SlideShare uma empresa Scribd logo
Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais
                                 Belém, Pará
                        22 de novembro de 2010


     SISTEMAS AGROFLORESTAIS E SUSTENTABILIDADE;
                   UM ENFOUE NA GERAÇÃO DE RENDA



                        Adonias de Castro Virgens Filho
                          Engenheiro Agrônomo, D. Sc.
                          Pesquisador do MAPA/CEPLAC/CEPEC
                            adoniascastro@cepec.gov.br
                               Tel: 55-73-32143201



                        MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
                         PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
SEMPRE UM BOM CAMINHO
HEVEICULTURA COMO ALTERNATIVA AO
                                     DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

                    DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
                                        Conceito




  A heveicultura é uma das atividades do agronegócio mundial que mais se identifica com o
desenvolvimento econômico, a conservação produtiva e a inclusão social.
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
                               AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
                                     O CASO HEVEICULTURA

               A HEVEICULTURA COMO ALTERNATIVA AO
                 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
  A seringueira foi uma das últimas espécies vegetais domesticadas pelo homem.
  O cultivo da seringueira se estende por 10 milhões de hectares em todo o
mundo.
  É a principal fonte de mais de 10 milhões de produtores rurais e suas famílias.
  Uma das razões da sua dispersão é sua adaptação ao tropico úmido por
conservar grande parte da estrutura do ecossistema. contribuindo para a sua
estabilidade
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
                                  AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
                                        O CASO HEVEICULTURA
                    DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
                          Seringal Nativo da Amazônia




  A heveicultura é uma das atividades do agronegócio mundial que mais se identifica com o
desenvolvimento econômico, a conservação produtiva e a inclusão social.
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
                         AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
                               O CASO HEVEICULTURA


            Sistemas Seqüenciais AMBIENTE
              IMPACTO SOBRE O MEIO
           Dinâmica dos Sistemas e a Intervenção Humana
            Agricultura migratória




                                         n° de ciclos ?

Foresta    Quema     Cultivo    Pose      Degradación
primaria                                  (?)




                                                          Muller, 2007.
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
         AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
               O CASO HEVEICULTURA


IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE
      Ciclo Hidrológico
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
                                            AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
                                                  O CASO HEVEICULTURA

                             IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE
                                             Ciclo Hidrológico

  Balanco hidrico de um seringal e da floresta
  Ecossistema Precipitação Evapotranspiração                          Aemazenamento e Drenagem
                       anual (mm)              anual (mm)                               (mm)

      Floresta             2.434                   1.217                                1.217
      Seringal             2.532                    894                                 1.638

  Fonte Cabral (1991) citado por Moraes e Moreira (2003)


  A interceptação das chuvas pela floresta primaria foi maior e resultou em uma taxa de EVT de 3,4 +/- 0,4 mm por dia.

  Devido a maior interceptação a floresta devolveu à atmosfera 50 % da precipitação pluviométrica,e o seringal 32 %.

  Por sua vez, no seringal os teores de água armazenada foram mais altos do que na floresta, mantendo-se próximo a
capacidade de campo no período chuvoso e sempre acima de 70 % da capacidade de campo no periodo seco
 O equilíbrio do balanço hídrico do seringal expressou-se, pelo maior armazenamento de água e maior drenagem

profunda.
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
     AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
           O CASO HEVEICULTURA

IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE
      Ciclo Hidrológico
SISTEMAS AGROFLORESTAIS
    COMO ALTERNATIVA AO
      DESENVOLVIMENTO
        SUSTENTÁVEL


IMPACTO SOBRE O AMBIENTE
    Ciclo Hidrológico
SAFs COMO ALTERNATIVA AO
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
  O CASO HEVEICULTURA


IMPACTO SOBRE O AMBIENTE
    Ciclo Hidrológico
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
                                       AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
                                             O CASO HEVEICULTURA

                               IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE
                                   Ciclagem de Nutrientes


 Exportação de nutrientes por diferentes culturas tropicais
                                                      Exportação de nutrientes
                                                                      Kg
Cultivo                            Produção          N         P            K    Ca   Mg
Dendê                              2,5 t de óleo    102        30          207   38   38
Coco                               1,4 t de copra    62        25           56    6   12
Cana                               80 t de colmos    45        25          121
Banana                             45 t de frutos    78        22          224
Borracha                           1,1 t             7         1            4
Fonte (Mengel e Kirby, 1987)
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
     AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
           O CASO HEVEICULTURA

  IMPACTO SOBRE O AMBIENTE
     Ciclagem de Nutrientes
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
     AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
           O CASO HEVEICULTURA

                                       IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE
                                            Acumulação de Fitomassa




        A fitomassa acumulada varia de acordo com a idade, clone, densidade de plantio,

     estado sanitário das plantas e ambiente.
       Tem início após o fechamento do dossel.
       Um seringal acumula ao final do ciclo 229 toneladas de carbono/hectare mais 37
     toneladas correspondentes a 46 toneladas de borracha (Templeton, 1968).
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA
             AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
                   O CASO HEVEICULTURA

                 IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE
                     Emissão de Gás Carbônico
  O consumo de energia para a produção de 1,0 tonelada de borracha

sintética é de 108 a 174 Gigajoules, com uso de combustíveis fosseis;
   O consumo de energia para a produção de 1,0 tonelada de borracha
natural é de apenas 13 Gigajoules (IRRDB, 1998).
  A importância do látex na exploração comercial induz a formação de dreno
não convencional.
Sistema Agroforestal


Plantacões de árvores frutíferas

 Plantações de árvores florestais

   Cultivos agrícolas

     e/ou animais

       de maneira simultânea ou sequenciada
            Sustentabilidade   Sustentabilidade                Sustentabilidade
              Econômica             Social                        Ambienal
                                 OTS/CATIE, (1986); LUDGREN e RAITREE, (1982) e; NAIR (983).
SAFs segundo o
               natureza dos componentes

Componente florestal: associação com árvores (algumas essências nativas
e/ou exóticas em meio ao sistema) e palmeiras (seringueira com pupunha,
açaí ou palmeira real, café com palmeira imperial ou pupunha).
SAFs segundo o natureza dos
                     componentes

   Componente herbáceo-arbustivo: plantas herbáceas
(feijão, milho, sorgo, soja, trigo, batata-doce, abacaxi,
inhame) e arbustivas (cacau, café, citros, cupuaçu).
SAFs segundo o natureza dos
                       componentes

  Componente animal: pequeno porte (abelhas, carneiros,
ovelhas) e grande porte (bezerros, bois, vacas).
SAFs segundo a base funcional:
              madeira e látex
Sistemas Agroforestais
                                          Desenho Espacial
                             Sistema zonal, continuo ou misto




Sistema contínuo - seringueira e cacau, seringueira e café;; eritrina e cacau

Sistema zonal - seringueira e cacau, seringueira e café, seringueira

e cupuaçu, seringueira e graviola;
Vantagens dos
Sistemas
Agroflorestais


  Melhor distribuição de renda ao longo do ano;
  Minimização dos riscos de insucesso;
  Melhor utilização e distribuição da mão-de-obra;
  Proporciona menor incidência de pragas e
  doenças;
  Possibilita o uso mais intensivo e racional da
  terra;
  Propicia maior lucro por unidade de área
Sistemas Agroflorestais
Benefícios Indiretos (Serviços)


              Sombra e proteção aos cultivos

              Controle de efeitos negativos do
              vento.

