SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ANGELINA JAIME TEBET

                 Prof. Carlos Roberto



          ARTRÓPODES


           O filo dos artrópodes (gr. arthros = articulado + poda
           = pé) contém a maioria dos animais conhecidos (mais
           de 3 em cada 4 espécies animais), mais de 1 milhão
           de espécies, muitas das quais extremamente
           abundantes em número de indivíduos.




    www.carlosrobertodasvirgens.wikispaces.com/
Artrópodes
Artrópodes
Características gerais:
 Celomados
 Protostômios
 Triblásticos

 Corpo segmentado com apêndices
articulados

 Exoesqueleto de quitina (polissacarídeo)
 impermeável e resistente
Conseqüência: impede crescimento
Solução: muda ou ecdise (troca periódica do exoesqueleto)
 Controlado pelo hormônio ecdisona
Artrópodes


         muda
CLASSIFICAÇÃO
 A classificação dos artrópodes reflete a grande
    diversidade do filo. Isso a torna bastante complexa,
    envolvendo inúmeros grupos e subgrupos taxonômicos.
    O que veremos a seguir é uma simplificação desta
    classificação, na qual os artrópodes atuais podem ser
    divididos em:
    Classe Insecta
   Classe Arachnida
   Classe Crustacea
   Classe Chilopoda
   Classe Diplopoda
EXOESQUELETO
 O exoesqueleto é o esqueleto externo dos artrópodes.
  Ele dá sustentação e proteção ao corpo do animal,
  sendo uma barreira física entre as partes moles do corpo
  e o ambiente, e evita também a perda de água.
 A quitina que compõe o exoesqueleto é um material
  extraordinário. Pode constituir uma verdadeira armadura,
  como ocorre nos crustáceos (nos quais o exoesqueleto é
  impregnado com grande quantidade de sais de cálcio),
  mas se mantém fina e flexível nas juntas e articulações,
  facilitando os movimentos. Como a quitina é rígida e
  impermeável, proporciona sustentação, proteção
  mecânica e atua contra a desidratação, o que representa
  uma importante adaptação à vida em meio terrestre.
EXOESQUELETO
 O período entre duas mudas sucessivas é conhecido como intermuda,
  durante o qual o crescimento do animal é muito lento, feito às custas de
  proteínas e outros compostos orgânicos sintetizados, repondo os
  fluidos absorvidos após a ecdise.
 O grande aumento de tamanho e peso ocorro no período
  imediatamente seguinte à muda, quando a cutícula mole pode ainda
  ser distendida. Assim, o crescimento dos artrópodes tem uma certa
  continuidade, embora com variações de intensidade. A duração das
  intermudas torna-se maior à medida que o animal envelhece. Alguns
  artrópodes, como as lagostas e a maioria dos caranguejos, continuam
  sofrendo mudas durante toda a vida. Outros, como os insetos e as
  aranhas, cessam as mudas quando atingem a maturidade sexual.
 A muda é controlada por hormônios, como a ecdisona, secretados por
  glândulas especiais, e que circulam pela corrente sangüínea, atuando
  diretamente sobre as células epidérmicas. Há inclusive hormônios
  encarregados de regular a produção de ecdisona.
Artrópodes
Gráfico de crescimento

 tamanho
                         Não artrópode




                          Artrópode


                                  crescimento


                                muda



                                          tempo
Sistema digestório
SISTEMA DIGESTÓRIO
Respiração

 Nos artrópodes, podem ser encontrados
  três tipos diferentes de estruturas
  respiratórias:

 • as brânquias
 • as traquéias
 as filotraquéias ou pulmões foliáceos
RESPIRAÇÃO
RESPIRAÇÃO
Circulação
 O sistema circulatório dos artrópodes é do tipo
  aberto, no qual o sangue deixa os vasos e
  passa a fluir por espaços livres entre os
  tecidos, as lacunas ou hemoceles.
 O coração muscular fica situado dorsalmente e
  bombeia o sangue para todo o corpo.
  Aracnídeos e crustáceos possuem sangue
  quase incolor, contendo hemocianina como
  pigmento      respiratório, responsável  pelo
  transporte gasoso.

SISTEMA CIRCULATÓRIO
Excreção
   Os sistemas excretores dos artrópodes retiram excretas nitrogenadas das
    lacunas sangüíneas e, através de diferentes estruturas, eliminam-nos para o
    meio exterior. Estas estruturas são:

   • os túbulos de Malpighi são típicos dos artrópodes terrestres, como os insetos,
    aracnídeos, quilópodes e diplópodes. São tubos alongados que retiram excreta
    das hemoceles e descarregam-nos no interior do intestino, de onde são
    eliminados com as fezes.

   • as glândulas coxais, típicas dos aracnídeos, são estruturas saculiformes de
    parede delgada que eliminam os resíduos através de dutos que se abrem nas
    coxas das patas.

   • as glândulas verdes ou antenais existem nos crustáceos. Estão situadas na
    cabeça e eliminam os resíduos por meio de dutos que se abrem na base das
    antenas. É comum também a eliminação de excretas através da superfície do
    corpo ou pelas brânquias.

