SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
D O C E N T E : P R O F. D R . F E R N A N D O J Ú N I O R Q U I T E S
D I S C E N T E : G I U L LYA N N O D E O . F E L I S B E R T O
LIGAS METÁLICAS
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA
DEPARTAMENTO DE QUÍMICA
Cuiabá – MT
Julho/2014
METAIS
• Os metais são constituídos por um grande número de
átomos iguais, sendo que cada átomo fica circundado
por 8 ou 12 outros átomos do mesmo elemento
metálico, tendo atrações iguais em todas as direções, o
que o proporciona uma estrutura cristalina.
METAIS
• Os átomos dos metais possuem apenas 1, 2 ou 3
elétrons na última camada eletrônica,
consequentemente os elétrons escapam facilmente e
transitam livremente pelo reticulo cristalino.
• É chamado de “nuvem de elétrons” ou “mar de
elétrons” e é o que mantem os átomos metálicos
unidos.
METAIS
• Essa estrutura em retículos e esse tipo de ligação
química resulta em uma série de propriedades que
diferenciam os metais de outras substancias.
• Brilho: os objetos metálicos, quando polidos,
apresentam um brilho característico. Isto se da pelos
dos elétrons livres localizados na superfície dos metais
que absorvem e irradiam a luz.
METAIS
• Maleabilidade: É a capacidade de moldar os metais em
lâminas finas, por martelar o metal aquecido ou passá-lo
por cilindros laminadores.
• Ductibilidade: Se aplicarmos uma pressão adequada
em regiões específicas na superfície de um metal, esse
pode se transformar em fios e lâminas, devido o
deslizamento provocado nas camadas de átomos.
METAIS
• Condução de eletricidade: os metais são ótimos
condutores de eletricidade. Essa propriedade é
explicada pelo fato de que como os metais possuem um
“mar” de elétrons livres, esses elétrons permitem a
transição rápida de eletricidade através do metal.
•
• Condução de calor: a explicação para o fato de os
metais serem bons condutores térmicos é baseada na
presença dos elétrons livres que são dotados de
movimento. Esses elétrons permitem o trânsito rápido
do calor.
METAIS
• Densidade elevada: normalmente os metais são
densos, em virtude das estruturas compactas dos
retículos cristalinos.
METAIS
• Pontos de fusão e ebulição altos: a força de atração
causada pelo “mar de elétrons” é muito forte, mantendo
os átomos unidos com muita intensidade. Assim, para
que se rompa essa ligação é preciso fornecer altas
energias externas.
•
• Resistência à tração: Da mesma forma, fios metálicos
são muito resistentes às forças que se aplicam sobre
eles, ao serem puxados ou alongados.
LIGA METÁLICA
• “Materiais que possuem propriedades metálicas,
formados por dois ou mais elementos, sendo que pelo
menos o maior constituinte deles é um metal.”
• O Composto em maior quantidade é chamado de
solvente e o de menor quantidade de soluto.
• Possuem propriedades diferentes dos elementos que as
originam. Algumas propriedades são tais como
diminuição ou aumento do ponto de fusão, aumento da
dureza e/ou aumento da resistência mecânica.
LIGA METÁLICA
• As ligas podem ser soluções sólidas homogêneas, nas
quais os átomos de um metal estão distribuídos ao
acaso entre os átomos do outro, ou podem ser
compostos com uma composição e estrutura interna
definida. Dentre elas temos a solução sólida intersticial e
a solução sólida substitucional.
LIGA METÁLICA
• Uma solução sólida intersticial é uma solução sólida na
qual os átomos do soluto ocupam os interstícios, as
cavidades, entre os átomos do solvente.
Soluto
Solvente
LIGA METÁLICA
• A solução sólida intersticial são formadas
frequentemente por metais e átomos pequenos (como
boro, carbono e nitrogênio) que possam ocupar as
cavidades do metal, frequentemente ferro, níquel e
cobalto.
• Os átomos pequenos entram no sólido hospedeiro
preservando a estrutura cristalina do metal original e
sem transferência de elétrons nem formação de
espécies iônicas.
• Um exemplo desta liga é o aço (ferro e carbono).
LIGA METÁLICA
• Já uma solução sólida substitucional é uma solução
sólida na qual os átomos de um metal soluto ocupam
algumas das posições dos átomos do metal solvente.
Soluto
Solvente
LIGA METÁLICA
• Os raios atômicos dos elementos diferem de, no
máximo, 15% um do outro e as estruturas cristalinas dos
dois metais puros são as mesmas, tornando-os
compatíveis.
• Um exemplo desta liga é a Cuproníquel.
Cobre e níquel são elementos do bloco d, são
semelhantes no caráter eletropositivo e em raios atômicos
(Ni 125 pm, Cu 128 pm, diferença de apenas 2,3%).
LIGA METÁLICA
• A ligas metálicas são divididas em 2 grupos:
• Ligas ferrosas: Apresentam o elemento ferro como
constituinte principal.
• Ligas não-ferrosas: Não apresentam o elemento ferro
como constituinte.
LIGAS FERROSAS
• São especialmente importantes como materiais de
construção de engenharia. Seu amplo uso é resultado de 3
fatores:
• Os compostos contendo ferro existem em quantidades
abundantes na crosta terrestre;
• Ferro metálico e as ligas de aço podem ser produzidos
usando técnicas de extração , refino, formação de ligas e
fabricação relativamente econômicas;
• As ligas ferrosas são extremamente versáteis, possuem uma
ampla gama de propriedades físicas e mecânicas.
