SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola: Turma: Prof. Regente: Prof. STE: Alunos:  Disciplina: Turno: Nome  da Atividade :
 
AS AVES
Que característica comum a todas as aves você escolheria?  A capacidade de voar? As aves abaixo não voam!!!
Por outro lado, os morcegos e os insetos voam e não são aves.
Possuem penas, formadas principalmente por queratina, que protegem a pele da ave, contribuem para diminuir a perda de água do corpo, ajudam no voo e mantêm constante a temperatura do corpo; São homeotérmicos: mantêm a temperatura corporal constante à custa da energia (na forma de calor) liberada pela respiração celular;
 
São endotérmicos quer dizer ‘que se aquece com o calor vindo de dentro’.  Um animal ectotérmico, como os peixes, os anfíbios e os répteis em geral, não precisa comer tanto quanto m animal endotérmico, pois praticamente não gasta energia dos alimentos para se aquecer;
Possuem a glândula uropigeana, na cauda, que produz um óleo que a ave passa nas penas com o bico, tornando-as impermeáveis;
São bípedes, têm dois pés. A forma dos pés está relacionada ao modo de vida das aves: Para agarrar-se aos ramos de árvores, caminhar ou correr, nadar, segurar presas; As penas e as asas do corpo das aves formam uma superfície aerodinâmica, que ajuda o animal a levantar voo e a se manter no ar;
 
 
Possuem bico córneo. A forma do bico  também está associada ao modo de vida da ave: para arrancar pedaços da presa, furar madeira, alimentar-se do néctar das flores, utilizam como uma cesta para pegar peixes, para filtrar a água; Não possuem dentes, o que contribui para a redução de seu peso;
 
Nome Científico:  Celeus Flavesceus  Classe:  Aves Ordem:  piciformes Família:  Picidae Nome comum:  Pica-pau Características O  pica-pau  possui bico, pernas e unhas fortes que o permite um excelente equilíbrio enquanto procura alimento nos troncos das árvores. Medem cerca de 30 centímetros e se alimentam de larvas e adultos de pequenos insetos. Para fazer seu ninho, o pica-pau escava troncos de árvores, não muito duros ou cupinzeiros. A fêmea põe ente quatro e cinco ovos que são chocados pelo casal. Os filhotes nascem após cerca de 11 a 14 dias de incubação e abandonam o ninho após 18 a 35 dias de vida, ainda incapazes de voar.
A arara tem um bico forte , adaptado para comer sementes e frutos, que é o que ela mais encontra em seu meio ambiente.
O beija -flor tem um bico bem fino, que ele usa para sugar o néctar das flores. Ele tem que alcançar o seu alimento bem de dentro das flores, por isso o seu bico é longo e fino.
O Colhereiro  tem esse nome por causa de seu bico em forma de uma colher, o que lhe permite recolher ( como se fosse uma colher pegando o macarrão da sopa) pequenos animais e pequenas plantas aquáticas.
Muitos dos ossos das aves são ocos, o que torna o esqueleto desses animais muito leve; As aves voadoras possuem uma saliência no osso do peito (o osso esterno) chamada quilha ou carena, que lembra uma quilha de barco. Na carena se prendem os músculos que movem as asas, chamados músculos peitorais;
 
AS ORDENS DE AVES
passeriformes (bem-te-vi). São os pássaros que se empoleiram. Em geral, cantam.
Apodiformes (beija-flor): aves de voo rápido, capazes de voar para trás e importantes na polinização; entre elas estão as menores aves do mundo.
Falconiformes (harpia, o maior gavião do Brasil). Possuem pés fortes, com os quais agarram as presas, e bico com ponta curva.
Reiformes (emas). A ema é a maior ave das Américas, com cerca de 1,60 m de altura e 30 Kg de peso
Estrutioniformes (avestruz)
Ciconiformes (garça-azul): aves com o bico, a perna e o pescoço longos que vivem próximo à água doce
A RESPIRAÇÃO NAS AVES
As trocas gasosas da respiração ocorrem em um pulmão: nesse órgão, o ar passa por tubos microscópicos e , enquanto isso, o oxigênio do ar passa para o sangue e o gás carbônico do sangue passa para o ar dos tubos. Ligados aos pulmões, existem sacos aéreos que acumulam o ar inspirado pela ave e o bombeiam para os pulmões, aumentando a eficiência respiratória. Com uma respiração mais eficiente, as células do animal têm mais oxigênio à disposição e podem liberar energia com maior rapidez, afinal, as aves precisam de muita energia para o voo.
 
