SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
CAMILLA BRINGEL RÊGO
DENTES VITALIZADOS E DESVITALIZADOS
“Tratamento Clareador muito solicitado para
atender aos padrões estéticos”. (Nash, 1999)
Clareamento Interno
“O Clareamento interno é um método
alternativo para restabelecer a cor dos
dentes evitando o desgaste necessário da
estrutura normal”.
Clareamento Dental
Manchas Intrísecas
 Coloração natural
 Escurecimento natural
 Medicamentos (tetraciclina) e fluoretos
 Traumatismos
 Necrose pulpar
 Contaminação da câmara durante
tratamento
 Iatrogenias
 Material obturador e restaurador
Manchas Extrínsecas
► Predisposição do paciente
► Adquirida do meio bucal
► Após a erupção
► Precipitação de corante no biofilme
dental
► Exemplos: Café, Chá Preto, Vinho Tinto,
Chimarrão, Shoyu, Cigarro, Charuto
Escurecimento dental
ENDODONTIA DENTÍSTICA
REMANESCENTE
PULPAR
AMÁLGAMA
Cimento PINOS
Materiais obturadores RESINAS COMPOSTAS
Os agentes clareadores são
veículos de radicais de
Oxigênio
Mecanismo de Ação
grande instabilidade
quando em contato com
os tecidos dentais
promovem ora oxidação,
ora redução do pigmento
associado a ele
macromoléculas, acabam sendo
fracionados em cadeias menores,
até serem eliminadas por difusão
“As moléculas do gel clareador penetram na intimidade
do esmalte e da dentina que, por sua vez, “quebram” as
moléculas dos pigmentos causadores de manchas,
liberando-as.”
OXIDAÇÃO
+ Oxigênio
- Hidrogênio
REDUÇÃO
- Oxigênio
+ Hidrogênio
 Peróxido de Carbamida
 Peróxido de Hidrogênio
AGENTES CLAREADORES
Peróxido de Carbamida
TECIDOS / SALIVA
CH4N20-H202
H2O2 + CO(NH2)2
URÉIA
AMÔNIA E CO2
OXIGÊNIO + ÁGUA
Peróxido de Hidrogênio
OXIGÊNIO + ÁGUA
H2O2
Indicações
 Dentes amarelados
 Tetraciclina
 Manchas hipoplásicas
 Fluorose
 Desvitalizados
 Antes de iniciar o tratamento
restaurador
Contra-Indicações
 Pacientes grávidas
 Fumantes
 Hipersensibilidade a algum componente da fórmula
 Restaurações em resina e porcelana em excesso
CLAREAMENTO DE
DENTES VITAIS
CLAREAMENTO DE
DENTES NÃO-VITAIS
APLICAÇÃO
DOMÉSTICA CONSULTÓRIO
CONSULTÓRIO
(Técnicas)
CLAREAMENTO DENTAL
IMEDIATA MEDIATA
HOME BLEACHING
CLAREAMENTO DOMÉSTICO
 Técnica simples, fácil aplicação
 Pouco tempo de atendimento clínico
 Não promove alterações em dentes, periodonto ou
restaurações
 Pode ser usada em vários dentes simultaneamente
 Custo reduzido
Vantagens:
Clareamento de Dentes Vitais
Agentes utilizados no clareamento doméstico
Peróxido de Hidrogênio
Diversas concentrações
(6, 7 e 10%)
Peróxido de Carbamida
Diversas concentrações
(10, 15, 16, 20, 22 %)
Clareamento de Dentes Vitais
Técnica de aplicação
 Aplicar o conjunto moldeira clareador
durante 1 hora a 1 hora e meia
 Realizar o procedimento em dois períodos do dia
 Avaliar a cada 7 dias
 Suspender em caso de sensibilidade moderada ou severa
(Depende do fabricante)
ANTES DEPOIS
Clareamento de Dentes Vitais
OFFICE BLEAGHING
CLAREAMENTO DE CONSULTÓRIO
 Resultados mais acelerados
 Conforto para o paciente
 Melhor monitoramento do profissional
 Ideal para pacientes não colaboradores, com
bruxismo e desordens têmporo-mandibular
 Manchas localizadas
 Marketing para o consultório
VANTAGENS
Clareamento de Dentes Vitais
Agentes utilizados no clareamento de Consultório
Peróxido de Hidrogênio
Concentrações
(20, 35 e 38%)
Peróxido de Carbamida
Concentração
(35 e 37%)
Até 3 sessões de 3 aplicações
de 6 minutos cada
Até 3 sessões de 3 aplicações
de 15 minutos cada
Técnica não
muito utilizada
hoje em dia
Utilizado em
clareamento
clínico há mais
de 75 anos
OFFICE BLEAGHING
Clareamento de Dentes Vitais
Depende
do
Fabricante
Protocolo de Aplicação
1) Profilaxia prévia 2) Verificação da cor inicial
3) Afastamento e
aplicação da
barreira gengival
Clareamento de Dentes Vitais
Pedra pomes
Protocolo de Aplicação
Clareamento de Dentes Vitais
4) Aplicação do Peróxido
