SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Demais slides DEJETOS DA PECUÁRIA LEITEIRA, REUSO DA ÁGUA E FERTIRRIGAÇÃO PROCESSO DE TRATAMENTO, REUSO E DESTINO FINAL CURSO PLANEJAMENTO AGRÁRIO
Segundo Francisco Cecílio Viana (UFMG), os produtores devem estar atentos com suas atitudes para permanecer de forma competitiva no mercado, produzindo de forma sustentável. "Estão entre as exigências esperadas para a produção de leite: o controle rigoroso da qualidade e do gasto de água nos processos produtivos da agropecuária; a destinação ambientalmente correta dos resíduos produzidos na fazenda de leite ou o seu aproveitamento em bases sustentáveis e processos de produção que levem em consideração o conforto animal, as medidas de proteção e de conservação do ambiente”. A PROBLEMÁTICA DOS DEJETOS Um dos maiores problemas em confinamento de bovinos de leite é a quantidade de dejetos produzidos diariamente numa área reduzida.
A contaminação do solo, lagos e rios pelos resíduos animais, a infiltração de águas residuárias no lençol freático e o desenvolvimento de moscas e gases malcheirosos são alguns dos problemas de poluição ambiental provocados pelos dejetos animais. Em 1897, a cidade de Melbourne na Austrália, implantou a fazenda Werribbee para descartar e tratar seus esgotos através do plantio de forrageiras, destinadas à pastagens de ovinos e bovinos. Este empreendimento bem sucedido ainda está em funcionamento e atualmente irriga 10.000 ha com efluente do maior sistema de lagoas de estabilização do mundo.
 
PRINCIPIOS DO TRATAMENTO DE ELFUENTES Efluentes são geralmente produtos líquidos ou gasosos produzidos por indústrias ou resultante dos esgotos domésticos urbanos, que são lançados no meio ambiente. Podem ser tratados ou não tratados. Cabe aos órgãos ambientais a determinação e a fiscalização dos parâmetros e limites de emissão de efluentes industriais, agrícolas e domésticos. As exigências da legislação ambiental levaram as empresas a buscar soluções para tornar seus processos mais eficazes. É cada vez mais frequente o uso de sistemas de tratamento de efluentes visando a reutilização de insumos (água por exemplo, etc.), minimizando o descarte para o meio ambiente.
Os dejetos produzidos por um sistema de produção de leite podem se tornar um sério problema ambiental, econômico e até mesmo legal se não forem corretamente manejados.  As estações de tratamento consistem de uma série de processos físicos, químicos e biológicos.
Aspectos legais, ambientais do manejo de dejetos Caracterização do efluente gerado pelo sistema Gado Puro (Embrapa Gado de leite Juiz de Fora): DBO5 (5dias, 20 o C)= 4.024; Sólidos Totais (ST)= 62.110; Nitrogênio Kjeldahl Total (NKT)= 1.672; Fósforo Total= 305.
Resolução CONAMA 357 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. A Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG N.º 1, de 05 de Maio de 2008, em seu capitulo 5 (artigo 19 ao 32) , estabelece os parâmetros e valores máximos admissíveis para substâncias químicas no lançamento de efluentes em corpos hídricos emitidos por qualquer fonte poluidora em Minas Gerais, bem como para as condições dessas emissões (temperatura, pH etc.). O número de parâmetros considerados por essa deliberação chega a 42.
Quantidade de dejetos produzida em um sistema de produção hipotético Uma vaca leiteira (peso médio de 400 kg) produz, diariamente, em excretas o equivalente a 28-32 kg de fezes, estando a produção de fezes + urina na faixa de 38 – 50 kg. MAS O QUE NÓS TÉCNICOS E PESQUISADORES PROPOMOS ??????? É uma oportunidade para o produtor de leite, a utilização dos dejetos gerados na produção de leite. Atualmente seria um desperdício se fossemos pensar em lançar nos córregos ou rios o nosso BIOFERTILIZANTE.
Conteúdo mais comumente encontrados de nutrientes nos estercos. Adaptado de KIEHL (1985). Origem do esterco N P2O5 % na MS K2O Galinha 2,5-5,4 3,02-8,06 1,86-2,19 Galinha sem cama 3,48 2,00 1,04 Frango com cama 3,38 3,02 1,95 Bovino de corte 1,80-3,70 0,96-2,36 0,74-3,01 Bovino de leite 1,84-5,60 1,00-2,34 0,69-5,06 Suínos 2,00-4,50 0,92-3,62 1,90-4,22 Equinos 1,75-1,82 0,57-3,30 0,75-1,81 Ovinos 1,60-4,00 1,31-2,06 0,53-3,45
Quantidades de esterco e de nutrientes produzidas por um animal no decorrer de um ano. Adaptado de KIEHL (1985). Animal Componentes Bovinos Equinos Ovinos Suínos Kg/cabeça/ano Água 13.145 5.785 541 1.324 Matéria seca 2.039 1.715 199 176 Total 15.184 7.500 740 1.500 N 78,9 58 6,7 7,5 P2O5 20,6 23 4,3 5,3 K2O 93,6 40 6,2 5,7 CaO+MgO 35,9 30 8,8 3,0
Medidas de Poluição Uma medida da poluição de um efluente pode ser dada pela DBO. DBO  – Demanda Bioquímica de Oxigênio é a quantidade de oxigênio dissolvido, consumido na incubação de um efluente, por determinado tempo. É uma reação entre os microrganismos presentes na amostra a 20°C por 5 dias na ausência de luz.
Tratamentos Biológicos A maior parte dos compostos orgânicos presentes numa água residual é removida por processos biológicos. São mais econômicos e menos prejudiciais ao meio ambiente. O sistema tratamento (Gado Puro) permitiu altas reduções de DBO e DQO, sendo obtidos valores de (94,36 e 77,92%) (TORRES, 2002).
 
