SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Concordância 
verbal e nominal 
Professor Vil
Concordância verbal 
• Concordância é a igualdade de gênero e 
número entre o substantivo e adjetivo, artigo, 
numeral, pronome e igualdade de número e 
pessoa entre o verbo e o sujeito 
• A concordância é verbal quando o verbo se 
flexiona para concordar com seu sujeito.
(EU) 
 Assumo meus inúmeros erros. 
(NÓS) 
 Assumimos nossos inúmeros erros. 
 Toda pessoa sensata assume os próprios erros. 
Sujeito de 3ª pessoa do 
singular Verbo concorda com 3ª p. do sing.
 Regra básica: verbo concorda com o sujeito 
 Governo decide manter redução de IPI para 
veículos 
 Cornetas insuportáveis serão mantidas na 
Copa das Confederações.
 Sujeito composto anteposto ao verbo 
 Pai e filho conversaram longamente. 
 Pais e filhos devem conversar com 
frequência.
 Devido ao uso limitado das formas verbais 
de segunda pessoa do plural (vós) no 
português atual, tem surgido com bastante 
frequência a concordância: 
 Tu e teus colegas formarão um belo time de 
futebol. 
 Já aceita por grande parte dos gramáticos 
como legítima.
 Sujeito composto posposto ao verbo 
 Duas possibilidades de concordância 
 Faltaram coragem e competência. 
 Faltou coragem e competência. 
 Pouco falaram o presidente e os ministros. 
 Pouco falou o presidente e os ministros. 
 O presidente e os ministros falaram pouco.
 Quando há reciprocidade, no entanto, a 
concordância deve ser feita no plural. 
 Agrediram-se o deputado e o senador. (isto é, 
agrediram um ao outro) 
 Ofenderam-se o jogador e o árbitro. (isto é, 
ofenderam um ao outro)
Casos de concordância 
com sujeito simples
Expressões partitivas 
 Parte de, uma porção de, o grosso de, 
metade de, a maioria de, a maior parte de... 
 Duas possibilidades de concordância 
 A maioria dos jornalistas aprovou a idéia. 
 A maioria dos jornalistas aprovaram a idéia.
Expressões que indicam 
quantidade aproximada 
 Quando o sujeito é formado por uma 
expressão partitiva (cerca de..., mais de..., 
menos de..., perto de...) seguida de um 
substantivo ou pronome no plural, o verbo 
concorda com o substantivo. 
 Cerca de vinte corpos foram resgatados dos 
escombros. 
 Perto de quinhentas pessoas compareceram à 
cerimônia. 
 Mais de um atleta estabeleceu novo recordo nas 
últimas Olimpíadas.
 Quando a expressão mais de um se associar 
a verbos que exprimem reciprocidade ou for 
repetida, o plural é obrigatório: 
 Mais de um parlamentar se ofenderam na 
tumultuada sessão de ontem. (=ofenderam um ao 
outro). 
 Mais de um casal, mais de uma família já 
perderam qualquer esperança num futuro melhor.
Quais de nós / quais de vós 
 Quando o sujeito é um pronome interrogativo ou 
indefinido plural (quais, quantos, alguns, poucos, 
muitos, quaisquer, vários) seguido de de (ou 
dentre) nós (ou vós), o verbo pode concordar com 
o primeiro pronome (na terceira pessoa do plural) 
ou com o pronome pessoal. 
 Quais de nós são / somos capazes? 
 Vários de nós propuseram / propusemos 
sugestões inovadoras.
 Observe que a opção por uma ou por outra 
forma indica a exclusão ou inclusão de quem 
fala ou escreve. 
 Quando alguém estabelece a concordância 
“Muitos de nós sabíamos de tudo e nada 
fizemos”, está-se incluindo num grupo de 
omissos, o que não ocorre com a 
concordância: 
“Muitos de nós sabiam de tudo e nada 
fizeram”, que soa como uma denúncia.
Nos casos em que o 
interrogativo ou indefinido 
estiver no singular, o verbo 
ficará no singular: 
Qual de nós sabia de tudo? 
Algum de vós fez isso.
Plural aparente 
Quando o sujeito é um plural 
aparente, ou seja, é uma palavra ou 
expressão com forma de plural, mas 
sentido de singular, o verbo concorda 
no singular. 
Flores não recebe mais acento. 
Nós é um pronome pessoal do caso 
reto.
Nomes próprios 
A concordância deve ser feita levando-se 
em conta a ausência ou presença de 
artigo. 
Minas Gerais produz queijo e poesia 
de primeira. 
As Minas Gerais são inesquecíveis.
Porcentagens 
Quando o sujeito for indicação de uma 
porcentagem seguida de substantivo, o 
verbo pode concordar com o numeral ou 
com o substantivo. 
25%do orçamento do país deve 
destinar-se/devem destinar-se à 
educação. 
 85% dos entrevistados declararam sua 
insatisfação com o prefeito. 
1% da classe recusou-se a colaborar. 
1% dos alunos recusou-se/recusaram-se 
a colaborar.
Pronome relativo QUE 
 Quando o sujeito é o pronome relativo que, a 
concordância em número e pessoa é feita 
com o antecedente desse pronome. 
 Fui eu que paguei a conta. 
 Fomos nós que pintamos o muro.
Expressão “um dos que” 
 Plural 
 Se você é um dos que admiram o escritor, 
certamente lerá seu novo romance. 
 (Há muitos gramáticos que consideram 
