SlideShare uma empresa Scribd logo
Cultura, desenvolvimento e
diversidade
José Marcio Barros –
PUC Minas/UEMG/Observatório da Diversidade Cultural
josemarciobarros@gmail.com
Apresentação
Professor e Pesquisador do PPG em Comunicação da
PUC Minas
Coordenador do Curso de Pós Graduação em Gestão
Cultural da FAPP/UEMG
Coordenador do Observatório da Diversidade Cultural –
ODC – www.observatoriodadiversidade.org.br
Consultor na área de políticas culturais e formação de
gestores culturais (MINC/UNB/UFBa)
Apresentação
Consultor do Centro de Formação e Pesquisa em
Desenvolvimento Criativo do SESC MG
Professor do Curso de Gestão Cultural do SESC SP
EMENTA
Como pensar a articulação entre a cultura e o
desenvolvimento humano, de forma a proteger e
promover a diversidade?
Mais além da geração de renda e tributos, como
a cultura pode produzir, fazer circular riquezas e
contribuir para o enfrentamento das desigualdades?
I
Cultura:
de que estamos falando?
Cultura
Simbólica
Econômica
Cidadã
Modos de viver, fazer e criar
que inauguram referencias,
identidades
A cultura como direito:
criação, fruição, difusão,
identidade, cooperação e
participação
Produção de riquezas
materiais
Tridimensionalidade da Cultura
• As 3 dimensões não são naturais e nem
espontâneas, resultam de nossas trocas
e experiências
• Dependem dos sistemas de produção,
reprodução e circulação dos bens
simbólicos
Mas...
A cultura não pode ser tratada como mero
instrumento.
O desenvolvimento cultural é um fim em si
mesmo.
O que essa visão demanda dos agentes,
produtores e gestores culturais ?
reconhecer que para além das artes, dos
circuitos instituídos e dos sujeitos produtores de
bens artísticos, as políticas, os programas, os
projetos de cultura devem se voltar a todos os
sujeitos e cidadãos produtores de bens
simbólicos
II
O que é Diversidade
Cultural ?
um projeto político a
partir de uma realidade
antropológica
» Visão Romântica
A Diversidade Cultural como característica natural das
formas de vida e das manifestações culturais.
Prefiro pensar como…
» dinâmicas sócio-políticas de interação entre os
diferentes.
Diferenças
• Realidade antropológica;
Diversidade
• Resultado das interações e
trocas;
Pluralidade
• Construção política da equidade;
POR QUE TRATAR DA
DIVERSIDADE CULTURAL É TÃO
IMPORTANTE ?
Porque as diferenças
são constitutivas da
condição humana
Porque o diverso supõe a
troca e é isso que
assegura à cultura
importância e
centralidade no
desenvolvimento humano
Porque não existe
democracia sem
pluralidade cultural,
portanto, sem um
pluralismo patrimonial
» A diversidade cultural não se renova naturalmente.
» A diversidade cultural é dinâmica precisa ser pensada
conjugando proteção e promoção.
» A diversidade cultural encerra um conjunto de
tensões e não pode ser pensada como um mosaico
harmônico de diferenças.
(François de Bernard)
» A diversidade cultural convoca sempre ao diálogo, à
troca e ao respeito mútuo.
» Não se conjuga a Diversidade Cultural na primeira
pessoa do singular mas na sua intersecção
TU
NÓS
EU
DC
O que é proteger e promover
a diversidade cultural ?
» Desenvolver políticas, programas e ações
transversais que afetem a dimensão
antropológica da cultura e não apenas sua
dimensão artística
» Isso é importante para garantir as
condições de continuarmos diferentes.
» desencadear por meio de políticas,
programas e projetos, processos dialógicos
em 3 dimensões:
X
• Reafirmação identitária e
política de si e dos iguais
• A descoberta do outro e a
troca que permite a
fertilização de uma cultura
pela outra
• A construção do nós, que
assegura a tradução de uma
cultura para várias outras
culturas e, assim, a descoberta
da universalidade.
Como fazer para articular a diversidade cultural e
o desenvolvimento humano?
Toma-la como como BEM mas também como
RECURSO.
O que isso implica ?
2
III
Como realidade dinâmica, diversidade nos
remete a permanências, mas também a
mudanças.
1 2
Como mostra o Relatório da
Unesco (Investir na diversidade
e no diálogo intercultural) as
tradições reinventam a si
mesmas.
Daí a necessidade de se
pensar a diversidade
cultural em suas relações
com as mudanças, as
inovações e as trocas e
influencias mútuas.
A articulação proposta impõe a
necessidade de articular a proteção,
especialmente das práticas e
expressões em perigo de extinção,
com
a promoção especialmente sensível
às
mudanças.
A experiência cultural contemporânea é
marcada pelo deslocamento, pela
mistura, pelo hibridismo.
Promover a diversidade é promover a
relação entre polos e processos e não a
conservação do passado.
Articular diversidade cultural e o
desenvolvimento, é enfrentar o
desafio de relacionar nossas
raízes e nossas antenas de forma
a equilibrar contextos de
inovação e tradições.
Tanto o novo quanto o tradicional
são fontes que alimentam a
diversidade.
Essa articulação deve considerar novos
modelos de criação, produção, circulação e
consumo de bens culturais que não mais
cabem na equação centro e periferia,
popular e erudito, tradicional e
contemporâneo
Mas é preciso ter cuidado...
» Uma face aponta para a riqueza da
interculturalidade;
» Outra para os perigos da padronização e
exotização das diferenças pelo mercado,
