SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
	
  
	
  
	
  
RECURSOS	
  NO	
  PROCESSO	
  PENAL	
  
	
  
DICA	
  1	
  –	
  Em	
  regra,	
  a	
  APELAÇÃO	
  é	
  um	
  recurso	
  que	
  deve	
  ser	
  interposto	
  em	
  5	
  dias	
  
(art.	
  593,	
  CPP)	
  e	
  8	
  dias	
  para	
  oferecer	
  as	
  razões.	
  	
  
	
  
DICA	
  2	
  –	
  CUIDADO:	
  a	
  APELAÇÃO	
  nos	
  juizados	
  especiais	
  criminais	
  tem	
  o	
  prazo	
  de	
  
10	
  dias	
  (para	
  interposição	
  e	
  razões)	
  
	
  
DICA	
  3	
  –	
  Não	
  havendo	
  apelação	
  do	
  MP	
  no	
  prazo	
  legal,	
  o	
  ofendido,	
  ainda	
  que	
  não	
  
habilitado,	
  pode	
  interpor	
  APELAÇÃO	
  em	
  15	
  dias.	
  	
  
	
  
DICA	
   4	
   –	
   Cabe	
   APELAÇÃO	
   no	
   processo	
   penal	
   contra	
   sentença	
   condenatória	
   e	
  
sentença	
  absolutória	
  (própria	
  ou	
  imprópria).	
  	
  
	
  
DICA	
  5	
  –	
  ABSOLVIÇÃO	
  IMPRÓPRIA	
  é	
  aquela	
  que	
  absolve,	
  mas	
  impõe	
  medida	
  de	
  
segurança	
  (cabe	
  apelação).	
  	
  
	
  
DICA	
  6	
  –	
  Cabe	
  APELAÇÃO,	
  na	
  2a	
  fase	
  do	
  rito	
  do	
  JÚRI	
  quando	
  ocorrer	
  nulidade	
  
posterior	
  à	
  pronúncia	
  (art.	
  593,	
  III,	
  a,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  7	
  –	
  Cabe	
  APELAÇÃO,	
  na	
  2a	
  fase	
  do	
  rito	
  do	
  JÚRI	
  quando	
  a	
  sentença	
  do	
  juiz	
  
for	
  contrária	
  à	
  lei	
  ou	
  à	
  decisão	
  dos	
  jurados	
  (art.	
  593,	
  III,	
  b,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
   8	
   –	
   Cabe	
   APELAÇÃO,	
   na	
   2a	
   fase	
   do	
   rito	
   do	
   JÚRI	
   quando	
   houver	
   erro	
   ou	
  
injustiça	
  no	
  tocante	
  à	
  pena	
  ou	
  a	
  medida	
  de	
  segurança	
  (art.	
  593,	
  III,	
  c,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
   9	
   –	
   Cabe	
   APELAÇÃO,	
   na	
   2a	
   fase	
   do	
   rito	
   do	
   JÚRI	
   quando	
   a	
   decisão	
   dos	
  
jurados	
  for	
  manifestamente	
  contrária	
  à	
  prova	
  dos	
  autos	
  (art.	
  593,	
  III,	
  d,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  10	
  –	
  Cabe	
  APELAÇÃO,	
  na	
  1a	
  fase	
  do	
  rito	
  do	
  JÚRI	
  contra	
  IMPRONÚNCIA	
  e	
  
ABSOLVIÇÃO	
  SUMÁRIA	
  (art.	
  416,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  11	
  –	
  O	
  Recurso	
  em	
  Sentido	
  Estrito	
  (RSE)	
  tem	
  o	
  prazo	
  de	
  5	
  dias,	
  com	
  mais	
  2	
  
dias	
  para	
  oferecer	
  as	
  razões	
  
	
  
200	
  DICAS	
  DE	
  PROC.	
  PENAL	
  
PARA	
  O	
  EXAME	
  DA	
  OAB	
  
	
  
PROF.	
  FLÁVIO	
  MARTINS	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
DICA	
   12	
   –	
   Cabe	
   Recurso	
   em	
   Sentido	
   Estrito	
   contra	
   decisão	
   que	
   não	
   recebe	
   a	
  
denúncia	
  ou	
  queixa	
  
	
  
DICA	
  13	
  –	
  Cabe	
  Recurso	
  em	
  Sentido	
  Estrito	
  contra	
  pronúncia	
  e	
  desclassificação	
  
na	
  1a	
  fase	
  do	
  Júri	
  
	
  
DICA	
   14	
   –	
   Cabe	
   Recurso	
   em	
   Sentido	
   Estrito	
   contra	
   decisão	
   que	
   julgar	
  
procedentes	
  as	
  exceções,	
  salvo	
  a	
  de	
  suspeição	
  
	
  
DICA	
   15	
   –	
   Cabe	
   Recurso	
   em	
   Sentido	
   Estrito	
   contra	
   decisão	
   que	
   decretar	
   a	
  
extinção	
  da	
  punibilidade	
  (prescrição,	
  por	
  exemplo)	
  
	
  
DICA	
  16	
  –	
  Caber	
  Recurso	
  em	
  Sentido	
  Estrito	
  contra	
  decisão	
  do	
  juiz	
  que	
  concede	
  
ou	
  nega	
  ordem	
  de	
  habeas	
  corpus	
  
	
  
DICA	
  17	
  –	
  Cabe	
  Recurso	
  em	
  Sentido	
  Estrito	
  contra	
  decisão	
  que	
  anular	
  o	
  processo	
  
no	
  todo	
  ou	
  em	
  parte	
  
	
  
DICA	
   18	
   –	
   Cabe	
   Recurso	
   em	
   Sentido	
   Estrito	
   contra	
   decisão	
   que	
   denegar	
   a	
  
apelação	
  ou	
  a	
  julgar	
  deserta	
  
	
  
DICA	
   19	
   –	
   Cabe	
   Recurso	
   em	
   Sentido	
   Estrito	
   contra	
   decisão	
   que	
   ordenar	
   a	
  
suspensão	
  do	
  processo,	
  por	
  questão	
  prejudicial	
  
	
  
DICA	
   20	
   –	
   o	
   Recurso	
   em	
   Sentido	
   Estrito	
   admite	
   o	
   juízo	
   de	
   retratação	
   (efeito	
  
regressivo	
  ou	
  iterativo)	
  
	
  
DICA	
  21	
  –	
  Cabe	
  AGRAVO	
  EM	
  EXECUÇÃO	
  (art.	
  197,	
  LEP)	
  contra	
  decisão	
  proferida	
  
na	
  fase	
  de	
  execução	
  da	
  pena	
  
	
  
DICA	
   22	
   –	
   Cabe	
   AGRAVO	
   EM	
   EXECUÇÃO	
   contra	
   decisão	
   que	
   concede	
   ou	
   nega	
  
livramento	
  condicional	
  
	
  
DICA	
   23	
   –	
   Cabe	
   AGRAVO	
   EM	
   EXECUÇÃO	
   contra	
   decisão	
   que	
   concede	
   ou	
   nega	
  
progressão	
  de	
  regimes	
  
	
  
DICA	
  24	
  –	
  O	
  AGRAVO	
  EM	
  EXECUÇÃO	
  tem	
  o	
  prazo	
  de	
  5	
  dias	
  
	
  
DICA	
   25	
   –	
   O	
   AGRAVO	
   EM	
   EXECUÇÃO	
   admite	
   juízo	
   de	
   retratação	
   (efeito	
  
regressivo	
  ou	
  iterativo).	
  	
  
	
  
DICA	
   26	
   –	
   Os	
   EMBARGOS	
   DE	
   DECLARAÇÃO	
   são	
   opostos	
   em	
   2	
   dias	
   (5	
   dias	
   no	
  
JECRIM).	
  	
  
	
  
DICA	
   27	
   –	
   cabe	
   EMBARGOS	
   DE	
   DECLARAÇÃO	
   quando	
   houver	
   contradição,	
  
omissão,	
  ambiguidade	
  e	
  obscuridade	
  
	
  
DICA	
  28	
  –	
  quando	
  opostos	
  os	
  EMBARGOS	
  DE	
  DECLARAÇÃO	
  ocorre	
  a	
  interrupção	
  
do	
  prazo	
  dos	
  demais	
  recursos.	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
DICA	
   29	
   –	
   cuidado:	
   no	
   JECRIM,	
   a	
   oposição	
   dos	
   EMBARGOS	
   DE	
   DECLARAÇÃO	
  
suspende	
  o	
  prazo	
  dos	
  demais	
  recursos	
  
	
  
DICA	
  30	
  –	
  os	
  EMBARGOS	
  INFRINGENTES	
  são	
  o	
  único	
  recurso	
  exclusivo	
  da	
  defesa	
  
	
  
DICA	
   31	
   –	
   cabem	
   EMBARGOS	
   INFRINGENTES	
   contra	
   acórdão	
   não	
   unânime	
   de	
  
APELAÇÃO,	
  RESE	
  	
  e	
  AGRAVO	
  EM	
  EXECUÇÃO.	
  	
  
	
  
DICA	
  32	
  –	
  os	
  EMBARGOS	
  INFRINGENTES	
  são	
  opostos	
  em	
  10	
  dias	
  
	
  
DICA	
  33	
  –	
  nos	
  EMBARGOS	
  INFRINGENTES	
  somente	
  pode	
  ser	
  pedido	
  o	
  que	
  foi	
  
concedido	
  no	
  voto	
  vencido	
  
	
  
DICA	
  34	
  –	
  A	
  CARTA	
  TESTEMUNHÁVEL	
  tem	
  o	
  prazo	
  de	
  48	
  horas	
  
	
  
DICA	
  35	
  –	
  A	
  CARTA	
  TESTEMUNHÁVEL	
  admite	
  juízo	
  de	
  retratação	
  
	
  
DICA	
  36	
  –	
  A	
  CARTA	
  TESTEMUHÁVEL	
  deve	
  ser	
  interposta	
  ao	
  escrivão	
  chefe	
  do	
  
cartório	
  
	
  
DICA	
  37	
  –	
  cabe	
  CARTA	
  TESTEMUNHÁVEL	
  contra	
  decisão	
  que	
  nega	
  seguimento	
  
ao	
  RESE	
  e	
  ao	
  AGRAVO	
  EM	
  EXECUÇÃO	
  
	
  
DICA	
  38	
  –	
  o	
  RECURSO	
  ORDINÁRIO	
  CONSTITUCIONAL	
  (para	
  o	
  STF	
  ou	
  STJ)	
  tem	
  o	
  
prazo	
  de	
  5	
  dias.	
  
	
  
DICA	
  39	
  –	
  cabe	
  ROC	
  para	
  o	
  STF	
  contra	
  decisão	
  que	
  julga	
  crime	
  político	
  e	
  contra	
  
decisão	
  que	
  nega	
  HC	
  nos	
  Tribunais	
  Superiores	
  
	
  
DICA	
  40	
  –	
  cabe	
  ROC	
  para	
  o	
  STJ	
  contra	
  decisão	
  que	
  nega	
  HC	
  no	
  TJ	
  e	
  no	
  TRF	
  
	
  
COMPETÊNCIA	
  
	
  
DICA	
   41	
   –	
   JUSTIÇA	
   FEDERAL	
   é	
   competente	
   para	
   julgar	
   crime	
   contra	
   a	
   UNIÃO	
  
(Administração	
  direta	
  ou	
  indireta)	
  
	
  
DICA	
   42	
   –	
   JUSTIÇA	
   FEDERAL	
   julga	
   crime	
   contra	
   autarquia	
   federal,	
   empresa	
  
publica	
  federal,	
  mas	
  não	
  sociedade	
  de	
  economia	
  mista	
  
	
  
DICA	
   43	
   –	
   JUSTIÇA	
   FEDERAL	
   julga	
   crime	
   praticado	
   por	
   ou	
   contra	
   funcionário	
  
público	
  federal,	
  no	
  exercício	
  da	
  função	
  
	
  
DICA	
   44	
   –	
   JUSTIÇA	
   FEDERAL	
   julga	
   crime	
   político,	
   crime	
   a	
   bordo	
   de	
   navio	
   ou	
  
avião	
  e	
  contra	
  o	
  sistema	
  financeiro	
  
	
  
DICA	
   45	
   –	
   JUSTIÇA	
   FEDERAL	
   julga	
   crime	
   contra	
   a	
   organização	
   do	
   trabalho	
   e	
  
contra	
  direitos	
  indígenas	
  
	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
DICA	
  46	
  –	
  Crime	
  praticado	
  pelo	
  PREFEITO	
  é	
  julgado	
  pelo	
  TJ	
  ou	
  pelo	
  TRF	
  (se	
  for	
  
crime	
  federal)	
  
	
  
DICA	
   47	
   –	
   Crime	
   praticado	
   pelo	
   GOVERNADOR	
   é	
   julgado	
   pelo	
   STJ	
   (não	
  
importando	
  se	
  é	
  crime	
  federal	
  ou	
  estadual)	
  
	
  
DICA	
  48	
  –	
  Crime	
  comum	
  praticado	
  pelo	
  PRESIDENTE	
  é	
  julgado	
  pelo	
  STF	
  
	
  
DICA	
  49	
  –	
  Crime	
  praticado	
  por	
  DEPUTADO	
  FEDERAL	
  ou	
  SENADOR	
  é	
  julgado	
  pelo	
  
STF	
  
	
  
DICA	
  50	
  –	
  Crime	
  praticado	
  por	
  JUIZ	
  ESTADUAL	
  ou	
  membro	
  do	
  MP	
  ESTADUAL	
  é	
  
julgado	
  pelo	
  TJ	
  do	
  Estado	
  da	
  autoridade	
  
	
  
DICA	
  51	
  –	
  Se	
  JUIZ	
  DE	
  MINAS	
  GERAIS	
  pratica	
  crime	
  em	
  SÃO	
  PAULO,	
  será	
  julgado	
  
pelo	
  TJ	
  DE	
  MINAS	
  GERAIS.	
  	
