SlideShare uma empresa Scribd logo
GERENCIAMENTO DEGERENCIAMENTO DE
RESÍDUOS BIOLÓGICOS EMRESÍDUOS BIOLÓGICOS EM
LABORATÓRIOS DELABORATÓRIOS DE
PESQUISA CIENTÍFICAPESQUISA CIENTÍFICA
Marcelo Henrique Otenio
10/08/07 2
Introdução
 Os resíduos gerados em atividades de pesquisa e análises de
rotinas são quase sempre negligenciados, quer seja pela
característica de pequeno volume, quer seja pela inconstância de
geração. Embora condenada pelos próprios pesquisadores a
conduta de destinar os resíduos biológicos laboratoriais em lixo
comum, é prática rotineira em muitas instituições do país e a sua
segregação com o correto tratamento e descarte quase sempre
não é feita.
 Todo resíduo gerado pelos laboratórios de pesquisa com
animais, plantas ou microrganismos é passível de conter ou de
diretamente classificado como resíduo biológico. Não somente
hospitais ou clínicas são geradores de resíduos biológicos, como
também instituições com outras atividades são consideradas
geradoras.
10/08/07 3
 Quantificar o resíduo gerado na Embrapa
Gado de Leite e avaliar mediante a
metodologia do Discurso do Sujeito
Coletivo (DSC), a opinião de
Pesquisadores, Analistas e Estagiários a
respeito da problemática do resíduo
biológico gerado pela pesquisa científica.
Objetivo
10/08/07 4
 Local de Estudo
 Embrapa Gado de Leite, Centro de
Pesquisa Agropecuária localizada no
município de Juiz de Fora – MG ;
 A Unidade possui 11 laboratórios de
pesquisa científica..
Materiais e Métodos
10/08/07 5
SUJEITOS DA PESQUISA
 Participaram deste levantamento 33 pessoas,
escolhidos aleatoriamente das Unidades geradoras de
resíduo (laboratórios) da Embrapa Gado de Leite;
 Pesquisador responsável pelo Laboratório
 Analista ou técnico do laboratório e estagiário (3
pessoas por unidade geradora)
 Uma pessoa responsável pela limpeza geral e
transporte dos resíduos gerados dentro da unidade.
Materiais e Métodos
10/08/07 6
Materiais e Métodos
MÉTODO DA PESQUISA
 Estratégia metodológica em pesquisa qualitativa: Discurso
do Sujeito Coletivo (LEFÈVRE et. al., 2000; LEFÈVRE e
LEFÈVRE, 2003).
 Levantamento da geração, segregação e destino final do
resíduo biológico, utilizado em cada unidade geradora
(laboratórios de pesquisa e prestação de serviços) da
Embrapa Gado de Leite. Foi entregue aos responsáveis pelos
laboratórios um formulário para o levantamento do tipo e
quantidade de resíduo gerado em cada laboratório. Após a
coleta dos dados, estes foram tabulados utilizando o
programa de planilhas e gráficos BrOffice.org 2.1-Calc, para
avaliar a freqüência do aparecimento das respostas obtidas.
10/08/07
COLETA DE DADOS
 1ª fase: Entrevista gravada com roteiro semi-
estruturado;
 2ª fase: Foi entregue aos responsáveis pelos
laboratórios um formulário para o levantamento do tipo
e quantidade de resíduo gerado em cada laboratório.
Após a coleta dos dados, estes foram tabulados
utilizando o programa de planilhas e gráficos
BrOffice.org 2.1-Calc, para avaliar a freqüência do
aparecimento das respostas obtidas.
Materiais e Métodos
10/08/07 8
Materiais e Métodos
Qualiquantisoft
 Sofware desenvolvido por Lefèvre e Lefèvre
na USP em parceria com Sales & Paschoal
Informática;
 Permite maior agilidade nas tarefas mecânicas
da pesquisa.
10/08/07
Resultados
 A primeira fase da pesquisa denotam as
representações dos resíduos biológicos para os
entrevistados;
 A segunda fase refere-se aos dados do
levantamento quantitativo referentes ao descarte
e acondicionamento dos resíduos biológicos
gerados na Embrapa Gado de Leite em 2007.
10/08/07
“Na sua opinião o que é
resíduo biológico?”
10/08/07
1º Discurso gerado a partir da Idéia Central (IC) A: Material
que pode ser descartado
“Tudo aquilo que já foi utilizado e talvez não tenha mais um
aproveitamento que deve ser descartado dando um destino
apropriado ou não, para não atingir o meio ambiente.
Qualquer subproduto de processamento do organismo vivo,
que tem origem biológica, não química, como células,
tecidos ou qualquer coisa que é subtraído ou excluído de um
material utilizado em atividades fins dos laboratórios, no
caso microrganismo, bactéria, fungo, levedura e protozoário
ou até mesmo água contaminada por um excedente de um
reagente que está sendo utilizado ou um produto originário
de uma reação química que você vai descartar.”
10/08/07
“É toda substância que contenha origem biológica e qualquer resto
biológico de laboratório que possa ter uma contaminação causada
por microorganismos, podendo ser um resíduo animal ou vegetal,
ou ainda algum tipo de lixo tóxico.
2º Discurso gerado a partir da Idéia Central (IC) B:
Substâncias biológicas contaminadas
É todo subproduto de uma atividade humana ou de algum
experimento, oriundo de processamento de uma análise de
pesquisa ou prestação de serviço que envolve organismos vivos,
que seja alguma coisa orgânica e que pode conter agentes
patogênicos, bactérias, vírus e protozoários que possam de alguma
maneira ter conseqüências para a vida, infectar outros tipos de
pessoas ou animais e causar prejuízo ao ambiente.”
10/08/07
10/08/07
A B
Figura 1 - Distribuição dos dados do levantamento quantitativo referentes ao
descarte e acondicionamento dos resíduos biológicos gerados na Embrapa Gado de
