos de
seus funcionários determinando que a sua responsabilidade não devesse diferir daquela
imposta às pessoas jurídicas de direito privado. O tema da Responsabilidade Civil do Estado
somente veio a ser conhecido na doutrina há pouco mais de um século quando pelos tribunais
franceses foi julgado o Caso Blanco.
O Caso Blanco dava conta de que em 1873 a menina Agnès Blanco foi atropelada por uma
vagonete da Companhia Nacional de Manufatura de Tabaco, de exploração do Estado, em
Bordeaux, na França. O pai da menina acionou a justiça, com um pedido de indenização,
alegando a responsabilidade civil do Estado por prejuízos causados a terceiros, em face das
atividades de seus agentes. O pedido chegou ao Conselho de Estado Francês, que decidiu pela
responsabilização do Estado pela reparação dos danos causados à menina atropelada.
Para Gustavo Justino de Oliveira, ao decidir pela competência do Conselho de Estado da
França, o Conselheiro Davi, do Tribunal de Conflitos6 impulsionou a primeira teoria pública
da responsabilidade do Estado, distanciando-se dos fundamentos civilistas que vigoravam a
época.
5)Diferencie o risco administrativo do risco integral.
Teoria do risco administrativo , é aquela que admitida no Brasil, onde exige-se que a vitima
comprove tão somente : a) a existência do fato administrativo b) a existência do dano e c) o nexo
causal entre o fato adminstrativo e o dano
Teoria do risco integral : é aquela teoria que não admite as causas excludentes da
responsabilidade do Estado , ou seja , independe da existência de culpa ou mesmo de dolo do
lesado .ex art 21, XXIII ,C CF88.
6) Diferencie a responsabilidade objetiva da subjetiva.
Responsabilidade objetiva : É a responsabilidade atribuída ao estado , onde abrange tantos as
pessoas jurídicas de direito público , privado e as prestadoras de serviços públicos , sendo assim é
uma responsabilidade sem culpa , bastando apenas provar o fato , nexo causal e o dano .
Responsabilidade subjetiva : É uma responsabilidade civil ordinária ou seja aquelas que foram
Blog Direito está acessível – Esdras Arthur
causadas pelos seus agentes públicos é com culpa , então terá que provar o fato , nexo causal ,
dano e a culpa .
7)Somente as pessoas jurídicas de direito público responderão pelos danos que seus agentes, nessa
qualidade, causarem a terceiros?
R) Não , por se tratar de uma responsabilidade objetiva responderão ,tanto as pessoas jurídicas de
direito público m, priva e as prestadoras de serviços públicos.
R) Não , pois é a responsabilidade atribuída ao estado , onde abrange tantos as pessoas jurídicas
de direito público , privado e as prestadoras de serviços públicos , sendo assim é uma
responsabilidade sem culpa , bastando apenas provar o fato , nexo causal e o dano .
8) Como se dá o direito de regresso?
R) De acordo com o art. 37, § 6º CF/88, O direito de regresso dar-se –a em decorrência da
responsabilidade subjetiva do agente publico (agindo com culpa ou dolo), sendo assegurado ao
poder público, o direito de regresso no sentido de dirigir sua pretensão indenizatória contra o
agente responsável pelo dano, desde que tenha agido com culpa ou dolo ou seja o estado paga o
prejuízo e depois cobra do agente, se ele estiver contido na regra acima.
9) Quais os fundamentos da intervenção estatal na propriedade privada?
R) A intervenção do Estado na propriedade corresponde a toda atividade Estatal que,
compulsoriamente, retira ou restringe direitos dominiais dos particulares, ( poder de polícia e a
supremacia do interesse público ) a CF/ 88 da fundamentação, suporte na intervenção do estado na
propriedade, de um lado assegurando o direito de propriedade e do outro lado condiciona a função
social da propriedade. Os fundamentos estão elencados nos art. 5º XXII – É garantido o direito de
defesa, XXIII- A propriedade atenderá a função social.
10) Em que consiste o parcelamento compulsório?
R) O parcelamento compulsório é aquele obrigatório, isto é, é a urbanização imposta pela
Administração Pública ao proprietário do imóvel urbano que não cumpre sua função social.
11) Em que consiste a edificação e a utilização compulsória?
R) Edificação e Utilização Compulsória não possuem leis específicas que os regule, mas estão
previstas no Estatuto da Cidade. Acerca do tema, Meirelles citado por Gasparini[3] nos ensina:
“[...] Edificar significa construir para fins residenciais, industriais, religiosos, ensino ou recreação.
Edificação é a operação de edificar, dotando o solo urbano de uma construção residencial,
Blog Direito está acessível – Esdras Arthur
industrial, religiosa, cultural ou de lazer. Utilização é o aproveitamento adequado e útil do solo
urbano, de forma que a propriedade cumpra sua função social. Não edificado é o imóvel urbano
destituído de qualquer benfeitoria edilícia, ou seja, de construção destinada à habitação, trabalho,
culto, ensino ou recreação.” Tais urbanizações serão obrigatórias, tendo o Poder Público
Municipal, o poder de exigi-las, estando amparado pelo parágrafo quarto do artigo 182 da
Constituição Federal.
12) Em que consiste o IPTU progressivo?
R) Tal instrumento incidirá sobre a propriedade urbana, já submetida ao regime de parcelamento,
edificação ou utilização compulsório, mas que mesmo assim não cumpra com as condições e
prazos estabelecidos para estas urbanizações. A progressividade está relacionada à demora no
cumprimento da obrigação de urbanizar. Isto é. A majoração do imposto será proporcional ao
tempo gasto para dar função social à propriedade imóvel.
A finalidade da progressividade da alíquota reside em compelir o proprietário a dar a destinação
adequada a seu imóvel, como forma a atender o princípio da função social da propriedade urbana
e a função social das cidades. Isto é, a majoração do imposto será proporcional ao tempo gasto
para dar função social à propriedade imóvel.
“[...] Como ensina de forma clara e precisa Elizabeth Nazar Carrazza, a “progressividade no tempo
do IPTU é um mecanismo que a Constituição colocou à disposição dos Municípios, para que
imponham aos munícipes a observância das regras urbanísticas, contidas nas leis locais. Tem caráter
nitidamente sancionatório”. Deixa claro a jurista paulista que o caráter sancionatório da
progressividade no tempo, ora em exame, não decorre da incidência do IPTU sobre um ato ilícito. O
IPTU, mesmo nesse caso, incide sobre o fato lícito de uma pessoa ser proprietária de um imóvel
urbano. A sanção advém, sim, do mau uso (de acordo com a lei local) que esta pessoa faz de sua
propriedade urbana[4].”
No entanto, se passados cinco anos de cobrança de IPTU progressivo sem que as obrigações
tenham sido cumpridas pelo proprietário do imóvel, o Município poderá manter a cobrança de
alíquota máxima de 15%, até que a obrigação seja cumprida ou que o imóvel seja desapropriado.
13) Decorridos cinco anos de cobrança do IPTU progressivo sem que o proprietário tenha
cumprido a obrigação de parcelamento, edificação ou utilização, o Município poderá proceder de
que maneira?
R) Será procedida pelo instituto da desapropriação que é um mecanismo extremamente útil na
busca da efetivação do princípio da função social da propriedade. Ela passou a ser utilizada como
elemento de controle, de ação política, econômica e social. No tocante ao cumprimento da função
Blog Direito está acessível – Esdras Arthur
social da propriedade, interessa-nos a desapropriação com fulcro no interesse social. Existem três
fundamentos constitucionais para a desapropriação por interesse social: o primeiro é o artigo 5º,
