Concordância verbal

2.035 visualizações

Publicada em

Material de suporte para aulas no IFSP.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.035
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
268
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Concordância verbal

  1. 1. Concordância verbalIFSP 2013
  2. 2. Recomendações A regra geral da concordância verbal nalíngua portuguesa é que o verbo ajuste-se aosujeito em pessoa e número. Entretanto, há uma série de casos em que aaplicação dessa regra geral é dificultadapela posição dos termos sintáticos na frase.Há, também algumas exceções à regra, queocorrem em casos específicos e limitados. Porisso, convém observar as recomendaçõesque seguem.
  3. 3. Sujeito simples Adiante, veremos os casos deconcordância verbal relacionados aosujeito simples, isto é, ao sujeito que possuiapenas um núcleo. Exemplo: Pedro arremessou a pedra. (sujeitosimples; núcleo: Pedro) Pedro e João arremessaram pedras.(sujeito composto; núcleos: Pedro e João)
  4. 4. Nomes que só se usam noplural Quando o sujeito da frase é um nome que sóse usa no plural, como nomes de localidade,é importante verificar a presença do artigo. Se não há artigo, o verbo fica no singular,porque se trata de um plural aparente. Se há artigo, o verbo vai para o número emque está o artigo. Assim: Minas Gerais produz muito leite. / As MinasGerais produzem muito leite. Férias faz bem. / As férias fazem bem.
  5. 5. O sujeito da oração é opronome relativo que, ouquem Quando o sujeito da oração é o pronomerelativo que, o verbo concorda com oantecedente do pronome relativo, ou seja,com a palavra a que o pronome relativo serefere. Exemplos: Fui eu que falei. / Foste tu que falaste. / Foi omenino que falou. / Fomos nós que falamos. Eu conheço o homem de barbas brancas ecabelo liso que vendeu o apartamento.
  6. 6.  No caso de esse antecedente ser a expressão umdos (ou uma das), o verbo pode ir para o singularou o plural. O primeiro caso destaca o sujeito dogrupo, enquanto o segundo destaca seupertencimento a esse grupo. Exemplos: A baronesa era uma das pessoas que maisdesconfiavam de nós. Foi um dos poucos de seu tempo quereconheceu a originalidade e importância daliteratura brasileira.
  7. 7.  Quando o sujeito da oração é opronome relativo quem, o verbogeralmente vai para o singular. Exemplos: Sou eu quem o diz. Não foi ele quem fez isso.
  8. 8. Orações que usam verbos como dar,bater e soar indicando horas, semindicação de quem realiza a ação Quando há indicação de horas sem queapareça quem realiza a ação de dar,bater ou soar, o sujeito passa a ser onúmero de horas indicado, com o qual overbo deverá concordar. Exemplo: Deu uma hora no relógio da torre. /Deram duas horas no relógio da torre.
  9. 9. Orações que empregamverbos com índice deindeterminação do sujeito Quando o verbo vier acompanhado doíndice de indeterminação do sujeito -se,ficará obrigatoriamente no singular. Exemplos: Precisa-se de digitadores. / Acredita-se emseres extraterrestre. / Trabalha-se em lugarespoluídos. / Vive-se bem aqui. E como saber se o -se está sendo usandocomo índice de indeterminação do sujeito? Basta observar se está ligado a um verbotransitivo indireto.
  10. 10.  E o que é um verbo transitivo indireto? É um verbo que exige uma preposição parase associar a seu objeto. Exemplo: Eu preciso de dinheiro. (Para associar-se adinheiro, o verbo precisar exige a preposiçãode. Portanto, é verbo transitivo indireto) Eu quero dinheiro. (Para associar-se adinheiro, o verbo querer não exigepreposição. Portanto, é verbo transitivodireto)