   O principal produto de excreção nitrogenada dos aracnídeos é uma substância
    chamada guanina. Em crustáceos, a amônia é o principal produto de excreção
    e, nos insetos, o ácido úrico. Ácido úrico e guanina são materiais de baixa
    toxidade e requerem pouca água para sua eliminação. Isso representa uma
    economia de água para o animal, constituindo-se em outra adaptação à vida em
    meio terrestre.
Sensibilidade
 Há um alto grau de cefalização nos artrópodes,
  com um cérebro mais avantajado em relação
  aos celenterados por exemplo. Há também um
  grande desenvolvimento dos órgãos sensoriais,
  levando a padrões de comportamento mais
  complexos.
  A estrutura do sistema nervoso é semelhante
  àquela encontrada nos anelídeos, ou seja, é
  ganglionar ventral. Há um par de gânglios
  cerebrais situados dorsalmente, de onde parte
  uma dupla cadeia ganglionar ventral, com
  pequenos gânglios segmentares.
Sistema nervoso
Órgão sensorial
 São comuns os pêlos sensitivos e cerdas
  que, quando se movem, estimulam receptores
  na sua base, estando colocado tanto no corpo
  quanto nas patas e antenas. Cavidades do
  exoesqueleto podem conter quimioreceptores
  ou estarem cobertas por membranas que
  captam vibrações. As antenas contem
  quimioreceptores e desempenham função
  olfativa e acústica.
Reprodução
 Os artrópodes, em geral, são dióicos. As
  formas terrestres têm fecundação interna,
  utilizando apêndices modificados na copulação.
  Já as formas aquáticas podem realizar externa
  ou interna. A maioria das formas apresenta
  estágio larval, sendo o estágio adulto atingido
  através de metamorfose. Mecanismos de corte
  precedem a copulação em diversas formas.
REPRODUÇÃO
CLASSE INSECTA
 têm o corpo dividido em cabeça, tórax e abdome.
 Apresentam um par de antenas e três pares de patas.
 Podem ter asas, sendo os únicos invertebrados capazes
  de voar.
 Representam cerca de 90% de todos os artrópodes
  (aproximadamente 900 mil espécies).
 Entre os representantes mais conhecidos, podem ser
  citados os gafanhotos, formigas, besouros e borboletas.
Classe insecta
Classe insecta

 Os insetos perfazem mais de 1 milhão
  espécies (fato que justifica uma ciência
  para os estudar – entomologia), sendo
  os mais abundantes, mais bem
  sucedidos e mais diversamente
  distribuídos dos animais terrestres. No
  entanto, estima-se que possam existir
  entre 5 e 10 milhões.
Caracterização dos insetos
 As principais características dos insetos incluem cabeça,
  tórax e abdome distintos, todos com função
  determinada.
      A cabeça suporta o aparelho bucal, cuja forma e
  composição pode ser muito variada, e a maioria dos
  órgãos sensoriais (olhos e antenas). Apresenta, assim,
  os seguintes apêndices:
 um par de antenas;
 armadura bucal - formada por peças especializadas em
  mastigar, sugar ou lamber e que inclui:
    um par de mandíbulas;
    um par de maxilas;
Classe insecta
 Aparelhos bucais
 Associado à boca destes invertebrados existe um
  conjunto de peças, chamado, aparelho bucal. Sua forma
  varia de acordo com os hábitos alimentares de cada tipo
  de inseto. Os aparelhos bucais podem ser classificados
  em cinco tipos, segundo sua função. São os seguintes:
         - sugador => no caso da mosca e da borboleta;
          - picador-sugador => no caso dos mosquitos e
  dos piolhos;
          - mastigador ou triturador => no caso do
  gafanhoto, do grilo, da barata e dos besouros;
          - pungitivo => o caso das cigarras; e
          - lambedor-sugador => no caso das abelhas.
Aparelhos bucais
Metamorfose nos insetos
 Chama-se metamorfose o conjunto de transformações externas
  e internas que o inseto sofre desde o ovo até o estágio adulto.
 Os insetos que passam por uma metamorfose muito simples,
  pois já nascem com o aspecto dos adultos, chamam-se
  ametábolos - a traça é um exemplo.
 Os insetos de metamorfose incompleta, ou hemimetábolos, são
  ninfas em seus estágios iniciais. Una ninfa é quase sempre
  muito parecida ao estágio adulto – chamado imago-. Por
  exemplo: eles já têm olhos como os adultos, e não ocelos como
  as larvas; já têm patas verdadeiras; e esboços de asas. Esse
  tipo de desenvolvimento aparece nos percevejos, nos
  gafanhotos, nos pulgões...
 Por último, os que passam pela metamorfose completa
  (holometábolos) atravessam várias etapas. No estado larval
  eles são muito diferentes dos adultos: não têm olhos
  compostos, nem patas, nem esboços de asas.
METAMORFOSE
Holometábolo
HOLOMETÁBOLO
HEMIMETÁBOLO
AMETÁBOLO
Os insetos e o ser humano
 Aspectos positivos
 Algumas espécies têm papel fundamental na
    polinização de flores. Ex: abelhas.
   Muitos insetos são usados em técnicas de
    controle biológico, auxiliam o homem no
    combate a espécies nocivas. Ex: joaninha.
   Aspectos negativos
   Ataque a plantações. Exs: bicudo, pulgão, etc.
   Transmissão de doenças.
   Prejuízos domésticos. Exs: traças, cupins.
INSETOS
crustáceos
 Os crustáceos (do latim crusta, ‘crosta’) são
  artrópodos caracterizados principalmente pelo
  corpo protegido por uma crosta formada pelo
  espesso exoesqueleto quitinoso (casca de
  camarão), a qual ainda é freqüentemente
  impregnada de sais calcários (casca de siri).
  Durante a muda para o crescimento, os
  crustáceos largam a sua crosta e, durante um
  certo período, apresentam-se desprotegidos. É
  o que se observa com o popular "siri mole",
  encontrado nas praias ou escondido nas
  pedras.
Habitat dos crustáceos

 São animais predominantemente
  aquáticos, marinhos e dulcícolas.
 Podem viver na areia das faixas
  litorâneas (caranguejo), em terra
  úmida(tatuzinho-de-jardim), e algumas
  espécies, como as cracas, vivem fixas
  às rochas, pilares de pontes, cascos de
  navios, etc.
Diferenciação entre siri e
caranguejo
 Caranguejo
 Cefalotórax quadrado, trapezóide ou
    arredondado.
   O último par de patas não é transformado em
    remos
   Siri
   Cefalotórax elíptico com a margem anterior
    denteada.
   Tem o último par de patas transformadas em
    remos.
Caranguejo e siri
Aracnídeos