Controle de Odores Os efluentes possuem odores ruins devido a presença de compostos de enxofre presentes nas substâncias orgânicas que depois de decompostas se transformam em metano CH 4  ou outros gases como H 2 S (cheiro de ovo podre).  São características do efluente (biofertilizante): ausência de mau-cheiro; pelo desmembramento dos compostos de enxofre e fixação do amoníaco; a cor escura; consistência gelatinosa. Indicadoras do processo humoso adiantado. No esterco líquido arejado ocorrem processos idênticos aos que ocorrem na compostagem.
Melhorias nas condições sanitárias da propriedade que maneja corretamente os dejetos Outro fato importante, observado na prática, durante vários anos de operação do sistema de tratamento biológico aeróbio, foi a ausência de moscas no interior e arredores dos tanques de aeração e das instalações dos animais “free-stall”, proporcionando benefícios de ordem sanitária e estética ao Sistema Intensivo de Produção de Leite (SIPL).
O consumo de água para limpeza das instalações pelo sistema de reciclagem (bombeamento) do esterco líquido tratado sobre os pisos, foi da ordem de 4.167 litros/dia, ou seja,  35 litros/UA/dia . CONSUMO DE ÁGUA Esse reduzido consumo de água foi o maior benefício a economia de água repercute diretamente em economia e racionalização de energia. Na maioria dos Sistemas de Produção, em confinamento, com sistemas de limpeza hidráulica dos pisos, o consumo de água observado é de  200 a 250 litros/UA/dia .  Dessa forma, o Sistema representa uma economia de água de  82,5 a 86,0% , em relação aos processos que não utilizam a reciclagem da água residuária.
 