 Peróxido de Hidrogênio = 6 minutos por aplicação
 Peróxido de Carbamida = 15 minutos por aplicação
DEPENDE
DO
FABRICANTE
6) Realizar 3 aplicações a cada sessão
7) Ao final de cada sessão lavar
abundantemente
8) Tomada de cor
Protocolo de Aplicação
Clareamento de Dentes Vitais
Aplicação do
Peróxido
LIBERAÇÃO DO
OXIGÊNIO
5) Remover o produto
com sucção e gaze.
(Não lavar )
ANTES
DEPOIS
 Caso o peróxido tenha entrado em contato com os tecidos moles,
aplicar solução neutralizante (Ex.: Bicarbonato de Sódio)
 Suspender a aplicação imediatamente caso o paciente reclame
de sensibilidade durante o tratamento
 Caso o paciente reclame de sensibilidade após o tratamento,
aplicar algum agente dessensibilizante (Ex.: Nitrato de Potássio ).
 Realizar polimento na superfície dental com pasta diamantada e
escova de Robinson macia
 Pode ser realizado até 3 sessões de clareamento, com 3 aplicações cada.
 É necessário um intervalo de pelo menos 7 dias entre as sessões.
 Uma quarta sessão só deve ser considerada caso necessite de pequenos
ajustes.
Protocolo de Aplicação
Clareamento de Dentes Vitais
CUIDADOS:
DEPENDE
DO
FABRICANTE
Luz em Clareamento: A Polêmica
Peróxido de hidrogênio puro não é fotosensível.
Clareamento de Dentes Vitais
pode acelerar a
decomposição
do peróxido
IDEPENDENTE de ser Laser, LED, halógena ou plasma.
Papel da lâmpada fornecimento de calor
INJÚRIA PULPAR
 Marketing para paciente insuperável
 Efetividade pequena ou nula
 Investimento alto
 Possibilidade de sensibilidade
Utilização de LED / Lasers em Clareamento
Luz em Clareamento: A Polêmica
Clareamento de Dentes Vitais
Considerações:
Sensibilidade
 Flúor tópico neutro
 Flor-Opal (Ultradent)
 UltraEZ (Ultradent)
 Flúor Gel (Discus)
 Desensibilize (FGM)
Clareamento de Dentes Vitais
Alternar os dias de aplicação
OU
Suspender o procedimento clareador
Avaliar a qualidade
do tratamento
endodôntico
Retratar se
houver
necessidade
Isolamento
absoluto
SELAMENTO
CERVICAL
SELAMENTO CERVICAL
Clareamento de Dentes Não-Vitais
Realizar acesso à câmara
pulpar e limpar corretamente
Remover o material obturador
entre 2-3mm abaixo da junção
amelocementária
Colocar um cimento-base
prevenindo qualquer infiltração do
clareador em direção ao canal
AGENTES CLAREADORES
Peróxido de Carbamida 37%
Perborato de Sódio 30%
Peróxido de Hidrogênio 35%
TÉCNICAS DE APLICAÇÃO
TÉCNICA
MEDIATA
“WALKING BLEACH”
(Nutting & Peo, 1967; Abboutt, 1997)
TÉCNICA
IMEDIATA
“POWER BLEACHING”
(Benjamim, 2002)
Clareamento de Dentes Não-Vitais
ASSOCIADA
OU
NÃO
 Peróxido de Hidrogênio 35 %
(Idêntica à técnica para dentes vitais)
 Peróxido de Carbamida 37%
 Perborato de Sódio
+ Peróxido de Hidrogênio 20%
 Peróxido de Hidrogênio 35%
Atualmente
pouca
indicada
TÉCNICA IMEDIATA
Clareamento de Dentes Não-Vitais
Verificação da cor inicial
e medir a coroa com uma sonda
Radiografia inicial para avaliação do canal
DESOBSTRUÇÃO DO CANAL DE 2-3MM
SELAMENTO CERVICAL
Gel clareador a base de Peróxido de Hidrogênio a 35%
(Usado para clareamento imediato)
TÉCNICA IMEDIATA
Clareamento de Dentes Não-Vitais
TÉCNICA IMEDIATA
Clareamento de Dentes Não-Vitais
ANTES DEPOIS
TÉCNICA MEDIATA
Clareamento de Dentes Não-Vitais
“WALKING BLEACH”
MEDIÇÃO DO DENTE COM
SONDA PERIODONTAL
RADIOGRAFIA PARA
VERIFICAÇÃO DO CONDUTO
RADICULAR
TÉCNICA MEDIATA
Clareamento de Dentes Não-Vitais
“WALKING BLEACHING”
TÉCNICA MEDIATA
Clareamento de Dentes Não-Vitais
“WALKING BLEACHING”
ANTES DEPOIS
IMPORTANTE!
Sempre se deve esperar aprox. 21dias antes
de se restaurar um dente clareado.
O Peróxido ainda permanece ativo “dentro” do dente
Pode haver mudança de cor
Existe Segurança no Tratamento
Clareador?
“Quando realizado com a supervisão de um
profissional, este procedimento é seguro como
qualquer outro tratamento dental rotineiro”.
Haywood, VB Jada, vol 28 Special supp. April, 1997

