SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
TIPOLOGIA TEXTUAL : 
DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, 
DISSERTAÇÃO 
Profª Ms Fernanda Sleiman Rodrigues
Tipologia Textual 
 Quando se fala em tipos de textos, normalmente nos limitamos ao enfoque 
tradicional: Descrição, Narração e Dissertação. 
 os tipos de texto : funcionam como modos de organização, sendo 
limitados 
 gêneros textuais: são os chamados textos materializados, encontrados em 
nosso cotidiano. apresentam características sócio-comunicativas definidas 
por seu estilo, função, composição conteúdo e canal. 
 quando se escreve um bilhete ou uma carta, quando se envia ou recebe 
um e-mail ou usamos o facebook ou MSN, estamos utilizando diversos 
gêneros textuais.
Tipologia Textual 
 Existem muitas modalidades textuais, mas todas elas se valem de 
processos de composição que podem ser classificados em: 
 Narração 
 descrição 
 dissertação. 
 Conhecer a estrutura dos textos possibilita compreender com mais clareza 
a realidade e encontrar a melhor forma de expressá-la.
Descrição 
 Uma descrição consiste em uma enumeração de parâmetros 
quantitativos e qualitativos os quais buscam fornecer uma definição de 
alguma coisa. 
 inclui distinções sutis úteis para distinguir uma coisa de outra. 
 caracteriza-se por ser um “retrato verbal” de pessoas, objetos, animais, 
sentimentos, cenas ou ambientes. 
 O essencial é saber captar o traço distintivo, particular, o que diferencia 
aquele elemento descrito de todos os demais de sua espécie. 
 Os elementos mais importantes no processo de caracterização são os 
adjetivos e locuções adjetivas.
Descrição 
 é possível construir a caracterização tanto no sentido denotativo quanto 
no conotativo, como forma de enriquecimento do texto.. 
 A qualificação constitui a parte principal de uma descrição. 
 Qualificar o elemento descrito é dar-lhe características, apresentar um 
julgamento sobre ele. 
 A qualificação pode estar no campo objetivo ou no subjetivo. Uma forma 
muito comum de qualificação é a analogia. Pode ser feita através de 
comparações ou metáforas.
Descrição 
 Objetiva - Quando o objeto ou ser são narradas ou apresentadas como 
realmente são fisicamente na realidade. 
 •Subjetiva - Quando há a interferência da emoção, ou seja, quando o 
objeto ou ser, são transfigurados pela emoção do autor.
Descrição 
 Elementos básicos de uma descrição: 
 nomear / identificar - dar existência ao elemento (diferenças e 
semelhanças) 
 localizar / situar - determinar o lugar que o elemento ocupa no tempo e 
no espaço 
 qualificar - testemunho do observador sobre os seres do mundo 
A qualificação constitui a parte principal de uma descrição. Qualificar o 
elemento descrito é dar-lhe características, apresentar um julgamento sobre 
ele. A qualificação pode estar no campo objetivo ou no subjetivo.
Narração 
 Narrar é organizar um texto com o objetivo de expor uma seqüência de 
fatos, reais ou imaginários, em que personagens se movimentam num 
certo espaço à medida que o tempo passa. 
 está pautada em verbos de ação e conectores temporais. 
 Numa narrativa em 1ª pessoa, o narrador participa ativamente dos fatos 
narrados, mesmo que não seja a personagem principal (narrador = 
personagem). 
 Já a narrativa em 3ª pessoa traz o narrador como um observador dos fatos 
que pode até mesmo apresentar pensamentos de personagens do texto 
(narrador = observador).
Narração 
Narração objetiva X Narração subjetiva 
 Objetiva - apenas informa os fatos, sem se deixar envolver 
emocionalmente com o que está noticiado. É de cunho impessoal e 
direto. 
 Subjetiva - leva-se em conta as emoções, os sentimentos envolvidos na 
história. São ressaltados os efeitos psicológicos que os acontecimentos 
desencadeiam nos personagens. 
 Observação - o fato de um narrador de 1ª pessoa envolver-se 
emocionalmente com mais facilidade na história.
Narração 
Em termos didáticos, podemos organizar a estrutura da narrativa da seguinte 
forma: 
 APRESENTAÇÃO: parte do texto em que são apresentados alguns 
personagens e expostas algumas circunstâncias da história, como o 
momento e o lugar em que a ação se desenvolverá; 
 COMPLICAÇÃO: parte do texto em que se inicia propriamente a ação: 
acontece alguma coisa que modifica o estado inicial (quebra do equilíbrio 
inicial); 
 CLÍMAX: ponto em que a narrativa atinge seu momento crítico, tornando 
inevitável o desfecho; 
