SlideShare uma empresa Scribd logo
BION – Estudo de Processos de Grupo
NOELIZA LIMA*
Dr. Antonio Terzis**

Nascido na Índia em 1897, Wilfred Ruprecht Bion foi estudar na Inglaterra aos 8 anos.

Durante a I Guerra Mundial ele serviu na França como comandante de um tanque, recebendo a
medalha DSO e a da Legião de Honra.
Após estudar História no Queens College, em Oxford, fez medicina na University College,
Londres.
Então iniciou seu interesse por Psicanálise e tornou-se trainee de John Rickman e mais tarde,
de Melanie Klein. Durante os anos 40 seu interesse estava totalmente voltado para o estudo
dos processos de grupo. Suas pesquisas culminaram na publicação de uma série de trabalhos
publicados na forma de livretos como Experiências em Grupos.
Abandonando seu trabalho neste campo em favor da prática psicanalítica, alcançou então a
posição de Diretor da London Clinic of Psycho-analysis (1956 a 1962). Foi Presidente da British
Psycho-analytical Society (1962 a 1965).
Em 1968 trabalhou em Los Angeles, retornando à Inglaterra dois meses antes de sua morte,
que ocorreu em 1979.




GRUPOS

Bion trabalhou como terapeuta de grupos na Clínica Tavistock de Londres, na década de 40 e
50. Sua experiência clínica levou-o a formular uma série de hipóteses e depois uma teoria.
Seus estudos se referem à atividade mental que os grupos facilitam nos indivíduos que dele
fazem parte. Estabeleceu então leis gerais e específicas dirigidas a cada tipo de configuração
grupal.
Nos grupos, assim como no indivíduo, existem dois níveis de funcionamento psíquico, inter
relacionados entre si: O nível consciente e o nível inconsciente.
                                         o Nível Consciente
  Racional, regido pelo princípio da realidade, caracterizado pelo uso do processo secundário,
                                             orientado
para a adaptação objetiva a realidade externa.
     o Nível Inconsciente - Emocional, regido pelo princípio do prazer, caracterizado pelo uso
         do princípio primário (deslocamento, condensação e deflexão). Orientado para evitar o
                                                 desprazer.

MENTALIDADE GRUPAL

É a atividade mental desenvolvida dentro de um grupo. A esta mentalidade cada um dos
indivíduos contribui, mesmo não tendo consciência disto. A mentalidade grupal não é a soma,
mas a equivalência das demandas individuais.
O 'estar em um grupo' re - atualiza as primeiras experiências de: fusão – discriminação,
encontro – separação, individualização – massificação, assim como a perda da relação dual
primitiva. É a inclusão da triangularidade e a dor edípica pela apreensão da realidade interna e
externa, dando lugar à eclosão de intensas torrentes emocionais que podem dificultar a
atividade psíquica necessária para a realização das tarefas propostas racionalmente. A este
tipo de configuração grupal, regido pela lógica, Bion chamou de grupo de trabalho.




CONCEITO DE GRUPO DE TRABALHO
No nível consciente as pessoas se unem para a realização de uma tarefa e têm consciência de
seus objetivos. Suas atividades se desenvolvem segundo o tempo cronológico, do "aquí e
agora", em espaços determinados. Cumprem papéis designados, seguem regras do grupo, são
organizados em tempo, espaço e em alguns grupos - hierarquicamente. Os membros se unem
em função de objetivos comuns, pela cooperação, estabelecendo-se relações de semelhança,
complementaridade e suplementariedade, que levam ao estabelecimento da "sociabilidade por
interação", segundo Bleger.