 Esta classe compreende artrópodes
 incorretamente confundidos com os
 insetos. Mas distinguem-se deles
 nitidamente pela divisão do corpo, pelo
 número de patas e pela ausência de
 antenas. Como aracnídeos, são
 englobados as aranhas, os escorpiões,
 os carrapatos, os pseudo-escorpiões e
 os opilões.
ARACNÍDEOS
ARACNÍDEOS
 Principais características
 Corpo dividido em cefalotórax e abdome.
 Possuem quatro pares de patas (animais octópodes).
 Ausência de antenas (são áceros).
 Presença de palpos (apêndices semelhantes a patas, mas sem
  finalidade de locomoção; servem para prender vítimas e
  alimentos ou possuem função sexual).
 Muitas espécies venenosas e perigosas. Outras são
  parasitas (sarna, acne, carrapatos), ocorrendo, através de
  algumas, a transmissão de doenças infecto-contagiosas.
 Na maioria, a respiração por filotraquéias ou pulmões-livro.
 São a maioria terrestres, vivendo sob troncos, pedras, buracos
  no solo, em vários habitats, desde o nível do mar até altas
  montanhas.
Morfologia das aranhas
ARACNÍDEOS
 Escorpinídeos
 O corpo é dividido em cefalotórax e abdome
 Cefalotórax — onde se localizam as quelíceras, que
    servem para triturar o alimento, os pedipalpos, atuam
    como pinças preensoras, e quatro pares de patas.
   Abdome ¾ localizam-se as glândulas de veneno, numa
    dilatação denominada télson, portadora do aguilhão.
   Respiração por filotraquéias.
   Comuns nos locais de clima quente ou temperado. Há
    diversas espécies com dimensões e coloridos muito
    variados.
   As espécies mais comuns são o Tytius bahiensis e o
    Tytius serrulatus.
ESCORPIÕES
ARACNÍDEOS
   Os ácaros (do latim acarus, ‘carrapato’) compreendem pequenos artrópodes de
    corpo mal delimitado, pois o cefalotórax e o abdome parecem fundidos numa
    peça única globosa ou achatada, discóide.
   Muitas espécies atuam como parasitas de plantas diversas.
   Outras parasitam animais diversos, inclusive o homem. Ex: Sarcoptes scabiei
    (causador da sarna por sua multiplicação e irritação das camadas profundas da
    pele) e Demodex folliculorum (encontrado nos folículos pilosos e glândulas
    sebáceas da pele humana, agravando as manifestações de acne ou cravo).
   Existem ainda os ácaros que se nutrem de matéria orgânica em decomposição,
    de pêlos, de penas e de resíduos epiteliais. Ex: O Dermatophagoides farinae.
   Entre os ácaros conhecidos como carrapatos, estão os hematófagos, que sugam
    o sangue de animais selvagens e domésticos e também do homem.
   Opiliões
   Artrópodes frágeis, com certa semelhança com as aranhas, mas dotado de corpo
    muito pequeno e pernas exageradamente longas.
   Inofensivos.
   Vivem em cantos das casas e nos banheiros velhos.
   Em função das pernas muito longas, apresentam um andar bamboleante.
   Exemplo: Phalalgium sp., vulgarmente conhecido como opilião ou budum.
OPILÕES
ÁCAROS
ARACNÍDEOS
   FUNÇÕES
   Sistema Digestivo
   É do tipo completo e a digestão é extra-celular e extra-intestinal, nas aranhas, onde seus
    sucos digestivos são injetados no corpo das presas (local onde é feita a digestão do animal).
   A aranha não devora uma presa, pois apenas pode absorver líquidos. Injeta-lhe saliva e depois
    aspira o líquido resultante da digestão dos órgãos da presa.
    Sistema Circulatório
   A circulação é lacunar e o coração é dorsal no abdome. O "sangue" é formado por um plasma,
    contendo amebócitos e hemocianina como pigmento respiratório. É comum chamar a
    hemolinfa o líquido circulatório dos artrópodes.
    Sistema Excretor
   A excreção é feita por um par de Tubos de Malpighi, ramificados, e ainda um ou dois pares de
    glândulas coxais situadas no assoalho do cefalotórax (excretam por ductos que se abrem entre
    as pernas).
    Sistema Nervoso
   Apresentam um cérebro, ligado por um anel nervoso a uma cadeia ganglionar ventral,
    semelhante aos insetos.
    Sistema Sensorial
   Como órgão visuais há os ocelos, com função táctil, há os pedipalpos e há células
    quimioreceptores nos apêndices.
    Reprodução
   São animais de sexos separados, com diformismo sexual e fecundação interna. Nas aranhas o
    macho utiliza o pedipalpo como o órgão copulador. São ovíparos e vivíparos (escorpiões).
    Possuem desenvolvimento direto. Há partenogênese em alguns ácaros.
Quilópodes
   Conhecidos como lacraias ou centopéias, os quilópodes são animais
    terrestres agressivos. Seu veneno é muito doloroso.
   Têm corpo longo, cilíndrico, ligeiramente achatado dorsoventralmente
    segmentado em numeroso anéis, nos quais se prendem as patas
    articuladas (um par para cada segmento).
   A divisão do corpo é simples, compreendendo apenas a cabeça e o
    tronco.
   Além do par de antenas, a cabeça é dotada de peças bucais adaptada
    para a inoculação de peçonha e um par de olhos simples.
   Na extremidade posterior do tronco, observa-se um par de apêndices
    que simulam um aguilhão, freqüentemente enganando as pessoas, que
    julgam estar ali o órgão injetor da peçonha.
   São dotados de sistema digestivo completo.
   A excreção se dá por túbulos de Malpighi.
   Apresentam respiração traqueal.
   São dióicos, com fecundação interna.
   Carnívoros, alimentam-se de insetos diversos.
DIPLÓPODES
 Conhecidos como gongolôs, embuás ou
    piolhos-de-cobra, são artrópodes terrestres.
   O corpo dividido em cabeça, um pequeno tórax
    e um abdome longo.
   Além de um par de antenas, a cabeça é dotada
    de peças bucais e dois ocelos.
   Possuem dois pares de patas em cada anel.
   Organismos dióicos.
   São todos inofensivos, já que não possuem
    glândulas secretoras de peçonha.
   Vivem em buracos no solo. Enroscam-se
    quando agredidos.
Diferenciação entre
quilópodes e diplópodes
         Quilópodes                     Diplópodes
   Apresentam movimentos         Apresentam movimentos
    rápidos;                       lentos;
   São carnívoros;               São herbívoros;
   Têm um par de antenas         Têm um par de antenas
    longas;                        curtas;
   Produzem veneno;              Não produzem veneno;
   Dotados de patas longas;      Dotados de patas curtas;
   Incapazes de enrolar-se;      Capazes de enrolar-se
   Corpo mais achatado;           em espiral;
   Menor número de               Corpo mais circular;
    segmentos.                    Maior número de
                                   segmentos.
Divisões de classes
ARANHAS
 ESPÉCIES PERIGOSAS
                Phoneutria nigriventer (aranha
 armadeira) :Coloração marrom, com pares de
 manchas ao longo da parte dorsal do abdômen;
 possuem oito olhos em três filas: 2:4:2; de 4 a 5
 cm de corpo, podendo atingir até 12 cm,
 incluindo as pernas. Vivem em bananeiras, sob
 troncos caídos, bem como, próximo e dentro
 das moradias; não fazem teia e assumem
 posição de defesa quando se sentem
 ameaçadas.
Aranhas
 Loxosceles spp (aranha marrom) : coloração
  marrom avermelhado; cefalotórax achatado;
  seis olhos em três pares; apresentam até 1 cm
  de corpo e 3 a 4cm incluindo as pernas.
  Costumam alojar-se em fendas de barrancos,
  pilhas de telhas, cavernas, sob cascas de
  árvores, bem como, próximo e dentro das
  moradias.
ARANHAS
 Latrodectus curacaviensis (viúva-negra): conhecida
  como flamenguinha e aranha barriga vermelha. Possui
  abdômen globoso de coloração preta com faixas
  vermelhas e, por vezes, alaranjada; apresenta no ventre
  uma mancha vermelha em forma de ampulheta; oito
  olhos em duas filas: 4:4; fêmeas com 1 cm de tamanho;
  machos muito menores com apenas alguns milímetros
  de corpo; constroem teias tridimensionais em áreas de
  plantações, vegetação rasteira, sauveiros, cupinzeiros,
  materiais empilhados, objetos descartados, montes de
  lenha, beiras de barrancos e no interior das moradias.
Artrópodes
ARTRÓPODES