Leite em 2007. A - Resíduos gerados pelas unidades laboratoriais descartados em
lixo comum: resíduos biológicos em azul e resíduos comuns em vermelho. B -
Acondicionamento dos resíduos biológicos gerados: resíduos que recebem um
acondicionamento específico (azul); acondicionados em recipiente rígido com tampa
(vermelho) e em saco branco leitoso (amarelo).
10/08/07
Quantidade Kg/semana
Laboratório
Grupo A (A1 e A4) e B –
Saco branco leitoso
Grupo E – Caixa de
perfurocortante
Total gerado
Parasitologia 8,78 0,14 8,92
Genética Vegetal 0,00 0,00 0
Reprodução Animal 1,36 0,46 1,82
Microbiologia do Rúmen 0,53 0,58 1,11
Genética Molecular 0,40 0,00 0,4
Qualidade do Leite 4,06 0,06 4,12
Microbiologia do Leite 2,70 0,02 2,72
Entomologia 0,02 0,00 0,02
Biotecn. e Fisiol. Vegetal 0,00 0,00 0
Análise de Alimentos 0,00 0,70 0,7
Total (Embrapa Gado de
Leite) Kg/semana
17,85 1,96 19,81
Tabela 1 – Quantidade de resíduo biológico gerado por semana nas
Unidades laboratoriais da Embrapa Gado de Leite, referente á média
do período de dezembro a fevereiro de 2008.
10/08/07
Conclusões
 Os atores desta pesquisa como inseridos num contexto atual de
preocupação com o manejo dos resíduos de processo expressam
que o resíduo biológico está relacionado à questão de saúde,
ambiente e sociedade.
 A implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Biológicos
(PGRB) é imprescindível ao desenvolvimento das Instituições de
Pesquisa no âmbito da adequação e modernização das práticas
envolvidas.
 O Plano de Gerenciamento de Resíduos Biológicos (PGRB) deve
ser elaborado com base nas características e volume dos resíduos
de serviços de saúde gerados, estabelecendo as diretrizes de
manejo desses resíduos, incluindo as medidas de: segregação,
acondicionamento, identificação, transporte interno,
armazenamento intermediário, armazenamento temporário,
tratamento, armazenamento externo, coleta e transporte externo e
destinação final.
Legislação, Documentação e
Credencimamento como Unidade Geradora
Os RSS são classificados em função de suas
características e conseqüentes riscos que podem
acarretar ao meio ambiente e à saúde.
De acordo com a RDC ANVISA nº 306/04 e
Resolução CONAMA nº 358/05, os Resíduos de
Serviço de Saúde (Resíduos Biológicos) são
classificados em cinco grupos: A, B, C, D e E.
Tratamento
Pela Resolução ANVISA nº 306/04, o tratamento
consiste na aplicação de método, técnica ou processo
que modifique as características dos riscos inerentes
aos resíduos, reduzindo ou eliminando o risco de
contaminação, de acidentes ocupacionais ou de danos
ao meio ambiente.
Há várias formas de se proceder ao tratamento:
desinfecção química ou térmica (autoclavagem,
microondas, incineração).
Acondicionamento
Os resíduos segregados devem ser embalados em sacos
ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações
de punctura e ruptura, impermeáveis, respeitados os limites
de peso de cada saco, sendo proibido o seu esvaziamento
ou reaproveitamento, conforme estabelecido na NBR
9191/2000.
Os sacos devem estar contidos em recipientes de material
lavável, resistente a punctura, ruptura e vazamento, com
tampa provida de sistema de abertura sem contato manual,
com cantos arredondados e ser resistentes ao tombamento.
Materiais perfurocortantes e todos os
utensílios de vidro quebrados no laboratório e
outros similares devem ser descartados
separadamente em recipientes rígidos,
resistentes à punctura, ruptura e vazamento,
com tampa, devidamente identificados,
baseados nas normas da ABNT NBR
13853/97 (RDC Nº 33/2003). A caixa deve ser
fechada ao atingir 2/3 da capacidade de
armazenamento usando o sistema de travas
da mesma e posteriormente encaminhada ao
local designado dentro da Unidade.
Acondicionamento
Credenciamento como Unidade Geradora
No contexto de enquadramento regional A Embrapa
Gado de Leite localizada no município de Juiz de
Fora, onde o Conselho Municipal de Meio ambiente
(COMDEMA), em sua Deliberação Nº. 22/2005 e a Lei
Municipal Nº. 9896/2000 dispõe sobre normas
específicas para o gerenciamento de resíduos
biológicos gerados por instituições da cidade.
Continua
Neste documento é estabelecido que as instituições
geradoras de resíduos biológicos na cidade deverão elaborar
o Plano de Gerenciamento de Serviços de Saúde Simplificado
– PGRSS.
Os geradores de resíduos do Grupo A (Subgrupo A1, A2 e
A4), e/ou Grupo B, e/ou Grupo E, em quantidade igual ou
inferior a 80 kg/ mês, devem se cadastrar e regularizar o
estabelecimento. Este cadastro deve ser feito pelo
preenchimento de um formulário específico onde são
tipificados, classificados e relacionados os resíduos gerados
de acordo com a legislação vigente.
Plano de Gerenciamento
O Plano de Gerenciamento de Resíduos Biológicos (PGRB)
deve ser elaborado com base nas características e volume
dos resíduos de serviços de saúde gerados, estabelecendo as
diretrizes de manejo desses resíduos.
Medidas:
Segregação;
Acondicionamento;
Identificação;
Transporte interno;
Armazenamento intermediário;
Armazenamento temporário;
Tratamento;
Armazenamento externo;
Coleta e transporte externo;
Destinação final.
Legislação, Documentação e
Credencimamento como Unidade Geradora
Os RSS são classificados em função de suas
características e conseqüentes riscos que podem