              Aumento da biodiversidade;

              Proteção contra efeitos da geada;
Sistemas Agroflorestais
Benefícios Indiretos (Serviços)


            Conservação do solo, controle da erosão.

            Melhorar as propriedades químicas e físicas
            do solo.

            Redução da pressão sobre a vegetação
            nativa, abrigo para a fauna etc.
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO
                DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
                    O CASO HEVEICULTURA


Uso de agrotóxicos e manejo de efluentes


     O uso de fungicidas é uma pratica empregada
   apenas em viveiros, jardins clonais e no controle das
   doenças de painel da seringueira.
     Em seringal adulto não é usual o uso de fungicidas
   par o controle das doenças das folhas, mas usam-se,
   eventualmente, inseticidas.
     Os agroquímicos mais empregados nos seringais
   são os herbicidas e estimulantes da produção de látex.
     Os efluentes das usinas são tratados
   adequadamente com a tecnologia existente.
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO
           DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
               O CASO HEVEICULTURA



           IMPACTO SOBRE A FAUNA


  A presença de mamíferos de grande porte é rara
devido a freqüente presença humana.
  Os nectários florais das folhas alimentam as abelhas,
formigas e pulgões, que alimentam pássaros
entomofagos.
 É possível cultvar a seringueira e ter outras atividades
no imóvel como reserva de florestas e criação de
animais.
O IMPACTO SOCIAL
  A heveicultura não comporta funções
de mecanização na sangria.
  Gera emprego o ano inteiro.
  O monocultivo absorve 1 trabalhador
para cada 5 a 10 hectares na sangria.
  O Saf Seringueira e cacau absorve 1
trabalhador para cada 3 a 5 hectares.
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO
       DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
           O CASO HEVEICULTURA




               IMPACTO SOCIAL


   A borracha permite a agregação de valor na

agricultura familiar.
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO
       DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
           O CASO HEVEICULTURA




            IMPACTO SOCIAL


  A borracha possui liquidez.
SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO
       DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
           O CASO HEVEICULTURA


            IMPACTO SOCIAL


    Em sistema agroflorestal gera oportunidade
  para a mão-de-obra familiar.
    Sob o ponto de vista da renda mensal, um
  módulo de 3,0 hectares possibilita ganhos que
  variam de 2,0 a 2,5 salários mínimos na fase de
  reembolso do financiamento e 3,0 a 4,0 salários
  na fase subseqüente.
    Em sistema agroflorestal, do ponto de vista da
  capacidade de trabalho, a área ideal para uma
  família é de 6,0 hectares.
HEVEICULTURA COMO ALTERNATIVA AO
                                 DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

                            INCLUSÃO SOCIAL
RENDA ESPERADA POR FAMILIA EM TRES HECTARES DE SERINGUEIRA NO MODELO SAF.

                          Renda Anual    Salários Mínimos

       25.000,00                                              4

                                                              3,5
       20.000,00
                                                              3

       15.000,00                                              2,5

                                                              2
       10.000,00                                              1,5

                                                              1
        5.000,00
                                                              0,5

           0,00                                               0
SAF Seringueira e Cacau




Cacau -76 @/ha aos 5 anos;
Seringueira – início de produção da borracha aos 5,5 anos.
Plantio Simultâneo Seringueira e Cacau
Plantio Simultâneo Seringueira e Cacau
SAF Seringueira e Abacaxi




Experiência de Mneros S. A. ,Corinoquia, Colômbia.
Carlos Tamoyo, 2008.
SAF Seringueira e Café




Seringueira e Cafeeiro,
Pinheiros, Espírito Santo – Moysés Couvre & Irmãos
Análise Financeira
Como investir em monocultivos perenes?
   O longo período de imaturidade de alguns monocultivos
    perenes torna o investimento pouco atrativo.
   Os sistemas agroflorestais se constituem numa
    alternativa atrativa de investimento quando comparados
    aos monocultivos
Análise Financeira
A análise financeira



  Fluxo de Caixa do SAF seringueira, bananeira e cacaueiro por
  20 anos.

    Os   custos e as receitas incidentes no projeto
       foram ordenados anualmente em um fluxo de
       caixa
   Taxa de Desconto Utilizada

      A taxa de desconto de 4% ao ano, aplicada pelo
       Programa Nacional de Fortalecimento da
       Agricultura Familiar – Pronaf,
Análise de Financeira
A análise financeira



  Composição dos custos

    Os custos de mão-de-obra e insumos utilizados para a
      realização das seguintes atividades: implantação (preparo
      da área, aquisição de mudas e plantio)
Análise Financeira
            da Seringueira em Monocultivo
A análise financeira

   A análise é conduzida em base ex ante;

   Simulação do Plantio de Seringueira em Monocultivo por 20 anos.

       Seringueira: espaçamento de 6,0 m x 3,0 m (550 plantas/ha);
Heveicultura em Monocultivo
Análise de Investimento
Análise Financeira
                     da Seringueira em Monocultivo

                     Produção de seringueira em monocultivo


Tabela 2. Produção de borracha da seringueira em monocultivo no esp. 6,0 X 3,0 m
Idade do Ano de    Borracha seca    Coágulo      Plantas em     Plantas em   Bor. Seca  Coágulo
 plantio exploração Kg/árv/ano     Kg/árv/ano   sangria (%)/1   sangria/ha   kg/ha/ano kg/ha/ano
   7         1          1,5           2,63           60             330         495        866
   8         2          2,5           4,38           80             440         1100      1925
   9         3          3,5           6,13           90             495        1732,5     3032
   10        4          3,5           6,13           90             495        1732,5     3032
   11        5          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
   12        6          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
   13        7          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
   14        8          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
   15        9          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
   16       10          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
   17       11          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
   18       12          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
   19       13          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
   20       14          4,5           7,88           90             495        2227,5     3898
Análise Financeira
  da Seringueira em Monocultivo
 Análise de sensibilidade da seringueira em monocultivo

