SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho Realizado por:
Ana Sofia nº 4
Bruno Santos nº
Sofia Graça nº 19
CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICO
 A obra Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett foi escrita na época do Romantismo
(movimento cultural que surgiu na Europa e nos Estados Unidos da América na segunda
metade do século XVIII).
 Em Portugal foi um período marcado pela Guerra Civil entre Liberalistas e Absolutistas.
Os Liberalistas defendiam a liberdade de expressão, a separação dos poderes do Rei e a
governação respeitando a Constituição enquanto os Absolutistas opunham-se a estas
ideias e defendiam o poder absoluto do Rei e a existência de grupos sociais privilegiados
(Nobreza e Clero).
 D. Maria II foi coroada rainha de Portugal com 7 anos porque o seu pai (D. Pedro IV)
abdicou do trono.
 D. Pedro IV foi o segundo filho varão de D. João VI e D. Carlota Joaquina. Foi líder dos
Liberalistas.
 D. Miguel, seu irmão e terceiro filho varão, foi líder dos Absolutistas e recebeu o
cognome de “O Usurpador” por ter-se apoderado do trono ilegitimamente.
CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICO
 D. Pedro IV renunciou a coroa de Portugal porque já era imperador do Brasil
e, por isso, favoreceu a sua filha. Quando abdicou da coroa impôs duas
condições: A primeira era que a Carta Constitucional fosse jurada pelo reino
e por D. Miguel. A segunda era que D. Miguel casasse com D. Maria II.
 D. Miguel desrespeitou a Carta Constitucional e proclamou-se rei absoluto.
 D. Maria subiu ao trono definitivamente em 1834 quando D. Miguel assinou o
acordo de paz que acabou com a Guerra Civil. Durante o seu reinado, D.
Maria deparou-se com várias revoluções e contra-revoluções.
 Alguns dos feitos significativos realizados pela rainha foram o
estabelecimento do ensino primário gratuito, a abolição do tráfego de
escravos nas colónias portuguesas e a abolição da pena de morte em
Portugal.
CONTEXTUALIZAÇÃO DA OBRA
A acção passa-se em 1578, El-rei D. Sebastião e D. João de Portugal
partiram para a batalha de Alcácer Quibir. Nesta batalha foram dados como
desaparecidos. D. Sebastião deixando um trono sem rei, e D. João a sua
mulher- D. Madalena – que durante sete exaustivos anos o procurou
incessantemente foi levada a pensar pelas evidencias que este tinha morrido.
Assim, resolveu casar de novo com o seu verdadeiro amor D. Manuel de
Sousa Coutinho. Começando todo o conflito da obra quando estes tem uma
filha - D. Maria - que apenas seria legitima se D. João estivesse realmente
morto.
CONTEXTUALIZAÇÃO DA OBRA
O tempo histórico insere a acção numa determinada época histórica. Ao longo
da obra são várias as referencias que nos permitem fazer a identificação do
tempo histórico :
• a referência à batalha de Alcácer Quibir ;
• as desavenças entre portugueses e castelhanos, após a perda da
independência nacional ;
• o facto de haver peste em Lisboa ;
• o sebastianismo (representado por Maria e Telmo) ;
• as alusões feitas a Camões (feitas por Telmo) e a Bernardim Ribeiro (Maria,
no início do acto segundo, cita a frase que abre a novela Menina e Moça
deste escritor) ;
CONTEXTUALIZAÇÃO DA OBRA
 A trajetória das personagens limita-se às cidades Lisboa e Almada,
numa época de peste em processo de declínio.
 Inserida num momento em que Portugal estava sob domínio
espanhol e sofria conflitos com a Inglaterra.
 A Influência das lutas pela liberdade religiosa no século XVI. Os
ingleses já haviam traduzido as sagradas escrituras, em Portugal,
somente os religiosos dominavam os segredos do catolicismo,
onde as missas ainda eram rezadas em Latim.
CONTEXTUALIZAÇÃO DA OBRA
 Referências cronológicas que surgem na obra:
período anterior a 1578 - casamento de D. Madalena com D. João de Portugal
 4 de agosto de 1578 - batalha de Alcácer Quibir; desaparecimento de D. João de Portugal (assim como do
rei D. Sebastião)
 de 1578 a 1585 (7 anos) - durante este período, D. Madalena faz todos os esforços, no sentido de saber
notícias de D. João de Portugal, sem, contudo, obter qualquer resultado
 1585 - D. Madalena casa com Manuel de Sousa Coutinho, por quem se apaixonara ainda durante o seu
primeiro casamento
 1586 - da união de Manuel de Sousa Coutinho e de D. Madalena nasce Maria (que tem treze anos à data
do início da ação)
 1599 (catorze anos após o casamento de Manuel de Sousa Coutinho e de D. Madalena) - ano em que
decorre a ação
O período que permeia entre o desaparecimento de D. João de Portugal, em 1578, e o momento em que se
desenrola a ação é constituído por vinte e um anos, o que significa que a tragédia apresentada é vivida em
1599.
CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS
 Sebastianismo - alimentado por Telmo e Maria;
 Patriotismo e nacionalismo - além do que decorre do Sebastianismo, deve-
se ter em conta o comportamento de Manuel de Sousa Coutinho ao incendiar
o seu próprio palácio para impedir que fosse ocupado pelos Governadores ao
serviço de Castela;
As personagens falam e agem, demonstrando assim um patriotismo ufanista:
“– O meu nobre pai! Oh, meu querido pai! Sim, sim, mostrai-lhe quem sois
