UNIVERSIDADE FEDEERAL RURAL DO SEMIÁRIDO (UFERSA)
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS VEGETAIS
IMPORTÂNCIA DA FRUTICULTURA
PODA DAS Á...
2
BOLETIM TÉCNICO
VOLUME 1
- IMPORTÂNCIA DA FRUTICULTURA
- PODA DAS ÁRVORES FRUTÍFERAS
- PROPAGAÇÃO DAS PLANTAS FRUTÍFERAS...
3
AUTORES
VANDER MENDONÇA
Possui Graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Lavras
(1997), Mestrado e...
4
APRESENTAÇÃO
As espécies frutíferas podem ser divididas em três grupos principais, de
acordo com as exigências climática...
CAPÍTULO I
IMPORTÂNCIA DA FRUTICULTURA
1. ASPECTOS ECONÔMICOS
O Brasil por possui uma extensa área territorial, com 8.500....
2
Tabela 1. Produção, produtividade e área cultivada das principais espécies
cultivadas no Brasil.
Frutas Área (1.000ha) P...
3
Pois o terceiro maior produtor de frutas não é um dos principais exportadores,
exportando menos de 1% da produção.
O pri...
4
Tabela 2. Exportação brasileira de frutas em 2001.
Frutas Valor
(US$/mil)
Quantidade
(tonelada)
P. Médio (US$/t)
Manga e...
5
brasileiro, exportação de fruta na forma de suco e com valor agregado nas
grandes industrias paulistas.
1.2. Em busca da...
6
Tabela 3. Importação brasileira de frutas em 2001.
Frutas Valor (US$/mil) Quantidade
(tonelada)
P. Médio (US$/t)
Pêra 49...
7
Todos os estados da federação acordaram para uma realidade: a
fruticultura gera dinheiro, o País tem potencial para prod...
8
indevido, manejo equivocado e estocagem errada. As perdas na lavoura ocorrem
por desconhecimento do produtor, que adota ...
9
Tabela 4. Consumo per capta de frutas.
País Consumo (Kg / ano)
Alemanha 112,00
Reino Unido 68,50
França 91,40
Itália 114...
10
Depois em quarto lugar aparece os Estados Unidos como grande produtor
mundial de laranja, uva, maça e pomelo. As Filipi...
11
mais de 100 mil hectares irrigados, exportando manga, banana, coco, uva, goiaba
e pinha, e garantindo emprego a 4000 mi...
12
permanentes e dois empregos indiretos (Figura 1). Visto por outro ângulo, 2,2
milhões hectares com frutas no Brasil sig...
13
ameixeira, a pecã, o caqui. Existem variedades que produzem satisfatoriamente
em regiões de inverno brando, ao passo qu...
14
4. ASPECTOS NUTRACÊUTICOS
4.1. Comportamento alimentar do homem
A decisão sobre que comida colocar no prato tem implica...
15
homem pode viver em bom estado de saúde, mas é preciso individualiza-lo
devidamente (Tabela 6).
Na alimentação dos frug...
16
açaí garante. Porém, o açaí contém vitamina C muito abaixo da média das
demais frutas. Isto leva a dedução que não exis...
17
Tabela 7. Necessidade diária de um homem adulto e elementos consumidos em
1,6 kg de frutas, castanhas e sementes.
Neces...
18
A fibra dietética passa através do intestino, no qual desenvolve sua
capacidade de hidratação e fixação, interferindo n...
19
A fibra dietética chega ao intestino grosso de forma inalterada e, ao
contrario do que ocorre com as enzimas digestivas...
20
4.5. Fome oculta
“Os fitoquímicos defendem as células do corpo, as quais estão
constantemente sofrendo ataques, seja do...
21
Nos processos biológicos há formação de uma variedade de radicais
livres. São eles:
- Radicais do oxigênio ou espécies ...
22
Os processos oxidativos podem ser evitados através da modificação das
condições ambientais ou pela utilização de substâ...
23
ácido ascórbico é o mais largamente encontrado nos alimentos e possui maior
poder antioxidantes encontrado nos alimento...
24
4.7. Prevenção de câncer
Causas de indução
Até o momento, a pesquisa determinou muitos aspectos de
desenvolvimento do c...
25
variada e rica em vegetais frescos, azeite de oliva, vinho e carne de todos os
tipos. Ao contrário dos Americanos, esse...
26
Essa fruta é muito recomendável também contra as enfermidades renais,
nefrite, hidropisia, gota, obesidade, afecções do...
27
crescimento de células cancerígenas e também inibir o crescimento de células de
tumor resistente à adriamicina.
5.4. Go...
28
O vinho é, sem dúvidas a bebida mais favorável à digestão. O ácido
cinâmico aumenta a secreção biliar; as oxidades e pe...
29
O limão, com seus ácidos, facilmente transformados em elementos
alcalinizantes, e com suas bases, fermentos e vitaminas...
30
5.10. Morango
Comer morango ajuda a reduzir o risco de se contrair câncer e doenças
do coração devido à presença do áci...
31
BLOCK, G.; LANGSETH, L. Antioxidant vitamins and diseases prevention. Food
Tecnology, v.48, n.7, p.80-84, July, 1994.
B...
32
SOUZA FILHO, J. M. de. Vinho e saúde. In: REGINA, M. de A. et al. (eds).
Viticultura e Enologia: Atualizando conceitos....
33
34
CAPÍTULO II
PODA DAS ÁRVORES FRUTÍFERAS
1. INTRODUÇÃO
Um sábio chinês observou que a agricultura é a “arte de colher o sol...
2
Já Cândido de Figueiredo esclarece que podar eqüivale a “limpar ou cortar
a rama ou braços inúteis das videiras, árvores...
3
solo, irrigação e drenagem para manter um nível adequado de umidade, controle
fitossanitário para combate de doenças e p...
4
4º- Modificar a tendência da planta em produzir mais ramos vegetativos que
frutíferos ou vice-versa;
5º- Conduzir a plan...
5
no momento impróprio, ou de forma incorreta, a poda pode gerar uma explosão
vegetativa muito grande, causando um problem...
6
Cortada uma parte da planta, a seiva refluirá para as remanescentes,
aumentando-lhes o vigor vegetativo. Assim, poda cur...
7
formação da muda a copa é distribuída no tronco em três a quatro brotações
espaçadas entre si em 3 a 5 cm.
Existe também...
8
As principais formas de cordão são: vertical, oblíqua e horizontal.
Palmeta é a forma de condução da planta de modo que ...
9
parasitadas por brocas, cochonilhas, ervas-de-passarinho, algas, fungos, ácaros e
outras pragas e moléstias da parte aér...
10
Dependendo da espécie frutífera, uma mesma árvore, pode receber
simultaneamente os três tipos de podas, dependendo do v...
11
7.2 Poda verde ou de verão
A poda verde ou de verão é realizada quando a planta está vegetando, ou
seja, durante o perí...
12
e com isso a retenção da seiva elaborada próximo à sua gema ou ao seu fruto.
Quando praticados no início do florescimen...
13
Desnetamento à é uma poda verde aplicada às videiras, consiste em
aparar com a unha, ou simplesmente arrancar, os ramos...
14
elaborada são invertidas ou gastas na transformação das gemas vegetativas em
gemas frutíferas, que darão as futuras flo...
15
esgotar a planta, abreviando seus dias, o qual não se verifica nos indivíduos não
podados.
Em contraposição, estes apre...
16
sempre mais volumosa, de forma oval-alongada, e as de lenho são mais
alongadas e afuniladas. As primeiras apresentam-se...
17
10.1 Ramos lenhosos ou vegetativos
Caracterizam-se pelo vigor, pelo aspecto da casca, normalmente lisa, e
pelos internó...
18
Dardos são os ramos pequenos, pontiagudos, com entrenós muito curtos.
Desenvolvem-se lentamente e apresentam uma roseta...
19
esporões, em contraposição aos vegetativos, que são longos e vigorosos. Este é
o caso das macieiras, pereiras, ameixeir...
20
que tipo de poda e em que intensidade deve ser praticada, para que se tenha
êxito nessa operação.
A poda de um ramo pod...
21
REFERÊNCIAS
BRICKELL, C., A Poda. Portugal: Publicações Europa-América, 1979, 228 p.: il.
DONADIO, L. C.; RODRIGUES, O....
22
CAPÍTULO lll
PROPAGAÇÃO DAS PLANTAS FRUTÍFERAS
1. INTRODUÇÃO
A propagação das plantas frutíferas se reveste de grande impo...
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação

1.044 visualizações

Publicada em

abacate

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.044
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDEERAL RURAL DO SEMIÁRIDO (UFERSA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS VEGETAIS IMPORTÂNCIA DA FRUTICULTURA PODA DAS ÁRVORES FRUTÍFERAS PROPAGAÇÃO DAS PLANTAS FRUTÍFERAS VANDER MENDONÇA LUCIANA FREITAS DE MEDEIROS Apoio Financeiro
  2. 2. 2 BOLETIM TÉCNICO VOLUME 1 - IMPORTÂNCIA DA FRUTICULTURA - PODA DAS ÁRVORES FRUTÍFERAS - PROPAGAÇÃO DAS PLANTAS FRUTÍFERAS VANDER MENDONÇA LUCIANA FREITAS DE MEDEIROS MOSSORÓ-RN, 2011
  3. 3. 3 AUTORES VANDER MENDONÇA Possui Graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Lavras (1997), Mestrado em Agronomia/Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Semi- Árido (2000) e Doutorado em Agronomia (Fitotecnia/Fruticultura) pela Universidade Federal de Lavras (2005) e Pós-Doutorado em Agronomia (Fitotecnia/Fruticultura) pela Universidade Federal de Lavras (2011). Atualmente é professor Adjunto III na Universidade Federal Rural do Semi-árido (UFERSA), responsável pelas disciplinas: Fruticultura (Graduação), Propagação de Frutíferas, Fruticultura Tropical II e Citricultura (Pós-graduação) e também Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq Nível 2. É líder do Grupo de Pesquisa Propagação, Nutrição, Adubação e Tratos Culturais de Frutíferas de Clima Tropical e Sub-Tropical e participa como membro do Grupo de Pesquisa Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ambos cadastrados no CNPq. Na UFERSA é lider do Grupo de pesquisa Pesquisa em Fruticultura . Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fruticultura, atuando principalmente nos seguintes temas: propagação, adubação e condução de espécies frutíferas de clima tropical. Contatos: Prof. Dr. Vander Mendonça (Fruticultura) Fone (84) 3317-8548, E-mails: vander@ufersa.edu.br, vander.mendonca@pq.cnpq.br, vanderm2000@hotmail.com, fruticulturaufersa@yahoogrupos.com.br, Home page: http://prof- vanderufersa.webnode.com.br/ LUCIANA FREITAS DE MEDEIROS Possui Graduação em Engenharia Agronomica pela Universidade Federal Rural do Semiárido (2009). Atualmente é aluna do curso de mestrado em Fitotecnia da Universidade Federal Rural do Semiárido. É Bolsista do CNPq. Participa do Grupo de Pesquisa Propagação, Nutrição, Adubação e Tratos Culturais de Frutíferas de Clima Tropical e Sub- Tropical cadastrado no CNPq. Na UFERSA também participa do Grupo Pesquisa em Fruticultura. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Micropropagação de Ornamentais, além de Fruticultura, atuando principalmente nos seguintes temas: propagação, adubação e condução de espécies frutíferas de clima tropical. Contatos: Engenheira Agrônoma Luciana Freitas de Medeiros, Fone (84) 3317-8548 E-mails: lucisfreitas@hotmail.com, fruticulturaufersa@yahoogrupos.com.br, Home page: http://prof-vanderufersa.webnode.com.br/
  4. 4. 4 APRESENTAÇÃO As espécies frutíferas podem ser divididas em três grupos principais, de acordo com as exigências climáticas em: temperadas (uva, maçã, figo, pêssego, ameixa, etc.), subtropicais (citros, caqui, etc.) e tropicais (banana, manga, mamão, abacaxi, cupuaçu, açaí, etc.). As principais frutíferas cultivadas no Brasil são: banana, laranja, caju, coco, maracujá, mamão, manga, abacaxi, uva, melão, maçã, goiaba, pêssego, tangerina, abacate, pêra, figo. Todos os estados da federação acordaram para uma realidade: a fruticultura gera dinheiro, o País tem potencial para produzir muito e com qualidade, há um mercado com alta demanda e em crescimento. Sabemos que não é fácil orientar, instruir, explicar como se fazem as coisas, quando se dispões de poucos meios práticos e, principalmente, quando não se tem bibliografias a disposição com um custo mais acessível. Esta Série (Vol. I até Vol. V) de “Boletins Técnicos”, aqui apresentada, faz uma descrição geral da importância da fruticultura e algumas frutíferas. Assuntos estes abordados na disciplina “Fruticultura” do curso de Agronomia da UFERSA. Justifica-se este tipo de publicação, pois, além de ser de distribuição gratuita, a mesma é escrita em uma linguagem mais clara e objetiva tornando o aprendizado mais fácil e menos cansativo. Por outro lado, este tipo de publicação pode também auxiliar os técnicos de extensão, produtores rurais e a população de uma maneira geral interessada em ter um maior conhecimento a respeito das plantas frutíferas. Os autores
  5. 5. CAPÍTULO I IMPORTÂNCIA DA FRUTICULTURA 1. ASPECTOS ECONÔMICOS O Brasil por possui uma extensa área territorial, com 8.500.000 km2 encontra-se uma grande variação climática e seus microclimas que possibilitam o cultivo econômico da maioria das fruteiras, que torna o país o terceiro produtor mundial de frutas, atrás apenas da China e índia, primeiro e segundo maiores produtores, respectivamente. As espécies frutíferas podem ser divididas em três grupos principais, de acordo com as exigências climáticas em: temperadas (uva, maçã, figo, pêssego, ameixa, etc.), subtropicais (citros, caqui, etc.) e tropicais (banana, manga, mamão, abacaxi, cupuaçu, açaí, etc.). As principais frutíferas cultivadas no Brasil são: banana, laranja, caju, coco, maracujá, mamão, manga, abacaxi, uva, melão, maçã, goiaba, pêssego, tangerina, abacate, pêra, figo (Tabela 1).