GRUPO DE SUPOSTO BÁSICO

Os membros de um grupo de trabalho se reúnem para realizar a nível real uma tarefa, mas
esta tarefa tem um objetivo latente que é desconhecido. Estão então sujeitos à lei do desejo, de
ordem do inconsciente, que é o sentido dado por Freud à "ilusão". É então que os sistemas
formais de comunicação são substituídos ao nível inconsciente pelos "supostos, os pre-juízos,
e os como se", que constituem a "linguagem de ação". As redes de intercâmbio social são
substituídas por comunicações baseadas em identificações projetivas e introjetivas maciças,
mecanismos de dissociação, negação, idealização e onipotência. No lugar de papéis e normas
específicas, desenvolvem-se relações parciais com objetos parciais, que suscitam intensas
ansiedades arcaicas (paranóicas e depressivas, segundo Klein , e confusionais, segundo
Bleger, com concomitantes defesas esquizóides).
Desta forma, o tempo cronológico cede lugar à atemporalidade própria do inconsciente, tempo
do imaginário, desenvolvendo-se entre os membros a sociabilidade sincrética (segundo
Bleger). O grupo se conecta por "valência", ou seja, por demandas equivalentes dentro da
mentalidade grupal.

PRESSUPOSTOS BÁSICOS DE BION

Todo grupo simboliza para a pessoa a pertinência, a família primal, sendo então um continente
onde surgem reações regressivas de busca e perda de afeto.
Os sentimentos mais arcaicos são despertados, vivendo então o grupo os supostos básicos,
que são: dependência, luta – fuga e acasalamento. Nunca pode haver mais de um em
andamento.
Quando um suposto básico predomina, os outros ficam depositados no que Bion chamou de
"aparato proto-mental ". Neste sistema o somático e o psíquico são indiferenciados.
Quando um processo de aprendizagem desencadeia uma dor (acerca de si mesmo ou do
mundo externo), e as defesas do grupo não conseguem mitigar este sofrimento, o sistema
proto-mental emitirá sintomas defensivos por parte do corpo e da mente ( acidentes, desmaios,
crises epilépticas). Estes acontecimentos serão obstáculos a continuação da tarefa grupal, e
serão fonte de ansiedades impossíveis de serem resolvidas pelos "supostos básicos".

DEPENDÊNCIA
O grupo é a possibilidade da renovação e muito mais que isto. O grupo é o objeto de desejo,
a representação do seio bom (Melanie Klein), que sustenta todas as fantasias dos participantes. É
um espaço de salvação, e o líder é o Messias que vai levar o grupo a satisfação plena. Sente-se que
tudo pode ser realizado, não há medo nem ameaça nenhuma. É um momento de projeção
de esperança e satisfação.




LUTA – FUGA
Crença inconsciente de que a solução dos seus problemas se dará na medida em que consigam
evitar o perigo certo proveniente de um objeto persecutório – interno ou externo ao grupo – o qual
deverão enfrentar, fugindo ou atacando, liderados por seu terapeuta ou coordenador.
Qualquer investimento da libido no grupo, se sentido como mal correspondido, desperta na pessoa
a ansiedade de perda e/ou fantasias de perseguição.
A solução desejada se apresenta não como uma conquista, mas como a evitação clara da dor,
por meio de uma ansiedade baseada em temores paranóides referentes a fantasia de objeto mau.
É comum que ocorra este suposto básico após uma situação de total pertinência como no caso
da dependência, onde a angústia de ser possuído por alguém mau desencadeia temores de
destruição




ACASALAMENTO
Crença de que o objeto salvador ainda deverá ser criado, e que esta atividade será executada por
membros voluntários do grupo, que facilitarão o descanso dos demais, ou então pelo próprio
coordenador. A ênfase aquí não é sobre quem trará a salvação, e sim que a solução desejada de
fato virá a qualquer momento.Haverá então uma dupla ( de mesmo sexo ou sexo diferente) que
produzirá o "grand finale" por meio de uma cópula fecunda, sendo então o restante do grupo os
herdeiros e beneficiários do produto final. O desejo se veste de esperança, e o objeto desejado
tem características messiânicas. A ansiedade subjacente aparece como a contrapartida do
otimismo e se remete a : temor da morte do bebê Messias, temor de mal formação do feto,
ansiedade desesperançada frente à pulsão de morte.