LIGAS FERROSAS
• As ligas ferrosas são divididas em dois grandes grupos,
de acordo com o teor de carbono presente em cada
uma:
• Aços: Teor de carbono inferior a 2,11% C;
• Ferros fundidos: Teor de carbono acima de 2,11%C.
LIGAS FERROSAS
 Aço
 Ligas Ferro – Carbono
 0,008 e 2,11% de C
 Dúctil
 Forjamento
 Laminação
 Extrusão
 Ferro Fundido
 Ligas Ferro – Carbono
 2,06% e 6,67% de C
 Duro
 Fundição
LIGAS FERROSAS - AÇO
• O Aço é uma liga de ferro-carbono, podendo apresentar
concentrações apreciáveis de outros elementos de liga,
como níquel, molibdênio, cromo e outros.
LIGAS FERROSAS - AÇO
• Existem mais de 3500 tipos diferentes de aços, produzidos
em uma grande variedade de tipos e formas, cada qual
atendendo eficientemente a uma ou mais aplicações.
• Na construção civil, o interesse maior recai sobre os
chamados aços estruturais de média e alta resistência
mecânica.
• Dentre os aços estruturais existentes atualmente, o mais
utilizado e conhecido é o ASTM A36, que é classificado como
um aço carbono de média resistência mecânica.
LIGAS FERROSAS - AÇO
• Os aços patináveis, ou corten, são aços que contêm
pequenas adições de elementos de liga, como cobre, fósforo,
níquel e cromo, que em determinadas condições ambientais
contribuem para a formação de uma pátina que protege
esses aços da ação corrosiva na atmosfera oxidante de
muitos ambientes urbanos.
• Esses elementos de liga também contribuem para a melhoria
de propriedades mecânicas através do refino de grão, razão
pela qual alguns autores preferem considerá-los como
fazendo parte de um subgrupo dos chamados aços de alta
resistência e baixa liga (ARBL).
LIGAS FERROSAS - AÇO
• Outro tipo de aço é o aço-carbono, que possui uma
classificação própria:
• Baixo carbono --- no máximo 0,30% de C;
• Médio-carbono --- de 0,30 a 1,00% ;
• Alto carbono --- 1,00 a 2,11%.
LIGAS FERROSAS - AÇO
• Baixo Carbono: possui baixa resistência e dureza e alta
tenacidade e ductilidade. É usinável e soldável, além de
apresentar baixo custo de produção. Geralmente, este
tipo de aço não é tratado termicamente.
• Aplicado em chapas automobilísticas, placas utilizadas
na fabricação de tubos, construção civil, latas de folhas-
de-flandres e caldeiras.
LIGAS FERROSAS - AÇO
• Médio carbono: possui maior resistência e dureza e menor
tenacidade e ductilidade do que o baixo carbono. Apresentam
quantidade de carbono suficiente para receber tratamento
térmico de têmpera, embora o tratamento, para ser efetivo,
exija taxas de resfriamento elevadas e em seções finas.
• Aplicado em rodas e equipamentos ferroviários,
engrenagens, virabrequins, peças de máquinas que
necessitam de elevadas resistências mecânica e ao desgaste
e tenacidade e estruturas parafusadas
LIGAS FERROSAS - AÇO
• Alto carbono: é o de maior resistência e dureza. Porém,
apresentam menor ductilidade entre os aços carbono.
Geralmente, são utilizados temperados ou revenidos,
possuindo propriedades de manutenção de um bom fio
de corte.
• Aplicado em talhadeiras, folhas de serrote, martelos e
facas.
LIGAS FERROSAS - AÇO
• O Aço damasco é a união de dois ou mais aços de
características diferentes, unidos pelo método de
caldeamento. Uma barra de damasco pode ter várias
camadas.
• A grande vantagem do damasco, além da beleza da
lâmina, é a flexibilidade que ele proporciona, pois
geralmente é forjado de um aço de alto teor de carbono
com um de médio ou baixo teor de carbono. É de difícil
obtenção, o que faz encarecer o produto, porém é muito
valorizado por colecionadores.
LIGAS FERROSAS - AÇO
• Elementos adicionados ao aço:
• Níquel: melhora na ductilidade, resistência mecânica a
quente, na soldabilidade e na resistência a corrosão.
• Molibdênio e cobre: aumenta a resistência a corrosão por via
úmida.
• Silício e alumínio: melhora a resistência a oxidação a alta
temperatura.
• Nióbio: teores baixíssimos desse elemento permite elevada
resistência e não diminui a soldabilidade
• Titânio: aumenta o L.R, a resistência à abrasão e bom
desempenho em altas temperaturas.
LIGAS FERROSAS - AÇO
• Aço Inoxidável
• Contém ao menos 10% de Cr
• Resistência à corrosão bastante melhorada
• Dependendo da porcentagem de Cr, C podem ser
martensítico, ferrítico austenítico e de endurecimento
por precipitação
LIGAS FERROSAS – FERRO
FUNDIDO
• É uma liga de ferro-carbono com teor de carbono acima de
2,11%.
• Os produtos são obtidos, mais comumente, pelo processo de
fundição em molde de areia ou matriz.
• O que determina a classificação em cinzento ou branco é a
aparência da fratura do material depois que ele resfriou. E ele
se apresenta sob duas formas: como cementita (Fe3C) ou
como grafita, um mineral de carbono usado, por exemplo, na
fabricação do lápis.
LIGAS NÃO-FERROAS
• O aço e as ligas ferrosas são de certa forma muito
vantajosos. Entretanto, eles possuem algumas limitações
bem definidas como:
• Massa específica relativamente elevada;
• Condutividade elétrica comparativamente baixa;
• Suscetibilidade inerente à corrosão em alguns ambientes
usuais.
• Dessa forma, para muitas aplicações, é vantajoso eu até
mesmo necessário o uso de outras ligas que possuam
