SlideShare uma empresa Scribd logo
Biomas brasileiros
Biogeografia
• Estuda a distribuição de espécies vegetais e
animais(fitogeográfico e zoogeográfico);
• Classificação:
• Quanto ao grau de Umidade:
• Higrófitas - adaptam-se aos ambientes úmidos;
• Hidrófitas - Quando vivem dentro d’água;
• Mesófilas - adaptam-se aos ambientes com
regularidade de chuvas;
• Tropófitas - adaptam-se aos ambientes
alternadamente úmidos e secos;
Quanto ao Ambiente:
Halófita - adaptam-se aos ambientes salgados.
Xerófitas - adaptam-se aos climas áridos e semiáridos;
Quanto às Folhas:
Caducifólias- quando todas as folhas caem numa estação;
Perenifólias - sempre verde, nunca perde todas as suas
folhas.
Quanto à Forma:
Latifoliadas folhas largas e verdes;
Aciculifoliadas - folhas em forma de ponta.

Quanto à Formação:
Arbóreaárvores de grande porte;
Arbustiva- árvores de pequeno e médio porte;
Herbácea- vegetação de campos, gramíneas.
Quanto à variedades das espécies:
Homogênea- predomínio de poucas espécies;
Heterogênea- várias espécies numa mesma região.
Música: Xote Ecológico

(Estilo: MPB-Forró )
Música composta por Luiz Gonzaga e Aguinaldo Batista
Retrata os dilemas ambientais vividos atualmente pelos seres vivos.

Xote Ecológico
Não posso respirar, não posso mais nadar
A terra está morrendo, não dá mais pra plantar
Se plantar não nasce se nascer não dá
Até pinga da boa é difícil de encontrar
Refrão
Cadê a flor que estava ali?
Poluição comeu !
E o peixe que é do mar?
Poluição comeu
E o verde onde que está ?
Poluição comeu
Nem o Chico Mendes sobreviveu

Vídeo-aula “Xote Ecológico”: http://youtu.be/jmqYEOhLpsM
Música: O Rio (Marisa Monte)
Autores: Seu Jorge, Carlinhos Brown, Arnaldo Antunes, Marisa Monte

•

Letra da música
Ouve o barulho do rio, meu filho
Deixa esse som te embalar
As folhas que caem no rio, meu filho
Terminam nas águas do mar
Quando amanhã por acaso faltar
Uma alegria no seu coração
Lembra do som dessas águas de lá
Faz desse rio a sua oração
Lembra, meu filho, passou, passará
Essa certeza, a ciência nos dá
Que vai chover quando o sol se cansar
Para que flores não faltem jamais

Vídeo “Biomas Brasil, Floresta Amazônica”: http://youtu.be/2V3nFNoz5UY
Biomas Brasileiros – Parte I
Conceito definição, principal característica, mapa biomas do Brasil

1.Conceito/definição:
Não há definição única para bioma. Cada autor dá uma conceituação diferente. Moreira (2009)
define assim: “ Os Biomas são sistemas em que solo, clima, relevo, fauna , flora e demais elementos
da natureza interagem entre si , formando tipos semelhantes de cobertura vegetal, como as florestas
tropicais, florestas temperadas, pradarias, desertos e tundras”.

A palavra bioma vem de bios = vida e Oma = grupo ou massa.
2. Característica principal:
Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação, mas no mesmo bioma pode existir
diversos outros tipos de plantas. Os seres vivos de um bioma vivem de forma adaptada às condições
da natureza: vegetação, chuva, umidade, calor, etc.
Concluímos que bioma é um conjunto de ecossistemas que funciona de forma estável.
Quanto aos biomas brasileiros, caracterizam-se no geral, por uma grande diversidade de animais e
vegetais que enriquecem a nossa biodiversidade.

3. Observe os dois mapas a seguir que mostram os seis biomas do Brasil. Perceba que
o primeiro mapa destina-se a facilitar que você identifique os estados e regiões naturais onde se
localiza cada um dos seis biomas. A diferença para o segundo mapa é apenas a ausência da divisão
político- geográfica do Brasil. Nele você identifica com clareza a área que cada bioma abrange.
Biomas Brasileiros
IBGE Lança o Mapa de Biomas do Brasil em Comemoração ao Dia Mundial da Biodiversidade
(Brasília, 21 de maio de 2004)

Fonte: http://siscom.ibama.gov.br/monitorabiomas/
Acessado em 10 de Julho de 2012
REGIÃO DE CERRADO
CERRADO
É a segunda maior formação vegetal brasileira;
Abrange dez estados do Brasil do centro-oeste,
do norte, nordeste e sudeste;
Restam apenas 20% desta cobertura vegetal, tipica do clima tropical;
O solo deficiente em nutrientes e rico em ferro
e alumínio, abriga plantas de aparência seca.
Apresenta uma heterogeneidade de espécies
de vegetais e um elevado grau de endemismo.
O cerrado é o sistema ambiental brasileiro
que
mais sofreu alteração com a ocupação
humana;
De um modo geral, podemos distinguir dois
estratos na vegetação dos Cerrados: o estrato
lenhoso, constituído por árvores e arbustos, e
o estrato herbáceo, formado por ervas e subarbustos.
O relevo do Cerrado é em geral bastante
plano ou suavemente ondulado, estendendose por imensos planaltos ou chapadões
CERRADO
CAATINGA