aceitável também a concordância no singular)
Pronome relativo quem 
 Duas opções: verbo na terceira pessoa ou 
em concordância com o antecedente do 
pronome. 
 Fui eu quem pagou a conta. 
 Fui eu quem paguei a conta. 
 Fomos nós quem pintou o muro. 
 Fomos nós quem pintamos o muro.
Casos de concordância 
com sujeito composto
Núcleos sinônimos 
 Quando os núcleos do sujeito composto são 
sinônimos ou quase sinônimos ou 
estabelecem uma gradação, o verbo pode 
concordar no singular: 
 O desalento e a tristeza minou-lhe/minaram-lhe 
as forças. 
 Um acento, um gesto, uma palavra, um estímulo 
faria/ fariam muito por ele.
Núcleos unidos por ou ou nem 
Quando os núcleos do sujeito composto são 
unidos por ou ou nem, o verbo no plural 
indica que a declaração contida no 
predicado pode ser atribuída conjuntamente 
a todos os núcleos: 
Um sorriso ou uma lágrima o tirariam 
daquela incerteza. 
 Nem poder, nem dinheiro o corrompiam.
 O verbo no singular com esse tipo de sujeito 
indica alternância ou mútua exclusão. 
 Milão ou Berlim sediará a próxima Olimpíada. 
 Nem você nem ele será o novo representante da 
classe. 
Com a expressão um outro e nem um outro, a concordância costuma 
ser feita no singular, embora plural também seja praticado. Com a 
locução um e outro, o plural é mais frequente, embora também se use 
o singular. Não há uniformidade no tratamento dado a essas 
expressões por gramáticos e escritores. Em todos esses caos, parece 
razoável adotar o mesmo procedimento usado com outros sujeitos 
unidos por e, ou e nem.
Núcleos unidos por com 
 Quando os núcleos do sujeito são unidos por com, a forma 
plural do verbo indica que esses núcleos recebem o mesmo 
grau de importância. Com, nesses casos, tem sentido muito 
próximo ao de e: 
 O professor com o aluno montaram o equipamento. 
 O presidente com seus ministros reuniram-se hoje à tarde. 
 O verbo no singular dá destaque ao primeiro elemento: 
 O velho patriarca, com sua mulher e filhos, fazia-se notar 
pela elegância do porte. 
 Nesse caso, não se tem propriamente o sujeito composto, e 
sim um sujeito simples acompanhado de um adjunto 
adverbial de companhia.
Expressões correlativas 
 Quando os núcleos do sujeito são unidos por 
expressões correlativas como não só... 
mas/como também..., não só/somente)... 
mas ainda..., não apenas... mas também..., 
tanto... quanto... o verbo concorda de 
preferência no plural: 
 Não só a seca mas também o descaso assolam o 
Nordeste. 
 Tanto o pai quanto o filho costumavam passar 
por ali.
Aposto recapitulativo 
 Quando os elementos de um sujeito 
composto são seguidos de um aposto 
recapitulativo, a concordância é feita com 
esse termo resumidor: 
 Carros, casa, prédios, viadutos, pontes, tudo foi 
destruído pelo terremoto. 
 Luxo, riqueza, dinheiro, nada o tentava.
Concordância de 
alguns verbos e 
estruturas verbais
O verbo e a palavra se 
 Quando atua como índice de indeterminação 
do sujeito, se acompanha verbos intransitivos, 
transitivos indiretos e de ligação que devem 
obrigatoriamente estar na 3ª pessoa do 
singular: 
 Aos domingos, ia-se sempre à praça. 
 Aos domingos, costumava-se ir à praça. 
 Assistiu-se a cenas deprimentes naquele dia. 
 Era-se mais feliz no passado. 
 Quando se é consciente, luta-se pelo bem-estar 
social.
O verbo e a palavra se 
 Quando atua como pronome apassivador, se 
acompanha verbos transitivos diretos e 
transitivos indiretos na formação da voz 
passiva sindética. Nesse caso, o verbo deve 
concordar com o sujeito da oração: 
 Construiu-se uma nova praça no bairro. 
 Construíram-se novas praças no bairro. 
 Entregaram-se novas bibliotecas à população. 
 Não se devem poupar esforços para despoluir o rio.
Haver e fazer 
 HAVER: quando indica existência ou 
acontecimento, é IMPESSOAL. Permanece 
sempre na 3ª pessoa do singular. 
 Há graves problemas sociais no país. 
 Havia graves problemas... 
 Parece haver graves problemas... 
 Deve ter havido graves problemas...
Haver e fazer 
 Haver e fazer são IMPESSOAIS quando 
indicam idéia de tempo. 
 Há anos não o procuro. 
 Faz anos que não o procuro. 
 Fazem 3 meses que estudo na Unioeste. 
 NÃO!!!!!
Ser 
 A concordância do verbo ser é muito rica em 
detalhes. Em muitas situações, esse verbo 
deixa de concordar com o sujeito para 
concordar com o predicativo. Em outras, 
pode concordar com um ou com outro, de 
acordo com o termo que se quer enfatizar.
 quando colocado em um substantivo 
comum no singular e outro no plural, o 
verbo ser tende a ir para o plural. Poderá 
ficar no singular por motivo de ênfase: 
A sua paixão eram os filmes de terror. 
Aquele amor é apenas cacos de um 
passado.
 quando colocado entre um nome próprio e 