 
PROCESSO UTILIZADO NA EMBRAPA GADO DE LEITE EM CORONEL PACHECO  “GENIZINHA”
Tratador aeróbico  O sistema consta de um tanque em forma de prato de tamanho variado com uma bomba elétrica instalada na lateral do tratador aeróbico. Ela possibilita tanto a introdução do líquido no tanque, quanto sua  aeração, fundamental para evitar mau cheiro e condensação das partículas sólidas remanescentes (desenvolvido por Ricardo Encarnação) (1998) na Embrapa Gado de Leite em Coronel Pacheco. O equipamento é composto por um separador de sólidos e um tanque de tratamento aeróbico.
[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
FERTIRRIGAÇÃO Fertirrigação é uma técnica de aplicação simultânea de fertilizantes e água, através de um sistema de irrigação. É uma das maneiras mais eficientes e econômicas de aplicar fertilizante às plantas, principalmente em regiões de climas árido e semi-árido, pois aplicando-se os fertilizantes em menor quantidade por vez, mas com maior frequência, é possível manter um teor uniforme de nutrientes no solo durante o ciclo da cultura, o que aumentará a eficiência do uso de nutrientes pelas plantas e, consequentemente, a produtividade.
A reciclagem total do efluente tratado (biofertilizante), no solo, promove o saneamento ambiental e restitui parte dos nutrientes consumidos pelas culturas, podendo contribuir significativamente para o desenvolvimento de uma agricultura sustentável no sistema SIPL. A adoção de práticas que a conservem ou que aumentem a sua quantidade no solo é essencial para se obter altas produtividades. Os estercos bovinos destacam-se como fonte principal, seja pela maior disponibilidade, pelo elevado valor fertilizante ou pela alta necessidade de se promover a reciclagem dos nutrientes no sistema solo-planta-animal.
 
Estrumaq : foto de Vanessa Almeida Emater RS.
Uma invenção feita pelo produtor Edemar Macedo, do município de Vila Maria, está facilitando o trabalho da família na hora de limpar as instalações do gado de leite. Trata-se da Estrumaq, uma máquina compacta de um metro de largura por 1,40 m de comprimento, que tem como maior vantagem a economia de tempo e esforço físico na hora da limpeza. De acordo com Macedo, a limpeza do estábulo, que era feita por duas pessoas, levava aproximadamente uma hora e meia para ser concluída, hoje, com a máquina, pode ser feita em 15 minutos, por apenas uma pessoa.
COMPOSTAGEM O fertilizante orgânico mais tradicional e conhecido é o chamado composto orgânico, produzido por meio da mistura de esterco de animais e restos vegetais, através do método indore ou compostagem em pilhas. Para alguns agricultores, a compostagem tradicional pode se tornar bastante onerosa em função da mão-de-obra absorvida por esta atividade. A  compostagem laminar , por outro lado, considerada um processo dirigido de decomposição de resíduos orgânicos realizado na superfície do solo, exige menos mão-de-obra para sua realização.
Na prática, realiza-se a compostagem laminar depositando-se sobre o solo  uma camada de palha (10 a 15 cm), sendo esta coberta por uma camada de esterco (aproximadamente 5 cm), sobre o qual é colocada outra camada de palha (10 a 15 cm) que protegerá o composto e que, posteriormente, será naturalmente consumida pelos organismos (Figura 1). Figura 1.: a) primeira cobertura do solo com uma camada de resíduos vegetais; b) segunda camada com esterco bovino e c) terceira camada com resíduos vegetais. Estação Experimental Cascata – Embrapa Clima Temperado. 2007.
Na compostagem laminar não é necessário revirar o material, este trabalho ficará a cargo dos besouros e minhocas (Figura 2). Figura 2. Atividade biológica (minhocas) em compostagem laminar. Estação Experimental Cascata – Embrapa Clima Temperado. 2007.
A compostagem estará pronta quando a primeira camada de palha estiver completamente desintegrada, não sendo possível identificar os materiais utilizados nas camadas iniciais, e o esterco apresentar aspecto e cheiro de terra de mato (Figura 3) Fotos: José Ernani Schwengber.
 
Princípio do Biodigestor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Rômulo Alexandrino Silva
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Agricultura Sao Paulo
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteAndré Ferreira
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosMarília Gomes
 
Manejos nutricional para aves
Manejos nutricional para avesManejos nutricional para aves
Manejos nutricional para avesMarília Gomes
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da aviculturaMarília Gomes
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxJoilsonEcheverria
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecniagepaunipampa
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Brenda Bueno
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosKiller Max
 
Sistema de criação bovina
 Sistema de criação bovina Sistema de criação bovina
Sistema de criação bovinaRaphaella Huhu
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para avesMarília Gomes
 
Sistemaproducao Galinha Caipira
Sistemaproducao Galinha CaipiraSistemaproducao Galinha Caipira
Sistemaproducao Galinha CaipiraLenildo Araujo
 