  11. 11. Orações que empregamverbos com partículaapassivadora Nas orações em que aparecem verbos com partículaapassivadora, o sujeito da frase aparece geralmenteposposto (colocado depois do verbo). É preciso estaratento a isso para aplicar a concordância conforme aregra geral. Exemplos: Vende-se uma casa de veraneio. (O sujeito da frase é umacasa de veraneio.) Vendem-se casas de veraneio. (O sujeito da frase é casasde veraneio.) Em caso de dificuldade para identificar se a partícula –sefunciona como apassivadora, observar: a) se o verbo étransitivo direto; b) se é possível passar a oração para avoz passiva sem prejuízo de sentido (ex.: casas de veraneiosão vendidas).
  12. 12. Orações que empregam osverbos haver e fazer comoimpessoais O verbo haver (no sentido de existir, ou indicandotempo transcorrido) e o verbo fazer (indicandotempo transcorrido) são impessoais, isto é, nãopossuem sujeito. Devem, portanto, ficar naterceira pessoa do singular. Exemplos: Havia vários desejos em seu coração. / Fazia dezanos que ele não vinha a São Paulo. / Deve havervários desejos em seu coração. / Vai fazer dezanos que ele não vem a São Paulo. Os dois últimos exemplos citados mostram que,quando um verbo auxiliar se junta a um verboimpessoal, ele também fica no singular.
  13. 13. Orações que envolvempredicativos do sujeito No caso de orações construídas com sujeito epredicativo do sujeito (do tipo A é B), a concordâncianão se faz obrigatoriamente com o sujeito. Ela pode serrealizada com o predicativo nos seguintes casos: a) quando o sujeito for pronome interrogativo, comoquem ou que; b) quando o verbo de ligação indicar tempo, data oudistância; c) quando o predicativo for constituído de pronomepessoal ou nome de pessoa; d) quando o sujeito for pronome demonstrativo isto, isso,aquilo, o, ou pronome indefinido tudo; e) quando forem utilizadas expressões como é muito, épouco ou é suficiente.
  14. 14.  Quem são as três testemunhas? (caso a) São doze horas. (caso b) Os funcionários mais aplicados somos nós. (casoc) As minhas maiores aflições era Juliana. (caso c) Isso são ossos duros de roer. (caso d) Eram tudo falcatruas de profissionalincompetente. (caso d) Cem metros é muito. (caso e) Doze reais é pouco. (caso e)
  15. 15. Sujeito coletivo e expressõespartitivas Se o sujeito for um coletivo, o verbopermanece sempre no singular. Exemplos: O povo queria eleições diretas. O exército se mobilizou. Se o sujeito for um coletivo do singularseguido de um complemento no plural, overbo pode ir para o singular ou para oplural. A série de notas fiscais está rasurada. Um grupo de notas fiscais estão rasuradas.
  16. 16.  Quando se trata de expressão partitiva(parte de, uma porção de, o grosso de, oresto de, metade de), o verbo pode irpara o singular ou o plural. Exemplos: Estão surgindo uma porção de razõescontra mim. A maioria das pessoas não entende oque você diz.
  17. 17. Oração tem sujeito formado porexpressão que denota quantidadeaproximada Quando o sujeito, indicador de quantidadeaproximada, é formado de um número pluralprecedido das expressões cerca de, mais de,menos de e similares, o verbo vainormalmente para o plural. Exemplos: Cerca de vinte eram os companheiros declasse. Menos de duzentas pessoas estavam nocomício.
  18. 18. O sujeito da oração é aexpressão “mais de um” ou“mais de dois” Quando o sujeito da oração é formado pelasexpressões mais de um ou mais de dois, o verboconcorda em número com o numeral dessasexpressões. Exemplo: Mais de um aluno faltou. / Mais de dois alunosfaltaram. Em dois casos, isso não acontece. Quando as expressões vierem repetidas, formandosujeito composto, como em: Mais de um aluno emais de um professor fizeram greve. Quando o verbo indicar reciprocidade, como em:Mais de um atleta cumprimentaram-se.
