SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
DENTÍSTICA II 
INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO 
o O sistema estomatognático funciona como um conjunto de estruturas, a perda de função de uma delas causa danos às demais, levando a um “desarranjo” do sistema. 
o Diagnóstico → Plano de tratamento: 
Anamnese 
Exame físico 
Exame clínico 
Exames complementares 
o Plano de tratamento: 
A doença e as alterações manifestam-se de maneira particular em cada indivíduo. 
O diagnóstico é complexo e individualizado. 
O tratamento deve objetivar a saúde e equilíbrio do sistema estomatognático, atuando nos níveis: Preventivo, interceptador e restaurador. 
o Diagnóstico periodontal: 
Tecido periodontal: 
 Periodonto de proteção → Gengiva marginal e inserida 
 Periodonto de sustentação → Osso alveolar e ligamento periodontal 
o Interrelação: Periodontia X Dentística: 
Localização das margens cervicais das restaurações (0,5cm aquém da margem). 
Contornos axiais de coroas. 
Manutenção do ponto de contato (Evitar que o processo mastigatório leve injúrias ao tecido não-queratinizado, entre os dentes, e inicie uma inflamação). 
Acabamento e polimento (Causa proteção e evita que o material seja oxidado; Dificulta proliferação de placa bacteriana). 
Resposta dos tecidos periodontais como resultado dos preparos realizados. 
o Princípios biológicos e Localização da margem cervical: 
Margem supra-gengival (LOCALIZAÇÃO IDEAL): Facilita a execução do preparo, acabamento, polimento e adaptação; Facilidade de higienização na interface dente-restauração. 
Margem subgengival: Dificulta a visualização na adaptação, acabamento do preparo e restauração; Dificulta a higienização na interface dente-restauração pelo 
paciente. 
o Distâncias biológicas: “É uma entidade anatômica que representa união entre tecidos gengivais e as superfícies dentais, ou seja, é a união dento-gengival.” 
o “Procedimentos que invadam as distâncias biológicas causarão mudanças no periodonto como sangramento e inflamação constante, recessões gengivais além de perdas de inserção e do nível ósseo.” 
o Consequências da invasão do espaço biológico: 
Inflamação gengival persistente: Aumento da papila e edema localizado
DENTÍSTICA II 
INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO 
Dor sob a forma de sensibilidade gengival 
Recessão gengival 
Formação de bolsa, reabsorção óssea/mobilidade 
o Agentes irritantes associados às restaurações: 
Presença de biofilme microbiano 
União dente/restauração incorreta 
Produtos tóxicos liberados pelo material restaurador (Monômeros, metais, etc) 
Traumas oclusais (Excessos de material) 
o Agentes irritantes associados ao tecido periodontal: 
Excesso de restaurações 
Margens subgengivais 
Perda de espaço 
Invasão do espaço biológico 
Traumas de oclusão 
o Previamente aos procedimentos restauradores: 
Remoção dos irritantes locais 
Instrução sobre higiene oral 
Ajuste oclusal 
Procedimentos cirúrgicos 
Pequenos movimentos ortodônticos 
o Alternativas: 
Cirúrgicas: Gengivectomia; Cunha proximal e distal; Cirurgias a retalho com ou sem osteotomia. 
Ortodônticas: Extrusão ortodôntica induzida por expor as bordas da raiz para uma posição mais favorável. 
Aumento de Coroa Clínica: Restabelecer o espaço biológico; Permitir o isolamento do campo operatório; Realizado em áreas não-estéticas. 
Fraturas de esmalte e dentina: Conduta clínica para uma colagem de fragmento – Analisar se o dente está bem condicionado, hidratado e limpo, as condições clínicas do remanescente, o tempo é fator principal e importante para proliferação de bactérias causando injúrias pulpares e edemasiamento do periodonto. Quando a fratura invade o espaço biológico, faz tracionamento ortodôntico ou aumento de coroa clínica, dependendo do elemento dentário, devido à estética. 
