SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA – Ensino
Médio
Prof. André
BRASIL
COLONIAL
1500/1808
NO ENEM é
cobrada
para
avaliar:
(CICLO DO AÇUCAR /OURO)
Conquista territorial
Exploração do pau-brasil
Montagem do sistema
econômico
açucareiro
Sociedade colonial
(patriarcado) Missões
jesuíticas
A expressão "descobrimento do Brasil" está
carregada de eurocentrismo (valorização da cultura
europeia em detrimento das outras), pois
desconsidera a existência dos índios em nosso país,
antes da chegada dos portugueses. Portanto,
optamos pelo termo “CONQUISTA" do território
brasileiro. Esta ocorreu em 22 de abril de 1500, data
que inaugura a fase pré- colonial.
Pedro ÁlvaresCabraltoma posse do Brasil emnome de
Portugal, em1500.
The Granger Collection,NYC
BRASIL COLONIAL
1500/1808
O Período Pré-Colonial: A fase do
pau-
brasil
(1500 a1530)
•Utilidade: madeira tintorial
•Localização: do Rio Grande do Norte ao Rio de
Janeiro (litoral);
•Atividade predatória e itinerante;
•Feitorias: instalações provisórias em
diversos
pontos da costa para armazenarpau-brasil;
•Mão de obra indígena;
•Escambo: troca de pau-brasil por objetos
de pouco valor entre índios eportugueses;
•Estanco: monopólio comercialda Coroa
5
INÍCIO DA
COLONIZAÇÃO –
1530
Fatore
s
Queda nos
lucros com o
comércio de
especiarias
no Oriente
↑
Concorrência
Longas
distâncias
Expansão da fé
cristã
CAPITANIAS
HEREDITÁIA
S
↑ Custos para a
manutenção
dos territórios
conquistados.
Ameaça de invasores
(franceses e ingleses)
Não aceitação do
Tratado de
Tordesilhas
(1494).
•Expedição colonizadora de Martim Afonso de Sousa
(1531).
TEXTO I
E pois que em outra cousa
nesta parte me não posso
vingar do demônio, admoesto
da parte da cruz de Cristo
Jesus a todos que este lugar
lerem, que deem a esta terra o
nome que com tanta solenidade
lhe foi posto, sob pena de a
mesma cruz que nos há de ser
mostrada no dia final, os acusar
de mais devotos do pau-brasil
que dela.
BARROS,J. In: SOUZA,L. M. Inferno
atlântico: demonologia e colonização: séculos
QUESTÃO
TEXTO II
E deste modo se hão os povoadores, os quais,
por mais arraigados que na terra estejam e
mais ricos que sejam, tudo pretendem levar a
Portugal, e, se as fazendas e bens que
possuem souberam falar, também lhes
houveram de ensinar a dizer como os
papagaios, aos quais a primeira coisa que
ensinam é: papagaio real para Portugal,
porque tudo querem para lá.
SALVADOR, F
.V. In: SOUZA, L. M. (Org.). História da vida privada no Brasil: cotidiano e
vida privada na América portuguesa. São Paulo: Cia. das Letras,
1997.
colonizaçã
o
As críticas dessescronistas ao processo
de portuguesa na América estavam
relacionadas à
A) utilização do trabalho escravo.
B) implantação de polos urbanos.
C) devastação de áreas naturais.
D) ocupação de terras indígenas.
E) expropriação de riquezas
locais.
Característic
as
Séculos XVI e XVII
Locais: litoral do Nordeste e do
Sudeste
Experiência portuguesa nas Ilhas
Atlânticas
Brasil: solo (de massapé) e clima (tropical)
favoráveis
Associação com capitais
holandeses:
- Financiamento;
- Refinação;
- Transporte;
- Comercialização na Europa.
Açúcar: artigo raro e muito procurado na Europa = ↑ valor
CICL
O
DO
AÇUCA
R
9
CICL
O
AÇUCA
R
Plantation
DO
Escravidã
o
Indígena
Negra
↑ Lucros com
o tráfico
negreiro.
Latifúndio
Monocultura
PACTO
COLONIAL:
Sociedade Colonial Açucareira e Escravidão
Engenho
(unidade produtora):
Tipos: d’água ou
trapiche (tração animal)
Estrutura: casa da moenda
+ casa da fornalha + casa
de purgar. 10
Senzal
a
Capel
a
Características:
Lavoura
Casa
Grande
Fazenda
11
Sociedade Colonial
Açucareira e
Escravidão
Sociedade
aristocrática
(concentração
fundiária)
Escravist
a
Rural
Patriarcal
Estratificad
a
O açúcar e suas técnicas de produção foram levados a Europa
pelos árabes no século Vlll, durante a ldade Media, mas foi
principalmente a partir das Cruzadas (séculos Xl e Xlll) que a sua
procura foi aumentando. Nessa época passou a ser importado do