 Tabela 3 . Análise de investimento do plantio e exploração da seringueira em monocultivo
Taxa de Preço da         VPL         Relação           TIR           Pay Back
 Juros Borracha           R$     Benefício/Custo                      (anos)
  4%        2,40    R$ 38.394,02      1,49          13,0%     12 anos e 4 meses
  4%        3,00    R$ 38.394,02      1,86          17,0%     11 anos e 2 meses
  4%        3,60    R$ 38.394,02      2,24          20,0%     10 anos e 9 mês
5,75%       2,40    R$ 27.924,14      1,39          13,0%     13 anos e 8 meses
5,75%       3,00    R$ 27.924,14      1,73          17,0%     11 anos e 6 meses
5,75%       3,60    R$ 27.924,14      2,08          20,0%     10 anos e 5 meses
7,75%       2,40    R$ 18.999,01      1,27          13,0%     14 nos e 8 meses
7,75%       3,00    R$ 18.999,01      1,59          17,0%     12 anos e 1 mês
7,75%       3,60    R$ 18.999,01      1,91          20,0%     10 anos e 1 mês
10,25%      2,40    R$ 11.082,80      1,13          13,0%     16 anos e 9 meses
10,25%      3,00    R$ 11.082,80      1,41          17,0%     12 anos e 1 meses
10,25%      3,60    R$ 11.082,80      1,69          20,0%     11 anos e 7 meses
Análise Financeira do SAF com
              Seringueira e Cacau
A análise financeira

 A análise é conduzida em base ex ante;
 Simulação do SAF seringueira, bananeira e cacaueiro por
 20 anos.
     Seringueira: espaçamento de 17,0 m x 3,0 m x 2,5 m, em
      2 fileiras (400 plantas/ha);
     Cacaueiro, 5 fileiras de 3,0 m x 2,5 m à distância de 2,5 m
      da seringueira (833 plantas/ha);
     Bananeira, 6 fileiras de 3,0 m x 3,0 m, sendo a mais
      próxima da seringueira à distância de 1,25 m e à 5,0 m na
      mesma fila (833 plantas/ha).
Análise Financeira do SAF com
                                                     Seringueira e Cacau

Aspectos a considerar em um SAF

  Existência de mercado, análise financeira favorável, experiência com o cultivo
e disponibilidade de tecnologia da espécie consorte;

  Adaptabilidade às condições de solo e clima da região;

  A cultura consorte deve ter tolerância ao sombreamento da seringueira ou ser
plantada a pleno sol, entre as linhas da seringueira;
Análise Financeira do SAF com
                                                  Seringueira e Cacau


Aspectos a considerar em um SAF

  A cultura consorte deve ocupar estratos de parte aérea e radicular diferentes
daqueles da seringueira, a fim de reduzir a competição e possibilitar melhor
aproveitamento do solo e da radiação solar;

  Não devem ter períodos coincidentes de máxima exigência dos fatores de
produção, especialmente mão de obra;


• dimensionar os espaços para permitir o acesso de máquinas e implementos
quando do uso de mecanização parcial ou total;
Análise Financeira do SAF com
                                                                Seringueira e Cacau

                                     Produção de borracha da seringueira em SAF



Tabela 4 ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO D E BORRACHA NO SAF SERINGUEIRA 400 PLANTAS
                    E CACAU 833 PLANTAS 1
Idade do   Ano de      Borracha seca      Coágulo     Plantas em Plantas em       Bor. Seca          Coágulo
  plantio exploração     Kg/árv/ano      Kg/árv/ano sangria (%)/1 sangria/ha       kg/ha/ano       kg/ha/ano
     7         1             1,5             2,63          60           240            360             630
     8         2             2,5             4,38          80           320            800            1400
     9         3             3,0             5,25          90           360           1080            1890
    10         4             3,5             6,13          90           360           1260            2205
    11         5             4,0             7,00          90           360           1440            2520
    12         6             4,0             7,00          90           360           1440            2520
    13         7             4,0             7,00          90           360           1440            2520
    14         8             4,0             7,00          90           360           1440            2520
    15         9             4,0             7,00          90           360           1440            2520
    16        10             4,0             7,00          90           360           1440            2520
     17       11             4,0             7,00          90           360           1440            2520
     18       12             4,0             7,00          90           360           1440            2520
     19       13             4,0             7,00          90           360           1440            2520
     20       14             4,0             7,00          90           360           1440            2520
1/ SERINGUEIRA - 17,0m x 3,00m x 2,5m (400pl/ha); CACAUEIROS - 5 fileiras de 3,0m x 3,0m (833 pl/ha)
Análise Financeira do SAF com
                                                   Seringueira e Cacau

                      Produção de cacau em SAF

Tabela 5. ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO DO SAF SER 400 PLANTAS E
           CACAU 855 PLANTAS 1
Anos pós Anos pós Cacaueiros2 Produção                      Fator de       Cacaueiros3
 plantio enxertia no de plantas arrobas/ha                  conversão        arrobas/ha
                                                            (1 para 2)            2
    1            0              0                0              0.0              0.0
    2            1              0                0              0.0              0.0
    3            2              0                0              0.0              0.0
    4            3             1000              30             0,5              15
    5            4             1000              60             0,5              30
    6            5             1000             100             0,5              50
    7            6             1000             100             0,5              50
    8            7             1000             100             0,5              50
    9            8             1000             100             0,5              50
    10           9             1000             100             0,5              50
    11           10            1000             100             0,5              50
    12           11            1000             100             0,5              50
    13           12            1000             100             0,5              50
    14           13            1000             100             0,5              50
    15           14            1000             100             0,5              50
    16           15            1000             100             0,5              50
    17           16            1000             100             0,5              50
    18           17            1000             100             0,5              50
    19           18            1000             100             0,5              50
    20           19            1000             100             0,5              50
1/ Seringueira - 17,0m x 3,00m x 2,5m (400pl/ha); CACAUEIROS - 5 fileiras de 3,0m x3,0 m
2/ Cacaueiros clonados em consórcio com a seringueira - 855 plantas por hectare
Análise Financeira do SAF com
                           Seringueira e Cacau
Parâmetros considerados


 Valor Presente Líquido (VPL)
    OVPL indica a diferença entre as receitas e os
    custos, atualizados, a determinada taxa de
    desconto.
 Taxa Interna de Retorno (TIR)
     A TIR representa a taxa de desconto que iguala
    o valor presente das receitas ao valor presente
    dos custos.
Análise Financeira do SAF com
                         Seringueira e Cacau

Parâmetros considerados

 Razão Benefício/Custo (B/C)
     É uma medida de quanto se ganha por unidade
    de capital investido. Relação entre o valor
    presente dos benefícios e o valor presente dos
    custos.
 Payback
    Corresponde ao períodos necessário para a
    recuperação do capital investido em uma
    determinada atividade.
Análise Financeira do SAF com
Fluxo de Caixa                                  Seringueira e Cacau
     Análise de sensibilidade da seringueira e cacau em SAF
Análise Financeira do SAF com
Fluxo de Caixa                                 Seringueira e Cacau
                 Análise de sensibilidade da seringueira e cacau em SAF
Análise Financeira

Conclusões


  O monocultivo de seringueira é mais suscetível aos
  riscos e incertezas do que o SAF seringueira e
  cacaueiro;
  O fluxo de caixa é melhor no SAF quando
  comparado ao monocultuivo;

  Os bons preços da borracha tornam o negóci
  atratativo inclusive no monocultivo;
  A TIR é mais atrativa no SAF e o Pay back tem o
  período mais reduzido.
NOSSO DESAFIO :
COMO TRANSFORMAR OS BENEFÍCIOS
DOS SAFs EM POLÍTICAS PÚBLICAS?



