SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
O Mercado da Castanha:
Desafios das Indústrias de
   Beneficiamento e a
   Sustentabilidade da
    Cadeia Produtiva
                Casemiro Florenzano Filho
PRODUÇÃO DA CASTANHA NO BRASIL
          2000 a 2009
        Quantidade Produzida, Valor da produção e
        valor médio (R$/kg) da Castanha do Brasil –
                        2000/2009
                                 Produção       Valor         Valor médio
           ANO
                                    (kg)       (mil R$)         (R$/kg)
            2000                  33.431.000    18.556.000       0,56
            2001                  28.467.000     27.695.000      0,97
            2002                  27.389.000    30.379.000       1,11
            2003                  24.894.000    24.587.000       0,99
            2004                  27.059.000    30.661.000       1,13
            2005                  30.975.000    46.866.000       1,51
            2006                  28.806.000    43.908.000       1,52
            2007                  30.406.000    45.492.000       1,50
            2008                  30.815.000    45.732.000       1,48
            2009                  37.467.000    52.261.000       1,39
            Total                299.709.000   366.137.000       1,22
     Fonte: SIDRA – IBGE /2010
PRODUÇÃO DA CASTANHA POR UF DE
            ORIGEM
        % Participação, Quantidade Produzida, valor da
     produção e valor médio da Castanha do Brasil , por UF
             Partic. de origem – 2000/2009Valor (mil
                      Partic. Valor                  Valor médio
                                          Produção (kg)
                  Produção (%)    (%)                     Reais)    (R$/kg)
Rondônia               11,4%     6,4%        34.062.000    23.381    0,69
Acre                   28,7%     19,9%       85.936.000    72.739    0,85
Amazonas               31,9%     53,9%       95.522.000   197.524    2,07
Roraima                0,3%      0,1%          803.000        405    0,50
Pará                   22,6%     15,8%       67.642.000    57.954    0,86
Amapá                  3,3%      1,3%         9.876.000     4.660    0,47
Mato Grosso            2,0%      2,6%         5.868.000     9.474    1,61
     Total            100,0%     100,0%     299.709.000   366.137    1,22
Fonte: SIDRA – IBGE /2010
PRODUÇÃO DA CASTANHA NO PARÁ
         2007 a 2009
      REGIÕES                  2007     2008    2009
Baixo Amazonas                 4.783    3.381   4.357
Sudeste Paraense                944      939     929
Nordeste Paraense               915      933     856
Sudoeste Paraense               675      607     474
Marajó                          227      244     292
Metropolitana de
                                96      101     112
Belém
       TOTAL                  7.640     6.205   7.020
      MUNICÍPIOS                 2007    2008    2009
Oriximiná                       2.150   1.250   1.625
Óbidos                          1.075    800    1.120
Alenquer                         760     770     820
Faro                             150     105     288
Almeirim                         172     168     173
        TOTAL                   4.783   3.381   4.357
Fonte: IBGE – Produção de Extração
Vegetal - 2009
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELAS
           INDÚSTRIAS:
ü Obsolescência tecnológica das indústrias de beneficiamento, só a partir
  de 2008 que vem sendo modernizada;
ü Alto custo do processo de produção;
ü Baixo nível de articulação da cadeia produtiva;
ü   Acirrada concorrência entre as indústrias;
ü   Dificuldade para o acesso as novas áreas de extração;
ü   Dificuldades logísticas para acesso ao produto;
ü Baixa qualidade do produto adquirido dado as práticas de manejo;
ü Alto custo do financiamento de capital de giro para assegurar a safra;
ü Baixa competitividade frente as industrial da Bolívia e Peru;
ü Fechamento de XX indústrias no Pará, XX no Acre, e XX no Amazonas;
MERCADO EXTERNO
PRODUÇÃO E EXPORTAÇÃO
                           DA CASTANHA NO BRASIL
                                2000 a 2009

     ANO                                            Exportação (kg)
                    Produção                                                        % Consumo
                       (Kg)          Com Casca        Sem Casca        Total          Interno

     2000            33.431.000        13.566.005       5.361.990      18.927.995     43,4%
     2001            28.467.000         7.902.773       2.649.222      10.551.995     62,9%
     2002            27.389.000         6.949.131       2.693.655       9.642.786     64,8%
     2003            24.894.000         5.617.681       1.329.220       6.946.901     72,1%
     2004            27.059.000        10.296.366       3.095.042      13.391.408     50,5%
     2005            30.975.000        13.057.660       4.183.500      17.241.160     44,3%
     2006            28.806.000        11.215.521       1.862.981      13.078.502     54,6%
     2007            30.406.000        13.982.688       2.330.276      16.312.964     46,3%
     2008            30.815.000        12.736.055       1.013.128      13.749.183     55,4%
     2009            37.467.000         9.047.217         837.158       9.884.375     73,6%
     2010               -               8.141.735         856.403       8.998.138        -
     Total          299.709.000       112.512.832      26.212.575     138.725.407     53,7%
Fonte: SIDRA – IBGE / SECEX - MDIC
EXPORTAÇÃO DA CASTANHA FRESCA OU SECA COM
              CASCA - BRASIL
                2000 a 2010

