SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
4 - Aves
O Brasil é um dos países
com a maior diversidade
de aves do mundo. No
entanto, muitas aves estão
ameaçadas de extinção.
• Que diferenças existem entre o corpo das
aves e dos répteis?
• Que adaptações ao voo há no corpo das aves?
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
GLORIA JAFET / KINO.COM.BR
1
O corpo das aves
As aves são bípedes e a forma dos pés
está diretamente relacionada com o
modo de vida de cada ave.
Os pés têm diversas funções: caminhar
ou correr, nadar, segurar presas, etc.
CLÁUDIOCHIYO/ARQUIVODAEDITORA
As aves – assim como os mamíferos – são animais endotérmicos, ou seja,
mantêm a temperatura corporal constante devido à energia obtida na
respiração celular.
2
As aves são os únicos animais que apresentam penas, estruturas leves e
flexíveis formadas por queratina.
Muitos ossos das aves são
ocos e aves voadoras possuem
uma saliência no osso do peito
(esterno), chamada de quilha
ou carena.
Aves possuem uma única glândula, a glândula uropigiana, localizada
na cauda
carena
músculos peitorais
ossos com cavidades cheias de ar
ILUSTRAÇÕES:INGEBORGASBACH/
ARQUIVODAEDITORA
3
Os músculos associados ao
voo são, em geral, bastante
desenvolvidos. Em algumas
aves, o peso dos músculos
chega a 30% do peso do
corpo do animal.
Os ossos ocos, músculos
desenvolvidos e as penas são
apenas algumas das
adaptações ao voo que as
aves apresentam.
A pélvis dá apoio aos
músculos dos
membros traseiros.
As vértebras caudais
unidas sustentam as
penas da cauda.
Os quatro dedos
permitem à ave
marchar ou se
agarrar a um galho.
A carena dá apoio
aos músculos
das asas.
ILUSTRAÇÕES: INGEBORG
ASBACH
/
ARQUIVO
DA
EDITORA
4
Como as aves se alimentam
Geralmente, o tamanho e o formato do bico estão adaptados ao hábito
alimentar das aves.
As aves não possuem dentes, o que contribui para a redução de seu peso.
FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
5
cérebro
As aves possuem um estômago mecânico, a moela, que tritura o alimento.
Possuem também um estômago químico, que produz os sucos digestivos.
Nas aves que comem sementes e grãos, existe ainda o papo, onde o alimento
é armazenado e amolecido.
narina
língua
faringe
traqueia
esôfago
papo
coração
fígado moela
duodeno
pâncreas
intestino grosso
cloaca
ureterrim
pulmão
medula espinal
cerebelo
INGEBORG ASBACH /
ARQUIVO DA EDITORA
testículo
7
A respiração das aves
Esses sacos acumulam o
ar inspirado pela ave e o
bombeiam para o pulmão,
aumentando a
eficiência respiratória.
As trocas gasosas ocorrem nos pulmões, aos quais estão ligados
sacos aéreos.
pulmão
traqueia
sacos aéreos
INGEBORGASBACH/
ARQUIVODAEDITORA
8
As aves possuem um coração com
quatro cavidades: dois átrios e dois
ventrículos. Não há mistura de
sangue rico em gás carbônico
com sangue rico em oxigênio.
Portanto, o corpo das aves recebe
apenas sangue rico em oxigênio.
Aves não têm bexiga urinária e os
rins eliminam uma urina pastosa
junto com as fezes.
coração
pulmão
corpo
Sangue com
gás carbônico
é enviado
ao pulmão.
Sangue com
oxigênio vai
para o coração.
átrio direito
ventrículo
direito
Sangue com gás
carbônico volta
ao coração. Sangue com
oxigênio é
bombeado
pelo coração
para o corpo.
ventrículo
esquerdo
átrio
esquerdo
ILUSTRAÇÕES:INGEBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA
9
O sistema nervoso das aves
As regiões do encéfalo que
controlam o voo e o sentido da
visão das aves são bem
desenvolvidas. A audição das
aves também é bastante apurada.
O canto, produzido na siringe, tem várias funções:
marcar território, atrair o sexo oposto, alertar os
companheiros sobre predadores, etc.
Encéfalo
Medula espinal
Nervos
Sistema nervoso
10
A reprodução das aves
Várias espécies de aves apresentam comportamentos sexuais muito
elaborados e relacionados à competição por território e à conquista da fêmea
(danças, exibição da plumagem, etc.).
Os sexos são separados e a fecundação é interna. Aves são todas
ovíparas.
FRANSLANTING/MINDENPICTURES
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
11
A formação do ovo
O ovo das aves é semelhante ao dos
répteis e tem a função de proteger e
alimentar o embrião.
O maior ovo conhecido é o do
avestruz, com cerca de 20 cm de
comprimento.
O óvulo possui gema em seu citoplasma. Após a fecundação, a célula-ovo
desce pela tuba uterina e formam-se em torno dela a clara e uma casca.
INGEBORGASBACH/
ARQUIVODAEDITORA
gema
clara
casca
embrião