combinações adequadas de propriedades. Os sistemas de
ligas são classificados de acordo com o metal-base ou de
acordo com alguma característica específica compartilhada
por um grupo de ligas.
LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE
• Possuem elevadas condutividades elétrica e térmica,
boa resistência à corrosão e são amagnéticas.
• Cobre comercialmente puro;
• Ligas de alto teor de cobre;
• Latões;
• Bronzes;
• Ligas de Cobre-níquel.
LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE
• Latão
• Cobre e zinco (de 5 a 45%), Outro Elementos Podem
ser Usados (Al, Sn, Pb ou As)
• Utilizado desde munições de artilharia leve ou pesada
até abajures e joalheria.
LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE
• Bronze
• Cobre-Estanho (2 a 11%) Outro Elementos Podem ser
Usados (zinco, alumínio, antimônio, níquel, fósforo,
chumbo)
• Enorme resistência estrutural, à corrosão atmosférica,
facilidade de fundição e boa capacidade de
acabamento.
• Aplicado em Mancais, bronzinas, armas, Estátuas
LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE
• Cuproníquel
• Cu – Ni (Até 30%)
• Boa Resistência à Corrosão e à Fadiga
• Não é atraída pelo imã
• Moeda ,de 1998 a 2001 cuproníquel (núcleo) e alpaca
(anel), Condensadores e Aparelhos de Destilação.
LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE
• Alpaca é uma liga de Cobre (65%), Níquel (18%) e
Zinco (17%), seu nome significa metal branco e também
é conhecida como prata alemã.
• É bastante dúctil e possui facilidade de ser trabalhada,
além de também possuir resistência a meios corrosivos.
LIGAS NÃO-FERROAS - MAGNÉSIO
• Apresentam ponto de fusão em torno de 650 °C
• Tem boa usinabilidade, podem ser forjadas, laminadas e
fundidas.
• O magnésio possui boa resistência à corrosão em
atmosferas pouco agressivas e susceptível à corrosão
em meios marinhos.
• Também possui boas condutibilidades elétrica e térmica
e absorção às vibrações elásticas.
• Largamente utilizadas na indústria aeronáutica, em
componentes de motores e na fuselagem.
LIGAS NÃO-FERROAS - TITÂNIO
• As ligas de titânio possuem densidade razoavelmente
baixa (4,5 g/cm3) e elevado ponto de fusão (1668 °C)
• Suas ligas são bastante resistentes, porém sua maior
limitação é a elevada reatividade química com outros
elementos em elevadas temperaturas.
LIGAS NÃO-FERROAS - ESTANHO
• Apresentam material mole, dúctil e maleável de baixa
resistência mecânica, porém elevada resistência à
corrosão.
• Empregado na forma de chapas, folhas e fios
estanhados , segurança contra o fogo, em alarmes,
metais de soldagem e vedação.
LIGAS NÃO-FERROAS - ALUMÍNIO
• As ligas de Alumínio são versáteis, econômicos não são
ferromagnéticas e apresentam elevadas condutividades
térmica e elétrica.
• Apresentam resistência à oxidação progressiva e são
muito dúcteis e maleáveis.
LIGAS NÃO-FERROAS - ZAMAC
• Seu nome vem da composição da sua liga:
Zinco, Alumínio, Magnésio, e Cobre.
• Boa resistência à Tração, Corrosão, Choques e
Desgastes
• Possui baixo ponto de fusão, 400°C, o que permite
uma maior produção de peças fundidas em serie.
• Aplicada em Maçanetas, chaves, espelhos.
LIGAS NÃO-FERROAS - OURO
• Este metal pode ser encontrado livremente na natureza, é o
chamado ouro nativo. O ouro nativo (100 % puro) é
designado como ouro 24 quilates, ele é maleável, ou seja,
não apresenta consistência para fabricar objetos.
• Sendo assim, no processo de obtenção de joias preciosas, é
preciso adicionar prata (Ag) e cobre (Cu) formando então
uma liga metálica com o ouro.
• Esta ligação permite maior dureza ao material, tornando
possível a confecção das mais variadas joias. A porcentagem
da mistura é de 75 % em ouro e 25 % em prata e cobre, o
que dá origem ao ouro 18 quilates.
PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE LIGAS
METÁLICAS
• A fabricação das ligas metálicas pode ser feito a partir
do processo de :
• Fusão;
• Compressão;
• Processos eletrolíticos.
PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE LIGAS
METÁLICAS
• Fusão
• Neste processo os componentes que vão formar a liga, são postos em
temperatura de fusão para a sua mistura homogênea e posteriormente
resfriados em formas com formato pré-definido.
• Compressão
• Este processo consiste em misturar os materiais de vão compor a liga
em proporções adequadas a uma pressão bastante elevada, este
processo e utilizado quando os materiais da liga são imiscíveis no
estado liquido e tem elevado ponto de fusão.
• Processo Eletrolítico
• Consiste na mistura de sais proporcionando a mistura de dois ou mais
metais sobre o catodo.
REFERÊNICAS
• http://www.infoescola.com/quimica/propriedades-dos-metais/
• http://www.brasilescola.com/quimica/metais.htm
• http://www.mundoeducacao.com/quimica/propriedades-dos-
metais.htm
• Callister, W. D. Jr. - Ciência e Engenharia dos Materiais – Uma
Introdução, 7ª Edição, Editora LTC.
• Van Vlack , L. - Princípios de Ciência dos Materiais, 3ª Edição.
• SHRIVER, D. F.; ATKINS, P. Química Inorgânica. 4. ed. Porto
Alegre: Bookman, 2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbonoThulio Cesar
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIOEzequias Guimaraes
 
