SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Ana Luisa A. Silva
Melhoramento
genético e
produção de
sementes para a
cultura do milho
É a alteração das características de uma espécie de
planta pela atuação direta do homem, com o objetivo
geral de adaptar essa espécie a exploração econômica
rentável.
Fonte: Site Rede Agronomia, 2014.
O que é melhoramento?
Origem:
O milho ( Zea mays L.) é uma espécie diplóide e
alógama, que pertence à família Poaceae (Gramineae).
Sete a dez mil anos atrás na América Central.
Fonte: Esalq USP, 2013.
A filogenia do milho
O ancestral do milho:
O milho é descendente da gramínea
“Teosinte”(México);
Várias espigas e sem sabugo;
Muitos perfilho.
A filogenia do milho
Primórdios do melhoramento do milho:
Nativos escolhiam as melhores plantas;
Variações genéticas naturais selecionadas;
Diversidade genética (Bancos de Germoplasma);
Fonte: Site 123RF, 2013.
A filogenia do milho
Objetivo: Selecionar e reproduzir os genótipos das
plantas superiores;
Procedimentos: Obter linhagens puras homozigóticas
que podem ser reproduzidas. Cruzá-las e selecionar o
melhor cruzamento (híbrido), que pode ser produzido
indefinidamente, uma vez que os genótipos das
linhagens podem ser mantidos e multiplicados;
Programas de melhoramento
Conjunto de genótipos (plantas) que possuem
características próprias bem definidas e sofrem
acasalamento ao acaso - mantêm suas características;
Pequenos produtores;
Semente com baixo custo; - Menor sensibilidade aos
efeitos ambientais; - Possibilidade de produção da
própria semente - ponto de vista genético;
Variedades
Obtenção de linhagens endogâmicas por meio de
autofecundações sucessivas (endogamia);
Obtenção de híbridos por meio do cruzamento entre
essas linhagens endogâmicas (hibridação).
Híbrido
Genótipos que possuem aproximadamente 100% dos
genes em homozigose (descendentes são plantas
idênticas);
Obtidas a partir de ciclos sucessivos de
autofecundação (6 a 8);
Populações, variedades sintéticas, híbridos
comerciais, etc...
Linhagem
Mais produtivo que os outros híbridos;
Grande uniformidade de plantas;
Sementes têm alto custo de produção, são produzidas
a partir de linhagens, baixa produção;
Mais utilizado na produção comercial, apesar do alto
custo das sementes.
Híbrido simples (HS)
Envolve quatro linhagens endogâmicas;
Para a sua formação são necessárias duas gerações;
Primeira geração são obtidos os dois HS (LA x LB ) e
(LC x LD );
Fornecerão as sementes para a obtenção do HD na
geração seguinte;
Menor custo para produção de sementes;
Utiliza-se o HS de maior produtividade como genitor
feminino.
Híbrido duplo (HD)
São requeridas duas gerações para ser produzido;
O genitor feminino será sempre o HS;
Menor custo de produção das sementes;
Menor heterose do que o HS.
Híbrido triplo (HT)
Fonte: Esalq USP, 2013.
Fonte: Cruz et al. , 2011.
Produção de grãos (PRINCIPAL);
Acamamento e Quebramento;
Número de espigas (prolificidade);
Umidade ;
Componentes de produção.
Características quantitativas
Semeadura;
Despendoamento;
Colheita.

 Fonte: Agrolink, 2012.

Produção de cultivares
Sementes são produzidas em propriedades agrícolas
particulares - é a classe de sementes que será
disponibilizada para os produtores;
Os campos de polinização são isolados no tempo ou
no espaço - preservar a pureza genética;
Produção de sementes
O esquema de plantio dos parentais obedece critérios
específicos (2F x 1M ou 4F x 1M ou 6F x 2M);
Sua produção é mais difícil que as demais  splits,
emasculação das linhas fêmeas no florescimento e
espaçamentos diferentes;
Produção de sementes
Esquema de semeadura
Fonte: Esalq USP, 2013.
Esquema de semeadura
Fonte: http://marcelo.marques.zip.net/images/milho3.jpg .
O beneficiamento das sementes de milho se consiste
em:
1. Descarregamento das espigas em palha na moega;
2. Despalhamento das espigas;
3. Seleção manual das espigas;
4. Secagem das espigas;
5. Debulhador;
Beneficiamento das sementes
O beneficiamento das sementes de milho se consiste
em: (continuação)
6. Limpeza da semente;
7. Classificação das sementes;
8. Tratamento químico;
9. Ensacamento das sementes;
10. Armazenamento.
Beneficiamento das sementes
479 cultivares de milho;
263 convencionais e 216 transgênica;
60,96% do total são HS;
21,50% são HD;
10,23% são HT;
7,31% são variedades;
Cultivares de milho safra 12/13
70,98% são de ciclo precoce;
22,33% são de ciclo superprecoce;
6,69% são de ciclo normal.
Cultivares de milho safra 12/13
Ana Luisa A. Silva
luisa.anaagro@gmail.com
(62) 82480677
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasUERGS
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMatheus Majela
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasGeagra UFG
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Seminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementesSeminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementesDjeison Oliveira
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controleGeagra UFG
 
Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Giovanna Martins
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2UERGS
 
Semente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E MorfologiaSemente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E Morfologiaprofatatiana
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesGeraldo Henrique
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoGeagra UFG
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoKiller Max
 
Introdução e merdado do sorgo e milheto
Introdução e merdado do sorgo e milhetoIntrodução e merdado do sorgo e milheto
Introdução e merdado do sorgo e milhetoGeagra UFG
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoÍtalo Arrais
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaGeagra UFG
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoKiller Max
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesBruno Rodrigues
 

Mais procurados (20)

aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Seminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementesSeminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementes
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
 
Semente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E MorfologiaSemente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E Morfologia
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Introdução e merdado do sorgo e milheto
Introdução e merdado do sorgo e milhetoIntrodução e merdado do sorgo e milheto
Introdução e merdado do sorgo e milheto
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Produção de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milhoProdução de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milho
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
 

Semelhante a Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho

Semelhante a Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho (20)

Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Capitulo204
Capitulo204Capitulo204
Capitulo204
 
Importancia Sementes
Importancia SementesImportancia Sementes
Importancia Sementes
 
Capitulo202
Capitulo202Capitulo202
Capitulo202
 
P oaceae aula 5jj
P oaceae   aula 5jjP oaceae   aula 5jj
P oaceae aula 5jj
 
Melhoramento genético feijao
Melhoramento genético feijaoMelhoramento genético feijao
Melhoramento genético feijao
 
Melhoramento genetico
Melhoramento geneticoMelhoramento genetico
Melhoramento genetico
 
Capitulo203
Capitulo203Capitulo203
Capitulo203
 
Angiospermas2
Angiospermas2Angiospermas2
Angiospermas2
 
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETALEXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
 
1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
 
AULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptx
AULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptxAULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptx
AULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptx
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuada
 
Guia do milho_cib
Guia do milho_cibGuia do milho_cib
Guia do milho_cib
 
Appis mellifera
Appis melliferaAppis mellifera
Appis mellifera
 
Aula sexo
Aula sexoAula sexo
Aula sexo
 
Clonagem & OGM
Clonagem & OGMClonagem & OGM
Clonagem & OGM
 
Divisão das plantas: Angiospermas
Divisão das plantas: AngiospermasDivisão das plantas: Angiospermas
Divisão das plantas: Angiospermas
 

Mais de Geagra UFG

INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxGeagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxGeagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfGeagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxGeagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaGeagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxGeagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA Geagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoGeagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
 

Último

Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
DESTRAVANDO O NOVO EDITAL DA CAIXA ECONOMICA
DESTRAVANDO O NOVO EDITAL DA CAIXA ECONOMICADESTRAVANDO O NOVO EDITAL DA CAIXA ECONOMICA
DESTRAVANDO O NOVO EDITAL DA CAIXA ECONOMICAPabloVinicius40
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 

Último (7)

Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
DESTRAVANDO O NOVO EDITAL DA CAIXA ECONOMICA
DESTRAVANDO O NOVO EDITAL DA CAIXA ECONOMICADESTRAVANDO O NOVO EDITAL DA CAIXA ECONOMICA
DESTRAVANDO O NOVO EDITAL DA CAIXA ECONOMICA
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 

Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho

  • 1. Ana Luisa A. Silva Melhoramento genético e produção de sementes para a cultura do milho
  • 2. É a alteração das características de uma espécie de planta pela atuação direta do homem, com o objetivo geral de adaptar essa espécie a exploração econômica rentável. Fonte: Site Rede Agronomia, 2014. O que é melhoramento?
  • 3. Origem: O milho ( Zea mays L.) é uma espécie diplóide e alógama, que pertence à família Poaceae (Gramineae). Sete a dez mil anos atrás na América Central. Fonte: Esalq USP, 2013. A filogenia do milho
  • 4. O ancestral do milho: O milho é descendente da gramínea “Teosinte”(México); Várias espigas e sem sabugo; Muitos perfilho. A filogenia do milho
  • 5. Primórdios do melhoramento do milho: Nativos escolhiam as melhores plantas; Variações genéticas naturais selecionadas; Diversidade genética (Bancos de Germoplasma); Fonte: Site 123RF, 2013. A filogenia do milho
  • 6. Objetivo: Selecionar e reproduzir os genótipos das plantas superiores; Procedimentos: Obter linhagens puras homozigóticas que podem ser reproduzidas. Cruzá-las e selecionar o melhor cruzamento (híbrido), que pode ser produzido indefinidamente, uma vez que os genótipos das linhagens podem ser mantidos e multiplicados; Programas de melhoramento
  • 7. Conjunto de genótipos (plantas) que possuem características próprias bem definidas e sofrem acasalamento ao acaso - mantêm suas características; Pequenos produtores; Semente com baixo custo; - Menor sensibilidade aos efeitos ambientais; - Possibilidade de produção da própria semente - ponto de vista genético; Variedades
  • 8. Obtenção de linhagens endogâmicas por meio de autofecundações sucessivas (endogamia); Obtenção de híbridos por meio do cruzamento entre essas linhagens endogâmicas (hibridação). Híbrido
  • 9. Genótipos que possuem aproximadamente 100% dos genes em homozigose (descendentes são plantas idênticas); Obtidas a partir de ciclos sucessivos de autofecundação (6 a 8); Populações, variedades sintéticas, híbridos comerciais, etc... Linhagem
  • 10. Mais produtivo que os outros híbridos; Grande uniformidade de plantas; Sementes têm alto custo de produção, são produzidas a partir de linhagens, baixa produção; Mais utilizado na produção comercial, apesar do alto custo das sementes. Híbrido simples (HS)
  • 11. Envolve quatro linhagens endogâmicas; Para a sua formação são necessárias duas gerações; Primeira geração são obtidos os dois HS (LA x LB ) e (LC x LD ); Fornecerão as sementes para a obtenção do HD na geração seguinte; Menor custo para produção de sementes; Utiliza-se o HS de maior produtividade como genitor feminino. Híbrido duplo (HD)
  • 12. São requeridas duas gerações para ser produzido; O genitor feminino será sempre o HS; Menor custo de produção das sementes; Menor heterose do que o HS. Híbrido triplo (HT)
  • 14. Fonte: Cruz et al. , 2011.
  • 15. Produção de grãos (PRINCIPAL); Acamamento e Quebramento; Número de espigas (prolificidade); Umidade ; Componentes de produção. Características quantitativas
  • 17. Sementes são produzidas em propriedades agrícolas particulares - é a classe de sementes que será disponibilizada para os produtores; Os campos de polinização são isolados no tempo ou no espaço - preservar a pureza genética; Produção de sementes
  • 18. O esquema de plantio dos parentais obedece critérios específicos (2F x 1M ou 4F x 1M ou 6F x 2M); Sua produção é mais difícil que as demais  splits, emasculação das linhas fêmeas no florescimento e espaçamentos diferentes; Produção de sementes
  • 19. Esquema de semeadura Fonte: Esalq USP, 2013.
  • 20. Esquema de semeadura Fonte: http://marcelo.marques.zip.net/images/milho3.jpg .
  • 21. O beneficiamento das sementes de milho se consiste em: 1. Descarregamento das espigas em palha na moega; 2. Despalhamento das espigas; 3. Seleção manual das espigas; 4. Secagem das espigas; 5. Debulhador; Beneficiamento das sementes
  • 22. O beneficiamento das sementes de milho se consiste em: (continuação) 6. Limpeza da semente; 7. Classificação das sementes; 8. Tratamento químico; 9. Ensacamento das sementes; 10. Armazenamento. Beneficiamento das sementes
  • 23. 479 cultivares de milho; 263 convencionais e 216 transgênica; 60,96% do total são HS; 21,50% são HD; 10,23% são HT; 7,31% são variedades; Cultivares de milho safra 12/13
  • 24. 70,98% são de ciclo precoce; 22,33% são de ciclo superprecoce; 6,69% são de ciclo normal. Cultivares de milho safra 12/13
  • 25. Ana Luisa A. Silva luisa.anaagro@gmail.com (62) 82480677 Obrigada!