SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
UNIVERSIDADE CEUMA
COORDENAÇÃO GERAL DA AREA DE
SAÚDE
CURSO DE ODONTOLOGIA
Materiais Relacionado a Prótese
Camilla Bringel Rêgo
Conceitos
 Moldagem ato para obtenção de
um molde.
 Molde reprodução negativa da
área moldada.
 Modelo reprodução positivo da
área moldada.
Materiais para Moldagem
IRREVERSÍVEIS
ANAELÁSTICOS ELÁSTICOS
REVERSÍVEIS
• Gesso
• Pasta de
óxido de zinco
e eugenol
• Godiva
• Alginato
• Elastômeros
• Hidrocolóides
reversíveis
ÓXIDO DE ZINCO E EUGENOL
 Agente de cimentação;
 Cimento cirúrgico;
 Restaurações provisórias;
 Cimento para obturação de canais radiculares;
 Registro de mordida;
 Reembasamento temporário de dentaduras;
 Moldagem funcional em desdentados.
Indicações:
P
A
S
T
A
PÓ
isolamento
térmico
APRESENTAÇ
ÃO
 Oxido de zinco(Zno)-70%
 Oxido de magnesio(Mgo)
 Resina hidrogenada
 Sais de zinco
- Estearato
- Acetato Aceleradores
- Succinato de presa
- Propionato
 Colofônia e mica Resistência
 Eugenol (oleo de cravo-70%)
 Óleo de oliva ou óleo de algodão
 Àcido acético
 Àcido orto-etóxi-benzóico (EBA)
LÍQUIDO
PÓ + LÍQUIDO
PASTA BASE + PASTA CATALIZADORA
Pasta de Óxido de Zinco e Eugenol
para MOLDAGEM
PASTA
+
PASTA
BASE
CATALIZADORA
- Óxido de Zinco
- Óleo de Oliva
- Óleo de Linhaça
- Acetato de Zinco
- Água
- Eugenol
- Cargas
- Colofônia
Caulim
Talco
Ceras
Facilita a velocidade da
reação e produz uma
mistura final mais
homogênea e suave.
Agem como
plastificantes e
mascaram a ação
irritante do
eugenol.
VARIEDADES
 Dois tipos de pastas são também
designados tipo I (duro) e tipo II (mole).
 A diferença entre os dois tipos está
relacionada com a consistência da
pasta após a presa.
PASTA PARA MOLDAGEM
(ÓXIDO DE ZINDO E EUGENOL)
 Finalidade corretiva na moldeira individual
(Para rebordo flácido)
1. Faz-se a moldagem preliminar com alginato;
Obtém-se um modelo de estudo de gesso.
2. Sobre este modelo, constrói-se com resina acrílica
uma moldeira individual bem adaptada.
Após os desgastes necessários, recobrem-se suas bordas
com um fio de godiva plastificada promover o selado periférico.
3. Esta moldeira, assim preparada, é preenchida com a
pasta de óxido de zinco e eugenol e levada à boca do
paciente.
Para obtenção de
uma moldagem
SECUNDÁRIA/
FUNCIONAL
REAÇÃO QUÍMICA
Hidrolise do oxido de zinco
Reação entre o hidroxido
de zinco e o eugenol
Eugenolato de zinco
(Quelato)
 1º Reação Hidrólise do óxido de zinco =
 O que indica que a água é essencial para esta reação.
 O óxido de zinco desidratado não reage com o eugenol desidratado
 A água é provavelmente um dos produtos da reação, sendo esta
autocatalítica.
 2º Presa Reação ácido + Base = Quelato
ZnO + H2O ↔ Zn(OH)2
Zn(OH)2 + 2HE ↔ ZnE2 + 2H2O
 A incorporação de colofônia à pasta de óxido de zinco e eugenol reduz a
cristalização do quelato.
Formação
do hidróxido
de zinco
TEMPO DE PRESA
 Levado à boca na condição plástica > material toma presa em tempo
Uma presa = perda de precisão
inevitável o movimento da moldeira com a pasta ainda mole.
 Relação: tipo/quantidade de acelerador usado;
 O tempo de presa inicial = é o período que vai desde o início da
espatulação até aquele em que o material perde a pegajosidade
(varia entre 3 a 6 minutos)
 A moldagem deve ser realizada antes da presa inicial.
O tempo de presa final = deve ocorrer aos 10 minutos para a pasta tipo
I e os 15 minutos as pastas do tipo II..
O molde pode ser removido da boca.
Controle do Tempo de Presa
 A adição de água
 Resfriamento da espátula e do material
 Tempo de manipulação TEMPO DE PRESA
 Temperatura e umidade
TEMPO
DE
PRESA
DURANTE A PRESA
Pode sofrer menos
de 0,1% de contração
ESTABILIDADE
DIMENSIONAL
Técnica de Espatulação
A manipulação das
duas pastas é
geralmente
realizada sobre uma
folha de papel
impermeável a
óleos.
PROPORÇÃO
1:1
Epatulação continua
por 1 minuto ou pelo
tempo recomendado
pelo fabricante.
Consistência e escoamento
Para escoar
uniformemente sobre os
tecidos que estão sendo
moldados.
Mistura
homogênea
após a
manipulação
ESCOAMENTO
TEMPO
DE
PRESA =
intervalo de tempo
entre a PRESA INICIAL e
FINAL
Considerações Gerais
 A moldeira deve ser mantida firmemente em posição até que a
pasta tome presa.
 A ação aceleradora do calor da boca e da saliva, que se encontra
sobre a superfície dos tecidos, pode provocar o endurecimento
da pasta inicialmente nessas regiões de contato.
Qualquer movimento do molde neste momento causará uma distorção.
 Somente quando o material estiver completamente endurecido, o
molde deve ser removido da boca.
 DESINFECÇÃO DO MOLDE
- Imersão em solução de glutaraldeído a 2% por 10 min
óXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringel

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e AnelásticosClassificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e AnelásticosAndré Milioli Martins
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfThiago Dant
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparprofguilhermeterra
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelCamilla Bringel
 
Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicosRegis Valentim
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMarlus Pedrosa
 
Aula fosfato de zinco
Aula fosfato de zincoAula fosfato de zinco
Aula fosfato de zincoOdonto ufrj
 
Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesedmarchristovam
 
MATERIAIS DE MOLDAGEM.pptx
MATERIAIS DE MOLDAGEM.pptxMATERIAIS DE MOLDAGEM.pptx
MATERIAIS DE MOLDAGEM.pptxEmiliRaynna1
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalItalo Gabriel
 
Silicone de adição- Materiais de Moldagem
Silicone de adição- Materiais de MoldagemSilicone de adição- Materiais de Moldagem
Silicone de adição- Materiais de MoldagemMarcos Paulo Hutchison
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILACamilla Bringel
 

Mais procurados (20)

Cimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidroCimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidro
 
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e AnelásticosClassificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdf
 
Lesões endo perio
Lesões endo perioLesões endo perio
Lesões endo perio
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
 
Silicone de condensação- Slide
Silicone de condensação- SlideSilicone de condensação- Slide
Silicone de condensação- Slide
 
Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicos
 
Restaurações em Amálgama
Restaurações em AmálgamaRestaurações em Amálgama
Restaurações em Amálgama
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcional
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
 
Aula fosfato de zinco
Aula fosfato de zincoAula fosfato de zinco
Aula fosfato de zinco
 
Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusões
 
MATERIAIS DE MOLDAGEM.pptx
MATERIAIS DE MOLDAGEM.pptxMATERIAIS DE MOLDAGEM.pptx
MATERIAIS DE MOLDAGEM.pptx
 
Alginato Odontológico
Alginato OdontológicoAlginato Odontológico
Alginato Odontológico
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Silicone de adição- Materiais de Moldagem
Silicone de adição- Materiais de MoldagemSilicone de adição- Materiais de Moldagem
Silicone de adição- Materiais de Moldagem
 
