SlideShare uma empresa Scribd logo
CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS  EM CAMPO  EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS
CORROSÃO DE MATERIAIS O QUE É CORROSÃO? A CORROSÃO É A DETERIORIZAÇÃO DE UM MATERIAL METÁLICO POR AÇÃO QUÍMICA OU ELETROQUÍMICA DO MEIO, PODENDO OU NÃO ESTAR ASSOCIADA A ESFORÇOS MECÂNICOS.
CORROSÃO DE MATERIAIS Corrosão galvânica em um tubo metálico Corrosão por pite em ferramenta metálica
CORROSÃO DE MATERIAIS Corrosão em águas/regiões marinhas
CORROSÃO DE MATERIAIS Corrosão em solos (tubo enterrado para condução de gás) Corrosão eletroquímica
CORROSÃO DE MATERIAIS Corrosão em regiões de solda Corrosão sob tensão Corrosão por abrasão
CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS  EM CAMPO  EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS
A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO? Perdas econômicas Perda da eficiência dos equipamentos Perda do produto ou contaminação Agressão ao meio ambiente Perda de vidas humanas CORROSÃO DE MATERIAIS
CORROSÃO DE MATERIAIS Navio Erika se partiu ao meio em 1999 na França. Causa: corrosão da estrutura. 30.000 L de combustível derramados no mar Queda do turismo na região Atividade de pesca praticamente desapareceu.
CORROSÃO DE MATERIAIS Queda da Ponte Silver nos EUA em 1967. 46 mortes Causa: corrosão da estrutura.
CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS  EM CAMPO  EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS
CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO   Objetivo: avaliar a ação corrosiva para prever o comportamento do material em campo. Tentam reproduzir ao máximo a realidade. Podem ser: Ensaio de Imersão Ensaios acelerados Ensaios eletroquímicos
CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO  Ensaios de Imersão : corpos de prova são imersos em fluidos corrosivos. Avaliar a taxa de corrosão. contínua ou alternada contínua com agitação ou fluxo constante líquidos aquecidos líquidos aerados ou desaerados associados a esforços mecânicos ou pressão
CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO  Ensaios Acelerados : avaliar a resistência a corrosão. câmara de névoa salina: atmosfera salina e úmida câmara de SO 2 : atmosfera industrial poluída câmara de umidade: presença de água ensaios cíclicos: repetitivos (erosão, abrasão)
CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO  Ensaios Eletroquímicos ensaios potenciostáticos : obtenção de curvas de polarização para os corpos de prova em meio corrosivo
Um potenciostato é um dispositivo eletrônico que controla a diferença de potencial elétrico entre o eletrodo de trabalho e o eletrodo de referência presentes em uma célula eletroquímica. Ao realizar este controle o potenciostato atua como um catalisador ou inibidor de reações eletroquímicas, ou seja, com um equipamento destes é possível controlar, através do potencial elétrico  essas reações. CORROSÃO DE MATERIAIS
CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO  Ensaios Eletroquímicos ensaios de impedância : utilizados como técnica de monitoração para investigar o comportamento de interfaces eletroquímicas.  A partir dos dados de impedância, o sistema pode ser modelado como um circuito elétrico que contém capacitores, indutores e resistores, que representam cada um dos fenômenos que ocorrem na célula eletroquímica, podendo-se quantizar a resistência do eletrólito ou a capacitância de dupla camada presente junto ao eletrodo de trabalho. São utilizados para avaliação de revestimentos e corrosão localizada
CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM CAMPO   São realizados nas condições reais de operação.  Podem ser: cupons de teste : corpos de prova de diversos materiais são colocados dentro do equipamento durante uma campanha e depois analisados. acompanhamento da perda de espessura : controle da espessura do material por medição (ultra-som). Limitação: não pode ser utilizado para corrosões localizadas.
CORROSÃO DE MATERIAIS ânodos galvânicos : criação de um ânodo no local, permitindo medir a corrente, potencial e desgaste. Limitações: utilizada em solos, não pode existir contato entre o eletrodo e solo, solo tem que ter baixa resistividade.
CORROSÃO DE MATERIAIS proteção catódica :  A corrente elétrica de uma fonte externa é aplicada de forma a se opor à natureza anódica do tubo. Assim, ele passa operar como catodo, no qual não há oxidação. Retificadores de proteção catódica são utilizados para fornecer a corrente. Utilizado em tubulações subterrâneas. Limitações: sistemas são inerentemente mais complexos, requerem mais manutenção e são de difícil instalação .
CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS  EM CAMPO  EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS
CORROSÃO DE MATERIAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS A corrosão é um problema de grande dimensões A corrosão é geralmente espontânea O meio, o mecanismo e o material constituem o sistema de corrosão Há pelo menos três formas de combater a corrosão: atuar no material, no meio ou no mecanismo Obrigada!  Luciana B. Palhares