                           Valor        Peso Líquido     Valor Médio
           Ano
                        (US$ FOB)            (Kg)       (US$ FOB/Kg)
          2010          9.087.363,00     8.141.735,00        1,12
          2009          8.465.360,00     9.047.217,00        0,94
          2008         15.733.175,00    12.736.055,00        1,24
          2007         15.535.162,00    13.982.688,00        1,11
          2006         10.696.034,00    11.215.521,00        0,95
          2005         12.432.033,00    13.057.660,00        0,95
          2004          6.842.601,00    10.296.366,00        0,66
          2003          7.178.863,00     5.617.681,00        1,28
          2002          7.350.073,00     6.949.131,00        1,06
          2001          6.263.460,00     7.902.773,00        0,79
          2000         13.376.839,00    13.566.005,00        0,99
          Total       112.960.963,00   112.512.832,00        1,00
Fonte: SECEX - MDIC
EXPORTAÇÃO DA CASTANHA COM
   CASCA POR PAÍSES DESTINOS - 2009
                                                                                    Valor Médio (US$
                          Valor (US$ FOB)               Peso Líquido (kg)
        PAÍSES                                                                          FOB/kg)
                          2009           2010           2009           2010          2009      2010
Bolívia               1.573.468,00   2.183.234,00   4.057.360,00   4.730.780,00        0,39      0,46
Estados Unidos        1.942.444,00   3.861.518,00   1.321.669,00   1.692.419,00        1,47      2,28
Hong Kong             3.110.992,00   2.091.183,00   2.060.634,00     904.814,00        1,51      2,31
Peru                   307.027,00     400.918,00     620.880,00     543.664,00         0,49       0,74
Romenia                346.060,00     257.056,00     207.000,00     138.000,00         1,67       1,86
Tunísia                309.291,00     202.766,00     182.000,00     104.000,00         1,70       1,95
Austrália               49.647,00      77.272,00      32.772,00      24.000,00         1,51       3,22
África Do Sul           26.725,00      13.228,00      13.500,00       4.000,00         1,98       3,31
Argentina               24.602,00         -           18.000,00         -              1,37       -
China                  514.989,00         -          352.000,00         -              1,46       -
Vietnã                 260.115,00         -          181.402,00         -              1,43       -
Países Baixos
                           -              138,00         -                  50,00      -          2,76
(Holanda)
Angola                     -               50,00         -                8,00        -           6,25
        TOTAL         8.465.360,00   9.087.363,00   9.047.217,00   8.141.735,00            0,94   1,12
Fonte: SECEX - MDIC
IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE
 CASTANHA E VALOR MÉDIO SEM CASCA
            2000 a 2010
                         Valor       Peso Líquido    Valor Médio
           Ano
                      (US$ FOB)          (Kg)       (US$ FOB/Kg)
           2010       2.157.891,00     344.124,00        6,27
           2009          50.331,00      32.938,00        1,53
           2008        506.098,00      128.829,00       3,93
           2007          6.300,00          500,00      12,60
           2006          8.568,00          680,00      12,60
           2005                -               -         -
           2004         33.775,00       24.263,00      1,39
           2003        130.038,00       57.400,00      2,27
           2002         84.960,00       52.320,00      1,62
           2001                -               -         -
           2000          79.575,00      49.896,00      1,59
           Total      3.057.536,00     690.950,00      4,43
Fonte: SECEX - MDIC
Importações Brasileiras Castanha Sem Casca e
Exportações Brasileiras de Castanha Com Casca -
     2000/2010 - Valor Médio (US$ FOB/Kg)




Fonte: SECEX - MDIC
EXPORTAÇÃO DA CASTANHA PARA A
  BOLIVIA E PERU- 2009 e 2010
EXPORTAÇÕES DE CASTANHA COM CASCA PARA A
         BOLIVIA E PERU – 2003 A 2010


                    Valor                    Peso Líquido                Valor Médio
 Ano              (US$ FOB)                      (Kg)                   (US$ FOB/Kg)
            Bolívia        Peru         Bolívia         Peru        Bolívia         Peru
 2010     2.183.234,00   400.918,00   4.730.780,00    543.664,00     0,46            0,74
 2009     1.573.468,00   307.027,00   4.057.360,00    620.880,00     0,39            0,49
 2008     4.505.753,00    10.903,00   7.303.567,00     26.880,00     0,62            0,41
 2007     4.070.611,00            -   7.312.310,00             -     0,56                   -
 2006     2.987.033,00   110.766,00   6.511.270,00    339.000,00     0,46            0,33
 2005     3.891.012,00    78.287,00   8.460.464,00    225.000,00     0,46            0,35
 2004     1.935.629,00    82.933,00   6.316.150,00    270.000,00     0,31            0,31
 2003        21.987,00      -          225.078,00         -          0,10            -
TOTAL 21.168.727,00      990.834,00 44.916.979,00    2.025.424,00    0,47           0,49
Fonte: SECEX - MDIC
EXPORTAÇÃO DA CASTANHA
        DO BRASIL
POR ESTADO DE ORIGEM- 2009
          e 2010
EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CASTANHA
                COM CASCA POR UF DE ORIGEM
                         2009 - 2010



       UF             US$ (%)          US$              kg          US$/kg
       AM                 42,53    48.042.385,00   32.466.560,00     1,48
       PA                 37,43    42.278.335,00   33.134.735,00     1,28
       AC                 18,64    21.051.997,00   44.719.498,00     0,47
       RO                  0,87      987.323,00     1.574.148,00     0,63
       AP                  0,31      349.891,00       136.975,00     2,55
       MT                  0,17      191.791,00       424.607,00     0,45
       SP                  0,05       59.157,00        56.303,00     1,05
       RJ                  0,00           69,00              4,00   17,25
       CB                  0,00           15,00              2,00    7,50
      Total              100,00   112.960.963,00   112.512.832,00    1,00