Oriente Médio e produzido em pequena escala no sul da ltália,
mas continuou a ser um produto de luxo, extremamente caro,
chegando a figurar nos dotes de princesas casadoiras.
CAMPOS, R. Grandeza do Brasil no tempo de Antonil (1681-1716). São Paulo: Atual,
1996.
QUESTÃO
Considerando o conceito do Antigo SistemaColonial, o açúcar foi o
produto escolhido por Portugal para dar início a colonização
brasileira, em virtude de
A)o lucro obtido com o seu comércio ser muito vantajoso.
B)os árabes serem aliados históricos dos portugueses.
C)a mão de obra necessária para o cultivo ser insuficiente.
D)as feitorias africanas facilitarem a comercialização desse produto.
E)os nativos da America dominarem uma tecnica de cultivo
semelhante.
❖ No final do século XVII, as exportações de açúcar brasileiro começaram
a diminuir;
❖ Portugal precisou buscar novas fontes de renda, pois os portugueses
lucravam muito com taxas e impostos cobrados no Brasil;
❖ Neste contexto, os bandeirantes, no final do século XVII, começaram a
encontrar minas de ouro em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.
Portugal viu nesta atividade uma nova fonte de renda.
INÍCIO DO CICLO DO OURO - XVII
1
7
O Monumento às Bandeiras é uma obra em “homenagem” aos Bandeirantes, que
desbravavam os sertões durante os séculos XVII e XVIII. Foi inaugurada no ano de 1953,
fazendo parte das comemorações do IV Centenário da cidade de São Paulo. É alvo de
constantes protestos pela violência usada pelos bandeirantes no processo de
colonização do território brasileiro
Bandeirantes: heróis ou vilões?
mineração entra
em
❖ Na segunda metade do século XVIII,
a
decadência com a paralisação das
descobertas;
❖Por conta de sua constante debilidade econômica, as autoridades
lusitanas entendiam que a diminuição do metal arrecadado era simples
fruto do contrabando. Por isso, ampliavam os impostos, e não se
preocupavam em aprimorar os métodos de prospecção e extração de
metais preciosos.
❖Sendo assim, a primeira metade do século XIX foi representada pelo
Renascimento Agrícola, fase economicamente transitória, marcada
pela diversificação rural (algodão, açúcar, tabaco cacau e café).
18
CRISE DO OURO
19
Zumbie Dandara dos Palmares –
Guerreirosdo maior quilombo do Brasil
Quilombo dos Palmares:
• 1680-1691: Zumbi derrota
todas as expedições enviadas
contra o quilombo.
• Resistência: tática deguerrilha
Repressão
e
resistênci
a
• Expedição do
bandeirante
Domingos JorgeVelho
1694
:
• Zumbi executado
• Dia Nacional da
Consciência Negra
20 de
novembro
de 1695:
Na antiga Vila de São José del Rei, a atual cidade de Tiradentes (MG), na primeira
metade do século XVIII, mais de cinco mil escravos trabalhavam na mineração
aurífera. Construíram sua capela, dedicada a Nossa Senhora do Rosário. Na
fachada, colocaram um oratório com a imagem de São Benedito. A comunidade do
século XVIII era organizada mediante a cor, por isso cada grupo tinha sua
irmandade: a dos brancos, dos crioulos, dos mulatos, dos pardos. Em cada
localidade se construía uma igreja dedicada a Nossa Senhora do Rosário. Com a
decadência da mineração, a população negra foi levada para arraiais com
atividades lucrativas diversas. Eles se foram e ficou a igreja. Mas, hoje, está sendo
resgatada a festa do Rosário e o Terno de Congado.
CRUZ, L.Fé e identidade cultural. Disponível em: www.revistadehistoria.com.br.
Acesso em: 4 jul.2012.
QUESTÃO
21
Na lógica analisada, as duas festividades retomadas
recentemente, na cidade mineira de Tiradentes, têm como
propósito
A) valorizar a cultura afrodescendente e suas tradições religiosas.
B) retomar a veneração católica aos valores dopassado colonial.
C) reunir os elementos constitutivos da história econômica regional.
D) combater o preconceito contra os adeptos do catolicismo popular.
E) produzir eventos turísticos voltados a religiões de origem africana.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Período_Colonial.pptx