  6. 6. 2 Tabela 1. Produção, produtividade e área cultivada das principais espécies cultivadas no Brasil. Frutas Área (1.000ha) Produção (1.000 t) Produtividade (t/ha) Abacate 12,3 173,9 14,1 Abacaxi1 61,1 1.433.234 23.446,8 Açaí - 106,0 10,0 Banana 503,1 6.422,9 12,8 Caju (cast.) 665,1 164,5 0,247 Coco1 276,6 1.928.236 6.971,0 Cupuaçu 10,0 300,0 30,0 Goiaba 15,8 321,1 20,3 Laranja 828,8 18.530,6 22.4 Limão 50,1 984,6 19.6 Maçã 31,5 661,5 27.2 Mamão 35,6 1.597,7 44.8 Manga 66,7 842,3 12.6 Maracujá 33,5 330,8 9,9 Palmito 6,2 41,1 6,7 Tangerina 64,7 1.262,7 19,5 Uva 66,3 1.148,6 17,3 Total Frutas 2.900,0 38.125,0 - Fonte: IBGE (2003); Agrianual (2003); IBGE (2004) 1 Produção em mil frutos por hectare. O estado de São Paulo, destaca principalmente pela alta produção de citros e exportação de suco de laranja concentrado e congelado (SLCC), colocando o Brasil como o maior produtor mundial de citros e maior exportador do SLCC. Além disso, destaca-se também pela grande variedade de espécies frutíferas cultivadas em cada um de seus microclimas. Aliado a outros fatores, o alto índice tecnológico nos pomares paulistas, contribui para a boa produtividade conseguida no estado. A maioria da produção brasileira é destinada ao consumo interno, tanto ao natural quanto processada na forma de doces, geléias, sucos, vinhos e outros.
  7. 7. 3 Pois o terceiro maior produtor de frutas não é um dos principais exportadores, exportando menos de 1% da produção. O principal motivo da baixa exportação de frutas pelo Brasil é a baixa qualidade das frutas, na maioria das vezes produzidas sem base agronômica, além dos embargos impostos pelos importadores. 1.1. Exportações brasileiras de frutas As frutas brasileiras, aos poucos, vão ganhando o mercado mundial e abrindo espaço para transforma o Brasil em um grande exportador, criando novas oportunidades de negócio para os agricultores brasileiros em um empreendimento com alta rentabilidade. Dados do ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) revelam que, em 2001, as exportações de frutas frescas atingiram 590,6 mil toneladas e US$ 221, 4 milhões de faturamento. Isso representa em volume um salto de 36,2% em relação ao mesmo período do ano anterior e de 26,7% em receita. As principais frutas vendidas ao exterior são: goiaba, manga, melão, laranja, uva, mamão papaia, banana, limão, lima, tangerina, abacaxi e melancia. O maior comprador é o Reino Unido, com 14%, e que desde a década de 90 vem se constituindo como o principal mercado para as frutas brasileiras (Tabela 2).
  8. 8. 4 Tabela 2. Exportação brasileira de frutas em 2001. Frutas Valor (US$/mil) Quantidade (tonelada) P. Médio (US$/t) Manga e Goiaba 50,814 94.291 538.91 Melão 39,297 99.434 395.21 Laranja 27,538 139.582 197.29 Uva 21,563 20.660 1,043.71 Mamão 18,503 22.804 811.39 Maçã 18,139 35.786 506.87 Banana 16,036 105.112 152.56 Limão 7,635 14.811 515.50 Tangerina 6,697 17.258 388.05 Abacaxi 3,408 14.457 235.73 Melancia 2,299 13.698 167.83 Figo 1,086 633 1,715.64 Morango 413 228 1,811.40 Abacate 345 606 569.31 Outras frutas 7,589 11.235 675.47 Total Frutas Frescas 221,362 590.595 374.81 Fonte: SECEX/DECEX/MDIC;DECOM/SPC/MAPA Também no Mercosul está crescendo o mercado para a fruticultura nacional, sendo a Argentina responsável por 12% das nossas exportações e o Uruguai por outros 6%. Além disso, o Brasil exporta para Estados Unidos, Portugal, Bélgica, Finlândia, Emirados Árabes Unidos e Países Baixos. Caso seja mantida a taxa de crescimento observada nos últimos anos, que é de 20%, as exportações brasileiras atingirão os US$ 500 milhões em 2006 e poderão chegar a US$ 1 bilhão em 2010. Apenas para fazer uma comparação, o Chile que um dos maiores exportadores de frutas ao natural, exporta cerca de US$ 1,6 bilhão, aproximadamente o mesmo valor que rende a exportação do suco de laranja
  9. 9. 5 brasileiro, exportação de fruta na forma de suco e com valor agregado nas grandes industrias paulistas. 1.2. Em busca da auto-suficiência Mesmo sendo o terceiro maior produtor mundial de frutas, o Brasil, país de dimensões continentais, encontra dificuldade em atender ao seu mercado interno e precisa importar para suprir sua demanda de consumo (Tabela 3). Os problemas para este atendimento vão desde aspectos culturais, precariedade de logística, falta de planejamento e integração dos mercados regionais, até as dificuldades econômicas da maioria da população. O Brasil tem 170 milhões de habitantes e, por isso, é o maior mercado consumidor da América Latina. Atualmente, o mercado interno segue a tendência mundial de aumento do consumo de frutas frescas, dentro dos princípios difundidos de melhoria da qualidade de vida e cuidados com a saúde. Portanto, além de exportar para o mercado internacional, o Brasil precisará aprender a exportar para ele mesmo, qualificando a produção, a distribuição e a comercialização.
  10. 10. 6 Tabela 3. Importação brasileira de frutas em 2001. Frutas Valor (US$/mil) Quantidade (tonelada) P. Médio (US$/t) Pêra 49,518 117.649 421 Maçã 29,234 79.985 365 Ameixa 11,539 16.088 717 Quiwi 6,100 9.369 651 Uva 6,080 7.457 815 Cereja 3,424 1.031 3.321 Nectarina 3,244 4.670 695 Pêssego 2,417 3.188 758 Outras 633 1.732 3.517 Subtotal frutas frescas 112,189 241.169 11.261 Uva 12,237 16.408 746 Ameixa 11,974 11.448 2.604 Noz, Avelã, Castanhas 23,245 8.660 18.210 Coco seco 4,976 7.527 661 Morango Congelado 1,371 1.715 799 Damasco 1,477 1.411 2.317 Outras 4,898 3.757 39.026 Subtotal outras frutas 60,178 50.926 64.363 Total Outras Frutas 172,367 292.095 75.624 Fonte: SECEX/DECEX/MDIC;DECOM/SPC/MAPA Contudo, a cadeia produtiva da fruticultura é a área que mais cresce dentro do agronegócio brasileiro e deverá alcançar um patamar de grande exportador.
  11. 11. 7 Todos os estados da federação acordaram para uma realidade: a fruticultura gera dinheiro, o País tem potencial para produzir muito e com qualidade, há um mercado com alta demanda e em crescimento. Os investimentos realizados nos pólos de fruticultura irrigada no Nordeste, no sudeste do País e no Sul estão se consolidando porque há um grande retorno econômico e social nesta atividade. Para cada hectare de pomar é gerada uma renda de aproximadamente R$ 15 mil. Isso que dizer que, dentro da agricultura, o segmento frutícola está entre os principais geradores de renda, de empregos e de desenvolvimento rural. Fatores que incentivam a produção 1. Geração de empregos no campo e na cidade 2. Renda de R$ 2 mil a R$ 25 mil por hectare 3. Sustentabilidade da produção 4. Disponibilidade de recurso 5. Grande demanda no mercado interno 6. Grande demanda no mercado internacional 7. Incentivo às exportações Exemplos de rentabilidade Cada hectare de vinho gera: - Renda/hectare/ano: R$ 20 mil de dinheiro novo circulando na região produtora Renda com industrialização - Mais R$ 20 mil (R$ 40 mil/ha/ano) Cada hectare de vinhedo oferece - 1 emprego direto, a permanência de uma família no campo e 2 empregos indiretos. 1.3. Desperdiço de frutas no Brasil O Brasil acumula prejuízos de milhões de dólares todos os anos na produção e processamento de frutas. As perdas variam de 30% a 60% do total produzido nos pomares brasileiros, dependendo da espécie e do estágio em que a fruta é descartada pelo mercado. As perdas começam na lavoura e terminam nas gôndolas dos supermercados. Antes disso,, passa pela embalagem inadequada, o transporte
  12. 12. 8 indevido, manejo equivocado e estocagem errada. As perdas na lavoura ocorrem por desconhecimento do produtor, que adota manejo inadequado do pomar e usa variedades não-adaptadas. Além disso, há os fatores climáticos que podem influenciar, como tempestades, ventos, geadas, excesso hídrico ou estiagens. A utilização de embalagens inadequadas também é fator de prejuízos à produção nacional de frutas. No Brasil é costume utilizar caixas de madeira estreitas impróprias para acondicionar o produto. Isso aperta as frutas, machuca e ainda provoca contaminações pelo uso contínuo sem os cuidados de higiene necessários. Por isso é necessária a adequação das embalagens. Outro ponto fraco do processo pós-colheita da fruticultura brasileira é o transporte, que deveria ser feito em caminhões refrigerados e já com as frutas embaladas. Normalmente a operação é realizada em caminhões comuns cobertos com lonas. E na comercialização, pelo falta de um bom sistema de informações para viabilizar o planejamento da produção, medida que é rotineira na Europa e nos Estados Unidos. Com informações de mercado, o produtor poderia se planejar para produzir exatamente o volume de frutas que terá demanda. 1.4. Consumo per capta de frutas O consumo per capta brasileiro é praticamente a metade em relação à Itália, Espanha e Alemanha e bem abaixo de outros países (Tabela 4). Vários fatores estão relacionados a este fato:
  13. 13. 9 Tabela 4. Consumo per capta de frutas. País Consumo (Kg / ano) Alemanha 112,00 Reino Unido 68,50 França 91,40 Itália 114,80 Países Baixos 90,80 Espanha 120,10 EUA 67,40 Canadá 81,10 Japão 61,80 Brasil 57,00 O brasileiro ainda não tem consciência da importância das frutas na alimentação. O baixo índice tecnologia empregada na fruticultura brasileira causa preços elevados das frutas, além da baixa renda per capta do brasileiro. O consumo de frutas nativas, como açaí, jabuticaba, cajá, jaca, cupuaçu, graviola e outras não entram na estatística do consumo per capta brasileiro. O consumo de frutas do quintal também não entra nas estatísticas. 1.5. Principais países produtores de frutas A China foi o maior produtor mundial de frutas no ano de 2002, com a quantidade de 133.077.000 toneladas e destacando-se como grande produtora mundial de melancia, maçã, melão e pêra. A Índia foi o segundo produtor mundial neste mesmo ano quando registrou a quantidade de 58.970.000 de toneladas e sendo um grande produtor de banana, manga e coco. O Brasil está classificado em terceiro lugar com a quantidade de 38.125.000 toneladas, sendo um grande produtor de laranja, banana, coco e mamão.
