SlideShare uma empresa Scribd logo
Avaliação
                  Simone Helen Drumond
                   simone_drumond@hotmail.com


 A avaliação era encarada como a
medida da diferença entre o que
    o aluno produz e o que o
 professor ensinou durante um
    certo período de tempo.
O ato de avaliar
O ato de avaliar permanece de modo
     geral centrado na busca de
     informações quantitativas e
    precisas, a partir das quais são
 atribuídas classificações aos alunos
   ou tomadas decisões unilaterais
    sobre suas competências, seus
conhecimentos, suas possibilidades de
     continuar ou não aprendendo.
                  Simone Helen Drumond
                   simone_drumond@hotmail.com
Avaliação, o desafio...

O desafio proposto é o de romper com a
   avaliação classificatória e fortemente
      seletiva, que separa o ensino da
    aprendizagem, uma vez que ela pode
  legitimar a verificação do conhecimento
transmitido, mas não constitui instrumento
 que permite saber qual a aprendizagem
     real do aluno e, especialmente, não
 permite que ele se conscientize de sua
                aprendizagem.

                      Simone Helen Drumond
                       simone_drumond@hotmail.com
Avaliação
 Tarefa complexa, a avaliação exige do
  professor e da escola a lembrança de
  quem têm em mãos um ser humano em
formação, com seus sonhos e desejos, que
    necessitam ser transformados em
    projetos pessoais quem possam ser
realizados. Certamente não cabe apenas e
 essencialmente à escola a realização de
tais projetos, mas não há dúvidas de que a
  instituição escolar pode compartilhar
   deles, incentivá-los ou impedir que os
     alunos desistam de seus anseios.
                         Simone Helen Drumond
                          simone_drumond@hotmail.com
Concepção de Avaliação
a)   Olhar o aluno como alguém que pode, é capaz e
     deseja aprender.
b)   Requer percebê-lo em suas dimensões
     cognitiva, afetiva e cultural, de forma a
     compreendê-lo melhor em suas diferenças,
     crenças, e formas de aprender.
c)   Possibilitar a autonomia do aluno para
     deliberar e realizar ações, responsabilizando-se
     por essas ações e por sua aprendizagem.
d)   A sala de aula deve se tornar o espaço
     privilegiado do conhecimento compartilhado,
     onde a escola e os saberes que ela veicula devem
     estar a serviço da formação do aluno e da
     realização de seus projetos pessoais.

                                Simone Helen Drumond
                                  simone_drumond@hotmail.com
simone_drumond@hotmail.com
                                            Concepção de Avaliação
                                e) O professor passa a ser coordenador, o
                              articulador das ações, para que o espaço da sala
                                 de aula torne-se um lugar em que os alunos
                                participam de uma proposta de trabalho que
                                               também é dele.

                             f) A proposta de ensino do professor, ainda que
                                focada nos conteúdos propostos, considera o
                              aluno, negocia com ele, escuta de fato o que ele
Simone Helen Drumond




                                     tem a dizer, suas incompreensões e
                                                contribuições.

                             g) A forma de ensinar e de avaliar os conteúdos
                               deve permitir ao aluno uma visão ampliada das
                               diversas relações que podem ser estabelecidas
                                  entre uma disciplina e as demais áreas do
                               conhecimento, e da função que elas assumem na
                                               sua formação.
Concepção de Avaliação
h) O processo de avaliação desvele ao aluno o que
   ele aprende e como ele aprende para que tenha
   confiança em sua forma de pensar, de analisar e
   enfrentar novas situações.

  Assim...
 Avaliar implica recolher, descrever, analisar e
  explicar o processo de ensino e aprendizagem.

 Ação regulada e refletida em função de um
  presente e de um futuro esboçado por um projeto,
  tanto no sentido pedagógico quanto no individual.
  As informações são coletadas em função do valor
  atribuído à aprendizagem que se espera obter por
  meio do processo de ensino.
                                Simone Helen Drumond
                                  simone_drumond@hotmail.com
 O ato de avaliar cria a possibilidade constante
  de reflexão sobre o projeto pedagógico, suas
  metas, suas possibilidades e localização de cada
  aluno, suas aprendizagens e necessidades em
  relação às metas estabelecidas.