           1
PRODEBON
PRODEBON
PRODEBON
                           160.000
                                                                                                                                               146.555

                           140.000
                                                   Produção com o Prodebom
                                                   Produção sem o Prodebom
(toneladas de borracha seca)




                           120.000


                           100.000


                               80.000


                               60.000


                               40.000
                                        17.291
                                        17.291
                               20.000
                                                                                                                                                 2.291
                                   0
                                            2012    2014   2016   2018   2020   2022   2024   2026   2028   2030   2032   2034   2036   2038    2040
                                             Figura 19. Evolução da produção de borracha seca dos seringais da Bahia com a
                                                                       implementação do Prodebon
PRODEBON
                                                                                                         1.172.441,5
             1.200.000,0
                                           Renda da borracha comercilaizada pelo produtor
                                           Renda da borracha processada pela usina - GEB
             1.000.000,0
                                                                                                         863.210,1


                         800.000,0
(Renda em R$ 1.000,00)




                         600.000,0


                         400.000,0

                                     138.326,4
                         200.000,0   101.842,8



                               0,0
                                      2012 2014 2016 2018 2020 2022 2024 2026 2028 2030 2032 2034 2036 2038 2040

                                     Figura 20. Evolução da renda decorrente da comerciliazação da borracha
PRODEBON
                                                                                 34.753
35.000
                    Empregos diretos
                                                        29.496
30.000

25.000
                                           20.753
20.000
                                 15.920
15.000
                       12.106

10.000
          6.557

 5.000

    0
         2011 2013 2015 2017 2019 2021 2023 2025 2027 2029 2031 2033 2035 2037 2039

         Figura 22. Evolução do número de empregos criados com o fomento da
                            heveicultura através do Prodebon
Agricultura Familiar
 SERINGAL DO SR.
 MANOEL GRACIANO
SERINGAL DO SR.
                       DALMO ARAUJO




Agricultura Familiar
Agricultura Familiar
CACAU DO SR.
MANOEL GRACIANO
MUITO GRATO
 Adonias de Castro V. Filho
adoniascastro@cepec.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Geraldo Henrique
 
Sistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rochaSistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rocha
MESTRADOAMBIENTAL
 
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades ruraisPlantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Franciele_
 
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Geagra UFG
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Gabriela De Paula Marciano
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Maurício Coelho
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
James Nascimento
 
Manejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do SoloManejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do Solo
Marcelo Venturi
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Kalliany Kellzer
 
AULA SOBRE SEMENTES FLORESTAIS
AULA SOBRE SEMENTES FLORESTAISAULA SOBRE SEMENTES FLORESTAIS
AULA SOBRE SEMENTES FLORESTAIS
Moacir Medrado
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
AM Placas Ltda. Placas
 
Sistemas Agroflorestais
Sistemas AgroflorestaisSistemas Agroflorestais
Sistemas Agroflorestais
Rafael Nunes
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
Barreiras Comerciais
 
Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )
Murphy Cooper
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
AgriculturaSustentavel
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
UFV
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
Agricultura Sao Paulo
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
carlinhosmatos
 
4 bimestre
4 bimestre4 bimestre

Mais procurados (20)

Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
 
Sistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rochaSistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rocha
 
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades ruraisPlantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
 
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
 
Manejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do SoloManejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do Solo
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
 
AULA SOBRE SEMENTES FLORESTAIS
AULA SOBRE SEMENTES FLORESTAISAULA SOBRE SEMENTES FLORESTAIS
AULA SOBRE SEMENTES FLORESTAIS
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
Sistemas Agroflorestais
Sistemas AgroflorestaisSistemas Agroflorestais
Sistemas Agroflorestais
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
 
Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
 
4 bimestre
4 bimestre4 bimestre
4 bimestre
 

Destaque

Apres.produção agropecuaria(trangenicos)
Apres.produção agropecuaria(trangenicos)Apres.produção agropecuaria(trangenicos)
Apres.produção agropecuaria(trangenicos)
Marcos Mororó
 
10a aula
10a aula10a aula
10a aula
Fouad Paracat
 
2014 setembro - curso mudas teresina - 2 propagação
2014   setembro - curso mudas teresina - 2 propagação2014   setembro - curso mudas teresina - 2 propagação
2014 setembro - curso mudas teresina - 2 propagação
Eduardo Abreu
 
Reprodução das plantas 6º
Reprodução das plantas 6ºReprodução das plantas 6º
Reprodução das plantas 6º
Alexandre Marques
 
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
Ana Flavia Garcia Moraes
 
Altas diluições de Solanum lycopersicum e Camellia sinensis no manejo fitossa...
Altas diluições de Solanum lycopersicum e Camellia sinensis no manejo fitossa...Altas diluições de Solanum lycopersicum e Camellia sinensis no manejo fitossa...
Altas diluições de Solanum lycopersicum e Camellia sinensis no manejo fitossa...
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes
genarui
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Idesam
 
Totipotência celular e cultura de tecidos bárbara, daniely, jean e mariana
Totipotência celular e cultura de tecidos   bárbara, daniely, jean e marianaTotipotência celular e cultura de tecidos   bárbara, daniely, jean e mariana
Totipotência celular e cultura de tecidos bárbara, daniely, jean e mariana
Daniely Hirata
 
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapaAgricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
João Siqueira da Mata
 
Pereira brito
Pereira britoPereira brito
Pereira brito
juliaojunior
 
Ciências naturais 7 geografia dos continentes e a distribuição dos seres vivos
Ciências naturais 7   geografia dos continentes e a distribuição dos seres vivosCiências naturais 7   geografia dos continentes e a distribuição dos seres vivos
Ciências naturais 7 geografia dos continentes e a distribuição dos seres vivos
Nuno Correia
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
paisagista
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
Rogger Wins
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
merciavaz
 
Amplitude Geográfica
Amplitude GeográficaAmplitude Geográfica
Amplitude Geográfica
unesp
 
Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.
Denysson Amorim
 
Biogeografía
BiogeografíaBiogeografía
Biogeografía
Lubelfi
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
Etelvino Quispe
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
Leandro A. Machado de Moura
 

Destaque (20)

Apres.produção agropecuaria(trangenicos)
Apres.produção agropecuaria(trangenicos)Apres.produção agropecuaria(trangenicos)
Apres.produção agropecuaria(trangenicos)
 
10a aula
10a aula10a aula
10a aula
 
2014 setembro - curso mudas teresina - 2 propagação
2014   setembro - curso mudas teresina - 2 propagação2014   setembro - curso mudas teresina - 2 propagação
2014 setembro - curso mudas teresina - 2 propagação
 
Reprodução das plantas 6º
Reprodução das plantas 6ºReprodução das plantas 6º
Reprodução das plantas 6º
 
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
 
Altas diluições de Solanum lycopersicum e Camellia sinensis no manejo fitossa...
Altas diluições de Solanum lycopersicum e Camellia sinensis no manejo fitossa...Altas diluições de Solanum lycopersicum e Camellia sinensis no manejo fitossa...
Altas diluições de Solanum lycopersicum e Camellia sinensis no manejo fitossa...
 