Mais procurados (20)

Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Codornas
CodornasCodornas
Codornas
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Manejos nutricional para aves
Manejos nutricional para avesManejos nutricional para aves
Manejos nutricional para aves
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
 
Manejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteiraManejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteira
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Produção de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corteProdução de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corte
 
Sistema de criação bovina
 Sistema de criação bovina Sistema de criação bovina
Sistema de criação bovina
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
 
Sistemaproducao Galinha Caipira
Sistemaproducao Galinha CaipiraSistemaproducao Galinha Caipira
Sistemaproducao Galinha Caipira
 

Destaque

Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3escola
 
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)Paola Brutti
 
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFVBiodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFVmarcelo otenio
 
A eficiência do uso do esterco bovino
A eficiência do uso do esterco bovinoA eficiência do uso do esterco bovino
A eficiência do uso do esterco bovinoGabriel Pinto
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosJoão Felix
 
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do LeiteInovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do LeiteInovatec JF
 
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)razasbovinasdecolombia
 
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011BeefPoint
 
Proyecto Biodigestor Matadero Industrial
Proyecto Biodigestor Matadero IndustrialProyecto Biodigestor Matadero Industrial
Proyecto Biodigestor Matadero IndustrialPedro Dominguez
 
Apresentação do livro Vermicompostagem - Gestão de Resíduos Orgânicos
Apresentação do livro Vermicompostagem - Gestão de Resíduos OrgânicosApresentação do livro Vermicompostagem - Gestão de Resíduos Orgânicos
Apresentação do livro Vermicompostagem - Gestão de Resíduos OrgânicosFuturamb
 
Pós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointPós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointBeefPoint
 
120711 12-wbeef-sust-ciniro-costa
120711 12-wbeef-sust-ciniro-costa120711 12-wbeef-sust-ciniro-costa
120711 12-wbeef-sust-ciniro-costaAgroTalento
 
E book-formulacao
E book-formulacaoE book-formulacao
E book-formulacaoAgriPoint
 
Projeto silo secador de grãos
Projeto silo secador de grãosProjeto silo secador de grãos
Projeto silo secador de grãosPortal Canal Rural
 

Destaque (20)

Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3
 
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
 
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinosSistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
 
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFVBiodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
 
F95 a3f16
F95 a3f16F95 a3f16
F95 a3f16
 
A eficiência do uso do esterco bovino
A eficiência do uso do esterco bovinoA eficiência do uso do esterco bovino
A eficiência do uso do esterco bovino
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
 
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do LeiteInovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
 
Bovinos de corte
Bovinos de corteBovinos de corte
Bovinos de corte
 
Residuos da suinocultura
Residuos da suinoculturaResiduos da suinocultura
Residuos da suinocultura
 
Biodigestor
BiodigestorBiodigestor
Biodigestor
 
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
 
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
 
Proyecto Biodigestor Matadero Industrial
Proyecto Biodigestor Matadero IndustrialProyecto Biodigestor Matadero Industrial
Proyecto Biodigestor Matadero Industrial
 
Apresentação do livro Vermicompostagem - Gestão de Resíduos Orgânicos
Apresentação do livro Vermicompostagem - Gestão de Resíduos OrgânicosApresentação do livro Vermicompostagem - Gestão de Resíduos Orgânicos
Apresentação do livro Vermicompostagem - Gestão de Resíduos Orgânicos
 
Pós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointPós dipping milkpoint
Pós dipping milkpoint
 
120711 12-wbeef-sust-ciniro-costa
120711 12-wbeef-sust-ciniro-costa120711 12-wbeef-sust-ciniro-costa
120711 12-wbeef-sust-ciniro-costa
 
E book-formulacao
E book-formulacaoE book-formulacao
E book-formulacao
 
Projeto silo secador de grãos
Projeto silo secador de grãosProjeto silo secador de grãos
Projeto silo secador de grãos
 

Semelhante a Dejetos Na Propriedade Rural

Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Rural Pecuária
 
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizanteTratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizantemarcelo otenio
 
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas estudo de caso super fra...
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas   estudo de caso super fra...Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas   estudo de caso super fra...
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas estudo de caso super fra...Cristiano Goncalves De Araujo
 