  14. 14. 10 Depois em quarto lugar aparece os Estados Unidos como grande produtor mundial de laranja, uva, maça e pomelo. As Filipinas em quinto lugar destacando- se como produtora de coco, abacaxi e outras frutas tropicais, a Indonésia em sexto lugar como grande produtora de banana, coco, manga e outras frutas tropicais e a Itália está classificada em sétimo lugar com grande destaque na produção de uva, maça e pêssego. Completando a lista dos dez principais produtores mundiais de frutas encontra-se o México em oitavo, a Espanha em nono lugar (Tabela 5). Tabela 5. Produção mundial de frutas em 2002. Mundo China Índia Brasil USA Filipina s Indonésia Itália Méxic o Espanha Total 622.509 133.07 7 58.970 38.125 33.539 24.427 20.950 18.632 17.128 16.723 Banana 98.330 5.554 16.000 6.369 12 5 3.600 4 2.037 412 Melancia 80.944 57.530 255 620 1.660 58 - 500 785 581 Laranja 64.712 3.090 3.200 18.694 11.387 0,029 680 1.900 4.526 2.862 Uva 62.389 62.389 3.885 1.140 1.099 6.594 - 0.174 8.500 475 Maçã 57.982 20.507 1.500 857 - - 4.041 2.370 497 711 Coco 49.320 249 9.000 2.695 - 13.000 13.000 - 959 - Manga 25.760 3.262 11.500 542 3 886 950 - 1.644 - Melão 21.588 8.655 645 155 1.200 19 - 500 510 1.003 Tangerin a 17.338 6.180 910 532 53 - 635 360 1.936 Limão 11.038 310 1.400 580 751 52 - 530 1.720 902 Mamão 5.591 160 644 1.500 25 77 470 - 765 - Abacate 2.583 76 - 89 205 37 130 - 950 60 Cast.Caj u 1.698 1,3 500 183 - 7 80 - 0,65 - Fonte: FAO (http://apps.fao.org). 1.6 Pólos frutícolas do Brasil Existem hoje no Brasil 30 pólos de fruticultura, espalhados de Norte a sul e abrangendo mais de 50 municípios. O Pólo Assu/Mossoró, no Rio Grande do Norte, que se tornou a maior região produtora de melão do País, e o Pólo Petrolina/Juazeiro, que já conta com
  15. 15. 11 mais de 100 mil hectares irrigados, exportando manga, banana, coco, uva, goiaba e pinha, e garantindo emprego a 4000 mil pessoas em áreas do semi-árido da Bahia e Pernambuco, são exemplos de sucesso. Outro que vem crescendo e que é um dos mais avançados na produção de frutas para exportação é o Pólo Baixo Jaguaribe, no Ceará, que já conta com 52 mil hectares irrigados. Também o Pólo de desenvolvimento Norte de Minas/MG merece ser citado por sua importância na produção frutícola que atingiu, em 1999, 264.050 toneladas de banana, limão, manga, uva, coco e mamão. Não pode ser esquecido o Pólo de São Paulo, um dos primeiros a surgir no País e que hoje sofre a concorrência do Nordeste nas exportações, mas que ainda é o grande fornecedor do mercado interno de frutas frescas, o primeiro nas exportações de citros e suco de laranja e tem forte presença em banana, manga, goiaba, uva de mesa e outras. São Paulo exportou, em 2001, 194.660 toneladas de frutas, com destaque para laranja (139.553 t), tangerina (17.250 t), limão (12.498 t), banana (9.695 t), mamão (4.808 t), abacaxi (2.560 t), manga (1.996 t), melão (1.783), uva (1.436 t) e outras, representando um faturamento de US$ 50,1 milhões. Há ainda o pólo do Rio Grande do Sul, tradicional produtor de uva para produção de vinho e de pêssego para a industria e de mesa. Além disso, na região de Vacaria, nos Campos de Cima da Serra, florescem os pomares de maçã, dando ao Estado o segundo lugar nas exportações dessa fruta, depois de Santa Catarina, onde as macieiras se estendem pelos municípios de Fraiburgo e São Joaquim. 2. ASPECTOS SOCIAIS O setor frutícola brasileiro abrange 2,2 milhões de hectares, gera 4 milhões de empregos diretos e um PIB agrícola de US$ 11 bilhões. Este setor demanda mão-de-obra intensiva e qualificada, fixando o homem no campo de forma única, pois permite uma vida digna de uma família dentro de pequenas propriedades e também nos grandes projetos. É possível alcançar um faturamento bruto de R$ 1.000 a R$ 20.000 por hectare. Além disso, para cada 10.000 dólares investidos em fruticultura, geram-se 3 empregos diretos
  16. 16. 12 permanentes e dois empregos indiretos (Figura 1). Visto por outro ângulo, 2,2 milhões hectares com frutas no Brasil significam 4 milhões de empregos diretos (2 a 5 pessoas por hectare). A alta geração de emprego ocorre por se tratar de cultivo extensivo e intensivo, exigindo a presença constante de mão-de-obra. Por isso, existe atualmente grandes incentivos à projetos de irrigação, principalmente por ser umas das atividades agrícolas que exige pouco recursos para gerar empregos. Figura 1. Investimento médio para gerar um emprego em algumas atividades industriais, turismo e agropecuárias. 3. DIVISÃO DAS PLANTAS FRUTÍFERAS QUANTO AO CLIMA Quanto às exigências de clima, as plantas podem dividir-se em plantas de clima temperado, subtropical e tropical. 3.1. Plantas de clima temperado As plantas podem ser sub divididas, em muito exigentes e pouco exigentes em frio. Dentro de uma mesma espécie, encontramos variedades que se acomodam a essa exigência, como o pessegueiro, a macieira, a pereira, a 220.000 145.000 100.000 91.000 66.000 37.000 6.000 2.500 0 50.000 100.000 150.000 200.000 250.000 ValoremUS$ Q uím ica M etalúrgica Pecuária A utom obilística Turism o A griculturaFruticulturac/irrigação Fruticulturas/irrigação S etor
  17. 17. 13 ameixeira, a pecã, o caqui. Existem variedades que produzem satisfatoriamente em regiões de inverno brando, ao passo que outras exigem inverno longo e rigoroso para frutificar economicamente, que dure de dois a três meses, com temperatura de 0ºC, podendo atingir, no verão, de 30 a 40ºC. As espécies de clima temperado podem desenvolver a frutificação na área subtropical e mesmo na tropical, desde que o repouso hibernal seja substituído por período seco que impeça a vegetação, porém as plantas de clima tropical e subtropical dificilmente encontram condições para prosperar nas zonas temperadas. A área de distribuição favorável para as espécies frutíferas de clima temperado concentra-se no sul do Estado de São Paulo até o Rio Grande do Sul. Encontram-se, entretanto, dispersas pelo país, regiões microclimáticas, como a serra da Mantiqueira, a serra dos Cristais e regiões do interior e do norte do Brasil, que compensam a latitude com a altitude, oferecendo também microclimas favoráveis. 3.2. Plantas de clima subtropical e tropical Os vegetais tropicais e subtropicais encontram, a partir do centro do Estado de São Paulo até o Amazonas, condições ecológicas para o seu desenvolvimento, com exceção das regiões montanhosas, onde a queda de temperatura oferece microclima favorável às culturas temperadas. Pelos conhecimentos adquiridos sobre espécies de clima temperado, subtropical e tropical, e conhecendo-se as condições ecológicas de cada região, podem-se estabelecer pomares comerciais com grande probabilidade de êxito. Assim, as culturas de abacaxi, anona, banana, coco-da-bahía, mamão, manga, tâmara, citros, abacate, goiaba, jabuticaba encontrariam condições ecológicas das mais favoráveis a partir da parte central do Estado de São Paulo até o norte, incluindo as regiões central e nordeste, que se enquadram dentro de clima subtropical e tropical. As espécies de clima temperado, entretanto, como ameixeira, figueira, macieira, oliveira, pecã, pessegueiro, pereira e videira, encontrariam condições mais satisfatórias do sul do Estado de São Paulo até o Rio Grande do Sul.
  18. 18. 14 4. ASPECTOS NUTRACÊUTICOS 4.1. Comportamento alimentar do homem A decisão sobre que comida colocar no prato tem implicações econômicas, ambientais, éticas, culturais, fisiológicas, fisiológicas, históricas, religiosas. Assim, os lactovegetarianos comem ovos, leite e derivados, por não “resultarem” do sofrimento animal ou por não conter toxinas produzidas antes da morte animal; os vegans, acreditam na liberdade total dos animais e não se alimentam de produtos de origem animal e só tiram fotos digitais, devido os filmes conterem uma gelatina retirada da canela da vaca; os frugivoristas não só rejeitam carne como evitam machucar ou matar vegetais. Por isso, comem apenas aquilo que as plantas “querem” que seja comido: frutas e castanhas, consideram o consumo de folhas, caules e raízes uma violência. O homem é onívoro ou frugivorista? Segundo o Dr. W. R. Friedman, nos últimos sessenta anos, depois da vulgarização dos trabalhos de sábios como Cunier, Ovon, Dambenteou, chega-se à conclusão de que o homem é frugívoro, não só pela forma e disposição do seu sistema dentário, mas, também, pela constituição dos órgãos digestivos, e muitos afirmam que é erro considerarmo-nos onívoros. Afirmam que as frutas são alimentos naturais do homem, mineralizantes por excelência, e é nesta fonte pura e não nos cadáveres que nós devemos apoiar para a reparação das nossas forças. 4.2. Valor nutritivo das frutas É possível o homem alimentar-se apenas de frutas? Nas frutas tem-se os princípios necessários para atender as necessidades vitais dos humanos. O tamarindo, as uvas, a banana, o açaí e outros, nos fornecem os carboidratos; os cocos, as castanhas-da-amazônia1 , castanha-de-caju, sementes de baru (frutos da Amazônia) e outros, nos fornecem gorduras e proteínas. As frutas também nos suprem dos mais, variados sais minerais, vitaminas, fermentos, água (com o selo da vida) e fibras. Com regime exclusivo de frutas, o 1 Castanha-da-Amazônia é o termo que respeitosamente emprego para a Castanha-do-Pará, que não é apenas do Pará, ou Castanha-do-Brasil, que não é apenas do Brasil, mas, a Bertholletia excelsa é da Amazônia Real.
  19. 19. 15 homem pode viver em bom estado de saúde, mas é preciso individualiza-lo devidamente (Tabela 6). Na alimentação dos frugivorista e dos vegans, deve haver uma cuidado especial quando ao suprimento de vitamina B12, pois estas não contem nos vegetais, é sintetiza por bactérias de solo, consumidas pelos animais durante o pastejo e encontrada nas carnes dos mesmos. Porém, pode ser encontrada facilmente em alimentos enriquecidos, como alguns biscoitos. Tabela 6. Composição química em 100g de algumas frutas. Frutas Kcal Vit. A (µg) Vit.B 1 (µg) Vit.B2 (µg) Vit.B3 (mg) Vit.C (mg) Ca P Fe (mg) Prot (%) Abacate 162 20 70 100 0,80 10,2 13 47 0,70 1,3 Açaí 247 150 360 10 0,40 5,0 118 0,5 1,80 3,5 Ameixa 54 200 120 150 0,37 6,8 11 16 0,36 0,6 Banana 89 10 92 103 0,82 17,3 15 26 0,20 1,3 Caqui 87 250 30 45 0,80 17,1 4 42 0,41 0,8 Caju 37 16 58 50 2,56 200,0 50 18 1,00 0,8 Castanha 700 7 1094 118 7,71 10,3 172 746 5,00 17,0 Coco seco 619 0 60 40 0,50 1,6 108 209 4,80 5,0 Goiaba 43 245 190 154 1,20 45,6 17 30 0,70 1,0 Laranja 43 14 40 21 0,19 40,9 45 28 0,20 0,9 Limão 28 2,5 55 60 0,31 30,2 41 15 0,70 0,8 Maracujá 90 70 150 100 1,51 15,6 13 17 1,60 1,8 Manga 64 220 51 56 0,51 43,0 21 17 0,78 0,6 Coca- cola 39 0 0 0 0 0 2 1 0 0 Fonte: Franco, 1992; Aguiar et al., 1980; Donadio et al., 2002. Um outro problema sério na alimentação dos vegetarianos é a pouca concentração de ferro nos vegetais ao contrário das carnes e vísceras. Mas, algumas frutas, por exemplo, o açaí, contém em apenas 100 g de polpa, mais que a necessidade diária de um homem adulto (10 mg), e um homem amazônico não se satisfaz apenas com 100 g de açaí, portanto, a necessidade diária de ferro, o
  20. 20. 16 açaí garante. Porém, o açaí contém vitamina C muito abaixo da média das demais frutas. Isto leva a dedução que não existe um fruto ideal que possa servir com única fonte de alimento vegetal, mas a alimentação deve ser feita de uma “salada” de frutas, ou seja uma alimentação com vários tipos de furtos. As castanhas, a exemplo a castanha-da-amazônia, pode suprir a necessidade diária de proteínas e cálcio, este último é encontrado em maior concentração que no leite de vaca, o leite de vaca e seus derivados, por ter também elevado teor de cálcio, leva os nutricionistas convencionais a recomendarem este alimento, porém, esquecem de que o leite, muito importante para os mamíferos jovens, e cada leite para cada espécie. Em natureza, não se observa mamíferos adultos mamando em suas genitoras, será que o homem adulto poderia alimentar-se de leite natural? Tente mamar numa lactante humana! Um concorrente direto na comercialização das frutas é o refrigerante, pois bem, o refrigerante é um produto artificial, sem nenhum valor nutricional, intoxica e desmineraliza o organismo. Têm muita caloria, engorda. O "diet", com menos caloria, é artificial e tóxico. Ao contrário das frutas, não contém vitaminas, proteínas, sais minerais (raras poucas exceções) e contém corante e acidulantes, tóxicos ao organismo, a exemplo da famigerada coca-cola. Além de não respeitar o próprio corpo ao beber um refrigerante multinacional, que tem inclusive incentivos fiscais (não oferecido às indústrias nacionais de refrigerante), paga-se aos estrangeiros e desempregam-se brasileiros nos campos de produção de frutas, café e chás.
  21. 21. 17 Tabela 7. Necessidade diária de um homem adulto e elementos consumidos em 1,6 kg de frutas, castanhas e sementes. Necessidade diária Consum o 1,6 kg de frutas e castanhas Energia Kcal >2600 3075 Proteína (g) 56 83 Fibra (g) 20 - 35 92 Cálcio (mg) 800 733 Ferro (mg) 10 41 Fósforo (mg) 800 1650 Vit. A (µg) 1000 1200 Vit. B1 (µg) 1400 2940 Vit.B2 (µg) 1700 1620 Vit. B3 (mg) 18 22 Vit. C (mg) 60 560 50 g de cada fruta Castanha-da-Amazônia, Castanha-de-Caju, Amêndoa, Burití, Pinhão, Bacurí. 100g de cada fruta Caju, açaí, manga, maracujá, biribá, jenipapo, baru, goiaba. 150 g de cada fruta laranja, abacate 200 g de banana Fonte: Franco, 1992; Aguiar et al., 1980, Donadio et al., 2002. 4.3. Fibras dietéticas Além dos carboidratos, proteínas, vitaminas e sais minerais, as frutas têm um outro componente muito importante na nutrição humana, as fibras. Atualmente as fibras deixam de exercer apenas a função digestiva muito preconizada no passado e passa a ocupar o lugar que lhe corresponde dentro do arsenal terapêutico atual, ganhando um novo conceito o de “fibra dietética”. As características físico-químicas, concernentes à solubilidade, viscosidade, geleificação, capacidade de incorporar substâncias moleculares ou minerais, determinarão as diferenciações entre fibras. As fibras classificam em fibras solúveis em água (pectinas, gomas, mucilagens, hemicelulose B) e Insolúveis em água (celulose, lignina e hemicelulose A). E ainda tem algumas substâncias que participam do grupo das fibras por sua similaridade (amido resistente, frutooligossacarídeos, açúcares não- absorvidos e inulina).