• Ocupa quase 10% do território nacional, com
736.833 km², a Caatinga abrange os estados
do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba,
Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, Piauí e
norte de Minas Gerais;
• Caatinga surpreende com suas "ilhas de
umidade" e solos férteis. São os brejos,
• A caatinga é um revestimento vegetal
fisionomicamente
complexo,
mas
de
reconhecida unidade ambiental, cujo traço
comum é a semi-aridez.
MANDACARU
• A irregularidade climática é um dos fatores
que mais interferem na vida do sertanejo.
• o solo pedregoso não consegue armazenar a
água que cai e a temperatura elevada (médias
entre 25 e 29°C) provoca intensa evaporação;
• Cerca de 20 milhões de brasileiros vivem na
região coberta pela Caatinga, em quase 800
mil km2 de área.
CAATINGA
FLORESTA AMAZÔNICA
• Quente e úmido de alta pluviosidade;
• Vegetação densa, heterogênea e latifoliada;
• Grande biodiversidade Porém, apesar dessa
riqueza, o ecossistema local é frágil.
• O solo amazônico é bastante pobre;
• A hiléia amazônica (Alexander von Humboldt)
possui espécies arbóreas contínua de copas,
situadas a 50 metros do solo;
• É megatérmica e autofágica; A floresta vive do seu
próprio material orgânico, em meio a um ambiente
úmido, com chuvas abundantes (higrofila);
• Contribuiu com 15% a 20% dos PIB dos estados do
Pará, Mato Grosso e Rondônia.
Biomas brasileiros
Biomas brasileiros
Biomas brasileiros
MATA ATLÂNTICA
Biomas brasileiros
• Originalmente percorria o litoral brasileiro, do
Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul, e
ocupava uma área de 1,3 milhão K2;
• Ação antrópica: Agricultura (café, cana - de
açúcar) e urbanização;
• Atualmente, da segunda maior floresta
brasileira, restam apenas cerca de 5% de sua
extensão original;
• Apesar de reduzida a poucos fragmentos, na
sua maioria descontínuos, a biodiversidade de
seu ecossistema é uma dos maiores do
planeta.
• Hoje a maioria da área litorânea que era coberta
pela Mata Atlântica é ocupada por grandes cidades,
pastos e agricultura. restam manchas da floresta na
Serra do Mar e na Serra da Mantiqueira, no sudeste
do Brasil.
• Esse tipo de formação florestal recebe várias
denominações: floresta latifoliada tropical úmida de
encosta, mata pluvial tropical e mata atlântica;
• Clima quente, formação arbórea condicionada ao
relevo serrano e à umidade oceânica.
• Apresenta um solo pobre, mas mantém uma
floresta riquíssima em espécies, graças à rápida
reciclagem da enorme quantidade de matéria
orgânica que se acumula ao húmus.
MATA DE ARAUCÁRIAS
• Encontra-se ao longo do Planalto meridional,
nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e
Santa Catarina;
• De modo geral pode-se dizer que seu aparecimento se acha ligado ao clima (subtropical ),
que é condicionado pelo relevo e pela
latitude;
• Constitui uma formação aberta, homogênea,
que permite facilmente a extração de
madeiras (chamadas mole), as Araucárias,
constituem a nossa única floresta subtropical
PINHEIRO DO PARANÁ
• A destruição dessas matas, sem deixar
reservas em seu lugar, vem aumentando
gradativamente a variação das precipitações
na região Sul;
• A exploração madeireira pelas indústrias de
moveis e de papel celulose. são a responsável
direta pela ameaça das espécies da Araucária
e a Imbuia;
• Araucaria angustifolia adapta-se facilmente às
baixas temperaturas, ao relevo, ao solo
basalto, do Planalto Arenito-basáltico ou
meridional;
PANTANAL MATOGROSSENSE
• Sua área é de 138.183 km² (64,64% em Mato
Grosso do Sul e 35,36% ) em Mato Grosso
Considerada uma planícies de sedimentação;
• Data do período quartanário de era cenozóica;
• O clima é quente e úmido, no verão, e frio e
seco, no inverno. A maior parte dos solos do
Pantanal são arenosos;
• A vegetação do Pantanal não é homogênea e
há um padrão diferente de flora de acordo
com o solo e a altitude do relevo.
Biomas brasileiros
• A pecuária é a principal atividade econômica
do Pantanal;
• Outra atividade é o ecoturismo, modalidade
de turismo sustentável.
• Entre os problemas ambientais do Pantanal
são
provocado
pela
pecuária
,o
desmatamento para produção de carvão
vegetal e mineração;
• É uma vegetação de transição;
• equilíbrio desse ecossistema depende do fluxo
de entrada e saída de enchentes da bacia do
rio
MATA DOS COCAIS
• Uma vegetação de transição entre a Floresta
Amazônica úmida ao oeste, a caatinga seca à
leste e o Cerrado semi-úmido ao sul.
• As vegetações típicas da Mata dos Cocais são:
babaçu (em maior quantidade), carnaúba,
oiticica, tucum e buriti;
• São florestas secundárias, isto é, cresceram
após o desmatamento das plantas originais;
• A extrativismo é a principal atividade econôna Mata dos Cocais.
Biomas brasileiros
VEGETAÇÃO LITORÂNEA
As planícies litorâneas são áreas formadas por
sedimentos marinhos durante o quaternário;
O solo do manguezal caracteriza-se por ser
úmido, salgado, lodoso, pobre em oxigênio e
muito rico em nutrientes.
Tipos de mangue:
MangueVermelho, em solos lodosos, com raízes
aéreas;
Mangue Branco, em terrenos mais altos, de solo
mais firme, associado a formações arenosas.
A vegetação de restinga ocorre quase que
exclusivamente nas planícies costeiras;
trata-se de uma vegetação edáfica;
A vegetação impede que a areia invada o
manguezal;
Suporta altas temperaturas e salinidade;
As bromélias equilibra o sistema, por sua
capacidade de reter água e nutrientes;
Próximo ao mar, sobre areia seca e
encontramos vegetação rasteira (em dunas) e
alguns arbusto arbustos.
Biomas brasileiros
Vegetação do Maranhão
• Apresenta diversidade de tipos fitofisionômicos;
FATORES QUE CONTRIBUEM:

• Reflete as características dos tipos de clima, das
variações de temperatura, umidade e das
condições pedológicas;
• Do relevo plano e predominantemente baixo;
• A diversidade das paisagens é atribuída,
também, ao
caráter transacional de seu
território;
PRINCIPAIS TIPOS:

 Floresta Equatorial;
 Cerrado;
 Matas de cocais (Babaçual);
 Veg. Litorânea ( Mangue);
 Veg. Litorânea (Dunas e restingas);
 Vegetação de Campos;
 Contato de Cerrado /
Caatintinga;
Floresta Amazônica
Amazônia Maranhense, localiza-se nas porções
noroeste e oeste do território (34% do estado);
É uma Vegetação Ombrófila ( Densa e Aberta ),
heterogênea,
latifoliada,
Higrófila
e
megatérmica;
Na porção noroeste, está adaptada a altas
temperaturas e ao alto índice de precipitação ao
longo de ano, é Ombrófila Densa;
Na porção oeste, numa faixa de transição entre a
floresta amazônica e as regiões extraamazônicas é Ombrófila Aberta;
 É uma vegetação que se alimenta de sol, de água e
de si mesma, num solo pobre;
 Sofre com as queimadas e
desmatamentos devido avanços das atividades: Agropecuária, Mineração e
Madeireira na região da amazônia legal;
 O Maranhão é o 5º entre
os estados da Amazônia
legal que mais desmata.
Vegetação Cerrado
Cobre as porções centro-meridional, com
manchas no leste e nordeste do território;
É típico de áreas com clima estacional (mais ou
menos seis meses secos no ano) clima tropical;
 É arbustiva, com troncos e galhos retorcidos,
associados a uma vegetação herbácea;
Está adaptada ao Latossolos amarelo, que
apresenta restrições química;
No sudeste maranhense os arbustos são de
portes menores e mais distantes (Campos dos
Cerradinhos).
 No sul do Maranhão,
do Piauí e do oeste
baiano, onde domina
um clima com período
seco e um
chuvoso em uma topografia plana, a agricultura mecanizada avança, ao mesmo tempo
em que os solos respondem à moderna
tecno- logia
empregada, tornando-se uma fronteira
agrícola (pólo de grãos)
Matas de cocais
É paisagem característica do Maranhão;
Apresenta-se associado com os campos, ao
norte, a leste com o cerrado e a oeste com a
floresta amazônica;
Seu foco principal é na zona central dos vales
dos rios Mearim, Grajaú, Itapecuru, Munim e
Pindaré;
Há um predomínio da palmácea de Babaçu no
Maranhão e da Carnaúba no Piauí.
Matas de cocais
 É de muita importância para
diversos grupos econômicos
extrativistas na transição
entre Amazônia, o cerrado e
a caatinga;
 A expansão agricultura, da
pecuária fez crescer o processo de desmatamento dos
baçuais;
 Foi aprovada , 1997, no mu
nicípio de Lago do Junco, na
região central do Maranhão,
a Lei do Babaçu Livre;
Vegetação Litorânea: Mangue
Os mangues são ecossistemas presentes em
todo o litoral brasileiro;
O Maranhão é o estado com maior
concentração de mangue no país e uma das
maiores do mundo;
São importantes para a cadeia alimentar da vida
oceânica e fundamental para as populações que
vivem da pesca;
A poluição de rios e mares em conjunto com a
especulação imobiliária nas regiões litorâneas
tem afetado as áreas de mangues
Mangue maranhense
Características principais:
 Localiza-se no litoral desde
a foz do Gurupi até a foz do
Periá;
 É uma vegetação arbustiva;
 Localizam-se no encontro
de rios e mares;
 Raízes externas (aéreas);
 Solo detrítico e pobre em
oxigênio;
 É halófita;
 A biodiversidade faz destas
áreas “ berçários” naturais.
Veg. Litorânea: Restinga e Dunas
 Localiza-se no litoral oridental maranhense;
 A vegetação de praias e dunas sofre o efeito contínuo
dos ventos marinhos, pelo
sol e as águas da maré alta.
 São fisionomicamente distintas, sob influência marinha e fluvio-marinha;
 São edáficas (condicionada
pelas condições do solo do
que pelo clima);
Vegetação de Campos
 Localiza-se próxima ao
Golfão Maranhense;
 É uma vegetação herbácia
alagável pelos rios e lagos
da Baixada maranhense;
 Estende-se por 20 mil/k2
nos baixos cursos dos rios
Mearim , Pindaré e médios
e baixos cursos dos rios
Pericumã e Aurá;
 A Baixada Maranhense foi
transformada em APA pelo
governo em1991.
Biomas brasileiros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

