SlideShare uma empresa Scribd logo
LEGISLAÇÃO FLORESTAL
APLICADA
Docentes
Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad
Eng. Agr. Renata Inês Ramos
BIOMAS
ESTADO DE SÃO PAULO
O que é vegetação nativa?
O conjunto de plantas nativas de certo local
que se encontram em qualquer área
terrestre, desde que nesta localidade haja
condições para o seu desenvolvimento.
Tais condições são: luz, calor, umidade,
tipo de solo e de relevo. Além de
possibilitar a existência da vegetação,
esses fatores também condicionam suas
características.
Florestas no planeta
Mapa de Biomas Brasileiros IBGE
PERFIL GEOLÓGICO DO ESTADO DE SÃO PAULO
Tipos de vegetação:
• Restinga
• Manguezal
• Floresta Ombrófila Densa;
• Floresta Ombrófila Mista;
• Floresta Estacional;
MATA ATLÂNTICA
DOMÍNIO ORIGINAL DA MATA ATLÂNTICA
RESTINGA
Vegetação de Restinga: o conjunto de comunidades
vegetais, distribuídas em mosaico, associado aos depósitos
arenosos costeiros quaternários e aos ambientes rochosos
litorâneos – também consideradas comunidades edáficas –
por dependerem mais da natureza do solo do que do clima,
encontradas nos ambientes de praias, cordões arenosos,
dunas, depressões e transições para ambientes adjacentes,
podendo apresentar, de acordo com a fitofisionomia
predominante, estrato herbáceo, arbustivo e arbóreo, este
último mais interiorizado.
Resolução CONAMA 417/09
MATA ATLÂNTICA
VEGETAÇÃO DO LITORAL ARENOSO
VEGETAÇÃO DO LITORAL ARENOSO
VEGETAÇÃO DO LITORAL ARENOSO
FLORESTA DE RESTINGA
VEGETAÇÃO DO LITORAL ROCHOSO
MANGUEZAL
Ecossistema costeiro de transição entre os ambientes
terrestre e marinho.
Característico de regiões tropicais e subtropicais, está
sujeito ao regime das marés, dominado por espécies
vegetais típicas, às quais se associam a outros
componentes vegetais e animais.
Fonte: http://ecologia.ib.usp.br
MATA ATLÂNTICA
MANGUEZAL
Está associado às margens de baías, barras, enseadas,
desembocaduras de rios, lagunas e reentrâncias costeiras,
onde haja encontro de águas de rios com a do mar, ou
diretamente expostos à linha da costa.
A cobertura vegetal, ao contrário do que acontece nas praias
arenosas e nas dunas, instala-se em substratos de vasa de
formação recente, de pequena declividade, sob a ação diária
das marés de água salgada ou, pelo menos, salobra.
Fonte: http://ecologia.ib.usp.br
MATA ATLÂNTICA
MANGUEZAL
A riqueza biológica dos ecossistemas costeiros faz
com que essas áreas sejam os grandes "berçários"
naturais, tanto para as espécies características
desses ambientes, como para peixes e outros animais
que migram para as áreas costeiras durante, pelo
menos, uma fase do ciclo de sua vida.
Fonte: http://ecologia.ib.usp.br
MATA ATLÂNTICA
A VEGETAÇÃO RIPÍCOLA DE RIOS DA PLANÍCIE LITORÂNEA
MANGUEZAL
Vegetação - principais espécies:
• Rhizophora mangle (mangue vermelho),
• Laguncularia racemosa (mangue branco),
• Avicennia sp (mangue preto, canoé),
Fonte: http://ecologia.ib.usp.br
MATA ATLÂNTICA
MANGUEZAL
Rhizophora mangle
“Raízes de escora”
MANGUEZAL
Laguncularia racemosa
MANGUEZAL
Avicennia sp
Pneumatóforos – trocas gasosas
por meio de lenticelas
MANGUEZAL
Fauna
A fauna dos manguezais representa significativa fonte de
alimentos para as populações humanas e de subsistência para
as populações costeiras tradicionais.
Os estoques de peixes, moluscos e crustáceos apresentam
expressiva biomassa, constituindo excelentes fontes de
proteína animal de alto valor nutricional.
Fonte: http://ecologia.ib.usp.br
MATA ATLÂNTICA
MANGUEZAL
IMPORTÂNCIA DOS MANGUEZAIS
 Desempenha importante papel como exportador de matéria orgânica para o
estuário, contribuindo para produtividade primária na zona costeira.
 É no mangue que peixes, moluscos e crustáceos encontram as condições ideais
para reprodução, berçário, criadouro e abrigo para várias espécies de fauna
aquática e terrestre, de valor ecológico e econômico.
 Os mangues produzem mais de 95% do alimento que o homem captura do mar.
 Sua manutenção é vital para a subsistência das comunidades pesqueiras que
vivem em seu entorno.
 A vegetação de mangue serve para fixar as terras, impedindo assim a erosão e
ao mesmo tempo estabilizando a costa.
