SlideShare uma empresa Scribd logo
CP 4

Joaquim de Sousa Ferreira nº4941              EFA N.L. 05         11/04/2009


              FLUXOS MIGRATÓRIOS EM PORTUGAL

     O Portugal dos nossos dias é, simultaneamente, um país de origem e um
país de destino, ou seja, um país de onde continuam a sair nacionais para
residirem e trabalharem no estrangeiro e, ao mesmo tempo, para onde se
deslocam pessoas vindas de outros países com objectivos idênticos.
     Mas nem sempre foi assim. Portugal desde sempre foi um país mais de
emigração, do que imigração. Durante o século XVIII, e devido às descobertas
de minérios e pedras preciosas, dá-se um grande fenómeno de emigração para
as colónias portuguesas da altura – para o Brasil, e mais tarde para Angola e
Moçambique. Já no século XIX, com a instabilidade política vivida em Portugal,
e apesar da proclamação de independência do Brasil, continua a haver muitos
emigrantes para este país, assim como para a Argentina, Uruguai e Venezuela,
assim como para o continente australiano, estes, já mais para o final do século.
Por esta altura, a emigração para a Europa dava-se apenas para Espanha,
devido à sua proximidade.
     Com a chegada do século XX, acentua-se o fenómeno de emigração, em
boa parte devido ao aumento da colonização dos países africanos, feita
também através da chamada emigração forçada. Na primeira parte deste
século, os EUA e Canadá, são também países de destino para os emigrantes
portugueses, principalmente oriundos das ilhas dos Açores, devido á
proximidade e também por serem referidas como terras das oportunidades.
     Com o final da 2ª Guerra Mundial e com o regime fascista que governava
Portugal com a censura e repressão, deu-se uma grande explosão na
emigração. Vários eram os países do centro da Europa (Inglaterra, França,
Alemanha, Bélgica, Holanda, Luxemburgo) que se encontravam arrasados,
com populações dizimadas ou que tinham fugido à guerra e por estarem em
processo de reconstrução, eram países que ofereciam várias oportunidades de
trabalho. Estima-se que durante as décadas de 50 e 60 tenham sido mais de



                                                                               1
um milhão de portugueses a emigrar, só para França. Também no decurso
destas décadas acontece um grande fluxo de portugueses, a sua maioria
oriundos da região da Madeira, em direcção à África do Sul, país que viria mais
tarde – após o 25 de Abril – a receber novamente muitos portugueses, oriundos
não só de Portugal, mas também das antigas colónias, Angola e Moçambique,
muitos deles identificados com o sistema político racista e discriminativo que
governava aquele país. O pós-25 de Abril – até meados dos anos 80 – trás
novos fluxos migratórios de portugueses para os países atrás referenciados,
assim como para o Brasil, país que acolheu não só portugueses que
procuravam outras oportunidades para melhorar a vida, mas também muitos
outros ligados de alguma forma ao regime fascista.
     Durante os anos 80, Portugal também recebeu imigrantes, principalmente
naturais oriundos das ex-colónias, com relevância para Cabo Verde, Angola e
Moçambique. Mais tarde, já em meados da década de 90, Portugal começa a
ter mais imigrantes do que emigrantes. Devido à adesão de Portugal à União
Europeia (UE) em 1986, que o nosso país sofre transformações e
reestruturações a todos os níveis e sectores (algumas bem feitas, outras nem
por isso), em boa parte devido às ajudas financeiras vindas da UE, o que fez
com que os níveis de vida da maioria dos portugueses aumentasse e estes
fossem deixando de procurar a emigração como solução para uma vida mais
desafogada. É também no final da década de 80, que se dá a queda do muro
de Berlim e o fim da Guerra – Fria, o que mais tarde vai ter muita influência nos
fluxos migratórios não só em Portugal, mas um pouco por toda a Europa.
     Na década de 90, no nosso país decorriam vários projectos e obras, e
com isso a necessidade de pessoas para trabalhar na construção civil, que
provocaram um aumento nas taxas de imigração. Por se tratarem de trabalhos
não qualificados, nesta altura, Portugal recebe não apenas pessoas oriundas
das ex-colónias, mas passa também a receber pessoas de países com
Paquistão, Índia, Ucrânia, Rússia, Roménia, Moldávia, Polónia, Marrocos ou
Brasil (este devido aos acordos feitos entre governos português e brasileiro, ao
nível de vistos de entrada e permanência no nosso país). Como se nota os
antigos países da Cortina de Ferro são os que fornecem mais emigrantes, pois
estes deixaram reunir um mínimo de condições favoráveis para se poder viver,