Fonte: SECEX - MDIC
PRODUÇÃO E EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS
            DE CASTANHA
           POR UF DE ORIGEM – 2000 A 2009

                                                   Exportação (kg)
                                                                                      % de
                  Produção (kg)
                                     Com Casca       Sem Casca         Total       Exportação

 Rondônia             34.062.000       1.533.648          -            1.533.648         4,5%
 Acre                 85.936.000      39.603.154          230.761     39.833.915        46,4%
 Amazonas             95.522.000      30.592.747        2.519.862     33.112.609        34,7%
 Roraima                 803.000         -                -                    -         0,0%
 Pará                 67.642.000      32.023.715       22.539.180     54.562.895        80,7%
 Amapá                  9.876.000        136.975          -             136.975          1,4%
 Mato Grosso            5.868.000        424.607          -             424.607          7,2%
      Total          299.709.000      104.314.846      25.289.803    129.604.649        43,2%
Fonte: SIDRA – IBGE / SECEX - MDIC
DIFICULDADES ENFRENTADAS NO
            MERCADO:
ü Ausência de regulação adequada a realidade da atividade;
ü Práticas comerciais ilícitas;
CONSTATAÇÕES
ü
    Em 10 anos o Brasil de deixa de ser o primeiro exportador, hoje
    configura-se como o terceiro. O mercado é liderado pela Bolívia e pelo
    Peru, sequencialmente;
ü
    Os dados apresentados são apenas os registros oficiais, como a
    fiscalização de fronteira é insuficiente, uma parte significativa da
    produção é transportada ilegalmente;
ü
    A cadeia produtiva de castanha no Brasil enfrenta dificuldades de
    sustentabilidade no mercado, desde o processo extrativista até o
    processo de beneficiamento;
ü
    Práticas de comercialização que privilegiam os demais países levam
    todos os elos da cadeia de produção da castanha á práticas de
    canibalização;
ü
    Ausência de políticas públicas que possibilitem tratar de forma eficaz a
    cadeia produtiva da biodiversidade;
ü
    Evasão de divisas;
SUGESTÕES DE MEDIDAS DE
              CORREÇÃO

ü
    Construção de políticas públicas que priorizem toda a cadeia
    da Castanha do Brasil, e que seja construído um GT
    Interministerial para tratar o assunto, com a inclusão do
    MAPA e MDIC;
ü
    Intensifique o controle fitossanitário nas fronteiras;
ü
    Inspeção nas empresas exportadoras;
ü
    Implementação de fiscalização efetiva nas divisas com os
    países em questão;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação 4Tt10 port
Apresentação 4Tt10 portApresentação 4Tt10 port
Apresentação 4Tt10 portLocaliza
 
2001 - Resultados Financeiros 3º Trimestre LegislaçãO SocietáRia
2001 - Resultados Financeiros 3º Trimestre   LegislaçãO SocietáRia2001 - Resultados Financeiros 3º Trimestre   LegislaçãO SocietáRia
2001 - Resultados Financeiros 3º Trimestre LegislaçãO SocietáRiaEmbraer RI
 
Indicadores saúde 2012
Indicadores saúde 2012Indicadores saúde 2012
Indicadores saúde 2012Durango Duarte
 
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...cbsaf
 
Distribuição dos Royalties em Mar – A construção de um país desenvolvido e se...
Distribuição dos Royalties em Mar – A construção de um país desenvolvido e se...Distribuição dos Royalties em Mar – A construção de um país desenvolvido e se...
Distribuição dos Royalties em Mar – A construção de um país desenvolvido e se...Banco do Nordeste
 
Teleconferência 3T11
Teleconferência 3T11Teleconferência 3T11
Teleconferência 3T11BRMALLS
 
100326 Tendencias Cadeia Carne Bovina Agroceres Ribeirao Preto
100326 Tendencias Cadeia Carne Bovina Agroceres Ribeirao Preto100326 Tendencias Cadeia Carne Bovina Agroceres Ribeirao Preto
100326 Tendencias Cadeia Carne Bovina Agroceres Ribeirao PretoMiguel Cavalcanti
 
Apresentação 3 t11 e 9m11 port final
Apresentação 3 t11 e  9m11 port finalApresentação 3 t11 e  9m11 port final
Apresentação 3 t11 e 9m11 port finalLocaliza
 
2T10 final
2T10 final2T10 final
2T10 finalLocaliza
 
121024 19-wbeef-engorda-a-pasto-wolney-pereira
121024 19-wbeef-engorda-a-pasto-wolney-pereira121024 19-wbeef-engorda-a-pasto-wolney-pereira
121024 19-wbeef-engorda-a-pasto-wolney-pereiraAgroTalento
 
[Palestra] Paulo Molinari: Encontro Confinadores Premix - Safras & Mercado
[Palestra] Paulo Molinari: Encontro Confinadores Premix - Safras & Mercado[Palestra] Paulo Molinari: Encontro Confinadores Premix - Safras & Mercado
[Palestra] Paulo Molinari: Encontro Confinadores Premix - Safras & MercadoAgroTalento
 
LEITE - Perspectivas
LEITE - PerspectivasLEITE - Perspectivas
LEITE - PerspectivasWORKRESULT
 
Aumentouapoupançaprevidenciáriadosservidoresem pernambuco
Aumentouapoupançaprevidenciáriadosservidoresem pernambucoAumentouapoupançaprevidenciáriadosservidoresem pernambuco
Aumentouapoupançaprevidenciáriadosservidoresem pernambucoVinícius Sobreira
 
Guilherme Braga (CeCafé)
Guilherme Braga (CeCafé) Guilherme Braga (CeCafé)
Guilherme Braga (CeCafé) Luiz Valeriano
 
Apresentação call 3 t12_port
Apresentação call 3 t12_portApresentação call 3 t12_port
Apresentação call 3 t12_portArteris S.A.
 