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
Os residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamentoOs residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamentojoanadesousaesilva
 
Destinação+ambientalmente+correta+de+resíduos+das+indústrias+de+abate+bovino+...
Destinação+ambientalmente+correta+de+resíduos+das+indústrias+de+abate+bovino+...Destinação+ambientalmente+correta+de+resíduos+das+indústrias+de+abate+bovino+...
Destinação+ambientalmente+correta+de+resíduos+das+indústrias+de+abate+bovino+...Francinalva Cordeiro
 
20. instalação de biodigestores (1)
20. instalação de biodigestores (1)20. instalação de biodigestores (1)
20. instalação de biodigestores (1)03109100
 
Apresentação Ecobac
Apresentação EcobacApresentação Ecobac
Apresentação EcobacLucio Soares
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeAdriana Mendes
 
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigaçãoResíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigaçãoRoberta Lemos
 
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...João Siqueira da Mata
 
Utilização de uma fossa séptica biodigestora para melhoria do Saneamento Rura...
Utilização de uma fossa séptica biodigestora para melhoria do Saneamento Rura...Utilização de uma fossa séptica biodigestora para melhoria do Saneamento Rura...
Utilização de uma fossa séptica biodigestora para melhoria do Saneamento Rura...João Siqueira da Mata
 
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 

Semelhante a Dejetos Na Propriedade Rural (20)

Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizanteTratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
 
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas estudo de caso super fra...
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas   estudo de caso super fra...Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas   estudo de caso super fra...
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas estudo de caso super fra...
 
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
 
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIALECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
 
Os residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamentoOs residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamento
 
Sistema de tratamento para dejetos suínos
Sistema de tratamento para dejetos suínosSistema de tratamento para dejetos suínos
Sistema de tratamento para dejetos suínos
 
Destinação+ambientalmente+correta+de+resíduos+das+indústrias+de+abate+bovino+...
Destinação+ambientalmente+correta+de+resíduos+das+indústrias+de+abate+bovino+...Destinação+ambientalmente+correta+de+resíduos+das+indústrias+de+abate+bovino+...
Destinação+ambientalmente+correta+de+resíduos+das+indústrias+de+abate+bovino+...
 
20. instalação de biodigestores (1)
20. instalação de biodigestores (1)20. instalação de biodigestores (1)
20. instalação de biodigestores (1)
 
Apresentação Ecobac
Apresentação EcobacApresentação Ecobac
Apresentação Ecobac
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da Sustentabilidade
 
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigaçãoResíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
 
Aula 5 residuos
Aula 5 residuosAula 5 residuos
Aula 5 residuos
 
Sisnate200705
Sisnate200705Sisnate200705
Sisnate200705
 
Comissao de meio_ambiente_18_04_2012
Comissao de meio_ambiente_18_04_2012Comissao de meio_ambiente_18_04_2012
Comissao de meio_ambiente_18_04_2012
 
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptxAula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
 
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
 
O cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocosO cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocos
 
Utilização de uma fossa séptica biodigestora para melhoria do Saneamento Rura...
Utilização de uma fossa séptica biodigestora para melhoria do Saneamento Rura...Utilização de uma fossa séptica biodigestora para melhoria do Saneamento Rura...
Utilização de uma fossa séptica biodigestora para melhoria do Saneamento Rura...
 
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
 

Mais de marcelo otenio

Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJFTratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJFmarcelo otenio
 
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURALTECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURALmarcelo otenio
 
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014marcelo otenio
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticíniomarcelo otenio
 
Apresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goiasApresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goiasmarcelo otenio
 
Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)
Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)
Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)marcelo otenio
 
A Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica BrasileiraA Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica Brasileiramarcelo otenio
 
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralÁgua Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralmarcelo otenio
 
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509marcelo otenio
 

Mais de marcelo otenio (9)

Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJFTratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
 
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURALTECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
 
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
 
Apresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goiasApresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goias
 
Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)
Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)
Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)
 
A Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica BrasileiraA Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica Brasileira
 
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralÁgua Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
 
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
 

Último

Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfInocencioHoracio3
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoMarcio Venturelli
 