XXIV, que é o poder geral de desapropriar, disciplinado pela Lei n.º 4.132/62.
O segundo está no artigo 182, que trata da propriedade urbana descumpridora dos requisitos da
função social, previstos no Plano Diretor.
Por fim, o terceiro reside no artigo 184, que dispõe acerca da desapropriação para fins de reforma
agrária, que recai sobre a propriedade rural. Também pode ser percebida a índole punitiva, visto
que o pagamento da indenização é por intermédio de títulos da dívida agrária, resgatáveis em até
vinte anos.
O artigo 182, parágrafo 4º da Constituição Federal, faculta ao Poder Público municipal, mediante
lei específica para área incluída no plano diretor, exigir, nos termos da lei federal, do proprietário
do solo urbano não edificado, subutilizado ou não utilizado, que promova seu adequado
aproveitamento, sob pena de parcelamento ou edificação compulsórios; IPTU progressivo no
tempo e desapropriação.
Estes instrumentos de política urbana, também possuem o objetivo de desestimular a especulação
imobiliária, uma prática de comércio imobiliário que se tornou freqüente nos dias atuais.
Decorridos cinco anos de cobrança do IPTU progressivo sem que o proprietário tenha cumprido a
obrigação de parcelamento, edificação ou utilização, o Município poderá proceder à desapropriação
do imóvel, com pagamento em títulos da dívida pública.
§ 1º Os títulos da dívida pública terão prévia aprovação pelo Senado e serão resgatados no prazo de
até dez anos, em prestações anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor real da indenização e os
juros legais de seis por cento ao ano. ”
Acreditamos que esse dispositivo estabelece duas sanções: a expropriação do bem e o recebimento
da indenização através de títulos públicos, quando, em qualquer outra modalidade de
desapropriação a indenização deve ser prévia, justa e em dinheiro.
14) Em que consiste o tombamento?
R) O tombamento é a medida que visa á preservação de bens de valor histórico, paisagístico,
artístico e arqueológico, paleontológico, ecológico e cientifico (art.216, § 1º CF/88. Portanto o
tombamento não retira do particular a propriedade do bem, limita, tão –somente, o seu uso
(impedindo de demolir, pintar e alterar a fachada).
15) Caso a propriedade a partir do tombamento passe a ter uma restrição total qual seria a
consequência?
R) Nesse caso, seria uma desapropriação, visto que o ente federado passaria a ter total domínio do
Blog Direito está acessível – Esdras Arthur
bem tombado, sendo assim, há a retirada compulsória da propriedade do particular, por
necessidade pública, utilidade pública ou interesse social, mediante justa indenização.
16) No tombamento há o direito de indenização?
R) Não, no Tombamento próprio não há indenização, visto que o particular detém a propriedade
do imóvel com algumas restrições de fazer.
17) O tombamento atinge apenas bens imóveis?
R) Não, o tombamento atinge bens móveis (quadros, livros, maquinas, ferramentas, vestes etc) e
imóveis, (casas, ruas, rios, jardins etc.)
18) O tombamento apenas pode ser definitivo?
R) Não, em regra é, mas há exceção pois ele também pode ser provisório, de oficio, voluntario,
geral e individual.
19) Diferencie o tombamento individual do geral.
R) A diferença será: Individual, Um imóvel, um quadro.
Geral: uma rua, um prédio, bairro, cidade
,
20) No tocante às modalidades, o tombamento pode ser constituído de três diferentes formas, de
Ofício, Voluntário e Compulsória. Discorra sobre cada uma delas.
R) Tombamento de oficio: Será aquele tombamento de um bem público onde um ente público
tomba o bem de outro ente público.
Tombamento de voluntário: No tombamento voluntário, o proprietário do bem a ser tombado se
dirige ao órgão competente e provoca o tombamento de sua livre e espontânea vontade, ou,
quando notificado do tombamento, concorda sem se opor ao ato
Tombamento compulsório : O órgão competente é quem dá início ao processo de tombamento,
notificando o proprietário que, inconformado, procura opor-se ao tombamento.
21) Caso não haja a transcrição do tombamento no registro do imóvel qual será a consequência?
R) O prejuízo maior será o da administração pública que não poderá exercer o seu direito de
preferência.
22) Como se dá o cancelamento do tombamento?
R) O cancelamento se dará atendendo interesse público, poderá ser de oficio ou em grau de
recurso dirigido ao Presidente da República mediante provocação interposto por qualquer
Blog Direito está acessível – Esdras Arthur
legitimo interessado, para que seja cancelado o tombamento de bens pertencentes aos entes
federados .
23) Os bens públicos podem ser tombados? Em caso afirmativo será tal procedimento análogo ao
da desapropriação de tais bens?
R) A possibilidade de se tombar bens públicos está prevista no art. 5°, do Decreto-lei 25/1937
(Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional.):
“Art. 5º O tombamento dos bens pertencentes à União, aos Estados e aos Municípiosse fará de
ofício, por ordem do diretor do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, mas deverá ser
notificado à entidade a quem pertencer, ou sob cuja guarda estiver a coisa tombada, afim de
produzir os necessários efeitos.” (g.n.)
Ademais, o artigo 23, III, da CR/88, inclui o tombamento como instituto cuja promoção pode ser
efetivada por todos os entes federados (competência comum). Nesse caso sera análogo a
desapropriação sendo que será da seguinte forma , U-E-DF-M.
24) A forma de intervenção do Estado na propriedade privada que se caracteriza pela utilização
temporária, gratuita ou remunerada, de imóvel de propriedade particular, com a finalidade de
atender ao interesse público?
R) É a ocupação temporária;
25) A requisição administrativa recai apenas sobre bens imóveis? Exemplifique.
R) Não, recai tanto no bem móvel (apropriação de um carro de particular para prestar socorro ou
perseguir bandido) e bem imóveis, (adentrar em uma casa para investigação de ilícitos em suas
vizinhanças, requisição para montar campana policial etc), e em serviços também , pois tudo é
em prol do atendimento de necessidades urgentes e transitória da coletividade, decorrentes de
perigo público e iminente.
26) Em que consiste a limitação administrativa?
R) A limitação administrativa decorre da imposição de caráter geral da administração pública,
que estabelecem a proprietários determinadas obrigações condicionadoras do uso do bem, visando
a satisfação do interesse público prevalente.
27) Em que consiste a servidão administrativa?
R) A servidão administrativa, é o ônus real público imposto pela Administração Pública á
propriedade particular, para assegurar a execução de obras e de serviços de interesse coletivo,
mediante indenização dos prejuízos efetivamente suportados pelo proprietário.
28) Qual a modalidade de intervenção do Estado sobre a propriedade privada consistente na
Blog Direito está acessível – Esdras Arthur
proibição de construir além de determinado número de pavimentos?
R) A modalidade é a limitação administrativa decorre da imposição de caráter geral da
administração pública, que estabelecem a proprietários determinadas obrigações condicionadoras
do uso do bem, visando a satisfação do interesse público prevalente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CASOS CONCRETOS RESPONDIDOS DE DIR.ADM II
CASOS CONCRETOS RESPONDIDOS DE DIR.ADM IICASOS CONCRETOS RESPONDIDOS DE DIR.ADM II
CASOS CONCRETOS RESPONDIDOS DE DIR.ADM II
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
jacsf_direito
 