um substantivo comum, o verbo tende a 
concordar com um nome próprio. Entre um 
pronome pessoal e um substantivo comum 
ou próprio, o verbo concorda com o 
pronome: 
 Garrincha foi as maravilhas do drible. 
 O responsável pela expedição sou eu. 
 Eu sou José da Silva. 
 José da Silva sou eu.
 quando colocado entre um pronome não pessoal e 
um substantivo, o verbo ser tende a concordar com 
o substantivo: 
 Tudo eram alegrias naquela noite. 
 Isso são manias de um ocioso. 
 Quem são os vencedores? 
 Que são idéias? 
 Nos dois primeiros casos, há gramáticos que consideram 
possível também a concordância com o pronome.
 nas expressões que indicam quantidade 
(medida, peso, preço, valor), o verbo ser é 
invariável: 
 Dois quilos é pouco. 
 Vinte mil cruzeiros é demais. 
 Dez minutos é mais do que eu preciso para ir 
daqui até lá. 
 Um milhão de cruzeiros já foi muito, hoje é pouco, 
é bem menos do que eu estou precisando.
 nas indicações de tempo, o verbo ser concorda com 
a expressão numérica que o acompanha: 
 É uma hora. 
 São duas horas. 
 São três e vinte. 
 Já é mais deu ma hora. 
 Já são mais de duas horas. 
 São cinco para uma. 
 Hoje são vinte de setembro. 
 Hoje é dia vinte de setembro.
Uso do infinitivo
 O infinitivo exprime o processo verbal sem 
indicação de tempo. Em português, 
apresenta duas modalidades: 
 a impessoal, em que se considera apenas o 
processo verbal; 
 e a pessoal, em que se atribui a esse processo 
verbal um agente. 
 É proibido fumar. (impessoal) 
 É bom fazermos algo. (pessoal, sujeito/agente nós).
 Nem sempre a modalidade pessoal do 
infinitivo vem flexionada: há casos em que se 
deve determinar o sujeito pelo contexto. 
 Fiquemos quietos para surpreendermos quem 
entrar. 
 Fiquemos quietos para surpreender quem entrar. 
 Em ambas as frases, o sujeito de surpreender é 
nós. As duas frases estão de acordo com a 
norma culta; a primeira é mais enfática. (Opção 
estilística, em muitos casos).
Infinitivo: forma não-flexionada 
 Usa-se a forma não-flexionada: 
 Quando o verbo é empregado indeterminadamente, 
assumindo valor substantivo: 
 Agir é tudo. 
 Atacar é a melhor defesa. 
 Quando o infinitivo tem valor imperativo: 
 Direita, volver! 
 Apressar o passo! Apressar o passo!
Infinitivo: forma não-flexionada 
 Usa-se a forma não-flexionada: 
 Quanto o infinitivo, regido de preposição de, assume 
sentido passivo como complemento de um adjetivo: 
 Seus constantes desaforos eram ossos duros de roer. 
(=de serem roídos) 
 Passei por momentos difíceis de esquecer. (=de serem 
esquecidos) 
 Quando o infinitivo vem como verbo principal de uma 
locução verbal: 
 Não podíamos prever o que os outros iriam fazer. 
 Eles acabam de confirmar sua participação nos jogos. 
 Estão a brincar comigo?
Infinitivo: forma não-flexionada 
 Usa-se a forma não-flexionada: 
 Quanto o infinitivo ocorre numa oração 
substantiva reduzida que complementa um 
auxiliar causativo (deixar, mandar, fazer) ou 
sensitivo (ver, sentir, ouvir, perceber) e tem 
como sujeito um pronome oblíquo: 
Deixe-os falar. 
Mandaram-se sair dali. 
Viram-te passar na rua.
Infinitivo: forma flexionada 
 A forma flexionada deve ser usada obrigatoriamente 
quando tem sujeito próprio, diferente do sujeito da 
oração principal. Isso ocorre também quando o 
sujeito do infinitivo é indeterminado, e o da oração 
principal não é. 
 Existe muita gente que diz sermos nós um tanto 
sonhadores. 
 Lembrei-me da recomendação médica de tomares sol 
todas as manhãs. 
 É hora de vocês passarem à ação. 
 Senti apalparem-me o braço.
Infinitivo: outros casos 
 Podemos usar a forma flexionada ou não-flexionada 
quando o infinitivo da oração reduzida que 
complementa um auxiliar causativo ou sensitivo 
apresentar como sujeito um substantivo ou quando 
quisermos enfatizar o agente do processo verbal 
nas orações subordinadas cujo sujeito é igual ao 
das orações principais. 
 Deixe os meninos falarem/falar. 
 Ouvi os pássaros cantarem/cantar. 
 Trouxemos nossos produtos para vendermos/vender. 
 Os manifestantes se dirigiram ao palanque para 
protestarem/protestar contra os oradores.
O verbo parecer e o infinitivo 
 O verbo parecer pode relacionar-se de duas 
maneiras com o infinitivo. 
 Os dias parecem voar. 
 Os dias parece voarem. 
 Na primeira frase, parecer é verbo auxiliar de voar. 
Na segunda, temos na realidade uma inversão da 
ordem dos termos, que seria “Parece voarem os 
dias”. Parece é o verbo de uma oração principal 
cujo sujeito é a oração subordinada substantiva 
subjetiva reduzida de infinitivo “voarem os dias”. Se 
desenvolvermos essa oração, obteremos “Parece 
que os dias voam”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
Keu Oliveira
 