 DESFECHO: solução do conflito produzido pelas ações dos personagens. 
Restabelece-se o equilíbrio, podendo haver espaço para uma avaliação de 
tudo que foi narrado.
Narração 
 Elementos da narrativa: 
 Fato - o que se vai narrar (O quê?) 
 Tempo - quando o fato ocorreu (Quando?) 
 Lugar - onde o fato se deu (Onde?) 
 Personagens - quem participou ou observou o ocorrido (Com quem?) 
 Causa - motivo que determinou a ocorrência (Por quê?) 
 Modo - como se deu o fato (Como?) 
 Consequências (Geralmente provoca determinado desfecho)
Narração 
 A modalidade narrativa de texto pode constituir-se de diferentes maneiras: 
piada, peça teatral, crônica, novela, conto, fábula etc. 
 Na empresa, essa modalidade pode ser encontrada em cartas, relatórios, 
memoriais, atas, entre outros documentos. 
 Uma narrativa pode trazer falas de personagens entremeadas aos 
acontecimentos, faz-se uso dos chamados discursos: direto, indireto ou 
indireto livre.
Narração 
 No discurso direto, o narrador transcreve as palavras da própria personagem. 
Para tanto, recomenda-se o uso de algumas notações gráficas que marquem 
tais falas: travessão, dois pontos, aspas. 
 O discurso indireto apresenta as palavras das personagens através do narrador 
que reproduz uma síntese do que ouviu, podendo suprimir ou modificar o que 
achar necessário. 
A estruturação desse discurso não carece de marcações gráficas especiais, uma vez que 
sempre é o narrador que detém a palavra. Esse tipo de discurso é o encontrado em atas
Dissertação: 
 Como fazer nossas dissertações? 
 Como expor com clareza nosso ponto de vista? 
 Como argumentar coerentemente e validamente? 
 Como organizar a estrutura lógica de nosso texto, com introdução, 
desenvolvimento e conclusão?
Dissertação: 
Vamos supor que o tema proposta seja Nenhum homem é uma ilha. 
 Primeiro, precisamos entender o tema. Ilha, naturalmente, está em sentido 
figurado, significando solidão, isolamento. 
 1. Transforme o tema em uma pergunta: Nenhum homem é uma ilha? 
 2. Procure responder essa pergunta, de um modo simples e claro, 
concordando ou discordando. essa resposta é o seu ponto de vista. 
 3. Pergunte a você mesmo, o porquê de sua resposta, uma causa, um 
motivo, uma razão para justificar sua posição: aí estará o seu argumento 
principal. 
 4. Agora, procure descobrir outros motivos que ajudem a defender o seu 
ponto de vista, a fundamentar sua posição. Estes serão argumentos 
auxiliares.
Dissertação: 
 5. Em seguida, procure algum fato que sirva de exemplo para reforçar a 
sua posição.. 
 6. A partir desses elementos, procure juntá-los num texto, que é o rascunho 
de sua redação. Por enquanto, você pode agrupá-los na sequência que 
foi sugerida:
Dissertação: 
 Passo a passo 
 1) interrogar o tema; 
 2) responder, com a opinião 
 3) apresentar argumento básico 
 4) apresentar argumentos auxiliares 
 5) apresentar fato-exemplo 
 6) concluir
Dissertação: 
Como ficaria o esquema 
 1º parágrafo: a tese 
 2º parágrafo: argumento 1 
 3º parágrafo: argumento 2 
 4º parágrafo: fato-exemplo 
 5º parágrafo: conclusão
Dissertação: 
Introdução: 
 É o ponto de partida do texto. 
 deve apresentar de maneira clara o assunto a ser tratado e também 
delimitar as questões referentes a esse assunto que serão abordadas. 
 encaminha o leitor, colocando-lhe a orientação adotada para o 
desenvolvimento do texto. 
 Atua como uma espécie de “roteiro”. 
 Ao confeccionar a introdução do seu texto, você pode utilizar recursos 
que despertem o interesse do leitor: formular uma tese, que deverá ser 
discutida e provada no texto; lançar uma afirmação surpreendente, que o 
corpo do texto tratará de justificar ou refutar; propor uma pergunta, cuja 
resposta deverá ser dada no desenvolvimento e explicitada na conclusão.
Dissertação: 
Desenvolvimento: 
 É a parte do texto em que idéias, conceitos, informações, argumentos de 
que você dispõe serão desenvolvidos, de forma organizada e criteriosa. 
 O desenvolvimento deve nascer da introdução: nesta, apontam-se as 
questões relativas ao assunto que será abordado; naquele, essas questões 
devem ser desenroladas, avaliadas – sempre por partes, de forma gradual 
e progressiva. 
 A introdução já anuncia o desenvolvimento, que retoma, ampliando e 
desdobrando, o que já foi colocado de forma sucinta. 
 O conteúdo do desenvolvimento pode ser organizado de diferentes 
maneiras, de acordo com as propostas do texto e as informações 
disponíveis (...).
Dissertação: 