  22. 22. 18 A fibra dietética passa através do intestino, no qual desenvolve sua capacidade de hidratação e fixação, interferindo na absorção de substâncias orgânicas e inorgânicas como segue: Proteínas, carboidratos e lipídios – são os primeiros nutrientes a serem hidrolisados no intestino delgado para serem absorvidos. Como a ação das fibras solúveis, principalmente das gomas, pectinas e mucilagens, estas substâncias terão sua absorção retardada e algumas vezes sua excreção ligeiramente aumentada. As perdas de proteínas, carboidratos e gorduras nas fezes não são importantes do ponto de vista nutricional, mas são, sem dúvida, relevantes para o controle de algumas doenças como os diabetes e as coronariopatias. • Sais biliares – a lignina, as gomas, pectinas e mucilagens são capazes de seqüestrar os sais biliares, permitindo sua eliminação nas fezes, o que tem grande importância na prevenção de tumores, já que determinadas cepas de bactérias (particularmente a Clostridium putrificans, que têm capacidade de sintetizar cancerígenos) utilizam-se dos ácidos biliares e colesterol como substrato. A absorção de gorduras está diminuída, já que estas não podem ser emulsionadas e nem transportadas na mucosa intestinal. Ao interromper a circulação enterohepática dos sais biliares, estes deverão ser formados novamente no fígado. Por isso, o organismo deverá recorrer às suas reservas de colesterol. • Vitaminas e minerais – está comprovado que a lignina. As hemiceluloses ácidas, as pectinas e algumas gomas são capazes de fixar determinados minerais, como cálcio, fósforo, zinco, magnésio e ferro, e algumas vitaminas podem alterar sua absorção. Esses efeitos, que, à primeira vista, poderiam ser prejudiciais, na prática não constituem problema quando a ingestão de fibras dietética é moderada, ou seja, dentro das recomendações nutricionais. Foi demonstrado balanço negativo de cálcio, magnésio, fósforo, ferro e zinco em grandes consumidores de pão integral. Essas alterações subclínicas desapareceram quando se aumentou o consumo de pão branco. Indivíduos que ingerem menos que 50g de fibras ao dia, não estão expostos a nenhum desequilíbrio nutricional.
  23. 23. 19 A fibra dietética chega ao intestino grosso de forma inalterada e, ao contrario do que ocorre com as enzimas digestivas no delgado, as bactérias do cólon, com suas numerosas enzimas de grande atividade metabólica, podem digerir as fibras em maior ou menor grau, dependendo de sua composição química e estrutura. As moléculas complexas são desdobradas a hexoses, pentoses e álcoois, que já podem ser absorvidos pelo intestino, servindo de substrato a outras colônias bacterianas, que, por sua vez, as degradam em ácido lático, água, dióxido de carbono, hidrogênio, metano e ácidos graxos de cadeia curta (acetato, propionato e butirato), com produção de energia. A produção e ação metabólica desses ácidos graxos têm sido o principal foco de investigação atual sobre fibras, pois podem se constituir de importante substrato energético, serem utilizados pelo fígado para gliconeogênese, além de exercerem ação antitumoral. Por outro lado, é sabido que uma dieta pobre em fibras pode ocasionar mudanças na microbiota e converter os lactobacilos habituais do cólon em bacterióides capazes de desdobrar os ácidos biliares em compostos cancerígenos. 4.4. O que é nutracêutica? Por ser um tema “recente” e despertar interesses diversos, recebem também, diversas terminologias. Os mais usuais são alimentos funcionais, fitoquímicos ou compostos bioativos e também nutracêutico. Lajola defini os nutracêuticos como: “Alimento semelhante em aparência ao alimento convencional, consumido como parte da dieta usual, capaz de produzir demonstrados efeitos metabólicos ou fisiológicos úteis na manutenção de uma saúde física e mental, podendo auxiliar na redução do risco de doenças crônico-degenerativas, além de manter suas funções nutricionais”. Estudos epidemiológicos, por exemplo, têm associado a dieta rica em vegetais e o uso da soja, com uma menor incidência de osteoporose e câncer de mama na mulher. A dieta mediterrânea, rica em frutas e vegetais, óleo de oliva e carboidratos, leva a níveis de colesterol elevados, mas não correlacionado a um maior número de mortes por enfarto.
  24. 24. 20 4.5. Fome oculta “Os fitoquímicos defendem as células do corpo, as quais estão constantemente sofrendo ataques, seja do meio ambiente, da alimentação inadequada ou da própria genética” explica De Angelis. A essa necessidade do organismo em receber proteção contra doenças por meio dos fitoquímicos a nutricionista chama de fome oculta (título de um de seus livros). É uma fome que não se percebe, mas de algo de que o corpo precisa. Estudos epidemiológicos têm confirmado essa tendência que indica déficit do consumo de ácidos graxos polinsaturados, proteínas de alto valor biológico, vitaminas, cálcio, ferro, iodo, flúor, selênio e zinco. Este estado nutricional carente tem originado elevadas incidências de doenças crônico degenerativas, dentre elas, doenças cardiovasculares, câncer, hipertensão, diabetes, obesidade, entre outras. A fome oculta é uma fome universal, que agrava principalmente os habitantes de países desenvolvidos. Segundo dados da OMS mostram que essas doenças são responsáveis por 70-80% da mortalidade nos países desenvolvidos e cerca de 40% naqueles em desenvolvimento. 4.6. Antioxidantes Oxidação em sistemas biológicos A oxidação nos sistemas biológicos ocorre devido à ação dos radicais livres no organismo. Estas moléculas têm um elétron isolado, livre para se ligar a qualquer outro elétron, e por isso são extremamente reativas. Elas podem ser geradas por fontes endógenas ou exógenas. Por fontes endógenas, originam-se de processos biológicos que normalmente ocorrem no organismo, tais como: redução de flavinas e tióis; resultado da atividade de oxidases, cicloxigenases, lipoxigenases, desidrogenases e peroxidases; presença de metais de transição no interior da célula e de sistemas de transporte de elétrons. Esta geração de radicais livres envolve várias organelas celulares, como mitocôndrias, lisossomos, peroxissomos, núcleo, retículo endoplasmático e membranas. As fontes exógenas geradoras de radicais livres incluem tabaco, poluição do ar, solventes orgânicos, anestésicos, pesticidas e radiações.
  25. 25. 21 Nos processos biológicos há formação de uma variedade de radicais livres. São eles: - Radicais do oxigênio ou espécies reativas do oxigênio íon superóxido (O2 -*) Hidroxila (OH·); Peróxido de hidrogênio (H2O2); Alcoxila (RO*); Peroxila (ROO*); Peridroxila (HOO*); Oxigênio sinlete (1 O2); - Complexos de Metais de Transição Fe+3/Fe+2; Cu+2/Cu+ - Radicais de Carbono Triclorometil (CCl3*); - Radicais de Enxofre Tiol (RS·) - Radicais de Nitrogênio Fenildiazina (C6H5N = N·) Óxido nítrico (NO*) Estes radicais irão causar alterações nas células, agindo diretamente sobre alguns componentes celulares. Os ácidos graxos polinsaturados das membranas, por exemplo, são muito vulneráveis ao ataque de radicais livres. Estas moléculas desencadeiam reações de oxidação nos ácidos graxos da membrana lipoprotéica, denominadas de peroxidação lipídica, que afetarão a integridade estrutural e funcional da membrana celular, alterando sua fluidez e permeabilidade. Além disso, os produtos da oxidação dos lipídios da membrana podem causar alterações em certas funções celulares. Os radicais livres podem provocar também modificações nas proteínas celulares, resultando em sua fragmentação, cross linking, agregação e, em certos casos, ativação ou inativação de certas enzimas devido à reação dos radicais livres com aminoácidos constituintes da cadeia polipeptídica. A reação de radicais livres com ácidos nucléicos também foi observada, gerando mudanças em moléculas de DNA e acarretando certas aberrações cromossômicas. Além destes efeitos indiretos, há a ação tóxica resultante de altas concentrações de íon superóxido e peróxido de hidrogênio na célula. Compostos antioxidantes
  26. 26. 22 Os processos oxidativos podem ser evitados através da modificação das condições ambientais ou pela utilização de substâncias antioxidantes com a propriedade de impedir ou diminuir o desencadeamento das reações oxidativas. Os antioxidantes são capazes de inibir a oxidação de diversos substratos, de moléculas simples a polímeros e biossistemas complexos, por meio de dois mecanismos: o primeiro envolve a inibição da formação de radicais livres que possibilitam a etapa de iniciação; o segundo abrange a eliminação de radicais importantes na etapa de propagação, como alcoxila e peroxila, através da doação de átomos de hidrogênio a estas moléculas, interrompendo a reação em cadeia. Sabe-se que, por um lado, as vitaminas C e E e os carotenóides funcionam como antioxidantes em sistemas biológicos, e por outro, o processo carcinogênico é caracterizado por um estado oxidativo crônico, especialmente na etapa de promoção. Além disso, a fase de iniciação está associada com dano irreversível no material genético da célula, muitas vezes devido ao ataque de radicais livres. Desse modo, os nutrientes antioxidantes poderiam reduzir o risco de câncer inibindo danos oxidativos no DNA, sendo, portanto considerados como agentes potencialmente quimiopreventivos (Silva e Naves, 2001). Outras doenças degenerativas do envelhecimento, incluindo câncer, doenças cardiovasculares e cataratas são prevenidas ou retardadas no início, por esses três antioxidantes (vitamina C, vitamina E e carotenóides). “O DNA em cada célula do corpo recebe aproximadamente 10.000 ataques oxidativos por dia” (Ames et al., 1993). • Carotenóides Os carotenóides compreendem um grande número de compostos, muitos dos quais com atividade biológica. Alguns, como o β-caroteno, são pró-vitaminas A (transforma-se em vitamina A no organismo). Outros como o licopeno não são precursores de vitamina A, mas agem no organismo como antioxidantes, na eliminação de espécies ativas de oxigênio, formadas ou não no nosso organismo. • Vitamina C O termo vitamina C é uma denominação genérica para todos os compostos que apresentam atividade biológica do ácido ascórbico. Dentre eles, o
  27. 27. 23 ácido ascórbico é o mais largamente encontrado nos alimentos e possui maior poder antioxidantes encontrado nos alimentos e possui maior poder antioxidante. Os possíveis efeitos anticarcinogênicos da vitamina C estão relacionados com sua habilidade em detoxicar substâncias carcinogênicas e suas atividades antioxidantes. Além disso, tem-se constatado que a vitamina C pode inibir a formação de nitrosaminas in vivo a partir de nitratos e nitritos usados como conservantes, sendo, portanto adicionados para prevenir a formação desses compostos reconhecidamente carcinogênicos. • Vitamina E A vitamina E é uma substância lipossolúvel e existente na natureza como tocoferóis e tocotrienóis, em quatro formas diferentes (α, β, γ e δ), sendo o α- tocoferol a forma antioxidante mais ativa e amplamente distribuída nos tecidos e no plasma. A vitamina E constitui o antioxidante lipossolúvel mais efetivo encontrado na natureza, e importante fator de proteção contra a peroxidação lipídica nas membranas celulares e na circulação sangüínea. • Flavonóides Os flavonóides são ativos, em geral variáveis, contra radicais livres, os quais, por sua vez, podem estar associados a doenças cardiovasculares (melhor distribuição periférica do sangue, melhora fluxo arterial e venoso), câncer, envelhecimento e outras: - antiinflamatória; - estabilizadora do endotélio vascular – melhora função da célula endotelial, diminuindo a permeabilidade; - antiespasmódica- ação principal na musculatura lisa; - cardiovascular- - antialérgico; - antiulcerogênico; - antivirais. Para se ter uma alimentação saudável, recomenda-se comer pelo menos cinco (5) refeições de frutas e hortaliças diariamente. As frutas e hortaliças são as principais fontes dos três nutrientes antioxidantes mais importantes: vitamina C, carotenóides e vitamina E.