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tratamentos térmicos
Tratamentos térmicosTratamentos térmicos
Tratamentos térmicos
Hertz Oliveira
 
Discordância
Discordância Discordância
Termoquimicos
TermoquimicosTermoquimicos
Termoquimicos
nel_mota
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
elizethalves
 
Diagramas De Fase
Diagramas De FaseDiagramas De Fase
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
Marco Bumba
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
Lidia Azevedo Ferreira
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
Rebeca Vale
 
Propriedades periódicas
Propriedades periódicas Propriedades periódicas
Propriedades periódicas
Augusto Sérgio Costa Souza
 
07 propriedades termicas
07 propriedades termicas07 propriedades termicas
07 propriedades termicas
A X.S
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Adrianne Mendonça
 
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Difusão
Difusão Difusão
Difusão
Anderson Formiga
 
Ana nery corrosão de metais
Ana nery   corrosão de metaisAna nery   corrosão de metais
Ana nery corrosão de metais
Joseval Estigaribia
 
Eletrização
EletrizaçãoEletrização
Eletrização
Vlamir Gama Rocha
 
2 Produção do aço
2  Produção do aço2  Produção do aço
2 Produção do aço
KLELTON BENETÃO
 
Capitulo 2 balanço de massa
Capitulo 2   balanço de massaCapitulo 2   balanço de massa
Capitulo 2 balanço de massa
Pk Keller
 
Mecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimentoMecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimento
elizethalves
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
Liana Maia
 
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Luis Henrique Bembo Filho
 

Mais procurados (20)

Tratamentos térmicos
Tratamentos térmicosTratamentos térmicos
Tratamentos térmicos
 
Discordância
Discordância Discordância
Discordância
 
Termoquimicos
TermoquimicosTermoquimicos
Termoquimicos
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Diagramas De Fase
Diagramas De FaseDiagramas De Fase
Diagramas De Fase
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
Propriedades periódicas
Propriedades periódicas Propriedades periódicas
Propriedades periódicas
 
07 propriedades termicas
07 propriedades termicas07 propriedades termicas
07 propriedades termicas
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
 
Difusão
Difusão Difusão
Difusão
 
Ana nery corrosão de metais
Ana nery   corrosão de metaisAna nery   corrosão de metais
Ana nery corrosão de metais
 
Eletrização
EletrizaçãoEletrização
Eletrização
 
2 Produção do aço
2  Produção do aço2  Produção do aço
2 Produção do aço
 
Capitulo 2 balanço de massa
Capitulo 2   balanço de massaCapitulo 2   balanço de massa
Capitulo 2 balanço de massa
 
Mecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimentoMecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimento
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
 

Destaque

Corrosão de metais
Corrosão de metaisCorrosão de metais
Corrosão de metais
vanessaquimica
 
Corrosão dos metais
Corrosão  dos metaisCorrosão  dos metais
Corrosão dos metais
Adrianne Mendonça
 
Meios corrosivos
Meios corrosivosMeios corrosivos
Meios corrosivos
milton junior
 
Corrosão
CorrosãoCorrosão
Corrosão
amanciogama
 
Vicente gentil -_corrosão_(1996)
Vicente gentil -_corrosão_(1996)Vicente gentil -_corrosão_(1996)
Vicente gentil -_corrosão_(1996)
Carlos Henrique
 
Doq Cgcre001r02
Doq Cgcre001r02Doq Cgcre001r02
Doq Cgcre001r02
guest2b559
 
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios EspecializadosProjeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Fernando Berlitz
 
Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010
José Paulo Alves Fusco
 
BossControl na Gestão de Laboratórios
BossControl na Gestão de LaboratóriosBossControl na Gestão de Laboratórios
BossControl na Gestão de Laboratórios
Felipe Goulart
 
Caracterização de amostra metalográfica
Caracterização de amostra metalográfica Caracterização de amostra metalográfica
Caracterização de amostra metalográfica
Ederson De Almeida Batista
 