acarretar ao meio ambiente e à saúde.
De acordo com a RDC ANVISA nº 306/04 e
Resolução CONAMA nº 358/05, os Resíduos de
Serviço de Saúde (Resíduos Biológicos) são
classificados em cinco grupos: A, B, C, D e E.
Tratamento
Pela Resolução ANVISA nº 306/04, o tratamento
consiste na aplicação de método, técnica ou processo
que modifique as características dos riscos inerentes
aos resíduos, reduzindo ou eliminando o risco de
contaminação, de acidentes ocupacionais ou de danos
ao meio ambiente.
Há várias formas de se proceder ao tratamento:
desinfecção química ou térmica (autoclavagem,
microondas, incineração).
Acondicionamento
Os resíduos segregados devem ser embalados em sacos
ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações
de punctura e ruptura, impermeáveis, respeitados os limites
de peso de cada saco, sendo proibido o seu esvaziamento
ou reaproveitamento, conforme estabelecido na NBR
9191/2000.
Os sacos devem estar contidos em recipientes de material
lavável, resistente a punctura, ruptura e vazamento, com
tampa provida de sistema de abertura sem contato manual,
com cantos arredondados e ser resistentes ao tombamento.
Materiais perfurocortantes e todos os
utensílios de vidro quebrados no laboratório e
outros similares devem ser descartados
separadamente em recipientes rígidos,
resistentes à punctura, ruptura e vazamento,
com tampa, devidamente identificados,
baseados nas normas da ABNT NBR
13853/97 (RDC Nº 33/2003). A caixa deve ser
fechada ao atingir 2/3 da capacidade de
armazenamento usando o sistema de travas
da mesma e posteriormente encaminhada ao
local designado dentro da Unidade.
Acondicionamento
Credenciamento como Unidade Geradora
No contexto de enquadramento regional A Embrapa
Gado de Leite localizada no município de Juiz de
Fora, onde o Conselho Municipal de Meio ambiente
(COMDEMA), em sua Deliberação Nº. 22/2005 e a Lei
Municipal Nº. 9896/2000 dispõe sobre normas
específicas para o gerenciamento de resíduos
biológicos gerados por instituições da cidade.
Continua
Neste documento é estabelecido que as instituições
geradoras de resíduos biológicos na cidade deverão elaborar
o Plano de Gerenciamento de Serviços de Saúde Simplificado
– PGRSS.
Os geradores de resíduos do Grupo A (Subgrupo A1, A2 e
A4), e/ou Grupo B, e/ou Grupo E, em quantidade igual ou
inferior a 80 kg/ mês, devem se cadastrar e regularizar o
estabelecimento. Este cadastro deve ser feito pelo
preenchimento de um formulário específico onde são
tipificados, classificados e relacionados os resíduos gerados
de acordo com a legislação vigente.
Plano de Gerenciamento
O Plano de Gerenciamento de Resíduos Biológicos (PGRB) deve ser
elaborado com base nas características e volume dos resíduos de
serviços de saúde gerados, estabelecendo as diretrizes de manejo
desses resíduos.
Medidas:
Segregação;
Acondicionamento;
Identificação;
Transporte interno;
Armazenamento intermediário;
Armazenamento temporário;
Tratamento;
Armazenamento externo;
Coleta e transporte externo;
Destinação final.
Classificação dos Resíduos Biológicos
Os RSS são classificados em função de suas
características e conseqüentes riscos que podem acarretar
ao meio ambiente e à saúde.
De acordo com a RDC ANVISA nº 306/04 e Resolução
CONAMA nº 358/05, os Resíduos de Serviço de Saúde
(Resíduos Biológicos) são classificados em cinco grupos: A,
B, C, D e E.
Classificação dos Resíduos
Biológicos
Grupo A - engloba os componentes com possível
presença de agentes biológicos que, por suas
características de maior virulência ou concentração, podem
apresentar risco de infecção. Exemplos: placas e lâminas de
laboratório, carcaças, peças anatômicas (membros), tecidos,
bolsas transfusionais contendo sangue, dentre outras.
Grupo B - contém substâncias químicas que podem
apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente,
dependendo de suas características de inflamabilidade,
corrosividade, reatividade e toxicidade. Ex: medicamentos
apreendidos, reagentes de laboratório, resíduos contendo
metais pesados, dentre outros.
Classificação dos Resíduos
Biológicos
Grupo C - quaisquer materiais resultantes de atividades
humanas que contenham radionuclídeos em quantidades
superiores aos limites de eliminação especificados nas
normas da Comissão Nacional de Energia Nuclear -
CNEN, como, por exemplo, serviços de medicina nuclear
e radioterapia etc.
Classificação dos Resíduos
Biológicos
Grupo D - não apresentam risco biológico, químico ou
radiológico à saúde ou ao meio ambiente, podendo ser
equiparados aos resíduos domiciliares. Ex: sobras de
alimentos e do preparo de alimentos, resíduos das áreas
administrativas etc.
Classificação dos Resíduos
Biológicos
VIDRO
PLÁSTICO
PAPEL
METAL
ORGÂNICO
Grupo E - materiais perfuro-cortantes ou escarificantes,
tais como lâminas de barbear, agulhas, ampolas de vidro,
pontas diamantadas, lâminas de bisturi, lancetas, espátulas
e outros similares.
Classificação dos Resíduos Biológicos
RESÍDUO PERFUROCORTANTE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduos
Julia Martins Ulhoa
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
biossegurança
biossegurançabiossegurança
biossegurança
João Junior
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
clinicansl
 