JOHNREADER/SCIENCEPHOTOLIBRARY/LATINSTOCK
12
A maioria das aves constrói ninhos com gravetos,
grama, pelos, penas, barro, etc., onde chocam os ovos.
O ninho também protege os ovos contra os predadores.
Após o tempo de incubação, que varia
de espécie para espécie, ocorre a
eclosão do ovo: a casca se quebra e
o filhote sai.
JOHNREADER/SCIENCEPHOTOLIBRARY/LATINSTOCK
DENISEGRECO/ACERVODA
FOTÓGRAFA
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
13
As ordens das aves
Garça-branca-grande:
Ciconiformes.
Bem-te-vi:
Passeriformes.
Beija-flor-rubi:
Apodiformes.
Arara-vermelha:
Psitaciformes.
As aves são divididas em 28 ordens. Veja alguns representantes das principais
ordens:
FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
14
Gavião-carrapateiro:
Falconiformes
Ema: Reiformes Pato-do-mato:
Anseriformes
Pombo:
Columbiformes
Pavão: Galiformes Coruja-buraqueira:
Estrigiformes
FOTOS:FABIOCOLOMBINI/
ACERVODOFOTÓGRAFO
15
A evolução das aves
O arqueópterix, que tem
cerca de 150 milhões de anos,
parece confirmar
essa hipótese.
Para muitos cientistas, as aves surgiram provavelmente de um grupo de
pequenos dinossauros carnívoros.
Os fósseis indicam que alguns dinossauros possuíam penas.
INGEBORG
ASBACH
/ ARQUIVO
DA EDITORA
16
Entre os dinossauros evolutivamente mais próximos das aves estaria o gênero
Velociraptor, que possuía um pescoço alongado e móvel, pés com três
dedos e ossos ocos. Além disso, muitos possuíam penas, que poderiam
atuar como isolante térmico.
Para os cientistas, as semelhanças são tantas que as aves podem ser
consideradas verdadeiros “dinossauros avianos”.
CHRISBUTLER/SCIENCEPHOTOLIBRARY/LATINSTOCK
17
Nós e os chimpanzés somos mamíferos. Além disso, somos mais parecidos
com os chimpanzés do que com qualquer outro animal.
• Você sabe dizer por que os
seres humanos fazem parte
do grupo dos mamíferos?
Chimpanzé comum. Bonobo.
Mamíferos
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
PHOTORESEARCHERS/LATINSTOCK
18
O nome mamíferos indica uma das
características exclusivas desse grupo: as
fêmeas possuem glândulas mamárias.
Os mamíferos machos também têm
glândulas mamárias, mas elas são
atrofiadas e não fabricam leite.
A pele dos mamíferos
mamilo
ducto que
leva o leite
gordura
Alvéolos, local
onde o leite é
armazenado.RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA
19
Além de glândulas mamárias, os mamíferos apresentam também glândulas
sudoríferas, que produzem suor, e glândulas sebáceas, que produzem um
óleo responsável por lubrificar os pelos.
Os pelos, outra exclusividade
dos mamíferos, formam uma
barreira protetora contra a
perda de calor.
O tecido adiposo localizado
sob a pele também atua como
um isolante térmico.
poro
pelo
epiderme
músculo
glândula
sebácea
nervo
vasos
sanguíneos
glândula
sudorífera
camada de
células adiposas
RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA
20
Os dentes dos mamíferos têm formas e funções variadas. De acordo com os
hábitos alimentares de cada mamífero, alguns dentes são mais desenvolvidos.
Incisivos – cortar
Caninos – furar
Molares e pré-molares – triturar
réptil (serpente) cão cervo
INGEBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA
caninos
incisivos
pré-molares molar pré-molares
e molares
incisivos
Os dentes e suas funções:
21
Nos mamíferos, a maior parte da digestão e da absorção do alimento
ocorre no intestino delgado.
Ao longo do tubo digestório, o alimento entra em contato com enzimas
digestivas produzidas pelas glândulas salivares, fígado, pâncreas e intestino
delgado.
cérebro medula espinal
diafragma
vesícula
fígado
estômago
rim
ureter
intestino
grosso
intestino
delgado
ânus
testículo
uretra
bexiga
baço
pâncreas
coração
pulmão
esôfago
traqueia
língua
narina
cavidade
oral
cavidade nasal
HIROE SASAKI / ARQUIVO DA EDITORA
22
Todos os mamíferos, até mesmo os aquáticos, possuem pulmões.
É nos alvéolos pulmonares que
ocorrem as trocas gasosas. A
existência de alvéolos aumenta muito a
superfície respiratória dos pulmões.
Respiração
cavidade nasal
laringe pulmão
traqueia
brônquios
diafragma
bronquíolo
alvéolo
RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA
HIROESASAKI/ARQUIVODAEDITORA
23
O coração dos mamíferos, assim como o das aves, possui dois átrios
e dois ventrículos.
A eliminação de substâncias tóxicas
é feita pelo sistema urinário.
Circulação e excreção
veia cava
inferior
ureter
bexiga
urinária
uretra
rim
artéria renal
veia renal
aorta
veia cava superior sangue
rico em
oxigênio
sangue pobre