ColocaçãO Pronominal
ColocaçãO PronominalColocaçãO Pronominal
ColocaçãO Pronominal
guest0cbfe
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
Péricles Penuel
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
colveromachado
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
Rita Cunha
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 

Mais procurados (20)

Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
ColocaçãO Pronominal
ColocaçãO PronominalColocaçãO Pronominal
ColocaçãO Pronominal
 
Os verbos
Os verbosOs verbos
Os verbos
 
Vozes verbais 8 ano
Vozes verbais 8 anoVozes verbais 8 ano
Vozes verbais 8 ano
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
 
Verbos 2
Verbos 2Verbos 2
Verbos 2
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Substantivo slide
Substantivo slideSubstantivo slide
Substantivo slide
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Regencia verbal
Regencia verbalRegencia verbal
Regencia verbal
 
Orações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas SubstantivasOrações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas Substantivas
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 

Destaque

Coord subordinacao
Coord subordinacaoCoord subordinacao
Coord subordinacao
Nadja Dócio
 
Atos Administrativo
Atos AdministrativoAtos Administrativo
Atos Administrativo
Rajiv Nery
 
Gestão pública II
Gestão pública IIGestão pública II
Gestão pública II
Lívia Lopes
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
Angela Santos
 
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aline Alves
 
Impacto de las tic en las educacion
Impacto de las tic en las educacion Impacto de las tic en las educacion
Impacto de las tic en las educacion
riosyamieli
 
Sambit's quiz. Quiz meet 18th sept
Sambit's quiz. Quiz meet 18th septSambit's quiz. Quiz meet 18th sept
Sambit's quiz. Quiz meet 18th sept
darthkhare
 

Destaque (20)

Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Coord subordinacao
Coord subordinacaoCoord subordinacao
Coord subordinacao
 
Período Composto
Período CompostoPeríodo Composto
Período Composto
 
Novo Acordo Ortográfico
Novo Acordo OrtográficoNovo Acordo Ortográfico
Novo Acordo Ortográfico
 
Atos Administrativo
Atos AdministrativoAtos Administrativo
Atos Administrativo
 
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituaisDireito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
 
Gestão pública II
Gestão pública IIGestão pública II
Gestão pública II
 
Atos administrativos (Classificação; Espécies; Formas de Extinção e Convalida...
Atos administrativos (Classificação; Espécies; Formas de Extinção e Convalida...Atos administrativos (Classificação; Espécies; Formas de Extinção e Convalida...
Atos administrativos (Classificação; Espécies; Formas de Extinção e Convalida...
 
Direito Administrativo - Aula 3 - O regime jurídico e os princípios administ...
Direito Administrativo - Aula 3 -  O regime jurídico e os princípios administ...Direito Administrativo - Aula 3 -  O regime jurídico e os princípios administ...
Direito Administrativo - Aula 3 - O regime jurídico e os princípios administ...
 
Direito Administrativo - Aula 2 - Poderes e deveres
Direito Administrativo - Aula 2 - Poderes e deveresDireito Administrativo - Aula 2 - Poderes e deveres
Direito Administrativo - Aula 2 - Poderes e deveres
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentação
 
Direito Administrativo - Aula 1 - noções iniciais
Direito Administrativo - Aula 1 - noções iniciaisDireito Administrativo - Aula 1 - noções iniciais
Direito Administrativo - Aula 1 - noções iniciais
 
Didactica.
Didactica.Didactica.
Didactica.
 
