SlideShare uma empresa Scribd logo
Climatização e Saúde
Prof. Dr. Rinaldo Ferreira
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
Uma pessoa respira cerca de 10
mil litros de ar por dia
e passa 85%dele dentro de
ambientes fechados,
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
Ambientes climatizados, como hospitais,
escritórios, academias, bancos, carros,
residências,entre outros.
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
As pessoas nãosabem distinguirquando
o ambiente está agradável e saudável,
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
ou quando o ar está poluído e que
pode causar mal à saúde.
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
climatização do ar e ambiente confortável, a temperatura média
utilizada deve ser de 24ºC, o que permite uma umidade
relativa do ar em torno 55%,
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
Difusão do ar alta
sente o vento tocando a
pele,
faz mal à saúde e
não é agradável;
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
pouca difusão do ar
ambiente não refrigera, pode ser sujeira;
o cheiroestá ruim,
pode ser falta de
manutenção;
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
se não houver renovaçãodo ar
interno e externo e filtragem
adequadas, o ar tende a ficar poluído e
a concentração de CO2 aumenta e, como
consequência,
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
sonolência,
fadiga,
vírus,
fungos e
bactérias
http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/d094d3004e5f8dee981ddcd762e8a5ec/Resolucao_RE_n_
09.pdf?MOD=AJPERES
Agentes biológicos Principais fontes em ambientes interiores
Principais Medidas de correção em ambientes
interiores
Bactérias
Reservatórios com água estagnada,
torres de resfriamento, bandejas de
condensado, desumificadores, umidificadores,
serpentinas de condicionadores de ar e
superfícies úmidas e quentes.
Realizar a limpeza e a conservação das torres
de resfriamento; higienizar os reservatórios e
bandejas de condensado ou manter tratamento
contínuo para eliminar as fontes; eliminar as
infiltrações; higienizar as superfícies.
Fungos
Ambientes úmidos e demais fontes de
multiplicação fúngica, como materiais porosos
orgânicos úmidos, forros, paredes e isolamentos
úmidos; ar externo, interior de condicionadores
e dutos sem manutenção, vasos de terra com
plantas.
Corrigir a umidade ambiental; manter sob controle rígido
vazamentos, infiltrações e condensação de água; higienizar
os ambientes e componentes do sistema de climatização ou
manter tratamento contínuo para eliminar as fontes; eliminar
materiais porosos contaminados; eliminar ou restringir
vasos de plantas com cultivo em terra, ou substituir pelo
cultivo em água (hidroponia); utilizar filtros G-1 na
renovação do ar externo.
Protozoários
Reservatórios de água contaminada, bandejas e
umidificadores de condicionadores sem
manutenção.
Higienizar o reservatório ou manter tratamento contínuo
para eliminar as fontes.
Vírus Hospedeiro humano.
Adequar o número de ocupantes por m 2 de área com
aumento da renovação de ar; evitar a presença de pessoas
infectadas nos ambientes climatizados
Algas Torres de resfriamento e bandejas de
condensado.
Higienizar os reservatórios e bandejas de condensado ou
manter tratamento contínuo para eliminar as fontes.
Pólen Ar externo. Manter filtragem de acordo com NBR-6401 da ABNT
Artrópodes Poeira caseira.
Higienizar as superfícies fixas e mobiliário, especialmente
os revestidos com tecidos e tapetes; restringir ou eliminar o
uso desses revestimentos.
Animais Roedores, morcegos e aves.
Restringir o acesso, controlar os roedores, os morcegos,
ninhos de aves e respectivos excrementos.
http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1
saudalidade do ambiente
1) temperatura,
2) umidade,
3) difusão e
4) renovação do ar
http://www.lookfordiagnosis.com/mesh_info.php?term=Sistema+Respiratório&lang=3
Climatização e Saúde
Climatização e Saúde
Climatização e Saúde
O Paciente deve:
-Usar medicação de resgate
-Não interromper a medicação de Controle
-Procurar Urgência Médica
MEDIDOR DE PICO EXPIRATÓRIO
17
 Peak Flow Meter (Medicate)-acompanham fitas coloridas para demarcação das zonas
