SlideShare uma empresa Scribd logo
IMUNOLOGIA
CLÍNICA
CIRCULAÇÃO DE
LEUCÓCITOS E
MIGRAÇÃO PARA OS
TECIDOS
PROF.THIAGO FREITAS
¡ Uma propriedade singular
do tecido imunológico que
o distingue dos outros
sistemas de tecidos do
corpo é o movimento
constante e altamente
regulado de seus principais
componentes celulares pelo
sangue, nos tecidos e, com
frequência, de volta ao
sangue.
AULA 7
FUNÇÕES DA
MIGRAÇÃO
LEUCOCITÁRIA
¡ Transporte dos leucócitos de
linhagem mieloide (principalmente
neutrófilos e monócitos) de seu
local de maturação na medula óssea
até os locais teciduais de infecção
ou de lesão, onde essas células
executam suas funções protetoras
de eliminação dos agentes
infecciosos, remoção dos tecidos
mortos e reparo da lesão.
FUNÇÕES DA
MIGRAÇÃO
LEUCOCITÁRIA
¡Transporte dos linfócitos de seus
locais de maturação (medula óssea
ou timo) para os órgãos linfoides
secundários, onde entram em
contato com antígenos e sofrem
diferenciação em linfócitos efetores
e de memória.
FUNÇÕES DA
MIGRAÇÃO
LEUCOCITÁRIA
¡Transporte dos linfócitos efetores
dos órgãos linfoides primários em
que foram produzidos até os locais
de infecção em qualquer tecido no
qual desempenham suas funções
protetoras.
A IMUNIDADE ÉTANTO LOCAL COMO SISTÊMICA
Homing
leucocitário
Migração ou Recrutamento
Migração de um leucócito para
fora do sangue e em direção a
um tecido em particular
Processo geral de movimento
do leucócito do sangue para os
tecidos
Recirculação
A habilidade dos linfócitos de
chegarem repetidamente aos
órgãos linfoides secundários,
residir transientemente nesses
locais e retornarem ao sangue.
¡ O recrutamento de leucócitos e proteínas plasmáticas do sangue para os sítios de
infecção e de lesão tecidual é a parte principal do processo chamado inflamação.
INFLAMAÇÃO
Do latim inflamare
Reação dos tecidos vascularizados a um agente
agressor caracterizada morfologicamente pela saída
de líquidos e de células do sangue para o interstício.
¡ Aumento do
fluxo
sanguíneo;
¡ Aumento da
permeabilida
de vascular;
• Microrganismos
• Parasitos
• Agentes físicos e
químicos
• Reações
imunológicas
Atua no tecido e promove a liberação
de mediadores inflamatórios
• Aumento da permeabilidade vascular
• Saída do plasma e células para o interstício
ELIMINAÇÃO DO
AGENTE
INFLAMATÓRIO
- Reduz a liberação dos mediadores pró-
inflamatórios.
- - Predomínio dos antiinflamatórios
MIGRAÇÃO DE
LEUCÓCITOS
¡Tipicamente, os
estímulos ativadores
consiste de produtos de
micro-organismos
(substâncias tóxicas
liberadas ou por
fragmento microbiano) e
substâncias (citocinas)
liberadas pelas células
mortas no local de
infecção.
MIGRAÇÃO DE
LEUCÓCITOS
¡ As células endoteliais nos
locais de infecção e de lesão
tecidual também são ativadas,
principalmente em resposta a
citocinas secretadas por
macrófagos e por outras células
teciduais desses locais.
- Histamina
- Prostaglandina
- Cinina
- Leucotrieno
Histamina
• Sintetizada a partir do aminoácido L-
histidina.
• Causa vasodilatação, aumento da
permeabilidade vascular (edema) e
contração da musculatura lisa
(brônquica e gastrointestinal) através da
ativação dos receptores H1.
Cininas
• Polipéptideos naturais
• Promovem aumento da permeabilidade
vascular, indução de inflamação,
quimiotaxia de neutrófilos, vasodilatação,
extravasamento de plasma, dor,
hiperalgesia, ativação do sistema
complemento além de contribuir para a
manutenção da homeostase vascular.
Leucotrienos
• Leucotrienos (LTs) são mediadores
lipídicos derivados do ácido
araquidônico.
• Existem evidências que receptores da
imunidade inata interagem com
receptores para LTs amplificando
funções efetoras de macrófagos.
Prostaglandinas
São um grupo de lipídios produzidos em
locais de dano ou infecção tecidual que
estão envolvidos no tratamento de
lesões e doenças.
Controlam processos como inflamação,
fluxo sanguíneo, formação de coágulos
sanguíneos e indução do parto.
MIGRAÇÃO DOS LEUCÓCITOS
¡ O recrutamento dos leucócitos e das proteínas
plasmáticas do sangue para os locais de infecção
e de lesão tecidual é denominado INFLAMAÇÃO.
O recrutamento dos leucócitos leucócitos do sangue
para os tecidos depende, em primeiro lugar, da adesão
dos leucócitos ao revestimento endotelial e em seguida
do movimento através do endotélio e da membrana
basal subjacente para dentro do tecido extravascular.
AULA 7
SELECTINAS E LIGANTES DE SELECTINAS
As selectinas são moléculas de adesão que são expressas