 Buscar a formação de uma consciência reflexiva
  por parte do aluno significa, entre outras
  atitudes, que ele precisa assumir a parcela que
  lhe cabe de responsabilidade sobre a sua
  aprendizagem.

 A avaliação serve para aconselhar, informar,
  indicar mudanças, funcionando em uma lógica
  cooperativa que faz do diálogo uma prática e da
  reflexão, uma constante.

                               Simone Helen Drumond
                                 simone_drumond@hotmail.com
 A avaliação deve ser como uma lente que permite
  uma visão cada vez mais detalhada sobre o
  processo de ensinar e aprender. Ela é o elemento
  articulador do processo de ensino e
  aprendizagem pelo acompanhamento que faz das
  ações pedagógicas e seus resultados junto aos
  alunos.

 Para todos os envolvidos, o inventário de um
  processo vivo, intenso e complexo, podendo
  significar o modo pelo qual, todos os participantes
  do projeto pedagógico tomam consciência de suas
  identidades, suas diferenças, responsabilidades e
  avanços, na busca da autonomia necessária para
  compreender o mundo no qual vivemos.



                                Simone Helen Drumond
                                  simone_drumond@hotmail.com
Paradigma de Aluno Tradicional.
1. Aluno só estuda para fazer    6. O aluno é um problema para
    provas; estuda na véspera!      o professor.
2. O aluno leva a sério somente 7. O erro é o critério.
   os trabalhos que valem nota
3. A avaliação pune, reprova,  8. O crescimento individual é
humilha; classifica; exclui;   muitas vezes um ato
reforça as desigualdades       competitivo.
sociais, quando é a única
referência acadêmica do aluno.
4. Se não existir prova, o aluno 9. Aulas “dadas”.
   não presta atenção na aula.
5. Se o aluno não aprende é
por-
   que tem problemas.

                                        Simone Helen Drumond
                                          simone_drumond@hotmail.com
simone_drumond@hotmail.com                           Paradigma do aluno

                             1. O aluno estuda sempre.          6. O aluno é o coração, o
                                                                centro
                                                                   das preocupações da
                                                                   comunidade escolar
                             2. O aluno aprende pelo prazer de 7. A avaliação “promove”, faz
                             aprender; estuda para             avançar; o professor torna-se
                             aprender.                         cúmplice do aluno, estende sua
                                                               missão; é inclusiva; contribui
                                                               para que o aluno assuma poder
                                                               sobre si mesmo.
                             3. Leva a sério qualquer ato       8. O erro não é considerado
    Simone Helen Drumond




                             escolar.                           mais algo a ser reprimido, mas
                                                                uma fonte de informação.
                             4. O aluno é envolvido pela        9. O crescimento individual
                                aula participativa.             decorre na maioria das vezes
                                                                de atos solidários.


                             5. Quando o aluno não aprende,     10. Aulas com formas variadas
                                o professor revê sua            de apoio; flexibilização;
                                metodologia                     participação.
simone_drumond@hotmail.com

                                Postura Classificatória         Postura do educador do
                                                                         CEST
                             O professor :Utiliza métodos    O professor :Utiliza métodos
                             comparativos e/ou               interpretativos e descritivos
                             impressionistas de análise.     de análise. Expressa
                             Expressa resultados             resultados qualitativos;
                             quantitativos.
                             Corrige e/ou analisa o teste    Corrige ou analisa o teste
                             com a finalidade de aprovar     com a intenção de orientar o
                             ou reprovar o aluno.            aluno e complementar as
Simone Helen Drumond




                                                             ações.