 Conclusão: É a parte final do texto, um resumo forte e sucinto de tudo 
aquilo que já foi dito. 
 Além desse resumo, que retoma e condensa o conteúdo anterior do texto, 
a conclusão deve expor claramente uma avaliação final do assunto 
discutido. 
 Nessa parte, também se podem fazer propostas de ação (que não devem 
adquirir ares de profecia).
Dissertação: 
O Parágrafo 
 O parágrafo pode ser estruturado de diversas maneiras, dependentes de 
variáveis quanto ao assunto, composição, propósito, autor e até mesmo 
do leitor a que se destina. 
 O parágrafo é identificado no texto pelo seu início afastado da margem 
do papel, o que facilita, tanto ao escritor como ao leitor, percebê-lo de 
forma isolada para que se capte as idéias principais do texto 
 Tal como a sua estrutura, a extensão de um parágrafo também é 
diversificada.
Dissertação: 
 Tópico Frasal 
 Constituído habitualmente por um ou dois períodos curtos iniciais, o 
tópico frasal, que é a introdução da unidade de composição, nos fornece 
o tema a ser desenvolvido. 
 tópico frasal pode não ser inicial, mas sem dúvida, este é o tipo mais 
usado por consagrados escritores e recomendado para os principiantes.
Dissertação: 
Desenvolvendo o parágrafo 
Desenvolver o parágrafo é expor, de forma pormenorizada, sua idéia 
principal. Tal desenvolvimento pode se dar por diversas maneiras. 
 1 -Enumerando ou descrevendo detalhes 
Desta forma o autor enumera e detalha a idéia apresentada; é muito usada 
e, preferencialmente nos parágrafos iniciados pelo tópico frasal.
Dissertação: 
2 - Confrontando, fazendo analogia ou comparando 
 No confronto, o autor utiliza o artifício de contrapor idéias, seres, coisas, 
fatos ou fenômenos. Tal confronto tanto pode ser de contrastes como de 
semelhanças. 
 Analogia e comparação, são também espécies de confronto: a primeira 
trata de semelhança primária sugerindo uma afinidade completa entre os 
dados; a segunda mostra semelhanças reais e visíveis, valendo-se para isto 
do uso de conectivos de comparação
Dissertação: 
 3 - Definindo, dividindo e citando exemplos 
 Ao definir, o autor, de forma clara e concisa, conceitua o objeto, ser, fato 
ou fenômeno apresentado, esta, pode envolver ou não a divisão e 
citação de exemplos, estas por sua vez, podem acompanhar uma 
definição ou serem usadas isoladamente desta e uma da outra. 
 Quando divide, o autor explora as idéias em cadeia, ou seja, após 
apresentar a temática no tópico frasal, divide-a e explana-a em períodos 
seguintes, sempre de forma a manter a cadeia de desenvolvimento. 
 Ao exemplificar, o autor tanto pode estar esclarecendo o assunto 
proposto quanto comprovando-o.
Dissertação: 
3 - Definindo, dividindo e citando exemplos 
 Ao definir, o autor, de forma clara e concisa, conceitua o objeto, ser, fato 
ou fenômeno apresentado, esta, pode envolver ou não a divisão e 
citação de exemplos, estas por sua vez, podem acompanhar uma 
definição ou serem usadas isoladamente desta e uma da outra. 
 Quando divide, o autor explora as idéias em cadeia, ou seja, após 
apresentar a temática no tópico frasal, divide-a e explana-a em períodos 
seguintes, sempre de forma a manter a cadeia de desenvolvimento. 
 Ao exemplificar, o autor tanto pode estar esclarecendo o assunto 
proposto quanto comprovando-o.
Dissertação: 
4 - Mostrando causa, motivo ou razão, consequência ou efeito 
 Desenvolve-se assim o parágrafo, esclarecendo a causa, motivo ou 
razão, bem como a consequência ou efeito do acontecimento ou fato 
apresentado como idéia principal. 
 Quando se trata de fenômenos físicos, empregamos os termos causa e 
efeito; se humanos usamos os termos motivo, razão e consequência.
Dissertação: 
 Qualidades do parágrafo e da frase em geral 
 correção - o respeito às normas e princípios do idioma; 
 clareza - a expressão clara e objetiva da idéia; 
 concisão - a apresentação da idéia usando o menor número possível de 
palavras; 
 coesão - expor de forma ordenada as idéias, uma de cada vez; 
 coerência - a ligação perfeitamente inteligível das partes de um texto com o 
seu todo; 
 ênfase - realçar através de mecanismos próprios a idéia apresentada, e 
finalmente, 
 argumentação - a exposição dos fundamentos da idéia, de forma a torná-la 
suscetível de aceitação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASJaicinha
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptpnaicdertsis
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerênciaRossana Silva
 