  28. 28. 24 4.7. Prevenção de câncer Causas de indução Até o momento, a pesquisa determinou muitos aspectos de desenvolvimento do câncer, se conhece que o crescimento do tumor tem dois estágios críticos: iniciação e promoção. A “iniciação” cancerígena ou alteração celular promove sucessivamente o crescimento do câncer. Este crescimento não ocorre, porém, até que um dos vários fatores chamado “promotores” aja alterando a célula. Em câncer de mama, a causa mais comum de mortalidade em mulheres, estes fatores (“promotores”) incluem danos oxidativos, a ação de hormônios esteróides, e a ação de certos kings de prostaglandinas (PGS). Na Figura 3, estar um esquema altamente simplificado, ilustrando como e quais estágios certos fitoquímicos podem agir para bloquear o processo de promoção do câncer, combatendo o efeito de certos cancerígenos, iniciadores e promotores (Caragay, 1992). Figura 3. Fitoquímicos podem afetar o padrão metabólico associado com câncer dos seios. (Adaptada de Pierson, 1992). Consumo de carne ou não consumo de vegetais A carne parece estar associada com câncer, apenas em povos que não tem uma dieta variada. Os franceses e os mediterrâneos em geral, têm uma dieta Iniciação do tumor Promoção do tumor carotenóides, fenólicos, flavonóides, terpenos. fenólicos, flavonóides, sulfetos, poliacetilenos Prostaglandinas Carcinogênicos Danos oxidativos s cumarina, flavonóides, triterpenóides sulfetos, isoflavonas fibras, terpenos, fenólicos, sulfetos, isoflavonas hormônios esteróides
  29. 29. 25 variada e rica em vegetais frescos, azeite de oliva, vinho e carne de todos os tipos. Ao contrário dos Americanos, esses povos comem com calma, em ambiente descontraído. Uma coisa ninguém tem dúvidas: vegetais fazem bem. Uma dieta rica em frutas, e hortaliças claramente reduz as chances de ter câncer no estômago, na boca, no intestino, no reto, no pulmão, na próstata e na laringe, além de afastar os ataques cardíacos. Frutas e hortaliças amarelas têm caroteno, que previne câncer no estômago, a soja possui isoflavona, que diminui a incidência de câncer de mama e osteoporose; o alho tem alicina, que fortalece o sistema imunológico e por aí vai. 5. FUNÇÃO MEDICINAL DAS FRUTAS Os alimentos vegetais, em geral, são alimentos indispensáveis e mais importantes para sua vida. Eles são fontes principais de minerais, vitaminas, fibras, açúcar, além de proteínas e gorduras, em menor quantidade, substâncias essenciais para todo o funcionamento do organismo. Os vegetais contém, também, substâncias protetoras e curativas, com ação anti-infecciosa, anti- inflamatória, anti-parasitária, anti-reumática, anti-hipertensiva, diurética, laxativa, desintoxicante e vitalizadora de todo organismo. São alimentos equilibrados e determinam uma perfeita saciedade do apetite, impedindo o comer excessivo, a busca constante por comidas, portanto, evitam e curam a obesidade. 5.1. Banana A banana é uma das frutas mais consumidas no mundo por possuir ótima qualidade nutricional e ser saborosa (textura macia, aromática e doce). “É a fruta das frutas”. O Dr. Teófilo Luna Ochoa citado por Balbach (1992) descreve o valor medicinal da banana: “A banana madura... encerra uma substância oleosa, que muito suaviza as membranas mucosas irritadas em casos de colite e enfermidade do reto. Contém igualmente um fermento digestivo não bem conhecido, porém de alto valor, que, em determinada enfermidade intestinal, a torna (a banana) o único carboidrato tolerado pela vítima, que (doutra maneira) morre de fome”.
  30. 30. 26 Essa fruta é muito recomendável também contra as enfermidades renais, nefrite, hidropisia, gota, obesidade, afecções do fígado, cálculos biliares, tuberculose, paralisia, enfermidades do estômago etc. A banana (principalmente o caldo da banana verde fervida ou ainda a farinha de banana), são excelentes contra diarréias e disenterias. A dieta de bananas maduras dá resultados dos mais benéficos em todos os casos de prisão de ventre dentro de uma ou duas semanas. Doença celíaca é uma indisposição intestinal em crianças a partir de 16 meses de idade, rara e fatal, a banana é um dos poucos alimentos que o intestino não rejeita. A banana ligeiramente assada, exalando seu aroma, come-se quente para combater as pneumonias. 5.2. Caju O caju é possui dois produtos comerciais, o pedúnculo (comestível ao natural) e o fruto verdadeiro, do qual se extrai o LCC e a amêndoa, ambos com efeito farmacêutico. Em se falando apenas do pedúnculo, este atua como: diurético, expectorante antifebril e diabetes. 5.3. Graviola Um dos estudos revelou que alguns componentes da graviola eram cytotóxicos e levavam à cura do adenocarcinoma do cólon através de potencilalidade quimioterápica, 10.000 vezes maior do que a adriamicina, uma droga quimioterápica muito utilizada. A Universidade de Purdue conduziu uma grande pesquisa sobre acetogeninas annonaceaous incluindo aquelas encontradas na graviola. Em uma das revisões intitulada “Recent Advances in Annonaceous Acetogenins”, eles confirmaram que “Annonaceous acetogenins é uma substância amilóide consistindo uma cadeia longa de ácido graxo de C32 ou C34 combinado com uma unidade de 2-propanol a C-2 para formar uma lactona. Eles são encontrados em vários gêneros da família da planta Annonaceae. Suas diversas bioatividades como antitumor, imunosupressivo, pesticidal, antiprotozoário, vermífugo e agente antimicrobiológico, tem atraído mais e mais o interesse do mundo. As acetogeninas Annonaceous podem inibir seletivamente o
  31. 31. 27 crescimento de células cancerígenas e também inibir o crescimento de células de tumor resistente à adriamicina. 5.4. Goiaba A goiaba atalha a tuberculose incipiente, promove o metabolismo das proteínas, e ajuda a prevenir a acidez e a fermentação dos hidratos de carbono durante a digestão. É muito adstringente, sendo aconselhada por alguns para curar as diarréias mais rebeldes. Esta propriedade do fruto se observa também no seu doce ou goiabada. A goiaba é eficiente ainda em Hemorragias, Tosse e Úlceras gástricas e duodenais. 5.5. Mamão O mamão é uma das melhores frutas do mundo, tanto pelo seu valor nutritivo, como pelo seu poder medicinal. Um dos seus mais importantes princípios é a papaína, reconhecida como superior a pepsina e muito usada para prestar alívio nos casos de indigestão aguda. O mamão maduro é digestivo, diurético, emoliente, laxante, refrescante e oxidante, particularmente quando se come com as sementes, que contêm a papaína, fac-simile da pepsina. Em casos severos de indigestão e gastrite, onde a assimilação de alimentos causa grande angústia, uma dieta constante exclusivamente de mamão por vários dias, restaura a saúde do enfermo. 5.6. Uva Os maiores responsáveis pelos efeitos benéficos do vinho à saúde são os polifenóis, por terem: • Um potente efeito antioxidante e • Uma ação antibiótica. O Resveratrol tem uma ação antioxidante 10.000 vezes maior que o Tocoferol (Vitamina E). O vinho aumenta a consistência e a estabilidade da parede vascular, previne a aterosclerose e inibe a agregação plaquetéria, evitando a deposição de placas de gordura e formação de coágulos nos vasos sanguíneos. Principal causa de infartos do coração, gangrenas e derrames cerebrais.
  32. 32. 28 O vinho é, sem dúvidas a bebida mais favorável à digestão. O ácido cinâmico aumenta a secreção biliar; as oxidades e peptases (enzimas) e o sorbitol, aumentam a secreção biliar e pancreática. Além disso, o vinho diminui os movimentos peristálticos do intestino delgado e do intestino grosso. Isso diminui o trânsito intestinal e aumenta o tempo de permanência dos alimentos no tubo digestivo. Com isso dá maior tempo para as enzimas processarem os alimentos, melhorando a digestão, o que é muito saudável. As principais responsáveis por essa ação são as catequinas. Outra função na digestão, é aumentar a sensibilidade do organismo (das células, mais especificamente) à ação da insulina. O suco de uva não é tão benéfico para a saúde quanto o vinho. O álcool contido no vinho tem uma afinidade muito grande com o Resveratrol e outros polifenóis, sendo o seu melhor solvente. O suco de uva é sim uma excelente bebida energética, muito adequada para se usar antes, durante ou após a atividade física e/ou intelectual de grande consumo de energia. Por ser alcalinizante esta fruta combate a acidez sanguínea, sendo indicada a pessoas intoxicadas pelo consumo excessivo de carne. Combate a dispepsia, as flatulências, a atonia intestinal e as fermentações nos intestinos. 5.7. Limão O suco do limão tem sido recomendado para combater numerosos estados patológicos, pois foi comprovado que é diurético e pode ser usado na nefrite, com êxito, especialmente nas formas que produzem um estado de hidropisisa. Nas enfermidades infecciosas, o suco, em forma de limonada, é refrescante e favorece a ação dos medicamentos antitérmicos. Nas gastrenterites diminui a inflamação da mucosa e atenua as náuseas. Nas enfermidades do fígado também produz bons resultados. No reumatismo atenua as dores. O suco de limão traz resultados notáveis de vitaminas no organismo. O suco de limão tem igualmente propriedades estimulantes sobre a pele, suavizando-a e fazendo desaparecer as manchas cutâneas.
  33. 33. 29 O limão, com seus ácidos, facilmente transformados em elementos alcalinizantes, e com suas bases, fermentos e vitaminas, contribui poderosamente para oxidar radicais livres. Surpreende e não poucas pessoas, o fato de que, sendo ácido o suco de limão, determina reação alcalina. Em outras palavras, o limão, ao terminar seu metabolismo, se porta, não como ácido, mas, sim, como alcalino. A vitamina C, que atua notavelmente no metabolismo do cálcio, particularmente nas senhoras em estado de gravidez, nas crianças de peito e nos adolescentes, e é um eficaz remédio contra o escorbuto, as estomatites e a piorréia. O limão atua sobre as inflamações, dada sua atividade antiinflamatória. A cura do limão tem vencido diáteses artríticas mais e melhor do que qualquer outra fruta, apresentando resultados onde havia falhado a uva. 5.8. Castanha-da-Amazônia De modo geral, as castanhas, amêndoas e nozes, devido a riqueza em fibras, gorduras monoinsaturadas e diversos antioxidantes (vitamina E, selênio, ácido elágico), são excelentes protetores do coração. Atuam também, como redutores do colesterol sanguíneo. O alto teor de cálcio combate a osteoporose e o raquitismo. Além disso, a castanha-da-amazônia é um dos alimentos mais ricos em selênio, diminui o envelhecimento celular e reduz o risco de cânceres como o do pulmão e o da próstata. O selênio combate o mau humor denominado distimia. 5.9. Maçã Dentre as diversas funções de proteção à saúde que a maçã possui, uma delas é diminuir os riscos de derrame cerebral, desde que se coma esta fruta regularmente, segundo pesquisa realizada na Finlândia que acompanhou a saúde e os hábitos alimentares de mais de 9.000 pessoas durante 28 anos. A maçã é rica em querecetina, substância que ajuda a evitar a formação dos coágulos sanguíneos capazes de provocar derrame.
  34. 34. 30 5.10. Morango Comer morango ajuda a reduzir o risco de se contrair câncer e doenças do coração devido à presença do ácido fólico (composto orgânico benéfico à saúde) principalmente na polpa e nas folhas. O morango ainda contém vitamina C, sódio, potássio, cálcio e ferro. 5.11. Laranja Além de alta concentração de vitamina C, as laranjas contém pidoxina (a vitamina B6) e ácido fólico. Ambos são muito importantes no metabolismo da homocisteina e importantes para prevenir a arteriosclerose. A arteriosclerose é a formação de placas nas artérias, dificultando a circulação sanguínea. Estas afirmações foram confirmadas pelo Dr. Rafael Carmena, catedrático de Medicina e chefe do serviço de Endoclinologia e Nutrição do hospital Clínico Universitário de Valência, Espanha. REFERÊNCIAS AGRIANAUAL. Anuário da agricultura brasileira. FNP Consultoria e Comercio, 2003. AMES, B. N.; SHIGENAGA, M. K.; HAGEN, T. M. Oxidants, antioxidants and the degenerative diseases of aging. Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. v.90, p.7915-7922, 1993. AGUIAR, J. P. L.; MARINHO, H. A.; REBELO, Y. S.; SHRIMPTON, R. Aspectos nutritivos de alguns frutos da Amazônia. Acta Amazônica, Manaus, v.10, n.4, p.755-758, 1980. BALBACH, A. As frutas na medicina doméstica. 21ª ed. Itaquetuba: “A edificação do lar” , 1992. 375p BLOCK, G.; PATTERSON, B.; SUBAR, A. Fruits, vegetables, and cancer prevention: a review of the epidemiological evidence. Nutr, Cancer. V.18, p.3-4, 1992.
  35. 35. 31 BLOCK, G.; LANGSETH, L. Antioxidant vitamins and diseases prevention. Food Tecnology, v.48, n.7, p.80-84, July, 1994. BURGIERMAN, D. R. Deveríamos parar de comer carne? Super Interessante, Edição, 175, p.43-50, abril 2002. CARAGAY, A. B. Câncer-preventive foods and ingredients. Food Technology, Chicago, v.46, n.4, p.65-68, 1992. FRANCO, G. Tabela de composição química dos alimentos. 8ª edição. Atheneu, São Paulo. Rio de Janeiro, 1992. IBGE. Censo brasileiro 2000. www.ibge.gov.br, consulta 21/02/2003. IBGE. Agricultura, 2002. www.sidra.ibge.gov.br, consulta 27/04/2004. LAJOLO, F. M. Alimentos funcionais. Revista Racine, 62, p.18-24, Maio/Junho, 2001. NAVES, M. M. V.; MORENO, F. S. Comunicações intercelular com conexinas: importância na carcinogênese e papel modulador dos carotenóides. Revista Brasileira de Ciências Farmacêutica, v. 36, n.1, p.1-11, jan./jun., 2000. PIERSON, H. Diet as a factor in cancer and cancer prevention. Câncer Medicine. 1992. ROACH, J. Cientistas aprovam frutas e verdures contra o câncer.www.ngnews.com/news. Consultada 20/07/2002. SHEINBERG, G. Presença nos alimentos, fitoquímicos podem prevenir doenças. Folha de São Paulo, 14/02/2002.
  36. 36. 32 SOUZA FILHO, J. M. de. Vinho e saúde. In: REGINA, M. de A. et al. (eds). Viticultura e Enologia: Atualizando conceitos. Caldas: EPAMIG-FECD, p. 1-15, abril, 2002. SOARES, S. E. Ácidos fenólicos como antioxidantes. Revista Nutrição, Campinas, v.15, n.1, p.71-81, jan./abr., 2002.