CE 150210107029 PRESENTATION
CE 150210107029 PRESENTATIONCE 150210107029 PRESENTATION
CE 150210107029 PRESENTATION
 
Impacto de las tic en las educacion
Impacto de las tic en las educacion Impacto de las tic en las educacion
Impacto de las tic en las educacion
 
Minder jaar voor firma van Marcel Vanthilt
Minder jaar voor firma van Marcel VanthiltMinder jaar voor firma van Marcel Vanthilt
Minder jaar voor firma van Marcel Vanthilt
 
Market Research Finland - Biofuels Market in Finland 2009
Market Research Finland - Biofuels Market in Finland 2009Market Research Finland - Biofuels Market in Finland 2009
Market Research Finland - Biofuels Market in Finland 2009
 
Sambit's quiz. Quiz meet 18th sept
Sambit's quiz. Quiz meet 18th septSambit's quiz. Quiz meet 18th sept
Sambit's quiz. Quiz meet 18th sept
 
10 ways big data will accelerate your marketing & sales pipeline performance
10 ways big data will accelerate your marketing & sales pipeline performance10 ways big data will accelerate your marketing & sales pipeline performance
10 ways big data will accelerate your marketing & sales pipeline performance
 

Semelhante a Concordância verbal simples e composto - ppt

Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseConcordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Lidiane Rodrigues
 
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
Marcos Emídio
 
Concordâncias nominal e verbal.pptx
Concordâncias nominal e verbal.pptxConcordâncias nominal e verbal.pptx
Concordâncias nominal e verbal.pptx
AnaCarolina853021
 
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
Fladimy Rocha
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
Blog Estudo
 
Aula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominalAula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominal
Aline Alves
 
Concordancia Verbal
Concordancia VerbalConcordancia Verbal
Concordancia Verbal
guest927573a
 

Semelhante a Concordância verbal simples e composto - ppt (20)

[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
 
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseConcordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
 
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
 
concordancia-verbal.pdf
concordancia-verbal.pdfconcordancia-verbal.pdf
concordancia-verbal.pdf
 
Concordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalConcordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e Nominal
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Concordâncias nominal e verbal.pptx
Concordâncias nominal e verbal.pptxConcordâncias nominal e verbal.pptx
Concordâncias nominal e verbal.pptx
 
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Aula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominalAula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominal
 
Concordancia Verbal
Concordancia VerbalConcordancia Verbal
Concordancia Verbal
 
Concordância.pptx
Concordância.pptxConcordância.pptx
Concordância.pptx
 

Mais de Vilmar Vilaça

Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
Vilmar Vilaça
 
Dicotomias de saussure gabarito comentado
Dicotomias de saussure   gabarito comentadoDicotomias de saussure   gabarito comentado
Dicotomias de saussure gabarito comentado
Vilmar Vilaça
 
Web quest - tecnófilo - vil - power point - atualizado
Web quest - tecnófilo - vil - power point - atualizadoWeb quest - tecnófilo - vil - power point - atualizado
Web quest - tecnófilo - vil - power point - atualizado
Vilmar Vilaça
 

Mais de Vilmar Vilaça (10)

Parnasianismo teoria e exercícios
Parnasianismo   teoria e exercíciosParnasianismo   teoria e exercícios
Parnasianismo teoria e exercícios
 
Realismo e naturalismo resumo
Realismo e naturalismo   resumoRealismo e naturalismo   resumo
Realismo e naturalismo resumo
 
Homenagem 15 anos aninha - mãozinhas no cabelo
Homenagem   15 anos aninha - mãozinhas no cabeloHomenagem   15 anos aninha - mãozinhas no cabelo
Homenagem 15 anos aninha - mãozinhas no cabelo
 
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
 
Mito de pandora roteiro - versão para alunos
Mito de pandora   roteiro - versão para alunosMito de pandora   roteiro - versão para alunos
Mito de pandora roteiro - versão para alunos
 
Modernismo 2a. geração
Modernismo   2a. geraçãoModernismo   2a. geração
Modernismo 2a. geração
 
Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
 
Classicismo em portugal
Classicismo em portugalClassicismo em portugal
Classicismo em portugal
 
Dicotomias de saussure gabarito comentado
Dicotomias de saussure   gabarito comentadoDicotomias de saussure   gabarito comentado
Dicotomias de saussure gabarito comentado
 
Web quest - tecnófilo - vil - power point - atualizado
Web quest - tecnófilo - vil - power point - atualizadoWeb quest - tecnófilo - vil - power point - atualizado
Web quest - tecnófilo - vil - power point - atualizado
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 