OUTRAS FORMAS
Bion assinala que além das estruturas assinaladas como ‘pressupostos básicos" há outras formas
do grupo lidar com ansiedades arcaicas.
Refere-se aquí as formas aberrantes dos supostos básicos e as formas duais.
Exemplo
Enquanto no suposto de dependência o terapeuta é visto como alguém que alimenta o grupo com
ensinamentos e acolhida, dando-lhes a chave mágica da cura, a forma "dual" seria o grupo como
fonte de alimento para um terapeuta com pouco treino e habilidade.




CONCLUSÕES




Todos estes tipos de defesas utilizadas buscam evitar o compromisso de auto prover-se no
caminho do trabalho, dor, erro e reparação, do alimento necessário para o crescimento físico,
psíquico e espiritual.
As categorias desagradáveis são vividas como exigências desmedidas e injustas que devem
ser evitadas a qualquer custo.
Segundo Bion, os pressupostos básicos também se encontram em grupos organizados ou não
dnossa sociedade.


REFERENCIAS

(Contracapa de “Cogitations”, edited by Francesca Bion, Karnac Books, London-New York,
1992)
ROUSSEAU, M., Grupo, Esa Posible-Inpossibilidad..., B. Aires, Colección Psicologia y
Psicoanalisis, Tekné, 1995, cap. 3º
LIMA, N. Bion, Seminários de grupo, supervisão prof. Dr. Antonios Terzis, pós graduação em
Psicologia Clínica, PUCCAMP, 1999, mimeo.

    * Psicóloga, CRP 6/505, trabalho para o mestrado em Psicologia Clínica – PUC-Campinas,
    1999.
    ** Prof. Dr. Antonios Terzis, psicólogo, Supervisor no mestrado desta Universidade.
    Disciplina: Psicoterapia Analítica de Grupos, 1999.
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Alexandre Simoes
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Sara Campagnaro
 
Palestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e AnsiedadePalestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e Ansiedade
Renata Pimentel
 
Psicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialPsicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencial
Érika Renata
 
Inteligência emocional as 5 chaves fundamentais
Inteligência emocional   as 5 chaves fundamentaisInteligência emocional   as 5 chaves fundamentais
Inteligência emocional as 5 chaves fundamentais
Manuela Selas
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Emoção
Emoção  Emoção
Emoção
Marlene Gomes
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
Rafael Almeida
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Luciana França Cescon
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
Valter Luiz Matao Lemos
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
Psicologia Conexão
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
Antonino Silva
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do Professor
Cassia Dias
 
Dicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocionalDicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocional
Bruno Carrasco
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
Clínica Evolução vida
 
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da PsicologiaGrupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Silvia Marina Anaruma
 
Oficina dinamica de grupo
Oficina dinamica de grupoOficina dinamica de grupo
Oficina dinamica de grupo
Anelita Costa Dos Santos
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
janeiro branco.pptx
janeiro branco.pptxjaneiro branco.pptx
janeiro branco.pptx
NaylaQueiroz2
 

Mais procurados (20)

Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
 
Palestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e AnsiedadePalestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e Ansiedade
 
Psicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialPsicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencial
 
Inteligência emocional as 5 chaves fundamentais
Inteligência emocional   as 5 chaves fundamentaisInteligência emocional   as 5 chaves fundamentais
Inteligência emocional as 5 chaves fundamentais
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
 
Emoção
Emoção  Emoção
Emoção
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do Professor
 
Dicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocionalDicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocional
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da PsicologiaGrupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
 
Oficina dinamica de grupo
Oficina dinamica de grupoOficina dinamica de grupo
Oficina dinamica de grupo
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
janeiro branco.pptx
janeiro branco.pptxjaneiro branco.pptx
janeiro branco.pptx
 

Destaque

El ECRO de Pichón Riviere
El ECRO de Pichón RiviereEl ECRO de Pichón Riviere
El ECRO de Pichón Riviere
Clr. Ricardo Eyo
 