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
Camilla Bringel
 
Cirurgia periodontal rafael nobre
Cirurgia periodontal   rafael nobreCirurgia periodontal   rafael nobre
Cirurgia periodontal rafael nobre
Rafael Nobre
 
Instrumentação de canais com protaper manual
Instrumentação de canais com protaper manualInstrumentação de canais com protaper manual
Instrumentação de canais com protaper manual
Ines Jacyntho Inojosa
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia
Lucas Almeida Sá
 

Mais procurados (20)

Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
 
03 diagnóstico das inflamações pulpares e periapicais
03   diagnóstico das inflamações pulpares e periapicais03   diagnóstico das inflamações pulpares e periapicais
03 diagnóstico das inflamações pulpares e periapicais
 
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...
 
Delineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removívelDelineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removível
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Exodontia simples
Exodontia simplesExodontia simples
Exodontia simples
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NFCimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
 
Cirurgia periodontal rafael nobre
Cirurgia periodontal   rafael nobreCirurgia periodontal   rafael nobre
Cirurgia periodontal rafael nobre
 
Obturacão de canais
Obturacão de canaisObturacão de canais
Obturacão de canais
 
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
 
Instrumentação de canais com protaper manual
Instrumentação de canais com protaper manualInstrumentação de canais com protaper manual
Instrumentação de canais com protaper manual
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia local
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia
 

Semelhante a Clareamento Dental Interno

Formulações utilizadadas em clareamento dental
Formulações utilizadadas em clareamento dentalFormulações utilizadadas em clareamento dental
Formulações utilizadadas em clareamento dental
henriquetabosa
 
Simposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantâniaSimposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantânia
Thiago Dant
 
Whiteness Clareamento Dental - Catálogo Português
Whiteness Clareamento Dental - Catálogo PortuguêsWhiteness Clareamento Dental - Catálogo Português
Whiteness Clareamento Dental - Catálogo Português
FGM Produtos Odontológicos
 
Ppr FlexivelapresentaçãO Odontoflex
Ppr FlexivelapresentaçãO OdontoflexPpr FlexivelapresentaçãO Odontoflex
Ppr FlexivelapresentaçãO Odontoflex
apfreirejr
 

Semelhante a Clareamento Dental Interno (20)

Clareamento dentário.pptx
Clareamento dentário.pptxClareamento dentário.pptx
Clareamento dentário.pptx
 
Clareamento dental e efeito na dentina
Clareamento dental e efeito na dentinaClareamento dental e efeito na dentina
Clareamento dental e efeito na dentina
 
Análise do clareamento dental caseiro realizado tcc1
Análise do clareamento dental caseiro realizado   tcc1Análise do clareamento dental caseiro realizado   tcc1
Análise do clareamento dental caseiro realizado tcc1
 
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduoEndodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
 
SEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptxSEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptx
 
Laser de Alta potencia na Odontologia Veterinária: Ralidade ou sonho?
Laser de Alta potencia na Odontologia Veterinária: Ralidade ou sonho?Laser de Alta potencia na Odontologia Veterinária: Ralidade ou sonho?
Laser de Alta potencia na Odontologia Veterinária: Ralidade ou sonho?
 