Aula 6 curso básico cep fusco2
Aula 6 curso básico cep fusco2Aula 6 curso básico cep fusco2
Aula 6 curso básico cep fusco2
José Paulo Alves Fusco
 
MONITORAMENTO DA CORROSÃO
MONITORAMENTO DA CORROSÃOMONITORAMENTO DA CORROSÃO
MONITORAMENTO DA CORROSÃO
Mário Sérgio Mello
 
Corrosão em estruturas metálicas
Corrosão em estruturas metálicasCorrosão em estruturas metálicas
Corrosão em estruturas metálicas
Carlos Duarte Castanheira
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
Renato Carvalho
 
Confiabilidade Dutos Corroidos
Confiabilidade Dutos CorroidosConfiabilidade Dutos Corroidos
Confiabilidade Dutos Corroidos
jjlealc
 
Gestão e Experimentação Laboratorial
Gestão e Experimentação LaboratorialGestão e Experimentação Laboratorial
Gestão e Experimentação Laboratorial
Ricardo Zara
 
Análise tensões vasos_pressão_por_mef
Análise tensões vasos_pressão_por_mefAnálise tensões vasos_pressão_por_mef
Análise tensões vasos_pressão_por_mef
Jerônimo Junior
 
Soluções para inspeções em Tanques, Vasos e Tubulações
Soluções para inspeções em Tanques, Vasos e TubulaçõesSoluções para inspeções em Tanques, Vasos e Tubulações
Soluções para inspeções em Tanques, Vasos e Tubulações
BC END Ensaios Não Destrutivos
 
Laudo
LaudoLaudo
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviçoNBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
Jarson Garcia Arena
 

Destaque (20)

Corrosão de metais
Corrosão de metaisCorrosão de metais
Corrosão de metais
 
Corrosão dos metais
Corrosão  dos metaisCorrosão  dos metais
Corrosão dos metais
 
Meios corrosivos
Meios corrosivosMeios corrosivos
Meios corrosivos
 
Corrosão
CorrosãoCorrosão
Corrosão
 
Vicente gentil -_corrosão_(1996)
Vicente gentil -_corrosão_(1996)Vicente gentil -_corrosão_(1996)
Vicente gentil -_corrosão_(1996)
 
Doq Cgcre001r02
Doq Cgcre001r02Doq Cgcre001r02
Doq Cgcre001r02
 
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios EspecializadosProjeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
 
Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010
 
BossControl na Gestão de Laboratórios
BossControl na Gestão de LaboratóriosBossControl na Gestão de Laboratórios
BossControl na Gestão de Laboratórios
 
Caracterização de amostra metalográfica
Caracterização de amostra metalográfica Caracterização de amostra metalográfica
Caracterização de amostra metalográfica
 
Aula 6 curso básico cep fusco2
Aula 6 curso básico cep fusco2Aula 6 curso básico cep fusco2
Aula 6 curso básico cep fusco2
 
MONITORAMENTO DA CORROSÃO
MONITORAMENTO DA CORROSÃOMONITORAMENTO DA CORROSÃO
MONITORAMENTO DA CORROSÃO
 
Corrosão em estruturas metálicas
Corrosão em estruturas metálicasCorrosão em estruturas metálicas
Corrosão em estruturas metálicas
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
 
Confiabilidade Dutos Corroidos
Confiabilidade Dutos CorroidosConfiabilidade Dutos Corroidos
Confiabilidade Dutos Corroidos
 
Gestão e Experimentação Laboratorial
Gestão e Experimentação LaboratorialGestão e Experimentação Laboratorial
Gestão e Experimentação Laboratorial
 
Análise tensões vasos_pressão_por_mef
Análise tensões vasos_pressão_por_mefAnálise tensões vasos_pressão_por_mef
Análise tensões vasos_pressão_por_mef
 
Soluções para inspeções em Tanques, Vasos e Tubulações
Soluções para inspeções em Tanques, Vasos e TubulaçõesSoluções para inspeções em Tanques, Vasos e Tubulações
Soluções para inspeções em Tanques, Vasos e Tubulações
 
Laudo
LaudoLaudo
Laudo
 
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviçoNBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
 

Semelhante a Corrosão

MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA CORROSÃO E DE TÉCNICAS DE PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE...
MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA CORROSÃO E DE TÉCNICAS DE PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE...MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA CORROSÃO E DE TÉCNICAS DE PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE...
MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA CORROSÃO E DE TÉCNICAS DE PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE...
Adriana de Araujo
 