seja ele convencional ou não;
IV
Mas o que é desenvolvimento humano ?
• Processo de mudança social e econômica em termos de
potencialidades e capacidades do ser humano;
• Que assegura liberdade social, econômica e política;
• Que garante oportunidades de saúde, educação,
criação;
• Que assegura os direitos humanos.
Desenvolvimento que articula e equilibra
Capital Natural
Capital
Construído
Capital
Humano
Capital Social
Fonte Banco Mundial
Um conjunto de valores e atitudes que se revelam através:
• do grau de confiança existente entre os atores sociais de
uma sociedade;
• das atitudes e valores que auxiliam as pessoas a superar
relações conflituosas e competitivas para conformar
relações de cooperação e ajuda mútua, ou seja, de
reciprocidade;
• e das atitudes cidadãs praticadas que fazem a sociedade
mais coesiva e mais do que uma soma de indivíduos
Pensar a diversidade cultural e o
desenvolvimento pressupõe:
SUSTENTABILIDADE,
ou seja, desenvolvimento
que busca integrar
passado, presente e
perspectiva de futuro
EQUILIBRIO entre as
lógicas do simbólico e as
razões de mercado.
Relacioná-las de forma
produtiva, criativa e
respeitosa
REDUÇÃO das
desigualdades locais,
regionais e mundiais e
RESPEITO aos direitos
humanos
CONSOLIDAÇÃO de um
modelo democrático de
participação e decisão
COMPROMISSOS
Novas Práticas:
Redes e trabalhos
colaborativos são
possibilidades ?
falar de trabalho em rede não é uma questão de
desenvolver uma técnica de entrelaçamento e
conexão, é adotar um novo paradigma.
Trabalho colaborativo é mais do que o uso de
redes sociais
Mas o que é REDE ?
(segundo Cássio Martinho, especialista brasileiro no assunto)
• É um modo de organização constituído,
necessariamente, de agentes autônomos que,
interligados, cooperam entre si. São os elementos da
rede.
• Rede é um modelo de organização de pessoas (físicas e
jurídicas) que, em nome de algo superior, um objetivo
consensual, realizam trabalho coletivo, cooperando entre
si.
• A ordem em uma Rede é horizontal, portanto, não
comporta coexistência com hierarquia. A base conceitual
de Rede se funda na contraposição à hierarquia. Este é o
aspecto mais desafiante.
• A Rede é um meio de interligar elementos diferentes,
mas a interligação não é gratuita, nem suficiente para
que ela se constitua.
• O que torna a Rede uma realidade é a
horizontalidade e a convergência.
• Toda Rede deve ser uma rede de informação,
intercâmbio de informações e práticas : uma
comunidade de práticas...
• O pressuposto básico da Rede, segundo Cassio
Martinho, é que a união de esforços individuais criará
um conjunto mais forte do que a mera soma dos
esforços individuais, ocorrendo sinergia.
• À medida que os atores trocam informação e
compartilham capacidades, a rede se torna mais
poderosa e os processos fluem melhor por ela.
Redes efetivas realizam a experiência de:
• Substituir a hierarquia pela horizontalidade
• Potencializar a emergência de novos talentos e
valores
• Fomentar a inovação e a criatividade
• Reunir diferentes que pactuam objetivos e métodos
comuns
• Redes não são realidades naturais,
mas projetos construídos através de
pactos e informação, mas também
de atitudes e práticas.
Protagonismo com ética
Penso que o modelo econômico que melhor se adequa a este
projeto de articulação entre cultura, diversidade e
desenvolvimento é o da economia solidária
• Um conjunto de atividades econômicas – de produção,
distribuição, consumo, poupança e crédito – organizadas e
realizadas solidariamente sob a forma coletiva e
autogestionária.
• Possui 4 importantes características:
aula4_12_09_2014.ppt
Cooperação
Existência de interesses e objetivos comuns,
união dos esforços e capacidades,
propriedade coletiva parcial ou total de bens,
partilha dos resultados e responsabilidade
solidária diante das dificuldades.
Autogestão
Exercício de práticas participativas de
autogestão nos processos de trabalho, nas
definições estratégicas e cotidianas dos
empreendimentos, na direção e coordenação
das ações nos seus diversos graus e interesses.
Viabilidade Econômica
Agregação de esforços, recursos e
conhecimentos para viabilizar as iniciativas
coletivas de produção, prestação de serviços,
beneficiamento, crédito, comercialização e
consumo.
Solidariedade
Preocupação permanente com a justa
distribuição dos resultados e a melhoria das
condições de vida de participantes.
Comprometimento com o meio ambiente
saudável e com a comunidade, com
movimentos emancipatórios e com o bem
estar de quem produz e quem consome.
Como ensina Edgard Morin,
vivemos num tempo onde o
cheio provoca o oco, a
saciedade gera a angústia, o
permanente é trocado pelo
atual, o "mais novo".
Quais são os compromissos e
desafios de um agente,
produtor, gestor cultural ?
Referências
BARROS, José Marcio, OLIVEIRA JR. Pensar e Agir com a Cultura –
Desafios da gestão cultural. BH: Observatório da Diversidade
Cultural, 2011.
KLIKSBERG, Bernardo; VALENZUELA, Sandra Trabucco Falácias e
mitos do desenvolvimento social Editora Cortez, 2001,
MARTINHO, Cássio. Redes: uma introdução às dinâmicas da
conectividade e da auto-organização. WWF-Brasil, 2003.
UNESCO, Relatório Investir na diversidade e no diálogo
intercultural, 2012