  
	
  
DICA	
  52	
  –	
  A	
  competência	
  por	
  prerrogativa	
  de	
  função	
  se	
  estende	
  aos	
  corréus	
  sem	
  
essa	
  prerrogativa	
  (ex:	
  mensalão)	
  
	
  
DICA	
  53	
  –	
  Em	
  regra,	
  terminado	
  o	
  mandato,	
  o	
  processo	
  descerá	
  para	
  a	
  comarca	
  
onde	
  o	
  crime	
  aconteceu.	
  	
  
	
  
DICA	
   54	
   –	
   A	
   competência	
   por	
   prerrogativa	
   de	
   função	
   é	
   constitucional,	
   não	
  
ferindo	
   o	
   princípio	
   da	
   igualdade,	
   por	
   não	
   ser	
   um	
   privilégio,	
   mas	
   uma	
  
prerrogativa.	
  
	
  
DICA	
  55	
  –	
  A	
  competência	
  por	
  prerrogativa	
  de	
  função	
  prevalece	
  sobre	
  o	
  júri,	
  se	
  
estiver	
  na	
  Constituição	
  Federal.	
  	
  
	
  
DICA	
   56	
   –	
   Se	
   o	
   PREFEITO,	
   JUIZ	
   ou	
   PROMOTOR	
   mata,	
   quem	
   julga	
   é	
   o	
   TJ.	
   Se	
   o	
  
GOVERNADOR	
  mata,	
  quem	
  julga	
  é	
  o	
  STJ.	
  	
  
	
  
DICA	
   57	
   –	
   Se	
   o	
   DEPUTADO	
   FEDERAL,	
   SENADOR	
   ou	
   PRESIDENTE	
   mata,	
   quem	
  
julga	
  é	
  o	
  STF.	
  	
  
	
  
DICA	
  58	
  –	
  Em	
  regra,	
  a	
  competência	
  territorial	
  é	
  definida	
  pelo	
  lugar	
  onde	
  o	
  crime	
  
se	
  consumou	
  (art.	
  70,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
   59	
   –	
   Em	
   se	
   tratando	
   de	
   tentativa,	
   a	
   competência	
   é	
   fixada	
   pelo	
   lugar	
   do	
  
último	
  ato	
  de	
  execução	
  
	
  
Dica	
  60	
  –	
  No	
  crime	
  de	
  ação	
  privada,	
  a	
  vítima	
  tem	
  2	
  opções:	
  lugar	
  do	
  resultado	
  ou	
  
domicílio	
  do	
  acusado.	
  	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
PROVAS	
  
	
  
DICA	
  61	
  –	
  O	
  CPP	
  (art.	
  155)	
  adota	
  o	
  sistema	
  da	
  livre	
  apreciação	
  da	
  prova	
  (o	
  juiz	
  
atribui	
  livremente	
  valor	
  às	
  provas)	
  
	
  
DICA	
  62	
  –	
  Provas	
  ilícitas	
  são	
  as	
  obtidas	
  com	
  violação	
  a	
  normas	
  constitucionais	
  ou	
  
legais	
  (art.	
  157,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  63	
  –	
  Segundo	
  a	
  CF	
  (art.	
  5o,	
  LVI)	
  são	
  inadmissíveis	
  no	
  processo	
  as	
  provas	
  
obtidas	
  por	
  meios	
  ilícitos	
  
	
  
DICA	
  64	
  –	
  Se	
  a	
  prova	
  ilícita	
  ingressar	
  no	
  processo,	
  deverá	
  ser	
  desentranhada	
  e	
  
inutilizada	
  por	
  decisão	
  judicial	
  (157,	
  §	
  3o,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
   65	
   –	
   A	
   inadmissibilidade	
   das	
   provas	
   ilícitas	
   não	
   é	
   absoluta	
   (admite-­‐se	
   a	
  
prova	
  ilícita	
  em	
  favor	
  do	
  réu)	
  
	
  
DICA	
  66	
  –	
  ilicitude	
  por	
  derivação	
  (frutos	
  da	
  árvore	
  envenenada):	
  tudo	
  que	
  deriva	
  
de	
  uma	
  prova	
  ilícita	
  também	
  é	
  ilícito	
  
	
  
DICA	
   67-­‐	
   a	
   teoria	
   dos	
   frutos	
   da	
   árvore	
   envenenada	
   foi	
   adotada	
   pelo	
   CPP	
   (art.	
  
157,	
  §	
  1o)	
  
	
  
DICA	
   68	
   –	
   Quando	
   a	
   infração	
   deixar	
   vestígios,	
   será	
   indispensável	
   o	
   exame	
   de	
  
corpo	
  de	
  delito,	
  direto	
  ou	
  indireto.	
  	
  
	
  
DICA	
   69	
   –	
   A	
   prova	
   pericial	
   deve	
   ser	
   feita	
   por	
   um	
   perito	
   oficial,	
   portador	
   de	
  
diploma	
  de	
  curso	
  superior	
  
	
  
DICA	
  70	
  –	
  se	
  não	
  houver	
  perito	
  oficial,	
  o	
  juiz	
  nomeará	
  2	
  pessoas	
  idôneas,	
  com	
  
curso	
  superior	
  e	
  habilitação	
  para	
  o	
  exame	
  
	
  
DICA	
  71	
  –	
  No	
  processo	
  penal,	
  desde	
  2008,	
  as	
  partes	
  poderão	
  indicar	
  assistentes	
  
técnicos	
  (art.	
  159,	
  §	
  3o,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  72	
  –	
  No	
  processo	
  penal,	
  os	
  assistentes	
  técnicos	
  se	
  manifestam	
  depois	
  de	
  
realizada	
  a	
  perícia.	
  	
  
	
  
DICA	
  73-­‐	
  se	
  os	
  peritos	
  forem	
  ouvidos	
  em	
  audiência,	
  deverão	
  ser	
  intimados	
  com	
  
10	
  dias	
  de	
  antecedência	
  (art.	
  159,	
  §	
  5o,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  74	
  –	
  Se	
  a	
  perícia	
  for	
  complexa,	
  poderá	
  haver	
  mais	
  de	
  um	
  perito	
  e	
  as	
  partes	
  
podem	
  indicar	
  mais	
  de	
  um	
  assistente	
  técnico	
  (159,	
  §	
  7o,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  75	
  –	
  O	
  interrogatório	
  é,	
  ao	
  mesmo	
  tempo,	
  um	
  meio	
  de	
  prova	
  e	
  um	
  meio	
  de	
  
defesa	
  
	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
DICA	
   76	
   –	
   O	
   interrogatório	
   por	
   videoconferência	
   é	
   excepcional,	
   realizado	
   por	
  
decisão	
  fundamentada	
  do	
  juiz	
  (185,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  77	
  –	
  Da	
  decisão	
  que	
  determinar	
  o	
  interrogatório	
  por	
  videoconferência,	
  as	
  
partes	
  serão	
  intimadas	
  com	
  10	
  dias	
  de	
  antecedência	
  
	
  
DICA	
   78	
   –	
   O	
   interrogado	
   tem	
   o	
   direito	
   de	
   permanecer	
   em	
   silêncio	
   (que	
   não	
  
poderá	
  ser	
  interpretado	
  contra	
  ele)	
  
	
  
DICA	
   79	
   –	
   o	
   interrogatório	
   tem	
   2	
   fases:	
   a)	
   de	
   identificação;	
   b)	
   de	
   mérito.	
   O	
  
interrogado	
  pode	
  permanecer	
  em	
  silêncio	
  no	
  segundo.	
  	
  
	
  
DICA	
  80-­‐	
  A	
  todo	
  tempo	
  o	
  juiz	
  poderá	
  proceder	
  a	
  novo	
  interrogatório	
  de	
  ofício	
  ou	
  
a	
  pedido	
  fundamento	
  de	
  qualquer	
  das	
  partes	
  (196,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  81-­‐	
  a	
  confissão	
  é	
  divisível,	
  retratável	
  e	
  não	
  é	
  a	
  “rainha	
  das	
  provas”	
  (art.	
  200,	
  
CPP)	
  
	
  
DICA	
  82-­‐	
  Sempre	
  que	
  possível,	
  o	
  ofendido	
  será	
  qualificado	
  e	
  perguntado	
  sobre	
  as	
  
circunstâncias	
  da	
  infração	
  (art.	
  201,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
   83-­‐	
   se	
   o	
   ofendido	
   é	
   intimado	
   e	
   não	
   comparece,	
   será	
   conduzido	
  
coercitivamente.	
  	
  
	
  
DICA	
  84	
  –	
  o	
  ofendido	
  será	
  comunicado	
  da	
  entrada	
  e	
  saída	
  do	
  acusado	
  na	
  prisão,	
  
data	
  de	
  audiência	
  e	
  sentença	
  e	
  acórdão	
  
	
  
DICA	
   85	
   –	
   as	
   comunicações	
   ao	
   ofendido,	
   por	
   sua	
   opção,	
   podem	
   ser	
   feitas	
   por	
  
meio	
  eletrônico	
  
	
  
DICA	
   86-­‐	
   Em	
   regra,	
   a	
   testemunha	
   tem	
   o	
   dever	
   de	
   depor.	
   Se	
   faltar,	
   pode	
   ser	
  
conduzida	
  coercitivamente	
  
	
  
DICA	
   87-­‐	
   Podem	
   se	
   recusar	
   a	
   depor	
   alguns	
   parentes	
   do	
   réu:	
   CADI	
   (cônjuge,	
  
ascendente,	
  descendente	
  e	
  irmão)+	
  afim	
  em	
  linha	
  reta	
  
	
  
DICA	
  88-­‐	
  Não	
  prestam	
  compromisso	
  de	
  dizer	
  a	
  verdade:	
  menores	
  de	
  14	
  anos	
  e	
  os	
  
que	
  podem	
  se	
  recusar	
  a	
  depor	
  (tweet	
  anterior)	
  
	
  
DICA	
   89-­‐	
   são	
   proibidos	
   de	
   depor	
   os	
   que	
   devem	
   guardar	
   segredo	
   em	
   razão	
   de	
  
profissão,	
  função	
  ou	
  ministério	
  
	
  
DICA	
  90-­‐	
  as	
  perguntas	
  serão	
  formuladas	
  pelas	
  partes	
  diretamente	
  à	
  testemunha	
  
(art.	
  212,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
   91-­‐	
   o	
   juiz	
   não	
   admite	
   as	
   perguntas	
   que	
   induzem	
   resposta,	
   que	
   não	
   têm	
  
relação	
  com	
  a	
  causa	
  ou	
  repetidas	
  (212,	
  CPP)	
  
	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
DICA	
   92-­‐	
   o	
   juiz	
   não	
   permitirá	
   que	
   a	
   testemunha	
   manifeste	
   suas	
   apreciações	
  
pessoais,	
  salvo	
  quando	
  inseparáveis	
  da	
  narrativa	
  do	
  fato	
  
	
  
DICA	
  93-­‐	
  se	
  a	
  presença	
  do	
  réu	
  causar	
  temor,	
  poderá	
  a	
  testemunha	
  ser	
  ouvida	
  por	
  
videoconferência	
  (art.	
  217,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
   94-­‐	
   As	
   pessoas	
   impossibilitadas,	
   por	
   enfermidade	
   ou	
   velhice,	
   de	
  
comparecer	
  para	
  depor,	
  serão	
  inquiridas	
  onde	
  estiverem.	
  
	
  
DICA	
  95-­‐	
  O	
  CPP	
  admite	
  o	
  reconhecimento	
  de	
  pessoas	
  e	
  coisas	
  (art.	
  226,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  96-­‐	
  embora	
  não	
  previsto	
  no	
  CPP	
  é	
  possível	
  o	
  reconhecimento	
  de	
  vozes	
  e	
  
imagens	
  
	
  
DICA	
   97-­‐	
   Salvo	
   os	
   casos	
   expressos	
   em	
   lei,	
   as	
   partes	
   poderão	
   apresentar	
  
documentos	
  em	
  qualquer	
  fase	
  do	
  processo	
  (art.	
  231,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
  98-­‐	
  A	
  busca	
  pessoal	
  não	
  precisa	
  de	
  mandado,	
  sendo	
  feita	
  quando	
  houver	
  
suspeita	
  (art.	
  240,	
  §	
  2o,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
   99-­‐	
   A	
   busca	
   domiciliar	
   necessita	
   de	
   mandado	
   judicial	
   e	
   só	
   pode	
   ser	
  
executada	
  durante	
  o	
  dia	
  (art.	
  5o,	
  XI,	
  CF)	
  
	
  
DICA	
  100-­‐	
  “se	
  você	
  acha	
  que	
  pode,	
  ou	
  acha	
  que	
  não	
  pode,	
  você	
  está	
  certo”.	
  VOCÊ	
  
VAI	
  PASSAR	
  NESSA	
  PROVA.	
  SUCESSO!	
  