 
SISTEMA DIGESTÓRIO DAS AVES
Além de utilizar o bico na alimentação, as aves o usam como meio de defesa: nesse sentido, o bico e o pescoço móvel compensam a falta de patas dianteiras (transformadas em asas). Apresentam um estômago musculoso, chamado estômago mecânico, ou moela, que tritura o alimento (às vezes com o auxílio de pedrinhas e areia que a ave engole). Também possuem um estômago químico, que produz os sucos digestivos e fica posicionado antes da moela. Nas aves que comem sementes e grãos, existe ainda um papo, localizado antes do estômago químico; no papo, o alimento é armazenado e amolecido. O intestino, que se inicia no estômago mecânico, termina numa cloaca.
 
 
 
 
 
O ESQUELETO DAS AVES
 
A carena dá apoio aos músculos das asas. Os quatro dedos permitem à ave marchar ou se agarrar a um galho Vértebras caudais unidas sustentam as penas da cauda. A pélvis dá apoio aos músculos das pernas
A CIRCULAÇÃO  E EXCREÇÃO DAS AVES
 
As aves possuem um coração com quatro cavidades: dois átrios e dois ventrículos. Não há comunicação entre o lado esquerdo e direito do coração, portanto, não há nenhuma mistura de sangue venoso com sangue arterial. As aves não possuem bexiga urinária (o que ajuda a diminuir o peso do corpo e, portanto, representa uma adaptação ao voo), e os rins eliminam uma urina pastosa (o que também representa uma adaptação à vida terrestre, como nos répteis). A urina sai com as fezes, pela cloaca.
SISTEMA NERVOSO E ÓRGÃOS DOS SENTIDOS
O sistema nervoso é constituído pelo encéfalo, pela medula nervosa, raquidiana ou espinhal, e por nervos, que formam uma rede por todo o corpo. As regiões do cérebro e do cerebelo que controlam o voo e o sentido da visão são bem desenvolvidas: um gavião voando a mais de um quilômetro de altura é capaz de ver um rato no solo. A audição é bastante apurada: as corujas, por exemplo, captam de longe o som de suas presas. A audição permite também que um pássaro escute o canto de outro.
O canto, produzido em um órgão localizado na traquéia, a siringe, tem várias funções: marcar território, avisando a um possível competidor que aquela área já está ocupada; atrair o sexo oposto; alertar os companheiros de que há predadores por perto. O olfato não costuma ser muito aguçado, pois é um sentido que tem maior valor adaptativo para animais que vivem no solo e farejam a presença de presas e predadores; Em certas épocas do ano, muitas aves migram (mudam) de uma região para outra que tenha clima mais favorável ou mais alimento ou para se reproduzir.
A REPRODUÇÃO
Os sexos são separados e a fecundação é interna. Na maioria das aves, o macho não possui pênis: a passagem do espermatozóide para o corpo da fêmea ocorre quando o macho e a fêmea encostam suas cloacas.
Muitos machos conquistam a fêmea exibindo sua plumagem, como acontece entre os pavões – as fêmeas demonstram preferência por machos com caudas maiores e mais coloridas.
As aves são todas ovíparas. O óvulo possui gema (reserva de alimento para o futuro embrião) no interior do citoplasma. Depois da fecundação, a célula-ovo desce por um tubo chamado tuba uterina. No caminho formam-se em torno dela, a clara (reserva de alimento) e a casca de carbonato de cálcio.
 