ApresentaçãO Colaboradores
ApresentaçãO ColaboradoresApresentaçãO Colaboradores
ApresentaçãO Colaboradoresmusicyourself
 

Mais procurados (20)

Apresentação 4Tt10 port
Apresentação 4Tt10 portApresentação 4Tt10 port
Apresentação 4Tt10 port
 
2001 - Resultados Financeiros 3º Trimestre LegislaçãO SocietáRia
2001 - Resultados Financeiros 3º Trimestre   LegislaçãO SocietáRia2001 - Resultados Financeiros 3º Trimestre   LegislaçãO SocietáRia
2001 - Resultados Financeiros 3º Trimestre LegislaçãO SocietáRia
 
Indicadores saúde 2012
Indicadores saúde 2012Indicadores saúde 2012
Indicadores saúde 2012
 
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
 
Distribuição dos Royalties em Mar – A construção de um país desenvolvido e se...
Distribuição dos Royalties em Mar – A construção de um país desenvolvido e se...Distribuição dos Royalties em Mar – A construção de um país desenvolvido e se...
Distribuição dos Royalties em Mar – A construção de um país desenvolvido e se...
 
Apresentação 4T07
Apresentação 4T07Apresentação 4T07
Apresentação 4T07
 
Teleconferência 3T11
Teleconferência 3T11Teleconferência 3T11
Teleconferência 3T11
 
100326 Tendencias Cadeia Carne Bovina Agroceres Ribeirao Preto
100326 Tendencias Cadeia Carne Bovina Agroceres Ribeirao Preto100326 Tendencias Cadeia Carne Bovina Agroceres Ribeirao Preto
100326 Tendencias Cadeia Carne Bovina Agroceres Ribeirao Preto
 
Apresentação 3 t11 e 9m11 port final
Apresentação 3 t11 e  9m11 port finalApresentação 3 t11 e  9m11 port final
Apresentação 3 t11 e 9m11 port final
 
Exportações do Rio Grande do Sul: Bruno Caldas
Exportações do Rio Grande do Sul: Bruno CaldasExportações do Rio Grande do Sul: Bruno Caldas
Exportações do Rio Grande do Sul: Bruno Caldas
 
2T10 final
2T10 final2T10 final
2T10 final
 
121024 19-wbeef-engorda-a-pasto-wolney-pereira
121024 19-wbeef-engorda-a-pasto-wolney-pereira121024 19-wbeef-engorda-a-pasto-wolney-pereira
121024 19-wbeef-engorda-a-pasto-wolney-pereira
 
[Palestra] Paulo Molinari: Encontro Confinadores Premix - Safras & Mercado
[Palestra] Paulo Molinari: Encontro Confinadores Premix - Safras & Mercado[Palestra] Paulo Molinari: Encontro Confinadores Premix - Safras & Mercado
[Palestra] Paulo Molinari: Encontro Confinadores Premix - Safras & Mercado
 
LEITE - Perspectivas
LEITE - PerspectivasLEITE - Perspectivas
LEITE - Perspectivas
 
Aumentouapoupançaprevidenciáriadosservidoresem pernambuco
Aumentouapoupançaprevidenciáriadosservidoresem pernambucoAumentouapoupançaprevidenciáriadosservidoresem pernambuco
Aumentouapoupançaprevidenciáriadosservidoresem pernambuco
 
Exportações do Rio Grande do Sul: 2011
Exportações do Rio Grande do Sul: 2011Exportações do Rio Grande do Sul: 2011
Exportações do Rio Grande do Sul: 2011
 
Apimec resultados do 3 t03
Apimec   resultados do 3 t03Apimec   resultados do 3 t03
Apimec resultados do 3 t03
 
Guilherme Braga (CeCafé)
Guilherme Braga (CeCafé) Guilherme Braga (CeCafé)
Guilherme Braga (CeCafé)
 
Apresentação call 3 t12_port
Apresentação call 3 t12_portApresentação call 3 t12_port
Apresentação call 3 t12_port
 
ApresentaçãO Colaboradores
ApresentaçãO ColaboradoresApresentaçãO Colaboradores
ApresentaçãO Colaboradores
 

Semelhante a 24casemiro

Roberto paulo apresentação 14º agrocafé março 2013
Roberto paulo apresentação 14º agrocafé março 2013Roberto paulo apresentação 14º agrocafé março 2013
Roberto paulo apresentação 14º agrocafé março 2013Revista Cafeicultura
 
Seltrans sete lagoas locomotiva do cerrado workshop
Seltrans sete lagoas locomotiva do cerrado workshopSeltrans sete lagoas locomotiva do cerrado workshop
Seltrans sete lagoas locomotiva do cerrado workshopRafael Salerno
 
Sete Lagoas Locomotiva do Cerrado Mineiro
Sete Lagoas Locomotiva do Cerrado MineiroSete Lagoas Locomotiva do Cerrado Mineiro
Sete Lagoas Locomotiva do Cerrado MineiroRafael Salerno
 
Indice asbia 2011
Indice asbia 2011Indice asbia 2011
Indice asbia 2011ABS Pecplan
 
Asbia - Índice 2011
Asbia - Índice 2011Asbia - Índice 2011
Asbia - Índice 2011AgroTalento
 