Cunha distal: Remoção do tecido com a preservação de quantidade suficiente de mucosa ceratinizada no último elemento do arco 
Extrusão dentária: 
 Extrusão imediata: Em um único momento, com auxílio do fórceps e faz um pequeno avulsionamento. 
 Extrusão mediata: Lenta e rápida; Esse tratamento é ortodôntico. 
 Recuperação do espaço biológico: “Violação do espaço dento-gengival por meio de cárie, fratura, reabsorções radiculares, perfurações radiculares iatrogências” – Eliminação de bolsas periodontais; Recobrimento radicular de recessões em dentes portadores de prótese; Correção de mordidas
DENTÍSTICA II 
INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO 
abertas; Aumento da espessura do septo ósseo interproximal de raízes muito próximas. 
o Contornos axiais – Há as papilas gengivais, vestibular e lingual, ligadas entre si por um tecido não-queratinizado chamado “col”. O que protege esse “col” é o ponto de contato entre os dentes; Assim, em restaurações indiretas deve estar atento para o contorno axial, pois ou vai estar sem contato ou com contato excessivo (Em condições anormais), devendo ficar atento quanto a isso: 
Contorno IDEAL: Deve-se tentar devolver a forma do elemento dentário dentro dos conhecimentos da anatomia. Assim, haverá um correto controle da placa e proteção dos tecidos gengivais. 
Subcontorno: A falta de reconstrução da convexidade do terço cervical; É menos prejudicial do que o sobrecontorno; Os sulcos gengivo-marginais expostos ao traumatismo alimentar pode causar gengivite marginal. 
Sobrecontorno: A constrição excessiva da curvatura do dente; “Demasiada” proteção ao tecido gengival o que impedirá o estímulo dos alimentos e a ação de auto-limpeza normais; O tecido começa a ficar fino e a inflamar associado ao acúmulo de placa; Procedimentos de higiene oral são incapazes de controlar a placa com consequente instalação de gengivite; Assim favorece o acúmulo de placa gerando a inflamação, necessitando de um acabamento e polimento deixando as superfícies mais lisas. 
o Manutenção do ponto de contato (Retirar a cunha de madeira em uma restauração de amálgama pela vestibular ou lingual, já a resina composta está polimerizada, então não tem que obedecer a uma direção certa): 
As faces proximais dos dentes devem sempre conservar o seu contorno natural para se relacionarem através das áreas de contato, a fim de manter o espaço necessário para o alojamento da papila interdental. 
A função da cunha de madeira, e vantagem, é compensar a espessura da matriz. 
Essas superfícies proximais são planas e convexas, onde a papila preenche a base das ameias e o espaço interdentário. 
A falta do ponto de contato leva a um trauma alimentar direto, e já o excesso, causa retenção. 
Em dentes anteriores, os pontos de contato são localizados no terço incisal das faces proximais. 
Em dentes posteriores, os pontos de contato são localizados no 1/3 oclusal das paredes proximais (Mesial e distal) e metade vestibular do dente, no sentido vestíbulo-lingual, abaixo do vértice das cristas marginais, como forma de proteger a papila da impactação do alimento; Isso implica numa direção da cunha de madeira que deve ser línguo-vestibular. 
Importância do uso do sistema matriz-cunhas e matrizes bem adaptadas. 
Matrizes universais: Pré-fabricadas ou sistema porta-matriz. 
Cunha de madeira: Devolve anatomia do contato.
DENTÍSTICA II 
INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO 
o Contatos oclusais: 
Forças oclusais: 
Ligamento periodontal: Forças ao longo eixo do dente; Intensidade normal (Situação de trauma de oclusão) 
Osso periodontal: Nenhum dano aos tecidos de suporte (Tecidos de suporte dos dentes sofrem danos reversíveis ou não) 
o Trauma de oclusão: 
Contato prematuro e ajuste até ser obtido estabilidade (Ponta de cúspide ocluindo na fossa do antagonista). 