	
  
PRINCÍPIOS	
  DO	
  PROCESSO	
  PENAL	
  
	
  
DICA	
  101	
  –	
  JUIZ	
  NATURAL	
  (art.	
  5o,	
  LIII,	
  CF):	
  além	
  de	
  vedar	
  o	
  juízo	
  ou	
  tribunal	
  de	
  
exceção,	
  traz	
  a	
  garantia	
  do	
  juiz	
  competente	
  
	
  
DICA	
   102	
   –	
   Se	
   o	
   processo	
   estiver	
   tramitando	
   na	
   justiça	
   ou	
   instância	
  
incompetente,	
  será	
  ABSOLUTAMENTE	
  NULO	
  (já	
  caiu	
  na	
  prova)	
  
	
  
DICA	
  103	
  	
  -­‐	
  AMPLA	
  DEFESA	
  (art.	
  5o,	
  LV,	
  CF):	
  é	
  a	
  soma	
  do	
  “direito	
  de	
  presença”	
  e	
  
“direito	
  de	
  audiência”.	
  	
  
	
  
DICA	
  104	
  –	
  PRESUNÇÃO	
  DE	
  INOCÊNCIA	
  (art.	
  5o,	
  LVII,	
  CF):	
  até	
  que	
  haja	
  sentença	
  
penal	
  condenatória	
  transitada	
  em	
  julgado,	
  o	
  réu	
  é	
  inocente	
  
	
  
DICA	
   105	
   –INOCÊNCIA:	
   as	
   prisões	
   processuais	
   e	
   o	
   uso	
   de	
   algemas	
   são	
  
excepcionais,	
  processos	
  em	
  andamento	
  não	
  são	
  maus	
  antecedentes	
  etc.	
  
	
  
DICA	
   106	
   –	
   MOTIVAÇÃO	
   DAS	
   DECISÕES	
   (93,	
   IX,	
   CF):	
   as	
   decisões	
   devem	
   ser	
  
motivadas,	
  sob	
  pena	
  de	
  NULIDADE	
  ABSOLUTA	
  (já	
  caiu	
  na	
  prova).	
  	
  
	
  
DICA	
   107	
   –	
   LEI	
   PROCESSUAL	
   NO	
   TEMPO:	
   princípio	
   do	
   efeito	
   imediato	
   ou	
  
“tempus	
  regit	
  actum”.	
  	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
	
  
DICA	
  108	
  –	
  A	
  lei	
  processual	
  se	
  aplica	
  imediatamente	
  aos	
  processos	
  em	
  curso,	
  não	
  
importando	
  se	
  beneficia	
  ou	
  não	
  o	
  réu.	
  	
  
	
  
DICA	
   109	
   –	
   com	
   o	
   advento	
   da	
   nova	
   lei	
   processual,	
   os	
   atos	
   processuais	
   já	
  
praticados	
  permanecerão	
  válidos	
  (não	
  serão	
  anulados).	
  
	
  
DICA	
  110	
  –	
  PRAZO	
  PENAL	
  conta	
  o	
  dia	
  do	
  começo,	
  excluindo	
  o	
  dia	
  do	
  final	
  
	
  
DICA	
   111	
   –	
   PRAZO	
   PROCESSUAL	
   começa	
   a	
   contar	
   no	
   próximo	
   dia	
   útil.	
  
Terminando	
  em	
  sábado,	
  domingo	
  etc.,	
  prorroga	
  para	
  o	
  próximo	
  dia	
  útil.	
  
	
  
DICA	
   112	
   –	
   Segundo	
   o	
   art.	
   3o,	
   do	
   CPP,	
   à	
   lei	
   processual	
   aplica-­‐se	
   analogia,	
  
interpretação	
  extensiva	
  e	
  princípios	
  gerais	
  do	
  direito	
  
	
  
INQUÉRITO	
  POLICIAL	
  
	
  
DICA	
  113	
  –	
  INQUÉRITO	
  POLICIAL	
  é	
  um	
  procedimento	
  administrativo	
  destinado	
  
à	
  colheita	
  de	
  provas	
  
	
  
DICA	
  114	
  –	
  O	
  inquérito	
  é	
  ESCRITO,	
  INQUISITIVO,	
  SIGILOSO	
  e	
  DISPENSÁVEL.	
  	
  
	
  
DICA	
  115	
  –	
  ESCRITO	
  (art.	
  9o,	
  CPP):	
  até	
  mesmo	
  as	
  provas	
  orais	
  (testemunhas,	
  p.	
  
ex.)	
  são	
  reduzidas	
  a	
  termo	
  
	
  
DICA	
   116	
   –	
   INQUISITIVO:	
   diferentemente	
   do	
   processo,	
   o	
   inquérito	
   não	
   tem	
  
contraditório	
  e	
  ampla	
  defesa	
  
	
  
DICA	
  117	
  –	
  SIGILOSO	
  (art.	
  20,	
  CPP):	
  determinado	
  pela	
  autoridade	
  policial,	
  mas	
  
admite	
  exceções:	
  
	
  
DICA	
  118	
  –	
  O	
  inquérito	
  não	
  é	
  sigiloso	
  para	
  o	
  JUIZ,	
  para	
  o	
  MP	
  e	
  para	
  o	
  ADVOGADO	
  
(art.	
  7o,	
  EOAB	
  e	
  Súmula	
  Vinculante	
  14)	
  
	
  
DICA	
   119	
   –	
   desrespeitada	
   a	
   súmula	
   vinculante,	
   caberá	
   Reclamação	
   para	
   o	
  
Supremo	
  Tribunal	
  Federal	
  (art.	
  103-­‐A,	
  §	
  3o,	
  CF)	
  
	
  
DICA	
  120	
  –	
  	
  DISPENSÁVEL:O	
  inquérito	
  não	
  é	
  obrigatório	
  para	
  o	
  início	
  da	
  ação	
  
penal	
  (mas	
  as	
  provas	
  são	
  indispensáveis).	
  	
  
	
  
DICA	
   121	
   –	
   Existem	
   INQUÉRITOS	
   EXTRAPOLICIAIS	
   (a	
   CPI,	
   por	
   exemplo).	
   Ela	
  
pode	
  ser	
  instaurada	
  por	
  qualquer	
  casa	
  legislativa.	
  	
  
	
  
DICA	
  122	
  –	
  A	
  CPI	
  é	
  instaurada	
  para	
  apurar	
  fato	
  certo,	
  por	
  prazo	
  determinado,	
  
por	
  assinatura	
  de	
  pelo	
  menos	
  1/3	
  dos	
  parlamentares	
  
	
  
DICA	
   123	
   –	
   A	
   CPI	
   tem	
   poderes	
   instrutórios	
   do	
   juiz,	
   mas	
   não	
   pode	
   decretar	
  
interceptação	
  telefônica	
  (reserva	
  de	
  jurisdição).	
  	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
	
  
DICA	
  124	
  –	
  O	
  MP	
  não	
  pode	
  arquivar	
  o	
  inquérito	
  policial.	
  Esse	
  é	
  requerido	
  ao	
  juiz,	
  
que	
  pode	
  deferir	
  ou	
  indeferir.	
  	
  
	
  
DICA	
  125	
  –	
  Se	
  o	
  juiz	
  deferir	
  o	
  arquivamento	
  do	
  inquérito,	
  ele	
  será	
  arquivado,	
  
decisão	
  contra	
  a	
  qual	
  não	
  cabe	
  recurso	
  (regra).	
  	
  
	
  
DICA	
   126	
   –	
   Arquivado	
   o	
   inquérito	
   policial,	
   poderá	
   ser	
   reaberto	
   se	
   surgirem	
  
novas	
  provas	
  (regra).	
  	
  
	
  
DICA	
  127	
  –	
  Se	
  o	
  juiz	
  discordar,	
  remete	
  os	
  autos	
  ao	
  Procurador-­‐Geral,	
  nos	
  termos	
  
do	
  artigo	
  28,	
  do	
  CPP	
  
	
  
DICA	
   128	
   –	
   O	
   Procurador-­‐Geral	
   pode	
   insistir	
   no	
   arquivamento,	
   oferecer	
   a	
  
denúncia	
  ou	
  designar	
  outro	
  membro	
  para	
  denunciar	
  
	
  
DICA	
   129-­‐	
   Oferecida	
   a	
   denúncia	
   pelo	
   MP,	
   poderá	
   o	
   juiz	
   receber	
   (não	
   cabe	
  
recurso,	
  só	
  HC)	
  ou	
  rejeitar	
  (cabe	
  RESE	
  e,	
  no	
  Jecrim,	
  APELAÇÃO).	
  
	
  
AÇÃO	
  PENAL	
  
DICA	
   130	
   –	
   Os	
   requisitos	
   da	
   denúncia	
   estão	
   no	
   artigo	
   41,	
   do	
   CPP	
   (leitura	
  
obrigatória)	
  
	
  
DICA	
  131	
  –	
  As	
  hipóteses	
  de	
  rejeição	
  da	
  denúncia	
  estão	
  no	
  artigo	
  395,	
  do	
  CPP	
  
(leitura	
  obrigatória)	
  
	
  
DICA	
  132	
  –	
  Em	
  regra,	
  o	
  inquérito	
  policial	
  tem	
  o	
  prazo	
  de	
  10	
  dias	
  (se	
  preso)	
  ou	
  30	
  
dias	
  (se	
  solto).	
  Esse	
  último	
  é	
  prorrogável.	
  	
  
	
  
DICA	
  133	
  –	
  Princípios	
  da	
  ação	
  penal	
  pública:	
  obrigatoriedade,	
  indisponibilidade,	
  
oficialidade	
  e	
  intranscendência	
  
	
  
DICA	
   134	
   –	
   A	
   ação	
   penal	
   pública	
   pode	
   ser	
   condicionada	
   à	
   representação	
   do	
  
ofendido	
  e	
  à	
  requisição	
  do	
  Ministro	
  da	
  Justiça	
  
	
  
DICA	
  135-­‐	
  A	
  REPRESENTAÇÃO	
  do	
  ofendido	
  tem	
  o	
  prazo	
  de	
  6	
  meses,	
  a	
  contar	
  do	
  
conhecimento	
  da	
  autoria	
  
	
  
DICA	
   136	
   –	
   prazo	
   para	
   REPRESENTAÇÃO	
   é	
   um	
   prazo	
   penal	
   (conta	
   o	
   dia	
   do	
  
começo,	
  excluindo	
  o	
  dia	
  do	
  final).	
  	
  
	
  
DICA	
  137-­‐	
  A	
  representação	
  não	
  tem	
  forma	
  específica	
  prevista	
  em	
  lei	
  (podendo	
  
ser	
  oral,	
  escrita	
  etc)	
  
	
  
DICA	
  138	
  –	
  Em	
  caso	
  de	
  morte,	
  a	
  representação	
  pode	
  ser	
  feita	
  pelo	
  CADI	
  (cônjuge,	
  
ascendente,	
  descendente	
  e	
  irmão)	
  
	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
DICA	
   139	
   –	
   Em	
   regra,	
   a	
   retratação	
   da	
   representação	
   pode	
   ser	
   feita	
   até	
   o	
  
oferecimento	
  da	
  denúncia	
  
	
  
DICA	
  140-­‐	
  A	
  REQUISIÇÃO	
  DO	
  MINISTRO	
  DA	
  JUSTIÇA	
  não	
  tem	
  prazo	
  e	
  o	
  CPP	
  não	
  
prevê	
  a	
  possibilidade	
  de	
  retratação.	
  	
  
	
  
DICA	
   141-­‐	
   os	
   crimes	
   contra	
   a	
   dignidade	
   sexual	
   são,	
   em	
   regra,	
   de	
   ação	
   penal	
  
pública	
  condicionada	
  à	
  representação.	
  	