  37. 37. 33
  38. 38. 34
  39. 39. CAPÍTULO II PODA DAS ÁRVORES FRUTÍFERAS 1. INTRODUÇÃO Um sábio chinês observou que a agricultura é a “arte de colher o sol”. Embora haja muita simplicidade nesta frase, ela possui um significado importante para os adeptos da poda. Por meio da fotossíntese, as plantas transformam a energia solar em energia bioquímica, utilizada para transformar o carbono atmosférico e a água em açúcares ou cabroidratos utilizados para o crescimento e produção. Para “colher o sol” com eficácia, é necessário o desenvolvimento de um índice de área foliar (m2 de folha/m2 de superfície do solo) e uma arquitetura da planta adequada. Nesse sentido, a poda é uma ferramenta fundamental ao sistema, além da escolha do espaçamento, cultivares nutrição, controles fitossanitários e tratos culturais. A arte de podar nasceu da irracional iniciativa de um asno e essa origem muar desse ramo da horticultura parece ter influído até hoje na evolução pouco esclarecida dos processos e métodos mundiais de poda. Contam-nos que, segundo Pausâmias, geógrafo e historiador grego, foi um jumento que, devorando os sarmentos de uma videira, deu aos nauplianos a idéia de podá-la. Considera- se que cabras, ovelhas e burros foram os descobridores da poda e portanto são chamados de os pais da poda. Quando as plantas começam a diminuir a sua atividade fisiológica ou seja com a chegada do frio, é sabido que está chegando a hora correta de se fazer uso da tesoura de poda. Deve-se então preparar com antecedência as ferramentas com, por exemplo: amolar as ferramentas, limpar as lâminas impregnadas de ferrugem por estarem guardadas desde o ano anterior, lubrificar a mola da tesoura e afiar o serrote. O ritual do corte está para começar. 2. DEFINIÇÕES DE PODA Podar vem do latim putare, que significa limpar, derramar.
  40. 40. 2 Já Cândido de Figueiredo esclarece que podar eqüivale a “limpar ou cortar a rama ou braços inúteis das videiras, árvores, etc.”. Para Joaquim Rasteiro, citado por Inglez de Souza, 1986, “é o conjunto de cortes executados numa árvore, com o fim de lhe regularizar a produção, aumentar e melhorar os frutos, mantendo o completo equilíbrio entre a frutificação e a vegetação normal, e, também com o fim de ajudar a tomar e a conservar a forma própria da sua natureza, ou mesmo de a sujeitar a formas consentâneas ao propósitos econômicos de sua exploração”. Para Acerete a definição acadêmica de podar é “cortar o quitar las ramas superfluas de los árboles, vides e otras plantas, para que fructifiquen con más vigor”. Bailey, citado por Inglez de Souza, diz em sua enciclopédia de horticultura que “poda é a remoção metódica das partes de uma planta com o objetivo de melhorá-la em algum aspecto para os interesses do cultivador”. A poda é a arte e a técnica de orientar e educar as plantas, de modo compatível com o fim que se tem em vista (Simão, 1998). Embora seja praticada para dirigir a árvore segundo o capricho do homem, a utilização da poda, em fruticultura, tem por objetivo regularizar a produção e melhorar a qualidade dos frutos. Embora possa ter apenas função estética, no embelezamento de gramados, cercas vivas, caramanchões, arvoretas e outros elementos da arquitetura paisagista. É o conjunto de cortes executados numa árvore, com o objetivo de regularizar a produção, aumentar e melhorar os frutos, mantendo o completo equilíbrio entre a frutificação e a vegetação normal; É a técnica e a arte de modificar o crescimento natural das plantas frutíferas, com o objetivo de estabelecer o equilíbrio entre a vegetação e a frutificação. É a remoção metódica das partes de uma planta, com o objetivo de melhorá-la em algum aspecto de interesse do fruticultor. A poda por si só, no entanto, não resolve outros problemas ligados à produtividade. Ela é uma das operações, porém outras medidas são necessárias, tais como: fertilização adequada para corrigir possíveis deficiências nutricionais do
  41. 41. 3 solo, irrigação e drenagem para manter um nível adequado de umidade, controle fitossanitário para combate de doenças e pragas, afinidade entre enxerto e porta- enxerto, plantas auto-férteis ou compatíveis, polinização, condições climáticas e edáficas favoráveis. A importância de se podar varia de espécie para espécie, assim poderá ser decisiva para uma, enquanto que para outra, ela é praticamente dispensável. Com relação à importância, as espécies podem ser agrupadas em: - Decisiva: Videira, pessegueiro, figueira, nespereira. - Relativa: Pereira, macieira, caquizeiro, oliveira. - Pouca importância: Citros, abacateiro, mangueira, nogueira, pecã. Como regra geral para se saber se a poda é uma operação importante ou não, pode-se estabelecer que ela é tanto mais necessária quanto mais intensiva for a exploração frutícola e, inversamente menor a sua importância quanto mais extensiva for a cultura (Inglez de Souza, 1986). Esta importância da poda está também diretamente relacionada com o objetivo da exploração, ou seja, que tipo de produto o mercado exige; pois com a poda pode-se melhorar o tamanho e a qualidade dos frutos. O podador, deverá fazer uso de seus conhecimentos e habilidades, onde um gesto seguro reflete a convicção de quem acredita que a interferência humana é imprescindível para modelar um pomar. Na natureza, as plantas crescem sem qualquer modelamento, buscam sempre a tendência natural de crescerem em direção à luz, tomando a forma vertical, e com isso perdem a regularidade de produção. Para que a poda produza os resultados esperados, é importante que seja executada levando-se em consideração a fisiologia e a biologia da planta e seja aplicada com moderação e oportunidade. 3. OBJETIVOS DA PODA Segundo Inglez de Souza, 1986, os sete objetivos principais da poda são: 1º- Modificar o vigor da planta; 2º- Produzir mais e melhor fruta; 3º- Manter a planta com um porte conveniente ao seu trato e manuseio;
  42. 42. 4 4º- Modificar a tendência da planta em produzir mais ramos vegetativos que frutíferos ou vice-versa; 5º- Conduzir a planta a uma forma desejada; 6º- Suprimir ramos supérfluos, inconvenientes, doentes e mortos; 7º- Regular a alternância das safras, de modo a obter anualmente colheitas médias com regularidade. Por que é necessário o recurso da poda? Não é verdade que, no seu estado selvagem, as plantas não são podadas e, apesar disso, se desenvolvem em perfeitas condições? Esta pergunta é formulada muitas vezes, mas, de fato, a natureza tem o seu próprio método de poda. Os ramos pequenos desprendem-se naturalmente e os galhos finos, as folhas e as flores morrem e caem. Vagarosa mas continuamente, todas as plantas sofrem um processo de renovação natural. Pela poda não fazemos mais do que acelerar, embora parcialmente esse processo normal. 4. PRINCÍPIOS FISIOLÓGICOS O conhecimento de algumas regras sobre a fisiologia vegetal em muito auxilia o podador. Ele fica sabendo porque se poda, o que se pode e quando se poda. Os vegetais nutrem-se por meio de suas raízes, que retiram do solo sais minerais e água, necessários para o seu desenvolvimento e frutificação. A absorção determina uma pressão de baixo para cima. A seiva também pode ter sua ascendência ligada à transpiração, pela ação da capilaridade, pela osmose, etc. A poda não é uma ação unilateral. Ela vai ensinando quem a está praticando. Mas, para isso, é preciso respeitar seu ritmo, entender e conhecer sua fisiologia, saber qual é o momento certo da intervenção. A poda baseia-se em princípios de fisiologia vegetal, princípios fundamentais que regem a vida das fruteiras. Um desses princípios mais importantes é a relação inversa que existe entre o vigor e a produtividade. O excesso de vegetação reduz a quantidade de frutos, e o excesso de frutos é prejudicial à qualidade da colheita. Assim, conseguimos entender que a poda, visa justamente estabelecer um equilíbrio entre esses extremos. Mas deve ser efetuada com extremo cuidado. Se efetuada
  43. 43. 5 no momento impróprio, ou de forma incorreta, a poda pode gerar uma explosão vegetativa muito grande, causando um problema ainda maior para o produtor. Baseando-se na hidráulica vegetal, estabelecem-se leis nas quais se baseiam as podas das plantas: 1) O vigor e a fertilidade de uma planta dependem, em grande parte, das condições climáticas e edáficas. 2) O vigor de uma árvore, como um todo, depende da circulação da seiva em todas as suas partes. 3) Há uma relação íntima entre o desenvolvimento da copa e o sistema radicular. Esse equilíbrio afeta o vigor e a longevidade das plantas. 4) A circulação rápida da seiva tende a favorecer o desenvolvimento vegetativo, enquanto a lenta favorece o desenvolvimento dos ramos frutíferos. 5) A seiva, devido à fotossíntese, tende a dirigir-se para os ramos mais expostos à luz, em vez de se dirigir àqueles submetidos à sombra. 6) As folhas são órgãos que realizam a síntese das substâncias minerais, e a sua redução debilita o vegetal. 7) Há espécies que só frutificam em ramos formados anualmente, e outras produzem durante vários anos nos mesmos ramos. 8) O aumento do diâmetro do tronco está em relação inversa com a intensidade da poda. 9) O vigor das gemas depende da sua posição e do seu número nos ramos. 10) Quanto mais severa a poda num ramo, maior é o seu vigor. 11) A poda drástica retarda a frutificação. As funções reprodutivas e vegetativas são antagônicas. Segundo Inglês de Souza, 1986: A circulação da seiva é tanto mais intensa quanto mais retilíneo for o ramo e quanto mais vertical for a sua posição na copa. Quanto mais intensa essa circulação, mais gemas se desenvolverão em produções vigorosas de lenho e, ao contrário, quanto mais embaraçada e mais lenta essa circulação da seiva, maior será o acúmulo de reservas e, consequentemente, maior o número de gemas que se transformarão em botões floríferos.
  44. 44. 6 Cortada uma parte da planta, a seiva refluirá para as remanescentes, aumentando-lhes o vigor vegetativo. Assim, poda curta resulta sempre em ramos vigorosos, nos quais a seiva circulará com grande intensidade. As podas severas, portanto, têm geralmente a tendência de provocar desenvolvimentos vegetativos, retardando a entrada da planta em frutificação. Diminuindo a intensidade de circulação da seiva, o que ocorre após a maturação dos frutos, verifica-se uma correspondente maturação dos ramos e das folhas. Nesse período acumulam-se grandes reservas nutritivas, que são utilizadas para transformar as gemas foliares em frutíferas. A frutificação é uma conseqüência da acumulação de carboidratos. Essa acumulação é maior nos ramos novos do que nos velhos, nos finos do que nos grossos. Dos objetivos enunciados, pode-se concluir que as plantas frutíferas necessitam de modalidades bem diversas de poda, perfeitamente distintas umas das outras, de conformidade com a função que cada uma exerce sobre a economia da planta. A poda acompanha a planta desde a sua infância até a sua decrepitude. É, pois, natural que vá tendo diferentes funções, adequadas cada uma às diferentes necessidades da planta, que por sua vez variam com a idade. Podemos distinguir quatro modalidades principais de poda: 5. TIPOS DE PODA 5.1 Poda de formação Que tem por fim proporcionar à planta uma altura de tronco (do solo às primeiras ramificações da copa) e uma estrutura de ramos adequados à exploração frutícola. Se a poda de formação for correta, a copa se disporá com harmonia, simetricamente, proporcionando uma distribuição equilibrada da frutificação, com arejamento e iluminação convenientes. Pode-se chamar a poda de formação de condução da planta, podendo ser considerada como uma poda de educação, sendo executada normalmente no viveiro, com objetivo de formar muda com porte, altura e brotações bem distribuídos. Podendo formar mudas em haste única, comum em macieira e pereira, onde todas as brotações laterais são eliminadas no viveiro. Já em mudas que formam uma copa maior como as cítricas, de goiabeira e caquizeiro na
  45. 45. 7 formação da muda a copa é distribuída no tronco em três a quatro brotações espaçadas entre si em 3 a 5 cm. Existe também a poda realizada por ocasião do transplante (desplantio) antes da muda ser levada para o plantio definitivo. Denominada de poda de transplantação, que se faz eliminando as brotações excessivas e, de acordo com a espécie e a forma de copa que se deseja, deixa-se três a quatro ramos bem distribuídos e fazendo o desponte de ramos longos. Com o cuidado de executar o corte deixando uma gema vegetativa voltada para fora da copa inicial. Cortam-se também as raízes muito longas, quebradas e tortas, buscando o equilíbrio entre a copa e o sistema radicular. A poda de formação propriamente dita será executada após o estabelecimento da fruteira no campo. É executada nos primeiros anos de vida da planta. Visa garantir uma estrutura forte e equilibrada, com ramos bem distribuídos, para sustentar as safras e facilitar o manejo e a colheita. Normalmente conduz-se a planta com três ou quatro pernadas formadas, desbrotadas até a planta atingir um metro de altura, permitindo daí em diante que as brotações das gemas laterais preencham os vazios da copa, assumindo assim a forma de copa desejada para cada espécie frutífera em particular. As formas das árvores podem ser naturais ou artificiais. As naturais têm o seu emprego nas espécies de folhas persistentes (citros, mangas, abacates, cajus, etc.) quando praticamente não há necessidade de intervenção do homem, devido ao hábito de vegetação e frutificação dessas plantas. Porém, as espécies de folhas caducas, dada a formação de suas gemas frutíferas, exigem podas anuais para maior rendimento. Essas plantas adquirem, portanto, por meio de podas constantes, formas artificiais. As formas artificiais são divididas em haste apoiada e livre. As hastes livres são utilizadas para os vegetais que sustentam por si só a sua copa, e as apoiadas quando há necessidade de se tutorar a planta para que ela adquira uma forma compatível com o tipo de exploração, como por exemplo a videira. As formas apoiadas podem ser conduzidas em cordões ou palmetas. Na condução em cordões, as plantas são apoiadas sobre paliçada, latada ou cerca.