18.ago esmeralda 14.15_263_edp
18.ago esmeralda 14.15_263_edp18.ago esmeralda 14.15_263_edp
18.ago esmeralda 14.15_263_edp
itgfiles
 
Soldadura
SoldaduraSoldadura
Soldadura
sr adil
 
Curso ensaios eletricos
Curso ensaios eletricosCurso ensaios eletricos
Curso ensaios eletricos
fabiofds
 
Workshop-Ensaios-não-Destrutivos-em-Estruturas-de-Concreto-Isau-Guilherme-de-...
Workshop-Ensaios-não-Destrutivos-em-Estruturas-de-Concreto-Isau-Guilherme-de-...Workshop-Ensaios-não-Destrutivos-em-Estruturas-de-Concreto-Isau-Guilherme-de-...
Workshop-Ensaios-não-Destrutivos-em-Estruturas-de-Concreto-Isau-Guilherme-de-...
ssuserc8195e
 
Sinduscon 2015 parte 2_reduzido
Sinduscon 2015 parte 2_reduzidoSinduscon 2015 parte 2_reduzido
Sinduscon 2015 parte 2_reduzido
Adriana de Araujo
 
Gerenciall face - end - 2 rev 00
Gerenciall   face -  end - 2 rev 00Gerenciall   face -  end - 2 rev 00
Gerenciall face - end - 2 rev 00
Eng.Leonardo Medina Rosario.`.
 
Revisão bibliográfica sobre técnicas de monitoramento em isoladores
Revisão bibliográfica sobre técnicas de monitoramento em isoladoresRevisão bibliográfica sobre técnicas de monitoramento em isoladores
Revisão bibliográfica sobre técnicas de monitoramento em isoladores
WallissonFernandes1
 
Sensores de nível
Sensores de nívelSensores de nível
Sensores de nível
Pedro Raphael
 
Slides.pdf
Slides.pdfSlides.pdf
Slides.pdf
JefersonDantas14
 
Tecnologias para novos projetos e prolongamento de vida útil das estruturas d...
Tecnologias para novos projetos e prolongamento de vida útil das estruturas d...Tecnologias para novos projetos e prolongamento de vida útil das estruturas d...
Tecnologias para novos projetos e prolongamento de vida útil das estruturas d...
Adriana de Araujo
 
18.ago ouro i 15.15_470_copel-d
18.ago ouro i 15.15_470_copel-d18.ago ouro i 15.15_470_copel-d
18.ago ouro i 15.15_470_copel-d
itgfiles
 
17.ago esmeralda 14.45_466_copel-d
17.ago esmeralda 14.45_466_copel-d17.ago esmeralda 14.45_466_copel-d
17.ago esmeralda 14.45_466_copel-d
itgfiles
 
Medidores de Vazão Eletromagnéticos
Medidores de Vazão EletromagnéticosMedidores de Vazão Eletromagnéticos
Medidores de Vazão Eletromagnéticos
Victor Said
 
Resumo ensaios
Resumo ensaiosResumo ensaios
Resumo ensaios
Marcelo Cividini
 
Aula técnicas preditivas
Aula técnicas preditivasAula técnicas preditivas
Aula técnicas preditivas
Flávia Cristina
 
Resistividade elétrica do concreto na avaliação do estado de conservação de e...
Resistividade elétrica do concreto na avaliação do estado de conservação de e...Resistividade elétrica do concreto na avaliação do estado de conservação de e...
Resistividade elétrica do concreto na avaliação do estado de conservação de e...
Adriana de Araujo
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrial
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Ensaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosEnsaios não destrutivos
Ensaios não destrutivos
Raquel Marra
 
Tratamentos Superficie.pptx
Tratamentos Superficie.pptxTratamentos Superficie.pptx
Tratamentos Superficie.pptx
LuisCampo34
 

Semelhante a Corrosão (20)

MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA CORROSÃO E DE TÉCNICAS DE PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE...
MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA CORROSÃO E DE TÉCNICAS DE PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE...MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA CORROSÃO E DE TÉCNICAS DE PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE...
MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA CORROSÃO E DE TÉCNICAS DE PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE...
 