                                                                               2
pois os ordenados são muito baixos, mesmo para pessoas qualificadas, são
países onde existe corrupção em todos os níveis e sectores destas sociedades,
indústrias e empresas detidas por poucas pessoas que aproveitaram a venda
ao desbarato das mesmas, e onde existem vários grupos mafiosos (compostos
na sua maioria por ex-militares oriundos dos exércitos, que foram reduzidos
após a queda do muro de Berlim e de todas as divisões de países que
aconteceram posteriormente) que controlam actividades ilegais como o jogo, o
tráfico de armas e de pessoas.
    Com o virar do século, e com o fenómeno globalização, continuou a haver
um aumento no número de imigrantes, registando-se um grande aumento dos
imigrantes provenientes da China e Mongólia, a esmagadora maioria ligados à
restauração e lojas de preços reduzidos. Ora como se nota, os actuais
imigrantes, já não ocupam apenas empregos ligados à construção civil, mas
também a várias actividades ligadas aos serviços ou na hotelaria e
restauração. Actualmente estes imigrantes (e apenas os legais) representam
quase 10% do PIB, o que já começa a ser significativo para um país pequeno
como Portugal.




                                                                           3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mobilidades Locais e Globais
Mobilidades Locais e GlobaisMobilidades Locais e Globais
Mobilidades Locais e Globais
Fernando de Sá
 
CP5
CP5CP5
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
SILVIA G. FERNANDES
 
Reflexão - CLC7
Reflexão - CLC7 Reflexão - CLC7
Reflexão - CLC7
Sizes & Patterns
 
CP 4
CP 4CP 4
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
joaokota
 
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJoMudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
mega
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
SILVIA G. FERNANDES
 
Direitos e deveres laborais
Direitos e deveres laboraisDireitos e deveres laborais
Direitos e deveres laborais
cattonia
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
arturferreira007
 
Clc Uc6 Dr4
Clc Uc6 Dr4Clc Uc6 Dr4
Clc Uc6 Dr4
Patuxa
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
I.Braz Slideshares
 
CLC 6
CLC 6CLC 6
Ng1 dr1 (cp)
Ng1 dr1 (cp)Ng1 dr1 (cp)
Ng1 dr1 (cp)
cattonia
 
comunidade ética global
comunidade ética globalcomunidade ética global
comunidade ética global
danikj
 
Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6
joaquimsousaferreira
 
Imigração portuguesa tiago
Imigração portuguesa tiagoImigração portuguesa tiago
Imigração portuguesa tiago
joao tavars
 
Dr1 val. étic.e cultu.
Dr1 val. étic.e cultu.Dr1 val. étic.e cultu.
Dr1 val. étic.e cultu.
ruigalvao
 
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
Fernando de Sá
 
Reflexão STC 7
Reflexão STC 7Reflexão STC 7
Reflexão STC 7
Raquel Silva
 

Mais procurados (20)

Mobilidades Locais e Globais
Mobilidades Locais e GlobaisMobilidades Locais e Globais
Mobilidades Locais e Globais
 
CP5
CP5CP5
CP5
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
 
Reflexão - CLC7
Reflexão - CLC7 Reflexão - CLC7
Reflexão - CLC7
 
CP 4
CP 4CP 4
CP 4
 
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
 
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJoMudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
 
Direitos e deveres laborais
Direitos e deveres laboraisDireitos e deveres laborais
Direitos e deveres laborais
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
 