de controle (zonas coloridas de conforto e risco). Ponteiras descartáveis (podem ser
cobradas de cada paciente).
ZONA VERDE
PFE 80% a 100% do "melhor PFE pessoal":
SIGA – você dever estar relativamente livre de sintomas e pode
manter seu regime médico atual. Se você está usando
medicações cronicamente e o PFE está constantemente na zona
verde, com mínima variação, seu médico pode considerar uma
gradual diminuição da sua medicação diária.
ZONA AMARELA
PFE 50% a 80% do "melhor PFE pessoal":
ATENÇÃO – A asma está piorando. Um aumento temporário na
medicação para a asma é indicado. Se você usa medicação crônica, a
terapia de manutenção irá provavelmente precisar ser aumentada.
Entre em contato com seu médico para ajustar seu tratamento.
ZONA VERMELHA
PFE abaixo de 50% do "melhor PFE pessoal":
PERIGO – O controle da asma está falhando. Use seu broncodilatador
inalatório. Se o PFE não retornar a zona amarela, entre em contato
com seu médico imediatamente, ou inicie terapia agressiva orientada
MANEJO DA ASMA: SISTEMA DO SEMÁFORO
Inalação ou Nebulização
Nebulização- transformação de um medicamento líquido em um medicamento
inalável, realizado por meio de inalador onde pressão do oxigênio faz com que as
moléculas se transformem em minúsculas gotas suspensas no ar, fazendo desse
modo que cheguem aos pulmões.
 Serviço de fácil acesso para pacientes, com preparo e monitoramento pelo
farmacêutico.
Indicações: DPOC, ASMA,BRONQUITE,
PNEUMONIA, FIBROSE PULMONAR
RESFRIADOS E OUTRAS DOENÇAS
RESPIRATÓRIAS
19
Requisitos Básicos para este Serviço
• Sala Ventilada, área mínima de 3 m2 ou de acordo com a VISA local.
• Chãos com bordas arredondadas e de material epóxi para fácil limpeza e
assepsia.
• Pia (inóx), torneira com bancada de fácil assepsia, Cadeira e tomada.
• A sala deve ter porta para separação da área comum da Farmácia
• Aparelho de compressor de ar ou cilindros de oxigênio
• Máscaras para adulto e criança, conectores e copo-medida (descartável)
• Disponibilizar medicação e diluentes exclusivos para cada paciente.
20
Doenças Respiratórias Crônicas – CAB - 2010
A reclassificação dos fatores de risco da DPOC com o sistema de es
para a melhoria dos resultados de saúde
Contexto
Não há um consenso universal quanto ao melhor sistema de est
obstrutiva crônica (DPOC). Embora os documentos (por ex., a In
pulmonar obstrutiva crônica [Global Initiative for Chronic Obstruc
tenham tradicionalmente usado o volume expiratório forçado em
foram adicionados parâmetros clínicos a algumas diretrizes (por ex., GOLD 2011) para melhorar o
parte da iniciativa de Avaliação Internacional Colaborativa de Coortes para DPOC (COPD Cohorts
Assessment, 3CIA), tivemos como objetivo investigar como pacientes individuais eram categorizad
comparar a precisão dos prognósticos dos documentos de estadiamento quanto à mortalidade.
Métodos
Pesquisamos relatos publicados de 1.º de janeiro de 2008 a 31 de dezembro de 2014. Usando dad
em participar e tinham uma quantidade mínima de informações necessárias para a GOLD 2007 e 2
agrupada dos dados existentes com base nos pacientes. Com o uso de dados brutos, recalculamo
participantes às classes I–IV da GOLD 2007, e estágios A–D da GOLD 2011. Usamos análise de s
regressão não paramétrica para modelar os dados de tempo até a morte e comparar os sistemas d
GOLD 2011 para prever a mortalidade.
Achados
Coletamos dados individuais de 15.632 pacientes de 22 coortes de DPOC de sete países, totalizan
média dos pacientes era 63,9 anos (DP 10,1); 10.751 (69%) eram homens. Com base somente no
A reclassificação dos fatores de risco da DPOC com o
sistema de estadiamento GOLD 2011 foi insuficiente para a
melhoria dos resultados de saúde .
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt3523_28_08_1998.html
Portaria 3523/1998 MS
http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/d094d3004e5f8dee981ddcd762e8a5ec/Resolucao_RE_n_
09.pdf?MOD=AJPERES
Resolução 09/2003 ANVISA
RDC nº 50/2002 ANVISA
http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/ca36b200474597459fc8df3fbc4c6735/RDC+Nº.+50,+DE+2
1+DE+FEVEREIRO+DE+2002.pdf?MOD=AJPERES