 As raízes do mangue funcionam como filtros na retenção dos sedimentos.
 Constitui importante banco genético para a recuperação de áreas degradadas
Fonte: http://ecologia.ib.usp.br
MATA ATLÂNTICA
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA
Localiza-se nas encostas da Serra do Mar, em regiões de
temperatura elevada (médias de 25° Celsius) e chuvas
intensas e bem distribuídas ao longo do ano, praticamente sem
estação seca;
Formação composta por mata densa, sempre verde
(perenifólia);
Altura média de 15 metros, possuindo árvores emergentes de
até 40 metros;
Rico subbosque formado por espécies como samambaias,
palmeiras e epífitas.
MATA ATLÂNTICA
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA
Sua principal característica ecológica reside nos ambientes
ombrófilos, relacionado com os índices pluviométricos mais
elevados da região litorânea.
A precipitação bem distribuída durante o ano, determina uma
situação praticamente sem período seco (0 a 60 dias no ano).
Qual o significado da palavra “ombrófila”?
Ombrófila (de origem grega) “amigo das chuvas”.
MATA ATLÂNTICA
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DE TERRAS BAIXAS
FLORESTA OMBRÓFILA DE TERRAS BAIXAS
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DE TERRAS BAIXAS E SUBMONTANA
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA SUBMONTANA
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA MONTANA
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA MONTANA
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA ALTIMONTANA
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA ALTIMONTANA
O LIMITE ALTITUDINAL DA FLORESTA OMBRÓFILA DENSA ALTIMONTANA:
CAMPOS DE ALTITUDE
O LIMITE ALTITUDINAL DA FLORESTA OMBRÓFILA DENSA ALTIMONTANA:
CAMPOS DE ALTITUDE
FLORESTA OMBRÓFILA MISTA
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA MISTA
Conhecida como Mata das Araucárias, ocorre com maior
incidência nos planaltos dos estados do Paraná, Santa Catarina e
Rio Grande do Sul, e em algumas regiões dos estados de São
Paulo e Rio de Janeiro.
O símbolo desse ecossistema é a Araucaria angustifolia, árvore
popularmente conhecida como “Pinheiro-do-paraná”.
A características de clima temperado, com precipitações bem
distribuídas, com períodos de seca inferiores a 60 dias por ano, e
com estações bem definidas.
MATA ATLÂNTICA
FLORESTA OMBRÓFILA MISTA
FLORESTA ESTACIONAL
A Floresta Estacional ocorre desde a Depressão
Periférica, passando pelas Cuestas Basálticas até o
Planalto Ocidental.
Nesta região há encraves de Cerrado, sendo bastante
comuns a ocorrência de áreas de transição (ecótonos
– presença de espécies da fauna e flora dos dois
Biomas).
Esboço geomorfológico do Estado de São Paulo, divisão proposta por Almeida, 1964.
Adaptado de: Villa, 2002
FLORESTA ESTACIONAL
FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL
Condicionada à estacionalidade climática (verão
chuvoso e inverno seco ou clima subtropical sem
seca, mas com intenso frio, temperaturas médias
abaixo de 15ºC);
Queda das folhas durante o período seco, em 20 a 50%
das árvores caducifólias da floresta;
As pequenas extensões de florestas estacionais
semidecíduas correspondem às Unidades de
Conservação e às matas residuais em propriedades
privadas.
A PRESENÇA DE UMA ESTAÇÃO SECA: FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECÍDUA
FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECÍDUA
SOLOS FÉRTEIS COM PEQUENA CAPACIDADE HÍDRICA:
FLORESTAL ESTACIONAL DECÍDUA
SOLOS FÉRTEIS COM PEQUENA CAPACIDADE HÍDRICA:
FLORESTAL ESTACIONAL DECÍDUA
CERRADO
Fonte: EMBRAPA – Biomas do Brasil
CERRADO
O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul,
ocupando uma área de 2.036.448 km2, cerca de 22% do
território nacional.
Sua área contínua incide sobre os estados de Goiás,
Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas
Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São
Paulo e Distrito Federal, além dos encraves no Amapá,
Roraima e Amazonas.
Neste espaço territorial encontram-se as nascentes das
três maiores bacias hidrográficas da América do Sul
(Amazônica/Tocantins, São Francisco e Prata), o que
resulta em um elevado potencial aquífero e favorece a sua