6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos gradWilson Xavier
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreLucas Valente
 
Lista de exercícios_i_classificação_dos_aços
Lista de exercícios_i_classificação_dos_açosLista de exercícios_i_classificação_dos_aços
Lista de exercícios_i_classificação_dos_açosGlaucoVelosodosSantos
 
Materiais metálicos
Materiais metálicosMateriais metálicos
Materiais metálicoswelton
 
Processo de obtenção de aço e ferro fundido
Processo de obtenção de aço e ferro fundidoProcesso de obtenção de aço e ferro fundido
Processo de obtenção de aço e ferro fundidoJuan Carlos Garcia Urrutia
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinaselizethalves
 
6 propriedades mecanicas (1)
6  propriedades mecanicas (1)6  propriedades mecanicas (1)
6 propriedades mecanicas (1)Carla Faria
 

Mais procurados (20)

Discordância
Discordância Discordância
Discordância
 
5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono
 
1.1 ciências dos materiais
1.1   ciências dos materiais1.1   ciências dos materiais
1.1 ciências dos materiais
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Ferro Gusa
Ferro GusaFerro Gusa
Ferro Gusa
 
Todo o processo de Fabricação de Aço e Ferro
Todo o processo de Fabricação de Aço e FerroTodo o processo de Fabricação de Aço e Ferro
Todo o processo de Fabricação de Aço e Ferro
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 
6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad
 
Alumínio
AlumínioAlumínio
Alumínio
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobre
 
Aula 10 ensaio de dureza
Aula 10   ensaio de durezaAula 10   ensaio de dureza
Aula 10 ensaio de dureza
 
Lista de exercícios_i_classificação_dos_aços
Lista de exercícios_i_classificação_dos_açosLista de exercícios_i_classificação_dos_aços
Lista de exercícios_i_classificação_dos_aços
 
Materiais metálicos
Materiais metálicosMateriais metálicos
Materiais metálicos
 
Processo de obtenção de aço e ferro fundido
Processo de obtenção de aço e ferro fundidoProcesso de obtenção de aço e ferro fundido
Processo de obtenção de aço e ferro fundido
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinas
 
Ligação metálica
Ligação metálicaLigação metálica
Ligação metálica
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
 
6 propriedades mecanicas (1)
6  propriedades mecanicas (1)6  propriedades mecanicas (1)
6 propriedades mecanicas (1)
 
Materiais cerâmicos e aplicações
Materiais cerâmicos e aplicaçõesMateriais cerâmicos e aplicações
Materiais cerâmicos e aplicações
 
Os Metais
Os MetaisOs Metais
Os Metais
 

Semelhante a Ligas metálicas: propriedades e aplicações

Apresentação1 metrologia julho 2013( setembro 2013 )
Apresentação1 metrologia julho 2013( setembro 2013 )Apresentação1 metrologia julho 2013( setembro 2013 )
Apresentação1 metrologia julho 2013( setembro 2013 )djnunomix
 
Cc 5 ligas_metalicas
Cc 5 ligas_metalicasCc 5 ligas_metalicas
Cc 5 ligas_metalicasesp
 
Tecnologia dos Materiais - Aços
Tecnologia dos Materiais - AçosTecnologia dos Materiais - Aços
Tecnologia dos Materiais - AçosRenato Nascimento
 
