SlideShare uma empresa Scribd logo
Biodigestores como
oportunidade no manejo de
dejetos
III Workshop de Bioenergia
Perspectivas do Setor de Biogás
Apresentação
» Introdução;
» Indicadores da viabilidade para montagem e operação de
biodigestores;
» Processo de biodigestão;
» Entradas (água e dejetos);
» Biodigestor;
» Biofertilizante;
» Biogás;
» Conjunto moto-gerador;
» Conjunto motor bomba;
» Aspectos bioquímicos;
» Variáveis envolvidas no processo de biodigestão;
» Viabilidade econômica;
Introdução
Transformações
Consequências
» Dejetos;
» Mau cheiro;
» Ambiente;
» Emissão de GEE;
Biodigestor é um equipamento utilizado para o processamento de
matéria orgânica, como, por exemplo, fezes, urina e sobras da
suinocultura. O biodigestor proporciona as condições necessárias
para que as bactérias atuem sobre a biomassa para a produção de
biogás e biofertilizante.
Biogás: É uma mistura de gases contendo, aproximadamente,
75%de CH4 e 25% de CO2.
Biofertilizante: Matéria orgânica rica em elementos minerais,
possuindo grande capacidade de recuperação de solos degradados.
Indicadores da viabilidade da montagem
e operação de biodigestores
» Disponibilidade de dejetos e espaço físico a fim de viabilizar a
construção do biodigestor;
» Tempo e mão de obra disponível para manejo diário;
» Conhecimento técnico de como utilizar os insumos adquiridos pela
biodigestão;
» Disponibilidade de equipamentos para utilização do biogás produzido;
Processo de biodigestão
Esquema do funcionamento de biodigestores
Fonte. Hubner (2005)
Água Residuária
Entende-se por água residuária, a água descartada após utilização em
diversas atividades ou processos. A produção pecuária gera grande
quantidade de água residuária nas diversas etapas do processo.
Quantidade de
dejetos produzido
pelos animais
ENSMINGER, M. E., OLDFIELD, J.E. , HEINEMANN, W.W. Feeds & Nutr. 2 ed., California: The
Ensminger Publishing Company, 1990. p.1544.
Biodigestores
Há dois tipos de biodigestores.
• Descontínuo
• Contínuo
Biodigestores descontínuos
» Específico para biomassas de decomposição lenta;
» Recebe carga total, retendo-a até terminar o processo de
biodigestão ;
» Ao término do processo, o biodigestor é totalmente esvaziado;
» Para um novo processo, o biodigestor deve ser novamente
carregado;
Biodigestores contínuos
» Mais difundido;
» Se adapta a maioria das biomassas;
» Cargas diárias ou periódicas;
» Descarrega o biofertilizante de forma contínua;
» São os sistemas mais difundidos, sendo os modelos chinês e
indiano são os mais conhecidos;
Biodigestor modelo chinês
Biodigestor modelo indiano
Biodigestor modelo canadense
» Modelo horizontal;
» Caixa de carga em alvenaria e com a largura maior que a
profundidade;
» Área maior de exposição do sol Grande produção de biogás;
» Amplamente difundido: é a tecnologia mais utilizada;
» O biogás pode ser enviado para um gasômetro separado;
» A localização do biodigestor é de grande importância, ima vez que
afeta o sucesso ou a falha do sistema;
» Deve estar pelo menos entre 30 e 50 metros de distância de
qualquer fonte de água para evitar contaminações;
» Deve estar localizado, preferencialmente, em área protegida
de ventos frios e onde a temperatura permanece
relativamente estável, tentando receber o máximo de
energia solar;
Biofertilizante
Possui grande capacidade de recuperar os solos degradados!
Matéria orgânica rica em elementos
minerais.
Composição básica do biofertilizante
Macro e Micronutrientes
Nitrogênio Enxofre Molibdênio
Fósforo Sódio Boro
Potássio Ferro Cobre
Cálcio Cloro Zinco
Magnésio Sílica Manganês
A composição varia de acordo com a matéria-prima fermentada.
Corretor de acidez (pH = 7,5)
Ação do Biofertilizante no solo
» Mantém
» Melhora a estrutura e a textura,
» Dá firmeza ao solo, de modo que resistam à ação desagregadora da água;
» Deixa a terra com estrutura mais porosa, permitindo maior penetração do ar;
» Favorece a multiplicação das bactérias, fixando o nitrogênio atmosférico;
» Aumenta a produtividade e reduz o perigo de infestações nas lavouras;
Biogás
O biogás gerado é canalizado e direcionado a um motor/gerador de
energia a partir de biogás. A energia elétrica gerada é usada para o
