SlideShare uma empresa Scribd logo
Jung descreveu um "complexo" como um nó" no
inconsciente. Pode ser imaginado como um nó de
sentimentos e crenças inconscientes, detectáveis
indiretamente, através de um comportamentos intrigante ou
difícil de expressar.
UM COMPLEXO é um padrão central de emoções, memórias, percepções e
desejos no inconsciente pessoal organizado em torno de um tema comum,
como poder ou status.
Sendo características comuns do cenário psíquico, de acordo com JUNG,
frequentemente tornam-se relevantes na psicoterapia, com objetivo de
examinar e auxiliar as pessoas na busca do seu PROCESSO DE INVIDUAÇÃO
Sem resolução, os complexos
continuam a exercer influência
inconsciente e desadaptativa em
nossos pensamentos, sentimentos
e comportamento , nos impedindo
de alcançar a integração
psicológica.
JUNG chamou de “COMPLEXOS”,
termo por ele introduzido na
Psicologia para definir a reunião de
CONTEUDOS que se aglomeram no
INCONSCIENTE PESSOAL, atraindo
para si uma grande quantidade de
ideias de alto teor afetivo e dotados de
energia psíquica acumulada.
Por isso, supomos que quando somos
tomados por uma emoção
descontrolada, é sinal de que algum
complexo foi ativado.
O perigo diria Jung, não é possuirmos
COMPLEXOS, mas sermos por eles
possuídos.
E isso só acontece porque enquanto o
complexo estiver
inconsciente, nos for estranho,
estaremos sob seu domínio,
vulneráveis às reações mais
irracionais e estranhas a nossa
consciência.
Como se fôssemos
tomados por outra
personalidade que nos
revela parte de nós
mesmos que, sempre
mantivemos escondida –
nossa SOMBRA.
II
SELF
EU
DIVINO
A Psique está estruturada em três elementos: consciente, inconsciente pessoal e
inconsciente coletivo.
– Sistema do aparelho psíquico que mantém contato com o mundo interior
(processos psíquicos, internos) e exterior (meio ambiente e social) do sujeito. ... –
O consciente tem como centro organizador o Eu.
INCONSCIENTE COLETIVO
ARQUÉTIPOS
INCONSCIENTE PESSOAL
COMPLEXOS
EGO
O que são os Complexos concebidos por Jung?
O autor suíço quis designar com o termo
complexo afetivo um grupamento de
representações mentais mantidas juntas
por emoção.
Os complexos se organizam a partir de
experiências emocionais significativas do indivíduo.
Nesse ponto de vista, o próprio ego, para Jung
o centro da consciência, seria um complexo,
o complexo egóico.
Outros complexos na personalidade podem
agir sobre o ego, interferindo no funcionamento adequado da
consciência, perturbando a adaptação criativa do sujeito.
Um complexo de poder, caracterizado por ideias obsessivas de
domínio e uma postura onipotente, pode dominar de tal forma o
complexo egóico que o indivíduo se sente identificado com esses
conteúdos de poder originados de raízes inconscientes não
imediatamente definidas.
O fortalecimento do ego no processo
terapêutico ajuda o indivíduo a alcançar o seu ponto
de equilíbrio emocional, atingindo assim um nível de
consciência mais elevado, o que torna possível uma
boa administração dos complexos, afinal todos nós
o temos, ou como nos diz Jung, somos tomados por
eles, e ninguém está livre disso.
Ex. de complexo seria o seguinte:
- se alguém tivesse uma perna amputada
quando criança, isso influenciaria
profundamente a vida de uma pessoa, mesmo
que ela superasse a deficiência física.
Uma pessoa pode ter muitos pensamentos,
emoções, memórias, sentimentos de
inferioridade, triunfos, amargura e
determinações centradas nesse aspecto de
sua vida.
Se esses pensamentos fossem perturbadores
e difundidos, Jung poderia dizer que ele ou ela
tinha um complexo sobre a perna.
A realidade dos complexos é amplamente
aceita na área da psicologia profunda, um
ramo da psicologia que afirma que a grande
maioria da personalidade é determinada e
influenciada por processos inconscientes.
ORIGEM DOS COMPLEXOS:
A causa mais frequente são os
conflitos, mas choques e
traumas emocionais também
são suficientes.
O bem estar ou mal estar da
vida de cada pessoa depende
dos complexos, que tem maior
ou menor autonomia,
dependendo da conexão maior
ou menor com a totalidade da
organização psíquica.
Apesar do mal estar que eles
podem causar, a psicologia
junguiana não os consideram
como elementos patológicos,
mas como sinal de conteúdos
conflitivos não assimilados.
OS COMPLEXOS podem ainda
significar uma nova possibilidade de
atuação, podem funcionar como um
estímulo para que o individuo se
esforce mais para sua própria
realização.
A patologia só ocorre quando os
complexos exigem uma quantidade
muito grande de energia psíquica
para si.
Para que um complexo seja
assimilado é necessário que a
pessoa compreenda os conflitos em
termos intelectuais, mas que
também exteriorize os afetos
envolvidos, através de descargas
emocionais que eram realizadas
pelos antigos através de danças e
cantos repetidos.
Jung complementa:  COMPLEXOS são
agrupamentos de conteúdos psíquicos
carregados de EMOÇÕES.
Quanto maior a emoção e o campo de
associação, mais forte será um COMPLEXO.
Os complexos estão no INCONSCIENTE
PESSOAL porque ele registra as nossas
experiências desta vida – invadindo a nossa
consciência.
Exemplo: aquela pessoa CALMA, que numa
outra situação explode, sendo violenta,
podemos imaginar ser um obsessor mas, na
realidade é um COMPLEXO onde esta sendo
afetada – numa situação cômoda, mais fácil
colocar a culpa no obsessor.
Quem em algum momento da vida, não ouviu
um “xingamento ou uma crítica contumaz da
pessoa dizendo: “ você é um complexado ou,
tem complexo de inferioridade, superioridade,
etc. Todos somos complexados em algum
nível.
JOANA DE ANGELIS, amplia esta questão
chamando a nossa atenção sobre a questão
moral que também é responsável por alimentar
nossos complexos.
No caso da pessoa aparentemente “calma” que se
torna agressiva ou violenta, o complexo vai invadir a
consciência gerando em nós um comportamento
perturbador porque o ESPIRITO é comprometido, dai
seguindo que todas experiências vividas em outras
encarnações estarão guardadas no nosso
inconsciente coletivo .