Checar contatos oclusais com papel carbono. 
Gera a abfração. 
DIMENSÃO 
SENSIBILIDADE 
TRATAMENTO 
Lesão de profundidade inferior a 1mm 
Sim 
Remoção do fator etiológico, dessensibilização e proservação. 
Lesão de profundidade inferior a 1mm 
Não 
Remoção do fator etiológico e proservação. 
Lesão de profundidade superior a 1mm 
Sim 
Remoção do fator etiológico, dessensibilização, restauração e proservação. 
Lesão de profundidade superior a 1mm 
Não 
Remoção do fator etiológico, restauração e proservação. 
o Checa-se a oclusão após restaurações, procurando que ela seja mutualmente protegida: 
Em RC e MIH buscando pela ORC (Posição em que o côndilo coincide com a máxima intercuspidação), porém isso é quase impossível. 
Movimentos de lateralidade, verificando os lados de balanceio e trabalho em protrusão com a guia incisal, desocluindo os anteriores. 
Caso se verifique algum contato prematuro ou interferência, deve-se fazer o ajuste imediato (Feito com pontas velhas para que não tenha muito desgaste, e também com discos abrasivos, sendo como primeira escolha este último) 
o Contato clinicamente aceitável: 
Que ele seja puntiforme 
Próximo ao centro do elemento dentário 
Mesma intensidade de cor dos dentes vizinhos 
Não deve ser percebido pelo paciente (Esse é o critério que devemos usar, pós- restauração para fazer o ajuste oclusal). 
Marcar com carbono todo o hemiarco de anterior para posterior (Contatos em todos os elementos dentários) 
O ponto de contato deve ser estável, ou seja, não deve defletir a mandíbula ou dificultar os movimentos (Às vezes, para o paciente está aparentemente
DENTÍSTICA II 
INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO 
confortável após uma restauração, porém pode ter sido feito um novo contato e ele ser prematuro, e estar defletindo no movimento da mandíbula e achando uma nova posição, por isso é importante a checagem do carbono) 
Ter maior número e maior distribuição possível desse contato ao longo do arco dentário. 
o Ajuste oclusal: 
Pode ser realizado por acréscimo ou desgaste (É muito mais interessante fazer acréscimo do que desgaste, pois se desgastou tem como repor lentamente para repor o ajuste e se desgastar além do que deve, pode causar mais problemas). 
Com pontas diamantadas velhas, douradas ou multilaminadas em baixa rotação. 
o Princípios de ajuste oclusal em dentística: 
Dar aos contatos das restaurações as “características clínicas aceitáveis”, ditas acima. 
Por causa de colapso de oclusão ou grandes desgastes nos dentes anteriores, no caso do “bruxismo”, o paciente fica em contato quando ele protrui, os dentes anteriores se tocam e desocluem os posteriores, porém no caso do bruxismo, o paciente perde todas as guias incisais anteriores, aí quando protrui, continua se tocando os posteriores e nesse momento, tem que ter muito cuidado na checagem dos movimentos. 
o Acabamento e polimento: 
Visa dificultar a formação do biofilme. 
A superfície das restaurações deve ser o mais lisa possível para limitar o acúmulo de placa. 
Todos os materiais colocados no meio gengival devem ter a mais alta capacidade de polimento (O mais polido que seja ainda apresenta rugosidade mínima e favorece um pequeno acúmulo de placa) 
Escolha dos materiais: 
 Acabamento: Pontas ou brocas multilaminadas 
 Polimento mais simples: Água com pedra pomes fazendo uma pasta grossa e passa com uma taça de borracha e depois, pó de óxido de zinco com álcool. 
 Polimento mais sofisticado: Sequência das taças – Marrom, verde e azul. 
 Superfícies ásperas na região subgengival causam aumento do acúmulo do biofilme e inflamação gengival.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conectores maiores
Conectores               maioresConectores               maiores
Conectores maioresRhuan
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Guilherme Terra
 