A maioria das aves constrói ninhos com gravetos, grama, pêlos, penas, barro, etc, onde chocam seus ovos (o calor do corpo é importante para o desenvolvimento do embrião). Após algum tempo – chamado tempo de incubação – ocorre a eclosão do ovo. Por algum tempo, o filhote será alimentado pelos pais.
AS AVES E O AMBIENTE
Exemplo de mutualismo ocorre entre algumas espécies de pássaros e certos mamíferos, como o boi, o rinoceronte e o elefante. Os pássaros alimentam de parasitas que vivem na pele desses animais. Assim, o pássaro consegue alimento e o mamífero se livra dos parasitas.
Muitas espécies ajudam a espalhar as sementes das plantas: por exemplo, eliminando com as fezes, em locais distantes da planta de origem, as sementes das frutas que ingerem.
NÓS E AS AVES
As fezes das aves são utilizadas na fertilização do solo; A carne e os ovos das espécies domésticas de aves constituem um alimento rico em proteínas; A beleza das aves e seu canto; O Brasil é um dos países que apresentam a maior biodiversidade de aves: as florestas tropicais, como a mata Atlântica e a floresta Amazônica, abrigam, juntas, mais de mil espécies de aves. A diversidade também é grande no Pantanal, onde vivem mais de 600 espécies, e no Cerrado, onde já foram registradas mais de 800 espécies desses animais.
Somos, por exemplo, os campeões em espécies de psitacídeos (periquitos, papagaios, maitacas, araras, etc). No entanto, devido à destruição do ambiente natural de diversas aves, muitas espécies (papagaios, araras, pica-paus, sabiás, etc) estão ameaçados de extinção em pouco tempo. Outras causas da extinção das aves são o comércio ilegal de espécies para serem mantidas em cativeiro e a caça.
 
 
A EVOLUÇÃO DAS AVES As aves seriam os parentes atuais mais próximos dos dinossauros.Os fósseis indicam que alguns dinossauros já possuíam penas, que poderiam servir de isolamento térmico para esses animais. Arqueópterix
FAÇA PARTE DESSE GRUPO VOCÊ TAMBÉM!
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Assinale com um X nos espaços os órgãos que fazem parte do sistema respiratório das aves. faringe laringe proventrículo papo esôfago traquéia sacos aéreos brônquios

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
Ana Maciel
 
A origem dos vertebrados
A origem dos vertebradosA origem dos vertebrados
A origem dos vertebrados
edu_bessa
 
Tipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetosTipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetos
Universidade Federal do Oeste Pará
 
Crustaceos
CrustaceosCrustaceos
Crustaceos
Altair Hoepers
 
Aula arthropoda
Aula   arthropodaAula   arthropoda
Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes
Michelle2789
 
Artrópodes oficial
Artrópodes   oficialArtrópodes   oficial
Artrópodes oficial
Animais Amados
 
Insetos
InsetosInsetos
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
 ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio... ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
Déborah Carvalho
 
Aves
AvesAves
classe das aves
classe das avesclasse das aves
classe das aves
Iago Feitosa
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
letyap
 
OS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOSOS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOS
Nayana Maia
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
Edézio Miranda
 
Apresentação de biologia de Aves.
Apresentação de biologia de Aves.Apresentação de biologia de Aves.
Apresentação de biologia de Aves.
Maurício Coelho
 
Equinodermos
EquinodermosEquinodermos
Equinodermos
Diana Rocha Monteiro
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e FrutoSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Turma Olímpica
 
Aves
AvesAves
Aula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externaAula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externa
Jimmy Jeferson
 
Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
paulogrillo
 

Mais procurados (20)

BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
A origem dos vertebrados
A origem dos vertebradosA origem dos vertebrados
A origem dos vertebrados
 
Tipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetosTipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetos
 
Crustaceos
CrustaceosCrustaceos
Crustaceos
 
Aula arthropoda
Aula   arthropodaAula   arthropoda
Aula arthropoda
 
Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes
 
Artrópodes oficial
Artrópodes   oficialArtrópodes   oficial
Artrópodes oficial
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
 ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio... ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
 
Aves
AvesAves
Aves
 
classe das aves
classe das avesclasse das aves
classe das aves
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
OS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOSOS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOS
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
 
Apresentação de biologia de Aves.
Apresentação de biologia de Aves.Apresentação de biologia de Aves.
Apresentação de biologia de Aves.
 