Gessos odontológicos- Tipo I
Gessos odontológicos- Tipo IGessos odontológicos- Tipo I
Gessos odontológicos- Tipo I
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 

Semelhante a óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel

MD - Aula 5 - Materiais de Moldagem - Hidrocolóides - Cópia.ppt
MD - Aula 5 - Materiais de Moldagem - Hidrocolóides - Cópia.pptMD - Aula 5 - Materiais de Moldagem - Hidrocolóides - Cópia.ppt
MD - Aula 5 - Materiais de Moldagem - Hidrocolóides - Cópia.pptFernandoIsquierdodeS1
 
Aula 1 bases forradoras
Aula 1  bases forradorasAula 1  bases forradoras
Aula 1 bases forradorasOdonto ufrj
 
Problemasde injeção osdezmais
Problemasde injeção osdezmaisProblemasde injeção osdezmais
Problemasde injeção osdezmaispaulo2915
 
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Polialum FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Polialum FTDryko Impermeabilizantes Drykomanta Polialum FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Polialum FTDryko Impermeabilizantes
 
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543ANTI-CHAMAS ou IGNIFUGAÇÃO
 
Apresentação ciências dos materiais
Apresentação ciências dos materiaisApresentação ciências dos materiais
Apresentação ciências dos materiaisRosana Pires
 
Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01Carlos Monteiro
 
8_Cimentos II_ Óxido de Zinco e Eugenol 2017i.pdf
8_Cimentos II_ Óxido de Zinco e Eugenol 2017i.pdf8_Cimentos II_ Óxido de Zinco e Eugenol 2017i.pdf
8_Cimentos II_ Óxido de Zinco e Eugenol 2017i.pdfCristianoBatisteli
 
ApresentaçãO1 Eco
ApresentaçãO1 EcoApresentaçãO1 Eco
ApresentaçãO1 Ecorafaelmatos
 
Trabalho oficial. rede poc
Trabalho oficial. rede pocTrabalho oficial. rede poc
Trabalho oficial. rede pocAngela Correa
 
Trabalho oficial. versão rede poc
Trabalho oficial. versão rede pocTrabalho oficial. versão rede poc
Trabalho oficial. versão rede pocAngela Correa
 
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Top B FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Top B FTDryko Impermeabilizantes Drykomanta Top B FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Top B FTDryko Impermeabilizantes
 
Embalagens de vidro
Embalagens de vidroEmbalagens de vidro
Embalagens de vidroandreiafaion
 
Guia de reparos das patologias de umidade em edificações
Guia de reparos das patologias de umidade em edificaçõesGuia de reparos das patologias de umidade em edificações
Guia de reparos das patologias de umidade em edificaçõesJulia Mendes
 
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Geotextil FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Geotextil FTDryko Impermeabilizantes Drykomanta Geotextil FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Geotextil FTDryko Impermeabilizantes
 
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta TOP A FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta TOP A FTDryko Impermeabilizantes Drykomanta TOP A FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta TOP A FTDryko Impermeabilizantes
 
Apresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSMApresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSMFrau Soares
 
Projeto lodo
Projeto lodoProjeto lodo
Projeto lodogunnergv
 

Semelhante a óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel (20)

MD - Aula 5 - Materiais de Moldagem - Hidrocolóides - Cópia.ppt
MD - Aula 5 - Materiais de Moldagem - Hidrocolóides - Cópia.pptMD - Aula 5 - Materiais de Moldagem - Hidrocolóides - Cópia.ppt
MD - Aula 5 - Materiais de Moldagem - Hidrocolóides - Cópia.ppt
 
Aula 1 bases forradoras
Aula 1  bases forradorasAula 1  bases forradoras
Aula 1 bases forradoras
 
Problemasde injeção osdezmais
Problemasde injeção osdezmaisProblemasde injeção osdezmais
Problemasde injeção osdezmais
 
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Polialum FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Polialum FTDryko Impermeabilizantes Drykomanta Polialum FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Polialum FT
 
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
 
Apresentação ciências dos materiais
Apresentação ciências dos materiaisApresentação ciências dos materiais
Apresentação ciências dos materiais
 
Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
 
Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01
 
8_Cimentos II_ Óxido de Zinco e Eugenol 2017i.pdf
8_Cimentos II_ Óxido de Zinco e Eugenol 2017i.pdf8_Cimentos II_ Óxido de Zinco e Eugenol 2017i.pdf
8_Cimentos II_ Óxido de Zinco e Eugenol 2017i.pdf
 
ApresentaçãO1 Eco
ApresentaçãO1 EcoApresentaçãO1 Eco
ApresentaçãO1 Eco
 
Trabalho oficial. rede poc
Trabalho oficial. rede pocTrabalho oficial. rede poc
Trabalho oficial. rede poc
 
Trabalho oficial. versão rede poc
Trabalho oficial. versão rede pocTrabalho oficial. versão rede poc
Trabalho oficial. versão rede poc
 
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Top B FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Top B FTDryko Impermeabilizantes Drykomanta Top B FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Top B FT
 
Embalagens de vidro
Embalagens de vidroEmbalagens de vidro
Embalagens de vidro
 
Guia de reparos das patologias de umidade em edificações
Guia de reparos das patologias de umidade em edificaçõesGuia de reparos das patologias de umidade em edificações
Guia de reparos das patologias de umidade em edificações
 
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Geotextil FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Geotextil FTDryko Impermeabilizantes Drykomanta Geotextil FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta Geotextil FT
 
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta TOP A FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta TOP A FTDryko Impermeabilizantes Drykomanta TOP A FT
Dryko Impermeabilizantes Drykomanta TOP A FT
 
Apresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSMApresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSM
 
Projeto lodo
Projeto lodoProjeto lodo
Projeto lodo
 
Vidro
VidroVidro
Vidro
 

Mais de Camilla Bringel (14)

c
cc
c
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
6398.pdf
6398.pdf6398.pdf
6398.pdf
 
3.pdf
3.pdf3.pdf
3.pdf
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
Pinos anatômicos
Pinos anatômicos Pinos anatômicos
Pinos anatômicos
 
Biomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaBiomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontia
 
Biomateriais em Implantodontia
Biomateriais em ImplantodontiaBiomateriais em Implantodontia
Biomateriais em Implantodontia
 
Clareamento Dental Interno
Clareamento Dental InternoClareamento Dental Interno
Clareamento Dental Interno
 
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM'sEtiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
 
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICAPARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
 
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSDENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 

óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel

  • 1. UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO GERAL DA AREA DE SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA Materiais Relacionado a Prótese Camilla Bringel Rêgo
  • 2.
  • 3. Conceitos  Moldagem ato para obtenção de um molde.  Molde reprodução negativa da área moldada.  Modelo reprodução positivo da área moldada.
  • 4. Materiais para Moldagem IRREVERSÍVEIS ANAELÁSTICOS ELÁSTICOS REVERSÍVEIS • Gesso • Pasta de óxido de zinco e eugenol • Godiva • Alginato • Elastômeros • Hidrocolóides reversíveis
  • 5. ÓXIDO DE ZINCO E EUGENOL  Agente de cimentação;  Cimento cirúrgico;  Restaurações provisórias;  Cimento para obturação de canais radiculares;  Registro de mordida;  Reembasamento temporário de dentaduras;  Moldagem funcional em desdentados. Indicações: P A S T A
  • 6. PÓ isolamento térmico APRESENTAÇ ÃO  Oxido de zinco(Zno)-70%  Oxido de magnesio(Mgo)  Resina hidrogenada  Sais de zinco - Estearato - Acetato Aceleradores - Succinato de presa - Propionato  Colofônia e mica Resistência  Eugenol (oleo de cravo-70%)  Óleo de oliva ou óleo de algodão  Àcido acético  Àcido orto-etóxi-benzóico (EBA) LÍQUIDO PÓ + LÍQUIDO PASTA BASE + PASTA CATALIZADORA
  • 7. Pasta de Óxido de Zinco e Eugenol para MOLDAGEM PASTA + PASTA BASE CATALIZADORA - Óxido de Zinco - Óleo de Oliva - Óleo de Linhaça - Acetato de Zinco - Água - Eugenol - Cargas - Colofônia Caulim Talco Ceras Facilita a velocidade da reação e produz uma mistura final mais homogênea e suave. Agem como plastificantes e mascaram a ação irritante do eugenol.
  • 8. VARIEDADES  Dois tipos de pastas são também designados tipo I (duro) e tipo II (mole).  A diferença entre os dois tipos está relacionada com a consistência da pasta após a presa.
  • 9. PASTA PARA MOLDAGEM (ÓXIDO DE ZINDO E EUGENOL)  Finalidade corretiva na moldeira individual (Para rebordo flácido) 1. Faz-se a moldagem preliminar com alginato; Obtém-se um modelo de estudo de gesso. 2. Sobre este modelo, constrói-se com resina acrílica uma moldeira individual bem adaptada. Após os desgastes necessários, recobrem-se suas bordas com um fio de godiva plastificada promover o selado periférico. 3. Esta moldeira, assim preparada, é preenchida com a pasta de óxido de zinco e eugenol e levada à boca do paciente. Para obtenção de uma moldagem SECUNDÁRIA/ FUNCIONAL
  • 10. REAÇÃO QUÍMICA Hidrolise do oxido de zinco Reação entre o hidroxido de zinco e o eugenol Eugenolato de zinco (Quelato)
  • 11.  1º Reação Hidrólise do óxido de zinco =  O que indica que a água é essencial para esta reação.  O óxido de zinco desidratado não reage com o eugenol desidratado  A água é provavelmente um dos produtos da reação, sendo esta autocatalítica.  2º Presa Reação ácido + Base = Quelato ZnO + H2O ↔ Zn(OH)2 Zn(OH)2 + 2HE ↔ ZnE2 + 2H2O  A incorporação de colofônia à pasta de óxido de zinco e eugenol reduz a cristalização do quelato. Formação do hidróxido de zinco
  • 12. TEMPO DE PRESA  Levado à boca na condição plástica > material toma presa em tempo Uma presa = perda de precisão inevitável o movimento da moldeira com a pasta ainda mole.  Relação: tipo/quantidade de acelerador usado;  O tempo de presa inicial = é o período que vai desde o início da espatulação até aquele em que o material perde a pegajosidade (varia entre 3 a 6 minutos)  A moldagem deve ser realizada antes da presa inicial. O tempo de presa final = deve ocorrer aos 10 minutos para a pasta tipo I e os 15 minutos as pastas do tipo II.. O molde pode ser removido da boca.
  • 13. Controle do Tempo de Presa  A adição de água  Resfriamento da espátula e do material  Tempo de manipulação TEMPO DE PRESA  Temperatura e umidade TEMPO DE PRESA DURANTE A PRESA Pode sofrer menos de 0,1% de contração ESTABILIDADE DIMENSIONAL
  • 14. Técnica de Espatulação A manipulação das duas pastas é geralmente realizada sobre uma folha de papel impermeável a óleos. PROPORÇÃO 1:1
  • 15. Epatulação continua por 1 minuto ou pelo tempo recomendado pelo fabricante.
  • 16. Consistência e escoamento Para escoar uniformemente sobre os tecidos que estão sendo moldados. Mistura homogênea após a manipulação ESCOAMENTO TEMPO DE PRESA = intervalo de tempo entre a PRESA INICIAL e FINAL
  • 17. Considerações Gerais  A moldeira deve ser mantida firmemente em posição até que a pasta tome presa.  A ação aceleradora do calor da boca e da saliva, que se encontra sobre a superfície dos tecidos, pode provocar o endurecimento da pasta inicialmente nessas regiões de contato. Qualquer movimento do molde neste momento causará uma distorção.  Somente quando o material estiver completamente endurecido, o molde deve ser removido da boca.  DESINFECÇÃO DO MOLDE - Imersão em solução de glutaraldeído a 2% por 10 min