                             Analisa as respostas do aluno   Analisa as respostas do aluno
                             com base em expectativas        em sua dimensão de
                             predeterminadas ou em           coerência, precisão e
                             relação ao grupo.               profundidade na abordagem
                                                             do tema.
O segredo da vida não é fazer
   aquilo de que você gosta.

  É gostar do que você faz.
         Marcel Proust

                 Pense nisso!
            Simone Helen Drumond
         simone_drumond@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno
Orientar Consultoria Ltda
 
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNORELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
Cursos Profissionalizantes
 
RelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor AlunoRelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor Aluno
guest1c37d0
 
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
Seduc MT
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Cassia Dias
 
A importância da Interação entre Professores e Alunos na Graduação
A importância da Interação entre Professores e Alunos na GraduaçãoA importância da Interação entre Professores e Alunos na Graduação
A importância da Interação entre Professores e Alunos na Graduação
Diego Rocha
 
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagemEstímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
Dalila Melo
 
Relação professor/aluno no contexto escolar
Relação professor/aluno no contexto escolarRelação professor/aluno no contexto escolar
Relação professor/aluno no contexto escolar
Ana Paula Azevedo
 
Liderança – relação professor e aluno
Liderança – relação professor e alunoLiderança – relação professor e aluno
Liderança – relação professor e aluno
Rosa Paollucci
 
RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...
RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...
RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...
ProfessorPrincipiante
 
Estratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunosEstratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunos
LugaraoAfecto
 
Aprender a Aprender
Aprender a AprenderAprender a Aprender
Aprender a Aprender
Rodrigo Pinto
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
pedagogianh
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
jeconiaseandreia
 
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)
Blog Amiga da Pedagogia By Nathália
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Profª Fabi Sobrenome
 
Avaliacao mediadora
Avaliacao mediadoraAvaliacao mediadora
Avaliacao mediadora
Luciana
 
Resumo didática
Resumo didáticaResumo didática
Resumo didática
Ana Paula Silva
 
Afetividade uma opcao para a educacao
Afetividade uma opcao para a educacaoAfetividade uma opcao para a educacao
Afetividade uma opcao para a educacao
Daniele Occaso
 

Mais procurados (19)

6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno
 
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNORELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
 
RelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor AlunoRelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor Aluno
 
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
 
A importância da Interação entre Professores e Alunos na Graduação
A importância da Interação entre Professores e Alunos na GraduaçãoA importância da Interação entre Professores e Alunos na Graduação
A importância da Interação entre Professores e Alunos na Graduação
 
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagemEstímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
 
Relação professor/aluno no contexto escolar
Relação professor/aluno no contexto escolarRelação professor/aluno no contexto escolar
Relação professor/aluno no contexto escolar
 
Liderança – relação professor e aluno
Liderança – relação professor e alunoLiderança – relação professor e aluno
Liderança – relação professor e aluno
 
RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...
RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...
RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...
 
Estratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunosEstratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunos
 
Aprender a Aprender
Aprender a AprenderAprender a Aprender
Aprender a Aprender
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
 
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
Avaliacao mediadora
Avaliacao mediadoraAvaliacao mediadora
Avaliacao mediadora
 
Resumo didática
Resumo didáticaResumo didática
Resumo didática
 
Afetividade uma opcao para a educacao
Afetividade uma opcao para a educacaoAfetividade uma opcao para a educacao
Afetividade uma opcao para a educacao
 

Destaque

Tu mejor amigo
Tu mejor amigoTu mejor amigo
Tu mejor amigo
TheFairydust97
 
Pedrini et al eco turismar x trilhasub sno 2009
Pedrini et al eco turismar x trilhasub sno 2009Pedrini et al eco turismar x trilhasub sno 2009
Pedrini et al eco turismar x trilhasub sno 2009
AlexandredeGusmaoPedrini
 
LOS FOROS
LOS FOROSLOS FOROS
LOS FOROS
jenny05562
 
Palestra pagto icms com precatórios de sp
Palestra   pagto icms com precatórios de spPalestra   pagto icms com precatórios de sp
Palestra pagto icms com precatórios de spZNG advogados
 