funcionamento dos equipamentos utilizados no sistema de produção. A
concentração de gás metano produzida pela biodigestão anaeróbia
atingiu um pico de 70% no verão a uma temperatura média de 30ºC,
sendo a menor concentração de 56%, a aproximadamente, 24ºC.
Características do Biogás
Composição do Biogás:
» O metano
chama azul-clara e queimando em CO2 e H2O;
» Possui alto poder calorífico;
» Sua qualidade depende do metano presente na mistura, ou seja,
quanto maior for a quantidade de metano, melhor será o biogás
em termos energéticos;
Fonte: LA FARGE (1979), APPUD COLDEBELLA (2006)
Capacidade de Geração de Biogás
» A geração de biogás depende da característica do resíduo, que é o
substrato para o crescimento dos micro-organismos;
» A dieta dos animais e sistema digestório, interferem na distinção dos
resíduos quanto à potencialidade de produção de biogás;
Conjunto moto-gerador
Equipado com um quadro de comando para monitorar o seu
funcionamento.
Motor originalmente a gasolina/diesel
adaptado para o biogás
Gerador de energia elétrica
acoplado
Motor-gerador
Conjunto motor-bomba
(biofertilizante)
Motor originalmente a gasolina/diesel, convertido para o
biogás
Bomba d’água acionada
por um motor elétrico
acoplado
Motor-bomba
Fundamentos bioquímicos para a
produção de biogás
Hidrólise
As enzimas produzidas pelas bactérias transformam polímeros,
como amido e proteínas, em monômeros, como açúcares e
aminoácidos.
Acidogênese
Na acidogênese, esses monômeros são transformados em ácidos
graxos voláteis (AGV), como ácido butírico e ácido propiônico.
Material
orgânico
simples
Ácidos
orgânicos simples
Acetogênese
Na acetogênese, esses ácidos graxos voláteis são
transformados em ácido acético, gás carbônico e hidrogênio
gasoso.
Ácidos graxos
voláteis
CO2
H2
Ácido acético
Metanogênese
O Ácido acético é transformado em metano e gás carbônico
pelas bactérias metanogênicas acetoclásticas e o gás
carbônico e o hidrogênio são combinados, formando metano,
pelas bactérias metanogênicas hidrogenotróficas.
Acetato
CO2
H2
METANO
Variáveis envolvidas no processo de
biodigestão
» Temperatura;
» Tempo de retenção hidráulica
» Teor de sólidos
» Concentração de nutrientes
» Concentração de sólidos voláteis
» Substâncias tóxicas
» pH
Temperatura
» A temperatura de operação do digestor, é considerado um
dos principais parâmetros, devido à grande influência
deste fator na taxa de digestão anaeróbia;
» A velocidade da reação depende da velocidade de
crescimento dos micro-organismos envolvidos, que por
sua vez dependem da temperatura;
Aumento da
temperatura
Velocidade de crescimento
de micro-organismos é
acelerada
Aumento da
produção de
biogás
» As variações bruscas de temperatura no digestor pode
desencadear a desestabilização do processo;
» Existem três intervalos de temperatura em que se pode trabalhar
com micro-organismos anaeróbicos:
» Psicrófilos (abaixo de 25 o
C);
» Mesófilos (25 a 45 o
C);
» Termófilos (entre 45 e 65 o
C);
Tempo de retenção hidráulica
» É o tempo necessário para a mistura ser digerida no digestor;
» Ocorre quando a produção de gás é máxima, definindo o ponto
de melhor qualidade do biogás no processo de biodigestão
anaeróbia;
» O tempo de retenção é determinado, num processo contínuo,
pela relação entre volume do biodigestor e o volume diário de
carga introduzida;
» Usualmente, o TRH é de 30 a 45 dias;
» Em algumas situações é possível a existência do biogás logo na
primeira semana;
Teor de sólidos
» Material residual que fica em uma cápsula após secagem até
peso constante em estufa em temperatura elevada (105o
C);
» Falta de água: pode provocar entupimento na tubulação;
» Excesso de água: pode atrapalhar o processo da hidrólise, pois é
exigida uma elevada carga de biomassa para que a mesma se
processe adequadamente;
Concentração de nutrientes
» São necessários macro e micronutrientes do processo anaeróbio
para a síntese de nova de biomassa;
» Deve existir uma relação carbono/nitrogênio mantida entre 20:1 e
30:1;
» EXCESSO DE NITROGÊNIO: pode levar a redução da produção
de biogás, podendo ter como produto final compostos
nitrogenados como a amônia ( NH3);
Concentração de sólidos voláteis