Palestra fenicafé 2013 - Uso Racional dos Fertilizantes no Cultivo do Café
Palestra fenicafé 2013 - Uso Racional dos Fertilizantes no Cultivo do CaféPalestra fenicafé 2013 - Uso Racional dos Fertilizantes no Cultivo do Café
Palestra fenicafé 2013 - Uso Racional dos Fertilizantes no Cultivo do CaféRevista Cafeicultura
 
Proantar histórico orçamento
Proantar histórico orçamentoProantar histórico orçamento
Proantar histórico orçamentoRicardo Montedo
 
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoriaSafra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoriaCarlos Henrique Cogo
 
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoriaSafra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoriaCarlos Henrique Cogo
 
SITUAÇÃO ATUAL E FUTURO DA PRODUÇÃO MUNDIALDE MAÇÃS
SITUAÇÃO ATUAL E FUTURO DA PRODUÇÃO MUNDIALDE MAÇÃSSITUAÇÃO ATUAL E FUTURO DA PRODUÇÃO MUNDIALDE MAÇÃS
SITUAÇÃO ATUAL E FUTURO DA PRODUÇÃO MUNDIALDE MAÇÃSfruticultura
 
Palestra Guilherme Braga – CECAFE Agrocafé 2012
Palestra Guilherme Braga – CECAFE Agrocafé 2012Palestra Guilherme Braga – CECAFE Agrocafé 2012
Palestra Guilherme Braga – CECAFE Agrocafé 2012Revista Cafeicultura
 
Projeto Hotelaria Sustentável
Projeto Hotelaria SustentávelProjeto Hotelaria Sustentável
Projeto Hotelaria SustentávelAlexandre Maitto
 
Apresentação Juazeiro do Norte - SETUR
Apresentação Juazeiro do Norte - SETURApresentação Juazeiro do Norte - SETUR
Apresentação Juazeiro do Norte - SETURpmjn
 
Informe Estatístico do Café - Fevereiro/10‏
Informe Estatístico do Café - Fevereiro/10‏Informe Estatístico do Café - Fevereiro/10‏
Informe Estatístico do Café - Fevereiro/10‏Revista Cafeicultura
 
Dia de campo Fazenda Mutirão - ABS Pecplan
Dia de campo Fazenda Mutirão - ABS PecplanDia de campo Fazenda Mutirão - ABS Pecplan
Dia de campo Fazenda Mutirão - ABS PecplanABS Pecplan
 
Lei Orçamentária 2013
Lei Orçamentária 2013 Lei Orçamentária 2013
Lei Orçamentária 2013 ijuicom
 
Informe Estatistido do Café - Novembro - 2010
Informe Estatistido do Café - Novembro - 2010Informe Estatistido do Café - Novembro - 2010
Informe Estatistido do Café - Novembro - 2010Revista Cafeicultura
 
Orçamentos MS 2010
Orçamentos MS 2010Orçamentos MS 2010
Orçamentos MS 2010guest73b649
 

Semelhante a 24casemiro (20)

Roberto paulo apresentação 14º agrocafé março 2013
Roberto paulo apresentação 14º agrocafé março 2013Roberto paulo apresentação 14º agrocafé março 2013
Roberto paulo apresentação 14º agrocafé março 2013
 
Seltrans sete lagoas locomotiva do cerrado workshop
Seltrans sete lagoas locomotiva do cerrado workshopSeltrans sete lagoas locomotiva do cerrado workshop
Seltrans sete lagoas locomotiva do cerrado workshop
 
Sete Lagoas Locomotiva do Cerrado Mineiro
Sete Lagoas Locomotiva do Cerrado MineiroSete Lagoas Locomotiva do Cerrado Mineiro
Sete Lagoas Locomotiva do Cerrado Mineiro
 
Indice asbia 2011
Indice asbia 2011Indice asbia 2011
Indice asbia 2011
 
Asbia - Índice 2011
Asbia - Índice 2011Asbia - Índice 2011
Asbia - Índice 2011
 
Palestra fenicafé 2013 - Uso Racional dos Fertilizantes no Cultivo do Café
Palestra fenicafé 2013 - Uso Racional dos Fertilizantes no Cultivo do CaféPalestra fenicafé 2013 - Uso Racional dos Fertilizantes no Cultivo do Café
Palestra fenicafé 2013 - Uso Racional dos Fertilizantes no Cultivo do Café
 
Proantar histórico orçamento
Proantar histórico orçamentoProantar histórico orçamento
Proantar histórico orçamento
 
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoriaSafra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
 
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoriaSafra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
Safra grãos 2012 2013 projeção carlos cogo consultoria
 
SITUAÇÃO ATUAL E FUTURO DA PRODUÇÃO MUNDIALDE MAÇÃS
SITUAÇÃO ATUAL E FUTURO DA PRODUÇÃO MUNDIALDE MAÇÃSSITUAÇÃO ATUAL E FUTURO DA PRODUÇÃO MUNDIALDE MAÇÃS
SITUAÇÃO ATUAL E FUTURO DA PRODUÇÃO MUNDIALDE MAÇÃS
 
Anexos de metas fiscais ldo 2014
Anexos de metas fiscais ldo 2014Anexos de metas fiscais ldo 2014
Anexos de metas fiscais ldo 2014
 
Palestra Guilherme Braga – CECAFE Agrocafé 2012
Palestra Guilherme Braga – CECAFE Agrocafé 2012Palestra Guilherme Braga – CECAFE Agrocafé 2012
Palestra Guilherme Braga – CECAFE Agrocafé 2012
 