Equinodermos
EquinodermosEquinodermos
Equinodermos
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e FrutoSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Aula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externaAula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externa
 
Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
 

Destaque

Funções inorgânicas - Nomenclatura de ácidos e bases
Funções inorgânicas - Nomenclatura de ácidos e basesFunções inorgânicas - Nomenclatura de ácidos e bases
Funções inorgânicas - Nomenclatura de ácidos e bases
Matheus Von Sohsten Tavares
 
Interdisciplinaridade x Transversalidade
Interdisciplinaridade x TransversalidadeInterdisciplinaridade x Transversalidade
Interdisciplinaridade x Transversalidade
Ana Paula Azevedo
 
Zoologia dos vertebrados - Aves
Zoologia dos vertebrados - AvesZoologia dos vertebrados - Aves
Zoologia dos vertebrados - Aves
Juliano van Melis
 
Aves
AvesAves
Aves
letyap
 
Biologia Vertebrados
Biologia  VertebradosBiologia  Vertebrados
Biologia Vertebrados
Luis Otavio Tassinari
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
DANY VIEIRA
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
Leonardo Ribeiro
 
Aves
AvesAves
Repteis
RepteisRepteis
Apresentação sobre mamíferos.
Apresentação sobre  mamíferos.Apresentação sobre  mamíferos.
Apresentação sobre mamíferos.
Victor Ygor
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
letyap
 

Destaque (11)

Funções inorgânicas - Nomenclatura de ácidos e bases
Funções inorgânicas - Nomenclatura de ácidos e basesFunções inorgânicas - Nomenclatura de ácidos e bases
Funções inorgânicas - Nomenclatura de ácidos e bases
 
Interdisciplinaridade x Transversalidade
Interdisciplinaridade x TransversalidadeInterdisciplinaridade x Transversalidade
Interdisciplinaridade x Transversalidade
 
Zoologia dos vertebrados - Aves
Zoologia dos vertebrados - AvesZoologia dos vertebrados - Aves
Zoologia dos vertebrados - Aves
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Biologia Vertebrados
Biologia  VertebradosBiologia  Vertebrados
Biologia Vertebrados
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 
Apresentação sobre mamíferos.
Apresentação sobre  mamíferos.Apresentação sobre  mamíferos.
Apresentação sobre mamíferos.
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 

Semelhante a Aves

Reino animalia - aves
Reino animalia - avesReino animalia - aves
Reino animalia - aves
Matheus Alves
 
Classe das aves_cordados_
Classe das aves_cordados_Classe das aves_cordados_
Classe das aves_cordados_
Altair Hoepers
 
aves 2.pdf
aves 2.pdfaves 2.pdf
aves 2.pdf
rickriordan
 
Classeaves1 111030192401-phpapp01
Classeaves1 111030192401-phpapp01Classeaves1 111030192401-phpapp01
Classeaves1 111030192401-phpapp01
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Vertebrados II - Aves e Mamíferos
Vertebrados II - Aves e MamíferosVertebrados II - Aves e Mamíferos
Vertebrados II - Aves e Mamíferos
Andre Luiz Nascimento
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
Universidade Estadual de Maringá
 
Mamíferos e aves 1o b
Mamíferos e aves 1o bMamíferos e aves 1o b
Mamíferos e aves 1o b
SESI 422 - Americana
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
Clélia Kaneda
 
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
Luiza Collet
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
SESI 422 - Americana
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
Laercio Fernandes
 
Aves
AvesAves
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Leonardo Kaplan
 
1651
16511651
1651
Pelo Siro
 
Aves karol 6serie
Aves karol 6serieAves karol 6serie
Aves karol 6serie
AlexsandraeJakson Heberle
 
Cap 12 as aves
Cap 12 as avesCap 12 as aves
Cap 12 as aves
Sarah Lemes
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
Diego Santos
 