em oxigênio
pulmão
cabeça
e braços
artéria aorta
pulmão
veias
pulmonares
órgãos
pernas
veia cava inferior
veias
pulmonares
HIROE SASAKI / ARQUIVO DA EDITORA
24
O sistema nervoso dos mamíferos
O cérebro dos mamíferos é muito desenvolvido
em relação a outras partes do encéfalo, o que
lhes confere uma grande capacidade de
aprendizado.
Exemplo: morcegos possuem excelente audição.
Dependendo do modo de vida do animal, alguns
de seus sentidos podem ser mais aguçados do
que outros.
encéfalo
medula
espinal
nervos
RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA
25
Quase todos os mamíferos são vivíparos e a fecundação é sempre interna.
Os filhotes se desenvolvem e se nutrem dentro do útero materno.
O embrião retira alimento e oxigênio do útero da mãe por meio da placenta.
Reprodução
DR.G.MOSCOSO/SCIENCEPHOTOIBRARY/LATINSTOCK
RODVAL MATIAS / ARQUIVO DA EDITORA
cordão
umbilical
líquido
amniótico
âmnio
placenta
útero
26
Os mamíferos podem ser classificados em três grupos: prototérios,
metatérios e eutérios.
A única ordem de prototérios, formada pelo ornitorrinco e a equidna. Possuem
pelos e produzem leite, mas são ovíparos e têm cloaca.
Ornitorrinco. Equidna.
As ordens de mamíferos
Monotremados
SHINYOSHIRO/MINDENPICTURES/LATINSTOCK
REGMORRISON/MINDENPICTURES/LATINSTOCK
27
Ordem do grupo dos metatérios, formada por cangurus, coalas, gambás,
catitas e cuícas.
Nesses animais a
placenta é pouco
desenvolvida e o
embrião completa seu
desenvolvimento dentro
de uma bolsa chamada
marsúpio, localizada no
ventre da mãe.
Catita.
Canguru.
Gambá.
Marsupiais
FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
28
O grupo dos eutérios abrange quase todos os mamíferos. São vivíparos e têm
placenta bem desenvolvida. Dividem-se nas principais ordens:
Xenartros: tamanduás e preguiças. Seus dentes são pouco desenvolvidos.
Insetívoros: toupeira e musaranho. Pequenos e com focinho longo. Comem
insetos.
Tamanduá-mirim.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
29
Musaranho.
ANTONYBANNISTER/GALLOIMAGES/CORBIS
Lagomorfos: coelhos e lebres. Possuem dois pares de dentes incisivos e
são herbívoros.
Lebre.
Roedores: ratos, capivaras, cutias, esquilos, pacas, preás e marmortas.
Possuem dois pares de dentes incisivos bem desenvolvidos, adaptados para
roer e são herbívoros.
Esquilo.
FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
30
Carnívoros: lobos, cães, gatos, leões, ursos, lontras, raposas, onças,
guaxinins, etc. Têm caninos bem desenvolvidos.
Quirópteros: morcegos. Os membros anteriores desses animais
transformaram-se em asas.
Lobo-guará. Morcego.
FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
31
Proboscídeos: elefantes. O nariz e o lábio superior formam uma tromba.
Os dentes incisivos superiores formam as presas. São herbívoros.
Elefante. Lhama.
Artiodáctilos: bois, porcos, girafas, cabras,
camelos, hipopótamos, lhamas, etc. São herbívoros,
com número par de dedos e cascos.
ROBERTHARDHOLT/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES
MAURITIUS/LATINSTOCK
32
Perissodáctilos: cavalos, zebras, antas, rinocerontes. São herbívoros; têm
cascos e número ímpar de dedos.
Cetáceos: golfinhos e baleias. São aquáticos,
com os membros anteriores transformados em
nadadeiras.
Anta.
Sirênios: peixe-boi. É aquático, herbívoro e
possui nadadeiras.
Peixe-boi.Golfinho.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
SUZIESZTERHAS/MIDENPICTURES/LATINSTOCK
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
33
Primatas: társio, lóris, macacos e seres humanos. Possuem cinco dedos com
unhas e cérebro bem desenvolvido em relação ao tamanho do corpo.
Gorila. Macaco-aranha. Mico-leão-da-cara-dourada.
STEPHENBELCHER/FOTONATURA/MIDENPICTURES/LATINSTOCK
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
34
Os antepassados dos atuais mamíferos surgiram antes das aves, há cerca de
240 milhões de anos.
Evoluíram dos terapsidas, um grupo de
répteis já extinto. Os antepassados dos
mamíferos eram criaturas do tamanho
dos insetívoros atuais.
A evolução dos mamíferos
RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA
35
Link para
ambiente online
Foi somente com a extinção dos dinossauros que os mamíferos puderam se
espalhar por vários tipos de ambiente. A partir daí, por evolução, surgiram os
diversos grupos de mamíferos.
Mamute. Tatu-gigante.
Preguiça-gigante.
Tigre-dentes-de-sabre.
Macrauquênia.
Veja alguns mamíferos extintos:
ILUSTRAÇÕES:ANTHONYBANNISTER/CORBIS/LATINSTOCK
36