biodiversidade.
CERRADO
DESMATAMENTO
Período de 2002 a 2008 - 85.075 km2, o que equivale a
4,17% da área total do bioma.
Remanescentes de vegetação até 2008 -
aproximadamente 1.051.182 km2, equivalente a 51,54 %
da área total do bioma.
Áreas desmatadas até 2008 - 975.711 mil km2, 47,84% da
área total do bioma.
Fonte: Conservação Internacional – Brasil, Estimativas de perda da área do cerrado brasileiro,
2004.
CERRADO
Estudos realizados pelos pesquisadores do Programa
Cerrado da CI-Brasil indicam que o bioma corre o risco de
desaparecer até 2030.
Dos 204 milhões de hectares originais, 57% já foram
completamente destruídos e a metade das áreas
remanescentes estão bastante alteradas, podendo não
mais servir aos propósitos de conservação da
biodiversidade.
O desmatamento do Cerrado é alarmante, chegando a
1,5% ou três milhões de hectares/ano. Isso equivale a 2,6
campos de futebol/minuto.
CERRADO
CERRADO
CERRADO – Campo Limpo
CERRADO – Campo Sujo
CERRADO – Campo Cerrado
CERRADO – Cerrado Típico
CERRADO – Cerradão
SOLOS POBRES E TÓXICOS: O CERRADO
A FLOR NACIONAL DO BRASIL: IPÊ-AMARELO
Pequi
O CERRADO: PEQUI
O CERRADO: MANDEVILA
Importância do Bioma Cerrado
• Lei Estadual nº 13.550/09: dispõe sobre a utilização e
proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado
• Reconhecimento tardio: em curso no CONAMA alteração do §
4º do artigo 225 da Constituição Federal para considerar o
Cerrado como Patrimônio Nacional
§ 4º A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal
Mato-Grossense a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á,
na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio
ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.
EVOLUÇÃO DO
DESMATAMENTO NO
ESTADO DE SÃO PAULO
Insularização de fragmentos e UC no
interior - compromete a
conservação da biodiversidade
17,5% de vegetação
distribuição heterogênea
120 mil km de cursos d’água
desprotegidos
erosão e assoreamento falta
d’água, perda de solo
Fonte: Programa Mata Ciliar / SMA
VEGETAÇÃO REMANESCENTE POR UGRHI
VEGETAÇÃO REMANESCENTE - FRAGMENTAÇÃO
exemplo da Bacia do Médio Paranapanema
Fragmentos-Classe Nº % % Acum.
<10 ha 4.105 65,75% 65,75%
10-20 1.031 16,51% 82,27%
20-50 688 11,02% 93,29%
50-100 247 3,96% 97,24%
100-200 118 1,89% 99,14%
>200 54 0,86% 100,00%
Total 6.243 100,00%
Inventário Florestal, SMA/IF, 2002
BACIA HIDROGRÁFICA DO MÉDIO PARANAPANEMA
FONTE: INVENTÁRIO FLORESTAL – GOVERNODO ESTADO DE SÃO PAULO
Dados do Inventário do Instituto Florestal
Redução da área de vegetação nativa até a década de 1990
Coincide com aplicação mais efetiva da Lei 4771/65
 Cerca de 25% dos remanescentes de vegetação
natural se encontram inseridos em Unidades de
Conservação de Proteção Integral;
 Portanto, aproximadamente 75% da cobertura vegetal
nativa que resta no Estado situa-se fora das Unidades
de Conservação de Proteção Integral;
 Essas áreas, em grande parte, ou pertencem a
particulares;
 Área total de Reservas Legais averbadas atingem
menos de 4% da área rural do Estado.
CAR
SITUAÇÃO ATUAL
PROGRAMA BIOTA/FAPESP
ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA ATUAÇÃO DO DEPRN
ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA ATUAÇÃO DO DEPRN
 4,3 milhões de hectares correspondentes a
17,5%, constituídos em sua maior parte por
florestas, sendo de 5% apenas, cerca de 217
mil hectares, a porção constituída por
cerrados (fisionomias campestres
praticamente extintas para estas formações).
EVOLUÇÃO DO DESMATAMENTO EM SÃO PAULO
Fonte: Inventário da Cobertura Vegetal Nativa, Instituto Florestal, SMA, 2009
SITUAÇÃO ATUAL
0
20
40
60
80
P
o
r
c
e
n
ta
g
e
m
(%
)
1500
1886
1907
1920
1935
1952
1962
1973
1985
1990
1995
Anos
Ev olu ção h istórica d as form ações
florestais n o Estad o d e S ão Pau lo
Fonte: SOS Mata Atlântica, 1998
Eng. Florestal Irene Tosi Ahmad
irene@florariambiental.com.br
contato@florariambiental.com.br
Eng. Agrônoma Renata Inês Ramos
renata@florariambiental.com.br
contato@florariambiental.com.br
www.florariambiental.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6º ano cap 6 biomas brasileiros
6º ano cap 6  biomas brasileiros6º ano cap 6  biomas brasileiros
6º ano cap 6 biomas brasileiros
ISJ
 
Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2
Altair Hoepers
 
Biomas brasileiros, Mari e Cintia
Biomas brasileiros, Mari e CintiaBiomas brasileiros, Mari e Cintia
Biomas brasileiros, Mari e Cintia
toolsdivinopolis
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Colégio Nova Geração COC
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Italo Alan
 
Clima e os biomas
Clima e os biomasClima e os biomas
Clima e os biomas
flaviocosac
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
gracielatonin
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
Euna Machado
 
Ecossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileirosEcossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileiros
Edna Uliana
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Apresentação Campos Sulinos
Apresentação Campos SulinosApresentação Campos Sulinos
Apresentação Campos Sulinos
Jade
 
Biomas do brasileiros
Biomas do brasileirosBiomas do brasileiros
Biomas do brasileiros
Raquel Avila
 
Biomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do MundoBiomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do Mundo
Washington sucupira
 
Principais ecossistemas brasileiros
Principais ecossistemas brasileirosPrincipais ecossistemas brasileiros
Principais ecossistemas brasileiros
Patricia Alcantara
 
Biomas - resumo
Biomas - resumoBiomas - resumo
Biomas - resumo
Estude Mais
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
elves0927
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
danielramosemirian
 
Bioma: Cerrado
Bioma: CerradoBioma: Cerrado
Bioma: Cerrado
Malu Anacleto
 

Mais procurados (19)

6º ano cap 6 biomas brasileiros
6º ano cap 6  biomas brasileiros6º ano cap 6  biomas brasileiros
6º ano cap 6 biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2
 
Biomas brasileiros, Mari e Cintia
Biomas brasileiros, Mari e CintiaBiomas brasileiros, Mari e Cintia
Biomas brasileiros, Mari e Cintia
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Clima e os biomas
Clima e os biomasClima e os biomas
Clima e os biomas
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
 
Ecossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileirosEcossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Apresentação Campos Sulinos
Apresentação Campos SulinosApresentação Campos Sulinos
Apresentação Campos Sulinos
 
Biomas do brasileiros
Biomas do brasileirosBiomas do brasileiros
Biomas do brasileiros
 
Biomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do MundoBiomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do Mundo
 
Principais ecossistemas brasileiros
Principais ecossistemas brasileirosPrincipais ecossistemas brasileiros
Principais ecossistemas brasileiros
 
Biomas - resumo
Biomas - resumoBiomas - resumo
Biomas - resumo
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Bioma: Cerrado
Bioma: CerradoBioma: Cerrado
Bioma: Cerrado
 

Semelhante a Modulo biomas

Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
leila Cardoso
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
Maria Lima
 
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passamFauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Angelo Pcnp Tec Caieiras
 
Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais
Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientaisBiogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais
Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais
Saulo Lucena
 
Apres Cerrado Bioloja
Apres Cerrado BiolojaApres Cerrado Bioloja
Apres Cerrado Bioloja
Diego Yamazaki Bolano
 
Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
AndressaCosta90
 
Trabalho Cerrado - 3* ANO
Trabalho Cerrado - 3* ANOTrabalho Cerrado - 3* ANO
Trabalho Cerrado - 3* ANO
Jhonatas Neves
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
Washington sucupira
 
Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
petrivanacarvalho
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Benito Fernandez Mera
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
norivalfp
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
Washington sucupira
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Washington sucupira
 
Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1
Italo Alan
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Raquel Avila
 
biomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.ppt
biomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.pptbiomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.ppt
biomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.ppt
andrenespoli3
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
Italo Alan
 

Semelhante a Modulo biomas (20)

Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
 
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passamFauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
 
Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais
Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientaisBiogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais
Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais
 
Apres Cerrado Bioloja
Apres Cerrado BiolojaApres Cerrado Bioloja
Apres Cerrado Bioloja
 
Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
 
Trabalho Cerrado - 3* ANO
Trabalho Cerrado - 3* ANOTrabalho Cerrado - 3* ANO
Trabalho Cerrado - 3* ANO
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
4 biomas
 
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
biomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.ppt
biomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.pptbiomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.ppt
biomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.ppt
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 

Mais de itamyr

Física moderna só física 3
Física moderna   só física 3Física moderna   só física 3
Física moderna só física 3
itamyr
 
Exercícios sobre velocidade média mundo educação
Exercícios sobre velocidade média   mundo educaçãoExercícios sobre velocidade média   mundo educação
Exercícios sobre velocidade média mundo educação
itamyr
 
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado mundo educação
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado   mundo educaçãoExercícios sobre o movimento acelerado e retardado   mundo educação
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado mundo educação
itamyr
 
Exercícios sobre movimento uniformemente variado mundo educação
Exercícios sobre movimento uniformemente variado   mundo educaçãoExercícios sobre movimento uniformemente variado   mundo educação
Exercícios sobre movimento uniformemente variado mundo educação
itamyr
 
Exercícios sobre movimento uniforme brasil escola
Exercícios sobre movimento uniforme   brasil escolaExercícios sobre movimento uniforme   brasil escola
Exercícios sobre movimento uniforme brasil escola
itamyr
 
Conteúdos só física 2
Conteúdos   só física 2Conteúdos   só física 2
Conteúdos só física 2
itamyr
 
Exercícios sobre equação de torricelli brasil escola
Exercícios sobre equação de torricelli   brasil escolaExercícios sobre equação de torricelli   brasil escola
Exercícios sobre equação de torricelli brasil escola
itamyr
 
Conteúdos só física 1
Conteúdos   só física 1Conteúdos   só física 1
Conteúdos só física 1
itamyr
 
Capacitação biodiversidade
Capacitação biodiversidadeCapacitação biodiversidade
Capacitação biodiversidade
itamyr
 
6ª aula lei de lavoisier e lei de proust
6ª aula   lei de lavoisier e lei de proust6ª aula   lei de lavoisier e lei de proust
6ª aula lei de lavoisier e lei de proust
itamyr
 
Aula 1 matéria e medição
Aula 1   matéria e mediçãoAula 1   matéria e medição
Aula 1 matéria e medição
itamyr
 
Lei de coulomb (1)
Lei de coulomb (1)Lei de coulomb (1)
Lei de coulomb (1)
itamyr
 
Bacterias na vida humana 2 ano
Bacterias na vida humana 2 anoBacterias na vida humana 2 ano
Bacterias na vida humana 2 ano
itamyr
 

Mais de itamyr (13)

Física moderna só física 3
Física moderna   só física 3Física moderna   só física 3
Física moderna só física 3
 
Exercícios sobre velocidade média mundo educação
Exercícios sobre velocidade média   mundo educaçãoExercícios sobre velocidade média   mundo educação
Exercícios sobre velocidade média mundo educação
 
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado mundo educação
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado   mundo educaçãoExercícios sobre o movimento acelerado e retardado   mundo educação
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado mundo educação
 
Exercícios sobre movimento uniformemente variado mundo educação
Exercícios sobre movimento uniformemente variado   mundo educaçãoExercícios sobre movimento uniformemente variado   mundo educação
Exercícios sobre movimento uniformemente variado mundo educação
 
Exercícios sobre movimento uniforme brasil escola
Exercícios sobre movimento uniforme   brasil escolaExercícios sobre movimento uniforme   brasil escola
Exercícios sobre movimento uniforme brasil escola
 
Conteúdos só física 2
Conteúdos   só física 2Conteúdos   só física 2
Conteúdos só física 2
 
Exercícios sobre equação de torricelli brasil escola
Exercícios sobre equação de torricelli   brasil escolaExercícios sobre equação de torricelli   brasil escola
Exercícios sobre equação de torricelli brasil escola
 
Conteúdos só física 1
Conteúdos   só física 1Conteúdos   só física 1
Conteúdos só física 1
 
Capacitação biodiversidade
Capacitação biodiversidadeCapacitação biodiversidade
Capacitação biodiversidade
 
6ª aula lei de lavoisier e lei de proust
6ª aula   lei de lavoisier e lei de proust6ª aula   lei de lavoisier e lei de proust
6ª aula lei de lavoisier e lei de proust
 