» É a porção de sólidos totais que é liberada de uma amostra,
volatilizando-se quando aquecida até peso constante a 600o
C;
» Os SV contêm componentes
orgânicos, que, teoricamente,
deveriam ser convertidos em
metano;
Substâncias tóxicas
Podem “contaminar” o esterco, afetando as bactérias
envolvidas no processo.
Uso de desinfetantes,
antibióticos e bactericidas.
Viabilidade Econômica segundo
COLDEBELLA, 2006
» Propriedade 1:
» 130 bovinos;
» Biodigestor com 7 x 40 x 3 m de largura, comprimento e
profundidade, respectivamente;
» O sistema
» O biofertilizante é utilizado para fertirrigação;
» O
por meio de um conjunto motor-gerador instalado na
propriedade;
» Propriedade 2
» 1000 matrizes;
» Biodigestor com 10,5 x 55 x 4,5m de largura,
comprimento e profundidade, respectivamente;
» Bioofertilizante é utilizado para fertirrigação;
» O biogas é utilizado para produção de energia elétrica.
Produção de biogás
SV – sólidos voláteis; 1 – chorume diluído com águas de lavagem; 2 –
chorume não diluído e sem material constituinte das camas dos animais,
diluições podem variar entre 1:0,5 e 1:7, palha para cama entre 1 a 3
kg/animal/dia. (Fonte: Coldebella, 2006)
O sistema de manejo e a quantidade de animais determinam
a capacidade de produção de biogás.
» Propriedade 1:
» Propriedade 2:
127,4 m3
/biogás/dia.
130
Vacas.
0,980 m3
/animal/dia
de biogás.
933 m3
/biogás/dia.
1000
Porcas.
0,933 m3
/animal/dia
de biogás.
Eficiência (%) = (energia produzida kWh/m3
/ 6,5 kWh/m3
) * 100
1 m3
de biogás equivale a 6,5 kWh
A energia produzida kWh/m3
é obtida convertendo-se a potência
gerada em HP para kWh. Com essa conversão calcula-se a
produção de energia em kWh/m3
.
1HP equivale a 0,746 kW
O gasômetro é conectado ao motor-gerador ou motor-bomba, que
permanece em funcionamento até que o biogás seja totalmente
consumido.
A implantação do biodigestor equivale a, aproximadamente, R$
200,00/suíno e do conjunto motor-gerador cerca de R$ 440,00/kW.
Tempo de retorno de investimento
O tempo de retorno do investimento está em função do tempo
de operação do equipamento, quanto menor for o tempo de
operação, maior será o custo da energia elétrica.
» Propriedade 1:
» Tempo de operação: 2,5h/dia;
» Implantação do biodigestor: R$ 50.000,00;
» Motor-gerador: R$ 20.000,00;
» Produção de 44 kWh de energia elétrica;
» Propriedade 2:
» Tempo de operação: 10h/dia;
» Implantação do biodigestor: R$ 100.000,00;
» Motor-gerador: R$ 20.000,00;
» Produção de 36 kWh de energia elétrica;
Custo da eletricidade (MWh) para as propriedades, de
acordo com o tempo de amortização e tempo de operação do
gerador:
Propriedade 1:
Propriedade 2:
O tempo de retorno deste investimento está relacionado com
o valor pago pelo produtor por kWh à concessionária de
energia elétrica.
Q
Para propriedades rurais o custo cobrado gira em torno de
R$ 300,00/MWh.
Tempo de retorno do investimento para a propriedade 1.
Tempo de retorno do investimento para a propriedade 2.
Somando-se a produção de energia elétrica à economia gerada
pelo uso do biogás com o sistema de bombeamento para
irrigação, reduz o tempo de retorno do investimento.
100 vacas 2500 kg de estrume por dia100 vacas 2500 kg de estrume por dia
ProduProduçãção dio diáária de biogria de biogááss  (0,0409 m(0,0409 m33/kg/kg
estrume) = 100 mestrume) = 100 m33 (3,33 botij(3,33 botijõões de GLP por diaes de GLP por dia
ou 1215 botijou 1215 botijõões por ano, ou seja, R$ 26.730,00)es por ano, ou seja, R$ 26.730,00)
FertilizanteFertilizante R$ 40.000,00R$ 40.000,00
POTENCIAL PARA 100 VACASPOTENCIAL PARA 100 VACAS
2500 kg de leite por dia2500 kg de leite por dia
Produtividade
Meio
Ambiente
Saúde
• Aumento de forragem
• Redução de custos
energéticos
• Preservação da
vegetação local
• Melhoria da
qualidade do solo
• Melhoria da
qualidade do ar no
ambiente doméstico
• Melhoria das
condições sanitárias
Fonte: adaptado de Instituto WINROCK, (2008)
Obrigado
marcelo.otenio@embrapa.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Produção industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactosProdução industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactos
Juliana Nólibos
 