Metalurgia de soldagem modificado
Metalurgia de soldagem modificadoMetalurgia de soldagem modificado
Metalurgia de soldagem modificadoBrenoBernardes
 
Fundição e processos siderúrgicos 2016
Fundição e processos siderúrgicos 2016Fundição e processos siderúrgicos 2016
Fundição e processos siderúrgicos 2016Carlos Eduardo Ribeiro
 
Aula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptxAula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptxMiguel Jose
 
O aço. ideias para o seu trabalho podem copiar!!
O aço. ideias para o seu trabalho podem copiar!!O aço. ideias para o seu trabalho podem copiar!!
O aço. ideias para o seu trabalho podem copiar!!Alexandre Henriques
 
Aços Especiais - Arquitetura
Aços Especiais - ArquiteturaAços Especiais - Arquitetura
Aços Especiais - ArquiteturaAngélica Vidal
 
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalicDesenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalicJho05
 
Materiais ferrosos
Materiais ferrososMateriais ferrosos
Materiais ferrososKelly Maia
 
Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13restinho
 
Materiais eletricos.pptx
Materiais eletricos.pptxMateriais eletricos.pptx
Materiais eletricos.pptxmanuel504849
 

Semelhante a Ligas metálicas: propriedades e aplicações (20)

Apresentação1 metrologia julho 2013( setembro 2013 )
Apresentação1 metrologia julho 2013( setembro 2013 )Apresentação1 metrologia julho 2013( setembro 2013 )
Apresentação1 metrologia julho 2013( setembro 2013 )
 
Aulas 01 a 03
Aulas 01 a  03Aulas 01 a  03
Aulas 01 a 03
 
Cc 5 ligas_metalicas
Cc 5 ligas_metalicasCc 5 ligas_metalicas
Cc 5 ligas_metalicas
 
Tecnologia dos Materiais - Aços
Tecnologia dos Materiais - AçosTecnologia dos Materiais - Aços
Tecnologia dos Materiais - Aços
 
Metais e ligas
Metais e ligasMetais e ligas
Metais e ligas
 
Metalurgia de soldagem modificado
Metalurgia de soldagem modificadoMetalurgia de soldagem modificado
Metalurgia de soldagem modificado
 
Fundição e processos siderúrgicos 2016
Fundição e processos siderúrgicos 2016Fundição e processos siderúrgicos 2016
Fundição e processos siderúrgicos 2016
 
Aula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptxAula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptx
 
O aço. ideias para o seu trabalho podem copiar!!
O aço. ideias para o seu trabalho podem copiar!!O aço. ideias para o seu trabalho podem copiar!!
O aço. ideias para o seu trabalho podem copiar!!
 
Classificação dos aços
Classificação dos açosClassificação dos aços
Classificação dos aços
 
Aços estruturais
Aços estruturaisAços estruturais
Aços estruturais
 
A c3 a7os_estruturais
A c3 a7os_estruturaisA c3 a7os_estruturais
A c3 a7os_estruturais
 
Aços Especiais - Arquitetura
Aços Especiais - ArquiteturaAços Especiais - Arquitetura
Aços Especiais - Arquitetura
 
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalicDesenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
 
Materiais ferrosos
Materiais ferrososMateriais ferrosos
Materiais ferrosos
 
Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13
 
Ferro acoconceitos
Ferro acoconceitosFerro acoconceitos
Ferro acoconceitos
 
Materiais eletricos.pptx
Materiais eletricos.pptxMateriais eletricos.pptx
Materiais eletricos.pptx
 
Metalografia
MetalografiaMetalografia
Metalografia
 
Ligação metálica
Ligação metálicaLigação metálica
Ligação metálica
 

Último

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfLeandroDoValle2
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAugustoCsar653220
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Último (14)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Ligas metálicas: propriedades e aplicações