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1
Henrique Zini
 

Mais procurados (20)

Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
Frutos
FrutosFrutos
Frutos
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
 
OS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOSOS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOS
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Filo mollusca texto
Filo mollusca textoFilo mollusca texto
Filo mollusca texto
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - Biologia
 
Animais invertebrados parte 1
Animais invertebrados   parte 1Animais invertebrados   parte 1
Animais invertebrados parte 1
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Nomenclatura taxonomia
Nomenclatura taxonomiaNomenclatura taxonomia
Nomenclatura taxonomia
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1
 
7 ano invertebrados
7 ano invertebrados7 ano invertebrados
7 ano invertebrados
 
IV.1 Peixes
IV.1 PeixesIV.1 Peixes
IV.1 Peixes
 

Semelhante a Vertebrados II - Aves e Mamíferos

Classe das aves_cordados_
Classe das aves_cordados_Classe das aves_cordados_
Classe das aves_cordados_
Altair Hoepers
 

Semelhante a Vertebrados II - Aves e Mamíferos (20)

Aves
AvesAves
Aves
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Reino animalia - aves
Reino animalia - avesReino animalia - aves
Reino animalia - aves
 
.Classe Aves.
.Classe Aves..Classe Aves.
.Classe Aves.
 
Aves e Mamíferos
Aves e Mamíferos Aves e Mamíferos
Aves e Mamíferos
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
 
Aves
AvesAves
Aves
 
aves 2.pdf
aves 2.pdfaves 2.pdf
aves 2.pdf
 
Sistema respiratório das aves, mamíferos, repteis, peixes e anfibios pptx
Sistema respiratório das aves, mamíferos, repteis, peixes e anfibios pptxSistema respiratório das aves, mamíferos, repteis, peixes e anfibios pptx
Sistema respiratório das aves, mamíferos, repteis, peixes e anfibios pptx
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
classe das aves
classe das avesclasse das aves
classe das aves
 
4 - morfologia e fisiologia animal
4 - morfologia e fisiologia animal4 - morfologia e fisiologia animal
4 - morfologia e fisiologia animal
 