Lixo Hospitalar
Lixo HospitalarLixo Hospitalar
Lixo Hospitalar
ANDRÉA FERREIRA
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
Conceição Quirino
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
Stephanie Rodrigues
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
B&R Consultoria Empresarial
 
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
GABRIELA ELISE
 
NR 32
NR 32 NR 32
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
Mario Santos Aguiar
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Patrícia Tuneli
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
Rherysonn Pantoja
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Biosseguranca
Biosseguranca  Biosseguranca
Biosseguranca
UERGS
 
Biossegurança e riscos ocupacionais
Biossegurança e riscos ocupacionais Biossegurança e riscos ocupacionais
Biossegurança e riscos ocupacionais
Thiago Morəno
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
José Vitor Alves
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
nuiashrl
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduos
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
biossegurança
biossegurançabiossegurança
biossegurança
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Lixo Hospitalar
Lixo HospitalarLixo Hospitalar
Lixo Hospitalar
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
 
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
 
NR 32
NR 32 NR 32
NR 32
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Biosseguranca
Biosseguranca  Biosseguranca
Biosseguranca
 
Biossegurança e riscos ocupacionais
Biossegurança e riscos ocupacionais Biossegurança e riscos ocupacionais
Biossegurança e riscos ocupacionais
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 

Destaque

Gestão de resíduos hospitalares
Gestão de resíduos hospitalaresGestão de resíduos hospitalares
Gestão de resíduos hospitalares
ミゲル ソレッス
 
Residuos hospitalares
Residuos hospitalares Residuos hospitalares
Residuos hospitalares
micaelaneves
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
william vilhena
 
Nr25.resíduos industriais resíduos biológicos químicos e radioativos.
Nr25.resíduos industriais resíduos biológicos químicos e radioativos.Nr25.resíduos industriais resíduos biológicos químicos e radioativos.
Nr25.resíduos industriais resíduos biológicos químicos e radioativos.
Janielson Lima
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
Mayke Jhonatha
 
PGRSS HNSC Apresentação
PGRSS HNSC ApresentaçãoPGRSS HNSC Apresentação
PGRSS HNSC Apresentação
Everton Ianiak
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Resíduos
Tânia Reis
 
Os diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduosOs diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduos
Raúl Freitas
 
Os Resíduos dos Serviços de Saúde
Os Resíduos dos Serviços de SaúdeOs Resíduos dos Serviços de Saúde
Os Resíduos dos Serviços de Saúde
Wagner Rodrigues
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
antoniosantos
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Lixo biológico
Lixo biológicoLixo biológico
Pgrss
PgrssPgrss
Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - ANVISA
Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - ANVISAManual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - ANVISA
Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - ANVISA
Tainá Bimbati
 
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos HospitalaresIFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
Gabriel Almeida
 
Perguntas e respostas sobre o pgrss!
Perguntas e respostas sobre o pgrss!Perguntas e respostas sobre o pgrss!
Perguntas e respostas sobre o pgrss!
Emiliano De Angelis Reis
 
Manual de-gerenciamento-de-residuos-de-servico-de-saude
Manual de-gerenciamento-de-residuos-de-servico-de-saudeManual de-gerenciamento-de-residuos-de-servico-de-saude
Manual de-gerenciamento-de-residuos-de-servico-de-saude
Izabela Bitencourt
 
Visa anvisa - manual de gerenciamento dos residuos de serviços de saúde
Visa   anvisa - manual de gerenciamento dos residuos de serviços de saúdeVisa   anvisa - manual de gerenciamento dos residuos de serviços de saúde
Visa anvisa - manual de gerenciamento dos residuos de serviços de saúde
HEBERT ANDRADE RIBEIRO FILHO
 
Apresentação ger.res.
Apresentação ger.res.Apresentação ger.res.
Apresentação ger.res.
Tamires Lima
 
Redação de conclusão de curso sobre orçamento público
Redação de conclusão de curso sobre orçamento públicoRedação de conclusão de curso sobre orçamento público
Redação de conclusão de curso sobre orçamento público
Andre Guarizo
 

Destaque (20)

Gestão de resíduos hospitalares
Gestão de resíduos hospitalaresGestão de resíduos hospitalares
Gestão de resíduos hospitalares
 
Residuos hospitalares
Residuos hospitalares Residuos hospitalares
Residuos hospitalares
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
 
Nr25.resíduos industriais resíduos biológicos químicos e radioativos.
Nr25.resíduos industriais resíduos biológicos químicos e radioativos.Nr25.resíduos industriais resíduos biológicos químicos e radioativos.
Nr25.resíduos industriais resíduos biológicos químicos e radioativos.
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
 
PGRSS HNSC Apresentação
PGRSS HNSC ApresentaçãoPGRSS HNSC Apresentação
PGRSS HNSC Apresentação
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Resíduos
 
Os diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduosOs diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduos
 
Os Resíduos dos Serviços de Saúde
Os Resíduos dos Serviços de SaúdeOs Resíduos dos Serviços de Saúde
Os Resíduos dos Serviços de Saúde
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de Resíduos
 
Lixo biológico
Lixo biológicoLixo biológico
Lixo biológico
 
Pgrss
PgrssPgrss
Pgrss
 
Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - ANVISA
Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - ANVISAManual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - ANVISA
Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - ANVISA
 
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos HospitalaresIFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
 
Perguntas e respostas sobre o pgrss!
Perguntas e respostas sobre o pgrss!Perguntas e respostas sobre o pgrss!
Perguntas e respostas sobre o pgrss!
 