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragiasTratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragiasAdriana Mércia
 
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.Cristhiane Amaral
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILACamilla Bringel
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoGracieleSonobe1
 
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...André Milioli Martins
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas Ines Jacyntho Inojosa
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparprofguilhermeterra
 
Prótese fixa inter relação com periodontia 2011
Prótese  fixa inter relação com periodontia 2011Prótese  fixa inter relação com periodontia 2011
Prótese fixa inter relação com periodontia 2011Tiago Martins
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisprofguilhermeterra
 
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...Ines Jacyntho Inojosa
 

Mais procurados (20)

Conectores maiores
Conectores               maioresConectores               maiores
Conectores maiores
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragiasTratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
 
Cimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidroCimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidro
 
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
Exodontia simples
Exodontia simplesExodontia simples
Exodontia simples
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível Odontológico
 
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Prótese fixa inter relação com periodontia 2011
Prótese  fixa inter relação com periodontia 2011Prótese  fixa inter relação com periodontia 2011
Prótese fixa inter relação com periodontia 2011
 
APOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA IIAPOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA II
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
 
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...
 

Destaque

ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)Rayssa Mendonça
 
Tratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molaresTratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molaresRayssa Mendonça
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 
Ortodontia e periodontia
Ortodontia e periodontiaOrtodontia e periodontia
Ortodontia e periodontiaAdriana Mércia
 
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusalCapitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusalRayssa Mendonça
 
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL IIAV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL IIRayssa Mendonça
 
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatriaAV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatriaRayssa Mendonça
 
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)Rayssa Mendonça
 
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e OclusãoCapítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e OclusãoRayssa Mendonça
 
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusaoCapítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusaoRayssa Mendonça
 
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOSAV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOSRayssa Mendonça
 
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSOESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSORayssa Mendonça
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Rayssa Mendonça
 
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIAAV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 

Destaque (20)

ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
 
Trauma dental
Trauma dentalTrauma dental
Trauma dental
 
Tratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molaresTratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molares
 
Clareamento dental
Clareamento dentalClareamento dental
Clareamento dental
 
Retratamento endodôntico
Retratamento endodônticoRetratamento endodôntico
Retratamento endodôntico
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Urgências endodônticas
Urgências endodônticasUrgências endodônticas
Urgências endodônticas
 
Lesões endo perio
Lesões endo perioLesões endo perio
Lesões endo perio
 
Ortodontia e periodontia
Ortodontia e periodontiaOrtodontia e periodontia
Ortodontia e periodontia
 
Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi
 
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusalCapitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
 
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL IIAV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
 
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatriaAV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
 
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
 
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e OclusãoCapítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
 
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusaoCapítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
 
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOSAV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
 
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSOESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
 
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIAAV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
 

Semelhante a Dentística e Periodontia - Interrelação e Ajuste Oclusal

Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoTrabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoBruno Sequeira
 
Apostila Prótese Fixa
Apostila Prótese FixaApostila Prótese Fixa
Apostila Prótese FixaGamesrip
 
5 traumatismo dentário
5   traumatismo dentário5   traumatismo dentário
5 traumatismo dentárioRenato Paiva
 
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoAnatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoholetzlourenco
 
Apostila de Oclusão 2020.pdf
Apostila de Oclusão 2020.pdfApostila de Oclusão 2020.pdf
Apostila de Oclusão 2020.pdfWesley261896
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodontoandressaElopes
 
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptxAula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptxileansouza113
 
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamenteAbordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamenteDidaticaMPCO
 
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSDENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSCamilla Bringel
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Guilherme Terra
 
Carol Pegoraro - SL Mandic
Carol Pegoraro - SL MandicCarol Pegoraro - SL Mandic
Carol Pegoraro - SL MandicRodrigo Pacheco
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasAna Araujo
 
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptxTEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptxMuniza Alfredo
 
Princípios gerais de preparos cavitários
Princípios gerais de preparos cavitáriosPrincípios gerais de preparos cavitários
Princípios gerais de preparos cavitáriosAlexandre Paim
 
Hipersensibilidade dentinaria pdf (1)
Hipersensibilidade dentinaria   pdf (1)Hipersensibilidade dentinaria   pdf (1)
Hipersensibilidade dentinaria pdf (1)Sergio Sun
 
[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3Edson Zacqueu
 
Dentistica conceitos básicos
Dentistica conceitos básicosDentistica conceitos básicos
Dentistica conceitos básicosIsadoraThomazi
 

Semelhante a Dentística e Periodontia - Interrelação e Ajuste Oclusal (20)

Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoTrabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
 
Apostila Prótese Fixa
Apostila Prótese FixaApostila Prótese Fixa
Apostila Prótese Fixa
 
5 traumatismo dentário
5   traumatismo dentário5   traumatismo dentário
5 traumatismo dentário
 
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoAnatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
 