Aula 1 matéria e medição
Aula 1   matéria e mediçãoAula 1   matéria e medição
Aula 1 matéria e medição
 
Lei de coulomb (1)
Lei de coulomb (1)Lei de coulomb (1)
Lei de coulomb (1)
 
Bacterias na vida humana 2 ano
Bacterias na vida humana 2 anoBacterias na vida humana 2 ano
Bacterias na vida humana 2 ano
 

Último

AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 

Último (20)

AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 

Modulo biomas

  • 1. LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos
  • 3. O que é vegetação nativa? O conjunto de plantas nativas de certo local que se encontram em qualquer área terrestre, desde que nesta localidade haja condições para o seu desenvolvimento. Tais condições são: luz, calor, umidade, tipo de solo e de relevo. Além de possibilitar a existência da vegetação, esses fatores também condicionam suas características.
  • 5. Mapa de Biomas Brasileiros IBGE
  • 6. PERFIL GEOLÓGICO DO ESTADO DE SÃO PAULO
  • 7. Tipos de vegetação: • Restinga • Manguezal • Floresta Ombrófila Densa; • Floresta Ombrófila Mista; • Floresta Estacional; MATA ATLÂNTICA
  • 8. DOMÍNIO ORIGINAL DA MATA ATLÂNTICA
  • 9. RESTINGA Vegetação de Restinga: o conjunto de comunidades vegetais, distribuídas em mosaico, associado aos depósitos arenosos costeiros quaternários e aos ambientes rochosos litorâneos – também consideradas comunidades edáficas – por dependerem mais da natureza do solo do que do clima, encontradas nos ambientes de praias, cordões arenosos, dunas, depressões e transições para ambientes adjacentes, podendo apresentar, de acordo com a fitofisionomia predominante, estrato herbáceo, arbustivo e arbóreo, este último mais interiorizado. Resolução CONAMA 417/09 MATA ATLÂNTICA
  • 15. MANGUEZAL Ecossistema costeiro de transição entre os ambientes terrestre e marinho. Característico de regiões tropicais e subtropicais, está sujeito ao regime das marés, dominado por espécies vegetais típicas, às quais se associam a outros componentes vegetais e animais. Fonte: http://ecologia.ib.usp.br MATA ATLÂNTICA
  • 16. MANGUEZAL Está associado às margens de baías, barras, enseadas, desembocaduras de rios, lagunas e reentrâncias costeiras, onde haja encontro de águas de rios com a do mar, ou diretamente expostos à linha da costa. A cobertura vegetal, ao contrário do que acontece nas praias arenosas e nas dunas, instala-se em substratos de vasa de formação recente, de pequena declividade, sob a ação diária das marés de água salgada ou, pelo menos, salobra. Fonte: http://ecologia.ib.usp.br MATA ATLÂNTICA
  • 17. MANGUEZAL A riqueza biológica dos ecossistemas costeiros faz com que essas áreas sejam os grandes "berçários" naturais, tanto para as espécies características desses ambientes, como para peixes e outros animais que migram para as áreas costeiras durante, pelo menos, uma fase do ciclo de sua vida. Fonte: http://ecologia.ib.usp.br MATA ATLÂNTICA
  • 18. A VEGETAÇÃO RIPÍCOLA DE RIOS DA PLANÍCIE LITORÂNEA
  • 19. MANGUEZAL Vegetação - principais espécies: • Rhizophora mangle (mangue vermelho), • Laguncularia racemosa (mangue branco), • Avicennia sp (mangue preto, canoé), Fonte: http://ecologia.ib.usp.br MATA ATLÂNTICA
  • 22. MANGUEZAL Avicennia sp Pneumatóforos – trocas gasosas por meio de lenticelas
  • 23. MANGUEZAL Fauna A fauna dos manguezais representa significativa fonte de alimentos para as populações humanas e de subsistência para as populações costeiras tradicionais. Os estoques de peixes, moluscos e crustáceos apresentam expressiva biomassa, constituindo excelentes fontes de proteína animal de alto valor nutricional. Fonte: http://ecologia.ib.usp.br MATA ATLÂNTICA