E como no inconsciente coletivo temos os
arquétipos, dependendo das nossas experiências
nesta vida, esse conteúdo retornará para o
inconsciente pessoal , onde o complexo ira se
manifestando.
Em todo processo, podemos perceber que o Espirito
Encarnado é sempre o comprometido, por isso a
importância do AUTOCONHECIMENTO, da auto
percepção ser de fundamental importância para
nosso processo evolutivo – não da para crescer sem
fazer a nossa parte.
VIDEO
O COMPLEXO DE INFERIORIDADE ( Ao encontro de si mesmo).
Algumas pessoas sentem-se tomadas pela sensação
de DESVALOR e BAIXA AUTOESTIMA, considerando
que nada que façam dará certo, pois não se
consideram merecedoras ou competentes.
Muitas vezes, estes complexos são construídos no
ambiente familiar, pela critica sistemática e
desvalorização durante o processo de aprendizagem
(régua).
O EGO fragiliza-se, e a pessoa passa a se sentir
incapaz de maiores enfrentamentos, pois
constantemente é CONSTELADO o complexo de
inferioridade.
Por outro lado, alguns acreditam-se superiores aos
outros e cobram atenção especial, as vezes, até
mesmo impondo seus caprichos, sem se darem conta
de que estão a mercê do complexo de superioridade,
que torna distorcida a forma de ver a vida e de se
relacionar com os outros.
O complexo de superioridade é igualmente feito de
aprendizagem, neste caso destituída de limites,
cercada de mimos e vontade excessivas, a prejudicar
a estruturação da personalidade de forma saudável.
Pois é em família que vem à tona os complexos de inferioridade que estão
impregnados no espírito. São os membros familiares que servem de instrumento
para que ressurja do arquivo milenar toda a carga de conflitos internos.
Através de apelidos, perseguições, aversões, os familiares descarregam seus
próprios problemas e conflitos em algum membro mais frágil.
O complexo de inferioridade se manifesta a partir daí, surgindo como ideias que
foram recalcadas no inconsciente deste membro familiar ainda na infância. Essas
ideias recalcadas encontram sintonia no arquivo milenar do espírito imortal com
as ideias nascidas de experiências de outras reencarnações.
Talvez a principal manifestação da baixa autoestima seja a pena de si
mesmo – este sentimento é um convite para sua deliberação.
É sempre bom lembrar que você é capaz de tomar decisões por si
mesmo ; pois você é único e é quem melhor sabe sobre você mesmo.
Não se preocupe tanto em agradar aos outros, SEJA QUEM VOCE É DE
VERDADE!
Sempre é possível mudar o estilo de vida, sempre é possível mudar as
próprias crenças, sempre é possível acreditar mais em si Mesmo!
COMPLEXO DE INFERIORIDADE – VISÃO ESPÍRITA
O Espiritismo nos explica que o complexo pode ter se iniciado na atual
reencarnação, mas também podem ter origem nas existências anteriores.
(E.S.E. cap. V).
Na atual vêm de um deficiente desenvolvimento psicológico, frequentemente
causado por traumas infantis, agressões sofridas e também uma educação
repressora, onde os pais não incentivam nem apoiam seus filhos e ainda
menosprezam ou desvalorizam tudo que eles fazem, a criança então passa a
ter medo de se manifestar por receio das represálias e de perder o amor dos
pais, esse medo irá persistir até a adolescência.
Já quando sua origem está nas vidas passadas, há maior gravidade.
A Doutrina Espírita nos ensina que vivemos muitas existências e que as
experiências difíceis e traumatizantes das vidas anteriores não superadas,
podem levar o jovem a desenvolver o complexo na vida atual.
Joana de Angelis explica no livro “Adolescência e Vida”, psicografado por
Divaldo Pereira Franco que no período da adolescência o Espírito começa a
retomar sua verdadeira personalidade e suas tendências boas e más começam
a manifestar-se, ou seja, é nesse momento que os conflitos começam a
acontecer.
COMPLEXO DE INFERIORIDADE – Claudio Sinoti
Seguramente, as experiências de outras vidas, somam-se as atuais,
interferindo na carga emocional dos complexos. E quanto maior for a reação
emocional perante os desafios naturais da vida, maior será a força dos
complexos.
Assim ocorre com as questões parentais, sexuais, de poder e de inúmeros
complexos que habitam o mundo psíquico, e que se tornam conflitivos ao
trazer a tona situações mal resolvidas.
Quando optamos por ignorar a existência dos complexos, “esses conflitos que
permaneciam adormecidos assumem o comando da personalidade, produzindo
dificuldade no paciente para conseguir um edificante relacionamento entre o
“eixo ego-self” , observa Joana de Angelis.
E trazemos conosco toda a nossa bagagem milenar. Tudo o que vivemos, em
todas nossas reencarnações e nos intervalos entre as mesmas; tudo está
gravado dentro de nós.
E não há como deletar nada do nosso arquivo pessoal.
Acontece que nosso CÉREBRO FÍSICO SÓ REGISTRA OS FATOS DE NOSSA
EXISTENCIA ATUAL, portanto, não há como saber a causa de todas nossas
frustrações e inadequações.
E COMO SUPERAR OS COMPLEXOS?
A melhor forma de SUPERÁ-LOS é conhece-los, como passo inicial para
transformá-los, caso os efeitos dos complexos sejam negativos. Por
isso é importante, estar atento aos nossos ESTADOS EMOCIONAIS que
nos perturbam, tentando IDENTIFICAR os GATILHOS que nos
direcionam a eles.
Ao conseguirmos tomar consciência dos GATILHOS que nos causaram
certa perturbação, chegaremos a raiz do complexo.
O constante exercício da AUTO-OBSERVAÇÃO, de atenção ao nosso
comportamento e aos excessos praticados também são bons aliados
para identificação dos complexos.
A partir disso, temos pela frente o trabalho de DILUIR a
intensidade emocional que nos aflige.
Uma da formas é REVER a nossa historia, identificando e expressando
emoções que ficaram contidas, muitas vezes, transformadas em
ressentimentos.
E COMO SUPERAR OS COMPLEXOS?
Nos ensina JOANA DE ANGELIS : “ ... O grande desafio da existência
humana, esta na capacidade de explorar esse mundo desconhecido, dele
retirando todos os potenciais que possam produzir felicidade e
autorrealização.”
E quando as vivencias forem muito dolorosas e de difícil aceitação, o olhar