  
	
  
DICA	
  142-­‐	
  se	
  a	
  vítima	
  é	
  menor	
  de	
  18	
  anos	
  ou	
  vulnerável,	
  a	
  ação	
  penal	
  é	
  pública	
  
incondicionada	
  
	
  
DICA	
  143	
  –	
  os	
  crimes	
  contra	
  a	
  honra	
  são,	
  em	
  regra,	
  de	
  ação	
  penal	
  de	
  iniciativa	
  
privada	
  
	
  
DICA	
   144-­‐	
   o	
   crime	
   de	
   injúria	
   racial	
   ou	
   qualificada	
   é	
   de	
   ação	
   penal	
   pública	
  
condicionada	
  à	
  representação	
  
	
  
DICA	
   145	
   –	
   crimes	
   contra	
   a	
   honra	
   do	
   Presidente	
   da	
   República	
   ou	
   chefe	
   de	
  
governo	
  estrangeiro	
  é	
  de	
  ação	
  pública	
  condicionada	
  à	
  req.	
  do	
  Min.	
  Da	
  Justiça	
  
	
  
DICA	
  146	
  –	
  crime	
  contra	
  a	
  honra	
  de	
  funcionário	
  público	
  no	
  exercício	
  da	
  função	
  
pode	
  ser	
  de	
  ação	
  privada	
  ou	
  pública	
  condicionada	
  à	
  representação	
  
	
  
DICA	
   147-­‐	
   o	
   crime	
   de	
   lesão	
   corporal	
   leve	
   ou	
   lesão	
   culposa	
   é	
   de	
   ação	
   pública	
  
condicionada	
  à	
  representação	
  
	
  
DICA	
  148-­‐	
  crime	
  de	
  lesão	
  corporal	
  dolosa	
  grave	
  ou	
  gravíssima	
  é	
  crime	
  de	
  ação	
  
pública	
  incondicionada	
  
	
  
DICA	
   149-­‐	
   segundo	
   o	
   STF,	
   todo	
   crime	
   de	
   lesão	
   corporal	
   contra	
   mulher,	
   com	
  
violência	
  doméstica	
  ou	
  familiar	
  é	
  pública	
  incondicionada	
  
	
  
DICA	
   150-­‐	
   A	
   lesão	
   corporal	
   culposa	
   no	
   trânsito	
   é	
   crime	
   de	
   ação	
   pública	
  
condicionada	
  à	
  representação	
  do	
  ofendido	
  
	
  
DICA	
  151-­‐	
  Exceções:	
  se	
  o	
  motorista	
  está	
  embriagado,	
  participando	
  de	
  RACHA	
  ou	
  
acima	
  de	
  50	
  km/h	
  acima	
  do	
  limite	
  é	
  pública	
  incondicionada	
  
	
  
DICA	
   152-­‐	
   a	
   RENÚNCIA	
   ao	
   direito	
   de	
   queixa	
   ocorre	
   ANTES	
   da	
   queixa	
   e	
   é	
  
unilateral	
  (não	
  precisa	
  de	
  aceitação	
  do	
  criminoso)	
  
	
  
DICA	
   153	
   –	
   O	
   PERDÃO	
   DO	
   OFENDIDO	
   ocorre	
   DEPOIS	
   DA	
   QUEIXA	
   (durante	
   o	
  
processo)	
  e	
  é	
  bilateral	
  (precisa	
  de	
  aceitação)	
  
	
  
DICA	
   154-­‐	
   Tanto	
   a	
   renúncia	
   quanto	
   à	
   queixa	
   comunicam-­‐se	
   ao	
   coautor	
   e	
  
partícipe	
  (mas	
  no	
  perdão,	
  só	
  beneficia	
  quem	
  o	
  aceitar)	
  
	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
DICA	
  155-­‐	
  PEREMPÇÃO	
  é	
  a	
  extinção	
  da	
  punibilidade	
  decorrente	
  da	
  inércia	
  do	
  
querelante	
  (só	
  acontece	
  na	
  ação	
  penal	
  privada)	
  –	
  art.	
  60,	
  CPP	
  
	
  
DICA	
  156	
  –	
  A	
  execução	
  civil	
  da	
  sentença	
  penal	
  condenatória	
  é	
  ajuizada	
  após	
  o	
  
trânsito	
  em	
  julgado.	
  	
  
	
  
DICA	
  157-­‐	
  Na	
  sentença	
  penal	
  condenatória,	
  o	
  juiz	
  deve	
  fixar	
  o	
  valor	
  mínimo	
  da	
  
reparação	
  do	
  dano	
  
	
  
DICA	
  158-­‐	
  A	
  vítima	
  poderá	
  pleitear	
  um	
  valor	
  maior	
  no	
  juízo	
  cível	
  
	
  
DICA	
   159-­‐	
   A	
   ação	
   civil	
   ex	
   delicto	
   cabe	
   em	
   caso	
   de	
   extinção	
   da	
   punibilidade,	
  
arquivamento	
  do	
  inquérito	
  policial	
  ou	
  sentença	
  absolutória	
  
	
  
DICA	
  160-­‐	
  exceções:	
  a)	
  reconhecimento	
  da	
  inexistência	
  do	
  fato;	
  b)	
  certeza	
  da	
  não	
  
autoria;	
  c)	
  excludente	
  da	
  ilicitude	
  (regra).	
  
	
  
PRISÕES	
  PROCESSUAIS	
  
	
  
DICA	
  161-­‐	
  FLAGRANTE	
  -­‐	
  as	
  hipóteses	
  estão	
  no	
  art.	
  302,	
  do	
  Código	
  de	
  Processo	
  
Penal.	
  Flagrante	
  próprio,	
  impróprio	
  (quase	
  flagrante)	
  e	
  presumido.	
  	
  
	
  
	
  
DICA	
  162-­‐	
  FLAGRANTE	
  PRÓPRIO:	
  o	
  agente	
  está	
  cometendo	
  ou	
  acaba	
  de	
  cometer	
  
a	
  infração.	
  	
  
	
  
DICA	
   163-­‐	
   FLAGRANTE	
   IMPRÓPRIO	
   OU	
   QUASE	
   FLAGRANTE	
   -­‐	
   	
   logo	
   após	
   a	
  
infração,	
  o	
  agente	
  é	
  perseguido	
  e	
  preso	
  
	
  
DICA	
   164-­‐	
   No	
   flagrante	
   impróprio,	
   não	
   há	
   prazo	
   para	
   realização	
   dessa	
   prisão,	
  
desde	
  que	
  a	
  perseguição	
  seja	
  ininterrupta	
  
	
  
DICA	
   165	
   –	
   FLAGRANTE	
   PRESUMIDO-­‐	
   logo	
   depois	
   da	
   infração	
   o	
   agente	
   é	
  
encontrado	
   com	
   algum	
   objeto	
   comprometedor	
   (arma	
   do	
   crime,	
   pertences	
   da	
  
vítima	
  etc)	
  
	
  
DICA	
  166-­‐	
  	
  IMPORTANTE:	
  se	
  o	
  fato	
  não	
  se	
  enquadrar	
  no	
  artigo	
  302,	
  do	
  CPP	
  NÃO	
  
HAVERÁ	
  FLAGRANTE.	
  Exemplo:	
  apresentação	
  espontânea	
  do	
  criminoso.	
  
	
  
DICA	
   167-­‐	
   Segundo	
   o	
   art.	
   303,	
   CPP:	
   nas	
   infrações	
   permanentes,	
   entende-­‐se	
   o	
  
agente	
  em	
  flagrante	
  delito	
  enquanto	
  não	
  cessar	
  a	
  permanência.	
  Ex:	
  seqüestro	
  
	
  
DICA	
  168-­‐	
  Segundo	
  o	
  artigo	
  306,	
  do	
  CPP,	
  o	
  auto	
  de	
  prisão	
  em	
  flagrante	
  deve	
  ser	
  
lavrado	
  em	
  24	
  horas.	
  	
  
	
  
DICA	
  169-­‐	
  O	
  preso	
  tem	
  o	
  direito	
  de	
  permanecer	
  em	
  silêncio	
  (e	
  o	
  direito	
  de	
  não	
  
ser	
  obrigado	
  a	
  produzir	
  provas	
  contra	
  si	
  próprio)	
  
	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
DICA	
   170-­‐	
   o	
   preso	
   será	
   informado	
   de	
   seus	
   direitos,	
   entre	
   os	
   quais	
   o	
   de	
  
permanecer	
  calado,	
  sendo-­‐lhe	
  assegurada	
  a	
  assistência	
  da	
  família	
  e	
  de	
  advogado	
  
	
  
DICA	
  171-­‐	
  PRISÃO	
  PREVENTIVA:	
  312	
  e	
  seguintes	
  do	
  CPP.	
  Decretada	
  por	
  juiz,	
  na	
  
fase	
  de	
  inquérito	
  ou	
  processo.	
  
	
  
DICA	
   172-­‐	
   Mediante	
   requerimento	
   do	
   MP	
   ou	
   querelante,	
   representação	
   do	
  
delegado	
  ou	
  DE	
  OFÍCIO	
  PELO	
  JUIZ.	
  Não	
  cabe	
  nos	
  crimes	
  culposos	
  (só	
  dolosos).	
  
	
  
DICA	
  173-­‐	
  A	
  preventiva	
  não	
  tem	
  prazo	
  previsto	
  em	
  lei	
  (veja	
  o	
  caso	
  do	
  goleiro	
  
Bruno),	
  permanecendo	
  enquanto	
  presentes	
  os	
  seus	
  requisitos.	
  
	
  
DICA	
  174-­‐	
  os	
  requisitos	
  da	
  PREVENTIVA	
  estão	
  previstos	
  no	
  artigo	
  312	
  do	
  CPP	
  
(leitura	
  obrigatória)	
  
	
  
DICA	
   175-­‐	
   PRISÃO	
   TEMPORÁRIA:	
   fundada	
   na	
   Lei	
   7.960/89,	
   tem	
   a	
   função	
   de	
  
garantir	
  a	
  investigação	
  criminal	
  (só	
  é	
  decretada	
  durante	
  o	
  IP).	
  
	
  
DICA	
  176-­‐Decretada	
  por	
  juiz,	
  mediante	
  requerimento	
  do	
  MP,	
  representação	
  do	
  
delegado.	
  NÃO	
  PODE	
  SER	
  DECRETADA	
  DE	
  OFÍCIO.	
  
	
  
DICA	
   177-­‐	
   Tem	
   prazo	
   determinado	
   na	
   lei:	
   5	
   dias,	
   prorrogáveis	
   por	
   mais	
   5,	
   se	
  
houver	
  necessidade.	
  	
  
	
  
DICA	
   178-­‐	
   Se	
   for	
   crime	
   	
   hediondo	
   ou	
   equiparado,	
   o	
   prazo	
   é	
   de	
   30	
   dias,	
  
prorrogáveis	
  por	
  mais	
  30	
  dias.	
  
	
  
DICA	
  179-­‐	
  Os	
  requisitos	
  estão	
  previstos	
  no	
  artigo	
  1o	
  da	
  Lei	
  7.960/89.	
  DEVE	
  LER	
  
ESSE	
  ARTIGO.	
  É	
  MUITO	
  IMPORTANTE	
  
	
  
DICA	
  180-­‐	
  Prevalece	
  o	
  entendimento	
  de	
  q	
  o	
  inciso	
  III	
  é	
  OBRIGATÓRIO	
  (um	
  dos	
  
crimes	
  graves	
  previstos	
  nesta	
  lei).	
  Além	
  dele,	
  deve	
  ter	
  o	
  inciso	
  I	
  ou	
  o	
  II.	
  
	
  
PROCEDIMENTOS	
  
	
  
DICA	
  181	
  –	
  Procedimento	
  ordinário	
  é	
  destinado	
  a	
  apurar	
  os	
  crimes	
  com	
  pena	
  
máxima	
  igual	
  ou	
  superior	
  a	
  quatro	
  anos.	
  	
  
	
  
DICA	
   182	
   –	
   Procedimento	
   sumário	
   é	
   destinado	
   a	
   apurar	
   os	
   crimes	
   com	
   pena	
  
máxima	
  superior	
  a	
  dois	
  e	
  inferior	
  a	
  4	
  anos.	
  	
  
	
  
DICA	
  183	
  –	
  Procedimento	
  sumaríssimo,	
  previsto	
  na	
  Lei	
  9.099/95,	
  destina-­‐se	
  a	
  
apurar	
   as	
   infrações	
   de	
   menor	
   potencial	
   ofensivo	
   (todas	
   as	
   contravenções	
   e	
   os	
  
crimes	
  cuja	
  pena	
  máxima	
  não	
  excede	
  2	
  anos).	
  
	
  
DICA	
  184	
  –	
  Há	
  três	
  espécies	
  de	
  citação	
  no	
  processo	
  penal:	
  pessoal	
  (regra),	
  por	
  
edital	
  e	
  com	
  hora	
  certa.	
  
	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
DICA	
  185	
  –	
  Enquanto	
  a	
  citação	
  por	
  rogatória	
  não	
  for	
  cumprida,	
  fica	
  suspensa	
  a	
  
prescrição.	
  	
  
	
  
DICA	
   186	
   –	
   Citação	
   por	
   edital	
   será	
   feita	
   se	
   o	
   réu	
   está	
   em	
   local	
   incerto	
   e	
   não	
  
sabido.	
   Se	
   o	
   réu	
   não	
   atende	
   ao	
   chamado,	
   suspende	
   o	
   processo	
   e	
   a	
   prescrição,	
  
podendo	
  o	
  juiz	
  determinar	
  a	
  produção	
  de	
  provas	
  urgentes	
  e	
  decretar	
  a	
  prisão	
  
preventiva,	
  se	
  o	
  caso.	
  	
  
	
  
DICA	
  187	
  –	
  Citação	
  com	
  hora	
  certa	
  é	
  feita	
  quando	
  o	
  réu	
  se	
  oculta	
  para	
  não	
  ser	
  
citado	
   pessoalmente.	
   Adota-­‐se	
   o	
   mesmo	
   procedimento	
   do	
   CPC.	
   Se	
   o	
   réu	
   não	
  
atende	
  ao	
  chamado,	
  ocorre	
  a	
  revelia.	
  	
  
	
  
DICA	
   188	
   –	
   Depois	
   de	
   citado,	
   o	
   réu	
   terá	
   o	
   prazo	
   de	
   10	
   dias	
   para	
   apresentar	
  
RESPOSTA	
  À	
  ACUSAÇÃO.	
  	
  
	
  
DICA	
  189	
  –	
  A	
  resposta	
  à	
  acusação	
  é	
  uma	
  peça	
  obrigatória	
  (o	
  processo	
  não	
  pode	
  
seguir	
  sem	
  ela,	
  sob	
  pena	
  de	
  nulidade).	
  	
  
	
  
DICA	
   190	
   –	
   Na	
   resposta	
   à	
   acusação	
   a	
   defesa	
   arrola	
   suas	
   testemunhas	
   (no	
  
procedimento	
  ordinário,	
  até	
  8	
  testemunhas).	
  