Formulações utilizadadas em clareamento dental
Formulações utilizadadas em clareamento dentalFormulações utilizadadas em clareamento dental
Formulações utilizadadas em clareamento dental
 
Simposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantâniaSimposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantânia
 
Prevencao carie guia
Prevencao carie   guiaPrevencao carie   guia
Prevencao carie guia
 
Whiteness Clareamento Dental - Catálogo Português
Whiteness Clareamento Dental - Catálogo PortuguêsWhiteness Clareamento Dental - Catálogo Português
Whiteness Clareamento Dental - Catálogo Português
 
Ppr FlexivelapresentaçãO Odontoflex
Ppr FlexivelapresentaçãO OdontoflexPpr FlexivelapresentaçãO Odontoflex
Ppr FlexivelapresentaçãO Odontoflex
 
Saúde bucal
Saúde bucalSaúde bucal
Saúde bucal
 
Clareamento dental natural
Clareamento dental naturalClareamento dental natural
Clareamento dental natural
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
 
Associando o clareamento de consultório com o caseiro
Associando o clareamento de consultório com o caseiroAssociando o clareamento de consultório com o caseiro
Associando o clareamento de consultório com o caseiro
 
Materiais de Prevenção e Agentes Clareadores na Odontologia
Materiais de Prevenção e Agentes Clareadores na OdontologiaMateriais de Prevenção e Agentes Clareadores na Odontologia
Materiais de Prevenção e Agentes Clareadores na Odontologia
 
Nano P. Dessensibilizante e Remineralizante.
Nano P. Dessensibilizante e Remineralizante.Nano P. Dessensibilizante e Remineralizante.
Nano P. Dessensibilizante e Remineralizante.
 
Selantes dentes
Selantes dentesSelantes dentes
Selantes dentes
 
Projeto sheila klara loureiro soares
Projeto  sheila klara loureiro soaresProjeto  sheila klara loureiro soares
Projeto sheila klara loureiro soares
 
Projeto de pesquisa clareamento | Clareamento em Fortaleza |
Projeto de pesquisa clareamento | Clareamento em Fortaleza |Projeto de pesquisa clareamento | Clareamento em Fortaleza |
Projeto de pesquisa clareamento | Clareamento em Fortaleza |
 

Mais de Camilla Bringel (14)

c
cc
c
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
6398.pdf
6398.pdf6398.pdf
6398.pdf
 
3.pdf
3.pdf3.pdf
3.pdf
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
Pinos anatômicos
Pinos anatômicos Pinos anatômicos
Pinos anatômicos
 
Biomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaBiomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontia
 
Biomateriais em Implantodontia
Biomateriais em ImplantodontiaBiomateriais em Implantodontia
Biomateriais em Implantodontia
 
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM'sEtiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
 
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICAPARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
 
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSDENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
 
óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringelóXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 