2 Ainsword-Bion
2   Ainsword-Bion2   Ainsword-Bion
2 Ainsword-Bion
Henrique Vieira
 
Grupos terapêuticos
Grupos terapêuticosGrupos terapêuticos
Grupos terapêuticos
Oficina Psicologia
 
Coesão Grupal e Fatores Terapêuticos
Coesão Grupal e Fatores TerapêuticosCoesão Grupal e Fatores Terapêuticos
Coesão Grupal e Fatores Terapêuticos
Fernanda Valentin
 
Grupo terapéutico
Grupo terapéuticoGrupo terapéutico
Grupo terapéutico
Naila Esther Vidal Ayala
 
Como Trabalhamos com Grupos - Osório, Zimerman
Como Trabalhamos com Grupos - Osório, ZimermanComo Trabalhamos com Grupos - Osório, Zimerman
Como Trabalhamos com Grupos - Osório, Zimerman
Aline Cardoso
 
Psicoterapia De Grupo
Psicoterapia De GrupoPsicoterapia De Grupo
Terapia de grupo
Terapia de grupoTerapia de grupo
Terapia de grupo
AnamariaNegron
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Grupo Operativo
Va_ne
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Pichón rivière
Pichón rivièrePichón rivière
Pichón rivière
Lucas Castro
 
Teoría Pichón Riviere
Teoría Pichón RiviereTeoría Pichón Riviere
Teoría Pichón Riviere
26216812
 

Destaque (12)

El ECRO de Pichón Riviere
El ECRO de Pichón RiviereEl ECRO de Pichón Riviere
El ECRO de Pichón Riviere
 
2 Ainsword-Bion
2   Ainsword-Bion2   Ainsword-Bion
2 Ainsword-Bion
 
Grupos terapêuticos
Grupos terapêuticosGrupos terapêuticos
Grupos terapêuticos
 
Coesão Grupal e Fatores Terapêuticos
Coesão Grupal e Fatores TerapêuticosCoesão Grupal e Fatores Terapêuticos
Coesão Grupal e Fatores Terapêuticos
 
Grupo terapéutico
Grupo terapéuticoGrupo terapéutico
Grupo terapéutico
 
Como Trabalhamos com Grupos - Osório, Zimerman
Como Trabalhamos com Grupos - Osório, ZimermanComo Trabalhamos com Grupos - Osório, Zimerman
Como Trabalhamos com Grupos - Osório, Zimerman
 
Psicoterapia De Grupo
Psicoterapia De GrupoPsicoterapia De Grupo
Psicoterapia De Grupo
 
Terapia de grupo
Terapia de grupoTerapia de grupo
Terapia de grupo
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Grupo Operativo
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Grupo Operativo
 
Pichón rivière
Pichón rivièrePichón rivière
Pichón rivière
 
Teoría Pichón Riviere
Teoría Pichón RiviereTeoría Pichón Riviere
Teoría Pichón Riviere
 

Semelhante a Um pouco de Bion: psicanálise de grupo

Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
Cristiane Blanco
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
Cristiane Blanco
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
Cristiane Blanco
 
COMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANA
COMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANACOMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANA
COMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
apostila-1-compressed.pdf
apostila-1-compressed.pdfapostila-1-compressed.pdf
apostila-1-compressed.pdf
CRRodrigues1
 
Eu superior o verdadeiro mestre apostila 06
Eu superior o verdadeiro mestre   apostila 06Eu superior o verdadeiro mestre   apostila 06
Eu superior o verdadeiro mestre apostila 06
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Joana de angelis o ser consciente
Joana de angelis   o ser conscienteJoana de angelis   o ser consciente
Joana de angelis o ser consciente
havatar
 
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
guestae3c203
 
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
EWALDO DE SOUZA
 
O ser consciente-joanna de ângelis (1)
O ser consciente-joanna de ângelis (1)O ser consciente-joanna de ângelis (1)
O ser consciente-joanna de ângelis (1)
Daniel Machado
 
Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4
Marlon Urban Flores
 
Método chiorlin
Método chiorlinMétodo chiorlin
Método chiorlin
mcvteor
 
Transtorno dissociativo Material de Apoio
Transtorno dissociativo Material de ApoioTranstorno dissociativo Material de Apoio
Transtorno dissociativo Material de Apoio
Espaço da Mente
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
alinerabelo31
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
Marcelo Anjos
 
Desobsessao
DesobsessaoDesobsessao
Desobsessao
paikachambi
 
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - complexos
( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - complexos( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - complexos
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - complexos
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Grupos
GruposGrupos
Grupos
Dilene Matos
 
Grupos
GruposGrupos
Erikson
EriksonErikson
Erikson
herison25
 

Semelhante a Um pouco de Bion: psicanálise de grupo (20)

Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
COMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANA
COMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANACOMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANA
COMPLEXOS NA VISÃO JUNGUIANA
 
apostila-1-compressed.pdf
apostila-1-compressed.pdfapostila-1-compressed.pdf
apostila-1-compressed.pdf
 
Eu superior o verdadeiro mestre apostila 06
Eu superior o verdadeiro mestre   apostila 06Eu superior o verdadeiro mestre   apostila 06
Eu superior o verdadeiro mestre apostila 06
 
Joana de angelis o ser consciente
Joana de angelis   o ser conscienteJoana de angelis   o ser consciente
Joana de angelis o ser consciente
 
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
 
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
6920506 divaldo-franco-joanna-de-angelis-o-ser-consciente[1]
 
O ser consciente-joanna de ângelis (1)
O ser consciente-joanna de ângelis (1)O ser consciente-joanna de ângelis (1)
O ser consciente-joanna de ângelis (1)
 
Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4
 
Método chiorlin
Método chiorlinMétodo chiorlin
Método chiorlin
 
Transtorno dissociativo Material de Apoio
Transtorno dissociativo Material de ApoioTranstorno dissociativo Material de Apoio
Transtorno dissociativo Material de Apoio
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
 
Desobsessao
DesobsessaoDesobsessao
Desobsessao
 
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - complexos
( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - complexos( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - complexos
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - complexos
 
Grupos
GruposGrupos
Grupos
 
Grupos
GruposGrupos
Grupos
 
Erikson
EriksonErikson
Erikson
 

Mais de Noeliza Bianchini S. Lima

Educacao Emocional
Educacao EmocionalEducacao Emocional
Educacao Emocional
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Mensagem de Dr Bezerra de Menezes
Mensagem de Dr Bezerra de MenezesMensagem de Dr Bezerra de Menezes
Mensagem de Dr Bezerra de Menezes
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Estaiahora Popular
Estaiahora PopularEstaiahora Popular
Estaiahora Popular
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Cantores brazileiros - 70th
Cantores brazileiros - 70thCantores brazileiros - 70th
Cantores brazileiros - 70th
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Imigracao Italiana Para O Brasil
Imigracao Italiana Para O BrasilImigracao Italiana Para O Brasil
Imigracao Italiana Para O Brasil
Noeliza Bianchini S. Lima
 
A Saga dos Bianchini de Goito
A Saga dos Bianchini de GoitoA Saga dos Bianchini de Goito
A Saga dos Bianchini de Goito
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Perséfone em seus espaços
Perséfone em seus espaçosPerséfone em seus espaços
Perséfone em seus espaços
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Violência contra a mulher
Violência contra a mulherViolência contra a mulher
Violência contra a mulher
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Podas
PodasPodas
O Pai Nosso De Sevilha
O Pai Nosso De SevilhaO Pai Nosso De Sevilha
O Pai Nosso De Sevilha
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Estudo - mulheres nas empresas
Estudo - mulheres nas empresasEstudo - mulheres nas empresas
Estudo - mulheres nas empresas
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Grupos Aportes
Grupos AportesGrupos Aportes
Bagagem Da Vida
Bagagem Da VidaBagagem Da Vida
Bagagem Da Vida
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Dicas para maduros(as)
Dicas para maduros(as)Dicas para maduros(as)
Dicas para maduros(as)
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Voem Juntos - jamais amarrados
Voem Juntos - jamais amarradosVoem Juntos - jamais amarrados
Voem Juntos - jamais amarrados
Noeliza Bianchini S. Lima
 