18.ago esmeralda 14.15_263_edp
18.ago esmeralda 14.15_263_edp18.ago esmeralda 14.15_263_edp
18.ago esmeralda 14.15_263_edp
 
Soldadura
SoldaduraSoldadura
Soldadura
 
Curso ensaios eletricos
Curso ensaios eletricosCurso ensaios eletricos
Curso ensaios eletricos
 
Workshop-Ensaios-não-Destrutivos-em-Estruturas-de-Concreto-Isau-Guilherme-de-...
Workshop-Ensaios-não-Destrutivos-em-Estruturas-de-Concreto-Isau-Guilherme-de-...Workshop-Ensaios-não-Destrutivos-em-Estruturas-de-Concreto-Isau-Guilherme-de-...
Workshop-Ensaios-não-Destrutivos-em-Estruturas-de-Concreto-Isau-Guilherme-de-...
 
Sinduscon 2015 parte 2_reduzido
Sinduscon 2015 parte 2_reduzidoSinduscon 2015 parte 2_reduzido
Sinduscon 2015 parte 2_reduzido
 
Gerenciall face - end - 2 rev 00
Gerenciall   face -  end - 2 rev 00Gerenciall   face -  end - 2 rev 00
Gerenciall face - end - 2 rev 00
 
Revisão bibliográfica sobre técnicas de monitoramento em isoladores
Revisão bibliográfica sobre técnicas de monitoramento em isoladoresRevisão bibliográfica sobre técnicas de monitoramento em isoladores
Revisão bibliográfica sobre técnicas de monitoramento em isoladores
 
Sensores de nível
Sensores de nívelSensores de nível
Sensores de nível
 
Slides.pdf
Slides.pdfSlides.pdf
Slides.pdf
 
Tecnologias para novos projetos e prolongamento de vida útil das estruturas d...
Tecnologias para novos projetos e prolongamento de vida útil das estruturas d...Tecnologias para novos projetos e prolongamento de vida útil das estruturas d...
Tecnologias para novos projetos e prolongamento de vida útil das estruturas d...
 
18.ago ouro i 15.15_470_copel-d
18.ago ouro i 15.15_470_copel-d18.ago ouro i 15.15_470_copel-d
18.ago ouro i 15.15_470_copel-d
 
17.ago esmeralda 14.45_466_copel-d
17.ago esmeralda 14.45_466_copel-d17.ago esmeralda 14.45_466_copel-d
17.ago esmeralda 14.45_466_copel-d
 
Medidores de Vazão Eletromagnéticos
Medidores de Vazão EletromagnéticosMedidores de Vazão Eletromagnéticos
Medidores de Vazão Eletromagnéticos
 
Resumo ensaios
Resumo ensaiosResumo ensaios
Resumo ensaios
 
Aula técnicas preditivas
Aula técnicas preditivasAula técnicas preditivas
Aula técnicas preditivas
 
Resistividade elétrica do concreto na avaliação do estado de conservação de e...
Resistividade elétrica do concreto na avaliação do estado de conservação de e...Resistividade elétrica do concreto na avaliação do estado de conservação de e...
Resistividade elétrica do concreto na avaliação do estado de conservação de e...
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrial
 
Ensaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosEnsaios não destrutivos
Ensaios não destrutivos
 
Tratamentos Superficie.pptx
Tratamentos Superficie.pptxTratamentos Superficie.pptx
Tratamentos Superficie.pptx
 

Mais de Luciana Boaventura Palhares

01_TEN~1.PPT
01_TEN~1.PPT01_TEN~1.PPT
00_INT~1.PPT
00_INT~1.PPT00_INT~1.PPT
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
Luciana Boaventura Palhares
 
1_Aula_ Historia Cerâmica_Aplicações_2022.pptx
1_Aula_ Historia Cerâmica_Aplicações_2022.pptx1_Aula_ Historia Cerâmica_Aplicações_2022.pptx
1_Aula_ Historia Cerâmica_Aplicações_2022.pptx
Luciana Boaventura Palhares
 
Utilization of Stone Waste in the Development of Value Added Products A State...
Utilization of Stone Waste in the Development of Value Added Products A State...Utilization of Stone Waste in the Development of Value Added Products A State...
Utilization of Stone Waste in the Development of Value Added Products A State...
Luciana Boaventura Palhares
 