Brasil Colônia - História.
Brasil Colônia - História.Brasil Colônia - História.
Brasil Colônia - História.
Julia Maldonado Garcia
 
Pqp
PqpPqp
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
DenisBrito16
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
Simone Gomes
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
Rafael Noronha
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
Rafael Noronha
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
Rafael Noronha
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Allan Almeida de Araújo
 
Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.
Jose Ribamar Santos
 
Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1
Centro Educacional 03
 
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
Sidnea Marinho
 
Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
Sidnea Marinho
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
MairaDeOliveiraPotri
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
Adriana Gomes Messias
 
Aula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América PortuguesaAula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América Portuguesa
LuannaGentil
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano   setembro - gabaritoAvaliação história 7º ano   setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Giselda morais rodrigues do
 
Brasilcolonia Prof Leporace Hist
Brasilcolonia Prof Leporace HistBrasilcolonia Prof Leporace Hist
Brasilcolonia Prof Leporace Hist
Pre-Vestibular Sentido
 
Brasilcolonia Prof Leporace Hist Prt02
Brasilcolonia Prof Leporace Hist Prt02Brasilcolonia Prof Leporace Hist Prt02
Brasilcolonia Prof Leporace Hist Prt02
Pre-Vestibular Sentido
 
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
Sheila Soarte
 

Semelhante a Período_Colonial.pptx (20)

Brasil Colônia - História.
Brasil Colônia - História.Brasil Colônia - História.
Brasil Colônia - História.
 
Pqp
PqpPqp
Pqp
 
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.
 
Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1
 
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
 
Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Aula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América PortuguesaAula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América Portuguesa
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
 
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano   setembro - gabaritoAvaliação história 7º ano   setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
 
Brasilcolonia Prof Leporace Hist
Brasilcolonia Prof Leporace HistBrasilcolonia Prof Leporace Hist
Brasilcolonia Prof Leporace Hist
 
Brasilcolonia Prof Leporace Hist Prt02
Brasilcolonia Prof Leporace Hist Prt02Brasilcolonia Prof Leporace Hist Prt02
Brasilcolonia Prof Leporace Hist Prt02
 