01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
 
Totipotência celular e cultura de tecidos bárbara, daniely, jean e mariana
Totipotência celular e cultura de tecidos   bárbara, daniely, jean e marianaTotipotência celular e cultura de tecidos   bárbara, daniely, jean e mariana
Totipotência celular e cultura de tecidos bárbara, daniely, jean e mariana
 
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapaAgricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
 
Pereira brito
Pereira britoPereira brito
Pereira brito
 
Ciências naturais 7 geografia dos continentes e a distribuição dos seres vivos
Ciências naturais 7   geografia dos continentes e a distribuição dos seres vivosCiências naturais 7   geografia dos continentes e a distribuição dos seres vivos
Ciências naturais 7 geografia dos continentes e a distribuição dos seres vivos
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
 
Amplitude Geográfica
Amplitude GeográficaAmplitude Geográfica
Amplitude Geográfica
 
Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.
 
Biogeografía
BiogeografíaBiogeografía
Biogeografía
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 

Semelhante a Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sustentabilidade: um enfoque na geração de renda - Adonias de Castro

apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
Bruno Da Montanha
 
Desafios e tecnologias para a produção orgânica
Desafios e tecnologias para a produção orgânicaDesafios e tecnologias para a produção orgânica
Desafios e tecnologias para a produção orgânica
Ronaldo Rodrigues de Sousa
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Herbert de Carvalho
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
Temistocles Jaques
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
mvezzone
 
Fundamentos de agroecologia modulo i
Fundamentos de agroecologia  modulo iFundamentos de agroecologia  modulo i
Fundamentos de agroecologia modulo i
Rita de Cássia Freitas
 
X
XX
Aula 4 - fundamentos em agroecologia ppt
Aula 4 - fundamentos em agroecologia pptAula 4 - fundamentos em agroecologia ppt
Aula 4 - fundamentos em agroecologia ppt
anderwebler1
 
X
XX
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
Palestra Emerson Borghi
Palestra Emerson BorghiPalestra Emerson Borghi
Palestra Emerson Borghi
Diego de Oliveira Carvalho
 
Palestra emerson borghi sit 2015
Palestra emerson borghi sit 2015Palestra emerson borghi sit 2015
Palestra emerson borghi sit 2015
Embrapa Milho e Sorgo
 
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itepAgricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
MilenaAlmeida74
 
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Agroecologia
 
Pontal Verde-Azul
Pontal Verde-AzulPontal Verde-Azul
Pontal Verde-Azul
pontalverdeazul
 
Apostila7
Apostila7Apostila7
Apostila7
mvezzone
 
Cartilha quebra vento
Cartilha quebra ventoCartilha quebra vento
Cartilha quebra vento
caslemos24
 
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTASINTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
RAIMUNDAMARIADOSSANT3
 
Normas de higiene_segurana_e_ambiente
Normas de higiene_segurana_e_ambienteNormas de higiene_segurana_e_ambiente
Normas de higiene_segurana_e_ambiente
Pelo Siro
 
Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...
Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...
Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...
AcessoMacauba
 

Semelhante a Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sustentabilidade: um enfoque na geração de renda - Adonias de Castro (20)

apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
 
Desafios e tecnologias para a produção orgânica
Desafios e tecnologias para a produção orgânicaDesafios e tecnologias para a produção orgânica
Desafios e tecnologias para a produção orgânica
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
 
Fundamentos de agroecologia modulo i
Fundamentos de agroecologia  modulo iFundamentos de agroecologia  modulo i
Fundamentos de agroecologia modulo i
 
X
XX
X
 
Aula 4 - fundamentos em agroecologia ppt
Aula 4 - fundamentos em agroecologia pptAula 4 - fundamentos em agroecologia ppt
Aula 4 - fundamentos em agroecologia ppt
 
X
XX
X
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
Palestra Emerson Borghi
Palestra Emerson BorghiPalestra Emerson Borghi
Palestra Emerson Borghi
 
Palestra emerson borghi sit 2015
Palestra emerson borghi sit 2015Palestra emerson borghi sit 2015
Palestra emerson borghi sit 2015
 
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itepAgricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
 
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
 
Pontal Verde-Azul
Pontal Verde-AzulPontal Verde-Azul
Pontal Verde-Azul
 
Apostila7
Apostila7Apostila7
Apostila7
 
Cartilha quebra vento
Cartilha quebra ventoCartilha quebra vento
Cartilha quebra vento
 
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTASINTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
 
Normas de higiene_segurana_e_ambiente
Normas de higiene_segurana_e_ambienteNormas de higiene_segurana_e_ambiente
Normas de higiene_segurana_e_ambiente
 
Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...
Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...
Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...
 

Mais de cbsaf

Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido
cbsaf
 
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
cbsaf
 
Paulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmaPaulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mma
cbsaf
 
Paulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematerPaulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato emater
cbsaf
 
Sergio aparecido bb
Sergio aparecido bbSergio aparecido bb
Sergio aparecido bb
cbsaf
 
Joao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdaJoao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mda
cbsaf
 
22iidamir
22iidamir22iidamir
22iidamir
cbsaf
 
22robertmiller
22robertmiller22robertmiller
22robertmiller
cbsaf
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares
cbsaf
 
24ricardoscoles
24ricardoscoles24ricardoscoles
24ricardoscoles
cbsaf
 
24marceloarcoverde
24marceloarcoverde24marceloarcoverde
24marceloarcoverde
cbsaf
 
24lucianarocha
24lucianarocha24lucianarocha
24lucianarocha
cbsaf
 
24jorgevivan
24jorgevivan24jorgevivan
24jorgevivan
cbsaf
 
24cleidetavares
24cleidetavares24cleidetavares
24cleidetavares
cbsaf
 
24casemiro
24casemiro24casemiro
24casemiro
cbsaf
 
24andregolcalves
24andregolcalves24andregolcalves
24andregolcalves
cbsaf
 
23leonardosorice
23leonardosorice23leonardosorice
23leonardosorice
cbsaf
 
Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1
cbsaf
 
Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1
cbsaf
 
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiuttiCompressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
cbsaf
 

Mais de cbsaf (20)

Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido
 
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
 
Paulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmaPaulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mma
 
Paulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematerPaulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato emater
 
Sergio aparecido bb
Sergio aparecido bbSergio aparecido bb
Sergio aparecido bb
 
Joao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdaJoao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mda
 
22iidamir
22iidamir22iidamir
22iidamir
 
22robertmiller
22robertmiller22robertmiller
22robertmiller
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares
 