Obrigado !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide dos artrópodes
Slide dos artrópodesSlide dos artrópodes
Slide dos artrópodes
Seleste Mendes Pereira
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
profatatiana
 
Zoologia dos Vertebrados
Zoologia dos VertebradosZoologia dos Vertebrados
Zoologia dos Vertebrados
Alline Sa
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Fabiano Reis
 
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
III.3 Anelídeos e Moluscos
III.3 Anelídeos e MoluscosIII.3 Anelídeos e Moluscos
III.3 Anelídeos e Moluscos
Rebeca Vale
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
Jocimar Araujo
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
Bio
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
emanuel
 
Peixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteisPeixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteis
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
Bio
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
gueste6836123
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
Rebeca Vale
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
empaul_harris
 
Biologia - Artropodes
Biologia - ArtropodesBiologia - Artropodes
Biologia - Artropodes
Estude Mais
 
Aula de Biologia: Répteis, Aves e Mamíferos
Aula de Biologia: Répteis, Aves e MamíferosAula de Biologia: Répteis, Aves e Mamíferos
Aula de Biologia: Répteis, Aves e Mamíferos
Ronaldo Santana
 
Anfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaAnfíbios - Biologia
Anfíbios - Biologia
Killer Max
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Iuri Fretta Wiggers
 

Mais procurados (20)

Slide dos artrópodes
Slide dos artrópodesSlide dos artrópodes
Slide dos artrópodes
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Zoologia dos Vertebrados
Zoologia dos VertebradosZoologia dos Vertebrados
Zoologia dos Vertebrados
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
 
III.3 Anelídeos e Moluscos
III.3 Anelídeos e MoluscosIII.3 Anelídeos e Moluscos
III.3 Anelídeos e Moluscos
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Peixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteisPeixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteis
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
 
Biologia - Artropodes
Biologia - ArtropodesBiologia - Artropodes
Biologia - Artropodes
 
Aula de Biologia: Répteis, Aves e Mamíferos
Aula de Biologia: Répteis, Aves e MamíferosAula de Biologia: Répteis, Aves e Mamíferos
Aula de Biologia: Répteis, Aves e Mamíferos
 
Anfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaAnfíbios - Biologia
Anfíbios - Biologia
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 

Semelhante a Artropodes

Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes16082011
Artropodes16082011Artropodes16082011
Artropodes16082011
modesto namahala
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
marlyrauber
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
Laercio Fernandes
 
Filo artropoda
Filo artropodaFilo artropoda
Filo artropoda
GunScript
 
Artropodes slide
Artropodes slideArtropodes slide
Artropodes slide
AMANDA VALVERDE
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
pekena_sullivan
 
Ecdizoários
EcdizoáriosEcdizoários
Ecdizoários
Roberto Bagatini
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
Roberto Bagatini
 
artropodes 2021(1).pptx
artropodes 2021(1).pptxartropodes 2021(1).pptx
artropodes 2021(1).pptx
CauGabrielMackSouto2
 
Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
Naira Silva
 
Ap. 3 biologia_2_demo
Ap. 3 biologia_2_demoAp. 3 biologia_2_demo
Ap. 3 biologia_2_demo
lucienegsoliveira
 
20100824122841 artropodes
20100824122841 artropodes20100824122841 artropodes
20100824122841 artropodes
Daniel Peixoto
 
20100824122841 artropodes
20100824122841 artropodes20100824122841 artropodes
20100824122841 artropodes
Daniel Peixoto
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
wagneripo
 