  • 24. MANGUEZAL IMPORTÂNCIA DOS MANGUEZAIS  Desempenha importante papel como exportador de matéria orgânica para o estuário, contribuindo para produtividade primária na zona costeira.  É no mangue que peixes, moluscos e crustáceos encontram as condições ideais para reprodução, berçário, criadouro e abrigo para várias espécies de fauna aquática e terrestre, de valor ecológico e econômico.  Os mangues produzem mais de 95% do alimento que o homem captura do mar.  Sua manutenção é vital para a subsistência das comunidades pesqueiras que vivem em seu entorno.  A vegetação de mangue serve para fixar as terras, impedindo assim a erosão e ao mesmo tempo estabilizando a costa.  As raízes do mangue funcionam como filtros na retenção dos sedimentos.  Constitui importante banco genético para a recuperação de áreas degradadas Fonte: http://ecologia.ib.usp.br MATA ATLÂNTICA
  • 25. FLORESTA OMBRÓFILA DENSA Localiza-se nas encostas da Serra do Mar, em regiões de temperatura elevada (médias de 25° Celsius) e chuvas intensas e bem distribuídas ao longo do ano, praticamente sem estação seca; Formação composta por mata densa, sempre verde (perenifólia); Altura média de 15 metros, possuindo árvores emergentes de até 40 metros; Rico subbosque formado por espécies como samambaias, palmeiras e epífitas. MATA ATLÂNTICA
  • 26. FLORESTA OMBRÓFILA DENSA Sua principal característica ecológica reside nos ambientes ombrófilos, relacionado com os índices pluviométricos mais elevados da região litorânea. A precipitação bem distribuída durante o ano, determina uma situação praticamente sem período seco (0 a 60 dias no ano). Qual o significado da palavra “ombrófila”? Ombrófila (de origem grega) “amigo das chuvas”. MATA ATLÂNTICA
  • 27. FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DE TERRAS BAIXAS
  • 28. FLORESTA OMBRÓFILA DE TERRAS BAIXAS
  • 29. FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DE TERRAS BAIXAS E SUBMONTANA
  • 35. O LIMITE ALTITUDINAL DA FLORESTA OMBRÓFILA DENSA ALTIMONTANA: CAMPOS DE ALTITUDE
  • 36. O LIMITE ALTITUDINAL DA FLORESTA OMBRÓFILA DENSA ALTIMONTANA: CAMPOS DE ALTITUDE
  • 38. FLORESTA OMBRÓFILA DENSA MISTA Conhecida como Mata das Araucárias, ocorre com maior incidência nos planaltos dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, e em algumas regiões dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. O símbolo desse ecossistema é a Araucaria angustifolia, árvore popularmente conhecida como “Pinheiro-do-paraná”. A características de clima temperado, com precipitações bem distribuídas, com períodos de seca inferiores a 60 dias por ano, e com estações bem definidas. MATA ATLÂNTICA
  • 40. FLORESTA ESTACIONAL A Floresta Estacional ocorre desde a Depressão Periférica, passando pelas Cuestas Basálticas até o Planalto Ocidental. Nesta região há encraves de Cerrado, sendo bastante comuns a ocorrência de áreas de transição (ecótonos – presença de espécies da fauna e flora dos dois Biomas).
  • 41. Esboço geomorfológico do Estado de São Paulo, divisão proposta por Almeida, 1964. Adaptado de: Villa, 2002
  • 42. FLORESTA ESTACIONAL FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL Condicionada à estacionalidade climática (verão chuvoso e inverno seco ou clima subtropical sem seca, mas com intenso frio, temperaturas médias abaixo de 15ºC); Queda das folhas durante o período seco, em 20 a 50% das árvores caducifólias da floresta; As pequenas extensões de florestas estacionais semidecíduas correspondem às Unidades de Conservação e às matas residuais em propriedades privadas.
  • 43. A PRESENÇA DE UMA ESTAÇÃO SECA: FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECÍDUA
  • 45. SOLOS FÉRTEIS COM PEQUENA CAPACIDADE HÍDRICA: FLORESTAL ESTACIONAL DECÍDUA
  • 46. SOLOS FÉRTEIS COM PEQUENA CAPACIDADE HÍDRICA: FLORESTAL ESTACIONAL DECÍDUA
  • 47. CERRADO Fonte: EMBRAPA – Biomas do Brasil
  • 48. CERRADO O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul, ocupando uma área de 2.036.448 km2, cerca de 22% do território nacional. Sua área contínua incide sobre os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal, além dos encraves no Amapá, Roraima e Amazonas. Neste espaço territorial encontram-se as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul (Amazônica/Tocantins, São Francisco e Prata), o que resulta em um elevado potencial aquífero e favorece a sua biodiversidade.