Cronicas
CronicasCronicas
Cronicaskadjaxh
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerenciasilnog
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Cláudia Heloísa
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textoswelton santos
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enemJosi Motta
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto contoguestd9a4ef3c
 

Mais procurados (20)

Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Oficina de Redação
Oficina de RedaçãoOficina de Redação
Oficina de Redação
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
 
Tipologia Textual
Tipologia TextualTipologia Textual
Tipologia Textual
 
Resumo - gênero textual
Resumo - gênero textualResumo - gênero textual
Resumo - gênero textual
 
Cronicas
CronicasCronicas
Cronicas
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
 

Destaque

Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasnixsonmachado
 
Dissertação: características gerais.
Dissertação: características gerais.Dissertação: características gerais.
Dissertação: características gerais.veri_profe
 
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasVídeo Aulas Apoio
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicadoVivian gusm?
 
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseConcordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseLidiane Rodrigues
 
RegêNcia Verbal
RegêNcia VerbalRegêNcia Verbal
RegêNcia VerbalMiguel Neto
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominalSimone Peixoto
 

Destaque (9)

Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
 
Dissertação: características gerais.
Dissertação: características gerais.Dissertação: características gerais.
Dissertação: características gerais.
 
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
 
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseConcordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
 
RegêNcia Verbal
RegêNcia VerbalRegêNcia Verbal
RegêNcia Verbal
 
Regencia verbal
Regencia verbalRegencia verbal
Regencia verbal
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominal
 
Verbos - parte 1
Verbos - parte 1Verbos - parte 1
Verbos - parte 1
 

Semelhante a Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO

Semelhante a Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO (20)

Curso de redação
Curso de redaçãoCurso de redação
Curso de redação
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuais
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuais
 
Noção de Texto
Noção de TextoNoção de Texto
Noção de Texto
 
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptxTEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
 
Topico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdfTopico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdf
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Dissertaçao
DissertaçaoDissertaçao
Dissertaçao
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
 
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
 
PARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdfPARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdf
 
Produção de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textosProdução de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textos
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
 
Redação do texto científico i
Redação do texto científico iRedação do texto científico i
Redação do texto científico i
 
Textos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativosTextos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativos
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 