Último (9)

Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
 

Dejetos Na Propriedade Rural

  • 1. Demais slides DEJETOS DA PECUÁRIA LEITEIRA, REUSO DA ÁGUA E FERTIRRIGAÇÃO PROCESSO DE TRATAMENTO, REUSO E DESTINO FINAL CURSO PLANEJAMENTO AGRÁRIO
  • 2. Segundo Francisco Cecílio Viana (UFMG), os produtores devem estar atentos com suas atitudes para permanecer de forma competitiva no mercado, produzindo de forma sustentável. "Estão entre as exigências esperadas para a produção de leite: o controle rigoroso da qualidade e do gasto de água nos processos produtivos da agropecuária; a destinação ambientalmente correta dos resíduos produzidos na fazenda de leite ou o seu aproveitamento em bases sustentáveis e processos de produção que levem em consideração o conforto animal, as medidas de proteção e de conservação do ambiente”. A PROBLEMÁTICA DOS DEJETOS Um dos maiores problemas em confinamento de bovinos de leite é a quantidade de dejetos produzidos diariamente numa área reduzida.
  • 3. A contaminação do solo, lagos e rios pelos resíduos animais, a infiltração de águas residuárias no lençol freático e o desenvolvimento de moscas e gases malcheirosos são alguns dos problemas de poluição ambiental provocados pelos dejetos animais. Em 1897, a cidade de Melbourne na Austrália, implantou a fazenda Werribbee para descartar e tratar seus esgotos através do plantio de forrageiras, destinadas à pastagens de ovinos e bovinos. Este empreendimento bem sucedido ainda está em funcionamento e atualmente irriga 10.000 ha com efluente do maior sistema de lagoas de estabilização do mundo.
  • 4.  
  • 5. PRINCIPIOS DO TRATAMENTO DE ELFUENTES Efluentes são geralmente produtos líquidos ou gasosos produzidos por indústrias ou resultante dos esgotos domésticos urbanos, que são lançados no meio ambiente. Podem ser tratados ou não tratados. Cabe aos órgãos ambientais a determinação e a fiscalização dos parâmetros e limites de emissão de efluentes industriais, agrícolas e domésticos. As exigências da legislação ambiental levaram as empresas a buscar soluções para tornar seus processos mais eficazes. É cada vez mais frequente o uso de sistemas de tratamento de efluentes visando a reutilização de insumos (água por exemplo, etc.), minimizando o descarte para o meio ambiente.
  • 6. Os dejetos produzidos por um sistema de produção de leite podem se tornar um sério problema ambiental, econômico e até mesmo legal se não forem corretamente manejados. As estações de tratamento consistem de uma série de processos físicos, químicos e biológicos.
  • 7. Aspectos legais, ambientais do manejo de dejetos Caracterização do efluente gerado pelo sistema Gado Puro (Embrapa Gado de leite Juiz de Fora): DBO5 (5dias, 20 o C)= 4.024; Sólidos Totais (ST)= 62.110; Nitrogênio Kjeldahl Total (NKT)= 1.672; Fósforo Total= 305.
  • 8. Resolução CONAMA 357 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. A Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG N.º 1, de 05 de Maio de 2008, em seu capitulo 5 (artigo 19 ao 32) , estabelece os parâmetros e valores máximos admissíveis para substâncias químicas no lançamento de efluentes em corpos hídricos emitidos por qualquer fonte poluidora em Minas Gerais, bem como para as condições dessas emissões (temperatura, pH etc.). O número de parâmetros considerados por essa deliberação chega a 42.
  • 9. Quantidade de dejetos produzida em um sistema de produção hipotético Uma vaca leiteira (peso médio de 400 kg) produz, diariamente, em excretas o equivalente a 28-32 kg de fezes, estando a produção de fezes + urina na faixa de 38 – 50 kg. MAS O QUE NÓS TÉCNICOS E PESQUISADORES PROPOMOS ??????? É uma oportunidade para o produtor de leite, a utilização dos dejetos gerados na produção de leite. Atualmente seria um desperdício se fossemos pensar em lançar nos córregos ou rios o nosso BIOFERTILIZANTE.