espiritual da vida nos permitira ampliar as lentes normalmente limitadas do EGO.
Não negamos que certas vivencias são intensas, porem jamais devemos
nos considerar vitimas da vida, uma vez que ela nos traz de retorno o
resultado de nossas próprias ações.
Devemos constantemente reelaborar e RESSIGNIFICAR nossas
experiências traumáticas, pois é assim que elas perdem sua
intensidade negativa.
É certo que não podemos modificar o passado, na forma objetiva dos
fatos, mas nosso olhar sobre ele pode ser transformado, conferindo novo
colorido, nova tonalidade emocional, que possibilite a convivência
saudável com os nossos complexos, de modo que sejamos nós a
administrá-los, não eles a comandar nossa personalidade.
CONCLUINDO:
A cada passagem pela matéria temos nova oportunidade de reajuste, nova chance
de colocar em dia compromissos não atendidos, nova chance de cumprir deveres
pendentes, nova chance de nos livrarmos de comprometimentos doentios. Sabemos
que o lar é o laboratório do espírito imortal.
É junto às pessoas mais próximas de nós que resgatamos débitos
comprometedores. Também sabemos que muitos lares, talvez a maioria,
são ainda muito desajustados, problemáticos, devido ao nosso
incipiente grau evolutivo.
A soma de toda nossa experiência milenar resultou naquilo que SOMOS
HOJE: o resultado de nossa própria construção.
Todas nossas vitórias, conquistas, habilidades, talentos natos estão
alicerçadas dentro de nosso SELF.
Da mesma forma, nossos fracassos, decepções , quedas e derrotas são
coisas que, necessitamos reconhecer, acolher e integrar a nossa
personalidade.
COMPLEXO DE ABANONO – A DOR DA REJEIÇÃO
Nas relações afetivas isto fica ainda mais evidente,
pois como se trata de uma interação de muita
proximidade, há muita vulnerabilidade e a pessoa
pode se sentir insegura, ansiosa e com o medo de
perder de forma exacerbada, causando várias
brigas e discussões por conta deste complexo
ativado negativamente. Isto torna-se um ciclo
vicioso, em que a pessoa sente que não consegue
ter uma vida afetiva, feliz, saudável e significativa.
É possível ter uma vida afetiva mais leve, desde
que a pessoa queira olhar de frente para os seus
processos emocionais internos.
Isto nem sempre é agradável, mas é o caminho
possível e seguro para a auto cura verdadeira.
Diante de nossos processos internos relacionados a
vida emocional, é preciso ter paciência consigo na
jornada do autoconhecimento , para ter mais
segurança e estabilidade no processo, evitando-se
as situações repetitivas..
COMPLEXO DE ABANONO – A DOR DA REJEIÇÃO
Segundo JUNG: O complexo do abandono e da REJEIÇÃO, podem levar a pessoa
a desistir de ter uma relação afetiva, tamanha dor e desconforto emocional que
sente , como se fosse uma ferida aberta que demora a cicatrizar.
O complexo é necessário para a formação e manutenção da psique humana, o
problema acontece quando ele está negativado, ou seja, está ativado de forma
negativa e consequentemente, por falta de saber como lidar com isto, a pessoa
sofre muito. A principal área atingida é a afetiva, mas isto não quer dizer que as
outras áreas da vida da pessoa não são impactadas.
O fato é que a pessoa pode sentir esta dor com relação aos amigos, trabalho e até
mesmo na própria família. Em outras palavras se sente sozinha e rejeitada, a maior
parte do tempo.
As feridas, bem como as várias reações inconscientes adotadas pela criança
que possa ter sofrido abandono afetivo, tornam-se fortes determinantes da
personalidade adulta.
Logo, vivemos inconscientemente reflexos agregados do passado.
É possível que esse adulto prefira a solidão, pois, se receber muita atenção, corre
o risco de ser desprezado e, se tiver que compartilhar experiências com mais
pessoas, tentará passar desapercebido, sob a PERSONA que constrói para si
mesmo.
Além de vivenciar uma constante
ambivalência, quando acredita e pode
chegar até mesmo a sabotar a situação; por
outro lado, quando não escolhido, sente raiva,
por ser rejeitado pelos demais, chegando às
vezes a elaborar uma fuga frente às relações,
para se proteger do sofrimento gerado pela
ferida.
Quanto maior a ferida, maior será a
rejeição de si mesmo e dos demais a sua
volta, o que pode vir mascarado pela
vergonha.
Podemos tentar curar a rejeição,
buscando valorizar e reconhecer a si
mesmo, sem muita aprovação dos outros,
procurando inicialmente aceitar a própria
ferida como parte integrante de si
mesmo; se negarmos, não podemos
curá-la!
Perdoar para se
libertar do
passado,
primeiramente, a
si, pela forma
como se tratou e
seguidamente de
como foi tratado,
procurando
acolher-se e
dando-se
principalmente,
amor a si próprio.
Contudo, a vida
só é trágica à
medida que
permanecemos
inconscientes,
tanto do papel
dos complexos
autônomos
quanto da
crescente
divergência entre
a nossa natureza
e as nossas
escolhas. Cabe a
nós escolhermos
qual o caminho a
seguir…
COMPLEXO DE ABANONO – A DOR DA REJEIÇÃO
Um estudo “ A ausência física e afetiva do pai na percepção dos filhos
adultos” (DAMIANI e COLOSSI), envolveu uma pesquisa qualitativa e
exploratória com quatro adultos, entre 25 a 40 anos, todos em processo
de análise.
O estudo aponta que o impacto do distanciamento da figura paterna, seja
físico e/ou afetivo, reflete-se em sentimentos de autodesvalorização,
abandono, solidão, insegurança, baixa autoestima e dificuldades de
estabelecer relacionamentos, que começam a ser percebidos na infância
e interferem no desenvolvimento do jovem chegando até a idade adulta.
As autoras citam outros vários estudos, e todos afirmam que a ausência
paterna tem potencial para gerar conflitos no desenvolvimento
psicológico e cognitivo da criança e do adolescente, bem como,
influenciar o estabelecimento de transtornos de comportamento e de
identidade.
Uma das observações resultantes do estudo, e que as autoras enfatizam,
é que “a ausência vivenciada na infância e adolescência não se dissipa
na vida adulta” (DAMIANI e COLOSSI).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Lampsi
 