El arte del desplazamiento
El arte del desplazamientoEl arte del desplazamiento
El arte del desplazamiento
virginiauami
 
Slaide adolescentes
Slaide adolescentesSlaide adolescentes
Slaide adolescenteslevigenro
 
290 atividades
290 atividades290 atividades
290 atividades
SimoneHelenDrumond
 
Apresentação parceria v7
Apresentação parceria v7Apresentação parceria v7
Apresentação parceria v7
Paraná Banco
 
Formato
FormatoFormato
Datas comemorativas 2
Datas comemorativas 2Datas comemorativas 2
Datas comemorativas 2
SimoneHelenDrumond
 
Balanço 2010
Balanço 2010Balanço 2010
Balanço 2010
Paraná Banco
 
Apostila borboletas número 6
Apostila borboletas   número 6Apostila borboletas   número 6
Apostila borboletas número 6
SimoneHelenDrumond
 
Presentacion redes
Presentacion redesPresentacion redes
Presentacion redes
Rosa Yohana Delgado Lopez
 
Reciclados
RecicladosReciclados
Reciclados
SimoneHelenDrumond
 
Presentación tema 1
Presentación tema 1Presentación tema 1
Presentación tema 1
Rosa Yohana Delgado Lopez
 
Matematicas primer actividad
Matematicas primer actividadMatematicas primer actividad
Matematicas primer actividad
evictoria3
 
Navegar -f_pessoa
Navegar  -f_pessoaNavegar  -f_pessoa
Navegar -f_pessoa
Maria Amorim
 
Ubuntu (Guia do Iniciante)
Ubuntu (Guia do Iniciante)Ubuntu (Guia do Iniciante)
Ubuntu (Guia do Iniciante)
Alax Ricard
 
274 sequencia de cores vermelho
274 sequencia de cores vermelho274 sequencia de cores vermelho
274 sequencia de cores vermelho
SimoneHelenDrumond
 
Cartão coelho com ovo
Cartão coelho com ovoCartão coelho com ovo
Cartão coelho com ovo
SimoneHelenDrumond
 

Destaque (20)

Tu mejor amigo
Tu mejor amigoTu mejor amigo
Tu mejor amigo
 
Pedrini et al eco turismar x trilhasub sno 2009
Pedrini et al eco turismar x trilhasub sno 2009Pedrini et al eco turismar x trilhasub sno 2009
Pedrini et al eco turismar x trilhasub sno 2009
 
LOS FOROS
LOS FOROSLOS FOROS
LOS FOROS
 
Palestra pagto icms com precatórios de sp
Palestra   pagto icms com precatórios de spPalestra   pagto icms com precatórios de sp
Palestra pagto icms com precatórios de sp
 
El arte del desplazamiento
El arte del desplazamientoEl arte del desplazamiento
El arte del desplazamiento
 
Slaide adolescentes
Slaide adolescentesSlaide adolescentes
Slaide adolescentes
 
290 atividades
290 atividades290 atividades
290 atividades
 
Apresentação parceria v7
Apresentação parceria v7Apresentação parceria v7
Apresentação parceria v7
 
Formato
FormatoFormato
Formato
 
Datas comemorativas 2
Datas comemorativas 2Datas comemorativas 2
Datas comemorativas 2
 
Balanço 2010
Balanço 2010Balanço 2010
Balanço 2010
 
Apostila borboletas número 6
Apostila borboletas   número 6Apostila borboletas   número 6
Apostila borboletas número 6
 
Presentacion redes
Presentacion redesPresentacion redes
Presentacion redes
 
Reciclados
RecicladosReciclados
Reciclados
 
Presentación tema 1
Presentación tema 1Presentación tema 1
Presentación tema 1
 
Matematicas primer actividad
Matematicas primer actividadMatematicas primer actividad
Matematicas primer actividad
 