Clareamento Dental Interno

  • 1. CAMILLA BRINGEL RÊGO DENTES VITALIZADOS E DESVITALIZADOS
  • 2. “Tratamento Clareador muito solicitado para atender aos padrões estéticos”. (Nash, 1999) Clareamento Interno “O Clareamento interno é um método alternativo para restabelecer a cor dos dentes evitando o desgaste necessário da estrutura normal”. Clareamento Dental
  • 3. Manchas Intrísecas  Coloração natural  Escurecimento natural  Medicamentos (tetraciclina) e fluoretos  Traumatismos  Necrose pulpar  Contaminação da câmara durante tratamento  Iatrogenias  Material obturador e restaurador
  • 4. Manchas Extrínsecas ► Predisposição do paciente ► Adquirida do meio bucal ► Após a erupção ► Precipitação de corante no biofilme dental ► Exemplos: Café, Chá Preto, Vinho Tinto, Chimarrão, Shoyu, Cigarro, Charuto
  • 6.
  • 7. Os agentes clareadores são veículos de radicais de Oxigênio Mecanismo de Ação grande instabilidade quando em contato com os tecidos dentais promovem ora oxidação, ora redução do pigmento associado a ele macromoléculas, acabam sendo fracionados em cadeias menores, até serem eliminadas por difusão “As moléculas do gel clareador penetram na intimidade do esmalte e da dentina que, por sua vez, “quebram” as moléculas dos pigmentos causadores de manchas, liberando-as.” OXIDAÇÃO + Oxigênio - Hidrogênio REDUÇÃO - Oxigênio + Hidrogênio
  • 8.  Peróxido de Carbamida  Peróxido de Hidrogênio AGENTES CLAREADORES
  • 9. Peróxido de Carbamida TECIDOS / SALIVA CH4N20-H202 H2O2 + CO(NH2)2 URÉIA AMÔNIA E CO2 OXIGÊNIO + ÁGUA
  • 11. Indicações  Dentes amarelados  Tetraciclina  Manchas hipoplásicas  Fluorose  Desvitalizados  Antes de iniciar o tratamento restaurador
  • 12. Contra-Indicações  Pacientes grávidas  Fumantes  Hipersensibilidade a algum componente da fórmula  Restaurações em resina e porcelana em excesso
  • 13. CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS CLAREAMENTO DE DENTES NÃO-VITAIS APLICAÇÃO DOMÉSTICA CONSULTÓRIO CONSULTÓRIO (Técnicas) CLAREAMENTO DENTAL IMEDIATA MEDIATA
  • 14.
  • 15. HOME BLEACHING CLAREAMENTO DOMÉSTICO  Técnica simples, fácil aplicação  Pouco tempo de atendimento clínico  Não promove alterações em dentes, periodonto ou restaurações  Pode ser usada em vários dentes simultaneamente  Custo reduzido Vantagens: Clareamento de Dentes Vitais
  • 16. Agentes utilizados no clareamento doméstico Peróxido de Hidrogênio Diversas concentrações (6, 7 e 10%) Peróxido de Carbamida Diversas concentrações (10, 15, 16, 20, 22 %) Clareamento de Dentes Vitais
  • 17. Técnica de aplicação  Aplicar o conjunto moldeira clareador durante 1 hora a 1 hora e meia  Realizar o procedimento em dois períodos do dia  Avaliar a cada 7 dias  Suspender em caso de sensibilidade moderada ou severa (Depende do fabricante) ANTES DEPOIS Clareamento de Dentes Vitais
  • 18. OFFICE BLEAGHING CLAREAMENTO DE CONSULTÓRIO  Resultados mais acelerados  Conforto para o paciente  Melhor monitoramento do profissional  Ideal para pacientes não colaboradores, com bruxismo e desordens têmporo-mandibular  Manchas localizadas  Marketing para o consultório VANTAGENS Clareamento de Dentes Vitais
  • 19. Agentes utilizados no clareamento de Consultório Peróxido de Hidrogênio Concentrações (20, 35 e 38%) Peróxido de Carbamida Concentração (35 e 37%) Até 3 sessões de 3 aplicações de 6 minutos cada Até 3 sessões de 3 aplicações de 15 minutos cada Técnica não muito utilizada hoje em dia Utilizado em clareamento clínico há mais de 75 anos OFFICE BLEAGHING Clareamento de Dentes Vitais Depende do Fabricante
  • 20. Protocolo de Aplicação 1) Profilaxia prévia 2) Verificação da cor inicial 3) Afastamento e aplicação da barreira gengival Clareamento de Dentes Vitais Pedra pomes
  • 21. Protocolo de Aplicação Clareamento de Dentes Vitais 4) Aplicação do Peróxido  Peróxido de Hidrogênio = 6 minutos por aplicação  Peróxido de Carbamida = 15 minutos por aplicação DEPENDE DO FABRICANTE