na membrana das células endoteliais mediante diferencial
químico do meio adjacente.
As selectinas são responsáveis pela adesão de baixa
afinidade leucocitária.
É expressa em resposta a produtos microbianos, citocinas,
histamina liberada por mastócitos teciduais e trombina
gerada durante a coagulação sanguínea principalmente.
As células endoteliais expressam dois tipos de selectinas
P-selectina (CD62P) E-selectina
(CD62E).
• Primeiro encontrada em plaquetas, é
armazenada nos grânulos
citoplasmáticos das células endoteliais
• Rapidamente redistribuída para a
superfície luminal em resposta à
histamina dos mastócitos e da
trombina gerada durante a coagulação
sanguínea
• A E-selectina é sintetizada e expressa na
superfície da célula endotelial
• Interleucina-1 (IL-1) e fator de necrose
tumoral (TNF), as quais são produzidas
por células sentinelas teciduais (DCs e
macrófagos) em resposta à infecção.
• Produtos microbianos
(lipopolissacarídio (LPS)) também
estimulam sua expressão
¡ São produzidas e liberadas no ambiente infeccioso
ou lesionado pelos macrófagos fixos ou residentes.
¡ Os neutrófilos, principalmente, se ligam fracamente
a selectina (ligante de selectina) e o próprio fluxo
sanguíneo destrói essa ligação, fazendo com que a
mesma célula se ligue logo a frente (rolamento
leucocitário)
EXPRESSÃO DE SELECTINAS
DUAS CITOCINAS
Fator de Necrose
Tumoral (TNF)
Interleucina-1 (IL-1)
Agem no endotélio
vascular, estimulando a
expressão de selectinas.
INTEGRINAS E LIGANTES DE INTEGRINAS
INTEGRINAS
E LIGANTES
DE
INTEGRINAS
As integrinas são proteínas de superfície
celular que medeiam a adesão entre
células ou entre células e matriz
extracelular, por meio de interações
específicas de ligação a vários ligantes.
São expressas na superfície da célula
(leucócito) em resposta a quimiocinas
atrativas, liberadas no ambiente
infeccioso ou lesionado.
INTEGRINAS E
LIGANTES DE
INTEGRINAS
¡ A medida que o leucócito rola na
superfície endotelial, sofre ação das
quimiocinas e inicia a expressão de
integrina.
¡ A célula endotelial, em resposta a
essas quimiocinas, expressa
ligantes de integrinas, favorecendo
a ligação.
¡ TNF e IL-1 aumentam a expressão
endotelial de ligante de integrina.
¡ A ligação a integrina/Ligante de
integrina, interrompe a rolagem
leucocitária e possibilita a migração
(diapedese).
QUIMIOCINAS
¡ As quimiocinas são uma grande família de citocinas estruturalmente homólogas que
estimulam o movimento dos leucócitos e regulam a migração dos leucócitos do sangue
para os tecidos.
¡ Nas reações inflamatórias, as quimiocinas atuam no recrutamento de leucócitos
circulantes dos vasos sanguíneos para os sítios extravasculares.
¡ As quimiocinas têm dois papéis na inflamação
Aumentar a adesão dos leucócitos ao
endotélio.
Migração dos leucócitos através dos
vasos e em direção ao sítio de infecção
ou de tecido danificado.
QUAL A IMPORTÂNCIA DA
MIGRAÇÃO DE
LEUCÓCITOS?
DESTRUIÇÃO DE
MICRO-
ORGANISMO E
FAGOCITOSE DE
RESTOS
CELULARES.
MIGRAÇÃO DOS LEUCÓCITOS
¡ Quanto maior a lesão provocada por micro-organismos, quanto maior o número de micro-
organismos no ambiente da lesão, maior será a quantidade de leucócitos (e outros componentes
do sistema imune) que migrará.
¡ Alguns leucócitos, como os neutrófilos, tentam englobar uma grande quantidade de micro-
organismos, sendo danificado e morto por tal tentativa, o que gera uma grande quantidade de
material purulento.
MIGRAÇÃO E RECIRCULAÇÃO
DOS LINFÓCITOS
¡ Os linfócitos estão em contínuo movimento
através da corrente sanguínea, dos vasos
linfáticos, tecidos linfoides secundários e tecidos
não linfoides periféricos
¡ O endereçamento das células T e B para dentro e
fora dos gânglios linfáticos, tecidos linfoides
associados a mucosa, endotélio vascular ou
tecidos, ocorre através de células especializadas e
são dependente de uma ampla gama de
receptores.
As célulasT naive deixam o
sangue e entram nos
linfonodos preferencialmente
através das hevs. As dcs
portadoras de antígenos
entram nos linfonodos através
dosvasos linfáticos. Se as
célulasT reconhecerem o
antígeno, tornam-se ativadas e
retornam para a circulação
através dosvasos linfáticos
eferentes e do ducto torácico,
o qual desemboca naveia cava
superior, então no coração
OBRIGADO
THIAGO-25@HOTMAIL.COM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3 inflamacao -mv
3 inflamacao -mv3 inflamacao -mv
3 inflamacao -mv
Tamiris Ferreira
 