Classe das aves_cordados_
Classe das aves_cordados_Classe das aves_cordados_
Classe das aves_cordados_
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
Classeaves1 111030192401-phpapp01
Classeaves1 111030192401-phpapp01Classeaves1 111030192401-phpapp01
Classeaves1 111030192401-phpapp01
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Artrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermosArtrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermos
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
14a-aula--aves.pdf
14a-aula--aves.pdf14a-aula--aves.pdf
14a-aula--aves.pdf
 

Mais de Andre Luiz Nascimento

Organismos transgenicos e geneticamente modificados
Organismos transgenicos e geneticamente modificadosOrganismos transgenicos e geneticamente modificados
Organismos transgenicos e geneticamente modificados
Andre Luiz Nascimento
 

Mais de Andre Luiz Nascimento (20)

Aula Sabões e reação de saponificação.pptx
Aula Sabões e reação de saponificação.pptxAula Sabões e reação de saponificação.pptx
Aula Sabões e reação de saponificação.pptx
 
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdfAula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
 
Organismos transgenicos e geneticamente modificados
Organismos transgenicos e geneticamente modificadosOrganismos transgenicos e geneticamente modificados
Organismos transgenicos e geneticamente modificados
 
Aula Sistema Cardiovascular.pdf
Aula Sistema Cardiovascular.pdfAula Sistema Cardiovascular.pdf
Aula Sistema Cardiovascular.pdf
 
Sistema Nervoso.ppt
Sistema Nervoso.pptSistema Nervoso.ppt
Sistema Nervoso.ppt
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Aula invertebrados
Aula invertebradosAula invertebrados
Aula invertebrados
 
Biomas terrestres
Biomas terrestres Biomas terrestres
Biomas terrestres
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Aula fungos 2018
Aula fungos 2018Aula fungos 2018
Aula fungos 2018
 
Os seres vivos mais simples virus e bacterias
Os seres vivos mais simples   virus e  bacteriasOs seres vivos mais simples   virus e  bacterias
Os seres vivos mais simples virus e bacterias
 
Nucleo celular e cromossomos
Nucleo celular e cromossomosNucleo celular e cromossomos
Nucleo celular e cromossomos
 
Aula mitose e meiose 2os
Aula mitose e meiose   2osAula mitose e meiose   2os
Aula mitose e meiose 2os
 
Grupos sanguineos
Grupos sanguineosGrupos sanguineos
Grupos sanguineos
 
Botanica geral i grupos vegetais ppt
Botanica geral i  grupos vegetais pptBotanica geral i  grupos vegetais ppt
Botanica geral i grupos vegetais ppt
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Aula genética
Aula genéticaAula genética
Aula genética
 
Aula dna 2015
Aula dna 2015Aula dna 2015
Aula dna 2015
 
Aula membrana e transporte celular
Aula membrana e transporte celular Aula membrana e transporte celular
Aula membrana e transporte celular
 