Teoria de Wilhelm Reich
Teoria de Wilhelm ReichTeoria de Wilhelm Reich
Teoria de Wilhelm Reich
Silvia Marina Anaruma
 
Reich
ReichReich
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Fábio Nogueira, PhD
 
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e JungPalestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
tacio111
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantil
Jorge Bombeiro
 
Neuroses
NeurosesNeuroses
Neuroses
UNICEP
 
Dicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocionalDicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocional
Bruno Carrasco
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
Adriane Fernandes
 
Estudo Sobre Reich
Estudo Sobre ReichEstudo Sobre Reich
Estudo Sobre Reich
Amanda Thomé
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Juliermeson Morais
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Daniela Ponciano Oliveira
 
O PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO SEGUNDO JUNG
O PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO SEGUNDO JUNGO PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO SEGUNDO JUNG
O PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO SEGUNDO JUNG
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Mecanismos de defesa do ego c
Mecanismos de defesa do ego   cMecanismos de defesa do ego   c
Mecanismos de defesa do ego c
Lu1zFern4nando
 
Atenção e desempenho
Atenção e desempenhoAtenção e desempenho
Atenção e desempenho
Caio Maximino
 
Doenças psicossomáticas
Doenças psicossomáticasDoenças psicossomáticas
Doenças psicossomáticas
Marcos Paterra
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
Marcela Montalvão Teti
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
norberto faria
 
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalhoAula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 

Mais procurados (20)

Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
 
Teoria de Wilhelm Reich
Teoria de Wilhelm ReichTeoria de Wilhelm Reich
Teoria de Wilhelm Reich
 
Reich
ReichReich
Reich
 
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
 
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e JungPalestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantil
 
Neuroses
NeurosesNeuroses
Neuroses
 
Dicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocionalDicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocional
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
Estudo Sobre Reich
Estudo Sobre ReichEstudo Sobre Reich
Estudo Sobre Reich
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
O PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO SEGUNDO JUNG
O PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO SEGUNDO JUNGO PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO SEGUNDO JUNG
O PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO SEGUNDO JUNG
 
Mecanismos de defesa do ego c
Mecanismos de defesa do ego   cMecanismos de defesa do ego   c
Mecanismos de defesa do ego c
 
Atenção e desempenho
Atenção e desempenhoAtenção e desempenho
Atenção e desempenho
 
Doenças psicossomáticas
Doenças psicossomáticasDoenças psicossomáticas
Doenças psicossomáticas
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalhoAula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
 

Semelhante a COMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANA

( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - complexos
( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - complexos( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - complexos
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - complexos
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICASDOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupoUm pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
PatiSousa1
 
Amor, immbativel amor
Amor, immbativel amorAmor, immbativel amor
Amor, immbativel amor
Prof. Paulo Ratki
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
Ricardo Akerman
 
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Grupo Espírita Cristão
 
O EGO & MECANISMOS DA PROJEÇÃO
O EGO & MECANISMOS DA PROJEÇÃOO EGO & MECANISMOS DA PROJEÇÃO
O EGO & MECANISMOS DA PROJEÇÃO
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITOCARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
silbartilotti
 
Transtorno dissociativo Material de Apoio
Transtorno dissociativo Material de ApoioTranstorno dissociativo Material de Apoio
Transtorno dissociativo Material de Apoio
Espaço da Mente
 
The Presence Process (Michael Brown) Resenha do Livro
The Presence Process (Michael Brown) Resenha do LivroThe Presence Process (Michael Brown) Resenha do Livro
The Presence Process (Michael Brown) Resenha do Livro
DaviKlein2
 
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos x
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos  xDesequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos  x
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos x
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
AMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.ppt
AMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.pptAMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.ppt
AMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.ppt
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Reforma Íntima, Níveis de Consciência e 12 Propostas para o VIR A SER
Reforma Íntima, Níveis de Consciência e 12 Propostas para o VIR A SERReforma Íntima, Níveis de Consciência e 12 Propostas para o VIR A SER
Reforma Íntima, Níveis de Consciência e 12 Propostas para o VIR A SER
Prof. Paulo Ratki
 
Software Junguiano
Software JunguianoSoftware Junguiano
Software Junguiano
Antonio Morais
 
Desenvolvimento da autoconsciência 5
Desenvolvimento da autoconsciência 5Desenvolvimento da autoconsciência 5
Desenvolvimento da autoconsciência 5
Fatoze
 
DEPRESSÃO - A DOENÇA DA ALMA
DEPRESSÃO -  A DOENÇA DA ALMADEPRESSÃO -  A DOENÇA DA ALMA
DEPRESSÃO - A DOENÇA DA ALMA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptxNIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Sintomas comuns da existência de maldição parte vi 14
Sintomas comuns da existência de maldição parte vi 14Sintomas comuns da existência de maldição parte vi 14
Sintomas comuns da existência de maldição parte vi 14
mredil
 
O INCONSCIENTE COLETIVO E PESSOAL SEGUNDO JUNG pptx
O INCONSCIENTE COLETIVO E PESSOAL SEGUNDO JUNG pptxO INCONSCIENTE COLETIVO E PESSOAL SEGUNDO JUNG pptx
O INCONSCIENTE COLETIVO E PESSOAL SEGUNDO JUNG pptx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 

Semelhante a COMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANA (20)

( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - complexos
( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - complexos( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - complexos
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - complexos
 
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICASDOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
 
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupoUm pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
 
Amor, immbativel amor
Amor, immbativel amorAmor, immbativel amor
Amor, immbativel amor
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
 