Clc Uc6 Dr4
Clc Uc6 Dr4Clc Uc6 Dr4
Clc Uc6 Dr4
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
 
CLC 6
CLC 6CLC 6
CLC 6
 
Ng1 dr1 (cp)
Ng1 dr1 (cp)Ng1 dr1 (cp)
Ng1 dr1 (cp)
 
comunidade ética global
comunidade ética globalcomunidade ética global
comunidade ética global
 
Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6
 
Imigração portuguesa tiago
Imigração portuguesa tiagoImigração portuguesa tiago
Imigração portuguesa tiago
 
Dr1 val. étic.e cultu.
Dr1 val. étic.e cultu.Dr1 val. étic.e cultu.
Dr1 val. étic.e cultu.
 
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
 
Reflexão STC 7
Reflexão STC 7Reflexão STC 7
Reflexão STC 7
 

Destaque

Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
mega
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
mega
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
mega
 
Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2
mega
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratórios Fluxos migratórios
Fluxos migratórios
mariajoao500
 
CP-Dr4-idal
CP-Dr4-idalCP-Dr4-idal
CP-Dr4-idal
mega
 
Cp_4
Cp_4Cp_4
Cp_4
J P
 
Migrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e ConsequênciasMigrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e Consequências
lidia76
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
abarros
 
Cidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidadeCidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidade
Carlotamanaia
 
A evolucao dos movimentos migratorios em portugala apresentar
A evolucao dos movimentos migratorios em portugala apresentarA evolucao dos movimentos migratorios em portugala apresentar
A evolucao dos movimentos migratorios em portugala apresentar
miguelper123
 
Os sons que o corpo produz
Os sons que o corpo produzOs sons que o corpo produz
Os sons que o corpo produz
Henrique Cesar
 
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
SILVIA G. FERNANDES
 
Processos identitários
Processos identitáriosProcessos identitários
Processos identitários
Alexandre Leandro
 
Politicas públicas de acolhimento
Politicas públicas de acolhimentoPoliticas públicas de acolhimento
Politicas públicas de acolhimento
Raquel Silva
 
Migração animal
Migração animalMigração animal
Migração animal
Liliane Matos
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
joaokota
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
j_sdias
 
Diversidade Cultural de Portugal
Diversidade Cultural de PortugalDiversidade Cultural de Portugal
Diversidade Cultural de Portugal
Adelaide Jesus
 
Manifestações de intolerância à diferença
Manifestações de intolerância à diferençaManifestações de intolerância à diferença
Manifestações de intolerância à diferença
carla.carlos
 

Destaque (20)

Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
 
Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratórios Fluxos migratórios
Fluxos migratórios
 
CP-Dr4-idal
CP-Dr4-idalCP-Dr4-idal
CP-Dr4-idal
 
Cp_4
Cp_4Cp_4
Cp_4
 
Migrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e ConsequênciasMigrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e Consequências
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Cidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidadeCidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidade
 
A evolucao dos movimentos migratorios em portugala apresentar
A evolucao dos movimentos migratorios em portugala apresentarA evolucao dos movimentos migratorios em portugala apresentar
A evolucao dos movimentos migratorios em portugala apresentar
 
Os sons que o corpo produz
Os sons que o corpo produzOs sons que o corpo produz
Os sons que o corpo produz
 
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
 
Processos identitários
Processos identitáriosProcessos identitários
Processos identitários
 
Politicas públicas de acolhimento
Politicas públicas de acolhimentoPoliticas públicas de acolhimento
Politicas públicas de acolhimento
 
Migração animal
Migração animalMigração animal
Migração animal
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Diversidade Cultural de Portugal
Diversidade Cultural de PortugalDiversidade Cultural de Portugal
Diversidade Cultural de Portugal
 
Manifestações de intolerância à diferença
Manifestações de intolerância à diferençaManifestações de intolerância à diferença
Manifestações de intolerância à diferença
 