001678868.pdf
001678868.pdf001678868.pdf
001678868.pdf
rickriordan
 
Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
paulogrillo
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Gabrielgsantos
 
Diversidade animal ii
Diversidade animal iiDiversidade animal ii
Diversidade animal ii
Alessandra Vieira da Silva
 
Artrópodos
ArtrópodosArtrópodos
Artrópodos
Joseane Pasini CB
 

Semelhante a Artropodes (20)

Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Artropodes16082011
Artropodes16082011Artropodes16082011
Artropodes16082011
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Filo artropoda
Filo artropodaFilo artropoda
Filo artropoda
 
Artropodes slide
Artropodes slideArtropodes slide
Artropodes slide
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Ecdizoários
EcdizoáriosEcdizoários
Ecdizoários
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
artropodes 2021(1).pptx
artropodes 2021(1).pptxartropodes 2021(1).pptx
artropodes 2021(1).pptx
 
Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
 
Ap. 3 biologia_2_demo
Ap. 3 biologia_2_demoAp. 3 biologia_2_demo
Ap. 3 biologia_2_demo
 
20100824122841 artropodes
20100824122841 artropodes20100824122841 artropodes
20100824122841 artropodes
 
20100824122841 artropodes
20100824122841 artropodes20100824122841 artropodes
20100824122841 artropodes
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
001678868.pdf
001678868.pdf001678868.pdf
001678868.pdf
 
Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Diversidade animal ii
Diversidade animal iiDiversidade animal ii
Diversidade animal ii
 
Artrópodos
ArtrópodosArtrópodos
Artrópodos
 

Mais de Iuri Fretta Wiggers

Heranca ligada sexo
Heranca ligada sexoHeranca ligada sexo
Heranca ligada sexo
Iuri Fretta Wiggers
 
Determinacao sexo
Determinacao sexoDeterminacao sexo
Determinacao sexo
Iuri Fretta Wiggers
 
Ligacao genica
Ligacao genicaLigacao genica
Ligacao genica
Iuri Fretta Wiggers
 
Angiosperamas
AngiosperamasAngiosperamas
Angiosperamas
Iuri Fretta Wiggers
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
Iuri Fretta Wiggers
 
Briofitas pteridofitas
Briofitas pteridofitasBriofitas pteridofitas
Briofitas pteridofitas
Iuri Fretta Wiggers
 
Ciclo plantas
Ciclo plantasCiclo plantas
Ciclo plantas
Iuri Fretta Wiggers
 
Vacúolos
VacúolosVacúolos
Ribossomos
RibossomosRibossomos
Plastos
PlastosPlastos
Peroxissomos
PeroxissomosPeroxissomos
Peroxissomos
Iuri Fretta Wiggers
 
Mitocondrias
MitocondriasMitocondrias
Mitocondrias
Iuri Fretta Wiggers
 
Lisossomos
LisossomosLisossomos
Complexo golgiense
Complexo golgienseComplexo golgiense
Complexo golgiense
Iuri Fretta Wiggers
 
Complexo golgiense
Complexo golgienseComplexo golgiense
Complexo golgiense
Iuri Fretta Wiggers
 
Cilios flagelos
Cilios flagelosCilios flagelos
Cilios flagelos
Iuri Fretta Wiggers
 
Interacao genica
Interacao genicaInteracao genica
Interacao genica
Iuri Fretta Wiggers
 
Interacao genica
Interacao genicaInteracao genica
Interacao genica
Iuri Fretta Wiggers
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
Iuri Fretta Wiggers
 
Construindo microscopiopdf
Construindo microscopiopdfConstruindo microscopiopdf
Construindo microscopiopdf
Iuri Fretta Wiggers
 

Mais de Iuri Fretta Wiggers (20)

Heranca ligada sexo
Heranca ligada sexoHeranca ligada sexo
Heranca ligada sexo
 
Determinacao sexo
Determinacao sexoDeterminacao sexo
Determinacao sexo
 
Ligacao genica
Ligacao genicaLigacao genica
Ligacao genica
 
Angiosperamas
AngiosperamasAngiosperamas
Angiosperamas
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
 
Briofitas pteridofitas
Briofitas pteridofitasBriofitas pteridofitas
Briofitas pteridofitas
 
Ciclo plantas
Ciclo plantasCiclo plantas
Ciclo plantas
 
Vacúolos
VacúolosVacúolos
Vacúolos
 
Ribossomos
RibossomosRibossomos
Ribossomos
 
Plastos
PlastosPlastos
Plastos
 
Peroxissomos
PeroxissomosPeroxissomos
Peroxissomos
 
Mitocondrias
MitocondriasMitocondrias
Mitocondrias
 
Lisossomos
LisossomosLisossomos
Lisossomos
 
Complexo golgiense
Complexo golgienseComplexo golgiense
Complexo golgiense
 
Complexo golgiense
Complexo golgienseComplexo golgiense
Complexo golgiense
 
Cilios flagelos
Cilios flagelosCilios flagelos
Cilios flagelos
 
Interacao genica
Interacao genicaInteracao genica
Interacao genica
 
Interacao genica
Interacao genicaInteracao genica
Interacao genica
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
 
Construindo microscopiopdf
Construindo microscopiopdfConstruindo microscopiopdf
Construindo microscopiopdf
 