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula4_12_09_2014.ppt

Palestra Vidas paralelas
Palestra Vidas paralelasPalestra Vidas paralelas
Palestra Vidas paralelas
Campus Party Brasil
 
Mudando o paradigma: Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento sus...
Mudando o paradigma: Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento sus...Mudando o paradigma: Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento sus...
Mudando o paradigma: Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento sus...
Daniela Fiuza
 
Apresentação projeto IC Cartografia da Economia Criativa na Região Uva e Vinh...
Apresentação projeto IC Cartografia da Economia Criativa na Região Uva e Vinh...Apresentação projeto IC Cartografia da Economia Criativa na Região Uva e Vinh...
Apresentação projeto IC Cartografia da Economia Criativa na Região Uva e Vinh...
Aline Corso
 
Jornada de gestão cultural - Minom
Jornada de gestão cultural - MinomJornada de gestão cultural - Minom
Jornada de gestão cultural - Minom
Cultura e Mercado
 
Uma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitáriaUma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitária
Antônio Diomário de Queiroz
 
A diversidade cultural no tempo de agora: a leitura da UNESCO
A diversidade cultural no tempo de agora: a leitura da UNESCOA diversidade cultural no tempo de agora: a leitura da UNESCO
A diversidade cultural no tempo de agora: a leitura da UNESCO
GabrielChati
 
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - ExtensãoEducação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
Mariangela ziede
 
Eco cul 01_pdf_2013
Eco cul 01_pdf_2013Eco cul 01_pdf_2013
Eco cul 01_pdf_2013
Ednaldo Fernando Santos Lima
 
Repensar a formação de professores…rumo a uma educação global na aula de línguas
Repensar a formação de professores…rumo a uma educação global na aula de línguasRepensar a formação de professores…rumo a uma educação global na aula de línguas
Repensar a formação de professores…rumo a uma educação global na aula de línguas
jornadaslinguas
 
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e ExtensãoEducação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
Mariangela ziede
 
Carlos Carapeto - IAPMEI
Carlos Carapeto - IAPMEICarlos Carapeto - IAPMEI
Carlos Carapeto - IAPMEI
Construção Sustentável
 
Mutações sociais e sistemas educativos
Mutações sociais e sistemas educativosMutações sociais e sistemas educativos
Mutações sociais e sistemas educativos
Teresa Ramos
 