Semelhante a Cp4 Movimentos Migratórios

Geoloteria migrações
Geoloteria migraçõesGeoloteria migrações
Geoloteria migrações
Fernando M. Knapik
 
Emigração
EmigraçãoEmigração
Emigração
grandegruposendim
 
Emigração
EmigraçãoEmigração
Emigração
grandegruposendim
 
Migrações ilegais
Migrações ilegaisMigrações ilegais
Migrações ilegais
Mayjö .
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
juracyferra
 
Mobilidades locais e globais
Mobilidades locais e globaisMobilidades locais e globais
Mobilidades locais e globais
xikofonseca
 
Imigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasilImigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasil
Lorrany Viana
 
A emigração renato moreira
A emigração  renato moreiraA emigração  renato moreira
A emigração renato moreira
iosi2012
 
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Laboratório de História
 
Portugal, 1910-1940: da República ao Estado Novo
Portugal, 1910-1940: da República ao Estado NovoPortugal, 1910-1940: da República ao Estado Novo
Portugal, 1910-1940: da República ao Estado Novo
Cláudio Carneiro
 
Povos em movimento
Povos em movimentoPovos em movimento
Povos em movimento
Wander Junior
 
A imigração na Europa
A imigração na EuropaA imigração na Europa
A imigração na Europa
Tiago Araujo Campos
 
Fases da globalização
Fases da globalizaçãoFases da globalização
Fases da globalização
Vitor Alves
 
Fases da globalização
Fases da globalizaçãoFases da globalização
Fases da globalização
Vitor Alves
 
Fases da globalização 2
Fases da globalização   2Fases da globalização   2
Fases da globalização 2
vanessachamma
 
Trb de cp
Trb de cpTrb de cp
Migracoes1
Migracoes1Migracoes1
Migracoes1
guestce0389
 
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Eder Liborio
 
Ebook de historia1
Ebook de historia1Ebook de historia1
Ebook de historia1
Wilson Do Carmo
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratóriosFluxos migratórios

Semelhante a Cp4 Movimentos Migratórios (20)

Geoloteria migrações
Geoloteria migraçõesGeoloteria migrações
Geoloteria migrações
 
Emigração
EmigraçãoEmigração
Emigração
 
Emigração
EmigraçãoEmigração
Emigração
 
Migrações ilegais
Migrações ilegaisMigrações ilegais
Migrações ilegais
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
Mobilidades locais e globais
Mobilidades locais e globaisMobilidades locais e globais
Mobilidades locais e globais
 
Imigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasilImigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasil
 
A emigração renato moreira
A emigração  renato moreiraA emigração  renato moreira
A emigração renato moreira
 
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
 
Portugal, 1910-1940: da República ao Estado Novo
Portugal, 1910-1940: da República ao Estado NovoPortugal, 1910-1940: da República ao Estado Novo
Portugal, 1910-1940: da República ao Estado Novo
 
Povos em movimento
Povos em movimentoPovos em movimento
Povos em movimento
 
A imigração na Europa
A imigração na EuropaA imigração na Europa
A imigração na Europa
 
Fases da globalização
Fases da globalizaçãoFases da globalização
Fases da globalização
 
Fases da globalização
Fases da globalizaçãoFases da globalização
Fases da globalização
 
Fases da globalização 2
Fases da globalização   2Fases da globalização   2
Fases da globalização 2
 
Trb de cp
Trb de cpTrb de cp
Trb de cp
 
Migracoes1
Migracoes1Migracoes1
Migracoes1
 
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
 
Ebook de historia1
Ebook de historia1Ebook de historia1
Ebook de historia1
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratóriosFluxos migratórios
Fluxos migratórios
 

Mais de joaquimsousaferreira

Ft gate u f_c_d_23
Ft gate u f_c_d_23Ft gate u f_c_d_23
Ft gate u f_c_d_23
joaquimsousaferreira
 
Trab ufcd 8
Trab ufcd 8Trab ufcd 8
PDM opinião Clc 6
PDM opinião Clc 6PDM opinião Clc 6
PDM opinião Clc 6
joaquimsousaferreira
 