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Apresentacao Preserv -Enig
Apresentacao Preserv -EnigApresentacao Preserv -Enig
Apresentacao Preserv -Enig
Marcello Lasalvia
 
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Sérgio Rocha
 
Programa de Incentivo à Cogeração a Gás Natural
Programa de Incentivo à Cogeração a Gás NaturalPrograma de Incentivo à Cogeração a Gás Natural
Programa de Incentivo à Cogeração a Gás Natural
Sulgás
 
RDC_50_Climatizacao
RDC_50_ClimatizacaoRDC_50_Climatizacao
RDC_50_Climatizacao
Carlos Maciel
 
Apresentação a
Apresentação aApresentação a
Apresentação a
CaetanoJoseMaria
 
Cap vi climatização2013(6a)blogar
Cap vi climatização2013(6a)blogarCap vi climatização2013(6a)blogar
Cap vi climatização2013(6a)blogar
CaetanoJoseMaria
 
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferrazapostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
ROBINSON CARLOS CRISTOVAM SILVA
 
Apostila tecnologia-de-climatizacao-senai
Apostila tecnologia-de-climatizacao-senaiApostila tecnologia-de-climatizacao-senai
Apostila tecnologia-de-climatizacao-senai
andydurdem
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Powerpoint de Sistema de Refrigeração
Powerpoint de Sistema de RefrigeraçãoPowerpoint de Sistema de Refrigeração
Powerpoint de Sistema de Refrigeração
Edimilson de Jesus Lana
 
Apresentação do relatorio de estagio
Apresentação do relatorio de estagioApresentação do relatorio de estagio
Apresentação do relatorio de estagio
Miguel Farinha
 
Manual do tecnico_em_refrigeracao
Manual do tecnico_em_refrigeracaoManual do tecnico_em_refrigeracao
Manual do tecnico_em_refrigeracao
Cyrus Yuri
 

Destaque (12)

Apresentacao Preserv -Enig
Apresentacao Preserv -EnigApresentacao Preserv -Enig
Apresentacao Preserv -Enig
 
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
 
Programa de Incentivo à Cogeração a Gás Natural
Programa de Incentivo à Cogeração a Gás NaturalPrograma de Incentivo à Cogeração a Gás Natural
Programa de Incentivo à Cogeração a Gás Natural
 
RDC_50_Climatizacao
RDC_50_ClimatizacaoRDC_50_Climatizacao
RDC_50_Climatizacao
 
Apresentação a
Apresentação aApresentação a
Apresentação a
 
Cap vi climatização2013(6a)blogar
Cap vi climatização2013(6a)blogarCap vi climatização2013(6a)blogar
Cap vi climatização2013(6a)blogar
 
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferrazapostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
 
Apostila tecnologia-de-climatizacao-senai
Apostila tecnologia-de-climatizacao-senaiApostila tecnologia-de-climatizacao-senai
Apostila tecnologia-de-climatizacao-senai
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Powerpoint de Sistema de Refrigeração
Powerpoint de Sistema de RefrigeraçãoPowerpoint de Sistema de Refrigeração
Powerpoint de Sistema de Refrigeração
 
Apresentação do relatorio de estagio
Apresentação do relatorio de estagioApresentação do relatorio de estagio
Apresentação do relatorio de estagio
 