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - ContratosContrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
lerroyt
 
Dicas importantes de direito administrativo
Dicas importantes de direito administrativoDicas importantes de direito administrativo
Dicas importantes de direito administrativo
Francisco Lopes
 
Aula n ¦. 03 - rc. culpa, dolo e nexo de causalidade.
Aula n ¦. 03 - rc. culpa, dolo e nexo de causalidade.Aula n ¦. 03 - rc. culpa, dolo e nexo de causalidade.
Aula n ¦. 03 - rc. culpa, dolo e nexo de causalidade.
Dimensson Costa Santos
 
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
2012.1 semana 4   direitos da personalidade2012.1 semana 4   direitos da personalidade
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
Nilo Tavares
 
Invetario e partilha
Invetario e partilhaInvetario e partilha
Invetario e partilha
DeSordi
 
Direito Civil (dos bens e fatos jurídicos)
Direito Civil (dos bens e fatos jurídicos) Direito Civil (dos bens e fatos jurídicos)
Direito Civil (dos bens e fatos jurídicos)
Laisy Quesado
 
Ação - TGP
Ação - TGPAção - TGP
Ação - TGP
Tércio De Santana
 
Civil apresentação 1
Civil apresentação 1Civil apresentação 1
Civil apresentação 1
Lucas Guerreiro
 
Principios direito administrativo
Principios direito administrativoPrincipios direito administrativo
Principios direito administrativo
André Laubenstein Pereira
 
Foca no resumo pressupostos processuais - ncpc
Foca no resumo   pressupostos processuais - ncpcFoca no resumo   pressupostos processuais - ncpc
Foca no resumo pressupostos processuais - ncpc
EsdrasArthurPessoa
 
Direito civil parte Geral.
Direito civil parte Geral.Direito civil parte Geral.
Direito civil parte Geral.
Kleper Gomes
 
Evicção
EvicçãoEvicção
Tutela provisória CPC/2015
Tutela provisória   CPC/2015Tutela provisória   CPC/2015
Tutela provisória CPC/2015
Kleiton Barbosa
 
Direito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivoDireito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivo
Agassis Rodrigues
 
Direito penal i ilicitude
Direito penal i   ilicitudeDireito penal i   ilicitude
Direito penal i ilicitude
Urbano Felix Pugliese
 
Aula Direito Administrativo
Aula Direito AdministrativoAula Direito Administrativo
Aula Direito Administrativo
Grupo VAHALI
 
Direito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização AdministrativaDireito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização Administrativa
Mentor Concursos
 
Aula 17
Aula 17Aula 17

Mais procurados (20)

CASOS CONCRETOS RESPONDIDOS DE DIR.ADM II
CASOS CONCRETOS RESPONDIDOS DE DIR.ADM IICASOS CONCRETOS RESPONDIDOS DE DIR.ADM II
CASOS CONCRETOS RESPONDIDOS DE DIR.ADM II
 
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
 
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - ContratosContrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
 
Dicas importantes de direito administrativo
Dicas importantes de direito administrativoDicas importantes de direito administrativo
Dicas importantes de direito administrativo
 
Aula n ¦. 03 - rc. culpa, dolo e nexo de causalidade.
Aula n ¦. 03 - rc. culpa, dolo e nexo de causalidade.Aula n ¦. 03 - rc. culpa, dolo e nexo de causalidade.
Aula n ¦. 03 - rc. culpa, dolo e nexo de causalidade.
 