Mais de Noeliza Bianchini S. Lima (15)

Educacao Emocional
Educacao EmocionalEducacao Emocional
Educacao Emocional
 
Mensagem de Dr Bezerra de Menezes
Mensagem de Dr Bezerra de MenezesMensagem de Dr Bezerra de Menezes
Mensagem de Dr Bezerra de Menezes
 
Estaiahora Popular
Estaiahora PopularEstaiahora Popular
Estaiahora Popular
 
Cantores brazileiros - 70th
Cantores brazileiros - 70thCantores brazileiros - 70th
Cantores brazileiros - 70th
 
Imigracao Italiana Para O Brasil
Imigracao Italiana Para O BrasilImigracao Italiana Para O Brasil
Imigracao Italiana Para O Brasil
 
A Saga dos Bianchini de Goito
A Saga dos Bianchini de GoitoA Saga dos Bianchini de Goito
A Saga dos Bianchini de Goito
 
Perséfone em seus espaços
Perséfone em seus espaçosPerséfone em seus espaços
Perséfone em seus espaços
 
Violência contra a mulher
Violência contra a mulherViolência contra a mulher
Violência contra a mulher
 
Podas
PodasPodas
Podas
 
O Pai Nosso De Sevilha
O Pai Nosso De SevilhaO Pai Nosso De Sevilha
O Pai Nosso De Sevilha
 
Estudo - mulheres nas empresas
Estudo - mulheres nas empresasEstudo - mulheres nas empresas
Estudo - mulheres nas empresas
 
Grupos Aportes
Grupos AportesGrupos Aportes
Grupos Aportes
 
Bagagem Da Vida
Bagagem Da VidaBagagem Da Vida
Bagagem Da Vida
 
Dicas para maduros(as)
Dicas para maduros(as)Dicas para maduros(as)
Dicas para maduros(as)
 
Voem Juntos - jamais amarrados
Voem Juntos - jamais amarradosVoem Juntos - jamais amarrados
Voem Juntos - jamais amarrados
 