II.1 O mundo dos seres vivos
II.1 O mundo dos seres vivosII.1 O mundo dos seres vivos
II.1 O mundo dos seres vivos
Rebeca Vale
 
Reprodução das plantas
Reprodução das plantasReprodução das plantas
Reprodução das plantas
Andrea Lemos
 
I.1 O que caracteriza um ser vivo
I.1 O que caracteriza um ser vivoI.1 O que caracteriza um ser vivo
I.1 O que caracteriza um ser vivo
Rebeca Vale
 
Ecossistemas 6º ano
Ecossistemas 6º anoEcossistemas 6º ano
Ecossistemas 6º ano
Fernanda Reis Dias
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
Turma Olímpica
 
7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivos7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivos
crisbassanimedeiros
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
Rebeca Vale
 
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Ronaldo Santana
 
Propriedades dos materiais 6 ano
Propriedades dos materiais 6 anoPropriedades dos materiais 6 ano
Propriedades dos materiais 6 ano
Rosimeire Carlos Peixoto
 
Hábitat e nicho
Hábitat e nichoHábitat e nicho
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
PIBID Joel Job
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
Cláudio Santos
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Leonardo Kaplan
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
matheusrl98
 
Materiais e Substâncias
Materiais e SubstânciasMateriais e Substâncias
Materiais e Substâncias
João Lopes
 
Fluxo de matéria e energia
Fluxo de matéria e energiaFluxo de matéria e energia
Fluxo de matéria e energia
Jonathan Nóbrega
 
Estrutura do átomo e semelhanças atômicas
Estrutura do átomo e semelhanças atômicasEstrutura do átomo e semelhanças atômicas
Estrutura do átomo e semelhanças atômicas
Paulo Alexandre
 
Biomas brasileiros.pptx
Biomas brasileiros.pptxBiomas brasileiros.pptx
Biomas brasileiros.pptx
KevinCezar
 
III.1 Água no ambiente e nos seres vivos
III.1 Água no ambiente e nos seres vivosIII.1 Água no ambiente e nos seres vivos
III.1 Água no ambiente e nos seres vivos
Rebeca Vale
 

Mais procurados (20)

II.1 O mundo dos seres vivos
II.1 O mundo dos seres vivosII.1 O mundo dos seres vivos
II.1 O mundo dos seres vivos
 
Reprodução das plantas
Reprodução das plantasReprodução das plantas
Reprodução das plantas
 
I.1 O que caracteriza um ser vivo
I.1 O que caracteriza um ser vivoI.1 O que caracteriza um ser vivo
I.1 O que caracteriza um ser vivo
 
Ecossistemas 6º ano
Ecossistemas 6º anoEcossistemas 6º ano
Ecossistemas 6º ano
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
 
7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivos7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivos
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
 
Propriedades dos materiais 6 ano
Propriedades dos materiais 6 anoPropriedades dos materiais 6 ano
Propriedades dos materiais 6 ano
 
Hábitat e nicho
Hábitat e nichoHábitat e nicho
Hábitat e nicho
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
 
Materiais e Substâncias
Materiais e SubstânciasMateriais e Substâncias
Materiais e Substâncias
 
Fluxo de matéria e energia
Fluxo de matéria e energiaFluxo de matéria e energia
Fluxo de matéria e energia
 
Estrutura do átomo e semelhanças atômicas
Estrutura do átomo e semelhanças atômicasEstrutura do átomo e semelhanças atômicas
Estrutura do átomo e semelhanças atômicas
 
Biomas brasileiros.pptx
Biomas brasileiros.pptxBiomas brasileiros.pptx
Biomas brasileiros.pptx
 
III.1 Água no ambiente e nos seres vivos
III.1 Água no ambiente e nos seres vivosIII.1 Água no ambiente e nos seres vivos
III.1 Água no ambiente e nos seres vivos
 

Destaque

Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Maicon Azevedo
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
Tânia Reis
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto baseCampanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Antonio De Assis Ribeiro
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Maria da Paz
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Colégio Nova Geração COC
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
ricardohenri
 
Biomas brasileiros, Mari e Cintia
Biomas brasileiros, Mari e CintiaBiomas brasileiros, Mari e Cintia
Biomas brasileiros, Mari e Cintia
toolsdivinopolis
 
Biodiversidade - Biomas Brasileiros
Biodiversidade - Biomas BrasileirosBiodiversidade - Biomas Brasileiros
Biodiversidade - Biomas Brasileiros
Angelita Silva
 
Pampas
PampasPampas
Pampas
Edmar Souza
 
Bioma pampa
Bioma pampaBioma pampa
Bioma pampa
Ted Fernandes
 
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
Srta Gecy
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Claudia Martins
 
Os biomas brasileiros
Os biomas brasileirosOs biomas brasileiros
Os biomas brasileiros
Portal do Vestibulando
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
André Luiz Marques
 
Biomas
BiomasBiomas
Campanha da fraternidade 2017 agir
Campanha da fraternidade 2017   agirCampanha da fraternidade 2017   agir
Campanha da fraternidade 2017 agir
Joseumar Miranda da Silva
 