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
2012.1 semana 4   direitos da personalidade2012.1 semana 4   direitos da personalidade
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
 
Invetario e partilha
Invetario e partilhaInvetario e partilha
Invetario e partilha
 
Direito Civil (dos bens e fatos jurídicos)
Direito Civil (dos bens e fatos jurídicos) Direito Civil (dos bens e fatos jurídicos)
Direito Civil (dos bens e fatos jurídicos)
 
Ação - TGP
Ação - TGPAção - TGP
Ação - TGP
 
Civil apresentação 1
Civil apresentação 1Civil apresentação 1
Civil apresentação 1
 
Principios direito administrativo
Principios direito administrativoPrincipios direito administrativo
Principios direito administrativo
 
Foca no resumo pressupostos processuais - ncpc
Foca no resumo   pressupostos processuais - ncpcFoca no resumo   pressupostos processuais - ncpc
Foca no resumo pressupostos processuais - ncpc
 
Direito civil parte Geral.
Direito civil parte Geral.Direito civil parte Geral.
Direito civil parte Geral.
 
Evicção
EvicçãoEvicção
Evicção
 
Tutela provisória CPC/2015
Tutela provisória   CPC/2015Tutela provisória   CPC/2015
Tutela provisória CPC/2015
 
Direito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivoDireito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivo
 
Direito penal i ilicitude
Direito penal i   ilicitudeDireito penal i   ilicitude
Direito penal i ilicitude
 
Aula Direito Administrativo
Aula Direito AdministrativoAula Direito Administrativo
Aula Direito Administrativo
 
Direito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização AdministrativaDireito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização Administrativa
 
Aula 17
Aula 17Aula 17
Aula 17
 

Destaque

Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1 Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 04
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 04DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 04
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 04
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 03
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 03DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 03
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 03
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 00
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 00DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 00
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 00
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 09
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 09DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 09
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 09
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 01
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 01DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 01
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 01
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 08
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 08DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 08
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 08
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 05
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 05DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 05
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 05
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1 2016.2 LISTA DE EXECICIO
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1 2016.2  LISTA DE EXECICIOREVISÃO DE ÉTICA PARA AV1 2016.2  LISTA DE EXECICIO
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1 2016.2 LISTA DE EXECICIO
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 

Destaque (14)

Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1 Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 04
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 04DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 04
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 04
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 07
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 03
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 03DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 03
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 03
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 00
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 00DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 00
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 00
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 09
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 09DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 09
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 09
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 01
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 01DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 01
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 01
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 08
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 08DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 08
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 08
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 05
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 05DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 05
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 05
 
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1
 
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1 2016.2 LISTA DE EXECICIO
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1 2016.2  LISTA DE EXECICIOREVISÃO DE ÉTICA PARA AV1 2016.2  LISTA DE EXECICIO
REVISÃO DE ÉTICA PARA AV1 2016.2 LISTA DE EXECICIO
 

Semelhante a DIREITO ADMINISTRATIVO II PARA AV1

Responsabilidade extracontratual do Estado, de autoria de Patrícia Neher
Responsabilidade extracontratual do Estado, de autoria de Patrícia Neher Responsabilidade extracontratual do Estado, de autoria de Patrícia Neher
Responsabilidade extracontratual do Estado, de autoria de Patrícia Neher
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
ERRO JUDICIÁRIO E RESPONSABILIDADE POR ERROS NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO JURISDICI...
ERRO JUDICIÁRIO E RESPONSABILIDADE POR ERROS NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO JURISDICI...ERRO JUDICIÁRIO E RESPONSABILIDADE POR ERROS NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO JURISDICI...
ERRO JUDICIÁRIO E RESPONSABILIDADE POR ERROS NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO JURISDICI...
António Neto
 
Responsabilidade civil I (1).pptx
Responsabilidade civil I (1).pptxResponsabilidade civil I (1).pptx
Responsabilidade civil I (1).pptx
VanessaPaesCavalcant
 
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
Jordano Santos Cerqueira
 
Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 07
Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 07Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 07
Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 07
DEUS É FIEL ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE CRISTÃ
 
Responsabilidade extracontratual do estado
Responsabilidade extracontratual do estadoResponsabilidade extracontratual do estado
Responsabilidade extracontratual do estado
Rodrigo Santos Masset Lacombe
 
Abuso de Direito
Abuso de DireitoAbuso de Direito
Abuso de Direito
Junior Ozono
 
Roteiro de direito_administrativo
Roteiro de direito_administrativoRoteiro de direito_administrativo
Roteiro de direito_administrativo
Fabiana Adaice
 
Dir. administrativo responsabilidade civil do estado compressed (1)
Dir. administrativo   responsabilidade civil do estado compressed (1)Dir. administrativo   responsabilidade civil do estado compressed (1)
Dir. administrativo responsabilidade civil do estado compressed (1)
Alexandre Bento
 
A intervenção do estado na propriedade privada
A intervenção do estado na propriedade privadaA intervenção do estado na propriedade privada
A intervenção do estado na propriedade privada
GiselleSilva13
 
Sistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Sistema de responsabilidade civil vigente no BrasilSistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Sistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Wagson Filho
 
2 dos crimes contra a administração pública
2  dos crimes contra a administração pública2  dos crimes contra a administração pública
2 dos crimes contra a administração pública
LucianoLLC
 
Crimes administracao publica
Crimes administracao publicaCrimes administracao publica
Crimes administracao publica
flavinhacp
 
Pág 7
Pág 7Pág 7
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptxAula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
TamirisVersiani
 
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptxAula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
AmandaDiegoPoncio
 
Administrativo2
Administrativo2Administrativo2
Administrativo2
Ane Dias
 
52101561 lei-de-improbidade-administrativa-teoria-e-questoes
52101561 lei-de-improbidade-administrativa-teoria-e-questoes52101561 lei-de-improbidade-administrativa-teoria-e-questoes
52101561 lei-de-improbidade-administrativa-teoria-e-questoes
Márcio Araujo
 
Teoria do risco
Teoria do riscoTeoria do risco
Teoria do risco
Alexandre Lyra
 
Noções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Noções Introdutórias de Responsabilidade CivilNoções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Noções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Junior Ozono
 

Semelhante a DIREITO ADMINISTRATIVO II PARA AV1 (20)

Responsabilidade extracontratual do Estado, de autoria de Patrícia Neher
Responsabilidade extracontratual do Estado, de autoria de Patrícia Neher Responsabilidade extracontratual do Estado, de autoria de Patrícia Neher
Responsabilidade extracontratual do Estado, de autoria de Patrícia Neher
 
ERRO JUDICIÁRIO E RESPONSABILIDADE POR ERROS NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO JURISDICI...
ERRO JUDICIÁRIO E RESPONSABILIDADE POR ERROS NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO JURISDICI...ERRO JUDICIÁRIO E RESPONSABILIDADE POR ERROS NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO JURISDICI...
ERRO JUDICIÁRIO E RESPONSABILIDADE POR ERROS NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO JURISDICI...
 