Projeto Hotelaria Sustentável
Projeto Hotelaria SustentávelProjeto Hotelaria Sustentável
Projeto Hotelaria Sustentável
 
Apresentação Juazeiro do Norte - SETUR
Apresentação Juazeiro do Norte - SETURApresentação Juazeiro do Norte - SETUR
Apresentação Juazeiro do Norte - SETUR
 
Informe Estatístico do Café - Fevereiro/10‏
Informe Estatístico do Café - Fevereiro/10‏Informe Estatístico do Café - Fevereiro/10‏
Informe Estatístico do Café - Fevereiro/10‏
 
Dia de campo Fazenda Mutirão - ABS Pecplan
Dia de campo Fazenda Mutirão - ABS PecplanDia de campo Fazenda Mutirão - ABS Pecplan
Dia de campo Fazenda Mutirão - ABS Pecplan
 
Lei Orçamentária 2013
Lei Orçamentária 2013 Lei Orçamentária 2013
Lei Orçamentária 2013
 
1.1 abimilho
1.1 abimilho1.1 abimilho
1.1 abimilho
 
Informe Estatistido do Café - Novembro - 2010
Informe Estatistido do Café - Novembro - 2010Informe Estatistido do Café - Novembro - 2010
Informe Estatistido do Café - Novembro - 2010
 
Orçamentos MS 2010
Orçamentos MS 2010Orçamentos MS 2010
Orçamentos MS 2010
 

Mais de cbsaf

Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzidocbsaf
 
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampoparacbsaf
 
Paulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmaPaulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmacbsaf
 
Paulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematerPaulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematercbsaf
 
Sergio aparecido bb
Sergio aparecido bbSergio aparecido bb
Sergio aparecido bbcbsaf
 
Joao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdaJoao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdacbsaf
 
22iidamir
22iidamir22iidamir
22iidamircbsaf
 
22robertmiller
22robertmiller22robertmiller
22robertmillercbsaf
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoarescbsaf
 
24ricardoscoles
24ricardoscoles24ricardoscoles
24ricardoscolescbsaf
 
24marceloarcoverde
24marceloarcoverde24marceloarcoverde
24marceloarcoverdecbsaf
 
24lucianarocha
24lucianarocha24lucianarocha
24lucianarochacbsaf
 
24jorgevivan
24jorgevivan24jorgevivan
24jorgevivancbsaf
 
24cleidetavares
24cleidetavares24cleidetavares
24cleidetavarescbsaf
 
24andregolcalves
24andregolcalves24andregolcalves
24andregolcalvescbsaf
 
23leonardosorice
23leonardosorice23leonardosorice
23leonardosoricecbsaf
 
Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1cbsaf
 
Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1cbsaf
 
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiuttiCompressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutticbsaf
 
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...cbsaf
 

Mais de cbsaf (20)

Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido
 
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
 
Paulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmaPaulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mma
 
Paulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematerPaulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato emater
 
Sergio aparecido bb
Sergio aparecido bbSergio aparecido bb
Sergio aparecido bb
 
Joao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdaJoao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mda
 
22iidamir
22iidamir22iidamir
22iidamir
 
22robertmiller
22robertmiller22robertmiller
22robertmiller
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares
 
24ricardoscoles
24ricardoscoles24ricardoscoles
24ricardoscoles
 
24marceloarcoverde
24marceloarcoverde24marceloarcoverde
24marceloarcoverde
 
24lucianarocha
24lucianarocha24lucianarocha
24lucianarocha
 
24jorgevivan
24jorgevivan24jorgevivan
24jorgevivan
 
24cleidetavares
24cleidetavares24cleidetavares
24cleidetavares
 
24andregolcalves
24andregolcalves24andregolcalves
24andregolcalves
 
23leonardosorice
23leonardosorice23leonardosorice
23leonardosorice
 
Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1
 
Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1
 
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiuttiCompressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
 
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
Dia 2 - Simpósio 3 - Políticas publicas para integrar beneficios econômicos e...
 