	
  
DICA	
   191	
   –	
   Depois	
   da	
   resposta	
   à	
   acusação,	
   poderá	
   o	
   juiz	
   ABSOLVER	
  
SUMARIAMENTE	
  O	
  RÉU,	
  nos	
  termos	
  do	
  artigo	
  397,	
  do	
  CPP	
  
	
  
DICA	
   192	
   –	
   Cabe	
   absolvição	
   sumária:	
   a)	
   quando	
   o	
   fato	
   for	
   atípico;	
   b)	
   quando	
  
houver	
  excludente	
  da	
  ilicitude;	
  c)	
  quando	
  houver	
  excludente	
  da	
  culpabilidade,	
  
exceto	
  inimputabilidade;	
  d)	
  quando	
  houver	
  extinção	
  da	
  punibilidade.	
  	
  
	
  
DICA	
  193	
  –	
  Contra	
  absolvição	
  sumária,	
  cabe	
  APELAÇÃO	
  (art.	
  416,	
  CPP)	
  
	
  
DICA	
   194	
   –	
   Se	
   o	
   juiz	
   não	
   absolver	
   sumariamente	
   o	
   réu,	
   marcará	
   audiência	
   de	
  
instrução	
  e	
  julgamento,	
  no	
  prazo	
  de	
  60	
  dias.	
  	
  
	
  
DICA	
  195	
  –	
  Na	
  audiência	
  de	
  instrução	
  teremos:	
  oitiva	
  do	
  ofendido,	
  testemunhas	
  
arroladas	
  pela	
  acusação	
  e	
  defesa,	
  perito	
  e	
  assistentes	
  técnicos,	
  reconhecimento	
  e	
  
acareação,	
  interrogatório,	
  debates	
  orais	
  e	
  sentença.	
  	
  
	
  
DICA	
  196	
  –	
  Os	
  debates	
  orais	
  terão	
  o	
  prazo	
  de	
  20	
  minutos,	
  prorrogados	
  por	
  mais	
  
10	
  minutos,	
  para	
  cada	
  parte.	
  	
  
	
  
DICA	
  197	
  –	
  O	
  juiz	
  pode	
  converter	
  os	
  debates	
  orais	
  em	
  memoriais	
  em	
  3	
  situações:	
  
caso	
  complexo,	
  vários	
  réus	
  ou	
  surgimento	
  de	
  novas	
  provas.	
  	
  
	
  
DICA	
  198	
  –	
  Os	
  memoriais	
  terão	
  o	
  prazo	
  de	
  5	
  dias	
  (para	
  a	
  acusação),	
  5	
  dias	
  para	
  a	
  
defesa.	
  A	
  ordem	
  deve	
  ser	
  essa.	
  Depois	
  disso,	
  o	
  juiz	
  terá	
  10	
  dias	
  para	
  sentenciar.	
  
	
  
DICA	
  199	
  –	
  “Emendatio	
  Libelli”,	
  prevista	
  no	
  art.	
  383,	
  do	
  CPP,	
  permite	
  que	
  o	
  juiz	
  
dê	
   aos	
   fatos	
   previstos	
   na	
   inicial	
   uma	
   definição	
   jurídica	
   diferente,	
   ainda	
   que	
  
implique	
   pena	
   mais	
   grave.	
   Já	
   na	
   “mutatio	
   libelli”	
   (art.	
   384,	
   CPP)	
   surgem	
   fatos	
  
Twitter:	
  @sigaoflavio	
  
Facebook:	
  professorflaviomartins	
  
Site:	
  www.professorflaviomartins.com.br	
  
novos	
  que	
  alteram	
  a	
  definição	
  do	
  crime.	
  Nesse	
  caso,	
  o	
  MP	
  deve	
  aditar	
  (em	
  5	
  dias)	
  
e	
  a	
  defesa	
  deve	
  ser	
  ouvida	
  (em	
  5	
  dias)	
  e	
  cada	
  parte	
  pode	
  arrolar	
  3	
  testemunhas.	
  
	
  
DICA	
   200	
   –	
   Desejo	
   a	
   todos	
   um	
   excelente	
   Exame	
   da	
   OAB.	
   Estarei	
   na	
   torcida.	
  
Grande	
  abraço	
  do	
  prof.	
  Flávio	
  Martins.	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINARSINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINARgestaopublicaonline
 
Direito Constitucional - Das atribuições do Presidente da República
Direito Constitucional - Das atribuições do Presidente da RepúblicaDireito Constitucional - Das atribuições do Presidente da República
Direito Constitucional - Das atribuições do Presidente da RepúblicaMentor Concursos
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Regimento Comum do Congresso Nacional
Regimento Comum do Congresso Nacional Regimento Comum do Congresso Nacional
Regimento Comum do Congresso Nacional Estratégia Concursos
 
Controle de constitucionalidade
Controle de constitucionalidadeControle de constitucionalidade
Controle de constitucionalidadesamuelmattos
 
AULA OAB XX ESTRATÉGIA DIREITO CONSTITUCIONAL 02
AULA OAB XX ESTRATÉGIA DIREITO CONSTITUCIONAL 02AULA OAB XX ESTRATÉGIA DIREITO CONSTITUCIONAL 02
AULA OAB XX ESTRATÉGIA DIREITO CONSTITUCIONAL 02Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Petição Inicial de danos morais.
Petição Inicial de danos morais.Petição Inicial de danos morais.
Petição Inicial de danos morais.Guy Valerio
 
Tribunal do juri breves considrações
Tribunal do juri   breves considraçõesTribunal do juri   breves considrações
Tribunal do juri breves considraçõesJesus Brito
 
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001Tércio De Santana
 
Direito penal em quadrinhos - parte geral
Direito penal   em quadrinhos - parte geralDireito penal   em quadrinhos - parte geral
Direito penal em quadrinhos - parte geraledgardrey
 
Direito Administrativo - Princípios Básicos
Direito Administrativo - Princípios BásicosDireito Administrativo - Princípios Básicos
Direito Administrativo - Princípios BásicosMentor Concursos
 
PRINCÍPIOS APLICÁVEIS AO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
PRINCÍPIOS APLICÁVEIS AO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINARPRINCÍPIOS APLICÁVEIS AO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
PRINCÍPIOS APLICÁVEIS AO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINARgestaopublicaonline
 
Quadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civilQuadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civilTom Di Brito
 

Mais procurados (20)

SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINARSINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
 
Direito Constitucional - Das atribuições do Presidente da República
Direito Constitucional - Das atribuições do Presidente da RepúblicaDireito Constitucional - Das atribuições do Presidente da República
Direito Constitucional - Das atribuições do Presidente da República
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 02
 
Processo penal 03 procedimentos
Processo penal 03   procedimentosProcesso penal 03   procedimentos
Processo penal 03 procedimentos
 
Habeas data constitucional iii
Habeas data constitucional iiiHabeas data constitucional iii
Habeas data constitucional iii
 
Regimento Comum do Congresso Nacional
Regimento Comum do Congresso Nacional Regimento Comum do Congresso Nacional
Regimento Comum do Congresso Nacional
 
Controle de constitucionalidade
Controle de constitucionalidadeControle de constitucionalidade
Controle de constitucionalidade
 
AULA OAB XX ESTRATÉGIA DIREITO CONSTITUCIONAL 02
AULA OAB XX ESTRATÉGIA DIREITO CONSTITUCIONAL 02AULA OAB XX ESTRATÉGIA DIREITO CONSTITUCIONAL 02
AULA OAB XX ESTRATÉGIA DIREITO CONSTITUCIONAL 02
 
Teoria dos recursos novo cpc
Teoria dos recursos   novo cpcTeoria dos recursos   novo cpc
Teoria dos recursos novo cpc
 
Petição Inicial de danos morais.
Petição Inicial de danos morais.Petição Inicial de danos morais.
Petição Inicial de danos morais.
 
Nulidades no processo penal
Nulidades no processo penalNulidades no processo penal
Nulidades no processo penal
 
Tribunal do juri breves considrações
Tribunal do juri   breves considraçõesTribunal do juri   breves considrações
Tribunal do juri breves considrações
 
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
 
Ação monitória
Ação monitóriaAção monitória
Ação monitória
 
Direito penal em quadrinhos - parte geral
Direito penal   em quadrinhos - parte geralDireito penal   em quadrinhos - parte geral
Direito penal em quadrinhos - parte geral
 
Direito Administrativo - Princípios Básicos
Direito Administrativo - Princípios BásicosDireito Administrativo - Princípios Básicos
Direito Administrativo - Princípios Básicos
 
PRINCÍPIOS APLICÁVEIS AO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
PRINCÍPIOS APLICÁVEIS AO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINARPRINCÍPIOS APLICÁVEIS AO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
PRINCÍPIOS APLICÁVEIS AO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
 
Quadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civilQuadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civil
 
Aula 4 lindb
Aula 4 lindbAula 4 lindb
Aula 4 lindb
 
Aula cogeae mandado de segurança 2013
Aula cogeae mandado de segurança 2013Aula cogeae mandado de segurança 2013
Aula cogeae mandado de segurança 2013
 

Semelhante a 200 dicas de processo penal oab Flávio Martins

Direito Processual Penal - Apelação
Direito Processual Penal - ApelaçãoDireito Processual Penal - Apelação
Direito Processual Penal - ApelaçãoMari Lopes
 
Recursos no processo civil
Recursos no processo civilRecursos no processo civil
Recursos no processo civilRamires Martins
 
Teoria geral dos recursos
Teoria geral dos recursosTeoria geral dos recursos
Teoria geral dos recursosstephany
 
14283508 slides rese e apelacao
14283508 slides rese e apelacao14283508 slides rese e apelacao
14283508 slides rese e apelacaoedivanvc
 
Direito processual penal_procedimentos_nulidades
Direito processual penal_procedimentos_nulidadesDireito processual penal_procedimentos_nulidades
Direito processual penal_procedimentos_nulidadesRenato Kaires
 
Foca no resumo embargos de declaracao ncpc
Foca no resumo   embargos de declaracao ncpcFoca no resumo   embargos de declaracao ncpc
Foca no resumo embargos de declaracao ncpcEsdrasArthurPessoa
 
Foca no resumo suspensao do processo - ncpc
Foca no resumo   suspensao do processo - ncpcFoca no resumo   suspensao do processo - ncpc
Foca no resumo suspensao do processo - ncpcEsdrasArthurPessoa
 
25 ArguiçãO De Descumprimento De Preceito Fundamental
25 ArguiçãO De Descumprimento De Preceito Fundamental25 ArguiçãO De Descumprimento De Preceito Fundamental
25 ArguiçãO De Descumprimento De Preceito FundamentalDeSordi
 
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...Fábio Peres
 
10.04.24 processo penal - extensivo oab sabado - centro
10.04.24   processo penal - extensivo oab sabado - centro10.04.24   processo penal - extensivo oab sabado - centro
10.04.24 processo penal - extensivo oab sabado - centrodavid tanamura
 
10.05.08 processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
10.05.08   processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]10.05.08   processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
10.05.08 processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]david tanamura
 
Modificações da lei 12.403 de 2011 proceso penal
Modificações da lei 12.403 de 2011   proceso penalModificações da lei 12.403 de 2011   proceso penal
Modificações da lei 12.403 de 2011 proceso penalrubaines
 
TE Público - sustentação oral - Pontos Destacados
TE Público - sustentação oral - Pontos DestacadosTE Público - sustentação oral - Pontos Destacados
TE Público - sustentação oral - Pontos DestacadosCláudio Colnago
 
Direito processual civil aula 6
Direito processual civil   aula 6Direito processual civil   aula 6
Direito processual civil aula 6Fabiano Manquevich
 
Apelacao – dpp turma tj 353
Apelacao – dpp turma tj 353Apelacao – dpp turma tj 353
Apelacao – dpp turma tj 353Jose Enaldo
 

Semelhante a 200 dicas de processo penal oab Flávio Martins (20)

Direito Processual Penal - Apelação
Direito Processual Penal - ApelaçãoDireito Processual Penal - Apelação
Direito Processual Penal - Apelação
 
Recurso em sentido apresentacao
Recurso em sentido apresentacaoRecurso em sentido apresentacao
Recurso em sentido apresentacao
 
Recursos no processo civil
Recursos no processo civilRecursos no processo civil
Recursos no processo civil
 
Teoria geral dos recursos
Teoria geral dos recursosTeoria geral dos recursos
Teoria geral dos recursos
 
14283508 slides rese e apelacao
14283508 slides rese e apelacao14283508 slides rese e apelacao
14283508 slides rese e apelacao
 
Recursos Proc Civl
Recursos Proc CivlRecursos Proc Civl
Recursos Proc Civl
 
Direito processual penal_procedimentos_nulidades
Direito processual penal_procedimentos_nulidadesDireito processual penal_procedimentos_nulidades
Direito processual penal_procedimentos_nulidades
 
Foca no resumo embargos de declaracao ncpc
Foca no resumo   embargos de declaracao ncpcFoca no resumo   embargos de declaracao ncpc
Foca no resumo embargos de declaracao ncpc
 
Foca no resumo suspensao do processo - ncpc
Foca no resumo   suspensao do processo - ncpcFoca no resumo   suspensao do processo - ncpc
Foca no resumo suspensao do processo - ncpc
 
Geral1
Geral1Geral1
Geral1
 
25 ArguiçãO De Descumprimento De Preceito Fundamental
25 ArguiçãO De Descumprimento De Preceito Fundamental25 ArguiçãO De Descumprimento De Preceito Fundamental
25 ArguiçãO De Descumprimento De Preceito Fundamental
 
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
 
Sentença Penal.pdf
Sentença Penal.pdfSentença Penal.pdf
Sentença Penal.pdf
 
Nulidades Direito Penal
Nulidades Direito PenalNulidades Direito Penal
Nulidades Direito Penal
 
10.04.24 processo penal - extensivo oab sabado - centro
10.04.24   processo penal - extensivo oab sabado - centro10.04.24   processo penal - extensivo oab sabado - centro
10.04.24 processo penal - extensivo oab sabado - centro
 
10.05.08 processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
10.05.08   processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]10.05.08   processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
10.05.08 processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
 
Modificações da lei 12.403 de 2011 proceso penal
Modificações da lei 12.403 de 2011   proceso penalModificações da lei 12.403 de 2011   proceso penal
Modificações da lei 12.403 de 2011 proceso penal
 
TE Público - sustentação oral - Pontos Destacados
TE Público - sustentação oral - Pontos DestacadosTE Público - sustentação oral - Pontos Destacados
TE Público - sustentação oral - Pontos Destacados
 
Direito processual civil aula 6
Direito processual civil   aula 6Direito processual civil   aula 6
Direito processual civil aula 6
 
Apelacao – dpp turma tj 353
Apelacao – dpp turma tj 353Apelacao – dpp turma tj 353
Apelacao – dpp turma tj 353
 

Mais de Esdras Arthur Lopes Pessoa

Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação po...
Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação   po...Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação   po...
Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação po...Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Con jur tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
Con jur   tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliadorCon jur   tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
Con jur tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliadorEsdras Arthur Lopes Pessoa
 
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Atividade estruturada Universidade Estácio de Sá
Atividade estruturada Universidade Estácio de SáAtividade estruturada Universidade Estácio de Sá
Atividade estruturada Universidade Estácio de SáEsdras Arthur Lopes Pessoa
 
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05Esdras Arthur Lopes Pessoa
 

Mais de Esdras Arthur Lopes Pessoa (20)

Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação po...
Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação   po...Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação   po...
Novo código de processo civil rompe resistências de juízes à conciliação po...
 