Responsabilidade civil I (1).pptx
Responsabilidade civil I (1).pptxResponsabilidade civil I (1).pptx
Responsabilidade civil I (1).pptx
 
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
 
Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 07
Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 07Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 07
Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 07
 
Responsabilidade extracontratual do estado
Responsabilidade extracontratual do estadoResponsabilidade extracontratual do estado
Responsabilidade extracontratual do estado
 
Abuso de Direito
Abuso de DireitoAbuso de Direito
Abuso de Direito
 
Roteiro de direito_administrativo
Roteiro de direito_administrativoRoteiro de direito_administrativo
Roteiro de direito_administrativo
 
Dir. administrativo responsabilidade civil do estado compressed (1)
Dir. administrativo   responsabilidade civil do estado compressed (1)Dir. administrativo   responsabilidade civil do estado compressed (1)
Dir. administrativo responsabilidade civil do estado compressed (1)
 
A intervenção do estado na propriedade privada
A intervenção do estado na propriedade privadaA intervenção do estado na propriedade privada
A intervenção do estado na propriedade privada
 
Sistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Sistema de responsabilidade civil vigente no BrasilSistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Sistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
 
2 dos crimes contra a administração pública
2  dos crimes contra a administração pública2  dos crimes contra a administração pública
2 dos crimes contra a administração pública
 
Crimes administracao publica
Crimes administracao publicaCrimes administracao publica
Crimes administracao publica
 
Pág 7
Pág 7Pág 7
Pág 7
 
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptxAula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
 
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptxAula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
Aula 02 - Crimes ambientais - Defensoria.pptx
 
Administrativo2
Administrativo2Administrativo2
Administrativo2
 
52101561 lei-de-improbidade-administrativa-teoria-e-questoes
52101561 lei-de-improbidade-administrativa-teoria-e-questoes52101561 lei-de-improbidade-administrativa-teoria-e-questoes
52101561 lei-de-improbidade-administrativa-teoria-e-questoes
 
Teoria do risco
Teoria do riscoTeoria do risco
Teoria do risco
 
Noções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Noções Introdutórias de Responsabilidade CivilNoções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Noções Introdutórias de Responsabilidade Civil
 

Mais de Esdras Arthur Lopes Pessoa

Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação po...
Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação   po...Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação   po...
Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação po...
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Con jur tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
Con jur   tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliadorCon jur   tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
Con jur tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
REVISÃO CIVIL AV2
REVISÃO CIVIL AV2REVISÃO CIVIL AV2
REVISÃO CIVIL AV2
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
SOCIDIVAPLU - A REVANCHE
SOCIDIVAPLU - A REVANCHESOCIDIVAPLU - A REVANCHE
SOCIDIVAPLU - A REVANCHE
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Caderno de questσes oab tributário
Caderno de questσes oab tributárioCaderno de questσes oab tributário
Caderno de questσes oab tributário
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Caderno de questσes oab trabalho
Caderno de questσes oab trabalhoCaderno de questσes oab trabalho
Caderno de questσes oab trabalho
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Caderno de questσes oab processo penal
Caderno de questσes oab processo penalCaderno de questσes oab processo penal
Caderno de questσes oab processo penal
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Caderno de questσes oab civil
Caderno de questσes oab civilCaderno de questσes oab civil
Caderno de questσes oab civil
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Atos administrativos
Atos administrativosAtos administrativos
Atos administrativos
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Atividade estruturada Universidade Estácio de Sá
Atividade estruturada Universidade Estácio de SáAtividade estruturada Universidade Estácio de Sá
Atividade estruturada Universidade Estácio de Sá
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Adm simulado i ii e iii
Adm simulado i ii e iiiAdm simulado i ii e iii
Adm simulado i ii e iii
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
20 fichas de Direito Administrativo
20 fichas  de Direito  Administrativo20 fichas  de Direito  Administrativo
20 fichas de Direito Administrativo
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Aula 12 prisões
Aula 12   prisõesAula 12   prisões
Aula 12 prisões
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Aula 12 parte ii - prisões
Aula 12   parte ii - prisõesAula 12   parte ii - prisões
Aula 12 parte ii - prisões
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Aula 11 parte 1 - prisões
Aula 11   parte 1 - prisõesAula 11   parte 1 - prisões
Aula 11 parte 1 - prisões
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Apelação aula 12- 2015 enunciado e peça
Apelação   aula 12- 2015  enunciado e peçaApelação   aula 12- 2015  enunciado e peça
Apelação aula 12- 2015 enunciado e peça
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
200 dicas de processo penal oab Flávio Martins
200 dicas de processo penal oab   Flávio Martins200 dicas de processo penal oab   Flávio Martins
200 dicas de processo penal oab Flávio Martins
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 

Mais de Esdras Arthur Lopes Pessoa (20)

Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação po...
Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação   po...Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação   po...
Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação po...
 