  • 49. CERRADO DESMATAMENTO Período de 2002 a 2008 - 85.075 km2, o que equivale a 4,17% da área total do bioma. Remanescentes de vegetação até 2008 - aproximadamente 1.051.182 km2, equivalente a 51,54 % da área total do bioma. Áreas desmatadas até 2008 - 975.711 mil km2, 47,84% da área total do bioma.
  • 50. Fonte: Conservação Internacional – Brasil, Estimativas de perda da área do cerrado brasileiro, 2004.
  • 51. CERRADO Estudos realizados pelos pesquisadores do Programa Cerrado da CI-Brasil indicam que o bioma corre o risco de desaparecer até 2030. Dos 204 milhões de hectares originais, 57% já foram completamente destruídos e a metade das áreas remanescentes estão bastante alteradas, podendo não mais servir aos propósitos de conservação da biodiversidade. O desmatamento do Cerrado é alarmante, chegando a 1,5% ou três milhões de hectares/ano. Isso equivale a 2,6 campos de futebol/minuto.
  • 56. CERRADO – Campo Cerrado
  • 59. SOLOS POBRES E TÓXICOS: O CERRADO
  • 60. A FLOR NACIONAL DO BRASIL: IPÊ-AMARELO
  • 61. Pequi
  • 64. Importância do Bioma Cerrado • Lei Estadual nº 13.550/09: dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado • Reconhecimento tardio: em curso no CONAMA alteração do § 4º do artigo 225 da Constituição Federal para considerar o Cerrado como Patrimônio Nacional § 4º A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.
  • 66. Insularização de fragmentos e UC no interior - compromete a conservação da biodiversidade 17,5% de vegetação distribuição heterogênea 120 mil km de cursos d’água desprotegidos erosão e assoreamento falta d’água, perda de solo Fonte: Programa Mata Ciliar / SMA
  • 67.
  • 69. VEGETAÇÃO REMANESCENTE - FRAGMENTAÇÃO exemplo da Bacia do Médio Paranapanema Fragmentos-Classe Nº % % Acum. <10 ha 4.105 65,75% 65,75% 10-20 1.031 16,51% 82,27% 20-50 688 11,02% 93,29% 50-100 247 3,96% 97,24% 100-200 118 1,89% 99,14% >200 54 0,86% 100,00% Total 6.243 100,00% Inventário Florestal, SMA/IF, 2002
  • 70. BACIA HIDROGRÁFICA DO MÉDIO PARANAPANEMA FONTE: INVENTÁRIO FLORESTAL – GOVERNODO ESTADO DE SÃO PAULO
  • 71. Dados do Inventário do Instituto Florestal Redução da área de vegetação nativa até a década de 1990 Coincide com aplicação mais efetiva da Lei 4771/65
  • 72.  Cerca de 25% dos remanescentes de vegetação natural se encontram inseridos em Unidades de Conservação de Proteção Integral;  Portanto, aproximadamente 75% da cobertura vegetal nativa que resta no Estado situa-se fora das Unidades de Conservação de Proteção Integral;  Essas áreas, em grande parte, ou pertencem a particulares;  Área total de Reservas Legais averbadas atingem menos de 4% da área rural do Estado. CAR SITUAÇÃO ATUAL
  • 73.
  • 75. ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA ATUAÇÃO DO DEPRN
  • 76. ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA ATUAÇÃO DO DEPRN
  • 77.  4,3 milhões de hectares correspondentes a 17,5%, constituídos em sua maior parte por florestas, sendo de 5% apenas, cerca de 217 mil hectares, a porção constituída por cerrados (fisionomias campestres praticamente extintas para estas formações). EVOLUÇÃO DO DESMATAMENTO EM SÃO PAULO Fonte: Inventário da Cobertura Vegetal Nativa, Instituto Florestal, SMA, 2009 SITUAÇÃO ATUAL
  • 78. 0 20 40 60 80 P o r c e n ta g e m (% ) 1500 1886 1907 1920 1935 1952 1962 1973 1985 1990 1995 Anos Ev olu ção h istórica d as form ações florestais n o Estad o d e S ão Pau lo Fonte: SOS Mata Atlântica, 1998
  • 79.
  • 80.
  • 81.
  • 82.
  • 83.
  • 84.
  • 85.
  • 86.
  • 87.
  • 88. Eng. Florestal Irene Tosi Ahmad irene@florariambiental.com.br contato@florariambiental.com.br Eng. Agrônoma Renata Inês Ramos renata@florariambiental.com.br contato@florariambiental.com.br www.florariambiental.com.br