Avaliação de Risco de Atividades de Terceiros
Avaliação de Risco de Atividades de TerceirosAvaliação de Risco de Atividades de Terceiros
Avaliação de Risco de Atividades de Terceiros
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Relatório de Vazamentos e Derramentos de Produtos Químicos
Relatório de Vazamentos e Derramentos de Produtos QuímicosRelatório de Vazamentos e Derramentos de Produtos Químicos
Relatório de Vazamentos e Derramentos de Produtos Químicos
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 

Destaque (20)

Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto baseCampanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros, Mari e Cintia
Biomas brasileiros, Mari e CintiaBiomas brasileiros, Mari e Cintia
Biomas brasileiros, Mari e Cintia
 
Biodiversidade - Biomas Brasileiros
Biodiversidade - Biomas BrasileirosBiodiversidade - Biomas Brasileiros
Biodiversidade - Biomas Brasileiros
 
Pampas
PampasPampas
Pampas
 
Bioma pampa
Bioma pampaBioma pampa
Bioma pampa
 
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Os biomas brasileiros
Os biomas brasileirosOs biomas brasileiros
Os biomas brasileiros
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Campanha da fraternidade 2017 agir
Campanha da fraternidade 2017   agirCampanha da fraternidade 2017   agir
Campanha da fraternidade 2017 agir
 
Avaliação de Risco de Atividades de Terceiros
Avaliação de Risco de Atividades de TerceirosAvaliação de Risco de Atividades de Terceiros
Avaliação de Risco de Atividades de Terceiros
 
Relatório de Vazamentos e Derramentos de Produtos Químicos
Relatório de Vazamentos e Derramentos de Produtos QuímicosRelatório de Vazamentos e Derramentos de Produtos Químicos
Relatório de Vazamentos e Derramentos de Produtos Químicos
 

Semelhante a Biomas brasileiros

Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
Washington sucupira
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
Washington sucupira
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Washington sucupira
 
Biomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do MundoBiomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do Mundo
Washington sucupira
 
Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1
Italo Alan
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
Italo Alan
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Italo Alan
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
leila Cardoso
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
Maria Lima
 
Modulo biomas
Modulo biomasModulo biomas
Modulo biomas
itamyr
 
AULA os_biomas_brasileiros.ppt
AULA os_biomas_brasileiros.pptAULA os_biomas_brasileiros.ppt
AULA os_biomas_brasileiros.ppt
LinoReis1
 
Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
petrivanacarvalho
 
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptx
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptxBiomas Brasileiro - Semana 36.pptx
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptx
JOZIMARAASSUNCAOCAMI
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Italo Alan
 
Os biomas-brasileiros
Os biomas-brasileirosOs biomas-brasileiros
Os biomas-brasileiros
eunamahcado
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
elves0927
 
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Italo Alan
 
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passamFauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Angelo Pcnp Tec Caieiras
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Deto - Geografia
 

Semelhante a Biomas brasileiros (20)

Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Biomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do MundoBiomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do Mundo
 
Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
 
Modulo biomas
Modulo biomasModulo biomas
Modulo biomas
 
AULA os_biomas_brasileiros.ppt
AULA os_biomas_brasileiros.pptAULA os_biomas_brasileiros.ppt
AULA os_biomas_brasileiros.ppt
 
Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
 
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptx
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptxBiomas Brasileiro - Semana 36.pptx
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptx
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Os biomas-brasileiros
Os biomas-brasileirosOs biomas-brasileiros
Os biomas-brasileiros
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
 
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
 
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passamFauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
 

Mais de Estude Mais

Teoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoTeoria da Evolução
Teoria da Evolução
Estude Mais
 
Exercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoExercício sobre Evolução
Exercício sobre Evolução
Estude Mais
 
Exercicios de estatistica
Exercicios de estatisticaExercicios de estatistica
Exercicios de estatistica
Estude Mais
 
O que é um seminario
O que é um seminarioO que é um seminario
O que é um seminario
Estude Mais
 
Guia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de semináriosGuia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de seminários
Estude Mais
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enem
Estude Mais
 
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemCilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Estude Mais
 
Exercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemExercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enem
Estude Mais
 
Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enem
Estude Mais
 
Ecologia comunidades
Ecologia comunidadesEcologia comunidades
Ecologia comunidades
Estude Mais
 
Sucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomasSucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomas
Estude Mais
 
Melhoramento genetico
Melhoramento geneticoMelhoramento genetico
Melhoramento genetico
Estude Mais
 
Questoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesQuestoes do enem de portugues
Questoes do enem de portugues
Estude Mais
 
Populacoes Biologicas
Populacoes BiologicasPopulacoes Biologicas
Populacoes Biologicas
Estude Mais
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
Estude Mais
 
Regime liberal populista
Regime liberal populistaRegime liberal populista
Regime liberal populista
Estude Mais
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
Estude Mais
 
Exercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaExercicios de Matematica
Exercicios de Matematica
Estude Mais
 
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Estude Mais
 
Energia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemasEnergia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemas
Estude Mais
 

Mais de Estude Mais (20)

Teoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoTeoria da Evolução
Teoria da Evolução
 
Exercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoExercício sobre Evolução
Exercício sobre Evolução
 
Exercicios de estatistica
Exercicios de estatisticaExercicios de estatistica
Exercicios de estatistica
 
O que é um seminario
O que é um seminarioO que é um seminario
O que é um seminario
 