Os vertebrados
Os vertebradosOs vertebrados
Os vertebrados
empaul_harris
 
aves
aves aves
Os seres vivos animais2
Os seres vivos  animais2Os seres vivos  animais2
Os seres vivos animais2
Luzia Marques
 

Semelhante a Aves (20)

Reino animalia - aves
Reino animalia - avesReino animalia - aves
Reino animalia - aves
 
Classe das aves_cordados_
Classe das aves_cordados_Classe das aves_cordados_
Classe das aves_cordados_
 
aves 2.pdf
aves 2.pdfaves 2.pdf
aves 2.pdf
 
Classeaves1 111030192401-phpapp01
Classeaves1 111030192401-phpapp01Classeaves1 111030192401-phpapp01
Classeaves1 111030192401-phpapp01
 
Vertebrados II - Aves e Mamíferos
Vertebrados II - Aves e MamíferosVertebrados II - Aves e Mamíferos
Vertebrados II - Aves e Mamíferos
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Mamíferos e aves 1o b
Mamíferos e aves 1o bMamíferos e aves 1o b
Mamíferos e aves 1o b
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
 
1651
16511651
1651
 
Aves karol 6serie
Aves karol 6serieAves karol 6serie
Aves karol 6serie
 
Cap 12 as aves
Cap 12 as avesCap 12 as aves
Cap 12 as aves
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
Os vertebrados
Os vertebradosOs vertebrados
Os vertebrados
 
aves
aves aves
aves
 
Os seres vivos animais2
Os seres vivos  animais2Os seres vivos  animais2
Os seres vivos animais2
 