Manual do tecnico_em_refrigeracao
Manual do tecnico_em_refrigeracaoManual do tecnico_em_refrigeracao
Manual do tecnico_em_refrigeracao
 

Semelhante a Climatização e Saúde

5. DPOC.pdf
5. DPOC.pdf5. DPOC.pdf
5. DPOC.pdf
Nayara85
 
Gripe A Influenza H1 N1
Gripe A Influenza H1 N1Gripe A Influenza H1 N1
Gripe A Influenza H1 N1
Culinaria Fabula
 
Projeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bemProjeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bem
MARCIO LOPES
 
Consenso brasileiro uso surfactante sbp
Consenso brasileiro uso surfactante   sbpConsenso brasileiro uso surfactante   sbp
Consenso brasileiro uso surfactante sbp
Família Cleber Celi Nathanael
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
blogpneumo
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
blogpneumo
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
bianca375788
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
Bruno Cavalcante Costa
 
Nocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asmaNocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asma
Calculos Na Veia
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
IsadoraPereira32
 
Pcdt asma
Pcdt asmaPcdt asma
Pcdt asma
Arquivo-FClinico
 
Asma ministério da saúde
Asma   ministério da saúdeAsma   ministério da saúde
Asma ministério da saúde
adrianomedico
 
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadores
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadoresVivendo dpa guia_familiares_cuidadores
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadores
karol_ribeiro
 
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizadoLaec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
LAEC UNIVAG
 
Protocolo de intubacao_orotraqueal
Protocolo de intubacao_orotraquealProtocolo de intubacao_orotraqueal
Protocolo de intubacao_orotraqueal
gisa_legal
 
Espirometria
EspirometriaEspirometria
Espirometria
Emilene Santos
 
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdftcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
marcioafonsopolizell
 
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdfAula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdfAula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Giza Carla Nitz
 
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptxATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
lalalaEU MESMO
 

Semelhante a Climatização e Saúde (20)

5. DPOC.pdf
5. DPOC.pdf5. DPOC.pdf
5. DPOC.pdf
 
Gripe A Influenza H1 N1
Gripe A Influenza H1 N1Gripe A Influenza H1 N1
Gripe A Influenza H1 N1
 
Projeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bemProjeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bem
 
Consenso brasileiro uso surfactante sbp
Consenso brasileiro uso surfactante   sbpConsenso brasileiro uso surfactante   sbp
Consenso brasileiro uso surfactante sbp
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
 
Nocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asmaNocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asma
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
Pcdt asma
Pcdt asmaPcdt asma
Pcdt asma
 
Asma ministério da saúde
Asma   ministério da saúdeAsma   ministério da saúde
Asma ministério da saúde
 
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadores
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadoresVivendo dpa guia_familiares_cuidadores
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadores
 
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizadoLaec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
 
Protocolo de intubacao_orotraqueal
Protocolo de intubacao_orotraquealProtocolo de intubacao_orotraqueal
Protocolo de intubacao_orotraqueal
 
Espirometria
EspirometriaEspirometria
Espirometria
 
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdftcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
 
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdfAula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
 
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdfAula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
 
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptxATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
 

Mais de Rinaldo Ferreira

Serviço clínico farmacêutico aplicado à homeopatia
Serviço clínico farmacêutico aplicado à homeopatiaServiço clínico farmacêutico aplicado à homeopatia
Serviço clínico farmacêutico aplicado à homeopatia
Rinaldo Ferreira
 
Semiologia rio aluno pdf
Semiologia rio aluno pdfSemiologia rio aluno pdf
Semiologia rio aluno pdf
Rinaldo Ferreira
 
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
Rinaldo Ferreira
 
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços FarmacêuticosJoão Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
Rinaldo Ferreira
 
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em AracajuServiços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Rinaldo Ferreira
 
Catabolismo de lipídios
Catabolismo de lipídiosCatabolismo de lipídios
Catabolismo de lipídios
Rinaldo Ferreira
 
Anabolismo e catabolismo de aminoácidos
Anabolismo e catabolismo de aminoácidosAnabolismo e catabolismo de aminoácidos
Anabolismo e catabolismo de aminoácidos
Rinaldo Ferreira
 