  19. 19. Oração tem como sujeito pronomeinterrogativo ou indefinido plural,seguido de de nós, de vós, dentre nósou dentre vós Quando o sujeito da oração é formado por expressão desse tipo,e o pronome interrogativo ou indefinido está no singular, o verbopermanece no singular, concordando com o pronome em pessoae número. Exemplo: Qual de nós vai ser a Rainha? Nenhum de nós chegará aos cem anos. Quando o sujeito da oração é formado por expressão desse tipo eo pronome interrogativo ou indefinido está no plural, o verbo podeficar na terceira pessoa do plural ou concordar em pessoa com opronome. Exemplos: Quais de vós virão conosco? Quais de vós vireis conosco? Quantos de nós chegarão aos cem anos? Quantos de nós chegaremos aos cem anos?
  20. 20. Sujeito composto O sujeito é composto quando possui maisde um núcleo. Exemplo: Luís, Maria e José foram à feira. (núcleos: Luís, Maria e José)
  21. 21.  Quando o sujeito é composto, o verbo deveir para o plural. Entretanto, quando o sujeito composto vemdepois do verbo, a concordância poderá serfeita com o núcleo mais próximo. A issodenomina-se concordância atrativa. Exemplos: O mapa e o dicionário chegaram. (correto) *O mapa e o dicionário chegou. (incorreto) Chegaram o mapa e o dicionário. (correto) Chegou o mapa e o dicionário (correto).
  22. 22.  Apenas em três casos o sujeito compostoanteposto ao verbo admite concordância nosingular: a) quando é composto de dois núcleossinônimos ou quase sinônimos; b) quando écomposto de núcleos que são dispostos emgradação; c) quando é composto por núcleosque são verbos no infinitivo. Exemplos: O rancor e o ódio deixou-o transtornado. (caso a) Uma indignação, uma raiva profunda, um ódiosem reservas apossou-se dele. (caso b) Trabalhar e estudar fazia dele um homem feliz.(caso c)
  23. 23. Sujeito composto resumidopor pronome indefinido Quando o sujeito composto vier resumido porpalavras como tudo, nada, ninguém etc., aconcordância do verbo deverá ser feitaobrigatoriamente com a palavra resumida. Exemplos: Alunos, mestre, diretores, ninguém falou. A casa, os móveis, a roupa, tudo estava forado lugar. Alunos, mestres, funcionários, todos foram aocasamento.
  24. 24. Sujeito composto formado depessoas diferentes Quando o sujeito composto é formado por pessoasdiferentes, a concordância segue a seguinte regra:a) se a primeira pessoa está presente, o verbo vaipara a primeira pessoa do plural; b) se a primeirapessoa não está presente, o verbo pode ir para asegunda ou terceira pessoa. (Para o PortuguêsBrasileiro, é mais recomendável uso da terceirapessoa) Exemplos: Eu, tu e ele resolvemos o exercício. (caso a) O professor, tu e eu saímos apressados. (caso a) Tu e teu professor chegastes cedo. (caso b) Tu e teu professor chegaram cedo. (caso b)
  25. 25. Sujeito com núcleos ligadospela conjunção ou, ou nem Quando os núcleos do sujeito aparecem ligados pelaconjunção ou, ou nem, há duas possibilidades: a) caso aideia envolvida seja a de exclusão, o verbo irá para osingular; b) caso a ideia envolvida não seja a de exclusão,o verbo irá para o plural. Exemplos: Roma ou Viena será a sede das próximas Olimpíadas.(uma alternativa exclui a outra) Nem João nem Raul será nomeado presidente. (umaalternativa exclui a outra) Roma ou Viena são excelentes locais para as próximasOlimpíadas. (uma alternativa não exclui a outra) Nem ar nem água corrente possuem suspiro igual. (umaalternativa não exclui a outra)
  26. 26. Referências CUNHA, C. Gramática da Língua Portuguesa.6ª edição. Rio de Janeiro: FENAME, 1980. MEDEIROS, J. B. Português Instrumental: paracursos de contabilidade, economia eadministração. 5ª edição. São Paulo: Atlas,2005. NICOLA, J. TERRA, E. Português de olho nomundo do trabalho: volume único. São Paulo:Scipione, 2004.

×