Manual de-gerenciamento-de-residuos-de-servico-de-saude
Manual de-gerenciamento-de-residuos-de-servico-de-saudeManual de-gerenciamento-de-residuos-de-servico-de-saude
Manual de-gerenciamento-de-residuos-de-servico-de-saude
 
Visa anvisa - manual de gerenciamento dos residuos de serviços de saúde
Visa   anvisa - manual de gerenciamento dos residuos de serviços de saúdeVisa   anvisa - manual de gerenciamento dos residuos de serviços de saúde
Visa anvisa - manual de gerenciamento dos residuos de serviços de saúde
 
Apresentação ger.res.
Apresentação ger.res.Apresentação ger.res.
Apresentação ger.res.
 
Redação de conclusão de curso sobre orçamento público
Redação de conclusão de curso sobre orçamento públicoRedação de conclusão de curso sobre orçamento público
Redação de conclusão de curso sobre orçamento público
 

Semelhante a Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)

AULA 13.pptx
AULA 13.pptxAULA 13.pptx
AULA 13.pptx
VanessaPereira757054
 
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
marcelo otenio
 
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizanteTratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
marcelo otenio
 
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIARESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
Preparo de vegetais desidratados em bancos de alimentos
Preparo de vegetais desidratados em bancos de alimentosPreparo de vegetais desidratados em bancos de alimentos
Preparo de vegetais desidratados em bancos de alimentos
Lidiane Martins
 
Aula residuosdeserviosdasade2-110528110549-phpapp01
Aula residuosdeserviosdasade2-110528110549-phpapp01Aula residuosdeserviosdasade2-110528110549-phpapp01
Aula residuosdeserviosdasade2-110528110549-phpapp01
NayaraOliver
 
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOSMANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
VMG CONSULTORIA E ASSESSORIA EM VIGILANCIA SANITARIA
 
Cartilha pgrssa
Cartilha pgrssaCartilha pgrssa
Cartilha pgrssa
Raquel Braga
 
Programa de treinamento
Programa de treinamentoPrograma de treinamento
Programa de treinamento
A.W. Faber-Castell
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas estudo de caso super fra...
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas   estudo de caso super fra...Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas   estudo de caso super fra...
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas estudo de caso super fra...
Cristiano Goncalves De Araujo
 
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
João Siqueira da Mata
 
Anselma L N Reis - Caracterizacao e avaliacao do manejo de residuos dos labor...
Anselma L N Reis - Caracterizacao e avaliacao do manejo de residuos dos labor...Anselma L N Reis - Caracterizacao e avaliacao do manejo de residuos dos labor...
Anselma L N Reis - Caracterizacao e avaliacao do manejo de residuos dos labor...
Anselma Reis
 
Cap20
Cap20Cap20
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
marcelo otenio
 
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIALECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
Palestra ib
Palestra ibPalestra ib
Palestra ib
pecsaa
 
Palestra ib batista
Palestra ib   batistaPalestra ib   batista
Palestra ib batista
pecsaa
 

Semelhante a Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde) (20)

AULA 13.pptx
AULA 13.pptxAULA 13.pptx
AULA 13.pptx
 
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
LIMPEZA DE REDES COLETORAS - RELATÓRIO 2012
 
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
 
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizanteTratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
 
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIARESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
 
Preparo de vegetais desidratados em bancos de alimentos
Preparo de vegetais desidratados em bancos de alimentosPreparo de vegetais desidratados em bancos de alimentos
Preparo de vegetais desidratados em bancos de alimentos
 
Aula residuosdeserviosdasade2-110528110549-phpapp01
Aula residuosdeserviosdasade2-110528110549-phpapp01Aula residuosdeserviosdasade2-110528110549-phpapp01
Aula residuosdeserviosdasade2-110528110549-phpapp01
 
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOSMANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
 
Cartilha pgrssa
Cartilha pgrssaCartilha pgrssa
Cartilha pgrssa
 
Programa de treinamento
Programa de treinamentoPrograma de treinamento
Programa de treinamento
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas estudo de caso super fra...
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas   estudo de caso super fra...Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas   estudo de caso super fra...
Gerenciamento de efluentes de abatedouros avícolas estudo de caso super fra...
 
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
Utilização de uma fossa sétpica biodigestora para melhoria do saneamento rura...
 
Anselma L N Reis - Caracterizacao e avaliacao do manejo de residuos dos labor...
Anselma L N Reis - Caracterizacao e avaliacao do manejo de residuos dos labor...Anselma L N Reis - Caracterizacao e avaliacao do manejo de residuos dos labor...
Anselma L N Reis - Caracterizacao e avaliacao do manejo de residuos dos labor...
 