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
 
O EGO & MECANISMOS DA PROJEÇÃO
O EGO & MECANISMOS DA PROJEÇÃOO EGO & MECANISMOS DA PROJEÇÃO
O EGO & MECANISMOS DA PROJEÇÃO
 
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITOCARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
 
Transtorno dissociativo Material de Apoio
Transtorno dissociativo Material de ApoioTranstorno dissociativo Material de Apoio
Transtorno dissociativo Material de Apoio
 
The Presence Process (Michael Brown) Resenha do Livro
The Presence Process (Michael Brown) Resenha do LivroThe Presence Process (Michael Brown) Resenha do Livro
The Presence Process (Michael Brown) Resenha do Livro
 
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos x
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos  xDesequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos  x
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos x
 
AMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.ppt
AMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.pptAMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.ppt
AMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.ppt
 
Reforma Íntima, Níveis de Consciência e 12 Propostas para o VIR A SER
Reforma Íntima, Níveis de Consciência e 12 Propostas para o VIR A SERReforma Íntima, Níveis de Consciência e 12 Propostas para o VIR A SER
Reforma Íntima, Níveis de Consciência e 12 Propostas para o VIR A SER
 
Software Junguiano
Software JunguianoSoftware Junguiano
Software Junguiano
 
Desenvolvimento da autoconsciência 5
Desenvolvimento da autoconsciência 5Desenvolvimento da autoconsciência 5
Desenvolvimento da autoconsciência 5
 
DEPRESSÃO - A DOENÇA DA ALMA
DEPRESSÃO -  A DOENÇA DA ALMADEPRESSÃO -  A DOENÇA DA ALMA
DEPRESSÃO - A DOENÇA DA ALMA
 
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptxNIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
 
Sintomas comuns da existência de maldição parte vi 14
Sintomas comuns da existência de maldição parte vi 14Sintomas comuns da existência de maldição parte vi 14
Sintomas comuns da existência de maldição parte vi 14
 
O INCONSCIENTE COLETIVO E PESSOAL SEGUNDO JUNG pptx
O INCONSCIENTE COLETIVO E PESSOAL SEGUNDO JUNG pptxO INCONSCIENTE COLETIVO E PESSOAL SEGUNDO JUNG pptx
O INCONSCIENTE COLETIVO E PESSOAL SEGUNDO JUNG pptx
 

Mais de ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ

VICIOS MORAIS E COMPORTAMENTAIS NA VISÃO ESPÍRITA
VICIOS MORAIS E COMPORTAMENTAIS  NA VISÃO ESPÍRITAVICIOS MORAIS E COMPORTAMENTAIS  NA VISÃO ESPÍRITA
VICIOS MORAIS E COMPORTAMENTAIS NA VISÃO ESPÍRITA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
AS DOENÇAS DA ALMA
AS DOENÇAS DA ALMAAS DOENÇAS DA ALMA
AS DOENÇAS DA ALMA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
AUTOCONHECIMENTO - O CORPO FALA.pdf
AUTOCONHECIMENTO  - O CORPO FALA.pdfAUTOCONHECIMENTO  - O CORPO FALA.pdf
AUTOCONHECIMENTO - O CORPO FALA.pdf
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docxA PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITASONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docxIMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
DROGAS VISÃO ESPIRITA
DROGAS VISÃO ESPIRITADROGAS VISÃO ESPIRITA
DROGAS VISÃO ESPIRITA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
BUDA - HERMANN HESSE.pptx
 BUDA  - HERMANN HESSE.pptx BUDA  - HERMANN HESSE.pptx
BUDA - HERMANN HESSE.pptx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃOO FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docxNOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO . PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptxREFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADEAUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Somos como um uma pedra preciosa adormecida.
Somos como um  uma pedra preciosa adormecida. Somos como um  uma pedra preciosa adormecida.
Somos como um uma pedra preciosa adormecida.
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
REFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIORREFORMA INTERIOR
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTADEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA na visão Espiritualistalideshare.pptx
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA  na visão Espiritualistalideshare.pptxCOMO ANDA SUA AUTOESTIMA  na visão Espiritualistalideshare.pptx
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA na visão Espiritualistalideshare.pptx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
UMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTROUMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTRO
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 

Mais de ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ (20)

VICIOS MORAIS E COMPORTAMENTAIS NA VISÃO ESPÍRITA
VICIOS MORAIS E COMPORTAMENTAIS  NA VISÃO ESPÍRITAVICIOS MORAIS E COMPORTAMENTAIS  NA VISÃO ESPÍRITA
VICIOS MORAIS E COMPORTAMENTAIS NA VISÃO ESPÍRITA
 
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
 
AS DOENÇAS DA ALMA
AS DOENÇAS DA ALMAAS DOENÇAS DA ALMA
AS DOENÇAS DA ALMA
 
AUTOCONHECIMENTO - O CORPO FALA.pdf
AUTOCONHECIMENTO  - O CORPO FALA.pdfAUTOCONHECIMENTO  - O CORPO FALA.pdf
AUTOCONHECIMENTO - O CORPO FALA.pdf
 
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docxA PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
 
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITASONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
 
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docxIMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
 
DROGAS VISÃO ESPIRITA
DROGAS VISÃO ESPIRITADROGAS VISÃO ESPIRITA
DROGAS VISÃO ESPIRITA
 
BUDA - HERMANN HESSE.pptx
 BUDA  - HERMANN HESSE.pptx BUDA  - HERMANN HESSE.pptx
BUDA - HERMANN HESSE.pptx
 
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃOO FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
 
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docxNOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
 
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO . PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
 
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
 
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptxREFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
 
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADEAUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
 
Somos como um uma pedra preciosa adormecida.
Somos como um  uma pedra preciosa adormecida. Somos como um  uma pedra preciosa adormecida.
Somos como um uma pedra preciosa adormecida.
 
REFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIORREFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIOR
 
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTADEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
 
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA na visão Espiritualistalideshare.pptx
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA  na visão Espiritualistalideshare.pptxCOMO ANDA SUA AUTOESTIMA  na visão Espiritualistalideshare.pptx
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA na visão Espiritualistalideshare.pptx
 
UMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTROUMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTRO
 

Último

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 

Último (10)

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 

COMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANA

  • 1. Jung descreveu um "complexo" como um nó" no inconsciente. Pode ser imaginado como um nó de sentimentos e crenças inconscientes, detectáveis indiretamente, através de um comportamentos intrigante ou difícil de expressar. UM COMPLEXO é um padrão central de emoções, memórias, percepções e desejos no inconsciente pessoal organizado em torno de um tema comum, como poder ou status. Sendo características comuns do cenário psíquico, de acordo com JUNG, frequentemente tornam-se relevantes na psicoterapia, com objetivo de examinar e auxiliar as pessoas na busca do seu PROCESSO DE INVIDUAÇÃO Sem resolução, os complexos continuam a exercer influência inconsciente e desadaptativa em nossos pensamentos, sentimentos e comportamento , nos impedindo de alcançar a integração psicológica.
  • 2. JUNG chamou de “COMPLEXOS”, termo por ele introduzido na Psicologia para definir a reunião de CONTEUDOS que se aglomeram no INCONSCIENTE PESSOAL, atraindo para si uma grande quantidade de ideias de alto teor afetivo e dotados de energia psíquica acumulada. Por isso, supomos que quando somos tomados por uma emoção descontrolada, é sinal de que algum complexo foi ativado. O perigo diria Jung, não é possuirmos COMPLEXOS, mas sermos por eles possuídos. E isso só acontece porque enquanto o complexo estiver inconsciente, nos for estranho, estaremos sob seu domínio, vulneráveis às reações mais irracionais e estranhas a nossa consciência. Como se fôssemos tomados por outra personalidade que nos revela parte de nós mesmos que, sempre mantivemos escondida – nossa SOMBRA.
  • 3. II SELF EU DIVINO A Psique está estruturada em três elementos: consciente, inconsciente pessoal e inconsciente coletivo. – Sistema do aparelho psíquico que mantém contato com o mundo interior (processos psíquicos, internos) e exterior (meio ambiente e social) do sujeito. ... – O consciente tem como centro organizador o Eu. INCONSCIENTE COLETIVO ARQUÉTIPOS INCONSCIENTE PESSOAL COMPLEXOS EGO
  • 4. O que são os Complexos concebidos por Jung? O autor suíço quis designar com o termo complexo afetivo um grupamento de representações mentais mantidas juntas por emoção. Os complexos se organizam a partir de experiências emocionais significativas do indivíduo. Nesse ponto de vista, o próprio ego, para Jung o centro da consciência, seria um complexo, o complexo egóico. Outros complexos na personalidade podem agir sobre o ego, interferindo no funcionamento adequado da consciência, perturbando a adaptação criativa do sujeito. Um complexo de poder, caracterizado por ideias obsessivas de domínio e uma postura onipotente, pode dominar de tal forma o complexo egóico que o indivíduo se sente identificado com esses conteúdos de poder originados de raízes inconscientes não imediatamente definidas.
  • 5. O fortalecimento do ego no processo terapêutico ajuda o indivíduo a alcançar o seu ponto de equilíbrio emocional, atingindo assim um nível de consciência mais elevado, o que torna possível uma boa administração dos complexos, afinal todos nós o temos, ou como nos diz Jung, somos tomados por eles, e ninguém está livre disso.
  • 6. Ex. de complexo seria o seguinte: - se alguém tivesse uma perna amputada quando criança, isso influenciaria profundamente a vida de uma pessoa, mesmo que ela superasse a deficiência física. Uma pessoa pode ter muitos pensamentos, emoções, memórias, sentimentos de inferioridade, triunfos, amargura e determinações centradas nesse aspecto de sua vida. Se esses pensamentos fossem perturbadores e difundidos, Jung poderia dizer que ele ou ela tinha um complexo sobre a perna. A realidade dos complexos é amplamente aceita na área da psicologia profunda, um ramo da psicologia que afirma que a grande maioria da personalidade é determinada e influenciada por processos inconscientes.
  • 7. ORIGEM DOS COMPLEXOS: A causa mais frequente são os conflitos, mas choques e traumas emocionais também são suficientes. O bem estar ou mal estar da vida de cada pessoa depende dos complexos, que tem maior ou menor autonomia, dependendo da conexão maior ou menor com a totalidade da organização psíquica. Apesar do mal estar que eles podem causar, a psicologia junguiana não os consideram como elementos patológicos, mas como sinal de conteúdos conflitivos não assimilados.
  • 8. OS COMPLEXOS podem ainda significar uma nova possibilidade de atuação, podem funcionar como um estímulo para que o individuo se esforce mais para sua própria realização. A patologia só ocorre quando os complexos exigem uma quantidade muito grande de energia psíquica para si. Para que um complexo seja assimilado é necessário que a pessoa compreenda os conflitos em termos intelectuais, mas que também exteriorize os afetos envolvidos, através de descargas emocionais que eram realizadas pelos antigos através de danças e cantos repetidos.
  • 9. Jung complementa:  COMPLEXOS são agrupamentos de conteúdos psíquicos carregados de EMOÇÕES. Quanto maior a emoção e o campo de associação, mais forte será um COMPLEXO. Os complexos estão no INCONSCIENTE PESSOAL porque ele registra as nossas experiências desta vida – invadindo a nossa consciência. Exemplo: aquela pessoa CALMA, que numa outra situação explode, sendo violenta, podemos imaginar ser um obsessor mas, na realidade é um COMPLEXO onde esta sendo afetada – numa situação cômoda, mais fácil colocar a culpa no obsessor. Quem em algum momento da vida, não ouviu um “xingamento ou uma crítica contumaz da pessoa dizendo: “ você é um complexado ou, tem complexo de inferioridade, superioridade, etc. Todos somos complexados em algum nível.