Biogás No Brasil
Biogás No BrasilBiogás No Brasil
Biogás No Brasil
whocares2112
 
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
marcelo otenio
 
Biogas
BiogasBiogas
Biogas
Jim Naturesa
 
Residuos da suinocultura
Residuos da suinoculturaResiduos da suinocultura
Residuos da suinocultura
Caroline Alvares
 
Microbiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 águaMicrobiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 água
Amanda Fraga
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
Giovanna Ortiz
 
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Paola Brutti
 
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
forumsustentar
 
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURAIMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
Geagra UFG
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
igor-oliveira
 
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizanteTratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
marcelo otenio
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
marcelo otenio
 
Biogás
BiogásBiogás
Biogás
Laura Azevedo
 
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
lenilson marinho barbosa
 
Aplicações da biotecnologia
Aplicações da biotecnologiaAplicações da biotecnologia
Aplicações da biotecnologia
Élidamar Nunes
 
Aula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamentoAula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamento
fabio schwab
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
proftstsergioetm
 
Microbiologia do solo
Microbiologia do soloMicrobiologia do solo
Microbiologia do solo
Pessoal
 

Mais procurados (20)

Produção industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactosProdução industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactos
 
Biogás No Brasil
Biogás No BrasilBiogás No Brasil
Biogás No Brasil
 
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
 
Biogas
BiogasBiogas
Biogas
 
Residuos da suinocultura
Residuos da suinoculturaResiduos da suinocultura
Residuos da suinocultura
 
Microbiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 águaMicrobiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 água
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
 
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
 
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
 
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURAIMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
 
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizanteTratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
 
Biogás
BiogásBiogás
Biogás
 
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
 
Aplicações da biotecnologia
Aplicações da biotecnologiaAplicações da biotecnologia
Aplicações da biotecnologia
 
Aula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamentoAula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamento
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
 
Microbiologia do solo
Microbiologia do soloMicrobiologia do solo
Microbiologia do solo
 

Destaque

Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinosSistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
FCV - Faculdade Cidade Verde
 
Biodigestor
BiodigestorBiodigestor
Biodigestor
miguel_cisf
 
Proyecto Biodigestor Matadero Industrial
Proyecto Biodigestor Matadero IndustrialProyecto Biodigestor Matadero Industrial
Proyecto Biodigestor Matadero Industrial
Pedro Dominguez
 
Biodigestor
BiodigestorBiodigestor
Biodigestor
carolinatj
 
Função do 1º grau aula 3
Função do 1º grau aula 3Função do 1º grau aula 3
Função do 1º grau aula 3
netaulasifpaitb
 
Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3
escola
 
Construcción e instalación de un biodigestor tubular
Construcción e instalación de un biodigestor tubularConstrucción e instalación de un biodigestor tubular
Construcción e instalación de un biodigestor tubular
Federico Vargas Lehner
 
como construir un biodigestor
como construir un biodigestorcomo construir un biodigestor
como construir un biodigestor
nelsonzepeda15
 
Apresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goiasApresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goias
marcelo otenio
 
Comparativo pprps
Comparativo pprpsComparativo pprps
Comparativo pprps
Andre Guarizo
 
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
marcelo otenio
 
2010 08 p-profeta-sacerdote-rei
2010 08 p-profeta-sacerdote-rei2010 08 p-profeta-sacerdote-rei
2010 08 p-profeta-sacerdote-rei
Mickeylodeon Brasil
 
Redação de conclusão de curso sobre orçamento público
Redação de conclusão de curso sobre orçamento públicoRedação de conclusão de curso sobre orçamento público
Redação de conclusão de curso sobre orçamento público
Andre Guarizo
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
Pelo Siro
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
João Felix
 
Biodigestor tubular
Biodigestor tubularBiodigestor tubular
Biodigestor tubular
Casimiro Quispe Quispe
 
A Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica BrasileiraA Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica Brasileira
marcelo otenio
 
Apresentação Nível de Emprego - Fevereiro/2016
Apresentação Nível de Emprego - Fevereiro/2016Apresentação Nível de Emprego - Fevereiro/2016
Apresentação Nível de Emprego - Fevereiro/2016
CIESP
 
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
Advantage Automação
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
marcelo otenio
 

Destaque (20)

Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinosSistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
 
Biodigestor
BiodigestorBiodigestor
Biodigestor
 
Proyecto Biodigestor Matadero Industrial
Proyecto Biodigestor Matadero IndustrialProyecto Biodigestor Matadero Industrial
Proyecto Biodigestor Matadero Industrial
 
Biodigestor
BiodigestorBiodigestor
Biodigestor
 
Função do 1º grau aula 3
Função do 1º grau aula 3Função do 1º grau aula 3
Função do 1º grau aula 3
 
Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3
 
Construcción e instalación de un biodigestor tubular
Construcción e instalación de un biodigestor tubularConstrucción e instalación de un biodigestor tubular
Construcción e instalación de un biodigestor tubular
 
como construir un biodigestor
como construir un biodigestorcomo construir un biodigestor
como construir un biodigestor
 
Apresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goiasApresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goias
 
Comparativo pprps
Comparativo pprpsComparativo pprps
Comparativo pprps
 
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
 
2010 08 p-profeta-sacerdote-rei
2010 08 p-profeta-sacerdote-rei2010 08 p-profeta-sacerdote-rei
2010 08 p-profeta-sacerdote-rei
 
Redação de conclusão de curso sobre orçamento público
Redação de conclusão de curso sobre orçamento públicoRedação de conclusão de curso sobre orçamento público
Redação de conclusão de curso sobre orçamento público
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
 