e o que vale um português dos verdadeiros!”
CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS
 Crenças e superstições - alimentadas por Madalena, Telmo e
Maria, que, sistematicamente, aludiam a agouros, visões, sonhos;
 Religiosidade - uma referência de todas as personagens; note-se,
no entanto, a religiosidade de Manuel de Sousa Coutinho , que
inclui o uso da razão e que determina a entrada em hábito como
solução do conflito; Madalena, por exemplo, não compreende a
atitude de Joana de Castro, a condessa de Vimioso que se tornou
freira (Soror Joana);
CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS
 Individualismo - o confronto entre o indivíduo e a sociedade é particularmente visível em Madalena;
 tema da morte - a morte como solução dos conflitos é um tema privilegiado pelos românticos; no
caso do Frei Luís de Sousa, verifica-se:
- a morte física de Maria (morre tuberculosa);
- a morte simbólica de Madalena e de Manuel, que, ao tomarem o hábito, morrem para a vida
mundana;
- morte simbólica de D. João de Portugal que, depois de admitir que morreu no dia em que sua mulher
o julgou morto, simbolicamente, morre uma segunda vez, quando Telmo, depois de lhe ter desejado a
morte física como única maneira de salvar a sua menina, o seu anjo (Maria), aceita colaborar com o
Romeiro no sentido de afirmar que se trata de um impostor, numa última tentativa de evitar a catástrofe;
- morte psicológica de Telmo (ver texto de António José saraiva);
CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS
 - Idealização de personagens femininas:
D. Manuela, D. Joana de Castro são exemplos das mais diversas virtudes. O
segundo casamento de D. Manuela não chega a ser uma atitude
pecaminosa, visto que procurou por D. João de Portugal durante sete anos,
investindo uma grande quantia de dinheiro nessa procura. Somente quando
todos, exceto Telmo Paes, desacreditaram na possibilidade de D. João estar
vivo, consolidou a sua união com D. Manuel. Maria, por sua vez, é citada
como um anjo de bondade.
CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS
Notamos que esse pessimismo explícito abre portas ao metafísico, sob a forma de
presságios e agouros, que disputam, em pé de igualdade com os dogmas do catolicismo,
e da fé popular. Algumas personagens acreditam em Deus, com alguns receios que as
suas sensações são algum aviso de que alguma coisa péssima que ira acontecer:
“...não entremos com os teus agouros e profecias do costume: são sempre de
aterrar... Deixemo-nos de futuros...”
- Pessimismo: é facilmente detetado no diálogo das personagens:
“– Meu adorado esposo, não te deites a perder, não te arrebates. Que farás tu contra
esses poderosos?”
“Crê-me que to juro na presença de Deus; a nossa união, o nosso amor é impossível.”
CARACTERISTÍCAS ROMÂNTICAS
 Sentimentos e emoções conturbados: não há paz e tranquilidade no
relacionamento das personagens principais. Amor e medo caminham juntos,
gerando atitudes precipitadas e movidas pelo desespero:
...peço-te vida, vida, vida... para ela, vida para a minha filha!”
Se Deus quisera que não acordasse!”
Vamos; eu ainda não me intendo bem claro com esta desgraça. Diz-me, fala-me a
verdade: minha mulher...– minha mulher! com que boca pronuncio eu ainda estas
palavras! – D. Madalena o que sabe?”
 A natureza também não se apresenta sempre tranquila. Vimos na
descrição do Tejo que as suas águas ficam furiosas quando o tempo muda:
“Mas neste tempo não há de fiar no Tejo: dum instante para o outro levanta-se um
nortada... e então aqui o pontal de Cacilhas! Que ele é tão bom mareante...”
CARACTERISTÍCAS ROMÂNTICAS
 Escapismo: quando a situação adquire uma carga insuportável de
sofrimento moral e emocional, os protagonistas não enfrentam o repúdio da
sociedade e aceitam o refúgio na vida religiosa:
“Madalena... senhora! Todas estas coisas são já indignas de nós. Até ontem, a
nossa desculpa, para com Deus e para com os homens, estava na boa-fé e
seguridade de nossas consciências. Essa acabou. Para nós já não há senão
estas mortalhas (tomando os hábitos de cima da banca) e a sepultura dum
claustro.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
gracacruz
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Lurdes Augusto
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
mauro dinis
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo VSermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
EuniceCarmo
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Marisa Ferreira
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Maria Teixiera
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
António Fernandes
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
nanasimao
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
Maria Teresa Soveral
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
AnaGomes40
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Paula Oliveira Cruz
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
nanasimao
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Aparecida Mallagoli
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo VSermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 