Con jur tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
Con jur   tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliadorCon jur   tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
Con jur tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
 
REVISÃO CIVIL AV2
REVISÃO CIVIL AV2REVISÃO CIVIL AV2
REVISÃO CIVIL AV2
 
SOCIDIVAPLU - A REVANCHE
SOCIDIVAPLU - A REVANCHESOCIDIVAPLU - A REVANCHE
SOCIDIVAPLU - A REVANCHE
 
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
 
Caderno de questσes oab tributário
Caderno de questσes oab tributárioCaderno de questσes oab tributário
Caderno de questσes oab tributário
 
Caderno de questσes oab trabalho
Caderno de questσes oab trabalhoCaderno de questσes oab trabalho
Caderno de questσes oab trabalho
 
Caderno de questσes oab processo penal
Caderno de questσes oab processo penalCaderno de questσes oab processo penal
Caderno de questσes oab processo penal
 
Caderno de questσes oab civil
Caderno de questσes oab civilCaderno de questσes oab civil
Caderno de questσes oab civil
 
Atos administrativos
Atos administrativosAtos administrativos
Atos administrativos
 
Atividade estruturada Universidade Estácio de Sá
Atividade estruturada Universidade Estácio de SáAtividade estruturada Universidade Estácio de Sá
Atividade estruturada Universidade Estácio de Sá
 
Adm simulado i ii e iii
Adm simulado i ii e iiiAdm simulado i ii e iii
Adm simulado i ii e iii
 
20 fichas de Direito Administrativo
20 fichas  de Direito  Administrativo20 fichas  de Direito  Administrativo
20 fichas de Direito Administrativo
 
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
 
Aula 12 prisões
Aula 12   prisõesAula 12   prisões
Aula 12 prisões
 
Aula 12 parte ii - prisões
Aula 12   parte ii - prisõesAula 12   parte ii - prisões
Aula 12 parte ii - prisões
 
Aula 11 parte 1 - prisões
Aula 11   parte 1 - prisõesAula 11   parte 1 - prisões
Aula 11 parte 1 - prisões
 
Apelação aula 12- 2015 enunciado e peça
Apelação   aula 12- 2015  enunciado e peçaApelação   aula 12- 2015  enunciado e peça
Apelação aula 12- 2015 enunciado e peça
 
200 dicas de processo penal oab Flávio Martins
200 dicas de processo penal oab   Flávio Martins200 dicas de processo penal oab   Flávio Martins
200 dicas de processo penal oab Flávio Martins
 