Apostila Modulo Diversidade Cultural e Direitos Humanos_.pdf
Apostila Modulo Diversidade Cultural e Direitos Humanos_.pdfApostila Modulo Diversidade Cultural e Direitos Humanos_.pdf
Apostila Modulo Diversidade Cultural e Direitos Humanos_.pdf
Mcp2016
 
Festival 2018 - Cultura Organizacional e Captação de Recursos
Festival 2018 - Cultura Organizacional e Captação de RecursosFestival 2018 - Cultura Organizacional e Captação de Recursos
Festival 2018 - Cultura Organizacional e Captação de Recursos
ABCR
 
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura SocioambientalCultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Regiane Nigro
 
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas. conceitos e práti...
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas. conceitos e práti...A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas. conceitos e práti...
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas. conceitos e práti...
rodrigodelapaes
 
Desenvolvimento social com_intersetorialidade
Desenvolvimento social com_intersetorialidadeDesenvolvimento social com_intersetorialidade
Desenvolvimento social com_intersetorialidade
Vagner Machado
 
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivasOkada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Danilo
 
APL de economia criativa
APL de economia criativaAPL de economia criativa
APL de economia criativa
Programando o Futuro
 
A escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusivaA escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusiva
rosania39
 

Semelhante a aula4_12_09_2014.ppt (20)

Palestra Vidas paralelas
Palestra Vidas paralelasPalestra Vidas paralelas
Palestra Vidas paralelas
 
Mudando o paradigma: Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento sus...
Mudando o paradigma: Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento sus...Mudando o paradigma: Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento sus...
Mudando o paradigma: Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento sus...
 
Apresentação projeto IC Cartografia da Economia Criativa na Região Uva e Vinh...
Apresentação projeto IC Cartografia da Economia Criativa na Região Uva e Vinh...Apresentação projeto IC Cartografia da Economia Criativa na Região Uva e Vinh...
Apresentação projeto IC Cartografia da Economia Criativa na Região Uva e Vinh...
 
Jornada de gestão cultural - Minom
Jornada de gestão cultural - MinomJornada de gestão cultural - Minom
Jornada de gestão cultural - Minom
 
Uma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitáriaUma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitária
 
A diversidade cultural no tempo de agora: a leitura da UNESCO
A diversidade cultural no tempo de agora: a leitura da UNESCOA diversidade cultural no tempo de agora: a leitura da UNESCO
A diversidade cultural no tempo de agora: a leitura da UNESCO
 
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - ExtensãoEducação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
 
Eco cul 01_pdf_2013
Eco cul 01_pdf_2013Eco cul 01_pdf_2013
Eco cul 01_pdf_2013
 
Repensar a formação de professores…rumo a uma educação global na aula de línguas
Repensar a formação de professores…rumo a uma educação global na aula de línguasRepensar a formação de professores…rumo a uma educação global na aula de línguas
Repensar a formação de professores…rumo a uma educação global na aula de línguas
 
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e ExtensãoEducação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
 
Carlos Carapeto - IAPMEI
Carlos Carapeto - IAPMEICarlos Carapeto - IAPMEI
Carlos Carapeto - IAPMEI
 
Mutações sociais e sistemas educativos
Mutações sociais e sistemas educativosMutações sociais e sistemas educativos
Mutações sociais e sistemas educativos
 
Apostila Modulo Diversidade Cultural e Direitos Humanos_.pdf
Apostila Modulo Diversidade Cultural e Direitos Humanos_.pdfApostila Modulo Diversidade Cultural e Direitos Humanos_.pdf
Apostila Modulo Diversidade Cultural e Direitos Humanos_.pdf
 
Festival 2018 - Cultura Organizacional e Captação de Recursos
Festival 2018 - Cultura Organizacional e Captação de RecursosFestival 2018 - Cultura Organizacional e Captação de Recursos
Festival 2018 - Cultura Organizacional e Captação de Recursos
 
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura SocioambientalCultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
 
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas. conceitos e práti...
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas. conceitos e práti...A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas. conceitos e práti...
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas. conceitos e práti...
 