Desfecho da inflamação aguda
Desfecho da inflamação agudaDesfecho da inflamação aguda
Desfecho da inflamação aguda
Nathalia Fuga
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Helena Amaral
 
Aula 6 inflamação crônica
Aula 6 inflamação crônicaAula 6 inflamação crônica
Aula 6 inflamação crônica
enfermagem copias
 
Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1
Juliana Vasconcelos
 
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
Caroline Leite
 
2. intr. inflamação
2. intr. inflamação2. intr. inflamação
2. intr. inflamação
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Inflamação crônica (reparo)
Inflamação crônica (reparo)Inflamação crônica (reparo)
Inflamação crônica (reparo)
FAMENE 2018.2b
 
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo nettoPatologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacaoProcessos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
Alexis Lousada
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
Raimundo Tostes
 
Inflamação e Reparação
Inflamação e ReparaçãoInflamação e Reparação
Inflamação e Reparação
Jessica Monteiro
 
Mediadores inflamatórios
Mediadores inflamatóriosMediadores inflamatórios
Mediadores inflamatórios
Vinicius Monteirobarreto
 
07a inflamacao e_reparo
07a inflamacao e_reparo07a inflamacao e_reparo
07a inflamacao e_reparo
Eliziario Leitão
 
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo nettoPatologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
03 inflamacao aguda_daniel
03 inflamacao aguda_daniel03 inflamacao aguda_daniel
03 inflamacao aguda_daniel
Juliana Vasconcelos
 
Plantas medicinais e fitoterápicos no sistema respiratório 2014
Plantas medicinais e fitoterápicos no sistema respiratório 2014Plantas medicinais e fitoterápicos no sistema respiratório 2014
Plantas medicinais e fitoterápicos no sistema respiratório 2014
Universidade Anhanguera de São Paulo - Unidade Pirituba
 
Inflamações Agudas
Inflamações AgudasInflamações Agudas
Inflamações Agudas
Victor Eduardo
 
Processos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônicoProcessos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônico
Marília Gomes
 

Mais procurados (19)

3 inflamacao -mv
3 inflamacao -mv3 inflamacao -mv
3 inflamacao -mv
 
Desfecho da inflamação aguda
Desfecho da inflamação agudaDesfecho da inflamação aguda
Desfecho da inflamação aguda
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Aula 6 inflamação crônica
Aula 6 inflamação crônicaAula 6 inflamação crônica
Aula 6 inflamação crônica
 
Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1
 
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
 
2. intr. inflamação
2. intr. inflamação2. intr. inflamação
2. intr. inflamação
 
Inflamação crônica (reparo)
Inflamação crônica (reparo)Inflamação crônica (reparo)
Inflamação crônica (reparo)
 
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo nettoPatologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
 
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacaoProcessos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Inflamação e Reparação
Inflamação e ReparaçãoInflamação e Reparação
Inflamação e Reparação
 
Mediadores inflamatórios
Mediadores inflamatóriosMediadores inflamatórios
Mediadores inflamatórios
 
07a inflamacao e_reparo
07a inflamacao e_reparo07a inflamacao e_reparo
07a inflamacao e_reparo
 
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo nettoPatologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
 
03 inflamacao aguda_daniel
03 inflamacao aguda_daniel03 inflamacao aguda_daniel
03 inflamacao aguda_daniel
 
Plantas medicinais e fitoterápicos no sistema respiratório 2014
Plantas medicinais e fitoterápicos no sistema respiratório 2014Plantas medicinais e fitoterápicos no sistema respiratório 2014
Plantas medicinais e fitoterápicos no sistema respiratório 2014
 
Inflamações Agudas
Inflamações AgudasInflamações Agudas
Inflamações Agudas
 
Processos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônicoProcessos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônico
 

Semelhante a AULA 7

Células do Sistema Imune 2
Células do Sistema Imune 2Células do Sistema Imune 2
Células do Sistema Imune 2
Lys Duarte
 
Aula-inflamaçao-Medicina-Sandra-.pptx
Aula-inflamaçao-Medicina-Sandra-.pptxAula-inflamaçao-Medicina-Sandra-.pptx
Aula-inflamaçao-Medicina-Sandra-.pptx
MizaelCalcio1
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
Ruth L
 
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjfAULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AngelicaCostaMeirele2
 
Alterações Pulpares e Peripicais - Inflamação e Reparação.pdf
Alterações Pulpares e Peripicais - Inflamação e Reparação.pdfAlterações Pulpares e Peripicais - Inflamação e Reparação.pdf
Alterações Pulpares e Peripicais - Inflamação e Reparação.pdf
GAMA FILHO
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
samir12
 
Imunidade
ImunidadeImunidade
Sistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o bSistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o b
SESI 422 - Americana
 
Fisiopatologia ii
Fisiopatologia iiFisiopatologia ii
Fisiopatologia ii
Rosely_ro
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Safia Naser
 
Cap1 imunologia
Cap1 imunologiaCap1 imunologia
Cap1 imunologia
philhote
 
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
MayaraGomes216833
 
7a série sistema imunológico
7a série   sistema imunológico7a série   sistema imunológico
7a série sistema imunológico
SESI 422 - Americana
 
Sistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºSistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12º
trawwr
 
Células e Tecidos
Células e TecidosCélulas e Tecidos
Células e Tecidos
LABIMUNO UFBA
 
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula iiCélulas, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Bila Bernardes
 
T rabalho de anatomia
T rabalho de anatomiaT rabalho de anatomia
T rabalho de anatomia
Esteticista Tati Maia
 
31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii
Leonor Vaz Pereira
 

Semelhante a AULA 7 (20)

Células do Sistema Imune 2
Células do Sistema Imune 2Células do Sistema Imune 2
Células do Sistema Imune 2
 
Aula-inflamaçao-Medicina-Sandra-.pptx
Aula-inflamaçao-Medicina-Sandra-.pptxAula-inflamaçao-Medicina-Sandra-.pptx
Aula-inflamaçao-Medicina-Sandra-.pptx
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjfAULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
 
Alterações Pulpares e Peripicais - Inflamação e Reparação.pdf
Alterações Pulpares e Peripicais - Inflamação e Reparação.pdfAlterações Pulpares e Peripicais - Inflamação e Reparação.pdf
Alterações Pulpares e Peripicais - Inflamação e Reparação.pdf
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
 
Imunidade
ImunidadeImunidade
Imunidade
 
Sistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o bSistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o b
 