UTILIZATION OF SLATE POWDER INTO VALUE ADDED PRODUCT A REVIEW.pdf
UTILIZATION OF SLATE POWDER INTO VALUE ADDED PRODUCT A REVIEW.pdfUTILIZATION OF SLATE POWDER INTO VALUE ADDED PRODUCT A REVIEW.pdf
UTILIZATION OF SLATE POWDER INTO VALUE ADDED PRODUCT A REVIEW.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Use_of_slate_to_built_swine_nursery_cells_II_-_the.pdf
Use_of_slate_to_built_swine_nursery_cells_II_-_the.pdfUse_of_slate_to_built_swine_nursery_cells_II_-_the.pdf
Use_of_slate_to_built_swine_nursery_cells_II_-_the.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Thermal expansion of slate wastes.pdf
Thermal expansion of slate wastes.pdfThermal expansion of slate wastes.pdf
Thermal expansion of slate wastes.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Manufacturing_of_Ultra-light_Ceramsite_from_Slate_.pdf
Manufacturing_of_Ultra-light_Ceramsite_from_Slate_.pdfManufacturing_of_Ultra-light_Ceramsite_from_Slate_.pdf
Manufacturing_of_Ultra-light_Ceramsite_from_Slate_.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Obtención de espumas a partir pizarra.pdf
Obtención de espumas a partir pizarra.pdfObtención de espumas a partir pizarra.pdf
Obtención de espumas a partir pizarra.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Estudo da viabilidade da produção de concreto com resíduos de rochas.pdf
Estudo da viabilidade da produção de concreto com resíduos de rochas.pdfEstudo da viabilidade da produção de concreto com resíduos de rochas.pdf
Estudo da viabilidade da produção de concreto com resíduos de rochas.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Model20and20Field20degradation.pdf
Model20and20Field20degradation.pdfModel20and20Field20degradation.pdf
Model20and20Field20degradation.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Pozzolanic activity evaluation of slate waste.pdf
Pozzolanic activity evaluation of slate waste.pdfPozzolanic activity evaluation of slate waste.pdf
Pozzolanic activity evaluation of slate waste.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Deshidroxilaciones y efectos Ostwald ripening en pizarras de techar.pdf
Deshidroxilaciones y efectos Ostwald ripening en pizarras de techar.pdfDeshidroxilaciones y efectos Ostwald ripening en pizarras de techar.pdf
Deshidroxilaciones y efectos Ostwald ripening en pizarras de techar.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Characterization of slate ornaments from Teotihuacan by nuclear.pdf
Characterization of slate ornaments from Teotihuacan by nuclear.pdfCharacterization of slate ornaments from Teotihuacan by nuclear.pdf
Characterization of slate ornaments from Teotihuacan by nuclear.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Caracterización de espumas de pizarra con adiciones de clínquer.pdf
Caracterización de espumas de pizarra con adiciones de clínquer.pdfCaracterización de espumas de pizarra con adiciones de clínquer.pdf
Caracterización de espumas de pizarra con adiciones de clínquer.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Ceramic products obtained from rock wastes.pdf
Ceramic products obtained from rock wastes.pdfCeramic products obtained from rock wastes.pdf
Ceramic products obtained from rock wastes.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
artigo ardosia 2.pdf
artigo ardosia 2.pdfartigo ardosia 2.pdf
artigo ardosia 2.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
artigo ardosia 1.pdf
artigo ardosia 1.pdfartigo ardosia 1.pdf
artigo ardosia 1.pdf
Luciana Boaventura Palhares
 
Abnt nbr 15575-4_2013_final
Abnt nbr 15575-4_2013_finalAbnt nbr 15575-4_2013_final
Abnt nbr 15575-4_2013_final
Luciana Boaventura Palhares
 

Mais de Luciana Boaventura Palhares (20)

01_TEN~1.PPT
01_TEN~1.PPT01_TEN~1.PPT
01_TEN~1.PPT
 
00_INT~1.PPT
00_INT~1.PPT00_INT~1.PPT
00_INT~1.PPT
 
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
 
1_Aula_ Historia Cerâmica_Aplicações_2022.pptx
1_Aula_ Historia Cerâmica_Aplicações_2022.pptx1_Aula_ Historia Cerâmica_Aplicações_2022.pptx
1_Aula_ Historia Cerâmica_Aplicações_2022.pptx
 
Utilization of Stone Waste in the Development of Value Added Products A State...
Utilization of Stone Waste in the Development of Value Added Products A State...Utilization of Stone Waste in the Development of Value Added Products A State...
Utilization of Stone Waste in the Development of Value Added Products A State...
 