Desenvolvimento social com_intersetorialidade
Desenvolvimento social com_intersetorialidadeDesenvolvimento social com_intersetorialidade
Desenvolvimento social com_intersetorialidade
 
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivasOkada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
Okada a. a_mediacao_pedagogica_e_a_construcao_de_ecologias_cognitivas
 
APL de economia criativa
APL de economia criativaAPL de economia criativa
APL de economia criativa
 
A escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusivaA escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusiva
 

Mais de rosemendes2001hotmai

Aporofia - diversidade humana. Reflexões
Aporofia - diversidade humana. ReflexõesAporofia - diversidade humana. Reflexões
Aporofia - diversidade humana. Reflexões
rosemendes2001hotmai
 
Direitos Culturais_Aula 5 (1).pptx
Direitos Culturais_Aula 5 (1).pptxDireitos Culturais_Aula 5 (1).pptx
Direitos Culturais_Aula 5 (1).pptx
rosemendes2001hotmai
 
Aula 2_Feminismos_História e Conceito de Genero.pdf
Aula 2_Feminismos_História e Conceito de Genero.pdfAula 2_Feminismos_História e Conceito de Genero.pdf
Aula 2_Feminismos_História e Conceito de Genero.pdf
rosemendes2001hotmai
 
mulhertrabalhoeeducacao1.pptx
mulhertrabalhoeeducacao1.pptxmulhertrabalhoeeducacao1.pptx
mulhertrabalhoeeducacao1.pptx
rosemendes2001hotmai
 
Marlene Guirado Psicologia Institucional (2).pdf
Marlene Guirado Psicologia Institucional (2).pdfMarlene Guirado Psicologia Institucional (2).pdf
Marlene Guirado Psicologia Institucional (2).pdf
rosemendes2001hotmai
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial - UNIFACCAMP.pdf
Erikson e o desenvolvimento psicossocial - UNIFACCAMP.pdfErikson e o desenvolvimento psicossocial - UNIFACCAMP.pdf
Erikson e o desenvolvimento psicossocial - UNIFACCAMP.pdf
rosemendes2001hotmai
 
Alguns conceitos de grupos (1).pdf
Alguns conceitos de grupos (1).pdfAlguns conceitos de grupos (1).pdf
Alguns conceitos de grupos (1).pdf
rosemendes2001hotmai
 
Aula violencia contra a mulher.pptx
Aula violencia contra a mulher.pptxAula violencia contra a mulher.pptx
Aula violencia contra a mulher.pptx
rosemendes2001hotmai
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
rosemendes2001hotmai
 
Adoção.pptx.pdf
Adoção.pptx.pdfAdoção.pptx.pdf
Adoção.pptx.pdf
rosemendes2001hotmai
 
CAPS_ Instituição Social.pptx
CAPS_ Instituição Social.pptxCAPS_ Instituição Social.pptx
CAPS_ Instituição Social.pptx
rosemendes2001hotmai
 
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdfoitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
rosemendes2001hotmai
 
Slide_Psicologia_Social_Silvia_Lane_e_En.pptx
Slide_Psicologia_Social_Silvia_Lane_e_En.pptxSlide_Psicologia_Social_Silvia_Lane_e_En.pptx
Slide_Psicologia_Social_Silvia_Lane_e_En.pptx
rosemendes2001hotmai
 
Plano de Psicologia Social I - 3º Periodo ERE-2021 (Kety Franciscatti) (1).pdf
Plano de Psicologia Social I - 3º Periodo ERE-2021 (Kety Franciscatti) (1).pdfPlano de Psicologia Social I - 3º Periodo ERE-2021 (Kety Franciscatti) (1).pdf
Plano de Psicologia Social I - 3º Periodo ERE-2021 (Kety Franciscatti) (1).pdf
rosemendes2001hotmai
 
SLIDES - Psicologia comunitária Aula 7.8 - A desigualdade social brasileira.pdf
SLIDES - Psicologia comunitária Aula 7.8 - A desigualdade social brasileira.pdfSLIDES - Psicologia comunitária Aula 7.8 - A desigualdade social brasileira.pdf
SLIDES - Psicologia comunitária Aula 7.8 - A desigualdade social brasileira.pdf
rosemendes2001hotmai
 

Mais de rosemendes2001hotmai (15)

Aporofia - diversidade humana. Reflexões
Aporofia - diversidade humana. ReflexõesAporofia - diversidade humana. Reflexões
Aporofia - diversidade humana. Reflexões
 
Direitos Culturais_Aula 5 (1).pptx
Direitos Culturais_Aula 5 (1).pptxDireitos Culturais_Aula 5 (1).pptx
Direitos Culturais_Aula 5 (1).pptx
 