Apostila de Oclusão 2020.pdf
Apostila de Oclusão 2020.pdfApostila de Oclusão 2020.pdf
Apostila de Oclusão 2020.pdf
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodonto
 
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptxAula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
 
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamenteAbordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
 
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSDENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Carol Pegoraro - SL Mandic
Carol Pegoraro - SL MandicCarol Pegoraro - SL Mandic
Carol Pegoraro - SL Mandic
 
Importancia do preparo apical
Importancia do preparo apicalImportancia do preparo apical
Importancia do preparo apical
 
Histologia Oral
Histologia Oral Histologia Oral
Histologia Oral
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicas
 
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptxTEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
 
Princípios gerais de preparos cavitários
Princípios gerais de preparos cavitáriosPrincípios gerais de preparos cavitários
Princípios gerais de preparos cavitários
 
Hipersensibilidade dentinaria pdf (1)
Hipersensibilidade dentinaria   pdf (1)Hipersensibilidade dentinaria   pdf (1)
Hipersensibilidade dentinaria pdf (1)
 
[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3
 
Dentistica conceitos básicos
Dentistica conceitos básicosDentistica conceitos básicos
Dentistica conceitos básicos
 
Oclusão.pptx
Oclusão.pptxOclusão.pptx
Oclusão.pptx
 

Dentística e Periodontia - Interrelação e Ajuste Oclusal

  • 1. DENTÍSTICA II INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO o O sistema estomatognático funciona como um conjunto de estruturas, a perda de função de uma delas causa danos às demais, levando a um “desarranjo” do sistema. o Diagnóstico → Plano de tratamento: Anamnese Exame físico Exame clínico Exames complementares o Plano de tratamento: A doença e as alterações manifestam-se de maneira particular em cada indivíduo. O diagnóstico é complexo e individualizado. O tratamento deve objetivar a saúde e equilíbrio do sistema estomatognático, atuando nos níveis: Preventivo, interceptador e restaurador. o Diagnóstico periodontal: Tecido periodontal:  Periodonto de proteção → Gengiva marginal e inserida  Periodonto de sustentação → Osso alveolar e ligamento periodontal o Interrelação: Periodontia X Dentística: Localização das margens cervicais das restaurações (0,5cm aquém da margem). Contornos axiais de coroas. Manutenção do ponto de contato (Evitar que o processo mastigatório leve injúrias ao tecido não-queratinizado, entre os dentes, e inicie uma inflamação). Acabamento e polimento (Causa proteção e evita que o material seja oxidado; Dificulta proliferação de placa bacteriana). Resposta dos tecidos periodontais como resultado dos preparos realizados. o Princípios biológicos e Localização da margem cervical: Margem supra-gengival (LOCALIZAÇÃO IDEAL): Facilita a execução do preparo, acabamento, polimento e adaptação; Facilidade de higienização na interface dente-restauração. Margem subgengival: Dificulta a visualização na adaptação, acabamento do preparo e restauração; Dificulta a higienização na interface dente-restauração pelo paciente. o Distâncias biológicas: “É uma entidade anatômica que representa união entre tecidos gengivais e as superfícies dentais, ou seja, é a união dento-gengival.” o “Procedimentos que invadam as distâncias biológicas causarão mudanças no periodonto como sangramento e inflamação constante, recessões gengivais além de perdas de inserção e do nível ósseo.” o Consequências da invasão do espaço biológico: Inflamação gengival persistente: Aumento da papila e edema localizado