  46. 46. 8 As principais formas de cordão são: vertical, oblíqua e horizontal. Palmeta é a forma de condução da planta de modo que os ramos sejam distribuídos opostamente em série, de dois em dois. A condução em palmeta pode ser de diversos tipos: U simples, U duplo, candelabro, verrier, ramos horizontais e ramos oblíquos. As formas em haste livre podem apresentar os seguintes tipos: pirâmide, fuso, vaso e guia modificado. O emprego de um ou outro tipo, quanto ao porte, depende da finalidade e também dos agentes externos, como vento, por exemplo. A forma de vaso é bastante simples e a que menos contraria os hábitos da planta. 5.2 Poda de frutificação A poda de frutificação é iniciada após a copa da planta encontrar-se formada. Tem por fim regularizar e melhorar a frutificação quer refreando o excesso de vegetação da planta, quer pelo contrário, reduzindo os ramos frutíferos, para que haja maior intensidade de vegetação, evitando-se, dessa maneira, a superprodução da planta, que abaixa a qualidade da fruta e acarreta a decadência rápida das árvores. Desse modo, a poda de frutificação é a controladora da produção, uniformizando-a, regularizando-a, dando-lhe mais qualidade e mais consistência. Geralmente as plantas de clima temperado necessitam deste tipo de poda, dentre elas pode-se citar: figueira, macieira, marmeleiro, pessegueiro, videira, entre outras fruteiras. 5.3 Poda de rejuvenescimento, regeneração e Tratamento Tem por fim livrar as plantas frutíferas dos seus ramos doentes, praguejados, improdutivos e decrépitos ou, se mais energicamente executada, reformar inteiramente a copa, renovando-a a partir das ramificações principais, eliminando focos de doenças e de pragas, reconstituindo a ramagem já estéril, reativando assim a produtividade perdida. Esse tipo de poda radical é freqüentemente usado no transplante de grandes árvores frutíferas adultas e no rejuvenescimento de pomares abandonados, mas de vigor ainda razoável, apresentando troncos íntegros. É ainda o tipo de poda que se aplica às fruteiras intensamente
  47. 47. 9 parasitadas por brocas, cochonilhas, ervas-de-passarinho, algas, fungos, ácaros e outras pragas e moléstias da parte aérea, mas cuja eliminação se justifique, por se tratar de plantas da valor. Normalmente, são cortadas as pernadas principais, a 40 cm do solo e com isso, deve-se iniciar o processo de formação da planta novamente. Esses cortes são maiores no inverno, e logo após, recomenda-se a aplicação de uma pasta fungicida, normalmente cúprica, no local do corte o que facilita a cicatrização e minimiza o efeito do ataque de fungos. 5.4 Poda de limpeza É uma poda leve, quase simples visita geral a que anualmente se procede nos pomares, com a tesoura de poda em punho, consistindo na retirada dum eventual ramo doente, quebrado, seco, praguejado, mal localizado ou inconveniente. É poda sumária, aplicada às plantas adultas daquelas frutíferas que requerem pouca poda, como laranjeiras, abacateiros, jabuticabeiras, mangueiras e outras tropicais. Geralmente, todas as fruteiras necessitam deste tipo de poda. É um tipo de poda executada normalmente em períodos de baixa atividade fisiológica da planta, ou seja, durante o inverno ou, como nas cítricas, logo após sua colheita. Após a poda de limpeza, geralmente se faz um tratamento químico (normalmente cúprico) das partes cortadas para reduzir a aparecimento de doenças. 6. INTENSIDADE DA PODA A intensidade da poda depende da espécie, da idade, do número de pernadas/ramificações existentes, do sistema de condução da planta, do vigor, do hábito de vegetação. Com relação à intensidade, a poda pode ser curta, média ou longa. A poda curta ou drástica consiste na quase total supressão do ramo. Pode- se praticar ainda a poda ultracurta, a qual deixa sobre o ramo de uma a duas gemas. A longa, também chamada leve, deixa o ramo com o máximo de comprimento (0,40 a 0,60 m). A poda média é um tipo intermediário entre os dois anteriores.
  48. 48. 10 Dependendo da espécie frutífera, uma mesma árvore, pode receber simultaneamente os três tipos de podas, dependendo do vigor, da posição e da sanidade dos ramos. 7. ÉPOCA DA PODA Basicamente, a poda, pode ser executada em duas épocas: no inverno ou no verão. 7.1 Poda de inverno ou seca A poda de inverno ou poda em seco é recomendada para frutíferas que perdem as folhas (caducifólias), como pessegueiro, macieira, ameixeira, figueira. Mas o inverno é uma referência muito teórica e pode induzir alguns erros. Um bom momento para iniciar a poda é quando os primeiros botões florais surgirem nas pontas dos ramos, indicando que a seiva começou a circular de novo pela planta. Se a poda for feita antes, estimulará a brotação na hora errada. Se efetuada depois, forçará a brotação vegetativa, exigindo mais tarde uma nova poda. Por ocasião da poda seca ou de inverno, deve-se considerar a localização do pomar, as condições climáticas e o perigo de geadas tardias antes da operação. A poda deve ser iniciada pelas cultivares precoces, passando as de brotação normal e finalizando pelas tardias. Em regiões sujeitas a geadas tardias, deve-se atrasar o início da poda o máximo possível, até mesmo quando as plantas já apresentaram uma considerável brotação, normalmente as de ponteiros. Deve ser praticada após a queda das folhas. Essa orientação tem por finalidade propiciar a acumulação de substâncias de reserva no tronco e nas raízes. Quando se poda antes da queda das folhas, parte das reservas de carboidratos é eliminada, com conseqüência na produtividade futura. Por outro lado, a poda executada após a brotação reduz o vigor da planta e os ramos ficam mais sujeitos a infecção (Simão, 1998). A poda seca, praticada durante o período de repouso, elimina os ramos que já frutificaram nas espécies em que eles não tornam a frutificar. Elimina também os ramos ladrões ou vegetativos, doentes e em excesso.
  49. 49. 11 7.2 Poda verde ou de verão A poda verde ou de verão é realizada quando a planta está vegetando, ou seja, durante o período de vegetação, florescimento, frutificação e maturação dos frutos e destina-se a arejar a copa, melhorar a insolação, melhorar a qualidade e a coloração dos frutos, manter a forma da copa pela supressão de partes da planta e diminuir a intensidade de cortes na poda de inverno. É também executada em plantas perenifólias (com folhas permanentes) como as cítricas, abacateiro, mangueira. A poda verde consiste em diferentes operações, tais como: desponte, desbrota, desfolha, esladroamento, incisões e anelamentos, desbaste, desnetamento. Desponte à tem por finalidade frear o crescimento de determinados ramos em comprimento, de modo a propiciar o desenvolvimento de ramos inferiores. Desbrota à é a supressão de brotos laterais improdutivos, ou seja brotos inúteis, que se desenvolvem à custa das reservas, em detrimento do florescimento e da frutificação. Esladroamento à os ramos que nascem da madeira velha (do porta- enxerto, por exemplo) são denominados de ramos ladrões, e não apresentam nenhuma vantagem, pois exaurem as substâncias nutritivas da planta, perturbando seu desenvolvimento. Devem ser eliminados. Só não o são quando as plantas encontram-se em decrepitude e, neste caso particular, eles são utilizados para revigorar a árvore. Desfolha à é a supressão das folhas com diversas finalidades: melhor iluminação e arejamento das flores ou dos frutos, eliminação de focos de doenças e pragas iniciadas na folhagem, é um recurso que melhora a coloração de frutos, assim com a eliminação do excesso de folhas, principalmente daquelas que recobrem os frutos, que necessitam de luz para adquirir coloração (pêra, maçã, ameixa e kiwi). Na videira, são as folhas próximas aos cachos as responsáveis pela qualidade dos frutos. Esta eliminação de folhas deve ser feita com bom senso, pois o abuso neste desfolhamento priva a planta de seus órgãos de elaboração de reservas de nutrição. Incisões e anelamentos à é o descasque circular, ou seja, remoção de um anel de casca da base dos ramos novos, têm por finalidade interromper a descida
  50. 50. 12 e com isso a retenção da seiva elaborada próximo à sua gema ou ao seu fruto. Quando praticados no início do florescimento, aumentam a fertilidade das flores e, na formação do frutos, melhoram as suas qualidades (tamanho, coloração e sabor). Deve-se operar com moderação, pois uma série de interrupções de seiva poderá causar um enfraquecimento do vegetal. Desbaste à é a supressão de certa quantidade de frutos de uma árvore, antes da maturação fisiológica destes, assim proporcionar melhor desenvolvimento aos frutos remanescentes. Dentre as finalidades do desbaste pode-se citar: melhorar a qualidade dos frutos (tamanho, cor, sabor e sanidade); evitar a quebra de ramos (superprodução); regularizar a produção; eliminar focos de pragas e doenças; reduzir as despesas com colheita de frutos imprestáveis (defeituosos, raquíticos e doentes). Emprega-se normalmente o desbaste para o pessegueiro, a macieira, a pereira, a goiabeira, videira (uvas de mesa), etc., por estar o tamanho de seus frutos ligado a uma maior cotação e, em alguns casos, na tentativa de eliminar a produção alternada e manter a árvore com produção anual quase idêntica. Esse processo pode ser praticado em mangueira, macieira e pereira. O desbaste é feito à mão quando o fruto ainda se encontra em desenvolvimento inicial e não atingiu 2 cm de diâmetro. Essa operação é altamente onerosa e cansativa, compensando, porém, os sacrifícios na sua realização. Com o advento e o desenvolvimento de indústria químicos, pesquisas com hormônios vêm sendo realizadas tanto na Europa como nos Estados Unidos. O uso de hormônios no desbaste de frutos representa um meio de reduzir as despesas e a realização da operação em curto espaço de tempo, podendo ser adicionado a inseticidas. O ácido naftaleno acético (ANA) a 0,2% numa única aplicação, ou 2,4-D a 0,0001%, tem sido empregado. O 2,4-D, embora efetivo, causa certas distorções nas folhas. Algumas espécies apresentam estreita correlação entre número de folhas e qualidade do fruto. Assim, em pessegueiro, é boa a relação de um fruto para cada 15 ou 20 folhas e, em maçã, de um fruto para cada 30 ou 40 folhas
  51. 51. 13 Desnetamento à é uma poda verde aplicada às videiras, consiste em aparar com a unha, ou simplesmente arrancar, os ramos secundários que nascem lateralmente do ramo principal e que são chamados de netos. 8. PRINCÍPIOS QUE REGEM A PODA Para perfeita execução da poda, é necessário um conhecimento da posição, distribuição e função dos ramos e das gemas e circulação da seiva. As raízes das fruteiras extraem do solo a água, contendo esta, em solução, os sais nutritivos que alimentarão a planta. Tal solução constitui a SEIVA BRUTA, que sobe pelos vasos condutores localizados no interior do tronco e se dirige até as folhas. Nestas e em presença de luz e perdendo água por transpiração, a seiva bruta passa por diversas transformações, tornando-se SEIVA ELABORADA. A seiva circula pela planta toda, sempre fluindo para as partes mais altas e mais iluminadas da árvore, razão pela qual os galhos mais vigorosos são aqueles que conseguem se posicionar melhor na copa e têm uma estrutura mais retilínea, o que favorece sua circulação. A seiva, circulando pela periferia da planta, alimenta todos os órgãos e determinam seu crescimento e evolução, tais como: o desenvolvimento das raízes, o crescimento dos brotos, aumento dos ramos, folhas, gemas e a frutificação. É por isso também que, o crescimento da planta tende sempre a se concentrar nos ponteiros dos ramos, o que se denomina de Dominância Apical. Quando eliminada, através da poda, ocorre uma melhor redistribuição da seiva, favorecendo a brotação lateral da gemas. A circulação rápida da seiva tende a favorecer desenvolvimento vegetativo, enquanto que a lenta, o desenvolvimento de ramos frutíferos e essa circulação é em função da estrutura da planta. Quanto mais retilínea, mais rápida a seiva circulará. No início do seu desenvolvimento, as fruteiras gastam toda a seiva elaborada no seu próprio crescimento. Porém, após um certo tempo, variável de espécie para espécie, a planta atinge um bom nível de desenvolvimento como: tronco forte, copa expandida e raízes amplas, a planta já fotossintetiza intensamente e começa a aparecer sobras de seiva elaborada, que serão armazenadas na planta, em forma de reservas. Quando essas reservas atingem uma suficiente quantidade, tem começo a frutificação, pois as reservas de seiva
  52. 52. 14 elaborada são invertidas ou gastas na transformação das gemas vegetativas em gemas frutíferas, que darão as futuras flores e frutas. Com esse desvio para a frutificação, cessa quase que completamente o crescimento das raízes e da copa. Há um antagonismo entre a frutificação e a vegetação, ou seja, enquanto a planta desenvolve ativamente a sua expansão vegetativa (como acontece nos indivíduos novos) não há saldo de seiva elaborada para ser aplicado na frutificação, o mesmo acontece quando há um grande gasto de reservas, como por exemplo, num ano em que ocorre uma superprodução. Assim a planta fica sem saldo de seiva elaborada para, no ano seguinte, formar novas gemas de fruto. A frutificação é então muito pequena; mas como as raízes continuam a absorver água e nutrientes e as folhas a fotossintetizar, começam a aparecer novo saldo de seiva elaborada, o qual, não tendo frutos para desenvolver, é aplicado em nova expansão das raízes e dos ramos. Com esta expansão poderá resultar em novos saldos de seiva elaborada, que são armazenados nos locais de reserva, registrando assim um superávit de seiva elaborada na planta, com isso grande número de gemas vegetativas é transformado em gemas frutíferas, tornando a planta a produzir grande safra de fruto, ao mesmo tempo que vegeta modestamente. As fruteiras de quintal, abandonadas, sem podas e sem cuidados, a alternância de anos de fruto com os de escassez é muito freqüente. A poda pode regularizar esta anomalia, eliminando ramos frutíferos nos anos de frutificação excessiva, estimulando, deste modo, a expansão de crescimento vegetativos. As plantas não sujeitas a podas apresentam duas importantes características: 1º) A planta alcança grande volume, porque sua folhagem, sem sofrer restrição alguma, absorve grande quantidade de água e nutrientes (seiva bruta) e produz grande quantidade de seiva elaborada (fotoassimilados), a qual é alternativamente gasta em grande frutificação seguida de grande expansão do sistema radicular e da copa, essa expansão é apenas limitada pela conformação específica da planta e pelas condições ambientes (solo, clima, etc.); 2º) A planta atinge a máxima longevidade, pois a produção contínua de novas quantidades anuais de ramos, folhas e frutos, que as podas provocam, acaba por