Semelhante a Frei luís de sousa Contextualização

Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
LibnioCarvalhais1
 
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAaecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
FranciscoBatalha1
 
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Analise almeidagarret
Analise almeidagarretAnalise almeidagarret
Analise almeidagarret
Ilenice Trojahn
 
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdfenc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
FranciscoBatalha1
 
Ficha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaFicha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousa
Margarida Valente
 
Sintese frei luis_de_sousa
Sintese frei luis_de_sousaSintese frei luis_de_sousa
Sintese frei luis_de_sousa
Marta Ferreira
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidadeEnc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Fernanda Pereira
 
frei luis_sousa_sintese_unidade
 frei luis_sousa_sintese_unidade frei luis_sousa_sintese_unidade
frei luis_sousa_sintese_unidade
Rita Carvalho
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematização
António Fernandes
 
6 o sebastianismo
6  o sebastianismo6  o sebastianismo
6 o sebastianismo
António Fernandes
 
Portugues
PortuguesPortugues
Portugues
hana kitsune
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Filipe Leal
 
OS MELHORES LIVROS QUE JÁ LI
OS MELHORES LIVROS QUE JÁ LIOS MELHORES LIVROS QUE JÁ LI
OS MELHORES LIVROS QUE JÁ LI
Creusa Rocha
 
Apresentação 4.pptx
Apresentação 4.pptxApresentação 4.pptx
Apresentação 4.pptx
CecliaGomes25
 
Sistematizacao (1)
Sistematizacao (1)Sistematizacao (1)
Sistematizacao (1)
Joao Pedro Monteiro
 

Semelhante a Frei luís de sousa Contextualização (20)

Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
 
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
 
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAaecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
 
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
 
Analise almeidagarret
Analise almeidagarretAnalise almeidagarret
Analise almeidagarret
 
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdfenc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
 
Ficha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaFicha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousa
 