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
 

DIREITO ADMINISTRATIVO II PARA AV1

  • 1. Blog Direito está acessível – Esdras Arthur CURSO DE DIREITO Semestre Letivo: 2016.2 LISTA DE EXERCÍCIOS PARAAV1 2016.2 FAVOR CONFERIR COM O SEU APRENDIZADO EM SALA DA AULA OU COM O SEU PROFESSOR. 1) Defina a responsabilidade extracontratual do estado? R) A responsabilidade civil, também dita como extracontratual do Estado, tem como pressuposto o dano e se exaure com a indenização, conforme o art.186 e 187 cc 927 todos do CC02. Também está expresso na CF88 art.37 § 6º, que impõe ao poder público a obrigação de indenizar a terceiros em decorrência de danos causados por seus agentes, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa, se deve dizer que sem danos inexiste a responsabilidade civil. 2) Como se tratava a responsabilidade estatal no estado absolutista? R) Irresponsabilidade do Estado (The King can do not wrong). A teoria da irresponsabilidade foi adotada na época dos Estados absolutistas e repousava fundamentalmente na ideia de soberania. O Estado dispõe de autoridade incontestável perante o súdito; ele exerce a tutela do direito, não podendo, por isso agir contra ele. R) Nos Estados absolutistas, negava-se a obrigação da administração pública de indenizar os prejuízos causados por seus agentes aos administrados, com fundamento no entendimento de que o Estado não podia causar males ou danos a quem quer que fosse (the king can do no wrong). 3) A partir da teoria civilista da culpa como se caracterizam os atos de império e de gestão? R) Essas teorias surgiram no século XIX e adotavam princípios de direito civil. Numa primeira fase, distingue atos de império (sem responsabilidade) de atos de gestão (com responsabilidade). Depois, aparece a teoria da culpa civil ou responsabilidade subjetiva (presença de ação funcional com dolo ou culpa). Sendo assim aos atos de Império são aqueles atos em que a administração pública usa de sua supremacia perante ao particular, que o coloca em uma condição de desigualdade perante o particular. Já os atos de gestão, são aqueles atos praticado pela administração pública que está em igualdade com o particular, respondendo o Estado subjetivamente pelos seus atos.
  • 2. Blog Direito está acessível – Esdras Arthur 4) Discorra sobre a evolução da teoria da culpa Administrativa ou do serviço ou do acidente administrativo a partir do caso Blanco. R) O Princípio da Responsabilidade do Estado: Passou a ter aplicação a partir de meados do século XIX, atribuía ao Estado a responsabilidade pelos danos causados a terceiros por atos de seus funcionários determinando que a sua responsabilidade não devesse diferir daquela imposta às pessoas jurídicas de direito privado. O tema da Responsabilidade Civil do Estado somente veio a ser conhecido na doutrina há pouco mais de um século quando pelos tribunais franceses foi julgado o Caso Blanco. O Caso Blanco dava conta de que em 1873 a menina Agnès Blanco foi atropelada por uma vagonete da Companhia Nacional de Manufatura de Tabaco, de exploração do Estado, em Bordeaux, na França. O pai da menina acionou a justiça, com um pedido de indenização, alegando a responsabilidade civil do Estado por prejuízos causados a terceiros, em face das atividades de seus agentes. O pedido chegou ao Conselho de Estado Francês, que decidiu pela responsabilização do Estado pela reparação dos danos causados à menina atropelada. Para Gustavo Justino de Oliveira, ao decidir pela competência do Conselho de Estado da França, o Conselheiro Davi, do Tribunal de Conflitos6 impulsionou a primeira teoria pública da responsabilidade do Estado, distanciando-se dos fundamentos civilistas que vigoravam a época. 5)Diferencie o risco administrativo do risco integral. Teoria do risco administrativo , é aquela que admitida no Brasil, onde exige-se que a vitima comprove tão somente : a) a existência do fato administrativo b) a existência do dano e c) o nexo causal entre o fato adminstrativo e o dano Teoria do risco integral : é aquela teoria que não admite as causas excludentes da responsabilidade do Estado , ou seja , independe da existência de culpa ou mesmo de dolo do lesado .ex art 21, XXIII ,C CF88. 6) Diferencie a responsabilidade objetiva da subjetiva. Responsabilidade objetiva : É a responsabilidade atribuída ao estado , onde abrange tantos as pessoas jurídicas de direito público , privado e as prestadoras de serviços públicos , sendo assim é uma responsabilidade sem culpa , bastando apenas provar o fato , nexo causal e o dano . Responsabilidade subjetiva : É uma responsabilidade civil ordinária ou seja aquelas que foram
  • 3. Blog Direito está acessível – Esdras Arthur causadas pelos seus agentes públicos é com culpa , então terá que provar o fato , nexo causal , dano e a culpa . 7)Somente as pessoas jurídicas de direito público responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros? R) Não , por se tratar de uma responsabilidade objetiva responderão ,tanto as pessoas jurídicas de direito público m, priva e as prestadoras de serviços públicos. R) Não , pois é a responsabilidade atribuída ao estado , onde abrange tantos as pessoas jurídicas de direito público , privado e as prestadoras de serviços públicos , sendo assim é uma responsabilidade sem culpa , bastando apenas provar o fato , nexo causal e o dano . 8) Como se dá o direito de regresso? R) De acordo com o art. 37, § 6º CF/88, O direito de regresso dar-se –a em decorrência da responsabilidade subjetiva do agente publico (agindo com culpa ou dolo), sendo assegurado ao poder público, o direito de regresso no sentido de dirigir sua pretensão indenizatória contra o agente responsável pelo dano, desde que tenha agido com culpa ou dolo ou seja o estado paga o prejuízo e depois cobra do agente, se ele estiver contido na regra acima. 9) Quais os fundamentos da intervenção estatal na propriedade privada? R) A intervenção do Estado na propriedade corresponde a toda atividade Estatal que, compulsoriamente, retira ou restringe direitos dominiais dos particulares, ( poder de polícia e a supremacia do interesse público ) a CF/ 88 da fundamentação, suporte na intervenção do estado na propriedade, de um lado assegurando o direito de propriedade e do outro lado condiciona a função social da propriedade. Os fundamentos estão elencados nos art. 5º XXII – É garantido o direito de defesa, XXIII- A propriedade atenderá a função social. 10) Em que consiste o parcelamento compulsório? R) O parcelamento compulsório é aquele obrigatório, isto é, é a urbanização imposta pela Administração Pública ao proprietário do imóvel urbano que não cumpre sua função social. 11) Em que consiste a edificação e a utilização compulsória? R) Edificação e Utilização Compulsória não possuem leis específicas que os regule, mas estão previstas no Estatuto da Cidade. Acerca do tema, Meirelles citado por Gasparini[3] nos ensina: “[...] Edificar significa construir para fins residenciais, industriais, religiosos, ensino ou recreação. Edificação é a operação de edificar, dotando o solo urbano de uma construção residencial,
  • 4. Blog Direito está acessível – Esdras Arthur industrial, religiosa, cultural ou de lazer. Utilização é o aproveitamento adequado e útil do solo urbano, de forma que a propriedade cumpra sua função social. Não edificado é o imóvel urbano destituído de qualquer benfeitoria edilícia, ou seja, de construção destinada à habitação, trabalho, culto, ensino ou recreação.” Tais urbanizações serão obrigatórias, tendo o Poder Público Municipal, o poder de exigi-las, estando amparado pelo parágrafo quarto do artigo 182 da Constituição Federal. 12) Em que consiste o IPTU progressivo? R) Tal instrumento incidirá sobre a propriedade urbana, já submetida ao regime de parcelamento, edificação ou utilização compulsório, mas que mesmo assim não cumpra com as condições e prazos estabelecidos para estas urbanizações. A progressividade está relacionada à demora no cumprimento da obrigação de urbanizar. Isto é. A majoração do imposto será proporcional ao tempo gasto para dar função social à propriedade imóvel. A finalidade da progressividade da alíquota reside em compelir o proprietário a dar a destinação adequada a seu imóvel, como forma a atender o princípio da função social da propriedade urbana e a função social das cidades. Isto é, a majoração do imposto será proporcional ao tempo gasto para dar função social à propriedade imóvel. “[...] Como ensina de forma clara e precisa Elizabeth Nazar Carrazza, a “progressividade no tempo do IPTU é um mecanismo que a Constituição colocou à disposição dos Municípios, para que imponham aos munícipes a observância das regras urbanísticas, contidas nas leis locais. Tem caráter nitidamente sancionatório”. Deixa claro a jurista paulista que o caráter sancionatório da progressividade no tempo, ora em exame, não decorre da incidência do IPTU sobre um ato ilícito. O IPTU, mesmo nesse caso, incide sobre o fato lícito de uma pessoa ser proprietária de um imóvel urbano. A sanção advém, sim, do mau uso (de acordo com a lei local) que esta pessoa faz de sua propriedade urbana[4].” No entanto, se passados cinco anos de cobrança de IPTU progressivo sem que as obrigações tenham sido cumpridas pelo proprietário do imóvel, o Município poderá manter a cobrança de alíquota máxima de 15%, até que a obrigação seja cumprida ou que o imóvel seja desapropriado. 13) Decorridos cinco anos de cobrança do IPTU progressivo sem que o proprietário tenha cumprido a obrigação de parcelamento, edificação ou utilização, o Município poderá proceder de que maneira? R) Será procedida pelo instituto da desapropriação que é um mecanismo extremamente útil na busca da efetivação do princípio da função social da propriedade. Ela passou a ser utilizada como elemento de controle, de ação política, econômica e social. No tocante ao cumprimento da função