Anabolismo de lipídios
Anabolismo de lipídiosAnabolismo de lipídios
Anabolismo de lipídios
Rinaldo Ferreira
 
Inove 2012 novembro
Inove 2012 novembroInove 2012 novembro
Inove 2012 novembro
Rinaldo Ferreira
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
Rinaldo Ferreira
 
Prescrição Farmacêutica
Prescrição FarmacêuticaPrescrição Farmacêutica
Prescrição Farmacêutica
Rinaldo Ferreira
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
Rinaldo Ferreira
 
Enzimas 26 09 2012
Enzimas 26 09 2012Enzimas 26 09 2012
Enzimas 26 09 2012
Rinaldo Ferreira
 
Falando do mercado e da farma e farma
Falando do mercado e da farma e farmaFalando do mercado e da farma e farma
Falando do mercado e da farma e farma
Rinaldo Ferreira
 
Inove 2012 setembro
Inove 2012 setembroInove 2012 setembro
Inove 2012 setembro
Rinaldo Ferreira
 
Mip
MipMip
Proteínas 07 05 06
Proteínas 07 05 06Proteínas 07 05 06
Proteínas 07 05 06
Rinaldo Ferreira
 
Lipídios 12 11 06
Lipídios 12 11 06Lipídios 12 11 06
Lipídios 12 11 06
Rinaldo Ferreira
 
Enzimas 09 10 2011
Enzimas 09 10 2011Enzimas 09 10 2011
Enzimas 09 10 2011
Rinaldo Ferreira
 

Mais de Rinaldo Ferreira (20)

Serviço clínico farmacêutico aplicado à homeopatia
Serviço clínico farmacêutico aplicado à homeopatiaServiço clínico farmacêutico aplicado à homeopatia
Serviço clínico farmacêutico aplicado à homeopatia
 
Semiologia rio aluno pdf
Semiologia rio aluno pdfSemiologia rio aluno pdf
Semiologia rio aluno pdf
 
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
 
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços FarmacêuticosJoão Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
 
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em AracajuServiços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
 
Catabolismo de lipídios
Catabolismo de lipídiosCatabolismo de lipídios
Catabolismo de lipídios
 
Anabolismo e catabolismo de aminoácidos
Anabolismo e catabolismo de aminoácidosAnabolismo e catabolismo de aminoácidos
Anabolismo e catabolismo de aminoácidos
 
Anabolismo de lipídios
Anabolismo de lipídiosAnabolismo de lipídios
Anabolismo de lipídios
 
Inove 2012 novembro
Inove 2012 novembroInove 2012 novembro
Inove 2012 novembro
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
 
Prescrição Farmacêutica
Prescrição FarmacêuticaPrescrição Farmacêutica
Prescrição Farmacêutica
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
 
Enzimas 26 09 2012
Enzimas 26 09 2012Enzimas 26 09 2012
Enzimas 26 09 2012
 
Falando do mercado e da farma e farma
Falando do mercado e da farma e farmaFalando do mercado e da farma e farma
Falando do mercado e da farma e farma
 