Cap20
Cap20Cap20
Cap20
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
 
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
 
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIALECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
 
Palestra ib
Palestra ibPalestra ib
Palestra ib
 
Palestra ib batista
Palestra ib   batistaPalestra ib   batista
Palestra ib batista
 

Mais de marcelo otenio

Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
marcelo otenio
 
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFVBiodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
marcelo otenio
 
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJFTratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
marcelo otenio
 
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURALTECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
marcelo otenio
 
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
marcelo otenio
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
marcelo otenio
 
Apresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goiasApresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goias
marcelo otenio
 
A Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica BrasileiraA Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica Brasileira
marcelo otenio
 
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralÁgua Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
marcelo otenio
 
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
marcelo otenio
 

Mais de marcelo otenio (10)

Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
 
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFVBiodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
 
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJFTratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
 
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURALTECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
 
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
 
Apresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goiasApresentação núcleo goias
Apresentação núcleo goias
 
A Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica BrasileiraA Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica Brasileira
 
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralÁgua Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
 
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
Reunião Comitê Gestor de Projeto Monitores Ambientais 060509
 

Gerenciamento de resíduos biológicos (resíduos de serviços de saúde)

  • 1. GERENCIAMENTO DEGERENCIAMENTO DE RESÍDUOS BIOLÓGICOS EMRESÍDUOS BIOLÓGICOS EM LABORATÓRIOS DELABORATÓRIOS DE PESQUISA CIENTÍFICAPESQUISA CIENTÍFICA Marcelo Henrique Otenio
  • 2. 10/08/07 2 Introdução  Os resíduos gerados em atividades de pesquisa e análises de rotinas são quase sempre negligenciados, quer seja pela característica de pequeno volume, quer seja pela inconstância de geração. Embora condenada pelos próprios pesquisadores a conduta de destinar os resíduos biológicos laboratoriais em lixo comum, é prática rotineira em muitas instituições do país e a sua segregação com o correto tratamento e descarte quase sempre não é feita.  Todo resíduo gerado pelos laboratórios de pesquisa com animais, plantas ou microrganismos é passível de conter ou de diretamente classificado como resíduo biológico. Não somente hospitais ou clínicas são geradores de resíduos biológicos, como também instituições com outras atividades são consideradas geradoras.
  • 3. 10/08/07 3  Quantificar o resíduo gerado na Embrapa Gado de Leite e avaliar mediante a metodologia do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), a opinião de Pesquisadores, Analistas e Estagiários a respeito da problemática do resíduo biológico gerado pela pesquisa científica. Objetivo
  • 4. 10/08/07 4  Local de Estudo  Embrapa Gado de Leite, Centro de Pesquisa Agropecuária localizada no município de Juiz de Fora – MG ;  A Unidade possui 11 laboratórios de pesquisa científica.. Materiais e Métodos
  • 5. 10/08/07 5 SUJEITOS DA PESQUISA  Participaram deste levantamento 33 pessoas, escolhidos aleatoriamente das Unidades geradoras de resíduo (laboratórios) da Embrapa Gado de Leite;  Pesquisador responsável pelo Laboratório  Analista ou técnico do laboratório e estagiário (3 pessoas por unidade geradora)  Uma pessoa responsável pela limpeza geral e transporte dos resíduos gerados dentro da unidade. Materiais e Métodos
  • 6. 10/08/07 6 Materiais e Métodos MÉTODO DA PESQUISA  Estratégia metodológica em pesquisa qualitativa: Discurso do Sujeito Coletivo (LEFÈVRE et. al., 2000; LEFÈVRE e LEFÈVRE, 2003).  Levantamento da geração, segregação e destino final do resíduo biológico, utilizado em cada unidade geradora (laboratórios de pesquisa e prestação de serviços) da Embrapa Gado de Leite. Foi entregue aos responsáveis pelos laboratórios um formulário para o levantamento do tipo e quantidade de resíduo gerado em cada laboratório. Após a coleta dos dados, estes foram tabulados utilizando o programa de planilhas e gráficos BrOffice.org 2.1-Calc, para avaliar a freqüência do aparecimento das respostas obtidas.
  • 7. 10/08/07 COLETA DE DADOS  1ª fase: Entrevista gravada com roteiro semi- estruturado;  2ª fase: Foi entregue aos responsáveis pelos laboratórios um formulário para o levantamento do tipo e quantidade de resíduo gerado em cada laboratório. Após a coleta dos dados, estes foram tabulados utilizando o programa de planilhas e gráficos BrOffice.org 2.1-Calc, para avaliar a freqüência do aparecimento das respostas obtidas. Materiais e Métodos
  • 8. 10/08/07 8 Materiais e Métodos Qualiquantisoft  Sofware desenvolvido por Lefèvre e Lefèvre na USP em parceria com Sales & Paschoal Informática;  Permite maior agilidade nas tarefas mecânicas da pesquisa.
  • 9. 10/08/07 Resultados  A primeira fase da pesquisa denotam as representações dos resíduos biológicos para os entrevistados;  A segunda fase refere-se aos dados do levantamento quantitativo referentes ao descarte e acondicionamento dos resíduos biológicos gerados na Embrapa Gado de Leite em 2007.