  • 10. Conteúdo mais comumente encontrados de nutrientes nos estercos. Adaptado de KIEHL (1985). Origem do esterco N P2O5 % na MS K2O Galinha 2,5-5,4 3,02-8,06 1,86-2,19 Galinha sem cama 3,48 2,00 1,04 Frango com cama 3,38 3,02 1,95 Bovino de corte 1,80-3,70 0,96-2,36 0,74-3,01 Bovino de leite 1,84-5,60 1,00-2,34 0,69-5,06 Suínos 2,00-4,50 0,92-3,62 1,90-4,22 Equinos 1,75-1,82 0,57-3,30 0,75-1,81 Ovinos 1,60-4,00 1,31-2,06 0,53-3,45
  • 11. Quantidades de esterco e de nutrientes produzidas por um animal no decorrer de um ano. Adaptado de KIEHL (1985). Animal Componentes Bovinos Equinos Ovinos Suínos Kg/cabeça/ano Água 13.145 5.785 541 1.324 Matéria seca 2.039 1.715 199 176 Total 15.184 7.500 740 1.500 N 78,9 58 6,7 7,5 P2O5 20,6 23 4,3 5,3 K2O 93,6 40 6,2 5,7 CaO+MgO 35,9 30 8,8 3,0
  • 12. Medidas de Poluição Uma medida da poluição de um efluente pode ser dada pela DBO. DBO – Demanda Bioquímica de Oxigênio é a quantidade de oxigênio dissolvido, consumido na incubação de um efluente, por determinado tempo. É uma reação entre os microrganismos presentes na amostra a 20°C por 5 dias na ausência de luz.
  • 13. Tratamentos Biológicos A maior parte dos compostos orgânicos presentes numa água residual é removida por processos biológicos. São mais econômicos e menos prejudiciais ao meio ambiente. O sistema tratamento (Gado Puro) permitiu altas reduções de DBO e DQO, sendo obtidos valores de (94,36 e 77,92%) (TORRES, 2002).
  • 14.  
  • 15. Controle de Odores Os efluentes possuem odores ruins devido a presença de compostos de enxofre presentes nas substâncias orgânicas que depois de decompostas se transformam em metano CH 4 ou outros gases como H 2 S (cheiro de ovo podre). São características do efluente (biofertilizante): ausência de mau-cheiro; pelo desmembramento dos compostos de enxofre e fixação do amoníaco; a cor escura; consistência gelatinosa. Indicadoras do processo humoso adiantado. No esterco líquido arejado ocorrem processos idênticos aos que ocorrem na compostagem.
  • 16. Melhorias nas condições sanitárias da propriedade que maneja corretamente os dejetos Outro fato importante, observado na prática, durante vários anos de operação do sistema de tratamento biológico aeróbio, foi a ausência de moscas no interior e arredores dos tanques de aeração e das instalações dos animais “free-stall”, proporcionando benefícios de ordem sanitária e estética ao Sistema Intensivo de Produção de Leite (SIPL).
  • 17. O consumo de água para limpeza das instalações pelo sistema de reciclagem (bombeamento) do esterco líquido tratado sobre os pisos, foi da ordem de 4.167 litros/dia, ou seja, 35 litros/UA/dia . CONSUMO DE ÁGUA Esse reduzido consumo de água foi o maior benefício a economia de água repercute diretamente em economia e racionalização de energia. Na maioria dos Sistemas de Produção, em confinamento, com sistemas de limpeza hidráulica dos pisos, o consumo de água observado é de 200 a 250 litros/UA/dia . Dessa forma, o Sistema representa uma economia de água de 82,5 a 86,0% , em relação aos processos que não utilizam a reciclagem da água residuária.
  • 18.  
  • 19.  
  • 20. PROCESSO UTILIZADO NA EMBRAPA GADO DE LEITE EM CORONEL PACHECO “GENIZINHA”
  • 21. Tratador aeróbico O sistema consta de um tanque em forma de prato de tamanho variado com uma bomba elétrica instalada na lateral do tratador aeróbico. Ela possibilita tanto a introdução do líquido no tanque, quanto sua aeração, fundamental para evitar mau cheiro e condensação das partículas sólidas remanescentes (desenvolvido por Ricardo Encarnação) (1998) na Embrapa Gado de Leite em Coronel Pacheco. O equipamento é composto por um separador de sólidos e um tanque de tratamento aeróbico.