Navegar -f_pessoa
Navegar  -f_pessoaNavegar  -f_pessoa
Navegar -f_pessoa
 
Ubuntu (Guia do Iniciante)
Ubuntu (Guia do Iniciante)Ubuntu (Guia do Iniciante)
Ubuntu (Guia do Iniciante)
 
274 sequencia de cores vermelho
274 sequencia de cores vermelho274 sequencia de cores vermelho
274 sequencia de cores vermelho
 
Cartão coelho com ovo
Cartão coelho com ovoCartão coelho com ovo
Cartão coelho com ovo
 

Semelhante a Avaliação simone helen drumond

Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
marcaocampos
 
Relação professor aluno
Relação professor alunoRelação professor aluno
Relação professor aluno
Romes Heriberto
 
Ensaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo ivEnsaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo iv
Vania Mendes
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
Eliana Zati
 
REVISTA
REVISTAREVISTA
REVISTA
Ped55
 
Avaliação mediadora
Avaliação mediadoraAvaliação mediadora
Avaliação mediadora
Celi Jandy Moraes Gomes
 
PPT_Tutoria(1).pptx
PPT_Tutoria(1).pptxPPT_Tutoria(1).pptx
PPT_Tutoria(1).pptx
WarlenSilva10
 
Atividades extraclasses e extra
Atividades extraclasses e extraAtividades extraclasses e extra
Atividades extraclasses e extra
Renata Peruce
 
Resumo pensadores concurso itapevi 2
Resumo pensadores concurso  itapevi 2Resumo pensadores concurso  itapevi 2
Resumo pensadores concurso itapevi 2
Adail Silva
 
A avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagemA avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagem
André Pereira Rocha
 
Abordagens de ensino
Abordagens de ensinoAbordagens de ensino
Abordagens de ensino
ADRIANA BECKER
 
Avaliação - reflexões
Avaliação - reflexõesAvaliação - reflexões
Avaliação - reflexões
Fernando Novais da Silva
 
Aula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1aAula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1a
Carlos Alberto Bonatto
 
Para aprender matematica
Para aprender matematicaPara aprender matematica
Para aprender matematica
Cibele Fonseca
 
TEXTO 3: O PROFESSOR NA PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE
TEXTO 3: O PROFESSOR NA  PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE TEXTO 3: O PROFESSOR NA  PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE
TEXTO 3: O PROFESSOR NA PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE
Dênia Falcão de Bittencourt
 
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
aninhaw2
 
Aprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliaçãoAprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliação
weldcarlos
 
Educação tradicional e conservadora
Educação tradicional e conservadoraEducação tradicional e conservadora
Educação tradicional e conservadora
Paula Lima
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
Leandro Pereira
 
Aprendizagemsignificativa mod14
Aprendizagemsignificativa mod14Aprendizagemsignificativa mod14
Aprendizagemsignificativa mod14
Michélle Barreto
 

Semelhante a Avaliação simone helen drumond (20)

Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
 
Relação professor aluno
Relação professor alunoRelação professor aluno
Relação professor aluno
 
Ensaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo ivEnsaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo iv
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
 
REVISTA
REVISTAREVISTA
REVISTA
 
Avaliação mediadora
Avaliação mediadoraAvaliação mediadora
Avaliação mediadora
 
PPT_Tutoria(1).pptx
PPT_Tutoria(1).pptxPPT_Tutoria(1).pptx
PPT_Tutoria(1).pptx
 
Atividades extraclasses e extra
Atividades extraclasses e extraAtividades extraclasses e extra
Atividades extraclasses e extra
 
Resumo pensadores concurso itapevi 2
Resumo pensadores concurso  itapevi 2Resumo pensadores concurso  itapevi 2
Resumo pensadores concurso itapevi 2
 
A avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagemA avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagem
 
Abordagens de ensino
Abordagens de ensinoAbordagens de ensino
Abordagens de ensino
 