24ricardoscoles
24ricardoscoles24ricardoscoles
24ricardoscoles
 
24marceloarcoverde
24marceloarcoverde24marceloarcoverde
24marceloarcoverde
 
24lucianarocha
24lucianarocha24lucianarocha
24lucianarocha
 
24jorgevivan
24jorgevivan24jorgevivan
24jorgevivan
 
24cleidetavares
24cleidetavares24cleidetavares
24cleidetavares
 
24casemiro
24casemiro24casemiro
24casemiro
 
24andregolcalves
24andregolcalves24andregolcalves
24andregolcalves
 
23leonardosorice
23leonardosorice23leonardosorice
23leonardosorice
 
Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1
 
Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1
 
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiuttiCompressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
 

Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sustentabilidade: um enfoque na geração de renda - Adonias de Castro

  • 1. Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais Belém, Pará 22 de novembro de 2010 SISTEMAS AGROFLORESTAIS E SUSTENTABILIDADE; UM ENFOUE NA GERAÇÃO DE RENDA Adonias de Castro Virgens Filho Engenheiro Agrônomo, D. Sc. Pesquisador do MAPA/CEPLAC/CEPEC adoniascastro@cepec.gov.br Tel: 55-73-32143201 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEMPRE UM BOM CAMINHO
  • 2. HEVEICULTURA COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Conceito A heveicultura é uma das atividades do agronegócio mundial que mais se identifica com o desenvolvimento econômico, a conservação produtiva e a inclusão social.
  • 3. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA A HEVEICULTURA COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL A seringueira foi uma das últimas espécies vegetais domesticadas pelo homem. O cultivo da seringueira se estende por 10 milhões de hectares em todo o mundo. É a principal fonte de mais de 10 milhões de produtores rurais e suas famílias. Uma das razões da sua dispersão é sua adaptação ao tropico úmido por conservar grande parte da estrutura do ecossistema. contribuindo para a sua estabilidade
  • 4. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Seringal Nativo da Amazônia A heveicultura é uma das atividades do agronegócio mundial que mais se identifica com o desenvolvimento econômico, a conservação produtiva e a inclusão social.
  • 5. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA Sistemas Seqüenciais AMBIENTE IMPACTO SOBRE O MEIO Dinâmica dos Sistemas e a Intervenção Humana Agricultura migratória n° de ciclos ? Foresta Quema Cultivo Pose Degradación primaria (?) Muller, 2007.
  • 6. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE Ciclo Hidrológico
  • 7. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE Ciclo Hidrológico Balanco hidrico de um seringal e da floresta Ecossistema Precipitação Evapotranspiração Aemazenamento e Drenagem anual (mm) anual (mm) (mm) Floresta 2.434 1.217 1.217 Seringal 2.532 894 1.638 Fonte Cabral (1991) citado por Moraes e Moreira (2003) A interceptação das chuvas pela floresta primaria foi maior e resultou em uma taxa de EVT de 3,4 +/- 0,4 mm por dia. Devido a maior interceptação a floresta devolveu à atmosfera 50 % da precipitação pluviométrica,e o seringal 32 %. Por sua vez, no seringal os teores de água armazenada foram mais altos do que na floresta, mantendo-se próximo a capacidade de campo no período chuvoso e sempre acima de 70 % da capacidade de campo no periodo seco O equilíbrio do balanço hídrico do seringal expressou-se, pelo maior armazenamento de água e maior drenagem profunda.
  • 8. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE Ciclo Hidrológico
  • 9. SISTEMAS AGROFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL IMPACTO SOBRE O AMBIENTE Ciclo Hidrológico
  • 10. SAFs COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOBRE O AMBIENTE Ciclo Hidrológico
  • 11. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE Ciclagem de Nutrientes Exportação de nutrientes por diferentes culturas tropicais Exportação de nutrientes Kg Cultivo Produção N P K Ca Mg Dendê 2,5 t de óleo 102 30 207 38 38 Coco 1,4 t de copra 62 25 56 6 12 Cana 80 t de colmos 45 25 121 Banana 45 t de frutos 78 22 224 Borracha 1,1 t 7 1 4 Fonte (Mengel e Kirby, 1987)
  • 12. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOBRE O AMBIENTE Ciclagem de Nutrientes
  • 13. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE Acumulação de Fitomassa A fitomassa acumulada varia de acordo com a idade, clone, densidade de plantio, estado sanitário das plantas e ambiente. Tem início após o fechamento do dossel. Um seringal acumula ao final do ciclo 229 toneladas de carbono/hectare mais 37 toneladas correspondentes a 46 toneladas de borracha (Templeton, 1968).
  • 14. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE Emissão de Gás Carbônico O consumo de energia para a produção de 1,0 tonelada de borracha sintética é de 108 a 174 Gigajoules, com uso de combustíveis fosseis; O consumo de energia para a produção de 1,0 tonelada de borracha natural é de apenas 13 Gigajoules (IRRDB, 1998). A importância do látex na exploração comercial induz a formação de dreno não convencional.
  • 15. Sistema Agroforestal Plantacões de árvores frutíferas Plantações de árvores florestais Cultivos agrícolas e/ou animais de maneira simultânea ou sequenciada Sustentabilidade Sustentabilidade Sustentabilidade Econômica Social Ambienal OTS/CATIE, (1986); LUDGREN e RAITREE, (1982) e; NAIR (983).
  • 16. SAFs segundo o natureza dos componentes Componente florestal: associação com árvores (algumas essências nativas e/ou exóticas em meio ao sistema) e palmeiras (seringueira com pupunha, açaí ou palmeira real, café com palmeira imperial ou pupunha).
  • 17. SAFs segundo o natureza dos componentes Componente herbáceo-arbustivo: plantas herbáceas (feijão, milho, sorgo, soja, trigo, batata-doce, abacaxi, inhame) e arbustivas (cacau, café, citros, cupuaçu).
  • 18. SAFs segundo o natureza dos componentes Componente animal: pequeno porte (abelhas, carneiros, ovelhas) e grande porte (bezerros, bois, vacas).
  • 19. SAFs segundo a base funcional: madeira e látex
  • 20. Sistemas Agroforestais Desenho Espacial Sistema zonal, continuo ou misto Sistema contínuo - seringueira e cacau, seringueira e café;; eritrina e cacau Sistema zonal - seringueira e cacau, seringueira e café, seringueira e cupuaçu, seringueira e graviola;