Con jur tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
Con jur   tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliadorCon jur   tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
Con jur tj-sp quer dobrar orçamento para r$ 22 bi e remunerar conciliador
 
REVISÃO CIVIL AV2
REVISÃO CIVIL AV2REVISÃO CIVIL AV2
REVISÃO CIVIL AV2
 
SOCIDIVAPLU - A REVANCHE
SOCIDIVAPLU - A REVANCHESOCIDIVAPLU - A REVANCHE
SOCIDIVAPLU - A REVANCHE
 
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
Coletanea aulas_etica_profissional_exame_xxiii_ano_2017
 
Caderno de questσes oab tributário
Caderno de questσes oab tributárioCaderno de questσes oab tributário
Caderno de questσes oab tributário
 
Caderno de questσes oab trabalho
Caderno de questσes oab trabalhoCaderno de questσes oab trabalho
Caderno de questσes oab trabalho
 
Caderno de questσes oab processo penal
Caderno de questσes oab processo penalCaderno de questσes oab processo penal
Caderno de questσes oab processo penal
 
Caderno de questσes oab civil
Caderno de questσes oab civilCaderno de questσes oab civil
Caderno de questσes oab civil
 
Atos administrativos
Atos administrativosAtos administrativos
Atos administrativos
 
Atividade estruturada Universidade Estácio de Sá
Atividade estruturada Universidade Estácio de SáAtividade estruturada Universidade Estácio de Sá
Atividade estruturada Universidade Estácio de Sá
 
Adm simulado i ii e iii
Adm simulado i ii e iiiAdm simulado i ii e iii
Adm simulado i ii e iii
 
20 fichas de Direito Administrativo
20 fichas  de Direito  Administrativo20 fichas  de Direito  Administrativo
20 fichas de Direito Administrativo
 
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
Carta testemunhc3a1vel-e-agravo-regimental-aula-05
 
Aula 12 prisões
Aula 12   prisõesAula 12   prisões
Aula 12 prisões
 
Aula 12 parte ii - prisões
Aula 12   parte ii - prisõesAula 12   parte ii - prisões
Aula 12 parte ii - prisões
 
Aula 11 parte 1 - prisões
Aula 11   parte 1 - prisõesAula 11   parte 1 - prisões
Aula 11 parte 1 - prisões
 
Aula 09 e aula 10 provas em espécie
Aula 09 e aula 10   provas em espécieAula 09 e aula 10   provas em espécie
Aula 09 e aula 10 provas em espécie
 
Apelação aula 12- 2015 enunciado e peça
Apelação   aula 12- 2015  enunciado e peçaApelação   aula 12- 2015  enunciado e peça
Apelação aula 12- 2015 enunciado e peça
 