  • 22. 6) Realizar 3 aplicações a cada sessão 7) Ao final de cada sessão lavar abundantemente 8) Tomada de cor Protocolo de Aplicação Clareamento de Dentes Vitais Aplicação do Peróxido LIBERAÇÃO DO OXIGÊNIO 5) Remover o produto com sucção e gaze. (Não lavar ) ANTES DEPOIS
  • 23.  Caso o peróxido tenha entrado em contato com os tecidos moles, aplicar solução neutralizante (Ex.: Bicarbonato de Sódio)  Suspender a aplicação imediatamente caso o paciente reclame de sensibilidade durante o tratamento  Caso o paciente reclame de sensibilidade após o tratamento, aplicar algum agente dessensibilizante (Ex.: Nitrato de Potássio ).  Realizar polimento na superfície dental com pasta diamantada e escova de Robinson macia  Pode ser realizado até 3 sessões de clareamento, com 3 aplicações cada.  É necessário um intervalo de pelo menos 7 dias entre as sessões.  Uma quarta sessão só deve ser considerada caso necessite de pequenos ajustes. Protocolo de Aplicação Clareamento de Dentes Vitais CUIDADOS: DEPENDE DO FABRICANTE
  • 24. Luz em Clareamento: A Polêmica Peróxido de hidrogênio puro não é fotosensível. Clareamento de Dentes Vitais pode acelerar a decomposição do peróxido IDEPENDENTE de ser Laser, LED, halógena ou plasma. Papel da lâmpada fornecimento de calor INJÚRIA PULPAR
  • 25.  Marketing para paciente insuperável  Efetividade pequena ou nula  Investimento alto  Possibilidade de sensibilidade Utilização de LED / Lasers em Clareamento Luz em Clareamento: A Polêmica Clareamento de Dentes Vitais Considerações:
  • 26. Sensibilidade  Flúor tópico neutro  Flor-Opal (Ultradent)  UltraEZ (Ultradent)  Flúor Gel (Discus)  Desensibilize (FGM) Clareamento de Dentes Vitais Alternar os dias de aplicação OU Suspender o procedimento clareador
  • 27. Avaliar a qualidade do tratamento endodôntico Retratar se houver necessidade Isolamento absoluto SELAMENTO CERVICAL
  • 28. SELAMENTO CERVICAL Clareamento de Dentes Não-Vitais Realizar acesso à câmara pulpar e limpar corretamente Remover o material obturador entre 2-3mm abaixo da junção amelocementária Colocar um cimento-base prevenindo qualquer infiltração do clareador em direção ao canal
  • 29. AGENTES CLAREADORES Peróxido de Carbamida 37% Perborato de Sódio 30% Peróxido de Hidrogênio 35%
  • 30. TÉCNICAS DE APLICAÇÃO TÉCNICA MEDIATA “WALKING BLEACH” (Nutting & Peo, 1967; Abboutt, 1997) TÉCNICA IMEDIATA “POWER BLEACHING” (Benjamim, 2002) Clareamento de Dentes Não-Vitais ASSOCIADA OU NÃO  Peróxido de Hidrogênio 35 % (Idêntica à técnica para dentes vitais)  Peróxido de Carbamida 37%  Perborato de Sódio + Peróxido de Hidrogênio 20%  Peróxido de Hidrogênio 35% Atualmente pouca indicada
  • 31. TÉCNICA IMEDIATA Clareamento de Dentes Não-Vitais Verificação da cor inicial e medir a coroa com uma sonda Radiografia inicial para avaliação do canal DESOBSTRUÇÃO DO CANAL DE 2-3MM SELAMENTO CERVICAL
  • 32. Gel clareador a base de Peróxido de Hidrogênio a 35% (Usado para clareamento imediato) TÉCNICA IMEDIATA Clareamento de Dentes Não-Vitais
  • 33. TÉCNICA IMEDIATA Clareamento de Dentes Não-Vitais ANTES DEPOIS
  • 34. TÉCNICA MEDIATA Clareamento de Dentes Não-Vitais “WALKING BLEACH” MEDIÇÃO DO DENTE COM SONDA PERIODONTAL RADIOGRAFIA PARA VERIFICAÇÃO DO CONDUTO RADICULAR
  • 35. TÉCNICA MEDIATA Clareamento de Dentes Não-Vitais “WALKING BLEACHING”
  • 36. TÉCNICA MEDIATA Clareamento de Dentes Não-Vitais “WALKING BLEACHING” ANTES DEPOIS
  • 37. IMPORTANTE! Sempre se deve esperar aprox. 21dias antes de se restaurar um dente clareado. O Peróxido ainda permanece ativo “dentro” do dente Pode haver mudança de cor
  • 38. Existe Segurança no Tratamento Clareador? “Quando realizado com a supervisão de um profissional, este procedimento é seguro como qualquer outro tratamento dental rotineiro”. Haywood, VB Jada, vol 28 Special supp. April, 1997