Aula 2_Feminismos_História e Conceito de Genero.pdf
Aula 2_Feminismos_História e Conceito de Genero.pdfAula 2_Feminismos_História e Conceito de Genero.pdf
Aula 2_Feminismos_História e Conceito de Genero.pdf
 
mulhertrabalhoeeducacao1.pptx
mulhertrabalhoeeducacao1.pptxmulhertrabalhoeeducacao1.pptx
mulhertrabalhoeeducacao1.pptx
 
Marlene Guirado Psicologia Institucional (2).pdf
Marlene Guirado Psicologia Institucional (2).pdfMarlene Guirado Psicologia Institucional (2).pdf
Marlene Guirado Psicologia Institucional (2).pdf
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial - UNIFACCAMP.pdf
Erikson e o desenvolvimento psicossocial - UNIFACCAMP.pdfErikson e o desenvolvimento psicossocial - UNIFACCAMP.pdf
Erikson e o desenvolvimento psicossocial - UNIFACCAMP.pdf
 
Alguns conceitos de grupos (1).pdf
Alguns conceitos de grupos (1).pdfAlguns conceitos de grupos (1).pdf
Alguns conceitos de grupos (1).pdf
 
Aula violencia contra a mulher.pptx
Aula violencia contra a mulher.pptxAula violencia contra a mulher.pptx
Aula violencia contra a mulher.pptx
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
 
Adoção.pptx.pdf
Adoção.pptx.pdfAdoção.pptx.pdf
Adoção.pptx.pdf
 
CAPS_ Instituição Social.pptx
CAPS_ Instituição Social.pptxCAPS_ Instituição Social.pptx
CAPS_ Instituição Social.pptx
 
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdfoitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
 
Slide_Psicologia_Social_Silvia_Lane_e_En.pptx
Slide_Psicologia_Social_Silvia_Lane_e_En.pptxSlide_Psicologia_Social_Silvia_Lane_e_En.pptx
Slide_Psicologia_Social_Silvia_Lane_e_En.pptx
 
Plano de Psicologia Social I - 3º Periodo ERE-2021 (Kety Franciscatti) (1).pdf
Plano de Psicologia Social I - 3º Periodo ERE-2021 (Kety Franciscatti) (1).pdfPlano de Psicologia Social I - 3º Periodo ERE-2021 (Kety Franciscatti) (1).pdf
Plano de Psicologia Social I - 3º Periodo ERE-2021 (Kety Franciscatti) (1).pdf
 
SLIDES - Psicologia comunitária Aula 7.8 - A desigualdade social brasileira.pdf
SLIDES - Psicologia comunitária Aula 7.8 - A desigualdade social brasileira.pdfSLIDES - Psicologia comunitária Aula 7.8 - A desigualdade social brasileira.pdf
SLIDES - Psicologia comunitária Aula 7.8 - A desigualdade social brasileira.pdf
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 