Fisiopatologia ii
Fisiopatologia iiFisiopatologia ii
Fisiopatologia ii
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Cap1 imunologia
Cap1 imunologiaCap1 imunologia
Cap1 imunologia
 
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
 
7a série sistema imunológico
7a série   sistema imunológico7a série   sistema imunológico
7a série sistema imunológico
 
Sistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºSistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12º
 
Células e Tecidos
Células e TecidosCélulas e Tecidos
Células e Tecidos
 
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula iiCélulas, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
 
T rabalho de anatomia
T rabalho de anatomiaT rabalho de anatomia
T rabalho de anatomia
 
31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii
 

Mais de Thiago Freitas

Imuno 3
Imuno 3Imuno 3
Grafico e tabela
Grafico e tabelaGrafico e tabela
Grafico e tabela
Thiago Freitas
 
Introducao
IntroducaoIntroducao
Introducao
Thiago Freitas
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
Thiago Freitas
 
Validade
ValidadeValidade
Validade
Thiago Freitas
 
A logica da investigacao
A logica da investigacaoA logica da investigacao
A logica da investigacao
Thiago Freitas
 
Aula 8 e 9 SUS
Aula 8 e 9   SUSAula 8 e 9   SUS
Aula 8 e 9 SUS
Thiago Freitas
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 16
Aula 16Aula 16
Aula 15
Aula 15Aula 15
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 14
Aula 14Aula 14
Aula 6 - ANATOMIA E FUNCOES DOS TECIDOS LINFOIDES
Aula 6  - ANATOMIA E FUNCOES DOS TECIDOS LINFOIDESAula 6  - ANATOMIA E FUNCOES DOS TECIDOS LINFOIDES
Aula 6 - ANATOMIA E FUNCOES DOS TECIDOS LINFOIDES
Thiago Freitas
 

Mais de Thiago Freitas (13)

Imuno 3
Imuno 3Imuno 3
Imuno 3
 
Grafico e tabela
Grafico e tabelaGrafico e tabela
Grafico e tabela
 
Introducao
IntroducaoIntroducao
Introducao
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
 
Validade
ValidadeValidade
Validade
 
A logica da investigacao
A logica da investigacaoA logica da investigacao
A logica da investigacao
 
Aula 8 e 9 SUS
Aula 8 e 9   SUSAula 8 e 9   SUS
Aula 8 e 9 SUS
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Aula 16
Aula 16Aula 16
Aula 16
 
Aula 15
Aula 15Aula 15
Aula 15
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
Aula 14
 
Aula 6 - ANATOMIA E FUNCOES DOS TECIDOS LINFOIDES
Aula 6  - ANATOMIA E FUNCOES DOS TECIDOS LINFOIDESAula 6  - ANATOMIA E FUNCOES DOS TECIDOS LINFOIDES
Aula 6 - ANATOMIA E FUNCOES DOS TECIDOS LINFOIDES
 