  • 22.
  • 23.  
  • 24.  
  • 25. FERTIRRIGAÇÃO Fertirrigação é uma técnica de aplicação simultânea de fertilizantes e água, através de um sistema de irrigação. É uma das maneiras mais eficientes e econômicas de aplicar fertilizante às plantas, principalmente em regiões de climas árido e semi-árido, pois aplicando-se os fertilizantes em menor quantidade por vez, mas com maior frequência, é possível manter um teor uniforme de nutrientes no solo durante o ciclo da cultura, o que aumentará a eficiência do uso de nutrientes pelas plantas e, consequentemente, a produtividade.
  • 26. A reciclagem total do efluente tratado (biofertilizante), no solo, promove o saneamento ambiental e restitui parte dos nutrientes consumidos pelas culturas, podendo contribuir significativamente para o desenvolvimento de uma agricultura sustentável no sistema SIPL. A adoção de práticas que a conservem ou que aumentem a sua quantidade no solo é essencial para se obter altas produtividades. Os estercos bovinos destacam-se como fonte principal, seja pela maior disponibilidade, pelo elevado valor fertilizante ou pela alta necessidade de se promover a reciclagem dos nutrientes no sistema solo-planta-animal.
  • 27.  
  • 28. Estrumaq : foto de Vanessa Almeida Emater RS.
  • 29. Uma invenção feita pelo produtor Edemar Macedo, do município de Vila Maria, está facilitando o trabalho da família na hora de limpar as instalações do gado de leite. Trata-se da Estrumaq, uma máquina compacta de um metro de largura por 1,40 m de comprimento, que tem como maior vantagem a economia de tempo e esforço físico na hora da limpeza. De acordo com Macedo, a limpeza do estábulo, que era feita por duas pessoas, levava aproximadamente uma hora e meia para ser concluída, hoje, com a máquina, pode ser feita em 15 minutos, por apenas uma pessoa.
  • 30. COMPOSTAGEM O fertilizante orgânico mais tradicional e conhecido é o chamado composto orgânico, produzido por meio da mistura de esterco de animais e restos vegetais, através do método indore ou compostagem em pilhas. Para alguns agricultores, a compostagem tradicional pode se tornar bastante onerosa em função da mão-de-obra absorvida por esta atividade. A compostagem laminar , por outro lado, considerada um processo dirigido de decomposição de resíduos orgânicos realizado na superfície do solo, exige menos mão-de-obra para sua realização.
  • 31. Na prática, realiza-se a compostagem laminar depositando-se sobre o solo uma camada de palha (10 a 15 cm), sendo esta coberta por uma camada de esterco (aproximadamente 5 cm), sobre o qual é colocada outra camada de palha (10 a 15 cm) que protegerá o composto e que, posteriormente, será naturalmente consumida pelos organismos (Figura 1). Figura 1.: a) primeira cobertura do solo com uma camada de resíduos vegetais; b) segunda camada com esterco bovino e c) terceira camada com resíduos vegetais. Estação Experimental Cascata – Embrapa Clima Temperado. 2007.
  • 32. Na compostagem laminar não é necessário revirar o material, este trabalho ficará a cargo dos besouros e minhocas (Figura 2). Figura 2. Atividade biológica (minhocas) em compostagem laminar. Estação Experimental Cascata – Embrapa Clima Temperado. 2007.
  • 33. A compostagem estará pronta quando a primeira camada de palha estiver completamente desintegrada, não sendo possível identificar os materiais utilizados nas camadas iniciais, e o esterco apresentar aspecto e cheiro de terra de mato (Figura 3) Fotos: José Ernani Schwengber.
  • 34.  
  • 36.  
  • 37. OBRIGADO PELA ATENÇÃO Marcelo Henrique Otenio Gestão Ambiental e Recursos Hídricos e-mail: otenio@cnpgl.embrapa.br Tel. (32) 32494757

Notas do Editor

  1. 1