Guia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de semináriosGuia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de seminários
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enem
 
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemCilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
 
Exercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemExercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enem
 
Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enem
 
Ecologia comunidades
Ecologia comunidadesEcologia comunidades
Ecologia comunidades
 
Sucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomasSucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomas
 
Melhoramento genetico
Melhoramento geneticoMelhoramento genetico
Melhoramento genetico
 
Questoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesQuestoes do enem de portugues
Questoes do enem de portugues
 
Populacoes Biologicas
Populacoes BiologicasPopulacoes Biologicas
Populacoes Biologicas
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
 
Regime liberal populista
Regime liberal populistaRegime liberal populista
Regime liberal populista
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Exercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaExercicios de Matematica
Exercicios de Matematica
 
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
 
Energia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemasEnergia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemas
 

Último

Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

Biomas brasileiros

  • 2. Biogeografia • Estuda a distribuição de espécies vegetais e animais(fitogeográfico e zoogeográfico); • Classificação: • Quanto ao grau de Umidade: • Higrófitas - adaptam-se aos ambientes úmidos; • Hidrófitas - Quando vivem dentro d’água; • Mesófilas - adaptam-se aos ambientes com regularidade de chuvas; • Tropófitas - adaptam-se aos ambientes alternadamente úmidos e secos;
  • 3. Quanto ao Ambiente: Halófita - adaptam-se aos ambientes salgados. Xerófitas - adaptam-se aos climas áridos e semiáridos; Quanto às Folhas: Caducifólias- quando todas as folhas caem numa estação; Perenifólias - sempre verde, nunca perde todas as suas folhas.
  • 4. Quanto à Forma: Latifoliadas folhas largas e verdes; Aciculifoliadas - folhas em forma de ponta. Quanto à Formação: Arbóreaárvores de grande porte; Arbustiva- árvores de pequeno e médio porte; Herbácea- vegetação de campos, gramíneas. Quanto à variedades das espécies: Homogênea- predomínio de poucas espécies; Heterogênea- várias espécies numa mesma região.
  • 5. Música: Xote Ecológico (Estilo: MPB-Forró ) Música composta por Luiz Gonzaga e Aguinaldo Batista Retrata os dilemas ambientais vividos atualmente pelos seres vivos. Xote Ecológico Não posso respirar, não posso mais nadar A terra está morrendo, não dá mais pra plantar Se plantar não nasce se nascer não dá Até pinga da boa é difícil de encontrar Refrão Cadê a flor que estava ali? Poluição comeu ! E o peixe que é do mar? Poluição comeu E o verde onde que está ? Poluição comeu Nem o Chico Mendes sobreviveu Vídeo-aula “Xote Ecológico”: http://youtu.be/jmqYEOhLpsM
  • 6. Música: O Rio (Marisa Monte) Autores: Seu Jorge, Carlinhos Brown, Arnaldo Antunes, Marisa Monte • Letra da música Ouve o barulho do rio, meu filho Deixa esse som te embalar As folhas que caem no rio, meu filho Terminam nas águas do mar Quando amanhã por acaso faltar Uma alegria no seu coração Lembra do som dessas águas de lá Faz desse rio a sua oração Lembra, meu filho, passou, passará Essa certeza, a ciência nos dá Que vai chover quando o sol se cansar Para que flores não faltem jamais Vídeo “Biomas Brasil, Floresta Amazônica”: http://youtu.be/2V3nFNoz5UY
  • 7. Biomas Brasileiros – Parte I Conceito definição, principal característica, mapa biomas do Brasil 1.Conceito/definição: Não há definição única para bioma. Cada autor dá uma conceituação diferente. Moreira (2009) define assim: “ Os Biomas são sistemas em que solo, clima, relevo, fauna , flora e demais elementos da natureza interagem entre si , formando tipos semelhantes de cobertura vegetal, como as florestas tropicais, florestas temperadas, pradarias, desertos e tundras”. A palavra bioma vem de bios = vida e Oma = grupo ou massa. 2. Característica principal: Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação, mas no mesmo bioma pode existir diversos outros tipos de plantas. Os seres vivos de um bioma vivem de forma adaptada às condições da natureza: vegetação, chuva, umidade, calor, etc. Concluímos que bioma é um conjunto de ecossistemas que funciona de forma estável. Quanto aos biomas brasileiros, caracterizam-se no geral, por uma grande diversidade de animais e vegetais que enriquecem a nossa biodiversidade. 3. Observe os dois mapas a seguir que mostram os seis biomas do Brasil. Perceba que o primeiro mapa destina-se a facilitar que você identifique os estados e regiões naturais onde se localiza cada um dos seis biomas. A diferença para o segundo mapa é apenas a ausência da divisão político- geográfica do Brasil. Nele você identifica com clareza a área que cada bioma abrange.