Último

As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 

Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO

  • 1. TIPOLOGIA TEXTUAL : DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO Profª Ms Fernanda Sleiman Rodrigues
  • 2. Tipologia Textual  Quando se fala em tipos de textos, normalmente nos limitamos ao enfoque tradicional: Descrição, Narração e Dissertação.  os tipos de texto : funcionam como modos de organização, sendo limitados  gêneros textuais: são os chamados textos materializados, encontrados em nosso cotidiano. apresentam características sócio-comunicativas definidas por seu estilo, função, composição conteúdo e canal.  quando se escreve um bilhete ou uma carta, quando se envia ou recebe um e-mail ou usamos o facebook ou MSN, estamos utilizando diversos gêneros textuais.
  • 3. Tipologia Textual  Existem muitas modalidades textuais, mas todas elas se valem de processos de composição que podem ser classificados em:  Narração  descrição  dissertação.  Conhecer a estrutura dos textos possibilita compreender com mais clareza a realidade e encontrar a melhor forma de expressá-la.
  • 4. Descrição  Uma descrição consiste em uma enumeração de parâmetros quantitativos e qualitativos os quais buscam fornecer uma definição de alguma coisa.  inclui distinções sutis úteis para distinguir uma coisa de outra.  caracteriza-se por ser um “retrato verbal” de pessoas, objetos, animais, sentimentos, cenas ou ambientes.  O essencial é saber captar o traço distintivo, particular, o que diferencia aquele elemento descrito de todos os demais de sua espécie.  Os elementos mais importantes no processo de caracterização são os adjetivos e locuções adjetivas.
  • 5. Descrição  é possível construir a caracterização tanto no sentido denotativo quanto no conotativo, como forma de enriquecimento do texto..  A qualificação constitui a parte principal de uma descrição.  Qualificar o elemento descrito é dar-lhe características, apresentar um julgamento sobre ele.  A qualificação pode estar no campo objetivo ou no subjetivo. Uma forma muito comum de qualificação é a analogia. Pode ser feita através de comparações ou metáforas.
  • 6. Descrição  Objetiva - Quando o objeto ou ser são narradas ou apresentadas como realmente são fisicamente na realidade.  •Subjetiva - Quando há a interferência da emoção, ou seja, quando o objeto ou ser, são transfigurados pela emoção do autor.
  • 7. Descrição  Elementos básicos de uma descrição:  nomear / identificar - dar existência ao elemento (diferenças e semelhanças)  localizar / situar - determinar o lugar que o elemento ocupa no tempo e no espaço  qualificar - testemunho do observador sobre os seres do mundo A qualificação constitui a parte principal de uma descrição. Qualificar o elemento descrito é dar-lhe características, apresentar um julgamento sobre ele. A qualificação pode estar no campo objetivo ou no subjetivo.
  • 8. Narração  Narrar é organizar um texto com o objetivo de expor uma seqüência de fatos, reais ou imaginários, em que personagens se movimentam num certo espaço à medida que o tempo passa.  está pautada em verbos de ação e conectores temporais.  Numa narrativa em 1ª pessoa, o narrador participa ativamente dos fatos narrados, mesmo que não seja a personagem principal (narrador = personagem).  Já a narrativa em 3ª pessoa traz o narrador como um observador dos fatos que pode até mesmo apresentar pensamentos de personagens do texto (narrador = observador).
  • 9. Narração Narração objetiva X Narração subjetiva  Objetiva - apenas informa os fatos, sem se deixar envolver emocionalmente com o que está noticiado. É de cunho impessoal e direto.  Subjetiva - leva-se em conta as emoções, os sentimentos envolvidos na história. São ressaltados os efeitos psicológicos que os acontecimentos desencadeiam nos personagens.  Observação - o fato de um narrador de 1ª pessoa envolver-se emocionalmente com mais facilidade na história.
  • 10. Narração Em termos didáticos, podemos organizar a estrutura da narrativa da seguinte forma:  APRESENTAÇÃO: parte do texto em que são apresentados alguns personagens e expostas algumas circunstâncias da história, como o momento e o lugar em que a ação se desenvolverá;  COMPLICAÇÃO: parte do texto em que se inicia propriamente a ação: acontece alguma coisa que modifica o estado inicial (quebra do equilíbrio inicial);  CLÍMAX: ponto em que a narrativa atinge seu momento crítico, tornando inevitável o desfecho;  DESFECHO: solução do conflito produzido pelas ações dos personagens. Restabelece-se o equilíbrio, podendo haver espaço para uma avaliação de tudo que foi narrado.