Vertebrados II - Aves e Mamíferos

  • 1. 4 - Aves O Brasil é um dos países com a maior diversidade de aves do mundo. No entanto, muitas aves estão ameaçadas de extinção. • Que diferenças existem entre o corpo das aves e dos répteis? • Que adaptações ao voo há no corpo das aves? FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO GLORIA JAFET / KINO.COM.BR 1
  • 2. O corpo das aves As aves são bípedes e a forma dos pés está diretamente relacionada com o modo de vida de cada ave. Os pés têm diversas funções: caminhar ou correr, nadar, segurar presas, etc. CLÁUDIOCHIYO/ARQUIVODAEDITORA As aves – assim como os mamíferos – são animais endotérmicos, ou seja, mantêm a temperatura corporal constante devido à energia obtida na respiração celular. 2
  • 3. As aves são os únicos animais que apresentam penas, estruturas leves e flexíveis formadas por queratina. Muitos ossos das aves são ocos e aves voadoras possuem uma saliência no osso do peito (esterno), chamada de quilha ou carena. Aves possuem uma única glândula, a glândula uropigiana, localizada na cauda carena músculos peitorais ossos com cavidades cheias de ar ILUSTRAÇÕES:INGEBORGASBACH/ ARQUIVODAEDITORA 3
  • 4. Os músculos associados ao voo são, em geral, bastante desenvolvidos. Em algumas aves, o peso dos músculos chega a 30% do peso do corpo do animal. Os ossos ocos, músculos desenvolvidos e as penas são apenas algumas das adaptações ao voo que as aves apresentam. A pélvis dá apoio aos músculos dos membros traseiros. As vértebras caudais unidas sustentam as penas da cauda. Os quatro dedos permitem à ave marchar ou se agarrar a um galho. A carena dá apoio aos músculos das asas. ILUSTRAÇÕES: INGEBORG ASBACH / ARQUIVO DA EDITORA 4
  • 5. Como as aves se alimentam Geralmente, o tamanho e o formato do bico estão adaptados ao hábito alimentar das aves. As aves não possuem dentes, o que contribui para a redução de seu peso. FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 5
  • 6.
  • 7. cérebro As aves possuem um estômago mecânico, a moela, que tritura o alimento. Possuem também um estômago químico, que produz os sucos digestivos. Nas aves que comem sementes e grãos, existe ainda o papo, onde o alimento é armazenado e amolecido. narina língua faringe traqueia esôfago papo coração fígado moela duodeno pâncreas intestino grosso cloaca ureterrim pulmão medula espinal cerebelo INGEBORG ASBACH / ARQUIVO DA EDITORA testículo 7
  • 8. A respiração das aves Esses sacos acumulam o ar inspirado pela ave e o bombeiam para o pulmão, aumentando a eficiência respiratória. As trocas gasosas ocorrem nos pulmões, aos quais estão ligados sacos aéreos. pulmão traqueia sacos aéreos INGEBORGASBACH/ ARQUIVODAEDITORA 8
  • 9. As aves possuem um coração com quatro cavidades: dois átrios e dois ventrículos. Não há mistura de sangue rico em gás carbônico com sangue rico em oxigênio. Portanto, o corpo das aves recebe apenas sangue rico em oxigênio. Aves não têm bexiga urinária e os rins eliminam uma urina pastosa junto com as fezes. coração pulmão corpo Sangue com gás carbônico é enviado ao pulmão. Sangue com oxigênio vai para o coração. átrio direito ventrículo direito Sangue com gás carbônico volta ao coração. Sangue com oxigênio é bombeado pelo coração para o corpo. ventrículo esquerdo átrio esquerdo ILUSTRAÇÕES:INGEBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA 9
  • 10. O sistema nervoso das aves As regiões do encéfalo que controlam o voo e o sentido da visão das aves são bem desenvolvidas. A audição das aves também é bastante apurada. O canto, produzido na siringe, tem várias funções: marcar território, atrair o sexo oposto, alertar os companheiros sobre predadores, etc. Encéfalo Medula espinal Nervos Sistema nervoso 10
  • 11. A reprodução das aves Várias espécies de aves apresentam comportamentos sexuais muito elaborados e relacionados à competição por território e à conquista da fêmea (danças, exibição da plumagem, etc.). Os sexos são separados e a fecundação é interna. Aves são todas ovíparas. FRANSLANTING/MINDENPICTURES FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 11
  • 12. A formação do ovo O ovo das aves é semelhante ao dos répteis e tem a função de proteger e alimentar o embrião. O maior ovo conhecido é o do avestruz, com cerca de 20 cm de comprimento. O óvulo possui gema em seu citoplasma. Após a fecundação, a célula-ovo desce pela tuba uterina e formam-se em torno dela a clara e uma casca. INGEBORGASBACH/ ARQUIVODAEDITORA gema clara casca embrião JOHNREADER/SCIENCEPHOTOLIBRARY/LATINSTOCK 12