  53. 53. 15 esgotar a planta, abreviando seus dias, o qual não se verifica nos indivíduos não podados. Em contraposição, estes apresentam os inconvenientes seguintes: - Frutificação inconstante; - Fruta inferior, tanto em tamanho com em aspecto, pois a seiva que a faz desenvolver tem de ser distribuída por um grande número de frutos e ramos, o que não acontece nos pés podados; ¨ - Operações culturais mais difíceis, mais caras, devido à maior altura e o maior volume dos pés. O controle fitossanitário chega a ser praticamente impossível nos indivíduos de crescimento livre e a colheita é freqüentemente antieconômica, pois a produção, além de ser de qualidade inferior, se distribui nas pontas mais altas da ramagem. Ao podador é indispensável saber que parte da planta está cortando, pois, de conformidade com cada planta em particular, há ramos cuja supressão é indispensável, mas outros existem cuja eliminação redundaria em grave prejuízo para a produção, porque encerram neles a própria safra de frutos dentro de suas gemas. 9. GEMAS Vulgarmente chamadas de olhos, as gemas são em essência o princípio das folhas, flores e caules, envolto nas escamas corticais do tronco e dos ramos. São órgãos produtores de ramos e folhas (vegetativas) ou flores (floríferas ou frutíferas), que variam no aspecto, na forma, no tamanho e na distribuição, de espécie para espécie. Quanto à localização nos ramos, as gemas são ditas terminais ou axilares, conforme estão localizadas no ápice dos ramos ou na axila das folhas. É interessante observar que as gemas são formadas com a mesma estrutura. O que vai torná-las vegetativas ou frutíferas é o vigor do seu desenvolvimento, decorrente da quantidade de seiva que recebem. Como já foi dito a frutificação só tem início quando a planta já conseguiu armazenar uma determinada quantidade de reservas de seiva elaborada. As gemas de folhas ou lenhosas distinguem-se das floríferas ou de frutos pela sua constituição interna e externa. Gemas mais vigorosas e mais pontiagudas irão se transformar em ramos vegetativos. As de frutos são quase
  54. 54. 16 sempre mais volumosa, de forma oval-alongada, e as de lenho são mais alongadas e afuniladas. As primeiras apresentam-se mais macias ao tato, e as últimas, mais ásperas. Em princípio, gemas mais vigorosas e mais pontiagudas irão se transformar em ramos vegetativos. As floríferas, têm uma forma mais arredondada e devem ser preservadas. As gemas podem ser naturais ou adventícias. As naturais são aquelas que surgem nos ramos normalmente segundo a tendência da planta, e as adventícias, as que emergem sob ação mecânica. As gemas localizadas na parte superior dos ramos, brotam antecipadamente e com maior vigor que as laterais, prolongando o ramo devido sua abertura lateral ser bem menor. Baseando nisso podemos dizer que ramos verticais tendem a serem mais vegetativos, e os inclinados, por onde a seiva circula de forma mais lenta, possuem maior potencial frutífero. A duração das gemas está intimamente relacionada à biologia da planta e aos tratos culturais. Há espécies em que as gemas não ultrapassam um ciclo vegetativo, e outras em que duram vários anos. As podas dos anos anteriores têm muita influência sobre a formação das gemas, quer frutíferas quer vegetativas. Se as podas passadas foram severas, a planta foi privada de grande parte de sua copa e, portanto, pouca seiva bruta pôde ser transformada em seiva elaborada. Como conseqüência, espera-se muita vegetação e pouco florescimento. Ao contrário, se foram brandas as podas anteriores, é de se esperar que muita seiva bruta pôde ser transformada em seiva elaborada e que o afluxo desta contribuiu para a diferenciação de grande quantidade de gemas vegetativas em frutíferas. Já pela poda do ano em si pouca coisa pode fazer o podador no sentido de aumentar a frutificação. Pode-se, entretanto, melhorar a produção do ano em qualidade e preparar a planta para maiores safras vindouras. 10. RAMOS Ramos são ramificações oriundas de gemas. Segundo sua função, dividem-se em: ramos lenhosos (vegetativos), mistos e frutíferos.
  55. 55. 17 10.1 Ramos lenhosos ou vegetativos Caracterizam-se pelo vigor, pelo aspecto da casca, normalmente lisa, e pelos internódios relativamente longos. Os ramos lenhosos, segundo sua origem e posição, podem dividir-se em adventícios e ladrões. Os ramos adventícios têm origem em causa mecânica como pancada, incisões, etc. Ramo ladrão é o ramo vegetativo, muito vigoroso, vertical, pouco ramificado e devem ser eliminados. Os ramos ladrões têm origem em gemas aparentes e podem ser classificados em naturais ou bravos, segundo a sua localização. Os naturais nascem das gemas do enxerto e os bravos de gemas do porta-enxerto. Os ramos recebem denominação particular, de acordo com a sua posição na árvore. Pernadas são as primeiras ramificações, que partem diretamente do tronco ou da haste. Destas surgem ramos que são denominados braços. As ramificações dos braços dizem-se genericamente ramos. 10.2 Ramos mistos Apresentam as funções de crescimento e produção, ou seja, apresentam ao mesmo tempo desenvolvimento vegetativo e exibem gemas frutíferas, quer no ramo do ano, quer no do anterior. Exemplos: pessegueiro, figueira, videira. 10.3 Ramos frutíferos São apresentados por algumas espécies, principalmente de folhas caducas, que possuem ramos de frutos especializados. Esses ramos são normalmente curtos e de aspecto corrugado. Se eliminarmos tais ramos, a planta só produzirá vegetação. As principais representantes dessa espécie são: pereira, macieira, ameixeira européia, cerejeira. Os ramos especializados se originam, como os ramos todos, de uma gema vegetativa. Os ramos frutíferos classificam-se em: dardos, esporões (lamburdas), bolsas e brindilas.
  56. 56. 18 Dardos são os ramos pequenos, pontiagudos, com entrenós muito curtos. Desenvolvem-se lentamente e apresentam uma roseta de folhas nas extremidades. Dá-se o nome de esporão simples ao dardo com gema terminal floral. Constitui ramo de fruto propriamente dito. O dardo com o tempo se ramifica, dando origem a um esporão ramificado. Os esporões, devido ao desenvolvimento lento e ao acúmulo de substâncias de reserva, apresentam com o tempo, um engrossamento na extremidade, em forma de bolsa. A passagem de dardo para esporão depende de um determinado equilíbrio na fisiologia da planta, entre a seiva bruta remetida pelas raízes e as substâncias elaboradas pelas folhas. Se esse equilíbrio é rompido graças à maior quantidade de seiva elaborada, muitos dardos serão “promovidos” a esporões. As bolsas nada mais são do que um esporão com vários anos que alterou sua forma externa e passou a receber essa denominação. Elas podem fixar vários frutos ao mesmo tempo. É uma parte curta, inchada, com enorme quantidade de substâncias nutritivas, que formam-se no ponto de união da fruta colhida com o ramo. Pode dar origem a novas gemas florais, dardos, lamburdas, brindilas ou vários deles de cada vez. Brindilas são ramos finos, com 3 a 5 mm de diâmetro e de 0,50 a 0,20 m de comprimento. Não apresentam importância econômica. Surgem em plantas mal podadas ou naquelas velhas e não tratadas. As brindilas apresentam uma pequena gema terminal e surgem na base das plantas sem os devidos cuidados culturais. Nas pereiras e macieiras decrépitas, esgotadas e também, ao contrário, naquelas com vegetação luxuriante, as lamburdas são raras e os dardos abundante. Conforme a natureza dos ramos que possuem, as plantas frutíferas podem ser divididas em três grupos: 1º) Plantas com ramos especializados à são plantas que só dão fruta sobre ramos especiais. Os demais ramos dessas plantas só produzem brotos vegetativos e folhas. Esses ramos especializados são geralmente curtos e denomindados
  57. 57. 19 esporões, em contraposição aos vegetativos, que são longos e vigorosos. Este é o caso das macieiras, pereiras, ameixeiras européias, cerejeiras, etc.; 2º) Plantas com ramos mistos à são plantas que além de frutificarem sobre esporões, frutificam também sobre ramos do ano anterior, ou seja apresentam ramos mistos, já que tais ramos tanto dão flores e, portanto frutos, como também crescimentos vegetativos. Exemplos: pessegueiros, ameixeiras japonesas, videiras e figueiras. 3º) Plantas em que as flores nascem sobre ramos da brotação nova à nestas plantas, o ramo frutífero ao invés de vir formado do inverno, nasce na primavera e floresce mais ou menos abundantemente, conforme as condições lhe são mais ou menos propícias. Exemplo: plantas cítricas em geral. Influências exercidas na planta cítrica apenas alguns meses, ou mesmo umas poucas semanas antes da nova brotação, podem determinar a abundância ou a escassez do seu florescimento. 11. FERRAMENTAS UTILIZADAS NA PODA Não existe bom podador sem boa ferramenta, isto é, a apropriada, a limpa, a afiada e lubrificada. Não considerando os casos especiais e raros, três ferramentas são indispensáveis ao podador: tesoura de poda, serrote de podar e a decotadeira. Porém inúmeros são os instrumentos e ferramentas utilizados na execução das diferentes modalidades de poda, até o machado, a foice e a serra grande ou trançadeira podem, às vezes, entrar na relação das ferramentas do podador. Existem também instrumentos especializados como tesouras para desbaste de cachos de uva, alicate para incisão e anelamento, etc.. A tesoura de poda é a ferramenta típica do podador, servindo para os diversos tipos de poda. É empregada para corte de ramos com diâmetro de até meia polegada, além desse limite convém empregar o serrote de poda. 12. EXECUÇÃO DAS PODAS Como foi visto, é importante antes de empunhar qualquer instrumento de poda conhecer bem a fruteira a ser podada, sua fisiologia e seu estado nutricional e sanitário, o objetivo da exploração, a época em que deve ser realizada a poda,
  58. 58. 20 que tipo de poda e em que intensidade deve ser praticada, para que se tenha êxito nessa operação. A poda de um ramo pode ser por supressão, ou seja, pela eliminação desse ramo pela base ou rebaixamento, quando apenas se apara esse ramo em comprimento. Na supressão de galhos grossos, feita naturalmente com o serrote, o corte deve ser bem rente à base do galho e bem inclinado. Um corte ideal e preciso, realizado de uma só vez, deve observar uma inclinação de 45 graus aproximadamente, no sentido oposto ao da gema mais próxima, o que evita o acúmulo de água, que poderia causar o apodrecimento do ramo e aparecimento de fungos. Assim cortes de espessura maior que 3,0 cm devem ser protegidos com pastas cicatrizantes à base de cobre (pasta bordaleza). Várias fruteiras requerem podas especiais (sejam de formação ou de frutificação) como por exemplo: Videira; Pessegueiro; Figueira; entre várias outras.
  59. 59. 21 REFERÊNCIAS BRICKELL, C., A Poda. Portugal: Publicações Europa-América, 1979, 228 p.: il. DONADIO, L. C.; RODRIGUES, O. Poda das plantas cítricas. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE CITROS, 2, 1992, Campinas. Anais... Campinas: Fundação Cargill, 1992. p.195-203. INGLEZ de SOUZA, J. S., Poda das Plantas Frutíferas. São Paulo: Nobel, 1986, 224 p.: il. SIMÃO, S., Tratado de Fruticultura. Piracicaba: FEALQ, 1998. 760 p.: il.
  60. 60. 22
  61. 61. CAPÍTULO lll PROPAGAÇÃO DAS PLANTAS FRUTÍFERAS 1. INTRODUÇÃO A propagação das plantas frutíferas se reveste de grande importância na fruticultura. Essa talvez seja a etapa mais importante na implantação de um pomar. Para que se tenha sucesso, é necessária a adoção de técnicas que visam a obtenção de mudas de qualidade. A muda é, na verdade, o alicerce da fruticultura, pois dela depende o sucesso da implantação de um pomar. Na produção de uma boa muda, alguns cuidados devem ser tomados. Embora a produção de mudas possa ser feita, muitas vezes, com emprego de uma infraestrutura muito simples, cada vez mais a propagação de plantas vem lançando mão de apurada tecnologia, pois isso é muito importante para a obtenção de mudas de qualidade no menor tempo possível. Para produzir mudas de plantas frutíferas com eficiência e qualidade, deve- se levar em consideração muitos aspectos, desde a legislação que estabelece as características de uma muda-padrão até as técnicas de transferência da muda para o pomar. 2. MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO O ciclo de vida de uma planta que produz sementes pode ser dividido em duas grandes fases: vegetativa e reprodutiva. Estas fases são compostas pelas seguintes etapas: a) Germinação da semente; b) Crescimento vegetativo; c) Indução da floração; d) Iniciação e desenvolvimento da flor; e) Floração: desenvolvimento, crescimento, abertura da flor, polinização e fertilização; f) Desenvolvimento do fruto e da semente; g) Maturação do fruto e disseminação da semente. Com a disseminação da semente estamos propagando uma planta de forma sexuada, ou seja, estamos utilizando o método de propagação

×