  • 10. 10/08/07 “Na sua opinião o que é resíduo biológico?”
  • 11. 10/08/07 1º Discurso gerado a partir da Idéia Central (IC) A: Material que pode ser descartado “Tudo aquilo que já foi utilizado e talvez não tenha mais um aproveitamento que deve ser descartado dando um destino apropriado ou não, para não atingir o meio ambiente. Qualquer subproduto de processamento do organismo vivo, que tem origem biológica, não química, como células, tecidos ou qualquer coisa que é subtraído ou excluído de um material utilizado em atividades fins dos laboratórios, no caso microrganismo, bactéria, fungo, levedura e protozoário ou até mesmo água contaminada por um excedente de um reagente que está sendo utilizado ou um produto originário de uma reação química que você vai descartar.”
  • 12. 10/08/07 “É toda substância que contenha origem biológica e qualquer resto biológico de laboratório que possa ter uma contaminação causada por microorganismos, podendo ser um resíduo animal ou vegetal, ou ainda algum tipo de lixo tóxico. 2º Discurso gerado a partir da Idéia Central (IC) B: Substâncias biológicas contaminadas É todo subproduto de uma atividade humana ou de algum experimento, oriundo de processamento de uma análise de pesquisa ou prestação de serviço que envolve organismos vivos, que seja alguma coisa orgânica e que pode conter agentes patogênicos, bactérias, vírus e protozoários que possam de alguma maneira ter conseqüências para a vida, infectar outros tipos de pessoas ou animais e causar prejuízo ao ambiente.”
  • 14. 10/08/07 A B Figura 1 - Distribuição dos dados do levantamento quantitativo referentes ao descarte e acondicionamento dos resíduos biológicos gerados na Embrapa Gado de Leite em 2007. A - Resíduos gerados pelas unidades laboratoriais descartados em lixo comum: resíduos biológicos em azul e resíduos comuns em vermelho. B - Acondicionamento dos resíduos biológicos gerados: resíduos que recebem um acondicionamento específico (azul); acondicionados em recipiente rígido com tampa (vermelho) e em saco branco leitoso (amarelo).
  • 15. 10/08/07 Quantidade Kg/semana Laboratório Grupo A (A1 e A4) e B – Saco branco leitoso Grupo E – Caixa de perfurocortante Total gerado Parasitologia 8,78 0,14 8,92 Genética Vegetal 0,00 0,00 0 Reprodução Animal 1,36 0,46 1,82 Microbiologia do Rúmen 0,53 0,58 1,11 Genética Molecular 0,40 0,00 0,4 Qualidade do Leite 4,06 0,06 4,12 Microbiologia do Leite 2,70 0,02 2,72 Entomologia 0,02 0,00 0,02 Biotecn. e Fisiol. Vegetal 0,00 0,00 0 Análise de Alimentos 0,00 0,70 0,7 Total (Embrapa Gado de Leite) Kg/semana 17,85 1,96 19,81 Tabela 1 – Quantidade de resíduo biológico gerado por semana nas Unidades laboratoriais da Embrapa Gado de Leite, referente á média do período de dezembro a fevereiro de 2008.
  • 16. 10/08/07 Conclusões  Os atores desta pesquisa como inseridos num contexto atual de preocupação com o manejo dos resíduos de processo expressam que o resíduo biológico está relacionado à questão de saúde, ambiente e sociedade.  A implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Biológicos (PGRB) é imprescindível ao desenvolvimento das Instituições de Pesquisa no âmbito da adequação e modernização das práticas envolvidas.  O Plano de Gerenciamento de Resíduos Biológicos (PGRB) deve ser elaborado com base nas características e volume dos resíduos de serviços de saúde gerados, estabelecendo as diretrizes de manejo desses resíduos, incluindo as medidas de: segregação, acondicionamento, identificação, transporte interno, armazenamento intermediário, armazenamento temporário, tratamento, armazenamento externo, coleta e transporte externo e destinação final.
  • 17.
  • 18. Legislação, Documentação e Credencimamento como Unidade Geradora Os RSS são classificados em função de suas características e conseqüentes riscos que podem acarretar ao meio ambiente e à saúde. De acordo com a RDC ANVISA nº 306/04 e Resolução CONAMA nº 358/05, os Resíduos de Serviço de Saúde (Resíduos Biológicos) são classificados em cinco grupos: A, B, C, D e E.
  • 19. Tratamento Pela Resolução ANVISA nº 306/04, o tratamento consiste na aplicação de método, técnica ou processo que modifique as características dos riscos inerentes aos resíduos, reduzindo ou eliminando o risco de contaminação, de acidentes ocupacionais ou de danos ao meio ambiente. Há várias formas de se proceder ao tratamento: desinfecção química ou térmica (autoclavagem, microondas, incineração).
  • 20. Acondicionamento Os resíduos segregados devem ser embalados em sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e ruptura, impermeáveis, respeitados os limites de peso de cada saco, sendo proibido o seu esvaziamento ou reaproveitamento, conforme estabelecido na NBR 9191/2000. Os sacos devem estar contidos em recipientes de material lavável, resistente a punctura, ruptura e vazamento, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e ser resistentes ao tombamento.
  • 21. Materiais perfurocortantes e todos os utensílios de vidro quebrados no laboratório e outros similares devem ser descartados separadamente em recipientes rígidos, resistentes à punctura, ruptura e vazamento, com tampa, devidamente identificados, baseados nas normas da ABNT NBR 13853/97 (RDC Nº 33/2003). A caixa deve ser fechada ao atingir 2/3 da capacidade de armazenamento usando o sistema de travas da mesma e posteriormente encaminhada ao local designado dentro da Unidade. Acondicionamento
  • 22. Credenciamento como Unidade Geradora No contexto de enquadramento regional A Embrapa Gado de Leite localizada no município de Juiz de Fora, onde o Conselho Municipal de Meio ambiente (COMDEMA), em sua Deliberação Nº. 22/2005 e a Lei Municipal Nº. 9896/2000 dispõe sobre normas específicas para o gerenciamento de resíduos biológicos gerados por instituições da cidade.