  • 2. DENTÍSTICA II INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO Dor sob a forma de sensibilidade gengival Recessão gengival Formação de bolsa, reabsorção óssea/mobilidade o Agentes irritantes associados às restaurações: Presença de biofilme microbiano União dente/restauração incorreta Produtos tóxicos liberados pelo material restaurador (Monômeros, metais, etc) Traumas oclusais (Excessos de material) o Agentes irritantes associados ao tecido periodontal: Excesso de restaurações Margens subgengivais Perda de espaço Invasão do espaço biológico Traumas de oclusão o Previamente aos procedimentos restauradores: Remoção dos irritantes locais Instrução sobre higiene oral Ajuste oclusal Procedimentos cirúrgicos Pequenos movimentos ortodônticos o Alternativas: Cirúrgicas: Gengivectomia; Cunha proximal e distal; Cirurgias a retalho com ou sem osteotomia. Ortodônticas: Extrusão ortodôntica induzida por expor as bordas da raiz para uma posição mais favorável. Aumento de Coroa Clínica: Restabelecer o espaço biológico; Permitir o isolamento do campo operatório; Realizado em áreas não-estéticas. Fraturas de esmalte e dentina: Conduta clínica para uma colagem de fragmento – Analisar se o dente está bem condicionado, hidratado e limpo, as condições clínicas do remanescente, o tempo é fator principal e importante para proliferação de bactérias causando injúrias pulpares e edemasiamento do periodonto. Quando a fratura invade o espaço biológico, faz tracionamento ortodôntico ou aumento de coroa clínica, dependendo do elemento dentário, devido à estética. Cunha distal: Remoção do tecido com a preservação de quantidade suficiente de mucosa ceratinizada no último elemento do arco Extrusão dentária:  Extrusão imediata: Em um único momento, com auxílio do fórceps e faz um pequeno avulsionamento.  Extrusão mediata: Lenta e rápida; Esse tratamento é ortodôntico.  Recuperação do espaço biológico: “Violação do espaço dento-gengival por meio de cárie, fratura, reabsorções radiculares, perfurações radiculares iatrogências” – Eliminação de bolsas periodontais; Recobrimento radicular de recessões em dentes portadores de prótese; Correção de mordidas
  • 3. DENTÍSTICA II INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO abertas; Aumento da espessura do septo ósseo interproximal de raízes muito próximas. o Contornos axiais – Há as papilas gengivais, vestibular e lingual, ligadas entre si por um tecido não-queratinizado chamado “col”. O que protege esse “col” é o ponto de contato entre os dentes; Assim, em restaurações indiretas deve estar atento para o contorno axial, pois ou vai estar sem contato ou com contato excessivo (Em condições anormais), devendo ficar atento quanto a isso: Contorno IDEAL: Deve-se tentar devolver a forma do elemento dentário dentro dos conhecimentos da anatomia. Assim, haverá um correto controle da placa e proteção dos tecidos gengivais. Subcontorno: A falta de reconstrução da convexidade do terço cervical; É menos prejudicial do que o sobrecontorno; Os sulcos gengivo-marginais expostos ao traumatismo alimentar pode causar gengivite marginal. Sobrecontorno: A constrição excessiva da curvatura do dente; “Demasiada” proteção ao tecido gengival o que impedirá o estímulo dos alimentos e a ação de auto-limpeza normais; O tecido começa a ficar fino e a inflamar associado ao acúmulo de placa; Procedimentos de higiene oral são incapazes de controlar a placa com consequente instalação de gengivite; Assim favorece o acúmulo de placa gerando a inflamação, necessitando de um acabamento e polimento deixando as superfícies mais lisas. o Manutenção do ponto de contato (Retirar a cunha de madeira em uma restauração de amálgama pela vestibular ou lingual, já a resina composta está polimerizada, então não tem que obedecer a uma direção certa): As faces proximais dos dentes devem sempre conservar o seu contorno natural para se relacionarem através das áreas de contato, a fim de manter o espaço necessário para o alojamento da papila interdental. A função da cunha de madeira, e vantagem, é compensar a espessura da matriz. Essas superfícies proximais são planas e convexas, onde a papila preenche a base das ameias e o espaço interdentário. A falta do ponto de contato leva a um trauma alimentar direto, e já o excesso, causa retenção. Em dentes anteriores, os pontos de contato são localizados no terço incisal das faces proximais. Em dentes posteriores, os pontos de contato são localizados no 1/3 oclusal das paredes proximais (Mesial e distal) e metade vestibular do dente, no sentido vestíbulo-lingual, abaixo do vértice das cristas marginais, como forma de proteger a papila da impactação do alimento; Isso implica numa direção da cunha de madeira que deve ser línguo-vestibular. Importância do uso do sistema matriz-cunhas e matrizes bem adaptadas. Matrizes universais: Pré-fabricadas ou sistema porta-matriz. Cunha de madeira: Devolve anatomia do contato.