Avaliação - reflexões
Avaliação - reflexõesAvaliação - reflexões
Avaliação - reflexões
 
Aula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1aAula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1a
 
Para aprender matematica
Para aprender matematicaPara aprender matematica
Para aprender matematica
 
TEXTO 3: O PROFESSOR NA PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE
TEXTO 3: O PROFESSOR NA  PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE TEXTO 3: O PROFESSOR NA  PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE
TEXTO 3: O PROFESSOR NA PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE
 
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
 
Aprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliaçãoAprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliação
 
Educação tradicional e conservadora
Educação tradicional e conservadoraEducação tradicional e conservadora
Educação tradicional e conservadora
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
 
Aprendizagemsignificativa mod14
Aprendizagemsignificativa mod14Aprendizagemsignificativa mod14
Aprendizagemsignificativa mod14
 

Mais de SimoneHelenDrumond

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
SimoneHelenDrumond
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
SimoneHelenDrumond
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdfARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
SimoneHelenDrumond
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdfARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
SimoneHelenDrumond
 

Mais de SimoneHelenDrumond (20)

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
 
ARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdfARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdf
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
 
ARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdfARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdf
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
 

Último

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 

Avaliação simone helen drumond

  • 1. Avaliação Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com A avaliação era encarada como a medida da diferença entre o que o aluno produz e o que o professor ensinou durante um certo período de tempo.
  • 2. O ato de avaliar O ato de avaliar permanece de modo geral centrado na busca de informações quantitativas e precisas, a partir das quais são atribuídas classificações aos alunos ou tomadas decisões unilaterais sobre suas competências, seus conhecimentos, suas possibilidades de continuar ou não aprendendo. Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com
  • 3. Avaliação, o desafio... O desafio proposto é o de romper com a avaliação classificatória e fortemente seletiva, que separa o ensino da aprendizagem, uma vez que ela pode legitimar a verificação do conhecimento transmitido, mas não constitui instrumento que permite saber qual a aprendizagem real do aluno e, especialmente, não permite que ele se conscientize de sua aprendizagem. Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com
  • 4. Avaliação Tarefa complexa, a avaliação exige do professor e da escola a lembrança de quem têm em mãos um ser humano em formação, com seus sonhos e desejos, que necessitam ser transformados em projetos pessoais quem possam ser realizados. Certamente não cabe apenas e essencialmente à escola a realização de tais projetos, mas não há dúvidas de que a instituição escolar pode compartilhar deles, incentivá-los ou impedir que os alunos desistam de seus anseios. Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com
  • 5. Concepção de Avaliação a) Olhar o aluno como alguém que pode, é capaz e deseja aprender. b) Requer percebê-lo em suas dimensões cognitiva, afetiva e cultural, de forma a compreendê-lo melhor em suas diferenças, crenças, e formas de aprender. c) Possibilitar a autonomia do aluno para deliberar e realizar ações, responsabilizando-se por essas ações e por sua aprendizagem. d) A sala de aula deve se tornar o espaço privilegiado do conhecimento compartilhado, onde a escola e os saberes que ela veicula devem estar a serviço da formação do aluno e da realização de seus projetos pessoais. Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com