  • 23. Continua Neste documento é estabelecido que as instituições geradoras de resíduos biológicos na cidade deverão elaborar o Plano de Gerenciamento de Serviços de Saúde Simplificado – PGRSS. Os geradores de resíduos do Grupo A (Subgrupo A1, A2 e A4), e/ou Grupo B, e/ou Grupo E, em quantidade igual ou inferior a 80 kg/ mês, devem se cadastrar e regularizar o estabelecimento. Este cadastro deve ser feito pelo preenchimento de um formulário específico onde são tipificados, classificados e relacionados os resíduos gerados de acordo com a legislação vigente.
  • 24. Plano de Gerenciamento O Plano de Gerenciamento de Resíduos Biológicos (PGRB) deve ser elaborado com base nas características e volume dos resíduos de serviços de saúde gerados, estabelecendo as diretrizes de manejo desses resíduos. Medidas: Segregação; Acondicionamento; Identificação; Transporte interno; Armazenamento intermediário; Armazenamento temporário; Tratamento; Armazenamento externo; Coleta e transporte externo; Destinação final.
  • 25.
  • 26. Legislação, Documentação e Credencimamento como Unidade Geradora Os RSS são classificados em função de suas características e conseqüentes riscos que podem acarretar ao meio ambiente e à saúde. De acordo com a RDC ANVISA nº 306/04 e Resolução CONAMA nº 358/05, os Resíduos de Serviço de Saúde (Resíduos Biológicos) são classificados em cinco grupos: A, B, C, D e E.
  • 27. Tratamento Pela Resolução ANVISA nº 306/04, o tratamento consiste na aplicação de método, técnica ou processo que modifique as características dos riscos inerentes aos resíduos, reduzindo ou eliminando o risco de contaminação, de acidentes ocupacionais ou de danos ao meio ambiente. Há várias formas de se proceder ao tratamento: desinfecção química ou térmica (autoclavagem, microondas, incineração).
  • 28. Acondicionamento Os resíduos segregados devem ser embalados em sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e ruptura, impermeáveis, respeitados os limites de peso de cada saco, sendo proibido o seu esvaziamento ou reaproveitamento, conforme estabelecido na NBR 9191/2000. Os sacos devem estar contidos em recipientes de material lavável, resistente a punctura, ruptura e vazamento, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e ser resistentes ao tombamento.
  • 29. Materiais perfurocortantes e todos os utensílios de vidro quebrados no laboratório e outros similares devem ser descartados separadamente em recipientes rígidos, resistentes à punctura, ruptura e vazamento, com tampa, devidamente identificados, baseados nas normas da ABNT NBR 13853/97 (RDC Nº 33/2003). A caixa deve ser fechada ao atingir 2/3 da capacidade de armazenamento usando o sistema de travas da mesma e posteriormente encaminhada ao local designado dentro da Unidade. Acondicionamento
  • 30. Credenciamento como Unidade Geradora No contexto de enquadramento regional A Embrapa Gado de Leite localizada no município de Juiz de Fora, onde o Conselho Municipal de Meio ambiente (COMDEMA), em sua Deliberação Nº. 22/2005 e a Lei Municipal Nº. 9896/2000 dispõe sobre normas específicas para o gerenciamento de resíduos biológicos gerados por instituições da cidade.
  • 31. Continua Neste documento é estabelecido que as instituições geradoras de resíduos biológicos na cidade deverão elaborar o Plano de Gerenciamento de Serviços de Saúde Simplificado – PGRSS. Os geradores de resíduos do Grupo A (Subgrupo A1, A2 e A4), e/ou Grupo B, e/ou Grupo E, em quantidade igual ou inferior a 80 kg/ mês, devem se cadastrar e regularizar o estabelecimento. Este cadastro deve ser feito pelo preenchimento de um formulário específico onde são tipificados, classificados e relacionados os resíduos gerados de acordo com a legislação vigente.
  • 32. Plano de Gerenciamento O Plano de Gerenciamento de Resíduos Biológicos (PGRB) deve ser elaborado com base nas características e volume dos resíduos de serviços de saúde gerados, estabelecendo as diretrizes de manejo desses resíduos. Medidas: Segregação; Acondicionamento; Identificação; Transporte interno; Armazenamento intermediário; Armazenamento temporário; Tratamento; Armazenamento externo; Coleta e transporte externo; Destinação final.
  • 33.
  • 34. Classificação dos Resíduos Biológicos Os RSS são classificados em função de suas características e conseqüentes riscos que podem acarretar ao meio ambiente e à saúde. De acordo com a RDC ANVISA nº 306/04 e Resolução CONAMA nº 358/05, os Resíduos de Serviço de Saúde (Resíduos Biológicos) são classificados em cinco grupos: A, B, C, D e E.
  • 35. Classificação dos Resíduos Biológicos Grupo A - engloba os componentes com possível presença de agentes biológicos que, por suas características de maior virulência ou concentração, podem apresentar risco de infecção. Exemplos: placas e lâminas de laboratório, carcaças, peças anatômicas (membros), tecidos, bolsas transfusionais contendo sangue, dentre outras.
  • 36. Grupo B - contém substâncias químicas que podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade. Ex: medicamentos apreendidos, reagentes de laboratório, resíduos contendo metais pesados, dentre outros. Classificação dos Resíduos Biológicos
  • 37. Grupo C - quaisquer materiais resultantes de atividades humanas que contenham radionuclídeos em quantidades superiores aos limites de eliminação especificados nas normas da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN, como, por exemplo, serviços de medicina nuclear e radioterapia etc. Classificação dos Resíduos Biológicos
  • 38. Grupo D - não apresentam risco biológico, químico ou radiológico à saúde ou ao meio ambiente, podendo ser equiparados aos resíduos domiciliares. Ex: sobras de alimentos e do preparo de alimentos, resíduos das áreas administrativas etc. Classificação dos Resíduos Biológicos VIDRO PLÁSTICO PAPEL METAL ORGÂNICO
  • 39. Grupo E - materiais perfuro-cortantes ou escarificantes, tais como lâminas de barbear, agulhas, ampolas de vidro, pontas diamantadas, lâminas de bisturi, lancetas, espátulas e outros similares. Classificação dos Resíduos Biológicos RESÍDUO PERFUROCORTANTE