Artropodes

  • 1. ESCOLA ANGELINA JAIME TEBET Prof. Carlos Roberto ARTRÓPODES O filo dos artrópodes (gr. arthros = articulado + poda = pé) contém a maioria dos animais conhecidos (mais de 3 em cada 4 espécies animais), mais de 1 milhão de espécies, muitas das quais extremamente abundantes em número de indivíduos. www.carlosrobertodasvirgens.wikispaces.com/
  • 3. Artrópodes Características gerais:  Celomados  Protostômios  Triblásticos  Corpo segmentado com apêndices articulados  Exoesqueleto de quitina (polissacarídeo)  impermeável e resistente Conseqüência: impede crescimento Solução: muda ou ecdise (troca periódica do exoesqueleto)  Controlado pelo hormônio ecdisona
  • 4. Artrópodes muda
  • 5. CLASSIFICAÇÃO  A classificação dos artrópodes reflete a grande diversidade do filo. Isso a torna bastante complexa, envolvendo inúmeros grupos e subgrupos taxonômicos. O que veremos a seguir é uma simplificação desta classificação, na qual os artrópodes atuais podem ser divididos em: Classe Insecta  Classe Arachnida  Classe Crustacea  Classe Chilopoda  Classe Diplopoda
  • 6. EXOESQUELETO  O exoesqueleto é o esqueleto externo dos artrópodes. Ele dá sustentação e proteção ao corpo do animal, sendo uma barreira física entre as partes moles do corpo e o ambiente, e evita também a perda de água.  A quitina que compõe o exoesqueleto é um material extraordinário. Pode constituir uma verdadeira armadura, como ocorre nos crustáceos (nos quais o exoesqueleto é impregnado com grande quantidade de sais de cálcio), mas se mantém fina e flexível nas juntas e articulações, facilitando os movimentos. Como a quitina é rígida e impermeável, proporciona sustentação, proteção mecânica e atua contra a desidratação, o que representa uma importante adaptação à vida em meio terrestre.
  • 7. EXOESQUELETO  O período entre duas mudas sucessivas é conhecido como intermuda, durante o qual o crescimento do animal é muito lento, feito às custas de proteínas e outros compostos orgânicos sintetizados, repondo os fluidos absorvidos após a ecdise.  O grande aumento de tamanho e peso ocorro no período imediatamente seguinte à muda, quando a cutícula mole pode ainda ser distendida. Assim, o crescimento dos artrópodes tem uma certa continuidade, embora com variações de intensidade. A duração das intermudas torna-se maior à medida que o animal envelhece. Alguns artrópodes, como as lagostas e a maioria dos caranguejos, continuam sofrendo mudas durante toda a vida. Outros, como os insetos e as aranhas, cessam as mudas quando atingem a maturidade sexual.  A muda é controlada por hormônios, como a ecdisona, secretados por glândulas especiais, e que circulam pela corrente sangüínea, atuando diretamente sobre as células epidérmicas. Há inclusive hormônios encarregados de regular a produção de ecdisona.
  • 8. Artrópodes Gráfico de crescimento tamanho Não artrópode Artrópode crescimento muda tempo
  • 11. Respiração  Nos artrópodes, podem ser encontrados três tipos diferentes de estruturas respiratórias:  • as brânquias  • as traquéias  as filotraquéias ou pulmões foliáceos
  • 14. Circulação  O sistema circulatório dos artrópodes é do tipo aberto, no qual o sangue deixa os vasos e passa a fluir por espaços livres entre os tecidos, as lacunas ou hemoceles.  O coração muscular fica situado dorsalmente e bombeia o sangue para todo o corpo. Aracnídeos e crustáceos possuem sangue quase incolor, contendo hemocianina como pigmento respiratório, responsável pelo transporte gasoso. 
  • 16. Excreção  Os sistemas excretores dos artrópodes retiram excretas nitrogenadas das lacunas sangüíneas e, através de diferentes estruturas, eliminam-nos para o meio exterior. Estas estruturas são:  • os túbulos de Malpighi são típicos dos artrópodes terrestres, como os insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes. São tubos alongados que retiram excreta das hemoceles e descarregam-nos no interior do intestino, de onde são eliminados com as fezes.  • as glândulas coxais, típicas dos aracnídeos, são estruturas saculiformes de parede delgada que eliminam os resíduos através de dutos que se abrem nas coxas das patas.  • as glândulas verdes ou antenais existem nos crustáceos. Estão situadas na cabeça e eliminam os resíduos por meio de dutos que se abrem na base das antenas. É comum também a eliminação de excretas através da superfície do corpo ou pelas brânquias.  O principal produto de excreção nitrogenada dos aracnídeos é uma substância chamada guanina. Em crustáceos, a amônia é o principal produto de excreção e, nos insetos, o ácido úrico. Ácido úrico e guanina são materiais de baixa toxidade e requerem pouca água para sua eliminação. Isso representa uma economia de água para o animal, constituindo-se em outra adaptação à vida em meio terrestre.
  • 17. Sensibilidade  Há um alto grau de cefalização nos artrópodes, com um cérebro mais avantajado em relação aos celenterados por exemplo. Há também um grande desenvolvimento dos órgãos sensoriais, levando a padrões de comportamento mais complexos. A estrutura do sistema nervoso é semelhante àquela encontrada nos anelídeos, ou seja, é ganglionar ventral. Há um par de gânglios cerebrais situados dorsalmente, de onde parte uma dupla cadeia ganglionar ventral, com pequenos gânglios segmentares.
  • 19. Órgão sensorial  São comuns os pêlos sensitivos e cerdas que, quando se movem, estimulam receptores na sua base, estando colocado tanto no corpo quanto nas patas e antenas. Cavidades do exoesqueleto podem conter quimioreceptores ou estarem cobertas por membranas que captam vibrações. As antenas contem quimioreceptores e desempenham função olfativa e acústica.