AULA 7

  • 2. CIRCULAÇÃO DE LEUCÓCITOS E MIGRAÇÃO PARA OS TECIDOS PROF.THIAGO FREITAS
  • 3. ¡ Uma propriedade singular do tecido imunológico que o distingue dos outros sistemas de tecidos do corpo é o movimento constante e altamente regulado de seus principais componentes celulares pelo sangue, nos tecidos e, com frequência, de volta ao sangue.
  • 5. FUNÇÕES DA MIGRAÇÃO LEUCOCITÁRIA ¡ Transporte dos leucócitos de linhagem mieloide (principalmente neutrófilos e monócitos) de seu local de maturação na medula óssea até os locais teciduais de infecção ou de lesão, onde essas células executam suas funções protetoras de eliminação dos agentes infecciosos, remoção dos tecidos mortos e reparo da lesão.
  • 6. FUNÇÕES DA MIGRAÇÃO LEUCOCITÁRIA ¡Transporte dos linfócitos de seus locais de maturação (medula óssea ou timo) para os órgãos linfoides secundários, onde entram em contato com antígenos e sofrem diferenciação em linfócitos efetores e de memória.
  • 7. FUNÇÕES DA MIGRAÇÃO LEUCOCITÁRIA ¡Transporte dos linfócitos efetores dos órgãos linfoides primários em que foram produzidos até os locais de infecção em qualquer tecido no qual desempenham suas funções protetoras.
  • 8. A IMUNIDADE ÉTANTO LOCAL COMO SISTÊMICA Homing leucocitário Migração ou Recrutamento Migração de um leucócito para fora do sangue e em direção a um tecido em particular Processo geral de movimento do leucócito do sangue para os tecidos Recirculação A habilidade dos linfócitos de chegarem repetidamente aos órgãos linfoides secundários, residir transientemente nesses locais e retornarem ao sangue.
  • 9. ¡ O recrutamento de leucócitos e proteínas plasmáticas do sangue para os sítios de infecção e de lesão tecidual é a parte principal do processo chamado inflamação. INFLAMAÇÃO Do latim inflamare Reação dos tecidos vascularizados a um agente agressor caracterizada morfologicamente pela saída de líquidos e de células do sangue para o interstício.
  • 10. ¡ Aumento do fluxo sanguíneo; ¡ Aumento da permeabilida de vascular;
  • 11. • Microrganismos • Parasitos • Agentes físicos e químicos • Reações imunológicas Atua no tecido e promove a liberação de mediadores inflamatórios • Aumento da permeabilidade vascular • Saída do plasma e células para o interstício ELIMINAÇÃO DO AGENTE INFLAMATÓRIO - Reduz a liberação dos mediadores pró- inflamatórios. - - Predomínio dos antiinflamatórios
  • 12. MIGRAÇÃO DE LEUCÓCITOS ¡Tipicamente, os estímulos ativadores consiste de produtos de micro-organismos (substâncias tóxicas liberadas ou por fragmento microbiano) e substâncias (citocinas) liberadas pelas células mortas no local de infecção.
  • 13. MIGRAÇÃO DE LEUCÓCITOS ¡ As células endoteliais nos locais de infecção e de lesão tecidual também são ativadas, principalmente em resposta a citocinas secretadas por macrófagos e por outras células teciduais desses locais. - Histamina - Prostaglandina - Cinina - Leucotrieno
  • 14. Histamina • Sintetizada a partir do aminoácido L- histidina. • Causa vasodilatação, aumento da permeabilidade vascular (edema) e contração da musculatura lisa (brônquica e gastrointestinal) através da ativação dos receptores H1. Cininas • Polipéptideos naturais • Promovem aumento da permeabilidade vascular, indução de inflamação, quimiotaxia de neutrófilos, vasodilatação, extravasamento de plasma, dor, hiperalgesia, ativação do sistema complemento além de contribuir para a manutenção da homeostase vascular. Leucotrienos • Leucotrienos (LTs) são mediadores lipídicos derivados do ácido araquidônico. • Existem evidências que receptores da imunidade inata interagem com receptores para LTs amplificando funções efetoras de macrófagos. Prostaglandinas São um grupo de lipídios produzidos em locais de dano ou infecção tecidual que estão envolvidos no tratamento de lesões e doenças. Controlam processos como inflamação, fluxo sanguíneo, formação de coágulos sanguíneos e indução do parto.
  • 15. MIGRAÇÃO DOS LEUCÓCITOS ¡ O recrutamento dos leucócitos e das proteínas plasmáticas do sangue para os locais de infecção e de lesão tecidual é denominado INFLAMAÇÃO. O recrutamento dos leucócitos leucócitos do sangue para os tecidos depende, em primeiro lugar, da adesão dos leucócitos ao revestimento endotelial e em seguida do movimento através do endotélio e da membrana basal subjacente para dentro do tecido extravascular.