  • 5. Blog Direito está acessível – Esdras Arthur social da propriedade, interessa-nos a desapropriação com fulcro no interesse social. Existem três fundamentos constitucionais para a desapropriação por interesse social: o primeiro é o artigo 5º, XXIV, que é o poder geral de desapropriar, disciplinado pela Lei n.º 4.132/62. O segundo está no artigo 182, que trata da propriedade urbana descumpridora dos requisitos da função social, previstos no Plano Diretor. Por fim, o terceiro reside no artigo 184, que dispõe acerca da desapropriação para fins de reforma agrária, que recai sobre a propriedade rural. Também pode ser percebida a índole punitiva, visto que o pagamento da indenização é por intermédio de títulos da dívida agrária, resgatáveis em até vinte anos. O artigo 182, parágrafo 4º da Constituição Federal, faculta ao Poder Público municipal, mediante lei específica para área incluída no plano diretor, exigir, nos termos da lei federal, do proprietário do solo urbano não edificado, subutilizado ou não utilizado, que promova seu adequado aproveitamento, sob pena de parcelamento ou edificação compulsórios; IPTU progressivo no tempo e desapropriação. Estes instrumentos de política urbana, também possuem o objetivo de desestimular a especulação imobiliária, uma prática de comércio imobiliário que se tornou freqüente nos dias atuais. Decorridos cinco anos de cobrança do IPTU progressivo sem que o proprietário tenha cumprido a obrigação de parcelamento, edificação ou utilização, o Município poderá proceder à desapropriação do imóvel, com pagamento em títulos da dívida pública. § 1º Os títulos da dívida pública terão prévia aprovação pelo Senado e serão resgatados no prazo de até dez anos, em prestações anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor real da indenização e os juros legais de seis por cento ao ano. ” Acreditamos que esse dispositivo estabelece duas sanções: a expropriação do bem e o recebimento da indenização através de títulos públicos, quando, em qualquer outra modalidade de desapropriação a indenização deve ser prévia, justa e em dinheiro. 14) Em que consiste o tombamento? R) O tombamento é a medida que visa á preservação de bens de valor histórico, paisagístico, artístico e arqueológico, paleontológico, ecológico e cientifico (art.216, § 1º CF/88. Portanto o tombamento não retira do particular a propriedade do bem, limita, tão –somente, o seu uso (impedindo de demolir, pintar e alterar a fachada). 15) Caso a propriedade a partir do tombamento passe a ter uma restrição total qual seria a consequência? R) Nesse caso, seria uma desapropriação, visto que o ente federado passaria a ter total domínio do
  • 6. Blog Direito está acessível – Esdras Arthur bem tombado, sendo assim, há a retirada compulsória da propriedade do particular, por necessidade pública, utilidade pública ou interesse social, mediante justa indenização. 16) No tombamento há o direito de indenização? R) Não, no Tombamento próprio não há indenização, visto que o particular detém a propriedade do imóvel com algumas restrições de fazer. 17) O tombamento atinge apenas bens imóveis? R) Não, o tombamento atinge bens móveis (quadros, livros, maquinas, ferramentas, vestes etc) e imóveis, (casas, ruas, rios, jardins etc.) 18) O tombamento apenas pode ser definitivo? R) Não, em regra é, mas há exceção pois ele também pode ser provisório, de oficio, voluntario, geral e individual. 19) Diferencie o tombamento individual do geral. R) A diferença será: Individual, Um imóvel, um quadro. Geral: uma rua, um prédio, bairro, cidade , 20) No tocante às modalidades, o tombamento pode ser constituído de três diferentes formas, de Ofício, Voluntário e Compulsória. Discorra sobre cada uma delas. R) Tombamento de oficio: Será aquele tombamento de um bem público onde um ente público tomba o bem de outro ente público. Tombamento de voluntário: No tombamento voluntário, o proprietário do bem a ser tombado se dirige ao órgão competente e provoca o tombamento de sua livre e espontânea vontade, ou, quando notificado do tombamento, concorda sem se opor ao ato Tombamento compulsório : O órgão competente é quem dá início ao processo de tombamento, notificando o proprietário que, inconformado, procura opor-se ao tombamento. 21) Caso não haja a transcrição do tombamento no registro do imóvel qual será a consequência? R) O prejuízo maior será o da administração pública que não poderá exercer o seu direito de preferência. 22) Como se dá o cancelamento do tombamento? R) O cancelamento se dará atendendo interesse público, poderá ser de oficio ou em grau de recurso dirigido ao Presidente da República mediante provocação interposto por qualquer
  • 7. Blog Direito está acessível – Esdras Arthur legitimo interessado, para que seja cancelado o tombamento de bens pertencentes aos entes federados . 23) Os bens públicos podem ser tombados? Em caso afirmativo será tal procedimento análogo ao da desapropriação de tais bens? R) A possibilidade de se tombar bens públicos está prevista no art. 5°, do Decreto-lei 25/1937 (Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional.): “Art. 5º O tombamento dos bens pertencentes à União, aos Estados e aos Municípiosse fará de ofício, por ordem do diretor do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, mas deverá ser notificado à entidade a quem pertencer, ou sob cuja guarda estiver a coisa tombada, afim de produzir os necessários efeitos.” (g.n.) Ademais, o artigo 23, III, da CR/88, inclui o tombamento como instituto cuja promoção pode ser efetivada por todos os entes federados (competência comum). Nesse caso sera análogo a desapropriação sendo que será da seguinte forma , U-E-DF-M. 24) A forma de intervenção do Estado na propriedade privada que se caracteriza pela utilização temporária, gratuita ou remunerada, de imóvel de propriedade particular, com a finalidade de atender ao interesse público? R) É a ocupação temporária; 25) A requisição administrativa recai apenas sobre bens imóveis? Exemplifique. R) Não, recai tanto no bem móvel (apropriação de um carro de particular para prestar socorro ou perseguir bandido) e bem imóveis, (adentrar em uma casa para investigação de ilícitos em suas vizinhanças, requisição para montar campana policial etc), e em serviços também , pois tudo é em prol do atendimento de necessidades urgentes e transitória da coletividade, decorrentes de perigo público e iminente. 26) Em que consiste a limitação administrativa? R) A limitação administrativa decorre da imposição de caráter geral da administração pública, que estabelecem a proprietários determinadas obrigações condicionadoras do uso do bem, visando a satisfação do interesse público prevalente. 27) Em que consiste a servidão administrativa? R) A servidão administrativa, é o ônus real público imposto pela Administração Pública á propriedade particular, para assegurar a execução de obras e de serviços de interesse coletivo, mediante indenização dos prejuízos efetivamente suportados pelo proprietário. 28) Qual a modalidade de intervenção do Estado sobre a propriedade privada consistente na
  • 8. Blog Direito está acessível – Esdras Arthur proibição de construir além de determinado número de pavimentos? R) A modalidade é a limitação administrativa decorre da imposição de caráter geral da administração pública, que estabelecem a proprietários determinadas obrigações condicionadoras do uso do bem, visando a satisfação do interesse público prevalente.