  • 11. Narração  Elementos da narrativa:  Fato - o que se vai narrar (O quê?)  Tempo - quando o fato ocorreu (Quando?)  Lugar - onde o fato se deu (Onde?)  Personagens - quem participou ou observou o ocorrido (Com quem?)  Causa - motivo que determinou a ocorrência (Por quê?)  Modo - como se deu o fato (Como?)  Consequências (Geralmente provoca determinado desfecho)
  • 12. Narração  A modalidade narrativa de texto pode constituir-se de diferentes maneiras: piada, peça teatral, crônica, novela, conto, fábula etc.  Na empresa, essa modalidade pode ser encontrada em cartas, relatórios, memoriais, atas, entre outros documentos.  Uma narrativa pode trazer falas de personagens entremeadas aos acontecimentos, faz-se uso dos chamados discursos: direto, indireto ou indireto livre.
  • 13. Narração  No discurso direto, o narrador transcreve as palavras da própria personagem. Para tanto, recomenda-se o uso de algumas notações gráficas que marquem tais falas: travessão, dois pontos, aspas.  O discurso indireto apresenta as palavras das personagens através do narrador que reproduz uma síntese do que ouviu, podendo suprimir ou modificar o que achar necessário. A estruturação desse discurso não carece de marcações gráficas especiais, uma vez que sempre é o narrador que detém a palavra. Esse tipo de discurso é o encontrado em atas
  • 14. Dissertação:  Como fazer nossas dissertações?  Como expor com clareza nosso ponto de vista?  Como argumentar coerentemente e validamente?  Como organizar a estrutura lógica de nosso texto, com introdução, desenvolvimento e conclusão?
  • 15. Dissertação: Vamos supor que o tema proposta seja Nenhum homem é uma ilha.  Primeiro, precisamos entender o tema. Ilha, naturalmente, está em sentido figurado, significando solidão, isolamento.  1. Transforme o tema em uma pergunta: Nenhum homem é uma ilha?  2. Procure responder essa pergunta, de um modo simples e claro, concordando ou discordando. essa resposta é o seu ponto de vista.  3. Pergunte a você mesmo, o porquê de sua resposta, uma causa, um motivo, uma razão para justificar sua posição: aí estará o seu argumento principal.  4. Agora, procure descobrir outros motivos que ajudem a defender o seu ponto de vista, a fundamentar sua posição. Estes serão argumentos auxiliares.
  • 16. Dissertação:  5. Em seguida, procure algum fato que sirva de exemplo para reforçar a sua posição..  6. A partir desses elementos, procure juntá-los num texto, que é o rascunho de sua redação. Por enquanto, você pode agrupá-los na sequência que foi sugerida:
  • 17. Dissertação:  Passo a passo  1) interrogar o tema;  2) responder, com a opinião  3) apresentar argumento básico  4) apresentar argumentos auxiliares  5) apresentar fato-exemplo  6) concluir
  • 18. Dissertação: Como ficaria o esquema  1º parágrafo: a tese  2º parágrafo: argumento 1  3º parágrafo: argumento 2  4º parágrafo: fato-exemplo  5º parágrafo: conclusão
  • 19. Dissertação: Introdução:  É o ponto de partida do texto.  deve apresentar de maneira clara o assunto a ser tratado e também delimitar as questões referentes a esse assunto que serão abordadas.  encaminha o leitor, colocando-lhe a orientação adotada para o desenvolvimento do texto.  Atua como uma espécie de “roteiro”.  Ao confeccionar a introdução do seu texto, você pode utilizar recursos que despertem o interesse do leitor: formular uma tese, que deverá ser discutida e provada no texto; lançar uma afirmação surpreendente, que o corpo do texto tratará de justificar ou refutar; propor uma pergunta, cuja resposta deverá ser dada no desenvolvimento e explicitada na conclusão.
  • 20. Dissertação: Desenvolvimento:  É a parte do texto em que idéias, conceitos, informações, argumentos de que você dispõe serão desenvolvidos, de forma organizada e criteriosa.  O desenvolvimento deve nascer da introdução: nesta, apontam-se as questões relativas ao assunto que será abordado; naquele, essas questões devem ser desenroladas, avaliadas – sempre por partes, de forma gradual e progressiva.  A introdução já anuncia o desenvolvimento, que retoma, ampliando e desdobrando, o que já foi colocado de forma sucinta.  O conteúdo do desenvolvimento pode ser organizado de diferentes maneiras, de acordo com as propostas do texto e as informações disponíveis (...).