  • 8. Biomas Brasileiros IBGE Lança o Mapa de Biomas do Brasil em Comemoração ao Dia Mundial da Biodiversidade (Brasília, 21 de maio de 2004) Fonte: http://siscom.ibama.gov.br/monitorabiomas/ Acessado em 10 de Julho de 2012
  • 10. CERRADO É a segunda maior formação vegetal brasileira; Abrange dez estados do Brasil do centro-oeste, do norte, nordeste e sudeste; Restam apenas 20% desta cobertura vegetal, tipica do clima tropical; O solo deficiente em nutrientes e rico em ferro e alumínio, abriga plantas de aparência seca. Apresenta uma heterogeneidade de espécies de vegetais e um elevado grau de endemismo.
  • 11. O cerrado é o sistema ambiental brasileiro que mais sofreu alteração com a ocupação humana; De um modo geral, podemos distinguir dois estratos na vegetação dos Cerrados: o estrato lenhoso, constituído por árvores e arbustos, e o estrato herbáceo, formado por ervas e subarbustos. O relevo do Cerrado é em geral bastante plano ou suavemente ondulado, estendendose por imensos planaltos ou chapadões
  • 13. CAATINGA • Ocupa quase 10% do território nacional, com 736.833 km², a Caatinga abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, Piauí e norte de Minas Gerais; • Caatinga surpreende com suas "ilhas de umidade" e solos férteis. São os brejos, • A caatinga é um revestimento vegetal fisionomicamente complexo, mas de reconhecida unidade ambiental, cujo traço comum é a semi-aridez.
  • 15. • A irregularidade climática é um dos fatores que mais interferem na vida do sertanejo. • o solo pedregoso não consegue armazenar a água que cai e a temperatura elevada (médias entre 25 e 29°C) provoca intensa evaporação; • Cerca de 20 milhões de brasileiros vivem na região coberta pela Caatinga, em quase 800 mil km2 de área.
  • 18. • Quente e úmido de alta pluviosidade; • Vegetação densa, heterogênea e latifoliada; • Grande biodiversidade Porém, apesar dessa riqueza, o ecossistema local é frágil. • O solo amazônico é bastante pobre; • A hiléia amazônica (Alexander von Humboldt) possui espécies arbóreas contínua de copas, situadas a 50 metros do solo; • É megatérmica e autofágica; A floresta vive do seu próprio material orgânico, em meio a um ambiente úmido, com chuvas abundantes (higrofila); • Contribuiu com 15% a 20% dos PIB dos estados do Pará, Mato Grosso e Rondônia.
  • 24. • Originalmente percorria o litoral brasileiro, do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul, e ocupava uma área de 1,3 milhão K2; • Ação antrópica: Agricultura (café, cana - de açúcar) e urbanização; • Atualmente, da segunda maior floresta brasileira, restam apenas cerca de 5% de sua extensão original; • Apesar de reduzida a poucos fragmentos, na sua maioria descontínuos, a biodiversidade de seu ecossistema é uma dos maiores do planeta.
  • 25. • Hoje a maioria da área litorânea que era coberta pela Mata Atlântica é ocupada por grandes cidades, pastos e agricultura. restam manchas da floresta na Serra do Mar e na Serra da Mantiqueira, no sudeste do Brasil. • Esse tipo de formação florestal recebe várias denominações: floresta latifoliada tropical úmida de encosta, mata pluvial tropical e mata atlântica; • Clima quente, formação arbórea condicionada ao relevo serrano e à umidade oceânica. • Apresenta um solo pobre, mas mantém uma floresta riquíssima em espécies, graças à rápida reciclagem da enorme quantidade de matéria orgânica que se acumula ao húmus.
  • 26. MATA DE ARAUCÁRIAS • Encontra-se ao longo do Planalto meridional, nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina; • De modo geral pode-se dizer que seu aparecimento se acha ligado ao clima (subtropical ), que é condicionado pelo relevo e pela latitude; • Constitui uma formação aberta, homogênea, que permite facilmente a extração de madeiras (chamadas mole), as Araucárias, constituem a nossa única floresta subtropical
  • 28. • A destruição dessas matas, sem deixar reservas em seu lugar, vem aumentando gradativamente a variação das precipitações na região Sul; • A exploração madeireira pelas indústrias de moveis e de papel celulose. são a responsável direta pela ameaça das espécies da Araucária e a Imbuia; • Araucaria angustifolia adapta-se facilmente às baixas temperaturas, ao relevo, ao solo basalto, do Planalto Arenito-basáltico ou meridional;
  • 30. • Sua área é de 138.183 km² (64,64% em Mato Grosso do Sul e 35,36% ) em Mato Grosso Considerada uma planícies de sedimentação; • Data do período quartanário de era cenozóica; • O clima é quente e úmido, no verão, e frio e seco, no inverno. A maior parte dos solos do Pantanal são arenosos; • A vegetação do Pantanal não é homogênea e há um padrão diferente de flora de acordo com o solo e a altitude do relevo.
  • 32. • A pecuária é a principal atividade econômica do Pantanal; • Outra atividade é o ecoturismo, modalidade de turismo sustentável. • Entre os problemas ambientais do Pantanal são provocado pela pecuária ,o desmatamento para produção de carvão vegetal e mineração; • É uma vegetação de transição; • equilíbrio desse ecossistema depende do fluxo de entrada e saída de enchentes da bacia do rio