Um pouco de Bion: psicanálise de grupo

  • 1. BION – Estudo de Processos de Grupo NOELIZA LIMA* Dr. Antonio Terzis** Nascido na Índia em 1897, Wilfred Ruprecht Bion foi estudar na Inglaterra aos 8 anos. Durante a I Guerra Mundial ele serviu na França como comandante de um tanque, recebendo a medalha DSO e a da Legião de Honra. Após estudar História no Queens College, em Oxford, fez medicina na University College, Londres. Então iniciou seu interesse por Psicanálise e tornou-se trainee de John Rickman e mais tarde, de Melanie Klein. Durante os anos 40 seu interesse estava totalmente voltado para o estudo dos processos de grupo. Suas pesquisas culminaram na publicação de uma série de trabalhos publicados na forma de livretos como Experiências em Grupos. Abandonando seu trabalho neste campo em favor da prática psicanalítica, alcançou então a posição de Diretor da London Clinic of Psycho-analysis (1956 a 1962). Foi Presidente da British Psycho-analytical Society (1962 a 1965). Em 1968 trabalhou em Los Angeles, retornando à Inglaterra dois meses antes de sua morte, que ocorreu em 1979. GRUPOS Bion trabalhou como terapeuta de grupos na Clínica Tavistock de Londres, na década de 40 e 50. Sua experiência clínica levou-o a formular uma série de hipóteses e depois uma teoria. Seus estudos se referem à atividade mental que os grupos facilitam nos indivíduos que dele fazem parte. Estabeleceu então leis gerais e específicas dirigidas a cada tipo de configuração grupal. Nos grupos, assim como no indivíduo, existem dois níveis de funcionamento psíquico, inter relacionados entre si: O nível consciente e o nível inconsciente. o Nível Consciente Racional, regido pelo princípio da realidade, caracterizado pelo uso do processo secundário, orientado para a adaptação objetiva a realidade externa. o Nível Inconsciente - Emocional, regido pelo princípio do prazer, caracterizado pelo uso do princípio primário (deslocamento, condensação e deflexão). Orientado para evitar o desprazer. MENTALIDADE GRUPAL É a atividade mental desenvolvida dentro de um grupo. A esta mentalidade cada um dos indivíduos contribui, mesmo não tendo consciência disto. A mentalidade grupal não é a soma, mas a equivalência das demandas individuais. O 'estar em um grupo' re - atualiza as primeiras experiências de: fusão – discriminação, encontro – separação, individualização – massificação, assim como a perda da relação dual primitiva. É a inclusão da triangularidade e a dor edípica pela apreensão da realidade interna e externa, dando lugar à eclosão de intensas torrentes emocionais que podem dificultar a atividade psíquica necessária para a realização das tarefas propostas racionalmente. A este tipo de configuração grupal, regido pela lógica, Bion chamou de grupo de trabalho. CONCEITO DE GRUPO DE TRABALHO
  • 2. No nível consciente as pessoas se unem para a realização de uma tarefa e têm consciência de seus objetivos. Suas atividades se desenvolvem segundo o tempo cronológico, do "aquí e agora", em espaços determinados. Cumprem papéis designados, seguem regras do grupo, são organizados em tempo, espaço e em alguns grupos - hierarquicamente. Os membros se unem em função de objetivos comuns, pela cooperação, estabelecendo-se relações de semelhança, complementaridade e suplementariedade, que levam ao estabelecimento da "sociabilidade por interação", segundo Bleger. GRUPO DE SUPOSTO BÁSICO Os membros de um grupo de trabalho se reúnem para realizar a nível real uma tarefa, mas esta tarefa tem um objetivo latente que é desconhecido. Estão então sujeitos à lei do desejo, de ordem do inconsciente, que é o sentido dado por Freud à "ilusão". É então que os sistemas formais de comunicação são substituídos ao nível inconsciente pelos "supostos, os pre-juízos, e os como se", que constituem a "linguagem de ação". As redes de intercâmbio social são substituídas por comunicações baseadas em identificações projetivas e introjetivas maciças, mecanismos de dissociação, negação, idealização e onipotência. No lugar de papéis e normas específicas, desenvolvem-se relações parciais com objetos parciais, que suscitam intensas ansiedades arcaicas (paranóicas e depressivas, segundo Klein , e confusionais, segundo Bleger, com concomitantes defesas esquizóides). Desta forma, o tempo cronológico cede lugar à atemporalidade própria do inconsciente, tempo do imaginário, desenvolvendo-se entre os membros a sociabilidade sincrética (segundo Bleger). O grupo se conecta por "valência", ou seja, por demandas equivalentes dentro da