Último

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Aves

  • 1. Escola: Turma: Prof. Regente: Prof. STE: Alunos: Disciplina: Turno: Nome da Atividade :
  • 2.  
  • 4. Que característica comum a todas as aves você escolheria? A capacidade de voar? As aves abaixo não voam!!!
  • 5. Por outro lado, os morcegos e os insetos voam e não são aves.
  • 6. Possuem penas, formadas principalmente por queratina, que protegem a pele da ave, contribuem para diminuir a perda de água do corpo, ajudam no voo e mantêm constante a temperatura do corpo; São homeotérmicos: mantêm a temperatura corporal constante à custa da energia (na forma de calor) liberada pela respiração celular;
  • 7.  
  • 8. São endotérmicos quer dizer ‘que se aquece com o calor vindo de dentro’. Um animal ectotérmico, como os peixes, os anfíbios e os répteis em geral, não precisa comer tanto quanto m animal endotérmico, pois praticamente não gasta energia dos alimentos para se aquecer;
  • 9. Possuem a glândula uropigeana, na cauda, que produz um óleo que a ave passa nas penas com o bico, tornando-as impermeáveis;
  • 10. São bípedes, têm dois pés. A forma dos pés está relacionada ao modo de vida das aves: Para agarrar-se aos ramos de árvores, caminhar ou correr, nadar, segurar presas; As penas e as asas do corpo das aves formam uma superfície aerodinâmica, que ajuda o animal a levantar voo e a se manter no ar;
  • 11.  
  • 12.  
  • 13. Possuem bico córneo. A forma do bico também está associada ao modo de vida da ave: para arrancar pedaços da presa, furar madeira, alimentar-se do néctar das flores, utilizam como uma cesta para pegar peixes, para filtrar a água; Não possuem dentes, o que contribui para a redução de seu peso;
  • 14.  
  • 15. Nome Científico: Celeus Flavesceus Classe: Aves Ordem: piciformes Família: Picidae Nome comum: Pica-pau Características O pica-pau possui bico, pernas e unhas fortes que o permite um excelente equilíbrio enquanto procura alimento nos troncos das árvores. Medem cerca de 30 centímetros e se alimentam de larvas e adultos de pequenos insetos. Para fazer seu ninho, o pica-pau escava troncos de árvores, não muito duros ou cupinzeiros. A fêmea põe ente quatro e cinco ovos que são chocados pelo casal. Os filhotes nascem após cerca de 11 a 14 dias de incubação e abandonam o ninho após 18 a 35 dias de vida, ainda incapazes de voar.
  • 16. A arara tem um bico forte , adaptado para comer sementes e frutos, que é o que ela mais encontra em seu meio ambiente.
  • 17. O beija -flor tem um bico bem fino, que ele usa para sugar o néctar das flores. Ele tem que alcançar o seu alimento bem de dentro das flores, por isso o seu bico é longo e fino.
  • 18. O Colhereiro tem esse nome por causa de seu bico em forma de uma colher, o que lhe permite recolher ( como se fosse uma colher pegando o macarrão da sopa) pequenos animais e pequenas plantas aquáticas.
  • 19. Muitos dos ossos das aves são ocos, o que torna o esqueleto desses animais muito leve; As aves voadoras possuem uma saliência no osso do peito (o osso esterno) chamada quilha ou carena, que lembra uma quilha de barco. Na carena se prendem os músculos que movem as asas, chamados músculos peitorais;
  • 20.  
  • 21. AS ORDENS DE AVES
  • 22. passeriformes (bem-te-vi). São os pássaros que se empoleiram. Em geral, cantam.
  • 23. Apodiformes (beija-flor): aves de voo rápido, capazes de voar para trás e importantes na polinização; entre elas estão as menores aves do mundo.
  • 24. Falconiformes (harpia, o maior gavião do Brasil). Possuem pés fortes, com os quais agarram as presas, e bico com ponta curva.
  • 25. Reiformes (emas). A ema é a maior ave das Américas, com cerca de 1,60 m de altura e 30 Kg de peso
  • 27. Ciconiformes (garça-azul): aves com o bico, a perna e o pescoço longos que vivem próximo à água doce
  • 29. As trocas gasosas da respiração ocorrem em um pulmão: nesse órgão, o ar passa por tubos microscópicos e , enquanto isso, o oxigênio do ar passa para o sangue e o gás carbônico do sangue passa para o ar dos tubos. Ligados aos pulmões, existem sacos aéreos que acumulam o ar inspirado pela ave e o bombeiam para os pulmões, aumentando a eficiência respiratória. Com uma respiração mais eficiente, as células do animal têm mais oxigênio à disposição e podem liberar energia com maior rapidez, afinal, as aves precisam de muita energia para o voo.
  • 30.  
  • 31.  
  • 33. Além de utilizar o bico na alimentação, as aves o usam como meio de defesa: nesse sentido, o bico e o pescoço móvel compensam a falta de patas dianteiras (transformadas em asas). Apresentam um estômago musculoso, chamado estômago mecânico, ou moela, que tritura o alimento (às vezes com o auxílio de pedrinhas e areia que a ave engole). Também possuem um estômago químico, que produz os sucos digestivos e fica posicionado antes da moela. Nas aves que comem sementes e grãos, existe ainda um papo, localizado antes do estômago químico; no papo, o alimento é armazenado e amolecido. O intestino, que se inicia no estômago mecânico, termina numa cloaca.