24casemiro

  • 1. O Mercado da Castanha: Desafios das Indústrias de Beneficiamento e a Sustentabilidade da Cadeia Produtiva Casemiro Florenzano Filho
  • 2. PRODUÇÃO DA CASTANHA NO BRASIL 2000 a 2009 Quantidade Produzida, Valor da produção e valor médio (R$/kg) da Castanha do Brasil – 2000/2009 Produção Valor Valor médio ANO (kg) (mil R$) (R$/kg) 2000 33.431.000 18.556.000 0,56 2001 28.467.000 27.695.000 0,97 2002 27.389.000 30.379.000 1,11 2003 24.894.000 24.587.000 0,99 2004 27.059.000 30.661.000 1,13 2005 30.975.000 46.866.000 1,51 2006 28.806.000 43.908.000 1,52 2007 30.406.000 45.492.000 1,50 2008 30.815.000 45.732.000 1,48 2009 37.467.000 52.261.000 1,39 Total 299.709.000 366.137.000 1,22 Fonte: SIDRA – IBGE /2010
  • 3. PRODUÇÃO DA CASTANHA POR UF DE ORIGEM % Participação, Quantidade Produzida, valor da produção e valor médio da Castanha do Brasil , por UF Partic. de origem – 2000/2009Valor (mil Partic. Valor Valor médio Produção (kg) Produção (%) (%) Reais) (R$/kg) Rondônia 11,4% 6,4% 34.062.000 23.381 0,69 Acre 28,7% 19,9% 85.936.000 72.739 0,85 Amazonas 31,9% 53,9% 95.522.000 197.524 2,07 Roraima 0,3% 0,1% 803.000 405 0,50 Pará 22,6% 15,8% 67.642.000 57.954 0,86 Amapá 3,3% 1,3% 9.876.000 4.660 0,47 Mato Grosso 2,0% 2,6% 5.868.000 9.474 1,61 Total 100,0% 100,0% 299.709.000 366.137 1,22 Fonte: SIDRA – IBGE /2010
  • 4. PRODUÇÃO DA CASTANHA NO PARÁ 2007 a 2009  REGIÕES 2007 2008 2009 Baixo Amazonas 4.783 3.381 4.357 Sudeste Paraense 944 939 929 Nordeste Paraense 915 933 856 Sudoeste Paraense 675 607 474 Marajó 227 244 292 Metropolitana de 96 101 112 Belém TOTAL 7.640 6.205 7.020  MUNICÍPIOS 2007 2008 2009 Oriximiná 2.150 1.250 1.625 Óbidos 1.075 800 1.120 Alenquer 760 770 820 Faro 150 105 288 Almeirim 172 168 173 TOTAL 4.783 3.381 4.357 Fonte: IBGE – Produção de Extração Vegetal - 2009
  • 5. DIFICULDADES ENFRENTADAS PELAS INDÚSTRIAS: ü Obsolescência tecnológica das indústrias de beneficiamento, só a partir de 2008 que vem sendo modernizada; ü Alto custo do processo de produção; ü Baixo nível de articulação da cadeia produtiva; ü Acirrada concorrência entre as indústrias; ü Dificuldade para o acesso as novas áreas de extração; ü Dificuldades logísticas para acesso ao produto; ü Baixa qualidade do produto adquirido dado as práticas de manejo; ü Alto custo do financiamento de capital de giro para assegurar a safra; ü Baixa competitividade frente as industrial da Bolívia e Peru; ü Fechamento de XX indústrias no Pará, XX no Acre, e XX no Amazonas;
  • 7. PRODUÇÃO E EXPORTAÇÃO DA CASTANHA NO BRASIL 2000 a 2009 ANO Exportação (kg) Produção % Consumo (Kg) Com Casca Sem Casca Total Interno 2000 33.431.000 13.566.005 5.361.990 18.927.995 43,4% 2001 28.467.000 7.902.773 2.649.222 10.551.995 62,9% 2002 27.389.000 6.949.131 2.693.655 9.642.786 64,8% 2003 24.894.000 5.617.681 1.329.220 6.946.901 72,1% 2004 27.059.000 10.296.366 3.095.042 13.391.408 50,5% 2005 30.975.000 13.057.660 4.183.500 17.241.160 44,3% 2006 28.806.000 11.215.521 1.862.981 13.078.502 54,6% 2007 30.406.000 13.982.688 2.330.276 16.312.964 46,3% 2008 30.815.000 12.736.055 1.013.128 13.749.183 55,4% 2009 37.467.000 9.047.217 837.158 9.884.375 73,6% 2010 - 8.141.735 856.403 8.998.138 - Total 299.709.000 112.512.832 26.212.575 138.725.407 53,7% Fonte: SIDRA – IBGE / SECEX - MDIC
  • 8. EXPORTAÇÃO DA CASTANHA FRESCA OU SECA COM CASCA - BRASIL 2000 a 2010 Valor Peso Líquido Valor Médio Ano (US$ FOB) (Kg) (US$ FOB/Kg) 2010 9.087.363,00 8.141.735,00 1,12 2009 8.465.360,00 9.047.217,00 0,94 2008 15.733.175,00 12.736.055,00 1,24 2007 15.535.162,00 13.982.688,00 1,11 2006 10.696.034,00 11.215.521,00 0,95 2005 12.432.033,00 13.057.660,00 0,95 2004 6.842.601,00 10.296.366,00 0,66 2003 7.178.863,00 5.617.681,00 1,28 2002 7.350.073,00 6.949.131,00 1,06 2001 6.263.460,00 7.902.773,00 0,79 2000 13.376.839,00 13.566.005,00 0,99 Total 112.960.963,00 112.512.832,00 1,00 Fonte: SECEX - MDIC
  • 9. EXPORTAÇÃO DA CASTANHA COM CASCA POR PAÍSES DESTINOS - 2009 Valor Médio (US$ Valor (US$ FOB) Peso Líquido (kg) PAÍSES FOB/kg) 2009 2010 2009 2010 2009 2010 Bolívia 1.573.468,00 2.183.234,00 4.057.360,00 4.730.780,00 0,39 0,46 Estados Unidos 1.942.444,00 3.861.518,00 1.321.669,00 1.692.419,00 1,47 2,28 Hong Kong 3.110.992,00 2.091.183,00 2.060.634,00 904.814,00 1,51 2,31 Peru 307.027,00 400.918,00 620.880,00 543.664,00 0,49 0,74 Romenia 346.060,00 257.056,00 207.000,00 138.000,00 1,67 1,86 Tunísia 309.291,00 202.766,00 182.000,00 104.000,00 1,70 1,95 Austrália 49.647,00 77.272,00 32.772,00 24.000,00 1,51 3,22 África Do Sul 26.725,00 13.228,00 13.500,00 4.000,00 1,98 3,31 Argentina 24.602,00 - 18.000,00 - 1,37 - China 514.989,00 - 352.000,00 - 1,46 - Vietnã 260.115,00 - 181.402,00 - 1,43 - Países Baixos - 138,00 - 50,00 - 2,76 (Holanda) Angola - 50,00 - 8,00 - 6,25 TOTAL 8.465.360,00 9.087.363,00 9.047.217,00 8.141.735,00 0,94 1,12 Fonte: SECEX - MDIC