  • 13. A maioria das aves constrói ninhos com gravetos, grama, pelos, penas, barro, etc., onde chocam os ovos. O ninho também protege os ovos contra os predadores. Após o tempo de incubação, que varia de espécie para espécie, ocorre a eclosão do ovo: a casca se quebra e o filhote sai. JOHNREADER/SCIENCEPHOTOLIBRARY/LATINSTOCK DENISEGRECO/ACERVODA FOTÓGRAFA FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 13
  • 14. As ordens das aves Garça-branca-grande: Ciconiformes. Bem-te-vi: Passeriformes. Beija-flor-rubi: Apodiformes. Arara-vermelha: Psitaciformes. As aves são divididas em 28 ordens. Veja alguns representantes das principais ordens: FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 14
  • 15. Gavião-carrapateiro: Falconiformes Ema: Reiformes Pato-do-mato: Anseriformes Pombo: Columbiformes Pavão: Galiformes Coruja-buraqueira: Estrigiformes FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ ACERVODOFOTÓGRAFO 15
  • 16. A evolução das aves O arqueópterix, que tem cerca de 150 milhões de anos, parece confirmar essa hipótese. Para muitos cientistas, as aves surgiram provavelmente de um grupo de pequenos dinossauros carnívoros. Os fósseis indicam que alguns dinossauros possuíam penas. INGEBORG ASBACH / ARQUIVO DA EDITORA 16
  • 17. Entre os dinossauros evolutivamente mais próximos das aves estaria o gênero Velociraptor, que possuía um pescoço alongado e móvel, pés com três dedos e ossos ocos. Além disso, muitos possuíam penas, que poderiam atuar como isolante térmico. Para os cientistas, as semelhanças são tantas que as aves podem ser consideradas verdadeiros “dinossauros avianos”. CHRISBUTLER/SCIENCEPHOTOLIBRARY/LATINSTOCK 17
  • 18. Nós e os chimpanzés somos mamíferos. Além disso, somos mais parecidos com os chimpanzés do que com qualquer outro animal. • Você sabe dizer por que os seres humanos fazem parte do grupo dos mamíferos? Chimpanzé comum. Bonobo. Mamíferos FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO PHOTORESEARCHERS/LATINSTOCK 18
  • 19. O nome mamíferos indica uma das características exclusivas desse grupo: as fêmeas possuem glândulas mamárias. Os mamíferos machos também têm glândulas mamárias, mas elas são atrofiadas e não fabricam leite. A pele dos mamíferos mamilo ducto que leva o leite gordura Alvéolos, local onde o leite é armazenado.RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA 19
  • 20. Além de glândulas mamárias, os mamíferos apresentam também glândulas sudoríferas, que produzem suor, e glândulas sebáceas, que produzem um óleo responsável por lubrificar os pelos. Os pelos, outra exclusividade dos mamíferos, formam uma barreira protetora contra a perda de calor. O tecido adiposo localizado sob a pele também atua como um isolante térmico. poro pelo epiderme músculo glândula sebácea nervo vasos sanguíneos glândula sudorífera camada de células adiposas RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA 20
  • 21. Os dentes dos mamíferos têm formas e funções variadas. De acordo com os hábitos alimentares de cada mamífero, alguns dentes são mais desenvolvidos. Incisivos – cortar Caninos – furar Molares e pré-molares – triturar réptil (serpente) cão cervo INGEBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA caninos incisivos pré-molares molar pré-molares e molares incisivos Os dentes e suas funções: 21
  • 22. Nos mamíferos, a maior parte da digestão e da absorção do alimento ocorre no intestino delgado. Ao longo do tubo digestório, o alimento entra em contato com enzimas digestivas produzidas pelas glândulas salivares, fígado, pâncreas e intestino delgado. cérebro medula espinal diafragma vesícula fígado estômago rim ureter intestino grosso intestino delgado ânus testículo uretra bexiga baço pâncreas coração pulmão esôfago traqueia língua narina cavidade oral cavidade nasal HIROE SASAKI / ARQUIVO DA EDITORA 22
  • 23. Todos os mamíferos, até mesmo os aquáticos, possuem pulmões. É nos alvéolos pulmonares que ocorrem as trocas gasosas. A existência de alvéolos aumenta muito a superfície respiratória dos pulmões. Respiração cavidade nasal laringe pulmão traqueia brônquios diafragma bronquíolo alvéolo RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA HIROESASAKI/ARQUIVODAEDITORA 23
  • 24. O coração dos mamíferos, assim como o das aves, possui dois átrios e dois ventrículos. A eliminação de substâncias tóxicas é feita pelo sistema urinário. Circulação e excreção veia cava inferior ureter bexiga urinária uretra rim artéria renal veia renal aorta veia cava superior sangue rico em oxigênio sangue pobre em oxigênio pulmão cabeça e braços artéria aorta pulmão veias pulmonares órgãos pernas veia cava inferior veias pulmonares HIROE SASAKI / ARQUIVO DA EDITORA 24