UTILIZATION OF SLATE POWDER INTO VALUE ADDED PRODUCT A REVIEW.pdf
UTILIZATION OF SLATE POWDER INTO VALUE ADDED PRODUCT A REVIEW.pdfUTILIZATION OF SLATE POWDER INTO VALUE ADDED PRODUCT A REVIEW.pdf
UTILIZATION OF SLATE POWDER INTO VALUE ADDED PRODUCT A REVIEW.pdf
 
Use_of_slate_to_built_swine_nursery_cells_II_-_the.pdf
Use_of_slate_to_built_swine_nursery_cells_II_-_the.pdfUse_of_slate_to_built_swine_nursery_cells_II_-_the.pdf
Use_of_slate_to_built_swine_nursery_cells_II_-_the.pdf
 
Thermal expansion of slate wastes.pdf
Thermal expansion of slate wastes.pdfThermal expansion of slate wastes.pdf
Thermal expansion of slate wastes.pdf
 
Manufacturing_of_Ultra-light_Ceramsite_from_Slate_.pdf
Manufacturing_of_Ultra-light_Ceramsite_from_Slate_.pdfManufacturing_of_Ultra-light_Ceramsite_from_Slate_.pdf
Manufacturing_of_Ultra-light_Ceramsite_from_Slate_.pdf
 
Obtención de espumas a partir pizarra.pdf
Obtención de espumas a partir pizarra.pdfObtención de espumas a partir pizarra.pdf
Obtención de espumas a partir pizarra.pdf
 
Estudo da viabilidade da produção de concreto com resíduos de rochas.pdf
Estudo da viabilidade da produção de concreto com resíduos de rochas.pdfEstudo da viabilidade da produção de concreto com resíduos de rochas.pdf
Estudo da viabilidade da produção de concreto com resíduos de rochas.pdf
 
Model20and20Field20degradation.pdf
Model20and20Field20degradation.pdfModel20and20Field20degradation.pdf
Model20and20Field20degradation.pdf
 
Pozzolanic activity evaluation of slate waste.pdf
Pozzolanic activity evaluation of slate waste.pdfPozzolanic activity evaluation of slate waste.pdf
Pozzolanic activity evaluation of slate waste.pdf
 
Deshidroxilaciones y efectos Ostwald ripening en pizarras de techar.pdf
Deshidroxilaciones y efectos Ostwald ripening en pizarras de techar.pdfDeshidroxilaciones y efectos Ostwald ripening en pizarras de techar.pdf
Deshidroxilaciones y efectos Ostwald ripening en pizarras de techar.pdf
 
Characterization of slate ornaments from Teotihuacan by nuclear.pdf
Characterization of slate ornaments from Teotihuacan by nuclear.pdfCharacterization of slate ornaments from Teotihuacan by nuclear.pdf
Characterization of slate ornaments from Teotihuacan by nuclear.pdf
 
Caracterización de espumas de pizarra con adiciones de clínquer.pdf
Caracterización de espumas de pizarra con adiciones de clínquer.pdfCaracterización de espumas de pizarra con adiciones de clínquer.pdf
Caracterización de espumas de pizarra con adiciones de clínquer.pdf
 
Ceramic products obtained from rock wastes.pdf
Ceramic products obtained from rock wastes.pdfCeramic products obtained from rock wastes.pdf
Ceramic products obtained from rock wastes.pdf
 
artigo ardosia 2.pdf
artigo ardosia 2.pdfartigo ardosia 2.pdf
artigo ardosia 2.pdf
 
artigo ardosia 1.pdf
artigo ardosia 1.pdfartigo ardosia 1.pdf
artigo ardosia 1.pdf
 
Abnt nbr 15575-4_2013_final
Abnt nbr 15575-4_2013_finalAbnt nbr 15575-4_2013_final
Abnt nbr 15575-4_2013_final
 