  • 34. • Uma vegetação de transição entre a Floresta Amazônica úmida ao oeste, a caatinga seca à leste e o Cerrado semi-úmido ao sul. • As vegetações típicas da Mata dos Cocais são: babaçu (em maior quantidade), carnaúba, oiticica, tucum e buriti; • São florestas secundárias, isto é, cresceram após o desmatamento das plantas originais; • A extrativismo é a principal atividade econôna Mata dos Cocais.
  • 37. As planícies litorâneas são áreas formadas por sedimentos marinhos durante o quaternário; O solo do manguezal caracteriza-se por ser úmido, salgado, lodoso, pobre em oxigênio e muito rico em nutrientes. Tipos de mangue: MangueVermelho, em solos lodosos, com raízes aéreas; Mangue Branco, em terrenos mais altos, de solo mais firme, associado a formações arenosas.
  • 38. A vegetação de restinga ocorre quase que exclusivamente nas planícies costeiras; trata-se de uma vegetação edáfica; A vegetação impede que a areia invada o manguezal; Suporta altas temperaturas e salinidade; As bromélias equilibra o sistema, por sua capacidade de reter água e nutrientes; Próximo ao mar, sobre areia seca e encontramos vegetação rasteira (em dunas) e alguns arbusto arbustos.
  • 40. Vegetação do Maranhão • Apresenta diversidade de tipos fitofisionômicos; FATORES QUE CONTRIBUEM: • Reflete as características dos tipos de clima, das variações de temperatura, umidade e das condições pedológicas; • Do relevo plano e predominantemente baixo; • A diversidade das paisagens é atribuída, também, ao caráter transacional de seu território;
  • 41. PRINCIPAIS TIPOS:  Floresta Equatorial;  Cerrado;  Matas de cocais (Babaçual);  Veg. Litorânea ( Mangue);  Veg. Litorânea (Dunas e restingas);  Vegetação de Campos;  Contato de Cerrado / Caatintinga;
  • 42. Floresta Amazônica Amazônia Maranhense, localiza-se nas porções noroeste e oeste do território (34% do estado); É uma Vegetação Ombrófila ( Densa e Aberta ), heterogênea, latifoliada, Higrófila e megatérmica; Na porção noroeste, está adaptada a altas temperaturas e ao alto índice de precipitação ao longo de ano, é Ombrófila Densa; Na porção oeste, numa faixa de transição entre a floresta amazônica e as regiões extraamazônicas é Ombrófila Aberta;
  • 43.  É uma vegetação que se alimenta de sol, de água e de si mesma, num solo pobre;  Sofre com as queimadas e desmatamentos devido avanços das atividades: Agropecuária, Mineração e Madeireira na região da amazônia legal;  O Maranhão é o 5º entre os estados da Amazônia legal que mais desmata.
  • 44. Vegetação Cerrado Cobre as porções centro-meridional, com manchas no leste e nordeste do território; É típico de áreas com clima estacional (mais ou menos seis meses secos no ano) clima tropical;  É arbustiva, com troncos e galhos retorcidos, associados a uma vegetação herbácea; Está adaptada ao Latossolos amarelo, que apresenta restrições química; No sudeste maranhense os arbustos são de portes menores e mais distantes (Campos dos Cerradinhos).
  • 45.  No sul do Maranhão, do Piauí e do oeste baiano, onde domina um clima com período seco e um chuvoso em uma topografia plana, a agricultura mecanizada avança, ao mesmo tempo em que os solos respondem à moderna tecno- logia empregada, tornando-se uma fronteira agrícola (pólo de grãos)
  • 46. Matas de cocais É paisagem característica do Maranhão; Apresenta-se associado com os campos, ao norte, a leste com o cerrado e a oeste com a floresta amazônica; Seu foco principal é na zona central dos vales dos rios Mearim, Grajaú, Itapecuru, Munim e Pindaré; Há um predomínio da palmácea de Babaçu no Maranhão e da Carnaúba no Piauí.
  • 47. Matas de cocais  É de muita importância para diversos grupos econômicos extrativistas na transição entre Amazônia, o cerrado e a caatinga;  A expansão agricultura, da pecuária fez crescer o processo de desmatamento dos baçuais;  Foi aprovada , 1997, no mu nicípio de Lago do Junco, na região central do Maranhão, a Lei do Babaçu Livre;
  • 48. Vegetação Litorânea: Mangue Os mangues são ecossistemas presentes em todo o litoral brasileiro; O Maranhão é o estado com maior concentração de mangue no país e uma das maiores do mundo; São importantes para a cadeia alimentar da vida oceânica e fundamental para as populações que vivem da pesca; A poluição de rios e mares em conjunto com a especulação imobiliária nas regiões litorâneas tem afetado as áreas de mangues
  • 50. Características principais:  Localiza-se no litoral desde a foz do Gurupi até a foz do Periá;  É uma vegetação arbustiva;  Localizam-se no encontro de rios e mares;  Raízes externas (aéreas);  Solo detrítico e pobre em oxigênio;  É halófita;  A biodiversidade faz destas áreas “ berçários” naturais.
  • 51. Veg. Litorânea: Restinga e Dunas  Localiza-se no litoral oridental maranhense;  A vegetação de praias e dunas sofre o efeito contínuo dos ventos marinhos, pelo sol e as águas da maré alta.  São fisionomicamente distintas, sob influência marinha e fluvio-marinha;  São edáficas (condicionada pelas condições do solo do que pelo clima);
  • 52. Vegetação de Campos  Localiza-se próxima ao Golfão Maranhense;  É uma vegetação herbácia alagável pelos rios e lagos da Baixada maranhense;  Estende-se por 20 mil/k2 nos baixos cursos dos rios Mearim , Pindaré e médios e baixos cursos dos rios Pericumã e Aurá;  A Baixada Maranhense foi transformada em APA pelo governo em1991.