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
 

200 dicas de processo penal oab Flávio Martins

  • 1. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br         RECURSOS  NO  PROCESSO  PENAL     DICA  1  –  Em  regra,  a  APELAÇÃO  é  um  recurso  que  deve  ser  interposto  em  5  dias   (art.  593,  CPP)  e  8  dias  para  oferecer  as  razões.       DICA  2  –  CUIDADO:  a  APELAÇÃO  nos  juizados  especiais  criminais  tem  o  prazo  de   10  dias  (para  interposição  e  razões)     DICA  3  –  Não  havendo  apelação  do  MP  no  prazo  legal,  o  ofendido,  ainda  que  não   habilitado,  pode  interpor  APELAÇÃO  em  15  dias.       DICA   4   –   Cabe   APELAÇÃO   no   processo   penal   contra   sentença   condenatória   e   sentença  absolutória  (própria  ou  imprópria).       DICA  5  –  ABSOLVIÇÃO  IMPRÓPRIA  é  aquela  que  absolve,  mas  impõe  medida  de   segurança  (cabe  apelação).       DICA  6  –  Cabe  APELAÇÃO,  na  2a  fase  do  rito  do  JÚRI  quando  ocorrer  nulidade   posterior  à  pronúncia  (art.  593,  III,  a,  CPP)     DICA  7  –  Cabe  APELAÇÃO,  na  2a  fase  do  rito  do  JÚRI  quando  a  sentença  do  juiz   for  contrária  à  lei  ou  à  decisão  dos  jurados  (art.  593,  III,  b,  CPP)     DICA   8   –   Cabe   APELAÇÃO,   na   2a   fase   do   rito   do   JÚRI   quando   houver   erro   ou   injustiça  no  tocante  à  pena  ou  a  medida  de  segurança  (art.  593,  III,  c,  CPP)     DICA   9   –   Cabe   APELAÇÃO,   na   2a   fase   do   rito   do   JÚRI   quando   a   decisão   dos   jurados  for  manifestamente  contrária  à  prova  dos  autos  (art.  593,  III,  d,  CPP)     DICA  10  –  Cabe  APELAÇÃO,  na  1a  fase  do  rito  do  JÚRI  contra  IMPRONÚNCIA  e   ABSOLVIÇÃO  SUMÁRIA  (art.  416,  CPP)     DICA  11  –  O  Recurso  em  Sentido  Estrito  (RSE)  tem  o  prazo  de  5  dias,  com  mais  2   dias  para  oferecer  as  razões     200  DICAS  DE  PROC.  PENAL   PARA  O  EXAME  DA  OAB     PROF.  FLÁVIO  MARTINS  
  • 2. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   DICA   12   –   Cabe   Recurso   em   Sentido   Estrito   contra   decisão   que   não   recebe   a   denúncia  ou  queixa     DICA  13  –  Cabe  Recurso  em  Sentido  Estrito  contra  pronúncia  e  desclassificação   na  1a  fase  do  Júri     DICA   14   –   Cabe   Recurso   em   Sentido   Estrito   contra   decisão   que   julgar   procedentes  as  exceções,  salvo  a  de  suspeição     DICA   15   –   Cabe   Recurso   em   Sentido   Estrito   contra   decisão   que   decretar   a   extinção  da  punibilidade  (prescrição,  por  exemplo)     DICA  16  –  Caber  Recurso  em  Sentido  Estrito  contra  decisão  do  juiz  que  concede   ou  nega  ordem  de  habeas  corpus     DICA  17  –  Cabe  Recurso  em  Sentido  Estrito  contra  decisão  que  anular  o  processo   no  todo  ou  em  parte     DICA   18   –   Cabe   Recurso   em   Sentido   Estrito   contra   decisão   que   denegar   a   apelação  ou  a  julgar  deserta     DICA   19   –   Cabe   Recurso   em   Sentido   Estrito   contra   decisão   que   ordenar   a   suspensão  do  processo,  por  questão  prejudicial     DICA   20   –   o   Recurso   em   Sentido   Estrito   admite   o   juízo   de   retratação   (efeito   regressivo  ou  iterativo)     DICA  21  –  Cabe  AGRAVO  EM  EXECUÇÃO  (art.  197,  LEP)  contra  decisão  proferida   na  fase  de  execução  da  pena     DICA   22   –   Cabe   AGRAVO   EM   EXECUÇÃO   contra   decisão   que   concede   ou   nega   livramento  condicional     DICA   23   –   Cabe   AGRAVO   EM   EXECUÇÃO   contra   decisão   que   concede   ou   nega   progressão  de  regimes     DICA  24  –  O  AGRAVO  EM  EXECUÇÃO  tem  o  prazo  de  5  dias     DICA   25   –   O   AGRAVO   EM   EXECUÇÃO   admite   juízo   de   retratação   (efeito   regressivo  ou  iterativo).       DICA   26   –   Os   EMBARGOS   DE   DECLARAÇÃO   são   opostos   em   2   dias   (5   dias   no   JECRIM).       DICA   27   –   cabe   EMBARGOS   DE   DECLARAÇÃO   quando   houver   contradição,   omissão,  ambiguidade  e  obscuridade     DICA  28  –  quando  opostos  os  EMBARGOS  DE  DECLARAÇÃO  ocorre  a  interrupção   do  prazo  dos  demais  recursos.  
  • 3. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   DICA   29   –   cuidado:   no   JECRIM,   a   oposição   dos   EMBARGOS   DE   DECLARAÇÃO   suspende  o  prazo  dos  demais  recursos     DICA  30  –  os  EMBARGOS  INFRINGENTES  são  o  único  recurso  exclusivo  da  defesa     DICA   31   –   cabem   EMBARGOS   INFRINGENTES   contra   acórdão   não   unânime   de   APELAÇÃO,  RESE    e  AGRAVO  EM  EXECUÇÃO.       DICA  32  –  os  EMBARGOS  INFRINGENTES  são  opostos  em  10  dias     DICA  33  –  nos  EMBARGOS  INFRINGENTES  somente  pode  ser  pedido  o  que  foi   concedido  no  voto  vencido     DICA  34  –  A  CARTA  TESTEMUNHÁVEL  tem  o  prazo  de  48  horas     DICA  35  –  A  CARTA  TESTEMUNHÁVEL  admite  juízo  de  retratação     DICA  36  –  A  CARTA  TESTEMUHÁVEL  deve  ser  interposta  ao  escrivão  chefe  do   cartório     DICA  37  –  cabe  CARTA  TESTEMUNHÁVEL  contra  decisão  que  nega  seguimento   ao  RESE  e  ao  AGRAVO  EM  EXECUÇÃO     DICA  38  –  o  RECURSO  ORDINÁRIO  CONSTITUCIONAL  (para  o  STF  ou  STJ)  tem  o   prazo  de  5  dias.     DICA  39  –  cabe  ROC  para  o  STF  contra  decisão  que  julga  crime  político  e  contra   decisão  que  nega  HC  nos  Tribunais  Superiores     DICA  40  –  cabe  ROC  para  o  STJ  contra  decisão  que  nega  HC  no  TJ  e  no  TRF     COMPETÊNCIA     DICA   41   –   JUSTIÇA   FEDERAL   é   competente   para   julgar   crime   contra   a   UNIÃO   (Administração  direta  ou  indireta)     DICA   42   –   JUSTIÇA   FEDERAL   julga   crime   contra   autarquia   federal,   empresa   publica  federal,  mas  não  sociedade  de  economia  mista     DICA   43   –   JUSTIÇA   FEDERAL   julga   crime   praticado   por   ou   contra   funcionário   público  federal,  no  exercício  da  função     DICA   44   –   JUSTIÇA   FEDERAL   julga   crime   político,   crime   a   bordo   de   navio   ou   avião  e  contra  o  sistema  financeiro     DICA   45   –   JUSTIÇA   FEDERAL   julga   crime   contra   a   organização   do   trabalho   e   contra  direitos  indígenas    
  • 4. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   DICA  46  –  Crime  praticado  pelo  PREFEITO  é  julgado  pelo  TJ  ou  pelo  TRF  (se  for   crime  federal)     DICA   47   –   Crime   praticado   pelo   GOVERNADOR   é   julgado   pelo   STJ   (não   importando  se  é  crime  federal  ou  estadual)     DICA  48  –  Crime  comum  praticado  pelo  PRESIDENTE  é  julgado  pelo  STF     DICA  49  –  Crime  praticado  por  DEPUTADO  FEDERAL  ou  SENADOR  é  julgado  pelo   STF     DICA  50  –  Crime  praticado  por  JUIZ  ESTADUAL  ou  membro  do  MP  ESTADUAL  é   julgado  pelo  TJ  do  Estado  da  autoridade     DICA  51  –  Se  JUIZ  DE  MINAS  GERAIS  pratica  crime  em  SÃO  PAULO,  será  julgado   pelo  TJ  DE  MINAS  GERAIS.       DICA  52  –  A  competência  por  prerrogativa  de  função  se  estende  aos  corréus  sem   essa  prerrogativa  (ex:  mensalão)     DICA  53  –  Em  regra,  terminado  o  mandato,  o  processo  descerá  para  a  comarca   onde  o  crime  aconteceu.       DICA   54   –   A   competência   por   prerrogativa   de   função   é   constitucional,   não   ferindo   o   princípio   da   igualdade,   por   não   ser   um   privilégio,   mas   uma   prerrogativa.     DICA  55  –  A  competência  por  prerrogativa  de  função  prevalece  sobre  o  júri,  se   estiver  na  Constituição  Federal.       DICA   56   –   Se   o   PREFEITO,   JUIZ   ou   PROMOTOR   mata,   quem   julga   é   o   TJ.   Se   o   GOVERNADOR  mata,  quem  julga  é  o  STJ.       DICA   57   –   Se   o   DEPUTADO   FEDERAL,   SENADOR   ou   PRESIDENTE   mata,   quem   julga  é  o  STF.       DICA  58  –  Em  regra,  a  competência  territorial  é  definida  pelo  lugar  onde  o  crime   se  consumou  (art.  70,  CPP)     DICA   59   –   Em   se   tratando   de   tentativa,   a   competência   é   fixada   pelo   lugar   do   último  ato  de  execução     Dica  60  –  No  crime  de  ação  privada,  a  vítima  tem  2  opções:  lugar  do  resultado  ou   domicílio  do  acusado.            
  • 5. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   PROVAS     DICA  61  –  O  CPP  (art.  155)  adota  o  sistema  da  livre  apreciação  da  prova  (o  juiz   atribui  livremente  valor  às  provas)     DICA  62  –  Provas  ilícitas  são  as  obtidas  com  violação  a  normas  constitucionais  ou   legais  (art.  157,  CPP)     DICA  63  –  Segundo  a  CF  (art.  5o,  LVI)  são  inadmissíveis  no  processo  as  provas   obtidas  por  meios  ilícitos     DICA  64  –  Se  a  prova  ilícita  ingressar  no  processo,  deverá  ser  desentranhada  e   inutilizada  por  decisão  judicial  (157,  §  3o,  CPP)     DICA   65   –   A   inadmissibilidade   das   provas   ilícitas   não   é   absoluta   (admite-­‐se   a   prova  ilícita  em  favor  do  réu)     DICA  66  –  ilicitude  por  derivação  (frutos  da  árvore  envenenada):  tudo  que  deriva   de  uma  prova  ilícita  também  é  ilícito     DICA   67-­‐   a   teoria   dos   frutos   da   árvore   envenenada   foi   adotada   pelo   CPP   (art.   157,  §  1o)     DICA   68   –   Quando   a   infração   deixar   vestígios,   será   indispensável   o   exame   de   corpo  de  delito,  direto  ou  indireto.       DICA   69   –   A   prova   pericial   deve   ser   feita   por   um   perito   oficial,   portador   de   diploma  de  curso  superior     DICA  70  –  se  não  houver  perito  oficial,  o  juiz  nomeará  2  pessoas  idôneas,  com   curso  superior  e  habilitação  para  o  exame     DICA  71  –  No  processo  penal,  desde  2008,  as  partes  poderão  indicar  assistentes   técnicos  (art.  159,  §  3o,  CPP)     DICA  72  –  No  processo  penal,  os  assistentes  técnicos  se  manifestam  depois  de   realizada  a  perícia.       DICA  73-­‐  se  os  peritos  forem  ouvidos  em  audiência,  deverão  ser  intimados  com   10  dias  de  antecedência  (art.  159,  §  5o,  CPP)     DICA  74  –  Se  a  perícia  for  complexa,  poderá  haver  mais  de  um  perito  e  as  partes   podem  indicar  mais  de  um  assistente  técnico  (159,  §  7o,  CPP)     DICA  75  –  O  interrogatório  é,  ao  mesmo  tempo,  um  meio  de  prova  e  um  meio  de   defesa    
  • 6. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   DICA   76   –   O   interrogatório   por   videoconferência   é   excepcional,   realizado   por   decisão  fundamentada  do  juiz  (185,  CPP)     DICA  77  –  Da  decisão  que  determinar  o  interrogatório  por  videoconferência,  as   partes  serão  intimadas  com  10  dias  de  antecedência     DICA   78   –   O   interrogado   tem   o   direito   de   permanecer   em   silêncio   (que   não   poderá  ser  interpretado  contra  ele)     DICA   79   –   o   interrogatório   tem   2   fases:   a)   de   identificação;   b)   de   mérito.   O   interrogado  pode  permanecer  em  silêncio  no  segundo.       DICA  80-­‐  A  todo  tempo  o  juiz  poderá  proceder  a  novo  interrogatório  de  ofício  ou   a  pedido  fundamento  de  qualquer  das  partes  (196,  CPP)     DICA  81-­‐  a  confissão  é  divisível,  retratável  e  não  é  a  “rainha  das  provas”  (art.  200,   CPP)     DICA  82-­‐  Sempre  que  possível,  o  ofendido  será  qualificado  e  perguntado  sobre  as   circunstâncias  da  infração  (art.  201,  CPP)     DICA   83-­‐   se   o   ofendido   é   intimado   e   não   comparece,   será   conduzido   coercitivamente.       DICA  84  –  o  ofendido  será  comunicado  da  entrada  e  saída  do  acusado  na  prisão,   data  de  audiência  e  sentença  e  acórdão     DICA   85   –   as   comunicações   ao   ofendido,   por   sua   opção,   podem   ser   feitas   por   meio  eletrônico     DICA   86-­‐   Em   regra,   a   testemunha   tem   o   dever   de   depor.   Se   faltar,   pode   ser   conduzida  coercitivamente     DICA   87-­‐   Podem   se   recusar   a   depor   alguns   parentes   do   réu:   CADI   (cônjuge,   ascendente,  descendente  e  irmão)+  afim  em  linha  reta     DICA  88-­‐  Não  prestam  compromisso  de  dizer  a  verdade:  menores  de  14  anos  e  os   que  podem  se  recusar  a  depor  (tweet  anterior)     DICA   89-­‐   são   proibidos   de   depor   os   que   devem   guardar   segredo   em   razão   de   profissão,  função  ou  ministério     DICA  90-­‐  as  perguntas  serão  formuladas  pelas  partes  diretamente  à  testemunha   (art.  212,  CPP)     DICA   91-­‐   o   juiz   não   admite   as   perguntas   que   induzem   resposta,   que   não   têm   relação  com  a  causa  ou  repetidas  (212,  CPP)    
  • 7. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   DICA   92-­‐   o   juiz   não   permitirá   que   a   testemunha   manifeste   suas   apreciações   pessoais,  salvo  quando  inseparáveis  da  narrativa  do  fato     DICA  93-­‐  se  a  presença  do  réu  causar  temor,  poderá  a  testemunha  ser  ouvida  por   videoconferência  (art.  217,  CPP)     DICA   94-­‐   As   pessoas   impossibilitadas,   por   enfermidade   ou   velhice,   de   comparecer  para  depor,  serão  inquiridas  onde  estiverem.     DICA  95-­‐  O  CPP  admite  o  reconhecimento  de  pessoas  e  coisas  (art.  226,  CPP)     DICA  96-­‐  embora  não  previsto  no  CPP  é  possível  o  reconhecimento  de  vozes  e   imagens     DICA   97-­‐   Salvo   os   casos   expressos   em   lei,   as   partes   poderão   apresentar   documentos  em  qualquer  fase  do  processo  (art.  231,  CPP)     DICA  98-­‐  A  busca  pessoal  não  precisa  de  mandado,  sendo  feita  quando  houver   suspeita  (art.  240,  §  2o,  CPP)     DICA   99-­‐   A   busca   domiciliar   necessita   de   mandado   judicial   e   só   pode   ser   executada  durante  o  dia  (art.  5o,  XI,  CF)     DICA  100-­‐  “se  você  acha  que  pode,  ou  acha  que  não  pode,  você  está  certo”.  VOCÊ   VAI  PASSAR  NESSA  PROVA.  SUCESSO!     PRINCÍPIOS  DO  PROCESSO  PENAL     DICA  101  –  JUIZ  NATURAL  (art.  5o,  LIII,  CF):  além  de  vedar  o  juízo  ou  tribunal  de   exceção,  traz  a  garantia  do  juiz  competente     DICA   102   –   Se   o   processo   estiver   tramitando   na   justiça   ou   instância   incompetente,  será  ABSOLUTAMENTE  NULO  (já  caiu  na  prova)     DICA  103    -­‐  AMPLA  DEFESA  (art.  5o,  LV,  CF):  é  a  soma  do  “direito  de  presença”  e   “direito  de  audiência”.       DICA  104  –  PRESUNÇÃO  DE  INOCÊNCIA  (art.  5o,  LVII,  CF):  até  que  haja  sentença   penal  condenatória  transitada  em  julgado,  o  réu  é  inocente     DICA   105   –INOCÊNCIA:   as   prisões   processuais   e   o   uso   de   algemas   são   excepcionais,  processos  em  andamento  não  são  maus  antecedentes  etc.     DICA   106   –   MOTIVAÇÃO   DAS   DECISÕES   (93,   IX,   CF):   as   decisões   devem   ser   motivadas,  sob  pena  de  NULIDADE  ABSOLUTA  (já  caiu  na  prova).       DICA   107   –   LEI   PROCESSUAL   NO   TEMPO:   princípio   do   efeito   imediato   ou   “tempus  regit  actum”.    