  • 1. D O C E N T E : P R O F. D R . F E R N A N D O J Ú N I O R Q U I T E S D I S C E N T E : G I U L LYA N N O D E O . F E L I S B E R T O LIGAS METÁLICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Cuiabá – MT Julho/2014
  • 2. METAIS • Os metais são constituídos por um grande número de átomos iguais, sendo que cada átomo fica circundado por 8 ou 12 outros átomos do mesmo elemento metálico, tendo atrações iguais em todas as direções, o que o proporciona uma estrutura cristalina.
  • 3. METAIS • Os átomos dos metais possuem apenas 1, 2 ou 3 elétrons na última camada eletrônica, consequentemente os elétrons escapam facilmente e transitam livremente pelo reticulo cristalino. • É chamado de “nuvem de elétrons” ou “mar de elétrons” e é o que mantem os átomos metálicos unidos.
  • 4. METAIS • Essa estrutura em retículos e esse tipo de ligação química resulta em uma série de propriedades que diferenciam os metais de outras substancias. • Brilho: os objetos metálicos, quando polidos, apresentam um brilho característico. Isto se da pelos dos elétrons livres localizados na superfície dos metais que absorvem e irradiam a luz.
  • 5. METAIS • Maleabilidade: É a capacidade de moldar os metais em lâminas finas, por martelar o metal aquecido ou passá-lo por cilindros laminadores. • Ductibilidade: Se aplicarmos uma pressão adequada em regiões específicas na superfície de um metal, esse pode se transformar em fios e lâminas, devido o deslizamento provocado nas camadas de átomos.
  • 6. METAIS • Condução de eletricidade: os metais são ótimos condutores de eletricidade. Essa propriedade é explicada pelo fato de que como os metais possuem um “mar” de elétrons livres, esses elétrons permitem a transição rápida de eletricidade através do metal. • • Condução de calor: a explicação para o fato de os metais serem bons condutores térmicos é baseada na presença dos elétrons livres que são dotados de movimento. Esses elétrons permitem o trânsito rápido do calor.
  • 7. METAIS • Densidade elevada: normalmente os metais são densos, em virtude das estruturas compactas dos retículos cristalinos.
  • 8. METAIS • Pontos de fusão e ebulição altos: a força de atração causada pelo “mar de elétrons” é muito forte, mantendo os átomos unidos com muita intensidade. Assim, para que se rompa essa ligação é preciso fornecer altas energias externas. • • Resistência à tração: Da mesma forma, fios metálicos são muito resistentes às forças que se aplicam sobre eles, ao serem puxados ou alongados.
  • 9. LIGA METÁLICA • “Materiais que possuem propriedades metálicas, formados por dois ou mais elementos, sendo que pelo menos o maior constituinte deles é um metal.” • O Composto em maior quantidade é chamado de solvente e o de menor quantidade de soluto. • Possuem propriedades diferentes dos elementos que as originam. Algumas propriedades são tais como diminuição ou aumento do ponto de fusão, aumento da dureza e/ou aumento da resistência mecânica.
  • 10. LIGA METÁLICA • As ligas podem ser soluções sólidas homogêneas, nas quais os átomos de um metal estão distribuídos ao acaso entre os átomos do outro, ou podem ser compostos com uma composição e estrutura interna definida. Dentre elas temos a solução sólida intersticial e a solução sólida substitucional.
  • 11. LIGA METÁLICA • Uma solução sólida intersticial é uma solução sólida na qual os átomos do soluto ocupam os interstícios, as cavidades, entre os átomos do solvente. Soluto Solvente
  • 12. LIGA METÁLICA • A solução sólida intersticial são formadas frequentemente por metais e átomos pequenos (como boro, carbono e nitrogênio) que possam ocupar as cavidades do metal, frequentemente ferro, níquel e cobalto. • Os átomos pequenos entram no sólido hospedeiro preservando a estrutura cristalina do metal original e sem transferência de elétrons nem formação de espécies iônicas. • Um exemplo desta liga é o aço (ferro e carbono).
  • 13. LIGA METÁLICA • Já uma solução sólida substitucional é uma solução sólida na qual os átomos de um metal soluto ocupam algumas das posições dos átomos do metal solvente. Soluto Solvente
  • 14. LIGA METÁLICA • Os raios atômicos dos elementos diferem de, no máximo, 15% um do outro e as estruturas cristalinas dos dois metais puros são as mesmas, tornando-os compatíveis. • Um exemplo desta liga é a Cuproníquel. Cobre e níquel são elementos do bloco d, são semelhantes no caráter eletropositivo e em raios atômicos (Ni 125 pm, Cu 128 pm, diferença de apenas 2,3%).
  • 15. LIGA METÁLICA • A ligas metálicas são divididas em 2 grupos: • Ligas ferrosas: Apresentam o elemento ferro como constituinte principal. • Ligas não-ferrosas: Não apresentam o elemento ferro como constituinte.
  • 16. LIGAS FERROSAS • São especialmente importantes como materiais de construção de engenharia. Seu amplo uso é resultado de 3 fatores: • Os compostos contendo ferro existem em quantidades abundantes na crosta terrestre; • Ferro metálico e as ligas de aço podem ser produzidos usando técnicas de extração , refino, formação de ligas e fabricação relativamente econômicas; • As ligas ferrosas são extremamente versáteis, possuem uma ampla gama de propriedades físicas e mecânicas.