  • 25. O sistema nervoso dos mamíferos O cérebro dos mamíferos é muito desenvolvido em relação a outras partes do encéfalo, o que lhes confere uma grande capacidade de aprendizado. Exemplo: morcegos possuem excelente audição. Dependendo do modo de vida do animal, alguns de seus sentidos podem ser mais aguçados do que outros. encéfalo medula espinal nervos RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA 25
  • 26. Quase todos os mamíferos são vivíparos e a fecundação é sempre interna. Os filhotes se desenvolvem e se nutrem dentro do útero materno. O embrião retira alimento e oxigênio do útero da mãe por meio da placenta. Reprodução DR.G.MOSCOSO/SCIENCEPHOTOIBRARY/LATINSTOCK RODVAL MATIAS / ARQUIVO DA EDITORA cordão umbilical líquido amniótico âmnio placenta útero 26
  • 27. Os mamíferos podem ser classificados em três grupos: prototérios, metatérios e eutérios. A única ordem de prototérios, formada pelo ornitorrinco e a equidna. Possuem pelos e produzem leite, mas são ovíparos e têm cloaca. Ornitorrinco. Equidna. As ordens de mamíferos Monotremados SHINYOSHIRO/MINDENPICTURES/LATINSTOCK REGMORRISON/MINDENPICTURES/LATINSTOCK 27
  • 28. Ordem do grupo dos metatérios, formada por cangurus, coalas, gambás, catitas e cuícas. Nesses animais a placenta é pouco desenvolvida e o embrião completa seu desenvolvimento dentro de uma bolsa chamada marsúpio, localizada no ventre da mãe. Catita. Canguru. Gambá. Marsupiais FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 28
  • 29. O grupo dos eutérios abrange quase todos os mamíferos. São vivíparos e têm placenta bem desenvolvida. Dividem-se nas principais ordens: Xenartros: tamanduás e preguiças. Seus dentes são pouco desenvolvidos. Insetívoros: toupeira e musaranho. Pequenos e com focinho longo. Comem insetos. Tamanduá-mirim. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 29 Musaranho. ANTONYBANNISTER/GALLOIMAGES/CORBIS
  • 30. Lagomorfos: coelhos e lebres. Possuem dois pares de dentes incisivos e são herbívoros. Lebre. Roedores: ratos, capivaras, cutias, esquilos, pacas, preás e marmortas. Possuem dois pares de dentes incisivos bem desenvolvidos, adaptados para roer e são herbívoros. Esquilo. FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 30
  • 31. Carnívoros: lobos, cães, gatos, leões, ursos, lontras, raposas, onças, guaxinins, etc. Têm caninos bem desenvolvidos. Quirópteros: morcegos. Os membros anteriores desses animais transformaram-se em asas. Lobo-guará. Morcego. FOTOS:FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 31
  • 32. Proboscídeos: elefantes. O nariz e o lábio superior formam uma tromba. Os dentes incisivos superiores formam as presas. São herbívoros. Elefante. Lhama. Artiodáctilos: bois, porcos, girafas, cabras, camelos, hipopótamos, lhamas, etc. São herbívoros, com número par de dedos e cascos. ROBERTHARDHOLT/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES MAURITIUS/LATINSTOCK 32
  • 33. Perissodáctilos: cavalos, zebras, antas, rinocerontes. São herbívoros; têm cascos e número ímpar de dedos. Cetáceos: golfinhos e baleias. São aquáticos, com os membros anteriores transformados em nadadeiras. Anta. Sirênios: peixe-boi. É aquático, herbívoro e possui nadadeiras. Peixe-boi.Golfinho. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO SUZIESZTERHAS/MIDENPICTURES/LATINSTOCK FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 33
  • 34. Primatas: társio, lóris, macacos e seres humanos. Possuem cinco dedos com unhas e cérebro bem desenvolvido em relação ao tamanho do corpo. Gorila. Macaco-aranha. Mico-leão-da-cara-dourada. STEPHENBELCHER/FOTONATURA/MIDENPICTURES/LATINSTOCK FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 34
  • 35. Os antepassados dos atuais mamíferos surgiram antes das aves, há cerca de 240 milhões de anos. Evoluíram dos terapsidas, um grupo de répteis já extinto. Os antepassados dos mamíferos eram criaturas do tamanho dos insetívoros atuais. A evolução dos mamíferos RODVALMATIAS/ARQUIVODAEDITORA 35 Link para ambiente online
  • 36. Foi somente com a extinção dos dinossauros que os mamíferos puderam se espalhar por vários tipos de ambiente. A partir daí, por evolução, surgiram os diversos grupos de mamíferos. Mamute. Tatu-gigante. Preguiça-gigante. Tigre-dentes-de-sabre. Macrauquênia. Veja alguns mamíferos extintos: ILUSTRAÇÕES:ANTHONYBANNISTER/CORBIS/LATINSTOCK 36