  • 8. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br     DICA  108  –  A  lei  processual  se  aplica  imediatamente  aos  processos  em  curso,  não   importando  se  beneficia  ou  não  o  réu.       DICA   109   –   com   o   advento   da   nova   lei   processual,   os   atos   processuais   já   praticados  permanecerão  válidos  (não  serão  anulados).     DICA  110  –  PRAZO  PENAL  conta  o  dia  do  começo,  excluindo  o  dia  do  final     DICA   111   –   PRAZO   PROCESSUAL   começa   a   contar   no   próximo   dia   útil.   Terminando  em  sábado,  domingo  etc.,  prorroga  para  o  próximo  dia  útil.     DICA   112   –   Segundo   o   art.   3o,   do   CPP,   à   lei   processual   aplica-­‐se   analogia,   interpretação  extensiva  e  princípios  gerais  do  direito     INQUÉRITO  POLICIAL     DICA  113  –  INQUÉRITO  POLICIAL  é  um  procedimento  administrativo  destinado   à  colheita  de  provas     DICA  114  –  O  inquérito  é  ESCRITO,  INQUISITIVO,  SIGILOSO  e  DISPENSÁVEL.       DICA  115  –  ESCRITO  (art.  9o,  CPP):  até  mesmo  as  provas  orais  (testemunhas,  p.   ex.)  são  reduzidas  a  termo     DICA   116   –   INQUISITIVO:   diferentemente   do   processo,   o   inquérito   não   tem   contraditório  e  ampla  defesa     DICA  117  –  SIGILOSO  (art.  20,  CPP):  determinado  pela  autoridade  policial,  mas   admite  exceções:     DICA  118  –  O  inquérito  não  é  sigiloso  para  o  JUIZ,  para  o  MP  e  para  o  ADVOGADO   (art.  7o,  EOAB  e  Súmula  Vinculante  14)     DICA   119   –   desrespeitada   a   súmula   vinculante,   caberá   Reclamação   para   o   Supremo  Tribunal  Federal  (art.  103-­‐A,  §  3o,  CF)     DICA  120  –    DISPENSÁVEL:O  inquérito  não  é  obrigatório  para  o  início  da  ação   penal  (mas  as  provas  são  indispensáveis).       DICA   121   –   Existem   INQUÉRITOS   EXTRAPOLICIAIS   (a   CPI,   por   exemplo).   Ela   pode  ser  instaurada  por  qualquer  casa  legislativa.       DICA  122  –  A  CPI  é  instaurada  para  apurar  fato  certo,  por  prazo  determinado,   por  assinatura  de  pelo  menos  1/3  dos  parlamentares     DICA   123   –   A   CPI   tem   poderes   instrutórios   do   juiz,   mas   não   pode   decretar   interceptação  telefônica  (reserva  de  jurisdição).    
  • 9. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br     DICA  124  –  O  MP  não  pode  arquivar  o  inquérito  policial.  Esse  é  requerido  ao  juiz,   que  pode  deferir  ou  indeferir.       DICA  125  –  Se  o  juiz  deferir  o  arquivamento  do  inquérito,  ele  será  arquivado,   decisão  contra  a  qual  não  cabe  recurso  (regra).       DICA   126   –   Arquivado   o   inquérito   policial,   poderá   ser   reaberto   se   surgirem   novas  provas  (regra).       DICA  127  –  Se  o  juiz  discordar,  remete  os  autos  ao  Procurador-­‐Geral,  nos  termos   do  artigo  28,  do  CPP     DICA   128   –   O   Procurador-­‐Geral   pode   insistir   no   arquivamento,   oferecer   a   denúncia  ou  designar  outro  membro  para  denunciar     DICA   129-­‐   Oferecida   a   denúncia   pelo   MP,   poderá   o   juiz   receber   (não   cabe   recurso,  só  HC)  ou  rejeitar  (cabe  RESE  e,  no  Jecrim,  APELAÇÃO).     AÇÃO  PENAL   DICA   130   –   Os   requisitos   da   denúncia   estão   no   artigo   41,   do   CPP   (leitura   obrigatória)     DICA  131  –  As  hipóteses  de  rejeição  da  denúncia  estão  no  artigo  395,  do  CPP   (leitura  obrigatória)     DICA  132  –  Em  regra,  o  inquérito  policial  tem  o  prazo  de  10  dias  (se  preso)  ou  30   dias  (se  solto).  Esse  último  é  prorrogável.       DICA  133  –  Princípios  da  ação  penal  pública:  obrigatoriedade,  indisponibilidade,   oficialidade  e  intranscendência     DICA   134   –   A   ação   penal   pública   pode   ser   condicionada   à   representação   do   ofendido  e  à  requisição  do  Ministro  da  Justiça     DICA  135-­‐  A  REPRESENTAÇÃO  do  ofendido  tem  o  prazo  de  6  meses,  a  contar  do   conhecimento  da  autoria     DICA   136   –   prazo   para   REPRESENTAÇÃO   é   um   prazo   penal   (conta   o   dia   do   começo,  excluindo  o  dia  do  final).       DICA  137-­‐  A  representação  não  tem  forma  específica  prevista  em  lei  (podendo   ser  oral,  escrita  etc)     DICA  138  –  Em  caso  de  morte,  a  representação  pode  ser  feita  pelo  CADI  (cônjuge,   ascendente,  descendente  e  irmão)    
  • 10. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   DICA   139   –   Em   regra,   a   retratação   da   representação   pode   ser   feita   até   o   oferecimento  da  denúncia     DICA  140-­‐  A  REQUISIÇÃO  DO  MINISTRO  DA  JUSTIÇA  não  tem  prazo  e  o  CPP  não   prevê  a  possibilidade  de  retratação.       DICA   141-­‐   os   crimes   contra   a   dignidade   sexual   são,   em   regra,   de   ação   penal   pública  condicionada  à  representação.       DICA  142-­‐  se  a  vítima  é  menor  de  18  anos  ou  vulnerável,  a  ação  penal  é  pública   incondicionada     DICA  143  –  os  crimes  contra  a  honra  são,  em  regra,  de  ação  penal  de  iniciativa   privada     DICA   144-­‐   o   crime   de   injúria   racial   ou   qualificada   é   de   ação   penal   pública   condicionada  à  representação     DICA   145   –   crimes   contra   a   honra   do   Presidente   da   República   ou   chefe   de   governo  estrangeiro  é  de  ação  pública  condicionada  à  req.  do  Min.  Da  Justiça     DICA  146  –  crime  contra  a  honra  de  funcionário  público  no  exercício  da  função   pode  ser  de  ação  privada  ou  pública  condicionada  à  representação     DICA   147-­‐   o   crime   de   lesão   corporal   leve   ou   lesão   culposa   é   de   ação   pública   condicionada  à  representação     DICA  148-­‐  crime  de  lesão  corporal  dolosa  grave  ou  gravíssima  é  crime  de  ação   pública  incondicionada     DICA   149-­‐   segundo   o   STF,   todo   crime   de   lesão   corporal   contra   mulher,   com   violência  doméstica  ou  familiar  é  pública  incondicionada     DICA   150-­‐   A   lesão   corporal   culposa   no   trânsito   é   crime   de   ação   pública   condicionada  à  representação  do  ofendido     DICA  151-­‐  Exceções:  se  o  motorista  está  embriagado,  participando  de  RACHA  ou   acima  de  50  km/h  acima  do  limite  é  pública  incondicionada     DICA   152-­‐   a   RENÚNCIA   ao   direito   de   queixa   ocorre   ANTES   da   queixa   e   é   unilateral  (não  precisa  de  aceitação  do  criminoso)     DICA   153   –   O   PERDÃO   DO   OFENDIDO   ocorre   DEPOIS   DA   QUEIXA   (durante   o   processo)  e  é  bilateral  (precisa  de  aceitação)     DICA   154-­‐   Tanto   a   renúncia   quanto   à   queixa   comunicam-­‐se   ao   coautor   e   partícipe  (mas  no  perdão,  só  beneficia  quem  o  aceitar)    
  • 11. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   DICA  155-­‐  PEREMPÇÃO  é  a  extinção  da  punibilidade  decorrente  da  inércia  do   querelante  (só  acontece  na  ação  penal  privada)  –  art.  60,  CPP     DICA  156  –  A  execução  civil  da  sentença  penal  condenatória  é  ajuizada  após  o   trânsito  em  julgado.       DICA  157-­‐  Na  sentença  penal  condenatória,  o  juiz  deve  fixar  o  valor  mínimo  da   reparação  do  dano     DICA  158-­‐  A  vítima  poderá  pleitear  um  valor  maior  no  juízo  cível     DICA   159-­‐   A   ação   civil   ex   delicto   cabe   em   caso   de   extinção   da   punibilidade,   arquivamento  do  inquérito  policial  ou  sentença  absolutória     DICA  160-­‐  exceções:  a)  reconhecimento  da  inexistência  do  fato;  b)  certeza  da  não   autoria;  c)  excludente  da  ilicitude  (regra).     PRISÕES  PROCESSUAIS     DICA  161-­‐  FLAGRANTE  -­‐  as  hipóteses  estão  no  art.  302,  do  Código  de  Processo   Penal.  Flagrante  próprio,  impróprio  (quase  flagrante)  e  presumido.         DICA  162-­‐  FLAGRANTE  PRÓPRIO:  o  agente  está  cometendo  ou  acaba  de  cometer   a  infração.       DICA   163-­‐   FLAGRANTE   IMPRÓPRIO   OU   QUASE   FLAGRANTE   -­‐     logo   após   a   infração,  o  agente  é  perseguido  e  preso     DICA   164-­‐   No   flagrante   impróprio,   não   há   prazo   para   realização   dessa   prisão,   desde  que  a  perseguição  seja  ininterrupta     DICA   165   –   FLAGRANTE   PRESUMIDO-­‐   logo   depois   da   infração   o   agente   é   encontrado   com   algum   objeto   comprometedor   (arma   do   crime,   pertences   da   vítima  etc)     DICA  166-­‐    IMPORTANTE:  se  o  fato  não  se  enquadrar  no  artigo  302,  do  CPP  NÃO   HAVERÁ  FLAGRANTE.  Exemplo:  apresentação  espontânea  do  criminoso.     DICA   167-­‐   Segundo   o   art.   303,   CPP:   nas   infrações   permanentes,   entende-­‐se   o   agente  em  flagrante  delito  enquanto  não  cessar  a  permanência.  Ex:  seqüestro     DICA  168-­‐  Segundo  o  artigo  306,  do  CPP,  o  auto  de  prisão  em  flagrante  deve  ser   lavrado  em  24  horas.       DICA  169-­‐  O  preso  tem  o  direito  de  permanecer  em  silêncio  (e  o  direito  de  não   ser  obrigado  a  produzir  provas  contra  si  próprio)    
  • 12. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   DICA   170-­‐   o   preso   será   informado   de   seus   direitos,   entre   os   quais   o   de   permanecer  calado,  sendo-­‐lhe  assegurada  a  assistência  da  família  e  de  advogado     DICA  171-­‐  PRISÃO  PREVENTIVA:  312  e  seguintes  do  CPP.  Decretada  por  juiz,  na   fase  de  inquérito  ou  processo.     DICA   172-­‐   Mediante   requerimento   do   MP   ou   querelante,   representação   do   delegado  ou  DE  OFÍCIO  PELO  JUIZ.  Não  cabe  nos  crimes  culposos  (só  dolosos).     DICA  173-­‐  A  preventiva  não  tem  prazo  previsto  em  lei  (veja  o  caso  do  goleiro   Bruno),  permanecendo  enquanto  presentes  os  seus  requisitos.     DICA  174-­‐  os  requisitos  da  PREVENTIVA  estão  previstos  no  artigo  312  do  CPP   (leitura  obrigatória)     DICA   175-­‐   PRISÃO   TEMPORÁRIA:   fundada   na   Lei   7.960/89,   tem   a   função   de   garantir  a  investigação  criminal  (só  é  decretada  durante  o  IP).     DICA  176-­‐Decretada  por  juiz,  mediante  requerimento  do  MP,  representação  do   delegado.  NÃO  PODE  SER  DECRETADA  DE  OFÍCIO.     DICA   177-­‐   Tem   prazo   determinado   na   lei:   5   dias,   prorrogáveis   por   mais   5,   se   houver  necessidade.       DICA   178-­‐   Se   for   crime     hediondo   ou   equiparado,   o   prazo   é   de   30   dias,   prorrogáveis  por  mais  30  dias.     DICA  179-­‐  Os  requisitos  estão  previstos  no  artigo  1o  da  Lei  7.960/89.  DEVE  LER   ESSE  ARTIGO.  É  MUITO  IMPORTANTE     DICA  180-­‐  Prevalece  o  entendimento  de  q  o  inciso  III  é  OBRIGATÓRIO  (um  dos   crimes  graves  previstos  nesta  lei).  Além  dele,  deve  ter  o  inciso  I  ou  o  II.     PROCEDIMENTOS     DICA  181  –  Procedimento  ordinário  é  destinado  a  apurar  os  crimes  com  pena   máxima  igual  ou  superior  a  quatro  anos.       DICA   182   –   Procedimento   sumário   é   destinado   a   apurar   os   crimes   com   pena   máxima  superior  a  dois  e  inferior  a  4  anos.       DICA  183  –  Procedimento  sumaríssimo,  previsto  na  Lei  9.099/95,  destina-­‐se  a   apurar   as   infrações   de   menor   potencial   ofensivo   (todas   as   contravenções   e   os   crimes  cuja  pena  máxima  não  excede  2  anos).     DICA  184  –  Há  três  espécies  de  citação  no  processo  penal:  pessoal  (regra),  por   edital  e  com  hora  certa.    
  • 13. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   DICA  185  –  Enquanto  a  citação  por  rogatória  não  for  cumprida,  fica  suspensa  a   prescrição.       DICA   186   –   Citação   por   edital   será   feita   se   o   réu   está   em   local   incerto   e   não   sabido.   Se   o   réu   não   atende   ao   chamado,   suspende   o   processo   e   a   prescrição,   podendo  o  juiz  determinar  a  produção  de  provas  urgentes  e  decretar  a  prisão   preventiva,  se  o  caso.       DICA  187  –  Citação  com  hora  certa  é  feita  quando  o  réu  se  oculta  para  não  ser   citado   pessoalmente.   Adota-­‐se   o   mesmo   procedimento   do   CPC.   Se   o   réu   não   atende  ao  chamado,  ocorre  a  revelia.       DICA   188   –   Depois   de   citado,   o   réu   terá   o   prazo   de   10   dias   para   apresentar   RESPOSTA  À  ACUSAÇÃO.       DICA  189  –  A  resposta  à  acusação  é  uma  peça  obrigatória  (o  processo  não  pode   seguir  sem  ela,  sob  pena  de  nulidade).       DICA   190   –   Na   resposta   à   acusação   a   defesa   arrola   suas   testemunhas   (no   procedimento  ordinário,  até  8  testemunhas).     DICA   191   –   Depois   da   resposta   à   acusação,   poderá   o   juiz   ABSOLVER   SUMARIAMENTE  O  RÉU,  nos  termos  do  artigo  397,  do  CPP     DICA   192   –   Cabe   absolvição   sumária:   a)   quando   o   fato   for   atípico;   b)   quando   houver  excludente  da  ilicitude;  c)  quando  houver  excludente  da  culpabilidade,   exceto  inimputabilidade;  d)  quando  houver  extinção  da  punibilidade.       DICA  193  –  Contra  absolvição  sumária,  cabe  APELAÇÃO  (art.  416,  CPP)     DICA   194   –   Se   o   juiz   não   absolver   sumariamente   o   réu,   marcará   audiência   de   instrução  e  julgamento,  no  prazo  de  60  dias.       DICA  195  –  Na  audiência  de  instrução  teremos:  oitiva  do  ofendido,  testemunhas   arroladas  pela  acusação  e  defesa,  perito  e  assistentes  técnicos,  reconhecimento  e   acareação,  interrogatório,  debates  orais  e  sentença.       DICA  196  –  Os  debates  orais  terão  o  prazo  de  20  minutos,  prorrogados  por  mais   10  minutos,  para  cada  parte.       DICA  197  –  O  juiz  pode  converter  os  debates  orais  em  memoriais  em  3  situações:   caso  complexo,  vários  réus  ou  surgimento  de  novas  provas.       DICA  198  –  Os  memoriais  terão  o  prazo  de  5  dias  (para  a  acusação),  5  dias  para  a   defesa.  A  ordem  deve  ser  essa.  Depois  disso,  o  juiz  terá  10  dias  para  sentenciar.     DICA  199  –  “Emendatio  Libelli”,  prevista  no  art.  383,  do  CPP,  permite  que  o  juiz   dê   aos   fatos   previstos   na   inicial   uma   definição   jurídica   diferente,   ainda   que   implique   pena   mais   grave.   Já   na   “mutatio   libelli”   (art.   384,   CPP)   surgem   fatos  
  • 14. Twitter:  @sigaoflavio   Facebook:  professorflaviomartins   Site:  www.professorflaviomartins.com.br   novos  que  alteram  a  definição  do  crime.  Nesse  caso,  o  MP  deve  aditar  (em  5  dias)   e  a  defesa  deve  ser  ouvida  (em  5  dias)  e  cada  parte  pode  arrolar  3  testemunhas.     DICA   200   –   Desejo   a   todos   um   excelente   Exame   da   OAB.   Estarei   na   torcida.   Grande  abraço  do  prof.  Flávio  Martins.