  • 17. LIGAS FERROSAS • As ligas ferrosas são divididas em dois grandes grupos, de acordo com o teor de carbono presente em cada uma: • Aços: Teor de carbono inferior a 2,11% C; • Ferros fundidos: Teor de carbono acima de 2,11%C.
  • 18. LIGAS FERROSAS  Aço  Ligas Ferro – Carbono  0,008 e 2,11% de C  Dúctil  Forjamento  Laminação  Extrusão  Ferro Fundido  Ligas Ferro – Carbono  2,06% e 6,67% de C  Duro  Fundição
  • 19. LIGAS FERROSAS - AÇO • O Aço é uma liga de ferro-carbono, podendo apresentar concentrações apreciáveis de outros elementos de liga, como níquel, molibdênio, cromo e outros.
  • 20. LIGAS FERROSAS - AÇO • Existem mais de 3500 tipos diferentes de aços, produzidos em uma grande variedade de tipos e formas, cada qual atendendo eficientemente a uma ou mais aplicações. • Na construção civil, o interesse maior recai sobre os chamados aços estruturais de média e alta resistência mecânica. • Dentre os aços estruturais existentes atualmente, o mais utilizado e conhecido é o ASTM A36, que é classificado como um aço carbono de média resistência mecânica.
  • 21. LIGAS FERROSAS - AÇO • Os aços patináveis, ou corten, são aços que contêm pequenas adições de elementos de liga, como cobre, fósforo, níquel e cromo, que em determinadas condições ambientais contribuem para a formação de uma pátina que protege esses aços da ação corrosiva na atmosfera oxidante de muitos ambientes urbanos. • Esses elementos de liga também contribuem para a melhoria de propriedades mecânicas através do refino de grão, razão pela qual alguns autores preferem considerá-los como fazendo parte de um subgrupo dos chamados aços de alta resistência e baixa liga (ARBL).
  • 22. LIGAS FERROSAS - AÇO • Outro tipo de aço é o aço-carbono, que possui uma classificação própria: • Baixo carbono --- no máximo 0,30% de C; • Médio-carbono --- de 0,30 a 1,00% ; • Alto carbono --- 1,00 a 2,11%.
  • 23. LIGAS FERROSAS - AÇO • Baixo Carbono: possui baixa resistência e dureza e alta tenacidade e ductilidade. É usinável e soldável, além de apresentar baixo custo de produção. Geralmente, este tipo de aço não é tratado termicamente. • Aplicado em chapas automobilísticas, placas utilizadas na fabricação de tubos, construção civil, latas de folhas- de-flandres e caldeiras.
  • 24. LIGAS FERROSAS - AÇO • Médio carbono: possui maior resistência e dureza e menor tenacidade e ductilidade do que o baixo carbono. Apresentam quantidade de carbono suficiente para receber tratamento térmico de têmpera, embora o tratamento, para ser efetivo, exija taxas de resfriamento elevadas e em seções finas. • Aplicado em rodas e equipamentos ferroviários, engrenagens, virabrequins, peças de máquinas que necessitam de elevadas resistências mecânica e ao desgaste e tenacidade e estruturas parafusadas
  • 25. LIGAS FERROSAS - AÇO • Alto carbono: é o de maior resistência e dureza. Porém, apresentam menor ductilidade entre os aços carbono. Geralmente, são utilizados temperados ou revenidos, possuindo propriedades de manutenção de um bom fio de corte. • Aplicado em talhadeiras, folhas de serrote, martelos e facas.
  • 26. LIGAS FERROSAS - AÇO • O Aço damasco é a união de dois ou mais aços de características diferentes, unidos pelo método de caldeamento. Uma barra de damasco pode ter várias camadas. • A grande vantagem do damasco, além da beleza da lâmina, é a flexibilidade que ele proporciona, pois geralmente é forjado de um aço de alto teor de carbono com um de médio ou baixo teor de carbono. É de difícil obtenção, o que faz encarecer o produto, porém é muito valorizado por colecionadores.
  • 27. LIGAS FERROSAS - AÇO • Elementos adicionados ao aço: • Níquel: melhora na ductilidade, resistência mecânica a quente, na soldabilidade e na resistência a corrosão. • Molibdênio e cobre: aumenta a resistência a corrosão por via úmida. • Silício e alumínio: melhora a resistência a oxidação a alta temperatura. • Nióbio: teores baixíssimos desse elemento permite elevada resistência e não diminui a soldabilidade • Titânio: aumenta o L.R, a resistência à abrasão e bom desempenho em altas temperaturas.
  • 28. LIGAS FERROSAS - AÇO • Aço Inoxidável • Contém ao menos 10% de Cr • Resistência à corrosão bastante melhorada • Dependendo da porcentagem de Cr, C podem ser martensítico, ferrítico austenítico e de endurecimento por precipitação
  • 29. LIGAS FERROSAS – FERRO FUNDIDO • É uma liga de ferro-carbono com teor de carbono acima de 2,11%. • Os produtos são obtidos, mais comumente, pelo processo de fundição em molde de areia ou matriz. • O que determina a classificação em cinzento ou branco é a aparência da fratura do material depois que ele resfriou. E ele se apresenta sob duas formas: como cementita (Fe3C) ou como grafita, um mineral de carbono usado, por exemplo, na fabricação do lápis.
  • 30. LIGAS NÃO-FERROAS • O aço e as ligas ferrosas são de certa forma muito vantajosos. Entretanto, eles possuem algumas limitações bem definidas como: • Massa específica relativamente elevada; • Condutividade elétrica comparativamente baixa; • Suscetibilidade inerente à corrosão em alguns ambientes usuais. • Dessa forma, para muitas aplicações, é vantajoso eu até mesmo necessário o uso de outras ligas que possuam combinações adequadas de propriedades. Os sistemas de ligas são classificados de acordo com o metal-base ou de acordo com alguma característica específica compartilhada por um grupo de ligas.