  • 21. Dissertação:  Conclusão: É a parte final do texto, um resumo forte e sucinto de tudo aquilo que já foi dito.  Além desse resumo, que retoma e condensa o conteúdo anterior do texto, a conclusão deve expor claramente uma avaliação final do assunto discutido.  Nessa parte, também se podem fazer propostas de ação (que não devem adquirir ares de profecia).
  • 22. Dissertação: O Parágrafo  O parágrafo pode ser estruturado de diversas maneiras, dependentes de variáveis quanto ao assunto, composição, propósito, autor e até mesmo do leitor a que se destina.  O parágrafo é identificado no texto pelo seu início afastado da margem do papel, o que facilita, tanto ao escritor como ao leitor, percebê-lo de forma isolada para que se capte as idéias principais do texto  Tal como a sua estrutura, a extensão de um parágrafo também é diversificada.
  • 23. Dissertação:  Tópico Frasal  Constituído habitualmente por um ou dois períodos curtos iniciais, o tópico frasal, que é a introdução da unidade de composição, nos fornece o tema a ser desenvolvido.  tópico frasal pode não ser inicial, mas sem dúvida, este é o tipo mais usado por consagrados escritores e recomendado para os principiantes.
  • 24. Dissertação: Desenvolvendo o parágrafo Desenvolver o parágrafo é expor, de forma pormenorizada, sua idéia principal. Tal desenvolvimento pode se dar por diversas maneiras.  1 -Enumerando ou descrevendo detalhes Desta forma o autor enumera e detalha a idéia apresentada; é muito usada e, preferencialmente nos parágrafos iniciados pelo tópico frasal.
  • 25. Dissertação: 2 - Confrontando, fazendo analogia ou comparando  No confronto, o autor utiliza o artifício de contrapor idéias, seres, coisas, fatos ou fenômenos. Tal confronto tanto pode ser de contrastes como de semelhanças.  Analogia e comparação, são também espécies de confronto: a primeira trata de semelhança primária sugerindo uma afinidade completa entre os dados; a segunda mostra semelhanças reais e visíveis, valendo-se para isto do uso de conectivos de comparação
  • 26. Dissertação:  3 - Definindo, dividindo e citando exemplos  Ao definir, o autor, de forma clara e concisa, conceitua o objeto, ser, fato ou fenômeno apresentado, esta, pode envolver ou não a divisão e citação de exemplos, estas por sua vez, podem acompanhar uma definição ou serem usadas isoladamente desta e uma da outra.  Quando divide, o autor explora as idéias em cadeia, ou seja, após apresentar a temática no tópico frasal, divide-a e explana-a em períodos seguintes, sempre de forma a manter a cadeia de desenvolvimento.  Ao exemplificar, o autor tanto pode estar esclarecendo o assunto proposto quanto comprovando-o.
  • 27. Dissertação: 3 - Definindo, dividindo e citando exemplos  Ao definir, o autor, de forma clara e concisa, conceitua o objeto, ser, fato ou fenômeno apresentado, esta, pode envolver ou não a divisão e citação de exemplos, estas por sua vez, podem acompanhar uma definição ou serem usadas isoladamente desta e uma da outra.  Quando divide, o autor explora as idéias em cadeia, ou seja, após apresentar a temática no tópico frasal, divide-a e explana-a em períodos seguintes, sempre de forma a manter a cadeia de desenvolvimento.  Ao exemplificar, o autor tanto pode estar esclarecendo o assunto proposto quanto comprovando-o.
  • 28. Dissertação: 4 - Mostrando causa, motivo ou razão, consequência ou efeito  Desenvolve-se assim o parágrafo, esclarecendo a causa, motivo ou razão, bem como a consequência ou efeito do acontecimento ou fato apresentado como idéia principal.  Quando se trata de fenômenos físicos, empregamos os termos causa e efeito; se humanos usamos os termos motivo, razão e consequência.
  • 29. Dissertação:  Qualidades do parágrafo e da frase em geral  correção - o respeito às normas e princípios do idioma;  clareza - a expressão clara e objetiva da idéia;  concisão - a apresentação da idéia usando o menor número possível de palavras;  coesão - expor de forma ordenada as idéias, uma de cada vez;  coerência - a ligação perfeitamente inteligível das partes de um texto com o seu todo;  ênfase - realçar através de mecanismos próprios a idéia apresentada, e finalmente,  argumentação - a exposição dos fundamentos da idéia, de forma a torná-la suscetível de aceitação.