  • 34.  
  • 35.  
  • 36.  
  • 37.  
  • 38.  
  • 40.  
  • 41. A carena dá apoio aos músculos das asas. Os quatro dedos permitem à ave marchar ou se agarrar a um galho Vértebras caudais unidas sustentam as penas da cauda. A pélvis dá apoio aos músculos das pernas
  • 42. A CIRCULAÇÃO E EXCREÇÃO DAS AVES
  • 43.  
  • 44. As aves possuem um coração com quatro cavidades: dois átrios e dois ventrículos. Não há comunicação entre o lado esquerdo e direito do coração, portanto, não há nenhuma mistura de sangue venoso com sangue arterial. As aves não possuem bexiga urinária (o que ajuda a diminuir o peso do corpo e, portanto, representa uma adaptação ao voo), e os rins eliminam uma urina pastosa (o que também representa uma adaptação à vida terrestre, como nos répteis). A urina sai com as fezes, pela cloaca.
  • 45. SISTEMA NERVOSO E ÓRGÃOS DOS SENTIDOS
  • 46. O sistema nervoso é constituído pelo encéfalo, pela medula nervosa, raquidiana ou espinhal, e por nervos, que formam uma rede por todo o corpo. As regiões do cérebro e do cerebelo que controlam o voo e o sentido da visão são bem desenvolvidas: um gavião voando a mais de um quilômetro de altura é capaz de ver um rato no solo. A audição é bastante apurada: as corujas, por exemplo, captam de longe o som de suas presas. A audição permite também que um pássaro escute o canto de outro.
  • 47. O canto, produzido em um órgão localizado na traquéia, a siringe, tem várias funções: marcar território, avisando a um possível competidor que aquela área já está ocupada; atrair o sexo oposto; alertar os companheiros de que há predadores por perto. O olfato não costuma ser muito aguçado, pois é um sentido que tem maior valor adaptativo para animais que vivem no solo e farejam a presença de presas e predadores; Em certas épocas do ano, muitas aves migram (mudam) de uma região para outra que tenha clima mais favorável ou mais alimento ou para se reproduzir.
  • 49. Os sexos são separados e a fecundação é interna. Na maioria das aves, o macho não possui pênis: a passagem do espermatozóide para o corpo da fêmea ocorre quando o macho e a fêmea encostam suas cloacas.
  • 50. Muitos machos conquistam a fêmea exibindo sua plumagem, como acontece entre os pavões – as fêmeas demonstram preferência por machos com caudas maiores e mais coloridas.
  • 51. As aves são todas ovíparas. O óvulo possui gema (reserva de alimento para o futuro embrião) no interior do citoplasma. Depois da fecundação, a célula-ovo desce por um tubo chamado tuba uterina. No caminho formam-se em torno dela, a clara (reserva de alimento) e a casca de carbonato de cálcio.
  • 52.  
  • 53. A maioria das aves constrói ninhos com gravetos, grama, pêlos, penas, barro, etc, onde chocam seus ovos (o calor do corpo é importante para o desenvolvimento do embrião). Após algum tempo – chamado tempo de incubação – ocorre a eclosão do ovo. Por algum tempo, o filhote será alimentado pelos pais.
  • 54. AS AVES E O AMBIENTE
  • 55. Exemplo de mutualismo ocorre entre algumas espécies de pássaros e certos mamíferos, como o boi, o rinoceronte e o elefante. Os pássaros alimentam de parasitas que vivem na pele desses animais. Assim, o pássaro consegue alimento e o mamífero se livra dos parasitas.
  • 56. Muitas espécies ajudam a espalhar as sementes das plantas: por exemplo, eliminando com as fezes, em locais distantes da planta de origem, as sementes das frutas que ingerem.
  • 57. NÓS E AS AVES
  • 58. As fezes das aves são utilizadas na fertilização do solo; A carne e os ovos das espécies domésticas de aves constituem um alimento rico em proteínas; A beleza das aves e seu canto; O Brasil é um dos países que apresentam a maior biodiversidade de aves: as florestas tropicais, como a mata Atlântica e a floresta Amazônica, abrigam, juntas, mais de mil espécies de aves. A diversidade também é grande no Pantanal, onde vivem mais de 600 espécies, e no Cerrado, onde já foram registradas mais de 800 espécies desses animais.
  • 59. Somos, por exemplo, os campeões em espécies de psitacídeos (periquitos, papagaios, maitacas, araras, etc). No entanto, devido à destruição do ambiente natural de diversas aves, muitas espécies (papagaios, araras, pica-paus, sabiás, etc) estão ameaçados de extinção em pouco tempo. Outras causas da extinção das aves são o comércio ilegal de espécies para serem mantidas em cativeiro e a caça.
  • 60.  
  • 61.  
  • 62. A EVOLUÇÃO DAS AVES As aves seriam os parentes atuais mais próximos dos dinossauros.Os fósseis indicam que alguns dinossauros já possuíam penas, que poderiam servir de isolamento térmico para esses animais. Arqueópterix
  • 63. FAÇA PARTE DESSE GRUPO VOCÊ TAMBÉM!
  • 64.
  • 65. Assinale com um X nos espaços os órgãos que fazem parte do sistema respiratório das aves. faringe laringe proventrículo papo esôfago traquéia sacos aéreos brônquios