  • 21. Vantagens dos Sistemas Agroflorestais Melhor distribuição de renda ao longo do ano; Minimização dos riscos de insucesso; Melhor utilização e distribuição da mão-de-obra; Proporciona menor incidência de pragas e doenças; Possibilita o uso mais intensivo e racional da terra; Propicia maior lucro por unidade de área
  • 22. Sistemas Agroflorestais Benefícios Indiretos (Serviços) Sombra e proteção aos cultivos Controle de efeitos negativos do vento. Aumento da biodiversidade; Proteção contra efeitos da geada;
  • 23. Sistemas Agroflorestais Benefícios Indiretos (Serviços) Conservação do solo, controle da erosão. Melhorar as propriedades químicas e físicas do solo. Redução da pressão sobre a vegetação nativa, abrigo para a fauna etc.
  • 24. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA Uso de agrotóxicos e manejo de efluentes O uso de fungicidas é uma pratica empregada apenas em viveiros, jardins clonais e no controle das doenças de painel da seringueira. Em seringal adulto não é usual o uso de fungicidas par o controle das doenças das folhas, mas usam-se, eventualmente, inseticidas. Os agroquímicos mais empregados nos seringais são os herbicidas e estimulantes da produção de látex. Os efluentes das usinas são tratados adequadamente com a tecnologia existente.
  • 25. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOBRE A FAUNA A presença de mamíferos de grande porte é rara devido a freqüente presença humana. Os nectários florais das folhas alimentam as abelhas, formigas e pulgões, que alimentam pássaros entomofagos. É possível cultvar a seringueira e ter outras atividades no imóvel como reserva de florestas e criação de animais.
  • 26. O IMPACTO SOCIAL A heveicultura não comporta funções de mecanização na sangria. Gera emprego o ano inteiro. O monocultivo absorve 1 trabalhador para cada 5 a 10 hectares na sangria. O Saf Seringueira e cacau absorve 1 trabalhador para cada 3 a 5 hectares.
  • 27. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOCIAL A borracha permite a agregação de valor na agricultura familiar.
  • 28. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOCIAL A borracha possui liquidez.
  • 29. SISTEMAS AGRFLORESTAIS COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CASO HEVEICULTURA IMPACTO SOCIAL Em sistema agroflorestal gera oportunidade para a mão-de-obra familiar. Sob o ponto de vista da renda mensal, um módulo de 3,0 hectares possibilita ganhos que variam de 2,0 a 2,5 salários mínimos na fase de reembolso do financiamento e 3,0 a 4,0 salários na fase subseqüente. Em sistema agroflorestal, do ponto de vista da capacidade de trabalho, a área ideal para uma família é de 6,0 hectares.
  • 30. HEVEICULTURA COMO ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL INCLUSÃO SOCIAL RENDA ESPERADA POR FAMILIA EM TRES HECTARES DE SERINGUEIRA NO MODELO SAF. Renda Anual Salários Mínimos 25.000,00 4 3,5 20.000,00 3 15.000,00 2,5 2 10.000,00 1,5 1 5.000,00 0,5 0,00 0
  • 31. SAF Seringueira e Cacau Cacau -76 @/ha aos 5 anos; Seringueira – início de produção da borracha aos 5,5 anos.
  • 34. SAF Seringueira e Abacaxi Experiência de Mneros S. A. ,Corinoquia, Colômbia. Carlos Tamoyo, 2008.
  • 35. SAF Seringueira e Café Seringueira e Cafeeiro, Pinheiros, Espírito Santo – Moysés Couvre & Irmãos
  • 36. Análise Financeira Como investir em monocultivos perenes?  O longo período de imaturidade de alguns monocultivos perenes torna o investimento pouco atrativo.  Os sistemas agroflorestais se constituem numa alternativa atrativa de investimento quando comparados aos monocultivos
  • 37. Análise Financeira A análise financeira Fluxo de Caixa do SAF seringueira, bananeira e cacaueiro por 20 anos.  Os custos e as receitas incidentes no projeto foram ordenados anualmente em um fluxo de caixa Taxa de Desconto Utilizada  A taxa de desconto de 4% ao ano, aplicada pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – Pronaf,
  • 38. Análise de Financeira A análise financeira Composição dos custos  Os custos de mão-de-obra e insumos utilizados para a realização das seguintes atividades: implantação (preparo da área, aquisição de mudas e plantio)
  • 39. Análise Financeira da Seringueira em Monocultivo A análise financeira A análise é conduzida em base ex ante; Simulação do Plantio de Seringueira em Monocultivo por 20 anos.  Seringueira: espaçamento de 6,0 m x 3,0 m (550 plantas/ha);
  • 41. Análise Financeira da Seringueira em Monocultivo Produção de seringueira em monocultivo Tabela 2. Produção de borracha da seringueira em monocultivo no esp. 6,0 X 3,0 m Idade do Ano de Borracha seca Coágulo Plantas em Plantas em Bor. Seca Coágulo plantio exploração Kg/árv/ano Kg/árv/ano sangria (%)/1 sangria/ha kg/ha/ano kg/ha/ano 7 1 1,5 2,63 60 330 495 866 8 2 2,5 4,38 80 440 1100 1925 9 3 3,5 6,13 90 495 1732,5 3032 10 4 3,5 6,13 90 495 1732,5 3032 11 5 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898 12 6 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898 13 7 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898 14 8 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898 15 9 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898 16 10 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898 17 11 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898 18 12 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898 19 13 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898 20 14 4,5 7,88 90 495 2227,5 3898
  • 42. Análise Financeira da Seringueira em Monocultivo Análise de sensibilidade da seringueira em monocultivo Tabela 3 . Análise de investimento do plantio e exploração da seringueira em monocultivo Taxa de Preço da VPL Relação TIR Pay Back Juros Borracha R$ Benefício/Custo (anos) 4% 2,40 R$ 38.394,02 1,49 13,0% 12 anos e 4 meses 4% 3,00 R$ 38.394,02 1,86 17,0% 11 anos e 2 meses 4% 3,60 R$ 38.394,02 2,24 20,0% 10 anos e 9 mês 5,75% 2,40 R$ 27.924,14 1,39 13,0% 13 anos e 8 meses 5,75% 3,00 R$ 27.924,14 1,73 17,0% 11 anos e 6 meses 5,75% 3,60 R$ 27.924,14 2,08 20,0% 10 anos e 5 meses 7,75% 2,40 R$ 18.999,01 1,27 13,0% 14 nos e 8 meses 7,75% 3,00 R$ 18.999,01 1,59 17,0% 12 anos e 1 mês 7,75% 3,60 R$ 18.999,01 1,91 20,0% 10 anos e 1 mês 10,25% 2,40 R$ 11.082,80 1,13 13,0% 16 anos e 9 meses 10,25% 3,00 R$ 11.082,80 1,41 17,0% 12 anos e 1 meses 10,25% 3,60 R$ 11.082,80 1,69 20,0% 11 anos e 7 meses