Conceitos Glossario
Conceitos GlossarioConceitos Glossario
Conceitos Glossario
joaquimsousaferreira
 
Glossário CLC_6
Glossário CLC_6Glossário CLC_6
Glossário CLC_6
joaquimsousaferreira
 
Trab. População em Portugal
Trab. População em PortugalTrab. População em Portugal
Trab. População em Portugal
joaquimsousaferreira
 
Gigabit Ethernet
Gigabit EthernetGigabit Ethernet
Gigabit Ethernet
joaquimsousaferreira
 
Tlm Vant Desvantagensw 32
Tlm Vant Desvantagensw 32Tlm Vant Desvantagensw 32
Tlm Vant Desvantagensw 32
joaquimsousaferreira
 
Trab Memorias Ram
Trab Memorias RamTrab Memorias Ram
Trab Memorias Ram
joaquimsousaferreira
 
Trab Impressoras Final
Trab Impressoras FinalTrab Impressoras Final
Trab Impressoras Final
joaquimsousaferreira
 

Mais de joaquimsousaferreira (10)

Ft gate u f_c_d_23
Ft gate u f_c_d_23Ft gate u f_c_d_23
Ft gate u f_c_d_23
 
Trab ufcd 8
Trab ufcd 8Trab ufcd 8
Trab ufcd 8
 
PDM opinião Clc 6
PDM opinião Clc 6PDM opinião Clc 6
PDM opinião Clc 6
 
Conceitos Glossario
Conceitos GlossarioConceitos Glossario
Conceitos Glossario
 
Glossário CLC_6
Glossário CLC_6Glossário CLC_6
Glossário CLC_6
 
Trab. População em Portugal
Trab. População em PortugalTrab. População em Portugal
Trab. População em Portugal
 
Gigabit Ethernet
Gigabit EthernetGigabit Ethernet
Gigabit Ethernet
 
Tlm Vant Desvantagensw 32
Tlm Vant Desvantagensw 32Tlm Vant Desvantagensw 32
Tlm Vant Desvantagensw 32
 
Trab Memorias Ram
Trab Memorias RamTrab Memorias Ram
Trab Memorias Ram
 
Trab Impressoras Final
Trab Impressoras FinalTrab Impressoras Final
Trab Impressoras Final
 