  • 4. DENTÍSTICA II INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO o Contatos oclusais: Forças oclusais: Ligamento periodontal: Forças ao longo eixo do dente; Intensidade normal (Situação de trauma de oclusão) Osso periodontal: Nenhum dano aos tecidos de suporte (Tecidos de suporte dos dentes sofrem danos reversíveis ou não) o Trauma de oclusão: Contato prematuro e ajuste até ser obtido estabilidade (Ponta de cúspide ocluindo na fossa do antagonista). Checar contatos oclusais com papel carbono. Gera a abfração. DIMENSÃO SENSIBILIDADE TRATAMENTO Lesão de profundidade inferior a 1mm Sim Remoção do fator etiológico, dessensibilização e proservação. Lesão de profundidade inferior a 1mm Não Remoção do fator etiológico e proservação. Lesão de profundidade superior a 1mm Sim Remoção do fator etiológico, dessensibilização, restauração e proservação. Lesão de profundidade superior a 1mm Não Remoção do fator etiológico, restauração e proservação. o Checa-se a oclusão após restaurações, procurando que ela seja mutualmente protegida: Em RC e MIH buscando pela ORC (Posição em que o côndilo coincide com a máxima intercuspidação), porém isso é quase impossível. Movimentos de lateralidade, verificando os lados de balanceio e trabalho em protrusão com a guia incisal, desocluindo os anteriores. Caso se verifique algum contato prematuro ou interferência, deve-se fazer o ajuste imediato (Feito com pontas velhas para que não tenha muito desgaste, e também com discos abrasivos, sendo como primeira escolha este último) o Contato clinicamente aceitável: Que ele seja puntiforme Próximo ao centro do elemento dentário Mesma intensidade de cor dos dentes vizinhos Não deve ser percebido pelo paciente (Esse é o critério que devemos usar, pós- restauração para fazer o ajuste oclusal). Marcar com carbono todo o hemiarco de anterior para posterior (Contatos em todos os elementos dentários) O ponto de contato deve ser estável, ou seja, não deve defletir a mandíbula ou dificultar os movimentos (Às vezes, para o paciente está aparentemente
  • 5. DENTÍSTICA II INTERRELAÇÃO DENTÍSTICA-PERIODONTIA-OCLUSÃO confortável após uma restauração, porém pode ter sido feito um novo contato e ele ser prematuro, e estar defletindo no movimento da mandíbula e achando uma nova posição, por isso é importante a checagem do carbono) Ter maior número e maior distribuição possível desse contato ao longo do arco dentário. o Ajuste oclusal: Pode ser realizado por acréscimo ou desgaste (É muito mais interessante fazer acréscimo do que desgaste, pois se desgastou tem como repor lentamente para repor o ajuste e se desgastar além do que deve, pode causar mais problemas). Com pontas diamantadas velhas, douradas ou multilaminadas em baixa rotação. o Princípios de ajuste oclusal em dentística: Dar aos contatos das restaurações as “características clínicas aceitáveis”, ditas acima. Por causa de colapso de oclusão ou grandes desgastes nos dentes anteriores, no caso do “bruxismo”, o paciente fica em contato quando ele protrui, os dentes anteriores se tocam e desocluem os posteriores, porém no caso do bruxismo, o paciente perde todas as guias incisais anteriores, aí quando protrui, continua se tocando os posteriores e nesse momento, tem que ter muito cuidado na checagem dos movimentos. o Acabamento e polimento: Visa dificultar a formação do biofilme. A superfície das restaurações deve ser o mais lisa possível para limitar o acúmulo de placa. Todos os materiais colocados no meio gengival devem ter a mais alta capacidade de polimento (O mais polido que seja ainda apresenta rugosidade mínima e favorece um pequeno acúmulo de placa) Escolha dos materiais:  Acabamento: Pontas ou brocas multilaminadas  Polimento mais simples: Água com pedra pomes fazendo uma pasta grossa e passa com uma taça de borracha e depois, pó de óxido de zinco com álcool.  Polimento mais sofisticado: Sequência das taças – Marrom, verde e azul.  Superfícies ásperas na região subgengival causam aumento do acúmulo do biofilme e inflamação gengival.