  • 17. SELECTINAS E LIGANTES DE SELECTINAS As selectinas são moléculas de adesão que são expressas na membrana das células endoteliais mediante diferencial químico do meio adjacente. As selectinas são responsáveis pela adesão de baixa afinidade leucocitária. É expressa em resposta a produtos microbianos, citocinas, histamina liberada por mastócitos teciduais e trombina gerada durante a coagulação sanguínea principalmente.
  • 18. As células endoteliais expressam dois tipos de selectinas P-selectina (CD62P) E-selectina (CD62E). • Primeiro encontrada em plaquetas, é armazenada nos grânulos citoplasmáticos das células endoteliais • Rapidamente redistribuída para a superfície luminal em resposta à histamina dos mastócitos e da trombina gerada durante a coagulação sanguínea • A E-selectina é sintetizada e expressa na superfície da célula endotelial • Interleucina-1 (IL-1) e fator de necrose tumoral (TNF), as quais são produzidas por células sentinelas teciduais (DCs e macrófagos) em resposta à infecção. • Produtos microbianos (lipopolissacarídio (LPS)) também estimulam sua expressão
  • 19. ¡ São produzidas e liberadas no ambiente infeccioso ou lesionado pelos macrófagos fixos ou residentes. ¡ Os neutrófilos, principalmente, se ligam fracamente a selectina (ligante de selectina) e o próprio fluxo sanguíneo destrói essa ligação, fazendo com que a mesma célula se ligue logo a frente (rolamento leucocitário) EXPRESSÃO DE SELECTINAS DUAS CITOCINAS Fator de Necrose Tumoral (TNF) Interleucina-1 (IL-1) Agem no endotélio vascular, estimulando a expressão de selectinas.
  • 20. INTEGRINAS E LIGANTES DE INTEGRINAS
  • 21. INTEGRINAS E LIGANTES DE INTEGRINAS As integrinas são proteínas de superfície celular que medeiam a adesão entre células ou entre células e matriz extracelular, por meio de interações específicas de ligação a vários ligantes. São expressas na superfície da célula (leucócito) em resposta a quimiocinas atrativas, liberadas no ambiente infeccioso ou lesionado.
  • 22. INTEGRINAS E LIGANTES DE INTEGRINAS ¡ A medida que o leucócito rola na superfície endotelial, sofre ação das quimiocinas e inicia a expressão de integrina. ¡ A célula endotelial, em resposta a essas quimiocinas, expressa ligantes de integrinas, favorecendo a ligação. ¡ TNF e IL-1 aumentam a expressão endotelial de ligante de integrina. ¡ A ligação a integrina/Ligante de integrina, interrompe a rolagem leucocitária e possibilita a migração (diapedese).
  • 23. QUIMIOCINAS ¡ As quimiocinas são uma grande família de citocinas estruturalmente homólogas que estimulam o movimento dos leucócitos e regulam a migração dos leucócitos do sangue para os tecidos. ¡ Nas reações inflamatórias, as quimiocinas atuam no recrutamento de leucócitos circulantes dos vasos sanguíneos para os sítios extravasculares. ¡ As quimiocinas têm dois papéis na inflamação Aumentar a adesão dos leucócitos ao endotélio. Migração dos leucócitos através dos vasos e em direção ao sítio de infecção ou de tecido danificado.
  • 24. QUAL A IMPORTÂNCIA DA MIGRAÇÃO DE LEUCÓCITOS? DESTRUIÇÃO DE MICRO- ORGANISMO E FAGOCITOSE DE RESTOS CELULARES.
  • 25. MIGRAÇÃO DOS LEUCÓCITOS ¡ Quanto maior a lesão provocada por micro-organismos, quanto maior o número de micro- organismos no ambiente da lesão, maior será a quantidade de leucócitos (e outros componentes do sistema imune) que migrará. ¡ Alguns leucócitos, como os neutrófilos, tentam englobar uma grande quantidade de micro- organismos, sendo danificado e morto por tal tentativa, o que gera uma grande quantidade de material purulento.
  • 26. MIGRAÇÃO E RECIRCULAÇÃO DOS LINFÓCITOS ¡ Os linfócitos estão em contínuo movimento através da corrente sanguínea, dos vasos linfáticos, tecidos linfoides secundários e tecidos não linfoides periféricos ¡ O endereçamento das células T e B para dentro e fora dos gânglios linfáticos, tecidos linfoides associados a mucosa, endotélio vascular ou tecidos, ocorre através de células especializadas e são dependente de uma ampla gama de receptores.
  • 27. As célulasT naive deixam o sangue e entram nos linfonodos preferencialmente através das hevs. As dcs portadoras de antígenos entram nos linfonodos através dosvasos linfáticos. Se as célulasT reconhecerem o antígeno, tornam-se ativadas e retornam para a circulação através dosvasos linfáticos eferentes e do ducto torácico, o qual desemboca naveia cava superior, então no coração