Cp4 Movimentos Migratórios

  • 1. CP 4 Joaquim de Sousa Ferreira nº4941 EFA N.L. 05 11/04/2009 FLUXOS MIGRATÓRIOS EM PORTUGAL O Portugal dos nossos dias é, simultaneamente, um país de origem e um país de destino, ou seja, um país de onde continuam a sair nacionais para residirem e trabalharem no estrangeiro e, ao mesmo tempo, para onde se deslocam pessoas vindas de outros países com objectivos idênticos. Mas nem sempre foi assim. Portugal desde sempre foi um país mais de emigração, do que imigração. Durante o século XVIII, e devido às descobertas de minérios e pedras preciosas, dá-se um grande fenómeno de emigração para as colónias portuguesas da altura – para o Brasil, e mais tarde para Angola e Moçambique. Já no século XIX, com a instabilidade política vivida em Portugal, e apesar da proclamação de independência do Brasil, continua a haver muitos emigrantes para este país, assim como para a Argentina, Uruguai e Venezuela, assim como para o continente australiano, estes, já mais para o final do século. Por esta altura, a emigração para a Europa dava-se apenas para Espanha, devido à sua proximidade. Com a chegada do século XX, acentua-se o fenómeno de emigração, em boa parte devido ao aumento da colonização dos países africanos, feita também através da chamada emigração forçada. Na primeira parte deste século, os EUA e Canadá, são também países de destino para os emigrantes portugueses, principalmente oriundos das ilhas dos Açores, devido á proximidade e também por serem referidas como terras das oportunidades. Com o final da 2ª Guerra Mundial e com o regime fascista que governava Portugal com a censura e repressão, deu-se uma grande explosão na emigração. Vários eram os países do centro da Europa (Inglaterra, França, Alemanha, Bélgica, Holanda, Luxemburgo) que se encontravam arrasados, com populações dizimadas ou que tinham fugido à guerra e por estarem em processo de reconstrução, eram países que ofereciam várias oportunidades de trabalho. Estima-se que durante as décadas de 50 e 60 tenham sido mais de 1
  • 2. um milhão de portugueses a emigrar, só para França. Também no decurso destas décadas acontece um grande fluxo de portugueses, a sua maioria oriundos da região da Madeira, em direcção à África do Sul, país que viria mais tarde – após o 25 de Abril – a receber novamente muitos portugueses, oriundos não só de Portugal, mas também das antigas colónias, Angola e Moçambique, muitos deles identificados com o sistema político racista e discriminativo que governava aquele país. O pós-25 de Abril – até meados dos anos 80 – trás novos fluxos migratórios de portugueses para os países atrás referenciados, assim como para o Brasil, país que acolheu não só portugueses que procuravam outras oportunidades para melhorar a vida, mas também muitos outros ligados de alguma forma ao regime fascista. Durante os anos 80, Portugal também recebeu imigrantes, principalmente naturais oriundos das ex-colónias, com relevância para Cabo Verde, Angola e Moçambique. Mais tarde, já em meados da década de 90, Portugal começa a ter mais imigrantes do que emigrantes. Devido à adesão de Portugal à União Europeia (UE) em 1986, que o nosso país sofre transformações e reestruturações a todos os níveis e sectores (algumas bem feitas, outras nem por isso), em boa parte devido às ajudas financeiras vindas da UE, o que fez com que os níveis de vida da maioria dos portugueses aumentasse e estes fossem deixando de procurar a emigração como solução para uma vida mais desafogada. É também no final da década de 80, que se dá a queda do muro de Berlim e o fim da Guerra – Fria, o que mais tarde vai ter muita influência nos fluxos migratórios não só em Portugal, mas um pouco por toda a Europa. Na década de 90, no nosso país decorriam vários projectos e obras, e com isso a necessidade de pessoas para trabalhar na construção civil, que provocaram um aumento nas taxas de imigração. Por se tratarem de trabalhos não qualificados, nesta altura, Portugal recebe não apenas pessoas oriundas das ex-colónias, mas passa também a receber pessoas de países com Paquistão, Índia, Ucrânia, Rússia, Roménia, Moldávia, Polónia, Marrocos ou Brasil (este devido aos acordos feitos entre governos português e brasileiro, ao nível de vistos de entrada e permanência no nosso país). Como se nota os antigos países da Cortina de Ferro são os que fornecem mais emigrantes, pois estes deixaram reunir um mínimo de condições favoráveis para se poder viver, 2
  • 3. pois os ordenados são muito baixos, mesmo para pessoas qualificadas, são países onde existe corrupção em todos os níveis e sectores destas sociedades, indústrias e empresas detidas por poucas pessoas que aproveitaram a venda ao desbarato das mesmas, e onde existem vários grupos mafiosos (compostos na sua maioria por ex-militares oriundos dos exércitos, que foram reduzidos após a queda do muro de Berlim e de todas as divisões de países que aconteceram posteriormente) que controlam actividades ilegais como o jogo, o tráfico de armas e de pessoas. Com o virar do século, e com o fenómeno globalização, continuou a haver um aumento no número de imigrantes, registando-se um grande aumento dos imigrantes provenientes da China e Mongólia, a esmagadora maioria ligados à restauração e lojas de preços reduzidos. Ora como se nota, os actuais imigrantes, já não ocupam apenas empregos ligados à construção civil, mas também a várias actividades ligadas aos serviços ou na hotelaria e restauração. Actualmente estes imigrantes (e apenas os legais) representam quase 10% do PIB, o que já começa a ser significativo para um país pequeno como Portugal. 3