Concordância verbal simples e composto - ppt

  • 1. Concordância verbal e nominal Professor Vil
  • 2. Concordância verbal • Concordância é a igualdade de gênero e número entre o substantivo e adjetivo, artigo, numeral, pronome e igualdade de número e pessoa entre o verbo e o sujeito • A concordância é verbal quando o verbo se flexiona para concordar com seu sujeito.
  • 3. (EU)  Assumo meus inúmeros erros. (NÓS)  Assumimos nossos inúmeros erros.  Toda pessoa sensata assume os próprios erros. Sujeito de 3ª pessoa do singular Verbo concorda com 3ª p. do sing.
  • 4.  Regra básica: verbo concorda com o sujeito  Governo decide manter redução de IPI para veículos  Cornetas insuportáveis serão mantidas na Copa das Confederações.
  • 5.  Sujeito composto anteposto ao verbo  Pai e filho conversaram longamente.  Pais e filhos devem conversar com frequência.
  • 6.  Devido ao uso limitado das formas verbais de segunda pessoa do plural (vós) no português atual, tem surgido com bastante frequência a concordância:  Tu e teus colegas formarão um belo time de futebol.  Já aceita por grande parte dos gramáticos como legítima.
  • 7.  Sujeito composto posposto ao verbo  Duas possibilidades de concordância  Faltaram coragem e competência.  Faltou coragem e competência.  Pouco falaram o presidente e os ministros.  Pouco falou o presidente e os ministros.  O presidente e os ministros falaram pouco.
  • 8.  Quando há reciprocidade, no entanto, a concordância deve ser feita no plural.  Agrediram-se o deputado e o senador. (isto é, agrediram um ao outro)  Ofenderam-se o jogador e o árbitro. (isto é, ofenderam um ao outro)
  • 9. Casos de concordância com sujeito simples
  • 10. Expressões partitivas  Parte de, uma porção de, o grosso de, metade de, a maioria de, a maior parte de...  Duas possibilidades de concordância  A maioria dos jornalistas aprovou a idéia.  A maioria dos jornalistas aprovaram a idéia.
  • 11. Expressões que indicam quantidade aproximada  Quando o sujeito é formado por uma expressão partitiva (cerca de..., mais de..., menos de..., perto de...) seguida de um substantivo ou pronome no plural, o verbo concorda com o substantivo.  Cerca de vinte corpos foram resgatados dos escombros.  Perto de quinhentas pessoas compareceram à cerimônia.  Mais de um atleta estabeleceu novo recordo nas últimas Olimpíadas.
  • 12.  Quando a expressão mais de um se associar a verbos que exprimem reciprocidade ou for repetida, o plural é obrigatório:  Mais de um parlamentar se ofenderam na tumultuada sessão de ontem. (=ofenderam um ao outro).  Mais de um casal, mais de uma família já perderam qualquer esperança num futuro melhor.
  • 13. Quais de nós / quais de vós  Quando o sujeito é um pronome interrogativo ou indefinido plural (quais, quantos, alguns, poucos, muitos, quaisquer, vários) seguido de de (ou dentre) nós (ou vós), o verbo pode concordar com o primeiro pronome (na terceira pessoa do plural) ou com o pronome pessoal.  Quais de nós são / somos capazes?  Vários de nós propuseram / propusemos sugestões inovadoras.
  • 14.  Observe que a opção por uma ou por outra forma indica a exclusão ou inclusão de quem fala ou escreve.  Quando alguém estabelece a concordância “Muitos de nós sabíamos de tudo e nada fizemos”, está-se incluindo num grupo de omissos, o que não ocorre com a concordância: “Muitos de nós sabiam de tudo e nada fizeram”, que soa como uma denúncia.
  • 15. Nos casos em que o interrogativo ou indefinido estiver no singular, o verbo ficará no singular: Qual de nós sabia de tudo? Algum de vós fez isso.
  • 16. Plural aparente Quando o sujeito é um plural aparente, ou seja, é uma palavra ou expressão com forma de plural, mas sentido de singular, o verbo concorda no singular. Flores não recebe mais acento. Nós é um pronome pessoal do caso reto.
  • 17. Nomes próprios A concordância deve ser feita levando-se em conta a ausência ou presença de artigo. Minas Gerais produz queijo e poesia de primeira. As Minas Gerais são inesquecíveis.
  • 18. Porcentagens Quando o sujeito for indicação de uma porcentagem seguida de substantivo, o verbo pode concordar com o numeral ou com o substantivo. 25%do orçamento do país deve destinar-se/devem destinar-se à educação.  85% dos entrevistados declararam sua insatisfação com o prefeito. 1% da classe recusou-se a colaborar. 1% dos alunos recusou-se/recusaram-se a colaborar.
  • 19. Pronome relativo QUE  Quando o sujeito é o pronome relativo que, a concordância em número e pessoa é feita com o antecedente desse pronome.  Fui eu que paguei a conta.  Fomos nós que pintamos o muro.