Inove 2012 setembro
Inove 2012 setembroInove 2012 setembro
Inove 2012 setembro
 
Mip
MipMip
Mip
 
Adocantes 12 04 09
Adocantes 12 04 09Adocantes 12 04 09
Adocantes 12 04 09
 
Proteínas 07 05 06
Proteínas 07 05 06Proteínas 07 05 06
Proteínas 07 05 06
 
Lipídios 12 11 06
Lipídios 12 11 06Lipídios 12 11 06
Lipídios 12 11 06
 
Enzimas 09 10 2011
Enzimas 09 10 2011Enzimas 09 10 2011
Enzimas 09 10 2011
 

Climatização e Saúde

  • 1. Climatização e Saúde Prof. Dr. Rinaldo Ferreira
  • 2. http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1 Uma pessoa respira cerca de 10 mil litros de ar por dia e passa 85%dele dentro de ambientes fechados,
  • 3. http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1 Ambientes climatizados, como hospitais, escritórios, academias, bancos, carros, residências,entre outros.
  • 6. http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1 climatização do ar e ambiente confortável, a temperatura média utilizada deve ser de 24ºC, o que permite uma umidade relativa do ar em torno 55%,
  • 7. http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1 Difusão do ar alta sente o vento tocando a pele, faz mal à saúde e não é agradável;
  • 8. http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1 pouca difusão do ar ambiente não refrigera, pode ser sujeira; o cheiroestá ruim, pode ser falta de manutenção;
  • 9. http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1 se não houver renovaçãodo ar interno e externo e filtragem adequadas, o ar tende a ficar poluído e a concentração de CO2 aumenta e, como consequência,
  • 11. http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/d094d3004e5f8dee981ddcd762e8a5ec/Resolucao_RE_n_ 09.pdf?MOD=AJPERES Agentes biológicos Principais fontes em ambientes interiores Principais Medidas de correção em ambientes interiores Bactérias Reservatórios com água estagnada, torres de resfriamento, bandejas de condensado, desumificadores, umidificadores, serpentinas de condicionadores de ar e superfícies úmidas e quentes. Realizar a limpeza e a conservação das torres de resfriamento; higienizar os reservatórios e bandejas de condensado ou manter tratamento contínuo para eliminar as fontes; eliminar as infiltrações; higienizar as superfícies. Fungos Ambientes úmidos e demais fontes de multiplicação fúngica, como materiais porosos orgânicos úmidos, forros, paredes e isolamentos úmidos; ar externo, interior de condicionadores e dutos sem manutenção, vasos de terra com plantas. Corrigir a umidade ambiental; manter sob controle rígido vazamentos, infiltrações e condensação de água; higienizar os ambientes e componentes do sistema de climatização ou manter tratamento contínuo para eliminar as fontes; eliminar materiais porosos contaminados; eliminar ou restringir vasos de plantas com cultivo em terra, ou substituir pelo cultivo em água (hidroponia); utilizar filtros G-1 na renovação do ar externo. Protozoários Reservatórios de água contaminada, bandejas e umidificadores de condicionadores sem manutenção. Higienizar o reservatório ou manter tratamento contínuo para eliminar as fontes. Vírus Hospedeiro humano. Adequar o número de ocupantes por m 2 de área com aumento da renovação de ar; evitar a presença de pessoas infectadas nos ambientes climatizados Algas Torres de resfriamento e bandejas de condensado. Higienizar os reservatórios e bandejas de condensado ou manter tratamento contínuo para eliminar as fontes. Pólen Ar externo. Manter filtragem de acordo com NBR-6401 da ABNT Artrópodes Poeira caseira. Higienizar as superfícies fixas e mobiliário, especialmente os revestidos com tecidos e tapetes; restringir ou eliminar o uso desses revestimentos. Animais Roedores, morcegos e aves. Restringir o acesso, controlar os roedores, os morcegos, ninhos de aves e respectivos excrementos.
  • 12. http://www.abrava.com.br/a-relacao-do-ar-condicionado-e-o-conforto-humano-1 saudalidade do ambiente 1) temperatura, 2) umidade, 3) difusão e 4) renovação do ar http://www.lookfordiagnosis.com/mesh_info.php?term=Sistema+Respiratório&lang=3
  • 16. O Paciente deve: -Usar medicação de resgate -Não interromper a medicação de Controle -Procurar Urgência Médica