  • 10. IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CASTANHA E VALOR MÉDIO SEM CASCA 2000 a 2010 Valor Peso Líquido Valor Médio Ano (US$ FOB) (Kg) (US$ FOB/Kg) 2010 2.157.891,00 344.124,00 6,27 2009 50.331,00 32.938,00 1,53 2008 506.098,00 128.829,00 3,93 2007 6.300,00 500,00 12,60 2006 8.568,00 680,00 12,60 2005 - - - 2004 33.775,00 24.263,00 1,39 2003 130.038,00 57.400,00 2,27 2002 84.960,00 52.320,00 1,62 2001 - - - 2000 79.575,00 49.896,00 1,59 Total 3.057.536,00 690.950,00 4,43 Fonte: SECEX - MDIC
  • 11. Importações Brasileiras Castanha Sem Casca e Exportações Brasileiras de Castanha Com Casca - 2000/2010 - Valor Médio (US$ FOB/Kg) Fonte: SECEX - MDIC
  • 12. EXPORTAÇÃO DA CASTANHA PARA A BOLIVIA E PERU- 2009 e 2010
  • 13. EXPORTAÇÕES DE CASTANHA COM CASCA PARA A BOLIVIA E PERU – 2003 A 2010 Valor Peso Líquido Valor Médio Ano (US$ FOB) (Kg) (US$ FOB/Kg) Bolívia Peru Bolívia Peru Bolívia Peru 2010 2.183.234,00 400.918,00 4.730.780,00 543.664,00 0,46 0,74 2009 1.573.468,00 307.027,00 4.057.360,00 620.880,00 0,39 0,49 2008 4.505.753,00 10.903,00 7.303.567,00 26.880,00 0,62 0,41 2007 4.070.611,00 - 7.312.310,00 - 0,56 - 2006 2.987.033,00 110.766,00 6.511.270,00 339.000,00 0,46 0,33 2005 3.891.012,00 78.287,00 8.460.464,00 225.000,00 0,46 0,35 2004 1.935.629,00 82.933,00 6.316.150,00 270.000,00 0,31 0,31 2003 21.987,00 - 225.078,00 - 0,10 - TOTAL 21.168.727,00 990.834,00 44.916.979,00 2.025.424,00 0,47 0,49 Fonte: SECEX - MDIC
  • 14. EXPORTAÇÃO DA CASTANHA DO BRASIL POR ESTADO DE ORIGEM- 2009 e 2010
  • 15. EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CASTANHA COM CASCA POR UF DE ORIGEM 2009 - 2010 UF US$ (%) US$ kg US$/kg AM 42,53 48.042.385,00 32.466.560,00 1,48 PA 37,43 42.278.335,00 33.134.735,00 1,28 AC 18,64 21.051.997,00 44.719.498,00 0,47 RO 0,87 987.323,00 1.574.148,00 0,63 AP 0,31 349.891,00 136.975,00 2,55 MT 0,17 191.791,00 424.607,00 0,45 SP 0,05 59.157,00 56.303,00 1,05 RJ 0,00 69,00 4,00 17,25 CB 0,00 15,00 2,00 7,50 Total 100,00 112.960.963,00 112.512.832,00 1,00 Fonte: SECEX - MDIC
  • 16. PRODUÇÃO E EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CASTANHA POR UF DE ORIGEM – 2000 A 2009 Exportação (kg) % de Produção (kg) Com Casca Sem Casca Total Exportação Rondônia 34.062.000 1.533.648 - 1.533.648 4,5% Acre 85.936.000 39.603.154 230.761 39.833.915 46,4% Amazonas 95.522.000 30.592.747 2.519.862 33.112.609 34,7% Roraima 803.000 - - - 0,0% Pará 67.642.000 32.023.715 22.539.180 54.562.895 80,7% Amapá 9.876.000 136.975 - 136.975 1,4% Mato Grosso 5.868.000 424.607 - 424.607 7,2% Total 299.709.000 104.314.846 25.289.803 129.604.649 43,2% Fonte: SIDRA – IBGE / SECEX - MDIC
  • 17. DIFICULDADES ENFRENTADAS NO MERCADO: ü Ausência de regulação adequada a realidade da atividade; ü Práticas comerciais ilícitas;
  • 18. CONSTATAÇÕES ü Em 10 anos o Brasil de deixa de ser o primeiro exportador, hoje configura-se como o terceiro. O mercado é liderado pela Bolívia e pelo Peru, sequencialmente; ü Os dados apresentados são apenas os registros oficiais, como a fiscalização de fronteira é insuficiente, uma parte significativa da produção é transportada ilegalmente; ü A cadeia produtiva de castanha no Brasil enfrenta dificuldades de sustentabilidade no mercado, desde o processo extrativista até o processo de beneficiamento; ü Práticas de comercialização que privilegiam os demais países levam todos os elos da cadeia de produção da castanha á práticas de canibalização; ü Ausência de políticas públicas que possibilitem tratar de forma eficaz a cadeia produtiva da biodiversidade; ü Evasão de divisas;
  • 19. SUGESTÕES DE MEDIDAS DE CORREÇÃO ü Construção de políticas públicas que priorizem toda a cadeia da Castanha do Brasil, e que seja construído um GT Interministerial para tratar o assunto, com a inclusão do MAPA e MDIC; ü Intensifique o controle fitossanitário nas fronteiras; ü Inspeção nas empresas exportadoras; ü Implementação de fiscalização efetiva nas divisas com os países em questão;