  • 10. JOANA DE ANGELIS, amplia esta questão chamando a nossa atenção sobre a questão moral que também é responsável por alimentar nossos complexos. No caso da pessoa aparentemente “calma” que se torna agressiva ou violenta, o complexo vai invadir a consciência gerando em nós um comportamento perturbador porque o ESPIRITO é comprometido, dai seguindo que todas experiências vividas em outras encarnações estarão guardadas no nosso inconsciente coletivo . E como no inconsciente coletivo temos os arquétipos, dependendo das nossas experiências nesta vida, esse conteúdo retornará para o inconsciente pessoal , onde o complexo ira se manifestando. Em todo processo, podemos perceber que o Espirito Encarnado é sempre o comprometido, por isso a importância do AUTOCONHECIMENTO, da auto percepção ser de fundamental importância para nosso processo evolutivo – não da para crescer sem fazer a nossa parte.
  • 11. VIDEO
  • 12. O COMPLEXO DE INFERIORIDADE ( Ao encontro de si mesmo). Algumas pessoas sentem-se tomadas pela sensação de DESVALOR e BAIXA AUTOESTIMA, considerando que nada que façam dará certo, pois não se consideram merecedoras ou competentes. Muitas vezes, estes complexos são construídos no ambiente familiar, pela critica sistemática e desvalorização durante o processo de aprendizagem (régua). O EGO fragiliza-se, e a pessoa passa a se sentir incapaz de maiores enfrentamentos, pois constantemente é CONSTELADO o complexo de inferioridade. Por outro lado, alguns acreditam-se superiores aos outros e cobram atenção especial, as vezes, até mesmo impondo seus caprichos, sem se darem conta de que estão a mercê do complexo de superioridade, que torna distorcida a forma de ver a vida e de se relacionar com os outros. O complexo de superioridade é igualmente feito de aprendizagem, neste caso destituída de limites, cercada de mimos e vontade excessivas, a prejudicar a estruturação da personalidade de forma saudável.
  • 13. Pois é em família que vem à tona os complexos de inferioridade que estão impregnados no espírito. São os membros familiares que servem de instrumento para que ressurja do arquivo milenar toda a carga de conflitos internos. Através de apelidos, perseguições, aversões, os familiares descarregam seus próprios problemas e conflitos em algum membro mais frágil. O complexo de inferioridade se manifesta a partir daí, surgindo como ideias que foram recalcadas no inconsciente deste membro familiar ainda na infância. Essas ideias recalcadas encontram sintonia no arquivo milenar do espírito imortal com as ideias nascidas de experiências de outras reencarnações. Talvez a principal manifestação da baixa autoestima seja a pena de si mesmo – este sentimento é um convite para sua deliberação. É sempre bom lembrar que você é capaz de tomar decisões por si mesmo ; pois você é único e é quem melhor sabe sobre você mesmo. Não se preocupe tanto em agradar aos outros, SEJA QUEM VOCE É DE VERDADE! Sempre é possível mudar o estilo de vida, sempre é possível mudar as próprias crenças, sempre é possível acreditar mais em si Mesmo!
  • 14. COMPLEXO DE INFERIORIDADE – VISÃO ESPÍRITA O Espiritismo nos explica que o complexo pode ter se iniciado na atual reencarnação, mas também podem ter origem nas existências anteriores. (E.S.E. cap. V). Na atual vêm de um deficiente desenvolvimento psicológico, frequentemente causado por traumas infantis, agressões sofridas e também uma educação repressora, onde os pais não incentivam nem apoiam seus filhos e ainda menosprezam ou desvalorizam tudo que eles fazem, a criança então passa a ter medo de se manifestar por receio das represálias e de perder o amor dos pais, esse medo irá persistir até a adolescência. Já quando sua origem está nas vidas passadas, há maior gravidade. A Doutrina Espírita nos ensina que vivemos muitas existências e que as experiências difíceis e traumatizantes das vidas anteriores não superadas, podem levar o jovem a desenvolver o complexo na vida atual. Joana de Angelis explica no livro “Adolescência e Vida”, psicografado por Divaldo Pereira Franco que no período da adolescência o Espírito começa a retomar sua verdadeira personalidade e suas tendências boas e más começam a manifestar-se, ou seja, é nesse momento que os conflitos começam a acontecer.
  • 15. COMPLEXO DE INFERIORIDADE – Claudio Sinoti Seguramente, as experiências de outras vidas, somam-se as atuais, interferindo na carga emocional dos complexos. E quanto maior for a reação emocional perante os desafios naturais da vida, maior será a força dos complexos. Assim ocorre com as questões parentais, sexuais, de poder e de inúmeros complexos que habitam o mundo psíquico, e que se tornam conflitivos ao trazer a tona situações mal resolvidas. Quando optamos por ignorar a existência dos complexos, “esses conflitos que permaneciam adormecidos assumem o comando da personalidade, produzindo dificuldade no paciente para conseguir um edificante relacionamento entre o “eixo ego-self” , observa Joana de Angelis. E trazemos conosco toda a nossa bagagem milenar. Tudo o que vivemos, em todas nossas reencarnações e nos intervalos entre as mesmas; tudo está gravado dentro de nós. E não há como deletar nada do nosso arquivo pessoal. Acontece que nosso CÉREBRO FÍSICO SÓ REGISTRA OS FATOS DE NOSSA EXISTENCIA ATUAL, portanto, não há como saber a causa de todas nossas frustrações e inadequações.
  • 16. E COMO SUPERAR OS COMPLEXOS? A melhor forma de SUPERÁ-LOS é conhece-los, como passo inicial para transformá-los, caso os efeitos dos complexos sejam negativos. Por isso é importante, estar atento aos nossos ESTADOS EMOCIONAIS que nos perturbam, tentando IDENTIFICAR os GATILHOS que nos direcionam a eles. Ao conseguirmos tomar consciência dos GATILHOS que nos causaram certa perturbação, chegaremos a raiz do complexo. O constante exercício da AUTO-OBSERVAÇÃO, de atenção ao nosso comportamento e aos excessos praticados também são bons aliados para identificação dos complexos. A partir disso, temos pela frente o trabalho de DILUIR a intensidade emocional que nos aflige. Uma da formas é REVER a nossa historia, identificando e expressando emoções que ficaram contidas, muitas vezes, transformadas em ressentimentos.