  • 17. MEDIDOR DE PICO EXPIRATÓRIO 17  Peak Flow Meter (Medicate)-acompanham fitas coloridas para demarcação das zonas de controle (zonas coloridas de conforto e risco). Ponteiras descartáveis (podem ser cobradas de cada paciente).
  • 18. ZONA VERDE PFE 80% a 100% do "melhor PFE pessoal": SIGA – você dever estar relativamente livre de sintomas e pode manter seu regime médico atual. Se você está usando medicações cronicamente e o PFE está constantemente na zona verde, com mínima variação, seu médico pode considerar uma gradual diminuição da sua medicação diária. ZONA AMARELA PFE 50% a 80% do "melhor PFE pessoal": ATENÇÃO – A asma está piorando. Um aumento temporário na medicação para a asma é indicado. Se você usa medicação crônica, a terapia de manutenção irá provavelmente precisar ser aumentada. Entre em contato com seu médico para ajustar seu tratamento. ZONA VERMELHA PFE abaixo de 50% do "melhor PFE pessoal": PERIGO – O controle da asma está falhando. Use seu broncodilatador inalatório. Se o PFE não retornar a zona amarela, entre em contato com seu médico imediatamente, ou inicie terapia agressiva orientada MANEJO DA ASMA: SISTEMA DO SEMÁFORO
  • 19. Inalação ou Nebulização Nebulização- transformação de um medicamento líquido em um medicamento inalável, realizado por meio de inalador onde pressão do oxigênio faz com que as moléculas se transformem em minúsculas gotas suspensas no ar, fazendo desse modo que cheguem aos pulmões.  Serviço de fácil acesso para pacientes, com preparo e monitoramento pelo farmacêutico. Indicações: DPOC, ASMA,BRONQUITE, PNEUMONIA, FIBROSE PULMONAR RESFRIADOS E OUTRAS DOENÇAS RESPIRATÓRIAS 19
  • 20. Requisitos Básicos para este Serviço • Sala Ventilada, área mínima de 3 m2 ou de acordo com a VISA local. • Chãos com bordas arredondadas e de material epóxi para fácil limpeza e assepsia. • Pia (inóx), torneira com bancada de fácil assepsia, Cadeira e tomada. • A sala deve ter porta para separação da área comum da Farmácia • Aparelho de compressor de ar ou cilindros de oxigênio • Máscaras para adulto e criança, conectores e copo-medida (descartável) • Disponibilizar medicação e diluentes exclusivos para cada paciente. 20
  • 22. A reclassificação dos fatores de risco da DPOC com o sistema de es para a melhoria dos resultados de saúde Contexto Não há um consenso universal quanto ao melhor sistema de est obstrutiva crônica (DPOC). Embora os documentos (por ex., a In pulmonar obstrutiva crônica [Global Initiative for Chronic Obstruc tenham tradicionalmente usado o volume expiratório forçado em foram adicionados parâmetros clínicos a algumas diretrizes (por ex., GOLD 2011) para melhorar o parte da iniciativa de Avaliação Internacional Colaborativa de Coortes para DPOC (COPD Cohorts Assessment, 3CIA), tivemos como objetivo investigar como pacientes individuais eram categorizad comparar a precisão dos prognósticos dos documentos de estadiamento quanto à mortalidade. Métodos Pesquisamos relatos publicados de 1.º de janeiro de 2008 a 31 de dezembro de 2014. Usando dad em participar e tinham uma quantidade mínima de informações necessárias para a GOLD 2007 e 2 agrupada dos dados existentes com base nos pacientes. Com o uso de dados brutos, recalculamo participantes às classes I–IV da GOLD 2007, e estágios A–D da GOLD 2011. Usamos análise de s regressão não paramétrica para modelar os dados de tempo até a morte e comparar os sistemas d GOLD 2011 para prever a mortalidade. Achados Coletamos dados individuais de 15.632 pacientes de 22 coortes de DPOC de sete países, totalizan média dos pacientes era 63,9 anos (DP 10,1); 10.751 (69%) eram homens. Com base somente no A reclassificação dos fatores de risco da DPOC com o sistema de estadiamento GOLD 2011 foi insuficiente para a melhoria dos resultados de saúde .
  • 23. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt3523_28_08_1998.html Portaria 3523/1998 MS http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/d094d3004e5f8dee981ddcd762e8a5ec/Resolucao_RE_n_ 09.pdf?MOD=AJPERES Resolução 09/2003 ANVISA RDC nº 50/2002 ANVISA http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/ca36b200474597459fc8df3fbc4c6735/RDC+Nº.+50,+DE+2 1+DE+FEVEREIRO+DE+2002.pdf?MOD=AJPERES