  • 20. Reprodução  Os artrópodes, em geral, são dióicos. As formas terrestres têm fecundação interna, utilizando apêndices modificados na copulação. Já as formas aquáticas podem realizar externa ou interna. A maioria das formas apresenta estágio larval, sendo o estágio adulto atingido através de metamorfose. Mecanismos de corte precedem a copulação em diversas formas.
  • 22. CLASSE INSECTA  têm o corpo dividido em cabeça, tórax e abdome.  Apresentam um par de antenas e três pares de patas.  Podem ter asas, sendo os únicos invertebrados capazes de voar.  Representam cerca de 90% de todos os artrópodes (aproximadamente 900 mil espécies).  Entre os representantes mais conhecidos, podem ser citados os gafanhotos, formigas, besouros e borboletas.
  • 24. Classe insecta  Os insetos perfazem mais de 1 milhão espécies (fato que justifica uma ciência para os estudar – entomologia), sendo os mais abundantes, mais bem sucedidos e mais diversamente distribuídos dos animais terrestres. No entanto, estima-se que possam existir entre 5 e 10 milhões.
  • 25. Caracterização dos insetos  As principais características dos insetos incluem cabeça, tórax e abdome distintos, todos com função determinada.  A cabeça suporta o aparelho bucal, cuja forma e composição pode ser muito variada, e a maioria dos órgãos sensoriais (olhos e antenas). Apresenta, assim, os seguintes apêndices:  um par de antenas;  armadura bucal - formada por peças especializadas em mastigar, sugar ou lamber e que inclui:  um par de mandíbulas;  um par de maxilas;
  • 26. Classe insecta  Aparelhos bucais  Associado à boca destes invertebrados existe um conjunto de peças, chamado, aparelho bucal. Sua forma varia de acordo com os hábitos alimentares de cada tipo de inseto. Os aparelhos bucais podem ser classificados em cinco tipos, segundo sua função. São os seguintes:  - sugador => no caso da mosca e da borboleta; - picador-sugador => no caso dos mosquitos e dos piolhos; - mastigador ou triturador => no caso do gafanhoto, do grilo, da barata e dos besouros; - pungitivo => o caso das cigarras; e - lambedor-sugador => no caso das abelhas.
  • 28. Metamorfose nos insetos  Chama-se metamorfose o conjunto de transformações externas e internas que o inseto sofre desde o ovo até o estágio adulto.  Os insetos que passam por uma metamorfose muito simples, pois já nascem com o aspecto dos adultos, chamam-se ametábolos - a traça é um exemplo.  Os insetos de metamorfose incompleta, ou hemimetábolos, são ninfas em seus estágios iniciais. Una ninfa é quase sempre muito parecida ao estágio adulto – chamado imago-. Por exemplo: eles já têm olhos como os adultos, e não ocelos como as larvas; já têm patas verdadeiras; e esboços de asas. Esse tipo de desenvolvimento aparece nos percevejos, nos gafanhotos, nos pulgões...  Por último, os que passam pela metamorfose completa (holometábolos) atravessam várias etapas. No estado larval eles são muito diferentes dos adultos: não têm olhos compostos, nem patas, nem esboços de asas.
  • 34. Os insetos e o ser humano  Aspectos positivos  Algumas espécies têm papel fundamental na polinização de flores. Ex: abelhas.  Muitos insetos são usados em técnicas de controle biológico, auxiliam o homem no combate a espécies nocivas. Ex: joaninha.  Aspectos negativos  Ataque a plantações. Exs: bicudo, pulgão, etc.  Transmissão de doenças.  Prejuízos domésticos. Exs: traças, cupins.
  • 36. crustáceos  Os crustáceos (do latim crusta, ‘crosta’) são artrópodos caracterizados principalmente pelo corpo protegido por uma crosta formada pelo espesso exoesqueleto quitinoso (casca de camarão), a qual ainda é freqüentemente impregnada de sais calcários (casca de siri). Durante a muda para o crescimento, os crustáceos largam a sua crosta e, durante um certo período, apresentam-se desprotegidos. É o que se observa com o popular "siri mole", encontrado nas praias ou escondido nas pedras.
  • 37. Habitat dos crustáceos  São animais predominantemente aquáticos, marinhos e dulcícolas.  Podem viver na areia das faixas litorâneas (caranguejo), em terra úmida(tatuzinho-de-jardim), e algumas espécies, como as cracas, vivem fixas às rochas, pilares de pontes, cascos de navios, etc.
  • 38. Diferenciação entre siri e caranguejo  Caranguejo  Cefalotórax quadrado, trapezóide ou arredondado.  O último par de patas não é transformado em remos  Siri  Cefalotórax elíptico com a margem anterior denteada.  Tem o último par de patas transformadas em remos.
  • 40. Aracnídeos  Esta classe compreende artrópodes incorretamente confundidos com os insetos. Mas distinguem-se deles nitidamente pela divisão do corpo, pelo número de patas e pela ausência de antenas. Como aracnídeos, são englobados as aranhas, os escorpiões, os carrapatos, os pseudo-escorpiões e os opilões.
  • 42. ARACNÍDEOS  Principais características  Corpo dividido em cefalotórax e abdome.  Possuem quatro pares de patas (animais octópodes).  Ausência de antenas (são áceros).  Presença de palpos (apêndices semelhantes a patas, mas sem finalidade de locomoção; servem para prender vítimas e alimentos ou possuem função sexual).  Muitas espécies venenosas e perigosas. Outras são parasitas (sarna, acne, carrapatos), ocorrendo, através de algumas, a transmissão de doenças infecto-contagiosas.  Na maioria, a respiração por filotraquéias ou pulmões-livro.  São a maioria terrestres, vivendo sob troncos, pedras, buracos no solo, em vários habitats, desde o nível do mar até altas montanhas.
  • 44. ARACNÍDEOS  Escorpinídeos  O corpo é dividido em cefalotórax e abdome  Cefalotórax — onde se localizam as quelíceras, que servem para triturar o alimento, os pedipalpos, atuam como pinças preensoras, e quatro pares de patas.  Abdome ¾ localizam-se as glândulas de veneno, numa dilatação denominada télson, portadora do aguilhão.  Respiração por filotraquéias.  Comuns nos locais de clima quente ou temperado. Há diversas espécies com dimensões e coloridos muito variados.  As espécies mais comuns são o Tytius bahiensis e o Tytius serrulatus.