  • 20. Expressão “um dos que”  Plural  Se você é um dos que admiram o escritor, certamente lerá seu novo romance.  (Há muitos gramáticos que consideram aceitável também a concordância no singular)
  • 21. Pronome relativo quem  Duas opções: verbo na terceira pessoa ou em concordância com o antecedente do pronome.  Fui eu quem pagou a conta.  Fui eu quem paguei a conta.  Fomos nós quem pintou o muro.  Fomos nós quem pintamos o muro.
  • 22. Casos de concordância com sujeito composto
  • 23. Núcleos sinônimos  Quando os núcleos do sujeito composto são sinônimos ou quase sinônimos ou estabelecem uma gradação, o verbo pode concordar no singular:  O desalento e a tristeza minou-lhe/minaram-lhe as forças.  Um acento, um gesto, uma palavra, um estímulo faria/ fariam muito por ele.
  • 24. Núcleos unidos por ou ou nem Quando os núcleos do sujeito composto são unidos por ou ou nem, o verbo no plural indica que a declaração contida no predicado pode ser atribuída conjuntamente a todos os núcleos: Um sorriso ou uma lágrima o tirariam daquela incerteza.  Nem poder, nem dinheiro o corrompiam.
  • 25.  O verbo no singular com esse tipo de sujeito indica alternância ou mútua exclusão.  Milão ou Berlim sediará a próxima Olimpíada.  Nem você nem ele será o novo representante da classe. Com a expressão um outro e nem um outro, a concordância costuma ser feita no singular, embora plural também seja praticado. Com a locução um e outro, o plural é mais frequente, embora também se use o singular. Não há uniformidade no tratamento dado a essas expressões por gramáticos e escritores. Em todos esses caos, parece razoável adotar o mesmo procedimento usado com outros sujeitos unidos por e, ou e nem.
  • 26. Núcleos unidos por com  Quando os núcleos do sujeito são unidos por com, a forma plural do verbo indica que esses núcleos recebem o mesmo grau de importância. Com, nesses casos, tem sentido muito próximo ao de e:  O professor com o aluno montaram o equipamento.  O presidente com seus ministros reuniram-se hoje à tarde.  O verbo no singular dá destaque ao primeiro elemento:  O velho patriarca, com sua mulher e filhos, fazia-se notar pela elegância do porte.  Nesse caso, não se tem propriamente o sujeito composto, e sim um sujeito simples acompanhado de um adjunto adverbial de companhia.
  • 27. Expressões correlativas  Quando os núcleos do sujeito são unidos por expressões correlativas como não só... mas/como também..., não só/somente)... mas ainda..., não apenas... mas também..., tanto... quanto... o verbo concorda de preferência no plural:  Não só a seca mas também o descaso assolam o Nordeste.  Tanto o pai quanto o filho costumavam passar por ali.
  • 28. Aposto recapitulativo  Quando os elementos de um sujeito composto são seguidos de um aposto recapitulativo, a concordância é feita com esse termo resumidor:  Carros, casa, prédios, viadutos, pontes, tudo foi destruído pelo terremoto.  Luxo, riqueza, dinheiro, nada o tentava.
  • 29. Concordância de alguns verbos e estruturas verbais
  • 30. O verbo e a palavra se  Quando atua como índice de indeterminação do sujeito, se acompanha verbos intransitivos, transitivos indiretos e de ligação que devem obrigatoriamente estar na 3ª pessoa do singular:  Aos domingos, ia-se sempre à praça.  Aos domingos, costumava-se ir à praça.  Assistiu-se a cenas deprimentes naquele dia.  Era-se mais feliz no passado.  Quando se é consciente, luta-se pelo bem-estar social.
  • 31. O verbo e a palavra se  Quando atua como pronome apassivador, se acompanha verbos transitivos diretos e transitivos indiretos na formação da voz passiva sindética. Nesse caso, o verbo deve concordar com o sujeito da oração:  Construiu-se uma nova praça no bairro.  Construíram-se novas praças no bairro.  Entregaram-se novas bibliotecas à população.  Não se devem poupar esforços para despoluir o rio.
  • 32.
  • 33. Haver e fazer  HAVER: quando indica existência ou acontecimento, é IMPESSOAL. Permanece sempre na 3ª pessoa do singular.  Há graves problemas sociais no país.  Havia graves problemas...  Parece haver graves problemas...  Deve ter havido graves problemas...
  • 34. Haver e fazer  Haver e fazer são IMPESSOAIS quando indicam idéia de tempo.  Há anos não o procuro.  Faz anos que não o procuro.  Fazem 3 meses que estudo na Unioeste.  NÃO!!!!!
  • 35. Ser  A concordância do verbo ser é muito rica em detalhes. Em muitas situações, esse verbo deixa de concordar com o sujeito para concordar com o predicativo. Em outras, pode concordar com um ou com outro, de acordo com o termo que se quer enfatizar.
  • 36.  quando colocado em um substantivo comum no singular e outro no plural, o verbo ser tende a ir para o plural. Poderá ficar no singular por motivo de ênfase: A sua paixão eram os filmes de terror. Aquele amor é apenas cacos de um passado.