aula4_12_09_2014.ppt

  • 1. Cultura, desenvolvimento e diversidade José Marcio Barros – PUC Minas/UEMG/Observatório da Diversidade Cultural josemarciobarros@gmail.com
  • 2. Apresentação Professor e Pesquisador do PPG em Comunicação da PUC Minas Coordenador do Curso de Pós Graduação em Gestão Cultural da FAPP/UEMG Coordenador do Observatório da Diversidade Cultural – ODC – www.observatoriodadiversidade.org.br Consultor na área de políticas culturais e formação de gestores culturais (MINC/UNB/UFBa)
  • 3. Apresentação Consultor do Centro de Formação e Pesquisa em Desenvolvimento Criativo do SESC MG Professor do Curso de Gestão Cultural do SESC SP
  • 4. EMENTA Como pensar a articulação entre a cultura e o desenvolvimento humano, de forma a proteger e promover a diversidade? Mais além da geração de renda e tributos, como a cultura pode produzir, fazer circular riquezas e contribuir para o enfrentamento das desigualdades?
  • 6. Cultura Simbólica Econômica Cidadã Modos de viver, fazer e criar que inauguram referencias, identidades A cultura como direito: criação, fruição, difusão, identidade, cooperação e participação Produção de riquezas materiais Tridimensionalidade da Cultura
  • 7. • As 3 dimensões não são naturais e nem espontâneas, resultam de nossas trocas e experiências • Dependem dos sistemas de produção, reprodução e circulação dos bens simbólicos
  • 8. Mas... A cultura não pode ser tratada como mero instrumento. O desenvolvimento cultural é um fim em si mesmo.
  • 9. O que essa visão demanda dos agentes, produtores e gestores culturais ? reconhecer que para além das artes, dos circuitos instituídos e dos sujeitos produtores de bens artísticos, as políticas, os programas, os projetos de cultura devem se voltar a todos os sujeitos e cidadãos produtores de bens simbólicos
  • 10. II O que é Diversidade Cultural ?
  • 11. um projeto político a partir de uma realidade antropológica
  • 12. » Visão Romântica A Diversidade Cultural como característica natural das formas de vida e das manifestações culturais. Prefiro pensar como… » dinâmicas sócio-políticas de interação entre os diferentes.
  • 13. Diferenças • Realidade antropológica; Diversidade • Resultado das interações e trocas; Pluralidade • Construção política da equidade;
  • 14. POR QUE TRATAR DA DIVERSIDADE CULTURAL É TÃO IMPORTANTE ?
  • 15. Porque as diferenças são constitutivas da condição humana Porque o diverso supõe a troca e é isso que assegura à cultura importância e centralidade no desenvolvimento humano Porque não existe democracia sem pluralidade cultural, portanto, sem um pluralismo patrimonial
  • 16. » A diversidade cultural não se renova naturalmente. » A diversidade cultural é dinâmica precisa ser pensada conjugando proteção e promoção. » A diversidade cultural encerra um conjunto de tensões e não pode ser pensada como um mosaico harmônico de diferenças. (François de Bernard)
  • 17. » A diversidade cultural convoca sempre ao diálogo, à troca e ao respeito mútuo. » Não se conjuga a Diversidade Cultural na primeira pessoa do singular mas na sua intersecção
  • 19. O que é proteger e promover a diversidade cultural ?
  • 20. » Desenvolver políticas, programas e ações transversais que afetem a dimensão antropológica da cultura e não apenas sua dimensão artística » Isso é importante para garantir as condições de continuarmos diferentes.
  • 21. » desencadear por meio de políticas, programas e projetos, processos dialógicos em 3 dimensões: X
  • 22. • Reafirmação identitária e política de si e dos iguais • A descoberta do outro e a troca que permite a fertilização de uma cultura pela outra • A construção do nós, que assegura a tradução de uma cultura para várias outras culturas e, assim, a descoberta da universalidade.
  • 23. Como fazer para articular a diversidade cultural e o desenvolvimento humano? Toma-la como como BEM mas também como RECURSO. O que isso implica ? 2 III
  • 24. Como realidade dinâmica, diversidade nos remete a permanências, mas também a mudanças. 1 2
  • 25. Como mostra o Relatório da Unesco (Investir na diversidade e no diálogo intercultural) as tradições reinventam a si mesmas. Daí a necessidade de se pensar a diversidade cultural em suas relações com as mudanças, as inovações e as trocas e influencias mútuas.
  • 26. A articulação proposta impõe a necessidade de articular a proteção, especialmente das práticas e expressões em perigo de extinção, com a promoção especialmente sensível às mudanças.
  • 27. A experiência cultural contemporânea é marcada pelo deslocamento, pela mistura, pelo hibridismo. Promover a diversidade é promover a relação entre polos e processos e não a conservação do passado.
  • 28. Articular diversidade cultural e o desenvolvimento, é enfrentar o desafio de relacionar nossas raízes e nossas antenas de forma a equilibrar contextos de inovação e tradições. Tanto o novo quanto o tradicional são fontes que alimentam a diversidade.
  • 29. Essa articulação deve considerar novos modelos de criação, produção, circulação e consumo de bens culturais que não mais cabem na equação centro e periferia, popular e erudito, tradicional e contemporâneo
  • 30. Mas é preciso ter cuidado... » Uma face aponta para a riqueza da interculturalidade; » Outra para os perigos da padronização e exotização das diferenças pelo mercado, seja ele convencional ou não;