  • 17. E COMO SUPERAR OS COMPLEXOS? Nos ensina JOANA DE ANGELIS : “ ... O grande desafio da existência humana, esta na capacidade de explorar esse mundo desconhecido, dele retirando todos os potenciais que possam produzir felicidade e autorrealização.” E quando as vivencias forem muito dolorosas e de difícil aceitação, o olhar espiritual da vida nos permitira ampliar as lentes normalmente limitadas do EGO. Não negamos que certas vivencias são intensas, porem jamais devemos nos considerar vitimas da vida, uma vez que ela nos traz de retorno o resultado de nossas próprias ações. Devemos constantemente reelaborar e RESSIGNIFICAR nossas experiências traumáticas, pois é assim que elas perdem sua intensidade negativa. É certo que não podemos modificar o passado, na forma objetiva dos fatos, mas nosso olhar sobre ele pode ser transformado, conferindo novo colorido, nova tonalidade emocional, que possibilite a convivência saudável com os nossos complexos, de modo que sejamos nós a administrá-los, não eles a comandar nossa personalidade.
  • 18. CONCLUINDO: A cada passagem pela matéria temos nova oportunidade de reajuste, nova chance de colocar em dia compromissos não atendidos, nova chance de cumprir deveres pendentes, nova chance de nos livrarmos de comprometimentos doentios. Sabemos que o lar é o laboratório do espírito imortal. É junto às pessoas mais próximas de nós que resgatamos débitos comprometedores. Também sabemos que muitos lares, talvez a maioria, são ainda muito desajustados, problemáticos, devido ao nosso incipiente grau evolutivo. A soma de toda nossa experiência milenar resultou naquilo que SOMOS HOJE: o resultado de nossa própria construção. Todas nossas vitórias, conquistas, habilidades, talentos natos estão alicerçadas dentro de nosso SELF. Da mesma forma, nossos fracassos, decepções , quedas e derrotas são coisas que, necessitamos reconhecer, acolher e integrar a nossa personalidade.
  • 19.
  • 20. COMPLEXO DE ABANONO – A DOR DA REJEIÇÃO Nas relações afetivas isto fica ainda mais evidente, pois como se trata de uma interação de muita proximidade, há muita vulnerabilidade e a pessoa pode se sentir insegura, ansiosa e com o medo de perder de forma exacerbada, causando várias brigas e discussões por conta deste complexo ativado negativamente. Isto torna-se um ciclo vicioso, em que a pessoa sente que não consegue ter uma vida afetiva, feliz, saudável e significativa. É possível ter uma vida afetiva mais leve, desde que a pessoa queira olhar de frente para os seus processos emocionais internos. Isto nem sempre é agradável, mas é o caminho possível e seguro para a auto cura verdadeira. Diante de nossos processos internos relacionados a vida emocional, é preciso ter paciência consigo na jornada do autoconhecimento , para ter mais segurança e estabilidade no processo, evitando-se as situações repetitivas..
  • 21. COMPLEXO DE ABANONO – A DOR DA REJEIÇÃO Segundo JUNG: O complexo do abandono e da REJEIÇÃO, podem levar a pessoa a desistir de ter uma relação afetiva, tamanha dor e desconforto emocional que sente , como se fosse uma ferida aberta que demora a cicatrizar. O complexo é necessário para a formação e manutenção da psique humana, o problema acontece quando ele está negativado, ou seja, está ativado de forma negativa e consequentemente, por falta de saber como lidar com isto, a pessoa sofre muito. A principal área atingida é a afetiva, mas isto não quer dizer que as outras áreas da vida da pessoa não são impactadas. O fato é que a pessoa pode sentir esta dor com relação aos amigos, trabalho e até mesmo na própria família. Em outras palavras se sente sozinha e rejeitada, a maior parte do tempo. As feridas, bem como as várias reações inconscientes adotadas pela criança que possa ter sofrido abandono afetivo, tornam-se fortes determinantes da personalidade adulta. Logo, vivemos inconscientemente reflexos agregados do passado. É possível que esse adulto prefira a solidão, pois, se receber muita atenção, corre o risco de ser desprezado e, se tiver que compartilhar experiências com mais pessoas, tentará passar desapercebido, sob a PERSONA que constrói para si mesmo.
  • 22. Além de vivenciar uma constante ambivalência, quando acredita e pode chegar até mesmo a sabotar a situação; por outro lado, quando não escolhido, sente raiva, por ser rejeitado pelos demais, chegando às vezes a elaborar uma fuga frente às relações, para se proteger do sofrimento gerado pela ferida. Quanto maior a ferida, maior será a rejeição de si mesmo e dos demais a sua volta, o que pode vir mascarado pela vergonha. Podemos tentar curar a rejeição, buscando valorizar e reconhecer a si mesmo, sem muita aprovação dos outros, procurando inicialmente aceitar a própria ferida como parte integrante de si mesmo; se negarmos, não podemos curá-la!
  • 23. Perdoar para se libertar do passado, primeiramente, a si, pela forma como se tratou e seguidamente de como foi tratado, procurando acolher-se e dando-se principalmente, amor a si próprio. Contudo, a vida só é trágica à medida que permanecemos inconscientes, tanto do papel dos complexos autônomos quanto da crescente divergência entre a nossa natureza e as nossas escolhas. Cabe a nós escolhermos qual o caminho a seguir…
  • 24. COMPLEXO DE ABANONO – A DOR DA REJEIÇÃO Um estudo “ A ausência física e afetiva do pai na percepção dos filhos adultos” (DAMIANI e COLOSSI), envolveu uma pesquisa qualitativa e exploratória com quatro adultos, entre 25 a 40 anos, todos em processo de análise. O estudo aponta que o impacto do distanciamento da figura paterna, seja físico e/ou afetivo, reflete-se em sentimentos de autodesvalorização, abandono, solidão, insegurança, baixa autoestima e dificuldades de estabelecer relacionamentos, que começam a ser percebidos na infância e interferem no desenvolvimento do jovem chegando até a idade adulta. As autoras citam outros vários estudos, e todos afirmam que a ausência paterna tem potencial para gerar conflitos no desenvolvimento psicológico e cognitivo da criança e do adolescente, bem como, influenciar o estabelecimento de transtornos de comportamento e de identidade. Uma das observações resultantes do estudo, e que as autoras enfatizam, é que “a ausência vivenciada na infância e adolescência não se dissipa na vida adulta” (DAMIANI e COLOSSI).