  • 37.  quando colocado entre um nome próprio e um substantivo comum, o verbo tende a concordar com um nome próprio. Entre um pronome pessoal e um substantivo comum ou próprio, o verbo concorda com o pronome:  Garrincha foi as maravilhas do drible.  O responsável pela expedição sou eu.  Eu sou José da Silva.  José da Silva sou eu.
  • 38.  quando colocado entre um pronome não pessoal e um substantivo, o verbo ser tende a concordar com o substantivo:  Tudo eram alegrias naquela noite.  Isso são manias de um ocioso.  Quem são os vencedores?  Que são idéias?  Nos dois primeiros casos, há gramáticos que consideram possível também a concordância com o pronome.
  • 39.  nas expressões que indicam quantidade (medida, peso, preço, valor), o verbo ser é invariável:  Dois quilos é pouco.  Vinte mil cruzeiros é demais.  Dez minutos é mais do que eu preciso para ir daqui até lá.  Um milhão de cruzeiros já foi muito, hoje é pouco, é bem menos do que eu estou precisando.
  • 40.  nas indicações de tempo, o verbo ser concorda com a expressão numérica que o acompanha:  É uma hora.  São duas horas.  São três e vinte.  Já é mais deu ma hora.  Já são mais de duas horas.  São cinco para uma.  Hoje são vinte de setembro.  Hoje é dia vinte de setembro.
  • 42.  O infinitivo exprime o processo verbal sem indicação de tempo. Em português, apresenta duas modalidades:  a impessoal, em que se considera apenas o processo verbal;  e a pessoal, em que se atribui a esse processo verbal um agente.  É proibido fumar. (impessoal)  É bom fazermos algo. (pessoal, sujeito/agente nós).
  • 43.  Nem sempre a modalidade pessoal do infinitivo vem flexionada: há casos em que se deve determinar o sujeito pelo contexto.  Fiquemos quietos para surpreendermos quem entrar.  Fiquemos quietos para surpreender quem entrar.  Em ambas as frases, o sujeito de surpreender é nós. As duas frases estão de acordo com a norma culta; a primeira é mais enfática. (Opção estilística, em muitos casos).
  • 44. Infinitivo: forma não-flexionada  Usa-se a forma não-flexionada:  Quando o verbo é empregado indeterminadamente, assumindo valor substantivo:  Agir é tudo.  Atacar é a melhor defesa.  Quando o infinitivo tem valor imperativo:  Direita, volver!  Apressar o passo! Apressar o passo!
  • 45. Infinitivo: forma não-flexionada  Usa-se a forma não-flexionada:  Quanto o infinitivo, regido de preposição de, assume sentido passivo como complemento de um adjetivo:  Seus constantes desaforos eram ossos duros de roer. (=de serem roídos)  Passei por momentos difíceis de esquecer. (=de serem esquecidos)  Quando o infinitivo vem como verbo principal de uma locução verbal:  Não podíamos prever o que os outros iriam fazer.  Eles acabam de confirmar sua participação nos jogos.  Estão a brincar comigo?
  • 46. Infinitivo: forma não-flexionada  Usa-se a forma não-flexionada:  Quanto o infinitivo ocorre numa oração substantiva reduzida que complementa um auxiliar causativo (deixar, mandar, fazer) ou sensitivo (ver, sentir, ouvir, perceber) e tem como sujeito um pronome oblíquo: Deixe-os falar. Mandaram-se sair dali. Viram-te passar na rua.
  • 47. Infinitivo: forma flexionada  A forma flexionada deve ser usada obrigatoriamente quando tem sujeito próprio, diferente do sujeito da oração principal. Isso ocorre também quando o sujeito do infinitivo é indeterminado, e o da oração principal não é.  Existe muita gente que diz sermos nós um tanto sonhadores.  Lembrei-me da recomendação médica de tomares sol todas as manhãs.  É hora de vocês passarem à ação.  Senti apalparem-me o braço.
  • 48. Infinitivo: outros casos  Podemos usar a forma flexionada ou não-flexionada quando o infinitivo da oração reduzida que complementa um auxiliar causativo ou sensitivo apresentar como sujeito um substantivo ou quando quisermos enfatizar o agente do processo verbal nas orações subordinadas cujo sujeito é igual ao das orações principais.  Deixe os meninos falarem/falar.  Ouvi os pássaros cantarem/cantar.  Trouxemos nossos produtos para vendermos/vender.  Os manifestantes se dirigiram ao palanque para protestarem/protestar contra os oradores.
  • 49. O verbo parecer e o infinitivo  O verbo parecer pode relacionar-se de duas maneiras com o infinitivo.  Os dias parecem voar.  Os dias parece voarem.  Na primeira frase, parecer é verbo auxiliar de voar. Na segunda, temos na realidade uma inversão da ordem dos termos, que seria “Parece voarem os dias”. Parece é o verbo de uma oração principal cujo sujeito é a oração subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo “voarem os dias”. Se desenvolvermos essa oração, obteremos “Parece que os dias voam”.