Sintese frei luis_de_sousa
Sintese frei luis_de_sousaSintese frei luis_de_sousa
Sintese frei luis_de_sousa
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidadeEnc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
 
frei luis_sousa_sintese_unidade
 frei luis_sousa_sintese_unidade frei luis_sousa_sintese_unidade
frei luis_sousa_sintese_unidade
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematização
 
6 o sebastianismo
6  o sebastianismo6  o sebastianismo
6 o sebastianismo
 
Portugues
PortuguesPortugues
Portugues
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
OS MELHORES LIVROS QUE JÁ LI
OS MELHORES LIVROS QUE JÁ LIOS MELHORES LIVROS QUE JÁ LI
OS MELHORES LIVROS QUE JÁ LI
 
Apresentação 4.pptx
Apresentação 4.pptxApresentação 4.pptx
Apresentação 4.pptx
 
Sistematizacao (1)
Sistematizacao (1)Sistematizacao (1)
Sistematizacao (1)
 

Mais de Sofia Yuna

Bocage
BocageBocage
Bocage
Sofia Yuna
 
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Sofia Yuna
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
Sofia Yuna
 
D leonor de teles
D leonor de telesD leonor de teles
D leonor de teles
Sofia Yuna
 
Valores
ValoresValores
Valores
Sofia Yuna
 
Pintura na idade media
Pintura na idade mediaPintura na idade media
Pintura na idade media
Sofia Yuna
 
Eça de queiroz biografia
Eça de queiroz   biografiaEça de queiroz   biografia
Eça de queiroz biografia
Sofia Yuna
 
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Sofia Yuna
 
Religioes romanas antes do cristianismo
Religioes romanas antes do cristianismoReligioes romanas antes do cristianismo
Religioes romanas antes do cristianismo
Sofia Yuna
 
A mulher da idade media
A mulher da idade mediaA mulher da idade media
A mulher da idade media
Sofia Yuna
 

Mais de Sofia Yuna (10)

Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
D leonor de teles
D leonor de telesD leonor de teles
D leonor de teles
 
Valores
ValoresValores
Valores
 
Pintura na idade media
Pintura na idade mediaPintura na idade media
Pintura na idade media
 
Eça de queiroz biografia
Eça de queiroz   biografiaEça de queiroz   biografia
Eça de queiroz biografia
 
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
 
Religioes romanas antes do cristianismo
Religioes romanas antes do cristianismoReligioes romanas antes do cristianismo
Religioes romanas antes do cristianismo
 
A mulher da idade media
A mulher da idade mediaA mulher da idade media
A mulher da idade media
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Frei luís de sousa Contextualização