  • 31. LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE • Possuem elevadas condutividades elétrica e térmica, boa resistência à corrosão e são amagnéticas. • Cobre comercialmente puro; • Ligas de alto teor de cobre; • Latões; • Bronzes; • Ligas de Cobre-níquel.
  • 32. LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE • Latão • Cobre e zinco (de 5 a 45%), Outro Elementos Podem ser Usados (Al, Sn, Pb ou As) • Utilizado desde munições de artilharia leve ou pesada até abajures e joalheria.
  • 33. LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE • Bronze • Cobre-Estanho (2 a 11%) Outro Elementos Podem ser Usados (zinco, alumínio, antimônio, níquel, fósforo, chumbo) • Enorme resistência estrutural, à corrosão atmosférica, facilidade de fundição e boa capacidade de acabamento. • Aplicado em Mancais, bronzinas, armas, Estátuas
  • 34. LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE • Cuproníquel • Cu – Ni (Até 30%) • Boa Resistência à Corrosão e à Fadiga • Não é atraída pelo imã • Moeda ,de 1998 a 2001 cuproníquel (núcleo) e alpaca (anel), Condensadores e Aparelhos de Destilação.
  • 35. LIGAS NÃO-FERROAS - COBRE • Alpaca é uma liga de Cobre (65%), Níquel (18%) e Zinco (17%), seu nome significa metal branco e também é conhecida como prata alemã. • É bastante dúctil e possui facilidade de ser trabalhada, além de também possuir resistência a meios corrosivos.
  • 36. LIGAS NÃO-FERROAS - MAGNÉSIO • Apresentam ponto de fusão em torno de 650 °C • Tem boa usinabilidade, podem ser forjadas, laminadas e fundidas. • O magnésio possui boa resistência à corrosão em atmosferas pouco agressivas e susceptível à corrosão em meios marinhos. • Também possui boas condutibilidades elétrica e térmica e absorção às vibrações elásticas. • Largamente utilizadas na indústria aeronáutica, em componentes de motores e na fuselagem.
  • 37. LIGAS NÃO-FERROAS - TITÂNIO • As ligas de titânio possuem densidade razoavelmente baixa (4,5 g/cm3) e elevado ponto de fusão (1668 °C) • Suas ligas são bastante resistentes, porém sua maior limitação é a elevada reatividade química com outros elementos em elevadas temperaturas.
  • 38. LIGAS NÃO-FERROAS - ESTANHO • Apresentam material mole, dúctil e maleável de baixa resistência mecânica, porém elevada resistência à corrosão. • Empregado na forma de chapas, folhas e fios estanhados , segurança contra o fogo, em alarmes, metais de soldagem e vedação.
  • 39. LIGAS NÃO-FERROAS - ALUMÍNIO • As ligas de Alumínio são versáteis, econômicos não são ferromagnéticas e apresentam elevadas condutividades térmica e elétrica. • Apresentam resistência à oxidação progressiva e são muito dúcteis e maleáveis.
  • 40. LIGAS NÃO-FERROAS - ZAMAC • Seu nome vem da composição da sua liga: Zinco, Alumínio, Magnésio, e Cobre. • Boa resistência à Tração, Corrosão, Choques e Desgastes • Possui baixo ponto de fusão, 400°C, o que permite uma maior produção de peças fundidas em serie. • Aplicada em Maçanetas, chaves, espelhos.
  • 41. LIGAS NÃO-FERROAS - OURO • Este metal pode ser encontrado livremente na natureza, é o chamado ouro nativo. O ouro nativo (100 % puro) é designado como ouro 24 quilates, ele é maleável, ou seja, não apresenta consistência para fabricar objetos. • Sendo assim, no processo de obtenção de joias preciosas, é preciso adicionar prata (Ag) e cobre (Cu) formando então uma liga metálica com o ouro. • Esta ligação permite maior dureza ao material, tornando possível a confecção das mais variadas joias. A porcentagem da mistura é de 75 % em ouro e 25 % em prata e cobre, o que dá origem ao ouro 18 quilates.
  • 42. PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE LIGAS METÁLICAS • A fabricação das ligas metálicas pode ser feito a partir do processo de : • Fusão; • Compressão; • Processos eletrolíticos.
  • 43. PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE LIGAS METÁLICAS • Fusão • Neste processo os componentes que vão formar a liga, são postos em temperatura de fusão para a sua mistura homogênea e posteriormente resfriados em formas com formato pré-definido. • Compressão • Este processo consiste em misturar os materiais de vão compor a liga em proporções adequadas a uma pressão bastante elevada, este processo e utilizado quando os materiais da liga são imiscíveis no estado liquido e tem elevado ponto de fusão. • Processo Eletrolítico • Consiste na mistura de sais proporcionando a mistura de dois ou mais metais sobre o catodo.
  • 44. REFERÊNICAS • http://www.infoescola.com/quimica/propriedades-dos-metais/ • http://www.brasilescola.com/quimica/metais.htm • http://www.mundoeducacao.com/quimica/propriedades-dos- metais.htm • Callister, W. D. Jr. - Ciência e Engenharia dos Materiais – Uma Introdução, 7ª Edição, Editora LTC. • Van Vlack , L. - Princípios de Ciência dos Materiais, 3ª Edição. • SHRIVER, D. F.; ATKINS, P. Química Inorgânica. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.