  • 46. ARACNÍDEOS  Os ácaros (do latim acarus, ‘carrapato’) compreendem pequenos artrópodes de corpo mal delimitado, pois o cefalotórax e o abdome parecem fundidos numa peça única globosa ou achatada, discóide.  Muitas espécies atuam como parasitas de plantas diversas.  Outras parasitam animais diversos, inclusive o homem. Ex: Sarcoptes scabiei (causador da sarna por sua multiplicação e irritação das camadas profundas da pele) e Demodex folliculorum (encontrado nos folículos pilosos e glândulas sebáceas da pele humana, agravando as manifestações de acne ou cravo).  Existem ainda os ácaros que se nutrem de matéria orgânica em decomposição, de pêlos, de penas e de resíduos epiteliais. Ex: O Dermatophagoides farinae.  Entre os ácaros conhecidos como carrapatos, estão os hematófagos, que sugam o sangue de animais selvagens e domésticos e também do homem.  Opiliões  Artrópodes frágeis, com certa semelhança com as aranhas, mas dotado de corpo muito pequeno e pernas exageradamente longas.  Inofensivos.  Vivem em cantos das casas e nos banheiros velhos.  Em função das pernas muito longas, apresentam um andar bamboleante.  Exemplo: Phalalgium sp., vulgarmente conhecido como opilião ou budum.
  • 49. ARACNÍDEOS  FUNÇÕES  Sistema Digestivo  É do tipo completo e a digestão é extra-celular e extra-intestinal, nas aranhas, onde seus sucos digestivos são injetados no corpo das presas (local onde é feita a digestão do animal).  A aranha não devora uma presa, pois apenas pode absorver líquidos. Injeta-lhe saliva e depois aspira o líquido resultante da digestão dos órgãos da presa.  Sistema Circulatório  A circulação é lacunar e o coração é dorsal no abdome. O "sangue" é formado por um plasma, contendo amebócitos e hemocianina como pigmento respiratório. É comum chamar a hemolinfa o líquido circulatório dos artrópodes.  Sistema Excretor  A excreção é feita por um par de Tubos de Malpighi, ramificados, e ainda um ou dois pares de glândulas coxais situadas no assoalho do cefalotórax (excretam por ductos que se abrem entre as pernas).  Sistema Nervoso  Apresentam um cérebro, ligado por um anel nervoso a uma cadeia ganglionar ventral, semelhante aos insetos.  Sistema Sensorial  Como órgão visuais há os ocelos, com função táctil, há os pedipalpos e há células quimioreceptores nos apêndices.  Reprodução  São animais de sexos separados, com diformismo sexual e fecundação interna. Nas aranhas o macho utiliza o pedipalpo como o órgão copulador. São ovíparos e vivíparos (escorpiões). Possuem desenvolvimento direto. Há partenogênese em alguns ácaros.
  • 50. Quilópodes  Conhecidos como lacraias ou centopéias, os quilópodes são animais terrestres agressivos. Seu veneno é muito doloroso.  Têm corpo longo, cilíndrico, ligeiramente achatado dorsoventralmente segmentado em numeroso anéis, nos quais se prendem as patas articuladas (um par para cada segmento).  A divisão do corpo é simples, compreendendo apenas a cabeça e o tronco.  Além do par de antenas, a cabeça é dotada de peças bucais adaptada para a inoculação de peçonha e um par de olhos simples.  Na extremidade posterior do tronco, observa-se um par de apêndices que simulam um aguilhão, freqüentemente enganando as pessoas, que julgam estar ali o órgão injetor da peçonha.  São dotados de sistema digestivo completo.  A excreção se dá por túbulos de Malpighi.  Apresentam respiração traqueal.  São dióicos, com fecundação interna.  Carnívoros, alimentam-se de insetos diversos.
  • 51. DIPLÓPODES  Conhecidos como gongolôs, embuás ou piolhos-de-cobra, são artrópodes terrestres.  O corpo dividido em cabeça, um pequeno tórax e um abdome longo.  Além de um par de antenas, a cabeça é dotada de peças bucais e dois ocelos.  Possuem dois pares de patas em cada anel.  Organismos dióicos.  São todos inofensivos, já que não possuem glândulas secretoras de peçonha.  Vivem em buracos no solo. Enroscam-se quando agredidos.
  • 52. Diferenciação entre quilópodes e diplópodes Quilópodes Diplópodes  Apresentam movimentos  Apresentam movimentos rápidos; lentos;  São carnívoros;  São herbívoros;  Têm um par de antenas  Têm um par de antenas longas; curtas;  Produzem veneno;  Não produzem veneno;  Dotados de patas longas;  Dotados de patas curtas;  Incapazes de enrolar-se;  Capazes de enrolar-se  Corpo mais achatado; em espiral;  Menor número de  Corpo mais circular; segmentos.  Maior número de segmentos.
  • 54. ARANHAS  ESPÉCIES PERIGOSAS Phoneutria nigriventer (aranha armadeira) :Coloração marrom, com pares de manchas ao longo da parte dorsal do abdômen; possuem oito olhos em três filas: 2:4:2; de 4 a 5 cm de corpo, podendo atingir até 12 cm, incluindo as pernas. Vivem em bananeiras, sob troncos caídos, bem como, próximo e dentro das moradias; não fazem teia e assumem posição de defesa quando se sentem ameaçadas.
  • 55. Aranhas  Loxosceles spp (aranha marrom) : coloração marrom avermelhado; cefalotórax achatado; seis olhos em três pares; apresentam até 1 cm de corpo e 3 a 4cm incluindo as pernas. Costumam alojar-se em fendas de barrancos, pilhas de telhas, cavernas, sob cascas de árvores, bem como, próximo e dentro das moradias.
  • 56. ARANHAS  Latrodectus curacaviensis (viúva-negra): conhecida como flamenguinha e aranha barriga vermelha. Possui abdômen globoso de coloração preta com faixas vermelhas e, por vezes, alaranjada; apresenta no ventre uma mancha vermelha em forma de ampulheta; oito olhos em duas filas: 4:4; fêmeas com 1 cm de tamanho; machos muito menores com apenas alguns milímetros de corpo; constroem teias tridimensionais em áreas de plantações, vegetação rasteira, sauveiros, cupinzeiros, materiais empilhados, objetos descartados, montes de lenha, beiras de barrancos e no interior das moradias.