  • 6. simone_drumond@hotmail.com Concepção de Avaliação e) O professor passa a ser coordenador, o articulador das ações, para que o espaço da sala de aula torne-se um lugar em que os alunos participam de uma proposta de trabalho que também é dele. f) A proposta de ensino do professor, ainda que focada nos conteúdos propostos, considera o aluno, negocia com ele, escuta de fato o que ele Simone Helen Drumond tem a dizer, suas incompreensões e contribuições. g) A forma de ensinar e de avaliar os conteúdos deve permitir ao aluno uma visão ampliada das diversas relações que podem ser estabelecidas entre uma disciplina e as demais áreas do conhecimento, e da função que elas assumem na sua formação.
  • 7. Concepção de Avaliação h) O processo de avaliação desvele ao aluno o que ele aprende e como ele aprende para que tenha confiança em sua forma de pensar, de analisar e enfrentar novas situações. Assim...  Avaliar implica recolher, descrever, analisar e explicar o processo de ensino e aprendizagem.  Ação regulada e refletida em função de um presente e de um futuro esboçado por um projeto, tanto no sentido pedagógico quanto no individual. As informações são coletadas em função do valor atribuído à aprendizagem que se espera obter por meio do processo de ensino. Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com
  • 8.  O ato de avaliar cria a possibilidade constante de reflexão sobre o projeto pedagógico, suas metas, suas possibilidades e localização de cada aluno, suas aprendizagens e necessidades em relação às metas estabelecidas.  Buscar a formação de uma consciência reflexiva por parte do aluno significa, entre outras atitudes, que ele precisa assumir a parcela que lhe cabe de responsabilidade sobre a sua aprendizagem.  A avaliação serve para aconselhar, informar, indicar mudanças, funcionando em uma lógica cooperativa que faz do diálogo uma prática e da reflexão, uma constante. Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com
  • 9.  A avaliação deve ser como uma lente que permite uma visão cada vez mais detalhada sobre o processo de ensinar e aprender. Ela é o elemento articulador do processo de ensino e aprendizagem pelo acompanhamento que faz das ações pedagógicas e seus resultados junto aos alunos.  Para todos os envolvidos, o inventário de um processo vivo, intenso e complexo, podendo significar o modo pelo qual, todos os participantes do projeto pedagógico tomam consciência de suas identidades, suas diferenças, responsabilidades e avanços, na busca da autonomia necessária para compreender o mundo no qual vivemos. Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com
  • 10. Paradigma de Aluno Tradicional. 1. Aluno só estuda para fazer 6. O aluno é um problema para provas; estuda na véspera! o professor. 2. O aluno leva a sério somente 7. O erro é o critério. os trabalhos que valem nota 3. A avaliação pune, reprova, 8. O crescimento individual é humilha; classifica; exclui; muitas vezes um ato reforça as desigualdades competitivo. sociais, quando é a única referência acadêmica do aluno. 4. Se não existir prova, o aluno 9. Aulas “dadas”. não presta atenção na aula. 5. Se o aluno não aprende é por- que tem problemas. Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com
  • 11. simone_drumond@hotmail.com Paradigma do aluno 1. O aluno estuda sempre. 6. O aluno é o coração, o centro das preocupações da comunidade escolar 2. O aluno aprende pelo prazer de 7. A avaliação “promove”, faz aprender; estuda para avançar; o professor torna-se aprender. cúmplice do aluno, estende sua missão; é inclusiva; contribui para que o aluno assuma poder sobre si mesmo. 3. Leva a sério qualquer ato 8. O erro não é considerado Simone Helen Drumond escolar. mais algo a ser reprimido, mas uma fonte de informação. 4. O aluno é envolvido pela 9. O crescimento individual aula participativa. decorre na maioria das vezes de atos solidários. 5. Quando o aluno não aprende, 10. Aulas com formas variadas o professor revê sua de apoio; flexibilização; metodologia participação.
  • 12. simone_drumond@hotmail.com Postura Classificatória Postura do educador do CEST O professor :Utiliza métodos O professor :Utiliza métodos comparativos e/ou interpretativos e descritivos impressionistas de análise. de análise. Expressa Expressa resultados resultados qualitativos; quantitativos. Corrige e/ou analisa o teste Corrige ou analisa o teste com a finalidade de aprovar com a intenção de orientar o ou reprovar o aluno. aluno e complementar as Simone Helen Drumond ações. Analisa as respostas do aluno Analisa as respostas do aluno com base em expectativas em sua dimensão de predeterminadas ou em coerência, precisão e relação ao grupo. profundidade na abordagem do tema.
  • 13. O segredo da vida não é fazer aquilo de que você gosta. É gostar do que você faz. Marcel Proust Pense nisso! Simone Helen Drumond simone_drumond@hotmail.com