Biodigestor tubular
Biodigestor tubularBiodigestor tubular
Biodigestor tubular
 
A Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica BrasileiraA Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica Brasileira
 
Apresentação Nível de Emprego - Fevereiro/2016
Apresentação Nível de Emprego - Fevereiro/2016Apresentação Nível de Emprego - Fevereiro/2016
Apresentação Nível de Emprego - Fevereiro/2016
 
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
 

Semelhante a Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV

Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e BiometanoAula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
DouglasdeAssis1
 
20. instalação de biodigestores (1)
20. instalação de biodigestores (1)20. instalação de biodigestores (1)
20. instalação de biodigestores (1)
03109100
 
Minicurso biogás
Minicurso biogásMinicurso biogás
Minicurso biogás
Sebastião Nascimento
 
UNID. 05 PRODUÇÃO DE BIOGÁS COM RS E RL.pptx
UNID. 05 PRODUÇÃO DE BIOGÁS COM RS E RL.pptxUNID. 05 PRODUÇÃO DE BIOGÁS COM RS E RL.pptx
UNID. 05 PRODUÇÃO DE BIOGÁS COM RS E RL.pptx
Ângela Tavares
 
O papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuáriaO papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuária
Embaixada da República Federal da Alemanha no Brasil
 
Biogás cpt modeo de construção e informações técnicas
Biogás cpt modeo de construção e informações técnicasBiogás cpt modeo de construção e informações técnicas
Biogás cpt modeo de construção e informações técnicas
celiopcst
 
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortesBiomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
dani999
 
Artigo 5 determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
Artigo 5   determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...Artigo 5   determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
Artigo 5 determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
André Bellin Mariano
 
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptxAula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
AnaKassiaLopesGonalv1
 
Ch4 Soluções Sustentáveis - Produtos
Ch4 Soluções Sustentáveis - ProdutosCh4 Soluções Sustentáveis - Produtos
Ch4 Soluções Sustentáveis - Produtos
CH4 - Soluções Sustentáveis
 
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIALECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
Bio Solutions
 Bio Solutions Bio Solutions
Bio Solutions
BioSolutions Brasil
 
Apresentação Ecobac
Apresentação EcobacApresentação Ecobac
Apresentação Ecobac
Lucio Soares
 
AQUACULTURE LINE PRESENTATION 2014
AQUACULTURE LINE PRESENTATION 2014AQUACULTURE LINE PRESENTATION 2014
AQUACULTURE LINE PRESENTATION 2014
ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
PRODUÇÕES DE METANO E REDUÇÕES DE SÓLIDOS E DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO DU...
PRODUÇÕES DE METANO E REDUÇÕES DE SÓLIDOS E DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO DU...PRODUÇÕES DE METANO E REDUÇÕES DE SÓLIDOS E DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO DU...
PRODUÇÕES DE METANO E REDUÇÕES DE SÓLIDOS E DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO DU...
Rafael Gauchinho
 
O cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocosO cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocos
Paula M. de Campos
 
Biogás obtido pela vinhaça da cana de açúcar
Biogás obtido pela vinhaça da cana de açúcarBiogás obtido pela vinhaça da cana de açúcar
Biogás obtido pela vinhaça da cana de açúcar
Embaixada da República Federal da Alemanha no Brasil
 
Compostagem_13_02.pdf
Compostagem_13_02.pdfCompostagem_13_02.pdf
Compostagem_13_02.pdf
LucimarVenncioAmaral
 

Semelhante a Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV (20)

Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e BiometanoAula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
 
20. instalação de biodigestores (1)
20. instalação de biodigestores (1)20. instalação de biodigestores (1)
20. instalação de biodigestores (1)
 
Minicurso biogás
Minicurso biogásMinicurso biogás
Minicurso biogás
 
UNID. 05 PRODUÇÃO DE BIOGÁS COM RS E RL.pptx
UNID. 05 PRODUÇÃO DE BIOGÁS COM RS E RL.pptxUNID. 05 PRODUÇÃO DE BIOGÁS COM RS E RL.pptx
UNID. 05 PRODUÇÃO DE BIOGÁS COM RS E RL.pptx
 
O papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuáriaO papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuária
 
Biogás cpt modeo de construção e informações técnicas
Biogás cpt modeo de construção e informações técnicasBiogás cpt modeo de construção e informações técnicas
Biogás cpt modeo de construção e informações técnicas
 
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortesBiomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
 
Artigo 5 determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
Artigo 5   determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...Artigo 5   determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
Artigo 5 determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
 
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptxAula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
 
Ch4 Soluções Sustentáveis - Produtos
Ch4 Soluções Sustentáveis - ProdutosCh4 Soluções Sustentáveis - Produtos
Ch4 Soluções Sustentáveis - Produtos
 
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
 
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
 
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIALECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
 
Bio Solutions
 Bio Solutions Bio Solutions
Bio Solutions
 
Apresentação Ecobac
Apresentação EcobacApresentação Ecobac
Apresentação Ecobac
 
AQUACULTURE LINE PRESENTATION 2014
AQUACULTURE LINE PRESENTATION 2014AQUACULTURE LINE PRESENTATION 2014
AQUACULTURE LINE PRESENTATION 2014
 
PRODUÇÕES DE METANO E REDUÇÕES DE SÓLIDOS E DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO DU...
PRODUÇÕES DE METANO E REDUÇÕES DE SÓLIDOS E DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO DU...PRODUÇÕES DE METANO E REDUÇÕES DE SÓLIDOS E DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO DU...
PRODUÇÕES DE METANO E REDUÇÕES DE SÓLIDOS E DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO DU...
 
O cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocosO cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocos
 
Biogás obtido pela vinhaça da cana de açúcar
Biogás obtido pela vinhaça da cana de açúcarBiogás obtido pela vinhaça da cana de açúcar
Biogás obtido pela vinhaça da cana de açúcar
 
Compostagem_13_02.pdf
Compostagem_13_02.pdfCompostagem_13_02.pdf
Compostagem_13_02.pdf
 

Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV

  • 1. Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos III Workshop de Bioenergia Perspectivas do Setor de Biogás
  • 2. Apresentação » Introdução; » Indicadores da viabilidade para montagem e operação de biodigestores; » Processo de biodigestão; » Entradas (água e dejetos); » Biodigestor; » Biofertilizante; » Biogás; » Conjunto moto-gerador; » Conjunto motor bomba; » Aspectos bioquímicos; » Variáveis envolvidas no processo de biodigestão; » Viabilidade econômica;
  • 4. Consequências » Dejetos; » Mau cheiro; » Ambiente; » Emissão de GEE;
  • 5. Biodigestor é um equipamento utilizado para o processamento de matéria orgânica, como, por exemplo, fezes, urina e sobras da suinocultura. O biodigestor proporciona as condições necessárias para que as bactérias atuem sobre a biomassa para a produção de biogás e biofertilizante. Biogás: É uma mistura de gases contendo, aproximadamente, 75%de CH4 e 25% de CO2. Biofertilizante: Matéria orgânica rica em elementos minerais, possuindo grande capacidade de recuperação de solos degradados.
  • 6.
  • 7. Indicadores da viabilidade da montagem e operação de biodigestores » Disponibilidade de dejetos e espaço físico a fim de viabilizar a construção do biodigestor; » Tempo e mão de obra disponível para manejo diário; » Conhecimento técnico de como utilizar os insumos adquiridos pela biodigestão; » Disponibilidade de equipamentos para utilização do biogás produzido;
  • 8. Processo de biodigestão Esquema do funcionamento de biodigestores Fonte. Hubner (2005)
  • 9. Água Residuária Entende-se por água residuária, a água descartada após utilização em diversas atividades ou processos. A produção pecuária gera grande quantidade de água residuária nas diversas etapas do processo.
  • 10. Quantidade de dejetos produzido pelos animais ENSMINGER, M. E., OLDFIELD, J.E. , HEINEMANN, W.W. Feeds & Nutr. 2 ed., California: The Ensminger Publishing Company, 1990. p.1544.
  • 11. Biodigestores Há dois tipos de biodigestores. • Descontínuo • Contínuo
  • 12. Biodigestores descontínuos » Específico para biomassas de decomposição lenta; » Recebe carga total, retendo-a até terminar o processo de biodigestão ; » Ao término do processo, o biodigestor é totalmente esvaziado; » Para um novo processo, o biodigestor deve ser novamente carregado;
  • 13. Biodigestores contínuos » Mais difundido; » Se adapta a maioria das biomassas; » Cargas diárias ou periódicas; » Descarrega o biofertilizante de forma contínua; » São os sistemas mais difundidos, sendo os modelos chinês e indiano são os mais conhecidos;
  • 16. Biodigestor modelo canadense » Modelo horizontal; » Caixa de carga em alvenaria e com a largura maior que a profundidade; » Área maior de exposição do sol Grande produção de biogás; » Amplamente difundido: é a tecnologia mais utilizada; » O biogás pode ser enviado para um gasômetro separado; » A localização do biodigestor é de grande importância, ima vez que afeta o sucesso ou a falha do sistema; » Deve estar pelo menos entre 30 e 50 metros de distância de qualquer fonte de água para evitar contaminações; » Deve estar localizado, preferencialmente, em área protegida de ventos frios e onde a temperatura permanece relativamente estável, tentando receber o máximo de energia solar;
  • 17.
  • 18. Biofertilizante Possui grande capacidade de recuperar os solos degradados! Matéria orgânica rica em elementos minerais.
  • 19. Composição básica do biofertilizante Macro e Micronutrientes Nitrogênio Enxofre Molibdênio Fósforo Sódio Boro Potássio Ferro Cobre Cálcio Cloro Zinco Magnésio Sílica Manganês A composição varia de acordo com a matéria-prima fermentada.
  • 20. Corretor de acidez (pH = 7,5) Ação do Biofertilizante no solo » Mantém » Melhora a estrutura e a textura,