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 

Período_Colonial.pptx

  • 2. BRASIL COLONIAL 1500/1808 NO ENEM é cobrada para avaliar: (CICLO DO AÇUCAR /OURO) Conquista territorial Exploração do pau-brasil Montagem do sistema econômico açucareiro Sociedade colonial (patriarcado) Missões jesuíticas
  • 3. A expressão "descobrimento do Brasil" está carregada de eurocentrismo (valorização da cultura europeia em detrimento das outras), pois desconsidera a existência dos índios em nosso país, antes da chegada dos portugueses. Portanto, optamos pelo termo “CONQUISTA" do território brasileiro. Esta ocorreu em 22 de abril de 1500, data que inaugura a fase pré- colonial. Pedro ÁlvaresCabraltoma posse do Brasil emnome de Portugal, em1500. The Granger Collection,NYC BRASIL COLONIAL 1500/1808
  • 4. O Período Pré-Colonial: A fase do pau- brasil (1500 a1530) •Utilidade: madeira tintorial •Localização: do Rio Grande do Norte ao Rio de Janeiro (litoral); •Atividade predatória e itinerante; •Feitorias: instalações provisórias em diversos pontos da costa para armazenarpau-brasil; •Mão de obra indígena; •Escambo: troca de pau-brasil por objetos de pouco valor entre índios eportugueses; •Estanco: monopólio comercialda Coroa
  • 5. 5 INÍCIO DA COLONIZAÇÃO – 1530 Fatore s Queda nos lucros com o comércio de especiarias no Oriente ↑ Concorrência Longas distâncias Expansão da fé cristã CAPITANIAS HEREDITÁIA S ↑ Custos para a manutenção dos territórios conquistados. Ameaça de invasores (franceses e ingleses) Não aceitação do Tratado de Tordesilhas (1494). •Expedição colonizadora de Martim Afonso de Sousa (1531).
  • 6. TEXTO I E pois que em outra cousa nesta parte me não posso vingar do demônio, admoesto da parte da cruz de Cristo Jesus a todos que este lugar lerem, que deem a esta terra o nome que com tanta solenidade lhe foi posto, sob pena de a mesma cruz que nos há de ser mostrada no dia final, os acusar de mais devotos do pau-brasil que dela. BARROS,J. In: SOUZA,L. M. Inferno atlântico: demonologia e colonização: séculos QUESTÃO TEXTO II E deste modo se hão os povoadores, os quais, por mais arraigados que na terra estejam e mais ricos que sejam, tudo pretendem levar a Portugal, e, se as fazendas e bens que possuem souberam falar, também lhes houveram de ensinar a dizer como os papagaios, aos quais a primeira coisa que ensinam é: papagaio real para Portugal, porque tudo querem para lá. SALVADOR, F .V. In: SOUZA, L. M. (Org.). História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Cia. das Letras, 1997.
  • 7. colonizaçã o As críticas dessescronistas ao processo de portuguesa na América estavam relacionadas à A) utilização do trabalho escravo. B) implantação de polos urbanos. C) devastação de áreas naturais. D) ocupação de terras indígenas. E) expropriação de riquezas locais.
  • 8. Característic as Séculos XVI e XVII Locais: litoral do Nordeste e do Sudeste Experiência portuguesa nas Ilhas Atlânticas Brasil: solo (de massapé) e clima (tropical) favoráveis Associação com capitais holandeses: - Financiamento; - Refinação; - Transporte; - Comercialização na Europa. Açúcar: artigo raro e muito procurado na Europa = ↑ valor CICL O DO AÇUCA R
  • 9. 9 CICL O AÇUCA R Plantation DO Escravidã o Indígena Negra ↑ Lucros com o tráfico negreiro. Latifúndio Monocultura PACTO COLONIAL:
  • 10. Sociedade Colonial Açucareira e Escravidão Engenho (unidade produtora): Tipos: d’água ou trapiche (tração animal) Estrutura: casa da moenda + casa da fornalha + casa de purgar. 10 Senzal a Capel a Características: Lavoura Casa Grande Fazenda
  • 12.
  • 13. O açúcar e suas técnicas de produção foram levados a Europa pelos árabes no século Vlll, durante a ldade Media, mas foi principalmente a partir das Cruzadas (séculos Xl e Xlll) que a sua procura foi aumentando. Nessa época passou a ser importado do Oriente Médio e produzido em pequena escala no sul da ltália, mas continuou a ser um produto de luxo, extremamente caro, chegando a figurar nos dotes de princesas casadoiras. CAMPOS, R. Grandeza do Brasil no tempo de Antonil (1681-1716). São Paulo: Atual, 1996. QUESTÃO