  • 1. Trabalho Realizado por: Ana Sofia nº 4 Bruno Santos nº Sofia Graça nº 19
  • 2. CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICO  A obra Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett foi escrita na época do Romantismo (movimento cultural que surgiu na Europa e nos Estados Unidos da América na segunda metade do século XVIII).  Em Portugal foi um período marcado pela Guerra Civil entre Liberalistas e Absolutistas. Os Liberalistas defendiam a liberdade de expressão, a separação dos poderes do Rei e a governação respeitando a Constituição enquanto os Absolutistas opunham-se a estas ideias e defendiam o poder absoluto do Rei e a existência de grupos sociais privilegiados (Nobreza e Clero).  D. Maria II foi coroada rainha de Portugal com 7 anos porque o seu pai (D. Pedro IV) abdicou do trono.  D. Pedro IV foi o segundo filho varão de D. João VI e D. Carlota Joaquina. Foi líder dos Liberalistas.  D. Miguel, seu irmão e terceiro filho varão, foi líder dos Absolutistas e recebeu o cognome de “O Usurpador” por ter-se apoderado do trono ilegitimamente.
  • 3. CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICO  D. Pedro IV renunciou a coroa de Portugal porque já era imperador do Brasil e, por isso, favoreceu a sua filha. Quando abdicou da coroa impôs duas condições: A primeira era que a Carta Constitucional fosse jurada pelo reino e por D. Miguel. A segunda era que D. Miguel casasse com D. Maria II.  D. Miguel desrespeitou a Carta Constitucional e proclamou-se rei absoluto.  D. Maria subiu ao trono definitivamente em 1834 quando D. Miguel assinou o acordo de paz que acabou com a Guerra Civil. Durante o seu reinado, D. Maria deparou-se com várias revoluções e contra-revoluções.  Alguns dos feitos significativos realizados pela rainha foram o estabelecimento do ensino primário gratuito, a abolição do tráfego de escravos nas colónias portuguesas e a abolição da pena de morte em Portugal.
  • 4. CONTEXTUALIZAÇÃO DA OBRA A acção passa-se em 1578, El-rei D. Sebastião e D. João de Portugal partiram para a batalha de Alcácer Quibir. Nesta batalha foram dados como desaparecidos. D. Sebastião deixando um trono sem rei, e D. João a sua mulher- D. Madalena – que durante sete exaustivos anos o procurou incessantemente foi levada a pensar pelas evidencias que este tinha morrido. Assim, resolveu casar de novo com o seu verdadeiro amor D. Manuel de Sousa Coutinho. Começando todo o conflito da obra quando estes tem uma filha - D. Maria - que apenas seria legitima se D. João estivesse realmente morto.
  • 5. CONTEXTUALIZAÇÃO DA OBRA O tempo histórico insere a acção numa determinada época histórica. Ao longo da obra são várias as referencias que nos permitem fazer a identificação do tempo histórico : • a referência à batalha de Alcácer Quibir ; • as desavenças entre portugueses e castelhanos, após a perda da independência nacional ; • o facto de haver peste em Lisboa ; • o sebastianismo (representado por Maria e Telmo) ; • as alusões feitas a Camões (feitas por Telmo) e a Bernardim Ribeiro (Maria, no início do acto segundo, cita a frase que abre a novela Menina e Moça deste escritor) ;
  • 6. CONTEXTUALIZAÇÃO DA OBRA  A trajetória das personagens limita-se às cidades Lisboa e Almada, numa época de peste em processo de declínio.  Inserida num momento em que Portugal estava sob domínio espanhol e sofria conflitos com a Inglaterra.  A Influência das lutas pela liberdade religiosa no século XVI. Os ingleses já haviam traduzido as sagradas escrituras, em Portugal, somente os religiosos dominavam os segredos do catolicismo, onde as missas ainda eram rezadas em Latim.
  • 7. CONTEXTUALIZAÇÃO DA OBRA  Referências cronológicas que surgem na obra: período anterior a 1578 - casamento de D. Madalena com D. João de Portugal  4 de agosto de 1578 - batalha de Alcácer Quibir; desaparecimento de D. João de Portugal (assim como do rei D. Sebastião)  de 1578 a 1585 (7 anos) - durante este período, D. Madalena faz todos os esforços, no sentido de saber notícias de D. João de Portugal, sem, contudo, obter qualquer resultado  1585 - D. Madalena casa com Manuel de Sousa Coutinho, por quem se apaixonara ainda durante o seu primeiro casamento  1586 - da união de Manuel de Sousa Coutinho e de D. Madalena nasce Maria (que tem treze anos à data do início da ação)  1599 (catorze anos após o casamento de Manuel de Sousa Coutinho e de D. Madalena) - ano em que decorre a ação O período que permeia entre o desaparecimento de D. João de Portugal, em 1578, e o momento em que se desenrola a ação é constituído por vinte e um anos, o que significa que a tragédia apresentada é vivida em 1599.