  • 21. » Dá firmeza ao solo, de modo que resistam à ação desagregadora da água; » Deixa a terra com estrutura mais porosa, permitindo maior penetração do ar; » Favorece a multiplicação das bactérias, fixando o nitrogênio atmosférico; » Aumenta a produtividade e reduz o perigo de infestações nas lavouras;
  • 22. Biogás O biogás gerado é canalizado e direcionado a um motor/gerador de energia a partir de biogás. A energia elétrica gerada é usada para o funcionamento dos equipamentos utilizados no sistema de produção. A concentração de gás metano produzida pela biodigestão anaeróbia atingiu um pico de 70% no verão a uma temperatura média de 30ºC, sendo a menor concentração de 56%, a aproximadamente, 24ºC.
  • 23. Características do Biogás Composição do Biogás: » O metano chama azul-clara e queimando em CO2 e H2O; » Possui alto poder calorífico; » Sua qualidade depende do metano presente na mistura, ou seja, quanto maior for a quantidade de metano, melhor será o biogás em termos energéticos; Fonte: LA FARGE (1979), APPUD COLDEBELLA (2006)
  • 24. Capacidade de Geração de Biogás » A geração de biogás depende da característica do resíduo, que é o substrato para o crescimento dos micro-organismos; » A dieta dos animais e sistema digestório, interferem na distinção dos resíduos quanto à potencialidade de produção de biogás;
  • 25. Conjunto moto-gerador Equipado com um quadro de comando para monitorar o seu funcionamento. Motor originalmente a gasolina/diesel adaptado para o biogás Gerador de energia elétrica acoplado
  • 27. Conjunto motor-bomba (biofertilizante) Motor originalmente a gasolina/diesel, convertido para o biogás Bomba d’água acionada por um motor elétrico acoplado
  • 29. Fundamentos bioquímicos para a produção de biogás Hidrólise As enzimas produzidas pelas bactérias transformam polímeros, como amido e proteínas, em monômeros, como açúcares e aminoácidos.
  • 30. Acidogênese Na acidogênese, esses monômeros são transformados em ácidos graxos voláteis (AGV), como ácido butírico e ácido propiônico. Material orgânico simples Ácidos orgânicos simples
  • 31. Acetogênese Na acetogênese, esses ácidos graxos voláteis são transformados em ácido acético, gás carbônico e hidrogênio gasoso. Ácidos graxos voláteis CO2 H2 Ácido acético
  • 32. Metanogênese O Ácido acético é transformado em metano e gás carbônico pelas bactérias metanogênicas acetoclásticas e o gás carbônico e o hidrogênio são combinados, formando metano, pelas bactérias metanogênicas hidrogenotróficas. Acetato CO2 H2 METANO
  • 33.
  • 34. Variáveis envolvidas no processo de biodigestão » Temperatura; » Tempo de retenção hidráulica » Teor de sólidos » Concentração de nutrientes » Concentração de sólidos voláteis » Substâncias tóxicas » pH
  • 35. Temperatura » A temperatura de operação do digestor, é considerado um dos principais parâmetros, devido à grande influência deste fator na taxa de digestão anaeróbia; » A velocidade da reação depende da velocidade de crescimento dos micro-organismos envolvidos, que por sua vez dependem da temperatura; Aumento da temperatura Velocidade de crescimento de micro-organismos é acelerada Aumento da produção de biogás
  • 36. » As variações bruscas de temperatura no digestor pode desencadear a desestabilização do processo; » Existem três intervalos de temperatura em que se pode trabalhar com micro-organismos anaeróbicos: » Psicrófilos (abaixo de 25 o C); » Mesófilos (25 a 45 o C); » Termófilos (entre 45 e 65 o C);
  • 37. Tempo de retenção hidráulica » É o tempo necessário para a mistura ser digerida no digestor; » Ocorre quando a produção de gás é máxima, definindo o ponto de melhor qualidade do biogás no processo de biodigestão anaeróbia; » O tempo de retenção é determinado, num processo contínuo, pela relação entre volume do biodigestor e o volume diário de carga introduzida; » Usualmente, o TRH é de 30 a 45 dias; » Em algumas situações é possível a existência do biogás logo na primeira semana;
  • 38. Teor de sólidos » Material residual que fica em uma cápsula após secagem até peso constante em estufa em temperatura elevada (105o C); » Falta de água: pode provocar entupimento na tubulação; » Excesso de água: pode atrapalhar o processo da hidrólise, pois é exigida uma elevada carga de biomassa para que a mesma se processe adequadamente;