  • 31. IV Mas o que é desenvolvimento humano ? • Processo de mudança social e econômica em termos de potencialidades e capacidades do ser humano; • Que assegura liberdade social, econômica e política; • Que garante oportunidades de saúde, educação, criação; • Que assegura os direitos humanos.
  • 32. Desenvolvimento que articula e equilibra Capital Natural Capital Construído Capital Humano Capital Social Fonte Banco Mundial
  • 33. Um conjunto de valores e atitudes que se revelam através: • do grau de confiança existente entre os atores sociais de uma sociedade; • das atitudes e valores que auxiliam as pessoas a superar relações conflituosas e competitivas para conformar relações de cooperação e ajuda mútua, ou seja, de reciprocidade; • e das atitudes cidadãs praticadas que fazem a sociedade mais coesiva e mais do que uma soma de indivíduos
  • 34. Pensar a diversidade cultural e o desenvolvimento pressupõe:
  • 35. SUSTENTABILIDADE, ou seja, desenvolvimento que busca integrar passado, presente e perspectiva de futuro EQUILIBRIO entre as lógicas do simbólico e as razões de mercado. Relacioná-las de forma produtiva, criativa e respeitosa REDUÇÃO das desigualdades locais, regionais e mundiais e RESPEITO aos direitos humanos CONSOLIDAÇÃO de um modelo democrático de participação e decisão COMPROMISSOS
  • 36. Novas Práticas: Redes e trabalhos colaborativos são possibilidades ?
  • 37. falar de trabalho em rede não é uma questão de desenvolver uma técnica de entrelaçamento e conexão, é adotar um novo paradigma. Trabalho colaborativo é mais do que o uso de redes sociais
  • 38. Mas o que é REDE ? (segundo Cássio Martinho, especialista brasileiro no assunto) • É um modo de organização constituído, necessariamente, de agentes autônomos que, interligados, cooperam entre si. São os elementos da rede. • Rede é um modelo de organização de pessoas (físicas e jurídicas) que, em nome de algo superior, um objetivo consensual, realizam trabalho coletivo, cooperando entre si. • A ordem em uma Rede é horizontal, portanto, não comporta coexistência com hierarquia. A base conceitual de Rede se funda na contraposição à hierarquia. Este é o aspecto mais desafiante.
  • 39. • A Rede é um meio de interligar elementos diferentes, mas a interligação não é gratuita, nem suficiente para que ela se constitua. • O que torna a Rede uma realidade é a horizontalidade e a convergência. • Toda Rede deve ser uma rede de informação, intercâmbio de informações e práticas : uma comunidade de práticas...
  • 40. • O pressuposto básico da Rede, segundo Cassio Martinho, é que a união de esforços individuais criará um conjunto mais forte do que a mera soma dos esforços individuais, ocorrendo sinergia. • À medida que os atores trocam informação e compartilham capacidades, a rede se torna mais poderosa e os processos fluem melhor por ela.
  • 41. Redes efetivas realizam a experiência de: • Substituir a hierarquia pela horizontalidade • Potencializar a emergência de novos talentos e valores • Fomentar a inovação e a criatividade • Reunir diferentes que pactuam objetivos e métodos comuns
  • 42. • Redes não são realidades naturais, mas projetos construídos através de pactos e informação, mas também de atitudes e práticas.
  • 43. Protagonismo com ética Penso que o modelo econômico que melhor se adequa a este projeto de articulação entre cultura, diversidade e desenvolvimento é o da economia solidária • Um conjunto de atividades econômicas – de produção, distribuição, consumo, poupança e crédito – organizadas e realizadas solidariamente sob a forma coletiva e autogestionária. • Possui 4 importantes características:
  • 45. Cooperação Existência de interesses e objetivos comuns, união dos esforços e capacidades, propriedade coletiva parcial ou total de bens, partilha dos resultados e responsabilidade solidária diante das dificuldades.
  • 46. Autogestão Exercício de práticas participativas de autogestão nos processos de trabalho, nas definições estratégicas e cotidianas dos empreendimentos, na direção e coordenação das ações nos seus diversos graus e interesses.
  • 47. Viabilidade Econômica Agregação de esforços, recursos e conhecimentos para viabilizar as iniciativas coletivas de produção, prestação de serviços, beneficiamento, crédito, comercialização e consumo.
  • 48. Solidariedade Preocupação permanente com a justa distribuição dos resultados e a melhoria das condições de vida de participantes. Comprometimento com o meio ambiente saudável e com a comunidade, com movimentos emancipatórios e com o bem estar de quem produz e quem consome.
  • 49. Como ensina Edgard Morin, vivemos num tempo onde o cheio provoca o oco, a saciedade gera a angústia, o permanente é trocado pelo atual, o "mais novo". Quais são os compromissos e desafios de um agente, produtor, gestor cultural ?
  • 50. Referências BARROS, José Marcio, OLIVEIRA JR. Pensar e Agir com a Cultura – Desafios da gestão cultural. BH: Observatório da Diversidade Cultural, 2011. KLIKSBERG, Bernardo; VALENZUELA, Sandra Trabucco Falácias e mitos do desenvolvimento social Editora Cortez, 2001, MARTINHO, Cássio. Redes: uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização. WWF-Brasil, 2003. UNESCO, Relatório Investir na diversidade e no diálogo intercultural, 2012