  • 8. CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS  Sebastianismo - alimentado por Telmo e Maria;  Patriotismo e nacionalismo - além do que decorre do Sebastianismo, deve- se ter em conta o comportamento de Manuel de Sousa Coutinho ao incendiar o seu próprio palácio para impedir que fosse ocupado pelos Governadores ao serviço de Castela; As personagens falam e agem, demonstrando assim um patriotismo ufanista: “– O meu nobre pai! Oh, meu querido pai! Sim, sim, mostrai-lhe quem sois e o que vale um português dos verdadeiros!”
  • 9. CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS  Crenças e superstições - alimentadas por Madalena, Telmo e Maria, que, sistematicamente, aludiam a agouros, visões, sonhos;  Religiosidade - uma referência de todas as personagens; note-se, no entanto, a religiosidade de Manuel de Sousa Coutinho , que inclui o uso da razão e que determina a entrada em hábito como solução do conflito; Madalena, por exemplo, não compreende a atitude de Joana de Castro, a condessa de Vimioso que se tornou freira (Soror Joana);
  • 10. CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS  Individualismo - o confronto entre o indivíduo e a sociedade é particularmente visível em Madalena;  tema da morte - a morte como solução dos conflitos é um tema privilegiado pelos românticos; no caso do Frei Luís de Sousa, verifica-se: - a morte física de Maria (morre tuberculosa); - a morte simbólica de Madalena e de Manuel, que, ao tomarem o hábito, morrem para a vida mundana; - morte simbólica de D. João de Portugal que, depois de admitir que morreu no dia em que sua mulher o julgou morto, simbolicamente, morre uma segunda vez, quando Telmo, depois de lhe ter desejado a morte física como única maneira de salvar a sua menina, o seu anjo (Maria), aceita colaborar com o Romeiro no sentido de afirmar que se trata de um impostor, numa última tentativa de evitar a catástrofe; - morte psicológica de Telmo (ver texto de António José saraiva);
  • 11. CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS  - Idealização de personagens femininas: D. Manuela, D. Joana de Castro são exemplos das mais diversas virtudes. O segundo casamento de D. Manuela não chega a ser uma atitude pecaminosa, visto que procurou por D. João de Portugal durante sete anos, investindo uma grande quantia de dinheiro nessa procura. Somente quando todos, exceto Telmo Paes, desacreditaram na possibilidade de D. João estar vivo, consolidou a sua união com D. Manuel. Maria, por sua vez, é citada como um anjo de bondade.
  • 12. CARACTERÍSTICAS ROMÂNTICAS Notamos que esse pessimismo explícito abre portas ao metafísico, sob a forma de presságios e agouros, que disputam, em pé de igualdade com os dogmas do catolicismo, e da fé popular. Algumas personagens acreditam em Deus, com alguns receios que as suas sensações são algum aviso de que alguma coisa péssima que ira acontecer: “...não entremos com os teus agouros e profecias do costume: são sempre de aterrar... Deixemo-nos de futuros...” - Pessimismo: é facilmente detetado no diálogo das personagens: “– Meu adorado esposo, não te deites a perder, não te arrebates. Que farás tu contra esses poderosos?” “Crê-me que to juro na presença de Deus; a nossa união, o nosso amor é impossível.”
  • 13. CARACTERISTÍCAS ROMÂNTICAS  Sentimentos e emoções conturbados: não há paz e tranquilidade no relacionamento das personagens principais. Amor e medo caminham juntos, gerando atitudes precipitadas e movidas pelo desespero: ...peço-te vida, vida, vida... para ela, vida para a minha filha!” Se Deus quisera que não acordasse!” Vamos; eu ainda não me intendo bem claro com esta desgraça. Diz-me, fala-me a verdade: minha mulher...– minha mulher! com que boca pronuncio eu ainda estas palavras! – D. Madalena o que sabe?”  A natureza também não se apresenta sempre tranquila. Vimos na descrição do Tejo que as suas águas ficam furiosas quando o tempo muda: “Mas neste tempo não há de fiar no Tejo: dum instante para o outro levanta-se um nortada... e então aqui o pontal de Cacilhas! Que ele é tão bom mareante...”
  • 14. CARACTERISTÍCAS ROMÂNTICAS  Escapismo: quando a situação adquire uma carga insuportável de sofrimento moral e emocional, os protagonistas não enfrentam o repúdio da sociedade e aceitam o refúgio na vida religiosa: “Madalena... senhora! Todas estas coisas são já indignas de nós. Até ontem, a nossa desculpa, para com Deus e para com os homens, estava na boa-fé e seguridade de nossas consciências. Essa acabou. Para nós já não há senão estas mortalhas (tomando os hábitos de cima da banca) e a sepultura dum claustro.”