  • 39. Concentração de nutrientes » São necessários macro e micronutrientes do processo anaeróbio para a síntese de nova de biomassa; » Deve existir uma relação carbono/nitrogênio mantida entre 20:1 e 30:1; » EXCESSO DE NITROGÊNIO: pode levar a redução da produção de biogás, podendo ter como produto final compostos nitrogenados como a amônia ( NH3);
  • 40. Concentração de sólidos voláteis » É a porção de sólidos totais que é liberada de uma amostra, volatilizando-se quando aquecida até peso constante a 600o C; » Os SV contêm componentes orgânicos, que, teoricamente, deveriam ser convertidos em metano;
  • 41. Substâncias tóxicas Podem “contaminar” o esterco, afetando as bactérias envolvidas no processo. Uso de desinfetantes, antibióticos e bactericidas.
  • 42. Viabilidade Econômica segundo COLDEBELLA, 2006 » Propriedade 1: » 130 bovinos; » Biodigestor com 7 x 40 x 3 m de largura, comprimento e profundidade, respectivamente; » O sistema » O biofertilizante é utilizado para fertirrigação; » O por meio de um conjunto motor-gerador instalado na propriedade;
  • 43. » Propriedade 2 » 1000 matrizes; » Biodigestor com 10,5 x 55 x 4,5m de largura, comprimento e profundidade, respectivamente; » Bioofertilizante é utilizado para fertirrigação; » O biogas é utilizado para produção de energia elétrica.
  • 44. Produção de biogás SV – sólidos voláteis; 1 – chorume diluído com águas de lavagem; 2 – chorume não diluído e sem material constituinte das camas dos animais, diluições podem variar entre 1:0,5 e 1:7, palha para cama entre 1 a 3 kg/animal/dia. (Fonte: Coldebella, 2006)
  • 45. O sistema de manejo e a quantidade de animais determinam a capacidade de produção de biogás. » Propriedade 1: » Propriedade 2: 127,4 m3 /biogás/dia. 130 Vacas. 0,980 m3 /animal/dia de biogás. 933 m3 /biogás/dia. 1000 Porcas. 0,933 m3 /animal/dia de biogás.
  • 46. Eficiência (%) = (energia produzida kWh/m3 / 6,5 kWh/m3 ) * 100 1 m3 de biogás equivale a 6,5 kWh A energia produzida kWh/m3 é obtida convertendo-se a potência gerada em HP para kWh. Com essa conversão calcula-se a produção de energia em kWh/m3 . 1HP equivale a 0,746 kW
  • 47.
  • 48. O gasômetro é conectado ao motor-gerador ou motor-bomba, que permanece em funcionamento até que o biogás seja totalmente consumido. A implantação do biodigestor equivale a, aproximadamente, R$ 200,00/suíno e do conjunto motor-gerador cerca de R$ 440,00/kW.
  • 49. Tempo de retorno de investimento O tempo de retorno do investimento está em função do tempo de operação do equipamento, quanto menor for o tempo de operação, maior será o custo da energia elétrica. » Propriedade 1: » Tempo de operação: 2,5h/dia; » Implantação do biodigestor: R$ 50.000,00; » Motor-gerador: R$ 20.000,00; » Produção de 44 kWh de energia elétrica; » Propriedade 2: » Tempo de operação: 10h/dia; » Implantação do biodigestor: R$ 100.000,00; » Motor-gerador: R$ 20.000,00; » Produção de 36 kWh de energia elétrica;
  • 50. Custo da eletricidade (MWh) para as propriedades, de acordo com o tempo de amortização e tempo de operação do gerador: Propriedade 1: Propriedade 2:
  • 51. O tempo de retorno deste investimento está relacionado com o valor pago pelo produtor por kWh à concessionária de energia elétrica. Q Para propriedades rurais o custo cobrado gira em torno de R$ 300,00/MWh.
  • 52. Tempo de retorno do investimento para a propriedade 1.
  • 53. Tempo de retorno do investimento para a propriedade 2.
  • 54. Somando-se a produção de energia elétrica à economia gerada pelo uso do biogás com o sistema de bombeamento para irrigação, reduz o tempo de retorno do investimento.
  • 55.
  • 56. 100 vacas 2500 kg de estrume por dia100 vacas 2500 kg de estrume por dia ProduProduçãção dio diáária de biogria de biogááss  (0,0409 m(0,0409 m33/kg/kg estrume) = 100 mestrume) = 100 m33 (3,33 botij(3,33 botijõões de GLP por diaes de GLP por dia ou 1215 botijou 1215 botijõões por ano, ou seja, R$ 26.730,00)es por ano, ou seja, R$ 26.730,00) FertilizanteFertilizante R$ 40.000,00R$ 40.000,00 POTENCIAL PARA 100 VACASPOTENCIAL PARA 100 VACAS 2500 kg de leite por dia2500 kg de leite por dia
  • 57. Produtividade Meio Ambiente Saúde • Aumento de forragem • Redução de custos energéticos • Preservação da vegetação local • Melhoria da qualidade do solo • Melhoria da qualidade do ar no ambiente doméstico • Melhoria das condições sanitárias Fonte: adaptado de Instituto WINROCK, (2008)