mentalidade grupal. PRESSUPOSTOS BÁSICOS DE BION Todo grupo simboliza para a pessoa a pertinência, a família primal, sendo então um continente onde surgem reações regressivas de busca e perda de afeto. Os sentimentos mais arcaicos são despertados, vivendo então o grupo os supostos básicos, que são: dependência, luta – fuga e acasalamento. Nunca pode haver mais de um em andamento. Quando um suposto básico predomina, os outros ficam depositados no que Bion chamou de "aparato proto-mental ". Neste sistema o somático e o psíquico são indiferenciados. Quando um processo de aprendizagem desencadeia uma dor (acerca de si mesmo ou do mundo externo), e as defesas do grupo não conseguem mitigar este sofrimento, o sistema proto-mental emitirá sintomas defensivos por parte do corpo e da mente ( acidentes, desmaios, crises epilépticas). Estes acontecimentos serão obstáculos a continuação da tarefa grupal, e serão fonte de ansiedades impossíveis de serem resolvidas pelos "supostos básicos". DEPENDÊNCIA O grupo é a possibilidade da renovação e muito mais que isto. O grupo é o objeto de desejo, a representação do seio bom (Melanie Klein), que sustenta todas as fantasias dos participantes. É um espaço de salvação, e o líder é o Messias que vai levar o grupo a satisfação plena. Sente-se que tudo pode ser realizado, não há medo nem ameaça nenhuma. É um momento de projeção de esperança e satisfação. LUTA – FUGA Crença inconsciente de que a solução dos seus problemas se dará na medida em que consigam evitar o perigo certo proveniente de um objeto persecutório – interno ou externo ao grupo – o qual deverão enfrentar, fugindo ou atacando, liderados por seu terapeuta ou coordenador. Qualquer investimento da libido no grupo, se sentido como mal correspondido, desperta na pessoa a ansiedade de perda e/ou fantasias de perseguição. A solução desejada se apresenta não como uma conquista, mas como a evitação clara da dor, por meio de uma ansiedade baseada em temores paranóides referentes a fantasia de objeto mau. É comum que ocorra este suposto básico após uma situação de total pertinência como no caso
  • 3. da dependência, onde a angústia de ser possuído por alguém mau desencadeia temores de destruição ACASALAMENTO Crença de que o objeto salvador ainda deverá ser criado, e que esta atividade será executada por membros voluntários do grupo, que facilitarão o descanso dos demais, ou então pelo próprio coordenador. A ênfase aquí não é sobre quem trará a salvação, e sim que a solução desejada de fato virá a qualquer momento.Haverá então uma dupla ( de mesmo sexo ou sexo diferente) que produzirá o "grand finale" por meio de uma cópula fecunda, sendo então o restante do grupo os herdeiros e beneficiários do produto final. O desejo se veste de esperança, e o objeto desejado tem características messiânicas. A ansiedade subjacente aparece como a contrapartida do otimismo e se remete a : temor da morte do bebê Messias, temor de mal formação do feto, ansiedade desesperançada frente à pulsão de morte. OUTRAS FORMAS Bion assinala que além das estruturas assinaladas como ‘pressupostos básicos" há outras formas do grupo lidar com ansiedades arcaicas. Refere-se aquí as formas aberrantes dos supostos básicos e as formas duais. Exemplo Enquanto no suposto de dependência o terapeuta é visto como alguém que alimenta o grupo com ensinamentos e acolhida, dando-lhes a chave mágica da cura, a forma "dual" seria o grupo como fonte de alimento para um terapeuta com pouco treino e habilidade. CONCLUSÕES Todos estes tipos de defesas utilizadas buscam evitar o compromisso de auto prover-se no caminho do trabalho, dor, erro e reparação, do alimento necessário para o crescimento físico, psíquico e espiritual. As categorias desagradáveis são vividas como exigências desmedidas e injustas que devem ser evitadas a qualquer custo. Segundo Bion, os pressupostos básicos também se encontram em grupos organizados ou não dnossa sociedade. REFERENCIAS (Contracapa de “Cogitations”, edited by Francesca Bion, Karnac Books, London-New York, 1992) ROUSSEAU, M., Grupo, Esa Posible-Inpossibilidad..., B. Aires, Colección Psicologia y Psicoanalisis, Tekné, 1995, cap. 3º LIMA, N. Bion, Seminários de grupo, supervisão prof. Dr. Antonios Terzis, pós graduação em Psicologia Clínica, PUCCAMP, 1999, mimeo. * Psicóloga, CRP 6/505, trabalho para o mestrado em Psicologia Clínica – PUC-Campinas, 1999. ** Prof. Dr. Antonios Terzis, psicólogo, Supervisor no mestrado desta Universidade. Disciplina: Psicoterapia Analítica de Grupos, 1999.