  • 43. Análise Financeira do SAF com Seringueira e Cacau A análise financeira A análise é conduzida em base ex ante; Simulação do SAF seringueira, bananeira e cacaueiro por 20 anos.  Seringueira: espaçamento de 17,0 m x 3,0 m x 2,5 m, em 2 fileiras (400 plantas/ha);  Cacaueiro, 5 fileiras de 3,0 m x 2,5 m à distância de 2,5 m da seringueira (833 plantas/ha);  Bananeira, 6 fileiras de 3,0 m x 3,0 m, sendo a mais próxima da seringueira à distância de 1,25 m e à 5,0 m na mesma fila (833 plantas/ha).
  • 44. Análise Financeira do SAF com Seringueira e Cacau Aspectos a considerar em um SAF Existência de mercado, análise financeira favorável, experiência com o cultivo e disponibilidade de tecnologia da espécie consorte; Adaptabilidade às condições de solo e clima da região; A cultura consorte deve ter tolerância ao sombreamento da seringueira ou ser plantada a pleno sol, entre as linhas da seringueira;
  • 45. Análise Financeira do SAF com Seringueira e Cacau Aspectos a considerar em um SAF A cultura consorte deve ocupar estratos de parte aérea e radicular diferentes daqueles da seringueira, a fim de reduzir a competição e possibilitar melhor aproveitamento do solo e da radiação solar; Não devem ter períodos coincidentes de máxima exigência dos fatores de produção, especialmente mão de obra; • dimensionar os espaços para permitir o acesso de máquinas e implementos quando do uso de mecanização parcial ou total;
  • 46. Análise Financeira do SAF com Seringueira e Cacau Produção de borracha da seringueira em SAF Tabela 4 ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO D E BORRACHA NO SAF SERINGUEIRA 400 PLANTAS E CACAU 833 PLANTAS 1 Idade do Ano de Borracha seca Coágulo Plantas em Plantas em Bor. Seca Coágulo plantio exploração Kg/árv/ano Kg/árv/ano sangria (%)/1 sangria/ha kg/ha/ano kg/ha/ano 7 1 1,5 2,63 60 240 360 630 8 2 2,5 4,38 80 320 800 1400 9 3 3,0 5,25 90 360 1080 1890 10 4 3,5 6,13 90 360 1260 2205 11 5 4,0 7,00 90 360 1440 2520 12 6 4,0 7,00 90 360 1440 2520 13 7 4,0 7,00 90 360 1440 2520 14 8 4,0 7,00 90 360 1440 2520 15 9 4,0 7,00 90 360 1440 2520 16 10 4,0 7,00 90 360 1440 2520 17 11 4,0 7,00 90 360 1440 2520 18 12 4,0 7,00 90 360 1440 2520 19 13 4,0 7,00 90 360 1440 2520 20 14 4,0 7,00 90 360 1440 2520 1/ SERINGUEIRA - 17,0m x 3,00m x 2,5m (400pl/ha); CACAUEIROS - 5 fileiras de 3,0m x 3,0m (833 pl/ha)
  • 47. Análise Financeira do SAF com Seringueira e Cacau Produção de cacau em SAF Tabela 5. ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO DO SAF SER 400 PLANTAS E CACAU 855 PLANTAS 1 Anos pós Anos pós Cacaueiros2 Produção Fator de Cacaueiros3 plantio enxertia no de plantas arrobas/ha conversão arrobas/ha (1 para 2) 2 1 0 0 0 0.0 0.0 2 1 0 0 0.0 0.0 3 2 0 0 0.0 0.0 4 3 1000 30 0,5 15 5 4 1000 60 0,5 30 6 5 1000 100 0,5 50 7 6 1000 100 0,5 50 8 7 1000 100 0,5 50 9 8 1000 100 0,5 50 10 9 1000 100 0,5 50 11 10 1000 100 0,5 50 12 11 1000 100 0,5 50 13 12 1000 100 0,5 50 14 13 1000 100 0,5 50 15 14 1000 100 0,5 50 16 15 1000 100 0,5 50 17 16 1000 100 0,5 50 18 17 1000 100 0,5 50 19 18 1000 100 0,5 50 20 19 1000 100 0,5 50 1/ Seringueira - 17,0m x 3,00m x 2,5m (400pl/ha); CACAUEIROS - 5 fileiras de 3,0m x3,0 m 2/ Cacaueiros clonados em consórcio com a seringueira - 855 plantas por hectare
  • 48. Análise Financeira do SAF com Seringueira e Cacau Parâmetros considerados Valor Presente Líquido (VPL) OVPL indica a diferença entre as receitas e os custos, atualizados, a determinada taxa de desconto. Taxa Interna de Retorno (TIR) A TIR representa a taxa de desconto que iguala o valor presente das receitas ao valor presente dos custos.
  • 49. Análise Financeira do SAF com Seringueira e Cacau Parâmetros considerados Razão Benefício/Custo (B/C) É uma medida de quanto se ganha por unidade de capital investido. Relação entre o valor presente dos benefícios e o valor presente dos custos. Payback Corresponde ao períodos necessário para a recuperação do capital investido em uma determinada atividade.
  • 50. Análise Financeira do SAF com Fluxo de Caixa Seringueira e Cacau Análise de sensibilidade da seringueira e cacau em SAF
  • 51. Análise Financeira do SAF com Fluxo de Caixa Seringueira e Cacau Análise de sensibilidade da seringueira e cacau em SAF
  • 52. Análise Financeira Conclusões O monocultivo de seringueira é mais suscetível aos riscos e incertezas do que o SAF seringueira e cacaueiro; O fluxo de caixa é melhor no SAF quando comparado ao monocultuivo; Os bons preços da borracha tornam o negóci atratativo inclusive no monocultivo; A TIR é mais atrativa no SAF e o Pay back tem o período mais reduzido.
  • 53. NOSSO DESAFIO : COMO TRANSFORMAR OS BENEFÍCIOS DOS SAFs EM POLÍTICAS PÚBLICAS? 1
  • 56. PRODEBON 160.000 146.555 140.000 Produção com o Prodebom Produção sem o Prodebom (toneladas de borracha seca) 120.000 100.000 80.000 60.000 40.000 17.291 17.291 20.000 2.291 0 2012 2014 2016 2018 2020 2022 2024 2026 2028 2030 2032 2034 2036 2038 2040 Figura 19. Evolução da produção de borracha seca dos seringais da Bahia com a implementação do Prodebon
  • 57. PRODEBON 1.172.441,5 1.200.000,0 Renda da borracha comercilaizada pelo produtor Renda da borracha processada pela usina - GEB 1.000.000,0 863.210,1 800.000,0 (Renda em R$ 1.000,00) 600.000,0 400.000,0 138.326,4 200.000,0 101.842,8 0,0 2012 2014 2016 2018 2020 2022 2024 2026 2028 2030 2032 2034 2036 2038 2040 Figura 20. Evolução da renda decorrente da comerciliazação da borracha
  • 58. PRODEBON 34.753 35.000 Empregos diretos 29.496 30.000 25.000 20.753 20.000 15.920 15.000 12.106 10.000 6.557 5.000 0 2011 2013 2015 2017 2019 2021 2023 2025 2027 2029 2031 2033 2035 2037 2039 Figura 22. Evolução do número de empregos criados com o fomento da heveicultura através do Prodebon
  • 59. Agricultura Familiar SERINGAL DO SR. MANOEL GRACIANO
  • 60. SERINGAL DO SR. DALMO ARAUJO Agricultura Familiar
  • 61. Agricultura Familiar CACAU DO SR. MANOEL GRACIANO
  • 62. MUITO GRATO Adonias de Castro V. Filho adoniascastro@cepec.gov.br