  • 14. Considerando o conceito do Antigo SistemaColonial, o açúcar foi o produto escolhido por Portugal para dar início a colonização brasileira, em virtude de A)o lucro obtido com o seu comércio ser muito vantajoso. B)os árabes serem aliados históricos dos portugueses. C)a mão de obra necessária para o cultivo ser insuficiente. D)as feitorias africanas facilitarem a comercialização desse produto. E)os nativos da America dominarem uma tecnica de cultivo semelhante.
  • 15. ❖ No final do século XVII, as exportações de açúcar brasileiro começaram a diminuir; ❖ Portugal precisou buscar novas fontes de renda, pois os portugueses lucravam muito com taxas e impostos cobrados no Brasil; ❖ Neste contexto, os bandeirantes, no final do século XVII, começaram a encontrar minas de ouro em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso. Portugal viu nesta atividade uma nova fonte de renda. INÍCIO DO CICLO DO OURO - XVII
  • 16.
  • 17. 1 7 O Monumento às Bandeiras é uma obra em “homenagem” aos Bandeirantes, que desbravavam os sertões durante os séculos XVII e XVIII. Foi inaugurada no ano de 1953, fazendo parte das comemorações do IV Centenário da cidade de São Paulo. É alvo de constantes protestos pela violência usada pelos bandeirantes no processo de colonização do território brasileiro Bandeirantes: heróis ou vilões?
  • 18. mineração entra em ❖ Na segunda metade do século XVIII, a decadência com a paralisação das descobertas; ❖Por conta de sua constante debilidade econômica, as autoridades lusitanas entendiam que a diminuição do metal arrecadado era simples fruto do contrabando. Por isso, ampliavam os impostos, e não se preocupavam em aprimorar os métodos de prospecção e extração de metais preciosos. ❖Sendo assim, a primeira metade do século XIX foi representada pelo Renascimento Agrícola, fase economicamente transitória, marcada pela diversificação rural (algodão, açúcar, tabaco cacau e café). 18 CRISE DO OURO
  • 19. 19 Zumbie Dandara dos Palmares – Guerreirosdo maior quilombo do Brasil Quilombo dos Palmares: • 1680-1691: Zumbi derrota todas as expedições enviadas contra o quilombo. • Resistência: tática deguerrilha Repressão e resistênci a • Expedição do bandeirante Domingos JorgeVelho 1694 : • Zumbi executado • Dia Nacional da Consciência Negra 20 de novembro de 1695:
  • 20. Na antiga Vila de São José del Rei, a atual cidade de Tiradentes (MG), na primeira metade do século XVIII, mais de cinco mil escravos trabalhavam na mineração aurífera. Construíram sua capela, dedicada a Nossa Senhora do Rosário. Na fachada, colocaram um oratório com a imagem de São Benedito. A comunidade do século XVIII era organizada mediante a cor, por isso cada grupo tinha sua irmandade: a dos brancos, dos crioulos, dos mulatos, dos pardos. Em cada localidade se construía uma igreja dedicada a Nossa Senhora do Rosário. Com a decadência da mineração, a população negra foi levada para arraiais com atividades lucrativas diversas. Eles se foram e ficou a igreja. Mas, hoje, está sendo resgatada a festa do Rosário e o Terno de Congado. CRUZ, L.Fé e identidade cultural. Disponível em: www.revistadehistoria.com.br. Acesso em: 4 jul.2012. QUESTÃO
  • 21. 21 Na lógica analisada, as duas festividades retomadas recentemente, na cidade mineira de Tiradentes, têm como propósito A) valorizar a cultura afrodescendente e suas tradições religiosas. B) retomar a veneração católica aos valores dopassado colonial. C) reunir os elementos constitutivos da história econômica regional. D) combater o preconceito contra os adeptos do catolicismo popular. E) produzir eventos turísticos voltados a religiões de origem africana.