Corrosão

  • 1. CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM CAMPO EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 2. CORROSÃO DE MATERIAIS O QUE É CORROSÃO? A CORROSÃO É A DETERIORIZAÇÃO DE UM MATERIAL METÁLICO POR AÇÃO QUÍMICA OU ELETROQUÍMICA DO MEIO, PODENDO OU NÃO ESTAR ASSOCIADA A ESFORÇOS MECÂNICOS.
  • 3. CORROSÃO DE MATERIAIS Corrosão galvânica em um tubo metálico Corrosão por pite em ferramenta metálica
  • 4. CORROSÃO DE MATERIAIS Corrosão em águas/regiões marinhas
  • 5. CORROSÃO DE MATERIAIS Corrosão em solos (tubo enterrado para condução de gás) Corrosão eletroquímica
  • 6. CORROSÃO DE MATERIAIS Corrosão em regiões de solda Corrosão sob tensão Corrosão por abrasão
  • 7. CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM CAMPO EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 8. A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO? Perdas econômicas Perda da eficiência dos equipamentos Perda do produto ou contaminação Agressão ao meio ambiente Perda de vidas humanas CORROSÃO DE MATERIAIS
  • 9. CORROSÃO DE MATERIAIS Navio Erika se partiu ao meio em 1999 na França. Causa: corrosão da estrutura. 30.000 L de combustível derramados no mar Queda do turismo na região Atividade de pesca praticamente desapareceu.
  • 10. CORROSÃO DE MATERIAIS Queda da Ponte Silver nos EUA em 1967. 46 mortes Causa: corrosão da estrutura.
  • 11. CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM CAMPO EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 12. CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO Objetivo: avaliar a ação corrosiva para prever o comportamento do material em campo. Tentam reproduzir ao máximo a realidade. Podem ser: Ensaio de Imersão Ensaios acelerados Ensaios eletroquímicos
  • 13. CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO Ensaios de Imersão : corpos de prova são imersos em fluidos corrosivos. Avaliar a taxa de corrosão. contínua ou alternada contínua com agitação ou fluxo constante líquidos aquecidos líquidos aerados ou desaerados associados a esforços mecânicos ou pressão
  • 14. CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO Ensaios Acelerados : avaliar a resistência a corrosão. câmara de névoa salina: atmosfera salina e úmida câmara de SO 2 : atmosfera industrial poluída câmara de umidade: presença de água ensaios cíclicos: repetitivos (erosão, abrasão)
  • 15. CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO Ensaios Eletroquímicos ensaios potenciostáticos : obtenção de curvas de polarização para os corpos de prova em meio corrosivo
  • 16. Um potenciostato é um dispositivo eletrônico que controla a diferença de potencial elétrico entre o eletrodo de trabalho e o eletrodo de referência presentes em uma célula eletroquímica. Ao realizar este controle o potenciostato atua como um catalisador ou inibidor de reações eletroquímicas, ou seja, com um equipamento destes é possível controlar, através do potencial elétrico essas reações. CORROSÃO DE MATERIAIS
  • 17. CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM LABORATÓRIO Ensaios Eletroquímicos ensaios de impedância : utilizados como técnica de monitoração para investigar o comportamento de interfaces eletroquímicas. A partir dos dados de impedância, o sistema pode ser modelado como um circuito elétrico que contém capacitores, indutores e resistores, que representam cada um dos fenômenos que ocorrem na célula eletroquímica, podendo-se quantizar a resistência do eletrólito ou a capacitância de dupla camada presente junto ao eletrodo de trabalho. São utilizados para avaliação de revestimentos e corrosão localizada
  • 18. CORROSÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM CAMPO São realizados nas condições reais de operação. Podem ser: cupons de teste : corpos de prova de diversos materiais são colocados dentro do equipamento durante uma campanha e depois analisados. acompanhamento da perda de espessura : controle da espessura do material por medição (ultra-som). Limitação: não pode ser utilizado para corrosões localizadas.
  • 19. CORROSÃO DE MATERIAIS ânodos galvânicos : criação de um ânodo no local, permitindo medir a corrente, potencial e desgaste. Limitações: utilizada em solos, não pode existir contato entre o eletrodo e solo, solo tem que ter baixa resistividade.
  • 20. CORROSÃO DE MATERIAIS proteção catódica : A corrente elétrica de uma fonte externa é aplicada de forma a se opor à natureza anódica do tubo. Assim, ele passa operar como catodo, no qual não há oxidação. Retificadores de proteção catódica são utilizados para fornecer a corrente. Utilizado em tubulações subterrâneas. Limitações: sistemas são inerentemente mais complexos, requerem mais manutenção e são de difícil instalação .
  • 21. CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM CAMPO EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 22. CORROSÃO DE MATERIAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS A corrosão é um problema de grande dimensões A corrosão é geralmente espontânea O meio, o mecanismo e o material constituem o sistema de corrosão Há pelo menos três formas de combater a corrosão: atuar no material, no meio ou no mecanismo Obrigada! Luciana B. Palhares